Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version"

Transcrição

1 ADESÃO DOS PORTADORES DE PRESSÃO ARTERIAL ELEVADA AO PLANO DE TRATAMENTO PROPOSTO PELA EQUIPE DO PSF ( PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA ) COSTA, Rosana dos Santos RESUMO O presente trabalho tem como objetivo avaliar a incidência da adesão dos hipertensos ao plano de tratamento orientado pela equipe do PSF da cidade de Jatobá do Piauí. Foram entrevistados 30 pacientes escolhidos aleatoriamente do dia 13 de janeiro a 14 de fevereiro de As variáveis utilizadas foram: idade, sexo, grau de escolaridade, estrutura familiar e tratamento indicado para a hipertensão. Pelos dados obtidos, observou-se predominância dos pacientes na faixa etária anos, sexo feminino, baixo nível de escolaridade, estrutura familiar composta por marido, mulher e filhos, uso regular de medicamento anti-hipertensivo, não seguimento das orientações de alteração no estilo de vida e atribuição a si próprio como causa do não cumprimento do plano de tratamento para esta patologia. Palavras chave: tratamento da hipertensão, variáveis, PSF( Programa de Saúde da Família)

2 ABSTRACT Thats work has as objective measure the incidence of the hypertension adhesion to the treatment plan guided by PSF(Program Family Health) grup from Jatobá city in the state of Piauí. 30 patients were interviewed,they were chose aleatory, from January 13 to February 14,2003. The used variables were: age, sex, education degree, structures family and suitable treatment for the hypertension. For the obtained data, the patients predominance was observed in the age group years, sex feminine, low education level, structures relative composed by husband, woman and children, regular use of medicine anti-hipertensive, no following of the alteration orientations in the lifestyle and attribution to itself as cause of the non fulfillment of the treatment plan for this pathology. Keywords: treatment of the hypertension, variables, PSF (Program Family Health )

3 ADESÃO DOS PORTADORES DE PRESSÃO ARTERIAL ELEVADA AO PLANO DE TRATAMENTO PROPOSTO PELA EQUIPE DO PSF ( PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA ) COSTA, Rosana dos Santos 1. INTRODUÇÃO As doenças envolvendo o aparelho cardiovascular são responsáveis pelo maior número de mortes no Brasil, cerca de 27,4%, segundo dados do Ministério da Saúde, sendo considerada para muitos autores como a maior de todas as endemias do século XX ( Brasil, 2001 ). O caráter crônico e incapacitante dessas doenças traz um alto risco social ao país pois, para JUNIOR (1999) a maior parte dos óbitos causados por esta patologia ocorre em idade economicamente ativa ( anos ), e são responsáveis por 40% das aposentadorias pelo Instituto Nacional de Seguridade social ( INSS ) e são responsáveis também por 14% da totalidade de internações na rede do SUS ( Sistema Único de Saúde ). A hipertensão arterial está entre os principais fatores de risco do surgimento e/ou agravamento das doenças cerebrovasculares como infarto agudo do miocárdio ( IAM ), insuficiência cardíaca congestiva ( ICC ), acidente vascular cerebral ( AVC ), edema agudo de pulmão ( EAP ), insuficiência Renal ( IR ), tem uma prevalência estimada em cerca de 20% da população adulta ( maior ou igual a 20 anos),( BRASIL, 2001 ).

4 1.1. Conceito A hipertensão arterial sistêmica é uma doença de alta prevalência e com repercussões significativas na morbimortalidade cardiovascular, caracterizada por níveis de pressão arterial ( PA ) elevados ( JULLIAN, 2000 ). De acordo com o III Concenso Brasileiro de Hipertensão Arterial ( HÁ ) é considerado hipertenso o indivíduo que possuir níveis de pressão arterial igual ou maior de 140/90 mmhg em pelo menos duas aferições realizadas em momentos diferentes, de preferência quando o paciente estiver calmo e em repouso Classificação que segue: O III Concenso Brasileiro de Hipertensão Arterial classifica a HÁ segundo o quadro CLASSIFICAÇÃO DIAGNÓSTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM MAIORES DE 18 ANOS Pressão Arterial Sistólica Pressão Arterial Diastólica Classificação PAS ( mmhg ) PAD mmhg ) <130 < 85 Normal Normal limítrofe Hipertensão leve ( estágio 1 ) Hipertensão moderada ( estágio 2 ) Hipertensão grave ( estágio 3 ) 140 < 90 Hipertensão sistólica

5 Fonte: BRASIL,2001 ( isolada ) No entanto, vale ressaltar que a pressão arterial ideal é a condição em que o indivíduo apresenta o menor risco cardiovascular, PAS < 120 mmhg e PAD < 80 mmhg (NOBRE, 1996). Manter os níveis tensionais dentro de valores considerados normais é de suma importância para uma vida de boa qualidade, afirmação esta que é confirmada por JUNIOR(1999) quando mostra que pessoas com PAD de 105mmHg apresentam risco relativo dez vezes maior para AVC e 5 vezes maior para doença coronariana comparado àqueles com PAD de 76 mmhg. JUNIOR (1999) cita uma pesquisa de Stamler e cols em que correlacionaram o risco de mortalidade de acordo com o nível de PAS e PAD e concluíram que a PAS com menor taxa de óbito estava abaixo de 120mmHg e que o risco de óbito devido a doença coronariana apresentou melhor correlação com a PAS do que com a PAD. Já para o risco de morte secundária por AVC o mesmo estudo mostrou que tanto a PAS quanto a PAD consideradas separadamente influenciam diretamente nesta morbimortalidade. Para este autor pequenas reduções na ordem de 5 6 mmhg para PAD e de 10 12mmHg para a PAS associam-se à diminuição de 38% do risco de AVC e de 16% do risco de doença coronariana. Para JUNIOR(1999) a redução da Pressão Arterial para níveis ao redor 120/75 é útil na prevenção da AVC, na preservação da função renal e na prevenção e redução da velocidade de progressão da ICC Fatores Etiológicos Segundo JULIAN(2000) a causa responsável pela hipertensão pode ser identificada em cerca de 5% dos casos.

