Como Criar um GEAS? Apoio:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como Criar um GEAS? Apoio:"

Transcrição

1 Como Criar um GEAS? Apoio: Agosto 2012

2 Instruções e informações sobre a criação de um Grupo de Estudos em Animais Selvagens Organização: Grupo de Estudos em Animais Selvagens Brasil (GEASBR) - Gestão 2011/2012 Diretoria Presidente Vice-Presidente 1 secretário Carolina Lorieri Vanin (Metodista) Lucas Di Ruzza Salles (USP) Henrique Guimarães Riva (UNESP Araçatuba) Diretor de Finanças Renato Túlio Guimarães Silva (PUC Betim) Diretor de Projetos Verônica Takatsuka Manoel (UnB) Diretor de Divulgação Diretora de Marketing Daniel Shiraishi (FIMCA) Patricia Andalaft Freire (PUC Poços de Caldas) Colaborador Eduardo Lázaro de Faria da Silva (UVV) Redação: Henrique Guimarães Riva (GEASE, UNESP Araçatuba) Verônica Takatsuka Manoel (GEAS UnB) Carolina Lorieri Vanin (GECAS Metodista) Lucas Di Ruzza Salles (GEAS USP São Paulo) Renato Túlio Guimarães Silva (PUC Betim) Revisão: Lilian Silva Catenacci (Diretora Social ABRAVAS - Gestão ) 2

3 Sumário 1. Introdução 4 2. Formação do Grupo Escolha do Orientador Reunião Inicial Busca por Interessados 5 3. Reunião com os Interessados Objetivos do Grupo Frequência das Reuniões Horários das Reuniões Cargos Presidente e Vice-Presidente Tesoureiro Secretário Outros Cargos Diretor de Projetos Diretor de Divulgação Diretor de Eventos Diretor de Marketing Colaboradores Desenvolvimento do Cronograma Divulgação Comunicação ABRAVAS Conclusão 15 3

4 1. Introdução Este arquivo visa facilitar a criação de um GEAS e de modo algum consiste numa série de passos que deve ser seguida a risca. Cada GEAS tem uma história e foi criado de um modo diferente com objetivos diversos. Modifique essa linha de pensamento como quiser. Essas informações compõem sucintamente a experiência de membros de outros grupos de estudos de como transcorreu a criação dos GEAS em outras universidades. 2. Formação do Grupo Inicialmente deve ser formado o grupo base o qual será responsável por todo o trabalho que vem pela frente e deve ser composto por pessoas pró-ativas, que estejam realmente dispostas a participar e trabalhar efetivamente. A escolha desta equipe e a modificação desta ao longo do tempo são os pontos mais importantes. Inicie buscando os alunos que sabidamente se interessam pela área de animais selvagens, pessoas que possam ajudar na seleção dos estudantes e demais membros que irão compor a diretoria Escolha do Orientador Um professor ou profissional que possa dar sugestões e críticas às decisões e ações do grupo é uma parte vital. Esta pessoa é importante para manter o foco do grupo, escolher os temas a abordar, definir os objetivos do grupo. Enfim, ajudar os estudantes na tomada de decisões. Caso não haja um docente, este papel pode ser ocupado por um profissional, um pós-graduando, pessoas de áreas afins que tenham interesse em 4

5 selvagens, ou mesmo um graduando dos últimos anos que já tenha certa experiência em eventos e na área de animais selvagens. Caso essa pessoa não seja encontrada, não desanime, há muitos grupos que não possuem um orientador ativo ou não possuem nenhuma espécie de orientador. Caso contrário, se houver mais de um orientador apto, defina co-orientadores, quanto mais opiniões e pessoas dispostas a ajudar, melhor Reunião Inicial Marque uma reunião entre as pessoas interessadas que encontrou num primeiro momento e o orientador. Nessa reunião será discutido o planejamento neste início. Compartilhe este arquivo, verifique e modifique os passos aqui apresentados. O grupo é de vocês e a criação de um GEAS é diferente em cada universidade. Defina como serão realizados os próximos passos Busca por Interessados Posteriormente procure mais participantes. Há vários modos de buscar estes interessados, em todos eles devem ser deixados claros os objetivos de criar um GEAS e o que será feito depende da logística. Há faculdades menores nas quais o contato com os alunos pode ser mais próximo e em casos de grandes faculdades alguns itens a seguir tornam-se inviáveis. Não se esqueça de incluir os alunos da pós-graduação no planejamento da divulgação. Algumas sugestões: Ir a todas as salas de aula fazendo uma breve apresentação de cinco minutos ou menos para que todos saibam o que essa equipe pretende fazer e para que interessados surjam; 5

6 Passar listas em todas as salas buscando interessados; Divulgar uma data de reunião pré-estabelecida em murais da universidade por cartazes, com semanas de antecedência e em um horário que não haja atividades didáticas ou outras programadas; Via , página na internet, fóruns e/ou redes sociais, divulgar uma data de reunião e/ou buscar interessados por esse meio de comunicação; 3. Reunião com os interessados Deve congregar todos os interessados em participar do grupo. Com a contribuição da opinião de todos serão tomadas decisões importantes para o futuro do grupo. A participação do orientador é bastante importante. Devem ser definidos: 3.1. Objetivos do grupo Este item é muito variável em todos os GEAS e deve ser adaptado de acordo com a universidade e o público que compõe o grupo. Podem ser criados objetivos gerais e específicos, sendo que o segundo é englobado pelo primeiro. Alguns exemplos de objetivos: Complementar a grade curricular deficiente no tema de animais selvagens por meio de palestras teóricas e/ou práticas realizadas por docentes, discentes, pós-graduandos ou profissionais liberais; Discutir casos ou temas propostos através da leitura e apresentação de artigos científicos ou relatos de caso; 6

7 Trocar experiências em estágios, cursos ou eventos entre os estudantes participantes; Agregar estudantes para desenvolver pesquisas na área; Organizar um serviço de atendimento a animais selvagens; Auxiliar centros de conservação, criatórios, zoológicos ou outras instituições; Conscientizar a população da região sobre assuntos relativos a animais selvagens. Todos esses objetivos citados, por exemplo, poderiam ser englobados pelo objetivo geral: Complementar os conhecimentos dos estudantes da universidade em medicina de animais selvagens. A definição dos objetivos deve ocorrer pela opinião de todos e nada impede que estes objetivos sejam alterados ao longo do tempo. O importante é estabelecer o que o grupo quer e está disposto a fazer Frequência e Registro das reuniões A freqüência mínima que possibilita que as coisas ocorram é uma vez por mês. Mas há grupos que se encontram toda semana ou a cada quinze dias. Portanto isso deve respeitar o horário disponível e o tempo que as pessoas estão dispostas a despender com o assunto. Registre a presença de todos em cada reunião por meio de listas. Se for possível, também é interessante comprar um livro ata, para que sirva de lista de presença para todas as reuniões do grupo. 7

8 Para que a história e evolução do grupo sejam registradas, recomenda-se que haja um secretário em todas as reuniões. Nas primeiras reuniões, pode ser feito um revezamento entre as pessoas para cumprir esse cargo. Desse modo, todas as atividades e ideias do grupo ficam registradas. Após a organização do seu GEAS, um cargo específico será responsável pela redação das atas Horários das reuniões Deve ser planejado se possível com um horário e dia fixo, criando uma identidade do grupo. Deve ser escolhido um dia e horário que não coincida com outras atividades previstas curriculares ou não. Evitando concorrer com encontros do diretório acadêmico, empresa júnior, atlética ou outros grupos de estudos Cargos Esse é um assunto importante pois a definição de cargos auxilia muito na distribuição de funções. Cada GEAS tem sua distribuição própria de cargos. A seguir está uma pequena definição dos cargos básicos. Estes são: presidente, vice-presidente, tesoureiro e secretário Presidente e Vice-Presidente O presidente e o vice-presidentes são os membros do grupo que mais se preocupam com o cronograma. Discutem as ideias com todos, mas são mais ativos no contato com palestrantes, outros grupos e decisões rápidas que precisam ser tomadas. Precisam ter grande entrosamento e, mais do que todos, devem ser pró-ativos. 8

9 Devem gerenciar, conferir e cobrar os membros do grupo se atividades estão sendo cumpridas dentro do prazo. Como primeira ação, estes cargos deverão verificar perantes às instâncias superiores da universidade e ao orientador, a possibilidade de registro legal do grupo. Como função extra e não menos importante, o presidente e vice-presidente deverá ficar responsável por montar parcerias com empresas ou outras instituições parceiras, como contato para estágios e etc Tesoureiro O responsável pelo caixa do grupo é o tesoureiro. Não se preocupem, vocês conseguirão uma fonte de dinheiro. Ele deve ser uma pessoa muito responsável e, se possível, com conhecimento sobre bancos. Também será a principal pessoa que pensará em fontes de renda para o grupo. Alguns exemplos são: cobrança para emissão de certificados, mensalidades, cursos, eventos, venda de camisetas, brindes como chaveiros, etc Secretário Já o cargo de secretário está relacionado com a papelada; redigindo atas de reuniões, elaboração de cartazes, ofícios, cartas e pedidos. Também pode ser responsável pela divulgação dos eventos colando cartazes e manejando a divulgação online. Deve ser uma pessoa com habilidade para escrever, atenta e organizada, já que sempre será necessário que realize atividades extras após as reuniões Outros Cargos 9

10 Essa é a formação básica, caso haja poucas pessoas interessadas ou poucos estudantes dispostos a desenvolver o grupo. A definição de mais cargos torna o trabalho mais tranquilo e possibilita uma melhor qualidade. Podem ser incluídos cargos como: diretor de projetos, diretor de divulgação, diretor de eventos, diretor de marketing, colaboradores. Tais cargos tem funções mais específicas que diminuem as obrigações dos cargos básicos que foram descritos anteriormente Diretor de Projetos O diretor de projetos funciona como um organizador que ordenaria as ideias, possivelmente escrevendo os possíveis projetos. Também organizaria o cronograma com o auxílio do presidente e vice-presidente. Isso deixa os últimos dois cargos com mais tranquilidade para lidar com outras questões como parcerias, por exemplo. Deve também estar atento a editais e tramites legais para a realização dos projetos dentro da universidade Diretor de Divulgação Como o próprio nome diz, o diretor de divulgação cuidaria da comunicação dos eventos e de todas as atividades do grupo aos demais estudantes. Isso pode ser realizado por cartazes, folders ou avisos em sala e também pela internet por redes sociais ou . A criação desse cargo facilita o trabalho do secretário. Este é um cargo fundamental para o sucesso do grupo, pois ele garantirá que este fique conhecido tanto entre os estudantes, como em instâncias superiores da universidade (o que pode ser útil para conseguir benefícios como transporte ou outras demandas que dependam da administração da universidade). 10

