AUDITORIA. Licenciatura: Gestão Ano Lectivo de 2008/2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUDITORIA. Licenciatura: Gestão Ano Lectivo de 2008/2009"

Transcrição

1 AUDITORIA Licenciatura: Gestão Ano Lectivo de 2008/ Materialidade e risco de auditoria 3.1. Materialidade em auditoria 3.2. Risco de auditoria: riscos inerente, de controlo e de detecção. Aplicações práticas Anexos - Directriz de Revisão/Auditoria da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas Materialidade de Revisão/Auditoria - Directriz de Revisão/Auditoria da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas 400 Avaliação do risco de Revisão/Auditoria

2 Materialidade em auditoria * Opinião do auditor sobre as demonstrações financeiras Nível de segurança aceitável ou moderado, nunca absoluto devem ser relatadas as deficiências nas contas susceptíveis de caso fossem conhecidas - alterar as decisões dos investidores Materialidade Considera-se que uma informação é materialmente relevante se a sua omissão ou distorção puder influenciar as decisões dos utilizadores das demonstrações financeiras (Normas Técnicas de Revisão/Auditoria da OROC 14) omissão ou distorção material incluídas no relatório da auditoria omissão ou distorção sem materialidade excluídas do relatório da auditoria (são apenas dadas a conhecer à empresa para rectificação futura) Auditoria/José Luis Alves da Cunha 2

3 Definição do nível de materialidade * difícil objectivação quantitativa não existem parâmetros quantitativos pré-definidos nas normas de auditoria internacionais e nacionais A falta de um ajustamento para dívidas de terceiros de será material? ou só se for maior do que ? * recurso a indicadores representativos da posição financeira e desempenho % do resultado antes de impostos % do activo total ou líquido % do volume de vendas, etc. Nível de materialidade no Reino Unido (fonte: Audit Framework de Roger Adams) Âmbito de Aplicação Critério de materialidade Contas de resultados Entre 5 a 10% do resultado antes de impostos, ou entre 0,5 a 4% do volume de vendas Contas de Balanço Entre 0,5 a 10% do activo, ou 1% do activo líquido, ou 5% do capital circulante varia de empresa para empresa A falta de um ajustamento para dívidas de terceiros de poderá não ser material na empresa A com um activo de (0,04%) e um resultado líquido de (0,33%), mas já o será na B com um activo de (14,29%) e um resultado líquido de (125%). Auditoria/José Luis Alves da Cunha 3

4 * factores de natureza qualitativa factores qualitativos, isto é, as circunstâncias que rodeiam uma distorção (ou omissão), podem determinar que, mesmo sem ser ultrapassado um limite de materialidade quantitativo, esta seja considerada material Certos contratos de empréstimo contêm cláusulas segundo as quais, se uma empresa ultrapassar determinados rácios a dívida vence-se de imediato. Deste modo, se um determinado indicador tiver sido ligeiramente superado, a empresa pode ser tentada a distorcer as suas demonstrações financeiras por forma a que o rácio em causa se situe dentro dos parâmetros contratuais. Mesmo que a distorção não seja quantitativamente material, o auditor pode considerá-la qualitativamente material. * responsabilidade exclusiva do auditor dependente do juízo profissional do auditor Normas profissionais sobre materialidade Directriz de Revisão/Auditoria da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas Materialidade de Revisão/Auditoria em anexo Norma Internacional de Auditoria do IAASB Materialidade de Auditoria Textos disponíveis em: Auditoria/José Luis Alves da Cunha 4

5 Aplicação Apresentam-se seguidamente as demonstrações financeiras da empresa X referentes ao ano n Bruto Amort/Ajust Líquido (euros) Imobiliz. Corp , , ,0 Capital social ,0 Existências , , ,0 Reservas ,0 Clientes , , ,0 Result. Líquido ,0 Disponibilid ,0 Passivo M/L Pr ,0 Passivo C Prazo , , , , ,0 (euros) Gastos Operacionais ,0 Vendas ,0 Gastos não Operacionais ,0 Resultado Líquido , , ,0 O Revisor Oficial de Contas na auditoria que realizou às contas do ano n verificou a ocorrência das seguintes distorções: a) o empréstimo a longo prazo de de euros celebrado com o Banco X, do qual euros se vencem em n+1, estava totalmente apresentado no Balanço no Passivo a M/Longo Prazo; b) os juros antecipados, à taxa de 5% ao ano, de um empréstimo a curto prazo de 1,000,000 de euros contraído em Outubro de n, foram contabilizados como custo financeiro no momento do pagamento. c) existe um erro de cálculo nas amortizações do imobilizado corpóreo, que atinge favoravelmente o resultado em euros; d) foram realizadas no final de n vendas de 40,000 euros (margem 40%) a um cliente que não havia encomendado o produto e que o devolveu em Janeiro de n+1. De notar que o empréstimo a longo prazo tem uma cláusula segundo a qual a empresa não pode vender nos próximos anos menos do que o volume de vendas de n-1, ou seja 10,000,000, sob pena do empréstimo se vencer de imediato. Auditoria/José Luis Alves da Cunha 5

6 Pretende-se: 1. Rectifique o Balanço e a Demonstração dos Resultados do exercício n por forma a que as demonstrações financeiras apresentem de forma verdadeira e apropriada a posição financeira e os resultados do exercício em causa. 2. Estabeleça o limite de materialidade apropriado para as demonstrações financeiras do exercício n 3. Das situações identificadas pelo ROC quais as que consideraria materiais? Auditoria/José Luis Alves da Cunha 6

7 Risco de auditoria riscos inerente, de controlo e de detecção. Risco de auditoria (Ra) Risco de vir a emitir uma opinião não apropriada sobre demonstrações financeiras que padecem de deficiências materiais. Decompõe-se em três componentes: risco inerente (Ri) risco de controlo (Rc) risco de detecção (Rd) Ra = Ri x Rc x Rd Risco inerente probabilidade de ocorrerem deficiências com materialidade nas demonstrações financeiras ou nos saldos das contas, sem entrar em conta com o sistema de controlo instituído na empresa. É o risco que deriva das características da própria empresa. Avaliação ao nível global das demonstrações financeiras o auditor tem em conta factores como: a integridade, experiência e competência dos administradores, que podem afectar a veracidade e a qualidade do processo de elaboração das contas; Auditoria/José Luis Alves da Cunha 7

8 a existência de pressões anormais sobre a administração (entraves na negociação com os bancos e dificuldades financeiras graves, etc.) que possam predispor à distorção das demonstrações financeiras; A natureza da actividade desenvolvida, a complexidade da estrutura accionista e do grupo que a empresa encabeça ou em que se insere, a dispersão geográfica das instalações, podem favorecer a prática de distorções nas demonstrações financeiras. Assim, o auditor pode avaliar como baixo o risco inerente da auditoria a uma empresa com um passado não tenha sido manchado por actos ou operações de duvidosa legalidade, que actue num sector estável da economia, no qual não estejam a ser sejam sentidas pressões especiais e cuja administração seja reputadamente séria e competente. Numa empresa com características opostas, o auditor avaliaria o risco inerente como elevado. avaliação do risco inerente a nível mais elementar (contas ou classes) o auditor tem em conta factores como: a sua maior ou menor susceptibilidade de distorção, por exemplo, as disponibilidades apresentam-se mais favoráveis à ocorrência de deficiências, intencionais ou não, do que as contas do imobilizado; a complexidade das operações, as quais muitas vezes implicam a participação de peritos (na valorização das existências ou dos benefícios de reforma, muitas vezes é necessário recorrer a especialistas) Auditoria/José Luis Alves da Cunha 8

9 o recurso a apreciações com algum grau de subjectividade (a determinação do saldo da conta de provisão para dívidas de cobrança duvidosa ou para outros riscos e encargos) O auditor numa empresa comercial, mesmo que transitoriamente o saldo de disponibilidades se apresente baixo, é provável que atribua risco inerente elevado a esta classe de contas, enquanto que, numa outra empresa, por exemplo, de venda de automóveis de luxo - eventualmente, apresentando até nestas contas um saldo elevado, mas com menor número de transacções - pode considerar o risco inerente como médio ou baixo. Risco de controlo probabilidade de ocorrência de uma deficiência com materialidade nas demonstrações financeiras ou nos saldos das contas sem ser oportunamente evitada ou detectada pelo sistema de controlo instituído na empresa. sistemas de controlo interno regras e procedimentos instituídos nas empresas por forma às actividades serem desenvolvidas eficientemente e os seus activos estarem protegidos. Comportam desde os sistemas contabilístico e informático até aos circuitos de autorização e documentais a que devem obedecer certas operações - compras, vendas, pagamentos, recebimentos, etc. Um sistema de controlo interno bem concebido e aplicado correctamente evita ou minimiza a ocorrência de erros dissuade ou minimiza a prática de actos fraudulentos. Auditoria/José Luis Alves da Cunha 9

10 Quanto mais eficaz for o sistema de controlo interno de uma empresa, mais baixo é o risco das demonstrações financeiras de uma empresa serem afectadas por distorções materiais. O inverso é também verdadeiro, ou seja, se o sistema de controlo interno não funcionar satisfatoriamente, o risco de práticas fraudulentas ou de ocorrência de erros será elevado. Risco de detecção probabilidade de os procedimentos realizados pelo auditor não detectarem uma deficiência com materialidade nas demonstrações financeiras ou nos saldos das contas. quanto maior for a extensão - temporal e espacial - dos procedimentos de auditoria mais baixo é o risco de detecção (menor é a probabilidade de o auditor não detectar deficiências materiais nas demonstrações financeiras) quanto menor for a extensão - temporal e espacial - dos procedimentos de auditoria mais elevado é o risco de detecção (maior é a probabilidade de o auditor não detectar deficiências materiais nas demonstrações financeiras) Auditoria/José Luis Alves da Cunha 10

11 Relação entre o Risco de Detecção, o Risco Inerente e o Risco de Controlo Ra = Ri x Rc x Rd Riscos não influenciáveis pelo auditor Risco inerente Risco de controlo São apenas avaliados pelo auditor, não sendo susceptíveis de, a curto prazo, registarem alteração sensível por estarem associados a factores exógenos de carácter permanente (a natureza da actividade, por exemplo) ou endógenos, embora de difícil mutação, pelo menos no curto prazo (a qualidade do sistema de controlo interno) Riscos influenciáveis pelo auditor Risco de detecção É o único risco que está na sua dependência e sob o qual o auditor pode agir em função da avaliação que fez dos riscos inerente e de controlo Auditoria/José Luis Alves da Cunha 11

12 Definição do risco de detecção Objectivo do auditor: correr um risco de auditoria aceitável Risco de auditoria pré-fixado baixo (0,05) Avaliações dos riscos inerente e de controlo de um cliente: risco inerente do cliente X elevado (1,0) risco de controlo do cliente X médio/baixo (0,3) Definição do risco de detecção adequado: Ra = 0,05 Ri = 1 Rc = 0,3 Ra = Ri x Rc x Rd Rd = Ra / ( Ri x Rc ) Rd = 0,05 / ( 1 x 0,3) Rd = 0,166 = 16,6% O auditor tem de correr um risco de detecção baixo (16,6%), para o risco de auditoria ser de 5%, isto é, deve dispor de um nível de segurança de 83,3% nas suas verificações. Como agir estender temporal e espacialmente os procedimentos de auditoria Avaliações dos riscos inerente e de controlo de um cliente: risco inerente do cliente Y baixo (0,3) risco de controlo do cliente X baixo (0,2) Definição do risco de detecção adequado: Ra = 0,05 Ri = 0,3 Rc = 0,2 Ra = Ri x Rc x Rd Rd = Ra / ( Ri x Rc ) Rd = 0,05 / ( 0,3 x 0,2) Rd = 0,833 = 83,3% Auditoria/José Luis Alves da Cunha 12

13 O auditor pode correr um risco de detecção alto (83,3%), para o risco de auditoria ser de 5%, isto é, deve dispor de um nível de segurança de 16,6% nas suas verificações. Como agir pode examinar uma amostra mais reduzida de transacções (menor extensão temporal e espacial dos procedimentos de auditoria) Relações entre o risco inerente, o risco de controlo e o risco de detecção Nível do Risco de Detecção Avaliação do auditor Avaliação do auditor sobre o risco de controlo Alto Médio Baixo Alto O mais baixo Mais Baixo Médio sobre o risco Médio Mais Baixo Médio Mais Alto inerente Baixo Médio Mais Alto O mais alto Nota: As áreas sombreadas referem-se ao risco de detecção Fonte: Directriz de Revisão/Auditoria 400 Para manter um risco de auditoria aceitável, se o auditor avalia como altos o risco inerente e o risco de controlo deverá correr o mais baixo risco de detecção possível, ou seja, deverá alargar a extensão dos procedimentos Se o auditor, pelo contrário, avalia como baixos o risco inerente e o risco de controlo poderá correr o mais alto risco de detecção possível, ou seja, não necessita de realizar um exame tão alargado e profundo Auditoria/José Luis Alves da Cunha 13

14 Normas profissionais sobre risco de auditoria Directriz de Revisão/Auditoria da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas 400 Avaliação do risco de Revisão/Auditoria em anexo Norma Internacional de Auditoria do IAASB Objectivo e Princípios Gerais que Regem uma Auditoria de Demonstrações Financeiras Textos disponíveis em: Aplicação prática 1. Admitindo que é Revisor Oficial de Contas e que foi contactado pelas empresas abaixo indicadas tendo em vista a sua eventual contratação para o exercício das funções profissionais para que está legalmente habilitado, avalie-as quanto ao risco inerente e risco de controlo: a) Banco de Lisboa, cujo Presidente do Conselho de Administração se mantém em funções há mais de 10 anos e sucedeu ao Pai, herdeiro de uma família de prestigiados banqueiros. O Banco, que tem acções cotadas na Bolsa, é conhecido pela sua política de gestão conservadora e rigorosa, em que o controlo é reconhecido como preocupação estratégica. Por tal motivo, nos últimos anos tem realizado um investimento assinalável na remodelação do sistema de controlo interno implantado e na sua modernização. b) Sociedade de Construção do Centro: é uma sociedade cujo capital está na posse da família Simões. O actual Presidente do Conselho de Administração, Sr. João Simões, fundou a empresa nos anos 50 do século passado, tendo conseguido dar-lhe a projecção pública actual. A SCC tornou-se conhecida por ter construído e comercializado urbanizações de considerável Auditoria/José Luis Alves da Cunha 14

15 dimensão na área da Grande Lisboa. O crescente volume de obra e a escassez de mão-de-obra têm forçado a empresa nos últimos anos a contratar pessoal imigrante, cuja situação muitas vezes não está legalizada. c) Futebol Clube de Beja, Sociedade Anónima Desportiva: a ascensão desta SAD à Super Liga de Futebol em 200x coroa o projecto de Eduardo Fortunato, pequeno industrial bejense que procurou criar condições para conduzir o clube da sua terra ao escalão maior do futebol nacional. O percurso foi rapidíssimo e em 3 anos o clube subiu da II Divisão à Liga de Honra e desta à Super Liga, tendo entretanto sido transformado em SAD. Ou por despeito ou com fundamento, o certo é que Eduardo Fortunato a par do êxito desportivo, é acusado de práticas eticamente reprováveis e negócios pouco transparentes na gestão do FCB SAD, os quais já valeram processos diversos por incumprimento fiscal e outras irregularidades. A Polícia Judiciária investiga a contratação de 3 jogadores, tendo verificado que a contabilidade da SAD é rudimentar e que faltam documentos na empresa. 2. Tendo em conta a avaliação anteriormente realizada defina o risco de detecção que deve correr por forma a que o risco de auditar aquelas empresas seja aceitável. 3. Um auditor que foi contactado para realizar a auditoria às contas de uma empresa, após um contacto preliminar com vista a obter conhecimento sobre o contexto e os sistemas de controlo dessa empresa, avaliou o risco inerente em 0,3 e o risco de controlo em 0,9. Interprete estes dados e refira se o auditor pode correr um risco aceitável se concordar em realizar o trabalho que lhe foi proposto. Auditoria/José Luis Alves da Cunha 15

16 Directriz de Revisão/Auditoria 320 MATERIALIDADE DE REVISÃO/AUDITORIA Dezembro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-4 Materialidade 5-8 Relacionamento entre Materialidade e Risco de Revisão/Auditoria 9-11 Avaliação do Efeito de Distorções APÊNDICE Conceito 1-3 Determinantes da materialidade 4 Dimensão 5-7 Natureza 8-9 Circunstâncias Juízo profissional A materialidade no planeamento Documentação 35 Materialidade nas entidades dispersas geograficamente Níveis de materialidade não estáticos Materialidade e risco de revisão/auditoria Avaliação final do efeito das distorções Erros Introdução 1. A necessidade de estimativa da materialidade vem referida nos parágrafos 14 e 15 das Normas Técnicas de Revisão/Auditoria: 14. Na determinação do risco de revisão/auditoria, o revisor/auditor deve usar o seu julgamento tendo em conta a materialidade e o relacionamento desta com aquele risco. Considera-se que uma informação é materialmente relevante se a sua omissão ou distorção puder influenciar as decisões dos utilizadores das demonstrações financeiras. 15. O revisor/auditor deve planear o trabalho de campo e estabelecer a natureza, extensão, profundidade e oportunidade dos procedimentos a adoptar, com vista a atingir o nível de segurança que deve proporcionar e tendo em conta a sua Auditoria/José Luis Alves da Cunha 16

17 determinação do risco da revisão/auditoria e a sua definição dos limites de materialidade. 2. A finalidade desta Directriz de Revisão/Auditoria (DRA) é a de estabelecer normas e proporcionar orientação sobre o conceito de materialidade e o seu relacionamento com o risco de revisão/auditoria. 3. A materialidade deve ser considerada pelo revisor/auditor quando: a) determina a natureza, extensão, profundidade e oportunidade dos procedimentos de revisão/auditoria; e b) avalia o efeito das distorções. 4. Materialidade é um conceito de significado e importância relativos de um assunto, quer considerado individualmente, quer de forma agregada, no contexto das demonstrações financeiras tomadas como um todo. Um assunto é material se a sua omissão ou distorção puder razoavelmente influenciar as decisões económicas de um utilizador baseadas nas demonstrações financeiras. A materialidade não é susceptível de uma definição geral matemática, uma vez que envolve aspectos qualitativos e quantitativos ajuizados nas circunstâncias particulares da omissão ou da distorção. Por conseguinte, a materialidade proporciona um patamar ou ponto de corte, em vez de ser uma característica qualitativa primária que a informação deva ter para ser útil. Materialidade 5. O objectivo da revisão/auditoria das demonstrações financeiras é o de habilitar o revisor/auditor a expressar a sua opinião profissional sobre se as demonstrações financeiras estão, ou não, preparadas em todos os aspectos materialmente relevantes, em conformidade com a estrutura de relato financeiro adoptada. A estimativa do que é materialmente relevante é uma questão de juízo profissional. 6. Ao conceber o plano de revisão/auditoria, o revisor/auditor estabelece um nível de materialidade aceitável de forma a detectar quantitativamente as distorções materialmente relevantes. Contudo, a quantia (quantidade) e a natureza (qualidade) das distorções necessitam de ser consideradas no contexto das circunstâncias em que ocorrem. São exemplos de distorções qualitativas a descrição inadequada ou indevida de uma política contabilística, quando for provável que um utilizador das demonstrações financeiras seja confundido pela descrição e não divulgação do não cumprimento de requisitos legais ou regulamentares, ou quando for provável que a consequente imposição de restrições legais ou regulamentares possa reduzir significativamente a capacidade operacional. 7. O revisor/auditor necessita de considerar a possibilidade de distorções de quantias relativamente pequenas que cumulativamente possam ter um efeito materialmente relevante sobre as demonstrações financeiras. Por exemplo, um erro Auditoria/José Luis Alves da Cunha 17

18 num procedimento de final do mês pode ser um indício de uma distorção potencialmente material se esse erro se repetir todos os meses. 8. O revisor/auditor toma em consideração a materialidade tanto a nível global da demonstração financeira em causa como em relação aos saldos de contas ou grupos de contas, às classes de transacções e às divulgações. A materialidade pode ser influenciada por considerações, tais como requisitos legais ou regulamentares, e outras relativas a saldos e relacionamentos de contas individuais. Este processo pode resultar em diferentes níveis de materialidade, dependendo do aspecto da demonstração financeira que está a ser considerado. Relacionamento entre Materialidade e Risco de Revisão/Auditoria 9. Ao planear a revisão/auditoria, considerar-se-á aquilo que tornará as demonstrações financeiras distorcidas de forma materialmente relevante. A estimativa da materialidade relacionada com saldos de contas ou grupos de contas ou classes de transacções específicas auxilia o revisor/auditor a decidir questões como quais as rubricas a examinar e se deve usar, ou não, amostragem e procedimentos analíticos. Isto dá possibilidade ao revisor/auditor de seleccionar os procedimentos de revisão/auditoria que, em combinação, melhor se adaptam ao risco de revisão/auditoria. 10. Existe uma relação inversa entre a materialidade e o nível de risco de revisão/auditoria, isto é, quanto mais elevado o nível de materialidade, mais baixo o risco de revisão/auditoria e vice-versa. O revisor/auditor toma em conta a relação inversa entre materialidade e risco de revisão/auditoria quando determina a natureza, extensão, profundidade e oportunidade dos procedimentos de revisão/auditoria. Por exemplo, se após planear procedimentos de revisão/auditoria específicos, o revisor/auditor determinar que o nível de materialidade aceitável é mais baixo, o risco de revisão/auditoria aumentou. O revisor/auditor compensa esta situação: a) reduzindo o nível estimado de risco de controlo, se tal for possível, e suportando o nível reduzido, levando a efeito testes de controlo alargados ou adicionais; ou b) reduzindo o risco de detecção através da modificação da natureza, extensão, profundidade e oportunidade dos procedimentos substantivos planeados. Materialidade e Risco de Revisão/Auditoria na Avaliação da Prova de Revisão/Auditoria 11. A estimativa da materialidade e do risco de revisão/auditoria no momento do planeamento pode ser diferente da estimativa no momento da avaliação dos resultados dos procedimentos de revisão/auditoria. Isto pode ser devido a uma alteração nas circunstâncias ou a uma alteração no conhecimento do revisor/auditor em resultado da revisão/auditoria. Por exemplo, se a revisão/auditoria for planeada Auditoria/José Luis Alves da Cunha 18

19 antes do final do período, o revisor/auditor antecipará os resultados das operações e a posição financeira. Se os resultados reais das operações e a posição financeira forem substancialmente diferentes, a estimativa da materialidade e o risco de revisão/auditoria podem também mudar. Adicionalmente, o revisor/auditor pode, ao planear o seu trabalho, fixar intencionalmente o nível de materialidade aceitável num nível inferior àquele que pretende usar para avaliar os resultados da revisão/auditoria. Isto pode ser feito para reduzir a probabilidade de distorções não identificadas e proporcionar ao revisor/auditor uma margem de segurança ao avaliar o efeito de distorções identificadas durante a revisão/auditoria. Avaliação do Efeito de Distorções 12. Ao avaliar a apresentação apropriada das demonstrações financeiras, o revisor/auditor deve estimar se o agregado das distorções não corrigidas que tenham sido identificadas durante a revisão/auditoria é, ou não, materialmente relevante. 13. O agregado de distorções não corrigidas compreende: a) distorções especificamente identificadas pelo revisor/auditor, incluindo o efeito líquido de distorções não corrigidas identificadas durante a revisão/auditoria de períodos anteriores; b) a melhor estimativa pelo revisor/auditor de outras distorções que não possam ser especificamente identificadas (designadamente, erros em amostras representativas projectados para o total da população estatística). 14. O revisor/auditor necessita de considerar se o agregado de distorções não corrigidas é, ou não, materialmente relevante. Se concluir que as distorções podem ser materialmente relevantes deve reduzir o risco de revisão/auditoria, ampliando os procedimentos ou solicitar ao órgão de gestão para ajustar as demonstrações financeiras. Em qualquer caso, o órgão de gestão pode querer ajustar as demonstrações financeiras relativamente às distorções identificadas. 15. Se o órgão de gestão recusar ajustar as demonstrações financeiras e os resultados dos procedimentos de revisão/auditoria ampliados não possibilitem ao revisor/auditor concluir que o agregado das distorções não corrigidas não é materialmente relevante, o revisor/auditor deve considerar a apropriada modalidade da certificação/relatório, de acordo com a DT Certificação Legal das Contas. 16. Se o agregado das distorções não corrigidas que o revisor/auditor identificou se aproximar do nível de materialidade, ele considerará se é provável que distorções não identificadas, quando tomadas com o agregado das distorções não corrigidas, possam exceder o nível de materialidade. Consequentemente, à medida que o agregado das distorções não corrigidas se aproxima do nível de materialidade, o revisor/auditor considerará a redução do risco, executando procedimentos Auditoria/José Luis Alves da Cunha 19

20 adicionais ou pedindo ao órgão de gestão para ajustar as demonstrações financeiras relativamente às distorções identificadas. APÊNDICE Este Apêndice, que não é parte integrante desta Directriz de Revisão/Auditoria, destina-se apenas a ajudar a um melhor entendimento das disposições nela contidas. Conceito 1.Na opinião profissional do revisor/auditor sobre as demonstrações financeiras de uma entidade, a expressão apresentam de forma verdadeira e apropriada, em todos os aspectos materialmente relevantes significa que ele obteve uma segurança aceitável acerca das demonstrações financeiras estarem isentas de distorções materialmente relevantes. 2. As demonstrações financeiras estão distorcidas de forma materialmente relevante quando contêm omissões ou distorções cujo efeito, individual ou agregado, é suficiente para que não constituam uma apresentação adequada, em todos os aspectos materialmente relevantes, em conformidade com a estrutura de relato financeiro adoptada e, consequentemente, influenciem as decisões económicas dos seus utilizadores. 3. O conceito de materialidade determina que alguns assuntos, quer considerados individualmente, quer de forma agregada, são importantes para uma adequada apresentação das demonstrações financeiras tomadas como um todo. Determinantes da materialidade 4. A materialidade de um item depende da dimensão (quantidade), da natureza (qualidade) e das circunstâncias. Dimensão 5. A dependência da dimensão significa que a materialidade é quantificável em termos financeiros. Nem sempre isso é linear. Por exemplo, na consideração da materialidade de incertezas ou contingências a quantificação é feita pela melhor das estimativas ou quantia potencialmente envolvida, tomando em conta a probabilidade da respectiva ocorrência. 6. Em alguns casos, a natureza e as circunstâncias de uma distorção podem ter tal importância que a dimensão não seja determinante para o utilizador das demonstrações financeiras. Por exemplo, alterações de políticas contabilísticas, despesas confidenciais ou não documentadas. 7. Embora a quantificação da materialidade seja fundamental e inevitável, ela nunca poderá ser estimada numa base de dimensão absoluta. Ao concluir que o efeito das distorções, individualmente ou de forma agregada, é materialmente relevante, o revisor/auditor deve considerar a sua natureza e quantidade em relação à natureza e quantidade dos itens das demonstrações financeiras. Por exemplo, uma questão que Auditoria/José Luis Alves da Cunha 20

21 é materialmente relevante nas demonstrações financeiras de uma entidade pode não ser materialmente relevante nas demonstrações financeiras de uma outra entidade de diferente natureza e dimensão. Natureza 8. A estimativa da materialidade deve tomar em conta não só considerações quantitativas como também considerações qualitativas. As considerações qualitativas incluem: A natureza do negócio e o ramo de actividade (por exemplo, grossista, instituição financeira). Os resultados das operações (por exemplo, rendimento instável, entidade de pequena margem de lucro, resultados voláteis). Posição financeira (por exemplo, questões relacionadas com os fluxos de caixa, adequação do capital, falência, condições dos financiamentos). 9. Na apreciação da qualidade das distorções deve ser tomado particular cuidado em não se compensarem distorções materialmente relevantes, quando consideradas separadamente, que tenham naturezas diferentes e, inversamente, a materialidade de distorções de natureza similar devem ser consideradas de acordo com o seu efeito agregado. Circunstâncias 10. A materialidade das distorções é ajuizada em relação ao seu impacto, ou potencial impacto, na opinião dos utilizadores das demonstrações financeiras. Consequentemente, a materialidade de uma dada distorção dependerá do contexto da contabilização e da informação disponível pelos utilizadores das demonstrações financeiras. Por exemplo, a materialidade estimada para um exame com vista à certificação/relatório não é necessariamente igual à de um exame imposto judicialmente ou solicitado por uma instituição financeira para efeito de concessão de crédito, ou à de um exame para elaboração de um relatório de verificação de entradas em espécie. 11. Na decisão acerca da materialidade pesam as respostas a questões como: Quem são os utilizadores? Quais são as suas necessidades para tomar decisões? Para um determinado item, qual é o contexto apropriado para estimar a sua materialidade? Em que intervalo de valores é que os itens se tornam críticos em termos de materialidade? Como é que, nestas circunstancias, se deve decidir e relatar acerca de tais itens? Auditoria/José Luis Alves da Cunha 21

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 580 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 580 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 580 DECLARAÇÃO DO ORGÃO DE GESTÃO Dezembro de 1998 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-5 Objectivos 6 Requisitos da declaração 7-11 Conteúdo da declaração 12-15 Posição do revisor/auditor

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

CIRCULARIZAÇÃO. I Introdução

CIRCULARIZAÇÃO. I Introdução CIRCULARIZAÇÃO I Introdução A circularização, ou confirmação externa, é uma prova de auditoria obtida como resposta directa que o revisor/auditor recolhe de uma terceira entidade (a entidade que confirma

Leia mais

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº Duração de 1H30. Leia com atenção as seguinte instruções:

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº Duração de 1H30. Leia com atenção as seguinte instruções: Leia com atenção as seguinte instruções: As questões de múltipla escolha têm uma cotação de 0,1 cada. Caso queira alterar a sua resposta, risque a anterior e assinale a sua opção final com um círculo e

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 300 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 300 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 300 PLANEAMENTO Junho de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-4 Planeamento do Trabalho 5-8 Plano Global de Revisão / Auditoria 9-10 Programa de Revisão / Auditoria 11-12

Leia mais

Anexo 1. NTRA Normas Técnicas de Revisão/ Auditoria. DRA Directrizes de Revisão/ Auditoria. IT Interpretações Técnicas. RT - Recomendações Técnicas

Anexo 1. NTRA Normas Técnicas de Revisão/ Auditoria. DRA Directrizes de Revisão/ Auditoria. IT Interpretações Técnicas. RT - Recomendações Técnicas Anexo 1 NTRA Normas Técnicas de Revisão/ Auditoria DRA Directrizes de Revisão/ Auditoria IT Interpretações Técnicas RT - Recomendações Técnicas I NTRA NORMAS TÉCNICAS DE REVISÃO/ AUDITORIA Prefácio Enquadramento

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 910

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 910 Directriz de Revisão/Auditoria 910 Setembro de 2003 Exames Simplificados ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-3 OBJECTIVO 4 ÂMBITO 5-6 TERMOS DO COMPROMISSO 7-9 PLANEAMENTO E EXECUÇÃO 10-15 CONCLUSÕES E RELATO

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 700 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 700 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 700 RELATÓRIO DE REVISÃO/AUDITORIA Fevereiro de 2001 ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-3 OBJECTIVO 4-5 RELATÓRIO DE REVISÃO/AUDITORIA 6-21 Considerações gerais 6-10 Elementos

Leia mais

Newsletter Número 1/09 Março 2009

Newsletter Número 1/09 Março 2009 ASSUNTOS DE RELEVÂNCIA PARA OS REVISORES/AUDITORES EM TEMPOS DE CRISE FINANCEIRA Foram publicados recentemente tanto pelo IAASB (International Auditing and Assurance Standards Board) como pela FEE (Fédération

Leia mais

Amostragem em revisão/auditoria

Amostragem em revisão/auditoria Revisores e empresas 32 final - imagensalta.qxp 01-05-2006 19:01 Page 28 Amostragem em revisão/auditoria Uma aplicação prática do método PPS Por Sérgio Paulo Pereira Carmelo ROC nº1194 Com este artigo

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 835

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 835 Directriz de Revisão/Auditoria 835 Abril de 2006 Certificação do Relatório Anual sobre os Instrumentos de Captação de Aforro Estruturados (ICAE) no Âmbito da Actividade Seguradora Índice INTRODUÇÃO 1 4

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 701

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 701 Directriz de Revisão/Auditoria 701 RELATÓRIO DE AUDITORIA ELABORADO POR AUDITOR REGISTADO NA CMVM SOBRE INFORMAÇÃO ANUAL Fevereiro de 2001 ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-4 OBJECTIVO 5-6 RELATÓRIO DE AUDITORIA

Leia mais

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 1 - Apresentação de Demonstrações Financeiras,

Leia mais

Objectivo 1 e 2. Âmbito 3. Considerações Gerais 4 e 5. Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8. Período de Relato 9.

Objectivo 1 e 2. Âmbito 3. Considerações Gerais 4 e 5. Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8. Período de Relato 9. ÍNDICE (parágrafos) Objectivo 1 e 2 Âmbito 3 Considerações Gerais 4 e 5 Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8 Período de Relato 9 Balanço 10 a 31 Demonstração dos Resultados 32 a 38 Demonstração

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 705

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 705 Directriz de Revisão/Auditoria 705 FUNDOS DE INVESTIMENTO ÍNDICE Agosto de 2006 Parágrafos Introdução 1-3 Objectivo 4-5 Particularidades e Procedimentos de Validação 6-25 Outros Deveres e Competências

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 505

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 505 Directriz de Revisão/Auditoria 505 Confirmações Externas ÍNDICE Julho de 2006 Parágrafos Introdução 1-6 Relacionamento dos Procedimentos de Confirmação Externa com as Avaliações, pelo Revisor/Auditor,

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IFRS 3 Concentrações

Leia mais

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS BOLETIM INFORMATIVO N.º 3/2010 IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS ASPECTOS CONTABILÍSTICOS E FISCAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria,

Leia mais

GRUPO I (10 valores) Assinale a resposta mais correcta; cada resposta vale 1 valor; uma resposta errada dá lugar à dedução de 0,25 pontos.

GRUPO I (10 valores) Assinale a resposta mais correcta; cada resposta vale 1 valor; uma resposta errada dá lugar à dedução de 0,25 pontos. NOTA: ------------ -- Docente atribuído: Docente que frequentou e que corrigirá a prova: Aluno Nº: Turma: Nome: Assinatura: GRUPO I (10 valores) Assinale a resposta mais correcta; cada resposta vale 1

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO N. o 035/B/2010-DBS/AMCM Data: 05/10/2010 DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 840

Manual do Revisor Oficial de Contas. Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 840 Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 840 PROJECTO DE DIRECTRIZ DE REVISÃO/AUDITORIA 840 Março de 2008 Relatório Sobre os Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Agosto de 2011 1 Contratos de Construção Enquadramento Contabilístico e Fiscal 2 Revisores e Auditores 7

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Agosto de 2011 1 Contratos de Construção Enquadramento Contabilístico e Fiscal 2 Revisores e Auditores 7 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Agosto de 2011 1 Contratos de Construção Enquadramento Contabilístico e Fiscal 2 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL AGOSTO DE 2011 Ministério das Finanças - Gabinete

Leia mais

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA ESTRUTURA CONCEPTUAL (EC) Prefácio ( 1) 2 Introdução ( 2 a 11) 3

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA ESTRUTURA CONCEPTUAL (EC) Prefácio ( 1) 2 Introdução ( 2 a 11) 3 SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA ESTRUTURA CONCEPTUAL (EC) Este documento tem por base a Estrutura Conceptual do IASB, constante do Anexo 5 das Observações relativas a certas disposições do Regulamento

Leia mais

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados Norma contabilística e de relato financeiro 14 Concentrações de actividades empresariais Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Relato Financeiro IFRS 3

Leia mais

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 27 Demonstrações

Leia mais

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada;

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada; Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 3/2006 Considerando que todas as instituições de crédito e sociedades financeiras, bem como os grupos financeiros, devem possuir um sistema de controlo interno adaptado

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS GAN PORTUGAL SEGUROS 2004

RELATÓRIO E CONTAS GAN PORTUGAL SEGUROS 2004 Relatório sobre a Fiscalização Exmos. Senhores, Introdução 1 O presente Relatório é emitido nos termos do nº 2 do artº 451º do Código das Sociedades Comerciais e da alínea a) do nº 1 do artº 52º do Decreto-Lei

Leia mais

OS AUDITORES INTERNOS E A FRAUDE

OS AUDITORES INTERNOS E A FRAUDE OS AUDITORES INTERNOS E A FRAUDE Seminário KPMG / IPAI Lisboa, 4 de Março de 2010 Francisco de Melo Albino, CIA, CCSA, CGAP. - IPAI F. Melo Albino / IPAI Lisboa, 4.3.10 1 Auditoria interna A auditoria

Leia mais

LICENCIATURA EM ECONOMIA CONTABILIDADE II. Contabilidade II. Resultados. O Relatório de Gestão e a. Certificação Legal de Contas

LICENCIATURA EM ECONOMIA CONTABILIDADE II. Contabilidade II. Resultados. O Relatório de Gestão e a. Certificação Legal de Contas Contabilidade II Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados. O Relatório de Gestão e a Certificação Legal de Contas 1 Tópicos a abordar: Resultados Relatório de Gestão 2 Tópicos a abordar: Resultados

Leia mais

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura).

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura). NCRF 18 Inventários Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 2 - Inventários, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 13 INTERESSES EM EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS E INVESTIMENTOS EM ASSOCIADAS

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 13 INTERESSES EM EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS E INVESTIMENTOS EM ASSOCIADAS NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 13 INTERESSES EM EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS E INVESTIMENTOS EM ASSOCIADAS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais

Leia mais

Relatório e Contas 2012

Relatório e Contas 2012 Relatório e Contas 2012 Índice Temático Relatório de Gestão - Balanço e Contas (Balanço, Demonstração de Resultados, Demonstração de Fluxos de Caixa e Mapa de Demonstração das alterações do Capital Próprio)

Leia mais

Banking. Estudos de Remuneração 2012

Banking. Estudos de Remuneração 2012 Estudos de 2012 Estudos de Banking 2012 2 Nota preliminar pág. 3 Técnico de Tesouraria pág. 4 Banking Técnico de Controlo de Crédito pág. 5 Analista de Crédito Técnico de Back-Office Técnico de Derivados

Leia mais

Aequivalência patrimonial é um método

Aequivalência patrimonial é um método 32 Fiscalidade A equivalência patrimonial eosimpostos diferidos A equivalência patrimonial e o método do custo têm particularidades que é conveniente ter em conta. Na aplicação dos métodos de contabilização

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS 24 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS Os mercados de capitais na Europa e no mundo exigem informações financeiras significativas, confiáveis, relevantes e comparáveis sobre os emitentes de valores mobiliários.

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I III - CADERNO DE EXERCÍCIOS Terceiros e Antecipações Exercício 17 A empresa

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA 1/22 INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA... 4 ESTRUTURA DE CUSTOS... 7 VALOR ACRESCENTADO BRUTO... 7 ANÁLISE DOS FLUXOS DE TESOURARIA... 9 ANÁLISE DOS

Leia mais

CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE COESÃO EM CASO DE INCUMPRIMENTO DAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONTRATOS PÚBLICOS

CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE COESÃO EM CASO DE INCUMPRIMENTO DAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONTRATOS PÚBLICOS Versão final de 29/11/2007 COCOF 07/0037/03-PT COMISSÃO EUROPEIA ORIENTAÇÕES PARA A DETERMINAÇÃO DAS CORRECÇÕES FINANCEIRAS A APLICAR ÀS DESPESAS CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria

Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria i Professor Marcelo Aragão Trabalhos de outros auditores ou especialistas Complexidade das transações Volume das transações Áreas importantes

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo. Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo. Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO III Objectivo Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE ASPECTOS A NÃO ESQUECER o todo não é igual à soma das

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2012 1 - Actividade 1.1 Breve descrição das actividades da empresa ÍNDICE 2 - Bases de preparação das demonstrações financeiras e derrogações 2.1 Bases de apresentação

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

ORDEM DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS

ORDEM DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS ORDEM DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM AUDITORIA FINANCEIRA E AUDITORIA INTERNA OPERACIONAL PRAIA-CABO VERDE JUNHO DE 2010 APRESENTAÇÃO DA FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM AUDITORIA

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS DAS ISC DA CPLP. (Revisão aprovada na I Assembleia-Geral das ISC da CPLP, Luanda, Novembro de 2002)

GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS DAS ISC DA CPLP. (Revisão aprovada na I Assembleia-Geral das ISC da CPLP, Luanda, Novembro de 2002) GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS DAS ISC DA CPLP (Revisão aprovada na I Assembleia-Geral das ISC da CPLP, Luanda, Novembro de 2002) GLOSSÁRIO A 1. Abordagem construtiva. Modo de apresentar comprovações, tendo

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 925

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 925 Directriz de Revisão/Auditoria 925 PROGRAMA OPERACIONAL DA ECONOMIA Revista em Maio de 2003 ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-4 OBJECTIVO 5-6 CERTIFICAÇÃO LEGAL DO BALANÇO INTERCALAR 7 MAPA DE DESPESAS E

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

I B 1:) CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS. Introdução

I B 1:) CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS. Introdução Relatório e Contas do Exercício de 2013 10, I B 1:) Te[: +351 217 990 420 Av. da República, 50-1Q Fax: +351 217990439 1069-211 Lisboa www. bdo. pt CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS Introdução 1. Examinámos

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

DIRECTIVAS PARA O CONTROLE INTERNO DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO AUTORIZADAS

DIRECTIVAS PARA O CONTROLE INTERNO DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO AUTORIZADAS Circular No. 169/B/2002-DSB/AMCM (Data: 21/11/2002) DIRECTIVAS PARA O CONTROLE INTERNO DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO AUTORIZADAS A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), com os poderes conferidos pelo artigo

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 12 IMPARIDADE DE ACTIVOS

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 12 IMPARIDADE DE ACTIVOS NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 12 IMPARIDADE DE ACTIVOS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 36 Imparidade de Activos, adoptada

Leia mais

A Auditoria das Pequenas e Médias Empresas

A Auditoria das Pequenas e Médias Empresas António Gonçalves A Auditoria das Pequenas e Médias Empresas 1. Evoluções Recentes nas Matérias da Contabilidade e Auditoria no Âmbito das Pequenas e Médias Empresas Nos últimos tempos, os temas associados

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 860

Manual do Revisor Oficial de Contas. Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 860 Índice Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 860 PROJECTO DE DIRECTRIZ DE REVISÃO/AUDITORIA 860 Dezembro de 2008 Relatório Sobre o Sistema de Controlo Interno das Instituições de Crédito e Sociedades

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 18 Rédito, adoptada pelo Regulamento (CE)

Leia mais

2 - Esta Norma deve ser aplicada na contabilização da imparidade de todos os activos, que não sejam:

2 - Esta Norma deve ser aplicada na contabilização da imparidade de todos os activos, que não sejam: NCRF 12 Imparidade de activos Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 36 - Imparidade de Activos, adoptada pelo texto original do Regulamento

Leia mais

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Normas contabilísticas e de relato financeiro Norma contabilística e de relato financeiro 1 - Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Norma contabilística e de relato financeiro 2 - Demonstração

Leia mais

Auditoria. Auditoria de Demonstrações Financeiras Consolidadas REVISORES AUDITORES OUT/DEZ 2009

Auditoria. Auditoria de Demonstrações Financeiras Consolidadas REVISORES AUDITORES OUT/DEZ 2009 Auditoria de Demonstrações Financeiras Consolidadas 30 REVISORES AUDITORES OUT/DEZ 2009 Ana Sofia Nunes Revisora Oficial de Contas Auditoria 1 Introdução No âmbito do Clarity Project, em curso, do International

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas IAS 33 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 33 Resultados por Acção ÍNDICE Parágrafos Objectivo 1 Âmbito 2-4 Definições 5-8 Mensuração 9-63 Resultados por Acção Básicos 9-29 Resultados 12-18 Acções

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro

Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro (A) necessita de registro no Conselho Regional de Contabilidade e o segundo, não. (B)

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008 Avisos do Banco de Portugal Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008 Em sede do compromisso para uma "Better Regulation", assumido pelo Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, foi proposta, nomeadamente,

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

Evidência de Auditoria

Evidência de Auditoria Evidência de Auditoria Compreende as informações utilizadas pelo auditor para chegar às conclusões em que se fundamentam a sua opinião. Inclui as informações contidas nos registros contábeis que suportam

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Norma Internacional de Relato Financeiro 2

Norma Internacional de Relato Financeiro 2 Norma Internacional de Relato Financeiro 2 Pagamento com Base em Acções OBJECTIVO 1 O objectivo desta IFRS é especificar o relato financeiro por parte de uma entidade quando esta empreende uma transacção

Leia mais

PRINCIPAIS MUDANÇAS NAS NORMAS DE AUDITORIA. Claudio Longo Ernst & Young. Campo Grande, 17 de Agosto de 2010

PRINCIPAIS MUDANÇAS NAS NORMAS DE AUDITORIA. Claudio Longo Ernst & Young. Campo Grande, 17 de Agosto de 2010 XII ENCONTRO ESTADUAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PRINCIPAIS MUDANÇAS NAS NORMAS DE AUDITORIA Claudio Longo Ernst & Young Campo Grande, 17 de Agosto de 2010 Objetivos da Apresentação

Leia mais

L 305/16 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2011

L 305/16 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2011 L 305/16 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2011 REGULAMENTO (UE) N. o 1205/2011 DA COMISSÃO de 22 de Novembro de 2011 que altera o Regulamento (CE) n. o 1126/2008 que adopta certas normas internacionais

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CÁLCULO E REPORTE DAS PROVISÕES TÉCNICAS COM BASE EM PRINCÍPIOS ECONÓMICOS

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CÁLCULO E REPORTE DAS PROVISÕES TÉCNICAS COM BASE EM PRINCÍPIOS ECONÓMICOS PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CÁLCULO E REPORTE DAS PROVISÕES TÉCNICAS COM BASE EM PRINCÍPIOS ECONÓMICOS Com a presente Norma Regulamentar estabelece-se o regime de cálculo das provisões técnicas segundo

Leia mais

DC20 - Demonstração dos Resultados por Funções (1) Directriz Contabilística nº 20

DC20 - Demonstração dos Resultados por Funções (1) Directriz Contabilística nº 20 DC20 - Demonstração dos Resultados por Funções (1) Directriz Contabilística nº 20 Agosto de 1997 Índice 1. Objectivo 2. Estrutura da Demonstração 3. Conceitos Subjacentes 3.1. Vendas e prestações de serviços

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

UWU PERSONNEL - CONHECE OS INDICADORES DE GESTÃO FUNDAMENTAIS PARA A SUA EMPRESA 2

UWU PERSONNEL - CONHECE OS INDICADORES DE GESTÃO FUNDAMENTAIS PARA A SUA EMPRESA 2 UWU PERSONNEL - CONHECE OS INDICADORES DE GESTÃO FUNDAMENTAIS PARA A SUA EMPRESA 2 ÍNDICE 04 Introdução 06 Análise de rácios 08 Indicadores de Liquidez 10 Indicadores de Rentabilidade 13 Indicadores de

Leia mais

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015 Guia dos Emitentes Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria Data: 17/12/2015 Agenda Objectivos do Guia dos Emitentes Admissão de Valores Mobiliários nos Mercados Regulamentados Alternativas

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 40. Instrumentos Financeiros: Evidenciação

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 40. Instrumentos Financeiros: Evidenciação COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 40 Instrumentos Financeiros: Evidenciação Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 7 Índice Item OBJETIVO 1 2 ALCANCE 3 5

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS

CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS Os números entre parênteses a seguir indicam o número do item que aparece no pronunciamento original do Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC. REGIME DE

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

X CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. 1.ª Sessão Supervisão do sistema financeiro

X CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. 1.ª Sessão Supervisão do sistema financeiro X CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS 1.ª Sessão Supervisão do sistema financeiro Permitam-me uma primeira palavra para agradecer à Ordem dos Revisores Oficiais de Contas pelo amável convite que

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA Horwath & Associados, SROC, Lda. Member Crowe Horwath International Edifício Scala Rua de Vilar, 235 2º andar 4050-626 Porto, PORTUGAL +351 22 605 17 80 Tel +351 22 605 17 89 Fax

Leia mais

PROFESSOR: Salomão Dantas Soares

PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AUDITORIA PROFESSOR: Salomão Dantas Soares ASSUNTO Papéis de Trabalho TURMA: PECC Nesta aula, continuaremos o estudo dos aspectos técnicos concernentes à Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis,

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 26 MATÉRIAS AMBIENTAIS. Objectivo ( 1 e 2) 2 Âmbito ( 3 e 4) 2 Definições ( 5 a 11) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 26 MATÉRIAS AMBIENTAIS. Objectivo ( 1 e 2) 2 Âmbito ( 3 e 4) 2 Definições ( 5 a 11) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 26 MATÉRIAS AMBIENTAIS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro adopta a Recomendação da Comissão Europeia de 30 de Maio de 2001 respeitante ao reconhecimento,

Leia mais

INTRODUÇÃO. Análise Financeira. Gestão Financeira

INTRODUÇÃO. Análise Financeira. Gestão Financeira INTRODUÇÃO 1 Análise Financeira Dar a conhecer a situação económico-financeira e monetária A partir de documentos de informação contabilística Situação financeira Equilíbrio Financeiro, Solvabilidade,

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Leia mais

newsletter Nº 79 AGOSTO / 2013

newsletter Nº 79 AGOSTO / 2013 newsletter Nº 79 AGOSTO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Julho de 2013 2 Capitalização de Gastos com Empréstimos Obtidos 4 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Tribunal Constitucional

Leia mais

Anexo ao Aviso do Banco de Portugal nº 8/2007 Anexo VII - Utilização de Modelos Internos para o Cálculo dos Requisitos de Fundos Próprios

Anexo ao Aviso do Banco de Portugal nº 8/2007 Anexo VII - Utilização de Modelos Internos para o Cálculo dos Requisitos de Fundos Próprios Anexo ao Aviso do Banco de Portugal nº 8/2007 Anexo VII - Utilização de Modelos Internos para o Cálculo dos Requisitos de Fundos Próprios 1 - O Banco de Portugal, nas condições definidas no presente Anexo,

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO 1. Objectivos da Política de Remuneração dos órgãos de administração e fiscalização da Companhia de Seguros Açoreana, SA (

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais