PARÂMETROS FÍSICOS E ANTROPOMÉTRICOS DE INDIVÍDUOS ADULTOS, ATIVOS E SEDENTÁRIOS, CONSUMINDO CAFÉ CAFEINADO E DESCAFEINADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARÂMETROS FÍSICOS E ANTROPOMÉTRICOS DE INDIVÍDUOS ADULTOS, ATIVOS E SEDENTÁRIOS, CONSUMINDO CAFÉ CAFEINADO E DESCAFEINADO"

Transcrição

1 PARÂMETROS FÍSICOS E ANTROPOMÉTRICOS DE INDIVÍDUOS ADULTOS, ATIVOS E SEDENTÁRIOS, CONSUMINDO CAFÉ CAFEINADO E DESCAFEINADO Roseane M.E. Oliveira 2, Sara M. Chalfoun 3, Carlos J. Pimenta 4, Maria Emilia S.G. Pimenta 4, Mirelle C. Mendonça 5, Cinthia R. Parreira 6, Odilon T. Leite 7 1 Trabalho financiado pelo Consórcio Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento do Café CBP&D/Café 2 Bolsista, M.Sc., CBP&D/Café, EPAMIG Lavras-MG, 3 Pesquisadora, D.Sc., EPAMIG- Lavras-MG, 4 Professor Adjunto, D.Sc., UFLA-Lavras-MG, 5 Consultora, Bs., Pós graduanda em Fisioterapia Cardiológica, 6 Mestre em Ciência dos Alimentos /UFLA, 7 Consultor, Bs., CLINICORDIS Lavras /MG, RESUMO: O café contém uma grande variedade de macro e micronutrientes e é uma das bebidas mais populares do mundo e acredita-se que a cafeína pode agir diretamente sobre o músculo, potencializando sua capacidade de realizar exercícios físicos de alta intensidade e curta duração. Além da cafeína, o café contém uma série de outras substâncias, como polímeros fenólicos, ácidos clorogênicos, lipídeos, terpenos que em associação possuem diferentes efeitos biológicos, como ação antioxidante, antimutagênica, antibiótica, antihipercolesterolêmica e antihipertensiva. Dessa forma, nesta pesquisa, objetivou-se estudar os efeitos do consumo de café (cafeinado e descafeinado), sobre a medida da circunferência abdominal e índice de massa corporal (IMC), e através do teste ergométrico: duração da prova, pressão arterial sistólica e diastólica, freqüência cardíaca, volume de oxigênio consumido por minuto (VO2) e os níveis de equivalente metabólico (MET) e duplo produto (DP). Para tanto, foram envolvidos 48 indivíduos, saudáveis, ativos e sedentários os quais foram separados em grupos de acordo com as faixas etárias, e anos, em ativos e sedentários e tipo de consumo da bebida cafeinada ou descafeinada. Após a formação dos grupos esses foram orientados sobre a forma de preparar a bebida do café e a quantidade a ser consumida ao dia por um período de seis meses. Os testes ergométricos, foram realizados no início e após os seis meses de dieta. Os indivíduos após os seis meses, apresentaram melhor desempenho no teste ergométrico, aumentando significativamente à distância percorrida em milhas (0,559 p/ 612,13), e níveis de equivalente metabólicos- MET (14,13 p/ 15,44 METs), para os indivíduos da faixa etária superior de (40 a 50 anos) e para os individuos que consumiram o café descafeinado (0,552 p/ 0,653 milhas e 14,13 p/ 15,42 METs), Adicionalmente a freqüência cardíaca, para essa faixa etária manteve inalterada, indicando um aumento na resistência e consequentemente uma melhor qualidade de vida. Palavra chaves: café, teste ergométrico, bioensaio PHYSICAL AND ANTROPOMETRIC PARAMETERS OF ACTIVE AND SEDENTARY ADULT INDIVIDUALS, CONSUMING CAFFEINATED AND DECAFFEINATED COFFEE. ABSTRACT: Coffee contains a great variety of macro and micronutrients, is one of the most popular beverage in the world ant it is believed that caffeine can directly act about muscle, potencializing its capacity of realize high density and slow duration physical exercises. Besides of caffeine, coffee contains several substances like phenolic polymers, chlorogenic acids, lipids, terpenes that in association have different biological effects, like antioxidantive, antimutagenic, antibiotic, anthihipercolesteloremic and antihypertensive action.this way, in this research one aimed to study the effects of coffee consumption (caffeinated and decaffeinated), about the abdominal circunference measure and corporal mass index and through the ergometric test: time maximum effort duration, blood pressure, systolic and diastolic, heart frequency, oxygen volume consumed by minute, levels of metabolic equivalent and double product. Therefore it was involved, 48 healthy individuals, actives and sedentary which were separated in groups according to age rates from 20 to 29, 30 to 39 and, 40 to 50 years old in active and sedentary ones, and kinds of consumption of the caffeinated and decaffeinated beverage. After forming the groups, these ones were directed about the way of preparing the coffee beverage and the amount to be consumed by day for a period of six months. The ergometric tests were accomplished at the beginning and after six months of diet. The individuals, after six months, presented better performance in the ergometric test, increasing significantly the travelled distance in miles (0,559 by 612,13), an levels of metabolic equivalent MET (14,13 by 15,44 MET s), in individuals in the superior age rate (40 to 50 years old) and to individuals that consumed decaffeinated coffee (0,552 to 0,653 miles and 14,13 by 15,42 MET s): The heart frequency to this age rate didn t change, indicating a increase in resistance and consequently resulting in a better life quality.