11 O diretor de divulgação também pode ser o responsável por criar um banco de fotos das atividades do grupo e redigir matérias com notícias sobre as ações do GEAS. A criação de um folhetim informativo, por exemplo, é um meio de comunicação que pode ser utilizado Diretor de Eventos Cabe ao diretor de eventos a organização de cursos, encontros, palestras práticas e outros que demandem maior dedicação. Seria interessante que esta pessoa tivesse experiência na organização de semanas acadêmicas, festas, cursos e também que fosse uma pessoa organizada Diretor de Marketing Quanto ao diretor de marketing, deve cuidar da elaboração de produtos do grupo como camisetas, adesivos e chaveiros. Além disso, faz um papel importantíssimo que é o contato com patrocinadores. Esse cargo torna-se necessário com o tempo, já que é muito difícil e pouco aconselhável organizar cursos e encontros logo no início da criação do grupo Colaboradores Já os colaboradores farão um pouco de tudo. Serão pessoas dispostas a ajudar qualquer outro membro da diretoria. Geralmente são membros novos do grupo que tem grande vontade de ajudar, mas ainda não tem experiência ou não tem tempo hábil para assumir cargos de grande responsabilidade. Entretanto, essas pessoas precisam de treinamento já que futuramente ocuparão cargos de grande importância para o funcionamento do seu GEAS. 11

12 Essa foi uma explicação sucinta e básica dos cargos. Repetindo, isso não deve ser seguido como uma receita! Há grupos em que nem sequer há cargos, mas mesmo assim cada pessoa tem a responsabilidade de cumprir seus deveres quando as tarefas são divididas. Isso será diferente em cada lugar Desenvolvimento do Cronograma O cronograma básico deve ser decidido pelos membros da diretoria junto ao profissional orientador. Sugestões de outros interessados são sempre bem vindas, mas, geralmente, a diretoria que abrange o trabalho de organização dos encontros. As primeiras reuniões podem ser palestras teóricas de professores da própria instituição ou profissionais da mesma cidade para evitar gastos iniciais. Alunos com experiências diferentes, como estágios fora da cidade ou do Brasil, também podem ser convidados. A discussão de casos clínicos é interessante, mas depende do esforço do público em ler e acompanhar o desenvolvimento do caso. Geralmente, um tema que está na mídia atual é indicado, pois vem acompanhado por dúvidas e curiosidades. Alunos no início do curso de veterinária ou outros cursos que acompanham as reuniões podem não ter base teórica para entender alguns termos. Deve se tomar cuidado com o tema escolhido e termos técnicos utilizados. Palestras práticas chamam muito a atenção. Demandam um pouco mais de tempo e trabalho para organização, mas atraem maior público, prendem a atenção dos participantes e facilitam a absorção do conteúdo ministrado. Mas demandam espaço e animais a disposição. 12

13 Exibição de documentários ou filmes que abranjam o tema ou provoque uma boa reflexão são indicados, pois, geralmente, não são cansativos, são interativos e há pouco ou nenhum gasto durante a organização do encontro. Ao final da sessão, é muito importante que seja feita a discussão do conteúdo orientada por um profissional ou estudante que entenda do assunto. Com o desenvolvimento da organização do GEAS e a popularização do grupo, cursos podem ser organizados. Demandam um grupo bem estruturado e comprometido com seus objetivos, tempo, capital e planejamento. É uma boa chance para arrecadar fundos, divulgar o grupo e mostrar que estão ativos Divulgação Várias opções já foram citadas e serão brevemente detalhadas abaixo. A emissão de cartazes funciona muito bem, apesar de ser trabalhosa. Deve deixar claro o local, data, horário, tema e palestrante. O design do cartaz é muito importante, já que concorrerá pela atenção nos murais com anúncios de notas, festas e outros grupos. Se for possível, é interessante que seja colorido e contenha uma imagem que exemplifique o tema da palestra. O mesmo cartaz pode ser divulgado online através de redes sociais, , site da faculdade ou blogs. Atualmente, esta forma é uma das mais efetivas. A pessoa ou equipe responsável pela divulgação via internet deve ser pró-ativa a ponto de manter a página online sempre ativa. Constantemente com novas publicações do que o grupo planeja, do que já foi feito, fotos e informações. Caso seja uma faculdade pequena, pode ser feita a divulgação pessoal. Avisando no dia da palestra ou na mesma semana em cada sala de aula, 13

14 colocando o cartaz elaborado no plano de fundo dos computadores ou escrevendo na lousa. Caso a programação já esteja estabelecida, a divulgação da próxima palestra pode ser feita no final de cada encontro. Desse modo, os presentes já poderão se programar. Além disso, a programação anual ou semestral deve ser divulgada via internet assim que for possível. 3.7 Comunicação Como já citado anteriormente, a comunicação permitirá que o grupo de estudo seja notado dentro e fora da sua universidade. Por isso, precisa ser feita por uma pessoa também pró-ativa. Ela poderá trabalhar diretamente com o diretor do marketing. Deve ser estabelecido o contato com outros grupos de estudos, com o diretório acadêmico, atlética, empresa júnior e todas as instituições ou grupos que possam ajudar e ser ajudados pelo seu GEAS. Como já citado, esses grupos podem ajudar no início na emissão de cartazes e certificados, arrecadação de fundos ou outros problemas enfrentados. O próprio contato com o GEASBR e com a ABRAVAS é um grande passo e oportunidade para divulgação e trabalho em conjunto. 4. ABRAVAS A Associação Brasileira de Veterinários de Animais Selvagens (ABRAVAS) é uma ótima chance para conhecer o mundo da medicina de animais selvagens. O congresso anual organizado pela associação é uma oportunidade para conhecer personalidades importantes e muitas vezes históricas na criação e desenvolvimento da conservação e medicina de animais selvagens no Brasil. 14

15 Seu GEAS pode se organizar para enviar trabalhos científicos ou participar dos eventos da associação para conseguir contatos e facilitar a organização de um evento na sua própria universidade. A ABRAVAS apoia os estudantes, inclusive apoiou e auxiliou na redação deste documento. 5. Conclusão Criar um GEAS é um processo dinâmico e difícil que demanda muito trabalho e muita força de vontade. E esta não é a parte mais difícil. O grande desafio está em manter esse grupo ativo apesar da entrada e saída de estudantes. A renovação e o treinamento dos novos membros são sem dúvida o mais importante de todo o processo. Esta apostila serve de guia, porém o GEASBR está aberto a discussões e dúvidas por meio do ou do contato com um de nossos diretores. 15

FORMULÁRIO DE APOIO A EVENTOS

FORMULÁRIO DE APOIO A EVENTOS FORMULÁRIO DE APOIO A EVENTOS A ABRAVAS, VISANDO CONTRIBUIR PARA A CAPACITAÇÃO DO PROFISSIONAL QUE TRABALHA COM ANIMAIS SELVAGENS, DECIDIU SISTEMATIZAR E PLANEJAR POSSÍVEIS APOIOS PARA REALIZAÇÃO DE EVENTOS

Leia mais

PROJETO IMAGINAR CONTADORES DE HISTÓRIA DA UNICARIOCA

PROJETO IMAGINAR CONTADORES DE HISTÓRIA DA UNICARIOCA PROJETO IMAGINAR CONTADORES DE HISTÓRIA DA UNICARIOCA A UniCarioca, por meio do Núcleo de Ação Socioambiental (NASA) convida seus alunos a participarem da SEGUNDA EDIÇÃO do projeto IMAGINAR (inicialmente

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS LIGAS ACADÊMICAS CURSO DE MEDICINA UNIFENAS BH? ATIVIDADES COMPLEMENTARES

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS LIGAS ACADÊMICAS CURSO DE MEDICINA UNIFENAS BH? ATIVIDADES COMPLEMENTARES MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS LIGAS ACADÊMICAS CURSO DE MEDICINA UNIFENAS BH ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1- O QUE É UMA LIGA ACADÊMICA? As Ligas Acadêmicas são entidades sem fins lucrativos. As Ligas Acadêmicas

Leia mais

ESTATUTO GERAL DO GRUPO PET PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL MATERIAIS E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI

ESTATUTO GERAL DO GRUPO PET PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL MATERIAIS E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI ESTATUTO GERAL DO GRUPO PET PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL MATERIAIS E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI O Programa de Educação Tutorial (PET) Materiais e Inovação Tecnológica,

Leia mais

manual liga elo7 2.0 ORIENTAÇÕES E RECOMENDAÇÕES PARA PLANEJAMENTO DE EVENTOS

manual liga elo7 2.0 ORIENTAÇÕES E RECOMENDAÇÕES PARA PLANEJAMENTO DE EVENTOS ORIENTAÇÕES E RECOMENDAÇÕES PARA PLANEJAMENTO DE EVENTOS Olá Elosetter, Então você está com vontade de organizar um evento? O Elo7 incentiva as ações que fortaleçam e integram a comunidade artesanal e

Leia mais

MÍDIA FJU - A VOZ DA FORÇA JOVEM

MÍDIA FJU - A VOZ DA FORÇA JOVEM P R O J E T O ANO 2015 MÍDIA FJU - A VOZ DA FORÇA JOVEM #QUEMSOMOS O MÍDIA FJU é o projeto da Força Jovem Universal responsável por divulgar e fazer conhecido tudo o que acontece na FJU, tanto para o público

Leia mais

ESTRUTURA DO CURSO PRÉ-VESTIBULAR ESPERANÇA POPULAR RESTINGA

ESTRUTURA DO CURSO PRÉ-VESTIBULAR ESPERANÇA POPULAR RESTINGA ESTRUTURA DO CURSO PRÉ-VESTIBULAR ESPERANÇA POPULAR RESTINGA PRIMEIRA INSTÂNCIA COMUNIDADE DA RESTINGA - Comunidade atendida. Composta pelo Grupo de Educandos, colaboradores diversos e EMEM Alberto Pasqualini.

Leia mais

FRANQUIA UnicEAD. para cursos presenciais. Qual minha proposta de parceria? O que eu chamo de Franquia?

FRANQUIA UnicEAD. para cursos presenciais. Qual minha proposta de parceria? O que eu chamo de Franquia? FRANQUIA UnicEAD para cursos presenciais Qual minha proposta de parceria? Parceria de prestação de serviços educacionais, onde eu lhe concedo o direito de uso sobre meus materiais dos cursos à distância,

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL CARLOS HENRIQUE FELIPE POÇAS RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Novell Teaming 2.0. Novell. 29 de julho de 2009. Início Rápido. Iniciando o Novell Teaming. Conhecendo a interface do Novell Teaming e seus recursos

Novell Teaming 2.0. Novell. 29 de julho de 2009. Início Rápido. Iniciando o Novell Teaming. Conhecendo a interface do Novell Teaming e seus recursos Novell Teaming 2.0 29 de julho de 2009 Novell Início Rápido Quando você começa a usar o Novell Teaming, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

Art. 1- Da definição do selo educacional:

Art. 1- Da definição do selo educacional: Instrução Normativa ABRAFIT I.N.A. 01/2014 Art. 1 Da definição do selo educacional: Esta Instrução Normativa tem como objetivo determinar eventos, ações e projetos educacionais e científicos que solicitem

Leia mais

Regulamentação para Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Regulamentação para Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Regulamentação para Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Material elaborado pelo corpo docente da EBRAMEC / CIEFATO Para os cursos da Escola Brasileira de Medicina Chinesa Direção Geral: Reginaldo de Carvalho

Leia mais

SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO

SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO Os Fóruns estão começando a rever seus Regimentos Internos e conferindo se estes estão colaborando da melhor forma possível para seu funcionamento. Este

Leia mais

Orientações iniciais para estabelecimento de um SPIN Software and Systems Process Improvement Network

Orientações iniciais para estabelecimento de um SPIN Software and Systems Process Improvement Network 2010 Orientações iniciais para estabelecimento de um SPIN Software and Systems Process Improvement Network Material desenvolvido pelo SPIN São Paulo para apoio à formação de novos SPIN s versão 2 Orientações

Leia mais

MANUAL DO ALUNO PÓS-GRADUAÇÃO

MANUAL DO ALUNO PÓS-GRADUAÇÃO MANUAL DO ALUNO PÓS-GRADUAÇÃO CARO ALUNO, Seja Bem-Vindo às Escolas e Faculdades QI! Desejamos a você uma excelente jornada de estudos e evolução, tanto no campo profissional, como pessoal. Recomendamos

Leia mais

Art. 2 A Liga possui estatuto, gestão e gerenciamento próprios, tendo a sua Diretoria direitos e deveres para exercer suas funções em estatuto.

Art. 2 A Liga possui estatuto, gestão e gerenciamento próprios, tendo a sua Diretoria direitos e deveres para exercer suas funções em estatuto. Estatuto da Liga de Cirurgia da Universidade Federal de São Carlos. 08/05/2013 Da Disposição Geral Sobre a Liga de Cirurgia da UFSCar Art. 1 - A Liga de Cirurgia da UFSCar é uma instituição acadêmica,

Leia mais

CRA Departamento de Comunicação e Marketing Ata de Reunião 23.10.2008

CRA Departamento de Comunicação e Marketing Ata de Reunião 23.10.2008 CRA Departamento de Comunicação e Marketing Ata de Reunião 23.10.2008 I. Chamada de Ordem Adm. Glaucia Pascoaleto Araujo Conselho Regional dos Administradores de São Paulo. Reunião com Coordenadores dos

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul -

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RIO VERDE REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FISIOTERAPIA

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RIO VERDE REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FISIOTERAPIA INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RIO VERDE REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FISIOTERAPIA Capítulo I Definições e Finalidade Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)

Leia mais

Manual do Aluno Belo Horizonte 2013

Manual do Aluno Belo Horizonte 2013 Manual do Aluno Belo Horizonte 2013 Elaboração Carolina Vianini Amaral Lima Luciano Alves Lima Ronaldo Correa Gomes Júnior Coordenadora do Projeto IngRede Profa. Dra. Vera Lúcia Menezes de Oliveira e Paiva

Leia mais

Detalhamento do Serviço de Coaching Turma 3 Início Outubro/2014 Foco: ICMS RJ / ICMS SP. Prof. Fábio Amorim 1 de 6 www.exponencialconcursos.com.

Detalhamento do Serviço de Coaching Turma 3 Início Outubro/2014 Foco: ICMS RJ / ICMS SP. Prof. Fábio Amorim 1 de 6 www.exponencialconcursos.com. Turma 3 Início Outubro/2014 Foco: ICMS RJ / ICMS SP Prof. Fábio Amorim 1 de 6 Olá pessoal! Este documento tem por intuito elucidar dúvidas e esclarecer o processo de trabalho do Exponencial Concursos para

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA UNIVEM Mantido pela Fundação de Ensino Eurípides Soares Da Rocha

CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA UNIVEM Mantido pela Fundação de Ensino Eurípides Soares Da Rocha REGULAMENTO DO TRABALHO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO Art. 1º - Este regulamento fixa as normas para o Trabalho de Curso (TC) do Curso de Graduação em Direito do Centro Universitário Eurípides de Marília

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS : ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS

Leia mais

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC I. DA FINALIDADE E OBJETIVO Art. 1º. Este Regulamento tem por finalidade normatizar as atividades relacionadas aos Trabalhos de Conclusão de Curso de Graduação

Leia mais

SIATEX NOVO MANUAL SIATEX. www.siatex.ufba.br

SIATEX NOVO MANUAL SIATEX. www.siatex.ufba.br NOVO MANUAL SIATEX www.siatex.ufba.br Outubro 2013 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 3 CADASTRO... 4 ACOMPANHAMENTO... 7 CANCELAMENTO... 7 RELATÓRIO... 8 Inscrição Externa... 8 Upload da assinatura... 10 CERTIFICAÇÃO...

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º Este Regulamento estabelece a normatização das disciplinas

Leia mais

1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS

1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DOS CURSOS DE DESENVOLVIMENTO DE SERVIDORES PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS 1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS

Leia mais

Total (F. corrente + intermediária) 4 - FORMAÇÃO, APERFEIÇOAMENTO, ESPECIALIZAÇÃO 4-1 - CURSOS

Total (F. corrente + intermediária) 4 - FORMAÇÃO, APERFEIÇOAMENTO, ESPECIALIZAÇÃO 4-1 - CURSOS 4 - FORMAÇÃO, APERFEIÇOAMENTO, ESPECIALIZAÇÃO 4-1 - CURSOS A) - Comunicados e informes B) - Material gráfico (cartaz, folder, catálogo) C) - Mala direta (formulário para o cadastro de interessados) D)

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PIC PIC - UNIG Capítulo I Das Finalidades Art. 1º A iniciação científica é uma atividade oferecida

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PIC PIC - UNIG Capítulo I Das Finalidades Art. 1º A iniciação científica é uma atividade oferecida REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PIC PIC - UNIG Capítulo I Das Finalidades Art. 1º A iniciação científica é uma atividade oferecida com intuito de estimular vocação e identificar talentos

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E GERENCIAIS 2012 GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS Prof. Dra. Simone Sendin Moreira Guimarães Instituto de Ciências Biológicas/ICB Universidade Federal

Leia mais

Como trabalhar com voluntários na captação de recursos Andrea Goldschmidt*

Como trabalhar com voluntários na captação de recursos Andrea Goldschmidt* Como trabalhar com voluntários na captação de recursos Andrea Goldschmidt* Quando falamos de captação de recursos para uma organização, podemos estar falando em captação de dinheiro, de materiais, de produtos,

Leia mais

FACULDADES UNIDAS DO VALE DO ARAGUAIA

FACULDADES UNIDAS DO VALE DO ARAGUAIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC O Trabalho de Conclusão de Curso está estruturado sob a forma de elaboração de um artigo científico, sendo este resultado de um trabalho integrado entre as disciplinas

Leia mais

Novell Vibe 3.4. Novell. 1º de julho de 2013. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 3.4. Novell. 1º de julho de 2013. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 3.4 1º de julho de 2013 Novell Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso

Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso 1 Centro Universitário de Araraquara UNIARA Departamento de Ciências da Administração e Tecnologia Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso Capítulo I Das disposições

Leia mais

Proposta de Parceria ABRAVAS - ALVEFAS 2015

Proposta de Parceria ABRAVAS - ALVEFAS 2015 Proposta de Parceria ABRAVAS - ALVEFAS 2015 Associação com destaque nacional e internacional, voltada para a conservação de fauna, bem-estar animal e preservação ambiental, a Associação Brasileira de Veterinários

Leia mais

Kit de Apoio à Gestão Pública 1

Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Índice CADERNO 3: Kit de Apoio à Gestão Pública 3.1. Orientações para a reunião de Apoio à Gestão Pública... 03 3.1.1. O tema do Ciclo 4... 03 3.1.2. Objetivo, ações básicas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADES DE ENGENHARIAS E DESIGN REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADES DE ENGENHARIAS E DESIGN REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADES DE ENGENHARIAS E DESIGN REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) INTRODUÇÃO O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e é um componente curricular obrigatório

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

OBSERVATÓRIO ESCOLAR 2008

OBSERVATÓRIO ESCOLAR 2008 OBSERVATÓRIO ESCOLAR 2008 ANUALMENTE A ETEC PASSA POR UMA REFLEXÃO A RESPEITO DE SEU TRABALHO, REGISTRADA EM UM INDICADOR DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESCOLAR. ESTE É REPRESENTADO POR SETE ASPECTOS CONTIDOS

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º Este Regulamento estabelece as políticas da disciplina de Trabalho

Leia mais

Com-Vida. Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida

Com-Vida. Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Com-Vida Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Com-Vida Comissao de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Depois de realizar a Conferência... Realizada a Conferência em sua Escola ou Comunidade, é

Leia mais

AIESEC em Ribeirão Preto. Proposta de Parceria

AIESEC em Ribeirão Preto. Proposta de Parceria AIESEC em Ribeirão Preto Proposta de Parceria Apresentação Presente em mais de 110 países, a AIESEC é a plataforma internacional para jovens desenvolverem e explorarem seus potenciais de liderança. Parceira

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ. Campus Paranaguá. Credenciada pelo Decreto nº 9538, de 05/12/2013 D.O.E. 05/12/2013

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ. Campus Paranaguá. Credenciada pelo Decreto nº 9538, de 05/12/2013 D.O.E. 05/12/2013 REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 2015. PARTE I DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Art. 1º. O Trabalho de Conclusão de Curso TCC será desenvolvido

Leia mais

Saiba mais em portaltrainee.com.br traineemobile.com.br

Saiba mais em portaltrainee.com.br traineemobile.com.br Quem Somos? Onde Estamos? Portal Trainee é um site que tem como objetivo levar informações sobre o universo Trainee para jovens profissionais de todo o Brasil. Parcerias com diversas empresas juniores

Leia mais

ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR)

ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR) ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR) 2- FÓRUM O fórum serve para avaliar os alunos através da participação na discussão sobre um ou mais assuntos, inserção de textos ou arquivos. Os fóruns de discussão compõem uma

Leia mais

Diretrizes Nacionais em Ligas

Diretrizes Nacionais em Ligas Diretrizes Nacionais em Ligas Acadêmicas de Medicina Introdução As Ligas Acadêmicas são entidades constituídas fundamentalmente por estudantes, em que se busca aprofundar temas em uma determinada área

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o Parecer nº.

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Curso de Comunicação Social

ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Curso de Comunicação Social ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Curso de Comunicação Social As Atividades Complementares são práticas acadêmicas, obrigatórias para os alunos do UniFIAMFAAM. Essas atividades são apresentadas sob múltiplos

Leia mais

PROJETO DE SOLICITAÇÃO DE DISCIPLINA NO PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PID/2016

PROJETO DE SOLICITAÇÃO DE DISCIPLINA NO PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PID/2016 1 PROJETO DE SOLICITAÇÃO DE DISCIPLINA NO PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PID/2016 I. Professor orientador: Carlos Eduardo Leal Vidal II. Disciplina de atuação: Epidemiologia e Bioestatística III. Justificativa

Leia mais

Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista:

Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista: Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista: A metodista é credenciada pelo MEC para o oferecimento de cursos a distância? Sim. A Universidade Metodista de São Paulo recebeu o credenciamento do

Leia mais

Planos estratégicos de comunicação 2013/2014 Programa Áreas Protegidas da Amazônia - ARPA

Planos estratégicos de comunicação 2013/2014 Programa Áreas Protegidas da Amazônia - ARPA 1. Plano de Comunicação interna 1.1 Aspectos estruturantes 1.1.1 Objetivo O objetivo maior do plano de comunicação interna é fortalecer a gestão do Programa Arpa, a coesão entre parceiros e agentes diretamente

Leia mais

MANUAL PARA ALUNOS INGRESSANTES NO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM CLÍNICA MÉDICA.

MANUAL PARA ALUNOS INGRESSANTES NO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM CLÍNICA MÉDICA. MANUAL PARA ALUNOS INGRESSANTES NO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM CLÍNICA MÉDICA. 2014 SUMÁRIO CAPÍTULO PÁGINA 1) INTRODUÇÃO 1 2) SECRETARIA 1 2-1) COORDENAÇÃO 1 2-2) FUNCIONÁRIOS 1 2-3) HORARIO DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, FINS E OBJETIVOS Art. 1º As presentes normas visam regulamentar e disciplinar, em termos de sua administração,

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DOS CAMPOS GERAIS - CESCAGE FACULDADES INTEGRADAS DOS CAMPOS GERAIS

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DOS CAMPOS GERAIS - CESCAGE FACULDADES INTEGRADAS DOS CAMPOS GERAIS CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DOS CAMPOS GERAIS - CESCAGE FACULDADES INTEGRADAS DOS CAMPOS GERAIS MANUAL DE MONITORIA ACADÊMICA Com base na Resolução CSA 02/07, que estabelece Monitoria Acadêmica Centro de

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL a NOTA INTRODUTÓRIA Criado a 19 de Setembro de 2006 e tendo iniciado as suas funções a

Leia mais

GUIA ACADÊMICO DISCENTE. Instruções aos estudantes

GUIA ACADÊMICO DISCENTE. Instruções aos estudantes UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA GUIA ACADÊMICO DISCENTE Instruções aos estudantes atualizado emabril de 2013 A

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

Resultados em Vendas

Resultados em Vendas Resultados em Vendas Programa 2011 OBJETIVO: Desenvolver nos participantes as habilidades inerentes a arte de atender os clientes com base no atendimento de qualidade. Promover o aperfeiçoamento dos profissionais

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

Sumário. Guia do Aluno

Sumário. Guia do Aluno Sumário Guia do Aluno 1. Roteiro de estudo...3 2. Acessando seu ambiente acadêmico...5 3. Ferramentas...6 3.1 Avisos...6 3.2 Calendário...7 3.3 Tarefas...8 3.4 Informações pessoais...9 3.5 Minhas notas

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA E BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA E BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP CENTRO DESPORTIVO DA UFOP - CEDUFOP LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA COMISSÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO NORMAS PARA ELABORAÇÃO

Leia mais

MANUAL ACADÊMICO E OPERACIONAL DO CURSO TÉCNICO E/OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

MANUAL ACADÊMICO E OPERACIONAL DO CURSO TÉCNICO E/OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL FUNDAÇÃO DE APOIO CEFET ESCOLA TÉCNICA MARACANÃ UCP UNIDADE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL MANUAL ACADÊMICO E OPERACIONAL DO CURSO TÉCNICO E/OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL REDE DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DO RIO

Leia mais

Guia das Ligas Acadêmicas do Curso de Medicina da USFCar

Guia das Ligas Acadêmicas do Curso de Medicina da USFCar Guia das Ligas Acadêmicas do Curso de Medicina da USFCar Organizado e escrito pelo Grupo de Trabalho das Ligas Acadêmicas do Curso de Medicina da UFSCar em Setembro de 2010 sendo baseado no Guia para Construção

Leia mais

MANUAL DO ALUNO PARA O CURSO INTENSIVO DE QUALIFICAÇÃO DE INSPETOR DE PINTURA INDUSTRIAL NÍVEL 1

MANUAL DO ALUNO PARA O CURSO INTENSIVO DE QUALIFICAÇÃO DE INSPETOR DE PINTURA INDUSTRIAL NÍVEL 1 INDUSTRIAL NÍVEL Pág.: /7 Elaborado/Data: dezembro/204. OBJETIVO O Manual do aluno é um importante guia para a realização do curso INTENSIVO de Inspetor de Pintura Industrial Nível. Aqui contém informações

Leia mais

NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO PARA O CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO: GESTÃO, SUPERVISÃO E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL

NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO PARA O CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO: GESTÃO, SUPERVISÃO E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO PARA O CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO: GESTÃO, SUPERVISÃO E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL APRESENTAÇÃO Este manual destina-se a orientação dos procedimentos a serem adotados durante o estágio

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA CÉSAR LATTES Rua Marco Aurélio Gatti, nº 59 Vila Santa

FACULDADE DE TECNOLOGIA CÉSAR LATTES Rua Marco Aurélio Gatti, nº 59 Vila Santa Terezinha, Itu/SP FACULDADE DE TECNOLOGIA CÉSAR LATTES Rua Marco Aurélio Gatti, nº 59 Vila Santa Terezinha, Itu/SP FACULDADE DE TECNOLOGIA CÉSAR LATTES Rua Marco Aurélio Gatti, nº 59 Vila Santa Manual

Leia mais

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA MANUAL DE VISITA DE ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA Material exclusivo para uso interno. O QUE LEVA UMA EMPRESA OU GERENTE A INVESTIR EM UM ERP? Implantar um ERP exige tempo, dinheiro e envolve diversos

Leia mais

Cursos Online. Universidade do Corretor Alta Performance em Vendas de Alto Valor. Guia de Boas Vindas Primeiros passos. www.andrevinicius.

Cursos Online. Universidade do Corretor Alta Performance em Vendas de Alto Valor. Guia de Boas Vindas Primeiros passos. www.andrevinicius. Cursos Online Universidade do Corretor Alta Performance em Vendas de Alto Valor Guia de Boas Vindas Primeiros passos www.andrevinicius.com/ead Universidade do Corretor Olá! Tudo bem? É com imenso prazer

Leia mais

Catálogo de Merchandising

Catálogo de Merchandising Catálogo de Merchandising 1 Feira SALA DE IMPRENSA O canal perfeito para sua empresa falar com um público sempre bem informado e formador de opinião, composto por jornalistas dos mais conceituado veículos

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 1 CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 04/2007 Mílada Tonarelli Gonçalves CENPEC - Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária

Leia mais

CALENDÁRIO 2014 MATERIAIS COMPLEMENTARES DIA 1 DE AGOSTO DIA DO ESTUDANTE

CALENDÁRIO 2014 MATERIAIS COMPLEMENTARES DIA 1 DE AGOSTO DIA DO ESTUDANTE DIA 1 DE AGOSTO DIA DO ESTUDANTE ATIVIDADE 1: GINCANA ESTUDANTIL 1. RESUMO DA AÇÃO 1.1 Proposta Organizar uma gincana para que os estudantes de diferentes salas possam participar e competir, com provas

Leia mais

UVV POST Nº65 08 a 14/09 de 2014 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional

UVV POST Nº65 08 a 14/09 de 2014 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional UVV POST Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional Nos dias 2 e 3 de setembro, com o objetivo de promover a integração entre os discentes, professores

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA MONTES CLAROS - MG SUMÁRIO 1. Introdução 4 2. Obrigatoriedade das atividades complementares 5 3. Modalidades de Atividades Complementares

Leia mais

SESSÃO 7: Transformando os sonhos em ação

SESSÃO 7: Transformando os sonhos em ação CURRÍCULO DO PROGRAMA SESSÃO 7: Transformando os sonhos em ação Para muita gente, os sonhos são apenas sonhos. Não levam necessariamente a ações diretas para transformar tais sonhos em realidade. Esta

Leia mais

GUIA PARA O GT RECURSOS FINANCEIROS

GUIA PARA O GT RECURSOS FINANCEIROS GUIA PARA O GT RECURSOS FINANCEIROS Um projeto é um empreendimento planejado que consiste num conjunto de atividades integradas e coordenadas, com o fim de alcançar objetivos específicos dentro dos limites

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES Serviços da Assessoria de Comunicação Social

GUIA DE ORIENTAÇÕES Serviços da Assessoria de Comunicação Social A Assessoria de Comunicação Social (ASCOM) da Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG é uma unidade de apoio e assessoramento da Instituição, diretamente ligada ao Gabinete da Reitoria, que dentre suas

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL A DIRETORA DA ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS no exercício de suas atribuições legais, com fundamento no art. 65, inciso II da Lei

Leia mais

Diretoria de Marketing

Diretoria de Marketing Proposta de Candidatura Diretoria de Marketing Lucas Ferreira Rios 1. Dados Básicos de Identificação Nome: Lucas Ferreira Rios Idade: 25 anos Cargo Atual: Auxiliar Executivo de Marketing Ingresso na Empresa:

Leia mais

Plano de Ação da CPA

Plano de Ação da CPA Centro Universitário do Estado do Pará - CESUPA Plano de Ação da CPA Ano 2014 CPA/CESUPA 2014 C o m i s s ã o P r ó p r i a d e A v a l i a ç ã o C P A / C E S U P A APRESENTAÇÃO O plano de ações da CPA

Leia mais

Fase. Tempo Necessário. b - Material gráfico (cartaz, folder, catálogo) Tempo Necessário. Tempo Necessário

Fase. Tempo Necessário. b - Material gráfico (cartaz, folder, catálogo) Tempo Necessário. Tempo Necessário 4-0 FORMAÇÃO, APERFEIÇOAMENTO, ESPECIALIZAÇÃO 4-1 CURSOS 4-1a Cursos a - Comunicados e informes - Avisos aos instrutores. 4-1b Cursos b - Material gráfico (cartaz, folder, catálogo) - Um exemplar deve

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 03/2009, DE 5 DE JANEIRO DE 2009

RESOLUÇÃO Nº 03/2009, DE 5 DE JANEIRO DE 2009 RESOLUÇÃO Nº 03/2009, DE 5 DE JANEIRO DE 2009 Altera o Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC do Curso de Economia, na forma do Anexo. O Reitor da Universidade Regional de Blumenau, no uso

Leia mais

APRESENTAÇÃO MANUAL E REGULAMENTO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO AINDA SUJEITO À APROVAÇÃO DO CONSEPE.

APRESENTAÇÃO MANUAL E REGULAMENTO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO AINDA SUJEITO À APROVAÇÃO DO CONSEPE. APRESENTAÇÃO MANUAL E REGULAMENTO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO AINDA SUJEITO À APROVAÇÃO DO CONSEPE. A UNISA UNIVERSIDADE CIDADE DE SANTO AMARO, a fim de propiciar aos acadêmicos de Direito os meios

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. A Faculdade Moraes Júnior Mackenzie Rio FMJ Mackenzie Rio, proporcionará aulas de Nivelamento

Leia mais