PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E OPERACIONAL DOS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS APL CONVÊNIO IBGM/SEBRAE 2013 RELATÓRIO CONSOLIDADO 11/2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E OPERACIONAL DOS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS APL CONVÊNIO IBGM/SEBRAE 2013 RELATÓRIO CONSOLIDADO 11/2014"

Transcrição

1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E OPERACIONAL DOS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS APL CONVÊNIO IBGM/SEBRAE 2013 RELATÓRIO CONSOLIDADO 11/2014 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Este relatório foi elaborado tomando como referência as principais conclusões e propostas de ação geradas nas oficinas de Planejamento Estratégico realizadas em seis APL (Cristalina/ GO, São José do Rio Preto/SP, Guaporé/RS, Pedro II/PI, Belém/ PA e Rio de Janeiro/RJ, durante o ano de 2013 e no APL de Belo Horizonte/MG e região, realizada em Os resultados mais relevantes dessas oficinas são apresentados por meio de material compilado, que inclui: 1. Declaração de Missão e Visão de cada um dos APL trabalhados; 2. Principais pontos levantados por meio de Análise FOFA (Forças, Oportunidades, Fraquezas e Ameaças); 3. Principais ações propostas pelo conjunto dos APL; 4. Comentários sobre o trabalho realizado. 1. MISSÃO e VISÃO APL GO PI PA MISSÃO Fortalecer o APL de Cristalina, através de ações que facilitem o acesso a crédito e a mercados, aprimorem a gestão empresarial, a estrutura produtiva e a qualificação de mão de obra, de forma que haja desenvolvimento regional, geração de emprego e renda, com qualidade, eficiência, criatividade e sustentabilidade. Desenvolver a cadeia produtiva da opala, nos municípios de Pedro II e Buriti dos Montes, através de ações de base tecnológica e mercadológica, com vistas à ampliação da qualidade, produtividade e mercado. Fortalecer a cadeia produtiva de gemas, joias e bijuterias do Pará 1 VISÃO Ter o APL de Cristalina reconhecido nacional e internacionalmente pelo alto nível de competitividade de suas empresas e pela qualidade, originalidade e características sustentáveis de sua produção. Ter consolidado o APL como referência nacional em produção, lapidação e ourivesaria artesanal de opalas, objetivando a sustentabilidade, a inovação e o associativismo entre seus agentes, e tendo ampliado significativamente o mercado de seus produtos. Ter o setor de gemas, joias e bijuterias do Pará reconhecido nacionalmente e

2 RJ RS SJRP BH através de ações de inovação no âmbito de gestão, tecnologia, conhecimento e acesso a mercados, com foco na geração de emprego e renda. Consolidar os agentes do setor de gemas, joias e bijuterias do RJ por meio de ações de fomento no âmbito da gestão, tecnologia, conhecimento e acesso a mercados, com foco na geração de um ambiente de negócios sustentável e na valorização da criatividade, inovação e empreendedorismo. Consolidar e integrar a cadeia produtiva de gemas e joias do RS, por meio de ações vinculadas à inovação tecnológica, gestão empresarial, qualificação de mão de obra e acesso a mercados, com foco no aumento da competividade e sustentabilidade. Ampliar a competitividade e a sustentabilidade da indústria joalheira da região de São José do Rio Preto, por meio de ações de fomento no âmbito da inovação tecnológica, gestão empresarial, qualificação de mão de obra e acesso a mercados. Consolidar e integrar a cadeia produtiva de gemas joias bijuterias e folheados de BH e região, por meio de ações vinculadas à inovação tecnológica, gestão empresarial, qualificação de mão de obra e acesso a mercados, com foco na competitividade e sustentabilidade, criatividade, moda e design. internacionalmente como atuante, competitivo, criativo, valorizando a cultura local e gerando riquezas de forma sustentável. Ter o setor de gemas, joias e bijuterias do RJ reconhecido nacional e internacionalmente como referência de competitividade, criatividade e geração de emprego e renda de forma sustentável e ética. Ter a cadeia produtiva de gemas e joias do RS reconhecida nacional e internacionalmente pela qualidade dos produtos, sustentabilidade de processos, capacidade de atrair e reter talentos e cooperação empresarial. Ter a indústria joalheira de São José do Rio Preto reconhecida nacionalmente como referência em geração de riqueza, competitividade empresarial e disseminação de processos e práticas sustentáveis na cadeia de valor do setor. Ter o APL de BH e região reconhecido no mercado pela competitividade, criatividade, originalidade, qualidade e alto valor agregado de seus produtos. 2

3 2. MATRIZ ESTRATÉGICA - ANÁLISE FOFA Para apresentação desses resultados foi estabelecido o seguinte critério: a) Os itens (fraquezas, forças, oportunidades e ameaças) comuns a dois ou mais APL foram agrupados em uma única tabela, constituindo os principais pontos a serem considerados para uma análise setorial global; b) Os itens com apenas uma ocorrência, por serem específicos de cada um dos APL estudados, são apresentados em outra tabela FRAQUEZAS 10 PRINCIPAIS FRAQUEZAS RS SJRP RJ GO PA PI BH 1-Alta informalidade da cadeia produtiva 2-Nível insuficiente de qualificação dos profissionais do setor 3-Nível insuficiente de profissionalização na gestão das empresas 4-Pouco comprometimento dos empresários (falta de mentalidade associativa) 5-Baixa capacidade de produção das empresas do APL 6-Falta de capital de giro da maioria das empresas 3

4 7-Pouco conhecimento dos processos de internacionalização 8-Dificuldade de acesso a novos mercados, por falta de recursos ou de iniciativa 9-Baixa capacidade de investimento em ações de marketing 10-Baixa competitividade em relação aos produtos estrangeiros O gráfico a seguir mostra a distribuição dos 10 itens acima segundo o número de ocorrências: 'Alta informalidade da cadeia produtiva 2- Nível insuficiente de qualificação dos profissionais do setor 3-'Nível insuficiente de profissionalização na gestão das empresas 4-'Pouco comprometimento dos empresários (falta de mentalidade associativa ) 5-'Baixa capacidade de produção das empresas do APL 6-'Falta de capital de giro da maioria das empresas 7-'Pouco conhecimento dos processos de internacionalização 8-'Dificuldade de acesso a novos mercados, por falta de recursos ou de iniciativa 9- Baixa capacidade de investimento em ações de marketing 10-'Baixa competitividade em relação aos produtos estrangeiros 4

5 OUTRAS FRAQUEZAS RS SJRP RJ GO PA PI BH Alta rotatividade dos profissionais na cadeia produtiva Falta de competitividade do produto no mercado nacional Descompasso entre as novas competências exigidas pelo mercado e os programas de educação e capacitação profissional oferecidos Dificuldade das empresas em absorver novos modelos de negócio (franquias, e-commerce, marcas coletivas, etc.) Baixo investimento em P&D (design próprio, produtos e processos) pelas empresas e instituições de ensino e pesquisa ligadas ao setor, dificultando incorporação de tecnologia de ponta nas empresas Desconfiança e/ou desinformação dos órgãos de fiscalização com as práticas comerciais do setor Pouco conhecimento técnico dos profissionais do varejo em relação aos produtos do setor Falta de integração entre os polos de gemas e joias do estado e entre as diversas entidades representativas do setor no estado e no país. Baixa capacidade de produção das minas da região Deficiência nos processos de governança do APL Falta de profissionais e consultores locais que possuam conhecimento técnico específico do setor Insegurança das empresas de se relacionarem com órgãos reguladores e fiscalizadores Dificuldade de acesso a linhas de crédito Pouca capacidade para atrair e reter bons profissionais no varejo Falta de profissionais e consultores locais que possuam conhecimento técnico específico do setor Dificuldade de acesso à matéria-prima e outros insumos na região, gerando custo elevado do produto final Baixo grau de escolaridade das pessoas que atuam no setor Baixa visibilidade da joia paraense no mercado Falta certificação de processos, produtos e insumos para uso na joia paraense Baixa valorização do profissional do design no mercado local Perda gradual das técnicas artesanais, em função da baixa transferência dos conhecimentos tradicionais (ourives, mestres artesãos) Enfraquecimento de entidade representativa do setor Sazonalidade do mercado local Falta de estudos sobre competitividade setorial 5

6 2.2. FORÇAS 10 PRINCIPAIS FORÇAS RS SJRP RJ GO PA PI BH 1-Mix e evolução da qualidade dos produtos do APL 2-Boa capacidade de articulação e integração entre os parceiros do APL 3-Associações setoriais atuantes 4-Lideranças locais do setor fortes 5-Capacidade empreendedora dos produtores do APL 6-Apoio governamental e institucional existente 7-Design diferenciado, criatividade e qualidade da joia do APL identidade 8-Tendência de aumento da formalização das empresas 9-Disponibilidade de matérias-primas e insumos na região do APL 10-Crescente comprometimento dos empresários com ganhos de produtividade e novas posturas de gestão O gráfico a seguir mostra a distribuição dos 10 itens acima segundo o número de ocorrências: 6

7 'Mix e evolução da qualidade dos produtos do APL 2- 'Boa capacidade de articulação e integração entre os parceiros do APL 3- 'Associações setoriais atuantes 4- 'Lideranças locais do setor fortes 5- 'Capacidade empreendedora dos produtores do APL 6- 'Apoio governamental e institucional existente 7- 'Design diferenciado, criatividade e qualidade da joia do APL IDENTIDADE 8- 'Tendência de aumento da formalização das empresas 9- 'Disponibilidade de matérias-primas e insumos na região do APL 10- Crescente comprometimento dos empresários com ganhos de produtividade e novas posturas OUTRAS FORÇAS Parceria e articulação com organismos do setor turístico local Feiras regionais fortes e representativas Exclusividade do produto local (vínculo cultural ou uso de matéria-prima diferenciada) Existência de empresas âncoras que fornecem serviços de apoio aos empreendedores de menor porte Vantagens locacionais favorecendo a logística de produção e a possibilidade de cooperação entre as empresas do APL Implantação do Polo Joalheiro José Paschoal Costantini Qualificação dos profissionais da AJORESP Bolsa de empregos da AJORESP Parcerias já existentes com instituições de fomento e capacitação RS SJRP RJ GO PA PI BH 7

8 Bom acolhimento de novos entrantes pelo setor Presença de empresas de nível internacional sediadas no RJ Implantação do Mercado do Cristal Alta qualidade do Cristal da região Consolidação Institucional do Programa Polo Joalheiro São José Liberto Ingresso dos designers no processo produtivo, aprimorando o produto local Fomento para criação e aplicação de técnicas inovadoras na joia paraense Uso de material orgânico de origem sustentável Manutenção e logística do SJL com funcionamento multisetorial (artesanato, etc.) Capital humano com capacidade de trabalhar coletivamente Indicação geográfica de procedência Alto grau de internacionalização das empresas de gemas 2.3. OPORTUNIDADES 10 PRINCIPAIS OPORTUNIDADES RS SJRP RJ GO PA PI BH 1-Crescente interesse do consumidor por produtos com características sustentáveis 2-Reconhecimento da região como polo produtor de joias de qualidade (MG/RS/SJRP) 3-Tendência de ampliação do consumo de peças de ouro e/ou prata mais leves e diversificadas 4-Cenário econômico atual favorável ao consumo de folheados, bijuterias e acessórios de moda 5-Ascensão da nova classe média no país 6-Tendência de recuperação da economia americana e dos países da Europa 7-Criação de vínculos entre o design de moda e o setor de gemas e joias 8-Estado é grande produtor e/ou beneficiador de gemas ou outras matérias-primas (RS/PA/MG) 9-Grandes eventos no BR (Copa, Olimpíada no RJ) 10-Políticas públicas em todos os níveis favoráveis ao setor O gráfico a seguir mostra a distribuição dos 10 itens acima segundo o número de ocorrências: 8

9 'Crescente interesse do consumidor por produtos com características sustentáveis 2-'Reconhecimento da região como polo produtor de joias de qualidade (MG/RS/SJRP) 3-'Tendência de ampliação do consumo de peças de ouro e/ou prata mais leves e diversificadas 4-'Cenário econômico atual favorável ao consumo de folheados, bijuterias e acessórios de moda 5-Ascensão da nova classe média no país 6-'Tendência de recuperação da economia americana e dos países da Europa 7-'Criação de vínculos entre o design de moda e o setor de gemas e joias 8-'Estado é grande produtor e/ou beneficiador de gemas ou outras matérias-primas (RS/PA/MG) 9-'Grandes eventos no BR (Copa, Olimpíada no RJ) 10-'Políticas públicas em todos os níveis favoráveis ao setor OUTRAS OPORTUNIDADES Apoio do Governo RS aos APL reconhecidos Interesse de alguns países em adquirir produtos produzidos no APL Demanda do varejo estadual ainda não atendida plenamente por empresas do APL Valorização do estilo de vida carioca, gerando interesse por produtos com essa característica Crescimento econômico e da autoestima da população local, com melhoria do ambiente de negócios para o setor Processo de pacificação das comunidades, com redução do nível de violência, estimulando o uso de adornos pessoais Valorização do empreendedorismo e da indústria criativa, estimulando o surgimento de novos entrantes no setor RS SJRP RJ GO PA PI BH 9

10 Região possuidora de uma das maiores jazidas de cristal do mundo Maior PIB agrícola regional do país, atraindo investidores e favorecendo o crescimento econômico da região Localização geográfica estratégica Mercado nacional de gemas em expansão Expansão do mercado do cristal irradiado Grande número de profissionais de design sendo formados a cada ano Cultura paraense valorizada no âmbito nacional e internacional Tendência de crescimento de vendas do Polo SJL Interesse de alguns países em adquirir produtos da região amazônica (sustentabilidade) Visibilidade e reconhecimento da opala da região Proximidade da região com outras atrações turísticas (Parque das Sete Cidades) Festival de Inverno de Pedro II Aquecimento do turismo no Brasil, no NE e em Pedro II Evento Piauí Sampa Reconhecimento da região como gerador de tendências em design Implantação do Fashion City 2.4. AMEAÇAS 10 PRINCIPAIS AMEAÇAS RS SJRP RJ GO PA PI BH 1-Risco de descontinuidade de apoio político e institucional ao APL 2-Variação cambial desfavorável ao mercado interno, com instabilidade no preço de matérias-primas 3-Produtos e setores concorrentes, com risco de estagnação do mercado para produtos do setor 4-Ausência de linhas de crédito diferenciadas para o setor 5-Risco inflacionário e baixo crescimento econômico, com tendência de contração do consumo e aumento de custos do setor 6-Nível de endividamento do consumidor (retração do consumo) 7-Entrada maciça e indiscriminada de produtos estrangeiros 8-Alta carga tributária 9-Complexidade da legislação trabalhista e tributária Falta de interesse do jovem em ingressar no mercado (diminuição atratividade do setor) 10

11 O gráfico a seguir mostra a distribuição dos 10 itens acima segundo o número de ocorrências: 'Risco de descontinuidade de apoio político e institucional ao APL 2- Variação cambial desfavorável ao mercado interno, com instabilidade no preço de 3-'Produtos e setores concorrentes, com risco de estagnação do mercado para produtos do 4-'Ausência de linhas de crédito diferenciadas para o setor 5-'Risco inflacionário e baixo crescimento econômico, com tendência de contração do 6-'Nível de endividamento do consumidor (retração do consumo) 7-'Entrada maciça e indiscriminada de produtos estrangeiros 8-'Alta carga tributária 9-Complexidade da legislação trabalhista e tributária 10- Falta de interesse do jovem em ingressar no mercado (diminuição atratividade do setor) OUTRAS AMEAÇAS Aumento da criminalidade e despreparo dos órgãos de segurança na prevenção e combate ao crime Dificuldade de desenvolvimento da mentalidade associativa entre empreendedores Dificuldade de acesso a matéria-prima (gemas) de forma legal no estado Falta de integração entre órgãos reguladores municipais, estaduais e federais Desconfiança em relação à capacidade de gestão pública durante os grandes eventos Ampliação de outros setores econômicos na região, reduzindo a atratividade do setor para novos profissionais RS SJRP RJ GO PA PI BH 11

12 Alto custo e dificuldade de acesso a matérias-primas e outros insumos Inflexibilidade da legislação ambiental em relação ao porte do empreendimento Baixa rentabilidade da atividade de mineração em Pedro II Forte entrada de produtos sintéticos no mercado Novo produtor na África com possibilidade de grande produção Diminuição do interesse pela joia no ideal de consumo dos novos consumidores Indústrias estão se tornando "montadoras" e migrando para o comércio 3. PLANO DE AÇÃO As propostas de ação formuladas durante o processo de Planejamento Estratégico foram, para fins de sistematização, divididas em quatro áreas, de acordo com suas caraterísticas, independentemente do número de ocorrências: a) Capacitação e Treinamento: constituem atividades de uma ou outra forma vinculadas à área de capacitação, sejam elas de curta ou longa duração; b) Promoção e Comercialização: dizem respeito a ações promocionais de acesso a mercados; c) Articulação político-institucional: ações de caráter institucional, vinculadas ao marco regulatório do setor, seja ele local, regional ou federal, e outras que dependem fundamentalmente da atuação do corpo de governança do APL; d) Outras ações propostas: ações de cunho tecnológico e gestão empresarial, estudos técnicos, etc. CAPACITAÇÃO E TREINAMENTO Capacitação específica para desenvolvimento tecnológico, voltada às necessidades de cada APL Palestras e workshops visando formalização (para indústria e varejo) via Programa Sou Formal Sou Legal Oficinas e cursos de desenvolvimento de produtos, dadas as características de cada APL e tendências de mercado Oficinas e palestras de sensibilização sobre associativismo e liderança Cursos e oficinas de capacitação de força de vendas para empreendedores, lojistas e representantes comerciais Oficinas com técnicos do exterior para treinar profissionais locais (parceria com Escola SENAI) Cursos e oficinas sobre novos métodos e técnicas de lapidação e confecção de joias Capacitação dos empresários para internacionalização de empresas RS SJRP RJ GO PA PI BH 12

13 Reavaliação do conteúdo dos cursos vinculados ao setor e implantação de novos cursos Cursos e oficinas de capacitação em gestão e inovação Oficinas de Visual Merchandising Curso de capacitação de designers locais no Rhinoceros (parceria SENAI) Ciclo de palestras aos empresários locais sobre os riscos de utilização de produtos sintéticos. Curso superior de especialização de design de joias (criação) Capacitação de profissionais para atuação no parque tecnológico (SENAI) Cursos, palestras e consultorias em PII e BM nas áreas de gestão, cooperativismo e associativismo, pelo SEBRAE Implantação da Escola de formação profissional do SENAI Ciclo de palestras na feira da AJORESP Oficinas de Design Emocional Cursos e oficinas de desenvolvimento de produtos: tornar produto mais acessível às Classes C e D Capacitação de mão de obra existente e futura (SENAI/ MODATEC) - Replicar Companheiros do Dever (Panificação) Capacitação para gestão estratégica de design como diferencial competitivo (Fapemig, Centro Minas Design, Modatec, SEBRAE) ARTICULAÇÃO POLÍTICO-INSTITUCIONAL Reuniões periódicas entre as entidades de classe regionais e nacionais para troca de experiências e ações em parceria. Incorporação do design de joias na grade dos cursos de design das instituições de ensino superior Articulação para criação de mecanismos de incentivo governamental favorecendo o beneficiamento e a venda de gemas, joias e bijuterias no mercado interno do RS Articulação para diminuir alíquota estadual para o setor (crédito do ICMS na aquisição de matéria-prima de SIMPLES) Articulação para obtenção de diferencial de alíquota no ICMS estadual para o setor Estruturação de programa de atração dos novos entrantes ao APL Articulação e realização de ações integradas com outras entidades setoriais do país, empresários, colaboradores e organismos governamentais da área de segurança Instituição de programa de benefícios para profissionais do setor, para atrair e reter pessoal qualificado RS SJRP RJ GO PA PI BH Atrair empresas da área de lapidação para fortalecer o polo Articulação com entidades governamentais do RS ligadas ao fortalecimento de APL para criação/ampliação de APL no estado 13

14 Realização de seminários e reuniões técnicas para aproximar os organismos reguladores das práticas comerciais do setor Articulação para alterar a forma de tributação dos importados (de valor para peça ) e adoção da prata como ativo financeiro Articulação para Bolsa Valores autorizar a comercialização de contratos de Prata como ativo financeiro Articulação com organismos responsáveis e empresários do APL, para instituição de selo de qualidade e origem Criação de base sindical da indústria local Criação da Comissão de Mediação de Conflitos Implantação de Galpão Industrial com espaço para oficinas experimentais de produção Consolidação das Parcerias Institucionais do espaço São José Liberto Articular mecanismos de incentivo à venda de matéria prima paraense para as indústrias locais Articulação para vinculação do Polo SJL a uma lei estadual para evitar descontinuidade de recursos Fortalecimento político das duas entidades AJOLP e COOGP Missão técnica universitária (parcerias entre Universidades e o APL) Implantação de Central de Compra de matérias-primas Constituição de Comitê Gestor do APL de Cristalina Promoção de ações integradas com escolas públicas para conhecerem a cadeia produtiva do Cristal Criação de Núcleo de Educação Ambiental do APL de Cristalina Combater contrabando por meio de trabalho de inteligência defensiva em parceria com Receita Federal Reduzir o IPI a ZERO Diferir o ICMS em gemas brutas e lapidadas Redução definitiva do ICMS para 5% em MG (votar lei de incentivo) Implantar Gold Loan (agente financeiro que empreste às empresas em ouro) e Resolução 1121 Criação de Delegacia especializada/orientação sobre riscos e segurança Ampliar representatividade política do APL Articulação para estimular a participação dos empresários nas instâncias do APL Construir parcerias para garantir governança do APL Incentivar cadeia produtiva na criação do Selo de Origem "Made in Minas" Incentivar indústria a desenvolver produtos com mais pedras de cor e design diferenciado Campanha de conscientização para empresas mineiras aderirem ao projeto do Fashion City (SINDICATO) Trabalhar cultura da cooperação: Cultura da Cooperação (SEBRAE) 14

15 PROMOÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO Abrir novos canais de comercialização (feiras, road-shows, Brasil Criativo, etc.) Sondagem no mercado sobre novos modelos de negócio Programa de atração de clientes (newsletters, marketing, etc.) Ampliar canais de comercialização com varejo local via roadshows e outras ações similares Buscar integração com entidades do setor de moda (calçados, confecções) para realização de ações em parceria Estimular a participação das empresas do APL em feiras internacionais Projeto de comunicação estratégica para melhorar posicionamento do produto local Pesquisa do mercado varejista (atualização de cadastro da AJORESP) Participação dos membros do APL em feiras e congressos nacionais e internacionais Realizar eventos de promoção dos produtos do APL com a produção de material gráfico individual e também coletivo Criação de newsletter dirigida aos públicos de interesse do APL Projeto Comprador na Feira AJORESP Intensificar parcerias com entidades ligadas à área agrícola para estabelecimento de ações em conjunto Ações de marketing para atrair novos consumidores para o município e divulgar os produtos do APL Desenvolver plano de marketing para posicionamento do produto paraense nos mercados interno e externo Criação de um evento específico do setor de gemas e joias em Pedro II. Exemplo: Feira da Opala de Pedro II Iniciativa de divulgação da Cadeia Produtiva da Opala em estabelecimentos comerciais de Pedro II Ações regulares de promoção da Opala na mídia para ampliar seu consumo Website sobre Opala de Pedro II RS SJRP RJ GO PA PI BH Instituir categoria Joia de Opala no Prêmio IBGM de Design Fortalecimento da Indicação Geográfica como instrumento de marketing para a opala de Pedro II Reforçar a participação de empresas do APL no evento Piauí Sampa Aperfeiçoamento do Plano de comunicação da feira da AJORESP Participar de feiras internacionais com as empresas do Polo José Paschoal Costantini (JPC) Intensificar participação do APL nos eventos turísticos da região Estruturar uma ação promocional específica do setor dentro do Festival de Inverno de Pedro II 15

16 Estruturar programa permanente de visitas à mina de Opala da região em parceria com agências de turismo locais Instalação de quiosque com produtos da Cadeia Produtiva da Opala em shopping de Teresina Concurso de designers para capa do catálogo da feira da AJORESP Envolver o Comitê Gestor do APL na FECRIS - Feira de Joias, Artesanato Mineral e Pedras Preciosas de Cristalina Buscar inserção em novos mercados (participação coletiva em feiras) Identificar novos nichos de mercado Participação no Minas Trend Preview (joias) reforço do vínculo com Moda Criação de e-commerce compartilhado (SINDICATO/SEBRAE) Construção de um Plano de Comunicação e Marketing para o APL (consumidor/governo/associados sistema) Participação em feiras do setor de forma coletiva (definir as feiras, estratégia de segmentação e buscar parceiros) Valorização dos atributos intangíveis do produto joia - Campanha Institucional dirigida ao setor Campanha de valorização do design mineiro junto ao consumidor Campanha para estimular o consumo de produtos (Joias/folheados/bijuterias) com pedras de cor e quartzo OUTRAS AÇÕES PROPOSTAS Programa de estímulo de atualização do parque tecnológico das empresas do APL, por meio de linha de crédito específica, onde o produto seja dado como garantia do financiamento Implantar práticas sustentáveis no APL (sensibilização, capacitação e acompanhamento) Programa de fortalecimento de ações coletivas por meio da mobilização e intercâmbio de experiências entre as empresas do APL Programa de estímulo à criação de produtos que se integrem aos dos segmentos concorrentes. Criar programa de integração produtiva buscando ampliar a competividade das empresas do APL Instituir programa de atualização tecnológica do setor extrativo, para aquisição de equipamentos e treinamento de pessoal na área de mineração (crédito+capacitação) RS SJRP RJ GO PA PI BH Realização de pesquisa de cargos e salários regional Programa de sensibilização de jovens com oferecimento de estágios, visitação indústrias, cursos técnicos no SENAI e formação continuada Criação e aprimoramento de embalagens mais adequadas aos produtos da região Programa de desenvolvimento e aplicação de materiais, técnicas e processos inovadores na cadeia do setor, em parceria com instituições de E&P 16

17 Criar mecanismos de integração produtiva entre o setor de gemas e a indústria local de joias Estabelecer mecanismo de comprovação da legalidade de aquisição de gemas pelas empresas do APL Realização de prototipagem de novos produtos no Centro Tecnológico, com apoio do SENAI Implantar laboratório de análise de teor e gemas no polo; Instituir mecanismo de compartilhamento de uso de equipamentos e processos entre as empresas do Polo JPC (fundição, prototipagem, design) e, no APL, de design e prototipagem. Consolidar cooperativa de crédito para o setor via AgeRio Realização de ações em parceria com Polo SJRP na área de tecnologia e sustentabiliade (Manual de Produção Limpa) Elaboração de manuais de técnicas artesanais de manufatura dos produtos do setor Estudo de viabilidade de compra conjunta de matériasprimas no Polo São José Liberto Instituir mecanismo de comprovação da legalidade de aquisição dos produtos pelos empresarios do Polo SJL Programa de apoio aos produtores para obtenção da certificação (segmentação por porte da empresa) Instituição de plano de benefícios e melhoria das condições de trabalho dos colaboradores Realização de mapeamento do setor de gemas no Pará Realização de estudo técnico para localização de novas jazidas de opala na região de Pedro II Contratação de consultoria técnica especializada no setor produtivo (equipamentose processos) Buscar apoio do SEBRAE local para realizar análise de competitividade setorial em MG Estudo de Inteligência de mercado, para priorizar canais de distribuição, com participação de empresários Desenvolvimento Núcleo de apoio à Indústria Senai/Modatec - Investir em inovação, automação e terceirização Para o IBGM definir as ações que seriam priorizadas dentro do Planejamento Estratégico, foi estabelecida uma sistemática baseada no número de vezes que uma mesma ação foi proposta por diferentes APL ( máximo de 7 e mínimo de 3), a partir do entendimento de que aquelas cujo número de ocorrência situam-se abaixo desse patamar (1 ou 2 ocorrências) são menos abrangentes e, portanto, específicas de cada APL, devendo ser trabalhadas em âmbito regional. O quadro a seguir mostra aquelas ações que foram consideradas prioritárias a partir do critério descrito acima: T* AÇÕES PROPOSTAS OCORRÊNCIAS 17

18 C Oficinas e palestras de sensibilização sobre associativismo e liderança 5 A O C C P C Reuniões periódicas (presenciais ou virtuais) entre as entidades de classe regionais e nacionais para troca de experiências e ações em parceria. Programa de fortalecimento de ações coletivas por meio da mobilização e intercâmbio de experiências entre as empresas do APL Palestras e workshops visando formalização (para indústria e varejo) via Programa Sou Formal Sou Legal Oficinas e cursos de desenvolvimento de produtos, considerando as características de cada APL e tendências de mercado Abrir novos canais de comercialização (feiras, road-shows, Brasil Criativo, etc.) Cursos e oficinas de capacitação de força de vendas, para empreendedores, lojistas e representantes comerciais C Capacitação dos empresários para internacionalização de empresas 4 P Sondagem no mercado sobre novos modelos de negócio 4 P Programa de atração de clientes (newsletters, marketing, etc.) 3 P O C O C C Participação dos membros do APL em feiras e congressos nacionais e internacionais Implantar práticas sustentáveis no APL (sensibilização, capacitação e acompanhamento) Capacitações específicas de desenvolvimento tecnológico, voltadas às necessidades de cada APL Programa de estímulo à atualização do parque tecnológico das empresas do APL com linha de crédito específica, tendo o produto como garantia do financiamento Oficinas com técnicos do exterior para treinar profissionais locais (parceria com SENAI) Cursos e oficinas sobre novos métodos e técnicas de lapidação e confecção de joias C Cursos e oficinas de capacitação em gestão e inovação 3 A Incorporação do design de joias na grade dos cursos de design das instituições de ensino superior *As letras indicadas na primeira coluna à esquerda dizem respeito à letra inicial da categoria (Capacitação, Articulação, Promoção ou Outras) na qual a ação foi incluída. Após definição das ações consideradas prioritárias, foi considerada uma nova forma de sua agregação, conforme as quatro principais linhas de ação, que se complementam e constituem armas de competição relevantes para as empresas dos diferentes APL:

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2047 - Micro e Pequenas Empresas Número de Ações 10 Tipo: Operações Especiais 0473 - Honra de Aval decorrente de Garantia do Risco das Operações de Financiamento a Micro, Pequenas e Médias Empresas

Leia mais

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012.

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. PROPOSTA Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. 1 Apresentação No campo da Política Nacional de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais (APLs), o Grupo de Trabalho Permanente

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Arranjo Produtivo Local de Jóias do Estado do Rio de Janeiro

Arranjo Produtivo Local de Jóias do Estado do Rio de Janeiro Arranjo Produtivo Local de Jóias do Estado do Rio de Janeiro RIO DE JANEIRO CAPITAL INTRODUÇÃO As indústrias de lapidação, folheados e de joalheria, do Rio de Janeiro, congregam cerca de 80 empresas formais.

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Convênio FIESP/SEBRAE. APL de Jóias de São José do Rio Preto

Convênio FIESP/SEBRAE. APL de Jóias de São José do Rio Preto Convênio FIESP/SEBRAE APL de Jóias de São José do Rio Preto Rio de Janeiro - Outubro, 2004 1 Metodologia FIESP 2 Objetivos: Micros e Pequenas Empresas Aumentar a Competitividade Criar Processos de Auto-Sustentação

Leia mais

Pólo de Gemas e Jóias do Estado do Pará

Pólo de Gemas e Jóias do Estado do Pará Pólo de Gemas e Jóias do Estado do Pará INTRODUÇÃO O Estado do Pará abriga a província mineral mais representativa do país. O território paraense possui a maior jazida de ferro do mundo, 80% das reservas

Leia mais

Grupo 1. Oportunidades

Grupo 1. Oportunidades Grupo Todos nós, de forma direta ou indireta, possuímos relação com atividades, fornecendo produtos e/ou serviços a elas Aumento da carteira de clientes; Possibilidade de oferecer novos serviços/produtos

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Incentivos fiscais para a manutenção. da competitividade das indústrias mineiras

Incentivos fiscais para a manutenção. da competitividade das indústrias mineiras Incentivos fiscais para a manutenção da competitividade das indústrias mineiras Histórico do APL Eletroeletrônico de Santa Rita do Sapucaí A pequena cidade de Santa Rita do Sapucaí, no sul de Minas Gerais,

Leia mais

DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO

DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO Brasília, 11 de setembro de 2010 TEMA 1 DIRETRIZES E HORIZONTES DA RELAÇÃO POLÍTICA E INSTITUCIONAL DO SISTEMA COOPERATIVISTA 1.1 - FORTALECER A REPRESENTAÇÃO

Leia mais

Projeto de Estímulo à inovação, competitividade e desenvolvimento integrado da Cadeia Produtiva de Joias, Gemas e Bijuterias.

Projeto de Estímulo à inovação, competitividade e desenvolvimento integrado da Cadeia Produtiva de Joias, Gemas e Bijuterias. Projeto de Estímulo à inovação, competitividade e desenvolvimento integrado da Cadeia Produtiva de Joias, Gemas e Bijuterias. 2013-2014 Sobre o Projeto Alinhado com o Programa Brasil Maior Converge e integra

Leia mais

Inclusão Socioeconômica

Inclusão Socioeconômica PPA 2004-2007 Bahia que Faz SECRETARIAS ENVOLVIDAS OBJETIVO RECURSOS SEAGRI, SEC, SEFAZ, SICM, SEPLAN, SETRAS, SCT, SEINFRA, SECOMP, EGERAIS Desenvolver políticas de incentivo à inserção econômica das

Leia mais

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Ministério do Turismo Ministério do Turismo Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Funções e Objetivos Coordenar as ações voltadas à qualificação profissional e à melhoria

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Política Metropolitana Integrada de Formação e Qualificação Profissional

Política Metropolitana Integrada de Formação e Qualificação Profissional Política Metropolitana Integrada de Formação e Qualificação Profissional Objetivos Objetivo Geral: Ampliar capacidade da força de trabalho se inserir no processo de desenvolvimento econômico da RMBH, com

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

Sede Sebrae Nacional

Sede Sebrae Nacional Sede Sebrae Nacional Somos o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresa, uma entidade privada sem fins lucrativos, e a nossa missão é promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável

Leia mais

UGE UNIDADE DE GESTÃO ESTRATÉGICA

UGE UNIDADE DE GESTÃO ESTRATÉGICA PLANO PLURIANUAL 2010 2012 Brasília, outubro de 2009. ESTRATÉGIA DE ATUAÇÃO DO SEBRAE/DF CENÁRIO DE RECURSOS DO SEBRAE/DF RESUMO DE RECEITA LIMITES ORÇAMENTÁRIOS RESUMO POR TIPOLOGIA CARTEIRA DE PROJETO

Leia mais

CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL

CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL Considerações Gerais Para comemorar os cinco anos do Programa de Regionalização

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015

Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015 REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E ÀS EMPRESAS, COM IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL DA REGIÃO DO ALGARVE Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015 1 1 CONTEÚDOS

Leia mais

Histórico do Programa Brasileiro do Design

Histórico do Programa Brasileiro do Design Histórico do Programa Brasileiro do Design 1995 Lançamento do Programa Brasileiro do Design; Exposição: "O Brasil Mostra sua Marca". 1996 Concurso da Logomarca do PBD; Estudo: "Design para a Competitividade".

Leia mais

Legenda da priorização das propostas:

Legenda da priorização das propostas: Ações que já foram iniciadas, devemos MONITORAR o andamento. Articular para 2013 o inicio da execução das Propostas. Sem prazo definido. Articular o inicio a medida do possível. Legenda da priorização

Leia mais

BRANDING BRAZILIAN FOOTWEAR COORDENAÇÃO:

BRANDING BRAZILIAN FOOTWEAR COORDENAÇÃO: BRANDING BRAZILIAN FOOTWEAR COORDENAÇÃO: PONTOS DE DIFERENÇA BRANDING ABORDAGEM E DISSEMINAÇÃO AGENDA BRANDING ABORDAGEM O QUE É BRANDING? WORKSHOPS (8 HORAS) 01 outubro 2009 Birigui/ SP 02 outubro 2009

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 O Presidente do Instituto Pauline Reichstul-IPR, torna público que receberá inscrições para o processo seletivo de pessoal para atuação no projeto Ações Integradas

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

Inovar para competir. Competir para crescer.

Inovar para competir. Competir para crescer. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 sumário Plano Brasil Maior...7 Dimensões do Plano...8 Dimensão Estruturante...11

Leia mais

O melhor do Brasil para o mundo

O melhor do Brasil para o mundo O melhor do Brasil para o mundo Promoção das exportações de bens e serviços Promover a internacionalização das empresas Atração de investimentos estrangeiros diretos Promoção da Marca Brasil PRINCIPAIS

Leia mais

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL CANDIDATOS A PREFEITOS E PREFEITAS MUNICIPAIS Pleito Eleitoral 2012 PROPOSTAS DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A PROMOÇÃO

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

1- ESTUDO DESIGN PARA A COMPETITIVIDADE 2 PROJETOS DESENVOLVIDOS PELO PROGRAMA BRASILEIRO DO DESIGN 1995/2002 3 PERSPECTIVAS PARA 2003

1- ESTUDO DESIGN PARA A COMPETITIVIDADE 2 PROJETOS DESENVOLVIDOS PELO PROGRAMA BRASILEIRO DO DESIGN 1995/2002 3 PERSPECTIVAS PARA 2003 1- ESTUDO DESIGN PARA A COMPETITIVIDADE 2 PROJETOS DESENVOLVIDOS PELO PROGRAMA BRASILEIRO DO DESIGN 1995/2002 3 PERSPECTIVAS PARA 2003 ESTUDO DESIGN PARA A COMPETITIVIDADE Japão Alemanha Canadá Reino Unido

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local -

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local - Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher - Assistente Técnico Local - No âmbito do Programa Pará - Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial de Políticas para

Leia mais

Por que o empreendedorismo [junto com o capital intelectual] deve ser adotado como área estratégica no planejamento estratégico da Suframa?

Por que o empreendedorismo [junto com o capital intelectual] deve ser adotado como área estratégica no planejamento estratégico da Suframa? Por que o empreendedorismo [junto com o capital intelectual] deve ser adotado como área estratégica no planejamento estratégico da Suframa? 1 O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para

Leia mais

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO PLANEJAMENTO, SEGMENTAÇÃO E AÇÕES DE PROMOÇÃO CASO ABIHPEC EIXOS ESTRATÉGICOS DO PROJETO DE (Resultado do Workshop out 2008) Objetivos Relacionados: 11 - AUMENTAR A DECLARAÇÃO

Leia mais

Produção Associada ao Turismo

Produção Associada ao Turismo Produção Associada ao Turismo 3ª Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais Brasília, 29/11/2007 1 Conceito Produção Associada ao Turismo é toda produção artesanal, agropecuária ria ou industrial

Leia mais

Programas de Apoio à Exportação

Programas de Apoio à Exportação INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Programas de Apoio à Exportação ENCOMEX JARAGUÁ DO SUL Flávio Martins Pimentel Coordenação-Geral de Programas de Apoio à Exportação MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PEQUENOS negócios no BRASIL 99% 70% 40% 25% 1% do total de empresas brasileiras da criação de empregos formais da massa salarial do PIB das exportações

Leia mais

Sistema Indústria. 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57 milhões de alunos capacitados

Sistema Indústria. 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57 milhões de alunos capacitados Sistema Indústria CNI 27 Federações de Indústrias 1.136 Sindicatos Associados 622.874 Indústrias SENAI SESI IEL 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57

Leia mais

2400 - SECRETARIA DE INDÚSTRIA E 31378 - DIAGNÓSTICO DA CADEIA 2400 - SECRETARIA DE INDÚSTRIA E 31377 - CONDOMÍNIO DE TECNOLOGIA

2400 - SECRETARIA DE INDÚSTRIA E 31378 - DIAGNÓSTICO DA CADEIA 2400 - SECRETARIA DE INDÚSTRIA E 31377 - CONDOMÍNIO DE TECNOLOGIA SISTEMA DE E MONITORAMENTO DAS AÇÕES GOVERNAMENTAIS - SIPLAM 2400 - SECRETARIA DE INDÚSTRIA E 1053 - ESTUDOS DA CADEIA PRODUTIVA DESENVOLVIMENTO DAS ATIVIDADES MINERAL 2400 - SECRETARIA DE INDÚSTRIA E

Leia mais

Soluções Educacionais do Sebrae para a Cooperação e para liderança

Soluções Educacionais do Sebrae para a Cooperação e para liderança Soluções Educacionais do Sebrae para a Cooperação e para liderança 26ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Mel e Produtos Apícolas Brasília26 de Setembro de 2012 Reginaldo Barroso de Resende

Leia mais

XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América. Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME

XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América. Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME XIII Seminário Internacional de Países Latinos Europa-América Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das PME Fortaleza, 30 de outubro de 2006 1 Sumário 1 - Mercado MPE 2 - Acesso ao

Leia mais

Levantamento Qualitativo e Quantitativo

Levantamento Qualitativo e Quantitativo Estabelecer ações conjuntas no sentido de enfrentar os desafios e potencializar as muitas oportunidades existentes para o desenvolvimento do setor artesanal, gerando oportunidades de trabalho e renda,

Leia mais

Ata da 2ª Reunião do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC

Ata da 2ª Reunião do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC Ata da 2ª Reunião do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC Data: 18/04/2013 Horário: 14 às 17h30 Local: Sede do Sistema FIESC Objetivo do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC: Incrementar e Promover

Leia mais

Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios.

Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios. Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios. Só assim é possível identificar oportunidades de melhorias

Leia mais

Sua empresa mais competitiva! Projeto de Patrocínio EXPEN 2014

Sua empresa mais competitiva! Projeto de Patrocínio EXPEN 2014 Sua empresa mais competitiva! Projeto de Patrocínio EXPEN 2014 1ª FEIRA DO SUL DO BRASIL COM SOLUÇÕES COMPLETAS DE GESTÃO, SERVIÇOS E TECNOLOGIA PARA A SUA EMPRESA Na EXPEN 2014, você encontrará tecnologia,

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP DADOS JURÍDICOS O Instituto SAVIESA DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA é uma associação, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede no município de Vitória, Estado do Espírito Santo, à Rua

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 5º Congresso de Gerenciamento de Projetos 10 de novembro de 2010 Belo Horizonte Planejamento Estratégico Longo Prazo período 2010-2030 - planejamento

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO CATEGORIAS TÉCNICO TECNÓLOGO TEMAS LIVRE INCLUSÃO SOCIAL COOPERATIVISMO 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Nome da Instituição 1.2 Nome do Reitor(a)/Diretor(a)-Geral/Diretor(a) 1.3

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS 22 de Outubro de 2014 AGENDA Relembrar o conceito de Plano Municipal de Turismo Etapas percorridas no desenvolvimento do PMT de Farroupilha

Leia mais

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional Desafio Fomentar o Uso do Poder de Compra do Governo Junto aos Pequenos Negócios para Induzir

Leia mais

DO DESENVOLVIMENTO. Brasília março 2011

DO DESENVOLVIMENTO. Brasília março 2011 OS PEQUENOS NEGÓCIOS NANA LIDERANÇA OS PEQUENOS NEGÓCIOS LIDERANÇA DO DESENVOLVIMENTO DO DESENVOLVIMENTO Brasília março 2011 Servi«o Brasileiro de Apoio s Micro e Pequenas Empresas Miss o Institucional

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial FOCOS DE ATUAÇÃO Tema 8. Expansão da base industrial Para crescer, a indústria capixaba tem um foco de atuação que pode lhe garantir um futuro promissor: fortalecer as micro, pequenas e médias indústrias,

Leia mais

Políticas Públicas para Faixa de Fronteira Desenvolvimento Sustentável e o apoio aos Pequenos Negócios

Políticas Públicas para Faixa de Fronteira Desenvolvimento Sustentável e o apoio aos Pequenos Negócios Políticas Públicas para Faixa de Fronteira Desenvolvimento Sustentável e o apoio aos Pequenos Negócios Foz do Iguaçu PR 30 de maio de 2014 Força das Pequenas Empresas 8,7 Milhões optantes no Simples 4

Leia mais

CAMINHOS DO DESIGN BRASILEIRO

CAMINHOS DO DESIGN BRASILEIRO CAMINHOS DO DESIGN BRASILEIRO estratégias para agregar valor ao produto nacional 1 A. INTRODUÇÃO Nos dias 2 e 3 de outubro de 2002, foi realizado um encontro para o alinhamento estratégico do Programa

Leia mais

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde Inovação, Regulação e Certificação I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde São Paulo 11/04/2012 ABDI Criada pelo Governo Federal em 2004 Objetivo Objetivos Desenvolver ações

Leia mais

Projeto de Apoio a Inserção Internacional de. São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009

Projeto de Apoio a Inserção Internacional de. São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009 Projeto de Apoio a Inserção Internacional de MPE s Brasileiras Calçadistas do APL de São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009 Identificar OBJETIVOS DA AÇÃO e solucionar gargalos na gestão das empresas, principalmente

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

8º SALÃO DE TURISMO DO ESPÍRITO SANTO E 3º SALÃO DE ARTESANATO DO ESPÍRITO SANTO.

8º SALÃO DE TURISMO DO ESPÍRITO SANTO E 3º SALÃO DE ARTESANATO DO ESPÍRITO SANTO. 1 APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL 8º SALÃO DE TURISMO DO ESPÍRITO SANTO E 3º SALÃO DE ARTESANATO DO ESPÍRITO SANTO.

Leia mais

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Documento de Trabalho SESSÃO TEMÁTICA INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Indicador de importância das prioridades (Resultado

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

PALESTRA IBGM Rodada Temática de Design Apex Brasil São Paulo, 17 maio 2010

PALESTRA IBGM Rodada Temática de Design Apex Brasil São Paulo, 17 maio 2010 PALESTRA IBGM Rodada Temática de Design Apex Brasil São Paulo, 17 maio 2010 DESIGN COMO DIFERENCIAL NA EXPORTAÇÃO : O CASO DO IBGM PRINCIPAIS INSTRUMENTOS : Caderno de Tendências / Preview / Fontes de

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

CONCURSO Nº: 001/2015 PROCESSO Nº: E-11/002/2318/2015 MINUTA DE EDITAL PRÊMIO EMPREENDEDOR 2015

CONCURSO Nº: 001/2015 PROCESSO Nº: E-11/002/2318/2015 MINUTA DE EDITAL PRÊMIO EMPREENDEDOR 2015 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, ENERGIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS. AGÊNCIA DE FOMENTO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO S.A. CONCURSO Nº: 001/2015 PROCESSO

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto 2012 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei n.º

Leia mais

Topic 13: Commercializing Intellectual Property Assets: Case Study No. 2

Topic 13: Commercializing Intellectual Property Assets: Case Study No. 2 Training of Trainers Program on Effective Intellectual Property Asset Management by Small and Medium Sized Enterprises (SMEs) in Portuguese-Speaking African Countries (PALOP) Lisboa, Portugal 11 de abril

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO PROGRAMA NACIONAL DE ESTRUTURAÇÃO DE DESTINOS TURÍSTICOS (Documento base Câmara Temática de Regionalização) Brasília, 08.02.2013 SUMÁRIO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 2 2. DIRETRIZES...

Leia mais

Projeto Extensão Industrial Exportadora. Título da apresentação

Projeto Extensão Industrial Exportadora. Título da apresentação Título da apresentação DEFINIÇÃO: É um sistema de resolução de problemas técnico-gerenciais e tecnológicos que visa incrementar a competitividade e promover a cultura exportadora empresarial e estrutural

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Santa Maria, 15 de Outubro de 2012 Pauta: 1) Contexto da Economia Criativa no Brasil de acordo com o Plano da Secretaria da Economia Criativa

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

Instrumentos das Instituições do GTP APL

Instrumentos das Instituições do GTP APL Instrumentos das Instituições do GTP APL Ações de exportação Banco de dados de mercado Projetos Setoriais Integrados - PSIs 1) Proger Exportação 2) Programa de Geração de Negócios Internacionais (PGNI)

Leia mais

Cooperação e Governança em Arranjos Produtivos Locais

Cooperação e Governança em Arranjos Produtivos Locais Cooperação e Governança em Arranjos Produtivos Locais 1ª Conferência Brasileira sobre Arranjos Produtivos Locais Carlos Roberto Rocha Cavalcante Superintendente 2004 Histórico de Atuação do IEL 1969 -

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

As Compras Públicas, Simplificação, Sustentabilidade e Micro e Pequenas Empresas. Maurício Zanin Consultor SEBRAE Nacional

As Compras Públicas, Simplificação, Sustentabilidade e Micro e Pequenas Empresas. Maurício Zanin Consultor SEBRAE Nacional As Compras Públicas, Simplificação, Sustentabilidade e Micro e Pequenas Empresas Maurício Zanin Consultor SEBRAE Nacional OBJETIVO DAS NORMAS (linhas da esquerda para a direita) 8.666/93 Lei Geral de

Leia mais

PAINEL V : DESENVOLVIMENTO REGIONAL NA AMÉRICA LATINA ESTRUTURA PRODUTIVA E DESENVOLVIMENTO REGIONAL: EXPERIÊNCIAS LATINO-AMERICANAS

PAINEL V : DESENVOLVIMENTO REGIONAL NA AMÉRICA LATINA ESTRUTURA PRODUTIVA E DESENVOLVIMENTO REGIONAL: EXPERIÊNCIAS LATINO-AMERICANAS PAINEL V : DESENVOLVIMENTO REGIONAL NA AMÉRICA LATINA ESTRUTURA PRODUTIVA E DESENVOLVIMENTO REGIONAL: EXPERIÊNCIAS LATINO-AMERICANAS Ricardo Romeiro Coordenador Geral de Arranjos Produtivos Locais Secretária

Leia mais

35ª Reunião do CAMARA SETORIAL DA CADEIA PRODUTIVA DA CACHAÇA

35ª Reunião do CAMARA SETORIAL DA CADEIA PRODUTIVA DA CACHAÇA 35ª Reunião do CAMARA SETORIAL DA CADEIA PRODUTIVA DA CACHAÇA Brasília, 22 de outubro de 2013 Convênio SENAC-SP - curso de formação do Sommelier especializado em Cachaças Capacitar Sommeliers com ênfase

Leia mais

Diagnóstico da Cadeia Produtiva da Pesca nos Municípios do litoral centro-norte catarinense. - Resultados. Março 2010

Diagnóstico da Cadeia Produtiva da Pesca nos Municípios do litoral centro-norte catarinense. - Resultados. Março 2010 Diagnóstico da Cadeia Produtiva da Pesca nos Municípios do litoral centro-norte catarinense - Resultados Março 2010 1 Índice Objetivos Metodologia Resultados Cadeia Produtiva da pesca Armadores de pesca

Leia mais

APL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR - PDP. Junho/2008

APL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR - PDP. Junho/2008 APL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR - PDP Junho/2008 Foco Estratégico 1.Aumento da participação de mercado com os produtos atuais. 2.Conquista e manutenção

Leia mais

Jonas Bertucci Luiz Caruso Marcello Pio Marcio Guerra

Jonas Bertucci Luiz Caruso Marcello Pio Marcio Guerra Identificação de estruturas de alta, média e baixa qualificação profissional, trabalhando algumas hipóteses qualitativas, a partir dos cenários SENAI/BNDES Jonas Bertucci Luiz Caruso Marcello Pio Marcio

Leia mais

O Polo de Informática de Ilhéus e a atuação da Associação das Indústrias de Eletroeletrônicos, Telecomunicações e Informática do Polo de Ilhéus

O Polo de Informática de Ilhéus e a atuação da Associação das Indústrias de Eletroeletrônicos, Telecomunicações e Informática do Polo de Ilhéus O Polo de Informática de Ilhéus e a atuação da Associação das Indústrias de Eletroeletrônicos, Telecomunicações e Informática do Polo de Ilhéus Christian Villela Dunce Presidente da Assipi Salvador, 23

Leia mais

DINAMIZAR O TURISMO E SERVIÇOS SUPERIORES GERADORES DE EMPREGO E RENDA

DINAMIZAR O TURISMO E SERVIÇOS SUPERIORES GERADORES DE EMPREGO E RENDA DIRETRIZ ESTRATÉGICA DINAMIZAR O TURISMO E SERVIÇOS SUPERIORES GERADORES DE EMPREGO E RENDA O segmento do turismo vem se constituindo na Bahia uma importante atividade na geração de ocupação e renda, especialmente

Leia mais