2 Key words: coffee, ergometric test, bioassay INTRODUÇÃO Nas regiões em desenvolvimento, à medida que suas economias se industrializam, as doenças crônicodegenerativas, como diabetes mellitus, hipertensão arterial e aterosclerose, tornam-se prevalentes, principalmente por causa da adoção de estilo de vida ocidentalizado, caracterizado por maiores índices de sedentarismo, acompanhado de dietas com mais gordura e menos fibra (Nobre, et al.2005). Os exercícios físicos, mesmo que em graus moderados, têm efeito protetor contra a doença arterial coronariana e uma série de outros benefícios: elevação do colesterol HDL, redução de cifras na hipertensão arterial sistêmica e auxílio na baixa do peso corporal (Gus et al. 2002). A presença da gordura abdominal localizada pode ser um determinante de risco cardiovascular mais importante que a própria obesidade. Existem várias pesquisas que apontam o café como benéfico para a saúde humana agindo como um estimulador para várias partes do organismo. Além da cafeína, o café contém uma série de outras substâncias, como polímeros fenólicos, ácidos clorogênicos, lipídeos, terpenos que em associação possuem diferentes efeitos biológicos, como ação antioxidante, antimutagênica, antibiótica, antihipercolesterolêmica e antihipertensiva. Robertson et al.(1984), estudando a administração prolongada da cafeína, 250mg/dia em pacientes hipertensos, não observou associação com a elevação significativa na pressão sanguínea, com os níveis de catecolamina do plasma, ou com a atividade da renina no plasma nesses pacientes. Segundo Woodward e Tunstall (1999), O consumo de café (5 xícaras por dia), reduziu a doença arterial coronária, embora, os mecanismos responsáveis por este efeito ainda não são conhecidos. Kleemola et al. (2000), constataram que ataques cardíacos fatais foram mais comuns em pessoas não consumidoras de café, do que aqueles que consumiram 5 ou 6 xícaras de café por dia. Neste sentido, o presente trabalho teve como objetivo estudar os efeitos do consumo de café, cafeinado e descafeinado, sobre a saúde de voluntários adultos, ativos e sedentários avaliando de parâmetros antropométricos e testes ergométricos. MATERIAL E MÉTODOS Após aprovação do projeto pela Comissão de Ética de Pesquisa em Seres Humanos do Centro Universitário de Lavras, a presente pesquisa foi desenvolvida com 48 indivíduos adultos saudáveis, sedentários e ativos de ambos os sexos, na faixa etária de 20 a 50 anos da cidade de Lavras - MG. Foram realizadas palestras aos voluntários para a apresentação do projeto de pesquisa, visando abordar os benefícios do consumo do café para a saúde. Posteriormente foi preenchido um formulário de anamnese, em seguida selecionou-se os indivíduos. Já cadastrados foram mobilizados para realização das avaliações antropométricas e realização do teste ergométrico sob a orientação do médico cardiologista responsável. Para realização do exame foi coletado dados de cada voluntário contendo: identificação do paciente e dos exames, incluindo nome, sexo, idade, dados antropométricos, data e horário de realização; características clínicas do paciente, incluindo principais dados da anamnese e exame físicos pertinentes e medicação em uso. Utilizou-se o Protocolo de Ellestad, com inclinação constante até o 4º estágio, sendo o incremento por estágio de 3 METs, sendo o exame interrompido quando o paciente apresentou cansaço físico intenso e freqüência cardíaca submáxima atingida, aumento acentuado da Pressão Arterial Sistólica (PAS) e ausência de efeitos vasodilatador em relação à Pressão Arterial Diastólica (PAD) (Chaitman 2005). O agrupamento final dos voluntários em grupo classificados em Ativos e Sedentários foi efetuado com o parecer do médico cardiologista, após a realização do Teste de esforço máximo. Os blocos foram separados por faixa etária e atividade física (ativo ou sedentário) e consumo de café filtrado, cafeinado ou descafeinado (3 a 4 xícaras de 100 ml café/dia, por um período de seis meses). Os blocos foram separados por faixa etária e atividade física (ativo ou sedentário) e consumo de café filtrado, cafeinado ou descafeinado (3 a 4 xícaras de 100 ml café/dia, por um período de seis meses). O café utilizado foi da espécie Coffea arábica, coletados de um mesmo lote na Fazenda Ponte do Funil, situada à margem do Lago do Funil, no município de Perdões-MG e processado na torrefadora da Escola Agrotêcnica de Machado, obtendo torra clara ideal para consumo. A amostra utilizada foi do tipo exportação, grãos cerejas descascados e de processo de preparo natural obtendo-se um café classificado como de bebida mole (Chalfoun, 2008) e o café descafeinado foi o da marca comercial Mellitta, sendo todo o produto também de um mesmo lote. O experimento foi conduzido segundo um delineamento inteiramente casualizados com quatro repetições. Os tratamentos de parcela estavam arranjados em um esquema fatorial 3x2x2 (3 faixas etárias, 2 situações de atividades e 2 tipos de café) e subdivididos no tempo (início do tratamento e seis meses após), perfazendo um total de 48 voluntários. As faixas etárias, que constituíram os blocos foram: faixa etária jovem (); intermediária () e superior ( anos). Sendo que 24 voluntários passaram a ingerir café com cafeína e os outros 24 passaram ingerir café descafeinado, os mesmos foram orientados a consumir de três a quatro xícaras de café (100mL/dia) por um período de seis meses, além de serem alertados quanto ao consumo de outros alimentos com cafeína, visando assegurar maior precisão ao experimento. O período de duração da pesquisa foi de seis meses e ao final do estudo, foram realizados novamente as avaliações antropométricas e os testes ergométricos, para verificar possíveis variações no parâmetro estudado. Após coleta de todos os

3 dados, os mesmos foram submetidos à análise estatística através do teste Scott-Knott e teste t de Student ao nível de 5% de probabilidade, utilizando o programa SISVAR. RESULTADOS E DISCUSSÃO Com relação a medida da circunferência abdominal (CA) e no índice de massa corporal (IMC) observou-se que não houve diferença significativa para os fatores: faixa etária, nível de atividade física, tipo de café e etapa e interação entre os mesmos (P>0,005). A média geral encontrada para CA, foi de 84,22, que considerado normal de acordo com os valores de referência que para mulheres até 88 centímetros e para homens até 100 centímetros, acima desses valores, o risco de sofrer enfermidades é maior (National Institute of Health, 2001). O valor médio encontrado do IMC, foi de 25,58, isso significa que os indivíduos se encontravam acima do peso (sobrepeso) que fica entre 25,0 e 29,9 de acordo com os valores de referências (Coutinho, et al. 1991). Esses resultados não corroboram com Costa (2004), que em seu estudo, verificou que o consumo de café e a realização de exercícios apresentaram redução de peso, redução do índice de massa corporal (IMC) e da circunferência abdominal. Pelos resultados dos fatores avaliados, referente à duração da prova em segundos que avalia a capacidade funcional do indivíduo, houve diferenças significativas (P<0,01) para o fator isolado atividade física, os indivíduos ativos apresentaram maior desempenho na duração da prova (668,19 ) em relação aos indivíduos sedentários (531,92 ). Observa-se, na Tabela 1, que os indivíduos da faixa etária superior (40 e 50 anos), antes do início do consumo de café, apresentaram menor desempenho do que os demais. Já após os seis meses de consumo os indivíduos da faixa intermediária (30-39 anos), foram os que apresentaram menor desempenho na duração da prova (579,13 ). Nota-se também que os indivíduos da faixa etária superior foram os únicos que tiveram aumento significativo no desempenho (P<0,01), após o consumo regular do café. Tabela 1 Valores médios da Duração da Prova em segundos, segundo a etapa x faixa etária. (anos) 2 Antes Etapa 1 Depois 610,06 ba 644,50 ba 589,13 ba 579,13 aa 557,38 aa 620,13 bb Erro Padrão 31,71 Médias seguidas de mesma letra minúscula na coluna e maiúscula na linha, não diferem entre si pelo teste t de Student (1) e pelo teste de Scott-Knott (2) com um nível nominal de significância de 5%. Na Tabelas 2 estão apresentados os valores médios da freqüência cardíaca, segundo a faixa etária, atividade física e tipo de café consumido pelos indivíduos antes e após seis meses do experimento. houve diferenças significativas (P<0,05) para a interação: etapa x faixa etária x tipo de café. Os indivíduos da faixa etária intermediária (30-39 anos), que consumiram café cafeinado, apresentaram uma redução significativa na frequência cardíaca, após seis meses de consumo. Já, para as demais faixas etárias, não houve significância (P>0,05). Em relação aos indivíduos que consumiram o café descafeinado, não houve diferença independente da faixa etária. O valor médio encontrado da Frequência Cardíaca Final foi de 176,26 bpm, o que é considerado normal, na realização do teste ergométrico (Chaitman 2006). Tabela 2 Valores médios da Frequência Cardíaca Final, em bpm, segundo a Etapa, faixa etária e tipo de café consumido pelos indivíduos durante seis meses. (anos) 1 Cafeinado Tipo de Café 2 Descafeinado Antes Depois Antes Depois 174,38 aa 177,38 aa 186,50 aa 182,63 aa 190,13 bb 171,75 aa 182,13 aa 180,13 aa 167,13 aa 166,38 aa 170,13 aa 166,50aA Erro Padrão 5,53 Médias seguidas de mesma letra minúscula na coluna e maiúscula na linha para cada tipo de café, não diferem entre si pelo teste de Scott-Knott (1) e pelo teste t de Student(2) com um nível nominal de significância de 5%.

4 Observa-se, na Tabela 3, que houve efeito significativo (P<0,05) para a interação etapa x faixa. Os indivíduos da faixa etária superior ( anos) apresentaram um aumento nos níveis de VO2 (49,13 para 54,50 ml/kg min), após os seis meses de consumo, para as demais faixas etárias não houve diferença significativa. Observa-se, também, que os indivíduos da faixa etária intermediária apresentaram após seis meses menor nível de VO2 em relação aos demais. Tabela 3 Valores médios da VO2 Final, em ml/kg min, segundo a etapa e faixa etária. (anos) 1 Etapa 2 Antes Depois 54,63 aa 57,19 ba 53,50 aa 50,81 aa 49,13 aa 54,50 bb Erro Padrão 2,93 Médias seguidas de mesma letra minúscula na coluna e maiúscula na linha, não diferem entre si pelo teste de Scot knott (1) e pelo teste t de Student(2) com um nível nominal de significância de 5%. Nas Tabelas 4 está apresentado os valores médios de MET, segundo a faixa etária e tipo de café consumido pelos indivíduos antes e após seis meses do experimento. Observou-se que houve interação significativa (P<0,05) para os fatores etapa x faixa etária. Os indivíduos da faixa intermediária (30-39 anos) após seis meses de dieta apresentaram menor nível de MET, em relação aos demais. Observa-se também que houve diferença significativa (P<0,05) antes e depois após o consumo do café nos nível de MET apenas para a faixa etária superior (40-50anos). Tabela 4 Valores médios da MET Final (ml/kg min), segundo a faixa etária e etapa (anos) 1 Etapa 2 Antes Depois 15,38 ba 16,13 ba 15,06 ba 14,25 aa 14,13 aa 15,44 bb Erro Padrão 0,82 Médias seguidas de mesma letra minúscula na coluna e maiúscula na linha, não diferem entre si pelo teste de Scot knott (1) e pelo teste t de Student(2) com um nível nominal de significância de 5%. Nas Tabelas 5 está apresentado os valores médios da Pressão Arterial Sistólica (PAS) final/bpm, segundo a faixa etária, atividade física e tipo de café consumido pelos indivíduos antes e após seis meses do experimento, observa-se que houve diferenças significativas para a interação etapa x faixa etária x café. Os indivíduos da faixa etária superior (40-50 anos), que consumiram café cafeinado, apresentaram redução significativa da PAS, após os seis meses do consumo de café, já os indivíduos dessa mesma faixa etária que consumiram o café descafeinado, tiveram um aumento significativo na PAS, comprovando mais uma vez que não foi a cafeína o elemento responsável por essa elevação, conforme relatado anteriormente em outros testes. Observa-se também que os indivíduos da faixa mais jovem que consumiram café cafeinado apresentaram menor valor na PAS. O valor médio encontrado na PAS final 179/bpm o que é considerado normal na realização do teste ergométrico (Chaitman 2005). Tabela5 Valores médios da Pressão Arterial Sistólica (PAS), em mmhg, segundo a faixa etária, atividade física e tipo de café consumido pelos indivíduos durante seis meses. (anos) 1 Tipo de café 2 Café Cafeinado Café Descafeinado Antes Depois Antes Depois 168,75 aa 169,38 a A 175,63 aa 164,38 aa 188,75 ba 192,50 ba 168,38 aa 175,88 aa 195,63 bb 175,75 aa 179,38 aa 193,63 bb Erro Padrão 10,35

5 Médias seguidas de mesma letra minúscula na coluna e maiúscula na linha, para cada tipo de café não diferem entre si pelo teste de Scot knott (1) e pelo teste t de Student (2) com um nível nominal de significância de 5%. Pelos resultados dos fatores avaliadas, referente à Pressão Arterial Diastólica (PAD).Não houve diferenças significativas para o fator etapa, permanecendo estável após os seis meses de dieta. Verifica-se, na Tabela 6, que houve diferenças significativas (P<0,01) para a interação etapa x faixa etária x tipo de café. Os indivíduos da faixa etária mais jovem que consumiram café cafeinado apresentaram menor DP, em relação aos demais. Observa-se também que os indivíduos que consumiram café cafeinado não apresentaram alterações significativas no valor de DP após os seis meses de dieta. Para aqueles que consumiram o café descafeinado, houve redução de DP somente para os indivíduos da faixa jovem. O valor médio encontrado do DP foi de 31067,89/bpm mmhg, de acordo com os valores de referência, valores acima de dificilmente estão associados à disfunção ventricular (Chaitman, 2006). Tabela 6 - Valores médios do Duplo Produto (DP), segundo a interação etapa, faixa etária e tipo de café consumido pelos indivíduos durante seis meses. Tipo de Café 2 (Anos) Cafeinado Descafeinado Antes Depois Antes Depois 28395,63 aa 29463,75 aa 32638,13 bb 29228,13 aa 33693,75 ba 33462,50 ba 28700,00 aa 29885,50 aa 32166,88 ba 30876,88 aa 30342,50 aa 32949,00 ba Erro Padrão 1768,16 Médias seguidas de mesma letra minúscula na coluna e maiúscula na linha para cada tipo de café, não diferem entre si pelo teste de Scott Knott (1) e teste t de Student (2) com um nível nominal de significância de 5%. Os indivíduos participantes da presente pesquisa, não apresentaram qualquer sintomatologia durante o exame de teste máximo, sendo este interrompido devido ao cansaço físico. Comparando os resultados do início da pesquisa e após os seis meses de consumo do café cafeinado e descafeinado, nota-se que os indivíduos na faixa etária superior ( anos) que consumiram a bebida café, após os seis meses, apresentaram melhor desempenho no teste ergométrico, aumentando significativamente o tempo de permanência na esteira (557,38 p/ 620,13 segundos), distância percorrida (0,559 p/ 612,13 milhas), e nos níveis de equivalente metabólicos (14,13 p/ 15,44 METs), as demais faixas etárias não apresentaram aumento significativo para esses fatores. Em relação à frequência cardíaca, os indivíduos da faixa etária intermediária ( anos), que consumiram o café cafeinado, tiveram uma redução significativa após os seis meses de consumo da bebida (190,13 p/ 171,75 bpm), as demais faixas etárias mantiveram inalteradas. Portanto, vale ressaltar que com o aumento da distância percorrida, e também o aumento nos níveis de equivalente metabólicos (MET) e a frequência cardíaca permanecendo inalterada para faixa superior ( anos). Isso indica uma melhoria no condicionamento físico desses indivíduos e, consequentemente, uma melhor qualidade de vida. Braga & Alves (2000) relatam que a ação da cafeína ocorre principalmente em razão do aumento na liberação das catecolaminas, ao aumento da concentração de ácidos graxos livres (AGL) no plasma e sua consequente oxidação, resultando em uma economia do glicogênio muscular, aumento nas concentrações de K+, no meio intracelular. Mas a cafeína não exerce efeitos ergogênicos quando utilizada por consumidores habituais da mesma (200mg/dia). Com relação à frequência cardíaca, Roza (2006) relata que quando consumida em baixas dosagens (2mg/ kg), a cafeína provoca aumento da frequência cardíaca, aumento no metabolismo e diurese. Esses resultados diferem dos obtidos na presente pesquisa, uma vez que a cafeína não promoveu aumento da frequência cardíaca. Pelos resultados da pressão arterial (PAS), obtidos no presente trabalho, observou-se que houve redução apenas para os indivíduos da faixa etária de anos, quando do consumo do café cafeinado e alteração com o consumo do descafeinado. Também Bonita et al. (2007), verificaram que a bebida café reduziu a pressão artérial sistólica (PAS) e a diastólica (PAD), em indivíduos na faixa etária de 25 a 64 anos, porém relataram que não foi à cafeína responsável para tal redução uma vez que, em seus estudos os indivíduos que consumiram o café descafeinado também tiveram redução significativa da pressão arterial. Já Back & Grobbee (1991), avaliando o efeito da cafeína sobre a pressão arterial e o colesterol sérico e as lipoproteínas, não verificaram diferenças significativas entre os individuos que consumiram café cafeinado e descafeinado. Mas, de acordo com Nurminen et al.(1999) e Tanaka et al.(1998), existem muitos estudos epidemiológicos a respeito dos efeitos da bebida do café, indicando que o café torrado não afeta a pressão sanguínea em indivíduos hipertensos.

6 CONCLUSÕES Os indivíduos após os seis meses, apresentaram melhor desempenho no teste ergométrico, aumentando significativamente à distância percorrida em milhas (0,559 p/ 612,13), e níveis de equivalente metabólicos- MET (14,13 p/ 15,44 METs), para os indivíduos da faixa etária superior de ( anos) e para os individuos que consumiram o café descafeinado (0,552 p/ 0,653 milhas e 14,13 p/ 15,42 METs), Adicionalmente a freqüência cardíaca, para essa faixa etária manteve inalterada, indicando um aumento na resistência e consequentemente uma melhor qualidade de vida. AGRADECIMENTOS Ao Consórcio Brasileiro de Pesquisas e Desenvolvimento do Café (CBP&D/ Café), pelo apoio financeiro. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS BONITA, J.S.; MANDARANO, M.; SHUTA, D.; VINSON, J. Coffee and cardiovascular disease: In vitro, cellular, animal, and human studies. Pharmacological Research. n.55, p , 2007 CHAITMAN, B.R. Teste Ergométrico. In: Tratado de doenças cardiovasculares. Ed. Futura. 7 ed Elsevier Pharma. Rio de Janeiro, 2006, P CHALFOUN, S.M. Glossário de termos técnicos utilizados na cafeicultura. Lavras: EPAMIG-CTSM, p. COSTA, R. P. Café e Seus Efeitos na Saúde. Nutrição Saúde Performance. v. 4, n. 22, p , COUTINHO, D.C; LEÃO, M.M; RECINE, E.; SCHIERI, R. Condições da população brasileira: adultos e idosos. Ministério da Saúde, Instituto Nacional de Alimentação e Nutrição, 1991, 40p. GUS, I.; FISCHMANN, A.; MEDINA, C. Prevalência dos fatores de risco da doença arterial coronariana no Estado do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS. Arquivo Brasileiro Cardiologia, Rio de Janeiro, v. 78, n. 5, p , KLEEMOLA, P.; JOUSILAHTI, P.; PIETINEN, P.; VARTIAINEN, E.; TUOMILEHTO, J. Coffee consumption and the risk of coronary heart disease and death. Arch Inter Med. n.160, p , NOBRE, M.R.C.; SANTOS, L.A.dos, FONSECA, V.R.da Epidemiologia do risco cardiovascular associado à atividade Física. In NEGRÃO, C.E.; BARETTO, A.C.P. Cardiologia do exercício. Barueri,SP: Ed. Manoli, p.1-24, ROZA, T.H.da Influência de suplemento da cafeína nos limiares de transição fisiológicas Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC. FLORIANÓPOLIS SC, 2007, 49p. (Monografia de conclusão de curso) WOODWARD, M.; TUNSTALL-PEDOE, H. Coffee and tea consumption in the Scottish Heart Health Study follow up: conflicting relations with coronary risk factors, coronary disease, and all cause mortality. J Epidem Comm Health. n.53, p , 1999.

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI COELHO, J.C; FONTOURA, R.S; PEREIRA, C.A; DOBICZ, A.F; TORRES, A.A.S. Resumo O presente estudo tende em verificar as principais causas

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Ciências da Vida - Nutrição AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Fernanda Cristina Guevara 1 Camila Maria Melo 2 Tatiane Vanessa

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica 106 EFEITOS CARDIORRESPIRATÓRIOS E HEMODINÂMICOS APÓS 12 MESES DE CONDICIONAMENTO FÍSICO EM UM GRUPO DE CARDIOPATAS. EFFECT CARDIO RESPIRATORY AND HEMODYNAMIC AFTER 12 MONTHS OF PHYSICAL CONDITIONING IN

Leia mais

Amamentar: um investimento na qualidade de vida futura. Bernardo Lessa Horta

Amamentar: um investimento na qualidade de vida futura. Bernardo Lessa Horta Amamentar: um investimento na qualidade de vida futura Bernardo Lessa Horta Redução da mortalidade e morbidade por doenças infecciosas Amamentar é um bom investimento no curto prazo Efeitos a curto prazo

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES.

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. Sara Crosatti Barbosa (CNPq-UENP), Antonio Stabelini Neto (ORIENTADOR), e-mail: asneto@uenp.edu.br Universidade Estadual do

Leia mais

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial?

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? Enéas Van Der Maas do Bem Filho 1 Resumo As doenças cardiovasculares são as principais causas de morte

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Randomizado Apresentado por Tatiana Goveia Araujo na reunião

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO MAXIMUM CONSUMPTION OF OXYGEN - A COMPARATIVE ANALYSIS BETWEEN DIRECT AND INDIRECT

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO Michael Jaickson de Jesus Chaves* NOVAFAPI Gilderlene Alves Fernandes** NOVAFAPI INTRODUÇÃO O coração é um

Leia mais

Suco de Laranja diminui o Estresse Oxidativo, Diabetes e o Risco de Doenças Cardiovasculares

Suco de Laranja diminui o Estresse Oxidativo, Diabetes e o Risco de Doenças Cardiovasculares Suco de Laranja diminui o Estresse Oxidativo, Diabetes e o Risco de Doenças Cardiovasculares Ms. Jacqueline Queiroz Silveira Nutricionista e Doutoranda Faculdade de Ciências Farmacêuticas - UNESP Araraquara

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro Trabalho Elaborado por: Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro CORAÇÃO Olá! Eu sou o seu coração, trabalho dia e noite sem parar, sem descanso semanal ou férias.

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE REDES DE ATENÇÃO A SAÚDE DIRETORIA DE REDES ASSISTÊNCIAIS COORDENADORIA DA REDE DE HIPERTENSÃO E DIABETES ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

Leia mais

Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância?

Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância? Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância? por Manuel Neves-e-Castro,M.D. Clinica de Feminologia Holistica Website: http://neves-e-castro.pt Lisboa/Portugal Evento Cientifico Internacional

Leia mais

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Coração saudável Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Qual a importância da doença cardiovascular? Milhões de Mortes* Mortalidade por doenças cardiovasculares em 1990 e 2020 Países desenvolvidos

Leia mais

RELAÇÃO CINTURA-ESTATURA DE UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP.

RELAÇÃO CINTURA-ESTATURA DE UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP. RELAÇÃO CINTURA-ESTATURA DE UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP. Alessandra Santana Valadares Cleverson Alves dos Santos Cristiano Rovella Alecsandro Rosa da Silva

Leia mais

O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl

O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl O colesterol pode ser considerado um tipo de lipídio (gordura) produzido em nosso organismo. Ele está presente em alimentos de origem animal

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

O QUE É COLESTEROL? TIPOS

O QUE É COLESTEROL? TIPOS O QUE É COLESTEROL? O colesterol pode ser considerado um tipo de lipídio (gordura) produzido em nosso organismo. Ele está presente em alimentos de origem animal (carne, leite integral, ovos etc.). Em nosso

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física Marcos Abibi Tavares da Cunha Petrous André Monteiro Cesário RESPOSTAS CARDIOVASCULARES

Leia mais

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Siomara F. M. de Araújo; Dyego F. Facundes; Erika M. Costa; Lauane L. Inês; Raphael Cunha. siomarafma@hotmail.com

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

ALIMENTOS FUNCIONAIS NA REDUÇÃO DOS RISCOS DAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES

ALIMENTOS FUNCIONAIS NA REDUÇÃO DOS RISCOS DAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES ALIMENTOS FUNCIONAIS NA REDUÇÃO DOS RISCOS DAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES SIAN, N.C.; LOURIVAL, N. B. S. RESUMO As doenças cardiovasculares (DCV) são responsáveis por um terço das mortes em todo o mundo.

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Leia mais

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O consumo de dietas vegetarianas tem sido associado a muitos benefícios à saúde, incluindo menores taxas de mortes por doenças cardiovasculares, diabetes

Leia mais

Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar o interesse pela

Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar o interesse pela 10 A Atividade Física e o Controle do Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar

Leia mais

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento 87 Felipe Carlos Spneski Sperotto 1, Fernando João Bispo Brandão 1, Magnun Antonio Penariol

Leia mais

Ômega 3: a gordura aliada do cérebro e do coração

Ômega 3: a gordura aliada do cérebro e do coração Ômega 3: a gordura aliada do cérebro e do coração Estes ácidos graxos também combatem a depressão, o diabetes e a obesidade Arenque é o peixe mais rico em ômega 3. Esses ácidos graxos são chamados de essenciais,

Leia mais

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Nome: WALMAR DE HOLANDA CORREA DE ANDRADE Matrícula: 004905 Sexo: Masculino Data Avaliação Funcional: Idade: 31 anos Professor: Email: EURIMAR

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EFEITO DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SOBRE O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E CIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA EM ADULTOS COM SÍNDROME

Leia mais

A prevalência de fatores de risco para doenças cardiovasculares em estudantes universitários*

A prevalência de fatores de risco para doenças cardiovasculares em estudantes universitários* Rev Bras Clin Med, 2010;8:25-29 ARTIGO ORIGINAL A prevalência de fatores de risco para doenças cardiovasculares em estudantes universitários* Prevalence of risk factors for cardiovascular disease in students

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

EFEITOS DO PROGRAMA DE TREINAMENTO FÍSICO DO NÚCLEO DE APOIO A SAÚDE DA FAMÍLIA NO PACIENTE DIABÉTICO TIPO 2

EFEITOS DO PROGRAMA DE TREINAMENTO FÍSICO DO NÚCLEO DE APOIO A SAÚDE DA FAMÍLIA NO PACIENTE DIABÉTICO TIPO 2 EFEITOS DO PROGRAMA DE TREINAMENTO FÍSICO DO NÚCLEO DE APOIO A SAÚDE DA FAMÍLIA NO PACIENTE DIABÉTICO TIPO 2 VLADIMIR GUEDES DE OLIVEIRA LUIS GUILHERME DA FONSECA Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DE INDICADORES DE SAÚDE CARDIOVASCULAR EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE REABILITAÇÃO CARDÍACA

ACOMPANHAMENTO DE INDICADORES DE SAÚDE CARDIOVASCULAR EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE REABILITAÇÃO CARDÍACA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CLÍNICA MÉDICA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM GERIATRIA ACOMPANHAMENTO DE INDICADORES DE SAÚDE CARDIOVASCULAR

Leia mais

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP (1 a 3 de dezembro de 2010) Objetivos da Pesquisa: 1) Gerais: Conhecer mais profundamente a saúde e condições de trabalho

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDEFPLIC02 CORRELAÇÃO ENTRE OBESIDADE ABDOMINAL IMC E RISCO CARDIOVASCULAR Lizianny Leite Damascena (1), Nelson Pereira Neto (2), Valter Azevedo Pereira (3) Centro de Ciências da Saúde/ Departamento

Leia mais

Anamnese Clínica. Dados pessoais. Geral. Patologias. Nome: Modelo Masculino. Sexo: Masculino. Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida

Anamnese Clínica. Dados pessoais. Geral. Patologias. Nome: Modelo Masculino. Sexo: Masculino. Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida Nome: Modelo Masculino Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida Sexo: Masculino Data da Avaliação: 23/07/2010 Hora: 16:11:09 Anamnese Clínica Dados pessoais Nome: Modelo Masculino Data de Nascimento: 23/12/1977

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

ANÁLISE DOS RISCOS CORONARIANOS ATRAVÉS DO RCQ EM POLICIAIS MILITARES DA CIDADE DE MATIPÓ-MG

ANÁLISE DOS RISCOS CORONARIANOS ATRAVÉS DO RCQ EM POLICIAIS MILITARES DA CIDADE DE MATIPÓ-MG Centro Universitário de Caratinga UNEC Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão Curso de Pós-Graduação em Atividades Motoras para a Promoção da Saúde e Qualidade de Vida HEIDY FRUTUOSO ANÁLISE

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

exercício físico na obesidade e síndrome metabólica

exercício físico na obesidade e síndrome metabólica exercício físico na obesidade e síndrome metabólica CONCEITOS Atividade Física é qualquer movimento corporal produzido pelos músculos esqueléticos que resultam em gasto energético; Exercício é uma atividade

Leia mais

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 TÍTULO: NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E BARREIRAS PARA A ATIVIDADE

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PERFIL LIPÍDICO DE RATOS WISTAR SUBMETIDOS À ALIMENTAÇÃO SUPLEMENTADA COM OVO EM PÓ RANÍSIA PEREIRA 1 ; LUCIANA PEREIRA RIBEIRO 2 ;ÍVINA CATARINA OLIVEIRA GUIMARÃES 3 ; ROSEANE MARIA EVANGELISTA OLIVEIRA

Leia mais

Relação entre o nível de atividade e aptidão física e o desenvolvimento de doenças e agravos não transmissíveis

Relação entre o nível de atividade e aptidão física e o desenvolvimento de doenças e agravos não transmissíveis Relação entre o nível de atividade e aptidão física e o desenvolvimento de doenças e agravos não transmissíveis Relatório do projeto de pesquisa Promoção de modos saudáveis de vida em adultos e idosos

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM PACIENTES DA REDE SUS DA UBS PROGRESSO DA CIDADE DE ERECHIM

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM PACIENTES DA REDE SUS DA UBS PROGRESSO DA CIDADE DE ERECHIM PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM PACIENTES DA REDE SUS DA UBS PROGRESSO DA CIDADE DE ERECHIM PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM PACIENTES

Leia mais

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans GRUPO CONSUMIDOR 1) O que são ácidos graxos trans ou gordura trans? Os ácidos graxos ou gorduras trans são um tipo de gordura formada pelo processo de hidrogenação

Leia mais

ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA ÍRIA CRUZ PIMENTEL

ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA ÍRIA CRUZ PIMENTEL ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA ÍRIA CRUZ PIMENTEL RELAÇÃO DA ETNIA COM A HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PACIENTES RESGISTRADOS NO PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE HIPERTENSOS E DIABÉTICOS

Leia mais

PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO

PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO Mari Uyeda Beatriz Conti RESUMO Muito tem se falado sobre a importância da educação nutricional em instituições de ensino para

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DE TRABALHADORES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO NOROESTE DO PARANÁ - BRASIL

FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DE TRABALHADORES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO NOROESTE DO PARANÁ - BRASIL Vol.16,n.3.,pp.22-26 (Out - Dez 2013) Revista UNINGÁ Review FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DE TRABALHADORES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO NOROESTE DO PARANÁ - BRASIL RISK FACTORS

Leia mais

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória VO2 Máximo Depende do estado funcional do sistema respiratório, cardiovascular e dos músculos esquelé>cos É um indicador do estado de saúde: Baixos níveis de VO2

Leia mais

APLICADO AO EXERCÍCIO

APLICADO AO EXERCÍCIO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DEPARTAMENTO DE HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA LABORATÓRIO DE METABOLISMO DE LIPÍDEOS SISTEMA CARDIORRESPIRATÓRIO APLICADO AO EXERCÍCIO Prof. Dr: Luiz

Leia mais

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR ISBN 978-85-61091-05-7 VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

Leia mais

Coração Saudável! melhor dele?

Coração Saudável! melhor dele? As doenças cardiovasculares (DCV s) - incluem as doenças coronarianas e o acidente vascular cerebral (AVC) também conhecido como derrame afetam pessoas de todas as idades, até mesmo mulheres e crianças.

Leia mais

ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT²

ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT² ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT² ¹ GRADUAÇÃO EM LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA/UFPEL nfeter.esef@ufpel.edu.br

Leia mais

7º Congresso Unidas de

7º Congresso Unidas de 7º Congresso Unidas de Gestão o de Assistência à Saúde Dra. Rozana Ciconelli Centro Paulista de Economia da Saúde Escola Paulista de Medicina A epidemia da obesidade Como as doenças crônicas afetam a gestão

Leia mais

Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E SÔNIA MARIA HOLANDA ALMEIDA ARAÚJO

Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E SÔNIA MARIA HOLANDA ALMEIDA ARAÚJO Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE DOENÇA RENAL CRÔNICA Nome da Liga: LIGA DE PREVENÇÃO DA DOENÇA RENAL Tutores: ELIZABETH DE FRANCESCO DAHER SÔNIA MARIA HOLANDA

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE Ridailda de Oliveira Amaral * RESUMO A atividade física e o exercício foram reconhecidos formalmente como fatores que desempenham um papel essencial no aprimoramento da saúde e

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet MENSURAÇÃO DAS CAPACIDADES ENERGÉTICAS Existe um nível mínimo de energia necessária para manter as funções vitais do organismo no estado

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças FACTORES DE RISCO Factores de risco de doença cardiovascular são condições cuja presença num dado indivíduo aumentam a possibilidade do seu aparecimento. Os mais importantes são o tabaco, a hipertensão

Leia mais

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Os textos são de responsabilidade de seus autores. CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Edson Luis Quintiliano 1 Orientador:

Leia mais

Questionário: Risco de ter diabetes

Questionário: Risco de ter diabetes Questionário: Risco de ter diabetes ATENÇÃO! Este questionário não deve ser aplicado a gestantes e pessoas menores de 18 anos. Preencha o formulário abaixo. Idade: anos Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA

PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA Gisele Escudeiro 1 ; Willian Augusto de Melo 2 RESUMO: A angioplastia

Leia mais

Determinação do Risco Cardiovascular em População de Check-up Espontâneo através do Escore de Framingham

Determinação do Risco Cardiovascular em População de Check-up Espontâneo através do Escore de Framingham Rev Bras Cardiol. 2013;26(5):356-63 Artigo Original 4 Galvão et al. Determinação do Risco Cardiovascular em População de Check-up Espontâneo através do Escore de Framingham Determination of Cardiovascular

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica.

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica. 12. CONEX Pôster / Produto/ Resumo 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTO EXPO&FLOR: ATUAÇÃO

Leia mais

MATERIAL E MÉTODOS RESULTADOS E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

MATERIAL E MÉTODOS RESULTADOS E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS 20 a 24 de outubro de 2008 ANÁLISE DOS FATORES DE RISCO E GASTO ENERGÉTICO EM ADOLESCENTES OBESOS E ESTILO DE VIDA DOS PAIS Juliana Ewelin dos Santos 1 ; Rafaela Pilegi Dada 1 ; Sérgio Roberto Adriano

Leia mais

Objetivo da participação:

Objetivo da participação: Objetivo da participação: Contribuir para facilitar o entendimento da prescrição da intensidade do exercício em pacientes pós IAM em programas de reabilitação. BENEFÍCIOS: Isquemia miocárdica 1- Melhora

Leia mais

ESTADO D O AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MAN AUS GABINETE VEREADOR JUNIOR RIBEIRO

ESTADO D O AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MAN AUS GABINETE VEREADOR JUNIOR RIBEIRO PROJETO DE LEI Nº. 253 / 2014 Dispõe sobre a obrigatoriedade do uso de equipamentos de Ionização de água potável em Unidades de Tratamento de doenças degenerativas da Rede Pública Municipal e de Organizações

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTRODUÇÃO Antonio Quaresma de Melo Neto NOVAFAPI Marcos Maciel Soares e Silva NOVAFAPI Marcelo

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO.

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. MATEUS RIBEIRO SANTANELLI RENAN JÚLIO SILVA CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. Trabalho de Conclusão de

Leia mais

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini Caso Clínico 1 Módulo: DAC Métodos Diagnósticos Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico Costantini Caso 01 IFV, 59 anos, feminino Assintomática Fatores de Risco: história familiar Pressão arterial

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1 PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1 Valéria Baccarin Ianiski 2, Lígia Beatriz Bento Franz 3, Eliane Roseli Winkelmann 4, Juliana Schneider 5. 1 Atividade relacionada ao Projeto de Iniciação

Leia mais

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde Saúde e Desporto Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra Relação do Desporto com a Saúde Dum modo geral aceita-se que o desporto dá saúde Contudo, o desporto também comporta malefícios

Leia mais

COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO.

COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO. COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO. Natália Serra Lovato (PIBIC/CNPq-UEL) e Marcos Doederlein Polito

Leia mais

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan;

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; 1 Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; Janaina Lopes; Eveline Batista Rodrigues; Cristiane

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC RELATÓRIO DOS EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL PELA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC FMABC O Núcleo de Saúde no Esporte da Faculdade de Medicina do ABC FMABC, utilizando as suas

Leia mais

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora Estudo do Controle da HA Hipertensão Arterial e Perfil Farmacológico pacientes cadastrados no PRC Programa Remédio em Casa UBS Jd. Aurora Subprefeitura de Guaianases

Leia mais