Análise dos Instrumentos de Planejamento do Sistema Único de Saúde (SUS)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise dos Instrumentos de Planejamento do Sistema Único de Saúde (SUS)"

Transcrição

1 Análise dos Instrumentos de Planejamento do Sistema Único de Saúde (SUS) Aluna: Ana Beatriz Cardoso da Luz 1 Orientador: Maurício Fernandes Pereira 2 Tutora: Maria Luciana Biondo Silva 3 Resumo Abstract O planejamento em saúde é objeto de grande parte do arcabouço legal do SUS e o Ministério da Saúde (MS) passou a auxiliar o processo de gestão. Considerando a ascendência do planejamento, a descentralização e o papel ordenador do MS, este estudo, pela revisão de literatura, analisa os instrumentos propostos para auxiliar a gestão municipal e, para isso, também analisa as referências teóricas sobre planejamento em saúde, o histórico de planejamento no SUS e os instrumentos existentes, suas aplicações e os principais desafios para consolidação do planejamento. O Sistema de Planejamento do SUS, PlanejaSUS, tem três instrumentos básicos: o Plano de saúde (PS), a Programação Anual de Saúde (PAS) e o Relatório Anual de Gestão (RAG), que são ferramentas para consolidação do planejamento estratégico. Palavras-chave: Planejamento em Saúde. Plano de Saúde. PlanejaSUS. The health planning is object of the legal framework of the Unified Health System and ministry of health has the function of developing methodologies and instruments that help in the management process. Considering the ascendancy of planning, decentralization and the coordinating role of the ministry of health, this study aims to analyze the proposed instruments for municipal management, the theoretical references on health planning, the history of planning in SUS, study the existing instruments and the main challenges for the consolidation of the planning. The Planning System SUS has three basic instruments, the Health Plan, the Annual Health Program and the Annual Management Report. The system was built to provide tools for consolidation of strategic planning. Key words: Health Planning. Health Plan. PlanejaSUS. 1 Cirurgiã-dentista da Prefeitura Municipal de Florianópolis, Especialista em Saúde da Família. 2 Pós-Doutorado no Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa (2010). 3 Graduada em Administração pela Universidade do Vale do Itajaí (2000). Especialista (Lato Sensu) em Gestão de Pessoas nas Organizações pela Universidade Federal de Santa Catarina (2011).

2 Ana Beatriz Cardoso da Luz # Maurício Fernandes Pereira # Maria Luciana Biondo Silva 1 Introdução Ao falar de Planejamento, abre-se um vasto campo de definições, aplicações e formas de fazer. É um termo amplamente utilizado na Administração, tanto no setor público quanto no privado. Para Mintzberg (2004), o planejamento consiste na formalização de procedimento para obtenção de resultado articulado, de forma que as decisões possam estar integradas umas com as outras. O planejamento tem papel fundamental quando se deseja direcionar as ações a fim de que se atinja ou alcance o resultado previamente escolhido (VIEIRA, 2009). Por isso, a importância desse tema dentro das organizações diante da complexidade organizacional e da necessidade de alcance de resultados. O interesse pelo planejamento das ações em saúde surgiu em consequência da complexificação crescente do processo de trabalho nesta área, em virtude da necessidade de enfrentar as mudanças nas condições de vida e saúde da população em diversos países (TEIXEIRA, 2010). No Brasil, a implantação do Sistema Único de Saúde (SUS), a partir do Movimento da Reforma Sanitária, por meio da incorporação dos princípios e diretrizes da VIII Conferência Nacional de Saúde (1986), na Constituição Federal de 1988, permitiu a inserção de conceitos relacionados ao Planejamento em Saúde no setor púbico. De acordo com Teixeira (2010), a partir das leis orgânicas do SUS, aprovadas em 1990, a situação configurou-se bastante favorável ao desenvolvimento do planejamento em saúde, quer no que diz respeito à incorporação de concepções e de métodos para formulação de políticas, planos e projetos, quer na disseminação de técnicas e de instrumentos de programação nos diferentes níveis da organização do sistema. O planejamento é objeto de grande parte do arcabouço legal do SUS, indicando processos e métodos de formulação, e é requisito para fins de repasse de recursos e de controle e auditoria (BRASIL, 2009a). A Lei Orgânica da Saúde, Lei n , de 19 de setembro de 1990, prevê no capítulo III, artigo 36, que o processo de planejamento e orçamento do SUS será ascendente, do nível local ao federal, compatibilizando-se as necessidades da política de saúde com a disponibilidade de recursos em planos de saúde dos municípios, dos estados e da União. Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 3 35

3 Análise dos Instrumentos de Planejamento do Sistema Único de Saúde (SUS) Considerando a ascendência do planejamento em saúde no SUS, a descentralização e o papel do Ministério da Saúde em formular políticas, planos e projetos, o presente trabalho pretende, como objetivo geral, analisar quais são os instrumentos de planejamento propostos pelo Ministério da Saúde para auxiliar a gestão do SUS no âmbito municipal, e para isso deve analisar o histórico do planejamento no SUS, identificar os instrumentos existentes e estudar suas aplicações. 2 Fundamentação Teórica 2.1 Planejamento em Saúde Planejar em saúde se fez necessário ao longo da evolução dos sistemas de saúde e das mudanças nas condições de vida da população mundial. Para Mehry (1995), o planejamento pode ser utilizado como instrumento de ação governamental para produção de políticas, como instrumento do processo de gestão e como prática social. De acordo com Silva, Santos e Mendes (2012), no setor saúde, planejamento é o instrumento que permite melhorar o desempenho, otimizar a produção e elevar a eficácia e a eficiência dos sistemas no desenvolvimento das funções de proteção, promoção, recuperação e reabilitação da saúde. O planejamento no setor saúde surgiu na América Latina na década de 1960 com o método CENDES-OPAS, patrocinado pela Organização Pan- -Americana de Saúde (OPAS). Segundo Rivera (2009), tal método se caracteriza por ser um enfoque sistêmico de Programação de Recursos de Saúde, atrelado a uma sorte de análises de custo-benefício. Contempla uma proposta de priorização dos danos à saúde que tendem a privilegiar os danos que apresentam um custo relativo menor por morte evitada. Esse viés economicista e o enfoque basicamente descritivo fizeram com que, segundo Silva, Santos e Mendes (2012), surgissem críticas ao seu caráter prescritivo e normatizador e à sua desvinculação com a produção de políticas na sociedade. Apesar das limitações apontadas ao método CENDES-OPAS, Teixeira (2010) afirma que alguns de seus pressupostos continuam válidos quando se trata de desenvolver um processo de programação de ações e de serviços que tenha o objetivo de racionalizar recursos escassos. 36 Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 3

4 Ana Beatriz Cardoso da Luz # Maurício Fernandes Pereira # Maria Luciana Biondo Silva A partir da formulação do método, das críticas ao seu enfoque e da evolução do conceito ampliado de saúde, surgiram outros estudiosos que propuseram alternativas ao planejamento no setor saúde. Destacam-se duas abordagens principais: o Planejamento Estratégico Situacional, de Carlos Matus, e o Pensamento Estratégico em Saúde, de Mario Testa. Carlos Matus, economista chileno, desenvolveu, no final dos anos de 1970, uma reflexão abrangente sobre política, planejamento e governo. Desenvolveu também uma abordagem de planejamento, amplamente utilizada na saúde, chamada Planejamento Estratégico Situacional (PES). A proposta conceitual e metodológica de Matus, segundo Teixeira (2010), parte da noção de situação, entendida como um conjunto de problemas identificados e descritos na perspectiva de determinado ator social. Problema é definido por ele como algo considerado fora dos padrões de normalidade; e ator social é uma pessoa, agrupamento ou instituição capaz de agir produzindo fatos na situação. O PES é desenvolvido por meio de quatro momentos: o explicativo, cuja realidade é descrita a partir do problema selecionado, buscando identificar as razões do problema e os nós críticos; o normativo, em que há a identificação dos atores que integram o problema e dos recursos disponíveis e faz-se a projeção do cenário; o estratégico, em que a análise situacional encontra-se focada na construção de viabilidade; e o tático-operacional, momento de implementação das ações propostas e de adequação. (CIAMPONE; MELLEIRO; TRONCHIN, 2005) A concepção situacional sugere a adoção de uma visão de múltiplos atores e supõe a adoção de ações estratégicas e comunicativas entre eles, visando à construção de consensos para enfretamento de problemas e para o alcance de objetivos. (TEIXEIRA, 2010) Mário Testa, pensador latino-americano, colaborador da OPAS, auxiliou na elaboração do método CENDES e, diante da reflexão do modelo instituído, formulou a proposta do Pensamento Estratégico em Saúde. Por entender o processo saúde-doença como um fenômeno social e não meramente biológico, Giovanella (1992) afirma que Testa enfatiza, em sua proposição de planejamento em saúde, a importância da participação de diversos atores na elaboração das propostas programático-estratégicas, pois possibilitaria a acumulação de poder aos dominados e a mudança nas Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 3 37

