A CERTIFICAÇÃO DA FILANTROPIA NA PRÁTICA. Porto Alegre, 10 de outubro de 2012.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CERTIFICAÇÃO DA FILANTROPIA NA PRÁTICA. Porto Alegre, 10 de outubro de 2012."

Transcrição

1 A CERTIFICAÇÃO DA FILANTROPIA NA PRÁTICA Porto Alegre, 10 de outubro de 2012.

2 BREVE HISTÓRICO DA LEGISLAÇÃO Lei nº 8.212, de 24/7/1991 Institui o Conselho Nacional da Seguridade Social (CNSS) e estabelece a isenção de contribuições sociais para entidades beneficentes de assistência social. Lei nº 8.742, de 7/12/1993 Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá outras providências. Decreto nº 2.536, de 6/4/1998, e suas alterações Regras e critérios para a concessão ou renovação do Certificado de Entidade de Fins Filantrópicos (revogado pelo Decreto nº 7.237/2010).

3 BREVE HISTÓRICO DA LEGISLAÇÃO Lei nº , de 27/11/2009, e suas alterações Dispõem sobre a certificação das entidades beneficentes de assistência social e regulam os procedimentos de isenção de contribuições para a seguridade social. Decreto nº 7.237, de 20/7/2010, e suas alterações Regulamentam a Lei nº /2009. Decreto nº 7.300, de 14/9/2010 Regulamenta o art. 110, da Lei nº , de 11/6/2010, e altera o Decreto nº 7.237, de 20/7/2010. Portaria MS/GM nº 1.970, de 16/8/2011 Dispõe sobre o processo de Certificação das Entidades Beneficentes de Assistência Social na Área de Saúde (Cebas).

4 O QUE MUDOU COM A NOVA LEGISLAÇÃO Definição das competências por área de atuação; Participação dos gestores do SUS; O fortalecimento da pactuação da oferta de serviços entre os gestores do SUS e as entidades, por meio de instrumentos contratuais com metas claras e bem definidas; A utilização da produção ambulatorial com a produção de internação hospitalar na comprovação da prestação de serviços ao SUS. A inclusão de ações de saúde prioritárias na composição dos serviços prestados ao SUS pelas entidades; A criação de um Comitê Consultivo como espaço de reflexão e construção coletiva.

5 PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DO CEBAS

6 PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO: Ao Senhor (a) Diretor (a) do DCEBAS/SAS/MSREQUERIMENTO DE CEBAS-SAÚDE Nome da Entidade: CNPJ n : CNES n : CPF n : Nome do Representante Legal: Endereço: Município/UF: CEP: Telefone/Fax: Vem REQUERER a Vossa Senhoria, com base na Lei nº , de 2009, e suas alterações, no Decreto nº 7.237, de 2010, e suas alterações, e nesta Portaria: ( ) CONCESSÃO do CEBAS-SAÚDE; ou ( ) RENOVAÇÃO do CEBAS-SAÚDE. Atuação na: Assistência Social ( ) SIM ou ( ) NÃO Educação ( ) SIM ou ( ) NÃO

7 PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO: Formas pelas quais pretende comprovar sua condição de Entidade Beneficente de Assistência Social na área da Saúde, conforme relação abaixo: ( ) pela prestação anual de serviços ao SUS no percentual mínimo de 60% (sessenta por cento). ( ) pela prestação anual de serviços ao SUS em percentual menor que 60% (sessenta por cento) e por aplicação de percentual da receita efetivamente recebida da prestação de serviços de saúde em gratuidade. ( ) pela aplicação do percentual de 20% (vinte) por cento de sua receita efetivamente recebida da prestação de serviços de saúde em gratuidade, cujos serviços de saúde não foram objeto de contratação pelo ausência de interesse do gestor do SUS. ( ) pela realização de projetos de apoio ao desenvolvimento institucional do SUS, complementados ou não pela prestação de serviços ambulatoriais e/ou de internação hosp i t a l a r. ( ) pelo estabelecimento de parcerias. ( ) pela aplicação do percentual de 20% (vinte) por cento do valor total das isenções usufruídas em prestação de serviços gratuitos a usuários do Sistema Único de Saúde (SUS),conforme art. 110 da Lei nº , de 11 de junho de 2010.

8 PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO: Declaro estar ciente das normas e exigências fixadas na Lei nº , de 27 de novembro de 2009, no Decreto nº 7.237, de 20 de julho de 2010, em suas alterações e nesta Portaria. OBS: Apresentar todos os documentos relacionados nesta Portaria. /, de de. Assinatura do Representante Legal

9 PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO: OBSERVAÇÕES 1. Se a entidade requerente for mantenedora de outro(s) estabelecimento(s) deverá prestar as informações constantes do seguinte quadro: Quadro I ESTABELECIMENTOS COM A MESMA PERSONALIDADE JURÍDICA MANTIDOS PELA REQUERENTE. (Se houver) 01 - Razão social da instituição: CNES: 02 - Endereço da instituição (rua, avenida, nº): 03 - Bairro: 04 - Município: 05 - UF: 06 - CEP: 07 - Caixa Postal: 08 - DDD - Telefone: 09 - Fax: (xx) CNPJ:

10 PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO: OBSERVAÇÕES Consideram-se estabelecimentos mantidos as instituições cuja extensão do CNPJ seja a mesma da entidade mantenedora, modificado apenas pelo nº sequencial após a barra. Exemplo: CNPJ da Entidade Mantenedora: / CNPJ de Estabelecimento Mantido: / Caso não possua estabelecimento mantido, deverá registrar a observação: "Não é mantenedora de outro estabelecimento com atuação na área da saúde, educação e/ou assistência social Caso os espaços acima não sejam suficientes, apresentar relação, em separado, para cada uma das situações, contendo as mesmas informações dos quadros anteriores.

11 PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO: OBSERVAÇÕES 2. Se a entidade requerente for gestora de outro estabelecimento por força de contrato de gestão, deverá prestar as informações referente(s) ao(s) estabelecimento(s) sob sua gestão, constante do seguinte quadro: Quadro II ENTIDADES NAS QUAIS A ENTIDADE REQUERENTE ATUA MEDIANTE CONTRATO DE GESTÃO (Informação da entidade sob gestão) 01 - Razão social da instituição: CNES: 02 - Endereço da instituição (rua, avenida, nº): 03 - Bairro: 04 - Município: 05 - UF: 06 - CEP: 07 - Caixa Postal: 08 - DDD - Telefone: 09 - Fax: (xx) CNPJ: > Caso os espaços acima não sejam suficientes, apresentar relação, em separado, para cada uma das situações, contendo as mesmas informações dos quadros.

12 PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO: OBSERVAÇÕES 3. Se a entidade requerente mantém parceria, deverá prestar as informações constantes no Quadro III Quadro III RELACIONAR A(S) ENTIDADE(S) COM A(S) QUAL(IS) A ENTIDADE REQUERENTE MANTÉM PARCERIA, DESDE QUE ESTAS ( as parceiras) SEJAM ENTIDADES PRIVADAS, SEM FINS LUCRATIVOS (Se houver.) 01 - Razão social da instituição: CNES: 02 - Endereço da instituição (rua, avenida, nº): 03 - Bairro: 04 - Município: 05 - UF: 06 - CEP: 07 - Caixa Postal: 08 - DDD - Telefone: 09 - Fax: (xx) CNPJ: > Caso os espaços acima não sejam suficientes, apresentar relação, em separado, para cada uma das situações, contendo as mesmas informações dos quadros.

13 PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO: OBSERVAÇÕES Se a entidade atua em mais de uma das áreas previstas na Lei nº , de 2009, deverá comprovar sua condição de beneficente instruindo o requerimento com os documentos estabelecidos no Decreto regulamentador, necessários para certificação em cada uma das áreas de atuação da entidade e, especificamente, no que se refere à área da saúde, com os documentos correspondentes à forma de comprovação assinalada acima. É obrigatório, no que couber, o preenchimento de todas as informações solicitadas.

14 DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS PARA TODAS AS ENTIDADES 1. cópia autenticada devidamente registrada e autenticada do Estatuto do hospital; 2. cópia autenticada da ata de eleição e posse dos dirigentes da entidade ou instrumento comprobatório de representação legal; 3. Comprovante de inscrição no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas CNPJ; 4. relatório anual das atividades desempenhadas no exercício fiscal anterior ao requerimento, assinado pelo representante legal em exercício no ano respectivo, autenticado no caso de cópia, onde constem informações sobre: a) atendimentos realizados; b) número de pessoas atendidas; c) recursos financeiros envolvidos; d) quantitativo das internações hospitalares e dos atendimentos ambulatoriais realizados para usuários e não usuários do SUS.

15 DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS PARA ENTIDADES QUE PRETENDEM COMPROVAR SUA CERTIFICAÇÃO COM O PERCENTUAL DE 60% DE ATENDIMENTO SUS 1. todos os documentos de apresentação obrigatória para todos + 2. cópia autenticada e devidamente protocolada da oferta de prestação de seus serviços ao SUS no percentual mínimo de 60%. (modelo no site do MS) + 3. cópia autenticada da contrato, convênio ou congênere firmado com o gestor do SUS + 4. declaração do gestor ou resolução da CIB do cumprimento das metas estabelecidas no contrato + 5. para a entidade que pretanda incorporar ao seu demonstrativo de serviços prestados ao SUS aqueles por entidades que estejam sob sua gestão, por força de contrato de gestão, deverão ainda apresentar cópia devidamente assinada e autenticada desse contrato firmado pelos responsáveis legais das entidades envolvidas.

16 DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS PARA ENTIDADES QUE PRETENDEM COMPROVAR SUA CERTIFICAÇÃO COM O PERCENTUAL MENOR DE 60% DE ATENDIMENTO SUS + GRATUIDADE 1. todos os documentos de apresentação obrigatória para todos + 2. cópia autenticada e devidamente protocolada da oferta de prestação de seus serviços ao SUS no percentual mínimo de 60%. (modelo no site do MS) + 3. cópia autenticada da contrato, convênio ou congênere firmado com o gestor do SUS; 4. declaração do gestor ou resolução da CIB do cumprimento das metas estabelecidas no contrato +

17 DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS PARA ENTIDADES QUE PRETENDEM COMPROVAR SUA CERTIFICAÇÃO COM O PERCENTUAL MENOR DE 60% DE ATENDIMENTO SUS + GRATUIDADE 5. para a entidade que pretenda incorporar ao seu demonstrativo de serviços prestados ao SUS aqueles por entidades que estejam sob sua gestão, por força de contrato de gestão, deverão ainda apresentar cópia devidamente assinada e autenticada desse contrato firmado pelos responsáveis legais das entidades envolvidas. 6. cópia autenticada do termo estabelecido com o gestor para prestação de serviços em gratuidade + 7. declaração do gestor do SUS sobre o cumprimento das ações em gratuidade e 8. balanço patrimonial, demonstração do resultado do exercício fiscal competente e notas explicativas que comprovem a aplicação dos percentuais exigidos, conforme art. 8º da Lei /2009.

18 DO PROTOCOLO TEMPESTIVIDADE: 6 meses antes do vencimento do certificado Exemplo: Vencimento do CEBAS: 31/12/2012 Data limite para o protocolo tempestivo: 01/07/2012 Requerimento protocolado até: 01/07/2012 = tempestivo Requerimento protocolado após: 01/07/2012 = intempestivo

19 DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES): Sistema de Informações Ambulatoriais do SUS (SIA/SUS): Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS): Comunicação de Informação Hospitalar e Ambulatorial (CIHA):

20 FAZENDO JUS À CERTIFICAÇÃO O que uma entidade precisa fazer para obter o CEBAS? Comprovar requisitos Como a entidade deve proceder para obter o CEBAS por meio da prestação de serviços ao SUS? Internações hospitalares + Procedimentos ambulatoriais E se o gestor do SUS não tiver interesse em contratar o mínimo de 60% dos serviços ofertados pela entidade? Gratuidade

21 DA APURAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AOS SUS NO PERCENTUAL MÍNIMO DE 60% Como é feita a apuração da prestação anual de serviços ao SUS? Cálculo percentual simples: internação = nº paciente dia ambulatório = nº atendimentos Como é feito o cálculo do percentual de prestação de serviços ao SUS? Sistemas de informação: SIA, SIH, CIHA (SUS E NÃO SUS)

22 DA APURAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AOS SUS NO PERCENTUAL MÍNIMO DE 60%: PASSO A PASSO Passo 1 Calcule o total de pacientes-dia e apure o percentual de internações hospitalares/sus Exemplo: Pacientes-dia / SUS Pacientes-dia / não SUS Pacientes-dia (total) % X = 55,46% X% pacientes-dia SUS = 55,46% do total de internações hospitalares SUS

23 DA APURAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AOS SUS NO PERCENTUAL MÍNIMO DE 60%: PASSO A PASSO Passo 2 Calcule o total de atendimentos e apure o percentual de atendimentos/procedimentos ambulatoriais/sus Exemplo: Atendimentos/procedimentos/SUS Atendimentos/procedimentos/não SUS Total de atendimentos/procedimentos ambulatoriais % X = 32,95% X% atendimentos ambulatoriais SUS = 32,95% do total de atendimentos ambulatoriais SUS efetivamente realizados

24 DA APURAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AOS SUS NO PERCENTUAL MÍNIMO DE 60%: PASSO A PASSO Passo 3 Totalize o percentual de serviços prestados ao SUS Percentual de paciente-dia/sus 55,46% 10% de atendimentos/procedimentos ambulatoriais/sus 10,00% + 65,46% Neste caso a entidade cumpriu o requisito de prestação de 60% de serviços ao SUS apenas com a internação e o ambulatório.

25 DA APURAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AOS SUS NO PERCENTUAL MÍNIMO DE 60%: PASSO A PASSO Passo 4 Utilizado na existência das ações prioritárias elencadas no artigo 33 da Portaria MS 1970/2011 Apure o percentual a ser adicionado em decorrência das três ações prioritárias desenvolvidas pela entidade em questão, considerando 1,5% para cada ação: Exemplo: Atenção obstétrica e neonatal 1,50% Atenção oncológica + 1,50% Atenção às urgências e emergências 1,50% 4,50% As 3 ações prioritárias permitem adicionar 4,50% ao total dos serviços prestados ao SUS

26 DA APURAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AOS SUS NO PERCENTUAL MÍNIMO DE 60%: PASSO A PASSO Passo 5 Totalize o percentual de serviços prestados ao SUS Apure o percentual a ser adicionado em decorrência das três ações prioritárias desenvolvidas pela entidade em questão, considerando 1,5% para cada ação: Exemplo: Percentual de paciente-dia/sus 55,46% 10% de atendimentos/procedimentos ambulatoriais/sus 10,00% Percentual referente às ações prioritárias 4,50% 69,96% Neste caso com as ações prioritárias a entidade superou o limite mínimo de 60% de serviços prestados ao SUS

27 DA APURAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AOS SUS NO PERCENTUAL MÍNIMO DE 60%: PASSO A PASSO Como se calcula o percentual da prestação de serviços ao SUS, considerando-se o conjunto de estabelecimentos da entidade? Total de internações = nº paciente-dia + Ambulatório = nº de procedimentos realizados Da matriz e de cada uma de suas filiais

28 ORIENTAÇÕES FINAIS Participe do processo de certificação de sua entidade, acompanhando pessoalmente a preparação da documentação necessária e as respostas às solicitações do MS; Identifique adequadamente os documentos apresentados ao MS, relacionando-os e informando o seu objetivo (documentação complementar, resposta de diligência, entre outros documentos); Apresente as cópias dos documentos sempre autenticadas; Cumpra os prazos para as respostas de diligências e procure atender corretamente às solicitações encaminhadas; Utilize o canal de comunicação fale conosco para o esclarecimento de dúvidas relacionadas à certificação; Acompanhe mensalmente a atualização dos dados de sua entidade no CNES.

29 ORIENTAÇÕES FINAIS Após o protocolo de seu pedido de renovação/concessão do CEBAS, acompanhe semanalmente o andamento de seu processo pelo site do MS, inclusive se ele entrou em diligência; Acompanhe sistematicamente o cumprimento dos requisitos que ensejaram a certificação de sua entidade, pois seu descumprimento pode acarretar o cancelamento do CEBAS; Cabe recurso da entidade nos casos de indeferimento ou cancelamento da concessão ou renovação da certificação; Fique atento aos prazos para a apresentação de recursos sobre as decisões de indeferimento ou cancelamento do CEBAS. Os recursos apresentados fora do prazo estabelecido em lei não são conhecidos; Cabe ao MS cancelar o CEBAS em decorrência de representações/denúncias, desde que estejam garantidos o contraditório e a ampla defesa

30 ORIENTAÇÕES FINAIS Endereço para envio da documentação Ministério da Saúde Departamento de Certificação de Entidades Beneficentes de Assistência Social em Saúde SAF Sul Quadra 2 Lote 5/6 Ed. Premium Torre II Cobertura CEP: Brasília-DF Fone: (61)

31 ORIENTAÇÕES FINAIS DECLARAÇÃO DE RELAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DECLARO, para fins de instrução de processo de concessão ou renovação do CEBAS-SAÚDE, em conformidade com o art. 59 da Portaria GM/MS n 1.970, de 2011, que (nome da instituição), com sede (endereço) na cidade de (nome do Município), Estado (UF), CNPJ n.º (Nº CNPJ), CNES nº (Nº CNES), prestou regularmente serviços ao SUS, no período de (DATA INICIAL) a (DATA FINAL), e que percebeu a respectiva remuneração pelos serviços prestados....,... de... de (Assinatura e carimbo do Gestor do SUS ou assinatura e carimbo do Coordenador da CIB)

32 ORIENTAÇÕES FINAIS DECLARAÇÃO DE CUMPRIMENTO DAS METAS DECLARO, para fins de instrução de processo de concessão ou renovação de CEBAS-SAÚDE, que (nome da instituição), com sede (endereço) na cidade de (nome do Município), Estado (UF), CNPJ n.º (nº CNPJ), CNES nº (nº CNES) cumpriu as metas pactuadas no convênio ou instrumento congênere nº (nº Convênio), celebrado em / /....,... de... de (Assinatura e carimbo do Gestor do SUS ou assinatura e carimbo do Coordenador da CI

33 ORIENTAÇÕES FINAIS DECLARAÇÃO SOBRE A EXECUÇÃO DE AÇÕES DE GRATUIDADE DECLARO, para fins de instrução de processo de concessão ou renovação de CEBAS-Saúde, que as ações de gratuidade pactuadas entre (nome da instituição), com sede (endereço) na cidade de (Município), Estado (UF), CNPJ n.º (CNPJ), e esta Secretaria de Saúde, em conformidade com o estabelecido no 2 do art. 8º da Portaria GM/MS n 1970, de 2011, obtiveram os resultados pactuados....,... de... de (Assinatura e carimbo do Gestor Local do SUS) (qualificação de quem assina)

34 MODELO DE RELATÓRIO DE ATIVIDADES

35 MODELO DE RELATÓRIO DE ATIVIDADES SUMÁRIO 1 Identificação 2 Histórico 3 Provedoria 4 Estrutura Assistencial 5 Direção Médica, Coordenação e Corpo Clínico 6 Quadro Administrativo 7 Atividades Hospitalares Atendimentos realizados 7.2 Número de pessoas atendidas 7.3 Recursos financeiros envolvidos 7.4 Quantitativo das internações hospitalares 7.5 Quantitativo dos atendimentos ambulatoriais 7.6 Ações Prioritárias (se houver) 7.7 Ações em Gratuidade (se houver) 8 Conservação do Patrimônio

36 MODELO DE RELATÓRIO DE ATIVIDADES 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Endereço: Bairro: Município: UF: CEP: Telefone/DDD: Fax/Telefax: Data de Fundação: Número do CNPJ:

37 MODELO DE RELATÓRIO DE ATIVIDADES 7. - ATIVIDADES HOSPITALARES 7.1- ATENDIMENTOS REALIZADOS

38 MODELO DE RELATÓRIO DE ATIVIDADES NÚMERO DE PESSOAS ATENDIDAS Em 2011, foram atendidas pessoas, sendo que eram pessoas usuárias do SUS e eram pessoas usuárias não-sus. Das pessoas atendidas pelo SUS, foram internados e foram atendidos no pronto atendimento. PESSOAS SUS NÃO-SUS TOTAL INTERNADOS AMBULATORIAL TOTAL

39 MODELO DE RELATÓRIO DE ATIVIDADES RECURSOS FINANCEIROS ENVOLVIDOS Das receitas hospitalares de convênios acumuladas até dezembro, 50,64% provêm do convênio SUS. Em segundo lugar na formação da receita do hospital está o IPE com 25,33%, seguido de UNIMED com 8,29%, particulares com 7,23%, FUSEX com 4,24% e outros convênios com 4,26%, conforme demonstrativo abaixo:

40 MODELO DE RELATÓRIO DE ATIVIDADES RECURSOS FINANCEIROS ENVOLVIDOS Cabe destacarmos dois fatores que influenciaram no aumento do valor da receita hospitalar em 2011, primeiro em julho de 2011 foram reconhecidos contabilmente a diferença dos valores do faturamento x contratualização do 1º e 2º quadrimestre de 2010, no montante de R$ ,20, reconhecidos pelo município conforme Lei Municipal nº 4062 de 30 de julho de 2011, sendo que estas diferenças não estavam sendo reconhecidas contabilmente nas suas respectivas competências, e segundo passamos a reconhecer mensalmente a diferença destes valores em 2011 cujo montante até dezembro de 2011 é R$ ,72, totalizando um acréscimo no valor contabilizado na receita do convênio SUS em 2011 no montante de R$ ,92.

41 MODELO DE RELATÓRIO DE ATIVIDADES RECURSOS FINANCEIROS ENVOLVIDOS A receita de outros convênios está distribuída entre os convênios abaixo: AFPERGS ANCORA CABERGS CASSI CONSORCIO REGIONAL CORREIOS/TELÉGRAFOS GEAP PATRONAL IBCM SAÚDE BRADESCO SAÚDE-PAS SENER SAÚDE SESEF - PLANSFER FUNCEF

42 MODELO DE RELATÓRIO DE ATIVIDADES RECURSOS FINANCEIROS ENVOLVIDOS No ano de 2011 recebemos um montante de R$ ,71, originarias de outras receitas diversas que não são resultantes da atividade assistencial ao paciente (as denominadas receitas hospitalares), conforme demonstrado no quadro baixo: CONTAS Total Farmácia Externa ,27 Amigo HCB ,11 Aluguéis e Comissões ,96 Subvenções Sociais ,83 HCB Melhor ,50 Movimento Voluntário ,00 Doações P. Físicas ,19 Doações P. Jurídicas ,06 Outras Doações ,01 Receitas Financeiras ,21 Outras Receitas ,57 Total ,71

43 MODELO DE RELATÓRIO DE ATIVIDADES RECURSOS FINANCEIROS ENVOLVIDOS Além das subvenções já recebidas pelo hospital como o Programa de Apoio a Rede Hospitalar Saúde Perto de Você e Nota Solidária, o hospital recebeu em setembro corrente R$ ,00, referente verba de emenda de bancada para investimento, do Deputado..., destinada a compra de equipamentos hospitalares, compras estas já efetuadas pelo hospital, sendo este valor registrado diretamente na conta 979 Patrimônio Social, do Patrimônio Líquido da instituição, portanto, não envolvendo conta de resultado do presente exercício.

44 MODELO DE RELATÓRIO DE ATIVIDADES QUANTITATIVO DAS INTERNAÇÕES HOSPITALARES Realizamos internações no ano de Dessas foram pelo SUS, representando 62,86% do total de internações no Hospital. Convênio Internações % SUS ,86 Não SUS ,14 Convênios Prefeituras (se houver) TOTAL ,00

45 MODELO DE RELATÓRIO DE ATIVIDADES QUANTITATIVO DAS INTERNAÇÕES HOSPITALARES Foram atendidos pacientes-dia, destes, pacientes-dia foram atendidos pelo convênio SUS, equivalente a 70,25% do total de pacientes dia do Hospital no ano de Convênio Pacientes-dia % SUS ,25 Não SUS ,75 Convênios Prefeituras (se houver) TOTAL ,00

46 MODELO DE RELATÓRIO DE ATIVIDADES QUANTITATIVO DAS INTERNAÇÕES HOSPITALARES O cálculo do paciente-dia exposto acima, é realizado via sistema de informática utilizado pelo hospital, onde diariamente registra-se os pacientes que se encontram internados identificando os pacientes SUS e os não SUS, podendo estes números estarem diferentes dos quantitativos existentes nos sistemas do DATASUS, que obtém estas informações através dos programas SIH para os pacientes SUS após o processamento das AIHs apresentadas nos faturamentos mensais do hospital e pelo programa CIHA onde informamos ao gestor local todos os atendimentos ambulatoriais e as altas hospitalares ocorridas mensalmente dos pacientes não SUS. Em anexo, o relatório das remessas dos arquivos para o Ministério da Saúde, todos processados.

47 MODELO DE RELATÓRIO DE ATIVIDADES 7.5 QUANTITATIVO DOS ATENDIMENTOS AMBULATORIAIS Em 2011, realizamos atendimentos no pronto atendimento, sendo atendimentos pelo SUS e atendimentos não-sus. Convênio Pronto-atendimento % SUS ,96 Não SUS ,04 Convênios Prefeituras (se houver) TOTAL ,00

48 MODELO DE RELATÓRIO DE ATIVIDADES 8 - CONSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO Foram realizadas as seguintes obras de reformas, ampliações e aquisições: CDI; Oncologia; Móveis, Instrumentais e Equipamentos Hospitalares:

49 MODELO DE PLACA INDICATIVA

50 DECLARAÇÃO SOBRE A CONTRATUALIZAÇÃO DECLARO, para fins de instrução de processo de concessão ou renovação de CEBAS-Saúde, que o Contrato referente ao período... a ser firmado entre (nome da instituição), com sede (endereço) na cidade de (Município), Estado (UF), CNPJ n.º (CNPJ), e esta Secretaria de Saúde, está em processo de negociação com previsão de finalização até 31 de Dezembro de ,... de... de (Assinatura e carimbo do Gestor Local do SUS) (qualificação de quem assina)

51 OBRIGADA Cristiane Paim Fone: (51) Porto Alegre, 10 de outubro de 2012.

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: SAÚDE

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: SAÚDE CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: SAÚDE ENTIDADES ABRANGIDAS: Entidades que atuam na área da saúde (Art. 4º ao Art. 11º da Lei nº 12.101/2009) ÓRGÃO RESPONSÁVEL

Leia mais

Prestação de Contas Entidades Beneficentes de Assistência Social nas Áreas de Assistência Social, Saúde e Educação.

Prestação de Contas Entidades Beneficentes de Assistência Social nas Áreas de Assistência Social, Saúde e Educação. Realização: Apoio: Centro de Estudos Técnicos do Terceiro Setor CETTESE Prestação de Contas Entidades Beneficentes de Assistência Social nas Áreas de Assistência Social, Saúde e Educação. - Jair Gomes

Leia mais

CEBAS. Documentos Formais para Prestação de Contas. Brunno Carrijo Ministério da Saúde

CEBAS. Documentos Formais para Prestação de Contas. Brunno Carrijo Ministério da Saúde CEBAS Documentos Formais para Prestação de Contas Brunno Carrijo Ministério da Saúde Lei de 12.101/09 Declaração, fornecida pelo gestor do SUS, de redução do período mínimo de cumprimento dos requisitos

Leia mais

SÍNTESE DA CONDUÇÃO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NA ÁREA DA SAÚDE - CEBAS- SAÚDE

SÍNTESE DA CONDUÇÃO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NA ÁREA DA SAÚDE - CEBAS- SAÚDE SÍNTESE DA CONDUÇÃO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NA ÁREA DA SAÚDE - CEBAS- SAÚDE Base documental: a) Lei nº 12.101, de 27 de novembro de 2009 - dispõe sobre

Leia mais

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: EDUCAÇÃO

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: EDUCAÇÃO CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: EDUCAÇÃO ENTIDADES ABRANGIDAS: Entidades que prestam serviços preponderantemente na área da educação podem requerer a

Leia mais

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: ASSISTÊNCIA SOCIAL

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: ASSISTÊNCIA SOCIAL CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: ASSISTÊNCIA SOCIAL ENTIDADES ABRANGIDAS: Entidades que atuam na área de assistência social (Art. 18 da Lei nº 12.101/2009)

Leia mais

RESOLUÇÃO N 177, DE 10 DE AGOSTO DE 2000 DOU 24/08/2000 SEÇÃO I

RESOLUÇÃO N 177, DE 10 DE AGOSTO DE 2000 DOU 24/08/2000 SEÇÃO I RESOLUÇÃO N 177, DE 10 DE AGOSTO DE 2000 DOU 24/08/2000 SEÇÃO I Alterada pela Resolução CNAS nº 3, de 13 de fevereiro de 2001 Regras e critérios para a concessão ou renovação do Certificado de Entidade

Leia mais

Apresenta-se como importante ferramenta para fortalecer a gestão do SUS, promover a adequação, a expansão e a potencialização dos serviços de saúde ¹

Apresenta-se como importante ferramenta para fortalecer a gestão do SUS, promover a adequação, a expansão e a potencialização dos serviços de saúde ¹ Importância do CEBAS Apresenta-se como importante ferramenta para fortalecer a gestão do SUS, promover a adequação, a expansão e a potencialização dos serviços de saúde ¹ - Isenção das Contribuições Sociais;

Leia mais

CARTA TÉCNICA. Nome do Credenciamento: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica

CARTA TÉCNICA. Nome do Credenciamento: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica CARTA TÉCNICA Nome do Credenciamento: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica ENTIDADES QUE PODEM SE CREDENCIAR: - Entidades beneficentes de assistência social (certificadas como entidades

Leia mais

CEBAS da SAÚDE. Atuação do Ministério da Saúde nos procedimentos relativos ao CEBAS. Ministério da Saúde. Cleusa Bernardo

CEBAS da SAÚDE. Atuação do Ministério da Saúde nos procedimentos relativos ao CEBAS. Ministério da Saúde. Cleusa Bernardo CEBAS da SAÚDE Atuação do Ministério da Saúde nos procedimentos relativos ao CEBAS Cleusa Bernardo Ministério da Saúde ENTIDADES BENEFICENTES NO ÂMBITO DO SUS 5.5 mil estabelecimentos de saúde Mais de

Leia mais

Dispõe sobre a concessão ou renovação do registro e certificado de entidades de fins filantrópicos.

Dispõe sobre a concessão ou renovação do registro e certificado de entidades de fins filantrópicos. Resolução CNAS n.º 32, de 24 de fevereiro de 1999 Dispõe sobre a concessão ou renovação do registro e certificado de entidades de fins filantrópicos. O Plenário do Conselho Nacional de Assistência Social

Leia mais

Marcelo Monello Conselheiro

Marcelo Monello Conselheiro Marcelo Monello Conselheiro Prestação de contas das Entidades de Assistência Social O que são gratuidades? Como deve ser realizado esse lançamento no caso das contribuições das empresas 1 da taxa de contribuição

Leia mais

Lei n. 12.101/2009 Decreto n. 7.237/2010

Lei n. 12.101/2009 Decreto n. 7.237/2010 Lei n. 12.101/2009 Decreto n. 7.237/2010 LEI N. 12.101/2009 DECRETO N. 7237/2010 O principal objetivo da presente Lei é dispor sobre a certificação das entidades beneficentes de assistência social. Tem

Leia mais

Discussão sobre a Regulamentação da Lei nº 12.101, de 27 de novembro de 2009.

Discussão sobre a Regulamentação da Lei nº 12.101, de 27 de novembro de 2009. MINISTÉRIO DA SAÚDE Discussão sobre a Regulamentação da Lei nº 12.101, de 27 de novembro de 2009. Organizadores: Comissão de Educação, Cultura e Esporte e Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.237, DE 20 DE JULHO DE 2010. Regulamenta a Lei n o 12.101, de 27 de novembro de 2009, para dispor sobre o processo de

Leia mais

CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (CEBAS)

CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (CEBAS) CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (CEBAS) XIII Oficina de Conhecimento Terceiro Setor: Gestão e Sustentabilidade Goiânia, 09/10/12 Wagner Nogueira da Silva Advogado OAB/GO 14.374

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE GOIÁS

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE GOIÁS CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE GOIÁS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA REGISTRO DE OPERADORA DE PLANO DE ASSISTÊNCIA A SAÚDE CREMEGO 1) Cópia do Contrato Social e Alterações Contratuais, devidamente

Leia mais

Marcia Maria Biondi Pinheiro Presidente do CNAS

Marcia Maria Biondi Pinheiro Presidente do CNAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL O Conselho Nacional de Assistência Social CNAS informa que, em reunião Plenária realizada no dia 11 de maio

Leia mais

Informação SUS, Não SUS e Filantropia

Informação SUS, Não SUS e Filantropia Informação SUS, Não SUS e Filantropia O que esses temas têm em comum e quais as implicações para prestadores e gestores. João Alfredo Carvalho Rodrigues Gonçalves Águas de Lindóia 12/09/2012 Agenda da

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA RESOLUÇÃO/SEFAZ N. 2.052, DE 19 DE ABRIL DE 2007.

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA RESOLUÇÃO/SEFAZ N. 2.052, DE 19 DE ABRIL DE 2007. ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA RESOLUÇÃO/SEFAZ N. 2.052, DE 19 DE ABRIL DE 2007. Dispõe sobre o Cadastro de Convenentes da Administração Estadual. O SECRETÁRIO DE ESTADO DE

Leia mais

WORKSHOP RENOVAÇÃO DO CERTIFICADO DE ENTIDADE FILANTRÓPICA (CEAS) PARA ENTIDADES DE EDUCAÇÃO

WORKSHOP RENOVAÇÃO DO CERTIFICADO DE ENTIDADE FILANTRÓPICA (CEAS) PARA ENTIDADES DE EDUCAÇÃO WORKSHOP RENOVAÇÃO DO CERTIFICADO DE ENTIDADE FILANTRÓPICA (CEAS) PARA ENTIDADES DE EDUCAÇÃO Palestrante: KILDARE MEIRA São Paulo, 19 de março de 2012. 1ª EXPOSIÇÃO: PROCEDIMENTO DE RENOVAÇÃO DO CEAS COMO

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DA RESOLUÇÃO CFC No. 1.409/12 ITG 2002

INTERPRETAÇÃO DA RESOLUÇÃO CFC No. 1.409/12 ITG 2002 INTERPRETAÇÃO DA RESOLUÇÃO CFC No. 1.409/12 ITG 2002 NO CONTEXTO OPERACIONAL DEVE TER OS REQUISITOS QUE ENQUADRAM A ENTIDADE COMO SEM FINS LUCRATIVOS: A) pessoas jurídicas de direito privado sem finalidade

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO ÂMBITO DO MDS

CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO ÂMBITO DO MDS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MDS SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SNAS CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO ÂMBITO DO MDS DEPARTAMENTO DA REDE

Leia mais

3.2.2. Futuros ABRIR FILIAIS PARA ATENDER MAIS PESSOAS CARENTES. 3.3. Gestão de pessoas Funcionários Voluntários: Sim - X Funcionários. Não Quantos?

3.2.2. Futuros ABRIR FILIAIS PARA ATENDER MAIS PESSOAS CARENTES. 3.3. Gestão de pessoas Funcionários Voluntários: Sim - X Funcionários. Não Quantos? Ficha 001 Contexto Imediato - MÓDULO CONHECIMENTO DA ENTIDADE 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1. Identificação da instituição/organização Nome da instituição: ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DOIS CORAÇÕES JESUS E MARIA CASA

Leia mais

Certificação de Entidades Beneficentes de Assistência Social na área da Saúde CEBAS - Saúde

Certificação de Entidades Beneficentes de Assistência Social na área da Saúde CEBAS - Saúde Certificação de Entidades Beneficentes de Assistência Social na área da Saúde CEBAS - Saúde JUNHO 2011 Lei Federal nº 12.101, de 27 de novembro de 2009, publicada em 30 de novembro de 2009, estabeleceu

Leia mais

PASSO A PASSO PARA A EXECUÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS ELETIVOS.

PASSO A PASSO PARA A EXECUÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS ELETIVOS. PASSO A PASSO PARA A EXECUÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS ELETIVOS. Este documento tem por objetivo orientar Estados, Distrito Federal e Municípios como proceder no planejamento dos procedimentos Cirúrgicos

Leia mais

Nova Lei de Filantropia

Nova Lei de Filantropia Nova Lei de Filantropia A nova Lei da Filantropia e seus aspectos preponderantes para a Assistência Social e o Conselho Municipal de Assistência Social Títulos Públicos Existentes (Federal) TÍTULOS Nº

Leia mais

I. DO CONTEXTO II. DO CÁLCULO DA GRATUIDADE. PARECER CSA/DF nº 19 de 6 de outubro de 2014

I. DO CONTEXTO II. DO CÁLCULO DA GRATUIDADE. PARECER CSA/DF nº 19 de 6 de outubro de 2014 PARECER CSA/DF nº 19 de 6 de outubro de 2014 EMENTA: CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (CEBAS). REQUISITOS. RENOVAÇÃO. PROUNI. INSTITUIÇÕES ADERENTES. UTILIZAÇÃO DE BOLSAS PRÓPRIAS.

Leia mais

MUDANÇAS NA LEI Nº 12.101/2009: QUALIFICANDO A CERTIFICAÇÃO NO ÂMBITO DO SUS. Brunno Carrijo

MUDANÇAS NA LEI Nº 12.101/2009: QUALIFICANDO A CERTIFICAÇÃO NO ÂMBITO DO SUS. Brunno Carrijo MUDANÇAS NA LEI Nº 12.101/2009: QUALIFICANDO A CERTIFICAÇÃO NO ÂMBITO DO SUS Brunno Carrijo 06/05/2014 A FILANTROPIA NO ÂMBITO DOSUS 5.5milestabelecimentos filantrópicos Mais de3milprestam serviços ao

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS OBJETIVO 1. Esta norma estabelece critérios e procedimentos específicos de avaliação, de registro dos componentes e variações

Leia mais

LEI N 12.868/13: MUDANÇA DE PARADIGMA NA FILANTROPIA?

LEI N 12.868/13: MUDANÇA DE PARADIGMA NA FILANTROPIA? LEI N 12.868/13: MUDANÇA DE PARADIGMA NA FILANTROPIA? É fundamental diminuir a distância entre o que se diz e o que se faz, de tal maneira que num dado momento a tua fala seja a tua prática. Paulo Freire

Leia mais

FORMULÁRIO DE CADASTRAMENTO/ENTIDADES /ORGANIZAÇÕES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

FORMULÁRIO DE CADASTRAMENTO/ENTIDADES /ORGANIZAÇÕES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL FORMULÁRIO DE CADASTRAMENTO/ENTIDADES /ORGANIZAÇÕES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Denominação: Endereço: Número: Bairro: Distrito Município: CEP: Telefone: Fax: Caixa Postal Correio Eletrônico

Leia mais

ANEXO I COMPLEMENTAR COM OS DADOS CONTIDOS NA PLANILHA. Documentos e Informações necessários para o registro provisório de Operadoras na ANS

ANEXO I COMPLEMENTAR COM OS DADOS CONTIDOS NA PLANILHA. Documentos e Informações necessários para o registro provisório de Operadoras na ANS ANEXO I (ANEXOS REVOGADOS PELA RN nº 85, DE 07/12/2004) COMPLEMENTAR COM OS DADOS CONTIDOS NA PLANILHA Documentos e Informações necessários para o registro provisório de Operadoras na ANS 1 - DOCUMENTOS

Leia mais

13º - AUDHOSP ANO 2014

13º - AUDHOSP ANO 2014 13º - AUDHOSP ANO 2014 Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB

Leia mais

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP Grupo de Trabalho da PPI Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP 29 de março de 2011 Considerando: O processo de regionalização dos Municípios, que objetiva a organização

Leia mais

ITG 2002: Os principais desafios na implementação das novas práticas na visão da Auditoria Independente.

ITG 2002: Os principais desafios na implementação das novas práticas na visão da Auditoria Independente. ITG 2002: Os principais desafios na implementação das novas práticas na visão da Auditoria Independente. Evelyse Amorim Lourival Amorim Florianópolis, 11 de novembro de 2014 ITG 2002 Introdução e Principais

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011 CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011 Resolução CMAS nº 16, 26 de setembro de 2011, revoga a Resolução CMAS nº 01/2002 e define os parâmetros para

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Cleusa Bernardo

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Cleusa Bernardo MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EM SAÚDE DCEBAS Cleusa Bernardo Recentes avanços no âmbito da Certificação

Leia mais

PRINCIPAIS REFLEXOS CONTÁBEIS DA NOVA LEI DA FILANTROPIA ENTIDADES BENEFICENTES (Lei Federal nº 12.101/09) Autores: Ivan Pinto Ricardo Monello

PRINCIPAIS REFLEXOS CONTÁBEIS DA NOVA LEI DA FILANTROPIA ENTIDADES BENEFICENTES (Lei Federal nº 12.101/09) Autores: Ivan Pinto Ricardo Monello PRINCIPAIS REFLEXOS CONTÁBEIS DA NOVA LEI DA FILANTROPIA ENTIDADES BENEFICENTES (Lei Federal nº 12.101/09) Autores: Ivan Pinto Ricardo Monello No dia 30 de novembro de 2009 foi publicado no Diário Oficial

Leia mais

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços NOTA TÉCNICA 48 2013 Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços Brasília, 29 de outubro de 2013 INTRODUÇÃO A Lei 12.873 de 24/10/13 trata de vários assuntos, altera algumas leis e entre os

Leia mais

Lei nº 12.101 de 27 de novembro de 2009

Lei nº 12.101 de 27 de novembro de 2009 CERTIFICAÇÃO CEBAS - NA ÁREA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - MDS Lei nº 12.101 de 27 de novembro de 2009 Da Assistência Social Art. 18. A certificação ou sua renovação será concedida à entidade de assistência

Leia mais

CARTA TÉCNICA. Nome do Credenciamento e envio de projetos: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica

CARTA TÉCNICA. Nome do Credenciamento e envio de projetos: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica CARTA TÉCNICA Nome do Credenciamento e envio de projetos: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica ENTIDADES QUE PODEM SE CREDENCIAR: Pessoas jurídicas de direito privado, associativas ou

Leia mais

Certificação das Entidades Beneficentes de Assistência Social na Área de Educação

Certificação das Entidades Beneficentes de Assistência Social na Área de Educação Manual do Usuário Conteúdo Introdução... 4 Conhecendo a primeira página... 5 Tela Inicial... 6 Perfis de acesso... 7 Cadastrando a Entidade Mantenedora no sistema... 8 Autenticando no sistema com Certificação

Leia mais

FUNDAÇÃO DE AÇÃO SOCIAL - FAS

FUNDAÇÃO DE AÇÃO SOCIAL - FAS FUNDAÇÃO DE AÇÃO SOCIAL - FAS Reflexão... Por que é importante acompanhar, fiscalizar e manter as ações de controle social voltadas para a atuação das entidades beneficentes e de assistência Social? Terceiro

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES 2012

AGENDA DE OBRIGAÇÕES 2012 Circular 453/2011 São Paulo, 16 de dezembro de 2011. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) AGENDA DE OBRIGAÇÕES 2012 Prezados Senhores, Servimo-nos, desta circular, para encaminhar a V.Sas., Agenda de Obrigações

Leia mais

Resolução Mec/FNDE nº 22, de 13 de maio de 2011

Resolução Mec/FNDE nº 22, de 13 de maio de 2011 Resolução Mec/FNDE nº 22, de 13 de maio de 2011 Diário Oficial da União nº 92, de 16 de maio de 2011 (segunda-feira) Seção 1 Pág. 17/18 Ministério da Educação FUNDO NACONAL DE DESENVOLVMENTO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Gestão Contábil e Financeira do Terceiro Setor. Marcelo Monello

Gestão Contábil e Financeira do Terceiro Setor. Marcelo Monello Gestão Contábil e Financeira do Terceiro Setor LEI Nº 12.101, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a certificação das entidades beneficentes de assistência social; regula os procedimentos de isenção

Leia mais

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL 30/10/2015 Prezados clientes, A Câmara dos Deputados aprovou na noite de 28.10.2015, o Projeto de Lei de Conversão ( PLV ) nº 21/2015, referente à Medida

Leia mais

1 Requerimento devidamente preenchido, fornecido pelo Conselho Municipal de Assistência Social, assinado pelo representante legal da Entidade;

1 Requerimento devidamente preenchido, fornecido pelo Conselho Municipal de Assistência Social, assinado pelo representante legal da Entidade; VI- Promover o atendimento e o assessoramento aos beneficiários da Lei Orgânica da Assistência Social e a defesa e garantia dos seus direitos. Em se tratando de entidade da área de saúde, a entidade deve

Leia mais

AVISO DE CHAMADA PÚBLICA DE APOIO INSTITUCIONAL Nº 01/2015 DO OBJETO

AVISO DE CHAMADA PÚBLICA DE APOIO INSTITUCIONAL Nº 01/2015 DO OBJETO AVISO DE CHAMADA PÚBLICA DE APOIO INSTITUCIONAL Nº 01/2015 DO OBJETO Esta Chamada Pública de Apoio Institucional visa à seleção de projetos a serem apoiados pelo CAU/BR na modalidade de Apoio à Assistência

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES DOS HOSPITAIS SEM FINS LUCRATIVOS E FILANTRÓPICOS 2010. Título/Benefício/Órgão Obrigação/Procedimento Fundamento Legal Prazo

AGENDA DE OBRIGAÇÕES DOS HOSPITAIS SEM FINS LUCRATIVOS E FILANTRÓPICOS 2010. Título/Benefício/Órgão Obrigação/Procedimento Fundamento Legal Prazo AGENDA DE OBRIGAÇÕES DOS HOSPITAIS SEM FINS LUCRATIVOS E FILANTRÓPICOS 2010 Título/Benefício/Órgão Obrigação/Procedimento Fundamento Legal Prazo Oferta de serviços ao SUS Certificado de Entidade Beneficente

Leia mais

REGULAMENTO DA PREVIDÊNCIA - DECRETO Nº

REGULAMENTO DA PREVIDÊNCIA - DECRETO Nº REGULAMENTO DA PREVIDÊNCIA - DECRETO Nº 3.048/1999 - Art. 206 99 mantém equipe de futebol profissional, destinada à seguridade social, em substituição às previstas no inciso I do caput do art. 201 e no

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição,

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição, DECRETO 3.100, de 30 de Junho de 1999. Regulamenta a Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999, que dispõe sobre a qualificação de pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, como Organizações

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 10 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.101, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2009. Mensagem de veto Dispõe sobre a certificação das entidades beneficentes de

Leia mais

Manual do Prestador SEPACO. Saúde. ANS - n 40.722-4

Manual do Prestador SEPACO. Saúde. ANS - n 40.722-4 Manual do Prestador Saúde o ANS - n 40.722-4 SEPACO Prezado prestador, Este manual tem como objetivo formalizar a implantação das rotinas administrativas do Sepaco Saúde, informando as características

Leia mais

Esta legislação é alterada ou citada pela seguinte legislação: Portaria MDS Nº 353 DE 23/12/2011

Esta legislação é alterada ou citada pela seguinte legislação: Portaria MDS Nº 353 DE 23/12/2011 Portaria MDS Nº 353 DE 23/12/2011 (Federal) Data D.O.: 26/12/2011 Esta legislação é alterada ou citada pela seguinte legislação: Portaria MDS Nº 353 DE 23/12/2011 Estabelece procedimentos relativos à certificação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA PROGRAMA DE EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CARTA CONSULTA SEGMENTO COMUNITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA PROGRAMA DE EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CARTA CONSULTA SEGMENTO COMUNITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA PROGRAMA DE EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CARTA CONSULTA SEGMENTO COMUNITÁRIO Título do Projeto: (nome do centro de Educação profissional

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.881, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013. Mensagem de veto Dispõe sobre a definição, qualificação, prerrogativas e finalidades das

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE Á FOME

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE Á FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE Á FOME Portaria Nº 353, de 23 de dezembro de 2011 Estabelece procedimentos relativos à certificação de entidades beneficentes de assistência social, no âmbito

Leia mais

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 133 ASSISTÊNCIA SOCIAL

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 133 ASSISTÊNCIA SOCIAL ASSISTÊNCIA SOCIAL Regulamento da Organização e do Custeio da Seguridade Social Decreto n o 2.173, de 5 de março de 1997 aprova o Regulamento da Organização e do Custeio da Seguridade Social. Decreto n

Leia mais

.1. Art.1. A certificação das entidades de assistência social e a isenção de contribuições para a seguridade social serão concedidas às pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, reconhecidas

Leia mais

Prestadores do SUS devem ser contratados;

Prestadores do SUS devem ser contratados; Prestadores do SUS devem ser contratados; Respeitar: Princípios e Diretrizes do SUS : regionalização, pactuação, programação, parâmetros de cobertura assistencial e a universalidade do acesso. Contratualização

Leia mais

Nutrição e dietética:

Nutrição e dietética: O sistema permite o cadastro de vários almoxarifados, e controla os estoques separadamente de cada um, bem como o cadastro de grupos de estocagem, visando o agrupamento dos insumos estocáveis, classificados

Leia mais

MANISFESTAÇÃO DE INTERESSE AO EDITAL 01/2012

MANISFESTAÇÃO DE INTERESSE AO EDITAL 01/2012 MANISFESTAÇÃO DE INTERESSE AO EDITAL 01/2012 NOME DO PROJETO: NOME DA ENTIDADE: CNPJ DA ENTIDADE: ENDEREÇO COMPLETO: TELEFONE DE CONTATO: ( ) Email de contato: ASSINATURA DO PRESIDENTE DA ENTIDADE (OU

Leia mais

Novas regras da Política de Atenção Hospitalar e da Contratualização dos Hospitais Filantrópicos no SUS

Novas regras da Política de Atenção Hospitalar e da Contratualização dos Hospitais Filantrópicos no SUS X Encontro de Provedores, Diretores e Administradores de Santas Casas e Hospitais Filantrópicos de Minas Gerais - FEDERASSANTAS Novas regras da Política de Atenção Hospitalar e da Contratualização dos

Leia mais

CARTA TÉCNICA. Nome do Credenciamento e envio de projetos: PRONAS PCD Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência

CARTA TÉCNICA. Nome do Credenciamento e envio de projetos: PRONAS PCD Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência CARTA TÉCNICA Nome do Credenciamento e envio de projetos: PRONAS PCD Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência ENTIDADES QUE PODEM SE CREDENCIAR: Pessoas jurídicas de direito

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES 2016

AGENDA DE OBRIGAÇÕES 2016 Circular 449/2015 São Paulo, 22 de dezembro de 2015. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) AGENDA DE OBRIGAÇÕES 2016 Prezados Senhores, Servimo-nos, desta circular, para encaminhar a V.Sas., Agenda de Obrigações

Leia mais

FICHA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO INFORMAÇÕES CONFIDENCIAIS. Nome do interessado. Cidade onde pretende abrir o negócio

FICHA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO INFORMAÇÕES CONFIDENCIAIS. Nome do interessado. Cidade onde pretende abrir o negócio FICHA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO INFORMAÇÕES CONFIDENCIAIS Nome do interessado Cidade onde pretende abrir o negócio Preencha este Relatório e o envie à ODONTO BRASIL. Entraremos em contato com você em seguida.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades e organizações de assistência social, bem como dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

Leia mais

Ministério da Educação FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 9, DE 1º DE OUTUBRO DE 2015

Ministério da Educação FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 9, DE 1º DE OUTUBRO DE 2015 Ministério da Educação FUNDO NACONAL DE DESENVOLVMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELBERATVO RESOLUÇÃO Nº 9, DE 1º DE OUTUBRO DE 2015 Estabelece os documentos legais exigidos para efetivação das transferências

Leia mais

No Brasil as entidades de interesse social só podem se constituir juridicamente na forma de associação ou fundação.

No Brasil as entidades de interesse social só podem se constituir juridicamente na forma de associação ou fundação. Gestão e Sustentabilidade para o 3 Setor Orientações Técnicas CONCEITOS No Brasil as entidades de interesse social só podem se constituir juridicamente na forma de associação ou fundação. Pessoa Jurídica:

Leia mais

Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2012 Acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2012 Acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2012 Acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA - FUNEPU CNPJ 20.054.326/0001-09 BALANÇO PATRIMONIAL PARA

Leia mais

REGRAS PARA AS FILANTRÓPICAS

REGRAS PARA AS FILANTRÓPICAS ASSOCIAÇÃO DOS SANTOS ANJOS Colégio dos Santos Anjos Rio de Janeiro REGRAS PARA AS FILANTRÓPICAS Rio de Janeiro, 30 de agosto de 2010 ASSOCIAÇÃO DOS SANTOS ANJOS Colégio dos Santos Anjos Palestrante: Nilton

Leia mais

Secretaria da Saúde/RS

Secretaria da Saúde/RS Secretaria da Saúde/RS CADASTRO DO ÓRGÃO OU ENTIDADE E DO DIRIGENTE I IDENTIFICAÇÃO DO ÓRGÃO OU ENTIDADE 01 NOME 02- EXERCÍCIO 03-C.G.C 04- EA 05- TIPO 06- ENDEREÇO COMPLETO: 07 MUNICÍPIO 08- CAIXA POSTAL

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS PARA FINANCIAMENTO NO ANO DE 2014

EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS PARA FINANCIAMENTO NO ANO DE 2014 Edital n.º 001/2013 - CMDCA EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS PARA FINANCIAMENTO NO ANO DE 2014 O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente - CMDCA, no uso de suas atribuições e de

Leia mais

NOVA NORMA CONTÁBIL PARA TERCEIRO SETOR

NOVA NORMA CONTÁBIL PARA TERCEIRO SETOR NOVA NORMA CONTÁBIL PARA TERCEIRO SETOR O Conselho Federal de Contabilidade editou uma nova norma contábil para o terceiro setor. É a NBC ITG 2002/12. Com objetivo de orientar às entidades e seus contadores,

Leia mais

FICHA DE REGISTRO CADASTRAL DE FORNECEDORES. Endereço da Matriz : Rua/Av.:... N.º...

FICHA DE REGISTRO CADASTRAL DE FORNECEDORES. Endereço da Matriz : Rua/Av.:... N.º... FICHA DE REGISTRO CADASTRAL DE FORNECEDORES SETOR DE COMPRAS E LICITAÇÕES Requeremos por meio desta, junto ao Setor de Compras e Licitações Registro n.º EMPRESA Inscrição ( ) Revalidação ( ) Razão Social:...

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 96, DE 16 JANEIRO DE 2012

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 96, DE 16 JANEIRO DE 2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 96, DE 16 JANEIRO DE 2012 Dispõe sobre procedimentos para a divulgação e fiscalização do cumprimento da legislação

Leia mais

MODELO: FICHA DE REGISTRO DE ENTIDADE

MODELO: FICHA DE REGISTRO DE ENTIDADE MODELO: FICHA DE REGISTRO DE ENTIDADE A inscrição da Entidade no CMDCA é preconizada no Estatuto da Criança e do Adolescente, Art. 90 em seu parágrafo único e no Art. 91 as entidades não-governamentais

Leia mais

ENTIDADES DE UTILIDADE PÚBLICA. Como criar ou adequar a sua

ENTIDADES DE UTILIDADE PÚBLICA. Como criar ou adequar a sua ENTIDADES DE UTILIDADE PÚBLICA Como criar ou adequar a sua A presente publicação é dirigida às pessoas que desejam ir além de suas obrigações e deveres individuais, para trabalharem por questões de interesse

Leia mais

V - balanço patrimonial; VI - demonstração das mutações do patrimônio líquido; VII - demonstração dos fluxos de caixa; e VIII - demonstração do

V - balanço patrimonial; VI - demonstração das mutações do patrimônio líquido; VII - demonstração dos fluxos de caixa; e VIII - demonstração do Art. 3 o A cer*ficação ou sua renovação será concedida à en*dade que demonstre, no exercício fiscal anterior ao do requerimento, o cumprimento do disposto nos Capítulos I a IV deste Título, isolada ou

Leia mais

Relação de documentos necessários para requerer o CEBAS?

Relação de documentos necessários para requerer o CEBAS? Relação de documentos necessários para requerer o CEBAS? DOCUMENTO DESCRIÇÃO DO DOCUMENTO SOLICTADO Requerimento assinado pelo O modelo do requerimento pode ser obtido no anexo I desta relação representante

Leia mais

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Ementa: Dispõe sobre as instruções para Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina. Fonte: CFM O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA [por tipo de requerimento]

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA [por tipo de requerimento] DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA [por tipo de requerimento] REQUERIMENTO DE EMISSÃO DE CRC [somente para matriz] (CRC-Certificado de Registro Cadastral) É o documento que certifica que a pessoa jurídica em situação

Leia mais

SOLICITAÇÃO DO REGISTRO SINDICAL. 1 Primeiro passo.

SOLICITAÇÃO DO REGISTRO SINDICAL. 1 Primeiro passo. SOLICITAÇÃO DO REGISTRO SINDICAL 1 Primeiro passo. Antes de qualquer coisa, é indispensável que o Sindicato solicitante do Registro Sindical possua Certificado Digital. O certificado, na prática, equivale

Leia mais

CONTABILIDADE E AUDITORIA CEBAS - EDUCAÇÃO ASPECTOS PRÁTICOS E ITG 2002

CONTABILIDADE E AUDITORIA CEBAS - EDUCAÇÃO ASPECTOS PRÁTICOS E ITG 2002 CONTABILIDADE E AUDITORIA CEBAS - EDUCAÇÃO ASPECTOS PRÁTICOS E ITG 2002 AGENDA Introdução Terceiro Setor Contabilidade Demonstrações Contábeis Auditoria Perguntas TERCEIRO SETOR TERCEIRO SETOR LEI 12.101/09

Leia mais

Instrução Normativa nº 1, de 30 de dezembro de 2010 (Pág. 46) Estabelece procedimentos relativos à certificação de entidades beneficentes de

Instrução Normativa nº 1, de 30 de dezembro de 2010 (Pág. 46) Estabelece procedimentos relativos à certificação de entidades beneficentes de Instrução Normativa nº 1, de 30 de dezembro de 2010 (Pág. 46) Estabelece procedimentos relativos à certificação de entidades beneficentes de assistência social, no âmbito do Ministério do Desenvolvimento

Leia mais

FUNDAÇÃO LAR HARMONIA CNPJ: 00.405.171/0001-09 NOTAS EXPLICATIVAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013

FUNDAÇÃO LAR HARMONIA CNPJ: 00.405.171/0001-09 NOTAS EXPLICATIVAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 FUNDAÇÃO LAR HARMONIA CNPJ: 00.405.171/0001-09 NOTAS EXPLICATIVAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 I- OBJETIVOS DA ENTIDADE E CONTEXTO OPERACIONAL A Fundação Lar Harmonia

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE ÁGUA E ESGOTO AV. HUGO ALESSI Nº 50 B. NDUSTRIAL - FONE: (0**34) 3242-3579/3242-5026 ARAGUARI MG

SUPERINTENDÊNCIA DE ÁGUA E ESGOTO AV. HUGO ALESSI Nº 50 B. NDUSTRIAL - FONE: (0**34) 3242-3579/3242-5026 ARAGUARI MG SUPERINTENDENCIA DE AGUA E ESGOTO DE ARAGUARI DEPARTAMENTO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS COMISSÃO ESPECIAL DE CADASTRO/SETOR DE CADASTRO INSTRUÇÕES GERAIS 1. OBJETIVO Estabelecer normas e procedimentos para

Leia mais

EDITAL PARA A SELEÇÃO DE AÇÕES VOLUNTÁRIAS DO PROGRAMA VOLUNTÁRIOS VALE

EDITAL PARA A SELEÇÃO DE AÇÕES VOLUNTÁRIAS DO PROGRAMA VOLUNTÁRIOS VALE EDITAL PARA A SELEÇÃO DE AÇÕES VOLUNTÁRIAS DO PROGRAMA VOLUNTÁRIOS VALE A VALE S.A., no cumprimento de sua missão de transformar recursos naturais em prosperidade e desenvolvimento sustentável, tem implementado

Leia mais

Edital de Convocação nº 01/2015. Convocação para Inscrição de Entidades e Organizações Não-Governamentais

Edital de Convocação nº 01/2015. Convocação para Inscrição de Entidades e Organizações Não-Governamentais Edital de Convocação nº 01/2015 Convocação para Inscrição de Entidades e Organizações Não-Governamentais A Presidente do CMAS Conselho Municipal de Assistência Social de Cáceres, no uso de suas atribuições

Leia mais

Manual de Orientação para contratação de planos de saúde

Manual de Orientação para contratação de planos de saúde Manual de Orientação para contratação de planos de saúde nós somos a casembrapa Funcionamento de um plano de autogestão: Somos uma operadora de saúde de autogestão. Uma entidade sem fins lucrativos, mantida

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES DOS HOSPITAIS FILANTRÓPICOS E BENEFICENTES PARA 2007

AGENDA DE OBRIGAÇÕES DOS HOSPITAIS FILANTRÓPICOS E BENEFICENTES PARA 2007 AGENDA DE OBRIGAÇÕES DOS HOSPITAIS FILANTRÓPICOS E BENEFICENTES PARA 2007 Esta agenda descreve as obrigações das entidades filantrópicas e beneficentes, da área da saúde, para com órgãos públicos das três

Leia mais

3 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO BÁSICO

3 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO BÁSICO 3 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO BÁSICO IDENTIFICAÇÃO Nome do projeto Instituição proponente CNPJ/MF da Instituição proponente Responsável pela instituição proponente (nome, CPF, RG, endereço, telefone,

Leia mais

Demonstrações Contábeis referente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2005 e Parecer dos Auditores Independentes

Demonstrações Contábeis referente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2005 e Parecer dos Auditores Independentes CENTRO ESPÍRITA NOSSO LAR CASAS ANDRÉ LUIZ CNPJ 62.220.637/0001-40 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores membros do Conselho Deliberativo e do Conselho Fiscal: o Conselho Diretor submete à apreciação de

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA [por tipo de requerimento]

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA [por tipo de requerimento] DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA [por tipo de requerimento] REQUERIMENTO DE EMISSÃO DE CRC/CLF (CRC-Certificado de Registro Cadastral e CLF-Certificado de Licença de Funcionamento) DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS [conforme

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL Termo de Compromisso de Gestão que firma a Secretaria Municipal de Saúde de XX, representada pelo seu Secretário Municipal de Saúde, com o objetivo de pactuar

Leia mais

ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS PARA CONCESSÃO DA AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO ÀS PESSOAS JURÍDICAS PRETENDENTES

ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS PARA CONCESSÃO DA AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO ÀS PESSOAS JURÍDICAS PRETENDENTES ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS PARA CONCESSÃO DA AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO ÀS PESSOAS JURÍDICAS PRETENDENTES 1 - Para fins de registro da Operadora na ANS, as pessoas jurídicas que quiserem comercializar

Leia mais

Edição nº 141/2015 Brasília - DF, segunda-feira, 10 de agosto de 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015

Edição nº 141/2015 Brasília - DF, segunda-feira, 10 de agosto de 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta a Portaria-SEI 1 de 4 de agosto de 2015, que instituiu o Sistema Eletrônico de Informações - SEI no âmbito do Conselho Nacional de Justiça. O

Leia mais