EXERCÍCIO FÍSICO E ALTERAÇÕES DA PRESSÃO ARTERIAL EM IDOSAS NORMOTENSAS E HIPERTENSAS - ESTUDO DE CASO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXERCÍCIO FÍSICO E ALTERAÇÕES DA PRESSÃO ARTERIAL EM IDOSAS NORMOTENSAS E HIPERTENSAS - ESTUDO DE CASO"

Transcrição

1 EXERCÍCIO FÍSICO E ALTERAÇÕES DA PRESSÃO ARTERIAL EM IDOSAS NORMOTENSAS E HIPERTENSAS - ESTUDO DE CASO Letícia SIQUEIRA 1, Carlos KEMPER 2. RESUMO O objetivo: Verificar o comportamento da pressão arterial sistólica (PAS) e diastólica (PAD) após uma sessão de exercícios resistidos (ER), na intensidade de 50% de (10RM), em idosas treinadas. Metodologia: Participaram do estudo uma idosa normotensa e uma idosa hipertensa controlada. A mensuração da pressão arterial (PA) durante os testes foi realizada através de estetoscópio e esfigmomanômetro de coluna de mercúrio. Procedimentos: para a mensuração da carga máxima foi realizado o teste de repetições máximas (10 RM). Foram utilizados exercícios nos seguintes aparelhos: voador, leg-press, rosca direta, puxada por trás, cadeira abdutora, tríceps no pulley, e exercícios abdominais. Antes do início da sessão, cada idosa permaneceu 5 (minutos)em repouso para a medida da PA pré-exercício. A sessão de ER teve início com o aquecimento de 5 aeróbico e posteriormente a realização dos exercícios com duração de 55. Ao término da sessão de exercício, foi aferida imediatamente a pressão arterial, repetindo este procedimento em intervalos de 10 até 180 pós-exercício. Os resultados foram tabulados no Excel 2007, com estatística descritiva. Resultados: Nas duas amostras, a PAS e PAD apresentaram aumento, em relação ao pré - exercício, sendo que a normotensa apresentou queda em 40 min. (124/80mmHg), diminuição em 100 min (120/70mmHg), caindo até ao final dos 180 min. de mensuração (110/80mmHg). Para a amostra hipertensa houve queda em 40 min. (120/80mmHg), e entre 90 min. e 100min (100/70mmHg), e em 180 min. (110/70mmHg) atingindo o nível pré-exercício. Conclusão: a intensidade de 50% (10RM) mostra ser mais eficaz em seu efeito hipotensivo para a idosa normotensa. Palavras - chave: pressão arterial, idosa, normotensa, hipertensa, exercícios resistidos. ABSTRACT The goal: To verify the behavior of systolic blood pressure (SBP) and diastolic (DBP) after a session of resistance exercise (RE), the intensity of 50 % of (10RM) in elderly trained. Methodology: The study included an elderly normotensive and hypertensive elderly - controlled. Measurement of blood pressure (BP) during the testing was performed using a stethoscope and mercury sphygmomanometer. Procedures: measuring the maximum load test was performed repetition maximum (RM 10). Exercises were used in the following devices: walker, leg press, biceps curl, pull behind, chair abductor, triceps pulley, and abdominal exercises. Before the start of the session, each elderly 5'em stayed home for the measure of pre-exercise BP. The session began with ER warming of 5 'and subsequently aerobic exercise performance during 55'. At the end of the exercise session, immediately taking her blood pressure measured by repeating this procedure at intervals of 10 'to 180' post-exercise. The results were tabulated in Excel 2007, with descriptive 1 Professora da Educação Básica, Licenciada em Educação Física/Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões/ 2 Professor Mestre em Educação Física, Universidade Regional Integrada do alto Uruguai e das Missões/ Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

2 statistics. Results: In both samples, the SBP and DBP showed an increase, compared to pre - exercise, and the normotensive decreased at 40 minutes. (124/80mmHg), decreased at 100 min (120/70mmHg), falling by the end of 180 min. measurement (110/80mmHg). For the sample was hypertensive drop in 40 min. (120/80mmHg), and between 90 min. and 100 min (100/70mmHg), and 180 min. (110/70mmHg), reaching the level pre-exericicio. Conclusion: The intensity of 50% (10RM) proves to be more effective in its hypotensive effect for elderly normotensive. Keywords: bloeddruk, bejaardes, normotensive, hipertensie, weerstand oefeninge. INTRODUÇÃO Uma das doenças que mais afetam a população e atinge diretamente o sistema cardiovascular é a Hipertensão Arterial (pressão alta). Segundo Powers & Howley (2005) são indicadores de hipertensão arterial, valores de pressão arterial sistólica 140mmHg e diastólica 90mHg. A hipertensão arterial sistólica (HAS) é uma condição multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA). Associa-se frequentemente a alterações funcionais e/ou estruturais dos órgãos-alvo (coração, encéfalo, rins e vasos sanguíneos) e a alterações metabólicas, com conseqüente aumento do risco de eventos cardiovasculares fatais e não - fatais (VI DBHA, 2010). A HAS tem alta prevalência e baixas taxas de controle, e é considerada um dos principais fatores de risco (FR) modificáveis e um dos mais importantes problemas de saúde pública. A mortalidade por doença cardiovascular (DCV) aumenta progressivamente com a elevação da PA a partir de 115/75 mmhg de forma linear, continua e independente. Em 2001, cerca de 7,6 milhões de mortes no mundo foram atribuídas a elevação da PA (54% por acidente vascular encefálico -AVEe 47% por doença isquêmica do coração - DIC-), sendo a maioria em países de baixo e médio desenvolvimento econômico e mais da metade em indivíduos entre 45 e 69 anos. Em nosso país as DCV têm sido as principais causas de morte. Em 2007, ocorreram óbitos por doenças do aparelho circulatório. Entre 1990 e 2006, observou-se uma tendência lenta e constante de redução das taxas de mortalidade cardiovascular. As DCV são ainda responsáveis por alta freqüência de internações, ocasionando custos médicos e sócios econômicos elevados. Como exemplos, em 2007 foram registrados internações por DCV no sistema único de saúde (SUS). Em relação aos custos, em novembro de 2009 ocorreram internações por DCV, resultando em um custo de R$ ,33 (DATASUS). A doença renal terminal, outra condição frequentemente na HAS, ocasionou a inclusão de indivíduos em programa de diálise no SUS e óbitos em 2007 (VI DBHA, 2010). Logo uma das principais causas de problemas cardiovasculares, além da hipertensão, é o sedentarismo. O sedentarismo aumenta a incidência de hipertensão arterial, onde indivíduos sedentários apresentam risco aproximado 30% maior de desenvolver hipertensão que os fisicamente ativos (V DBHA, 2006). Com isso, o exercício físico tem sido apontado para combater o sedentarismo, e também como um tratamento não-medicamentoso para o tratamento da hipertensão arterial. Powers & Howley (2005), afirmam que o programa de intervenção não-medicamentosa se volta para o uso do exercício físico e da dieta no controle da pressão arterial e define comportamentos que influenciam favoravelmente outros aspectos de saúde. Vários estudos indicam que a prática regular de exercícios físicos pode promover respostas favoráveis para prevenção e controle da hipertensão arterial, devido a ajustes autonômicos Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