5 Análise dos Instrumentos de Planejamento do Sistema Único de Saúde (SUS) relações de poder, por meio da formação de uma consciência sanitária social e de classe. Testa divide o planejamento em duas partes: o diagnóstico em saúde e as propostas programático-estratégicas. O diagnóstico faz análise da realidade de saúde da população e observa três aspectos: o administrativo que procede a enumeração e a quantificação da população, das doenças, das mortes e dos recursos disponíveis; o estratégico que consiste na análise das relações de poder no setor, das desigualdades na situação de saúde entre grupos sociais e da distribuição de poder nos serviços de saúde; e o ideológico que analisa a ideologia dos grupos sociais. A partir da síntese diagnóstica há elaboração de propostas programático-estratégicas, com o objetivo de realizar ações de saúde para a mudança. (TESTA, 1995 apud VIEIRA, 2009) Observa-se, segundo Teixeira (2010), que Testa propõe um modo de entender os problemas de saúde e os processos de planejamento, considerando o setor saúde inseparável da totalidade social. Em seu modelo, ele enfatiza a análise das relações de poder e a compreensão das práticas de saúde; isso resulta em um novo modo de pensar que valoriza a formação de sujeitos sociais para o desenvolvimento de políticas de saúde. A percepção de que o planejamento em saúde é um campo de saber complexo, e que as diferentes abordagens se complementam, aumenta a necessidade da consolidação da cultura do planejamento dentro das instituições para fortalecimento dos sistemas e de serviços de saúde. O Ministério da Saúde (BRASIL, 2009a) reconhece que o planejamento em saúde detém enorme potencial para viabilizar o alcance de oportuna resolubilidade das medidas estabelecidas e implementadas e que se configura como ponto estratégico para qualificação da gestão do SUS. 2.2 Histórico do Planejamento no SUS A reestruturação do setor saúde no Brasil nasceu da proposta da Reforma Sanitária Brasileira, originada do movimento sanitário, processo político que mobilizou a sociedade para propor novas políticas e novos modelos de organização do sistema de atenção à saúde. Verdi e Coelho (2005), afirmam que tal projeto buscou introduzir mudanças no setor saúde de forma a torná-lo democrático, acessível, universal e que consagrasse uma concepção ampla de saúde. O produto dessa proposta foi a criação do Sistema Único de Saúde (SUS). 38 Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 3

6 Ana Beatriz Cardoso da Luz # Maurício Fernandes Pereira # Maria Luciana Biondo Silva Promulgada a Constituição Federal de 1988, estabeleceram-se princípios e diretrizes para reorganização do sistema de saúde no Brasil. A saúde foi inserida no texto como direito de todos e dever do Estado, que passou a possuir plena responsabilidade na oferta de ações promocionais, preventivas e assistenciais aos cidadãos. Ainda por meio da Constituição Federal de 1988, estabeleceram-se os instrumentos legais de planejamento da gestão, aos quais deveriam se submeter todos os órgãos da administração pública, deflagrando processos de planejamento para sua obtenção, a fim de que pudessem ser programados os recursos financeiros necessários à execução das atividades em cada setor (VIEIRA, 2009). Criaram-se, então, o Plano Plurianual (PPA), a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e a Lei Orçamentária Anual (LOA). Vieira (2009) explica a função desses três instrumentos básicos de gestão. O Plano Plurianual (PPA) deve estabelecer as diretrizes, os objetivos e as metas da administração pública para as despesas de capital e outras delas decorrentes. Para cada ano de vigência do PPA, elaboram-se as Leis de Diretrizes Orçamentárias (LDO), com o objetivo de estabelecer diretrizes, objetivos e metas da administração pública para o exercício financeiro de um ano; e a LDO de cada ano tem o papel de orientar a formulação das Leis Orçamentárias Anuais (LOA) que devem englobar toda programação de gastos da administração pública e investimentos de empresas estatais. A regulamentação do SUS aconteceu com a publicação das leis orgânicas da saúde, Lei n e Lei n , ambas de A Lei n estabeleceu que, além dos instrumentos de gestão pública já mencionados, o setor saúde deveria realizar um planejamento ascendente para elaboração de Planos de Saúde em todas as esferas; e a partir dos Planos de Saúde seriam construídas as Programações Anuais de Saúde que, por sua vez, deveriam estar contempladas nas propostas orçamentárias. Já a Lei n estabelece, entre os requisitos para recebimento de recursos vindos do Fundo Nacional de Saúde, que os municípios, estados e Distrito Federal devem ter Conselho de Saúde, com a participação de usuários, trabalhadores e prestadores de serviço; e Planos de Saúde e Relatórios de Gestão que permitam o controle dos investimentos previstos nas programações. Em 1992, o Ministério da Saúde elaborou um documento denominado Proposta para o processo de planejamento em nível nacional. Sistema Único de Saúde e sugeriu a criação do Sistema Nacional de Planejamento para Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 3 39

7 Análise dos Instrumentos de Planejamento do Sistema Único de Saúde (SUS) rearticulação e coordenação das atividades de planejamento abrangendo o Ministério da Saúde, os estados, o Distrito Federal e os municípios; superação dos entraves na orçamentação e financiamento da saúde; e estruturação de práticas de avaliação, de controle e de acompanhamento. Segundo Vieira (2009), com o objetivo de normalizar o processo de descentralização político-administrativa, estabelecendo parâmetros para sua garantia, responsabilidades e critérios de financiamento da saúde, foi publicada, em 1993, a Norma Operacional Básica (NOB-SUS 1993), que estabelece um novo modelo de pactuação federativa e consolida o papel dos Conselhos de Saúde, pois define que o município só receberá o recurso financeiro se comprovar a existência e o funcionamento do Conselho de Saúde, que deverá aprovar os referidos planos de saúde municipais. Em 1996 foi publicada nova Norma Operacional Básica-NOB-SUS 1/96, que instituiu novo elemento no processo de planejamento, a Programação Pactuada e Integrada (PPI). A PPI traduz as responsabilidades de cada município com a garantia de acesso da população aos serviços de saúde, quer pela oferta no próprio município, quer pelo encaminhamento a outros municípios, sempre por intermédio de relações entre gestores municipais, mediadas pelo gestor estadual e em seu processo de elaboração os municípios constroem suas programações, que deverão ser aprovadas pelos Conselhos Municipais de Saúde (CMS) e o estado harmoniza e compatibiliza as programações municipais, mediante negociação na Comissão Intergestores Bipartite (CIB) e aprovação no Conselho Estadual de Saúde (CES). De acordo com Vieira (2009), a PPI constituiu um avanço para organização do SUS no que se referia ao planejamento e à pactuação de ofertas de serviços entre os municípios e os seus estados, porém ainda persistiam problemas relacionados ao acesso e era urgente a discussão sobre a regionalização da assistência à saúde. Para tal, foi publicada a Norma Operacional de Assistência à Saúde (NOAS 01/2001) que ampliava o papel dos municípios na atenção básica e estabelecia o Plano Diretor de Regionalização (PDR) como instrumento de ordenamento do processo de regionalização da assistência em cada estado e no Distrito Federal. A partir do PDR foram elaboradas as PPI anuais. Tais leis, portarias e normas, construídas e divulgadas desde a construção e regulamentação do SUS, tinham o objetivo de consolidar o sistema de saúde brasileiro, na tentativa de cumprir seus princípios e suas diretrizes, de fomentar o planejamento ascendente e de garantir, conforme Vieira (2009), a 40 Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 3

