DOCUMENTO º Relatório Executivo de Manutenção das Mudas Plantadas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOCUMENTO 24. 17º Relatório Executivo de Manutenção das Mudas Plantadas"

Transcrição

1 SERVIÇOS DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL E CONSTRUÇÃO DE CURVAS DE NÍVEL NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) NO ENTORNO DO FUTURO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA SÃO DOMINGOS DOCUMENTO 24 17º Relatório Executivo de Manutenção das Mudas Plantadas FLORIANÓPOLIS, 19 DEZEMBRO DE 2014

2 APRESENTAÇÃO Este documento refere-se ao Termo Aditivo 01 do Contrato n firmado entre a Eletrosul Centrais Elétricas S.A. e a Meio Biótico Consultoria S/S para a continuidade dos Serviços de Restauração Florestal e Construção de Curvas de Nível na Área de Preservação Permanente (APP) no entorno do futuro reservatório da Usina Hidrelétrica São Domingos. A Usina Hidrelétrica São Domingos, com potencia instalada de 48MW e 36,9 MW de energia assegurada, localiza-se no Estado de Mato Grosso do Sul entre os municípios de Água Clara e Ribas do Rio Pardo. Seu reservatório tem uma área de aproximadamente 18,6 Km² implantada no Rio Verde, sendo alagada uma área de 17,7 Km². Os serviços apresentados visam o atendimento ao disposto na Licença Ambiental de Instalação n 63/2009 emitida pelo IMASUL (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) e objetivam a mitigação e compensação do impacto causado pela supressão da vegetação necessária para a formação do reservatório, garantindo a restauração da mata nativa e a conservação da diversidade da flora local, bem como a perpetuação do patrimônio genético. O escopo dos serviços é detalhado no Anexo 1 - Especificação Técnica (E.T.: DPM- 027/2011), e contempla a construção de 14,5 hectares de curvas de nível e a Restauração Florestal de 170 hectares na Área de Preservação Permanente do Reservatório da UHE São Domingos. A Restauração Florestal inclui: confecção de ilhas de solo orgânico; controle prévio de formigas; preparo do solo e plantio de mudas de espécies nativas; estaqueamento das mudas; replantio das mudas mortas; manutenção das mudas. A construção de curvas de nível e a implantação da restauração foram finalizados, conforme apresentado nos Relatórios Executivos 01 a 06. A Manutenção das Mudas Plantadas, é apresentada a cada 35 dias totalizando 20 relatórios. O presente relatório se refere as atividades de Manutenção de Mudas Plantadas realizadas entre 14 novembro a 13 de dezembro de Esta atividade foi autorizada por meio da Ordem de Serviço 02. Página 2 de 17

3 SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR EMPRESA RESPONSAVEL ACOMPANHAMENTO E FISCALIZAÇÃO DA EXECUÇÃO APROVAÇÃO DO DIÁRIO DE OBRA IDENTIFICAÇÃO DO EXECUTOR DOS SERVIÇOS EMPRESA RESPONSAVEL RESPONSÁVEIS TÉCNICOS INTRODUÇÃO METODOLOGIA CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS ROÇADA AO REDOR DAS MUDAS ATIVIDADES REALIZADAS CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS CAPINA DE COROAMENTO E ROÇADA REGISTRO DE ANIMAIS DOMÉSTICOS BIBLIOGRAFIA Página 3 de 17

4 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR 1.1. EMPRESA RESPONSAVEL Eletrosul Centrais Elétricas S.A. CNPJ: / Endereço: Rua Deputado Antônio Edu Vieira 999, Pantanal, Florianópolis, SC. Site: ACOMPANHAMENTO E FISCALIZAÇÃO DA EXECUÇÃO Djoni Diosel Lopes Divisão de Coordenação Técnica e Administrativa - DMO Telefone: (48) Lamartine Richard Junior Divisão de Engenharia Ambiental - DEA Telefone: (48) APROVAÇÃO DO DIÁRIO DE OBRA Rafael Eid Shibayama Engº Sup. Meio Ambiente UHESD Telefone: (67) Página 4 de 17

5 2. IDENTIFICAÇÃO DO EXECUTOR DOS SERVIÇOS 2.1. EMPRESA RESPONSAVEL Meio Biótico Consultoria S/S. CNPJ: / Endereço: Acadêmico Reinaldo Consoni 417, Florianópolis, SC. Telefone: (48) , (48) Site: RESPONSÁVEIS TÉCNICOS Jonatha Alexandre Andrade Alves Biólogo, Ms. Biologia Vegetal CRBio D CTF IBAMA nº ART Nº: 2012/00613 Currículo Lattes - Manuela Boleman Wiesbauer Bióloga, Ms. Recursos Genéticos Vegetais CRBio D CTF IBAMA nº ART Nº: 2012/00469 Currículo Lattes - Página 5 de 17