3 e hemodinâmicos. Além disso, diversas investigações têm demonstrado que após a prática de uma sessão de exercícios físicos, a pressão arterial tende a se reduzir a valores inferiores aos que se apresentavam no período pré-exercício, o que se denomina de hipotensão pós-exercício (CHRISTOFARO et al., 2008). A maioria dos estudos traz as alterações hemodinâmicas e benefícios do exercício predominantemente aeróbio para o paciente hipertenso, porém nas últimas décadas, o interesse científico tem se voltado para a análise dos efeitos cardiovasculares de outro tipo de exercício físico, o exercício resistido (ER) e, principalmente, para seus efeitos sobre a pressão arterial. Entretanto, como essa preocupação é muito recente, várias dúvidas ainda existem, o que faz com que muitas confusões ocorram e resultem em conflitos sobre a indicação ou contra-indicação desse exercício para pacientes hipertensos (FORJAZ et al., 2003). Perante as contradições da literatura, sobre o efeito do exercício na pressão arterial de indivíduos, o presente estudo teve como objetivo verificar a curva da pressão arterial pré-exercícios resistidos até o intervalo de 180 (minutos) após a sessão de exercícios na intensidade de 50% (10 RM), em idosas normotensa e hipertensas (controlada). METODOLOGIA Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da URI, Santo Ângelo- RS, sob n /pph/08. No primeiro momento, as voluntárias assinaram o TCLE, então realizaram as medidas antropométricas, que foram a verificação do peso corporal e a medida da altura, ambos utilizados para o cálculo de Índice de Massa Corporal (IMC) que caracterizou a amostra. Em seguida, realizaram o teste de repetições máximas propostos por Baechle & Groves (apud Viana & Novaes, 2003), adotando repetições máximas de (10 RM), nos seguintes exercícios: voador, leg-press, rosca direta, puxada por trás, abdutor, tríceps no pulley, e exercícios abdominais. Não foi realizado o teste de repetições máximas para o exercício de abdominal, e os exercícios utilizados no teste de repetições foram os mesmos realizados na sessão de exercícios resistidos (ER). Cada idosa realizou a sessão de exercícios em dias diferentes, tendo acompanhamento individual. A mensuração da pressão arterial durante os testes foi realizada através de medida indireta, com técnica auscultatória, composta de estetoscópio e esfigmomanômetro de coluna de mercúrio. Em outro encontro realizaram a sessão de exercícios resistidos, que teve duração de 60, sendo 5 de aquecimento e 55 de exercícios resistidos. Cada idosa permaneceu 5 em repouso em ambiente calmo, para verificação da pressão arterial pré - exercício.logo em seguida realizou-se aquecimento de 5, em bicicleta estacionária ou esteira, para posterior realização dos exercícios resistidos. Adotou-se 3 séries, composta por 13 repetições,e intervalo de 1 30 entre as séries. E para a passagem para o novo exercício, o intervalo foi de 3.Sendo que não houve exercícios de recuperação,neste momento a idosa permaneceu na posição do aparelho aguardando o intervalo. A execução dos exercícios foi de ordem alternada por segmento. E, contudo, após o último exercício da sessão, a avaliada sentou-se em uma cadeira, tendo imediatamente sua pressão aferida no braço esquerdo, sendo aferida novamente em intervalos de 10, até o término de 180. Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

4 RESULTADOS A amostra apresentou as seguintes características, conforme podemos visualizar nas Tabelas 1 e 2. Tabela 1. Idade e características antropométricas da amostra. Idade (anos) Massa corporal (kg) Estatura (m) IMC (kg/m²) Normotensa 66 67,4 1,57 27,4 Hipertensa ,51 25,43 Tabela 2. Pressão arterial pré - exercício. 50% intensidade Sistólica (mmhg) Diastólica (mmhg Normotensa Hipertensa Resultados da curva de pressão arterial Figura1: Curva de pressão arterial sistólica (PAS) e pressão arterial diastólica (PAD), em uma idosa normotensa, após a realização de uma sessão de exercicios resistidos (ER) com intensidade de 50% (10RM). Observa-se através da figura que a PAS e PAD apresentaram aumento logo após e sessão em relação ao pré - exercício, sendo que a normotensa apresentou queda inicial em 20 min (130/70mmHg), em 40 min. (124/80mmHg), diminuição em 100 min (120/70mmHg), caindo até ao final dos 180 min. de mensuração (110/80mmHg). Figura 2: Curva de pressão arterial sistólica (PAS) e pressão arterial diastólica (PAD), em uma idosa hipertensa, após a realização de uma sessão de exercicios resistidos (ER) com intensidade de 50% (10RM). Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

5 Observa-se através da figura que a PAS e PAD apresentaram aumento logo após e sessão em relação ao pré - exercício, e nesta amostra houve queda em 40 min. (120/80mmHg), e entre 90 min. e 100min (100/70mmHg), e em 180 min. (110/70mmHg) atingindo o nivel pré-exercício. DISCUSSÃO Verificou-se em nossos resultados, que o comportamento da pressão arterial em ambas as idosas da amostra, apresentou uma maior alternância de valores pressóricos na pressão arterial sistólica (PAS), tendo nesta o mais expressivo efeito hipotensivo pós - exercício do que em relação à pressão arterial diastólica (PAD). Para tal, Sandoval (2005), afirma que a PAS aumenta em proporção ao consumo de oxigênio, ao débito cardíaco e a progressão do exercício, enquanto a PAD permanece relativamente igual ou aumenta apenas levemente. Tais resultados são confirmados por Siqueira & Kemper (2008) que em estudo envolvendo mulheres de meia idade, não sedentárias, normotensas e hipertensas, que se submeteram a realização de exercícios resistidos de rosca direta e leg-press 45º, (membros superiores e inferiores), em um número entre 8 e 14 repetições, verificaram ao comparar alterações agudas imediatas na pressão arterial, que não houve variação significativa, entre as médias pré e pós-teste em relação aos grupos. Sugerindo que a pressão arterial se comportou de maneira semelhante em ambos os grupos, ficando visível assim, o aumento da pressão arterial sistólica em maior proporção que a diastólica. Concordando com nosso estudo, Pollito et al., apud Dias, Simão & Novaes (2007) afirmam que os exercícios resistidos (ER) exercem um efeito hipotensivo principalmente sobre a PAS, e que a magnitude das cargas tende a favorecer a duração da redução da PAS. Sendo que, contestando os resultados obtidos neste estudo, Lopes et al., (2006), verificou em estudo realizado, a resposta hipotensiva mais expressiva para a pressão arterial diastólica, do que a sistólica. Cujo estudo envolveu homens e mulheres, que realizaram trabalho na esteira, bicicleta estacionária a 60% da freqüência cardíaca de reserva (FCR), e circuito de musculação a 60% 1RM, analisando a pressão arterial, verificou que a PAD teve resposta hipotensiva mais acentuada pós-esforço em circuito de musculação, quanto aos outros exercícios. Analisando ainda a PAS, esta apresentou em nosso estudo uma queda expressiva e manutenção até 90 min de monitoração nas diferentes intensidades e em ambas as amostras. Confirmando esse intervalo de tempo significativo para o efeito de hipotensão arterial, Dias, Simão & Novaes (2007) em estudo realizado, submeteu homens adultos fisicamente ativos e normotensos, onde foram realizados exercícios resistidos, verificando que os valores médios da PAS pósexercício ao serem comparados com os níveis de repouso, mostraram uma hipotensão significativa até a última medida pós-esforço, sendo a resposta mais significativa entre 40 e 90 min pós esforço. E ainda Focht & Koltyn apud Dias, Simão & Novaes (2007) contrastando nossos Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

6 resultados, ao comparar em exercícios resistidos com 50% (12-20 repetições) e 80% (4-8 repetições) com percentual de carga correspondente a 1RM, não encontraram resposta hipotensiva para PAS por até 180 min. Na amostra hipertensa, esta apresentou aumento constante da pressão arterial no momento inicial, mantendo por quase todo o período o efeito hipotensivo, terminando em nível pré - exercício. Vindo de encontro com os resultados do estudo, Umpierre & Stein (2007) em artigo de revisão, cita que Melo e cols.(2006), ao estudarem 20 mulheres hipertensas em uso de inibidor da enzima conversora de angiotensina (captopril), constataram redução pressórica importante (PAS:- 12±3mmHg, PAD:-6±2mmHg) no período de recuperação até 120 minutos após uma sessão de exercício resistido de baixa intensidade. Confirmando os resultados deste estudo, Forjaz et al. (2003), em artigo de revisão, relata que conforme dados levantados em seu estudo, os exercícios de RML (resistência muscular localizada) parecem promover aumentos seguros de pressão arterial em hipertensos, e há indicativos de que possam apresentar efeito hipotensor em longo prazo. Ainda, em estudos, Fleck & Kraemer (2006), aponta que em indivíduos com hipertensão limítrofe, significativa diminuição da pressão arterial sistólica e diastólica de repouso foi reportada após o treinamento de força com baixa intensidade. Porém, contradizendo o estudo, Focht & Koltyn apud Forjaz et al., (2003) verificou em estudo, que não houve alteração da pressão arterial sistólica, mas redução da diastólica após uma sessão de 50% da CVM, em indivíduos hipertensos controlados. Por outro lado, em um estudo atual (dados não publicados) tem- se verificado que tanto o exercício em 40% quanto em 80% da CVM promove redução da pressão arterial, sendo a queda maior após o exercício de menor intensidade (FORJAZ et al., 2003). Em nossos resultados, a mostra hipertensa tem valores maiores de hipotensão durante sua curva, ou seja, tem diminuição de valores de sua pressão arterial maiores em relação à normotensa, porém ao final atinge níveis pré-exercício, e a normotensa termina abaixo do pré-exercício, sugerindo efeito hipotensivo além das três horas de monitoração. E para a amostra normotensa percebe-se que a curva de pressão arterial se mantém constante sem picos elevados de pressão arterial e atinge ao final do período de monitoração 10mmHg abaixo do pré exercício Confirmando nossos achados, Fischer apud Dias, Simão & Novaes (2007) verificou reduções pressóricos significativas decorrentes dos ER durante 60 min em mulheres normotensa e hipertensas, após a execução de três séries em circuito com carga correspondente á 50% de 1RM, sendo que nos resultados percebe-se este comportamento na amostra, sendo que na idosa hipertensa tem valores pressóricos de PA menores. E ainda, Bermudes et al., (2003) avaliaram por monitoração ambulatorial, uma situação controle sem realização de exercícios (MAPA1) 25 indivíduos, normotensos, e após exercícios resistidos (MAPA2) e após exercício aeróbico (MAPA3). Os exercícios resistidos foram realizados sob forma de circuito com pesos, com intensidades de 40% da força máxima individual, os exercícios aeróbicos em cicloergômetro, com 60% e 70% da freqüência cardíaca (FC) máxima, sendo possível concluir que uma única sessão de exercício resistido foi capaz de promover reduções significativas dos níveis tencionais, no período de sono após o exercício, e exercícios aeróbicos promoveu reduções mais significativas dos níveis pressóricos. Finalmente, estudos adicionais são necessários para analisar a sustentabilidade da HPE pós-exercício resistido, para idosa normotensa e hipertensa. Propondo entendimento adicional sobre a regulação da PA e sobre a condição da hipertensão, além disso, os mecanismos pelos quais diferentes tipos de exercício desencadeiam a hipotensão pós-exercício, incluindo a este, o controle de variáveis intervenientes, como, intensidade velocidade de execução, volume, tempo de intervalo, Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