8 Ana Beatriz Cardoso da Luz # Maurício Fernandes Pereira # Maria Luciana Biondo Silva integralidade da assistência e o acesso da população aos serviços e às ações de saúde de acordo com suas necessidades. Em 2006, o Ministério da Saúde divulgou o Pacto pela Saúde 2006 Consolidação do SUS e regulamentou as Diretrizes Operacionais dos Pactos pela Vida e de Gestão. O Pacto pela Saúde é composto do Pacto pela Vida, Pacto em Defesa do SUS e Pacto de Gestão. Neste último, os eixos são a descentralização, a regionalização, o financiamento, a programação pactuada e a integrada (PPI), a regulação, a participação e o controle social, o planejamento, a gestão do trabalho e a educação em saúde (Portaria n. 399/2006 e Portaria n. 699/2006). De acordo com Silva, Santos e Mendes (2012), até 2006 não se dispunha de um processo integrado de planejamento capaz de apoiar os gestores na condução do SUS, e a partir da constatação da dificuldade institucional e da baixa incorporação de atividades de planejamento em todas as esferas de gestão do SUS, o Ministério da Saúde tomou a iniciativa de construir o Sistema de Planejamento do SUS (PlanejaSUS), que está contido na Portaria n. 399/2006 do Pacto pela Saúde. O PlanejaSUS tem por objetivo coordenar o processo de planejamento no âmbito do SUS, tendo em conta as diversidades existentes nas três esferas de governo, para contribuir para a consolidação, a resolubilidade e a qualidade da gestão e da atenção à saúde. (BRASIL, 2009b) A Portaria n /2006 e a Portaria n /2006 estabeleceram e definiram os três instrumentos para operacionalização do planejamento do SUS. São eles: o Plano de Saúde (PS), que deve abordar as intenções e os resultados a serem buscados no período de quatro anos; a Programação Anual de Saúde (PAS), que deve operacionalizar as intenções expressas no PS, apontando o conjunto de ações voltadas à promoção, proteção e recuperação da saúde, bem como à gestão do SUS; e o Relatório Anual de Gestão (RAG), que deve registrar os resultados alcançados com a execução da PAS e orientar eventuais mudanças que se fizerem necessárias. Silva, Santos e Mendes (2012) afirmam que, como o PS, a PAS e o RAG são instrumentos interdependentes e indissociáveis, isso favorece a dinamicidade e a constância do completo processo de planejamento e tal organização apresenta ligação com a Teoria do Planejamento Estratégico. Percebe-se, ao longo da evolução do SUS, uma preocupação em consolidar os momentos de planejamento como uma forma de qualificar a Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 3 41

9 Análise dos Instrumentos de Planejamento do Sistema Único de Saúde (SUS) gestão e produzir melhoria no perfil de saúde da população. O planejamento ascendente é visto como o maior desafio, tendo em conta a complexidade do perfil epidemiológico brasileiro e a quantidade e diversidade dos municípios (BRASIL, 2009a), mas ainda é a melhor forma de garantir a construção de Planos de Saúde que realmente correspondam às necessidades reais, pois é no nível local que se observam as particularidades e que se encontram as ferramentas para superação dos problemas encontrados. 2.3 Instrumentos Atuais de Gestão do SUS e suas Aplicações no Âmbito Municipal A nova forma de gestão pública do SUS tem sido caracterizada pelo termo flexibilidade, e envolve a ideia de que é preciso reforçar as tomadas de decisões de forma descentralizada, proporcionando maior autonomia aos atores envolvidos e ampliando os espaços de criatividade na busca das soluções. (BRASIL, 2009b) A descentralização, uma das principais diretrizes do SUS, gera a necessidade de pactuação entre as três esferas de governo e os gestores municipais passam a ter papel fundamental na consolidação do SUS através do fortalecimento do planejamento como um relevante mecanismo de gestão. (BRASIL, 2009c) Lacerda et al. (2012) afirmam que o processo de consolidação do SUS estimula os gestores a identificarem, selecionarem e elaborarem instrumentos que os auxiliem na gestão. De acordo com Anunciação e Souza (2011), o Ministério da Saúde tem se empenhado na construção e no aprimoramento de uma cultura de planejamento da gestão pública na área da saúde, evidenciado na existência de um sistema próprio e exclusivo para este fim, ou seja, o Sistema de Planejamento do SUS (PlanejaSUS). Os objetivos do PlanejaSUS são: pactuar as diretrizes gerais para o processo de planejamento no âmbito do SUS; formular metodologias unificadas e modelos de instrumentos básicos do processo de planejamento; implementar e difundir a cultura de planejamento que qualifique as ações do SUS nas três esferas; promover a integração do processo de planejamento e orçamento no âmbito do SUS; e monitorar e avaliar o processo de planejamento. No que se refere aos instrumentos de planejamento, o PlanejaSUS atualmente tem por base a formulação e/ou revisão periódica de três instrumentos básicos: Plano de Saúde (PS) e as respectivas Programações Anuais de Saúde (PAS); e os Relatórios Anuais de Gestão (RAG). Tais instrumentos são comuns 42 Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 3

10 Ana Beatriz Cardoso da Luz # Maurício Fernandes Pereira # Maria Luciana Biondo Silva às três esferas, mas especialmente importantes na gestão municipal do SUS pelas características de descentralização e de planejamento ascendente. No âmbito do PlanejaSUS, define-se como Plano de Saúde o instrumento que, a partir de uma análise situacional, apresenta as intenções e os resultados a serem buscados no período de quatro anos, expressos em objetivos, diretrizes e metas. O documento Sistema de Planejamento do SUS Uma construção coletiva, que teve sua segunda edição publicada pelo Ministério da Saúde em 2009, orienta que o processo de formulação do PS deve ser participativo e que, para sua elaboração, é necessário identificar problemas e situações que requerem soluções, estabelecer linhas de atuação e definir procedimentos de monitoramento e avaliação. Na conformidade da Portaria n /2006 são indicados como eixos orientadores para análise situacional e para formulação dos objetivos as diretrizes e as metas dos PS: as condições de saúde da população, os determinantes e condicionantes de saúde e a gestão em saúde. No que se refere às condições de saúde da população, o Ministério da Saúde orienta a obtenção de informações relacionadas ao perfil demográfico (crescimento populacional, índice de envelhecimento, taxa bruta de mortalidade, esperança de vida ao nascer etc.), aos dados socioeconômicos (renda, taxa de desemprego, taxa de analfabetismo, IDH etc.) e aos dados epidemiológicos (mortalidade por causa, morbidade, grupos vulneráveis etc.). No eixo de determinantes e de condicionantes de saúde, deverão ser identificadas medidas intersetoriais e sua integração com o setor saúde nos espaços de formulação, de implementação e de monitoramento de políticas públicas. E na Gestão em Saúde, deverão ser analisados pontos relacionados ao planejamento, descentralização, financiamento, participação social, gestão do trabalho e educação em saúde, infraestrutura e informação em saúde. Percebe-se que o Plano de Saúde é um instrumento importantíssimo para a gestão do SUS no âmbito municipal, pois define as intenções para um período de quatro anos e pretende-se que possua as mais variadas linhas de atuação para superar os nós críticos identificados. Nesse caminho, Anunciação e Souza (2011) afirmam que o PS precisa ser reconhecido como um instrumento que norteie a gestão do sistema de saúde; isso ganha uma relevância incomensurável, porque se constitui em um primeiro passo para a valorização de tal instrumento como momento de aprimoramento da própria gestão, pois, Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 3 43

11 Análise dos Instrumentos de Planejamento do Sistema Único de Saúde (SUS) quanto mais bem elaborado ele for, mais provável será a execução do plano proposto. O segundo instrumento proposto pelo PlanejaSUS é a Programação Anual de Saúde (PAS), e seu horizonte temporal coincide com o período definido para o exercício orçamentário, ou seja, um ano. O propósito da PAS é determinar as ações a serem desenvolvidas para concretizar os objetivos definidos no PS, que devem estar em consonância com a Lei de Diretrizes Orçamentárias e a Lei Orçamentária Anual. A PAS é um instrumento que operacionaliza as intenções expressas no PS e deve contemplar o conjunto de ações de promoção, proteção e recuperação da saúde. Os resultados decorrentes da PAS compõem o terceiro instrumento proposto, o Relatório Anual de Gestão (RAG). O RAG deve ser elaborado em conformidade com a PAS e indicar eventuais necessidades de ajustes no PS. Esse relatório é também instrumento das ações de auditoria e controle. De acordo com o manual Sistema de Planejamento do SUS: uma construção coletiva, caderno 2, o RAG configura-se num insumo privilegiado, pois além de contemplar aspectos qualitativos e quantitativos, envolve também uma análise acerca do processo geral de desenvolvimento do Plano, registrando avanços obtidos, os obstáculos encontrados e as medidas desencadeadas. Ressalta-se que esses três instrumentos propostos devem ser elaborados pelos municípios, assim como pelos outros entes federados, para cumprimento de uma exigência legal, já que a transferência de recursos à saúde está a eles condicionada. Vieira (2009) afirma que, apesar do esforço do Ministério da Saúde em propor e discutir o PlanejaSUS, em alguns casos os planos e programações constituem-se apenas como um conjunto de intenções que figuram em um documento, mas não levam a resultados práticos para implementação de políticas de saúde e alocação de recursos. Anunciação e Souza (2011) apontam que para superação dos desafios encontrados, uma estratégia seria a valorização do planejamento participativo que pressupõe a inclusão de novos personagens no cenário da gestão em relação à análise de contextos e de problemas e também no manejo da tomada de decisão. Nessa mesma linha, Silva, Santos e Mendes (2012) dizem que a gestão participativa no SUS pode utilizar o planejamento para apoiar o protagonismo 44 Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 3

12 Ana Beatriz Cardoso da Luz # Maurício Fernandes Pereira # Maria Luciana Biondo Silva na conquista do direito à saúde, favorecendo a democratização da gestão e reduzindo a alienação dos trabalhadores nos processos de produção. A participação aumenta a chance de que o planejamento seja um processo dinâmico e contínuo e que os instrumentos propostos não se resumam a cartas de intenções ou de meras exigências legais, mas que sejam traduzidas em ações que promovam políticas públicas que resultem na melhoria de indicadores de saúde da população e na qualidade de vida. 3 Metodologia Este estudo constituiu-se de revisão de literatura sobre o Planejamento no SUS. A busca de referências foi feita na base de dados BVS, Biblioteca Virtual em Saúde, no endereço <www.regional.bvsalud.org>. Os descritores utilizados foram Planejamento em saúde, instrumentos de gestão no SUS, PlanejaSUS. Na iteração de busca do descritor Planejamento em saúde, foram mais de resultados; então foi feito um refinamento buscando o histórico do planejamento em saúde e os estudos que fizessem análise das abordagens de Carlos Matus e Mario Testa. Foram selecionados três artigos e um livro de 2010 intitulado Planejamento em Saúde: conceitos, métodos e experiências. Na busca de artigos que fizessem referência aos instrumentos de gestão no SUS, foram encontrados 71 resultados e escolheu-se estudar mais profundamente os artigos que abordassem o planejamento no âmbito municipal. Na iteração de busca do descritor PlanejaSUS, oito resultados foram encontrados e, após uma análise global, resolveu-se concentrar os estudos na série de cadernos do planejamento elaborados pelo Ministério da Saúde e nas bases legais do planejamento no SUS, suas leis e portarias. A pesquisa foi desenvolvida a partir da análise de artigos científicos e de documentos legais (leis, portarias e cadernos). No primeiro momento, um estudo de artigos científicos sobre planejamento em saúde foi realizado. Fez-se uma análise dos conceitos, um estudo sobre o histórico do planejamento em saúde e sobre os métodos mais utilizados, concentrando-se nas duas abordagens principais: o Planejamento Estratégico Situacional, de Carlos Matus, e o Pensamento Estratégico em Saúde, de Mario Testa. Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 3 45

13 Análise dos Instrumentos de Planejamento do Sistema Único de Saúde (SUS) Para pesquisar o histórico de planejamento no SUS, foram examinados os documentos legais a partir da Constituição Federal de 1988, as Leis Orgânicas da saúde: Lei n e Lei n , as Normas Operacionais, divulgadas pelo Ministério da Saúde ao longo da evolução do sistema de saúde, as portarias e os pactos publicados para divulgar as políticas de planejamento e as estratégias priorizadas pelo ministério. Ao analisar tais documentos, procurou-se entender o que esse arcabouço legal previa para a gestão do SUS no âmbito municipal. Por fim, foi realizada uma análise do Sistema de Planejamento do SUS, o PlanejaSUS, que traz os atuais instrumentos de gestão e suas aplicações. Foram estudados também artigos científicos que abordavam essa temática de forma mais atual e traziam a reflexão sobre como esse sistema está sendo organizado a partir dos municípios. A pesquisa pretendeu, além de conhecer o tema, entender sua aplicabilidade e conhecer suas potencialidades e limitações. 4 Análise e Discussão dos Resultados O estudo das leis, das portarias, dos guias do Ministério da Saúde e dos artigos que abordam o tema do planejamento na gestão do SUS mostra uma preocupação crescente com esse tema, principalmente no âmbito municipal. Villasboas e Paim (2008) afirmam que, a partir do final dos anos de 1990, as características do processo de descentralização das ações e dos serviços de saúde colocaram os municípios como protagonistas na execução das políticas definidas nos foros intergestores de negociação. Mas, apesar do aumento da capacidade gerencial dos municípios, a complexidade institucional do SUS trouxe restrições que podem explicar a limitada incorporação do planejamento neste âmbito. A autonomia e o poder de decisão dados aos municípios contrastam com a imaturidade de muitos deles no que diz respeito à cultura de planejamento dentro das organizações públicas. Sem a realização de planejamento há serviços de saúde funcionando de forma desarticulada, e políticas estabelecidas de acordo com a visão de mundo de dirigentes e não da organização. De acordo com Vieira (2009), subjetiva-se, fragmenta-se e desordena-se o funcionamento do sistema de saúde na medida em que tantas visões e modos de operação existam, pois se não há uma visão clara de onde se deseja chegar, cada indivíduo conduzirá e realizará suas atividades à sua maneira. 46 Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 3

14 Ana Beatriz Cardoso da Luz # Maurício Fernandes Pereira # Maria Luciana Biondo Silva A incorporação do planejamento como parte da dimensão político- -gerencial visa à reorientação das práticas de atenção à saúde, privilegiando o desenvolvimento de processos de análise da situação de saúde da população para reorganização dos processos de trabalho (TEIXEIRA, 2010) a partir da realidade local, considerando a descentralização e o desafio em consolidar o planejamento ascendente. Desde a regulamentação do Sistema Único de Saúde, o planejamento configurou-se objeto de grande parte do arcabouço legal do SUS e o Ministério da Saúde passou a ter um papel fundamental na formulação de processos e de métodos de planejamento e gestão. Teixeira (2010) menciona que o desenvolvimento conceitual e metodológico do planejamento estratégico vem se dando ao longo dos últimos 20 anos, e tem a sua reflexão mais recente marcada pelo esforço de aperfeiçoamento e de difusão da proposta no contexto do PlanejaSUS. O Sistema de Planejamento do SUS, PlanejaSUS, foi pensado como forma de prover ferramentas para o desenvolvimento do planejamento estratégico de forma contínua e para elaboração dos instrumentos de gestão. O objetivo é estimular a incorporação de processos de planejamento e institucionalizá-los na realidade da gestão do SUS, principalmente no âmbito municipal, sempre na tentativa de superar os arranjos improvisados e os desafios identificados. Mas, apesar dos esforços para tornar o cenário favorável ao desenvolvimento do planejamento e à sua consolidação no âmbito municipal, alguns estudos, como o de Villasboas e Paim (2008), mostram que as práticas de planejamento, identificadas nas Secretarias Municipais de Saúde, apresentam baixo grau de institucionalização, sendo realizadas em momentos pontuais, em espaços circunscritos da organização e por força das exigências legais da administração pública brasileira. Isso porque a elaboração dos três instrumentos básicos (Plano de Saúde, Programação Anual de Saúde e o Relatório Anual de Gestão), propostos pelo Ministério da Saúde, é uma exigência legal para o repasse financeiro. Esse cenário faz com que muitos municípios, apesar de realizarem a elaboração dos instrumentos, não o façam de forma prática, a partir de um diagnóstico situacional e do estabelecimento de objetivos, de metas e de diretrizes que visem à melhoria dos pontos críticos. Os documentos tornam-se engavetados e as ações continuam a ser realizadas de forma reativa e para solução de problemas urgentes. Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 3 47

