Universidade Federal de Mato Grosso Instituto de Saúde Coletiva Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de Mato Grosso Instituto de Saúde Coletiva Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva"

Transcrição

1 Universidade Federal de Mato Grosso Instituto de Saúde Coletiva Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva Incidência de Hipertensão Arterial em uma Capital Brasileira: Estudo de Base Populacional Fábio Liberali Weissheimer Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Saúde Coletiva do Instituto de Saúde Coletiva - UFMT, como parte dos requisitos para obtenção do Título de Mestre em Saúde Coletiva Área de concentração: Saúde Coletiva Linha de Pesquisa: Epidemiologia Orientador: Prof. Dr. Luiz César Nazário Scala Cuiabá-MT 2011

2 Fábio Liberali Weissheimer Incidência de Hipertensão Arterial em uma Capital Brasileira: Estudo de Base Populacional Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Saúde Coletiva do Instituto de Saúde Coletiva - UFMT, como parte dos requisitos para obtenção do Título de Mestre em Saúde Coletiva Área de concentração: Saúde Coletiva Linha de Pesquisa: Epidemiologia Orientador: Prof. Dr. Luiz César Nazário Scala Cuiabá-MT 2011

3 É expressamente proibida a comercialização deste documento, tanto na sua forma impressa como eletrônica. Sua reprodução total ou parcial é permitida exclusivamente para fins acadêmicos e científicos, desde que na reprodução figure a identificação do autor, título, instituição e ano da dissertação. Dados Internacionais de Catalogação na Fonte W429i Weissheimer, Fábio Liberali. Incidência de Hipertensão Arterial em uma Capital Brasileira : Estudo de Base Populacional / Fábio Liberali Weissheimer f. : il. color. ; 30 cm. Orientador: Luiz César Nazário Scala. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Mato Grosso, Instituto de Saúde Coletiva, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Cuiabá, Inclui bibliografia. 1. Hipertensão arterial. 2. Pré-hipertensão. 3. Hipertensão arterial - Incidência - Cuiabá. I. Título. CDU (817 2)

4 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA Avenida Fernando Corrêa da Costa, Boa Esperança - Cep: CUIABÁ/MT Tel : (65) Não Informado FOLHA DE APROVAÇÃO TÍTULO : " Incidência de hipertensão arterial em uma capital brasileira: estudo de base populacional." AUTOR : Mestrando FABIO LIBERALI WEISSHEIMER Dissertação defendida e aprovada em 05/10/2011. Composição da Banca Examinadora: Presidente Banca / Orientador : Doutor LUIZ CESAR NAZARIO SCALA Instituição : UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO Examinador Interno: Doutora DELMA PERPETUA OLIVEIRA DE SOUZA Instituição : UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO Examinador Externo: Doutor JOSÉ FERNANDO VILELA MARTIN Instituição : INEP/DAES CUIABÁ,05/10/2011.

5 Dedico esta Dissertação, A todos que pela minha vida passaram e fizeram chegar onde estou e ser quem sou. Aos meus familiares, meus pais Remi e Celita, minha esposa Talitha, meus sogros Valdir e Sandra e minha filha Maria Thereza.

6 AGRADECIMENTOS A Deus, pelo zelo e cuidado, comigo e minha família, permitindo que eu construísse este caminho. Ao meu orientador Prof. Dr. Luiz Cesar Nazário Scala, pelos ensinamentos desde a graduação, pela dedicação, amizade e exemplo. Á minha turma de mestrado/2009, em especial às amigas Lúcia e Gisela, pelo convívio, ensinamentos, alegrias, partilhas e comemorações. Aos meus alunos da Medicina, que me ajudaram na pesquisa de campo. Aos meus irmãos Bere, Régis e Junior, que contribuíram muito para esta tese. Aos amigos Godoy, Luciano, Juliano, Giovana, Ricardo e Huark, que sempre estiveram disponíveis para assumir minhas funções para que eu pudesse me dedicar ao mestrado. A todos meus queridos amigos, que constituí durante esses anos de vida acadêmica em Cuiabá-MT. Á Universidade Federal de Mato Grosso, por ser um celeiro de oportunidades. Ao Instituto de Saúde Coletiva, Professores e Secretários, pelo acolhimento, dedicação e paciência.

7 RESUMO Weissheimer FL. Incidência de hipertensão arterial em uma capital brasileira: estudo de base populacional [dissertação de mestrado]. Cuiabá-MT: Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal de Mato Grosso; f. Introdução: A hipertensão arterial sistêmica (HA) é uma condição sistêmica que envolve alterações estruturais das artérias e do miocárdio, gerando níveis de pressão arterial (PA) sustentadamente elevados. De causalidade multifatorial é grande problema de saúde devido às altas prevalência, morbidade, mortalidade e custos. Estudos brasileiros sobre incidência de HA são raros. Estudo feito em 2008 em Porto Alegre-RS pontuou que 80% dos pré-hipertensos, entre 40 e 50 anos, terão HA em 10 anos. Desta forma, torna-se pertinente estudar a incidência da HA em Cuiabá-MT para que se obtenham informações técnico-científicas que subsidiem políticas de combate a HA. Objetivo: Analisar a incidência de HA e fatores associados em préhipertensos em Cuiabá-MT. Método: Coorte prospectivo de base populacional aprovado pela CEP/HUJM com acompanhamento em 6,8 anos de população fonte de 400 pré-hipertensos entre 2003 e Foram usadas estatísticas descritivas e inferenciais, risco relativo (IC 95%), teste de qui-quadrado de Pearson, p<0,05 e regressão múltipla de Poisson robusta. Resultados: População amostral de 171 indivíduos, 61,9% homens e 38,1% mulheres, idade média de 46,6 anos. Tempo de follow up de 6,8 anos. Média de anos de estudo de 9,5 anos. Renda média per capita de R$ 902,20. Foi observado no estudo que: 10,5% dos entrevistados admitiram consumir sal em excesso; 76,6% tomam café diariamente; 26,9% são sedentários; 13,4% fumam cigarros diariamente e 28,6% são obesos. A incidência de HA geral foi de 58,5% sendo que 86% destes estavam com PA descontrolada. Estratificando por exposição, a incidência de HA encontrada foi de 63,8% em indivíduos com renda per capita menor que 2 salários mínimos; 65,7% em indivíduos que consomem café diariamente; 71,7% nos sedentários e 77,6% nos obesos. Após regressão, mantiveram associadas ao desfecho HA às exposições (fatores de risco): obesos (p<0,001), tempo de assistir à televisão maior a 4 horas (p< 0,000), consumo de café

