ANÁLISE DOS FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR NA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DOS FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR NA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA"

Transcrição

1 0 UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA- UNAMA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE- CCBS CURSO DE FISIOTERAPIA Analu Figueiredo Chavaglia Carolline Assunção da Silva ANÁLISE DOS FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR NA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA BELÉM-PA 2010

2 1 ANALU FIGUEIREDO CHAVAGLIA CAROLLINE ASSUNÇÃO DA SILVA ANÁLISE DOS FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR NA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Qualificação do Trabalho de conclusão apresentado ao curso de Fisioterapia da Universidade da Amazônia-UNAMA, como requisito para obtenção do grau de Bacharel em Fisioterapia. Orientador: Prof. Paulo Eduardo Santos Ávila. BELÉM-PA 2010

3 2 ANALU FIGUEIREDO CHAVAGLIA CAROLLINE ASSUNÇÃO DA SILVA ANÁLISE DOS FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR NA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Banca examinadora: Prof. Paulo Eduardo Santos Ávila (Universidade da Amazônia) Orientador Prof. Ms. Márcio Clementino (Universidade da Amazônia) Examinador interno Ft. João Basílio Filho (Hospital Saúde da Mulher) Examinador externo Apresentado em: / / Conceito Qualificação do Trabalho de conclusão apresentado ao Curso de Fisioterapia da Universidade da Amazônia-UNAMA, como requisito para obtenção do grau de Bacharel em Fisioterapia. Orientador: Prof. Paulo Eduardo Santos Ávila. Belém-Pará 2010

4 3 A minha família Aos meus amigos A minha amiga de projeto Carolline Analu Chavaglia A mim Aos meus pais e noivo A minha dupla Analu Carolline Silva

5 4 AGRADECIMENTOS - Analu Chavaglia Agradecer primeiramente a Deus, por me iluminar e abençoar minha trajetória. Ao meu pai Levi, e minha mãe Marly, pelo apoio e por tudo que sempre fizeram por mim, pela simplicidade, exemplo, amizade, e carinho, fundamentais na construção do meu caráter. Além da ajuda incansável da minha mãe para ajudar nos cuidados com meu filho, você é demais! Aos meus irmãos, José e Arthur, especialmente ao José, pelo conhecimento e dicas importantes que contribuíram para a minha formação profissional. Ao meu amado filho Giovanni, que chegou para alegrar as nossas vidas. Hoje a minha vitória também é dele. Ao meu esposo, Fábio, pacientemente sempre me dando conselhos, força, coragem e incentivo. Aos meus guias espirituais, pela proteção e inspiração. A professora, Carla Serrão, que no princípio foi de suma importância para a realização desse estudo. Você é maravilhosa! Ao orientador Paulo Ávila, pelo apoio e conhecimento transmitido. A Gorete, por nos ajudar com a coleta dos dados. A todos que de alguma forma ajudaram, agradeço por acreditarem no meu potencial, nas minhas idéias, nos meus devaneios, principalmente quando nem eu mais acreditava. E por último, e não menos importante, obrigada à minha amiga de projeto: Carolline, Sem você nada disso seria possível..

6 5 AGRADECIMENTOS - Carolline Silva Ao meu bom Deus, por me dar sabedoria, oportunidade de viver, paciência e fôlego de vida a cada amanhecer. Aos meus pais, Ray e Bosco, pela força, incentivo a lutar pelos meus ideais, carinho e muito amor que me deram durante toda a minha vida pessoal e acadêmica. Ao meu noivo (Silvio Otero), que durante todos esses anos tem sido meu amigo e juntamente comigo chorou e riu muitas vezes durante todo esse percurso da faculdade e da minha vida com muito amor e paciência. Aos meus familiares por me ajudarem e me apoiarem. Agradeço aos meus amigos de estágio, por todo ensinamento e motivação que me deram e pela amizade de todos esses anos. A minha amiga e autora do projeto, Analu Figueiredo Chavaglia, pela amizade, companheirismo, paciência e motivação durante esses anos de muita vitória e dedicação. Amiga você foi porto seguro, na hora em que pensei que não daria certo e você acreditou e incentivou-nos a alcançar o que sonhamos. Ao meu atual orientador, Paulo Ávila, por nos ajudar com seus ensinamentos, paciência, e por sempre colocar caminhos que no qual, poderíamos trilhar sem medo. A nossa querida professora Carla Serrão, que tem seus méritos desde a escolha do tema, sua atenção, dedicação e motivação. Adoro você professora!

7 6 AGRADECIMENTOS - Analu e Carolline Ao nosso bom Deus, por ter nos dado o dom da vida e a capacidade podermos alcançar a tudo que almejamos em nossas vidas. A todos nossos professores que contribuíram e enriqueceram nossos conhecimentos em toda nossa vida acadêmica. Ao nosso atual orientador, Paulo Ávila, por nos ajudar com seus ensinamentos, paciência e por sempre nos mostrar que conseguiríamos vencer esta etapa de nossas vidas. Em especial a nossa primeira orientadora, Carla Serrão, que sempre acreditou nessa pesquisa e no nosso potencial e não nos permitiu desistir nos momento de dificuldades. A diretora da Unidade Básica de Saúde da Pedreira, Nazaré Carvalho, pela sua simplicidade em nos dar a oportunidade de realizar nossa pesquisa. As funcionárias da Unidade Básica de Saúde da Pedreira, as enfermeiras Lucy e Rosi, em especial a Gorete, pela sua forma de como nos acolheu, ajudou-nos nas dificuldades, pela sua paciência em nos aturar esses meses. Você será lembrada sempre! Aos participantes da pesquisa que, com dedicação e carinho, contribuíram para o sucesso desse estudo.

8 7 RESUMO CHAVAGLIA, A.F; SILVA, C.A. Análise dos Fatores de Risco Cardiovascular na Hipertensão Arterial Sistêmica Trabalho de Conclusão do Curso de Fisioterapia, Universidade da Amazônia. Belém- PA, Estima-se que as doenças cardiovasculares (DCV) sejam a causa principal de mortalidade no mundo e no Brasil. Segundo vários estudos, as DCV estão ligadas a genética, estilo de vida (dieta inadequada, sedentarismo) e qualidade de vida, sendo estes, seus principais fatores de risco. A hipertensão arterial sistêmica tornou-se uma problemática para a saúde pública mundial, devido sua alta incidência e associação com DCV. Perante a grande incidência da doença nos últimos anos, implicou-se no aumento de pesquisas sobre os fatores de risco cardiovascular. Com isso, objetivou-se realizar a análise dos fatores de risco cardiovascular na hipertensão arterial sistêmica. Para tanto, a pesquisa foi realizada na Unidade Básica de Saúde da Pedreira, no qual, foram avaliados 100 mulheres matriculadas no programa HIPERDIA e 100 mulheres saudáveis com idade compreendida entre 35 a 60 anos, na Unidade Básica de Saúde da Pedreira. A coleta de dados foi realizada mediante a aplicação do termo de consentimento livre e esclarecido e por meio de uma ficha de avaliação. Para a análise dos dados, examinaram-se as estatísticas descritivas das amostras; utilizou-se a estatística quiquadrado que permitiu a avaliação da associação entre as categorias das amostras e os fatores de risco cardiovascular; e as estatísticas t de Student e Mann-Whitney para comparar as medidas de fatores de risco entre as mulheres hipertensas e saudáveis. Os resultados indicaram a existência de associação significativa entre mulheres hipertensas e Índice de Massa Corporal (IMC), Circunferência da Cintura (CC) e Circunferência do Pescoço (CP) e que as mulheres hipertensas apresentaram medidas de IMC, CC e CP significativamente maiores do que as mulheres saudáveis. Palavras-chave: Doenças cardiovasculares, fatores de risco, hipertensão arterial sistêmica

9 8 ABSTRACT CHAVAGLIA, Analu Figueiredo SILVA, Carolline Assumption. Analysis of Cardiovascular Risk Factors in Hypertension Completion of the work of School of Physical Therapy, University of Amazonia. Belém-PA, It is estimated that cardiovascular diseases (CVD) are the leading cause of mortality worldwide and in Brazil. According to several studies, CVD is linked to genetics, lifestyle (poor diet, sedentary lifestyle) and quality of life, the latter being the main risk factors. Hypertension has become a problem for global public health, due to its high incidence and association with CVD. Given the high incidence of the disease in recent years, resulted in the increase in research on cardiovascular risk factors. With that aimed to perform the analysis of cardiovascular risk factors in hypertension. Therefore, the research was carried out in the Basic Health Unit of the Quarry, in which we evaluated 100 women enrolled in the program HIPERDIA and 100 healthy women aged years in the Basic Health Unit of the Quarry. Data collection was performed by applying the term of consent and through an evaluation form. For data analysis, were examined descriptive statistics of the samples we used the chisquare statistic that allowed assessment of the association between the categories of samples and cardiovascular risk factors, statistics and Student t and Mann- Whitney test to compare measurements of risk factors among the hypertensive women and healthy. The results indicated the existence of a significant association between hypertensive women and Body Mass Index (BMI), waist circumference (WC) and neck circumference (PC) and the hypertensive women had BMI measurements, CC and CP significantly higher than healthy women. Keywords: Cardiovascular diseases, risk factors, hypertension

10 9 LISTA DE FIGURAS Figura 01 Anatomia das Artérias Coronárias 18 Figura 02 Depósito do Trombo 21 Figura 03 Verificação do Peso 33 Figura 04 Posição Ortostática 34 Figura 05 Orientação da Cabeça 34 Figura 06 Posicionamento da fita métrica 36 Figura 07 Posição do esfigmomanômetro 37 Figura 08 Posição do individuo 37 Figura 09 Posição ortostática 38 Figura 10 Distribuição do Índice de Massa Corporal (IMC) de mulheres 46 hipertensas e mulheres saudáveis Figura 11 Distribuição do índice de massa corporal (IMC) 47 Figura 12 Distribuição da Circunferência da Cintura de mulheres hipertensas e 49 mulheres saudáveis Figura 13 Distribuição da Circunferência da Cintura 51 Figura 14 Distribuição da Circunferência do Pescoço de mulheres hipertensas 53 e mulheres saudáveis Figura 15 Distribuição da circunferência do pescoço 54 Figura 16 Distribuição do Nível de Escolaridade de mulheres hipertensas e 55 mulheres saudáveis Figura 17 Distribuição do Tabagismo de mulheres hipertensas e mulheres 57 saudáveis Figura 18 Distribuição do consumo de álcool entre mulheres hipertensas e 58 mulheres saudáveis Figura 19 Distribuição do padrão de atividade física entre mulheres hipertensas e mulheres saudáveis 60

11 10 LISTA DE TABELAS Tabela 01 Classificação do Índice de Massa Corporal (IMC) 35 Tabela 02 Classificação da Pressão Arterial Sistêmica 37 Tabela 03 Distribuição dos índices de massa corporal (IMC) do grupo de 45 mulheres hipertensas e mulheres saudáveis Tabela 04 Estatísticas dos índices de massa corporal (IMC) de mulheres 46 hipertensas e mulheres saudáveis Tabela 05 Distribuição das medidas de circunferência da Cintura do grupo de 49 mulheres hipertensas e mulheres saudáveis Tabela 06 Estatísticas dos índices da circunferência da cintura do grupo de 50 mulheres hipertensas e mulheres saudáveis Tabela 07 Distribuição das medidas da circunferência do pescoço do grupo de 52 mulheres hipertensas e mulheres saudáveis Tabela 08 Estatísticas das medidas da circunferência do pescoço do grupo de 53 mulheres hipertensas e mulheres saudáveis Tabela 09 Distribuição do nível de escolaridade entre o grupo de mulheres 55 hipertensas e mulheres saudáveis Tabela 10 Distribuição do Tabagismo entre o grupo de mulheres hipertensas e 56 mulheres saudáveis Tabela 11 Distribuição do consumo de álcool entre o grupo de mulheres 58 hipertensas e mulheres saudáveis Tabela 12 Distribuição do padrão de atividade física entre o grupo de mulheres hipertensas e mulheres saudáveis 59

12 11 LISTA DE SIGLAS DCV- Doença cardiovascular CP- Circunferência da Cintura CP- Circunferência do pescoço cm- Centímetro DAC- doença arterial coronariana h²- altura ao quadrado HAS- Hipertensão Arterial Sistêmica IAM- Infarto agudo do miocárdio IMC- Índice de massa corporal Kg- Quilograma mmhg- Milímetros de Mercúrio P.A- Pressão arterial PAD- Pressão arterial diastólica PAS- Pressão arterial sistólica PO- Posição ortostática UNAMA- Universidade Da Amazônia

13 12 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO 14 2-REFERENCIAL TEÓRICO ANATOMIA DO CORAÇÃO SISTEMA CARDIOVASCULAR Funções do Sistema Cardiovascular DOENÇAS CARDIOVASCULARES Doença Arterial Coronariana Aterosclerose Infarto Agudo Do Miocárdio HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR Obesidade Índice de Massa Corporal (IMC) Tabagismo Atividade Física Sedentarismo Alcoolismo Antecedentes Familiares Circunferência da Cintura Circunferência do Pescoço METODOLOGIA TIPO DE ESTUDO ABORDAGEM DA PESQUISA Local Amostra Período CRITÉRIO DE INCLUSÃO CRITERIO DE EXCLUSÃO COLETA DE DADOS Termo de Consentimento Livre e Esclarecido Ficha de Avaliação Verificação do Peso Verificação da Estatura Verificação do Índice de Massa Corporal Verificação da Circunferência da Cintura Aferição da Pressão Arterial Verificação da Circunferência do Pescoço Antecedentes Pessoais 38

14 4- Riscos e Benefícios RISCOS BENEFÍCIOS ANÁLISE ESTATÍSTICA RESULTADOS E DISCUSSÃO 45 CONSIDERAÇÕES FINAIS 62 REFERÊNCIAS 63 APÊNDICE A 70 APÊNDICE B 71 APÊNDICE C 72 APÊNDICE D 74 APÊNDICE E 76 ANEXO A 77 13

15 14 1. INTRODUÇÃO As doenças cardiovasculares (DCV) tornaram-se um grave problema para a saúde pública no Brasil, no qual em 2000, ocorreram mortes, ou seja 30% do total de óbitos no ano, devido causas cardiovasculares. A doença cardiovascular é um fenômeno multifatorial e sistêmico, de genêse e fatores hereditários, ambientais e estilo de vida. O aumento progressivo da incidência de doenças cardiovasculares (DCV) em países desenvolvidos no século XX estabeleceu a aceleração de pesquisas, principalmente relacionada aos agentes etiopatogênicos. Nos países industrializados essas doenças se tornaram a maior causa de morte, destacando-se a cardiopatia isqêmica ou a doença coronariana. Quanto mais esses países se desenvolvem, aumenta paralelamente o índice de mortalidade por essas doenças. No Brasil, o maior número de óbitos é decorrente das doenças do aparelho circulatório, com diferentes etiologias e manifestações clínicas, destacando-se as doenças coronarianas, as cerebrovasculares e a insuficiência cardíaca. Dentro da multicausalidade das doenças cardiovasculares, o presente estudo abordará fatores de risco tais como, obesidade (IMC), hipertensão arterial sistêmica, sedentarismo, tabagismo, alcoolismo, circunferência abdominal, antecedentes familiares e circunferência do pescoço que implicam diretamente em todos os estágios de desenvolvimento da doença cardiovascular. Os fatores de risco cardiovascular podem estar relacionados com o individuo (idade, sexo, escolaridade, herança genética); estilo de vida (tabagismo, alcoolismo, sedentarismo e dieta inadequada) e agentes biológicos (hipertensão arterial sistêmica (HAS), diabetes e hipercolesterolemia), como também as condições sócias econômicas culturais e ambientais. A obesidade pode ser definida como excesso de peso atribuído ao acúmulo excessivo de gordura corporal, caracterizando-se como um importante problema de saúde mundial. No Brasil, a obesidade atinge a população adulta de forma diferenciada entre os sexos e vem sendo mais observada em indivíduos de baixa renda. Entre os indicadores antropométricos que refletem o excesso de tecido adiposo corporal, destaca-se a circunferência abdominal que

16 15 reflete em particular a gordura visceral e o Índice de Massa Corporal (IMC) obtido através da divisão do peso em quilogramas pela altura em metros elevada ao quadrado. A hipertensão arterial sistêmica (HAS) caracteriza-se como um dos fatores independentes para as DCV, em geral é uma doença silenciosa, constituindo-se um importante determinante de morbidade e mortalidade cardiovascular. A incidência da HAS atinge cerca de 22% a 44% de toda a população urbana, tendo alta prevalência em indivíduos obesos, sedentários e adeptos de uma alimentação rica em sal. O sedentarismo é a situação no qual há um gasto energético inferior a 500 Kcal por semana, além do gasto calórico basal, enquadra-se como um importante fator de risco cardiovascular. A atividade física regular atua diretamente no sistema cardiovascular como um preditor para o controle das fisiopatologias associado ao excesso de peso e HAS. Concluise que a pratica regular de exercício físico diminui os níveis pressóricos em indivíduos hipertensos e normotensos com sobrepeso Uma em cada cinco mortes por DCV é decorrente do tabagismo, sendo o mesmo, considerado um elevado fator de risco cardiovascular, causando mais de um terço de todos os óbitos por infarto do miocárdio, caracterizando como um fator que predispõe a ocorrência da aterosclerose. O alcoolismo é definido como uma doença crônica e de complexa natureza no qual, o indivíduo consome álcool sem limites em grandes quantidades, tornando-se progressivamente dependente e tolerante aos efeitos tóxicos. De acordo, com a literatura o consumo moderado do álcool reduz o risco de desenvolver doenças cardiovasculares, no entanto, seu consumo abusivo traz imensuráveis conseqüências negativas para a saúde e altos custos para o sistema de saúde. Pesquisadores de Framingham Heart Study, avaliaram a circunferência do pescoço de mais de 3 mil pessoas, e constataram que quanto maior a medida obtida, maior a associação com problemas que levam ao entupimento dos vasos, como hipertensão e baixos níveis de colesterol bom. Levanta-se a possibilidade de que, além da circunferência do abdômen outra área do corpo pode ser usada como marcador de risco cardiovascular. Os estudos concluíram que a circunferência do pescoço pode se associar ao desenvolvimento de fatores de risco de cardiovascular. Com base em inúmeras implicações das doenças cardiovasculares na qualidade de vida afetando todas as camadas sociais tanto em países desenvolvidos como em desenvolvimento, este estudo justifica-se na tentativa de analisar os fatores de risco cardiovascular na hipertensão arterial sistêmica, já descritos na literatura e buscar correlação e

17 16 resposta com estudos atuais sobre a hipertensão arterial sistêmica como fator de risco cardiovascular. O principal objetivo desta pesquisa é a analisar os fatores de risco cardiovascular na hipertensão arterial sistêmica. Tem como objetivos específicos; coletar informações quanto a nome, idade, sexo, profissão, estado civil, antecedentes familiares, pressão arterial sistólica e diastólica, obesidade (IMC), peso, altura, circunferência abdominal, circunferência do pescoço, tabagismo, alcoolismo e atividade física; identificar os indivíduos que apresentam risco cardiovascular e orientar quanto a prevenção desses riscos

18 17 2- REFERENCIAL TEÓRICO 2.1- ANATOMIA DO CORAÇÃO O coração tem formato de cone, é relativamente pequeno, medindo em torno de 12 cm de comprimento, equivalente ao tamanho do punho fechado (TORTORA, 2002). O coração fica apoiado sobre o diafragma, perto da linha média da cavidade torácica, no mediastino, a massa de tecido estende-se do esterno à coluna vertebral; e entre os revestimentos (pleuras) dos pulmões. Cerca de 2/3 de massa cardíaca ficam a esquerda da linha média do corpo. A posição do coração, no mediastino, é mais facilmente apreciada pelo exame de suas extremidades, superfícies e limites. A extremidade pontuda do coração é o ápice, dirigida para frente, para baixo e para a esquerda. A porção mais larga do coração, oposta ao ápice, é a base, dirigida para trás, para cima e para a direita (NETTER; FRANK, 2000) Sendo considerado como a principal estrutura do mediastino, o coração, é dividido em direito e esquerdo, separado por um septo longitudinal, contendo dois átrios que recebem sangue das veias e dois ventrículos impulsionam o sangue para o interior das artérias. Sendo constituído por três camadas: o epicárdio, miocárdio e o endocárdio (PORTO, RASSI, 2005). O coração possui seu próprio sistema próprio de artérias e vais de suprimento arterial e drenagem sanguínea. A drenagem do coração é efetuada por vasos que se lançam diretamente ao átrio ou por um sistema de vasos que irá desembocar no seio coronário (ou seio venoso do coração), um pequeno tronco, mas relativamente largo, na parede posterior do átrio esquerdo, terminando no átrio direito percorrendo o sulco coronário nessa região. Dos vasos que desembocam diretamente no átrio, destacam-se as veias cardíacas anteriores que drenam a parede anterior do ventrículo direito, uma das veias cardíacas anteriores pode drenar a margem direita, recebendo o nome de veia marginal direita. Dos principais vasos tributários do seio coronário, destaca-se a Veia magna do coração que ascende pelo sulco interventricular anterior, podendo receber a veia marginal esquerda antes de se tornar o seio coronário, responsável pela drenagem da parede esquerda do coração. A veia posterior do ventrículo esquerdo drena para o seio coronário, mas pode apresentar variação e drenar para a veia média do coração. A veia média do coração ascende pelo sulco interventricular posterior desembocando no seio coronário. A veia pequena do coração percorre o sulco coronário na face esternocostal desembocando no seio coronário posteriormente. Outra veia de destaque é a

19 18 veia oblíqua do átrio esquerdo, resquício da veia cardinal anterior esquerda, desembocando na parte inicial do seio coronário, anteriormente (Gardner, 1998) O músculo cardíaco é irrigado pelas artérias coronárias direita e esquerda, as duas artérias e suas ramificações têm origem na superfície epicárdica, chegando até o interior do miocárdio (CHAGAS, 2000) A artéria coronária esquerda tem inicio no seio da valsava esquerdo, onde dividi-se em duas artérias: a artéria descendente anterior e a artéria circunflexa (FIGURA 1). A descendente anterior desce pelo sulco interventricular emitindo ramos diagonais e septais, já a artéria circunflexa contorna o sulco atrioventricular emitindo ramo marginal (BUENO; UMEDA E MILHOMEN, 2005) A artéria coronária direita emerge do seio da valsava direita, passa pelo suco atrioventricular dando origem a ramos principais como o descendente posterior e o ventricular posterior (FIGURA 1), irrigando o átrio direito, ventrículo direito, nó sinusal e atrioventricular, porção posterior do septo interventricular e parte da parede posterior do ventrículo esquerdo (BUENO; UMEDA E MILHOMEN, 2005) Figura 1: Anatomia das Artérias Coronárias (Science photo library)

20 SISTEMA CARDIOVASCULAR O sistema cardiovascular é composto por uma série de tubos, que são os vasos sanguíneos, entre os mesmo, percorre um fluido (sangue) e células, e esse sistema é ligado ao coração. Uma das principais funções do sistema cardiovascular é transportar matéria para todo o corpo, e esses componentes transportados são os nutrientes, gases e água, entretanto, outra função do sistema é remover resíduos liberados pela célula até o fígado para serem metabolizados (SILVERTHORN, 2003) Funções do Sistema Cardiovascular O sistema circulatório permite que algumas atividades sejam executadas com grande eficiência. O transporte de gases e de responsabilidade dos pulmões, o transporte de nutrientes, transporte de resíduos metabólicos, transporte de hormônios, transporte de calor distribuição do mecanismo da defesa e coagulação sanguínea. (SILVERTHORN, 2003) 2.3- DOENÇAS CARDIOVASCULARES Em breve, as doenças cardiovasculares tornaram-se a principal causa de óbito no mundo (LAURENTI, 2005). Sendo que no Brasil, no ano de 2000, o número de mortes por DCV, chegou a Segundo a OMS, em 2002, ocorreram 16,7 milhões de óbitos, no qual 7,2 milhões foram por DCV. Especula-se que em 2020 esse número cresça para 35 ou 40 milhões de mortes (AVEZUM et al, 2004). As DCV representam como maior destaque na atualidade devido, sua alta taxa de morbimortalidade, sendo bastante preocupante sua alta incidência para os próximos anos. Estima-se que em 2040, no Brasil, a freqüência dessa doença, chegue a 250% comparado á China (200%) e a Índia (180%) (THE CHALLENGE OF CARDIOVASCULAR DISEASES IN DEVELOPING ECONOMIES, 2004). As Doenças cardiovasculares, coronarianas, dislipidemias, hipertensão, obesidade e diabetes melito formam um conjunto de morbidades geralmente associadas entre si, constituindo-se um grave problema de Saúde Pública. Estas doenças compõem um grande conjunto de patologias onde inclui várias doenças cardíacas e vasculares mais específicas. A

21 20 doença cardiovascular mais comum é a doença das artérias coronárias, a qual pode ocasionar ataque cardíaco e outras condições graves (MANO, 2007). Segundo Ross e Davignon (2004) apud Rosini et al. (2006), as DCV não seriam consideradas a primeira causa de morte sem a presença de múltiplos fatores de risco, implicando diretamente tanto no inicio, na progressão e ocorrência de futuros eventos cardiovasculares. Segundo vários estudos o desenvolvimento de DCV está ligado a genética, estilo de vida (dieta inadequada, sedentarismo, stress físico e psicológico), qualidade de vida, sendo estes considerados fatores de risco para a doença. Porém a inatividade, o sedentarismo quando associado ao tabagismo, obesidade, hereditariedade aumenta as chances de mortes precoce do indivíduo. (NEIMANN, 1999; CIOLAR et al, 2000; PINTO et al, 2003). Segundo Tortora (2002), os tipos de doenças cardiovasculares incluem doença das artérias coronárias, ataque cardíaco, angina, síndrome coronariana aguda, aneurisma da aorta, arritmias, doenças congênitas e insuficiência cárdica. Devido a grande incidência das DCV no ultimo século, obteve como resultado o aumento de pesquisas sobre os fatores de riscos (FR) que poderiam desencadear o desenvolvimento das DCV ( CHOR et al, 1999). Embora a genética e a idade tenham fortes influencias sobre esta evolução, não se pode descartar que outros FR também possam influenciar no estilo de vida (O KEEFE; HARRIS, 1996 apud RIQUE; SOARES; MEIRELHES, 2002) Doença Arterial Coronariana Para Tortora (2002), a doença arterial coronariana é um problema sério, no qual afeta a cada ano, 7 milhões de pessoas. A doença arterial coronariana é definida como resultado do acumulo de placas aterosclerótica nas artérias coronárias, implicando na redução do fluxo sanguínea para o miocárdio. Segundo Aquino et al (2001), a doença arterial coronariana, corresponde a 80% das mortalidades entre as DCV, tornando-se uma problema devido sua alta incidência, principalmente nos centros urbanos e indivíduos com idade mais elevada. A doença arterial coronariana é definida como resultado do acumulo de placas aterosclerótica nas artérias coronárias, implicando na redução do fluxo sanguínea para o miocárdio. (TORTORA E GRABOWSKI, 2002).

22 21 Para (GUS; FISCHMANN; CLÁUDIO, 2002), alguns principais fatores de risco para doença arterial coronariana são conhecidos e comprovados, como hipertensão arterial sistêmica, tabagismo, dislipidemias, obesidade, sedentarismo, diabetes mellitus e antecedentes familiares. Os antecedentes familiares constituem fator de risco não modificável e independente e devem ser ainda muito estudados, mas já considerado. Pacientes com parentes em primeiro grau precocemente com cardiopatia coronariana têm maiores riscos de desenvolver doença arterial coronariana que ao outras pessoas Aterosclerose Segundo Laurindo (2000), a aterosclerose é um forte fator para o crescimento da mortalidade por DCV, representando na maioria dos países entre 30% a 35% de todas as causas de óbito. Já no Brasil, segundo a DATASUS, em 2000, ocorreram óbitos em individuo com idade igual ou superior a 55 anos, no qual 36,5% destes foram conseqüências de doenças do aparelho circulatório (STEFANINI, KASINSKI e CARVALHO, 2005). A formação do processo aterosclerótico é atribuída á genética, antecedentes familiares e o estilo de vida que o individuo adota, além da forte influência do meio ambiente. Porém, existem fatores que aceleram o processo da aterosclerose, como o tabagismo, sedentarismo, alimentação inadequada, obesidade, dislipidemia e hipertensão (AMERICAN HEART ASSOCIATION, 1997 apud MARTINEZ; VALE, 2000). A aterosclerose é um processo multifatorial, progressivo e lento, no qual, há alteração na parede arterial (GOTTLIEB, BONARDI E MORIGUCHI, 2005). A gênese da formação da placa de ateroma biológica é complexa, onde há um crescimento progressivo de lipoproteína na camada intra e extracelular, associado a um processo celular proliferativo, levando a disfunção endotelial e alterando a matriz extracelular e ocasionando o deposito de trombo (FIGURA 2) (LAURINDO, 2000). Figura 2: Depósito do Trombo (sciense photo library)

23 22 A formação da aterosclerose é devido à presença de fatores de riscos que atuam sobre o endotélio das artérias, ocasionando a ausência de mediadores auto-protetores no foco do leito capilar. Qualquer processo patológico pode alterar a função do endotélio, em especial os fatores de risco, como hipertensão arterial, diabete, dislipidemia, levando a alterações homeostáticas. (ROCHA; LIBBY, 2005) Segundo Gottlieb; Bonardi e Moriguchi, 2005, qualquer artéria pode ser alvo de placas ateroscleróticas, porém os alvos principais são a aorta, as artérias coronárias e cerebrais, tendo como conseqüências o infarto do miocárdio, isquemia cerebral e aneurisma aórtico. Alguns estudos dividem em duas fases o desenvolvimento da aterosclerose: -Fase aterosclerótica : têm-se a formação da lesão aterosclerótica, que esta se deve a influência dos fatores de risco clássicos que se desenvolvem com o tempo. Neste período, devido sua historia lenta e gradual, sua evolução não traz consigo manifestações clínicas que possam comprometer a vida. - Fase trombótica: estar sobre forte influencia dos fatores de risco trombogênicos, onde se tema formação aguda de trombo sobre a placa aterosclerótica, no qual pode ocorrer eventos agudos coronarianos, infarto do miocárdio (IAM), angina instável ou morte súbita. Quando há uma desestabilização da placa aterosclerótica, há manifestações como a angina instável e o infarto agudo do miocárdio, devido a diminuição significativa da luz do vaso proveniente da presença de um trombo local (GOTTLIEB; BONARDI; MORIGUCHI, 2005) Infarto Agudo do Miocárdio A isquemia miocárdica é caracterizada como resultado final da isquemia prolongada e não aliviada, devido a interrupção total do fluxo sanguíneo ao miocárdio. Essa interrupção se dá pela complicação de uma placa de ateroma decorrente de um trombo, no qual levou o estreitamento da luz da artéria coronária ( BRUNO; UMEDA. MILHOMEM, 2005). A isquemia miocárdica é caracterizada como um desequilíbrio entre a oferta de oxigênio ao miocárdio e seu demanda por esse tecido. O processo isquêmico que ocorre no

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

Prevenção. Introdução. Passo 1. Tenha uma alimentação saudável. Passo 2. Não fique parado, movimente-se! Passo 3. Livre-se do cigarro

Prevenção. Introdução. Passo 1. Tenha uma alimentação saudável. Passo 2. Não fique parado, movimente-se! Passo 3. Livre-se do cigarro www.cardiol.br Introdução As doenças cardiovasculares (DCV) afetam anualmente, no Brasil, cerca de 17,1 milhões de vidas. Registramos no país mais de 300 mil mortes por ano decorrentes dessas doenças,

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul 29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul BUSCA ATIVA DOS SERVIDORES HIPERTENSOS E DIABÉTICOS DA UEM: ORIENTAÇÃO, PREVENÇÃO, TRIAGEM E ENCAMINHAMENTO MÉDICO DE TRABALHADORES DE UMA INSTITUIÇÃO

Leia mais

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro Trabalho Elaborado por: Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro CORAÇÃO Olá! Eu sou o seu coração, trabalho dia e noite sem parar, sem descanso semanal ou férias.

Leia mais

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

Saiba mais sobre. Hipertensão

Saiba mais sobre. Hipertensão Saiba mais sobre Hipertensão Saiba mais sobre Hipertensão Dr. Marcus Vinícius Bolívar Malachias CRM-MG 16.454 Doutor em Cardiologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, SP. Diretor

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

Sistema Circulatório. Prof. Dr.Thiago Cabral

Sistema Circulatório. Prof. Dr.Thiago Cabral Funções: Transportar Nutrientes e oxigênio as células; Retirar resíduos do metabolismo; Defender o organismo contra substâncias estranhas e microorganismos. Características Sistema fechado; Constituído

Leia mais

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Coração saudável Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Qual a importância da doença cardiovascular? Milhões de Mortes* Mortalidade por doenças cardiovasculares em 1990 e 2020 Países desenvolvidos

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO

SISTEMA CIRCULATÓRIO SISTEMA CIRCULATÓRIO FUNÇÕES DO SISTEMA CIRCULATÓRIO: Transporte de substâncias : * Nutrientes para as células. * Resíduos vindos das células. *Gases respiratórios. * Hormônios. OBS: O sangue também pode

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças FACTORES DE RISCO Factores de risco de doença cardiovascular são condições cuja presença num dado indivíduo aumentam a possibilidade do seu aparecimento. Os mais importantes são o tabaco, a hipertensão

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Ciências da Vida - Nutrição AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Fernanda Cristina Guevara 1 Camila Maria Melo 2 Tatiane Vanessa

Leia mais

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV)

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV) Doenças Cardiovasculares (DCV) O que são as Doenças Cardiovasculares? De um modo geral, são o conjunto de doenças que afetam o aparelho cardiovascular, designadamente o coração e os vasos sanguíneos. Quais

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

Dissecação de um coração de mamífero

Dissecação de um coração de mamífero Índice Introdução... 3 / 4 Material... 5 Material Biológico... 5 Procedimento... 5 Desenho... 6 Discussão... 7 Conclusão... 7 Bibliografia... 8 Anexos... Ilustrações... 9 / 10 Doenças Cardiovasculares...

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE Adolescência 11 aos 20 anos Mudanças: Amadurecimento biológico Sexual Psicológico Social Características Adolescência Mudança de interesses Conflitos com a família Maior

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Questionário: Risco de ter diabetes

Questionário: Risco de ter diabetes Questionário: Risco de ter diabetes ATENÇÃO! Este questionário não deve ser aplicado a gestantes e pessoas menores de 18 anos. Preencha o formulário abaixo. Idade: anos Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino

Leia mais

Índice. Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio

Índice. Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio 2 Índice Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio... 3 Quantas mortes são causadas por AVC?... 3 Como dimininuir o risco de AVC?... 3 Quais as pessoas com

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br Todo mundo quer viver muitos anos, não é mesmo? Mas você já se questionou se está somando mais pontos contra do que a favor na busca pela longevidade? Por isso mesmo, um estudo da Universidade da Califórnia,

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM PACIENTES DA REDE SUS DA UBS PROGRESSO DA CIDADE DE ERECHIM

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM PACIENTES DA REDE SUS DA UBS PROGRESSO DA CIDADE DE ERECHIM PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM PACIENTES DA REDE SUS DA UBS PROGRESSO DA CIDADE DE ERECHIM PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM PACIENTES

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE REDES DE ATENÇÃO A SAÚDE DIRETORIA DE REDES ASSISTÊNCIAIS COORDENADORIA DA REDE DE HIPERTENSÃO E DIABETES ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

Leia mais

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP (1 a 3 de dezembro de 2010) Objetivos da Pesquisa: 1) Gerais: Conhecer mais profundamente a saúde e condições de trabalho

Leia mais

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Autores: Liza Batista Siqueira¹, Paulo César Brandão Veiga Jardim², Maria Virgínia Carvalho³,

Leia mais

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal FO L H E TO F EC H A D O : FO R M ATO D L ( 2 2 0 x 1 1 0 m m ) FO L H E TO : C A PA Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fisiologia Cardiovascular Hemodinâmica Introdução O sistema circulatório apresenta várias funções integrativas e de coordenação: Função

Leia mais

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Siomara F. M. de Araújo; Dyego F. Facundes; Erika M. Costa; Lauane L. Inês; Raphael Cunha. siomarafma@hotmail.com

Leia mais

DICIONÁRIO DE TERMOS DA HEMODINÂMICA

DICIONÁRIO DE TERMOS DA HEMODINÂMICA DICIONÁRIO DE TERMOS DA HEMODINÂMICA Aneurisma: dilatação e protusão localizada da parede de um vaso (principalmente artéria) ou do coração, decorrente de uma fragilidade estrutural local. Angina: também

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

Riley Rodrigues, MSc

Riley Rodrigues, MSc Riley Rodrigues, MSc Doenças cardiovasculares Existem fatores predisponentes, como a idade. As doenças são mais frequentes após os 50-60 anos. Já outros fatores são adquiridos ou podem ser controlados:

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO Michael Jaickson de Jesus Chaves* NOVAFAPI Gilderlene Alves Fernandes** NOVAFAPI INTRODUÇÃO O coração é um

Leia mais

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado?

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado? Colesterol Colesterol 3 Que tipos de colesterol existem? 3 Que factores afectam os níveis de colesterol? 4 Quando está o colesterol demasiado elevado? 4 Como reduzir o colesterol e o risco de doença cardiovascular?

Leia mais

Técnica de aferição da pressão arterial

Técnica de aferição da pressão arterial Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub-Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Gerência do Programa de Hipertensão Técnica de aferição da pressão arterial O esfigmomanômetro

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013. Dislipidemias

AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013. Dislipidemias AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 Dislipidemias Raul D. Santos Unidade Clínica de Lípides InCor-HCFMUSP Faculdade de Medicina da USP Metabolismo do colesterol,

Leia mais

COMO SE DESENVOLVE OU SE ADQUIRE?

COMO SE DESENVOLVE OU SE ADQUIRE? Obesidade O QUE É? Denomina-se obesidade uma enfermidade caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal, associada a problemas de saúde, ou seja, que traz prejuízos à saúde do indivíduo. COMO

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

CUIDANDO DO SEU CORAÇÃO Controle e Prevenção da Doença Aterosclerótica Coronariana

CUIDANDO DO SEU CORAÇÃO Controle e Prevenção da Doença Aterosclerótica Coronariana HOSPITAL DAS CLÍNICAS - UFMG Programa de Reabilitação Cardiovascular e Metabólica Residência Multiprofissional em Saúde Cardiovascular CUIDANDO DO SEU CORAÇÃO Controle e Prevenção da Doença Aterosclerótica

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico Habilidades: Entender o sistema cardiovascular com a prática de atividades físicas. REVISÃO A Importância do sistema Muscular e a relação do mesmo com

Leia mais

Biologia. Sistema circulatório

Biologia. Sistema circulatório Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10B Ensino Médio Equipe de Biologia Data: Biologia Sistema circulatório O coração e os vasos sanguíneos e o sangue formam o sistema cardiovascular ou circulatório.

Leia mais

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular.

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

Professor: João Paulo ALGUNS PROBLEMAS CARDIOVASCULARES. Prof: João Paulo

Professor: João Paulo ALGUNS PROBLEMAS CARDIOVASCULARES. Prof: João Paulo ALGUNS PROBLEMAS CARDIOVASCULARES Prof: João Paulo SOPRO NO CORAÇÃO É uma alteração no fluxo do sangue dentro do coração, provocada por problemas em uma ou mais válvulas cardíacas ou por lesões nas paredes

Leia mais

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória...

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória... Atualmente, verificamos em programas de TV, nas revistas e jornais e em sites diversos na internet, uma grande quantidade de informações para que as pessoas cuidem da sua saúde. Uma das recomendações mais

Leia mais

HIPERTENSÃO O QUE É ISSO?

HIPERTENSÃO O QUE É ISSO? AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 HIPERTENSÃO O QUE É ISSO? Carlos Alberto Machado O TAMANHO do problema Mortes por grupos de causas OMS Regiões 2000 75 50 % 25

Leia mais

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL.

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. Paulo Sergio Lemke (Apresentador) 1, Marcos Augusto Moraes Arcoverde (Orientado) 2 Curso de Enfermagem

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013)

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) TEMA 4: SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

Leia mais

PARECER COREN-SP - CT 027/2013

PARECER COREN-SP - CT 027/2013 PARECER COREN-SP - CT 027/2013 PRCI nº 100.499 e Ticket nº 277.281 Ementa: Aferição de Pressão Arterial por leigos. 1. Do fato Técnica de Enfermagem de uma refinaria de petróleo questiona a determinação

Leia mais

OBESIDADE. Prof. Marta E. Malavassi

OBESIDADE. Prof. Marta E. Malavassi Prof. Marta E. Malavassi SOBREPESO E OBESIDADE DIAGNÓSTICO A combinação de massa corporal e distribuição de gordura é, provavelmente, a melhor opção o diagnóstico do sobrepeso e obesidade. Mais recentemente,

Leia mais

Sistema Cardiovascular Vasos e Sangue

Sistema Cardiovascular Vasos e Sangue Sistema Cardiovascular Vasos e Sangue Objetivo da Aula Compreender os tipos e funções dos vasos sanguíneos. Adquirir a capacidade de aplicar este conhecimento na prática acadêmica e profissional da Educação

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

Bulhas e Sopros Cardíacos

Bulhas e Sopros Cardíacos O conceito de pressão máxima e pressão mínima Quando se registra uma pressão de 120 mmhg por 80 mmhg, indica-se que a pressão sistólica é de 120 mmhg e a pressão diastólica é de 80 mmhg, ou seja, que estas

Leia mais

UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA. Regiane do Nascimento Pires

UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA. Regiane do Nascimento Pires UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA Regiane do Nascimento Pires AVALIAÇÃO DA CORRELAÇÃO DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES

Leia mais

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Prevenção Cardio vascular Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Principal causa de morte em todo o mundo Considerada uma EPIDEMIA pela OMS em 2009 Alta mortalidade Alta morbidade = Muitas

Leia mais

Desdobrável de informação ao paciente

Desdobrável de informação ao paciente Desdobrável de informação ao paciente Doença cardíaca coronária Secções para este tópico: Introdução Sintomas Causas Diagnóstico Tratamento Prevenção Hiperligações seleccionadas Introdução Para que funcione,

Leia mais

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 TÍTULO: NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E BARREIRAS PARA A ATIVIDADE

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Percepção do estado de saúde Autoavaliação da saúde A avaliação do estado de saúde consiste na percepção que os indivíduos possuem de sua própria saúde. Por conseguinte, é um indicador

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ANÁLISE DO RISCO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA EM GRUPO DE TERCEIRA IDADE DUTRA, Janaína Ultado 1 ; SILVA, Luana Aparecida Alves da 2 ; EBERHARDT, Thaís Dresch 3 ; CAVALHEIRI, Jolana Cristina 3 ; SOUZA,

Leia mais

Vascularização cardíaca

Vascularização cardíaca Universidade de Rio Verde UniRV Faculdade de Medicina de Rio Verde Famerv Liga de Acadêmica de Anatomia Humana - LiAAna Vascularização cardíaca Alunos: João Pedro Soares Nunes Janayna Matumoto Mota Orientador:

Leia mais

Fisiologia Geral. Biofísica da Circulação: artérias

Fisiologia Geral. Biofísica da Circulação: artérias Fisiologia Geral Biofísica da Circulação: O ciclo cardíaco; Interconversão de energias nas artérias SISTEMA CARDIOVASCULAR Sistema de ductos fechados com uma bomba hidráulica: O coração. Artérias: vasos

Leia mais

"ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA"

ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA "ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA" SHOSSLER ¹, T.S.; FREITAS ¹, G.; LOPES ², E.; FRASNELLI ¹,

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

FATORES DE RISCO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM VIGILANTES DO MUNICÍPIO DE NOVO GAMA - GO

FATORES DE RISCO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM VIGILANTES DO MUNICÍPIO DE NOVO GAMA - GO FATORES DE RISCO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM VIGILANTES DO MUNICÍPIO DE NOVO GAMA - GO RISK FACTORS FOR CARDIOVASCULAR DISEASE IN THE MUNICIPALITY OF VIGILANT NEW RANGE - GO Wellington Gonçalves Faleiro

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro Sistema Circulatório

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro Sistema Circulatório ANATOMIA HUMANA II Sistema Circulatório Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Circulatório Conceito Função Divisão Sistemacardiovascular Sistemalinfático 1 CONCEITO O sistema cardiovascular é responsável

Leia mais

Prof. Me. Leandro Parussolo

Prof. Me. Leandro Parussolo HISTOFISIOLOGIA ANIMAL AULA - SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA CARDIOVASCULAR INTRODUÇÃO A função da circulação é realizada pelo sistema cardiovascular sistema vascular sanguíneo

Leia mais

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO 08/10/2008 ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO PLASMA: CELULAR:

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO 08/10/2008 ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO PLASMA: CELULAR: FISIOLOGIA DO SANGUE Sistema Circulatório PLASMA: semelhante ao líquido intersticial PROTEÍNAS PLASMÁTICAS Albumina pressão coloidosmótica Globulinas transporte e substrato imunidade, anticorpos Fibrinogênio

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO

DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÓPICOS ABORDADOS Resumo das alterações já abordadas: Hemorragia Hiperemia Trombose

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

06/05/2014. Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha

06/05/2014. Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 Hipertensão Arterial - Exercício Hipertensão Arterial

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio

Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio A doença arterial coronária (DAC) é a causa mais freqüentes de mortalidade na América do Norte, Europa, Austrália e Nova Zelândia. Desde 1980, no entanto,

Leia mais

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde Saúde e Desporto Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra Relação do Desporto com a Saúde Dum modo geral aceita-se que o desporto dá saúde Contudo, o desporto também comporta malefícios

Leia mais

Praticando vitalidade. Sedentarismo. corra desse vilão!

Praticando vitalidade. Sedentarismo. corra desse vilão! Praticando vitalidade Sedentarismo corra desse vilão! O que é sedentarismo? Sedentarismo é a diminuição de atividades ou exercícios físicos que uma pessoa pratica durante o dia. É sedentário aquele que

Leia mais

Élsio Paiva Nº 11 Rui Gomes Nº 20 Tiago Santos Nº21. Disciplina : Área de Projecto Professora : Sandra Vitória Escola Básica e Secundária de Fajões

Élsio Paiva Nº 11 Rui Gomes Nº 20 Tiago Santos Nº21. Disciplina : Área de Projecto Professora : Sandra Vitória Escola Básica e Secundária de Fajões Élsio Paiva Nº 11 Rui Gomes Nº 20 Tiago Santos Nº21 Disciplina : Área de Projecto Professora : Sandra Vitória Escola Básica e Secundária de Fajões Introdução ; O que é a obesidade? ; Índice de massa corporal

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO EM PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO EM PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO EM PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA Gisele Escudeiro 1 ; Willian Augusto de Melo 2 RESUMO: As doenças cardiovasculares

Leia mais

Professora: Ms Flávia

Professora: Ms Flávia Professora: Ms Flávia Sua principal função é: Transporte de nutrientes necessários à alimentação das células; Transporte de gás oxigênio necessário à respiração celular; Remoção de gás carbônico produzido

Leia mais

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora Estudo do Controle da HA Hipertensão Arterial e Perfil Farmacológico pacientes cadastrados no PRC Programa Remédio em Casa UBS Jd. Aurora Subprefeitura de Guaianases

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDEFPLIC02 CORRELAÇÃO ENTRE OBESIDADE ABDOMINAL IMC E RISCO CARDIOVASCULAR Lizianny Leite Damascena (1), Nelson Pereira Neto (2), Valter Azevedo Pereira (3) Centro de Ciências da Saúde/ Departamento

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO. Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP

III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO. Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PRINCIPAL CAUSA DE MORTE NO MUNDO!! AS PRINCIPAIS

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

Dr. Rafael Souto de O. Giuberti 18.10.2012

Dr. Rafael Souto de O. Giuberti 18.10.2012 Curso SBHCI Curso de Revisão em Intervenção Cardiovascular Dr. Rafael Souto de O. Giuberti 18.10.2012 Doença da Artéria Coronária e Métodos Diagnósticos I. Fisiopatologia da Placa e Formação do trombo

Leia mais

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Randomizado Apresentado por Tatiana Goveia Araujo na reunião

Leia mais