15 Análise dos Instrumentos de Planejamento do Sistema Único de Saúde (SUS) Mas, Silva, Santos e Mendes (2012) pontuam que o Plano de Saúde, a respectiva Programação Anual e o Relatório Anual de Gestão são instrumentos interligados que resultam do processo de planejamento que se busca construir no SUS, sob a forma de uma atuação sistêmica. Os três instrumentos são interdependentes e articulados, o que inviabilizaria qualquer esforço voltado a trabalhá-los isoladamente, até porque são partes consecutivas e contínuas de um mesmo processo, que é o planejamento. Apesar de alguns autores falarem da burocratização do planejamento, todos reconhecem a importância das políticas do Ministério da Saúde para orientar e ordenar as ações de planejamento nas demais esferas. Lacerda et al. (2012) reforçam que a atuação contínua e articulada do planejamento nas três esferas de governo, de forma ascendente e orientada pelas necessidades locais, apresenta um grande potencial de transformação da realidade de saúde da população. Outro aspecto apontado como limitador, no que tange à institucionalização do planejamento, é a dificuldade que os municípios têm de fazê-lo participativo. Acredita-se que com a maior participação das pessoas aumenta-se a chance de consolidar a prática do planejamento. Observou-se que nas organizações e nos ambientes onde se estabeleceu o planejamento como uma prática permanente de participação, desenvolveu-se uma cultura em que há maior compromisso das pessoas. (TANCREDI et al., 1998 apud SILVA; SANTOS; MENDES, 2012) O processo de planejamento proposto prevê que os instrumentos de gestão sejam elaborados de forma participativa e que haja o envolvimento dos diferentes atores envolvidos, entre eles gestores, profissionais e usuários. Além disso, estabelece que os municípios apresentem e submetam à aprovação dos Conselhos Municipais de Saúde, os planos, programações e relatórios. Nesse contexto, Anunciação e Souza (2011) dizem que os Conselhos Municipais de Saúde têm se transformado num espaço de participação parcial, pois os seus membros, por vezes, até participam dos debates referentes às proposições de planejamento, mas suas interferências não ocorrem ao longo de todo o processo. O fato de se identificar uma pseudo participação popular fragiliza a estruturação de um planejamento que responda às reais necessidades da população. Muitas vezes, os espaços de participação existem apenas para legi- 48 Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 3

16 Ana Beatriz Cardoso da Luz # Maurício Fernandes Pereira # Maria Luciana Biondo Silva timar decisões autoritárias e verticais. Perde-se a possibilidade de envolver os diferentes atores e de comprometê-los no desenvolvimento do planejamento e no alcance dos resultados. Mesmo com a ampliação dos espaços de participação social no âmbito das políticas públicas de saúde que se tem verificado nas últimas duas décadas, é patente que muito se tem a avançar nesse sentido (ANUNCIAÇÃO; SOUZA, 2011), ficando evidente a fragilidade no fortalecimento e no reconhecimento da participação social por parte dos municípios. Além do desafio da institucionalização do planejamento no âmbito municipal, outros nós críticos são apontados, dos quais a desarticulação entre o planejamento no SUS e o orçamento público. Vieira (2009) afirma que as deficiências no financiamento das ações planejadas ocorrem em virtude da desarticulação entre os instrumentos de orçamento da gestão pública, como o Plano Plurianual (PPA), a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), a Lei Orçamentária Anual (LOA), os instrumentos de gestão do SUS e o Plano de Saúde (PS) e suas Programações Anuais de Saúde (PAS). Entende-se que a não compatibilização entre planejamento e orçamento, faz com que o planejamento tenha pouca efetividade, uma vez que o orçamento pode prever investimentos em áreas que não foram priorizadas e não garantir os recursos necessários em áreas prioritárias. Ou seja, o desafio está em garantir o funcionamento de um fluxo de interligação com as previsões orçamentárias, a fim de se garantir o financiamento adequado das ações em saúde. Observa-se que algumas vezes há recursos disponíveis destinados aos municípios, às vezes em quantidade necessária, mas que, pelo improviso no planejamento e gestão de recursos, acabam não sendo utilizados ou aplicados em áreas não priorizadas. Há uma dificuldade em articular a previsão orçamentária do município com o planejamento e programação dos diferentes setores, entre eles a saúde. Outro ponto apontado como grande desafio na gestão do SUS é a implementação do planejamento ascendente. A Lei n /90 declara que [...] o planejamento e orçamento do SUS será ascendente, do nível local até o federal, ouvidos seus órgãos deliberativos, compatibilizando-se as necessidades da política de saúde com a Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 3 49

17 Análise dos Instrumentos de Planejamento do Sistema Único de Saúde (SUS) disponibilidade de recursos em planos de saúde dos municípios, estados, e União. (BRASIL, 1990, cap. III) Vieira (2009) diz que o planejamento deve se dar a partir da observação das necessidades locais, e que os estados e a União precisam considerar os objetivos e as metas definidos pelos municípios para fomentar as suas iniciativas. A autora ainda reforça a importância das instâncias de negociação e da construção coletiva, para definição de fluxos e instrumentos, além da pactuação. O processo de planejamento ascendente, além de requisito legal, é um dos mecanismos para assegurar a unicidade e a consolidação do SUS. Esse desafio torna-se ainda maior se for considerada a complexidade do perfil epidemiológico brasileiro e a extensão territorial, que faz com que os municípios sejam muitos e tão diversos. Mas para consolidação do planejamento ascendente é necessário que os municípios estejam fortalecidos, que desenvolvam as ações de planejamento de forma contínua e que estabeleçam uma cultura de planejar em saúde, pois é na realidade local que se identificam os problemas e encontram-se as ferramentas para as possíveis soluções. Partindo do município e de suas construções é possível elaborar planos e programações dos estados e da União que respondam às reais necessidades e, sendo assim, contribuir para o desenvolvimento de políticas públicas de saúde eficazes, efetivas e de impacto. Mas, mesmo diante de um cenário repleto de desafios, não há como negar os grandes avanços e a importância que se deu ao planejamento ao longo da evolução do SUS. Nesse sentido, Lacerda et al. (2012) entendem que as orientações definidas pelo PlanejaSUS e pelo Pacto de Gestão avançam para que o planejamento responda efetivamente às necessidades do sistema de saúde e às demandas que se impõem continuamente aos gestores. 5 Considerações Finais Percebeu-se que desde a criação do SUS e sua regulamentação, houve a preocupação em inserir o planejamento em saúde como eixo principal para qualificação da gestão em todas as esferas. O arcabouço legal do SUS, composto de leis e de portarias, tratou de definir e regulamentar práticas de planejamento, instrumentos de gestão e atribuições dos entes federados. Nesse sentido, observou-se que o Ministé- 50 Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 3

