Ficha Técnica. Título. Destinatários. Área profissional. Curso. Entidades Responsáveis pelo Projecto. Autores. Colaboração. Coordenação Técnica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ficha Técnica. Título. Destinatários. Área profissional. Curso. Entidades Responsáveis pelo Projecto. Autores. Colaboração. Coordenação Técnica"

Transcrição

1

2

3 FORMAÇÃO GLOBAL EM GESTÃO AGRÍCOLA Módulo II Controlo de Gestão Ficha Técnica Título Controlo de Gestão Agrícola Exercícios Destinatários Formandos (Técnicos e futuros Formadores) Área profissional Gestão de Empresas, Agricultura Curso Formação Global em Gestão Agrícola Nível Técnicos e Formadores Módulo de Controlo de Gestão Entidades Responsáveis pelo Projecto ADISA, Associação para o Desenvolvimento do ISA AgroGes, Sociedade de Estudos e Projectos, Lda IDRHa, Instituto de Desenvolvimento Rural e Hidráulica, do MADRP Autores Francisco Avillez Francisco Gomes da Silva Carlos Pedro Trindade Frederico Avillez José Pedro Salema Nuno Pereira Colaboração Leonor Lopes Coordenação Técnica Francisco Gomes da Silva Direcção Editorial Francisco Avillez Produção FZ AGRO.GESTÃO - Consultoria em Meio Rural, Lda Concepção Gráfica e Mauetização Filipa Pissarra Fotografia Vasco Soeiro Impressão Novagráfica do Cartaxo, Lda. Tiragem 750 exemplares Depósito Legal Nº /06 1ªEdição, Maio 2006 Produção apoiada pelo Programa AGRO Medida 7 Formação profissional, co-financiado pelo Estado Português e pela União Europeia através do FSE Copyright Todos os direitos reservados ao Gestor do Programa AGRO I

4

5 FORMAÇÃO GLOBAL EM GESTÃO AGRÍCOLA Módulo II Controlo de Gestão Índice Avaliação de Conhecimentos Unidade 1 Ferramentas de Controlo de Gestão Unidade 2 Métodos Contabilísticos Unidade 3 Algumas Técnicas Contabilísticas Unidade 4 Concepção de um Sistema de Contabilidade De Gestão Enunciados de Exercícios Estudo de Caso Resoluções Informações Complementares 1

6 Unidade 1 Ferramentas de Controlo de Gestão Avaliação de Conhecimentos 1. Assinale ual a opção ue completa correctamente a seguinte frase: Os passos do ciclo da gestão são a) a contabilidade e o controlo orçamental; b) o planeamento, o orçamento e contas; c) o planeamento, a implementação e o controlo; d) o investimento, a execução e a avaliação. 2. Assinale ual das seguintes frases é verdadeira: a) em ualuer tipo de empresa os objectivos devem ser definidos por cada um dos trabalhadores; b) em ualuer tipo de empresa os objectivos são para ser controlados no fim do exercício; c) em ualuer tipo de empresa devem definir-se objectivos estratégicos e operacionais; d) nenhuma das anteriores é verdadeira. 3. Assinale ual a opção ue completa correctamente a seguinte frase: O conceito de Desvio ao Orçamento a) depende do mapa de orçamento ue esteja a ser analisado; b) depende da rubrica do mapa de orçamento a ue diga respeito; c) mede a variação do valor orçamentado face ao valor ue se obteria se o orçamento tivesse sido corrigido; d) mede a diferença entre os valores orçamentados e os valores verificados. 4. Assinale ual das seguintes frases é verdadeira: a) nas actividades cíclicas o controlo orçamental não é uma ferramenta ue ajude muito a corrigir erros de implementação; b) nas actividades cíclicas o controlo orçamental é mais útil uando calculado sobre valores acumulados; c) nas actividades cíclicas o período do padrão repetição assemelha-se ao do exercício; d) todas as anteriores são verdadeiras. 5. Assinale ual das seguintes frases é verdadeira: a) o Desvio ao Orçamento numa determinada rubrica assume um valor ue não tem apenas uma interpretação global; b) o Desvio ao Orçamento numa determinada rubrica pode ser resultante de um conjunto de desvios com origem e causas diversas; c) o Desvio ao Orçamento numa determinada rubrica pode ser nulo, sem ue isso signifiue, ue tudo o ue estava planeado se cumpriu; d) todas as anteriores são verdadeiras. 6. Assinale ual a opção ue completa correctamente a seguinte frase: Um Orçamento Ajustado a) reporta-se aos preços ue realmente se verificaram; b) reporta-se aos preços e volumes reais; 2

7 FORMAÇÃO GLOBAL EM GESTÃO AGRÍCOLA c) reporta-se a volumes reais; d) é um orçamento ue se ajusta à realidade sendo nulos os desvios. 7. Assinale ual das seguintes frases é verdadeira: a) o Desvio de Volume calcula-se pela diferença entre o Orçamento Ajustado e o Orçamento Inicial; b) o Desvio de Volume traduz a diferença provocada pela variação nos volumes, face à situação planeada; c) o Desvio de Volume mede-se em unidades monetárias ou em % do Valor do Orçamento inicial; d) todas as anteriores são verdadeiras. 8. Assinale ual das seguintes frases é verdadeira: a) o Desvio de Preço calcula-se pela diferença entre o Valor Orçamentado e o real executado; b) o Desvio de Preço traduz a diferença provocada pelo facto dos preços praticados não coincidirem com os preços orçamentados; c) o Desvio de Preço não se pode determinar sem a informação referente aos preços realmente praticados; d) todas as anteriores são verdadeiras. 9. Assinale ual das seguintes frases é verdadeira: a) o controlo multi-dimensional sugere medidas correctivas tanto ao nível operacional como ao nível estratégico; b) o controlo multi-dimensional pode-se conseguir usando um sistema de incentivos; c) o controlo multi-dimensional pode-se conseguir usando um painel de controlo multi-dimensional; d) todas as anteriores são verdadeiras. 10. No painel de controlo multi-dimensional, as perspectivas a ter em consideração são a) mais importantes ue os objectivos, indicadores de performance, metas e as iniciativas; b) controlo dos objectivos operacionais; c) financeira / económica e o mercado / clientes; d) todas as anteriores são falsas. 11. Assinale ual das seguintes frases é verdadeira: a) o sistema de incentivos é uma ferramenta de gestão de recursos humanos em sintonia com o painel de controlo; b) o sistema de incentivos permite centrar a actuação dos trabalhadores com os objectivos da empresa; c) o sistema de incentivos é baseado em avaliações de desempenho; d) todas as anteriores são verdadeiras. 3

8 Unidade 2 Métodos Contabilísticos Avaliação de Conhecimentos 1. Tendo em conta os diversos métodos contabilísticos abordados, assinale ual a opção verdadeira. a) o método tradicional é o ue origina resultados mais detalhados; b) o método das secções apura a mesma informação ue o método tradicional; c) o método ABC é o de mais simples utilização; d) nenhuma das anteriores é verdadeira. 2. Assinale ual a opção ue enuncia correctamente os princípios ue devem regular a definição das secções homogeneas. a) integridade, homogeneidade e mensurabilidade; b) integridade, aditividade e mensurabilidade; c) responsabilização, homogeneidade de funções e existência de unidade de medida; d) responsabilização, aditividade e existência de unidade de medida. 3. Assinale ual a opção ue completa correctamente a seguinte frase: No método das secções, estas são normalmente classificadas em a) principais, auxiliares e administrativas; b) principais, produtivas e não produtivas; c) principais, homogéneas e não homogéneas; d) principais, tradicionais e clássicas. 4. Assinale ual das seguintes frases é verdadeira: a) o método das secções prevê a distribuição dos custos de todas as outras secções pelas secções principais; b) o método das secções prevê, num primeiro momento, o apuramento dos custos directos de cada secção; c) o método das secções baseia-se na distinção entre custos fixos e variáveis; d) nenhuma das anteriores é verdadeira. 5. Assinale ual a opção ue completa correctamente a seguinte frase: No método ABC, os centros de custo são definidos com base a) nos produtos; b) nas actividades; c) nas operações; d) nas secções. 6. Assinale ual a opção ue completa correctamente a seguinte frase: Uma das vantagens do método ABC face aos restantes, reside no facto de a) alertar o gestor para as conseuências dos níveis de custos; b) alertar o gestor para as causas dos níveis de custos; c) alertar o gestor para a composição dos resultados; d) alertar o gestor para o peso relativo dos custos variáveis no total de custos. 4

9 FORMAÇÃO GLOBAL EM GESTÃO AGRÍCOLA 7. Assinale ual a opção ue completa correctamente a seguinte frase: No método ABC a) a distinção entre custos directos e indirectos dos produtos é da maior importância; b) operação é sinónimo de secção principal; c) todos os custos são custos indirectos das secções definidas; d) a noção de custo indirecto perde muita da sua importância. 8. Assinale ual a opção ue completa correctamente a seguinte frase: O método ABC classifica os centros de análise em a) principais, secundários, terciários e assim sucessivamente; b) primários e de suporte; c) produtivos e não produtivos; d) com e sem custos indirectos. 9. Assinale ual a opção ue completa correctamente a seguinte frase: A criação de valor na empresa, evidenciada pelo ABC, baseia-se a) apenas valor dos produtos no mercado; b) apenas no custo dos processos internos da empresa; c) apenas nos custos das actividades; d) nos custos dos processos internos e no valor dos produtos no mercado. 10. Assinale ual das seguintes frases é verdadeira: a) a escolha por um de entre os três métodos contabilisticos abordados dever ter em conta a utilização efectiva ue se dará ao output da Contabilidade de Gestão; b) a escolha por um de entre os três métodos contabilisticos abordados dever ter em conta os acréscimos de custo associados ao método ABC; c) a escolha por um de entre os três métodos contabilisticos abordados dever ter em conta a capacidade de recolha e processamento de informação ue existe na empresa; d) todas as anteriores são verdadeiras. 5

10 Unidade 3 Algumas Técnicas Contabilísticas Avaliação de Conhecimentos 1. Assinale ual a opção ue completa correctamente a seguinte frase: Por sistemas de custeio entende-se a) o conjunto de procedimentos ue determinam a forma como é efectuado o apuramento dos custos dos períodos (meses, por exemplo); b) o conjunto de procedimentos ue determinam a forma como é efectuado o apuramento dos preços de transferência; c) o conjunto de procedimentos ue determinam a forma como é efectuado o apuramento dos custos fixos da empresa; d) o conjunto de procedimentos ue determinam a forma como é efectuado o apuramento dos custos totais da empresa. 2. Assinale ual a opção ue completa correctamente a seguinte frase: Nos sistemas de Custeio Total a) os custos fixos não são imputados aos produtos; b) os custos fixos apenas são imputados se forem inferiores aos custos variáveis; c) os custos fixos podem ser imputados com base em chaves de imputação teóricas; d) não é necessário distinguir entre custos fixos e custos variáveis. 3. Assinale ual das seguintes frases é verdadeira: a) os custos teóricos são as chaves de imputação e o preço de mercado; b) os custos teóricos são os preços negociados e os preços de transferência; c) os custos teóricos são os preços de mercado, os preços negociados e as chaves de imputação; d) nenhuma das alternativas anteriores é verdadeira. 4. Assinale ual das seguintes frases é verdadeira: a) ao utilizar os diversos critérios de valorização de saídas de armazém de um determinado recurso o valor a imputar à actividade ue utiliza esse recurso é sempre o mesmo; b) ao utilizar os diversos critérios de valorização de saídas de armazém de um determinado recurso o valor das existências ue ficam em armazém após uma saída não depende do critério utilizado; c) ao utilizar os diversos critérios de valorização de saídas de armazém de um determinado recurso os custos apurados para determinadas secções da empresa vai ser influenciado; d) nenhuma das anteriores é verdadeira. 5. Assinale ual a opção ue completa correctamente a seguinte frase: Se estivermos perante um subproduto de uma determinada actividade ue origina um produto principal, o critério de atribuição de custos mais recomendável é a) o critério das Quantidades Produzidas; b) o critério do Lucro Nulo; c) o critério do Valor das Vendas; d) o critério do Valor das Vendas reportado ao ponto de separação. 6

11 FORMAÇÃO GLOBAL EM GESTÃO AGRÍCOLA 6. Assinale ual das seguintes frases é verdadeira: a) a variação de existências é calculada em sistemas contabilísticos ue não registam informação de campo mas apenas documentos com o exterior; b) a variação de existências é a diferença entre o valor dos stocks no final do ano e o do início do ano; c) a variação de existências é dispensável em alguns sistemas contabilísticos; d) todas as anteriores são verdadeiras. 7. Assinale ual das seguintes frases é verdadeira: a) em controlo de gestão a ferramenta ue ajuda a analisar o risco é a análise de sensibilidade; b) em controlo de gestão a ferramenta ue ajuda a analisar o risco é a reserva para riscos; c) em controlo de gestão a ferramenta ue ajuda a analisar o risco é o limiar de encerramento; d) todas as anteriores são verdadeiras. 8. Assinale ual das seguintes frases é verdadeira: a) os custos não específicos devem ser apenas aueles ue não foi possível de nenhuma forma imputar aos diferentes centros de análise; b) os custos não específicos são eles próprios um centro de custo ue deve ser analisado per sí; c) uando assim se entender, os custos não específicos podem ser distribuídos pelos diferentes centros de análise, atravez de uma chave de imputação específica; d) todas as anteriores são verdadeiras. 7

12 Unidade 4 Concepção de um Sistema de Contabilidade de Gestão Avaliação de Conhecimentos 1. Assinale ual a opção ue completa correctamente a seguinte frase: O período base para apuramento de resultados da Contabilidade de Gestão a) deve ser sempre o mês; b) deve ser o mais curto possível; c) deve ter em conta, entre outras coisas, a capacidade existente para tirar partido dos resultados apurados; d) não é um assunto relevante em termos de concepção de um sistema de contabilidade de gestão. 2. Assinale ual das seguintes frases é verdadeira: a) as características das actividades praticadas na empresa, nomeadamente a sua sazonalidade, constituem um aspecto fundamental na concepção de um sistema de contabilidade de gestão; b) as características das actividades praticadas na empresa, nomeadamente a sua sazonalidade, entre outros, constituem um factor ue condiciona a definição do intervalo de tempo para apuramento de resultados da contabilidade de gestão; c) as características das actividades praticadas na empresa, nomeadamente a sua sazonalidade, condicionam as características de certos fluxos internos, fundamentais para a concepção de um sistema de contabilidade de gestão; d) todas as anteriores são verdadeiras. 3. Assinale ual das seguintes frases é verdadeira: a) os outputs da contabilidade de gestão devem ser sempre apurados em simultâneo; b) os outputs da contabilidade de gestão podem ser apurados a intervalos de tempo diferentes, consoante a capacidade existente e o próprio interesse dos outputs; c) os outputs da contabilidade de gestão podem ser apurados a intervalos de tempo diferentes, desde ue alguns sejam apurados mensalmente; d) nenhuma das anteriores é verdadeira. 4. Assinale ual das seguintes frases é verdadeira: a) para definir ual a informação ue será necessário recolher para alimentar um sistema de Contabilidade de Gestão é conveniente definir previamente o sistema de custeio a utilizar; b) para definir ual a informação ue será necessário recolher para alimentar um sistema de Contabilidade de Gestão é conveniente definir previamente a forma de tratar as produções conjuntas; c) para definir ual a informação ue será necessário recolher para alimentar um sistema de Contabilidade de Gestão é conveniente definir previamente as naturezas de custo a utilizar; d) todas as anteriores são verdadeiras. 5. Assinale ual das seguintes frases é verdadeira: a) a informação a recolher e a utilizar num sistema de Contabilidade de Gestão não necessita de classificação, uma vez ue os documentos ue a suportam evidenciam tudo o ue é necessário; b) a informação a recolher e a utilizar num sistema de Contabilidade de Gestão deve sempre ser classificada, entre outros critérios, segundo o centro de análise a ue deve ser imputada; c) a informação a recolher e a utilizar num sistema de Contabilidade de Gestão não deve ser classificada por natureza, sendo essa classificação um output do sistema; d) nenhuma das anteriores é verdadeira. 8