6 3. INTRODUÇÃO O Domínio Cerrado ocorre em nove Estados da Federação ocupando uma área de km² (IBGE 2004) o que corresponde a cerca de 24 % do território nacional. O Cerrado pode ser abordado de acordo com três definições (Ribeiro & Walter 1998, Walter 2006 apud Bordini 2007): Bioma Cerrado - refere-se a vegetação ocorrente no Planalto Central, no Domínio Cerrado. Cerrado em sentido restrito (strictu sensu) designa um dos tipos fitofisionômicos de formação savânica, e inclui o cerrado denso, típico, ralo e rupestre. Esta é a formação dominante e característica do Bioma Cerrado. Cerrado em sentido amplo (latu sensu) reúne as formações savanicas e campestres do bioma, incluindo cerradão, cerrado strictu sensu, campo sujo e campo limpo. O clima do Cerrado é estacional em que o período chuvoso dura de outubro a março, seguido de um período seco de abril a setembro, possuindo uma precipitação total anual variando de e mm e uma temperatura média anual entre 18 e 25 C. (Mantovani & Pereira 1998). Os solos do Cerrado são geralmente profundos e bem drenados, de baixa fertilidade, como latossolos e areias quartzosas com alta concentração de alumínio (Mantovani & Pereira 1998). Os períodos prolongados de deficiência hídrica, contribuem para uma menor cobertura vegetal condicionando ao solo uma maior suscetibilidade a erosão, agravada pelas limitações edáficas, o que compromete a sustentabilidade destes ecossistemas (Bono et al 2005 apud Cooper 2010). A vegetação original do Cerrado (latu sensu) apresenta um gradiente de biomassa, intimamente relacionada com as características do solo. O campo limpo representa a forma de menor biomassa, seguido de campo sujo, campo cerrado, cerrado strictu sensu, e cerradão (Mantovani & Pereira 1998). Uma das características da vegetação do Cerrado é a alta proporção de biomassa subterrânea em relação a biomassa aérea, a produção de serrapilheira muito baixa, o fluxo pequeno de nutrientes durante a reciclagem de biomassa proporcionando maior longevidade das folhas, entre outras (Haridasan 2000). A composição florística do Cerrado apresenta riqueza significativa, devido a heterogeneidade das paisagens e diferentes tipos fitofisionômicos (Mendonça et al 1998 apud Bordini 2007). A flora também apresenta altas taxas de endemismo, sendo que cerca de 44 % das espécies são endêmicas, tornando Cerrado a savana mais diversificada do mundo (Klink & Machado 2005 apud Bordini 2007). O Cerrado é considerado uma das formações vegetais mais difíceis de serem restauradas (Barbosa 2010) e, ao contrario dos ecossistemas florestais, as pesquisas para restauração destas formações ainda são incipientes (Durigan 2005) tendo evoluído nos últimos anos especialmente para o estado de São Paulo (Durigan 2011). Página 6 de 17

7 Não se observa no cerrado uma substituição cronológica de espécies. As árvores típicas desta formação são todas heliófitas e geralmente de crescimento lento podendo ser enquadradas como secundarias, uma vez que não existem espécies pioneiras típicas (de crescimento rápido). Apenas no cerradão ocorrem algumas espécies que regeneram a sombra que poderiam ser consideradas climáxicas. Por este motivo, a usual categorização da sucessão secundaria em ecossistemas florestais não se aplica e não tem utilidade pratica para a restauração no Cerrado (Durigan 2005, 2011, Barbosa 2010). Desta forma a distribuição das espécies pode ser aleatória, não havendo preocupação de plantar espécies que forneçam sombra para outras (Durigan 2011). A resiliência (capacidade de regeneração natural) em áreas de cerrado depende da natureza, intensidade e duração do impacto. Em locais onde ainda existem raízes para rebrotar a restauração é muito fácil, bastando eliminar as perturbações. Para áreas onde o impacto foi mais intenso ou persistiu por mais tempo e a regeneração e riqueza são baixos, é recomendável o plantio de enriquecimento para aumentar a cobertura e a diversidade. Áreas onde o solo foi excessivamente revolvido e alterado quimicamente geralmente não apresentam potencial de regeneração natural uma vez que não há registro de regeneração do cerrado por banco de sementes do solo ou trazidos pelo vento ou animais. Neste caso é recomendado o plantio convencional com densidade de até 2 mil mudas por hectare e com a maior diversidade possível (Durigan 2011). Em qualquer um dos casos é preciso controlar processos erosivos e a competição com gramíneas invasoras com capina, pastoreio controlado ou herbicida a base de glifosato. Tanto para o plantio convencional como de enriquecimento é recomendado o controle de formigas cortadeiras por até 3 anos (Durigan 2011). Página 7 de 17

8 4. METODOLOGIA A realização do serviço executivo de Manutenção das Mudas Plantadas segue as orientações emitidas pela E.T.: DPM-027/2011 e inclui as atividades de Controle de Formiga, Capina de Coroamento e Roçada ao Redor das Mudas conforme descrito a seguir. Além dessas atividades, são realizadas vistorias nos locais de plantio a fim de identificar a ocorrência de animais domésticos, em especial gado bovino e caprino CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS O controle de formigas ocorrerá permanentemente ao longo da manutenção, aplicandose iscas formicidas em novos focos observados nas áreas de plantio. Nesta etapa foi realizado o controle de formigas somente na Faz. Zenith. Em cada formigueiro identificado, é realizada a aplicação de iscas formicidas a cerca de 10 cm do olheiro e a marcação com uma estaca (Figura 4-1). O combate de formigas é realizado apenas em dias secos para evitar a dissolução das iscas. ISCA FORMICIDA Figura 4-1. Aplicação de iscas formicidas e marcação dos formigueiros tratados. O formicida utilizado é o Mirex-S, a base de sulfuramida, um composto com baixa toxidade para peixes, algas, micro-crustáceos, organismos de solo, aves e abelhas. De acordo com a recomendação do produto, são utilizadas as seguintes medidas: 5 a 8 gramas de isca por metro quadrado de terra solta do formigueiro, para as espécies do gênero Atta (saúvas); 8 a 10 gramas por quemquenzeiro, para as espécies do gênero Acromyrmex (quemquém). Página 8 de 17

9 4.2. CAPINA DE COROAMENTO A atividade de capina de coroamento ao redor das mudas é realizada de maneira manual com o uso de enxada/enxadão, com o objetivo de erradicação de gramíneas e ervas invasoras. O diâmetro do coroamento ao redor da muda abrange aproximadamente 80 cm, tomando-se o cuidado para que não haja o comprometimento da muda durante a realização da operação. Neste ciclo de atividades foram realizadas capinas na APP da proximidade da Faz. Rancho MC, Cachoeira Preta, Zenith e Novo Mundo ROÇADA AO REDOR DAS MUDAS Assim como nos demais meses, o crescimento de espécies herbáceas e subarbustivas, com destaque para o capim-braquiária (Brachiaria spp.), demandaram de novas intervenções de roçada ao redor das mudas e seus agrupamentos em núcleos (Figura 4-2). Para a atividade de roçada são utilizadas roçadeiras da STIHL FS 160, abrangendo no mínimo 1,0 m de diâmetro, chegando muitas vezes a cobrir a totalidade do núcleo do plantio. Assim como as demais atividades, tomou-se o cuidado para não danificar as mudas arbóreas plantadas e/ou regenerantes. O material vegetal oriundo das roçadas é disposto sobre o solo ao redor de cada muda, com a intenção de ajudar a conservar a sua umidade. Neste ciclo de atividades foram realizados roçados ao redor das mudas na APP da proximidade da Faz. Rancho MC, Cachoeira Preta, Zenith e Novo Mundo.. Página 9 de 17

10 A B C D Figura 4-1. Estado das áreas antes do recomeço da manutenção das mudas (A) Faz. Cachoeira Preta 18/11/2014; B) Faz. Zenith em 24/11/2014; C) Faz. Novo Mundo em 01/12/2014; e, D) Novo Mundo em 11/12/2014. Página 10 de 17

11 5. ATIVIDADES REALIZADAS 5.1. CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS No período de manutenção compreendido entre 14 de novembro e 13 de dezembro 2014 foram localizados somente 2 olheiros de formigas cortadeiras na APP restaurada na proximidade da Faz. Zenith. Conforme recomenda a Especificação Técnica, para cada olheiro combatido foi instalada uma estaca de localização e referenciada a coordenada geográfica para facilitar a fiscalização e as posteriores revisitas para acompanhamento do sucesso do formicida aplicado. A localização das coordenadas do combate aos formigueiros é apresentada na Tabela 5-1 e ilustrada nas Figuras 5-1 e 5-2. Tabela 5-1. Localização dos novos olheiros de formiga cortadeira combatidos na área de Restauração Florestal da APP do Reservatório da UHE São Domingos. Data Localidade N de Olheiros Coordenadas UTM (SAD69 22K) Norte Leste 27/11 Faz. Zenith TOTAL 2 A B Figuras 5-1. Combate de formigas cortadeiras na APP da Faz. Zenith em 27/11/2014. Página 11 de 17

12 5.2. CAPINA DE COROAMENTO E ROÇADA A capina de coroamento e roçado ao redor de mudas, durante o período deste relatório de atividades, foram realizadas nas APP s de restauração florestal situadas na proximidade da Faz. Rancho MC, Faz. Cachoeira Preta, Faz. Zenith e Faz. Novo Mundo (3 áreas de cercamento). Na Tabela 5-2 é apresentada uma síntese das atividades realizadas durante o período informado acima. O registro fotográfico destas atividades é apresentado nas Figuras 5-2 e 5-3 para o roçado e capina. Tabela 5-2. Síntese das atividades de capina de coroamento e roçado ao redor das mudas realizadas na UHE São Domingos - MS. Data Localidade Total Plantado Roçado na Data Mudas Roçado Acumulado Coroamento na Data Coroamento Acumulado 14/11 Rancho MC /11 24/11 Cachoeira Preta /11 Zenith / / / / / Novo Mundo / / / / Página 12 de 17

13 Mudas Data Localidade Total Plantado Roçado na Data Roçado Acumulado Coroamento na Data Coroamento Acumulado 10/ / / A B C D Figura 5-2. Registro das áreas após atividades de capina e roçado na APP da proximidade da A) Faz. Rancho MC em 14/11/2014; B) Faz. Cachoeira Preta 18/11/2014; C) Faz. Zenith em 24/11/2014; e D) em 26/11/2014. Página 13 de 17

14 A B C D E F Figura 5-3. Registro das áreas após atividades de capina e roçado na APP da Faz. Novo Mundo: A-B) em 01/12/2014; C) em 08/12/204; D) em 09/12/2014; E) em 10/12/2014; e F) em 12/12/2014. Página 14 de 17

15 6. REGISTRO DE ANIMAIS DOMÉSTICOS Durante o período de realização das atividades foi registrada a presença de gado na APP da Faz. Novo Mundo, sendo registrado também a cerca danificada entre o corredor de dessedentação animal e área de restauração florestal (Figura 6-1D UTM N; E). A B C D Figura 6-1. Gado localizado dentro da APP na Faz. Novo Mundo A) em 04/12/2014; B-C) em 10/12/2014; D) registro de danos a cerca entre a área restaurada e o corredor de dessedentação do gado em 11/12/ Página 15 de 17

16 7. BIBLIOGRAFIA BARBOSA, L.M GT4. Ecologia, Manejo e Restauração de Áreas Degradadas. In: BONONI, V. L. R.; BARBOSA, L. M. (Orgs.). Anais I Encontro de pesquisas sobre Cerrado e Formações florestais associadas no Estado de São Paulo, São Paulo, Brasil. p BORDINI, M.C.P Manejo da regeneração natural de vegetação do cerrado, em áreas de pastagem, como estratégia de restauração na Fazenda Santa Maria do Jauru, município de Porto Esperidião, MT. Dissertação. Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. 93 p. COOPER, M Processos erosivos em áreas do Cerrado. In: BONONI, V. L. R.; BARBOSA, L. M. (Orgs.). Anais I Encontro de pesquisas sobre Cerrado e Formações florestais associadas no Estado de São Paulo, São Paulo, Brasil. p DURIGAN, G.; SILVEIRA, E.R Recomposição da mata ciliar em Domínio de Cerrado, Assis, SP. IPEF 56: DURIGAN, G Restauração da Cobertura Vegetal em Região de Domínio do Cerrado. In: GALVÃO, A.P.M.; PORFIRIO-DA-SILVA, V. (Ed). Restauração do Florestal: Fundamentos e Estudos de Caso. Colombo: Embrapa. P DURIGAN, G.; MELO, A.C.G.; MAX,J.C.M.; VILAS BOAS, O.; CONTIERI, W.A.; RAMOS, V.S Manual para Recuperação da Vegetação de Cerrado. 3ª Ed. São Paulo: SMA.19p. HARIDASAN, M Nutrição Mineral de Plantas Nativas do Cerrado. R. Bras. Fisiol.Veg. 12 (1): IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Mapa dos Biomas Brasileiros. MANTOVANI, J.E.; PEREIRA, A Estimativa da Integridade da Cobertura Vegetal de Cerrado Através de Dados TM/Landsat. Anais IX Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Santos, Brasil, setembro 1998, INPE, p MARCOLAN, A.L Modo de adubação e absorção de fósforo pelas plantas. Disponível em <http://www.cpafro.embrapa.br/publicacoes/.>. Acessado em 20 de set de MENDONÇA, R. C.; FELFILI, J. M.; WALTER, B. M. T.; SILVA JÚNIOR, M. C. da; REZENDE, A. V.; FILGUEIRAS, T. S.; NOGUEIRA, P. E. Flora vascular do Cerrado. In : SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P. de. (Ed.). Cerrado: ambiente e flora. Planaltina, DF: Embrapa-CPAC, p Página 16 de 17

17 SANTOS, J.Z.L.; RESENDE, A.V.; NETO, A.E.F.N; CORTE, E.F Crescimento, acúmulo de fósforo e frações fosfatadas em mudas de sete espécies arbóreas nativas. Revista Árvore 32: SOMAR - Meterologia Observados Água Clara - MS. Disponível em: <http://www.tempoagora.com.br/observados/>. Acessado em 29 de abr. de Página 17 de 17

Fundação SOS Mata Atlântica. Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê.

Fundação SOS Mata Atlântica. Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê. Fundação SOS Mata Atlântica Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê. Itu SP / novembro de 2014 1. Introdução. O aumento da preocupação social com o destino dos fragmentos florestais

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA Londrina, 19 de janeiro de 2012 INTRODUÇÃO A proposta de trabalho desenvolvida em 2011 voltada a realização de compensação de emissões de CO 2 por meio do plantio

Leia mais

A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado. Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP

A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado. Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP Sumário Conceituação, definições Classificações da vegetação do Cerrado Condições ambientais Origem

Leia mais

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP Conferência 09 Dinâmica de Florestas e Recuperação de Áreas Degradadas 19º. Congresso de Biólogos do Conselho Regional de Biologia - 01 30/07/2009 (11:00 12:00h) São Pedro, SP. Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO PRAD Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PRAD O Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD), deverá

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 03/2011 Número de mudas plantadas: 150 (Cento e cinquenta) Data do plantio: 22/03/ 2011 Data da vistoria 01: 15/05/ 2011 Patrocinadores: Agência Ar - Hotel

Leia mais

Plano de Restauro Florestal. IBF Instituto Brasileiro de Florestas

Plano de Restauro Florestal. IBF Instituto Brasileiro de Florestas Plano de Restauro Florestal IBF Instituto Brasileiro de Florestas 28 de setembro de 2011 Plano de Recuperação Local do plantio da Floresta da Embaixada Alemã: Área para plantio A área do IBF onde são plantadas

Leia mais

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp BIOMAS DO BRASIL BIOMA Definição: Bioma, ou formação planta - animal, deve ser entendido como a unidade biótica de maior extensão geográfica, compreendendo varias comunidades em diferentes estágios de

Leia mais

Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²;

Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²; Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²; ¹ Aluno do curso de Agronomia e bolsista do Programa Institucional

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: 10º GT Restauração e Recuperação de Áreas de Preservação Permanente-APPs Processo n Nº 02000.002082/2005-75 Assunto: Definir

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL POLÍTICA E LEGISLAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL EM MS Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL Política e Legislação até

Leia mais

METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A FLORESTAIS: BIOMA CERRADO

METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A FLORESTAIS: BIOMA CERRADO METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A RESTAURAÇÃO DE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS: BIOMA CERRADO Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

Município de Colíder MT

Município de Colíder MT Diagnóstico da Cobertura e Uso do Solo e das Áreas de Preservação Permanente Município de Colíder MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Julho de 2008 Introdução O município de Colíder está localizado

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 Sumário Pág. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2 1.2 Hidrografia 2 1.3 Topografia 2 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 1.5 Acesso 3 2 Objetivo Geral 4 3 Metodologia 5 3.1

Leia mais

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo Importância da Floresta Proteção e conservação do solo e da água; Produção de madeira (casas, barcos, carvão; etc); Produção de alimentos

Leia mais

Resolução SMA Nº 32 DE 03/04/2014

Resolução SMA Nº 32 DE 03/04/2014 Resolução SMA Nº 32 DE 03/04/2014 Estabelece as orientações, diretrizes e critérios sobre restauração ecológica no Estado de São Paulo, e dá providências correlatas. O Secretário do Meio Ambiente, Considerando

Leia mais

Edição: Agosto de 2014. Coordenação: Lucas Carvalho Pereira. Redação: Roberto Ulisses Resende

Edição: Agosto de 2014. Coordenação: Lucas Carvalho Pereira. Redação: Roberto Ulisses Resende protocolo CARBON FREE Critérios para recomposição florestal Reserva Ecológica do Guapiaçu (REGUA), em Cachoeiras de Macacu (RJ), onde existem projetos de reflorestamento com o Carbon Free Roberto Resende

Leia mais

PROPOSTA PARA RECUPERAÇÃO DA ÁREA LOCALIZADA EM MATA CILIAR E REGULARIZAÇÃO DE APP ÁS MARGENS DO CÓRREGO PITANGA

PROPOSTA PARA RECUPERAÇÃO DA ÁREA LOCALIZADA EM MATA CILIAR E REGULARIZAÇÃO DE APP ÁS MARGENS DO CÓRREGO PITANGA PROPOSTA PARA RECUPERAÇÃO DA ÁREA LOCALIZADA EM MATA CILIAR E REGULARIZAÇÃO DE APP ÁS MARGENS DO CÓRREGO PITANGA Luana Auxiliadora de Resende (1) Graduanda em Gestão Ambiental pelo IFSULDEMINAS Campus

Leia mais

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA Por meio do Projeto de Georreferenciamento e Diagnóstico das Nascentes de Sorocaba, a equipe da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SEMA) selecionou a Nascente

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

Eduardo José Ferreira Senna. Outubro 2014

Eduardo José Ferreira Senna. Outubro 2014 Reflorestamento no Parque Estadual da Pedra Branca (RJ) como medida compensatória de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) de empreendimento Petrolífero na Área do Pré-Sal na Bacia de Santos Eduardo

Leia mais

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD Departamento de Engenharia Florestal/DEFl/DEF Lab. de Conservação de Ecossistemas e Recuperação de Áreas Prof. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS CONDIÇÃO OBRIGATÓRIA EXECUÇÃO DE PROJETO DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS CONSIDERADAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ATINGIDAS COM PLANTIOS E MANUTENÇÃO DE ÁRVORES NATIVAS DA REGIÃO E/OU CONDUÇÃO DA REGENERAÇÃO NATURAL,

Leia mais

Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração

Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração Método Monitoramento PRMC Apoio : OBJETIVOS DO PROJETO ORIGINAL Identificar indicadores estruturais de sucesso de reflorestamentos para restauração

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS Instituto Estadual do Ambiente - INEA Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas - DIBAP Gerência do Serviço Florestal - GESEF ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Conceitos /

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Compensação de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO. Código: 10/2011

RELATÓRIO DE PLANTIO. Código: 10/2011 Código: 10/2011 Propriedade: Chácara Paraíso Coordenadas (UTM): 556100 L 7662900 S Número de mudas plantadas: 240 (Duzentos e Quarenta) Datas do plantio: 01, 03 e 04 de novembro de 2011 Patrocinador(es):

Leia mais

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Define a metodologia a ser adotada em caráter experimental para a conversão das obrigações de reposição florestal

Leia mais

RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015

RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015 RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015 Página2 Página3 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Madepar Indústria e Comércio de Madeiras LTDA certificou suas florestas de acordo com os Princípios e Critérios

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 5, de 08 de setembro de 2009.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 5, de 08 de setembro de 2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA N 5, de 08 de setembro de 2009. Dispõe sobre os procedimentos metodológicos para restauração e recuperação das Áreas de Preservação Permanentes e da Reserva Legal instituídas pela Lei

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Curso de Ecologia da Vegetação. Parte 6: Compreendendo o Domínio do Cerrado

Curso de Ecologia da Vegetação. Parte 6: Compreendendo o Domínio do Cerrado Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Biológicas Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal Curso de Ecologia da Vegetação Parte 6: Compreendendo o Domínio do Cerrado Ary T. Oliveira

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Engº Agrº José Daniel Barbosa de Barros Conceitos e Definições Meio Ambiente: conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem

Leia mais

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago Consulta Pública 2015 Base Legal Lei Federal nº 9.985 de 18 de julho de 2000 Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS Fórum de Debates da agpch LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS RAFAEL VOLQUIND Diretor Técnico 01 de Outubro de 2015 Porto Alegre RS Brasil IMPACTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS LEGISLAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA COMPENSAÇÃO DE RESERVA LEGAL. De acordo com o Art. 1.º da Lei 4.771/1965, As florestas existentes no território nacional e as demais formas de vegetação, reconhecidas de

Leia mais

Circular. Técnica. Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração. I. Apresentação. Janeiro 2010 Número 1

Circular. Técnica. Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração. I. Apresentação. Janeiro 2010 Número 1 Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração 1 Circular Técnica Janeiro 2010 Número 1 Autor Antonio Carlos Galvão de Melo Coautores Claudia Macedo Reis Roberto Ulisses Resende I. Apresentação

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG Maria José Reis da Rocha 1, Camila Aparecida da Silva Martins 2, Aderbal Gomes da Silva 3, Mauro

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO FLORESTAL. Luiz Carlos Estraviz Rodriguez ESA "Luiz de Queiroz" ESALQ/USP (luiz.estraviz@esalq.usp.

ANÁLISE ECONÔMICA DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO FLORESTAL. Luiz Carlos Estraviz Rodriguez ESA Luiz de Queiroz ESALQ/USP (luiz.estraviz@esalq.usp. ANÁLISE ECONÔMICA DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO FLORESTAL Luiz Carlos Estraviz Rodriguez ESA "Luiz de Queiroz" ESALQ/USP (luiz.estraviz@esalq.usp.br) 1 SUMÁRIO 1. Conceituando restauração 2. Recuperar. Por

Leia mais

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 ESTIMATIVA DE CUSTOS PARA RECUPERAÇÃO DA VEGETAÇÃO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE E RESERVA LEGAL NO ESTADO DE SANTA

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS. Giselda Durigan Floresta Estadual de Assis - Instituto Florestal

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS. Giselda Durigan Floresta Estadual de Assis - Instituto Florestal RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS Giselda Durigan Floresta Estadual de Assis - Instituto Florestal POR QUE ESTAMOS AQUI HOJE? Não queremos mais... EROSÃO ASSOREAMENTO AGRICULTURA EM APP POR QUE ESTAMOS AQUI?

Leia mais

Prof. MSc. Leandro Felício

Prof. MSc. Leandro Felício Prof. MSc. Leandro Felício Ecossistema: Sistema integrado e auto funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente. Bioma: Conjunto

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS. Política Ambiental para o Setor Florestal

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS. Política Ambiental para o Setor Florestal LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS Principais Objetivos da Política Ambiental de MS para o Setor Florestal Reduzir a pressão sobre a vegetação nativa, especialmente aquela

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

Relatório de Atividade Técnicas de Restauração Florestal PROGRAMA PLANTE BONITO. Operadora Ambiental Expedições

Relatório de Atividade Técnicas de Restauração Florestal PROGRAMA PLANTE BONITO. Operadora Ambiental Expedições Relatório de Atividade Técnicas de Restauração Florestal PROGRAMA PLANTE BONITO Operadora Ambiental Expedições 1. Objetivo Este relatório tem o objetivo de fornecer informações e imagens, referentes ao

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

Diagnós(co Ambiental e Plano de. Restauração Florestal da ZPEC - Suape

Diagnós(co Ambiental e Plano de. Restauração Florestal da ZPEC - Suape Diagnós(co Ambiental e Plano de Coordenação geral: Prof. Dr. Ricardo Ribeiro Rodrigues Prof. Dr. Felipe Melo Eng. Agr. Dr. André Gustavo Nave Biólogo Michel Metran da Silva Restauração Florestal da ZPEC

Leia mais

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas Capítulo 07 Distribuição dos Ecossistemas A terra possui regiões que apresentam características próprias, onde cada uma desenvolve sua flora e fauna típica, sejam elas aquáticas ou terrestres, vindo a

Leia mais

1º RELATÓRIO DE LIMPEZA DO RESERVATÓRIO FOZ DO RIO CLARO

1º RELATÓRIO DE LIMPEZA DO RESERVATÓRIO FOZ DO RIO CLARO 1º RELATÓRIO DE LIMPEZA DO RESERVATÓRIO FOZ DO RIO CLARO Mobilização inicial até 30 de janeiro 2009 CAÇU E SÃO SIMÃO JANEIRO DE 2009 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO... 3 2.1. EMPREENDEDOR...

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS Emerson Chaves Ferreira Gomes (*), Natalia Nogueira de Oliveira, Luiz Gonçalves Junior, Felipe Gonçalves dos Santos Cabral (*)

Leia mais

Fundamentos da Ecologia da Restauração

Fundamentos da Ecologia da Restauração Fundamentos da Ecologia da Restauração Giselda Durigan Instituto Florestal de São Paulo Floresta Estadual de Assis e-mail: giselda@femanet.com.br Restauração Ecológica x Prática Ecologia da Restauração

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA PASSO SÃO JOÃO

USINA HIDRELÉTRICA PASSO SÃO JOÃO USINA HIDRELÉTRICA PASSO SÃO JOÃO RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS ATIVIDADES AMBIENTAIS TRIMESTRE OUTUBRO DEZEMBRO DE 2014 Eletrosul Centrais Elétricas S/A DEZEMBRO de 2014 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 MONITORAMENTO

Leia mais

PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL Sarah Rachel Oliveira do Amparo Furtado*, Alexandra Helena Lisboa Boldrin** * Acadêmica da Faculdade

Leia mais

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo ANA GABRIELA FARACO 1, EDER DASDORIANO PORFIRIO JUNIOR 2, TÂNIA MARIA DE MOURA 1, VANESSA PESSANHA TUNHOLI 3 & VIVIAN

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Parâmetros Básicos dos Estágios Sucessionais dos Campos de Altitude Associados à Floresta Ombrófila Mista, à Floresta Ombrófila Densa

Leia mais

César Piccirelli Santos Plinio Barbosa de Camargo

César Piccirelli Santos Plinio Barbosa de Camargo UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Centro de Energia Nuclear na Agricultura Programa de Pós Graduação Interunidades em Ecologia César Piccirelli Santos Plinio Barbosa de Camargo Objetivos Avaliar a qualidade da

Leia mais

DOCUMENTO 20. 13º Relatório Executivo de Manutenção das Mudas Plantadas

DOCUMENTO 20. 13º Relatório Executivo de Manutenção das Mudas Plantadas SERVIÇOS DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL E CONSTRUÇÃO DE CURVAS DE NÍVEL NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) NO ENTORNO DO FUTURO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA SÃO DOMINGOS DOCUMENTO 20 13º Relatório

Leia mais

Mata Ciliar-Importância, Conservação e Recuperação. Marcos Gamberini 20061

Mata Ciliar-Importância, Conservação e Recuperação. Marcos Gamberini 20061 Mata Ciliar-Importância, Conservação e Recuperação Marcos Gamberini 20061 O QUE É A MATA CILIAR? 2 As matas ciliares desempenham múltiplas funções no ecossistema Mata Ciliar tem relação direta com a QUALIDADE

Leia mais

PROGRAMA JOGOS LIMPOS COMPENSAÇÃO DE CARBONO - RIO 2016. Compromisso Olímpico Caderno de Sustentabilidade

PROGRAMA JOGOS LIMPOS COMPENSAÇÃO DE CARBONO - RIO 2016. Compromisso Olímpico Caderno de Sustentabilidade PROGRAMA JOGOS LIMPOS COMPENSAÇÃO DE CARBONO - RIO 2016 Compromisso Olímpico Caderno de Sustentabilidade O Governo de Estado responsabilizou-se, face ao Compromisso Olímpico de Sustentabilidade Rio 2016,

Leia mais

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Mariana

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONTROLE / COMBATE A FORMIGAS CORTADEIRAS NAS ESTAÇÕES EXPERIMENTAIS.

ORIENTAÇÕES TÉCNICA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONTROLE / COMBATE A FORMIGAS CORTADEIRAS NAS ESTAÇÕES EXPERIMENTAIS. 1. OBJETO CONSTITUI O OBJETIVO DESTA LICITAÇÃO A CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE COMBATE A FORMIGAS CORTADEIRAS NAS ESTAÇÕES EXPERIMENTAIS DE ANHEMBI E ITATINGA DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS

Leia mais

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Imbatíveis em seu crescimento rápido, os eucaliptos são fonte de matériaprima para uma série de produtos de primeira necessidade, presentes em todas as

Leia mais

Ricardo Viani LASPEF - UFSCar/Araras. Foto: Ricardo Viani - APP em restauração Conservador das Águas, Extrema-MG

Ricardo Viani LASPEF - UFSCar/Araras. Foto: Ricardo Viani - APP em restauração Conservador das Águas, Extrema-MG Ricardo Viani LASPEF - UFSCar/Araras Foto: Ricardo Viani - APP em restauração Conservador das Águas, Extrema-MG OBJETIVOS: Conceitos e definições gerais; Principais indicadores para monitoramento; Amostragem

Leia mais

Laudo Técnico Ambiental

Laudo Técnico Ambiental E-MAIL: tnm_1984@hotmail.com Laudo Técnico Ambiental Atendimento a Notificação Nº 104/2013 Laudo Anual para Atender as exigências da Lei nº 4.123 de 04 de maio de 2007. Ano de referência: 2012 Valinhos

Leia mais

Terminologia Vegetal

Terminologia Vegetal Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de agulha; Latifoliadas folhas largas e grandes; Perenes nunca perdem as folhas por completo; Caducas (decíduas) perdem as folhas antes de secas ou

Leia mais

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Eixo Temático: Sustentabilidade

Leia mais

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL VIA T.C.R.A

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL VIA T.C.R.A RECUPERAÇÃO AMBIENTAL VIA T.C.R.A Termo de Compromisso de Recuperação Ambiental Téc Agr Ramiéri Moraes CREA/SP: 50622361-39 TD PRINCIPAIS AUTUAÇÕES NA REGIÃO DE IBIÚNA E SÃO ROQUE Intervenção em APP(Áreas

Leia mais

SETOR DE SEMENTES prio no viveiro

SETOR DE SEMENTES prio no viveiro A EMPRESA Atua no mercado desde 1998; Equipe técnica especializada em trabalhos de conservação e restauração de ambientes naturais; Cerca de 100 funcionários Cerca de 1.000 ha de Florestas implantadas

Leia mais

Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB

Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB Cerrado: Mudança Climática e Biodiversidade Prof. Mercedes Bustamante Departamento de Ecologia Universidade de Brasília

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) TR GERAL

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) TR GERAL Termo de Referência para Elaboração do Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) TR GERAL ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS (PRAD) ATENÇÃO O DOCUMENTO DEVE CONTER,

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS Alice Nardoni Marteli, Edson Luís Piroli Unesp Campus de Ourinhos Geografia alicenmart@gmail.com;

Leia mais

SIPAM Sistema de Proteção da Amazônia Centro Técnico e Operacional de Porto Velho. PROBACIAS Bacia do rio Boa Vista Ouro Preto do Oeste

SIPAM Sistema de Proteção da Amazônia Centro Técnico e Operacional de Porto Velho. PROBACIAS Bacia do rio Boa Vista Ouro Preto do Oeste SIPAM Sistema de Proteção da Amazônia Centro Técnico e Operacional de Porto Velho PROBACIAS Bacia do rio Boa Vista Ouro Preto do Oeste PROBACIAS Sistema de Proteção da Amazônia Sipam Centro Técnico e Operacional

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DE ESPÉCIES ARBÓREAS EM RECUPERAÇÃO DE MATA RIPÁRIA

AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DE ESPÉCIES ARBÓREAS EM RECUPERAÇÃO DE MATA RIPÁRIA AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DE ESPÉCIES ARBÓREAS EM RECUPERAÇÃO DE MATA RIPÁRIA Poliana Domingos Ferro 1 Graduanda do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental pelo Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Agroecologia. Agroecossistema

Agroecologia. Agroecossistema Agroecologia Ciência integradora dos princípios agronômicos, ecológicos e sócio-econômicos na compreensão da natureza e funcionamento dos agroecossistemas. Agroecossistema Unidade de estudo da Agroecologia,

Leia mais

01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se:

01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se: 01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se: I. Concentração nas baixas latitudes, associadas a elevadas precipitações. II. Distribuição

Leia mais

estado da arte, avanços e tendências

estado da arte, avanços e tendências I Encontro I Encontro Paulista Paulista sobre sobre Biodiversidade: Florestas Florestas e Sustentabilidade e Mesa redonda: Restauração de Ecossistemas no Brasil: estado da arte, avanços e tendências Giselda

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO

RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO Raiane Lima 1, Pedro Ivo Decurcio Cabral 2, José Rosa Paim Neto 3, Márcio

Leia mais

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Carlos Augusto Oliveira de ANDRADE 1 ; Rubens Ribeiro da SILVA. 1 Aluno do Curso

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ALENCAR SANTOS PAIXÃO 1 ; ÉLIDA LOPES SOUZA ROCHA2 e FERNANDO SHINJI KAWAKUBO 3 alencarspgeo@gmail.com,

Leia mais

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Regulamenta dispositivos da Lei no 11.428, de 22 de dezembro de 2006, que dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica.

Leia mais

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ Resumo Patrícia Ladeira Pinheiro¹ Gabriel Pereira² (patricia.ladeira@gmail.com; pereira@ufsj.edu.br) Graduanda em Geografia - UFSJ

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

Atividades objeto do licenciamento ambiental Código DN 74/04 Descrição Classe E-04-02-2 Distrito Industrial e zona estritamente industrial 5

Atividades objeto do licenciamento ambiental Código DN 74/04 Descrição Classe E-04-02-2 Distrito Industrial e zona estritamente industrial 5 PARECER ÚNICO SUPRAM CM Nº 488/2011 PROTOCOLO Nº 0797270/2011 ADENDO AO PARECER Nº 281/2009 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº. 06489/2008/002/2009 DEFERIMENTO Empreendimento: Distrito

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP

A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP 123 A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP Lucas Prado Osco 1, Marcos Norberto Boin 2 1 Engenheiro Ambiental, pela UNOESTE, Aluno Especial do Mestrado

Leia mais