6 Este autor define hipertensão primária ou essencial ou idiopática sempre que não for possível identificar um dos fatores causais e hipertensão secundária quando o aumento de pressão pode ser atribuído a um determinado fator. Dentre as causas da hipertensão secundária para o mesmo autor, encontram-se : - as nefropatias, tais como glomerulonefrite, pielonefrite, rim policístico, tumor renal e estenose da artéria renal; - endocrinopatias, como aldosteronismo primário, síndrome de Cushing e feocromocitoma; - coarctação da aorta; - certos medicamentos e alimentos, inclusive contraceptivos orais, ACTH e corticosteróides. No grupo de hipertensão primária ou idiopática já ficou demonstrado que não existe uma única causa e que a hipertensão é devida a ação de numerosos fatores, dentre os quais pode-se citar: - Fatores genéticos a influência dos fatores hereditários é inquestionável. JULIAN (2000) relata que a hipertensão é muito mais freqüente entre os familiares dos pacientes hipertensos do que nas famílias dos indivíduos normotensos. - Fatores alimentares existe uma forte relação entre o excesso de peso e a hipertensão. Nos indivíduos muito obesos, a perda de peso é seguida por queda da Pressão Arterial. JUNIOR (1999) refere que a associação entre obesidade e doença cardiovascular (DCV ) mostra-se mais forte e mais freqüente na presença da obesidade que predomina no abdome e na parte superior do corpo ( obesidade andróide ) que na obesidade em que o excesso de adiposidade se acumula principalmente nas regiões femural e glútea. Este autor cita pesquisa de Hans e cols em que demonstraram que a medida da circunferência de cintura acima de 94 cm no homem ou acima de 80 cm na mulher se associa a uma prevalência dos fatores de risco para DCV 1,5 a 2 vezes quando comparada ao restante da população e que para cada quilograma de peso ganho a PAS eleva-se em média 1mmHg. Ao avaliar a interferência dos fatores alimentares na pressão arterial, JULIAN (2000) relata que a restrição acentuada do consumo de sal exerce ação protetora contra a hipertensão e o elevado consumo de potássio ( K ) parece ser um fator de proteção. Ainda para o autor

7 existem provas sugestivas de que o grande consumo de lípides saturados tende a aumentar a PA e o consumo de grandes quantidades de álcool tem sido identificado como fator de risco para hipertensão, da mesma forma que o tabagismo. Em relação aos efeitos nocivos do tabagismo, muitos deles difundidos pela mídia, JUNIOR ( 1999 ) destaca que a inalação da fumaça dos cigarros provoca efeitos hemodinâmicos relacionados com a ativação do Sistema Nervoso simpático ( SNS ) e, dentre estas manifestações encontram-se : taquicardia, elevação da PA, do débito cardíaco, do consumo de oxigênio pelo miocárdio e vasoconstrição periférica. Para o mesmo autor a relação entre tabagismo e hipertensão arterial ainda não está completamente elucidada e que o consumo de cigarros eleva agudamente a PA e o pulso, e isto se deve, provavelmente, pela elevação das catecolaminas circulantes. - Atividade física a atividade física para JULIAN ( 2000) é um item capaz de reduzir a PA e sugere que a falta de atividade pode desempenhar certo papel na etiologia da hipertensão. JUNIOR (1999) define sedentarismo como o nível de atividade física menor que o necessário para a manutenção de uma boa saúde e mostra em seus estudos que uma pessoa ativa apresenta um risco 36% menor de morte por doença da artéria coronária que indivíduos sedentários, e esse risco será tanto menor quanto maior for a atividade física praticada. Este autor destaca, dentre os efeitos do treinamento físico, o aumento da capacidade de transporte de oxigênio coronariano devido ao aumento do tamanho dos vasos, aumento da capacidade aeróbia da musculatura esquelética e um crescimento da parede ventricular ( hipertrofia excêntrica ) a qual é acompanhada do aumento da contratilidade cardíaca e do volume diastólico final o que provoca um aumento da volume sistólico e, para manter um débito cardíaco eficaz ocorre a redução da freqüência cardíaca, ou seja, o exercício físico torna o coração mais eficiente. - Escolaridade/Sexo/Raça JUNIOR (1999) menciona pesquisa de Duncan realizada em Porto Alegre sobre a prevalência de hipertensão arterial de acordo com o nível de escolaridade a qual mostrou que 29% dos pesquisados eram analfabetos do sexo masculino e 31% analfabetos do sexo feminino e 9% tanto masculino quanto feminino tinham o ensino

8 secundário/superior. A mesma pesquisa realizada por Funchs mostrou que 21,1% da população estudada eram analfabetos contra 7,2% que tinham o ensino superior. Quanto ao sexo os estudos demonstram uma tendência de prevalência mais altas para homens, fato este confirmado por JUNIOR(1999) que cita uma pesquisa de Rose na qual a pesquisadora demonstrou que o risco de eventos cardiovasculares correlacionados à PAS aumenta com a idade e, em cada faixa etária, há um aumento entre o primeiro e o quinto quintil da PAS. O autor continua referindo que a prevalência da hipertensão arterial no Brasil difere de acordo com as regiões geográficas onde a do Nordeste varia de 7,2% a 40,3%; a do Sudeste de 5,04% a 37,9%; a do Sul, de 1,28 a 27,1% e a do Centro Oeste, de 6,3 a 16,75%. Em todos os estudos, notou-se, segundo o autor, elevação da PA com a idade em ambos os sexos e que a prevalência é menor no sexo feminino até a idade de 55 anos, e que após essa idade, ocorre um aumento significativo da hipertensão em mulheres. Os estudos brasileiros que incluíram a análise da raça, detectaram sempre maiores prevalência entre negros, porém com razões de prevalência negros/brancos menores que as encontradas em estudos americanos. As razões negros/brancos nos estudos brasileiros predominaram entre 1,5 e 1,7 ( JUNIOR,1999). Os estudos que incluíram a análise de outros fatores associados à hipertensão mostraram o maior consumo de álcool, ocupações do setor terciário da economia, migração, uso de anticoncepcionais orais e classe social baixa como fatores causais desta patologia Tratamento Um dos principais objetivos no tratamento da hipertensão é incentivar o indivíduo a fazer mudanças no seu estilo de vida pois, segundo dados do Ministério da Saúde o estilo de vida é responsável por 54% do risco de morte por cardiopatia, 50% do risco de morte por AVC e 51% de risco de morte de forma em geral. As orientações iniciais segundo o Ministério da Saúde(2001) deve-se voltar para os cuidados alimentares onde as equipes de saúde devem discutir com o paciente um plano alimentar de acordo com a sua idade, sexo, estado metabólico, situação biológica, atividade

9 física, doenças intercorrentes, hábitos sócio culturais, situação econômica e disponibilidade dos alimentos em sua região. Deve-se incentivar o consumo de fibras alimentares ( frutas, verduras, leguminosas, cereais integrais ), evitar alimentos ricos em gordura saturada e colesterol, reduzir o consumo diário de sal para 6 gr ( o que corresponde a 1 colher de chá rasa), aumentar a ingestão de potássio e evitar frituras em geral. O paciente deve ser orientado a manter o peso adequado e como deve proceder para conseguir isso. As bebidas alcoólicas e o tabagismo devem ser condenados e a atividade física regular deve ser incentivada e acompanhada. Os pacientes que necessitam fazer uso de medicamento anti-hipertensivo devem ser avaliados rigorosamente e a prescrição feita segundo critério médico. Todos os pacientes devem ser acompanhados mensalmente pela equipe de saúde envolvida na sua assistência para que seja diagnosticado e tratado precocemente qualquer fator de risco de agravamento do seu quadro clínico Justificativa A equipe da Programa de Saúde da Família da cidade de Jatobá do Piauí ( PSF ) realiza mensalmente reunião com o grupo de hipertensos da micro-área 01 ( classificação padronizada pelo Ministério da Saúde no que se refere à divisão da área de atuação de uma equipe do PSF ). Nesta oportunidade são realizadas orientações de como eles devem proceder para manter seus níveis de pressão arterial dentro de um valor aceitável. Observa-se, durante a mensuração das pressões, que uma parcela dos pacientes mantém os valores das pressões estáveis e outra apresenta grande oscilação. De acordo com esta observação e imbuidos do desejo de colaborar para o estabelecimento de uma vida com boa qualidade, uma vez que os níveis pressóricos elevados podem causar sérias conseqüências e seqüelas, levando muitas vezes à morte, resolveu-se estudar o motivo dessas oscilações baseadas na adesão dos hipertensos ao plano de tratamento orientado pela equipe de saúde que o assiste.

10 II. PROPOSIÇÃO Esta pesquisa tem o objetivo de avaliar a incidência de adesão dos hipertensos ao plano de tratamento orientado pela equipe do PSF baseado nas seguintes variáveis: 1. idade 2. sexo 3. grau de escolaridade 4. estrutura familiar 5. tratamento indicado para a hipertensão III. MATERIAL E MÉTODO Esta pesquisa foi realizada no município de Jatobá do Piauí, na micro-área 01 da equipe do PSF ( classificação segundo determinação do Ministério da Saúde para implantação do PSF ), no período de 13 de janeiro a 14 de fevereiro de A amostra foi de 30 pacientes escolhidos de forma aleatória dentro de um universo de 65 hipertensos já diagnosticados e que fazem parte do programa de hipertensão acompanhados pela equipe supra-citada. O trabalho seguiu as normas de Vancouver.

11 seguir : Para a coleta de dados foi utilizado um questionário, cujo modelo é apresentado a QUESTIONÁRIO 01- Idade: Sexo: masculino ( ) feminino ( ) 03- Grau de escolaridade: ( ) analfabeto ( ) ensino fundamental incompleto ( ) ensino fundamental completo ( ) ensino médio incompleto ( ) ensino médio completo 04- Estrutura Familiar: ( ) família composta por marido e mulher ( ) família composta por marido, mulher e filhos ( ) família composta apenas pelo homem ( ) família composta apenas pela mulher 05- Qual o tratamento indicado para HA: ( ) medicamentoso ( ) não medicamentoso 06- Se medicamentoso, você toma rigorosamente sua medicação conforme orientado? ( ) Sim ( ) Não

12 07- Você segue as orientações que são dadas em relação a mudanças no seu estilo de vida para o melhor controle de sua pressão arterial ( Ex. atividade física regular, redução do peso, cuidados alimentares, etc. )? ( ) Sim ( ) Não 08- O que você acha que falta para que as orientações recebidas para o tratamento da hipertensão sejam cumpridas de forma satisfatória? IV. RESULTADO E DISCUSSÃO TABELA I Distribuição por número e porcentagem dos casos pesquisados segundo a faixa etária. Faixa Etária Número Porcentagem , , , ,34 80 e mais 05 16,67 TOTAL ,00 Fonte: Pesquisa de campo

13 Percebe-se que 86,08% dos hipertensos pesquisados tem mais de 50 anos de idade, prevalecendo a faixa etária de 70 a 80 anos, o que está de acordo com os dados encontrados na literatura. TABELA II Distribuição por número e porcentagem dos casos pesquisados segundo sexo. Sexo Número Porcentagem Masculino Feminino TOTAL ,00 Fonte: Pesquisa de Campo O Sexo feminino teve uma maior prevalência no grupo estudado. A literatura mostra um maior número de hipertensos do sexo masculino até a idade de mais ou menos 55 anos onde o número de casos entre homens e mulheres se igualam.

14 De acordo com o citado os dados encontrados seguem a literatura por mostrar uma diferença pequena na prevalência de HA segundo o sexo uma vez que, segundo a tabela I, a maioria dos casos apresentam uma idade superior a 50 anos. TABELA III Distribuição por número e porcentagem dos casos pesquisados segundo grau de escolaridade. Grau de escolaridade Número Porcentagem Analfabeto 14 46,67 Ensino Fundamental 16 53,33 Incompleto Ensino Fundamental - - Completo Ens. Médio incompleto - - Ens. Médio completo - - TOTAL ,00 Fonte: Pesquisa de Campo

15 A tabela acima mostra que nenhum dos hipertensos pesquisados concluiu o Ensino Fundamental e 46,67% são analfabetos, fato este que está de acordo com as pesquisas realizadas as quais mostram a ligação entre hipertensão e nível de escolaridade baixo. TABELA IV Distribuição por número e porcentagem dos casos pesquisados segundo a estrutura familiar. Estrutura Familiar Número Porcentagem Família composta por 04 13,33 marido/ mulher Família composta por 23 76,67 marido/ mulher/ filhos Família composta pelo homem Família composta pela - - mulher TOTAL ,00

16 Fonte: Pesquisa de Campo Observa-se que 76,67% dos hipertensos pesquisados possui uma estrutura familiar composta por marido, mulher e filhos e 10% apenas pelo homem. Alguns estudos referem que a família composta só pelo homem, este apresenta uma maior dificuldade, em comparação com a mulher, em cuidar de sua saúde, principalmente no que se relaciona aos cuidados alimentares, e que os filhos podem prejudicar a adesão da família a restrições dietéticas, principalmente se estes forem adolescentes. TABELA V Distribuição por número e porcentagem dos casos pesquisados segundo o tratamento indicado para controle da HA. Tipo de Tratamento Número Porcentagem Medicamentoso 29 96,67 Não medicamentoso 01 3,33 TOTAL ,00 Fonte: Pesquisa de Campo

17 A tabela demonstra que 96,67% dos pacientes pesquisados fazem uso de medicamento anti-hipertensivos. TABELA VI Distribuição por número e porcentagem dos casos estudados segundo a ingestão rigorosa do medicamento para hipertensão, conforme orientado pela equipe do PSF, no grupo que faz tratamento medicamentoso. Uso do medicamento Número Porcentagem corretamente Sim 24 82,80 Não 05 17,20 TOTAL ,00

18 Fonte: Pesquisa de Campo Observa-se que, segundo a tabela, 82,8% dos entrevistados afirmam ingerir regularmente o medicamento prescrito e 17, 20% assumem não ingeri-lo de forma adequada e os motivos relatados informalmente para isto são o esquecimento, falta de dinheiro para adquirir o medicamento quando não disponível na farmácia do Posto de Saúde. TABELA VIII Distribuição por número e porcentagem dos casos pesquisados segundo o cumprimento orientações de alteração no estilo de vida para controle da hipertensão. das Cumprimento das Número Porcentagem Orientações Sim 13 43,34 Não 17 56,66 TOTAL ,00 Fonte: Pesquisa de Campo

19 A tabela mostra que 56,66 % dos pesquisados não seguem de forma satisfatória as orientações de alteração no estilo de vida para controle do quadro hipertensivo. Pelo o pesquisado na literatura percebe-se que é um fato bastante grave uma vez que o sedentarismo, a obesidade, a falta de cuidados alimentares, tabagismo e alcoolismo interferem diretamente nos níveis prenóricos podendo causar grandes danos cardiovasculares. TABELA VIII Distribuição por número e porcentagem dos casos pesquisados segundo a opinião dos pacientes sobre o que falta para que eles sigam as orientações recebidas para controle da hipertensão. Opinião dos Hipertensos Número Porcentagem Não falta nada, eu cumpro todas as orientações Só falta eu cumprir a minha parte 13 43,35 Estou velha e não consigo seguir as orientações 01 3,33 Sou descansado comigo mesmo 01 3,33

20 Falta o grupo se juntar e fazer caminhadas juntos 01 3,33 Sou muito teimoso 01 3,33 Falta eu Ter saúde para seguir as orientações 01 3,33 Fonte: Pesquisa de Campo TOTAL ,00 Os dados acima demonstram que a maioria dos entrevistados atribui o seu próprio comportamento como motivo do não cumprimento das orientações propostas pela equipe do PSF. V. CONCLUSÃO Pelos dados apresentados pode-se concluir que: Faixa Etária: maior prevalências de hipertensos de anos; Sexo: predominância do sexo feminino; Grau de Escolaridade: a maioria possui o ensino médio incompleto; Estrutura Familiar: a grande maioria das famílias são compostas por marido, mulher e filhos; Tipo de Tratamento: a grande maioria dos pesquisados usam medicamento antihipertensivos e a maior parte destes referem ingerí-lo conforme orientação recebida pelo PSF; Cumprimento das Orientações de mudança no estilo de vida para controle da Hipertensão: o número maior de pesquisados referem não seguir todas as orientações recebidas para o controle da PA:

21 Opinião dos hipertensos: a maioria admite que a falha é deles próprios em não seguir as orientações recebidas para o controle de suas pressões arterial. VI. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Brasil. Ministério da Saúde. Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes Mellitus. Manual de hipertensão arterial e diabetes mellitus. Brasília. Editora Ms p 2. JULIAN, Desmond G. Cardiologia. 6ª ed São Paulo: Santos Editora Ltda p. 3. JUNIOR, Décio Mion. Risco Cardiovascular Global. São Paulo: Lemos Editorial p 4. NOBRE, Fernando.et. Al II Concenso Brasileiro para o Tratamento da Hipertensão Arterial. IN: Jornal Brasileiro de Medicina. Nº 06, vol 70, junho de 1996, p 18-46

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora Estudo do Controle da HA Hipertensão Arterial e Perfil Farmacológico pacientes cadastrados no PRC Programa Remédio em Casa UBS Jd. Aurora Subprefeitura de Guaianases

Leia mais

Saiba mais sobre. Hipertensão

Saiba mais sobre. Hipertensão Saiba mais sobre Hipertensão Saiba mais sobre Hipertensão Dr. Marcus Vinícius Bolívar Malachias CRM-MG 16.454 Doutor em Cardiologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, SP. Diretor

Leia mais

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro Trabalho Elaborado por: Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro CORAÇÃO Olá! Eu sou o seu coração, trabalho dia e noite sem parar, sem descanso semanal ou férias.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV)

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV) Doenças Cardiovasculares (DCV) O que são as Doenças Cardiovasculares? De um modo geral, são o conjunto de doenças que afetam o aparelho cardiovascular, designadamente o coração e os vasos sanguíneos. Quais

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ANÁLISE DO RISCO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA EM GRUPO DE TERCEIRA IDADE DUTRA, Janaína Ultado 1 ; SILVA, Luana Aparecida Alves da 2 ; EBERHARDT, Thaís Dresch 3 ; CAVALHEIRI, Jolana Cristina 3 ; SOUZA,

Leia mais

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças FACTORES DE RISCO Factores de risco de doença cardiovascular são condições cuja presença num dado indivíduo aumentam a possibilidade do seu aparecimento. Os mais importantes são o tabaco, a hipertensão

Leia mais

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Autores: Liza Batista Siqueira¹, Paulo César Brandão Veiga Jardim², Maria Virgínia Carvalho³,

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO Universidade Federal do Maranhão - UFMA Hospital Universitário Presidente Dutra - HUPD Liga Acadêmica de Hipertensão Arterial Sistêmica - LAHAS ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO São Luís

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE REDES DE ATENÇÃO A SAÚDE DIRETORIA DE REDES ASSISTÊNCIAIS COORDENADORIA DA REDE DE HIPERTENSÃO E DIABETES ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Ciências da Vida - Nutrição AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Fernanda Cristina Guevara 1 Camila Maria Melo 2 Tatiane Vanessa

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub-Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Gerência do Programa de Hipertensão CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

Hipert r en e são ã A rteri r a i l

Hipert r en e são ã A rteri r a i l Hipertensão Arterial O que é a Pressão Arterial? Coração Bombeia sangue Orgãos do corpo O sangue é levado pelas artérias Fornece oxigénio e nutrientes Quando o sangue é bombeado gera uma pressão nas paredes

Leia mais

Doenças Crônicas. uma nova transição. Paulo A. Lotufo. FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP

Doenças Crônicas. uma nova transição. Paulo A. Lotufo. FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP Doenças Crônicas uma nova transição Paulo A. Lotufo Professor Titular de Clínica Médica FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP esclarecimentos O termo doença crônica pode

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

Cadernos UniFOA. Palavras-chaves: Resumo

Cadernos UniFOA. Palavras-chaves: Resumo 76 Estudo comparativo entre hipertensos que utilizam e os que não utilizam medicamentos fornecidos pelo SUS na unidade de saúde Três Poços Geraldo Assis Cardoso 1 Ana Paula Ferreira Vilarinho 2 Douglas

Leia mais

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Coração saudável Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Qual a importância da doença cardiovascular? Milhões de Mortes* Mortalidade por doenças cardiovasculares em 1990 e 2020 Países desenvolvidos

Leia mais

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO 2 Karina Isabel VIVIAN 3 Marister PICCOLI 4 INTRODUÇÃO:

Leia mais

Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio

Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio A doença arterial coronária (DAC) é a causa mais freqüentes de mortalidade na América do Norte, Europa, Austrália e Nova Zelândia. Desde 1980, no entanto,

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL Que conseqüências a pressão alta pode trazer? O que é hipertensão arterial ou pressão alta?

HIPERTENSÃO ARTERIAL Que conseqüências a pressão alta pode trazer? O que é hipertensão arterial ou pressão alta? HIPERTENSÃO ARTERIAL O que é hipertensão arterial ou pressão alta? A hipertensão arterial ou pressão alta é quando a pressão que o sangue exerce nas paredes das artérias para se movimentar é muito forte,

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL

HIPERTENSÃO ARTERIAL HIPERTENSÃO ARTERIAL O que é hipertensão arterial ou pressão alta? A hipertensão arterial ou pressão alta é quando a pressão que o sangue exerce nas paredes das artérias para se movimentar é muito forte,

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM PACIENTES DA REDE SUS DA UBS PROGRESSO DA CIDADE DE ERECHIM

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM PACIENTES DA REDE SUS DA UBS PROGRESSO DA CIDADE DE ERECHIM PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM PACIENTES DA REDE SUS DA UBS PROGRESSO DA CIDADE DE ERECHIM PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM PACIENTES

Leia mais

História Natural das Doenças e Níveis de Aplicação de Medidas Preventivas

História Natural das Doenças e Níveis de Aplicação de Medidas Preventivas Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia História

Leia mais

Prevenção. Introdução. Passo 1. Tenha uma alimentação saudável. Passo 2. Não fique parado, movimente-se! Passo 3. Livre-se do cigarro

Prevenção. Introdução. Passo 1. Tenha uma alimentação saudável. Passo 2. Não fique parado, movimente-se! Passo 3. Livre-se do cigarro www.cardiol.br Introdução As doenças cardiovasculares (DCV) afetam anualmente, no Brasil, cerca de 17,1 milhões de vidas. Registramos no país mais de 300 mil mortes por ano decorrentes dessas doenças,

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde?

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? DICAS DE SAÚDE 2 Promova a sua saúde. Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? Veja o gráfico : 53% ao estilo de vida 17% a fatores hereditários 20% a condições ambientais 10% à assistência médica

Leia mais

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP (1 a 3 de dezembro de 2010) Objetivos da Pesquisa: 1) Gerais: Conhecer mais profundamente a saúde e condições de trabalho

Leia mais

Epidemiologia DIABETES MELLITUS

Epidemiologia DIABETES MELLITUS Epidemiologia DIABETES MELLITUS 300 milhões / mundo ( 5,9% população adulta) / Brasil : > 10 milhões Aumento progressivo : Longevidade, Síndrome metabólica Mortalidade anual : 3,8 milhões AVC, IAM... Amputação

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC N 50, DE 25 DE SETEMBRO DE 2014. DOU DE 26/09/2014

RESOLUÇÃO-RDC N 50, DE 25 DE SETEMBRO DE 2014. DOU DE 26/09/2014 RESOLUÇÃO-RDC N 50, DE 25 DE SETEMBRO DE 2014. DOU DE 26/09/2014 Dispõe sobre as medidas de controle de comercialização, prescrição e dispensação de medicamentos que contenham as substâncias anfepramona,

Leia mais

Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E SÔNIA MARIA HOLANDA ALMEIDA ARAÚJO

Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E SÔNIA MARIA HOLANDA ALMEIDA ARAÚJO Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE DOENÇA RENAL CRÔNICA Nome da Liga: LIGA DE PREVENÇÃO DA DOENÇA RENAL Tutores: ELIZABETH DE FRANCESCO DAHER SÔNIA MARIA HOLANDA

Leia mais

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Pressão controlada apresentação Chamada popularmente de pressão alta, a hipertensão é grave por dois motivos: não apresenta sintomas, ou seja,

Leia mais

A FUNÇÃO DO EXERCÍCIO FÍSICO NA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM IDOSOS

A FUNÇÃO DO EXERCÍCIO FÍSICO NA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM IDOSOS A FUNÇÃO DO EXERCÍCIO FÍSICO NA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM IDOSOS RESUMO Bianca Teshima de Alencar 1 Giseli Negretti 1, Igor Alves Macedo 1, Santino Seabra Junior 1, Roberval Emerson Pizano 2. 1 Universidade

Leia mais

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL.

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. Paulo Sergio Lemke (Apresentador) 1, Marcos Augusto Moraes Arcoverde (Orientado) 2 Curso de Enfermagem

Leia mais

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com:

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Anexo 2 Recomendação para o tratamento da hipertensão arterial sistêmica Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Sociedade Brasileira de Cardiologia - Departamento

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

Questionário: Risco de ter diabetes

Questionário: Risco de ter diabetes Questionário: Risco de ter diabetes ATENÇÃO! Este questionário não deve ser aplicado a gestantes e pessoas menores de 18 anos. Preencha o formulário abaixo. Idade: anos Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino

Leia mais

ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM CARACTERIZANDO O IDOSO PORTADOR DE HIPERTENSÃO: UM RELATO DE EPXERIÊNCIA

ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM CARACTERIZANDO O IDOSO PORTADOR DE HIPERTENSÃO: UM RELATO DE EPXERIÊNCIA ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM CARACTERIZANDO O IDOSO PORTADOR DE HIPERTENSÃO: UM RELATO DE EPXERIÊNCIA Jeferson Santos Araujo 1 Lucialba Maria Silva dos Santos 1 Ralrizônia Fernandes Sousa 1 Silvio Éder Dias

Leia mais

AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013. Dislipidemias

AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013. Dislipidemias AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 Dislipidemias Raul D. Santos Unidade Clínica de Lípides InCor-HCFMUSP Faculdade de Medicina da USP Metabolismo do colesterol,

Leia mais

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 TÍTULO: NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E BARREIRAS PARA A ATIVIDADE

Leia mais

O que é O que é. colesterol?

O que é O que é. colesterol? O que é O que é colesterol? 1. O que é colesterol alto e por que ele é ruim? Apesar de a dislipidemia (colesterol alto) ser considerada uma doença extremamente prevalente no Brasil e no mundo, não existem

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica.

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica. 12. CONEX Pôster / Produto/ Resumo 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTO EXPO&FLOR: ATUAÇÃO

Leia mais

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE IDOSO DOENÇAS MAIS COMUNS Com a chegada da terceira idade, alguns problemas de saúde começam a aparecer, conheça alguns dos mais comuns e saiba como se prevenir: 1 2 DIABETES

Leia mais

Políticas de saúde: o Programa de Saúde da Família na Baixada Fluminense *

Políticas de saúde: o Programa de Saúde da Família na Baixada Fluminense * Políticas de saúde: o Programa de Saúde da Família na Baixada Fluminense * ALINE DE MOURA SOUZA 1 SUZANA MARTA CAVENAGHI 2 Introdução Este trabalho tem por objetivo apresentar informações referentes à

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO. Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP

III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO. Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PRINCIPAL CAUSA DE MORTE NO MUNDO!! AS PRINCIPAIS

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência.

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. Lourival dos Santos Filho Graduando em Farmácia Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Klerison Romero Martinez Graduando

Leia mais

Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível

Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível Nut. Sandra Mari Barbiero barbierosandra@yahoo.com.br Doenças e Agravos Não Transmissíveis (DANTs) São doenças multifatoriais a) Fatores de Risco Não modificáveis:

Leia mais

HIPERTENSÃO O QUE É ISSO?

HIPERTENSÃO O QUE É ISSO? AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 HIPERTENSÃO O QUE É ISSO? Carlos Alberto Machado O TAMANHO do problema Mortes por grupos de causas OMS Regiões 2000 75 50 % 25

Leia mais

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Randomizado Apresentado por Tatiana Goveia Araujo na reunião

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO EM PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO EM PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO EM PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA Gisele Escudeiro 1 ; Willian Augusto de Melo 2 RESUMO: As doenças cardiovasculares

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Profª Msc. Clarissa Rios Simoni Graduada em Licenciatura Plena em Educação Física UFSC 2004 Especialista em Personal Trainer UFPR

Leia mais

O QUE É a TENSÃO (PRESSÃO) ARTERIAL. RISCOS da HIPERTENSÃO ARTERIAL. CAUSAS da HIPERTENSÃO ARTERIAL HIPERTENSÃO ARTERIAL ESSENCIAL

O QUE É a TENSÃO (PRESSÃO) ARTERIAL. RISCOS da HIPERTENSÃO ARTERIAL. CAUSAS da HIPERTENSÃO ARTERIAL HIPERTENSÃO ARTERIAL ESSENCIAL O QUE É a TENSÃO (PRESSÃO) ARTERIAL RISCOS da HIPERTENSÃO ARTERIAL CAUSAS da HIPERTENSÃO ARTERIAL HIPERTENSÃO ARTERIAL ESSENCIAL HIPERTENSÃO ARTERIAL SECUNDÁRIA DETECÇÃO e CONTROLO da HIPERTENSÃO ARTERIAL

Leia mais

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas Ministério da Saúde Abril de 2014 VIGITEL 2014 Medir a prevalência de fatores de risco e proteção para doenças não transmissíveis na população brasileira Subsidiar ações de promoção da saúde e prevenção

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Percepção do estado de saúde Autoavaliação da saúde A avaliação do estado de saúde consiste na percepção que os indivíduos possuem de sua própria saúde. Por conseguinte, é um indicador

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Siomara F. M. de Araújo; Dyego F. Facundes; Erika M. Costa; Lauane L. Inês; Raphael Cunha. siomarafma@hotmail.com

Leia mais

A importância da Atividade Física

A importância da Atividade Física A importância da Atividade Física Introdução Mas o que é atividade física? De acordo com Marcello Montti, atividade física é definida como um conjunto de ações que um indivíduo ou grupo de pessoas pratica

Leia mais

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*.

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. SILVA, Kelvia Donato¹; SILVA, Lorrayne Emanuela Duarte¹;

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 28 de Fevereiro

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL Componente Curriculares Educação Física Professores Ministrantes: Kim Raone e Marcus Marins Série/ Ano letivo: 2º ano/ 2014 Data: 26/03/2014 AULA 5.1 Conteúdo: Doenças

Leia mais

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE FÍSICA EM PACIENTES HIPERTENSOS NO PSF VII EM ITAMBACURI/MG

A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE FÍSICA EM PACIENTES HIPERTENSOS NO PSF VII EM ITAMBACURI/MG UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE DA FAMÍLIA DANIELA DE CÁSSIA D ÁVILA TEIXEIRA TUDÉIA A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE FÍSICA EM PACIENTES HIPERTENSOS NO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 088/05 CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 088/05 CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 088/05 CIB/RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: a avaliação do Pacto de Indicadores da Atenção Básica 2004, Anexo I desta Resolução;

Leia mais

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado?

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado? Colesterol Colesterol 3 Que tipos de colesterol existem? 3 Que factores afectam os níveis de colesterol? 4 Quando está o colesterol demasiado elevado? 4 Como reduzir o colesterol e o risco de doença cardiovascular?

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE DA FAMÍLIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE DA FAMÍLIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE DA FAMÍLIA PLANO DE AÇÃO DAS DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS VISCONDE

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

Coração Saudável! melhor dele?

Coração Saudável! melhor dele? As doenças cardiovasculares (DCV s) - incluem as doenças coronarianas e o acidente vascular cerebral (AVC) também conhecido como derrame afetam pessoas de todas as idades, até mesmo mulheres e crianças.

Leia mais

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007.

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007. ALTERAÇÕES RENAIS E.D. teve seu diabetes diagnosticado em 1985, nessa época tinha 45 anos e não deu muita importância para os cuidados que seu médico lhe havia recomendado, sua pressão nesta época era

Leia mais

TABAGISMO E GÊNERO NO BRASIL"

TABAGISMO E GÊNERO NO BRASIL TABAGISMO E GÊNERO NO BRASIL" SEMINÁRIO INTERNACIONAL CONTROLE SOCIAL DO TABACO EM DEBATE - PROPOSTAS DE ACTUAÇÃO 13 DE NOVEMBRO 2006 Ministério da Saúde Nos países em desenvolvimento, os fumantes constituem

Leia mais

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal FO L H E TO F EC H A D O : FO R M ATO D L ( 2 2 0 x 1 1 0 m m ) FO L H E TO : C A PA Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Leia mais

A PESSOA COM DIABETES

A PESSOA COM DIABETES A PESSOA COM DIABETES A diabetes mellitus é uma doença crónica com elevados custos humanos, sociais e económicos, em rápida expansão por todo o mundo. Calcula-se que Portugal terá, na segunda década deste

Leia mais

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial?

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? Enéas Van Der Maas do Bem Filho 1 Resumo As doenças cardiovasculares são as principais causas de morte

Leia mais

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros);

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros); ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PLANO DE AÇÃO REGIONAL DAS LINHAS DE CUIDADO DAS PESSOAS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, COM DIABETES MELLITUS E/OU EXCESSO DE PESO NO CONTEXTO DA REDE DE ATENÇÃO

Leia mais

hipertensão arterial

hipertensão arterial hipertensão arterial Quem tem mais risco de ficar hipertenso? Quais são as consequências da Hipertensão Arterial? quem tem familiares Se a HTA» hipertensos não for controlada, causa lesões em diferentes

Leia mais

ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA

ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA Costa 1, A. A. S., Soares 2, C. S., Pires 3, P. R. S., Moreira 4, A. G. E. ; Filipini 5, S. M. 1,2,3,4,5 Univap/Enfermagem,

Leia mais

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

Doença Cardiovascular na mulher: importância do estilo de vida

Doença Cardiovascular na mulher: importância do estilo de vida ago. l 2008 l N i, Nº 2 l 17-33 iniciação científica 17 Doença Cardiovascular na mulher: importância do estilo de vida danielle da silva dias*; marcelo velloso heeren* ; kátia de angelis* Resumo l As doenças

Leia mais

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente 16 Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente Leidiane Silva Oliveira Chagas Gestora de Recursos Humanos - Anhanguera Educacional

Leia mais

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Dra. Carla Romagnolli JNC 8 Revisão das evidências Ensaios clínicos randomizados controlados; Pacientes hipertensos com > 18 anos de idade;

Leia mais

SAÚDE. A Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) na vida da Pessoa Idosa. Marina Nhamba 1. marinanhamba@hotmail.com

SAÚDE. A Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) na vida da Pessoa Idosa. Marina Nhamba 1. marinanhamba@hotmail.com SAÚDE A Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) na vida da Pessoa Idosa Marina Nhamba 1 marinanhamba@hotmail.com Resumo: O artigo em questão trata-se de uma revisão de literatura sobre a Hipertensão Arterial

Leia mais

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Marcos Novais Carina Burri Martins José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO O objetivo deste trabalho

Leia mais