ISSN Revista de Administração do Gestor, Rio de Janeiro Vol. 1, n. 2, pág , dez. 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ISSN 2236-8167 Revista de Administração do Gestor, Rio de Janeiro Vol. 1, n. 2, pág. 13-219, dez. 2011"

Transcrição

1

2 ISSN Revista de Administração do Gestor, Rio de Janeiro Vol. 1, n. 2, pág , dez. 2011

3 FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca Central da Universidade Gama Filho) Revista de Administração do Gestor : RAG / Universidade Gama Filho. Vol. 1, n. 1 (jul. 2011) -. Rio de Janeiro : Editora Gama Filho, v.: 21 cm Semestral. Periódico sob coordenação do Curso de Graduação em Administração. ISSN Administração Periódicos. I. Universidade Gama Filho. CDD (20. ed.)

4 Reitor prof. Marcio André Mendes Costa Pró-Reitor de Humanidades e Ciências Sociais prof. Paulo César Dahia Ducos Pró-Reitor de Saúde prof. Gilberto Chaves Pró-Reitor de Exatas e Tecnologia prof. Paulo César Dahia Ducos Pró-Reitor de Administração e Desenvolvimento prof. Sergio Norbert Editor dante gastaldoni Programador Visual andré luiz santos

5

6 Editor Chefe Prof. Gilberto Jorge da Cruz Araújo, Dr. (UGF/RJ) Editor Científico Prof. Jefferson Leal Bueno, msc. (UGF/RJ) Conselho Editorial Profª. Christina Thereza Bassani Teixeira, Drª (UGF/RJ) Prof. Edson José Dalto, Dr. (IBmEC) Profª Elisa maria R. Sharland, Dra. (FGV/RJ) Prof. Gilberto Jorge da Cruz Araújo, Dr. (UGF/RJ) Prof. Lansana Seydi, Dr. ( UGF/RJ) Profª. Luci Ruas Pereira, Dra. (UGF/RJ) Prof. Norman Roland madarasz, Dr. (UGF/RJ) Prof. Ronaldo de Souza Leite Shantaignier, Dr. (FGV/RJ) Corpo de Pareceristas Prof. Cleber Almeida de Oliveira, Dr. (UGF/RJ) Profª Deborah moraes Zouain, Drª (FGV/EBAPE/RJ) Prof. João Alfredo Lagoa, m.sc. (UGF/RJ) Prof. Luiz Flávio Autran monteiro Gomes, PhD. (IBmEC/RJ) Prof. marcio Suzano, msc. (UGF/RJ) Profª. marina Brochado Rodrigues, Ph.D (CEFET/RJ) Prof. mário manhães mosso, Dr. (CEFET/RJ) Prof. Pablo Bielschowsky, msc. (UCB/RJ) Prof. Paulo Caruso Filho, msc. (UNIGRANRIO/RJ) Prof. Roberto marcos da Silva montezano, Dr. (IBmEC/RJ) Revisão Profª. Luci Ruas Pereira, Dra. (UGF/RJ)

7

8 EDITORIAL A Universidade Gama Filho vem passando por grandes transformações em sua estrutura, que trouxeram novas perspectivas para a universidade como um todo. Dentre as novas diretrizes, está incluída a ênfase na necessidade de pesquisa e publicações por parte do corpo docente. A Pró-Reitoria de Humanidades e Ciências Sociais resolveu criar a Revista de Administração do Gestor como um veículo de divulgação pelo qual membros dos corpos docente e discente possam apresentar sua produção para a comunidade científica. Espera-se que a participação aumente nos próximos números de modo que seja representativa do trabalho de pesquisa realizado na área de Administração. Paulo Cesar Dahia Ducos Pró-Reitor

9

10 Sumário 13 O INVESTIMENTO EM TREINAMENTO COMO FORMA DE INCREMENTO DO CAPITAL INTELECTUAL Renata Andreoni Barboza Luciana Heringer Freitas de Mello Márcia Verônica de Paiva Machado Polyana Batista da Silva 47 O TREINAMENTO INFLUÊNCIANDO NOS RESULTADOS NA ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES NAS ORGANIZACÕES INDUSTRIAIS Márcio A. Suzano Carlos A. S. Carvalho Luciano Pinto Marcus Vianna Luciano Palomino F. dos Santos 57 As Pessoas como Diferencial de Sucesso na Implantação de Programas de Qualidade Daniella Guimarães Bergamini de Sá Marcelo Lopes da Rosa Lisboa Luz 87 GOVERNANÇA CORPORATIVA E GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE AS METODOLOGIAS ITIL E COBIT Carlos Antonio da Silva Carvalho Márcio Alves Suzano Fernando César Almeida Silva Marcos de Oliveira Garrido Walber Santos de Assis

11 SUMÁRIO 113 HÁ DIFERENÇA DE PERCEPÇÃO DAS PREMISSAS DA GERAÇÃO Y POR UNIVERSITÁRIOS INTEGRANTES DE CLASSES SOCIAIS DIFERENTES? Fernando Gaspar de Mattos Maria Augusta Soares Machado Jefferson Leal Bueno 141 Capacitação Profissional: um Estudo Bibliográfico sobre a sua Importância no Contexto Corporativo. Márcio Alves Suzano Luciano Rodrigues Pinto Marcus Vinicius Vianna Castro Carlos Antônio de Carvalho Luciano Palomino Fidelis dos Santos 151 A Importância da Logística Reversa no Descarte do e-lixo Andréia do Nascimento Oliveira Iana Alane Xavier da Silva Luciana Mendes da Silva Maurício Julio Rosa de Oliveira Christina Bassani Magda Zeraik Barreto

12 SUMÁRIO 171 A Responsabilidade do Estado nos Danos Ambientais Causados pela Construção Civil Taciane Sardinha Sarto Tamara Alves Rodrigues Thaís Toscano de Oliveira Christina Bassani, Dra. Magda Zeraik Barreto, M. Sc. 185 Uma Reflexão sobre Belo Monte e a Sustentabilidade Viviane Wallen Silva de Moura Ribeiro Christina Bassani, Dra. Christiane Leal Corrêa

13

14 13 O Investimento em Treinamento como forma de Incremento do Capital Intelectual Renata Andreoni Barboza, M. Sc. Luciana Heringer Freitas de Mello, M. Sc. Márcia Verônica de Paiva Machado, M. Sc. Polyana Batista da Silva, M. Sc. Resumo. A Nova Economia apresenta alta competitividade e necessidade constante de inovação em produtos (bens e serviços). Este trabalho propõe-se a apresentar uma revisão bibliográfica em contabilidade referente aos temas: Nova Economia; Competitividade; Treinamento; Capital Intelectual; Ativo Intangível. No processo metodológico buscaram-se os periódicos listados no topo do ranking de periódicos acadêmicos e os principais autores do tema em questão. Após esta leitura, foi composta a análise temática e desenvolvimento da teoria. A relevância deste estudo encontra-se em entender como as empresas podem se tornar mais competitivas a partir de investimentos em capital intelectual (ativo intangível), já que este é de difícil mensuração em termos financeiros. A revisão da literatura aponta para a possibilidade de avaliar, através de indicadores não financeiros, o capital intelectual ação necessária, pois este compõe vantagem competitiva para a organização. Palavras-chave: Competitividade. Nova Economia. Treinamento. Capital Intelectual. Ativo Intangível.

15 Universidade Gama Filho 14 Abstract. The New Economy is highly competitive and requires constant innovation in products (goods and services). This study aims to present a literature review of the accounting related to the topics: New Economy; Competitiveness; Training; Intellectual Capital; Intangible Assets. In the methodology process we sought the journals listed at the top of the ranking of academic journals and the main authors of the topic. After this reading, was composed a thematic analysis and development of the theory. The relevance of this is to understand how companies can become more competitive with investments in intellectual capital (intangible assets), since it is difficult to measure in financial terms. A review of the literature points to the possibility of evaluating, through non-financial indicators, the intellectual capital - action required, as this makes up a competitive advantage for the organization. Keywords: Competitiveness. New Economy. Training. Intellectual Capital. Intangible Assets. 1. Introdução Vivemos hoje em um mundo de instabilidade econômica, competitividade entre as empresas e necessidade de constante inovação de produtos (bens e serviços). O século XX teve seu início marcado por organizações eminentemente de produção de bens duráveis, de produção em massa. Terminamos este século com um cenário bem diferente. Essa velha economia, baseada em produtos concretos, deu lugar à Nova Economia, também conhecida como a Era do Conhecimento. Nela, os elementos que agregam valor ao produto são cada vez menos concretos: serviços agregam valor, a marca agrega valor, assim como a capacidade de inovação da empresa também. Vol. 1, n. 2, pág , dez. 2011

16 Revista de Administração do Gestor 15 Passamos a reconhecer, então, os ativos intangíveis e sua importância. Dentre eles, o Capital Intelectual ganhou destaque, pois é visto por muitos como vantagem competitiva. O capital intelectual que, segundo Crawford (1994), significa pessoas estudadas e especializadas, é o ponto central na transformação global. A organização hoje passa a ver no treinamento e desenvolvimento de seu pessoal em especial, uma forma de aumentar e valorizar seus ativos intangíveis. É a partir do capital intelectual disponível na empresa que é possível desenvolver e agregar valor a marcas, serviços, novos produtos e estratégias, de forma a manter-se e aumentar sua competitividade. Este trabalho propõe-se a apresentar uma revisão de literatura em contabilidade referente aos temas: Nova Economia; Competitividade; Treinamento; Capital Intelectual; Ativo Intangível. 2. Metodologia Foi realizada uma varredura nos artigos e livros referentes a temas apresentados nas palavras-chave deste trabalho: Competitividade (Competitiveness); Nova Economia (New Economy); Treinamento (Training); Capital Intelectual (Intellectual Capital); Ativo Intangível (Intangible Asset). Os livros foram retirados da base de dados da Biblioteca Mario Henrique Simonsen e os artigos e trabalhos citados foram retiradas da base de dados Scopus, todos a partir de pesquisa nas instalações da FGV-Rio. Foram encontrados poucos livros na biblioteca citada que tratassem do tema em questão, sobretudo ativos intangíveis e capital intelectual. Os mais relevantes encontram-se citados neste trabalho. Foram adotados alguns critérios para definir esta relevância. Buscou-se o posicionamento dos periódicos listados no topo Vol. 1, n. 2, pág , dez. 2011

17 Universidade Gama Filho 16 do ranking de periódicos acadêmicos, com o intuito de alcançar um alto nível de qualidade. Posteriormente foram identificadas as recorrências nas citações identificando outros autores e periódicos. O critério para a leitura dos estudos foi estabelecido pelos autores mais citados e com o maior número de publicações relacionadas ao tema. Após esta leitura, foi composta toda a análise temática e desenvolvimento da teoria. A pesquisa de artigos em 11 de julho de 2011 gerou um bom número de trabalhos publicados acerca de todos os termos pesquisado, limitando a pesquisa em artigos da categoria Business, Management and Accountability, conforme quadro abaixo: Competitiveness New Economy Training Intangible Asset Intellectual Capital Total Encontrado X 4576 X 3610 X X 472 X 48 X X 6 X X 23 Priorizou-se a leitura e análise dos artigos mais recentes, publicados a partir de 2008, e aos que utilizassem como metodologia a revisão de literatura. Vol. 1, n. 2, pág , dez. 2011

18 Revista de Administração do Gestor A Nova Economia: a era do conhecimento A Nova Economia, segundo Magnani (2009): É caracterizada pela mudança da cultura extrativista e pelo despertar do interesse em soluções alternativas para a produção de bens e serviços. Com isso, tem-se a valorização das áreas de conhecimento, até então pouco exploradas pelas empresas e, também, pouco procuradas pelos jovens profissionais que pretendem entrar no mercado de trabalho (MAGNANI, 2009, p.110). Para Weber (1993 apud DAVENPORT & PRUSAK, 1998), a Nova Economia não está na tecnologia, seja ela o microchip ou a rede mundial de telecomunicação, mas está sim na mente humana. Segundo Zanini (2007, p. 107), a transição dos sistemas industriais de produção em massa para os sistemas da Era do Conhecimento determinou uma nova lógica para a produção do valor econômico e outra dinâmica de trabalho. Podemos dizer que a Nova Economia é a era do conhecimento, pois este passou a fazer parte como bem de produção do processo produtivo de bens e serviços. Fala-se da aplicação do conhecimento sobre o conhecimento em si. Em uma economia do conhecimento, como observado por Crawford (1994) o principal investimento de uma sociedade tem que ser melhorar as habilidades e talento de sua população. Encontramos a seguinte definição de conhecimento no Dicionário Webster, segundo Crawford (1994, p.21) fatos, verdades ou princípios adquiridos a partir de estudo ou investigação; aprendizado prático de uma arte ou habilidade; a soma do que já é conhecido com o que ainda pode ser aprendido. O autor observa que não devemos confundir conhecimento com informação. Um conjunto de coordenadas da posição de um navio ou o mapa do oceano são informações. A habilidade para utilizar estas coordenadas e o mapa na definição de uma rota para o navio é o conhecimento (CRAWFORD, 1994, p.21). Vol. 1, n. 2, pág , dez. 2011

19 Universidade Gama Filho 18 Davenport & Prusak (1998, p.6) definem conhecimento como: Uma mistura fluida de experiência condensada, valores, informação contextual e insight experimentado, a qual proporciona uma estrutura para a avaliação e incorporação de novas experiências e informações. Ele tem origem e é aplicado na mente dos conhecedores. Nas organizações, ele costuma estar embutido não só em documentos ou repositórios, mas também em rotinas, processos, práticas e normas organizacionais (DAVENPORT & PRUSAK, 1998, p.6). O conhecimento pode e deve ser considerado como uma forma de capital, pois, segundo Crawford (1994, p.22) ele é difundível e se auto-reproduz, é insubstituível, transportável e compartilhável. Com essa percepção da importância do conhecimento nas organizações que surge a era do conhecimento. A era do conhecimento caracteriza-se por uma gama de diferenciais com relação as eras econômicas anteriormente existentes, como observa Crawford (1994): A economia do conhecimento difere de suas predecessoras em sua ênfase no desenvolvimento de conhecimentos através de pesquisa formal e esforços aplicados e na transmissão de conhecimentos abstratos para indivíduos através de educação formal e treinamento. Nas economias agrícola e industrial, os conhecimentos eram adquiridos fundamentalmente através da experiência. Na economia do conhecimento as pessoas devem aprender na sala de aula matérias básicas, como leitura e matemática e matérias avançadas, como física e contabilidade antes de efetivamente participar da economia do conhecimento (CRAWFORD, 1994, p.23). Ainda segundo o autor podemos entender a economia do conhecimento como uma economia de processamento de Vol. 1, n. 2, pág , dez. 2011

20 Revista de Administração do Gestor 19 informações, onde computadores e telecomunicações são os elementos fundamentais e estratégicos, que produzem e difundem os principais recursos de informação e conhecimento. A educação e a pesquisa científica passam a serem consideradas a base da geração de riqueza. A organização econômica e social é centrada na posse da informação, do conhecimento e na utilização do capital humano, que significa pessoas estudadas e especializadas (CRAWFORD, 1994, p.20). Para Zhao (2008,p.803), a economia do conhecimento, entrou na vida econômica de todos, impulsionada pela comercialização do conhecimento, das habilidades e informações, e dominou a economia mundial, tomando o lugar da economia material. Segundo o autor, na economia do conhecimento, o sucesso das organizações depende do conhecimento adquirido através do capital intelectual que ela possui. Com a intensidade da concorrência no mercado, com aspectos incertos do ambiente e com o crescente turnover de empregados, as empresas terão de fornecer serviços com maior valor agregado para os mais diversos clientes, que exigem que os mesmos tenham maior capacidade de comunicação e aquisição de conhecimentos constante (ZHAO, 1998, p.803). Castells (1999, apud, ZANINI, 2007, p. 112) afirma que: Na Nova Economia as tecnologias de informação, processamento e comunicação penetram nos sistemas econômicos de produção não como um elemento exógeno às organizações, mas como o próprio processo em si, no qual suas atividades econômicas operam e podem produzir novos produtos (CASTELLS, 1999, apud ZANINI, 2007, p 64). Voltando ao raciocínio de Zanini: O que ocorre na transição dos sistemas de produção em massa para os de produção que se baseiam no conhecimento é uma transferência parcial da propriedade dos meios de produção, Vol. 1, n. 2, pág , dez. 2011

21 Universidade Gama Filho 20 que antes pertenciam totalmente à empresa, para os empregados e terceiros. O empregado participa, com suas idéias, habilidades e conhecimento, dos processos de inovação e desenvolvimento de produtos e serviços de maior valor agregado (ZANINI, 2007, p. 108). Pode-se dizer assim, que, na Nova Economia, a produtividade está relacionada ao conhecimento aplicado pelos empregados na forma de capital intelectual. Na Nova Economia o conhecimento não é apenas um recurso, ao lado dos tradicionais fatores de produção trabalho, capital e terra mas sim o único recurso significativo atualmente. [...] o fato de o conhecimento ter-se tornado o recurso, muito mais do que apenas um recurso, é o que torna singular a nova sociedade (DRUCKER, 1970 apud ANTUNES & MARTINS, 2002, p.11). Zanini (2007, p. 109 et seq.) mostra que a lógica de criação de valor econômico está associada à alta competitividade entre tecnologias e demandas do mercado. Estas mudanças tecnológicas surgem desta profunda transformação que vem ocorrendo na economia global. Crawford (1994) observa que: Enquanto os países do terceiro mundo passam pelo processo de industrialização, as economias desenvolvidas da Europa Ocidental, América do Norte e Japão são rapidamente transformadas em economias pós-industriais baseadas em conhecimentos. Nesta Nova Economia, informação e conhecimento substituem capital físico e financeiro, tornando-se uma das maiores vantagens competitivas nos negócios; e a inteligência criadora constitui-se na riqueza da nova sociedade (CRAWFORD, 1994, p.15). Vol. 1, n. 2, pág , dez. 2011

22 Revista de Administração do Gestor A competitividade na Nova Economia Estudos realizados nas últimas décadas mostram que os principais ativos que distinguem as organizações umas das outras não são mais os tangíveis, mas sim, os intangíveis já que são eles os responsáveis pela criação de vantagens competitivas que sejam sustentáveis ao longo do tempo (VALLE et CASTILLO, 2008). Duesterberg (2006) afirma que ativos intangíveis são condutores de inovação e seria interesse buscar formas de promovê-los, já que fazem parte e baseiam as estratégias das empresas na era do conhecimento. Pomeroy (2004) afirma que a empresa deve fazer a gestão de seus ativos intangíveis. O primeiro passo é saber qual é o mais importante: marca, pessoas, inovação. Após investir neles de modo a torná-los uma vantagem competitiva. Registra sua crítica ao dizer que muitos executivos de alta gestão desconhecem a importância da gestão desses ativos na nova economia. Echols (2009) reforça o pensamento de Pomeroy, alertando para a baixa atenção e o baixo investimento das empresas nos seus ativos intangíveis, sobretudo na aprendizagem da sua força de trabalho. Massingham (2008) vê o impacto da perda de conhecimento como uma área pouco ou inexplorada pela gestão estratégica das organizações. As organizações ainda não vêem a saída de um funcionário para outra empresa às vezes, concorrente como uma perda de um capital valioso. A partir da pergunta O que acontece quando alguém sai de uma organização?, Massingham (2008) conclui que a maior parte das saídas dos funcionários podem ser vistas como ondulações em um lago : provoca uma perturbação ligeira alguns dias, mas logo as coisas voltem ao normal. Por muitos anos, a rotatividade de funcionários, foi considerada normal. O comportamento organizacional e empregados eram simplesmente substituídos por outros com habilidades e experiências semelhantes. Vol. 1, n. 2, pág , dez. 2011

23 Universidade Gama Filho 22 Entretanto, usando a mesma analogia, conclui que algumas pessoas causam mais esguicho que outros. A superfície do lago pode demorar um pouco mais para se aquietar após a saída de determinados funcionários (MASSINGHAM, 2008, p. 8). Esses funcionários possuem raras habilidades ou conhecimento o que os torna importante e necessário para sucesso da organização. Determinar o que acontece quando esses funcionários valiosos saem da organização pode nos ajudar a compreender melhor o impacto da perda de conhecimento e formular as medidas adequadas. O capital humano é o conhecimento possuído pelos trabalhadores, e são agregadas em o nível organizacional em termos de sua competência e experiência combinada. Seu valor é medido em termos das atividades que permite aos funcionários executar e os recursos disponíveis para o conhecimento tácito da organização para criar novos conhecimentos, resolver problemas ou desenvolver a capacidade do empregado (MASSINGHAM, 2008, p. 7). Este estudo (MASSINGHAM, 2008) conclui que a perda ou saída de um funcionário-chave de uma organização implica em questões estratégicas como: Diminuição da produção e produtividade da organização; Diminuição da Memória da Organização; Diminuição da capacidade de aprendizagem da organização; Interrupção do fluxo de conhecimento da organização. O problema não pára aí. Como o capital humano é um ativo, uma vez fora desta organização, ele irá desenvolver e aumentar os ativos de outra Capital Intelectual: um ativo intangível Desde os anos 80, a contabilidade tem se mostrado incapaz ou limitada na avaliação da principal fonte de valor das empresas no contexto da Nova Economia: seus ativos intangíveis. Mas nem por isso deixa de estudar e tentar desenvolver forma de estudar e avaliar o retorno dos investimentos em ativos intangíveis. Vol. 1, n. 2, pág , dez. 2011

24 Revista de Administração do Gestor 23 Segundo Blair, Hoffman & Taburo (2001, apud RIBEIRO et TIRONI, 2007), ativos intangíveis são bens e direitos sem lastro físico ou financeiro. Portanto, são de difícil identificação, mensuração e gerenciamento. Sabemos que não constam dos balanços e demonstrativos financeiros da organização salvo se adquiridos. Lev (2001) define ativo intangível como um direito a benefícios futuros que não possui corpo físico ou financeiro, que é criado pela inovação, por práticas organizacionais e pelos recursos humanos. Ativo intangível, segundo Kohler (apud IUDICIBUS, 1997, p. 203), é um ativo de capital que não tem existência física, cujo valor é ilimitado pelos direitos e benefícios que antecipadamente sua posse confere ao proprietário. Para Hendriksen &Van Breda (1999) os ativos intangíveis formam uma das áreas mais complexas e desafiadoras da contabilidade e, provavelmente, também das finanças empresarias. Há dificuldade de contabilização em termos financeiros sob os princípios contábeis vigentes. Teece (2001, apud RIBEIRO & TIRONI, 2007) elenca alguns quesitos de modo a comparar os ativos tangíveis aos intangíveis. Vol. 1, n. 2, pág , dez. 2011

25 Universidade Gama Filho 24 Tabela 2. Diferenças entre ativos tangíveis e intangíveis Quesito Ativos Intangíveis Ativos tangíveis Exclusividade Depreciação Custos de transferência Reconhecimento de oportunidade de transação Divulgação de atributos Utilização por uma parte não exclui a possibilidade de uso por outra parte Não desgasta, mas costuma depreciar rapidamente Difícil de definir Difícil Relativamente difícil Utilização por uma parte exclui a possibilidade de uso por outra parte Desgasta, podendo depreciar rápida ou lentamente Mais fácil de definir, dependendo dos custos de transporte e outros custos relacionados Fácil Relativamente fácil Variedade Heterogêneos entre si Homogêneos entre si Direitos de propriedade (extensão) Diretos e propriedade (enforcement) Limitado (e.g. patentes, segredos industriais, marcas) Relativamente difícil Amplo e relativamente claro, pelo menos em países desenvolvidos Relativamente fácil Fonte: Adaptado de Teece (2000, apud RIBEIRO & TIRONI, 2007). Ainda segundo os autores (IBIDEM) não há critérios determinados para que a empresa possa realizar uma avaliação objetiva, verificável por seus auditores independentes (a não ser que o ativo tenha sido adquirido e esteja avaliado o seu custo). A principal dificuldade em se avaliar ativos intangíveis está ligada à heterogeneidade e à falta de mercados organizados para negociálos (LITAN & WALLISON, 2003, apud RIBEIRO & TIRONI, 2007). Vol. 1, n. 2, pág , dez. 2011

26 Revista de Administração do Gestor 25 Blair, Hoffman e Tamburo (2001, apud RIBEIRO & TIRONI, 2007) situam o capital intelectual como ativos intangíveis que não são propriedade da empresa, mas sob os quais a empresa tem influência. Zanini (2009) afirma que nas organizações existem elementos de natureza intangível. Listas os seguintes elementos: Disponibilidade de fatores produtivos, Pulverização de Clientes, Pulverização de Fornecedores, Políticas governamentais para o setor ou para a economia, Ética, Maturação, Relações Institucionais, Tecnologia Aplicada, Marcas e Patentes, Direito de Uso, Nome Fantasia, Treinamento, Localização Industrial/Comercial/Administrativa, Linguagem não-verbal, Capital Humano, Capacitação Gerencial, Educação Pessoal, Capital Intelectual, Educação Funcional, Cultura Organizacional, Clima Organizacional, Qualidade dos Produtos, Confiança, Qualidade dos insumos, mercado, acessibilidade ao mercado, acessibilidade aos insumos, outros fatores. Destes, o autor afirma que nem todos são e nem poderiam ser classificados como ativos intangíveis. Sua natureza pode ser intangível, mas para se tornarem ativos o é necessário que o fator ou o elemento propicie, direta ou indiretamente, para o empreendimento, benefícios econômicos e financeiros futuros (ZANINI, 2009). Stewart (1997) nomeia os ativos intangíveis como capital intelectual. Subdivide o capital em três tipos: capital humano, capital estrutural e capital do cliente. Para o autor o capital humano é a capacidade, conhecimento, habilidade, criatividade e experiências individuais dos empregados e gerentes transformados em produtos e serviços que são o motivo pelo qual os clientes procuram a empresa e não o concorrente. O autor avalia o capital estrutural como o caminho pelo qual e, ao lado do qual, o conhecimento trafega. Para Stewart (1997), o capital estrutural inclui fatores como a qualidade e o alcance dos sistemas informatizados, a imagem da empresa, os bancos de dados exatos, os conceitos organizacionais e a documentação. Já o capital do cliente pode ser definido como o valor dos relacionamentos de uma empresa com as pessoas com as quais faz negócios. Vol. 1, n. 2, pág , dez. 2011

27 Universidade Gama Filho 26 Edvinsson & Malone (1998) delimitam os ativos intangíveis, contextualizando pessoas no capital humano; marcas, imagens, máquinas e equipamentos no capital estrutural; e o relacionamento com os clientes no capital do cliente. Além das definições por tipo de capital, existem as definições por tipos de ativos. Brooking (1996, p.12), divide o capital intelectual em quatro categorias: Ativos de mercado: potencial que a empresa possui em decorrência dos intangíveis que estão relacionados ao mercado, tais como: marca, clientes, lealdade dos clientes, negócios recorrentes, negócios em andamento, canais de distribuição, franquias etc. Ativos Humanos: compreendem os benefícios que o indivíduo pode proporcionar para as organizações por meio da sua criatividade, conhecimento, habilidade para resolver problemas. Ativos de Propriedade Intelectual: incluem os ativos que necessitam de proteção legal para proporcionar às organizações benefícios tais como: segredos industriais, copyright, patentes, designs etc. Ativos de Infra-Estrutura: compreendem as tecnologias, as metodologias e os processos empregados, como cultura, sistema de informação, métodos gerenciais, aceitação de risco, banco de dados de clientes etc. Coelho & Lins (2010, p.66) dão um exemplo de bens tangíveis e intangíveis, quando afirmam que celulares, notebooks, mp4, palmtops, equipamentos eletrônicos diversos e suas enormes possibilidades e usos são exemplos de ativos tangíveis com forte conteúdo intangível. Para Marion (2000), o termo goodwill é equivocadamente traduzido para a língua portuguesa como Fundos de Comércio. No entanto, de uma forma geral, pode ser identificado como a diferença entre o valor contábil e o valor de mercado de uma empresa. O esquema a seguir mostra a evolução do termo: Vol. 1, n. 2, pág , dez. 2011

28 Revista de Administração do Gestor 27 Figura 1. Evolução do termo capital intelectual Goodwill Ativo Intangível Capital Intelectual Fonte: Coelho & Lins, Coelho & Lins (2010, p. 67) afirmam que a discussão sobre ativo intangível aumentou a partir da segunda metade do século passado, e sua origem remonta do termo goodwill, que além de ser a expressão mais antiga a referendar a noção de intangibilidade, é também considerado por muitos como o mais intangível dos ativos intangíveis. Os mesmos autores (2010, p. 69) destacam algumas condições para a existência do goodwill: - Fidelização da clientela; - Localização geográfica; - Propaganda eficiente; - Reputação e credibilidade; - Tecnologia de ponta; - Boas relações com os empregados; - Treinamento eficiente de trabalhadores. Martins (2001) identifica as seguintes características do Capital Intelectual, entre elas: É difícil de ser adquirido e acumulado; Pode ser usado para diversos fins; Vol. 1, n. 2, pág , dez. 2011

29 Universidade Gama Filho 28 É instável; Não pode ser adquirido como os ativos tradicionais da empresa. O Pronunciamento Técnico nº 4 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC 04), aprovado em 05 de novembro de 2010, admite que o ativo intangível deve ser reconhecido se: - for provável que os benefícios econômicos futuros esperados atribuíveis ao ativo serão gerados em favor da entidade; e - o custo do ativo possa ser mensurado com confiabilidade. Dessa forma, pode-se inferir que o Capital Intelectual é um ativo adquirido pela empresa quando contrata novos profissionais, e também ao incentivar, promover e financiar treinamentos que aumentem a capacidade produtiva de seus colaboradores. No entanto, se por um lado, admite-se que os benefícios que o funcionário soma à empresa faz parte de um ativo intangível (capital intelectual), por outro lado, a Ciência Contábil ainda não possui métodos para mensurar esse mesmo benefício. Tal afirmação pode ser inferida através do seguinte trecho constante do CPC 04: A entidade pode dispor de equipe de pessoal especializado e ser capaz de identificar habilidades adicionais que gerarão benefícios econômicos futuros a partir do treinamento. A entidade pode também esperar que esse pessoal continue a disponibilizar as suas habilidades. Entretanto, o controle da entidade sobre os eventuais benefícios econômicos futuros gerados pelo pessoal especializado e pelo treinamento é insuficiente para que esses itens se enquadrem na definição de ativo intangível. Por razão semelhante, raramente um talento gerencial ou técnico específico atende à definição de ativo intangível, a não ser que esteja protegido por direitos legais sobre a sua utilização e obtenção dos benefícios econômicos futuros, além Vol. 1, n. 2, pág , dez. 2011

Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília CONHECIMENTO E ECONOMIA

Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília CONHECIMENTO E ECONOMIA Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília CONHECIMENTO E ECONOMIA Divisão do Conhecimento Ciências Econômicas, Friedrich Hayek (1945) Para ele, como pode a combinação

Leia mais

APLICAÇÃO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO AUMENTO DA COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

APLICAÇÃO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO AUMENTO DA COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL APLICAÇÃO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO AUMENTO DA COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL Fábio Augusto Aquino Gonçalves 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo Cesar Ribeiro Quintairos 3, Edson Aparecida de Araújo Querido

Leia mais

UMA PESQUISA SOBRE A MENSURAÇÃO DOS ATIVOS INTANGÍVEIS ELENCADOS NO CPC 04 COM DISCENTES DA UFRN

UMA PESQUISA SOBRE A MENSURAÇÃO DOS ATIVOS INTANGÍVEIS ELENCADOS NO CPC 04 COM DISCENTES DA UFRN UMA PESQUISA SOBRE A MENSURAÇÃO DOS ATIVOS INTANGÍVEIS ELENCADOS NO CPC 04 COM DISCENTES DA UFRN Danilo Bezerra Araújo 1 UFRN José Leão Lopes de Macedo Ferreira 2 UFRN Megaron Montanaro Batista de Macedo

Leia mais

ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL

ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL Antonia Maria Gimenes 1, Renato Nogueira Perez Avila 2 Cleiton Riz Aleixo 3, Jakeline da Silva 4 Thayane C. Anjos Afonso 5 RESUMO Este estudo

Leia mais

Avaliação e Mensuração no contexto de Private Equity e Venture Capital

Avaliação e Mensuração no contexto de Private Equity e Venture Capital ATIVOS INTANGÍVEIS Avaliação e Mensuração no contexto de Private Equity e Venture Capital Leonardo L. Ribeiro Luis Fernando Tironi XIII REPICT Set/2010 Esta apresentação é um sumário executivo do Texto

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Ativo Intangível: um fator competitivo entre as empresas (junto com Andréa Alves Silveira Monteiro)

Ativo Intangível: um fator competitivo entre as empresas (junto com Andréa Alves Silveira Monteiro) Ativo Intangível: um fator competitivo entre as empresas (junto com Andréa Alves Silveira Monteiro) Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis v.4 n 1 1999 1 - INTRODUÇÃO A cada semana

Leia mais

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES Aline Martins Mendes Luciano José Vieira Franco Luis Guilherme Esteves Leocádio Sônia Madali Bosêja

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br UNEMAT GESTÃO DA INFORMAÇÃO, DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA ORGANIZACIONAL (GICIO) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br SINOP MT 2015-2 CONCEITO DE CONHECIMENTO Conhecimento

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011)

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) 1 ERA DOS TALENTOS SEGUNDO PETER DRUCKER, O PAI DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA, ESTAMOS NO INÍCIO DA ERA DOS TALENTOS. FORÇA FÍSICA,

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381 GESTÃO DE PESSOAS APLICADA ÀS UNIDADES DE INFORMAÇÃO 1 Mailza Paulino de Brito e Silva Souza 2 Sandra Pontual da Silva 3 Sara Sunaria Almeida da Silva Xavier 4 Orientadora: Profª M.Sc. Luciana Moreira

Leia mais

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS - IACE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS - IACE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 1 FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS - IACE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS O capital intelectual nas organizações Por: Leonardo Lopes Morais Ante-projeto

Leia mais

Uberlândia / MG, maio de 2010.

Uberlândia / MG, maio de 2010. FUPAC FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTONIO CARLOS 1 TEORIA DA CONTABILIDADE ATIVO INTANGIVEL Uberlândia / MG, maio de 2010. Paulo Cesar da Silva ATIVO INTANGIVEL: FUNDAMENTO LEGAL 2 De acordo com o art. 179, inciso

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS 1 PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS Porto Alegre RS Março 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO 2009 Renata Araújo Volpe Estudante do curso de Engenharia de Produção (Brasil) Docente orientadora Carla Bittencourt Lorusso Email: revolpe@pop.com.br

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

Balanced Scorecard. Da estratégia às ações do dia-a-dia

Balanced Scorecard. Da estratégia às ações do dia-a-dia Balanced Scorecard Da estratégia às ações do dia-a-dia Perspectivas Em se tratando de gerenciamento de desempenho, perspectivas são os grandes vetores debaixo dos quais são agrupados objetivos, indicadores

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO PARTE 9 Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO ATIVO INTANGÍVEL Ativos que não têm substância física, mas proporcionam benefícios econômicos, como: competência dos gerentes, sua experiência e conhecimento

Leia mais

Informação estratégica

Informação estratégica IVENS CONSULT Informação estratégica Ivan Leão diretor da Ivens Consult Introdução A revolução em andamento é que a manufatura ou produção não é mais principal centro de lucro e sim a logística, os sistemas

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Coleção UAB UFSCar Sistemas de Informação Wanda Aparecida Machado Hoffmann Gestão do Conhecimento aprender e compartilhar Gestão do Conhecimento aprender e compartilhar Reitor Targino de Araújo Filho Vice-Reitor

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL. Arthur Hyppólito de Moura - 2004

OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL. Arthur Hyppólito de Moura - 2004 OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL - 2004 Sumário Mudanças na Sociedade Industrial - fatores e tendências Novos caminhos da organização Elementos críticos do diferencial competetitivo Os recursos

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br BENEFÍCIOS SOCIAIS: um modelo para retenção de talentos Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br Introdução Este artigo aborda

Leia mais

Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI

Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI Ubiratam de Nazareth Costa Pereira (UNIFEI) upereira@sp.senac.br João Batista Turrioni (UNIFEI) turrioni@unifei.edu.br Edson de Oliveira Pamplona

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

P ortal da Classe Contábil w w w.classecontabil.com.br. Artigo

P ortal da Classe Contábil w w w.classecontabil.com.br. Artigo P ortal da Classe Contábil w w w.classecontabil.com.br Artigo 22/08 O capital intelectual dentro do ativo intangível 1. Introdução Devido às grandes mudanças da economia, tecnologia, sociedade e política,

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR Área: ADMINISTRAÇÃO Categoria: EXTENSÃO Francielle Cwikla Fundação Getulio Vargas, Rua Canafistula 96 Vila B, francwikla@gmail.com Resumo A gestão do conhecimento

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

O VALOR DO CAPITAL INTELECTUAL E A SUA CORRELAÇÃO COM O VALOR DO PATRIMÔNIO ECONÔMICO-FINANCEIRO UM ESTUDO DE CASO

O VALOR DO CAPITAL INTELECTUAL E A SUA CORRELAÇÃO COM O VALOR DO PATRIMÔNIO ECONÔMICO-FINANCEIRO UM ESTUDO DE CASO O VALOR DO CAPITAL INTELECTUAL E A SUA CORRELAÇÃO COM O VALOR DO PATRIMÔNIO ECONÔMICO-FINANCEIRO UM ESTUDO DE CASO 1 ARÃO, Queli 2 GANDOLFO, Dayana 3 DA ROSA, Msc Wanderlan Barreto Resumo A capacidade

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Objetivos da aula: Os objetivos desta aula visam permitir com que você compreenda melhor a relação da área de recursos humanos com a tecnologia da

Leia mais

VARIAÇÃO DO GRAU DE INTANGIBILIDADE REFLETIDO PELO PREÇO DAS AÇÕES DE EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO.

VARIAÇÃO DO GRAU DE INTANGIBILIDADE REFLETIDO PELO PREÇO DAS AÇÕES DE EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO. VARIAÇÃO DO GRAU DE INTANGIBILIDADE REFLETIDO PELO PREÇO DAS AÇÕES DE EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO. Daiane Cambruzi (ICSEC Pós-Graduação):daicambruzzi@yahoo.com.br; João Francisco Morozini (PqC/UNICENTRO):

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

SISTEMAS DE SUGESTÕES: uma estratégia de gestão empresarial

SISTEMAS DE SUGESTÕES: uma estratégia de gestão empresarial SISTEMAS DE SUGESTÕES: uma estratégia de gestão empresarial Rosângela de Fátima Stankowitz Penteado-(UTFPR) zanza2007@gmail.com João Luiz Kovaleski - (UTFPR) kovaleski@utfpr.edu.br Resumo: O presente trabalho

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

Palavras-chave: Alinhamento, domínio, tecnologia de informação.

Palavras-chave: Alinhamento, domínio, tecnologia de informação. RELACIONAMENTO ENTRE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E A ORGANIZAÇÃO: OS FATORES CRÍTICOS SOBRE O COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL NA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO. José Aparecido Moura Aranha

Leia mais

IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES

IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES Ednilson Zanini 1 O serviço logístico tornou-se uma ferramenta importante para o desenvolvimento de relacionamentos

Leia mais

Administração de Recursos Humanos

Administração de Recursos Humanos Administração de Recursos Humanos Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame O que é a Administração de Recursos Humanos? Refere-se às práticas e às políticas necessárias para conduzir os aspectos relacionados

Leia mais

Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA. Profa. Divane Silva

Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA. Profa. Divane Silva Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Avaliação de Investimentos Permanentes Unidade II 2. A Técnica da Equivalência Patrimonial

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1

GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1 GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1 Heide Miranda da SILVA 2 RESUMO As exigências do mercado atual somadas aos avanços das tecnologias de informação

Leia mais

Controlar. Otimizar. Crescer.

Controlar. Otimizar. Crescer. Controlar. Otimizar. Crescer. Neste material de suporte, você encontrará informações de SAM para: Novos Líderes de Tecnologia Fusões e Aquisições True-Up Assist Serviço Microsoft EAP Assist Assuma o controle

Leia mais

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc.

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. PRINCÍPIOS ANÁLISE ESTRATÉGICA (FOfA) BALANCED SCORECARD (BSC) EVOLUÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. ESCOLAS DE PENSAMENTO

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM CRISTIANE MORATTO FÉLIX DE FREITAS Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Recursos Humanos 2011-1 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO LIDERANÇA AUTOCRÁTICA: O RELACIONAMENTO

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 PLANO DE CURSO

Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 PLANO DE CURSO C U R S O D E E N G E N H A R I A D E P R O D U Ç Ã O Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 Componente Curricular: Gestão de Pessoas Código: ENGP - 599 Pré-requisito: -----

Leia mais

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL.

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. André Murilo de Souza Cavalcante Resumo: Este artigo estuda as etapas do treinamento e suas características, Desta maneira, o

Leia mais

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com PROJETO VITRINE Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com Amarildo Melchiades da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF xamcoelho@terra.com.br

Leia mais

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre Página 1 de 5 Gestão do conhecimento Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. A Gestão do Conhecimento, do inglês KM - Knowledge Management, é uma disciplina que tem suscitado cada vez mais atenção nas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES 1 A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES RESUMO O objetivo geral deste artigo consiste em analisar a importância do treinamento dentro de uma empresa como estratégia para atingir os objetivos

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

CRESCIMENTO PROFISSONAL Um Estudo de Caso na Cobra Metais Decorativo

CRESCIMENTO PROFISSONAL Um Estudo de Caso na Cobra Metais Decorativo CRESCIMENTO PROFISSONAL Um Estudo de Caso na Cobra Metais Decorativo ANDRÉ LUIS ZUCCULIN CAMILA APARECIDA SOARES DA SILVA EDMAR CAVALCANTE DA SILVA PAULO HENRIQUE RODRIGUES EDSON LEITE LOPES GIMENEZ RESUMO

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS HUMANAS NA BIBLIOTECA THEREZINHA SAMWAYS, CAMPUS NORTE

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS HUMANAS NA BIBLIOTECA THEREZINHA SAMWAYS, CAMPUS NORTE Artigo Científico baseado na ABNT 6022/2003. 3cm. Título do artigo centralizado. IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS HUMANAS NA BIBLIOTECA THEREZINHA SAMWAYS, CAMPUS NORTE DO INSTITUTO DE

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE RESUMO Carlos Eduardo Spolavori Martins 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo tem o objetivo de apresentar o andamento de uma pesquisa

Leia mais

GOVERNANÇA EM TI. Prof. Acrisio Tavares

GOVERNANÇA EM TI. Prof. Acrisio Tavares GESTÃO ESTRATÉGICA DO SUPRIMENTO E O IMPACTO NO DESEMPENHO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS SÉRIE ESPECIAL PCSS A GOVERNANÇA EM TI, SEU DIFERENCIAL E APOIO AO CRESCIMENTO Prof. Acrisio Tavares G GOVERNANÇA EM

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

BRITCHAM RIO AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638

BRITCHAM RIO AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638 BRITCHAM RIO 2009 AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638 JUSTIFICATIVAS DO TEMA Permanente movimento de concentração Aumento da Relevância dos Intangíveis Convergência/Harmonização/Unificação de

Leia mais

Autores: Leandro César de Paula e Thiago Leonardo Magalhães Goulart Orientador: Soraya Regina Ferreira

Autores: Leandro César de Paula e Thiago Leonardo Magalhães Goulart Orientador: Soraya Regina Ferreira RECRUTAMENTO E SELEÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES Autores: Leandro César de Paula e Thiago Leonardo Magalhães Goulart Orientador: Soraya Regina Ferreira Os objetivos deste artigo são mostrar a importância do recrutamento

Leia mais

Gestão de Pessoas Diversidade e Competências

Gestão de Pessoas Diversidade e Competências Gestão de Pessoas Diversidade e Competências Gestão de Pessoas ESTRATEGICA 1985 a hoje Aumentar o envolvimento dos colaboradores e integrar sistemas de suporte ADMINISTRATIVA 1965 a 1985 Foco: indivíduos

Leia mais

O que é ativo Intangível

O que é ativo Intangível O que é ativo Intangível Bens Intangíveis são aqueles bens que não podem ser tocados ou vistos, porque são incorpóreos (não tem corpo), ou seja, ativo intangível poderia ser definido, em termos práticos,

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE PESSOAS COMO VARIÁVEL ESTRATÉGICA NAS INDÚSTRIAS

CAPACITAÇÃO DE PESSOAS COMO VARIÁVEL ESTRATÉGICA NAS INDÚSTRIAS ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& CAPACITAÇÃO DE PESSOAS COMO VARIÁVEL ESTRATÉGICA

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

ATIVO CLASSIFICAÇÃO 1.1. FUNDAMENTO LEGAL: ATIVO

ATIVO CLASSIFICAÇÃO 1.1. FUNDAMENTO LEGAL: ATIVO 1. ATIVO E SUA MENSURAÇÃO De acordo com Iudícibus e Marion (1999), as empresas fazem uso de seus ativos para manutenção de suas operações, visando a geração de receitas capazes de superar o valor dos ativos

Leia mais

Gestão de TI. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011

Gestão de TI. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011 Gestão de TI Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011 Aula passada... CRM BI - Introdução Sistemas Interorganizacionais 17:08 2 Aula de hoje... Gestão do Conhecimento 17:08 3 85% dos ativos de conhecimento

Leia mais

O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL

O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL Marilene Lobo Abreu Barbosa 21 de outubro de 2013 Arquivos, bibliotecas e museus Foram os primeiros sistemas de informação e, inicialmente,

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Tópicos da aula GESTÃO DA INFORMAÇÃO GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL TOMADA DE DECISÃO ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Sistemas de Informações Ondas de transformação da humanidade Revolução Agrícola

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Ementa Conceitos básicos de informática; evolução do uso da TI e sua influência na administração; benefícios; negócios na era digital; administração

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

Ilmara de Jesus Oliveira 1, Cleide Ane Barbosa da Cruz 2

Ilmara de Jesus Oliveira 1, Cleide Ane Barbosa da Cruz 2 A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DO TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO NAS ORGANIZAÇÕES Ilmara de Jesus Oliveira 1, Cleide Ane Barbosa da Cruz 2. O presente artigo apresenta os conhecimentos teóricos acerca da importância

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO GESTÃO DO CONHECIMENTO OconceitodeGestãodoConhecimentosurgiunoinício da década de 90 e, segundo SVEIBY (1998, p. 3), a Gestão do Conhecimento não é mais uma moda de eficiência operacional. Faz parte da

Leia mais

Apresentação. Gestão de Pessoas por Competências

Apresentação. Gestão de Pessoas por Competências Apresentação Gestão de Pessoas por Competências POR QUE GESTÃO POR COMPETÊNCIAS? Empresas e Organizações Gestão das Finanças Gestão de Marketing Gestão de Produção Gestão de Distribuição Gestão de Controle

Leia mais

PLANO DE CAPACITAÇÃO DO

PLANO DE CAPACITAÇÃO DO www.unp.br PLANO DE CAPACITAÇÃO do Corpo Técnico-Administrativo 2015 Plano de Capacitação do Corpo Técnico-Administrativo 2015 Natal/RN 2015 DIRIGENTES DA UNIVERSIDADE POTIGUAR PRESIDENTE Prof. Marcus

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Luciano Silva Rosa Contabilidade 20

Luciano Silva Rosa Contabilidade 20 Luciano Silva Rosa Contabilidade 20 Tratamento contábil do ágio e do deságio O tratamento contábil do ágio e do deságio na aquisição de investimentos avaliados pelo método da equivalência patrimonial (MEP)

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM NOVO PRODUTO (SERVIÇO)

DESENVOLVIMENTO DE UM NOVO PRODUTO (SERVIÇO) DESENVOLVIMENTO DE UM NOVO PRODUTO (SERVIÇO) SANTOS, Glaucia Angela Luz 1 CAMPOS, Jéssica de 1 SILVA, Juliana Gabriela Fogaça Cleto da 1 PONTES, Renata Amaral 1 OLIVEIRA, Ricardo Castilho de 1 CUNHA,Glaucia

Leia mais

ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB

ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB IX CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 13 a 15 de agosto de 2003 Gramado RS ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB PAULO SCHMIDT Contador CRCRS 45.222 Rua Mariland, 1002, 30 Porto

Leia mais

Construa um sistema de gestão com a sua cara: inovando

Construa um sistema de gestão com a sua cara: inovando Construa um sistema de gestão com a sua cara: inovando Qual o gestor, que ainda não tenha se perguntado qual seria o sistema de gestão mais inteligente para buscar o resultado esperado? Alguns gestores

Leia mais