8 diário (p< 0,005), renda menor que 2 salários mínimos (p< 0,041), número de moradores maior que 4 (p<0,047) e idade maior que 60 anos (p<0,000). Conclusão: O estudo demonstrou que há risco de 86% de um pré-hipertenso residente na área urbana de Cuiabá-MT desenvolver HA em 10 anos, e que a mesma está associada a fatores de risco conhecidos, em sua maioria modificáveis. Algumas associações sugerem maior estudo. Adoção de políticas de prevenção, tratamento e controle desta moléstia são necessárias. Palavras-chave: Hipertensão Arterial. Pré-hipertensão. Incidência. Epidemiologia. Doenças Cardiovasculares. Fatores de Risco Cardiovascular. Saúde Pública em Cuiabá.

9 ABSTRACT Weissheimer FL. Arterial hypertension incidence on a Brazilian capital: Population-based study [Master s Dissertation].Cuiabá-MT: Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal de Mato Grosso; f. Background: The systemic arterial hypertension is a systemic condition which involves structural alterations of the artery and of the myocardium, generating continuously high levels of blood pressure. Of multifactorial causality, it is a great health issue due to its high prevalence, morbidity, mortality and costs. Brazilian researches on systemic arterial hypertension incidence are unusual. Research conducted in 2008 in Porto Alegre (RS) stated that 80% of the pre-hypertensive patients between 40 and 50 years will have systemic arterial hypertension in 10 years. Therefore, it is relevant to study the incidence of systemic arterial hypertension in Cuiabá (MT) in order to obtain technical-scientific information that subsidizes prevention policies against systemic arterial hypertension. Objective: To analyze the incidence of systemic arterial hypertension and associated factors on prehypertensive patients in Cuiabá (MT). Methods: Population-based prospective cohort approved by CEP/HUJM, with population of 400 pre-hypertensive patients watched for 6,8 years, from 2003 through Descriptive and inferential statistics were used, relative risk (Confidence Intervals - CI 95%), Pearson s chi-square test, p<0,05 and multiple Poisson regression with robust variance. Results: Population sample of 171 patients, 61,9% men and 38,1% women, average of 46,6 years old. Follow-up time of 6,8 years. Schooling time of 9,5 years. Average per capita income of R$ 902,20. It was observed in this research that: 10,5% admit high level of salt consumption; 76,6% have daily coffee consumption; 26,9% are sedentary; 13,4% smoke cigarrettes; and 28,6% are obese. General systemic arterial hypertension incidence totaled 58,5%, from which 86% presented uncontrolled blood pressure. Stratified by exposition, the incidence of systemic arterial hypertension found was 63,8% in patients with per capita income below 2 minimum wages; 65,7% in patients that consume coffee daily; 71,7% in sedentary patients; and 77,6% in the obese.

10 After regression, the following expositions remained associated (risk factors): obese (p<0,001), time spent watching TV higher than 4h (p< 0,000), daily coffee consumption (p< 0,005), income lower than 2 minimum wages (p< 0,041), number of inhabitants higher than 4 (p< 0,047) and age higher than 60 years old (p< 0,000). Conclusion: The research has shown that there is an 86% risk for a patient who is a resident of the urban area of Cuiabá (MT) to develop arterial hypertension in ten years, and this is associated to well known risk factors that are, in majority, modifiable. Some associations might demand a greater study. The adoption of prevention policies, treatment and control of this disease are required. Keywords: Arterial hypertension. Pre-hypertension. Incidence. Epidemiology. Cardiovascular disease. Cardiovascular risk factors. Public Health in Cuiabá.

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1- Tabela 2- Tabela 3- Tabela 4- Tabela 5- Tabela 6- Tabela 7- Tabela 8- Tabela 9- Tabela 10- Classificação da Pressão Arterial, segundo as VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Classificação da Pressão Arterial, segundo o VII Comitê Nacional Americano de Hipertensão Distribuição da população de estudo segundo variáveis socioeconômicas e demográficas, Cuiabá-MT, Distribuição da população de estudo segundo hábitos alimentares e estilo de vida, Cuiabá-MT, Distribuição da população de estudo segundo estilo de vida, Cuiabá-MT, Distribuição da população de estudo segundo dados antropométricos: circunferência da cintura, relação cintura/quadril e classificação do índice de massa corporal, Cuiabá-MT, Distribuição da população de estudo, discriminada por gênero, de acordo com a classificação da pressão arterial das VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão e/ou uso de antihipertensivos, Cuiabá-MT, Distribuição da população de estudo quanto ao grau de conhecimento, tratamento e controle da hipertensão arterial, Cuiabá-MT, Incidência de hipertensão arterial, risco relativo, intervalo de confiança (IC 95%), segundo características demográficas e socioeconômicas da população de estudo, Cuiabá-MT, Incidência de hipertensão arterial, risco relativo, intervalo de confiança (IC 95%), segundo hábito alimentar e estilo de vida da população de estudo, Cuiabá-MT,

12 Tabela 11- Tabela 12 - Incidência de hipertensão arterial, risco relativo e intervalo de confiança (IC 95%) segundo características antropométricas e estado nutricional da população de estudo, Cuiabá-MT, Análise das variáveis independentes de incidência de hipertensão da população de estudo, segundo o modelo de regressão múltipla de Poisson, Cuiabá-MT, Tabela 13- Modelo final de regressão múltipla de Poisson: variáveis associadas ao surgimento da hipertensão arterial na população de estudo, Cuiabá-MT,

13 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1- Gráfico 2- Gráfico 3- Prevalência de hipertensão arterial em estudos populacionais para Pressão Arterial com valores 140/90 mmhg (SCALA et al., 2011) Idade e gênero versus prevalência de hipertensão arterial em Cuiabá-MT segundo estudo de CASSANELLI (2005) Incidência de hipertensão arterial (%) por faixa etária (anos) em Cuiabá-MT, 2010 (p<0,005) Gráfico 4- Incidência de hipertensão arterial (%) por faixa etária (ano) e gênero em Cuiabá-MT, 2010 (p<0,520) Gráfico 5- Controle da pressão arterial em indivíduos hipertensos em Cuiabá-MT, Gráfico 6- Incidência (%) de hipertensão arterial segundo fatores de risco em Cuiabá-MT, 2010 (p<0,005) Gráfico 7- Representação da probabilidade normal dos resíduos no estudo de hipertensão arterial feito em Cuiabá,

14 LISTA DE FIGURAS Figura 1- Figura 2- Google Maps: área urbana de Cuiabá demarcada com o número de pessoas por setor censitário que participaram do estudo de CASSANELLI, Google Maps: quadra sorteada em área demarcada de Cuiabá, Figura 3- Figura 4- Google Maps: casa sorteada, após sorteio da face da quadra sorteada de Cuiabá, Google Maps: utilização de GPS, GOOGLE MAPS e mapas cartográficos para identificação dos endereços Figura 5 - Modelo de análise da incidência de hipertensão arterial na população urbana de Cuiabá - MT, adaptado de STUMER et al.(2006) Figura 6 - Distribuição da população amostral de indivíduos préhipertensos, residentes na região urbana do município de Cuiabá- MT,

15 LISTA DE ANEXOS Anexo A - Classificação Econômica do Brasil da Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa Anexo B - Atestado de qualidade dos equipamentos utilizados no estudo. 104 Anexo C - Questionário utilizado na coleta dos dados Anexo D - Termo de aprovação: Comitê de Ética em Pesquisa HUJM Anexo E - Termo de Consentimento Livre e Esclarecido

16 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS ABEP AVE CC CEP DCV DAC DCbV DNT Dr. ES EUA GPS HAS HPSMC HUJM IAM IBGE IC IMC JOINT LOA LDL MAPA MG MT OMS OPAS PA PAD PAS Prof. Associação Brasileira de Empresas e Pesquisas Acidente Vascular Encefálico Circunferência de Cintura Comitê de Ética de Pesquisa Doença Cardiovascular Doença Arterial Coronária Doença Cerebrovascular Doenças Não Transmissíveis Doutor Espírito Santo Estados Unidos da América Global Positioning System Hipertensão Arterial Sistêmica Hospital Pronto Socorro Municipal de Cuiabá Hospital Universitário Júlio Müller Infarto Agudo do Miocárdio Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas Índice de Confiança Índice de Massa Corporal Joint National Committee Lesão em Orgãos-Alvo Low-densitylipoprotein Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial Minas Gerais Mato Grosso Organização Mundial de Saúde Organização Panamericana da Saúde Pressão Arterial Pressão Arterial Diastólica Pressão Arterial Sistólica Professor

17 RCQ RJ RR RS SAOS SBC SBH SBN SM SP SRAA SUS TCLE TROPHY TV UFG UFMT WHO Relação Cintura/Quadril Rio de Janeiro Risco Relativo Rio Grande do Sul Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono Sociedade Brasileira de Cardiologia Sociedade Brasileira de Hipertensão Sociedade Brasileira de Nefrologia Síndrome Metabólica São Paulo Sistema Renina-Angiotensina-Aldosterona Sistema Único de Saúde Termo de Consentimento Livre e Esclarecido Trial of Preventing Hypertension Aparelho de Televisão Universidade Federal de Goiás Universidade Federal de Mato Grosso World Health Organization

18 LISTA DE SÍMBOLOS % Percentual p Nível de significância < Menor R$ Real - moeda brasileira mmhg Milímetro(s) de coluna de mercúrio Maior e igual N Número de indivíduos > Maior vs Versus = Igual h Hora g Grama(s) g/dia Grama(s) por dia cm Centímetros mg/dl Miligrama por decilitro Kg Quilograma mm Milímetro m² Metro(s) ao quadrado Marca registrada P (χ 2 ) Valor em Qui-quadrado de Pearson ± Mais ou menos n Número de indivíduos Menor e igual Nº Número x/semana Vezes por semana Kg/m² Quilograma por metro quadrado x Média Ñ Não

19 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA HIPERTENSÃO ARTERIAL: CONCEITO, CAUSA E IMPORTÂNCIA HIPERTENSÃO ARTERIAL: CLASSIFICAÇÃO E DIAGNÓSTICO FATORES DE RISCO PARA HIPERTENSÃO ARTERIAL Fatores Não Modificáveis: fatores genéticos, idade, gênero, raça Fatores Genéticos Idade Gênero Raça Fatores Modificáveis: socioeconômicos, ingestão de sódio, consumo de bebida alcoólica, sedentarismo, obesidade, síndrome metabólica, síndrome da apneia obstrutiva do sono, hábito tabágico Fatores socioeconômicos Ingestão de sódio na dieta Consumo de bebida alcoólica Sedentarismo Obesidade Síndrome metabólica Síndrome da apneia obstrutiva do sono Hábito tabágico HIPERTENSÃO E PRÉ-HIPERTENSÃO... 37

20 2.5 INCIDÊNCIA DE HIPERTENSÃO OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS MÉTODOS DELINEAMENTO AMOSTRAL Delineamento do estudo e planejamento amostral CRITÉRIO DE INCLUSÃO CRITÉRIO DE EXCLUSÃO DEFINIÇÃO DAS VARIAVÉIS E INSTRUMENTOS DE MEDIDA Variáveis demográficas e socioeconômicas Variáveis relacionadas aos hábitos de vida Variáveis antropométricas COLETA DE DADOS Equipe de campo e treinamento dos entrevistadores Estudo piloto Visitas domiciliares e coleta de dados Controle de qualidade ARMANEZAMENTO E ANÁLISE DE DADOS ASPECTOS ÉTICOS DIVULGAÇÃO DOS DADOS E RESULTADOS ESPERADOS RESULTADOS DESCRIÇÃO DA POPULAÇÃO DE ESTUDO Características demográficas e socioeconômicas Hábitos alimentares e estilo de vida... 62

21 5.1.3 Características antropométricas da população de estudo INCIDÊNCIA DE HIPERTENSÃO NA POPULAÇÃO DE ESTUDO Conhecimento, tratamento e controle de hipertensão arterial na população de estudo ANÁLISE BIVARIADA Variáveis demográficas e socioeconômicas Variáveis alimentares e de hábitos de vida Variáveis antropométricas e estado nutricional ANÁLISE MULTIVARIADA ENTRE AS VARIÁVEIS INDEPENDENTES DO ESTUDO DE INCIDÊNCIA DE HIPERTENSÃO ARTERIAL DISCUSSÃO DESCRIÇÃO DA POPULAÇÃO DE ESTUDO INCIDÊNCIA DE HIPERTENSÃO ASSOCIAÇÃO ENTRE HIPERTENSÃO E AS VARIÁVEIS DE ESTUDO CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS

22 INTRODUÇÃO 19

23 1 INTRODUÇÃO De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), as doenças cardiovasculares (DCV) são responsáveis por 16,7 milhões de mortes por ano. As projeções para 2020 mantêm esses agravos como as principais causas de morte e incapacitação. Atualmente, os países em desenvolvimento contribuem de forma mais acentuada para o ônus dessas doenças do que as regiões desenvolvidas (RAMIRES e CHAGAS, 2005; LIA et al., 2010). No Brasil, estima-se que as DCV sejam as causas de 30% dos óbitos em indivíduos a partir dos 20 anos de idade (DATASUS, 2007). Mesmo porcentual dos dados mundiais em 2001 quanto à distribuição de causas de morte (WHO, 2002). A associação entre risco para desenvolvimento de DCV e elevação da pressão arterial (PA) é exponencial, independente, preditiva e linear (LEWINGTON et al., 2002; SCALA et al., 2011). A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é responsável por cerca de 50% dos óbitos causados pelas doenças cardiovasculares (DCV), principalmente por causar lesões de órgãoalvo (LOA) que culminam com graves vasculopatias, como o infarto agudo do miocárdio e acidente vascular encefálico (DATASUS, 2007; SBC, SBH, SBN, 2010). Desta forma, a hipertensão arterial sistêmica (HAS/HA) torna-se um dos maiores problemas de saúde pública (LEWINGTON et al., 2002; SCALA et al., 2011). Considerando-se que o risco cardiovascular aumenta a partir de níveis pressóricos normais - 115/75 milímetros de coluna de mercúrio (mmhg), há duas importantes razões para se investigar os portadores de pré-hipertensão (LEWINGTON et al., 2002). A primeira é a probabilidade de progressão para HAS e a segunda é a própria associação de pré-hipertensão com o aumento do risco de DCV. A taxa média de progressão para HAS é de 19% em quatro anos e depende do nível pressórico e da idade (MARTIN e CIPULLO, 2009). Estudos populacionais de incidência de HAS são raros e de difícil execução. No Brasil, existe apenas um estudo com estas características, de base populacional, com características socioeconômicas e de hábitos de vida, totalmente diferente do encontrado em nosso meio. O objetivo deste estudo é analisar a incidência de hipertensão arterial sistêmica e os fatores de exposição para a hipertensão arterial em adultos e idosos pré-hipertensos na população urbana de Cuiabá-MT, ofertando subsídios técnico-científicos às políticas de combate a esta importante moléstia.

24 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

25 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1 HIPERTENSÃO ARTERIAL: CONCEITO, CAUSA E IMPORTÂNCIA A hipertensão arterial sistêmica é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de PA. Associa-se a alterações funcionais e/ou estruturais dos órgãos-alvo (coração, encéfalo, rins e vasos sangüíneos) e a alterações metabólicas com consequente aumento do risco de eventos cardiovasculares fatais e não fatais. É considerada fator de risco para DCV (RAMIRES e CHAGAS, 2005; SBC, SBH, SBN, 2010). A HAS é de causalidade multifatorial, com evidente interação entre fatores genéticos e ambientais tais como obesidade, consumo de sal, estresse psicossocial e outros, diretamente relacionados ao seu desenvolvimento (HARSHFIELD et al., 2009). A combinação de fatores tais como história familiar de hipertensão e exposição a fatores ambientais e de risco como os anteriormente citados promovem a ativação de diversos sistemas, principalmente o sistema nervoso simpático e o sistema renina-angiotensinaaldosterona (SRAA), causando alterações funcionais e estruturais dos vasos sanguíneos com aumento da resistência vascular sistêmica, o principal mecanismo hemodinâmico da hipertensão (MANCIA et al., 1999; SMITH et al., 2004). A HAS constitui-se em um dos maiores problemas de saúde pública devido ao grande número de pessoas acometidas, pela elevada morbidade e mortalidade, além das implicações socioeconômicas para o seu tratamento (KRIEGER e GIORGI, 2005; MALTA et al., 2009; SCALA, 2009; WILLIAMS, 2010). Revisão sistemática quantitativa de 44 estudos em 35 países, entre os anos de 2003 e 2008, revelou prevalência global de HAS de 37,8% em homens e 32,1% em mulheres (PEREIRA et al., 2009). A hipertensão atinge mais de 36 milhões de brasileiros adultos, participando direta ou indiretamente de 50% das mortes por DCV. No Brasil 22 estudos populacionais realizados em todas as regiões, nos últimos 20 anos (critério 140/90 mmhg), revelam elevadas prevalências com variação entre 22,3% e 43,9% e média de 32,5% em adultos com mais de 18 anos de idade - Gráfico 1 (SCALA et al., 2011). Atinge cifras acima de 50% na faixa etária de 60 a 69 anos e 75% acima de 70 anos (SBC, SBH, SBN, 2010). A prevalência média de

26 hipertensão em 35% de homens e 30% de mulheres, em 22 cidades brasileiras, assemelha-se às taxas de outros países, inclusive os latinos, com características étnico-raciais e socioculturais diferentes (PEREIRA et al., 2009). Estudos de base populacional realizados em áreas urbanas de dois municípios de Mato Grosso, Cuiabá (N=1.699) e Nobres (N=1.003), em amostras aleatórias, mostraram prevalências de hipertensão respectivamente de 33,4% e 30,9% (CASSANELLI, 2005; ROSÁRIO et al., 2009). 100 % ,9 32,7 44,0 31,5 31,6 35,5 36,4 38,2 33,4 22, São PauloAraraquaraPiracicaba Cotia Catanduva RS Cianorte Goiânia Vitória Cuiabá Gráfico 1- Prevalência de hipertensão arterial em estudos populacionais para Pressão Arterial com valores 140/90 mmhg (SCALA et al., 2011) A morbidade e a mortalidade da HAS estão relacionadas principalmente à vasculopatia de órgãos-alvo, tais como doença cerebrovascular (DCbV), doença arterial coronária (DAC), insuficiência cardíaca, doença arterial obstrutiva periférica, insuficiência renal e aos baixos índices de conhecimento, tratamento e controle da doença (STRELEC et al., 2003; GUS et al., 2004; PIERIN et al., 2004; JARDIM et al., 2007). A associação direta e positiva entre elevação da PA e risco de doença cardiovascular está cientificamente comprovada. Uma metanálise de 61 estudos de coorte, incluindo aproximadamente um milhão de indivíduos, com mais de 56 mil mortes no seguimento, demonstrou haver associação exponencial, independente, preditiva, linear e contínua entre níveis pressóricos e incidência de DCV (LEWINGTON et al., 2002; SCALA et al., 2011).

27 A população mundial vive um processo de transição epidemiológica caracterizado por mudanças no estilo de vida e padrão alimentar, urbanização, aumento da longevidade e de múltiplos fatores de risco, que conduzem a alterações metabólicas, cujo desfecho é o incremento na prevalência das DCV (PASSARELLI JÚNIOR et al., 2006). Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) atualmente a maioria das mortes no mundo é decorrente de doenças não transmissíveis (DNT), em torno de 32 milhões e, destas, mais da metade (16,7 milhões) relacionadas às DCV (WHO, 2002). Estima-se que em 2020 nos países em desenvolvimento, 75% dos óbitos serão decorrentes do envelhecimento populacional, predominantemente relacionados às DCV (WHO, 1998). Similarmente, no Brasil, as DCV representam a principal causa de mortalidade da população, observadas por alta prevalência de DAC e DCbV (PEREIRA et al., 1999; LOTUFO, 2005). No ano de 2007, no Brasil, ocorreram internações por DCV no Sistema Único de Saúde (SUS), representando 29,4% dos óbitos por DCV em nível nacional e 26% em Cuiabá-MT (BRASIL, 2007). Os riscos de mortalidade por DAC e DCbV aumentam progressivamente com a elevação da PA em todas as faixas etárias, principalmente entre 40 e 89 anos, sem um ponto de corte que determine um limite definido (JNC VII, 2003; DÓREA e LOTUFO, 2004). 2.2 HIPERTENSÃO ARTERIAL: CLASSIFICAÇÃO E DIAGNÓSTICO A HAS é diagnosticada pela detecção de níveis elevados e sustentados de PA pela medida casual, também denominada de consultório (MOTA-GOMES et al., 2011). Embora a HAS seja uma doença caracterizada por alterações hemodinâmicas, tróficas, inflamatórias e metabólicas (síndrome hipertensiva), o diagnóstico dessa situação ainda deve ser realizado por medidas adequadas e repetidas da PA, utilizando-se equipamentos validados e calibrados dentro de ambiente dos consultórios, em mais de uma visita (SBC, SBH, SBN, 2010). As Diretrizes Americana (JNC VII, 2003), Européia (MANCIA, 2007) e Brasileira de Hipertensão (SBC, SBH, SBN, 2010) definem como hipertenso o adulto que apresenta níveis sustentados de pressão arterial sistólica (PAS) 140 mmhg e/ou pressão arterial diastólica (PAD) 90 mmhg, obtida por medida casual, na ausência de medicação anti-hipertensiva.

28 As VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão (SBC, SBH, SBN, 2010) classificam como PA limítrofe o adulto que apresenta PAS entre 130 e 139 mmhg e PAD entre 85 a 89mmHg, PA normal a PAS entre 120 e 129 mmhg e PAD entre 80 e 84 mmhg e PA ótima quando abaixo destes valores (Tabela 1). Tabela 1- Classificação da Pressão Arterial, segundo as VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão CLASSIFICAÇÃO PAS (mmhg) PAD (mmhg) ÓTIMA < 120 < 80 NORMAL LIMÍTROFE HAS ESTÁGIO HAS ESTÁGIO HAS ESTÁGIO Fonte: SBC,SBH,SBN, 2010 Por sua vez, o VII JOINT - Comitê Nacional Americano de Hipertensão (JNC VII, 2003) classifica como pré-hipertenso o indivíduo adulto que apresenta PAS entre 120 e 139 mmhg, PAD entre 80 e 89 mmhg e PA normal abaixo destes valores (Tabela 2). Tabela 2-Classificação da Pressão Arterial, segundo o VII Comitê Nacional Americano de Hipertensão CLASSIFICAÇÃO PAS (mmhg) PAD (mmhg) NORMAL < 120 < 80 PRÉ-HIPERTENSÃO HAS ESTÁGIO HAS ESTÁGIO Fonte: VII JOINT, 2003 Outra forma de classificar a HAS é de acordo com sua etiologia. Considerando-se que na grande maioria dos hipertensos (90 a 95%), a etiologia específica não é identificada, a hipertensão é denominada de primária ou essencial. Quando a sua causa é determinada denomina-se secundária (5 a 10% dos casos) (PORTO, 1994; SBC, SBH, SBN, 2010).

29 Hipertensão arterial secundária é uma forma de hipertensão de etiologia conhecida que pode ou não ser passível de correção (BORTOLOTTO et al., 2011). As causas mais comuns são: nefropatias, renovascular, hiperaldosteronismo primário, síndrome da apneia obstrutiva do sono, coartação de aorta, hipertensão induzida por medicamentos e drogas, entre outras (PORTO, 1994; SBC, SBH, SBN, 2010; BORTOLOTTO et al., 2011). Cabe ressaltar que antes de se investigar as causas secundárias de HAS deve-se excluir principalmente a ocorrência de medidas inadequadas da PA, hipertensão do avental branco, tratamento medicamentoso inadequado, não adesão ao tratamento, bem como, progressão das lesões em órgãos-alvo (LOA), presença de co-morbidades e interação medicamentosa (SBC, SBH, SBN, 2010). 2.3 FATORES DE RISCO PARA HIPERTENSÃO ARTERIAL Fatores de risco para a hipertensão arterial são as características ou condições que, quando presentes, aumentam a probabilidade do seu desenvolvimento. Além da idade avançada, a raça negra, menor escolaridade, história familiar positiva para hipertensão, morar em grandes cidades, excesso de peso, consumo elevado de bebidas alcoólicas, sedentarismo, ingestão excessiva de sal e estresse psicoemocional, são fatores que elevam a prevalência de HA. O conhecimento da distribuição destes fatores é fundamental para o controle e a prevenção da hipertensão. De uma forma didática pode-se classificar os fatores de risco em não modificáveis e modificáveis (SBC, SBH, SBN, 2010) Fatores Não Modificáveis: fatores genéticos, idade, gênero, raça Fatores Genéticos Cerca de 30% a 40% da variação da PA é determinada por fatores genéticos, no entanto a maioria destes estudos é relacionada com a história familiar de hipertensão, um dos fatores de grande relevância (WILLIAN et al., 1994; BINDER, 2007). MAGALHÃES et al. (1998) ressaltam a forte correlação entre PA de pais e filhos, notadamente entre mães e filhos. Pais com hipertensão determinam maior risco para que seus

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Autores: Liza Batista Siqueira¹, Paulo César Brandão Veiga Jardim², Maria Virgínia Carvalho³,

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Coração saudável Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Qual a importância da doença cardiovascular? Milhões de Mortes* Mortalidade por doenças cardiovasculares em 1990 e 2020 Países desenvolvidos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro Trabalho Elaborado por: Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro CORAÇÃO Olá! Eu sou o seu coração, trabalho dia e noite sem parar, sem descanso semanal ou férias.

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

"ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA"

ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA "ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA" SHOSSLER ¹, T.S.; FREITAS ¹, G.; LOPES ², E.; FRASNELLI ¹,

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio

Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio Prevenção da Angina e do Infarto do Miocárdio A doença arterial coronária (DAC) é a causa mais freqüentes de mortalidade na América do Norte, Europa, Austrália e Nova Zelândia. Desde 1980, no entanto,

Leia mais

Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E SÔNIA MARIA HOLANDA ALMEIDA ARAÚJO

Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E SÔNIA MARIA HOLANDA ALMEIDA ARAÚJO Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE DOENÇA RENAL CRÔNICA Nome da Liga: LIGA DE PREVENÇÃO DA DOENÇA RENAL Tutores: ELIZABETH DE FRANCESCO DAHER SÔNIA MARIA HOLANDA

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Randomizado Apresentado por Tatiana Goveia Araujo na reunião

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version ADESÃO DOS PORTADORES DE PRESSÃO ARTERIAL ELEVADA AO PLANO DE TRATAMENTO PROPOSTO PELA EQUIPE DO PSF ( PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA ) COSTA, Rosana dos Santos RESUMO O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica

VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica A Experiência de Curitiba na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária Sociedade Brasileira de Nefrologia Brasília, 2012

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul 29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul BUSCA ATIVA DOS SERVIDORES HIPERTENSOS E DIABÉTICOS DA UEM: ORIENTAÇÃO, PREVENÇÃO, TRIAGEM E ENCAMINHAMENTO MÉDICO DE TRABALHADORES DE UMA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Hipertensão Arterial Epidemiologia e Prognóstico

Hipertensão Arterial Epidemiologia e Prognóstico Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Sul Hipertensão Arterial Epidemiologia e Prognóstico Jamil Cherem Schneider Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000

Leia mais

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub-Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Gerência do Programa de Hipertensão CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

Leia mais

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO Universidade Federal do Maranhão - UFMA Hospital Universitário Presidente Dutra - HUPD Liga Acadêmica de Hipertensão Arterial Sistêmica - LAHAS ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO São Luís

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica.

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica. 12. CONEX Pôster / Produto/ Resumo 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTO EXPO&FLOR: ATUAÇÃO

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas A Estratificação de Risco na SMS de Curitiba HAS Diabete melito + Laboratório de Inovações na Atenção às

Leia mais

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial?

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? Enéas Van Der Maas do Bem Filho 1 Resumo As doenças cardiovasculares são as principais causas de morte

Leia mais

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*.

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. SILVA, Kelvia Donato¹; SILVA, Lorrayne Emanuela Duarte¹;

Leia mais

Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study

Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study Koskinen J, Magnussen CG, Taittonen L, Räsänen L, Mikkilä V, Laitinen T, Rönnemaa

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013)

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) TEMA 4: SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

Leia mais

Saiba mais sobre. Hipertensão

Saiba mais sobre. Hipertensão Saiba mais sobre Hipertensão Saiba mais sobre Hipertensão Dr. Marcus Vinícius Bolívar Malachias CRM-MG 16.454 Doutor em Cardiologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, SP. Diretor

Leia mais

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória...

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória... Atualmente, verificamos em programas de TV, nas revistas e jornais e em sites diversos na internet, uma grande quantidade de informações para que as pessoas cuidem da sua saúde. Uma das recomendações mais

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

7º Congresso Unidas de

7º Congresso Unidas de 7º Congresso Unidas de Gestão o de Assistência à Saúde Dra. Rozana Ciconelli Centro Paulista de Economia da Saúde Escola Paulista de Medicina A epidemia da obesidade Como as doenças crônicas afetam a gestão

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES. Entendendo o Diabetes Mellitus

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES. Entendendo o Diabetes Mellitus II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES Entendendo o Diabetes Mellitus Dra. Jeane Sales Macedo Dra. Iraci Oliveira Objetivos Capacitar profissionais

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Leia mais

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA OBJETIVOS Classificação dos distúrbios do sono Classificação dos distúrbios respiratórios do sono Definições: ronco, ravas (rera),

Leia mais

PARECER COREN-SP 030/2013 CT PRCI n 100.080 Ticket nº 285.189, 287.759, 289.877, 289.899, 300.838

PARECER COREN-SP 030/2013 CT PRCI n 100.080 Ticket nº 285.189, 287.759, 289.877, 289.899, 300.838 PARECER COREN-SP 030/2013 CT PRCI n 100.080 Ticket nº 285.189, 287.759, 289.877, 289.899, 300.838 Ementa: Realização de glicemia capilar e aferição de pressão arterial. 1. Do fato Auxiliares e Técnicos

Leia mais

AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013. Dislipidemias

AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013. Dislipidemias AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 Dislipidemias Raul D. Santos Unidade Clínica de Lípides InCor-HCFMUSP Faculdade de Medicina da USP Metabolismo do colesterol,

Leia mais

Doença Cardiovascular na mulher: importância do estilo de vida

Doença Cardiovascular na mulher: importância do estilo de vida ago. l 2008 l N i, Nº 2 l 17-33 iniciação científica 17 Doença Cardiovascular na mulher: importância do estilo de vida danielle da silva dias*; marcelo velloso heeren* ; kátia de angelis* Resumo l As doenças

Leia mais

TRABALHOS CIENTÍFICOS 23 DE NOVEMBRO DE 2013 09H30 ÀS 10H30 TV 01

TRABALHOS CIENTÍFICOS 23 DE NOVEMBRO DE 2013 09H30 ÀS 10H30 TV 01 TRABALHOS CIENTÍFICOS 23 DE NOVEMBRO DE 2013 09H30 ÀS 10H30 TV 01 5304 ALTERAÇÕES OFTALMOLÓGICAS EM PORTADORES DE SAOS 5305 PERFIL DOS PACIENTES ENCAMINHADOS AO INSTITUTO DO SONO DE CUIABÁ/MT PARA REALIZAÇÃO

Leia mais

Amamentar: um investimento na qualidade de vida futura. Bernardo Lessa Horta

Amamentar: um investimento na qualidade de vida futura. Bernardo Lessa Horta Amamentar: um investimento na qualidade de vida futura Bernardo Lessa Horta Redução da mortalidade e morbidade por doenças infecciosas Amamentar é um bom investimento no curto prazo Efeitos a curto prazo

Leia mais

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO 2 Karina Isabel VIVIAN 3 Marister PICCOLI 4 INTRODUÇÃO:

Leia mais

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL.

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. Paulo Sergio Lemke (Apresentador) 1, Marcos Augusto Moraes Arcoverde (Orientado) 2 Curso de Enfermagem

Leia mais

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Dra. Carla Romagnolli JNC 8 Revisão das evidências Ensaios clínicos randomizados controlados; Pacientes hipertensos com > 18 anos de idade;

Leia mais

ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA

ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA Costa 1, A. A. S., Soares 2, C. S., Pires 3, P. R. S., Moreira 4, A. G. E. ; Filipini 5, S. M. 1,2,3,4,5 Univap/Enfermagem,

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas Ministério da Saúde Abril de 2014 VIGITEL 2014 Medir a prevalência de fatores de risco e proteção para doenças não transmissíveis na população brasileira Subsidiar ações de promoção da saúde e prevenção

Leia mais

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora Estudo do Controle da HA Hipertensão Arterial e Perfil Farmacológico pacientes cadastrados no PRC Programa Remédio em Casa UBS Jd. Aurora Subprefeitura de Guaianases

Leia mais

Doenças Desencadeadas ou Agravadas pela Obesidade

Doenças Desencadeadas ou Agravadas pela Obesidade Doenças Desencadeadas ou Agravadas pela Obesidade Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica ABESO Dra. Maria Edna de Melo CREMESP 106.455 Responsável Científica pelo site

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA

PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA Gisele Escudeiro 1 ; Willian Augusto de Melo 2 RESUMO: A angioplastia

Leia mais

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes.

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes. RELATO DE EXPERIÊNCIA: AVALIAÇÃO DO PERFIL DE DESENVOLVIMENTO PONDERO-ESTATURAL E ORIENTAÇÃO SOBRE OBESIDADE INFANTIL REALIZADA PELOS MEMBROS DA LIGA ACADÊMICA DE PEDIATRIA DA UFG NO III ENCONTRO DO DIA

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

Cadernos UniFOA. Palavras-chaves: Resumo

Cadernos UniFOA. Palavras-chaves: Resumo 76 Estudo comparativo entre hipertensos que utilizam e os que não utilizam medicamentos fornecidos pelo SUS na unidade de saúde Três Poços Geraldo Assis Cardoso 1 Ana Paula Ferreira Vilarinho 2 Douglas

Leia mais

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Profª Msc. Clarissa Rios Simoni Graduada em Licenciatura Plena em Educação Física UFSC 2004 Especialista em Personal Trainer UFPR

Leia mais

Tendências do Diabete Melito

Tendências do Diabete Melito Tendências do Diabete Melito Francine Leite Carina Martins Marcos Novais José Cechin Superintendente Executivo Apresentação Este texto apresenta a evolução das taxas de mortalidade e morbidade por Diabete

Leia mais

Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional

Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional Renata Maciulis Dip Prof. Dr. Marcos A. Sarria Cabrera Maíra O. Furlan Sara L. Rodrigues UNIVERSIDADE ESTADUAL DE

Leia mais

Prevalência e fatores associados ao tabagismo em jovens e adolescentes de Belo Horizonte

Prevalência e fatores associados ao tabagismo em jovens e adolescentes de Belo Horizonte Prevalência e fatores associados ao tabagismo em jovens e adolescentes de Belo Horizonte Charles Ferreira de Souza 1, Mery Natali Silva Abreu 1, Cibele Comini César 1, Deborah Carvalho Malta 2, Valeska

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL Componente Curriculares Educação Física Professores Ministrantes: Kim Raone e Marcus Marins Série/ Ano letivo: 2º ano/ 2014 Data: 26/03/2014 AULA 5.1 Conteúdo: Doenças

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP (1 a 3 de dezembro de 2010) Objetivos da Pesquisa: 1) Gerais: Conhecer mais profundamente a saúde e condições de trabalho

Leia mais

D I R E T O R I A D E S A Ú D E

D I R E T O R I A D E S A Ú D E Saúde In Forma Junho/2013 Dia 26 de Junho Dia Nacional do Diabetes Diabetes é uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal da glicose ou açúcar no sangue. A glicose é a principal fonte de

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 11 Sérgio. Fundamentação Teórica: Hipertensão arterial sistêmica HAS

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 11 Sérgio. Fundamentação Teórica: Hipertensão arterial sistêmica HAS CASO COMPLEXO 11 Sérgio : Hipertensão arterial sistêmica HAS Ricardo Baladi Definição A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS

8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS 8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS Autor(es) MIRIÃ DE CASTRO COSTA Orientador(es) PATRÍCIA CARREIRA

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM PACIENTES DA REDE SUS DA UBS PROGRESSO DA CIDADE DE ERECHIM

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM PACIENTES DA REDE SUS DA UBS PROGRESSO DA CIDADE DE ERECHIM PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM PACIENTES DA REDE SUS DA UBS PROGRESSO DA CIDADE DE ERECHIM PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM PACIENTES

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Siomara F. M. de Araújo; Dyego F. Facundes; Erika M. Costa; Lauane L. Inês; Raphael Cunha. siomarafma@hotmail.com

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Percepção do estado de saúde Autoavaliação da saúde A avaliação do estado de saúde consiste na percepção que os indivíduos possuem de sua própria saúde. Por conseguinte, é um indicador

Leia mais

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência.

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. Lourival dos Santos Filho Graduando em Farmácia Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Klerison Romero Martinez Graduando

Leia mais

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características Inquéritos Populacionais Informações em Saúde Dados de Inquéritos Populacionais Zilda Pereira da Silva Estudos de corte transversal, únicos ou periódicos, onde são coletadas informações das pessoas que

Leia mais

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças FACTORES DE RISCO Factores de risco de doença cardiovascular são condições cuja presença num dado indivíduo aumentam a possibilidade do seu aparecimento. Os mais importantes são o tabaco, a hipertensão

Leia mais

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa.

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO EM PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO EM PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO EM PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA Gisele Escudeiro 1 ; Willian Augusto de Melo 2 RESUMO: As doenças cardiovasculares

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA TROPICAL. Ana Wieczorek Torrens

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA TROPICAL. Ana Wieczorek Torrens UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA TROPICAL Ana Wieczorek Torrens EFETIVIDADE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NA CURA DA TUBERCULOSE BRASÍLIA 2015 I EFETIVIDADE

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 FGV GV Saúde Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 A Revisão Continuada de Saúde Revisão Continuada de Saúde (RCS)

Leia mais

ANEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 1

ANEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 1 ANEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 1 Matias Nunes Frizzo 2, Paula Caitano Fontela 3, Eliane Roseli Winkelmann 4. 1 Pesquisa realizada no Departamento de Ciências da Vida - Curso de Farmácia

Leia mais

Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível

Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível Nut. Sandra Mari Barbiero barbierosandra@yahoo.com.br Doenças e Agravos Não Transmissíveis (DANTs) São doenças multifatoriais a) Fatores de Risco Não modificáveis:

Leia mais

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com:

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Anexo 2 Recomendação para o tratamento da hipertensão arterial sistêmica Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Sociedade Brasileira de Cardiologia - Departamento

Leia mais

HIPERTENSÃO O QUE É ISSO?

HIPERTENSÃO O QUE É ISSO? AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 HIPERTENSÃO O QUE É ISSO? Carlos Alberto Machado O TAMANHO do problema Mortes por grupos de causas OMS Regiões 2000 75 50 % 25

Leia mais

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

Saúde do Idoso Hipertensão Arterial na Cidade do Rio de Janeiro

Saúde do Idoso Hipertensão Arterial na Cidade do Rio de Janeiro Saúde do Idoso Hipertensão Arterial na Cidade do Rio de Janeiro Silvana Costa Caetano Rosanna Iozzi Alcides Carneiro Palavras-chave: Hipertensão Arterial, Idoso Resumo Introdução: A prevalência de Hipertensão

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Marcos Novais Carina Burri Martins José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO O objetivo deste trabalho

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde

Pesquisa Nacional de Saúde Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional de Saúde 21/08/15 Histórico INVESTIGAÇÃO DO TEMA SAÚDE... 1998 2003 2008 2013 PNAD Características da PNS Pesquisa Domiciliar

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

CLÍNICA MÉDICA LIGA DE CLÍNICA MÉDICA UNICID DOENÇA RENAL CRÔNICA DOENÇA RENAL CRÔNICA DOENÇA RENAL CRÔNICA

CLÍNICA MÉDICA LIGA DE CLÍNICA MÉDICA UNICID DOENÇA RENAL CRÔNICA DOENÇA RENAL CRÔNICA DOENÇA RENAL CRÔNICA Volume 1 - Fevereiro 2009 CLÍNICA MÉDICA LIGA DE CLÍNICA MÉDICA UNICID Dr. Egidio Lima Dórea DIFERENÇAS ÉTNICAS NA RESPOSTA RENAL À FUROSEMIDA Tae-Yon Chun, Lise Bankir, George J. Eckert, et al. Hypertension

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA E SERVIÇOS DE SAÚDE: USO DE INQUÉRITOS DE BASE POPULACIONAL

EPIDEMIOLOGIA E SERVIÇOS DE SAÚDE: USO DE INQUÉRITOS DE BASE POPULACIONAL EPIDEMIOLOGIA E SERVIÇOS DE SAÚDE: USO DE INQUÉRITOS DE BASE POPULACIONAL Chester Luiz Galvão Cesar Departamento de Epidemiologia Faculdade de Saúde Pública - USP A ESTRATÉGIA DA EPIDEMIOLOGIA E OS SERVIÇOS

Leia mais