18 Ana Beatriz Cardoso da Luz # Maurício Fernandes Pereira # Maria Luciana Biondo Silva rio da Saúde passou a ter a função de formular políticas, planos e projetos, aprimorando a cultura de planejamento na gestão pública na área da saúde culminando na existência de um sistema próprio para este fim: o Sistema de Planejamento do SUS (PlanejaSUS). O PlanejaSUS apresentou, entre seus principais objetivos, a necessidade de implementar e de difundir a cultura de planejamento e de formular metodologias e modelos de instrumentos básicos do processo de planejamento. Os instrumentos básicos propostos são: Plano de Saúde, Programações Anuais de Saúde e Relatórios Anuais de Gestão, comuns às três esferas, mas especialmente importantes na gestão municipal do SUS. A descentralização fez com que os municípios tivessem papel fundamental na consolidação do SUS por meio do fortalecimento e do planejamento, e a situação configurou-se bastante favorável ao seu desenvolvimento. Porém, algumas limitações foram observadas, entre elas o baixo grau de institucionalização do planejamento nas Secretarias Municipais de Saúde, ligado principalmente à imaturidade dos municípios com relação à cultura de planejamento e à burocratização do processo. Outro ponto que se ressalta é a dificuldade dos gestores em tornar o processo participativo, valorizando a atuação dos diferentes atores e fortalecendo a participação popular. A superação desse desafio aumentaria a chance de ter planos e programações que saíssem do papel e trouxessem resultados práticos na melhoria dos serviços e dos indicadores de saúde. Observou-se também a existência de dificuldades por parte dos municípios em articular o planejamento com o orçamento público; e na implementação de um planejamento ascendente no sistema de saúde. Um aspecto que cabe ressaltar é a evidência da necessidade de fortalecimento das ações de monitoramento e avaliação e das habilidades e competências de gestores e de técnicos em saúde para melhor utilização das possibilidades ofertadas e para superação de tais desafios. Mas apesar das dificuldades, os avanços são inegáveis; e o reconhecimento de que o planejamento em saúde é tema central para o desenvolvimento de políticas e de ações que visem responder às necessidades do sistema de saúde mostra que o futuro para consolidação do SUS não é tão nebuloso como muitos insistem em dizer. Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 3 51

19 Análise dos Instrumentos de Planejamento do Sistema Único de Saúde (SUS) Referências ANUNCIAÇÃO, F. C.; SOUZA, M. K. B. Planejamento em saúde: percepções e entendimentos sobre o Plano Municipal de Saúde. Revista Baiana de Saúde Pública, Salvador, v. 35, n. 4, p , out.-dez BRASIL. Lei n , de 19 de setembro de Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 19 set Lei n , de 28 de dezembro de Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 28 dez Ministério da Saúde. Sistema de planejamento do SUS: uma construção coletiva. Organização e Funcionamento. 3. ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2009a. v. 1.. Sistema de planejamento do SUS: uma construção coletiva. Instrumentos básicos. 2. ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2009b. v. 2.. Sistema de planejamento do SUS: uma construção coletiva. Orientações gerais para elaboração de instrumentos de planejamento. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2009c. v. 6. Portaria n , de 1º de dezembro de Diário Oficial da União, Brasília, DF: Senado Federal, 4 dez Portaria n , de 28 de dezembro de Diário Oficial da União, Brasília, DF: Senado Federal, 29 dez Norma Operacional Básica do Sistema Único de Saúde. NOB-SUS Brasília, DF: Ministério da Saúde, Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 3

20 Ana Beatriz Cardoso da Luz # Maurício Fernandes Pereira # Maria Luciana Biondo Silva. Norma Operacional Básica do Sistema Único de Saúde. NOB SUS 01/96. Brasília, DF: Ministério da Saúde, Portaria GM n. 95, de 26 de janeiro de Aprova a Norma Operacional da Assistência à Saúde NOAS-SUS 01/2001 que amplia as responsabilidades dos municípios na Atenção Básica; define o processo de regionalização da assistência; cria mecanismos para o fortalecimento da capacidade de gestão do Sistema Único de Saúde e procede à atualização dos critérios de habilitação de estados e municípios. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 29 jan Pactos pela vida, em defesa do SUS e de gestão: diretrizes operacionais. Brasília, DF: Ministério da Saúde, Proposta para o processo de planejamento em nível nacional: Sistema Único de Saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde, CIAMPONE, M. H. T; MELLEIRO, M. M.; TRONCHIN, D. M. R. O planejamento estratégico situacional no ensino de gerenciamento em enfermagem. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 18, n. 2, p , GIOVANELLA, L. A proposta de Mario Testa para o planejamento em saúde. In: GIOVANELLA L. (Org.). Planejamento estratégico, programação e orçamentação em saúde: textos de apoio. Rio de Janeiro: ENSP, LACERDA, J. T. et al. Avaliação da gestão para o planejamento em saúde em municípios catarinenses. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 4, p , MERHY, E. E. Planejamento como tecnologia de gestão: tendências e debates em planejamento em saúde no Brasil, p In GALLO, E. (Org.). Razão e Planejamento: reflexões sobre política, estratégia e liberdade. São Paulo; Rio de Janeiro: Hucitec; Abrasco, Coleção Gestão da Saúde Pública Volume 3 53

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 01/13 PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS 2014/2017 Introdução: O planejamento em saúde configura-se como responsabilidade dos entes públicos, assegurada pela Constituição Federal

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 03/13 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ELABORAÇÃO - 2014 Introdução: O Planejamento é uma tecnologia de gestão que visa articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas

Leia mais

PLANEJAMENTO. Sistema de Planejamento do SUS. Uma construção coletiva. Orientações gerais para elaboração de instrumentos de planejamento

PLANEJAMENTO. Sistema de Planejamento do SUS. Uma construção coletiva. Orientações gerais para elaboração de instrumentos de planejamento MINISTÉRIO DA SAÚDE SÉRIE Sistema de Planejamento do SUS Uma construção coletiva CADERNOS DE PLANEJAMENTO VOLUME 6 Orientações gerais para elaboração de instrumentos de planejamento Programação Anual de

Leia mais

A Importância do Planejamento na construção do SUS. Carmen Teixeira

A Importância do Planejamento na construção do SUS. Carmen Teixeira A Importância do Planejamento na construção do SUS Carmen Teixeira A importância do planejamento O planejamento está voltando à moda, depois de mais de uma década de predomínio do ideologismo neoliberal

Leia mais

Congresso COSEMS RS 2013

Congresso COSEMS RS 2013 Congresso COSEMS RS 2013 Planejamento em Saúde no âmbito do SUS Porto Alegre, 22 de Julho de 2013 DECRETO 7.508/2011 Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES -( Art. 1ºe Art. 2º) Capítulo II DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA http:///br/resenhas.asp?ed=8&cod_artigo=136 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 Região de Saúde [...] espaço geográfico contínuo constituído por agrupamentos de Municípios limítrofes, delimitado a partir de identidades

Leia mais

Curso de Especialização PLANEJAMENTO EM SAÚDE

Curso de Especialização PLANEJAMENTO EM SAÚDE EXEMPLOS DE INDICADORES DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA 1. Taxa de mortalidade infantil. Número de óbitos de menores de 1 ano 2. Taxa de mortalidade infantil por causas evitáveis. Numero

Leia mais

PLANEJASUS. A Importância do Planejamento na Gestão do SUS

PLANEJASUS. A Importância do Planejamento na Gestão do SUS PLANEJASUS A Importância do Planejamento na Gestão do SUS Sumário 1. A importância do planejamento 2. Antecedentes: a Saúde nos Planos de Desenvolvimento 3. Emergência do planejamento em saúde (75-79)

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA A VIGILÂNCIA SANITÁRIA ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO EM. Versão 1.2

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA A VIGILÂNCIA SANITÁRIA ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO EM. Versão 1.2 GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA Planejamento, Programação, Pactuação e Monitoramento das ações de Visa Versão 1.2 ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO (APLAN/ANVISA)

Leia mais

O processo de Planejamento Regional e o Contrato Organizativo de Ação Pública (COAP)

O processo de Planejamento Regional e o Contrato Organizativo de Ação Pública (COAP) MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA Departamento de Articulação Interfederativa O processo de Planejamento Regional e o Contrato Organizativo de Ação Pública (COAP) NORMAS

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL PROJETO DE LEI Institui o Plano Plurianual da União para o período 2012-2015. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL Art.1 o Esta lei institui o Plano

Leia mais

2. Histórico do sistema de saúde, proteção social e direito à saúde

2. Histórico do sistema de saúde, proteção social e direito à saúde 2. Histórico do sistema de saúde, proteção social e direito à saúde Marly Marques da Cruz O Capítulo 2 da Parte I compreende os fundamentos teóricos e conceituais e os marcos legais de proteção social

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.272, DE 25 DE AGOSTO DE 2010. Regulamenta a Lei n o 11.346, de 15 de setembro de 2006, que cria o Sistema Nacional de

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

Ciência & Saúde Coletiva ISSN: 1413-8123 cecilia@claves.fiocruz.br. Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva.

Ciência & Saúde Coletiva ISSN: 1413-8123 cecilia@claves.fiocruz.br. Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Ciência & Saúde Coletiva ISSN: 1413-8123 cecilia@claves.fiocruz.br Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva Brasil Sulpino Vieira, Fabíola Avanços e desafios do planejamento no Sistema

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE CADERNOS DE PLANEJAMENTO. Sistema de Planejamento do SUS. Uma construção coletiva. Instrumentos básicos.

MINISTÉRIO DA SAÚDE CADERNOS DE PLANEJAMENTO. Sistema de Planejamento do SUS. Uma construção coletiva. Instrumentos básicos. MINISTÉRIO DA SAÚDE SÉRIE Sistema de Planejamento do SUS Uma construção coletiva CADERNOS DE PLANEJAMENTO VOLUME 2 Instrumentos básicos 2ª edição Brasília - DF 2009 MINISTÉRIO DA SAÚDE SÉRIE Sistema de

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social IX Conferência Nacional de Assistência Social Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social Programação da conferência poderá incluir: 1. Momento de Abertura, que contará

Leia mais

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS COAP 06/13 ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS 1.0 O que é o Contrato Organizativo da Ação Pública - COAP? O COAP é um acordo de colaboração firmado entre os três entes federativos, no âmbito de uma Região de

Leia mais

Organização do Sistema Único de Saúde Organization of the Health System in Brazil

Organização do Sistema Único de Saúde Organization of the Health System in Brazil Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa inistério da Saúde Organização do Sistema Único de Saúde Organization of the Health System in Brazil Brasília, março de 2014 Saúde Direito de todos e dever

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.593, DE 18 DE JANEIRO DE 2012. Mensagem de veto Institui o Plano Plurianual da União para o período de 2012 a 2015. A PRESIDENTA

Leia mais

NOTA TÉCNICA 34 2013. Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS

NOTA TÉCNICA 34 2013. Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS NOTA TÉCNICA 34 2013 Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS Brasília, 24 de agosto de 2013 I NTRODUÇÃO NOTA TÉCNICA 34 2013 Nesta Nota Técnica vamos analisar a proposta do

Leia mais

Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS. Planejamento Regional Integrado

Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS. Planejamento Regional Integrado Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS Planejamento Regional Integrado Brasília DF, novembro de 2014 LEGISLAÇÃO ANTERIOR AO DECRETO - VIGENTE Lei 8142/90-1º. art. 1 A Conferência de Saúde reunir-se-á

Leia mais

Desafios para gestão municipal do SUS

Desafios para gestão municipal do SUS XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo Desafios para gestão municipal do SUS Arthur Chioro Secretário de Saúde de São Bernardo do Campo Presidente do Cosems-SP Política

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO Brasília, 28 de outubro de 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS APRESENTAÇÃO O presente documento é resultado de um processo de discussão e negociação que teve a participação de técnicos

Leia mais

GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE

GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE (Fonte: Livro 2 dos Cadernos de Planejamento do PLANEJASUS) O planejamento é uma função estratégica de gestão assegurada pela Constituição Federal

Leia mais

PORTARIA Nº 1.097 DE 22 DE MAIO DE 2006.

PORTARIA Nº 1.097 DE 22 DE MAIO DE 2006. PORTARIA Nº 1.097 DE 22 DE MAIO DE 2006. Define o processo da Programação Pactuada e Integrada da Assistência em Saúde seja um processo instituído no âmbito do Sistema Único de Saúde. O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

Sistema Único de Saúde. Uma construção coletiva

Sistema Único de Saúde. Uma construção coletiva Sistema Único de Saúde Uma construção coletiva Planejamento no arcabouço legal do SUS Leis Orgânicas da Saúde Portaria N. 399, de 22/02/2006 (divulga o Pacto pela Saúde) Portaria N. 699, de 30/03/2006

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012 PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012 Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas social.vania@gmail.com Mapeamento e cobertura da rede prestadora de

Leia mais

regionalização e contratos organizativos de ação pública.

regionalização e contratos organizativos de ação pública. A Regulamentação da Lei 8.080/90: A Regulamentação da Lei 8.080/90: regionalização e contratos organizativos de ação pública. Seminário Nacional PRÓ Saúde e PET Saúde Brasília, 19 de outubro de 2011.,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Dispõe sobre o Modelo Integrado de Gestão do Poder Executivo do Estado de Pernambuco. Faço saber que a Assembléia

Leia mais

Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 1

Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 1 CONHECIMENTOS GERAIS SOBRE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (QUESTÕES 01 a 30) Questão 01 (Peso 1) A saúde, através do Sistema Único de Saúde, é desenvolvida através de uma política social e econômica que visa,

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

F. Tratamento fora do domicílio

F. Tratamento fora do domicílio F. Tratamento fora do domicílio artigos 197 e 198 da Constituição Federal de 1988; Lei Orgânica da Saúde nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, disciplinada pela Portaria Federal nº 055, de 24 de fevereiro

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO Monitoramento e Avaliação dos Planos Municipais de Educação Caderno de Orientações (Versão Preliminar) Apresentação Um grande

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE EXPERIÊNCIA EXITOSA EM:

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE EXPERIÊNCIA EXITOSA EM: PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE EXPERIÊNCIA EXITOSA EM: AMPLIAÇÃO E DESCENTRALIZAÇÃO DA CENTRAL DE MARCAÇÃO DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS DE JOÃO PESSOA/PB: UMA

Leia mais

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 Brasília - DF 2012 1 O presente Plano

Leia mais

Sistema de Planejamento do SUS (PlanejaSUS): uma construção coletiva trajetória e orientações de operacionalização

Sistema de Planejamento do SUS (PlanejaSUS): uma construção coletiva trajetória e orientações de operacionalização MINISTÉRIO DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE Sistema de Planejamento do SUS (PlanejaSUS): uma construção coletiva trajetória e orientações de operacionalização Brasília - DF 2009 MINISTÉRIO

Leia mais

Alocação de Recursos e Regionalização no SUS

Alocação de Recursos e Regionalização no SUS Alocação de Recursos e Regionalização no SUS Áquilas Mendes Professor Doutor Livre-Docente de Economia da Saúde da FSP-USP e do Departamento de Economia da PUC-SP ABRES Encontro Alocação de Recursos e

Leia mais

Gestão Ambiental Compartilhada

Gestão Ambiental Compartilhada Ministério do Meio Ambiente Secretaria Executiva Departamento de Articulação Institucional Gestão Ambiental Compartilhada Discussão: Licenciamento Ambiental de empreendimentos e atividades com características

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013 Redefine as regras e critérios

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema

Leia mais

FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS

FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS BRASIL 8,5 milhões de Km²; 192 milhões de habitantes; 26 Estados e 01 Distrito Federal; 5.564 municípios (70,3 % com menos de 20.000 habitantes);

Leia mais

PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EIXO 1 Processo Histórico da Participação Popular no País: nossa cidade e territórios em movimento; Trajetória e

Leia mais

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE: um relato de experiência

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE: um relato de experiência UFMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI 1 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Leia mais

NOTA TÉCNICA 16 2013. Política Nacional de Educação Popular em Saúde

NOTA TÉCNICA 16 2013. Política Nacional de Educação Popular em Saúde NOTA TÉCNICA 16 2013 Política Nacional de Educação Popular em Saúde Brasília, 20 de maio de 2013 INTRODUÇÃO A Política Nacional de Educação Popular em Saúde PNEP-SUS foi apresentada e aprovada no Conselho

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010 SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010 Estabelece orientações básicas sobre a Norma Operacional de Saúde do Servidor - NOSS aos órgãos e entidades do Sistema de Pessoal

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cit/2012/res0004_19_07_2012.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cit/2012/res0004_19_07_2012.html http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cit/2012/res0004_19_07_2012.html Página 1 de 17 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Gabinete do Ministro Comissão Intergestores

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI O Processo de Construção do SNC Teresina-PI 04/Dez/2012 A Importância Estratégica do SNC Após os inúmeros avanços ocorridos nos últimos anos no campo da cultura

Leia mais

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento Carta de Joinville Os Secretários e Secretárias Municipais de Saúde, reunidos no XXIII Congresso Nacional das Secretarias Municipais de Saúde e IV Congresso Brasileiro de Saúde, Cultura de Paz e Não-Violência,

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011.

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

DAI/SGEP/MS. Planejamento em Saúde Sistema de Apoio ao Relatório de Gestão - SARGSUS

DAI/SGEP/MS. Planejamento em Saúde Sistema de Apoio ao Relatório de Gestão - SARGSUS Planejamento em Saúde Sistema de Apoio ao Relatório de Gestão - SARGSUS Brasília DF, 06/03/2013 Saúde Direito de todos e dever do Estado CONSTITUIÇÃO FEDERAL Lei 8.080 Lei 8.142 DECRETO 7.508 Lei 12.401

Leia mais

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS 1 ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS I. PROPÓSITOS A Política Estadual em Saúde do Trabalhador tem por propósito definir princípios, diretrizes e estratégias para

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

Uma Nova Agenda para a Reforma do

Uma Nova Agenda para a Reforma do Uma Nova Agenda para a Reforma do Setor Saúde: Fortalecimento das Funções Essenciais da Saúde Pública e dos Sistemas de Saúde FORO REGIONAL ANTIGUA/GUATEMALA 19-22 DE JULHO DE 2004 PERSPECTIVAS NACIONAIS

Leia mais

NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO

NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO Brasília, 16 de agosto de 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO

Leia mais

RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS

RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS LISY MOTA DA CRUZ Orientador: Prof. Dr. Gilberto Tadeu Reis da Silva

Leia mais

ANÁLISE DO DOCUMENTO DA SASE-MEC SOBRE SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DO DOCUMENTO DA SASE-MEC SOBRE SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DO DOCUMENTO DA SASE-MEC SOBRE SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO Em junho de 2015, a Secretaria de Articulação com os Sistemas de Ensino do Ministério da Educação SASE/MEC disponibilizou documento de

Leia mais

PARTICIPAÇÃO SOCIAL NO PLANO PLURIANUAL

PARTICIPAÇÃO SOCIAL NO PLANO PLURIANUAL APRESENTAÇÃO O Plano Plurianual - PPA 2014 / 2017, intitulado BELÉM 400 ANOS, Reconstrução da Cidade rumo ao Desenvolvimento Sustentável, foi concebido tendo como balizador 04 (quatro) Dimensões Estratégicas:

Leia mais

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos.

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos. Oficina Gestão do SUAS e o Controle Social Ementa: Orientar a reorganização dos órgãos gestores no tocante a legislação, com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros,

Leia mais

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos luziele.tapajos@ufsc.br PLANEJAR O SUAS Definir horizontes da proteção

Leia mais

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental Câmara Municipal de Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental PROJETO DE LEI Nº /2008 Dispõe sobre a Política Municipal de Educação Ambiental e dá outras providências.

Leia mais

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus ERRATA Secretaria de Saúde do DF AUXILIAR EM saúde - Patologia Clínica Sistema Único de Sáude - SUS Autora: Dayse Amarílio D. Diniz Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais

Leia mais

na Estratégia Saúde da Família

na Estratégia Saúde da Família módulo 4 UNIDADE 1 Processo de Trabalho e Planejamento na Estratégia Saúde da Família O Planejamento como instrumento de Gestão 1 módulo 4 UNIDADE 1 Processo de Trabalho e Planejamento na Estratégia Saúde

Leia mais

PORTARIA Nº 2.048, DE 3 DE SETEMBRO DE 2009. Aprova o Regulamento do Sistema Único de Saúde (SUS).

PORTARIA Nº 2.048, DE 3 DE SETEMBRO DE 2009. Aprova o Regulamento do Sistema Único de Saúde (SUS). PORTARIA Nº 2.048, DE 3 DE SETEMBRO DE 2009 Aprova o Regulamento do Sistema Único de Saúde (SUS). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso da atribuição que lhe confere o inciso II do parágrafo único do art.

Leia mais

Marconi Ferreira Perillo Júnior Governador do Estado de Goiás. José Eliton de Figueredo Júnior Vice-Governador

Marconi Ferreira Perillo Júnior Governador do Estado de Goiás. José Eliton de Figueredo Júnior Vice-Governador 1 Marconi Ferreira Perillo Júnior Governador do Estado de Goiás José Eliton de Figueredo Júnior Vice-Governador Secretário de Estado da Saúde Leonardo Moura Vilela Superintendente Executivo Halim Antonio

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

FUNDO E ORÇAMENTO NA POLÍTICA DE ATENDIMENTO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE

FUNDO E ORÇAMENTO NA POLÍTICA DE ATENDIMENTO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE FUNDO E ORÇAMENTO NA EFETIVAÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE Eugênia Aparecida Cesconeto 1 Política Social e Serviço Social INTRODUÇÃO O presente artigo tem por objetivo apresentar

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL Profª Carla Pintas O novo pacto social envolve o duplo sentido de que a saúde passa a ser definida como um direito de todos, integrante da condição de cidadania social,

Leia mais

Minuta PARECER Nº, DE 2011. RELATORA: Senadora LÚCIA VÂNIA

Minuta PARECER Nº, DE 2011. RELATORA: Senadora LÚCIA VÂNIA Minuta PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 189, de 2010 (Projeto de Lei nº 3.077, de 2008, na origem), do Poder Executivo, que altera a Lei nº 8.742,

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social Novembro/2012

Secretaria Nacional de Assistência Social Novembro/2012 Secretaria Nacional de Assistência Social Novembro/ PLANEJAMENTO E GESTÃO FINANCEIRA NO SUAS: A NOVA NOB Norma Operacional Básica da Assistência Social NOB SUAS/2005 Resolução CNAS nº 130, de 15 /07/2005;

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

CONTRATOS DE GESTÃO NA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - UMA EXPERIÊNCIA DE DESCENTRALIZAÇÃO AO NÍVEL LOCAL 1

CONTRATOS DE GESTÃO NA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - UMA EXPERIÊNCIA DE DESCENTRALIZAÇÃO AO NÍVEL LOCAL 1 CONTRATOS DE GESTÃO NA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - UMA EXPERIÊNCIA DE DESCENTRALIZAÇÃO AO NÍVEL LOCAL 1 O sistema de serviços de saúde é um sistema complexo, composto por diferentes atores sociais,

Leia mais

A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE E A EDUCAÇÃO POPULAR: UMA REVISÃO DA LITERATURA

A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE E A EDUCAÇÃO POPULAR: UMA REVISÃO DA LITERATURA A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE E A EDUCAÇÃO POPULAR: UMA REVISÃO DA LITERATURA Érica Fernanda Nascimento de Souza 1 Renilda Rosa Dias 2 RESUMO O estudo objetivou evidenciar a importância da Educação Popular

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA. Alocação de Recursos e Regionalização

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA. Alocação de Recursos e Regionalização MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA Alocação de Recursos e Regionalização Saúde Direito de todos e dever do Estado CONSTITUIÇÃO FEDERAL Lei 8.080 Lei 8.142 DECRETO 7.508

Leia mais

O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios

O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios Colegiado de Secretários Municipais de Saúde do Estado de PE COSEMS-PE O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios 2º Congresso Pernambucano de Municípios - AMUPE Gessyanne Vale Paulino Saúde Direito de todos

Leia mais

Revisão da Política Nacional de Promoção da Saúde

Revisão da Política Nacional de Promoção da Saúde NOTA TÉCNICA 18/2014 Revisão da Política Nacional de Promoção da Saúde Brasília, 28 de outubro de 2014. 1 Introdução A Política Nacional de Promoção da saúde - PNaPS foi aprovada em 2006, no conjunto de

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 7ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE SANTA CATARINA

DOCUMENTO FINAL 7ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE SANTA CATARINA DOCUMENTO FINAL 7ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE SANTA CATARINA EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Fortalecer o Direito à Saúde, a Garantia de Acesso e a Atenção de Qualidade

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais