SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA PROCESSOS PRODUTIVOS EAD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA PROCESSOS PRODUTIVOS EAD"

Transcrição

1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA PROCESSOS PRODUTIVOS EAD Módulo 1 - Introdução As empresas já vêm utilizando a Tecnologia da Informação durante anos para automatizar os processos empresariais assim como apoiar na análise de informações para a tomada de decisões. No início a Tecnologia da Informação em meados de 1950 o papel era simples processamento de transações e manutenção de registro de contabilidade e outros aplicativos de processamento eletrônico de dados(edp). Nos anos 70, o surgimento do conceito sistemas de apoio à decisão(dss), seu papel era fornecer aos usuários finais gerenciais para processos de decisão. Nos anos 80, o desenvolvimento da Tecnologia da Informação deu origem à computação pelo usuário final. Nos anos 90, o rápido crescimento da Internet, intranets, extranets e redes globais interconectadas geraram o conceito estratégico para a Tecnologia da Informação, às vezes chamados de sistemas de informação estratégica, nessa fase a informação se torna componente de processos, produtos e serviços que ajudam uma empresa a conquistar a vantagem competitiva. Como a Tecnologia da Informação revolucionou os negócios? A Tecnologia da Informação (TI) tornou-se um componente vital ao sucesso das empresas e corporações, aumento de produtividade e redução de custos são suas maiores vantagens. O maior desafio das empresas é empregar a tecnologia a seu favor com a utilização correta da informação. Porém qualquer pessoa que utilize um sistema de informação ou a informação que ele produz é um usuário final, principalmente com a utilização da Internet onde o conhecimento globalizado gerou um exército de usuários finais. Atualmente, os usuários finais recorrem a muitos tipos de sistemas de informação(si). Estes sistemas de informação são um conjunto organizado de pessoas, hardware, software, redes de comunicações e recursos de dados que coleta, transforma e dissemina informações em uma organização.

2 Muitas empresas acham que Tecnologia da Informação é somente para grandes empresas, ledo engano. A Tecnologia enquanto ferramenta estratégica tem dificuldades de justificar seus custos onde os resultados levam um tempo que nem sempre os pequenos empresários não querem arriscar. O sucesso da TI não deve ser medido apenas por sua eficiência em termos de minimização de custos, tempo e uso de recursos de informação. Mas ao apoio às estratégias de uma organização, na capacitação de seus processos empresariais e reforço da cultura organizacional e valor comercial no empreendimento. Uma grande mudança na Tecnologia da Informação foi o crescimento da Internet e das tecnologias e aplicativos afins. Criando um espaço universal novo para o compartilhamento de informações, a colaboração e comércio nas empresas. Necessitando de uma estrutura adequada entre dispositivos físicos(hardware) e recursos de software. Há vários tipos de sistemas de informação, abaixo destacamos os principais e o papel que desempenham: Inicialmente a maior tendência de abandono em programas personalizados desenvolvidos por programadores profissionais em organizações chamadas software houses, por pacotes de softwares

3 disponíveis adquiridos de maneira barata e com múltiplas finalidades. A tendência tem se acelerado ultimamente, à medida que os pacotes de software são projetados com capacidades para rede e características de colaboração que otimizam sua praticidade para usuários finais e grupos de trabalho na Internet, intranets e extranets. As linguagens de programação também mudaram sua tendência de linguagens de programação técnicas e específicas à máquina utilizando códigos de base binária ou simbólicos. Em seu lugar, a tendência está passando a ser a de usar uma interface gráfica visual para programação orientada a objeto, ou rumo à linguagem natural não procedurais para programação, que se aproximam mais da conversação humana. Ela continua a crescer à medida que avanços na tecnologia orientada a objetos, gráficos e inteligência artificial produzem linguagem natural e interfaces gráficas com o usuário, facilitando a utilização de ferramentas e pacotes de softwares de programação. Com a mudança de estruturas físicas de mainframes, para aplicações interfuncionais de rede cliente/servidor. Isto normalmente tem envolvido a instalação de software de planejamento de recursos empresariais (ERP enterprise resource planning ) ou de gerenciamento de cadeia de suprimentos (SCM - supply chain management). Em lugar de se concentrar em requisitos de processamento de informações de funções organizacionais, o software ERP se concentra no apoio a processos empresariais envolvidos nas operações de uma empresa. Diversos sistemas de informação industrial são utilizados para apoiar a manufatura integrada por computador(cim) criando agilidade e flexibilidade a indústria e produtos de alta qualidade. Os sistemas de manufatura assistida por computador (CAM) automatizam o processo de produção controlando o processo industrial. Numa categoria especial os softwares geográficos, sistemas de informação geográfica, são utilizados pelas empresas para apoiar a decisão de roteiros de distribuição ou escolher melhores pontos para lojas, exibe mapas e outros demonstrativos gráficos. A Tecnologia da informação desempenha papel importante na reengenharia da maioria dos processos empresariais. Com isso as empresas

4 de software preocupam-se em investir em mecanismos de qualidade em seus produtos oferecidos ao mercado, com isso, o investimento na Melhoria do Processo do Software(MPS) tem sido crucial para conquistar o mercado de tecnologia e aumentar substancialmente a eficiência dos processos empresariais. Módulo 2 - Administrando a Tecnologia da Informação A importância estratégica da tecnologia nos negócios não é mais questionada, já que possibilita enfrentar com sucesso ações competitivas bem como administrar processos interfuncionais e interorganizacionais, propiciando comunicação, coordenação e colaboração no mercado globalizado de hoje. Dessa forma, a tecnologia da informação passou a ser uma força importante na antecipação ou viabilização da mudança organizacional e gerencial, mas para isso ela deve ser gerenciada adequadamente para responder os desafios do ambiente empresarial e entregar resultados satisfatórios, já que essa mesma tecnologia é comparada com um remédio, em doses erradas se torna um veneno para a empresa. As principais razões pelas quais a tecnologia da informação não apóia os objetivos de negócio são: Os esforços de TI são pouco priorizados Falta de treinamento apropriado para os colaboradores Projeto mal elaborado, sem embasamento em alguma metodologia de gestão de projeto(itil, PMBOK ou Six Sigma). A administração dos sistemas de informação carece de liderança, faltando envolvimento do usuário final. Os sistemas de informação são vistos como recursos críticos pelos demais É necessário o envolvimento da alta cúpula(presidentes, gerentes e supervisores) para incentivar a participação ativa no planejamento e controle dos usos da TI. Além do fato de as empresas se preocuparem em gerenciar melhor seus recursos(software e hardware) deve-se ater pelo fato da TI conceber

5 produtos, sistemas e serviços que permitam a construção, comunicação, armazenamento e uso da informação. Dessa forma, para melhor administração de recursos da TI deve analisar cinco dimensões principais: Administração estratégica Contribuir com objetivos estratégicos Administração Operacional A tecnologia e os sistemas da informação administrados por estruturas organizacionais funcionais e baseados em processos e por técnicas gerenciais. Administração de Recursos Dados e informações, hardware e software, redes de telecomunicações e pessoal de sistemas de informações são recursos organizacionais decisivos que passam por um planejamento e gerenciamento de projetos. Administração da Tecnologia Todas as tecnologias que processam, armazenam e comunicam dados e informações por toda a empresa devem ser administradas como sistemas integrados de recursos organizacionais. Administração Distribuída Administrar o uso da tecnologia da informação e dos recursos de sistemas de informação nas unidades de negócios ou grupos de trabalho, sendo de responsabilidade dos gerentes chaves.

6 Sendo assim a infra-estrutura(hardware) deve ser robusta o suficiente para agüentar a grande quantidade de arquivos e dados que trafegam e os softwares devem bem garantida a veracidade das informações, além de estar alinhado com a estratégia da empresa. Além disso, os softwares devem seguir normas internacionais de qualidade como ISO 9000, CMM (Capability Maturity Model) entre outros, para que a cada projeto de software seja documentado, a qualidade planejada, medida, controlada ao longo do trabalho. Só assim todos os trabalhos(projeto, codificação, testes e instalação do próprio software) sejam analisados e os resultados usados possam melhorar os processos. Administrando o desenvolvimento de sistemas A administração do desenvolvimento de sistemas é gerenciar atividades como as de análise e projeto de sistemas, prototipagem, programação de aplicações, administração de projetos, garantia de qualidade e manutenção de sistemas para todos os principais projetos de desenvolvimento empresarial. Cujo alguns dos objetivos são: A descrição de dados Manipulação de dados Manutenção da integridade dos dados Gerenciamento das transações Segurança e controle de acessos Com isso os sistemas exigem a administração das atividades de equipes de analistas de sistemas, programadores e usuários finais trabalhando nos projetos de desenvolvimento de softwares. A exigência de grandes investimentos em TI, treinamento, programas de gerenciamento de mudança, exame minucioso de missão, visão e valores da empresa, liderança comprometida são peças chaves para os processos e a saúde nos negócios. Além disso, alguns grupos de desenvolvimento de sistemas criam centros de desenvolvimento dotados de consultores para

7 programadores e analistas de sistemas em suas organizações. Seu papel é avaliar as ferramentas de desenvolvimento de novas aplicações e ajudar os especialistas em sistemas a utilizar melhores seus esforços de desenvolvimento de aplicações. Módulo 3 - Processos de Engenharia de Software É uma área do conhecimento da informática voltada para especificação, desenvolvimento e manutenção de sistemas de software aplicando tecnologias e práticas de ciência da computação, gerência de projetos e outras disciplinas, objetivando organização, produtividade e qualidade. Com isso necessita-se de tecnologias e práticas que englobam linguagens de programação, bases de dados, ferramentas, plataformas, bibliotecas, padrões, processos e a questão da Qualidade de Software. Mas o que é software? São instruções que quando executadas produzem a função e o desempenho desejados. Assim como manipulem adequadamente a informação. Desta forma evitaremos na construção de um software diversos problemas tais como: Estouro de Prazos e Custos Muitas vezes decorrente de uma falta de controle do escopo(modelo) do projeto, gerando previsões de prazos e custos normalmente fora de um horizonte realista. Baixa qualidade Excessos de erros(bug s) encontrados no final do projeto não é aceitável, decorrente de uma fase de testes mal executada, onde etapas podem ser esquecidas em função de prazos apertados. Aderência do Produto Final Além dos erros(bug s) softwares que não atendem aos requisitos ou necessidades dos clientes, gerando os piores resultados. Alto índice de retrabalho - Na confecção de projetos algumas mudanças normalmente próximas da entrega do produto,

8 algumas mudanças são tão profundas que devem ser refeitas e geram um alto custo e retrabalho no projeto executado. Elementos que possibilitam o controle do processo de desenvolvimento de um software: Métodos Detalhes do como fazer envolve tarefas como: planejar; analisar requisitos; projetar codificação e manutenção. Ferramentas Apoio automatizado ou semi-automatizado aos métodos. Ferramentas Case (Engenharia de software auxiliado por computador) Procedimentos Elo de ligação entre os métodos e a ferramenta. Possibilita o desenvolvimento do software. Define a seqüência de aplicação dos métodos, os produtos, os controles e os marcos de referencias para avaliação do processo. Então a Engenharia de software também refere-se a: Modelos de ciclo de vida Métodos e ferramentas Técnicas para estimativa de custos Documentação Técnicas para controle da qualidade Com o objetivo de: Qualidade Satisfação do cliente Maior vida útil Módulo 4 - Ciclo de vida O estabelecimento de sólidos princípios de engenharia para que se possa obter economicamente um software que seja confiável e que funcione eficientemente em máquinas reais.

9 Engenharia de sistemas Início de trabalho através do estabelecimento dos requisitos para todos os elementos do sistema. Envolve a coleta de requisitos em nível de sistema, com um pouco de projeto e análise de alto nível. Análise Intensificação da coleta de requisitos, focando no software, a compreensão do domínio da informação para software como a função, desempenho e interfaces(parte gráfica) exigidos. È documentado e revisado com o cliente Projeto Definição da estrutura de dados, arquitetura dos softwares, detalhes procedimentais e caracterização de interface. É a representação do software antes da codificação Codificação Tradução em linguagem legível pela máquina Testes Realização de testes para garantir que não existem erros de codificação nem de função do software. Manutenção Alterações no software devido a mudanças, funcionais de melhoria de desempenho e outros. Mas para muitos desenvolvedores de sistemas transformar as necessidades dos usuários em softwares é um desafio de tempo e esforço.

10 Fazendo o desenvolvimento como usuário final Em um ciclo tradicional de desenvolvimento de sistemas, o papel de usuário final é similar ao de um comprador ou cliente. Normalmente, ele fará uma requisição para um sistema melhor, responderá perguntas sobre as necessidades de informação específicas do problema de processamento e fornecerá informações antecedentes dos seus atuais sistemas de informação. Os analistas de sistemas e outros profissionais da TI trabalham analisando o problema e sugerindo soluções alternativas. Neste caso, em um processo de projeto a equipe deve além de ter pessoal da TI, usuários finais para homologarem o sistema construído. No desenvolvimento pelo usuário final, você e outros usuários finais também podem desenvolver maneiras novas ou melhoradas de realizar seu trabalho sem o envolvimento direto de profissionais de TI. As capacidades de desenvolvimento de aplicações embutidas em uma multiplicidade de pacotes de software têm facilitado para muitos usuários a criação de suas próprias soluções computadorizadas. Por exemplo, pode-se utilizar um pacote de planilha eletrônica como ferramenta para desenvolver uma maneira de analisar facilmente resultados semanais de vendas para os gerentes de vendas de uma empresa. Módulo 5 - Processos fundamentais UML Unified Modeling Language É uma linguagem de modelagem, porém não é uma metodologia de desenvolvimento. A UML é uma opção de diagramação para análise da orientação a objetos (classes, objetos, mensagem, associações, etc.) entre outro pontos de função, diagramas de entidade-relacionamento. É necessária a elaboração completa de um dicionário de dados, para descrever todas as entidades envolvidas. Com isso refinando os requisitos funcionais do software. A UML possui nove tipo de diagramas que são usados em combinação com a finalidade de obter todas as visões e aspectos do sistema. São eles: Diagrama de Uses-Cases

11 Diagrama de Classes Diagrama de Objetos Diagrama de Estados Diagrama de Seqüência Diagrama de Colaboração Diagrama de Atividade Diagrama de Componente Diagrama de Execução UML usa os seguintes conceitos: Ator Representa um conjunto de atividades do usuário e como interagem no sistema e no caso de uso Atividade - Comportamento a ser realizado Interface - É uma ligação entre a classe e o mundo externo Pacotes - É um mecanismo de propósito geral para a organização de elementos em grupos. Encapsulamento - Consiste na separação de aspectos internos e externos de um objeto. Herança (ou generalização) - É o mecanismo pelo qual uma classe (sub-classe) pode estender outra classe (super-classe), aproveitando seus comportamentos (métodos) e estados possíveis (atributos). Sobrecarga - É a utilização do mesmo nome para símbolos ou métodos com operações ou funcionalidades distintas. Polimorfismo É o princípio pelo quais duas ou mais classes derivadas de uma mesma superclasse podem invocar métodos que têm a mesma assinatura, mas comportamentos distintos, especializados para cada classe derivada, usando; para tanto, uma referência a um objeto do tipo da superclasse. Abstração - É a habilidade de concentrar nos aspectos essenciais de um contexto qualquer, ignorando características menos importantes ou acidentais. Atributos - São os dados ou informações do objeto, basicamente a estrutura de dados que vai representar a classe.

12 Classe - Descreve os serviços promovidos por seus objetos e quais informações eles podem armazenar. Evento Um acontecimento dentro do caso de uso Métodos - Definem as habilidades dos objetos Embora com a UML seja possível representar o software através de modelos orientados a objetos, ela não demonstra que tipo de trabalho deva ser feito, ou seja, não possui um processo que define como o trabalho tem que ser desenvolvido. O objetivo então é descrever o que fazer, como fazer, quando fazer e por que deve ser feito. RUP Processo Racional Unificado O Processo Racional Unificado (Rational Unified Process), baseado no modelo interativo, é o processo padrão utilizado na indústria de software. Este processo não inclui algumas atividades importantes, como: Verificação e validação Divisão do trabalho Gerência de Projeto Documentação Fases do processo RUP Planejamento e elaboração Trata-se da concepção inicial do software, com investigação de alternativas de solução e investigação de requisitos. Esta fase captura as intenções e necessidades dos usuários do sistema a ser desenvolvido, e a representa com um conjunto de funcionalidades sem, no entanto, se importar como esta será implementada. Também conhecida como estudo de viabilidade ou levantamento preliminar, e é uma das ferramentas utilizadas no processo de seleção de projetos. Construção Trata-se da construção do sistema através de múltiplos ciclos de análise, projeto, implementação e teste.

13 Então no RUP o objetivo é mostrar como o sistema será construído na fase de implementação. Gera o modelo do projeto e, opcionalmente o modelo de análise, onde este modelo é utilizado para garantir a robustez. Módulo 6 - Gerência de Projetos Para o sucesso no mundo competitivo empresarial, as empresas precisam produzir resultados em prazos e orçamentos. Sendo assim a gerência de projetos permite focar prioridades, monitorar desempenhos, superando dificuldades e tendo mais controle para atingir as metas no prazo e dentro do orçamento. A gerência de projetos engloba todas as áreas inclusive na Tecnologia da Informação, onde sempre novos softwares são instalados e parques tecnológicos são atualizados deve-se possuir uma organização para que não se gaste tempo e dinheiro desnecessários. A gerência de projetos de software é constituída por um conjunto de atividades, que devem ser administradas de acordo com parâmetros de custo, tempo e qualidade, com a utilização de métricas quantitativas e qualitativas, ao longo do processo de desenvolvimento, para a produção do produto desejado. Mas o que é um projeto? É um empreendimento temporário com o objetivo de criar um produto ou um serviço único, geralmente implementado como meio de realizar o plano estratégico de uma organização, ou ainda viabilizar avanços operacionais. È temporário, pois quando seus objetivos são atingidos o projeto é encerrado. Por que gerenciar projetos? Para evitar o descontrole de recursos que serão investidos em projetos ou mesmo a perda de tempo que podem causar frustração nos envolvidos. Os objetivos da gerência de projeto são: Melhoria dos processos de produção Implantação de processos gerenciais Produção de documentos gerenciais Sistematização do Gerenciamento de Projetos Fatores de sucesso em um projeto Atendimento dos Requisitos Técnicos e Funcionais

14 Cumprimento do Orçamento Cumprimento do Cronograma Satisfação dos Interessados Benefícios para o patrocinador Agentes principais e seus papéis Para o sucesso de um projeto é importante envolver pessoas com diferentes habilidades e experiências, é vital criar boas relações com os membros da equipe. Entenda os principais agentes e seus papéis: Patrocinador Inicia um projeto, reforça a autoridade da equipe. Ajuda a estabelecer objetivos e limites, garantindo o que é relevante para a empresa e algumas vezes fornece recursos. Gerente de Projeto Ele é responsável pela obtenção dos objetivos do projeto e lidera a equipe produzindo um plano de ação detalhado, organizando as equipes, comunicando os apoiadores e outros interessados quanto às informações dos projetos, bem como a evolução do trabalho. Seu papel é de suma importância para o andamento do projeto. Interessado Qualquer pessoa que será beneficiada no resultado do projeto ou que possa ser afetado por ele, às vezes não está interessado em todo o projeto, mas de parte dele. Este agente contribui para várias etapas do planejamento, fornecendo feedback nos resultados dos requisitos. Membro-chave Auxilia o gerente de projetos, estuda a viabilidade do projeto e ajuda em seu planejamento e é responsável pelo encerramento do projeto no prazo e dentro do orçamento. Membro Executa tarefas para o andamento do projeto, pode ser em tempo integral ou não. Desempenha papel especializado se

15 envolvido como consultor ou como alguém só necessário em parte do projeto Cliente Independente de interno ou externo, o cliente influencia nos objetivos do projeto impondo os requisitos do produto, serve de guia ao gerente. Fornecedor Fornece materiais, produtos ou serviços necessários para o andamento do projeto. As pessoas que exercerão os papéis acima além das habilidades necessárias devem vir com boa vontade. Assim cada um responsabilizará-se-a pela implementação do projeto operando com eficiência com o líder. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos Processos de Iniciação Define a autorização do projeto ou fase; Processos de Planejamento Definição e refinamento dos objetivos do projeto, assim como, a seleção da melhor das

16 alternativas de ação para alcançar os objetivos que o projeto estiver comprometido em atender; Processos de execução Coordenar pessoas e outros recursos para realizar o plano; Processos de controle Assegurar que os objetivos do projeto estão sendo atingidos, através da monitoração regular do seu progresso para identificar variações do plano e, portanto, a tomada de ações corretivas quando necessárias; Processos de encerramento Formalizar a aceitação do projeto ou fase e encerrá-lo de forma organizada. Do lançamento à implementação, da motivação da equipe à monitoração dos resultados, cada aspecto do projeto deve ser controlado e comunicado aos participantes, para que assim, os objetivos traçados pela empresa sejam alcançados garantindo excelentes resultados e melhorando a vantagem competitiva no mercado. Módulo 7 - Qualidade e Produtividade em Software Os processos de softwares são processos de desenvolvimento visando garantir uma qualidade do produto. Onde este produto é o software encomendado pela empresa, auxiliando o desenvolvimento de sistemas nas suas diversas fases. Os processos de softwares mais utilizados no Brasil são: NBR ISO/IEC As normas da série ISO 9000 aplicadas ao software CMM Norma ISO/IEC 12207

17 Nos processos do ciclo de vida do software cada processo e cada atividade é definida por suas tarefas. Onde essas tarefas são expressas através de quem deve, uma declaração de objetivos de quem deverá, uma recomendação que deveria ou uma ação que pode ser feita.

18 As normas da série ISO 9000 aplicada ao software A família ISO 9000 é composta de uma série de normas, mas somente as normas da família ISO 9001, 9002 e 9003 podem ser utilizadas como requisitos entre clientes e fornecedores. As outras normas destinam-se a orientar a escolha da norma a ser utilizada ou à sua implantação. A certificação ISO 9000 é reconhecida praticamente em todos os países e setores, não só pelo setor de software. Os certificados têm prazo de 3 anos e, em geral, são mantidos por auditorias semestrais. No Brasil, os organismos certificadores são credenciados pelo INMETRO Instituto Nacional de Metrologia e Qualidade Industrial, consulte este órgão para obter os organismos credenciados para certificação.

19 Módulo 8 CMM O CMM Capability Maturity Model foi desenvolvido pelo SEI Software Engineering Institute, ligado à CMU Carnegie Mellon University, nos Estados Unidos. O desenvolvimento desse modelo foi financiado pelo DoD Departamento de Defesa Americano, com o objetivo de se estabelecer um padrão de qualidade para o software desenvolvido de grandes projetos militares, mas em aplicações em projetos menores e em outras áreas é necessário um cuidado de interpretação e adequação à realidade da organização. O CMM foi baseado nos conceitos da Qualidade Total, estabelecidos por Crosby, que mostrou que a implementação de sistemas de qualidade em empresas segue um amadurecimento gradativo.

20 Cada nível de maturidade está dividido em áreas chaves de processo. Como todo modelo, as práticas-chave especificam o que deve ser cumprido, exigindo documentos, treinamentos ou políticas definidas por atividades, mas nunca especificando o como elas devem ser implementadas. Baseado na imagem anterior temos: Níveis 1 Podem desenvolver produtos de software de alta qualidade Nível 2 Os métodos de gerenciamento de software são documentados e acompanhados. No nível 2 existem 6 áreas chaves: o Gerenciamento de requisitos o Planejamento do projeto de software o Acompanhamento do projeto de software o Gerenciamento do subcontrato de software o Gerenciamento da qualidade do software o Gerenciamento da configuração do software Nível 3 A organização possui o processo de desenvolvimento de software definido. No nível 3 existem 7 áreas chaves: o Foco no processo da organização o Definição do processo da organização

21 o Programa de treinamento o Gerenciamento integrado de software o Engenharia de produto de software o Coordenação intergrupos o Revisões(peer reviews) Nível 4 A gerência tem objetivos para a tomada de decisão pois o processos são medidos e gerenciados quantitativamente. No nível 4 existem 2 áreas chaves: o Gerenciamento quantitativo do processo o Gerenciamento da qualidade do software Nível 5 O foco está na melhoria contínua do processo, onde a mudança de tecnologia e as mudanças no próprio processo são gerenciadas de forma a não causarem impacto na qualidade do produto final. No nível 5 existem 3 áreas chaves: o Prevenção de defeito o Gerenciamento da mudança de tecnologia o Gerenciamento da mudança de processo A implantação do CMM é um processo de longo prazo, pois envolve aspectos de mudança cultural dentro da empresa que o adota. A transparência ao processo de desenvolvimento cria mecanismos que apontam claramente onde estão as falhas. Isto pode trazer rejeição por parte das pessoas envolvidas, particularmente a média gerência. A grande ameaça à implantação de um projeto do tamanho do CMM é o dia-a-dia da empresa, que absorve praticamente os recursos existentes, é importante ressaltar que o CMM é apenas um modelo que reúne boas práticas de desenvolvimento de software. Sua implantação requer um investimento muito importante dos envolvidos para conceber um processo que venha alavancar o negócio, facilitar a vida dos envolvidos e não criar burocracia somente para atender aos requisitos do modelo.

22 Módulo 9 - Desenvolvendo Soluções com Sistemas de Informação Desenvolver soluções com sistemas de informação para problemas empresariais é hoje responsabilidade de todo profissional dos negócios. Como usuário final, você será responsável por propor e desenvolver aplicações novas para melhor produção da corporação. Suponha que o presidente da empresa onde você é o gerente pede que você descubra uma maneira melhor de obter informações para os vendedores. Como você começaria? O que faria? Comece por um processo de solução de problemas conhecido como abordagem sistêmica. A abordagem sistêmica na solução de problemas utiliza uma orientação sistêmica para definir problemas e oportunidades e desenvolver soluções. O estudo de um problema e a formulação de uma solução envolvem as seguintes atividades inter-relacionadas: 1. Identificar e definir um problema ou oportunidade 2. Avaliar se é viável produzir o software na empresa, comprar uma solução pronta ou contratar uma empresa fornecedora de software para confeccionar um software para a empresa. 3. Pesquisar outras empresas que utilizaram uma solução e se atendeu os requisitos da empresa pesquisada 4. Escolher pessoas chaves para o projeto que será implementado. 5. Avaliar se os requisitos de infra-estrutura e parque tecnológico são adequados para o novo software A função de vendas de uma empresa pode ser encarada como um sistema. Você poderia perguntar: O desempenho deficiente de vendas(saída de dados) É provocado por esforço de vendas inadequado(entrada de dados) Como estão os procedimentos de vendas?(procedimento) Há Informações de vendas?(feedback) Há vendas incorretas ou administração de vendas inadequadas? (controle)

23 Estudos de viabilidade Uma vez que o processo de desenvolver um importante sistema de informação pode ser dispendioso, exige um estudo preliminar chamado de estudo de viabilidade. Nele investigam-se as necessidades de informação dos potenciais usuários e determina os requisitos dos recursos, custos, benefícios e viabilidade de um projeto proposto. Para isso devem-se coletar informações, em seguida formalizar um relatório escrito que inclua especificações preliminares e um plano de desenvolvimento para o sistema proposto. Maneiras de coletar informações para o desenvolvimento de sistemas: Entrevistas com funcionários, clientes e gerentes que serão beneficiados com o novo sistema. Questionários para o devido usuário-finais Exames de documentos, relatórios, manuais de procedimentos e outros registros. Desenvolvimento, simulação e observação de um modelo das atividades de trabalho. Os fatores mais comuns de viabilidade são: Viabilidade Organizacional Eficácia com que o sistema proposto apóia os objetivos estratégicos da organização Viabilidade Técnica Capacidade, confiabilidade e disponibilidade de hardware e rede. Viabilidade Econômica Aumento da receita, economias de custo, aumento de lucros. Viabilidade Operacional Aceitação do usuário final, apoio administrativo, requisito dos clientes, fornecedores entre outros. A análise custo/benefício deve ser quantificada para que a viabilidade econômica não sufoque o projeto. Se quantificada é chamada de custos tangíveis, caso contrário, são chamados intangíveis. Exemplo de custo tangível: hardware e software

Sistemas de Informação para Apoio à Decisão Gerencial

Sistemas de Informação para Apoio à Decisão Gerencial Sistemas de Informação para Apoio à Decisão Gerencial Sistemas de Apoio à decisão (DSS) Os sistemas de apoio à decisão (Decision Support System, ou DSS) são uma das principais categorias de sistemas de

Leia mais

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Sistema de informação nos negócios Sistemas de informação no apoio ao processo de tomada de decisão Sistemas colaborativos

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Sistemas Colaborativos Simulado

Sistemas Colaborativos Simulado Verdadeiro ou Falso Sistemas Colaborativos Simulado 1. Todos os tipos de organizações estão se unindo a empresas de tecnologia na implementação de uma ampla classe de usos de redes intranet. Algumas das

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Estudantes na Escola de Administração da FGV utilizam seu laboratório de informática, onde os microcomputadores estão em rede

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI Resposta do Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Leia o texto e responda o seguinte: a) identifique os recursos de: Hardware: microcomputadores,

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro Tecnologia da Informação e Comunicação Douglas Farias Cordeiro Algumas coisas que vimos até aqui Qual a diferença entre as funções do analista e do projetista? Como funciona o ciclo de vida de um projeto

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Contextualização ENGENHARIA DE SOFTWARE ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Perspectiva Histórica Engenharia de Software 1940:

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Um Sistema de Informação não precisa ter essencialmente

Leia mais

2. O que informatizar?

2. O que informatizar? A INFORMÁTICA NO CONSULTÓRIO MÉDICO No fascículo anterior, comentamos como a gestão de custos, mesmo sendo feita de maneira simplista, auxilia o consultório a controlar e avaliar seus resultados, permitindo

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações

Tecnologia e Sistemas de Informações Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 3 Componentes de SIs Pessoas SI Organiz. Unidades que exercem diferentes funções, tais

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 02 ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN CAPÍTULO 01 continuação Páginas 03 à 25 1 COMPONENTES DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO Especialistas

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 04 Conceito Sistema de Informação é uma série de elementos ou componentes inter-relacionados que coletam (entrada), manipulam e armazenam (processo),

Leia mais

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso 1. Muitas organizações estão utilizando tecnologia da informação para desenvolver sistemas

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

1: FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

1: FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES 1: FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES 1 Os sistemas de informação (SI) utilizam hardware, software, redes de telecomunicações, técnicas de administração de dados computadorizadas e outras formas de

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD)

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) AULA 07 MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 286 à 294 1 AULA 07 SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES 2 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD)

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

CMM - Capability Maturity Model

CMM - Capability Maturity Model Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em II CMM Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br CMM - Capability Maturity Model Desenvolvido pelo SEI (Instituto de Engenharia de ) Carnegie Mellon

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS O PODER DA INFORMAÇÃO Tem PODER quem toma DECISÃO Toma DECISÃO correta quem tem SABEDORIA Tem SABEDORIA quem usa CONHECIMENTO Tem CONHECIMENTO quem possui INFORMAÇÃO (Sem

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA

COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA 1 OBJETIVOS 1. Como nossa empresa pode medir os benefícios de nossos sistemas de informação? Quais modelos deveríamos usar para

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

Por que estudar sistemas de informação?

Por que estudar sistemas de informação? Por que estudar sistemas de informação? Por que estudar sistemas de informação? Isto é o mesmo que perguntar por que alguém deve estudar contabilidade, finanças, as, marketing, RH ou qualquer outra grande

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de 1 Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Descrever

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Sistemas de Informações e o Uso comercial

Sistemas de Informações e o Uso comercial ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ASI Elabora por Prof.Mestra Rosimeire Ayres Conectan a Empresa à Rede Intranet Internet Extranet B2B B2C B2E C2C As empresas estão se tornan empresas conectadas

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti. TI Aplicada Aula 02 Áreas e Profissionais de TI Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos

Leia mais

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA NOTAS DE AULA 1. TENDÊNCIAS EM SISTEMAS DE MICROCOMPUTADORES Existem várias categorias principais de sistemas de computadores com uma diversidade de características e capacidades. Consequentemente, os

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Princípios da Teoria de Sistemas 1 Grupos diferentes dentro de uma organização necessitam

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 03 Profissões de TI Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos respectivos

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA Descrição da(s) atividade(s): Indicar qual software integrado de gestão e/ou ferramenta

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais