UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DOUTORADO EM SERVIÇO SOCIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DOUTORADO EM SERVIÇO SOCIAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DOUTORADO EM SERVIÇO SOCIAL Maria Valéria Costa Correia O Conselho Nacional de Saúde e os Rumos da Política de Saúde Brasileira: mecanismo de controle social frente às condicionalidades dos organismos financeiros internacionais Recife 2005

2 MARIA VALÉRIA COSTA CORREIA O CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE E OS RUMOS DA POLÍTICA DE SAÚDE BRASILEIRA: MECANISMO DE CONTROLE SOCIAL FRENTE ÀS CONDICIONALIDADES DOS ORGANISMOS FINANCEIROS INTERNACIONAIS Tese apresentada à Universidade Federal de Pernambuco como requisito parcial para a obtenção do grau de doutor do Curso de Serviço Social. Orientadora: Prof.ª Drª Ana Cristina de Souza Vieira Recife 2005

3

4 MARIA VALÉRIA COSTA CORREIA O Conselho Nacional de Saúde e os rumos da política de saúde brasileira: mecanismo de controle social frente às condicionalidades dos organismos financeiros internacionais Aprovada em BANCA EXAMINADORA Prof.ª Dr.ª Heloísa Maria Mendonça de Moraes Universidade Federal de Pernambuco Prof.ª Dr.ª Maria de Fátima de Souza Santos Universidade Federal de Pernambuco Prof.ª Dr.ª Maria Inês de Souza Bravo Universidade do Estado do Rio de Janeiro Prof.ª Dr.ª Valdilene Pereira Viana Universidade Federal de Pernambuco Prof.ª Dr.ª Ana Cristina de Souza Vieira Universidade Federal de Pernambuco Recife 2005

5 Dedico este trabalho aos meus avós, Carmem e Gracindo, que partiram juntos para a eternidade, na fase final de elaboração da minha tese.

6 AGRADECIMENTOS A minha orientadora, Ana Vieira, pela confiança e liberdade para que eu trilhasse os caminhos que escolhi. Ao professor Edmundo Fernandes Dias, pela disponibilidade em ler meu trabalho e pelas observações pertinentes, as quais o engrandeceu. À amiga Beth Barros, pelo material enviado para subsidiar a pesquisa. À amiga Claudinha pelo precioso material do Conselho Nacional de Saúde enviado, e ao pessoal do Conselho pela garimpagem do mesmo. A minha família, minha mãe Elaine e irmãos Ascânio e André, pela compreensão nas minhas ausências, e pela solidariedade e apoio nestes anos de estudo. Aos meus filhos Luana, Maíra e Vítor, pela paciência no adiamento dos projetos de vida, em especial às meninas pelo apoio na checagem das referências bibliográficas e da lista de siglas. Ao meu companheiro Arthur, pela compreensão nos ataques de TPT (Tensão Pré-Tese), pelas noites de sono para a impressão das intermináveis atas, e pela dedicação e companheirismo incondicional na fase final da produção. Às amigas e companheiras de doutorado Gilmaísa, pela leitura cuidadosa do projeto de tese, e Edlene pelas informações sempre preciosas. Às amigas Margarete e Silvana pela força e incentivo constante. As respirações profundas recomendadas por Silvana aliviaram a TPT. Ao carinho e atenção da amiga Osana, com as guloseimas para animar o meu estudo. À amiga Marta por compreender e apoiar o meu afastamento e isolamento. Às companheiras Arlene e Alda pelo apoio nos momentos necessários.

7 Após demonstrar que todos são filósofos, ainda que a seu modo, inconscientemente já que, até mesmo na mais simples manifestação de uma atividade intelectual qualquer, na linguagem, está contida uma determinada concepção de mundo -, passa-se ao segundo momento, ao momento da crítica e da consciência, ou seja, ao seguinte problema: é preferível pensar sem disto ter consciência crítica, de uma maneira desagregada e ocasional, isto é, participar de uma concepção do mundo imposta mecanicamente pelo ambiente exterior, ou seja, por um dos muitos grupos sociais nos quais todos estão automaticamente envolvidos desde sua entrada no mundo consciente [...], ou é preferível elaborar a própria concepção de mundo de uma maneira consciente e crítica e, portanto, em ligação com este trabalho do próprio celebro, escolher a própria esfera de atividade, participar ativamente na produção da história do mundo, ser o guia de se mesmo e não mais aceitar do exterior, passiva e servilmente, a marca da própria personalidade. Antonio Gramsci

8 RESUMO Este trabalho tem como objeto de estudo a atuação do Conselho Nacional de Saúde enquanto mecanismo político formal de controle social, frente às orientações dos organismos financeiros internacionais, observando a relação entre as lutas políticas do CNS em defesa do SUS e a contra-reforma imposta por esses organismos na determinação da política de saúde brasileira. Inicialmente, é realizado um estudo da relação entre Estado e sociedade civil para qualificar a expressão controle social, nos clássicos da política, Hobbes, Locke e Rousseau, e a partir do aporte teórico de Gramsci, o qual foi tomado como referência de análise. Em seguida, é descrita a influência das condicionalidades do FMI e do BM nas políticas estatais brasileiras, apontando o desmonte das políticas sociais como conseqüência das contrareformas implantadas pelo governo Fernando Henrique Cardoso sob os auspícios desses organismos. É destacado o protagonismo do BM na orientação das políticas de saúde dos países dependentes, gerando no Brasil contradições entre os avanços da Reforma Sanitária no campo legal e os retrocessos de uma agenda de reformas regressivas do ponto de vista das classes subalternas. Defende-se a tese de que o CNS tem se constituído, predominantemente, em um espaço de lutas políticas em defesa do SUS e de seus princípios e de resistência às contra-reformas neoliberais para a política de saúde sob a orientação dos organismos financeiros internacionais. Observa-se a importância do controle social exercido através das suas intervenções contra: a quebra da universalidade, o pagamento por fora, as reformas do Estado no campo da saúde que tendem à privatização, entre outras. No entanto, esta resistência não tem sido suficiente para impedir a efetivação de muitas dessas orientações, principalmente, no que diz respeito à definição dos recursos e ao modelo assistencial preconizado pelo SUS, revelando os limites do controle social sobre a política de saúde no espaço do CNS. Palavras-chave: Estado; Sociedade Civil; Controle Social; Política de Saúde; Organismos Internacionais.

9 RESUMEN Este trabajo tiene como objeto de estudio la actuación del Consejo Nacional de Salud como mecanismo político formal de control social frente a las orientaciones del Banco Mundial, observando la relación entre las luchas políticas del CNS en defensa del SUS y la contra reforma impuesta por los organismos internacionales en la determinación de la política de salud brasileña. Inicialmente se realiza un estudio de la relación entre Estado y sociedad civil para calificar la expresión control social, en los clásicos de la política Hobbes Locke y Rousseau, y a partir del aporte teórico de Gramsci, el cual fue tomado como referencia de análisis. A continuación se describe la influencia de los condicionantes del FMI y del BM en las políticas estatales brasileñas, señalando el desmantelamiento de las políticas sociales como consecuencia de las contra reformas implantadas por el gobierno Fernando Henrique Cardoso bajo los auspicios de estos organismos. Se destaca el protagonismo del BM en la orientación de las políticas de salud de los países dependientes, generando en el Brasil contradicciones entre los avances de la Reforma Sanitaria en el campo legal y los retrocesos de una agenda de reformas regresivas desde el punto de vista de las clases subalternas. Se defiende la tesis de que el CNS se ha constituido, predominantemente, en un espacio de luchas políticas en defensa del SUS y de sus principios y de resistencia a las contra reformas neoliberales para la política de salud bajo la orientación del Banco Mundial. Se observa la importancia del control social ejercido a través de sus intervenciones contra: el rompimiento de la universalidad, el pago extraoficial, las reformas del Estado en el área de la salud que tienden a la privatización, entre otras. Sin embargo, esta resistencia no ha sido suficiente para impedir la efectividad de muchas de esas orientaciones, principalmente en lo que tiene que ver con la definición de los recursos y con el modelo asistencial proclamado por el SUS, revelando los límites del control social sobre la política de salud en el espacio del CNS. Palabras-clave: Estado, sociedad civil, control social, política de salud, organismos internacionales.

10 SUMMARY This work has as object of study the role of the National Health Council (CNS) as a formal political mechanism of social control against the orientations of the World Bank, observing the relationship between the CNS political struggle in defense of the SUS and the counter reformation imposed by international organisms in the determination of the Brazilian health policy. A study of the relationship between State and civil society is initially done, in order to qualify the expression social control in the classics of politics, Hobbes Locke and Rousseau, from the theoretical contribution of Gramsci, which was taken as analysis reference. The influence of the conditions set by the FMI and The World Bank on Brazilian state policies is described after this, showing the dismantling of social policies as a consequence of counter reformations established by the government of Fernando Henrique Cardoso under the auspices of these organisms. The leading role of The World Bank is highlighted in the orientation of health policies in dependent countries, generating contradictions in Brazil among the advances of the Sanitary Reform in the legal field and the retrogressions of an agenda of regressive reforms from the point of view of subaltern classes. The thesis that the CNS has basically turned into a space for political struggles in defense of the SUS and its principles and resistance against neo-liberal counter reformations for the health policy under the guidance of The World Bank is defended. The importance of the social control exerted through the interventions against: the crack in the universality, unofficial payment, and State reforms in the health field, which tend to privatization, among others. However, this resistance has not been enough to hinder the realization of many of those orientations, basically the ones related to the definition of resources and to the welfare model acclaimed by the SUS, revealing the limits of social control on health policy in the space of the CNS. Keywords : State, civil society, social control, health policy, international organisms.

11 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABONG - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais ABRAMGE - Associação Brasileira de Medicina de Grupo ABRASCO - Associação Brasileira de Pós Graduação em Saúde Coletiva ACS - Agentes Comunitários de Saúde AGU - Advocacia Geral da União AIDS - Síndrome da Imunodeficiência Adquirida AIH - Autorização de Internação Hospitalar ABH - Associação Brasileira de Hospitais ALCA Área de Livre Comércio das Américas ANABIO - Agência Nacional de Biossegurança ANS - Agência Nacional de Saúde Suplementar ANVISA - Agência nacional de Vigilância Sanitária APEC - Agência Federal de Prevenção e Controle de Doenças ASTEC - Assessoria Técnica da SAS ATRICON - Associação dos Membros dos Tribunais de Contas AVAI - Anos de Vida Ajustados por Incapacidade BID - Banco Interamericano de Desenvolvimento BIRD - Banco Internacional para Reconstrução do Desenvolvimento BM - Banco Mundial BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social CADE Conselho Administrativo de Defesa Econômica CAFTA - Área de Livre Comércio da América Central CAPS Centro de Atenção Psicossocial CEBES - Centro Brasileiro de Estudos em Saúde CEME - Central de Medicamentos CENEPI Centro Nacional de Epidemiologia CEPAL - Comissão Econômica para América Latina e Caribe CES - Conselho Estadual de Saúde CFM - Conselho Federal de Medicina CGT - Central Geral dos Trabalhadores CIAN Comissão Intersetorial de Alimentação e Nutrição do CNS CISAMA - Comissão Intersetorial de Saneamento e Meio Ambiente CIRH - Comissão Intersetorial de Recursos Humanos do CNS CIST - Comissão Intersetorial de Saúde do Trabalhador do CNS CIT - Comissão Intergestores Tripartite CITS - Comissão Intersetorial de Saúde do Trabalhador CLT Consolidação das Leis Trabalhistas CMS - Conselho Municipal de Saúde CNA - Confederação Nacional da Agricultura CNBB - Confederação Nacional dos Bispos do Brasil CNBS - Conselho Nacional de Biossegurança CNC - Confederação Nacional do Comércio CNI - Confederação Nacional da Indústria CNPR Comissão Nacional de Reforma Psiquiátrica

12 CNS - Conselho Nacional de Saúde CNSS - Conselho Nacional da Seguridade Social COBAP - Confederação Brasileira de Aposentados e Pensionistas CONAM - Confederação Nacional das Associações de Moradores CONASEMS - Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde CONASS - Conselho Nacional de Secretários de Saúde CONSU - Conselho de Saúde Suplementar CONTAG - Confederação Nacional doa trabalhadores na Agricultura COSEMS Conselho de Secretários Municipais de Saúde CPI - Comissão Parlamentar de Inquérito CPMF - Contribuição Provisória sobre a Movimentação Financeira CUT - Central Única dos Trabalhadores DATASUS Departamento de Informação e Informática do SUS DCAA - Departamento de Controle, Avaliação e Auditoria DIEESE Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos DF - Distrito Federal DMP - Departamento de Medicina Preventiva D.O.U Diário Oficial da União DST - Doenças Sexualmente Transmissíveis EFU Encargos Financeiros da União ESF - Equipe de Saúde da Família EFM - Emergency Financing Mechanism EHA - Estabelecimento Hospitalar Autônomo EMS - Entidades de Manutenção de Saúde ENSP - Escola Nacional de Saúde Pública FBH - Fundação Brasileira de Hospitais FABRA - Federação Brasileira de Entidades de Renais Crônicos FAEC - Fundo de Ações Estratégicas e Compensações FAT Fundo de Amparo ao Trabalhador FEF - Fundo de Estabilização Fiscal FENAFAR Federação Nacional dos Farmacêuticos FENAM - Federação Nacional dos Médicos FENTAS Federação de Entidades Nacionais dos Trabalhadores da Área da Saúde FES Fundo Estadual de Saúde FBH - Confederação Brasileira de Hospitais FGTS - Fundo de Garantia por Tempo de Serviço FHC - Fernando Henrique Cardoso FIOCRUZ - Fundação Oswaldo Cruz FMI - Fundo Monetário Internacional FMS Fundo Municipal de Saúde FNS Fundo Nacional de Saúde FSM Fórum Social Mundial FSE - Fundo Social de Emergência FUNASA - Fundação Nacional de Saúde GEISAT - Grupo Executivo Interinstitucional de Saúde do Trabalhador GATT - Acordo Geral de Tarifas e Comércio GT Grupo de Trabalho HEMOVIDA - Sistema de Gerenciamento de Unidades Hemoterápicas HOSPUB - Sistemas Integrados de Informatização de Ambiente Hospitalar HU - Hospital Universitário

13 IAPC - Instituto de Aposentadoria e Pensões do Comércio IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IDA - Associação Internacional de Desenvolvimento IDEC Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor IDH - Índice de Desenvolvimento Humano INAN - Instituto Nacional de Alimentação e Nutrição INCOR - Instituto do Coração INMETRO Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial IPEA Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada LDO - Lei de Diretrizes Orçamentárias LOAS - Lei Orgânica de Assistência Social MARE - Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado MEC Ministério de Educação e Cultura MED Ministério da Educação e do Desporto MP Ministério Público MS Ministério da Saúde MST - Movimento Nacional dos Trabalhadores Rurais Sem Terra NAPS Núcleo de Apoio Psicossocial NOAS Norma Operacional de assistência à Saúde NOB Norma Operacional Básica OGMs - Organismos Geneticamente Modificados OGU - Orçamento Geral da União OIC - Organização Internacional do Comércio OMC - Organização Mundial do Comércio OMS - Organização Mundial de Saúde ONA - Organização Nacional de Acreditação ONG - Organização Não Governamental OPAS - Organização Pan-Americana da Saúde OPEP - Organização dos Países Exportadores de Petróleo OPSS - Organizações Prestadoras de Serviços de Saúde OSCIPS - Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público OS - Organizações Sociais OSCs - Organizações da Sociedade Civil OSS - Orçamento da Seguridade Social PAB - Piso de Atenção Básica PACS - Programa de Agentes Comunitários de Saúde PAI-S - Plano Assistencial Integral Saúde PAS - Plano de Assistência à Saúde PBQP - Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade PCB Partido Comunista Brasileiro PDT Partido Democrático Trabalhista PEC - Proposta de Emenda Constitucional PIB Produto Interno Bruto PGFN - Procuradoria Geral da Fazenda Nacional PME - Pesquisa Mensal de Emprego PNAD Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios PND - Programa Nacional de Desenvolvimento PNASH - Programa Nacional de Avaliação do Sistema Hospitalar PNDU Política Nacional de Desenvolvimento Urbano PNUD Programa das Nações Unidas para Desenvolvimento do Brasil

14 PPI Programação Pactuada e Integrada PROESF - Projeto de Expansão para a Saúde da Família PROFAE - Programa de Profissionalização de Enfermagem PRONAF - Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PSF - Programa Saúde da Família PT - Partido dos Trabalhadores REFORSUS Reforço à Reorganização do Sistema Único de Saúde RENAME (Relação Nacional de Medicamentos) RIPSA - Rede Intergerencial de Informações para Saúde RNIS - Rede Nacional de Informação de Saúde SAS - Secretaria de Assistência a Saúde SAMHPS - Sistema médico Hospitalar da Previdência Social SBB - Sociedade Brasileira de Bioética SBPC - Sociedade Brasileira para Progresso da Ciência SC - Santa Catarina SDE Secretaria do Direito Econômico SES Secretaria de Estado da Saúde SIA Sistema de Informações Ambulatoriais SIH - Sistema de Informações Hospitalares SINANGE - Sindicato Nacional das Empresas de Medicina de Grupo SIS Sistema de Informação de Saúde SISCOLO - Sistema de Informação Laboratorial de Programa Nacional de Combate ao Câncer de Colo Uterino SPES - Secretaria de Projetos Especiais de Saúde SPS - Secretaria de Políticas de Saúde SPSA - Secretaria de Políticas de Saúde e Avaliação STF - Supremo Tribunal Federal SUS - Sistema Único de Saúde SUSEP Superintendência de Seguros Privados SVC - Secretaria de Vigilância Sanitária TCU - Tribunal de Contas da União TLC - Tratado do Livre Comércio UBS - Unidade Básica de Saúde UNICEF - Fundo das Nações Unidas para a Infância UTI - Unidade de Terapia Intensiva VIGISUS - Sistema Nacional de Vigilância em Saúde

15 LISTA DE ANEXOS ANEXO A - RELAÇÃO DOS NOMES DOS CONSELHEIROS DO CNS E DAS ENTIDADES QUE REPRESENTAM ANEXO B - RESOLUÇÃO Nº 207, DE 5 DE DEZEMBRO DE 1996 ANEXO C - RESOLUÇÃO Nº 223, DE 7 DE MAIO DE 1997 ANEXO D - RESOLUÇÃO Nº 274, DE 2 DE ABRIL DE 1998 ANEXO E - RELAÇÃO DAS PORTARIAS PARA A IMPLANTAÇÃO DA NOB/SUS/96 (ATA DA 75ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CNS, 1 E 2 DE ABRIL DE 1998)

16 SUMÁRIO RESUMO RESUMEN SUMMARY LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS INTRODUÇÃO...17 CAPÍTULO 1 A relação Estado/Sociedade Civil e o Controle Social: fundamentos para o debate O poder do Estado em Hobbes, Locke e Rousseau Hobbes: o poder absoluto do Estado Locke: poder do Estado limitado à garantia dos direitos naturais Rousseau: poder do Estado limitado pela vontade geral Concepções de Estado e Sociedade Civil em Gramsci e as perspectivas de Controle Social A concepção de Estado e sociedade civil em Marx e Determinismo Econômico A relação entre Estado e sociedade civil em Gramsci Considerações sobre o conceito liberal contemporâneo de sociedade civil e o gramsciano O conceito liberal contemporâneo de sociedade civil: dicotomia Estado/sociedade civil O princípio da totalidade em Gramsci: articulação dialética entre Estado e Sociedade civil Tendências das análises da sociedade civil na atualidade O Controle Social na Política de Saúde Brasileira: Os Conselhos de Saúde As perspectivas do Controle Social O Controle Social nos autores contemporâneos Os Conselhos de Saúde como mecanismo de Controle Social...68 CAPÍTULO 2 A influência das políticas definidas pelos organismos internacionais na intervenção do Estado brasileiro nas Políticas Sociais Da Crise do Welfare State ao Estado máximo para o Capital...76

17 2.2 O papel dos organismos internacionais na reprodução do capital financeiro e a dependência dos Estados periféricos A relação entre as políticas definidas pelos organismos internacionais e as políticas estatais brasileiras Reformas e Contra-Reformas: o desmonte das políticas sociais brasileiras CAPÍTULO 3 - Os reflexos das orientações do Banco Mundial na política de saúde brasileira e as lutas políticas em defesa do SUS O protagonismo do Banco Mundial na orientação das políticas de saúde dos países dependentes A agenda de contra-reformas do Banco Mundial para a política de saúde e seu referendum nos documentos brasileiros Descentralização e participação social na agenda da reforma e da contrareforma As contradições na política de saúde brasileira: Reforma Sanitária x Contra-reforma neoliberal A influência das orientações do BM na política de saúde e as contra-reformas em curso Projetos financiados pelo Banco Mundial A flexibilização da gestão da saúde: fundações, cooperativas, organizações sociais e duplo acesso Atenção Básica na rede pública x média e alta complexidade na rede privada Indução financeira para expansão da rede básica: recentralização da política de saúde PSF: estratégia de mudança do modelo assistencial x focalização e seletividade da assistência à saúde A ampliação da rede privada na prestação de serviços de saúde A criação das Agências Reguladoras Lutas políticas em defesa da saúde pública CAPÍTULO 4 A atuação do Conselho Nacional de Saúde enquanto mecanismo político de Controle Social em defesa do SUS frente às determinações conômicas A atuação do Conselho Nacional de Saúde frente às orientações do FMI e do Banco Mundial à política de saúde brasileira nas gestões de FHC: e

18 4.1.1 Projetos financiados pelas Agências Financeiras Internacionais Reforma do Estado e Organizações Sociais A Reforma na estrutura do Ministério da Saúde As novas formas de gestão da Saúde Cobrança por fora ou Co-pagamento Modelo Assistencial Ênfase na ampliação da Atenção Básica NOB/SUS/96: PAB como estratégia de mudança do Modelo Assistencial Política de Saúde Mental e Reforma Psiquiátrica Política de Medicamentos e Assistência Farmacêutica Agências de Regulação e Organizações não estatais Regulamentação dos Planos e Seguros Privados de Saúde Financiamento e Orçamento da Saúde Articulações, mobilizações e contraposições no CNS As Plenárias e Encontros Nacionais de Conselhos de Saúde Contraposições ao Ministério da Saúde Conflitos de posições entre os Conselheiros CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS...342

19 INTRODUÇÃO Tomamos como objeto de estudo a atuação do Conselho Nacional de Saúde enquanto mecanismo político formal de controle social, legalmente definidor dos rumos da política nacional de saúde, frente à intervenção do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial (BM) para a operacionalização do ajuste estrutural, dentro do processo de reestruturação produtiva mundial, observando a relação entre as lutas políticas do Conselho Nacional de Saúde (CNS) em defesa do Sistema Único de Saúde (SUS) e as condicionalidades dos organismos internacionais na determinação da política de saúde brasileira. Partimos do pressuposto de que as condicionalidades e, conseqüentes reformas impostas ao rumo da política de saúde pelos organismos financeiros internacionais 1 no contexto de ajuste neoliberal são implementadas, com maior ou menor intensidade, de acordo com os processos políticos existentes em cada realidade histórica concreta. Não existe um automatismo econômico nessa implementação, por causa das reações no campo político que conformam um processo de correlação de forças entre os interesses de classes antagônicos nas conjunturas que atualizam a totalidade social e se expressam no Estado e na sociedade civil local da institucionalidade onde se articulam os projetos societários classistas e se processa a organização dos movimentos sociais que representam os interesses das classes subalternas que se chocam com os interesses das classes dominantes, em busca da construção de sua hegemonia. Defendemos a tese de que o CNS tem se constituído, predominantemente, em um espaço de lutas políticas em defesa do SUS e de seus princípios e de resistência às contrareformas neoliberais para a política de saúde sob a orientação dos organismos financeiros internacionais. Buscamos apreender o sentido político predominante no CNS para dar o rumo dessa política em âmbito nacional: se, a efetivação do SUS com acesso universal, público e de 1 Os agentes de fomento internacionais serão aqui tratados como organismos financeiros internacionais, ou, simplismente, como organismos/agências/agentes internacionais. Entre os existentes, elegemos para o nosso estudo o Fundo Monetário Internacional (FMI), pela sua influência no corte dos gastos sociais dos países de capitalismo periférico, e o Banco Mundial (BM), pela sua forte influência nas políticas de saúde desses países. 17

20 qualidade, ou a tendência - coerente ao ajuste neoliberal à quebra da universalidade; à focalização e seletividade da assistência à saúde; à privatização dos serviços de saúde via terceirização, delegação e/ou parcerias; e à mercantilização da saúde, facilitando a participação do setor privado na prestação desses serviços. A partir do exposto situamos o problema a ser investigado: Qual a influência de uma instância de decisão política, o Conselho Nacional de Saúde (CNS) - que congrega segmentos organizados na sociedade civil com interesses de classe contraditórios sobre a política de saúde de um Estado de capitalismo periférico submetido às pressões econômicas dos organismos financeiros internacionais? Até que ponto o CNS enquanto uma instância de decisão política e de controle social sobre o rumo da política nacional de saúde tem exercido de fato este controle frente às determinações econômicas viabilizadas pelas condicionalidades dos organismos internacionais Fundo Monetário Internacional (FMI) e Banco Mundial (BM) - aos governos brasileiros? Qual foi o sentido político predominante do CNS em relação às orientações do BM para esta política, resistência e defesa do SUS e seus princípios, ou reforço da contra-reforma neoliberal? Portanto, definimos como objetivo geral: analisar até que ponto o CNS, como instância política de controle social da Política Nacional de Saúde, tem determinado o rumo desta frente às exigências do ajuste neoliberal expressas nas condicionalidades do FMI e do BM. E, como objetivos específicos: identificar as determinações impostas pelos organismos internacionais (FMI e BM) à política estatal brasileira, que interferem diretamente nos rumos da política de saúde; e verificar a direção política predominante que aponta o processo de deliberação do Conselho Nacional de Saúde: alinhamento às reformas solicitadas pelos organismos financeiros internacionais e/ou defesa do SUS e de seus princípios. O problema de pesquisa aqui em pauta requer uma reflexão teórica acerca da influência de uma instância de decisão política e de controle social que congrega representação de segmentos sociais portadores de interesses de classe diferentes o CNS - na condução de uma política estatal a política de saúde - frente aos determinantes econômicos. Ou seja, uma reflexão que leve em conta a relação entre as lutas políticas, que se dão na totalidade da estrutura social, especialmente nos mecanismos políticos de controle social, e os determinantes econômicos (colocados pelas condicionalidades dos organismos internacionais) na definição das políticas estatais. 18

21 Esta reflexão suscitou, inicialmente, um estudo da relação entre Estado e sociedade civil para qualificar a expressão controle social, e da sua relação com a estrutura econômica. Tomamos como referência o aporte teórico de Gramsci. O debate teórico acerca da relação entre Estado e sociedade civil com a determinação econômica precisa ser esclarecido e aprofundado na perspectiva de Gramsci, devido às interpretações contemporâneas sobre o seu pensamento que identificam uma dicotomia nesta relação e uma primazia do político sobre o econômico, ou seja, da superestrutura sobre a estrutura. Apresentam-se de um lado, marxistas partidários do determinismo econômico que minimizam a importância das lutas políticas na determinação da realidade social e, por outro lado, existem tendências de interpretação do pensamento de Gramsci que dão uma primazia excessiva ao político sobre o econômico a ponto de abstrair o nexo entre a estrutura e a superestrutura. Essa cisão tem resultado também em interpretações de uma dicotomia entre Estado e sociedade civil no pensamento de Gramsci 2. O estudo teórico da relação Estado e sociedade civil, a partir do pensamento de Gramsci, desmistifica a apropriação do seu pensamento pelas interpretações liberais contemporâneas, que desembocam no politicismo exacerbado e na contraposição entre Estado e sociedade civil. O que caracteriza esta concepção é uma dicotomia entre Estado e sociedade civil, em que o Estado é tratado por um viés predominantemente político, minimizando sua articulação com a base econômica. 3 A sociedade civil é apresentada como um espaço homogêneo, sem contradição de classe, os interesses que nela circulam apresentam-se como universais. Investigamos a relação entre Estado e sociedade civil na perspectiva teórica de Gramsci, seus nexos com a estrutura econômica e situamos a perspectiva de controle social a partir da mesma. Esse foi o nosso caminho teórico para dar suporte ao estudo empírico da atuação do CNS, enquanto instância política de controle social sobre a política de saúde brasileira que congrega representação das organizações sociais, frente às determinações econômicas colocadas pelas condicionalidades dos organismos internacionais. 2 As lutas políticas não se dão apenas na sociedade civil, mas na totalidade da estrutura social, da formação social. A separação sociedade civil/sociedade política é típica do pensamento liberal. Para Gramsci esta separação é apenas desdobramento metodológico do conceito de Estado, local onde se travam essas lutas (Cf. Dias, 2004b). 3 Como se existisse uma esfera política autônoma em relação a esfera econômica. Esta visão sistêmica acaba por negar as determinações sociais, ou seja, as relações entre as classes e afirma um politicismo que dificulta, quando não impede, a inteligibilidade do real (Cf. Dias, 2004b). 19

AS DETERMINAÇÕES DA POLÍTICA DE SAÚDE BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA: mecanismos de controle social x condicionalidades dos organismos internacionais

AS DETERMINAÇÕES DA POLÍTICA DE SAÚDE BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA: mecanismos de controle social x condicionalidades dos organismos internacionais UFMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI 1 AS DETERMINAÇÕES DA

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL Profª Carla Pintas O novo pacto social envolve o duplo sentido de que a saúde passa a ser definida como um direito de todos, integrante da condição de cidadania social,

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

ANTONIO CARLOS NARDI

ANTONIO CARLOS NARDI ANTONIO CARLOS NARDI QUE DEMOCRACIA QUEREMOS? A conquista do estado democrático de direito na década de 1980 no Brasil, após longo período burocrático-autoritário, trouxe o desafio de construção de uma

Leia mais

Alocação de Recursos e Regionalização no SUS

Alocação de Recursos e Regionalização no SUS Alocação de Recursos e Regionalização no SUS Áquilas Mendes Professor Doutor Livre-Docente de Economia da Saúde da FSP-USP e do Departamento de Economia da PUC-SP ABRES Encontro Alocação de Recursos e

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO BANCO MUNDIAL NA ORIENTAÇÃO DA POLÍTICA DE SAÚDE BRASILEIRA

A INFLUÊNCIA DO BANCO MUNDIAL NA ORIENTAÇÃO DA POLÍTICA DE SAÚDE BRASILEIRA UFMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI 1 A INFLUÊNCIA DO BANCO

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento Carta de Joinville Os Secretários e Secretárias Municipais de Saúde, reunidos no XXIII Congresso Nacional das Secretarias Municipais de Saúde e IV Congresso Brasileiro de Saúde, Cultura de Paz e Não-Violência,

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 05/10/2015 (nº 190, Seção 1, pág. 669) Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

Política Nacional de Educação Permanente em Saúde

Política Nacional de Educação Permanente em Saúde Política Nacional de Educação Permanente em Saúde Portaria GM/MS nº 1.996, de 20 de agosto de 2007 substitui a Portaria GM/MS nº 198, de 13 de fevereiro de 2004 e Proposta de Alteração Pesquisa de Avaliação

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA 16 a 20 de junho de 2014 CE154.R17 Original: inglês RESOLUÇÃO CE154.R17 ESTRATÉGIA PARA COBERTURA UNIVERSAL DE SAÚDE A 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO,

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

PLANEJASUS. A Importância do Planejamento na Gestão do SUS

PLANEJASUS. A Importância do Planejamento na Gestão do SUS PLANEJASUS A Importância do Planejamento na Gestão do SUS Sumário 1. A importância do planejamento 2. Antecedentes: a Saúde nos Planos de Desenvolvimento 3. Emergência do planejamento em saúde (75-79)

Leia mais

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus ERRATA Secretaria de Saúde do DF AUXILIAR EM saúde - Patologia Clínica Sistema Único de Sáude - SUS Autora: Dayse Amarílio D. Diniz Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social IX Conferência Nacional de Assistência Social Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social Programação da conferência poderá incluir: 1. Momento de Abertura, que contará

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 03/13 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ELABORAÇÃO - 2014 Introdução: O Planejamento é uma tecnologia de gestão que visa articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas

Leia mais

Lei 141/2012 - Comentários

Lei 141/2012 - Comentários Lei 141/2012 - Comentários Áquilas Mendes Prof. Dr. Livre-Docente de Economia da Saúde da FSP/USP e do Departamento de Economia da PUC-SP agosto/2012 BREVE CONTEXTO DA LEI 141/2012 CONSIDERAÇÕES GERAIS

Leia mais

ANEXO XI Saúde Indígena Introdução

ANEXO XI Saúde Indígena Introdução ANEXO XI Saúde Indígena Introdução A Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas, aprovada na 114ª Reunião Ordinária do Conselho Nacional de Saúde (em 8/11/2001) e sancionada pelo Ministro

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90

Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90 Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90 Cesar Vieira cesarvieira@globo.com Reunião do CA/IBEDESS 12 de julho de 2011 Principais Conteúdos Organização do SUS Planejamento da

Leia mais

RESUMO DA REUNIÃO SOBRE O PROJETO DE LEI DE INICIATIVA POPULAR SOBRE OS 10% DAS RECEITAS CORRENTES BRUTAS PARA O SUS.

RESUMO DA REUNIÃO SOBRE O PROJETO DE LEI DE INICIATIVA POPULAR SOBRE OS 10% DAS RECEITAS CORRENTES BRUTAS PARA O SUS. RESUMO DA REUNIÃO SOBRE O PROJETO DE LEI DE INICIATIVA POPULAR SOBRE OS 10% DAS RECEITAS CORRENTES BRUTAS PARA O SUS. Com a participação de conselheiros do Conselho Nacional de Saúde (CNS) juntamente com

Leia mais

O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH

O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina da USP - FMUSP Núcleo de Pesquisa em Direito

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil ID 1676 SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil Dutra, Laís; Eugênio, Flávia; Camargo, Aline; Ferreira

Leia mais

Ministério da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca Escola de Governo em Saúde

Ministério da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca Escola de Governo em Saúde Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca Escola de Governo em Saúde PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO EM INCORPORAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE Responsável: Profª

Leia mais

AS LUTAS PELA SAÚDE: DESAFIOS DA FRENTE NACIONAL CONTRA A PRIVATIZAÇÃO DA SAÚDE Maria Inês Souza Bravo mibravo@uol.com.br

AS LUTAS PELA SAÚDE: DESAFIOS DA FRENTE NACIONAL CONTRA A PRIVATIZAÇÃO DA SAÚDE Maria Inês Souza Bravo mibravo@uol.com.br Anais da 64ª Reunião Anual da SBPC São Luís, MA Julho/2012 AS LUTAS PELA SAÚDE: DESAFIOS DA FRENTE NACIONAL CONTRA A PRIVATIZAÇÃO DA SAÚDE Maria Inês Souza Bravo mibravo@uol.com.br A apresentação visa

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento 1 Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento I Congresso Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público Oficina II Informação de Custo para

Leia mais

As Organizações Sociais e a Terceirização da Gestão e dos Serviços Públicos:

As Organizações Sociais e a Terceirização da Gestão e dos Serviços Públicos: As Organizações Sociais e a Terceirização da Gestão e dos Serviços Públicos: Inconstitucionalidade e afronta aos Direitos Sociais Maria Valéria Costa Correia Profa. Drª da Faculdade de Serviço Social/UFAL

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA 4 A DESCENTRALIZAÇÃO DO SISTEMA DE SAÚDE BRASILEIRO

SAÚDE PÚBLICA 4 A DESCENTRALIZAÇÃO DO SISTEMA DE SAÚDE BRASILEIRO SAÚDE PÚBLICA 4 A DESCENTRALIZAÇÃO DO SISTEMA DE SAÚDE BRASILEIRO OBJETIVOS DAS NOBs a)promover integração entre as esferas de governo definindo responsabilidades na consolidação do SUS; b)operacionalizar

Leia mais

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada 25/11/2015 HISTÓRICO: Período anterior a CF de 1988 INAMPS População e procedimentos restritos Movimento

Leia mais

Sistema Único de Saúde. 15 anos de implantação: Desafios e propostas para sua consolidação.

Sistema Único de Saúde. 15 anos de implantação: Desafios e propostas para sua consolidação. Sistema Único de Saúde 15 anos de implantação: Desafios e propostas para sua consolidação. 2003 Sistema Único de Saúde! Saúde como direito de cidadania e dever do Estado, resultante de políticas públicas

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização

Leia mais

NOTA TÉCNICA 16 2013. Política Nacional de Educação Popular em Saúde

NOTA TÉCNICA 16 2013. Política Nacional de Educação Popular em Saúde NOTA TÉCNICA 16 2013 Política Nacional de Educação Popular em Saúde Brasília, 20 de maio de 2013 INTRODUÇÃO A Política Nacional de Educação Popular em Saúde PNEP-SUS foi apresentada e aprovada no Conselho

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Financiamento da saúde

Financiamento da saúde Financiamento da saúde Sessão de debates temáticos no Senado Federal Senado Federal 19 de setembro de 2013 O Brasil é o único país com mais de 100 milhões de habitantes que assumiu o desafio de ter um

Leia mais

FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS

FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS BRASIL 8,5 milhões de Km²; 192 milhões de habitantes; 26 Estados e 01 Distrito Federal; 5.564 municípios (70,3 % com menos de 20.000 habitantes);

Leia mais

EL SUS ANTE LA DUALIDAD DEL SISTEMA DE SALUD EN UN CONTEXTO FEDERATIVO: TENSIONES PARA LA CONSTRUCCIÓN DE LA UNIVERSALIDAD EN BRASIL

EL SUS ANTE LA DUALIDAD DEL SISTEMA DE SALUD EN UN CONTEXTO FEDERATIVO: TENSIONES PARA LA CONSTRUCCIÓN DE LA UNIVERSALIDAD EN BRASIL Seminario internacional El establecimiento y la renovación de pactos sociales para una protección social más inclusiva: experiencias, retos y horizontes en América Latina, desde una perspectiva internacional

Leia mais

POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA PPNFES

POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA PPNFES SECRETARIA NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA MTE/SENAES FÓRUM BRASILEIRO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO/EDUCAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM

Leia mais

A Importância do Planejamento na construção do SUS. Carmen Teixeira

A Importância do Planejamento na construção do SUS. Carmen Teixeira A Importância do Planejamento na construção do SUS Carmen Teixeira A importância do planejamento O planejamento está voltando à moda, depois de mais de uma década de predomínio do ideologismo neoliberal

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Ampliação da cobertura e qualidade dos serviços de saúde, com o aprimoramento

Leia mais

ANÁLISE DO SISTEMA DE REGULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE HIDROLÂNDIA/GO. Palavras-chave: Sistema de Regulação. Descentralização, Regionalização e Referência.

ANÁLISE DO SISTEMA DE REGULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE HIDROLÂNDIA/GO. Palavras-chave: Sistema de Regulação. Descentralização, Regionalização e Referência. ANÁLISE DO SISTEMA DE REGULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE HIDROLÂNDIA/GO Nara FUKUYA 1 ; Ana Elisa Bauer Camargo SILVA 2 1,2 Universidade Federal de Goiás, Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação, Núcleo de Estudo

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI Seminário Metas do Plano e dos Sistemas Municipal, Estadual e Nacional de Cultura Vitória-ES 05/Dez/2011 Secretaria de Articulação Institucional SAI A Construção

Leia mais

Conselho Municipal de Saúde de Belo Horizonte. Minas Gerais / Brasil

Conselho Municipal de Saúde de Belo Horizonte. Minas Gerais / Brasil Conselho Municipal de Saúde de Belo Horizonte Minas Gerais / Brasil Belo Horizonte População: 2.375.329 (est. 2005) Prefeito: Fernando Damata Pimentel Saúde 140 Centros de Saúde 7 Unidades de Pronto Atendimento

Leia mais

O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios

O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios Colegiado de Secretários Municipais de Saúde do Estado de PE COSEMS-PE O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios 2º Congresso Pernambucano de Municípios - AMUPE Gessyanne Vale Paulino Saúde Direito de todos

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EIXO 1 Processo Histórico da Participação Popular no País: nossa cidade e territórios em movimento; Trajetória e

Leia mais

O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana

O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana Hannah Arendt na obra A condição Humana trata especificamente da questão do público e do privado. 1) Designa três condições/atividades humanas fundamentais:

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE ECONOMIA DA SAÚDE, INVESTIMENTOS E DESENVOLVIMENTO INFORME CIT

SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE ECONOMIA DA SAÚDE, INVESTIMENTOS E DESENVOLVIMENTO INFORME CIT SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE ECONOMIA DA SAÚDE, INVESTIMENTOS E DESENVOLVIMENTO INFORME CIT PROJETO DE FORMAÇÃO E MELHORIA DA QUALIDADE DA REDE DE SAÚDE QUALISUS-REDE O Projeto de Formação e Melhoria

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CAPÍTULO I DA FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CAPÍTULO I DA FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 o O Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil, constituído em 1994,

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011.

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

Saúde pública de qualidade para cuidar bem das pessoas: direito do povo brasileiro

Saúde pública de qualidade para cuidar bem das pessoas: direito do povo brasileiro Saúde pública de qualidade para cuidar bem das pessoas: direito do povo brasileiro Objetivos da 15ª. Reafirmar, impulsionar e efetivar os princípios e diretrizes do SUS- saúde como DH Mobilizar e estabelecer

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte.

É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. 2003. Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Série B. Textos Básicos de Saúde MS Série Políticas de Saúde Tiragem: 10.000 exemplares Elaboração,

Leia mais

Organização do Sistema Único de Saúde Organization of the Health System in Brazil

Organização do Sistema Único de Saúde Organization of the Health System in Brazil Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa inistério da Saúde Organização do Sistema Único de Saúde Organization of the Health System in Brazil Brasília, março de 2014 Saúde Direito de todos e dever

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são:

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são: 24/2010 1. Identificação do Contratante Nº termo de referência: TdR nº 24/2010 Plano de aquisições: Linha 173 Título: consultor para desenvolvimento e venda de produtos e serviços Convênio: ATN/ME-10541-BR

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 51 Pagamento da participação da patrocinadora

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

Programa Saúde da Família - PSF

Programa Saúde da Família - PSF COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS À FEDERAÇÃO - CCONF GERÊNCIA DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE GESTÃO FISCAL - GENOP Programa Saúde da Família - PSF REUNIÃO DO GRUPOS TÉCNICOS DE PADRONIZAÇÃO

Leia mais

O papel do controle social nas políticas públicas para idosos no Brasil

O papel do controle social nas políticas públicas para idosos no Brasil 15 O papel do controle social nas políticas públicas para idosos no Brasil Amarilis Maria Muscari Riani Costa Magali das Graças Machado Rafael de Oliveira Tavares Ruth Gelehrter da Costa Lopes Introdução

Leia mais

Núcleo de Apoio à Saúde da Família NASF. Perguntas mais frequentes

Núcleo de Apoio à Saúde da Família NASF. Perguntas mais frequentes Núcleo de Apoio à Saúde da Família NASF Perguntas mais frequentes 1. O QUE É O NASF? 2. QUAIS PROFISSIONAIS PODEM COMPOR UM NASF? 3. COMO É DEFINIDA A COMPOSIÇÃO DAS EQUIPES NASF NOS MUNICÍPIOS? 4. COMO

Leia mais

A ATENÇÃO EM SAÚDE BUCAL E OS NOVOS MODELOS DE GESTÃO

A ATENÇÃO EM SAÚDE BUCAL E OS NOVOS MODELOS DE GESTÃO A ATENÇÃO EM SAÚDE BUCAL E OS NOVOS MODELOS DE GESTÃO Christian Mendez Alcantara UFPR GESTÃO EM SAÚDE PÚBLICA Sistema Único de Saúde (SUS) Gestão tripartite: União, Estados, DF, Municípios Constituição

Leia mais

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação institucional na proteção dos direitos sociais B rasília-d F Nova Lei de Certificação e Acompanhamento Finalístico das Entidades ü A Constituição Federal

Leia mais

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS COAP 06/13 ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS 1.0 O que é o Contrato Organizativo da Ação Pública - COAP? O COAP é um acordo de colaboração firmado entre os três entes federativos, no âmbito de uma Região de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012.

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012. PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012. Cria a Central de Atendimento Telefônico ao Idoso e Portador de Necessidades Especiais, no âmbito do Estado de Goiás. A Assembléia Legislativa do Estado de Goiás, nos

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.346, DE 15 DE SETEMBRO DE 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN com vistas em assegurar

Leia mais

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 Região de Saúde [...] espaço geográfico contínuo constituído por agrupamentos de Municípios limítrofes, delimitado a partir de identidades

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

Matérias selecionadas do DOU de 05 de novembro de2007

Matérias selecionadas do DOU de 05 de novembro de2007 Conteúdo: SEÇÃO 1...2 PORTARIA No- 2.831, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...2 PORTARIA No- 2.834, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...4 PORTARIA No- 2.835, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...5 PORTARIA Nº 600, DE 1o- DE

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MATO GROSSO DO SUL: A RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA NACIONAL E O SISTEMA ESTADUAL

AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MATO GROSSO DO SUL: A RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA NACIONAL E O SISTEMA ESTADUAL AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MATO GROSSO DO SUL: A RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA NACIONAL E O SISTEMA ESTADUAL Resumo Marianne Pereira Souza - UFGD marianne-souza@hotmail.com Giselle Cristina Martins Real

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE EXPERIÊNCIA EXITOSA EM:

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE EXPERIÊNCIA EXITOSA EM: PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE EXPERIÊNCIA EXITOSA EM: AMPLIAÇÃO E DESCENTRALIZAÇÃO DA CENTRAL DE MARCAÇÃO DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS DE JOÃO PESSOA/PB: UMA

Leia mais