UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE COMPUTAÇÃO GERENCIAMENTO DE QOS PARA O SISTEMA FINAL COM O USO DO SNMP MÁRCIO ANDREY TEIXEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE COMPUTAÇÃO GERENCIAMENTO DE QOS PARA O SISTEMA FINAL COM O USO DO SNMP MÁRCIO ANDREY TEIXEIRA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE COMPUTAÇÃO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO GERENCIAMENTO DE QOS PARA O SISTEMA FINAL COM O USO DO SNMP MÁRCIO ANDREY TEIXEIRA DEZEMBRO 2004

2 Márcio Andrey Teixeira GERENCIAMENTO DE QOS PARA O SISTEMA FINAL COM O USO DO SNMP Dissertação apresentada ao programa de Pós-graduação em Ciência da Computação da Universidade Federal de Uberlândia, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Ciência da Computação. Área de concentração: Redes de Computadores. Orientador: Prof. Dr. Jamil Salem Barbar UBERLÂNDIA Universidade Federal de Uberlândia - UFU Dezembro 2004

3 FICHA CATALOGRÁFICA Elaborada pelo Sistema de Bibliotecas da UFU / Setor de Catalogação e Classificação T266m Teixeira, Márcio Andrey, Gerenciamento de QoS para o sistema final com o uso do SNMP / Márcio Andrey Teixeira. Uberlândia, f.:il. Orientador: Jamil Salem Barbar. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Uberlândia, Programa da Pós-Graduação em Ciência da Computação. Inclui Bibliografia. 1. Redes de Computação - Protocolos - Teses. 2. Sistemas multimídia - Teses. 3. Internet (Redes de Computação) - Teses. 4. Ciência da Computação - Teses. I. Barbar, Jamil Salem. II. Universidade Federal de Uberlândia. Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação. III. Título. CDU: (043.3) iii

4 Márcio Andrey Teixeira GERENCIAMENTO DE QOS NO SISTEMA FINAL COM O USO DO SNMP Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Ciência da Computação da Universidade Federal de Uberlândia, para obtenção do título de Mestre. Área de concentração: Redes de Computadores. Banca Examinadora: Uberlândia, 10 de Dezembro de Prof. Dr. Jamil Salem Barbar - UFU (orientador) Prof. Dr. Anilton Salles Garcia - UFES Prof. Dr. Paulo Roberto Guardieiro - UFU

5 A Deus, primeiramente, aos meus pais Dorival e Cleusa, aos meus irmãos Marcos e Ana Paula e a minha noiva Aline por todo o incentivo proporcionado. v

6 Agradecimentos A Deus, pela oportunidade de fazer o mestrado e pela força e sabedoria que me auxiliou durante os meus estudos. Ao prof. Dr. Jamil Salem Barbar, que auxiliou-me durante todo o tempo nos meus estudos acreditando e confiando na minha pessoa. Aos meus pais, Dorival e Cleusa, que sempre me incentivaram e me apoiaram em todo o momento em que eu precisei. À minha noiva Aline, pelo carinho e compreensão. A todos os colegas do Mestrado que me apoiaram e a todos aqueles que me ajudaram de alguma forma para a realização deste trabalho. À CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, pelo apoio financeiro concedido. vi

7 Resumo Este trabalho descreve um modelo de gerenciamento de QoS para o sistema final com o uso do protocolo de gerenciamento SNMP (Simple Network Management Protocol). O gerenciamento proposto é baseado nos conceitos de gerenciamento do protocolo SNMP em conjunto com os conceitos de gerenciamento de QoS. O modelo de gerenciamento é composto por módulos de gerenciamento que atuam com o sistema operecional. Tais módulos interagem com as aplicações de multimídia que necessitam de QoS através das primitivas de gerenciamento do protocolo SNMP, que obtêm as informações necessárias ao gerenciamento de uma MIB (Management Information Base). Uma aplicação multimídia foi desenvolvida para validar o gerenciamento proposto, a qual faz uso de um protótipo do modelo de gerenciamento de QoS para o sistema final. Através desse gerenciamento, pode-se observar que as aplicações multimídia obtêm um ganho significativo em relação ao desempenho, pois os recursos são alocados mediante aos parâmetros de QoS das aplicações de multimídia, variando de acordo com as necessidades de cada aplicação. Palavras-chave: Gerenciamento de QoS, protocolo SNMP, Gerenciamento de Recursos, Sistema Final. vii

8 Abstract The present paper aims at describing a QoS management model for the end-system with the use of the management protocol SNMP (Simple Network Management Protocol). The proposed management is based on the concept of management of the SNMP protocol along with the concept of QoS management and is composed of management modules that act with the operational system. Such modules interact with the requiring QoS multimedia applications by means of the management primitives of the SNMP protocol; those primitives obtain the necessary information for the management of a MIB (Management Information Base). A multimedia application was developed to make the proposed management valid. It uses a prototype of the QoS management model for the end-system. Through this management, it can be observed that the multimedia applications have a significant improvement relating to its performance, since the resources are allocated by means of the QoS parameters of the multimedia applications, varying according to the needs of each application. Key-words: QoS management, SNMP protocol, Resource management, End-system. viii

9 Sumário Lista de Figuras xiii Lista de Tabelas xvi Lista de Acrônimos xvii 1 Introdução 1 2 A Qualidade de Serviço As formas de representação da QoS A QoS na Internet Soluções da IETF sobre a QoS A abordagem da ISO sobre QoS A Qualidade de Serviço em sistemas multimídia Os requisitos de QoS das aplicações de multimídia O gerenciamento dos parâmetros de QoS A parametrização da QoS da aplicação A parametrização da QoS do sistema A parametrização da QoS da rede Um framework generalizado para QoS Princípios de QoS Especificações de QoS ix

10 SUMÁRIO x Os mecanismos de QoS Arquiteturas de QoS A arquitetura Omega A arquitetura QoS-A A arquitetura IntServ Algumas considerações a respeito das arquiteturas de QoS O que é gerenciamento de redes O Gerenciamento de Redes Os serviços gerenciáveis de uma rede de computadores As áreas funcionais do gerenciamento de redes Gerenciamento de falta Gerenciamento de configuração Gerenciamento de segurança Gerenciamento de desempenho Gerenciamento de contabilidade Os protocolos de gerenciamento O Protocolo de gerenciamento SNMP SMI Identificação dos objetos gerenciados ASN Definição de gerenciadores Definição de agentes de gerenciamento MIBs Estrutura da MIB Grupos Versões do protocolo SNMP Evolução do SNMP

11 SUMÁRIO xi 3.6 As mensagens e as operações oferecidas pelo protocolo SNMP Formato das mensagens Transmissão das mensagens SNMP Operações fornecidas pelo protocolo Operação get Operação get-next Operação get-bulk Operação get, get-next, e set para respostas de erro Traps do SNMP Notificação do SNMP Comunidades e políticas do Protocolo SNMP Um modelo de gerenciamento de QoS para o Sistema Final com o uso do SNMP O gerenciamento de QoS no sistema final A estrutura organizacional dos objetos na MIB Implementação e estruturação dos parâmetros de QoS na MIB Objeto da estrutura do nível do usuário Objeto da estrutura do nível da aplicação Objeto da estrutura do nível de sistema A contabilização dos recursos utilizados pelas aplicações de multimídia no sistema final Mapeando os parâmetros de QoS na MIB Os módulos de gerenciamento de QoS do sistema final Os módulos de gerenciamento e os mecanismos de gerenciamento Os módulos de gerenciamento e a MIB Funcionalidades dos módulos de gerenciamento Módulo gerenciador de aplicação

12 SUMÁRIO xii Módulo gerenciador de QoS Módulo gerenciador de recursos O ciclo de execução dos módulos de gerenciamento A execução do gerenciador de aplicação A execução do gerenciador de QoS A execução do gerenciador de recursos Uma aplicação multimídia Descrição da aplicação de multimídia Os requisitos de QoS da aplicação de Tele-monitoramento na MIB A definição do arquivo na MIB A implementação dos objetos definidos na MIB O modo de acesso do agente SNMP aos parâmetros de QoS Resultados obtidos da aplicação de Tele-monitoramento Conclusão 126 Referências Bibliográficas 130 A - (Apêndice A) - Partes dos códigos fonte dos programas 134

13 Lista de Figuras 2.1 Estabelecimento de uma chamada Cabeçario de serviço diferenciado Arquitetura de um sistema multimídia Arquitetura de um sistema multimídia dividido em camadas de abstração Parametrização da QoS da camada da aplicação Parametrização da QoS da camada do sistema Parametrização da QoS da camada de rede por conexão QoS fim-a-fim Mapeamento QoS Arquitetura Omega Arquitetura QoS-A Arquitetura QoS-A Framework que traz QoS para o sistema final Configuração do SNMP Árvore de objetos da SMI Uso das sintaxes abstratas e de transferências Relação entre uma estação com um agente e uma MNS Grupos definidos na MIB-II Formato da mensagem SNMP Construção das Mensagens SNMP xiii

14 LISTA DE FIGURAS xiv 3.8 Seqüência das requisições das PDUs Modelo da comunicação TCP/IP e o SNMP Seqüência da solicitação get Seqüência da solicitação trap Disposição do módulo endsystemqos na estrutura da MIB Organização das aplicações multimídia que utilizam o gerenciamento de QoS no sistema final Estrutura dos níveis de representação Estrutura dos níveis e camadas Objetos do nível do usuário e seus sub-níveis Objetos do nível da aplicação e seus sub-níveis Objetos do nível do sistema e alguns de seus parâmetros Objeto RequisitoSistema na estrutura da MIB Contabilizaçao dos recursos do sistema Mapeamento dos parâmetros de QoS na MIB Os módulos de gerenciamento e os mecanismos de gerenciamento Os módulos de Gerenciamento e a MIB Os módulos de Gerenciamento no Sistema Final Seqüência da execução dos Módulos de Gerenciamento Cenário da implementação Organização dos parâmetros de QoS na MIB Interação de Agente SNMP e a MIB Interação de Agente de Sub-Agente Imagem com 25 de qualidade Imagem com 65 de qualidade Imagem com 100 de qualidade Tempo de processamento x Qualidade

15 LISTA DE FIGURAS xv 5.9 Tamanho de arquivo x Qualidade da imagem Gráfico da Tabela Gráfico da Tabela Gráfico da Tabela Gráfico comparativo das três imagens Execução da aplicação sem e com o gerenciamento

16 Lista de Tabelas 2.1 Exemplos de Parâmetros de QoS Tipos de dados básicos permitidos no SNMP Grupo de gerenciamento Relação entre a categoria de acesso a MIB e o modo de acesso do SNMP Dados obtidos da imagem Dados obtidos da imagem como fator de qualidade Dados obtidos da imagem como fator de qualidade Dados obtidos da imagem como fator de qualidade xvi

17 Lista de Acrônimos ASN.1 - Abstract Sintaxe Notation One ATM - Asynchronous Transfer Mode BER - Basic Encoding Rules CoS - Class of Service DiffServ - Differentiated Services Framework IAB - Internet Architecture Board IETF - Internet Engineering Task Force ISO - International Organization for Standardization IOS- Internetwork Operating System IP - Internet Protocol IntServ - Integrated Service Architecture JPEG - Joint Photographic Experts Group LAN - Local Area Network LSP - Label Switching Paths MIB - Management Information Base MPLS - Multiprotocol Label Switching xvii

18 LISTA DE TABELAS xviii OID - Object Identifier PDU - Protocol Data Unit POSIX - Portable Operating System Interface QoS - Quality of Service RFCs - Request for Comments SNMP - Simple Network Management Protocol SMI - Structure of Management Information SMP - Simple Management Protocol TCP - Transfer Control Protocol ToS - Type of Service WAN - Wide Area Network

19 LISTA DE TABELAS xix

20 Capítulo 1 Introdução Com a evolução e o crescimento dinâmico do poder computacional dos sistemas finais, tais como os computadores pessoais, as estações de trabalho, a disponibilização dos recursos locais e o crescimento e uso da Internet estão levando ao surgimento de novas aplicações multimídia, principalmente aquelas distribuídas. Essas aplicações geram grande quantidade de fluxos de dados denominados de streams multimídia (streams de áudio e streams de vídeo), que são transmitidos pela rede de comunicação e processados no sistema final, onde este último tem a responsabilidade de apresentar os streams de forma correta para os usuários finais, mantendo um certo nível de qualidade. As aplicações multimídia demandam grandes variedades de recursos, tanto do sistema final quando da rede de computadores, sendo importante e necessário haver gerenciamento da Qualidade de Serviço (QoS - Quality of Service) atribuída às aplicações multimídia, no sistema final, e na rede de computadores, podendo, assim, garantir o nível global da QoS para as aplicações multimídia, em realce, as aplicações que necessitam de recursos controlados e monitorados remotamente (por exemplo, as aplicações de robótica, Tele-monitoramento, Tele-medicina etc.). Os recursos requisitados pelas aplicações multimídia são determinados por parâmetros, denominados parâmetros de QoS que definem o nível de serviço a ser atribuído às aplicações multimídia. Através dos parâmetros de QoS, o usuário e ou a aplicação poderá especificar quais são os requisitos necessários para que a aplicação multimídia tenha desempenho satisfatório. 1

21 2 Muitas pesquisas sobre QoS estão sendo realizadas, porém, a maioria delas estão voltadas às redes de computadores, como, por exemplo, o IntServ, o DiffServ etc. Pouco tem sido feito no sistema final, sendo necessários mecanismos para garantir a entrega e o processamento dos dados no sistema final de maneira oportuna quanto à QoS exigida pelas aplicações multimídia. No que diz respeito aos recursos disponíveis no sistema final (por exemplo, memória, CPU, buffers etc.), para que possa ser mantido e ou garantido um nível de qualidade de serviço (QoS), os recursos do sistema final deverão ser gerenciados para atender os requisitos exigidos pelas aplicações multimídia, bem como deverão respeitar as restrições de comunicação e de processamento exigidos pelos streams multimídia. Os sistemas finais (end-systems), neste contexto, são os computadores utilizados diariamente, e ficam situados nas extremidades da rede. Eles executam os programas de aplicações utilizados pelos usuários finais. A maioria dos sistemas finais não possui gerenciamento de QoS para as aplicações multimídia, sendo seus recursos gerenciados pelo sistema operacional que não distingue os requisitos das aplicações multimídia das outras demais aplicações. Por exemplo, os sistemas operacionais existentes nas estações de trabalho, tal como UNIX, são projetados para oferecer uso justo dos recursos do sistema aos programas (que podem estar competindo com o mesmo recurso), que dificulta a manutenção da resposta, em tempo hábil, para as aplicações multimídia, comprometendo-se, assim, o gerenciamento da QoS Global. Esses sistemas operacionais evidenciam barreiras impostas à adaptabilidde do sistema e à provisão de QoS, conseqüências do processamento por compartilhamento do tempo e da estrutura monolítica em que se baseiam. As aplicações multimídia distribuídas geralmente são executadas em ambientes remotos com características distintas, por exemplo, vários sistemas finais podem executar as aplicações multimídia com capacidades diferente de processamento. Com isto, as informações relevantes à execução destas aplicações como, também, dos recursos que estão sendo utilizados deverão ser obtidos remotamente, através de algum tipo de protocolo, nesse caso o protocolo de geren-

22 3 ciamento SNMP. O objetivo desta dissertação é propôr uma arquitetura de gerenciamento de QoS para o sistema final, utilizando os princípios e conceitos do gerenciamento de redes de computadores, bem como os dos mecanismos de gerenciamento de QoS e do protocolo de gerenciamento SNMP, podendo, assim, o sistema final ter seus recursos monitorados e controlados remotamente (quando necessário) em função dos requisitos de QoS das aplicações multimídia, contribuindo para o gerenciamento de QoS global. Esse gerenciamento tem como característica principal, gerenciar os parâmetros da QoS das aplicações em relação aos recursos a serem utilizados no sistema final. A arquitetura de gerenciamento de QoS para o sistema final proposto neste trabalho, mostra que é factível e eficaz conciliar o protocolo de gerenciamento SNMP e seus mecanismos de gerenciamento com os princípios de gerenciamento de QoS. A obtenção da QoS para as aplicações multimídia é feito através do gerenciamento dos parâmetros de QoS destas aplicações, que estão embutidas em uma base de gerenciamento. Com estes parâmetros e através de um agente SNMP, é possível fazer o controle e o monitoramento da QoS no sistema final remotamente. O SNMP é atualmente o modelo de gerenciamento de redes mais amplamente usado e disseminado, sendo projetado para ser independente dos produtos de fabricantes específicos ou de redes [1], sendo isso, um dos motivos de sua utilização neste trabalho. Outro motivo é que o SNMP é um protocolo relativamente simples, porém suficientemente poderoso para efetuar o gerenciamento aqui proposto. Para o gerenciamento proposto, são definidos três módulos de gerenciamento que utilizam as premissas do protocolo SNMP, no controle e no monitoramento remoto da QoS das aplicações de multimídia, e atuam em conjunto com uma MIB, possuidora dos parâmetros de QoS das aplicações multimídia que representam os requisitos de QoS dessas aplicações. Os módulos de gerenciamento atuam entre si com o objetivo de prover QoS para as aplicações multimídia no sistema final. Para a validação desta proposta, é desenvolvida uma aplicação multimídia de Tele-monitoramento.

23 4 Os parâmetros de QoS desta aplicação foram inseridos na MIB, onde, para isso, foi definido um módulo para abrigar esses parâmetros. Nesse módulo foi definido uma estrutura organizacional e funcional da disposição dos parâmetros de QoS para serem utilizados no gerenciamento proposto. Com isso, os recursos utilizados por essa aplicação são monitorados e controlados remotamente. É importante ressaltar que este trabalho deu origem a uma publicação nacional e duas publicações internacionais, sendo uma delas no ICT (11th International Conference on Telecommunications) e a outra no SCI (The 8th World Multiconference on Systemics, Cybernetics and Informatics). Este trabalho apresenta, no Capítulo 2, uma descrição resumida dos conceitos de QoS, os mecanismos utilizados para a obtenção e para o gerenciamento da QoS num sistema global, e alguns Frameworks relatados na literatura que utilizam os mecanismos de QoS aqui descritos. No Capítulo 3, são apresentados os conceitos sobre gerenciamento SNMP, uma descrição das 5 áreas funcionais definida pela OSI e a estrutura de gerenciamento SNMP, como, por exemplo, um resumo das versões existentes, os formatos das mensagens e a ferramenta NET-SNMP. O Capítulo 4 é composto pela descrição do modelo de gerenciamento de QoS para o sistema final com o uso do protocolo SNMP, como também a descrição da estrutura organizacional e funcional da MIB para abrigar os parâmetros de QoS das aplicações multimídia, a implementação e a estruturação dos objetos na MIB. No Capítulo 5 é mostrado o desenvolvimento de uma aplicação multimídia que utiliza o gerenciamento proposto como também, os resultados obtidos por essa aplicação. Finalmente, no Capítulo 6 são apresentadas as conclusões do presente trabalho e as sugestões para o desenvolvimento de trabalhos futuros. No Apêndice A são mostrados algumas partes dos códigos fontes utilizados no desenvolvimento da estrutura da MIB e também da aplicação multimídia desenvolvida.

24 Capítulo 2 A Qualidade de Serviço Este capítulo apresenta questões relacionadas à qualidade de serviço, o porquê da sua utilização, a influência da QoS nas aplicações multimídia e algumas soluções encontradas na literatura para tentar garantir QoS para as aplicações multimídia. Em seguida são mostradas as definições de um sistema multimídia bem como a sua organização, a parametrização do sistema multimídia, os requisitos de QoS das aplicações multimídia e as tarefas envolvidas no gerenciamento dos parâmetros de QoS para garantir a QoS num âmbito global. 2.1 As formas de representação da QoS Com os recentes desenvolvimentos tecnológicos nas redes de computadores e nos sistemas finais, novas classes de aplicações multimídia distribuídas continuam surgindo, como, por exemplo: Educação a Distância, Vídeo-conferência, Vídeo sob demanda etc. Tais aplicações utilizam diversas mídias integradas, tais como: vídeo, imagem e voz, e são caracterizadas por gerar grandes fluxos de informações relativos a essas mídias, nas quais são denominadas de streams multimídia. Exemplos de streams multimídia são: stream de áudio, os stream de vídeo e aplicações elásticas. Os streams multimídia gerados por essas aplicações são transportados pela rede de computadores até o sistema final, onde serão processados e apresentados ao usuário. Esses streams possuem requisitos extremamente diversos, tanto de transmissão, quanto de processamento, os 5

25 2.1 As formas de representação da QoS 6 quais deverão ser atendidos pela rede de computadores e pelo sistema final, podendo assim garantir algum nível de qualidade. Nesse contexto surge o conceito de Qualidade de Serviço (QoS - Quality of Service) que determina o nível de qualidade empregado numa determinada aplicação multimídia, de acordo com seus requisitos, para a satisfação do usuário. Os requisitos de QoS exigidos pelas aplicações multimídia, expressam a necessidade da utilização de uma variedade de recursos da rede e do sistema final, sendo tais requisitos representados através da utilização de parâmetros, denominados parâmetros de QoS. Os parâmetros de QoS representam as diversas características existentes nas aplicações multimídia em relação aos recursos que essas aplicações utilizam. Esses parâmetros são representados em vários níveis de abstração, por exemplo, um nível de abstração alto, precedente dos usuários, a um nível mais baixo, do próprio sistema multimídia. Uma rede de computadores poderá garantir QoS quando puder estabelecer parâmetros mínimos para determinados streams multimídia, e conseguir manter esses parâmetros em quaisquer circunstâncias da rede, respeitando os requisitos de QoS impostos pelas aplicações multimídia, independente da quantidade de pessoas que estiverem compartilhando os recursos de rede. O sistema final poderá garantir QoS para as aplicações multimídia quando seus recursos, que são compartilhados com outras aplicações multimídia, forem gerenciados e utilizados de acordo com os requisitos de QoS dessas aplicações, e respeitando as restrições temporais e espaciais existentes entre as mídias contínuas A QoS na Internet A arquitetura original de rede da Internet foi projetada para permitir o envio de informações através de um modelo de serviço de melhor esforço (best-effort), sem qualquer garantia de vazão, atraso, ou outro requisito de QoS, não atendendo, assim, às necessidades exigidas pelas aplicações multimídia.

26 2.1 As formas de representação da QoS 7 O protocolo IP, baseou-se originalmente na idéia de igualdade de acesso, sem tratamento especial para qualquer nó ou serviço. Com exceção dos sistemas finais de comunicação, nenhuma informação de estado da conexão era mantida em qualquer lugar da rede. Além disso, o protocolo IP oferece um serviço de datagrama não confiável, sem qualquer garantia de serviço e não faz nenhuma diferenciação entre as classes de tráfego das diferentes mídia que ele transporta, levando à degradação da QoS exigida pelas aplicações multimídia. Outros fatores que levam à degração da QoS na Internet e também em outras redes de computadores são: Enlaces de comunicação compartilhados, nos quais dois ou mais usuários, ou dispositivos, disputam o mesmo canal de comunicação. Atrasos causados por equipamentos de rede (por exemplo, a incapacidade de se processar grandes cargas de dados). Atraso causado pela distância (enlaces de satélites) ou saltos excessivos (entre estados, ou roteamento global da rede). Congestionamento da rede causado pelo overflow das filas e pela retransmissão dos pacotes perdidos. Algumas pesquisas estão sendo levadas a cabo com o propósito de solucionar esses problemas, a par do desenvolvimento de novas arquiteturas e modelos de serviço que suportem as aplicações de multimídia. O desenvolvimento da arquitetura de serviços integrados e a proposta de serviços diferenciados são alguns exemplos dessas pesquisas [2] Soluções da IETF sobre a QoS A IETF (Internet Engineering Task Force) tem trabalhado há muitos anos para definir modelos de QoS para a Internet, para dotá-la de garantias de QoS, porém, essa tarefa não tem sido fácil. Os pacotes que trafegam na Internet atravessam muitas redes de computadores com

27 2.1 As formas de representação da QoS 8 características heterogêneas, tornando difícil prover a melhor decisão de como implementar e gerenciar QoS. Alguns exemplos de modelos desenvolvidos pela IETF para prover QoS na Internet são: o IntServ (Integrated Services), o DiffServ (Differentiated Services) e o MPLS ( Multiprotocol Label Switching). O IntServ é uma arquitetura para prover da QoS na Internet e nas Intranets. Ele foi desenvolvido para fornecer garantias de QoS individualizadas às sessões de aplicações individuais [1], tendo como pontos-chave: Reserva de recursos: A reserva de recursos é feita nos nós da rede, nos roteadores, em gateways e em outros elementos de rede, com o uso de protocolo específico para isso, denominado RSVP (Resource Reservation Protocol). Por exemplo, um roteador tem de saber que a quantidade de seus recursos (buffers, largura de banda de enlace) que já está reservada, antes de aceitar uma nova chamada. Estabelecimento de chamada: Uma sessão que exige garantia de QoS deve primeiramente estar habilitada a reservar recursos suficiente em cada roteador de rede em seu trajeto fonte-destino para garantir que suas exigências de QoS fim a fim sejam cumpridas. Esse processo de estabelecimento de chamadas exige a participação de cada roteador do trajeto. A Figura 2.1 demonstra o processo de estabelecimento de chamada. O RSVP é utilizado como mecanismo de sinalização e atualmente, está presente na maioria dos roteadores atuais. Através do RSVP, uma quantidade de largura de banda poderá ser reservada para determinado fluxo, e tal reserva poderá ser compartilhada a outros roteadores. Esta abordagem implica em manter variáveis de estado nos roteadores de cada fluxo de dados, fato que significa manter grande quantidade de informações nos roteadores de núcleo da rede, que transportam um número muito elevado de fluxos. O processamento associado a tais variáveis de estado acarreta sobrecarga dos roteadores, instalando-se um gargalo de desempenho. Os problemas de escalabilidade dessa arquitetura levaram ao estudo de soluções mais simples.

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações Mário Meireles Teixeira mario@deinf.ufma.br Motivação Atualmente, funcionam sobre as redes IP aplicações cujos requisitos elas não foram projetadas para atender

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

1.1 Transmissão multimídia em redes

1.1 Transmissão multimídia em redes 1.1 Transmissão multimídia em redes Pode-se dividir a parte de transmissão multimídia em redes de computadores como mostra a figura 1, ou seja, a parte de conferência (que requer interatividade) e a parte

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP 7.1. O porquê da Qualidade de Serviço 7.2. Mecanismos para QoS 7.3. Modelo de Serviços Integrados - IntServ 7.4. Modelo de Serviços Diferenciados - DiffServ 1

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS Redes remotas Prof.Francisco Munhoz X.25 Linha de serviços de comunicação de dados, baseada em plataforma de rede, que atende necessidades de baixo ou médio volume de tráfego.

Leia mais

Gerenciamento de redes

Gerenciamento de redes Gerenciamento de redes Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de QoS (Qualidade de serviço) slide 1 Qualidade de serviços: aplicações de multimídia: áudio e vídeo de rede ( mídia contínua ) QoS rede oferece

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas. Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. TCP/IP x ISO/OSI

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas. Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. TCP/IP x ISO/OSI Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas TCP/IP x ISO/OSI A Internet não segue o modelo OSI. É anterior a ele. Redes de Computadores

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Tópicos Gerencia de Rede Motivação da Gerência Desafios Principais Organismos Padronizadores Modelo Amplamente Adotado As Gerências

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Unidade 3 3.1 Introdução 3.2. Definições 3.3. Motivações 3.4. Problemas 3.5. Desafios 3.6. Padronização e Arquitetura 3.7. Gerência

Leia mais

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP Nilton Alves Júnior naj@cbpf.br Kelly Soyan Pires Dominguez kelly@cbpf.br Resumo Este trabalho tem como função explicitar o conceito de Qualidade de Serviço

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Capítulo 9. Gerenciamento de rede

Capítulo 9. Gerenciamento de rede 1 Capítulo 9 Gerenciamento de rede 2 Redes de computadores I Prof.: Leandro Soares de Sousa E-mail: leandro.uff.puro@gmail.com Site: http://www.ic.uff.br/~lsousa Não deixem a matéria acumular!!! Datas

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 SNMPv1 Limitações do SNMPv1 Aspectos que envolvem segurança Ineficiência na recuperação de tabelas Restrito as redes IP Problemas com SMI (Structure Management Information)

Leia mais

Serviços Diferenciados na Internet

Serviços Diferenciados na Internet Serviços Diferenciados na Internet FEUP/DEEC/RBL 2002/03 José Ruela Serviços Diferenciados na Internet O IETF desenvolveu um modelo de Serviços Diferenciados - Differentiated Services (DiffServ) - que

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Princípios de Gerência de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Maio de 2011 1 / 13 Introdução Foi mostrado que uma rede de computadores consiste

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Redes de computadores. Redes para Internet

Redes de computadores. Redes para Internet Redes de computadores Redes para Internet Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações distribuídas Enlaces de comunicação fibra, cobre, rádio, satélite

Leia mais

Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos

Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos seu proprietários. A sua rede deve está rigorosamente

Leia mais

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Aula 5 - Projeto de Lei 2126/11 (Marco Civil da Internet). Gerência de Redes de Computadores Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Objetivos Específicos - Entender

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Além do melhor esforço

Além do melhor esforço Além do melhor esforço Redes Multimídia Prof. Emerson Ribeiro de Mello Instituto Federal de Santa Catarina IFSC campus São José mello@ifsc.edu.br 25 de agosto de 2011 1 / 42 Sumário 1 Além do melhor esforço

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1 Redes de Computadores e Teleinformática Zacariotto 4-1 Agenda da aula Introdução Redes de computadores Redes locais de computadores Redes de alto desempenho Redes públicas de comunicação de dados Computação

Leia mais

Gerenciamento de Redes - Evolução. Gerenciamento de Rede. Gerenciamento de Rede NOC NOC

Gerenciamento de Redes - Evolução. Gerenciamento de Rede. Gerenciamento de Rede NOC NOC s - Evolução 1970s 1970s 1980s 1980s Dispositivos 1990s 1990s Browser A Web Server Mainframe Estação Gerenciadora Browser C Browser B NOC (Network( Operation Center) Conjunto de atividades para manter

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Aplicando políticas de QoS. MUM Brasil São Paulo Outubro/2008. Sérgio Souza

Aplicando políticas de QoS. MUM Brasil São Paulo Outubro/2008. Sérgio Souza Aplicando políticas de QoS MUM Brasil São Paulo Outubro/2008 Sérgio Souza Nome: País: Sergio Souza Brasil Tecnólogo em Processamento de Dados Consultor independente atuando há vários anos em implementação,

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações Enlaces de comunicação: fibra, cobre, rádio,

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Introdução as Redes de Computadores Transparências baseadas no livro Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet James Kurose e Keith Ross Redes de Computadores A. Tanenbaum e Prof.

Leia mais

Protocolos Hierárquicos

Protocolos Hierárquicos Protocolos Hierárquicos O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações distribuídas Enlaces de comunicação fibra, cobre, rádio,

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 6: Switching Uma rede corporativa

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: comunicação orientada por mensagem e comunicação orientada por fluxo Prof. MSc. Hugo Souza Continuando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. VPN: Redes Privadas Virtuais O objetivo deste tutorial é apresentar os tipos básicos de Redes Privadas Virtuais (VPN's) esclarecendo os significados variados que tem sido atribuído a este termo. Eduardo

Leia mais

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda.

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda. REDES MPLS PARTE 1 PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Protocolos anteriores ao MPLS. Motivações para o uso de Redes MPLS. O Cabeçalho MPLS. Label Switch Router (LSR). Switched Path (LSP). Forwarding

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 4 Ferramentas de Gerência de Redes Sistema de Gerência

Leia mais

Funções específicas de cada camada do modelo OSI da ISO.

Funções específicas de cada camada do modelo OSI da ISO. Funções específicas de cada camada do modelo OSI da ISO. 1ª Camada - Física - Grupo Rede Física Esta camada traduz os bits a enviar em sinais elétricos, de tensão ou corrente. Ela fornece os meios de hardware

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

QoS em roteadores Cisco

QoS em roteadores Cisco QoS em roteadores Cisco Alberto S. Matties 1, André Moraes 2 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Rua Gonçalves Chaves 602 96.015-000 Pelotas RS Brasil 2 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC

Leia mais

Lista 3 Exercícios de Gestão de Redes

Lista 3 Exercícios de Gestão de Redes 1. Quais os fatores que contribuem para o sucesso de uma operação de gerenciamento? O sucesso de uma operação de Gerenciamento depende dos seguintes fatores: O sistema de gerenciamento invocador deve ter

Leia mais

Camadas da Arquitetura TCP/IP

Camadas da Arquitetura TCP/IP Camadas da Arquitetura TCP/IP A arquitetura TCP/IP divide o processo de comunicação em quatro camadas. Em cada camada atuam determinados protocolos que interagem com os protocolos das outas camadas desta

Leia mais

A Camada de Transporte

A Camada de Transporte A Camada de Transporte Romildo Martins Bezerra CEFET/BA s de Computadores II Funções da Camada de Transporte... 2 Controle de conexão... 2 Fragmentação... 2 Endereçamento... 2 Confiabilidade... 2 TCP (Transmission

Leia mais

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes;

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes; 2.3 A CAMADA DE REDE! Fornece serviços para o nível de transporte, sendo, freqüentemente, a interface entre a rede do cliente e a empresa de transporte de dados (p.ex. Embratel).! Sua principal função

Leia mais

Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP

Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP Diego Fraga Contessa, Everton Rafael Polina Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 - CEP 91040-600 - Porto

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 5-1. A CAMADA DE TRANSPORTE Parte 1 Responsável pela movimentação de dados, de forma eficiente e confiável, entre processos em execução nos equipamentos conectados a uma rede de computadores, independentemente

Leia mais

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução Modelo OSI Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Crescimento das redes de computadores Muitas redes distintas International Organization for Standardization (ISO) Em 1984 surge o modelo OSI Padrões

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito Gerenciamento da rede ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Princípios Gerais O SNMP (Simple Network Management Protocol) é o protocolo mais utilizado. Se o dispositivo ATM é gerenciado de uma estação de gerenciamento

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Arquiteturas de Redes

REDES DE COMPUTADORES. Arquiteturas de Redes REDES DE COMPUTADORES Arquiteturas de Redes Agenda Necessidade de Padronização Protocolos e Padrões Órgãos de Padronização Conceitos de Arquitetura em Camadas Arquitetura de Redes OSI TCP/IP Necessidade

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 16 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

Comunicando através da rede

Comunicando através da rede Comunicando através da rede Fundamentos de Rede Capítulo 2 1 Estrutura de Rede Elementos de comunicação Três elementos comuns de comunicação origem da mensagem o canal destino da mensagem Podemos definir

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

Introdução. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de Dados

Introdução. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de Dados Introdução Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de Dados 1 Objetivo Apresentar os conceitos básicos do: Modelo de referência OSI. Modelo de referência TCP/IP.

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 Aluno: Ricardo dos Santos Alves de Souza Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Abril de 2004 DEL 1 ÍNDICE Resumo... 3 1 Introdução... 4 1.1 Redes de Pacotes...

Leia mais