13 FORMAÇÃO GLOBAL EM GESTÃO AGRÍCOLA

14 FORMAÇÃO GLOBAL EM GESTÃO AGRÍCOLA Exercício Desvio ao Orçamento A empresa agrícola Cerrado do Cabeço, dedica-se à produção de gado bovino para carne (engorda), produzindo a generalidade da alimentação necessária. Do orçamento previsional relativo ao ano ue acaba de terminar, e dos registos da Contabilidade relativos ao mesmo período, foi extraída a seguinte informação: Rubrica Orçamento Real Vendas (Euros) Custos Variáveis (Euros) Custos Fixos (Euros) Com base nos dados disponíveis, calcule o Desvio Total para as seguintes rubricas: Vendas Custos Variáveis e Custos Fixos Margem Bruta Resultado Liuido da Exploração Exercício Orçamento Ajustado Ainda para a empresa Cerrado do Cabeço, obteve-se a informação referente ao volume de vendas real e orçamentado, a saber: Volume de vendas orçamentado 14,3 toneladas (carcaça) Volume de vendas real 12,0 toneladas (carcaça) Com base nesta informação adicional, e nos dados do exercício anterior, proceda ao Cálculo do Orçamento de Custos Ajustado (Custos Variáveis, Fixos e Totais). Exercício Decomposição de Desvios Utilizando o resultado dos cálculos efectuados nos dois exercícios referentes à empresa Cerrado do Cabeço, proceda agora à decomposição do desvio total verificado para os diferentes tipos de custo, nas suas componentes de Volume e Preço. Exercício Controlo Orçamental e Análise de Desvios O Joauim da Várzea Molhada é um homem do campo. Toda a vida viveu e trabalhou no campo, não conhece outra vida se não a de amanhar a terra. Cansado de trabalhar para outros conseguiu finalmente este ano arranjar-se por sua conta. Arrendou um bocado de terra, ali ao pé da aldeia vizinha e fez 3 ha de melão e 10 de tomate. Para pagar os Euros da renda utilizou todo o pé de meia ue economizou ao longo dos seus, já não poucos, anos de trabalho. O ue associado ao facto de se ter privado do ordenado de 600 Euros ue recebia líuidos todos os meses na uinta do Sr. Manuel Patrão, se apresentou como um grande desafio. Todos sabemos ue na agricultura há anos bons e anos maus. Este não foi seguramente dos melhores, mas também já se viram piores. Mas o melhor é fazermos as contas. Como não tem máuinas o Sr. Joauim combinou com um vizinho a utilização das suas. No final da campanha pagou por este serviço apenas 1000 Euros. 10

15 Módulo II Controlo de Gestão Enunciados de Exercícios Relativamente aos adubos e produtos de tratamentos combinou com um fornecedor, seu conhecido da região, pagar-lhe apenas no fim da campanha. O valor das diversas mercadorias ue comprou não ultrapassava os Euros mas, para estas condições de pagamento, teve de gastar Euros. Gastou ainda noutros consumíveis diversos, como fita de rega, combustíveis e outros 2500 Euros. Pagou pela colheita e transporte do tomate Euros. O melão fê-lo com a sua força de trabalho e com ajuda da mulher ue passou lá cerca de 1 mês entre a colheita e venda na beira da estrada (gastou um mês de férias uando normalmente mantêm-se a trabalhar para ganhar um prémio extra o ano passado ganhou 1100 Euros). A carrinha ue comprou há 6 anos por Euros ajudou bastante, só com ela é ue foi possível acompanhar as culturas ao longo do ano e ainda vender os melões. O problema é ue a trabalhar desta maneira a carrinha só dura mais 2 anos. No final do ano só conseguiu produzir cerca de 55 toneladas de tomate por ha ue vendeu por 0,125 EUR / Kg. Pelas contas da sua mulher conseguiram vender cerca de Euros de melão. Considere ue o dinheiro ue o Sr. Joauim têm no banco a prazo, lhe rende 4 % ao ano. O Sr. Joauim gosta de estar bem informado e como tal freuentou há cerca de dois anos uma acção de formação na área da gestão e agora reconhece a importância de planear e controlar as suas aventuras empresariais. Assim elaborou um orçamento previsional no início desta aventura e agora uer confronta-lo com o ue realmente aconteceu. Orçamento Previsional Projecto por conta própria de Joauim da Várzea Molhada Proveitos Quant. (Kg) Preço (EUR) Valor (EUR) Venda Melão , Venda Tomate , Custos Valor (EUR) Renda Aluguer de máuinas Desgaste e Manutenção Carrinha Serviços Colheita Serviços de Transporte Adubos e fitofármacos Material de rega Combustíveis e Lubrificantes Apure o resultado global real das actividades do Sr. Joauim, confronte-o com o orçamento previsional e determine os desvios para cada rubrica, decompondo-os sempre ue possível para determinar a origem dos desvios. Exercício Painel de Controlo Multi-dimensional Para ualuer tipo de empresa, inclusive as explorações agrícolas, o painel de controle multi-dimensional é uma ferramenta de controlo de grande utilidade. Para o implementar é necessário definir cerca de 16 objectivos distintos, respectivos indicadores, metas e medidas a implementar, distribuídos pelas uatro uestões essenciais do modelo: 11

16 FORMAÇÃO GLOBAL EM GESTÃO AGRÍCOLA Pergunta-Chave Abordagem Como é ue os meus clientes nos vêem? cliente Como melhoramos a nossa forma de fazer as coisas? processo Como garantimos capacidade de aprendizagem e adaptação? aprendizagem Como conseguimos ganhar mais dinheiro? financeiro De seguida enumeram-se vários objectivos, referentes a diferentes actividades. Para cada um desses objectivos defina os indicadores, as metas e as medidas ue lhe pareçam mais adeuados. Tipo Empresa / Actividade Objectivo Financeira Qualuer tipo de Exploração Reduzir custos de escritório Milho Reduzir os custos com empréstimos de campanha Cliente Frutas e hortícolas frescos Transmitir confiança nos alimentos colocados no mercado Carne de Porco Alentejano Normalizar o mercado do produto, assegurando a oferta todo o ano Processo Ovinos Carne Adega Diminuir custos de pessoal relacionados com o pastoreio acompanhamento das operações de maior risco como as parições Controlo total da ualidade do produto desde a vinha até ao engarrafamento Aprendizagem Empresa com vários técnicos superiores no seu uadro Peuena Exploração familiar Facilitar o rápido acesso a todo o tipo de informação, nomeadamente recorrendo a tecnologias de ponta Manter-se informado / formado sobre as novas tecnologias de produção Exercício Métodos Contabilísticos O Senhor Belarmino é um agricultor muito experiente em muitas culturas e tecnicamente muito eficiente. É um líder de opinião na freguesia e tem freuentemente o recorde da produção em algumas culturas. De entre as suas culturas usuais contam-se a Beterraba sacarina, o Milho híbrido e o Trigo duro. A sua exploração integra cerca de 50 ha em terras do campo com solos da classe A e B de capacidade de uso. A sua exploração tem a seguinte estrutura: Mão-de-obra permanente: Mão-de-Obra Vencimento mensal líuido Segurança Social mensal Empresário Joauim Tractorista Zé Faz tudo

17 Módulo II Controlo de Gestão Enunciados de Exercícios Cada trabalhador pode trabalhar anualmente 1920 horas Máuina/Euipamento Valor (EUR) Vida útil (anos) Utilização ANUAL (h) Massey Ferguson 265 (70cv) Kubota (90 cv) Charrua de aivecas 3 F Grade discos 22D Pulverizador 600L Distribuidor centrífugo 600L Semeador Monosem 4L Escarificador 13 D Reboue basculante Pivot Valley (circular 25,5ha) O Senhor Belarmino tem por prática registar toda a actividade da exploração num diário ue consulta para comparações puramente técnicas. Esta informação terá um papel essencial na determinação também dos resultados económicos. Em seguida é apresentado um extracto do diário do Senhor Belarmino referente às operações culturais: Diário de exploração Quinta do Pé Molhado Beterraba Parcela do Quarto Crescente - 12,75 ha Lavoura 15 a 19 Outubro Kubota + charrua de aivecas 3F horas Adubação fundo 20 a 21 Outubro Massey + distribuidor centrífugo 600L 14 horas Gradagem: 22 a 23 Outubro Kubota + grade 22D horas Transportes para as sementeiras e adubação Massey + reboue basculante 8 horas total mês de Outubro Deservagem pré-sementeira: 24 a 27 Outubro Massey + pulverizador 600L 20 horas Sementeira 1 a 3 Novembro Massey + Semeador 17 horas Herbícida pós-emergência Novembro Massey + pulverizador 600L 15 horas 13

18 FORMAÇÃO GLOBAL EM GESTÃO AGRÍCOLA Herbícida pós-emergência (2ª Passagem) Dezembro Massey + pulverizador 600L 15 horas Sacha 21 e 25 Janeiro Kubota + Escarificador 13 horas Tratamento (Pancho) 3 e 7 Maio Massey + pulverizador 600L 15 horas Tratamento (Spyral) Junho Massey + pulverizador 600L 15 horas Transportes para pulverizações Maio e Junho Massey + reboue 8 horas Regas e cobertura (solução 32N): Pivot 500 horas no total Relativamente à compra de consumos intermédios o Senhor Belarmino é fiel cliente da Cooperativa Unidos Venceremos. A lista apresentada em seguida constitui o resumo das encomendas do Senhor Belarmino junto dauela Cooperativa. Fitofármacos e fertilizantes para Beterraba: Produto (Quant. Total) Custo(s/IVA) 7:14:14 (B, Mg) 7650,0 1373,69 PYRAMIN DF 28,7 733,21 CURATERR 127,5 406,00 Beterraba sacarina (semente) 25,5 2035,10 BETANAL 7,7 173,24 GOLTIX ULTRA D 7,7 229,01 SOLEOL 6,4 10,75 BETANAL 7,7 173,24 GOLTIX ULTRA D 7,7 229,01 SOLEOL 6,4 10,75 Solução Azotada 32N 4462,5 981,62 APHOX GD 6,4 238,55 METASYSTOX R 15,3 262,53 VISENE 15,3 123,95 ENXOFRE MOLHAVEL CC 95,6 117,08 BAYCOR S 8,3 462,54 PANCHO 12,8 345,33 SPYRAL 6,4 315,44 A electricidade consumida pelo Pivot atribuída à seara de Beterraba totalizou 2123,98 + IVA 14

19 Módulo II Controlo de Gestão Enunciados de Exercícios Os tractores do Senhor Belarmino estão muito bem afinados e gastam 7,5 e 10 litros/hora para o Massey e Kubota respectivamente. O gasóleo agrícola custou no último ano em média 0,40 A colheita foi um serviço prestado pela DAI por 225 por hectare tendo sido realizada a partir do dia 15 Julho até ao final desse mês. A partir da informação enviada pela DAI relativamente ao valor da seara do senhor Belarmino pode-se saber o seguinte: Peso entregue: Preço médio: Toneladas 48,29 / T Diário de exploração Quinta do Pé Molhado Trigo Duro - Parcela do Quarto Minguante - Área: 11,9 ha Alueive 28 a 30 Outubro 1999: Kubota + charrua de aivecas 25 horas Gradagem: 1 a 5 Novembro Kubota + grade 22D horas Desinfecção de semente: 6 de Novembro Mão-de-obra: 8 horas (Zé Faz Tudo) Transportes para as sementeiras e adubação Kubota + reboue basculante 8 horas total mês de Novembro Sementeira c/ adubação fundo 7 e 8 Fevereiro Kubota + Semeador Monosem 4L 14 horas Monda uímica 1 a 5 Fevereiro Kubota + pulverizador 600L 12 horas Transportes para pulverizações Fevereiro Kubota + reboue 8 horas Regas e cobertura (solução 32N): Pivot (200 horas no total) + 30 horas de mão-de-obra (Zé Faz Tudo) Transportes colheita Junho e Julho Kubota + reboue basculante 65 horas Enfardação 3 a 8 Julho 2000 Massey + Enfardadeira Alugada (25 EUR/ha) 10 horas Fitofármacos e fertilizantes aplicados no Trigo na exploração do Senhor Belarmino: 15

20 FORMAÇÃO GLOBAL EM GESTÃO AGRÍCOLA Produto (Quant. TOTAL) Custo TOTAL (s/iva) Manebe S 6 15,20 18:46: ,35 Cloreto de Potássio ,45 Trigo duro EPAC ,62 Tribunil ,70 Solução Azotada 32N ,60 Ureia ,80 A electricidade consumida pelo Pivot sectorial atribuída à seara de trigo totalizou 987,50 EUR + IVA. A colheita foi um serviço prestado pela ALUGA-MÁQUINA Lda por 95 EUR (+ IVA) por hectare tendo sido realizada nos dias 1 e 2 de Julho. A uantidade produzida totalizou os Kg tendo sido vendida à EPAC ao preço médio de 0,215 EUR / Kg. O valor das ajudas (subsídios) para o Trigo duro e para a freguesia da Quinta do Pé Molhado ascendem a 513 EUR /ha Com base na informação apresentada apure o resultado para cada uma das unidades de negócio (Beterraba e Trigo) recorrendo ao método tradicional, ao das secções homogéneas e ao das operações (ou ABC activity based costing). Exercício Custeio Total A empresa Pomar do Rio, Lda dedica-se à produção e comercialização de um determinado tipo de fruta. De acordo com a gerência, e relativamente ao ano de 2003, foi apurada a seguinte informação: Custos variáveis unitários (Euros/ton) = 130,28 Euros/tonelada Volume de produção real (ton) = 268 toneladas Volume de produção orçamentado (ton) =280 toneladas Custos Fixos orçamentados (Euros) = Euros a) determine, utilizando o sistema de custeio total com imputação de custos fixos por uotas teóricas, o Custo Total Unitário da produção. b) sabendo ue os custos fixos reais do período foram de Euros, determine o valor dos custos de produção não incorporados. c) efectue as mesmas determinações, utilizando agora o sistema de custeio total com imputação racional dos custos fixos. Exercício Sistemas Valorimétricos No mapa seguinte apresentam-se todos os movimentos de armazém relativos a um determinado herbicida ue é utilizados em três actividades distintas. 16

21 Módulo II Controlo de Gestão Enunciados de Exercícios Data Quantidade (unidades) Tipo de movimento Custo (Euros/unida- de) Destino Saldo inicial 01/01/20xx Entrada 31/01/20xx 30 22,5 Armazém Entrada 10/02/20xx 40 25,0 Armazém Entrada 25/02/20xx ,0 Armazém Saída 07/03/20xx 60?? Actividade 1 Saída 17/03/20xx 80?? Actividade 2 Entrada 31/03/20xx 80 26,0 Armazém Saída 10/04/20xx 90?? Actividade 3 Saldo final 31/12/20xx 20?? - Com base nestes elementos, e utilizando os sistemas valorimétricos FIFO e Custo Médio, proceda ao cálculo do valor a imputar a cada actividade pelo consumo do herbicida em causa, bem como o valor do saldo final do armazém em cada uma das situações Exercício Produções Conjuntas Uma determinada empresa agrícola dedica-se à produção de cereais de outono-inverno. Das searas, para além do grão, é produzida palha ue, após ser enfardada, é vendida no mercado. Os registos de informação referentes às searas em causa permitem apurar a seguinte informação: Rúbrica Valor (Euros/ha) Proveitos 755,00 Venda de grão (4,5 ton/ha) 675,00 Venda de palha ( 200 fardos/ha) 80,00 Custos 500,00 Preparação do terreno 60,00 Sementeira 75,00 Distribuição de adubo 40,00 Aplicação de fitofármacos e herbicidas 80,00 Ceifa 75,00 Transporte do grão 50,00 Enfardar 60,00 Transporte da palha 60,00 Proceda ao cálculo dos custos a imputar ao grão e à palha, de acordo com cada um dos seguintes critérios: a) Lucro nulo b) Valor das vendas c) Valor das vendas reportado ao ponto de separação d) Quantidades produzidas 17

Formação Global em Gestão Agrícola Nível Técnicos e Formadores - Módulo de Controlo de Gestão

Formação Global em Gestão Agrícola Nível Técnicos e Formadores - Módulo de Controlo de Gestão FORMAÇÃO GLOBAL EM GESTÃO AGRÍCOLA Módulo II Controlo de Gestão Ficha Técnica Título Controlo de Gestão Agrícola Manual Técnico Destinatários Formandos (Técnicos e futuros Formadores) Área profissional

Leia mais

Grupo I. de custeio das saídas utilizado no caso de haver mais de um lote entrado em armazém de produtos acabados.

Grupo I. de custeio das saídas utilizado no caso de haver mais de um lote entrado em armazém de produtos acabados. Exame de Contabilidade Analítica (A que se refere alínea f) do nº 1 do artº15º do Decreto de Lei 452/99 de 5 de Novembro) 15/Outubro/2005 VERSÃO A Grupo I 1. Diga qual das afirmações está correcta: a)

Leia mais

Ficha Técnica. Título. Destinatários. Área profissional. Curso. Entidades Responsáveis pelo Projecto. Autores. Colaboração. Coordenação Técnica

Ficha Técnica. Título. Destinatários. Área profissional. Curso. Entidades Responsáveis pelo Projecto. Autores. Colaboração. Coordenação Técnica FORMAÇÃO GLOBAL EM GESTÃO AGRÍCOLA Módulo I Planeamento da Empresa Agrícola Ficha Técnica Título Planeamento da Empresa Agrícola Exercícios Destinatários Formandos (Técnicos e futuros Formadores) Área

Leia mais

ASSUNTOS: Orçamentos parciais Orçamentos globais Resultados obtidos indirectamente dos orçamentos Análise de indicadores

ASSUNTOS: Orçamentos parciais Orçamentos globais Resultados obtidos indirectamente dos orçamentos Análise de indicadores BLOCO 6 ASSUNTOS: Orçamentos parciais Orçamentos globais Resultados obtidos indirectamente dos orçamentos Análise de indicadores PROBLEMAS: PROBLEMA 1 Considere o orçamento parcial da actividade trigo

Leia mais

Considere as seguintes informações acerca da actividade da empresa agrícola Monte da Ribeira.

Considere as seguintes informações acerca da actividade da empresa agrícola Monte da Ribeira. BLOCO 7 ASSUNTOS: Orçamentos globais Orçamento financeiro PROBLEMAS: PROBLEMA 1 Considere as seguintes informações acerca da actividade da empresa agrícola Monte da Ribeira. Recebimentos das vendas da

Leia mais

Ficha Técnica. Título. Destinatários. Área profissional. Curso. Entidades Responsáveis pelo Projecto. Autores. Colaboração. Coordenação Técnica

Ficha Técnica. Título. Destinatários. Área profissional. Curso. Entidades Responsáveis pelo Projecto. Autores. Colaboração. Coordenação Técnica FORMAÇÃO GLOBAL EM GESTÃO AGRÍCOLA Módulo I Planeamento da Empresa Agrícola Ficha Técnica Título Planeamento da Empresa Agrícola Manual Técnico Destinatários Formandos (Técnicos e futuros Formadores) Área

Leia mais

O curso será realizado em blended learning, misto é com formação presencial e formação a distância.

O curso será realizado em blended learning, misto é com formação presencial e formação a distância. 1 - Objectivo Geral Com este curso pretende-se capacitar os participantes com saberes e competências em conceitos, métodos e técnicas de gestão agrícola para acompanharem os agricultores nas suas acções

Leia mais

www.agrogestao.com 1 Casa Agrícola do Exemplo

www.agrogestao.com 1 Casa Agrícola do Exemplo www.agrogestao.com 1 Casa Agrícola do Exemplo Relatório de Gestão 2005 www.agrogestao.com 2 Índice 1 Introdução...3 2 Análise de resultados globais...4 2.1 Custos... 4 2.2 Resultados... 8 3 Resultados

Leia mais

BLOCO 12. ASSUNTOS: O estudo de caso de uma empresa agro-industrial PROBLEMAS: PROBLEMA 1

BLOCO 12. ASSUNTOS: O estudo de caso de uma empresa agro-industrial PROBLEMAS: PROBLEMA 1 BLOCO 12 ASSUNTOS: O estudo de caso de uma empresa agro-industrial PROBLEMAS: PROBLEMA 1 A SILOS, SA é uma sociedade anónima agro-industrial que se dedica ao fabrico e à venda de rações para animais. A

Leia mais

BLOCO 11. ASSUNTOS: Controlo Análise dos Registos Contabilísticos Análise de estrutura e de eficiência Análise de actividade PROBLEMAS:

BLOCO 11. ASSUNTOS: Controlo Análise dos Registos Contabilísticos Análise de estrutura e de eficiência Análise de actividade PROBLEMAS: BLOCO 11 ASSUNTOS: Controlo Análise dos Registos Contabilísticos Análise de estrutura e de eficiência Análise de actividade PROBLEMAS: PROBLEMA 1 O empresário do Monte da Ribeira pretende realizar uma

Leia mais

ORÇAMENTOS PARCIAIS DE ACTIVIDADE E DE MUDANÇA

ORÇAMENTOS PARCIAIS DE ACTIVIDADE E DE MUDANÇA ORÇAMENTOS PARCIAIS DE ACTIVIDADE E DE MUDANÇA As técnicas dos orçamentos são importantes ferramentas usadas pelos gestores no planeamento e na tomada de decisões. São muito úteis na análise de alternativas,

Leia mais

EGEA ESAPL - IPVC. Orçamentos Globais

EGEA ESAPL - IPVC. Orçamentos Globais EGEA ESAPL - IPVC Orçamentos Globais Retirado e/ou adaptado de: Francisco Avillez, et all (2004). Planeamento da Empresa Agrícola Manual Técnico. Agroges e MAP: Lisboa. O Orçamento Anual Global da Empresa

Leia mais

Ficha Técnica. Título. Destinatários. Área profissional. Curso. Entidades Responsáveis pelo Projecto. Autores. Colaboração. Coordenação Técnica

Ficha Técnica. Título. Destinatários. Área profissional. Curso. Entidades Responsáveis pelo Projecto. Autores. Colaboração. Coordenação Técnica FORMAÇÃO GLOBAL EM GESTÃO AGRÍCOLA Módulo III Análise de Investimentos Ficha Técnica Título Análise de Investimentos Exercícios Destinatários Formandos (Técnicos e futuros Formadores) Área profissional

Leia mais

CUSTOS conceitos fundamentais. Custo. Custo. Despesa. Pagamento. Proveito. Receita. Recebimento CONTABILIDADE ANALÍTICA I

CUSTOS conceitos fundamentais. Custo. Custo. Despesa. Pagamento. Proveito. Receita. Recebimento CONTABILIDADE ANALÍTICA I CUSTOS conceitos fundamentais Custo Sacrifício de um recurso para atingir um objectivo específico, ou, dito de outro modo, valor associado à utilização ou consumo de um recurso. A determinação dos custos

Leia mais

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira 18 de Maio de 2011 1 Modelo de análise económico-financeira 2 Modelo de análise económico-financeira

Leia mais

As empresas agrícolas similares, consideradas de referência, apresentam em média os seguintes indicadores financeiros, que

As empresas agrícolas similares, consideradas de referência, apresentam em média os seguintes indicadores financeiros, que BLOCO 10 ASSUNTOS: Controlo Análise dos Registos Contabilísticos Balanço e Conta de Exploração PROBLEMAS: PROBLEMA 1 Os Balanços sucessivos dos anos n-2, n-1 e n referem-se a outra exploração agrícola

Leia mais

ANTÓNIO BALTAZAR MORTAL PROFESSOR ADJUNTO DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO HOTELARIA E TURISMO DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE

ANTÓNIO BALTAZAR MORTAL PROFESSOR ADJUNTO DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO HOTELARIA E TURISMO DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ANTÓNIO BALTAZAR MORTAL PROFESSOR ADJUNTO DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO HOTELARIA E TURISMO DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE GLOSSÁRIO DE CONTABILIDADE ANALÍTICA NOVEMBRO 2001 NOTA PRÉVIA O principal objectivo

Leia mais

EGEA ESAPL - IPVC. Orçamentos Anuais Parciais de Actividade

EGEA ESAPL - IPVC. Orçamentos Anuais Parciais de Actividade EGEA ESAPL - IPVC Orçamentos Anuais Parciais de Actividade Elaboração de Orçamentos Os resultados de uma empresa, ou de qualquer uma das suas actividades, podem ser apurados (ou calculados de forma previsional)

Leia mais

www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura A G R O G E S T Ã O - Apoio Técnico e Administrativo

www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura A G R O G E S T Ã O - Apoio Técnico e Administrativo www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura A G R O G E S T Ã O - Apoio Técnico e Administrativo 2 www.agrogestao.com 1 Material de apoio Cada um dos módulos

Leia mais

Efólio A Contabilidade de Gestão

Efólio A Contabilidade de Gestão Efólio A Contabilidade de Gestão Grupo 1 1 A Contabilidade Analítica é obrigatória e visa o apuramento dos custos de produção. A contabilidade analítica não é obrigatória para todas as empresas, logo a

Leia mais

Os Princípios do Planeamento da Empresa Agrícola

Os Princípios do Planeamento da Empresa Agrícola Os Princípios do Planeamento da Empresa Agrícola Os princípios da gestão de uma empresa agrícola não são diferentes dos princípios da gestão de qualquer outra empresa ou negócio mais complexo. Para ter

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I III - CADERNO DE EXERCÍCIOS Terceiros e Antecipações Exercício 17 A empresa

Leia mais

www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura ENOGEST O - Gestão informática de adega

www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura ENOGEST O - Gestão informática de adega www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura ENOGEST O - Gestão informática de adega 2 www.agrogestao.com 1 Material de apoio Cada um dos módulos será acompanhado

Leia mais

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009 Folha de cálculo para Plano de Negócios 7 de Novembro 2009 9 de Novembro de 2009 Modelo 9 de Novembro de 2009 2 Objectivos ferramenta Disponibilizar uma ferramenta que possibilite a um empreendedor efectuar

Leia mais

Casa Agrícola do Exemplo Relatório de Auditoria de Gestão - 2004

Casa Agrícola do Exemplo Relatório de Auditoria de Gestão - 2004 Casa Agrícola do Exemplo Relatório de Auditoria de Gestão - 2004 Índice 1. Introdução 3 2. Qualidade dos Dados 4 3. Análise das Sugestões feitas na Auditoria de 2003 6 4. Processos e Fluxos de Informação

Leia mais

CONTABILIDADE NACIONAL 1

CONTABILIDADE NACIONAL 1 CONTABILIDADE NACIONAL 1 Ópticas de cálculo do valor da produção O produto de um país pode ser obtido por três ópticas equivalentes: Óptica do Produto permite-nos conhecer o valor do produto por sector

Leia mais

COMISSÃO DE INSCRIÇÃO

COMISSÃO DE INSCRIÇÃO COMISSÃO DE INSCRIÇÃO JURI DE EXAME PROVA DE EXAME Artigo 13.º do Regulamento de Inscrição e Exame ANO 2007 2º Grupo de Matérias DATA PROGRAMAS DETALHADOS DOS MÓDULOS QUE INTEGRAM O EXAME DO 2º GRUPO DE

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

PLANIGEST O - Planeamento de curto prazo e controlo orçamental ACADEMIA AGROGESTÃO. Formação em informática aplicada à agricultura

PLANIGEST O - Planeamento de curto prazo e controlo orçamental ACADEMIA AGROGESTÃO. Formação em informática aplicada à agricultura www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura PLANIGEST O - Planeamento de curto prazo e controlo orçamental 2 www.agrogestao.com 1 Material de apoio Cada um dos

Leia mais

CONTABILIDADE ANALÍTICA E DE GESTÃO II 3.º ANO DE GESTÃO DE EMPRESAS (RAMOS DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS E DE GESTÃO FINANCEIRA)

CONTABILIDADE ANALÍTICA E DE GESTÃO II 3.º ANO DE GESTÃO DE EMPRESAS (RAMOS DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS E DE GESTÃO FINANCEIRA) CONTABILIDADE ANALÍTICA E DE GESTÃO II 3.º ANO DE GESTÃO DE EMPRESAS (RAMOS DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS E DE GESTÃO FINANCEIRA) CONTABILIDADE DE GESTÃO II 2.º ANO DE AUDITORIA E FISCALIDADE MÉTODO

Leia mais

Execute e controle de uma forma eficaz e profissional todas as tarefas contabilísticas da sua Empresa

Execute e controle de uma forma eficaz e profissional todas as tarefas contabilísticas da sua Empresa Descritivo completo Contabilidade 2008 Execute e controle de uma forma eficaz e profissional todas as tarefas contabilísticas da sua Empresa Benefícios Fácil de utilizar; Totalmente integrada com o restante

Leia mais

Ficha Técnica. Título. Destinatários. Área profissional. Curso. Entidades Responsáveis pelo Projecto. Autores. Colaboração. Coordenação Técnica

Ficha Técnica. Título. Destinatários. Área profissional. Curso. Entidades Responsáveis pelo Projecto. Autores. Colaboração. Coordenação Técnica FORMAÇÃO GLOBAL EM GESTÃO AGRÍCOLA Módulo III Análise de Investimentos Ficha Técnica Título Análise de Investimentos Manual Técnico Destinatários Formandos (Técnicos e futuros Formadores) Área profissional

Leia mais

Lançamento nº 2 - Eliminação de operações internas (VNDs e CMPs) entre A e B

Lançamento nº 2 - Eliminação de operações internas (VNDs e CMPs) entre A e B LEC11 CONTABILIDADE II CAPÍTULO IV CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS COMENTÁRIOS À RESOLUÇÃO DO EXERCÍCIO 1 Lançamento nº 1 - Eliminação de saldos entre empresas do grupo As empresas do Grupo efectuaram operações

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

SUMÁRIO. PARTE A - Fundamentos da Contabilidade Analítica e de Gestão... 25

SUMÁRIO. PARTE A - Fundamentos da Contabilidade Analítica e de Gestão... 25 SUMÁRIO PARTE A - Fundamentos da Contabilidade Analítica e de Gestão......... 25 Capítulo I - Âmbito e objectivos da Contabilidade Analítica e de Gestão...... 27 Capítulo II - Conceitos fundamentais da

Leia mais

TIPOS DE AVALIAÇÃO DE PROJECTOS

TIPOS DE AVALIAÇÃO DE PROJECTOS TIPOS DE AVALIAÇÃO DE PROJECTOS Ao olharmos só para uma árvore podemos ignorar a floresta OBJECTIVOS Distinguir e caracterizar cada um dos diferentes tipos de avaliação de projectos Enquadrar cada tipo

Leia mais

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano Contabilidade e Controlo de Gestão Ano letivo 2013/2014 Gustavo Dias 5.º Semestre Orçamento anual: instrumento de planeamento a curto prazo que permitirá à empresa quantificar os seus objectivos em termos

Leia mais

Formação em informática aplicada à agricultura

Formação em informática aplicada à agricultura www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura A G R O G E S T Ã O - M ó d u l o d e C o n t r o l o d e G e s t ã o 2 www.agrogestao.com 1 Material de apoio Cada

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura).

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura). NCRF 18 Inventários Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 2 - Inventários, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

A contabilidade de custos surgiu em meados do século XVIII, período em que ocorreu em Inglaterra, a revolução industrial.

A contabilidade de custos surgiu em meados do século XVIII, período em que ocorreu em Inglaterra, a revolução industrial. Método das Secções Homogéneas versus ABC Custeio Baseado em Actividades Activity-Based Costing ABM Gestão Baseado em Actividades Activity Activity-based management Novas Tendências da Contabilidade de

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO Projecto AGRO nº 5 IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO Boletim Informativo nº1 Beja, Agosto de 2002 Nesta Edição 1- Introdução 1- INTRODUÇÃO 2- Objectivos 3-

Leia mais

b) Considere a hipótese de se vir a produzir no Monte da Ribeira tomate para a indústria e suínos alentejanos nas zonas de utilização do

b) Considere a hipótese de se vir a produzir no Monte da Ribeira tomate para a indústria e suínos alentejanos nas zonas de utilização do BLOCO 8 ASSUNTOS: Plano de produção e orçamento global da empresa PROBLEMAS: PROBLEMA 1 a) Analise o Plano Actual de produção do Monte da Ribeira com base nos elementos fornecidos no quadro seguinte. Plano

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Análise de Investimentos com base em Orçamentos Anuais. Algumas Noções sobre os Resultados de Exploração.

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Análise de Investimentos com base em Orçamentos Anuais. Algumas Noções sobre os Resultados de Exploração. Análise de Projectos ESAPL / IPVC Análise de Investimentos com base em Orçamentos Anuais. Algumas Noções sobre os Resultados de Exploração. Orçamentos a Utilizar na Análise de Investimentos A avaliação

Leia mais

A classificação desta prova será publicada neste site

A classificação desta prova será publicada neste site Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade de Gestão Ano lectivo 20072008 Licenciatura em: Data: 20080215 Gestão (2º ano) Docentes: Francisco Antunes e Paulo Maçãs Duração: 3h 00 m *UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR*

Leia mais

Projecto AGROMOVEpme FORMAÇÃO-ACÇÃO

Projecto AGROMOVEpme FORMAÇÃO-ACÇÃO PÉS NA TERRA, OLHOS NO FUTURO. PÉS NA TERRA. OLHOS NO FUTURO. Formação no domínio de intervenção do Projecto (Apresentação Completa) Projecto AGROMOVEpme FORMAÇÃO-ACÇÃO 1 92 www.agrogestao.com Segundo

Leia mais

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas C O M P I L A Ç Ã O D E M A T E R I A I S Conteúdo programático Código das contas Meios Financeiros Líquidos Contas a receber e a pagar

Leia mais

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova Governo da Região Administrativa Especial de Macau Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Ano de 2014 (1.ª É poca) Prestação de provas para registo como auditor de contas 24 de Maio de 2014

Leia mais

Relatório Tipo Dezembro de 20XX

Relatório Tipo Dezembro de 20XX Relatório Tipo Dezembro de 20XX Alvim & Rocha Consultoria de Gestão, Lda. Tel.: 22 831 70 05; Fax: 22 833 12 34 Rua do Monte dos Burgos, 848 Email: mail@alvimrocha.com 4250-313 Porto www.alvimrocha.com

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº Duração de 1H30. Leia com atenção as seguinte instruções:

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº Duração de 1H30. Leia com atenção as seguinte instruções: Leia com atenção as seguinte instruções: As questões de múltipla escolha têm uma cotação de 0,1 cada. Caso queira alterar a sua resposta, risque a anterior e assinale a sua opção final com um círculo e

Leia mais

Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária

Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária Abril de 2008 Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária 1 Bashen Agro Um projecto Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária Parceria FZ AGROGESTÃO Consultoria em Meio Rural, Lda Av.

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA 1/22 INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA... 4 ESTRUTURA DE CUSTOS... 7 VALOR ACRESCENTADO BRUTO... 7 ANÁLISE DOS FLUXOS DE TESOURARIA... 9 ANÁLISE DOS

Leia mais

MEDIAKIT 2014 PERFIL DO LEITOR. Nível Hierárquico UMA SOLUÇÃO DE COMUNICAÇÃO INTEGRADA: Circulação Geográfica

MEDIAKIT 2014 PERFIL DO LEITOR. Nível Hierárquico UMA SOLUÇÃO DE COMUNICAÇÃO INTEGRADA: Circulação Geográfica MEDIAKIT 2014 PERFIL DO LEITOR SEXO: 73% dos leitores são homens e 27% são mulheres IDADE: O escalão etário mais significativo é dos 25 aos 44 anos com 59% UMA SOLUÇÃO DE COMUNICAÇÃO INTEGRADA: Publicação

Leia mais

Gestores Colaboradores com participação activa na Gestão da Farmácia Gestores e/ou Contabilistas - Conhecer ferramentas fundamentais para melhorar a Gestão da Farmácia; - Conhecer o peso Contabilístico/Fiscal

Leia mais

02-11-2010. Formador: Rui Carvalho. Carga horária 25 horas. Objectivo

02-11-2010. Formador: Rui Carvalho. Carga horária 25 horas. Objectivo Carga horária 25 horas Objectivo (s) Realização de apoio administrativo e logístico, ligada à função de aprovisionamento. Formador: Rui Carvalho Formador: Rui Carvalho 2 1. Ficheiros de armazém Códigos

Leia mais

Normas de Execução Financeira

Normas de Execução Financeira PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO 1. Âmbito do financiamento POCI e POS_C Normas de Execução Financeira 1.1. As verbas atribuídas destinam-se a financiar as despesas do

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

CONTABILIDADE ANALÍTICA

CONTABILIDADE ANALÍTICA CONTABILIDADE ANALÍTICA Capítulo Capítulo CONCEPÇÃO DO SISTEMA DE CONTABILIDADE DE GESTÃO A Contabilidade de Gestão, como instrumento essencial de apoio ao processo de tomada de decisão, deve contribuir

Leia mais

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se

Leia mais

Apontamentos de Contabilidade Nacional

Apontamentos de Contabilidade Nacional Apontamentos de Contabilidade Nacional Nuno Cancelo :: 31401 :: ISEL :: Semestre Verão :: Ano Lectivo 2009/2010 1/8 Índice Índices de Preços...3 Produto, Rendimento e Despesa...3 Produto...3 O Produto

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais

Freguesia de Tabuadelo e São Faustino. Concelho de Guimarães

Freguesia de Tabuadelo e São Faustino. Concelho de Guimarães Freguesia de Tabuadelo e São Faustino Concelho de Guimarães Relatório de Gerência de Contas e Relatório de Actividades Ano de 2013 Índice: Introdução:... 3 Analise Económica e Financeira... 5 Execução

Leia mais

Implementação/Regras do Integrador ENOGESTÃO / ERP

Implementação/Regras do Integrador ENOGESTÃO / ERP Implementação/Regras do Integrador ENOGESTÃO / ERP O objectivo central desta sincronização é a utilização por parte dos clientes das funcionalidades gerais dos seus ERP s, tal como: gestão documental,

Leia mais

CONTABILIDADE ANALÍTICA

CONTABILIDADE ANALÍTICA CONTABILIDADE ANALÍTICA Apresentação e Capítulo I I A ou ou Interna como Instrumento de de Gestão Apresentação Objectivos da disciplina Programa Metodologia / Método de Estudo Avaliação Bibliografia -2-

Leia mais

I - Introdução à Contabilidade de Gestão 1.5 REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS RECLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS

I - Introdução à Contabilidade de Gestão 1.5 REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS RECLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS I - Introdução à Contabilidade de Gestão 1.5 REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS RECLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS Custos Industriais e Custos Não Industriais Custos controláveis e não controláveis Custos

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I A natureza da empresa é determinante do tipo de inventários que a empresa possui Contabilidade Financeira I Contabilização de Inventários industriais Os inventários dividem-se em: Matérias-primas, que

Leia mais

GESTÃO. 6. A Informação Financeira. 6. A Informação financeira 1

GESTÃO. 6. A Informação Financeira. 6. A Informação financeira 1 GESTÃO 6. A Informação Financeira 6. A Informação financeira 1 Conteúdo Temático 1. A organização da informação financeira: o papel da Contabilidade; Introdução aos principais mapas e conceitos 2. O Balanço

Leia mais

Contabilidade Analítica I. Contabilidade Analítica I (teoria)

Contabilidade Analítica I. Contabilidade Analítica I (teoria) Contabilidade Analítica I (teoria) Capítulo I - Introdução Índice A empresa. A empresa industrial como modelo de estudo para a contabilidade analítica. O património das empresas comerciais e industriais

Leia mais

síntese da execução financeira em Novembro de 2007 QCA III

síntese da execução financeira em Novembro de 2007 QCA III 2007 síntese da execução financeira em Novembro de 2007 QCA III QCA III síntese da execução financeira em Novembro 2007 QCA III síntese da execução financeira em Novembro 2007 Comissão de Gestão do QCA

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Operações de Fim de Exercício Terminado o exercício contabilístico a empresa efectua diversos trabalhos ou operações de fim de exercício contabilístico. Contabilidade Financeira I Operações de Fim de Exercício

Leia mais

Circuito Económico e Contabilidade Nacional

Circuito Económico e Contabilidade Nacional Circuito Económico e Contabilidade Nacional Visão das actividades económicas em termos de circuito. Relacionamento dos agentes pelas operações: - relacionamento em termos de equilíbrio ou, - desequilíbrio.

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

Tecnologia vitícola, custo de produção de uvas e competitividade nos mercados de vinho

Tecnologia vitícola, custo de produção de uvas e competitividade nos mercados de vinho Tecnologia vitícola, custo de produção de uvas e competitividade nos mercados de vinho Miguel Sottomayor msottomayor@porto.ucp.pt Mª Socorro Rosário socorro@gpp.pt a)tecnologia, competitividade e decisões

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE GALVEIAS

JUNTA DE FREGUESIA DE GALVEIAS ACTA NÚMERO 10/2009 -------- ACTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DA JUNTA DE FREGUESIA DE GALVEIAS, REALIZADA NO DIA VINTE E SEIS DE MAIO DO ANO DE DOIS MIL E NOVE ------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO 6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO José Rafael Marques da Silva (1) e Luís Leopoldo Silva

Leia mais

Custos e benefícios. Custos a longo prazo tipos de custos contigência benefícios e teste de benefícios avaliação de investimentos

Custos e benefícios. Custos a longo prazo tipos de custos contigência benefícios e teste de benefícios avaliação de investimentos Custos e benefícios Custos a longo prazo tipos de custos contigência benefícios e teste de benefícios avaliação de investimentos Os verdadeiros custos da informação são raramente estudados....para fazer

Leia mais

7776 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015

7776 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7776 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 NCP 27 Contabilidade de Gestão 1 Objetivo 1 O objetivo desta Norma é estabelecer a base para o desenvolvimento de um sistema de contabilidade

Leia mais

Nota 2014-07-22. Enquadramento

Nota 2014-07-22. Enquadramento Nota Reg (CE) 1407/2013 da Comissão, de 18 de dezembro, relativo à aplicação dos artigos 107º. e 108º. do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia aos auxílios de minimis Conceito de empresa única

Leia mais

8.2.1 Disposições do POCAL derrogadas e seus efeitos no Balanço e Demonstração de Resultados

8.2.1 Disposições do POCAL derrogadas e seus efeitos no Balanço e Demonstração de Resultados 8.2 O Balanço e a Demonstração de Resultados encontram-se elaborados de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL) e demais legislação

Leia mais

Ordenamento do Espaço Rural

Ordenamento do Espaço Rural Ordenamento do Espaço Rural Ano lectivo 2005/2006 Aula Prática nº5 (Cap2.) Código do IMI Ordenamento do Espaço Rural 1 Capítulo 2 Modelos avaliação território 2.5 O valor tributável da terra O valor da

Leia mais

DNP Documento Normativo Português TS

DNP Documento Normativo Português TS Documento Normativo Português TS Especificação Técnica DNP Determinação do valor da incorporação nacional em serviços Détermination de la valeur de l incorporation nationale dans des services Determination

Leia mais

FRANCISCO RAMOS LOPES GOMES DA SILVA CURRICULUM VITAE

FRANCISCO RAMOS LOPES GOMES DA SILVA CURRICULUM VITAE FRANCISCO RAMOS LOPES GOMES DA SILVA CURRICULUM VITAE Lisboa, 2008 1.Dados Pessoais Nome: Francisco Ramos Lopes Gomes da Silva Nascimento: 29 de Novembro de 1963 em Lisboa Nacionalidade: Português Estado

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Data: 8 de Janeiro de 2008 Cristina Neto de Carvalho Duração: 2 horas Sofia Pereira 2ª Frequência Responda a cada grupo em folha separada A Ibersol tem como

Leia mais

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Creixomil- Guimarães

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Creixomil- Guimarães Página 1 de 7 Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Creixomil- Guimarães CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Âmbito de aplicação 1 - O presente Regulamento estabelece

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 1ª Frequência

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 1ª Frequência CONTABILIDADE FINANCEIRA II Data: 31 de Março de 2008 Duração: 2 horas e 30 minutos 1ª Frequência Responda a cada grupo em folhas separadas Grupo I (35 minutos - 4,5 valores) Na sociedade Turismo & Aventura,

Leia mais

circular ifdr Orientações para o preenchimento do formulário de declaração de despesa SÍNTESE ÍNDICE

circular ifdr Orientações para o preenchimento do formulário de declaração de despesa SÍNTESE ÍNDICE N.º 07/2009 Versão n.º 01.0 Data de aprovação: 2009/11/04 Orientações para o preenchimento do formulário de declaração de despesa Elaborada por: Unidade de Coordenação da Gestão Operacional SÍNTESE A presente

Leia mais

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Polvoreira CAPITULO I PRINCIPIOS GERAIS. Art.º 1º.

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Polvoreira CAPITULO I PRINCIPIOS GERAIS. Art.º 1º. 1 Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Polvoreira CAPITULO I PRINCIPIOS GERAIS Art.º 1º. Lei habilitante O presente regulamento é elaborado no uso das competências

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

1. Funções do gestor financeiro

1. Funções do gestor financeiro 1. Funções do gestor financeiro Depois de termos identificado as principais funções do Gestor em sentido amplo, vamo-nos agora restringir às funções do Gestor Financeiro. Uma abordagem possível é centrarmo-nos

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre. 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre. 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos Contabilidade Financeira Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos 3º TESTE INTERMÉDIO NOME: NÚMERO: Atenção

Leia mais

PHC Consolidacão. Execute de uma forma simples e eficaz a consolidação contabilística de grupos de empresas

PHC Consolidacão. Execute de uma forma simples e eficaz a consolidação contabilística de grupos de empresas PHCConsolidacão DESCRITIVO O módulo PHC Consolidação foi desenhado para executar a consolidacão contabilística, no que diz respeito à integração de contas e respectivos ajustamentos de consolidação. PHC

Leia mais

PHC Letras CS BUSINESS AT SPEED

PHC Letras CS BUSINESS AT SPEED PHC Letras CS A gestão de todas as tarefas relacionadas com Títulos de Dívida A execução de todos os movimentos com títulos de dívida a receber ou a pagar e o controle total da situação por Cliente ou

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais