Professora, Eu Não Quero Ser Formiga! A complexidade do prazer-trabalho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Professora, Eu Não Quero Ser Formiga! A complexidade do prazer-trabalho"

Transcrição

1 Professora, Eu Não Quero Ser Formiga! A complexidade do prazer-trabalho TEACHER, I DON T WANT TO BE AN ANT! THE COMPLEXITY OF LEISURE-WORK Resumo Tratamento da temática prazer-trabalho, este ensaio circula pelos horizontes da história biológico-cultural da espécie humana, confrontando-a com a cultura do trabalho, iniciada em parte da Europa durante o período denominado Revolução Industrial. Os pressupostos desse confrontamento estão na relação complexa entre a biologia do prazer e a cultura do trabalho, da produtividade. Palavras-chave PRAZER TRABALHO REPRESSÃO CORPOREIDADE. ANDRÉ BAGGIO Universidade de Passo Fundo (UPF) AMÁLIO PINHEIRO Pontifícia Universidade Católica (PUC/SP) PÉRICLES SAREMBA VIEIRA Universidade de Passo Fundo (UPF) Abstract Based on the pleasure-work theme, this essay navigates through the horizons of the biological and cultural history of the human kind, confronting it with a work culture, initiated in part of Europe during the period known as the Industrial Revolution. The assumptions of this confrontation is in the complex relationship between the pleasure biology and the work and productivity culture. Keywords PLEASURE WORK REPRESSION CORPOREITY. Impulso, Piracicaba, 16(39): ,

2 As relações entre lazer, cultura e sociedade têm sido examinadas de diferentes e diversificadas perspectivas, especialmente no âmbito das ciências humanas. A ditadura do mundo do trabalho, a busca por melhor qualidade de vida, as preocupações com as crianças, a terceira idade e a educação para o lazer ou tempo livre podem ser consideradas como alavancas dos estudos dessas relações. Neste ensaio são acrescidas, a tais elementos iniciais, algumas variantes, como trabalho, corporeidade, prazer e brinquedo. A perspectiva de análise adotada é de uma introdução bioantropológica para a apreciação dos referenciais ocidentais da Europa Central, na qual a Revolução Industrial está inserida, especialmente quanto à dicotomização entre lazer e trabalho. 1 Se forem pensadas as exigências básicas para a sobrevivência de qualquer espécie de vida, é possível destacar, pelo menos, dois indicadores: interação com o ambiente e reprodução da espécie. A opção pelo termo-conceito interação, ao invés de adaptação, deve-se por se entender que, na interação, as espécies vivas se adaptam ao meio, ao mesmo tempo em que interferem nele. No caso humano, a natureza humaniza o homem enquanto o homem humaniza a natureza. Corroborando essa perspectiva, Paulo Freire diz que a hominização não é só processo biológico, mas também histórico. 2 Assim, o humano define-se, antes de tudo, como trindade indivíduo/sociedade/espécie. 3 A interação das espécies com o ambiente realiza-se pela capacidade delas de obter alimento, ao mesmo tempo em que preservam o meio como fonte de vida. Isso significa que melhores condições de sobrevivência têm as espécies que, de alguma forma, conseguem extrair o necessário do ambiente, mas também contribuem para a manutenção dele. Exemplo disso são os pássaros: eles retiram da natureza aquilo de que precisam para sobreviver (frutas, entre outros) e, simultaneamente, espalham sementes dessas frutas por meio de suas fezes. Nesse processo, ao contrário do esgotamento, o ambiente renova-se constantemente. Essa perspectiva parece ser a base sobre a qual as teorias ecológicas criaram o conceito desenvolvimento sustentável. Para seguir ainda no exemplo de outras espécies, as formigas cortadeiras somente sobrevivem porque a oferta de alimento é superior às suas necessidades. Se colocássemos um formigueiro numa ilha onde houvesse uma única árvore, a tendência seria o desaparecimento dessa última. Isso ocorreria considerando que, após certo tempo, o aumento do número de formigueiros e sua necessidade de alimento seriam maiores que a capacidade de resposta da árvore. Diante dessa evolução, as formigas acabariam exterminando a árvore da vida. A espécie humana, especialmente a partir da era da industrialização, tem se comportado de modo semelhante às formigas retratadas na metáfora da ilha. Para além das necessidades habituais das demais espécies, o homem parece agir em relação à ilha chamada Terra de forma predató- 1 ELIAS & DUNNING, FREIRE, 1987, p MORIN, 2002, p Impulso, Piracicaba, 16(39): , 2005

3 ria, ou seja, expressa desejos de querer eliminar a árvore da vida, destruindo os recursos que garantirão sua sobrevivência. Os vírus, bactérias, parasitas que destroem toda a espécie de hóspedes autodestroem-se e desaparecem; a glutonaria é tão fatal ao glutão como ao engolido. 4 Uma ética do futuro, antropoecológica, deverá fazer com que a produção e o consumo recuem. Talvez as pessoas venham ouvir, como boa notícia, a de que a queda do PIB e o aumento ou a manutenção da qualidade de vida estão associados à redução do consumo, das riquezas não renováveis e à diminuição do lixo, ou, talvez, com menor expectativa, desejar que nos discursos e nas ações, em especial dos gestores públicos, as idéias e propostas de desenvolvimento sustentável sejam tomadas como referenciais. Essas interações entre o mundo animal e o ambiente vão ganhando contornos e exigências conforme aumenta a complexidade da evolução. Os animais sexuados sobreviveram interagindo com o ambiente e conseguiram embutir algum tipo de prazer, ou muito prazer, na reprodução. Assim, pode-se deduzir que, sem prazer, não foi possível o estabelecimento reprodutivo, pelo menos com referência aos vertebrados, talvez porque a sexualidade sem prazer deixa de ser atrativa, assemelhando-se à violência. Com a espécie humana ocorre situação semelhante: sua sobrevivência exigiu uma plasticidade interativa entre os indivíduos e com o ambiente. As questões básicas dizem respeito à alimentação, à moradia (território) e à reprodução. As sociedades mais dicotômicas tendem a relacionar o trabalho com a aquisição de alimento e moradia, ao passo que o processo reprodutivo estaria mais ligado ao lazer, por proporcionar prazer pela própria atividade, ou seja, prazer pelo prazer. Nessa perspectiva, os participantes são sujeitos da ação; não há resultados, metas ou compromissos quaisquer que não sejam aqueles próprios da ação/prazer. Não somente os humanos, mas também as demais espécies, especialmente os vertebrados, abandonam a luta pela sobrevivência, quando estão envolvidos no ciclo reprodutivo. Nesse ciclo, relações sexuais que geram prazer-lazer são 4 Idem, 1989, p. 56. centrais. Em seres mais complexos, especialmente aves e mamíferos, as relações sexuais não se limitam a relações genitais; exigem complexas redes comunicacional e relacional. O trabalho, no entanto, é necessário na luta pela sobrevivência, ainda que possa não ser prazeroso; a reprodução é essencial na luta pela sobrevivência e, também, acontece com a exigência do prazer. Essa interdependência e disjunção entre esses dois princípios básicos para a sobrevivência são possíveis porque a organização da reprodução e a do comportamento estão dissociadas nos animais que dispõem de um aparelho sexual e de outro neurocerebral. O aparelho sexual gera as células reprodutoras ou gametas. O neurocerebral controla o organismo, governa o comportamento. O aparelho reprodutor e o neurocerebral estão agora disjuntos, diferenciados, sendo interconectados e interinfluentes. A reprodução sexual constitui uma função especializada e localizada, morfologicamente apendicial, embora o seu apelo invada periodicamente todo o ser e possa apoderar-se soberanamente do comportamento. 5 Existem, entretanto, outros princípios biológicos de prazer. De modo geral, todos os sentidos se desenvolveram pela sua importância na percepção da dor, do perigo, bem como na percepção do prazer. Para o objetivo deste ensaio, destaca-se, além do prazer que envolve a sexualidade, aquele relacionado ao conjunto de órgãos que compõem o aparelho falador. Voltando um pouco, sem o prazer oral, dificilmente um recémnascido mamaria. Ampliando um pouco mais, como pode um passarinho, depois de ter acasalado, desejar se alimentar e, posteriormente, passar horas cantando, a não ser por algum prazer? Quanto aos humanos, eles tendem a ser descomedidos no falar, no cantar, no comer, no beber, no tabagismo, no mascar, no chupar, no assobiar etc., em processos de aculturamento da natureza e de naturalização da cultura. Essas qualidades têm sido cultivadas no decorrer de milhões de anos. Por isso, entre os resultados, temos a refeição e o ato sexual como os grandes prazeres da vida. 6 5 Ibid., p ALFVÉN, s/d., p Impulso, Piracicaba, 16(39): ,

4 Para entender como essas características biológicas, animalescas e intensamente humanas chegaram até o segundo milênio, deve-se considerálas nos seus aculturamentos. Nesse sentido, o objetivo é identificar e compreender as alterações provocadas nos processos de aculturamento, especialmente no período da Revolução Industrial. Há muitos desvios nesse processo. A cultura européia produz efeitos nas relações de outras regiões, mas sua influência é mestiçada com as culturas locais, que, por sua vez, começam a invadir a Europa com a imigração, criando novos contornos. Para melhor compreender a trilogia lazer/ prazer/trabalho com base nas relações entre biologia do prazer e Revolução Industrial, cita-se a fábula de La Fontaine ( ), 7 A Cigarra e a Formiga, que viria a se tornar ícone na vida familiar, escolar e da educação, de modo geral. É essa uma das obras literárias mais identificada com o advento da industrialização, do mundo do trabalho, da produtividade. Se o exemplo a ser seguido é o das formigas, algumas de suas características que envolvem a temática lazer/prazer/trabalho podem ser resumidas em sete questões. Primeiramente, a rigor não se trata apenas de uma formiga, mas de um formigueiro. A partir daí, forma-se uma relação coisificante e fechada, inibidora de qualquer desvio ou singularidade, mantendo o funcionamento do que pode ser chamado de sociedade perfeita. Segundo, as formigas são assexuadas, ou quase isso. Somente a rainha reproduz pela vida toda, tendo copulado em seu vôo nupcial, que acontece uma única vez. A formiga-macho tem como única função a fecundação das rainhas novas, que enxamam e saem para formar novos formigueiros; depois de sair do formigueiro, as formigas-macho não são mais recebidas de volta, em razão da sua inutilidade. As demais formigas são fêmeas estéreis, do que resulta a rainha como a única capaz de produzir os ovos necessários ao 7 Ilustre poeta e fabulista francês, La Fontaine nasceu em Chateau- Thierry (8/jul./1621) e morreu em Paris (13/abr./1695). Aprendeu as primeiras letras na vila natal, ingressando mais tarde no Oratório de Reims, não por inclinação eclesiástica, mas por injunção familiar. Naquela época, as pessoas de sua categoria comumente abraçavam esse modo de vida, com o fim de conseguir sinecuras. Ao fim deste artigo, A Cigarra e a Formiga, de La Fontaine, e uma versão dessa fábula escrita por Valdo Garcia Filho. nascimento de novos membros da família, sendo as demais formigas, cada qual com sua tarefa, desprovidas de sexualidade. Se, hipoteticamente, fosse introduzida a sexualidade para todas as formigas, é bem provável que terminasse essa sociedade perfeita, pois, certamente, começariam as disputas, relações mais abertas, características das sociedades complexas e que constantemente se desorganizam e se reorganizam sob novos patamares. Em terceiro lugar, as formigas são desprovidas de corporeidade. Quem, biologicamente, não traz condições de sexualidade, quem é mutilado de prazeres mais complexos pode ter a corporeidade 8 reduzida. As formigas são esqueléticas, similares a um robô. A corporeidade é exigente, desejante de prazeres sexuais, orais e simbólicos, por sua vez incondizente com a vida das formigas, pois causaria distrações, falta ao trabalho, além da possibilidade de engordar. Alguém já viu uma formiga obesa? Ela só come o necessário para executar suas tarefas, sem perder tempo com uma cochilada ou um flerte. Um quarto aspecto é que as formigas, desprovidas da vida infantil, característica dos insetos, não brincam nem fazem experimentações. Elas nascem com sua configuração adulta, de modo que não perdem tempo com processos de crescimento e aprendizagem, nem são atrapalhadas com crianças brincando dentro do formigueiro, saindo, se machucando e até se perdendo ou, ainda, querendo atenção da rainha e dificultando sua tarefa reprodutora. Quinto, as formigas são racionais, suas vidas estão programadas para atividades lógicas. Numa sociedade perfeita, não há espaço para emotividade, analogias, poesia e canto. A emocionalidade não pode ser digitalizada. Um sexto ponto é que as formigas são hostis para com os estranhos. Os relacionamentos não agressivos acontecem somente entre os membros do formigueiro e com os objetivos de produtividade e defesa da corporação. Essa representa mais uma particularidade das sociedades perfeitas, diferentemente da imperfeição das 8 Entendemos corporeidade como conceito elaborado para transpor as dualidades, as mutilações efetuadas na relação corpo-alma e de homem como ser racional ou espiritual, por exemplo. 140 Impulso, Piracicaba, 16(39): , 2005

5 sociedades complexas, por estar em constituição (sempre incorporando elementos de outras sociedades), portanto, inacabadas e, talvez, inacabáveis, tornando-as abertas aos estrangeiros e suscetíveis a novas experimentações. Sétimo, as formigas representam o pensamento antiecológico. Nas casas especializadas encontramos veneno para matar as formigas, mas não achamos veneno contra as cigarras, pelo fato de estas não representarem ameaça depredadora. Analogicamente, as formigas simbolizam bem a mentalidade da modernidade quando tinha início uma interferência no meio ambiente, de maneira a utilizar os recursos naturais sem maior preocupação com o futuro do planeta. As formigas não se extinguiram, porque se alimentam de elementos renováveis. Algumas características das formigas podem, igualmente, ser atribuídas à cigarra. Ela também é um inseto, mas a fábula de La Fontaine não a escolheu como analogia aos humanos do século XVII, como modelo a ser seguido. La Fontaine pode nem ter pensado que a formiga o seria, mas ela continha os princípios objetivados e necessários à nova sociedade que se estabelecia. A cigarra não poderia ser esse modelo, talvez porque não fosse bom exemplo para atividades numa uma fábrica e, como destaca a fábula, Tendo a cigarra em cantigas folgado todo o verão. Mais que produzir e armazenar, a cigarra canta, voa e representa um estilo de vida independente. A fábula pode ter sido uma crítica ao estilo de vida da aristocracia, que vivia à custa do trabalho de outros. No entanto, a nossa preocupação, neste ensaio, é apontar as conseqüências repressivas e condicionantes que o exemplo da formiga imprime culturalmente nas pessoas. Vejamos algumas características da Revolução Industrial e a pertinência da fábula para com o novo modo de vida que se implantava. Ao estudar as sociedades pré-modernas, é possível perceber que a simbologia trabalho como algo idealizado para toda a sociedade inexiste. A terminologia relacionava-se à atividade de pessoas não emancipadas ou dependentes, em situação de vassalagem ou de escravidão, para citar alguns exemplos. A modernidade pretendia, com as novas relações sociais resultantes da economia de mercado e o processo de produção industrial, proporcionar à humanidade uma perspectiva de libertação. Entretanto, a verdade corresponde precisamente ao oposto: foi à própria modernidade capitalista que desde o século XVI expandiu a jornada de trabalho até aos limites do fisicamente suportável, desencadeando o empobrecimento mais maciço registrado pela história (...). Mesmo na atualidade a maioria dos assalariados no moderno sistema mundial tem jornada de trabalho mais longa do que o agricultor, artesão ou escravo da Idade Média. 9 Para que essa nova ordem se estabelecesse e prosperasse, era preciso mudar o imaginário das pessoas. A venda da força de trabalho é incentivada como atitude recomendada a um bom cidadão, ao mesmo tempo em que toda a prática que se desvie desse objetivo ou leve ao desperdício de energia dos trabalhadores deve ser rechaçada. O desperdício está ligado ao lazer e ao erotismo, coisas a serem desprezadas pela sociedade do trabalho. 10 Isso ocorre pela força simbólica e repressiva da nova ideologia: simbólica, pela atuação da sociedade em geral, em particular pela família, escola e igreja; repressiva, por meio dos aparatos legislativos, jurídicos e policiais que negam o direito de não trabalhar. O decreto-lei n. o 3.688, de outubro de 1941 (Leis das Contravenções Penais), seguindo a tradição, é elucidativo seu artigo 59 tipifica vadiagem como contravenção penal: Entregar-se alguém habitualmente à ociosidade, sendo válido para o trabalho, sem ter renda que lhe assegure meios bastantes de subsistência, ou prover a própria subsistência mediante ocupação ilícita. Pena prisão simples, de 15 dias a três meses. 11 De Masi apresenta versão atualizada sobre os perigos da vadiagem (palavra que se atualiza com os conceitos de ócio e lazer). A acusação é de que do ócio resultam as crises econômicas, as quedas nas bolsas. Quem não faz nada consome sem produzir, portanto é perigosíssimo para a economia. As pessoas ociosas, ainda, quando às vezes trabalham, exigem uma alta remuneração. 12 Este ensaio pretende analisar especialmente a coerção simbólica, que atacaria nossas raízes an- 9 KURZ, 2000, p SARDUY, s/d., p Código de Processo Penal, 1996, p DE MASI, 2000, p Impulso, Piracicaba, 16(39): ,

6 13 Ibid., p Ibid., p LAFARGUE, 1977, p RICOEUR, 1977, p. 73. tropobiológicas. Isso se fez necessário porque o modo de trabalho, produção e acúmulo implantado pela Revolução Industrial apresentava-se em desacordo com a herança de natureza aculturada até a Idade Média. Como disse De Masi, tenha o paraíso sido criado por Deus ou inventado pelos homens, se o trabalho fosse um valor positivo, no paraíso se trabalharia. 13 É oportuno ainda acrescentar: se, teologicamente, o trabalho fosse importante, Jesus não usaria as crianças como modelo a ser seguido. Mas a sociedade industrialcristã incorporou a idéia de que o trabalho é um dever e o ócio, um pecado. 14 Nesse aspecto, é difícil discordar de Lafargue, que, no século XIX, rebelou-se contra o endeusamento burguês do uso do trabalho: A moral capitalista, lamentável paródia da moral cristã, fulmina com o anátema o corpo trabalhador; toma como ideal reduzir o produtor ao mínimo mais restrito de necessidades, suprimir as suas alegrias e as suas paixões e condená-lo ao papel de máquina entregando trabalho sem tréguas nem piedade. 15 Como a espécie humana se constitui a partir dos animais sexuados, sobretudo os mamíferos com seus prazeres orais e sexuais, a sociedade teria de os reprimir para que os homens se dispusessem a uma ação desprazerosa, como a prática que se instalava, exigindo grandes jornadas de trabalho. Essa repressão se realizou concomitantemente à supervalorização de comportamentos espiritualizados, como o estilo de vida protestante. Neles, é reforçada a idéia de indivíduo, ao passo que, no trabalho, não há mais espaço para o individual, o artista, a criatividade. Aqui não há mais um trabalhador, e sim trabalhadores de uma fábrica, ainda que a ideologia burguesa incentive a emancipação, pelo trabalho, do estado de pertença a uma classe ou família. Deixo de pertencer à família e passo a ser parte da fábrica. Isso é emancipação? É a deformação e a dissimulação, entre outras funções da ideologia apontada por Ricoeur. 16 A corporeidade passou a ser condicionada à produtividade. Lafargue comenta que os moralistas da época não teriam podido inventar um vício mais embrutecedor para a inteligência das crianças, mais corruptor dos seus instintos, mais destruidor do seu organismo do que o trabalho na atmosfera viciada da oficina capitalista. 17 Afirma ainda que pensadores como Augusto Comte e Victor Hugo entoam cantos nauseabundos em honra do deus Progresso, o filho mais velho do trabalho. 18 Para que isso acontecesse, era preciso disciplinar o humano-selvagem, o que se daria, especialmente, disciplinando suas fontes básicas de prazer: alimentação e sexualidade. Na história humana, próxima dos primatas, os homens alimentavam-se sempre que estivessem com fome e dispusessem de alimento. O intestino e os rins funcionavam deseducadamente. Com a complexidade crescente das culturas, a culinária passou a ganhar atenção especial e o homem, a utilizar mais tempo com os prazeres ligados à alimentação. Isso seria indesejável para o bom funcionamento de uma fábrica. Então, foi necessário criar novos hábitos alimentares e, em particular, criar horários fixos para as refeições. Para o bom andamento do serviço, todos os trabalhadores teriam de fazer suas refeições na mesma hora, sem perder muito tempo, ou seja, comer devagar, degustar, ter prazer com a alimentação seria um desperdício de tempo. Novos significados são atribuídos ao tempo, um tempo milimetrado que foge do homem. 19 Porém, como os trabalhadores passariam horas sem se alimentar, nas refeições estariam com fome e uma pessoa com fome dificilmente poderia degustar. Com isso, se resolveria outro problema: a educação intestinal. Como uma fábrica poderia funcionar bem, se cada trabalhador saísse a todo instante para ir ao banheiro? Pessoa educada é aquela que tem hora certa de ir ao banheiro, ainda que isso cause uma série de problemas fisiológicos. Era preciso reprimir também a fala e os contatos faciais. Como descreve Morin, no humano sobre o centro de atração/relação constituído pelas partes sexuais, uma nova zona de atração/relação passa a ser constituída pelo rosto e, 17 LAFARGUE, 1977, p Ibid., p SANTOS, 2000, p Impulso, Piracicaba, 16(39): , 2005

7 em especial, por essa fabulosa boca, que é ao mesmo tempo, o órgão da palavra, do comer, do respirar, do beijar. 20 Assim como nos mosteiros medievais, comer e falar ao mesmo tempo era juntar muito prazer, o que seria um risco indesejado. Outras práticas, como a de não tomar banho, também estão ligadas à repressão, evitando o contado com o próprio corpo e desvios sensuais. 21 O objetivo era canalizar a atenção dos homens para coisas importantes: trabalho e espiritualidade, semelhantemente ao que acontece com as artes em geral, ao riso e às analogias. A hipertrofia lógica e a atrofia analógica conduzem à esterilidade do pensamento. 22 Esse é o mundo da racionalidade, em que o trabalhador é transformado num ser digital recalcado nas demais possibilidades de sua corporeidade, passando a viver sob fragmento de humano. A sexualidade e a sensualidade também não eram permitidas, quando motivadas pelo desejo. Conseqüentemente, foram gradativamente restringidas ao casamento monogâmico e ao período noturno, com o objetivo moralmente nobre da reprodução. A sensualidade, como um todo, precisou ser reprimida por meio da diminuição de contados físico e da fala, os quais possibilitariam relações de corporeidade envolvendo todo o humano biopsicofísico-antropossocial. Isso levaria os operários à distração, relacionada com lazer, em oposição ao trabalho e em desacordo com o ideal da sociedade industrial, que passou, gradualmente, a encerrar os pobres nas fábricas, casas de terror onde se fariam trabalhar 14 horas por dia, de tal maneira que, subtraído o tempo das refeições, ficariam 12 horas de trabalho completas. 23 Esse ideal de anticorporeidade 24 teve seu período áureo no século XX, com a linha de montagem, na Ford, na cidade de Detroit, em Trabalhadores numa linha de montagem concretizam a analogia dos homens com as formigas, em oposição ao lazer, que tanto é distrair-se como ser distraído MORIN, 1975, p VIGARELLO, MORIN, 1987, p LAFARGUE, 1977, p No sentido de desrespeitar a unidade humana nos seus múltiplos aspectos indissociáveis. 25 SANTOS, 2000, p. 31. Ideologias de anticorporeidade estiveram presentes em momentos históricos anteriores, como aconteceu com os negros escravos no Brasil, por exemplo, mas o nosso foco está no período que hoje ainda mais nos influencia. Podemos trabalhar numa universidade, constantemente apresentando projetos, relatórios, cumprindo metas, atendendo as exigências normativas locais ou de organismos reguladores, padronizadores e opressores. Tudo isso, em nome de uma melhor produtividade. Não é incomum encontrar um colega e, antes mesmo de um bom dia, ouvir a pergunta-cumprimento: E aí, trabalhando muito?. A rigor, não há repressão sexual, sensual ou estética. O humano, desprovido de suas características e desejos próprios, é um ser reprimido como um todo. A negação de contatos aleatórios é a recusa de si próprio, restando um viver aos pedaços. Quando a industrialização retira da vida tudo o que possa distrair o humano de sua produtividade, faz dele menos. Mas, para a sociedade do trabalho, o humano não serve para outra coisa. Assim como as formigas não servem para mais nada, quando perdem sua capacidade de trabalho, por velhice, deficiência etc., os trabalhadores são dispensados ou aposentados. Aposentados quer dizer que devem ficar nos seus aposentos. Por paradoxal que possa parecer, quando algumas ou muitas pessoas se aposentam e passam a receber vencimentos sem precisar mais trabalhar, começam a sentir depressão, perdendo até mesmo a vontade de viver. Uma hipótese explicativa para isso é a violência simbólica sofrida durante toda a vida, visto que o processo de educação centra-se no mundo do trabalho. Isso só começou a se modificar quando a sociedade pós-industrial percebeu a capacidade de consumo dos aposentados. A sexualidade e o brincar são sempre um convite à perda de tempo. Para quem o tempo é dinheiro, como perder tempo com essas atividades? Entretanto, o sexo e o brincar têm implicações de intimidade, desprovidos de intenção ulterior, mas carregados de aprendizagem de ternura, de participação corpórea com o outro. Do ponto de vista biológico, o amor é a disposição corporal sob a qual uma pessoa realiza as ações que constituem o outro como um legítimo outro Impulso, Piracicaba, 16(39): ,

8 26 MATURANA & VERDEN-ZÖLLER, 2004, p RESTREPO, 1998, p MATURANA & VERDEN-ZÖLLER, 2004, p em coexistência. 26 Contudo, para isso, é necessário mudar a corporeidade, o que implica transformar a maneira de pensar, de ser. A corporeidade é biológica, individual, mas também é social. Encher a vida cotidiana de ternura exige uma inversão sensorial, desde a vivência perceptual mais próxima até a desarticulação de complexos códigos que nos indicam corredores preestabelecidos de semantização do mundo. Uma inversão sensorial é necessária para ressignificar a vida diária, acedendo, como nos grandes ritos iniciáticos, a uma alteração do estado de consciência que nos obrigue a deslocar os limites em que se enjaulou nosso sistema de conhecimento. 27 Na coexistência com o outro desaparece a dicotomização entre racionalidade e emotividade; porém, as emoções perturbam a racionalidade. A atividade lúdica tem fim em si mesma, o que não condiz com uma sociedade em que se realiza algo para conseguir alguma coisa. É o que Maturana chama de ações hipócritas, porque trazem sempre uma segunda intenção, um propósito para além da atividade em si: A hipocrisia é sempre a posteriori. 28 Se o humano passou a se identificar com o trabalho, qualquer uso do tempo para outros fins torna-se desaconselhado. Como exemplo, o brincar é o antônimo do trabalho. O termo brincadeira instalou-se no imaginário popular como sinônimo de perda de tempo. Mas o brincar-lazer pode ser dominado pela ideologia de que se deve ocupar o tempo. Ocupação é conceito condicionado pela noção de trabalho, mas que nem sempre tem remuneração. Exemplo de domesticação do brincar-lazer é a recreação, que o utiliza para ocupar o tempo com algo determinado e com objetivos para além da atividade em si. Trabalho e ocupação é ganhar tempo. No brincar-lazer ressalta-se a linguagem gestual, com todos os seus desdobramentos, fundamento de toda comunicação. Quando as pessoas falam com alguém que não fala sua língua, usam o gesto. Todavia, a fala também é corporal, percebida pelos sentidos, que ensinam sobre corporeidade por meio de entonação, espaço, silêncio etc., mais presentes nas relações livres de compromissos de produtividade. Talvez isso explique por que, em culturas heterogêneas, as pessoas gesticulem mais ao falar do que nas culturas monolíticas. E não é somente o gesto; a heterogeneidade tem mais atritos, mais calor e, conseqüentemente, mais criatividade. Tal como o calor se tornou uma noção fundamental no devir físico, também se lhe deve dar um lugar de destaque no devir social e cultural, o que nos leva a considerar que, onde há calor cultural, o que existe não é um determinismo rígido, mas condições instáveis e movediças. (...) E se o frio físico significa rigidez, imobilidade, não variação, vê-se então bem que o amaciamento da rigidez e das invariâncias cognitivas só pode ser introduzido pelo calor cultural. 29 Contemporaneamente, criou-se o ideal da indústria robotizada. Os robôs não precisam ser domesticados, não possuem corporeidade; por conseguinte, não têm fome de comida, de sexo e de arte, nem sonham. Não sabem o que é prazerlazer; assim, não se distraem. Sem dúvida, são melhores que as próprias formigas. Apesar de todo o esforço da Revolução Industrial, o homem não pode ser robotizado, pois, se há realmente Homo sapiens, economicus, prosaicus, há também, e é o mesmo, o homem do delírio, do jogo, da despesa, da estética, do imaginário, da poesia. 30 Acontecem algumas variações nessas temáticas, motivadas pela economia do consumo e de intenções para além da atividade, entre essas, a valorização do brincar, mas não como atividade em si. Valoriza-se o brincar hipocritamente, porque se percebeu que brinquedo vende e, também, pelos benefícios que as brincadeiras podem trazer ao processo escolar e ao futuro. Com os atuais gerenciamentos, para evitar que saiamos dos locais de trabalho para ir ao bar ou ao restaurante, o bar e o restaurante foram levados para dentro da empresa, para não sairmos mais, porque lá fora há vida e a vida pode contagiar o trabalhador. 31 O bom trabalhador deve se relacionar somente com outros trabalhadores. Os estranhos são sempre um perigo, possibilidade de desvio. 29 MORIN, 1992, p Idem, 2002, p DE MASI, 2000, p Impulso, Piracicaba, 16(39): , 2005

9 Assim, o projeto liberal da modernidade codificou, no campo científico, a supervalorização do conhecimento abstrato, em detrimento dos conhecimentos que têm a ver com o corpo e a cultura. 32 Na área das relações, o trabalho passa a ser idealizado como atividade suprema e, com isso, condiciona-se o trabalhador a uma aceitação passiva de descorporeização 33 e de rejeição de tudo aquilo que possa representar prazer-lazer, enfim, desperdício. ANEXOS A Cigarra e a Formiga La Fontaine Tendo a cigarra em cantigas folgado todo o verão, achou-se em penúria extrema na tormentosa estação. Não lhe restava migalha que trincasse, a tagarela quis valer-se da formiga que morava perto dela. Rogou-lhe que lhe emprestasse, pois tinha riqueza e brio, algum grão com que manter-se até voltar-se o aceso estio. Amiga diz a cigarra, prometo à fé d animal, pagar-vos antes de Agosto os juros e o principal. A formiga nunca empresta, nunca dá, por isso junta. No verão em que lidavas? À pedinte ela pergunta. Responde a outra: Eu cantava noite e dia, a toda hora. Oh! bravo, torna a formiga; cantavas? Pois dança agora! 32 ELIAS & DUNNING, Negação de aspectos constitutivos do humano. 34 Tradução de Bocage. 35 GARCIA FILHO, A Cigarra e a Formiga 35 Valdo Garcia Filho 35 Era uma vez uma formiguinha e uma cigarra, muito amigas. Durante todo o outono a formiguinha trabalhou sem parar armazenando comida para o período de inverno, não aproveitou nada do sol, da brisa suave do fim da tarde e nem do batepapo com os amigos ao final do expediente de trabalho tomando uma cerveja, seu nome era trabalho e sobrenome sempre. Enquanto isso a cigarra só queria saber de cantar e cantava nas rodas de amigos nos bares da cidade, a cigarra não desperdiçou um minuto sequer, cantou durante todo o outono, dançou, aproveitou o sol, curtiu para valer sem se preocupar com o inverno que estava por vir. Então passados alguns dias começou a esfriar, era o inverno que estava começando. A formiguinha exausta entrou para dentro de sua singela e aconchegante toca repleta de comida. Mas alguém chamava por seu nome do lado de fora da toca; quando abriu a porta para ver quem era, ficou surpresa com o que viu, sua amiga cigarra dentro de uma Ferrari com um aconchegante casaco de visom. E a cigarra falou para a formiguinha: Olá amiga, vou passar o inverno em Miami será que você poderia cuidar da minha toca para mim? E a formiguinha respondeu: Claro, sem problema, mas o que lhe aconteceu que você vai para Miami e agora está com esta Ferrari? Respondeu a cigarra: Imagine você que eu estava cantando em um bar na semana passada e um produtor gostou da minha voz e fechei um contrato de seis meses para fazer shows em Miami e, a propósito, amiga, deseja algo de Miami? Respondeu a formiguinha: Desejo sim, se você encontrar um tal de La Fontaine por lá manda ele passear!!!!!!!. Moral da história: Aproveite sua vida, saiba dosar trabalho e lazer, pois trabalho em demasia só traz benefício em fábulas do La Fontaine. Impulso, Piracicaba, 16(39): ,

10 Referências Bibliográficas ALFVÉN, K. & ALFVÉN, H. Onde Vamos? São Paulo: Círculo do Livro, s/d. DE MASI, D. Perspectivas para o trabalho e o tempo livre. In: SESC/WLRA. Lazer numa Sociedade Globalizada. São Paulo: Sesc, ELIAS, N. & DUNNING, E. Deport y Ocio en el Proceso de la Civilizacion. Madrid: Fundo de Cultura Economica, FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, GARCIA FILHO, V. A Cigarra e a Formiga. <http://www.gojaj.com.br/mensagens/a_cigarra.htm>. Acesso: 13/set./04. KURZ, R. A ditadura do tempo abstrato. In: SESC/WLRA. Lazer numa Sociedade Globalizada. São Paulo: Sesc, LAFARGUE, P. O Direito à Preguiça e Outros Textos. Lisboa: Mandacaru, MATURANA, H. & VERDEN-ZÖLLER, G. Amar e Brincar, Fundamentos Esquecidos do Humano. São Paulo: Palas Athena, MORIN, E. O Método V. A humanidade da humanidade, a identidade humana. Porto Alegre: Sulina, O Método IV. As idéias: a sua natureza, vida, habitat e organização. Lisboa: Europa-América, O Método II. A vida da vida. Lisboa: Europa-América, O Método III. O conhecimento do conhecimento. Lisboa: Europa-América, O Enigma do Homem. Para uma nova antropologia. Rio de Janeiro: Zahar, Sesc, OLIVEIRA, J. de. Código de Processo Penal: textos, notas remissas e índices. 31. a ed. São Paulo: Saraiva, RESTREPO, L.C. O Direito à Ternura. Petrópolis: Vozes, RICOEUR, P. Interpretação e Ideologia. Rio de Janeiro: Francisco Alves, SANTOS, M. Lazer popular e geração de empregos. In: SESC/WLRA. Lazer numa sociedade globalizada. São Paulo: Sesc, SARDUY, S. O Espaço Barroco. Lisboa: Vega, s/d. VIGARELLO, G. O Limpo e o Sujo uma história da higiene corporal. São Paulo: Martins Fontes, Dados dos autores ANDRÉ BAGGIO Doutor em educação, professor no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Passo Fundo/RS. AMÁLIO PINHEIRO Doutor em comunicação e semiótica, professor no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica da PUC-SP. PÉRICLES SAREMBA VIEIRA Doutor em educação, professor no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Passo Fundo/RS. Recebimento artigo: 22/nov./04 Consultoria: 20/dez./04 a 24/fev./05 Aprovado: 24/fev./ Impulso, Piracicaba, 16(39): , 2005

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Matriz de Língua Portuguesa de 3ª série - Ensino Médio Comentários sobre os Tópicos e Descritores Exemplos de itens

Matriz de Língua Portuguesa de 3ª série - Ensino Médio Comentários sobre os Tópicos e Descritores Exemplos de itens Matriz de Língua Portuguesa de 3ª série - Ensino Médio Comentários sobre os Tópicos e Descritores Exemplos de itens TÓPICO V RELAÇÃO ENTRE RECURSOS EXPRESSIVOS E EFEITOS DE SENTIDO O uso de recursos expressivos

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

Professor de Harvard diz que, por falta de intimidade com as novas mídias, responsáveis deixam de preparar as crianças para o mundo digital

Professor de Harvard diz que, por falta de intimidade com as novas mídias, responsáveis deixam de preparar as crianças para o mundo digital Professor de Harvard diz que, por falta de intimidade com as novas mídias, responsáveis deixam de preparar as crianças para o mundo digital MARCO AURÉLIO CANÔNICO DO RIO Atordoados com um desenvolvimento

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN 1 A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN Heraldo Simões Ferreira 1 José Jackson Coelho Sampaio 2 Laryssa Sampaio Praciano 3 RESUMO Este artigo possui como objetivo trazer

Leia mais

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA Por Homero Alves Schlichting Doutorando no PPGE UFSM homero.a.s@gmail.com Quando falares, procura que tuas palavras sejam melhores que teus silêncios. (Provérbio da cultura

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando

Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando Cipriano Carlos Luckesi 1 Recentemente participei, no Programa de Mestrado em Educação, da Universidade do Estado da Bahia --- UNEB, Campus de Salvador,

Leia mais

VAMOS DEIXAR UMA coisa bem clara desde já: você não

VAMOS DEIXAR UMA coisa bem clara desde já: você não Os Programas FAT: a verdadeira causa do seu excesso de peso 1 VAMOS DEIXAR UMA coisa bem clara desde já: você não está gordo porque come demais. Você não é fraco, preguiçoso, indisciplinado, tampouco se

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

Harmonizando a família

Harmonizando a família Harmonizando a família Narrador: Em um dia, como tantos outros, como e em vários lares a, mãe está em casa cuidando dos afazeres doméstic os, tranqüilamente. Porém c omo vem ac ontec endo há muito tempo,

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO A FUNÇÃO DO BRINQUEDO E OS DIVERSOS OLHARES Érica Cristina Marques de Oliveira- erikacmo06@hotmail.com Rafaela Brito de Souza - rafa_pdgg@hotmail.com.br Raquel Cardoso de Araújo- raquelins1@hotmail.com

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO. Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS

A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO. Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE ENVELHECIMENTO ATIVO A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS ESTAÇÕES DA VIDA... PRIMAVERA..

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 Índice 1. Ética empresarial...3 2 1. ÉTICA EMPRESARIAL É neste contexto, e com o objetivo de o mundo empresarial recuperar a confiança, que vai surgindo a ética Empresarial.

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

Biologia da Conservação. Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida

Biologia da Conservação. Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida Biologia da Conservação Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida BIOLOGIA DA CONSERVAÇÃO Ciência multidisciplinar que foi desenvolvida como resposta à crise

Leia mais

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE Max WEBER 1864-1920 TEMPOS MODERNOS Apresentando Max Weber Principais contribuições: OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE O PROTESTANTISMO E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO O MUNDO DESENCANTADO Apresentando Max Weber

Leia mais

Aprendizagem na Educação Musical

Aprendizagem na Educação Musical Aprendizagem na Educação Musical Flávia Rizzon Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo: O presente texto refere-se à importância de reavaliar a didática na área da Educação Musical, relacionando-a

Leia mais

pensamentos para o seu dia a dia

pensamentos para o seu dia a dia pensamentos para o seu dia a dia Israel Belo de Azevedo 1Vida e espiritualidade 1 Adrenalina no tédio O interesse por filmes sobre o fim do mundo pode ser uma forma de dar conteúdo ao tédio. Se a vida

Leia mais

DICA 1. VENDA MAIS ACESSÓRIOS

DICA 1. VENDA MAIS ACESSÓRIOS DICA 1. VENDA MAIS ACESSÓRIOS Uma empresa sem vendas simplesmente não existe, e se você quer ter sucesso com uma loja você deve obrigatoriamente focar nas vendas. Pensando nisso começo este material com

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty

Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty Nome Data de início: / / Data de término: / / 2 Leitura Pessoal David Batty 1ª Edição Brasil As referências Bíblicas usadas nesta Lição foram retiradas

Leia mais

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br A U A UL LA O céu Atenção Aquela semana tinha sido uma trabalheira! Na gráfica em que Júlio ganhava a vida como encadernador, as coisas iam bem e nunca faltava serviço. Ele gostava do trabalho, mas ficava

Leia mais

Vamos fazer um mundo melhor?

Vamos fazer um mundo melhor? Vamos fazer um mundo melhor? infanto-junvenil No mundo em que vivemos há quase 9 milhões de espécies de seres vivos, que andam, voam, nadam, vivem sobre a terra ou nos oceanos, são minúsculos ou enormes.

Leia mais

A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT

A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT Celso de Moraes Pinheiro* Resumo: Através de uma análise das principais idéias de Kant sobre o conceito de disciplina, sobretudo os apresentados em seu texto, intitulado

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

Domingo é dia de macarronada

Domingo é dia de macarronada Domingo é dia de macarronada Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente / ser humano e saúde Tema Interações entre os seres vivos / o caminho cíclico dos materiais no ambiente / interação entre os seres vivos

Leia mais

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados...

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... Apostila de Fundamentos Arrependimento Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... (Atos 3:19) A r r e p e n d i m e n t o P á g i n a 2 Arrependimento É muito importante

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011

PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011 PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011 Trabalhas sem alegria para um mundo caduco Carlos Drumond de Andrade 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Realização do 6º ano do Projeto Universidade Aberta, com o título Faces

Leia mais

Sexualidade na infância Acção de Educação Parental

Sexualidade na infância Acção de Educação Parental Escola Básica 1º ciclo Prista Monteiro O que é a sexualidade? Sexualidade na infância Acção de Educação Parental A sexualidade tem uma vertente emocional, sendo um elemento essencial na formação da identidade

Leia mais

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves TEMA : BRINCANDO E APRENDENDO NA ESCOLA Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves Autora: Prof a Cássia de Fátima da S. Souza PÚBLICO ALVO Alunos de 04 anos TEMA: BRINCANDO E

Leia mais

ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE

ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE ADOLESCÊNCIA E SEXUALIDADE Adolescência É o período de transição entre a infância e a idade adulta. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS),o período da adolescência situa-se entre os 10 e os 20 anos.

Leia mais

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Paloma Rodrigues Cunha¹, Larissa Costa Pereira¹, Luã Carvalho Resplandes², Renata Fonseca Bezerra³, Francisco Cleiton da Rocha 4

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Dia 4. Criado para ser eterno

Dia 4. Criado para ser eterno Dia 4 Criado para ser eterno Deus tem [...] plantado a eternidade no coração humano. Eclesiastes 3.11; NLT Deus certamente não teria criado um ser como o homem para existir somente por um dia! Não, não...

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA. Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br

A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA. Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br Resumo: o presente trabalho cujo tema é a Evolução do desenho da criança teve por objetivo identificar o processo

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição.

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição. A FAMÍLIA E ESCOLA Profa.Dra.Claudia Dechichi Instituto de Psicologia Universidade Federal de Uberlândia Contatos: (34) 9123-3090 (34)9679-9601 cdechichi@umnuarama.ufu.br A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO

Leia mais

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º FICHAMENTO Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º Disciplina: Administração Contemporânea IDENTIFICAÇÃO DO TEXTO MOTTA, Fernando C. Prestes; VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia. Teoria geral da

Leia mais

2. APRESENTAÇÃO. Mas, tem um detalhe muito importante: O Zé só dorme se escutar uma história. Alguém deverá contar ou ler uma história para ele.

2. APRESENTAÇÃO. Mas, tem um detalhe muito importante: O Zé só dorme se escutar uma história. Alguém deverá contar ou ler uma história para ele. 1.INTRODUÇÃO A leitura consiste em uma atividade social de construção e atribuição de sentidos. Assim definida, as propostas de leitura devem priorizar a busca por modos significativos de o aluno relacionar-se

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

Disciplina: Ciências. Período: I. Professor(a): Gislene das Graças Portes Ferreira Liliane Cristina de Oliveira Vieira

Disciplina: Ciências. Período: I. Professor(a): Gislene das Graças Portes Ferreira Liliane Cristina de Oliveira Vieira COLÉGIO LA SALLE BRASILIA Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Ciências Período:

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Aula Expositiva pelo IP.TV Dinâmica Local Interativa Interatividade via IP.TV e Chat público e privado Email e rede

Leia mais

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA Nestes últimos anos tem-se falado em Catequese Renovada e muitos pontos positivos contribuíram para que ela assim fosse chamada. Percebemos que algumas propostas

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA BALDINOTTI O LÚDICO E A LÍNGUA INGLESA

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA BALDINOTTI O LÚDICO E A LÍNGUA INGLESA SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA BALDINOTTI O LÚDICO E A LÍNGUA INGLESA Projeto apresentado e desenvolvido na Escola Estadual Domingos Briante

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com 5Passos fundamentais para Conseguir realizar todos os seus SONHOS Autora: Ana Rosa www.novavitacoaching.com O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza dos seus sonhos! Eleanor Roosevelt CONSIDERA

Leia mais

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social ENSINO/APRENDIZAGEM CIRCENSE: PROJETO TRANSVERSAL DE POLÍTICA SOCIAL Erminia Silva Centro de Formação Profissional em Artes Circenses CEFAC Teatralidade circense, circo como educação permanente, história

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

O VERDADEIRO MUNDO DA CRECHE: EDUCAR OU PRESTAR ASSISTÊNCIA? Drielly Adrean Batista, Rita Melissa Lepre, Rodrigo Cesar Costa, Aline kadooka.

O VERDADEIRO MUNDO DA CRECHE: EDUCAR OU PRESTAR ASSISTÊNCIA? Drielly Adrean Batista, Rita Melissa Lepre, Rodrigo Cesar Costa, Aline kadooka. 1175 O VERDADEIRO MUNDO DA CRECHE: EDUCAR OU PRESTAR ASSISTÊNCIA? Drielly Adrean Batista, Rita Melissa Lepre, Rodrigo Cesar Costa, Aline kadooka. Programa de pós-graduação em psicologia da Universidade

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

Educação familiar e escolar para o terceiro milênio. nosso tema

Educação familiar e escolar para o terceiro milênio. nosso tema Prefácio As pessoas já têm mil noções feitas bem antigas! com relação à palavra educação. Os pais e a escola têm de ensinar para as crianças, em palavras e só com palavras, quase tudo sobre os conhecimentos

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL Élcio Aloisio Fragoso 1 INTRODUÇÃO Neste texto, faremos algumas considerações acerca do discurso simbolista no Brasil, relativamente à história

Leia mais

Poesia A Arte de brincar e aprender com as palavras. Prof. José Urbano

Poesia A Arte de brincar e aprender com as palavras. Prof. José Urbano Poesia A Arte de brincar e aprender com as palavras Prof. José Urbano O que vamos pensar: A Literatura e a Sociedade Funções e desdobramentos da Literatura Motivação Poesia Em hipótese alguma a literatura

Leia mais

Reestruturação Produtiva em Saúde

Reestruturação Produtiva em Saúde Trabalho em Saúde O trabalho Toda atividade humana é um ato produtivo, modifica alguma coisa e produz algo novo. Os homens e mulheres, durante toda a sua história, através dos tempos, estiveram ligados,

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Fábula. Obs: A estrutura das fábulas segue a mesma explicada no gênero anterior Conto. Afinal fazem parte do mesmo tipo textual: Narrativa.

Fábula. Obs: A estrutura das fábulas segue a mesma explicada no gênero anterior Conto. Afinal fazem parte do mesmo tipo textual: Narrativa. 10 Fábula O que é: Trata-se de um gênero narrativo ficcional bastante popular. É uma história curta, vivida por animais e que termina com uma conclusão ético- moral. As fábulas eram narrativas orais, e

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

A Fábula A Cigarra e a Formiga: com Estratégias de Leitura

A Fábula A Cigarra e a Formiga: com Estratégias de Leitura A Fábula A Cigarra e a Formiga: Uma Sugestão de como Trabalhar com Estratégias de Leitura A Fábula A Cigarra e a Formiga: com Estratégias de Leitura * ** Resumo: úteis na construção dos sentidos durante

Leia mais

1 Visão Sistêmica das Organizações

1 Visão Sistêmica das Organizações Aula 10 Teoria Geral de Sistemas 27/09/2007 Universidade do Contestado UnC/Mafra Curso Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber ENFOQUE SISTÊMICO NAS ORGANIZAÇÕES 1 Visão Sistêmica das Organizações

Leia mais

LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO. Concepções acerca de uma nova ordem societária

LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO. Concepções acerca de uma nova ordem societária LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO Concepções acerca de uma nova ordem societária LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO CONCEPÇÕES ACERCA DE UMA NOVA ORDEM SOCIETÁRIA O passado não se pode ser

Leia mais