7 massa muscular envolvida. CONCLUSÃO A intensidade de 50% (10RM) mostra ser mais eficaz em seu efeito hipotensivo para a idosa normotensa, apresentando queda e sugerindo sucessivo efeito hipotensivo, após o termino da sessão, já para a amostra hipertensa o efeito hipotensivo ocorre dentro do intervalo de tempo determinando, porém a pressão arterial volta a subir ao término do período. REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS BERMUDES, A.M.L.M et al. Monitoração Ambulatorial da Pressão Arterial em Indivíduos Normotensos Submetidos a Duas Sessões Únicas de Exercícios: Resistido e Aeróbico. Arquivo Brasileiro de Cardiologia, Vitória, v.82, n.1, p.57-64, mar CHISTOFARO, D.G.D et al. Efeito da Duração do Exercício Aeróbios sobre as Respostas Hipotensivas Agudas Pós-Exercício, Revista SOCERJ, Londrina, v.21, n.6, Nov.-dez Disponível em: <http://sociedades.cardiol.br/socerj/revista/2008> Acesso em: 18 mai DIAS, Ingrid; SIMÃO, Roberto; NOVAES, Jefferson. A influência dos exercícios resistidos nos diferentes grupamentos musculares sobre a pressão arterial, Fitness & performance journal, Rio de Janeiro, n.2, mar.-abr Disponível em: <http://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo= > Acesso em 29 jun FLECK, Steven J.; KRAEMER, William J. Fundamentos do Treinamento de Força Muscular. Tradução de Jerri Luiz Ribeiro. 3.ed. Porto Alegre: Artmed, FORJAZ, C.L.M et al. Exercício resistido para o paciente hipertenso: indicação ou contra indicação. Revista Brasileira Hipertensão, São Paulo, v.10, n.2, p , abr.-mai SANDOVAL, Armando Enrique Pancorbo. Medicina do Esporte: princípios e prática, Porto Alegre: Artmed, SIQUEIRA, Letícia; KEMPER, Carlos. Efeito agudo imediato na pressão arterial de mulheres normotensas e hipertensas em exercício de leg press e rosca direta. In: 12º Congresso Ciências do Desporto e Educação Física dos Países de Língua Portuguesa-UFRGS, 2008, Porto Alegre. UMPIERRE, Daniel; STEIN, Ricardo. Efeitos. Arq Bras Cardiol, Porto Alegre, v.89, n.4, 10 mai Disponível em: <:http://www.arquivosonline.com.br/2007/8904/pdf/ pdf> Acesso em: 29 junho 2009 V DIRETRIZES BRASILEIRAS DE HIPERTENSÃO ARTERIAL, São Paulo, 15 fev Disponível em <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/ivdbha.pdf> Acesso em: 10 mai VI DIRETRIZES BRASILEIRAS DE HIPERTENSÃO ARTERIAL, Rio de Janeiro, jan/março 2010.Disponívelem<http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2010/Diretriz_hipertensao_associados.p df Acesso em: 28 de agos Vivências. Vol.7, N.13: p , Outubro/

COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO.

COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO. COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO. Natália Serra Lovato (PIBIC/CNPq-UEL) e Marcos Doederlein Polito

Leia mais

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Siomara F. M. de Araújo; Dyego F. Facundes; Erika M. Costa; Lauane L. Inês; Raphael Cunha. siomarafma@hotmail.com

Leia mais

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Profª Msc. Clarissa Rios Simoni Graduada em Licenciatura Plena em Educação Física UFSC 2004 Especialista em Personal Trainer UFPR

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física Marcos Abibi Tavares da Cunha Petrous André Monteiro Cesário RESPOSTAS CARDIOVASCULARES

Leia mais

Respostas cardiovasculares decorrentes de um programa de treinamento físico misto, musculação e aeróbio: um estudo de caso

Respostas cardiovasculares decorrentes de um programa de treinamento físico misto, musculação e aeróbio: um estudo de caso PERQUIRĔRE Revista do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa e Extensão do UNIPAM (ISSN 186-6399) Patos de Minas: UNIPAM, n. 7, vol. 1: 72-82, ago. 21 Respostas cardiovasculares decorrentes de um programa

Leia mais

COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL APÓS EXERCÍCIOS RESISTIDOS A 60% DE 1RM NO LEG PRESS

COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL APÓS EXERCÍCIOS RESISTIDOS A 60% DE 1RM NO LEG PRESS COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL APÓS EXERCÍCIOS RESISTIDOS A 60% DE 1RM NO LEG PRESS RESUMO Os efeitos dos exercícios resistidos sobre a pressão arterial ainda são pouco compreendidos e controversos.

Leia mais

RESPOSTA CRÔNICA DA PRESSÃO ARTERIAL SISTÓLICA EM DIFERENTES MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA: DELORME VERSUS OXFORD

RESPOSTA CRÔNICA DA PRESSÃO ARTERIAL SISTÓLICA EM DIFERENTES MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA: DELORME VERSUS OXFORD RESPOSTA CRÔNICA DA PRESSÃO ARTERIAL SISTÓLICA EM DIFERENTES MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA: DELORME VERSUS OXFORD Dailson Paulucio da Silva Graduando em Educação Física dailson_educacaofisica@yahoo.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial?

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? Enéas Van Der Maas do Bem Filho 1 Resumo As doenças cardiovasculares são as principais causas de morte

Leia mais

Atividade Física para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica: recomendações para o trabalho da Atenção Básica

Atividade Física para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica: recomendações para o trabalho da Atenção Básica Atividade Física para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica: recomendações para o trabalho da Atenção Básica 5 HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Neste capítulo serão abordadas as recomendações essenciais

Leia mais

Programa de Condicionamento Cardiovascular

Programa de Condicionamento Cardiovascular Programa de Condicionamento Cardiovascular Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2010 Responsáveis pela Elaboração Dra. Luciana Diniz Nagem Janot de Matos Dr. Romeu Sérgio Meneghelo Fta. Andrea Kaarina

Leia mais

EFEITOS DE UMA SESSÃO DE PILATES SOBRE A HIPOTENSÃO PÓS-EXERCÍCIO

EFEITOS DE UMA SESSÃO DE PILATES SOBRE A HIPOTENSÃO PÓS-EXERCÍCIO EFEITOS DE UMA SESSÃO DE PILATES SOBRE A HIPOTENSÃO PÓS-EXERCÍCIO Francinalva Mathne Araújo Teles 1, Juliano de Andrade Mello 1, Márcio Rabelo Mota 1,2, Denize Faria Terra 2 ; Emerson Pardono 1,2 1 PGLSNFAR

Leia mais

Influência de uma Sessão de Exercício Aeróbio e Resistido sobre a Hipotensão Pós-Esforço em Hipertensos

Influência de uma Sessão de Exercício Aeróbio e Resistido sobre a Hipotensão Pós-Esforço em Hipertensos 330 Comunicação Preliminar Influência de uma Sessão de Exercício Aeróbio e Resistido sobre a Hipotensão Pós-Esforço em Hipertensos Influence of a Single Aerobic and Resistance Exercise Session on Post-Exercise

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

RESPOSTA DA PRESSÃO ARTERIAL EM HOMENS JOVENS FISICAMENTE ATIVOS SUBMETIDOS A DIFERENTES INTENSIDADES DE EXERCÍCIO

RESPOSTA DA PRESSÃO ARTERIAL EM HOMENS JOVENS FISICAMENTE ATIVOS SUBMETIDOS A DIFERENTES INTENSIDADES DE EXERCÍCIO RESPOSTA DA PRESSÃO ARTERIAL EM HOMENS JOVENS FISICAMENTE ATIVOS SUBMETIDOS A DIFERENTES INTENSIDADES DE EXERCÍCIO RESUMO Guilherme de Freitas Magalhães * Jeeser Alves de Almeida * Marcelo Pereira Magalhães

Leia mais

o potencial hipotensor do treinamento aeróbio já está bem demonstrado 2 e os riscos envolvidos nesse tipo

o potencial hipotensor do treinamento aeróbio já está bem demonstrado 2 e os riscos envolvidos nesse tipo 119 Exercício resistido para o paciente hipertenso: indicação ou contra-indicação Cláudia Lúcia de Moraes Forjaz, Cláudio Chaim Rezk, Cíntia Matos de Melo, Débora Andréa dos Santos, Luiz Teixeira, Sandra

Leia mais

ConScientiae Saúde ISSN: 1677-1028 conscientiaesaude@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil

ConScientiae Saúde ISSN: 1677-1028 conscientiaesaude@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil ConScientiae Saúde ISSN: 1677-1028 conscientiaesaude@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Cardozo, Diogo; Barbosa Alves, Hugo; Figueiredo, Tiago; Dias, Marcelo Ricardo; Simão, Roberto Efeito hipotensivo

Leia mais

Efeito agudo tardio de diferentes intensidades de esforço sobre os valores da pressão arterial durante o sono

Efeito agudo tardio de diferentes intensidades de esforço sobre os valores da pressão arterial durante o sono Artigo Original Efeito agudo tardio de diferentes intensidades de esforço sobre os valores da pressão arterial durante o sono Acute effect of different intensities of stress on the values of blood pressure

Leia mais

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora Estudo do Controle da HA Hipertensão Arterial e Perfil Farmacológico pacientes cadastrados no PRC Programa Remédio em Casa UBS Jd. Aurora Subprefeitura de Guaianases

Leia mais

A FUNÇÃO DO EXERCÍCIO FÍSICO NA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM IDOSOS

A FUNÇÃO DO EXERCÍCIO FÍSICO NA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM IDOSOS A FUNÇÃO DO EXERCÍCIO FÍSICO NA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM IDOSOS RESUMO Bianca Teshima de Alencar 1 Giseli Negretti 1, Igor Alves Macedo 1, Santino Seabra Junior 1, Roberval Emerson Pizano 2. 1 Universidade

Leia mais

Efeito de diferentes intensidades de exercício aeróbio na resposta pressórica de 24 horas em mulheres normotensas

Efeito de diferentes intensidades de exercício aeróbio na resposta pressórica de 24 horas em mulheres normotensas Educação Física / Physical Education Efeito de diferentes intensidades de exercício aeróbio na resposta pressórica de 24 horas em mulheres normotensas Effect of different intensities of aerobic exercise

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO FÍSICO AERÓBIO SOBRE A PRESSÃO ARTERIAL SISTÊMICA DE SUJEITOS COM DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA

8º Congresso de Pós-Graduação INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO FÍSICO AERÓBIO SOBRE A PRESSÃO ARTERIAL SISTÊMICA DE SUJEITOS COM DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA 8º Congresso de Pós-Graduação INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO FÍSICO AERÓBIO SOBRE A PRESSÃO ARTERIAL SISTÊMICA DE SUJEITOS COM DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA Autor(es) TAIS MENDES DE CAMARGO Co-Autor(es) ESTER

Leia mais

Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha

Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 www.avaliacaoja.com.br Prof. Me Alexandre Rocha

Leia mais

Relatório de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (M.A.P.A.) Padrão

Relatório de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (M.A.P.A.) Padrão Av. Paulista, 9 cj 16 CEP 1311-91 - São Paulo - SP Tels: (11) 3141-11 Fax: 3141-37 Relatório de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (M.A.P.A.) 1 - Dados do Exame Nº do Exame Data de Instalação:

Leia mais

Prof. Me Alexandre Rocha

Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com alexandre.rocha.944 ProfAlexandreRocha @Prof_Rocha1 prof.alexandrerocha Docência Docência Personal Trainer

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade Vargas, Liziane da Silva de; Benetti, Chane Basso; Santos, Daniela Lopes dos Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade 10mo Congreso Argentino

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA EFEITO DO TREINAMENTO RESISTIDO NA PRESSÃO ARTERIAL E CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSAS HIPERTENSAS

Leia mais

COMPARAÇÃO DA RESPOSTA AGUDA DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E PRESSÃO ARTERIAL EM DUAS MODALIDADES DE TREINAMENTO DE FORÇA NA MUSCULAÇÃO

COMPARAÇÃO DA RESPOSTA AGUDA DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E PRESSÃO ARTERIAL EM DUAS MODALIDADES DE TREINAMENTO DE FORÇA NA MUSCULAÇÃO Comparação da resposta aguda da freqüência cardíaca... Arq. Ciênc. Saúde Unipar, Umuarama, v.9(2), mai./ago., 2005 COMPARAÇÃO DA RESPOSTA AGUDA DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E PRESSÃO ARTERIAL EM DUAS MODALIDADES

Leia mais

ANA CRISTINA OLIVEIRA MARQUES SILVESTRE

ANA CRISTINA OLIVEIRA MARQUES SILVESTRE 1 ANA CRISTINA OLIVEIRA MARQUES SILVESTRE RESPOSTA AMBULATORIAL DA PRESSÃO ARTERIAL EM HIPERTENSOS COM E SEM HIPOTENSÃO CLÍNICA APÓS EXERCÍCIO AERÓBIO AGUDO JOÃO PESSOA 2012 2 ANA CRISTINA OLIVEIRA MARQUES

Leia mais

MONITORAMENTO DA FREQUENCIA CARDÍACA E PRESSÃO ARTERIAL EM PRATI- CANTES DE MUSCULAÇÃO

MONITORAMENTO DA FREQUENCIA CARDÍACA E PRESSÃO ARTERIAL EM PRATI- CANTES DE MUSCULAÇÃO Recebido: 08/06/2013 Parecer emitido em: 28/07/2013 Artigo original MONITORAMENTO DA FREQUENCIA CARDÍACA E PRESSÃO ARTERIAL EM PRATI- CANTES DE MUSCULAÇÃO Aguilar Freitas da Rocha 1 ; Rafael André Araujo

Leia mais

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO Universidade Federal do Maranhão - UFMA Hospital Universitário Presidente Dutra - HUPD Liga Acadêmica de Hipertensão Arterial Sistêmica - LAHAS ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO São Luís

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Randomizado Apresentado por Tatiana Goveia Araujo na reunião

Leia mais

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Por Personal Trainer Rui Barros BENEFICIOS DO EXERCICIO FISICO E INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA: Os benefícios de um estilo de vida fisicamente

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica 106 EFEITOS CARDIORRESPIRATÓRIOS E HEMODINÂMICOS APÓS 12 MESES DE CONDICIONAMENTO FÍSICO EM UM GRUPO DE CARDIOPATAS. EFFECT CARDIO RESPIRATORY AND HEMODYNAMIC AFTER 12 MONTHS OF PHYSICAL CONDITIONING IN

Leia mais

06/05/2014. Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha

06/05/2014. Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 Hipertensão Arterial - Exercício Hipertensão Arterial

Leia mais

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO Em condições normais a obesidade deveria ser prevenida, porem o tratamento da pessoa obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de

Leia mais

TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS DESTREINADOS

TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS DESTREINADOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS

Leia mais

EFEITOS AGUDOS NA PRESSÃO ARTERIAL E GLICEMIA CAPILAR DE DIFERENTES TIPOS DE ATIVIDADE FÍSICA EM INDIVÍDUOS COM DIABETES MELLITUS TIPO 2

EFEITOS AGUDOS NA PRESSÃO ARTERIAL E GLICEMIA CAPILAR DE DIFERENTES TIPOS DE ATIVIDADE FÍSICA EM INDIVÍDUOS COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 EFEITOS AGUDOS NA PRESSÃO ARTERIAL E GLICEMIA CAPILAR DE DIFERENTES TIPOS DE ATIVIDADE FÍSICA EM INDIVÍDUOS COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 André Shigueo Fujikawa Vieira Orientado por Francisco José Andriotti

Leia mais

Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E SÔNIA MARIA HOLANDA ALMEIDA ARAÚJO

Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E SÔNIA MARIA HOLANDA ALMEIDA ARAÚJO Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE DOENÇA RENAL CRÔNICA Nome da Liga: LIGA DE PREVENÇÃO DA DOENÇA RENAL Tutores: ELIZABETH DE FRANCESCO DAHER SÔNIA MARIA HOLANDA

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO MAXIMUM CONSUMPTION OF OXYGEN - A COMPARATIVE ANALYSIS BETWEEN DIRECT AND INDIRECT

Leia mais

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO 50 REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO MAXIMUM REPETITIONS WITH 90% OF 1MR IN BENCH PRESS AND LEG PRESS EXERCISES

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

Saiba mais sobre. Hipertensão

Saiba mais sobre. Hipertensão Saiba mais sobre Hipertensão Saiba mais sobre Hipertensão Dr. Marcus Vinícius Bolívar Malachias CRM-MG 16.454 Doutor em Cardiologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, SP. Diretor

Leia mais

Caracterização da resposta hipotensora pós-exercício

Caracterização da resposta hipotensora pós-exercício Artigo de Revisão Caracterização da resposta hipotensora pós-exercício Characterization of the post-exercise hypotensive response Giuliane de Cássia Kolb 1, Luiz Carlos de Abreu 1, Vitor Engrácia Valenti

Leia mais

PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA

PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA Gisele Escudeiro 1 ; Willian Augusto de Melo 2 RESUMO: A angioplastia

Leia mais

Redução da Pressão Arterial em Hipertensos Tratados com Medicamentos Anti- Hipertensivos após um Programa de Treinamento Físico

Redução da Pressão Arterial em Hipertensos Tratados com Medicamentos Anti- Hipertensivos após um Programa de Treinamento Físico 35 Redução da Pressão Arterial em Hipertensos Tratados com Medicamentos Anti- Hipertensivos após um Programa de Treinamento Físico Blood Pressure Reduction in Hypertensive Subjects Treated with Anti-Hypertensive

Leia mais

a influência da FisioteraPia aquática no controle da Pressão arterial e capacidade Funcional de HiPertensas

a influência da FisioteraPia aquática no controle da Pressão arterial e capacidade Funcional de HiPertensas a influência da FisioteraPia aquática no controle da Pressão arterial e capacidade Funcional de HiPertensas The influence of aquatic therapy on blood pressure control and functional capacity in hypertensive

Leia mais

Planilha de Controle de Resultados e Treinamento

Planilha de Controle de Resultados e Treinamento Planilha de Controle de Resultados e Treinamento CONTROLE DE TREINAMENTO INFORMAÇÕES BÁSICAS DO ATLETA NOME COMPLETO Renato Santiago GÊNERO IDADE PESO (KG) ALTURA (m) IMC ATUAL Masc. 24 100,0 1,82 30,2

Leia mais

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória...

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória... Atualmente, verificamos em programas de TV, nas revistas e jornais e em sites diversos na internet, uma grande quantidade de informações para que as pessoas cuidem da sua saúde. Uma das recomendações mais

Leia mais

Impacto do Treinamento de Força em Circuito na Pressão Arterial de Jovens

Impacto do Treinamento de Força em Circuito na Pressão Arterial de Jovens Saccomani et al. 305 Impacto do Treinamento de Força em Circuito na Pressão Arterial de Jovens Impact of Circuit Strength Training on Blood Pressure in Adolescents Artigo Original 5 Milene Granja Saccomani

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica.

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica. 12. CONEX Pôster / Produto/ Resumo 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTO EXPO&FLOR: ATUAÇÃO

Leia mais

Tricoscopia do couro cabeludo 10 DICAS

Tricoscopia do couro cabeludo 10 DICAS Tricoscopia do couro cabeludo 10 DICAS para sair do sedentarismo e INTRODUÇÃO De acordo com dados apurados em 2013 pelo Ministério da Saúde, 64% da população brasileira está com excesso de peso devido

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC RELATÓRIO DOS EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL PELA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC FMABC O Núcleo de Saúde no Esporte da Faculdade de Medicina do ABC FMABC, utilizando as suas

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Efeito Hipotensivo de Exercícios Resistidos Realizados em Diferentes Intensidades em Idosos

Efeito Hipotensivo de Exercícios Resistidos Realizados em Diferentes Intensidades em Idosos Rev Bras Cardiol. 2011;24(6):354-361 Artigo Original 2 Efeito Hipotensivo de Exercícios Resistidos Realizados em Diferentes Intensidades em Idosos Hypotensive Effects of Resistance Exercises Performed

Leia mais

Efeito Agudo de uma Sessão de Hidroginástica sobre a Resposta da Pressão Arterial em Gestantes não Hipertensas

Efeito Agudo de uma Sessão de Hidroginástica sobre a Resposta da Pressão Arterial em Gestantes não Hipertensas 75 Efeito Agudo de uma Sessão de Hidroginástica sobre a Resposta da Pressão Arterial em Gestantes não Hipertensas Acute Effect of an Aquagym Session on Blood Pressure Response in Non-Hypertensive Pregnant

Leia mais

Pró-Reitoria de de Graduação Curso de de Educação Física Trabalho de de Conclusão de de Curso

Pró-Reitoria de de Graduação Curso de de Educação Física Trabalho de de Conclusão de de Curso Pró-Reitoria de de Graduação Curso de de Educação Física Trabalho de de Conclusão de de Curso TENDÊNCIAS EFEITO PROTETOR E ABORDAGENS DO SISTEMA PEDAGÓGICAS CARDIOVASCULAR EM AULAS APÓS DE EDUCAÇÃO O TESTE

Leia mais

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO:COMPLICAÇÕES E CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO

REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO:COMPLICAÇÕES E CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO:COMPLICAÇÕES E CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO Sara Priscila Constantino de Castro. UNIFACEX. E-mail: sarapryscyla@hotmail.com Ana Elza Oliveira de Mendonça.

Leia mais

EFEITOS ANTROPOMÉTRICOS DECORRENTES DA VARIAÇÃO DE INTENSIDADE DE TREINAMENTO EM CIRCUITO DURANTE O CICLO MENSTRUAL

EFEITOS ANTROPOMÉTRICOS DECORRENTES DA VARIAÇÃO DE INTENSIDADE DE TREINAMENTO EM CIRCUITO DURANTE O CICLO MENSTRUAL EFEITOS ANTROPOMÉTRICOS DECORRENTES DA VARIAÇÃO DE INTENSIDADE DE TREINAMENTO EM CIRCUITO DURANTE O CICLO MENSTRUAL FRANKLIN GONÇALVES PEREIRA Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande,

Leia mais

Efeito de um programa de treinamento físico desenvolvido no Espaço Bem Estar do CENPES/PETROBRAS na pressão arterial em hipertensos não-medicados

Efeito de um programa de treinamento físico desenvolvido no Espaço Bem Estar do CENPES/PETROBRAS na pressão arterial em hipertensos não-medicados ISSN 1519-9088 Artigo Original: Fitness Efeito de um programa de treinamento físico desenvolvido no Espaço Bem Estar do CENPES/PETROBRAS na pressão arterial em hipertensos não-medicados Roberto Simão 1

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EFEITO DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SOBRE O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E CIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA EM ADULTOS COM SÍNDROME

Leia mais

EFEITO HIPOTENSOR PÓS-EXERCÍCIO RESISTIDO EM HIPERTENSOS E SEUS MECANISMOS ENVOLVIDOS

EFEITO HIPOTENSOR PÓS-EXERCÍCIO RESISTIDO EM HIPERTENSOS E SEUS MECANISMOS ENVOLVIDOS EFEITO HIPOTENSOR PÓS-EXERCÍCIO RESISTIDO EM HIPERTENSOS E SEUS MECANISMOS ENVOLVIDOS Jucyara da Silva Coelho 1 ; Roberta Rocha Férrer Pompeu 2 Educadora Física Faculdade de Saúde, Ciências Humanas e Tecnológicas

Leia mais

UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA JOSUÉ ALVES DE OLIVEIRA JÚNIOR MARCELO COUTINHO GABY

UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA JOSUÉ ALVES DE OLIVEIRA JÚNIOR MARCELO COUTINHO GABY UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA JOSUÉ ALVES DE OLIVEIRA JÚNIOR MARCELO COUTINHO GABY IMPORTÂNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO AERÓBIO NO CONTROLE DA PRESSÃO

Leia mais

APLICADO AO EXERCÍCIO

APLICADO AO EXERCÍCIO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DEPARTAMENTO DE HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA LABORATÓRIO DE METABOLISMO DE LIPÍDEOS SISTEMA CARDIORRESPIRATÓRIO APLICADO AO EXERCÍCIO Prof. Dr: Luiz

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS. CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS. CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS. CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física BRUNA COSTA MARTINS EFICIÊNCIA DA PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS ATRAVÉS

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Musculação: Definições Básicas Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Termos frequentes na descrição de

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória VO2 Máximo Depende do estado funcional do sistema respiratório, cardiovascular e dos músculos esquelé>cos É um indicador do estado de saúde: Baixos níveis de VO2

Leia mais

Efeito do Treinamento Resistido com Diferentes Intensidades na Pressão Arterial em Hipertensos

Efeito do Treinamento Resistido com Diferentes Intensidades na Pressão Arterial em Hipertensos Internacional Journal of Cardiovascular Sciences. 2015;28(1):25-34 25 Efeito do Treinamento Resistido com Diferentes Intensidades na Pressão Arterial em Hipertensos Effect of Resistance Training with Different

Leia mais

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

Anamnese Clínica. Dados pessoais. Geral. Patologias. Nome: Modelo Masculino. Sexo: Masculino. Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida

Anamnese Clínica. Dados pessoais. Geral. Patologias. Nome: Modelo Masculino. Sexo: Masculino. Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida Nome: Modelo Masculino Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida Sexo: Masculino Data da Avaliação: 23/07/2010 Hora: 16:11:09 Anamnese Clínica Dados pessoais Nome: Modelo Masculino Data de Nascimento: 23/12/1977

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO

UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO EFEITO DA INTENSIDADE DO TREINO DE FORÇA NAS RESPOSTAS HEMODINÂMICAS APÓS SESSÃO DE EXERCÍCIOS EM HOMENS NORMOTENSOS TREINADOS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES SESSÕES DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS SOBRE A HIPOTENSÃO PÓS-EXERCÍCIO

EFEITOS DE DIFERENTES SESSÕES DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS SOBRE A HIPOTENSÃO PÓS-EXERCÍCIO ISSN 1413-3555 Rev. bras. fisioter. Yol. 9, No. 3 (2005), 289-295 Revista Brasileira de Fisioterapia EFEITOS DE DIFERENTES SESSÕES DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS SOBRE A HIPOTENSÃO PÓS-EXERCÍCIO Lizardo, J.

Leia mais

UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA UNAMA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE - CCBS CURSO DE FISIOTERAPIA RAPHAEL DO NASCIMENTO PEREIRA

UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA UNAMA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE - CCBS CURSO DE FISIOTERAPIA RAPHAEL DO NASCIMENTO PEREIRA UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA UNAMA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE - CCBS CURSO DE FISIOTERAPIA RAPHAEL DO NASCIMENTO PEREIRA ANÁLISE COMPARATIVA DA PRESSÃO ARTERIAL, FREQUÊNCIA CARDÍACA E DUPLO-PRODUTO

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Universidade Gama Filho REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira Dias Salvador Ba 2005 Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTENSIDADES DE EXERCÍCIO RESISTIDO SOBRE AS RESPOSTAS HEMODINÂMICAS EM INDIVÍDUOS DIABÉTICOS TIPO 2 E NÃO DIABÉTICOS

EFEITOS DE DIFERENTES INTENSIDADES DE EXERCÍCIO RESISTIDO SOBRE AS RESPOSTAS HEMODINÂMICAS EM INDIVÍDUOS DIABÉTICOS TIPO 2 E NÃO DIABÉTICOS UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO FÍSICA EFEITOS DE DIFERENTES INTENSIDADES DE EXERCÍCIO RESISTIDO SOBRE AS RESPOSTAS HEMODINÂMICAS EM INDIVÍDUOS DIABÉTICOS

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO CARDIORRESPIRATÓRIA (PROCOR)

PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO CARDIORRESPIRATÓRIA (PROCOR) PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO CARDIORRESPIRATÓRIA (PROCOR) Priscila Bendo Acadêmica do Curso de Educação Física da UFSC Luiza Borges Gentil Acadêmica do Curso de Medicina da UFSC José Henrique Ramos

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES A PARTIR DO GRUPO DE EPIDEMIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA - ATENÇÃO BÁSICA

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES A PARTIR DO GRUPO DE EPIDEMIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA - ATENÇÃO BÁSICA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES A PARTIR DO GRUPO DE EPIDEMIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA - ATENÇÃO BÁSICA Área Temática: Saúde Fabricio Boscolo Del Vecchio (Coordenador da Ação de

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

TÍTULO: COMPARAÇÃO DA PERIODIZAÇÃO LINEAR E ONDULATÓRIA NO DESENVOLVIMENTO DA FORÇA MUSCULAR MÁXIMA

TÍTULO: COMPARAÇÃO DA PERIODIZAÇÃO LINEAR E ONDULATÓRIA NO DESENVOLVIMENTO DA FORÇA MUSCULAR MÁXIMA TÍTULO: COMPARAÇÃO DA PERIODIZAÇÃO LINEAR E ONDULATÓRIA NO DESENVOLVIMENTO DA FORÇA MUSCULAR MÁXIMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

THALIANE MAYARA PESSÔA DOS PRAZERES

THALIANE MAYARA PESSÔA DOS PRAZERES 0 UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UPE/UFPB CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA THALIANE MAYARA PESSÔA DOS PRAZERES EFEITO

Leia mais

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini Caso Clínico 1 Módulo: DAC Métodos Diagnósticos Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico Costantini Caso 01 IFV, 59 anos, feminino Assintomática Fatores de Risco: história familiar Pressão arterial

Leia mais

Hipertensão Arterial Epidemiologia e Prognóstico

Hipertensão Arterial Epidemiologia e Prognóstico Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Sul Hipertensão Arterial Epidemiologia e Prognóstico Jamil Cherem Schneider Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA 1- INTRODUÇÃO No Brasil a doença cardiovascular ocupa o primeiro lugar entre as causas de óbito, isto implica um enorme custo financeiro e social. Assim, a prevenção e o tratamento

Leia mais

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL.

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. Paulo Sergio Lemke (Apresentador) 1, Marcos Augusto Moraes Arcoverde (Orientado) 2 Curso de Enfermagem

Leia mais

ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO COM CONTRAÇÕES RECÍPROCAS

ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO COM CONTRAÇÕES RECÍPROCAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA PÂMELLA RIBEIRO RODRIGUES ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

Exercício físico, hipertensão e controle barorreflexo da pressão arterial

Exercício físico, hipertensão e controle barorreflexo da pressão arterial 89 Exercício físico, hipertensão e controle barorreflexo da pressão arterial Carlos Eduardo Negrão, Maria Urbana P. Brandão Rondon Resumo O exercício físico agudo e crônico, desde que adequadamente planejado

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais