INSTRUMENTOS DE CONTROLADORIA APLICADOS ÀS PEQUENAS EMPRESAS: ESTUDO EM EMPRESA DA ÁREA TEXTIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTRUMENTOS DE CONTROLADORIA APLICADOS ÀS PEQUENAS EMPRESAS: ESTUDO EM EMPRESA DA ÁREA TEXTIL"

Transcrição

1 INSTRUMENTOS DE CONTROLADORIA APLICADOS ÀS PEQUENAS EMPRESAS: INTRODUÇÃO ESTUDO EM EMPRESA DA ÁREA TEXTIL Welliton Felipe Alves Miranda, (G), UNESPAR/FECILCAM, Isielli Barzotto Tierling, (OR), UNESPAR/FECILCAM, Dentre as diversas atribuições da ciência contábil, se faz presente a controladoria, uma ferramenta ao desenvolvimento das entidades empresariais. A controladoria é apresentada como uma ferramenta contábil de grande utilidade ao desdobramento empresarial. Onde tem por objetivo o estudo e prática das funções de planejamento, controle, registro e divulgação dos fenômenos da administração econômica e financeira da empresa (MONTEIRO; BARBOSA, 2011). As ferramentas da controladoria podem e devem ser aplicada a todas as empresas, independente do seu porte, visto que seus benefícios são diversos. Tanto as grandes, quanto as médias e pequenas empresas podem utilizar deste serviço visando à melhora nos seus resultados. Vieira (2007) afirma que as microempresas e empresas de pequeno porte são as grandes responsáveis pelo desenvolvimento econômico brasileiro, de forma a contribuir para a promoção de empregos e renda, tornando favoráveis as condições de vida da população. Diante a competitividade existente no mercado, em que, no geral microempresas e empresa de pequeno porte possuem maior dificuldade competitiva e considerando que essas organizações são de grande importância à desenvoltura econômica do país, a presente pesquisa apresenta fatores que venham a potencializar o desenvolvimento de pequenas empresas. Perante esse contexto, o trabalho define elementos da controladoria que podem contribuir para a continuidade e estabilização das pequenas empresas, entre eles estão o sistema de informações, utilizado para elaboração de relatórios essenciais na tomada de decisões; o controle interno, responsável por manter em ordem o andamento da empresa; o orçamento, capaz de elaborar dados futuros através de informações utilizadas no presente e a formação de preço de venda, com foco na redução do preço a tornar o produto competitivo. Uma vez que a valorização da classe contábil tem se expressado em todo o mundo nos últimos tempos, onde o profissional que era avaliado apenas como capaz de responder ao fisco, torna-se hoje ferramenta preciosa na estruturação das organizações. Sendo assim, a pesquisa possui o seguinte problema: Quais são os instrumentos/ferramentas da controladoria que a microempresa foco de estudo, situada na cidade de Peabiru já utiliza e quais possíveis implementações para que a mesma aprimore sua desenvoltura no mercado? Desta forma, o objetivo geral desta pesquisa é Identificar quais são as ferramentas da controladoria já utilizadas pela empresa foco de estudo e verificar possível implementação das

2 mesmas. Mais especificamente busca-se identificar quais são as ferramentas da controladoria/controles utilizados pela empresa, analisar possíveis melhorias nas ferramentas de planejamento e controle da empresa e apresentar aos gestores da empresa, caso haja, as possíveis melhorias a serem realizadas em seus sistemas de controle. Também é colocada em pauta a conscientização do empreendedor sobre a significância da ciência contábil, assim como, a conduta do profissional contábil, agente responsável pelo desenvolvimento da controladoria, com foco na estruturação econômica da empresa e valorização da ciência contábil. Para a execução de todo e qualquer trabalho de pesquisa, faz-se necessário a apresentação de uma justificativa para que a mesma se realize. Em primeira instância é possível atribuir a justificativa da pesquisa a admissível melhora no desempenho em que a empresa foco poderá obter. Destarte, melhor planejamento, redução em gastos operacionais e conseqüentemente a redução do preço de venda, onde terá influência direta a sua competitividade no mercado. Assim como a provável utilização da pesquisa por outras instituições para que as mesmas, reflitam sobre suas ferramentas de controle. REFERENCIAL TEÓRICO Microempresas e Empresas de Pequeno Porte As Microempresas e Empresas de Pequeno Porte são estabelecidas através do Art. 3º da lei complementar 123/06, que em 2011 sofreu alterações pela lei complementar 139/11. Vieira (2007) afirma que as microempresas e empresas de pequeno porte são as grandes responsáveis pelo desenvolvimento econômico brasileiro, de forma a contribuir para a promoção de empregos e renda, tornando favoráveis as condições de vida da população. É notória a importância das micro e pequenas empresas para o desenvolvimento econômico. Pesquisadores apontam uma queda no índice de mortalidade das ME e EPP, porém o mesmo ainda é representativo. Especialistas atribuem esses números à ausência do plano de negócio, quando da abertura e início de atividades da empresa, e posteriormente é notável a deficiência de controles, planejamento, sistema de informação entre outros fatores pertinentes a controladoria. Com base nessas informações, nota-se que à ausência das ferramentas da controlaria pode estar relacionadas com fatores como: a insuficiência de conhecimentos dos administradores/gestores, a carência de conscientização sobre a importância da ciência contábil, ou até mesmo por omissão dos escritórios de contabilidade, uma vez, que os mesmo são maiores responsáveis pelo suporte contábil às empresas.

3 Controladoria Dentre as diversas atribuições da ciência contábil se faz presente a controladoria, uma ferramenta ao desenvolvimento das entidades empresariais. Com início do século XX a controladoria surge nos Estados Unidos, derivado do crescimento empresarial, como uma ferramenta às organizações. Segundo Padoveze apud Mosimann (2012, p.3) a controladoria pode ser conceituada como: O conjunto de princípios, procedimentos e métodos oriundos das ciências da administração, Economia, Psicologia, Estatística e principalmente a contabilidade, que se ocupa da gestão econômica das empresas, com fim de orientá-las para a eficácia. Portanto, a controladoria é apresentada como uma ferramenta contábil de grande utilidade ao desdobramento empresarial. Onde tem por objetivo o estudo e prática das funções de planejamento, controle, registro e divulgação dos fenômenos da administração econômica e financeira da empresa (MONTEIRO; BARBOSA, 2011). O profissional responsável pela execução da controladoria é denominado como controller, onde suas responsabilidades variam de empresa para empresa. O controller é responsável por zelar ao desenvolvimento da organização idealizando projetos futuros através do planejamento e controle. Portanto, é visível a necessidade do profissional capaz de exercer os procedimentos e medidas presentes na controladoria. Em geral essa função é encontrada apenas em organizações de grande porte e possui um custo elevado, porém, é possível a aplicação em pequenas empresas, onde será necessária a conscientização do empreendedor e a capacitação de profissionais da área contábil que prestam serviços a pequenas empresas. Assim sendo, verificado as definições de alguns autores a respeito da controladoria é possível assimilar sua significância. A Controladoria apresenta em sua estrutura diversas ferramentas, porém, será enfatizado quatro das ferramentas da controladoria, sendo: Sistema de Informação, Controle interno, Orçamentos e Formação de Preço de Venda. Sistema de Informação A informação é utensílio necessário nos diversos níveis da organização para direção dos negócios e as realizações das metas e objetivos traçados. Segundo Queiroz (2009), com um sistema de informação eficiente é possível ter um melhor gerenciamento dos planos e metas estabelecidas pela empresa.

4 O sistema de informação é uma ferramenta designada para a coleta de dados, sendo esses organizados, processados e transformados em relatórios capazes de a auxiliarem a gestão no processo de decisão. Padoveze (2012, p.45) define sistema de informação como: Um conjunto de recursos humanos, materiais, tecnológicos e financeiros agregados segundo uma seqüência lógica para o processamento dos dados e tradução das informações, para com seu produto, permitir às organizações o cumprimento de seus objetivos principais. É a partir dos relatórios que as decisões são realizadas, logo, a veracidade das informações é essencial. A utilização da informação torna-se uma vantagem competitiva, pois aumentam a capacidade de acerto dos administradores, tornando seu desenvolvimento mais intenso. Imagem 01 Atividades do Processo de Informação. Fonte: OLIVEIRA et al, 2011, p.51. Estabelecido o papel do sistema de informação, é necessário a auto-avaliação inerente quanto a eficácia do mesmo, onde Oliveira et al (2011, p.57) defende que: O atual estágio de desenvolvimento das entidades conduz à necessidade de adaptações e modificações nos sistemas de informação, especialmente naqueles voltados para o planejamento e controle. Tão Importante quanto utilizar adequadamente tais instrumentos é conhecer os aspectos inerentes a sua concepção, implantando operações e manutenção. As informações devem ser concebidas e comunicadas com base em princípios, procedimentos e orientações estabelecidos no modelo de gestão da empresa. Portanto verifica-se a importância do sistema de informação, onde os relatórios funcionam como um mecanismo de feedback, a fim de proporcionar maior agilidade, redução de gastos, oportunidades de novos negócios, assim, aprimorando resultados e tornando-se mais competitivo. Controle Interno O controle interno compreende medidas e artifícios capazes de atentar ao patrimônio da organização, assim como, os procedimentos administrativos ou contábil, designados a fazer com que na organização os colaboradores respeitem as normas e medidas traçadas pela administração, que o patrimônio tenha sua integridade protegida e que as operações contábeis sejam registradas

5 fidedignamente nas demonstrações financeiras. Pereira apud Franco e Marra (2008) entende o controle interno como: Todos os instrumentos da organização destinados à vigilância, fiscalização e verificação administrativa, que permitem prever, observar, dirigir ou governar os acontecimentos que se verificam dentro da empresa e que produzem reflexos em seu patrimônio. Nesse enfoque, controles internos são capazes de amparar a administração a garantir o alcance de seus objetivos. É significativo o seu valor no processo de gestão, operando como ferramenta gerencial aos gestores e servindo como instrumento de informação para as tomadas de decisões. Para Oliveira et al (2011, p.71): Os sistemas contábeis e de controles internos é o conjunto de procedimentos que, integrados ao fluxo operacional da empresa, visa detectar e prevenir desvios erros e irregularidades, intencionais ou não que possam: Afetar negativamente o desempenho da entidade; Ocasionar impactos em sua lucratividade e/ou estrutura financeira; bem como Resultar em reflexos significativos em suas demonstrações contábeis para o usuário interno ou externo, relatórios gerenciais e demais análises e demonstrativos operacionais financeiros. Também é imprescindível a interação dos controles internos com a auditoria interna, onde apesar de serem ferramentas distintas, ambas se completam. Portanto é necessário o entendimento quanto suas diferenças, conforme apresentado abaixo: Quadro 01 Diferença entre Controle Interno e Auditoria Interna Controle Interno Auditoria Interna O controle interno é um departamento responsável por definir procedimentos e medidas para evitar falhas de ordem operacional, acompanhar a execução das atividades em caráter opinativo, preventivo ou corretivo, buscando evitar erros de ordem intencional ou não, protegendo assim a fidelidade das informações geradas, garantindo segurança de forma a fornecer subsídios aos gestores quanto à tomada de decisão. A auditoria por sua vez, faz a revisão, avaliação e acompanhamento dos controles internos, verificando o melhor cumprimento das políticas traçadas pela administração e se estão sendo cumpridas as normas fundamentadas em lei para cada atividade. Fonte: Adaptado de Queiroz (2009).

6 Portanto o grau de credibilidade dos controles internos é fundamental para a realização do trabalho do auditor interno, de forma que, da segurança que nele obtiver será definido enfoque, intensidade e caráter da auditoria a ser desempenhada. Por arremate, Oliveira et al (2011, p. 72) ainda trata que um sistema de contabilidade que não esteja apoiado em um controle interno eficiente, pode ser considerado, até certo ponto, como inútil visto que não é possível confiar em seus relatórios. Portanto, quando os relatórios contábeis não são confiáveis, a finalidade da contabilidade não pode ser alcançada. Orçamento Ora abordado os temas Sistema de Informação e Controle Interno, faz-se, necessário a apresentação do orçamento. Uma ferramenta abastada, o orçamento é analisado como uma expectativa sobre um futuro, através de relatórios e dados do passado e do presente. Padoveze (2012, p.199) define orçar como: Orçar significa processar todos os dados constantes do sistema de informação contábil de hoje, introduzindo os dados previstos para o próximo exercício, considerando as alterações já definidas para o próximo exercício. Portanto, o orçamento não deixa de ser uma pura repetição dos relatórios gerenciais atuais, só que com os dados previstos. A realização do orçamento é necessária quando da definição de metas a serem alcançadas, e das atribuições de tarefas aos departamentos. O orçamento será sempre benéfico como ferramenta de controle, indiferente de sua dimensão e suas incertezas. Dessa forma Oliveira et al (2011, p.245) elenca algumas vantagens em relação a utilização do orçamento, sendo: Formaliza as responsabilidades pelo planejamento, obrigando os administradores a pensar à frente e encorajando o estabelecimento de objetivos de lucros; Estabelece expectativas definidas, o que torna a melhor base de avaliação do desempenho posterior; Auxilia os administradores a coordenar seus esforços, de forma que os objetivos da organização em sua totalidade se harmonizem com os objetivos de suas partes, permitindo a integração das atividades, departamentos e funções dentro da empresa; Formaliza um instrumento de comunicação. Cada funcionário deve observar como suas atividades contribuem para as metas internas diárias e para o objetivo global da empresa.

7 Dota a organização de um instrumento de controle operacional, permitindo a comparação dos resultados alcançados com as metas preestabelecidas. A variação entre o desempenho real e o orçado é analisada para se determinar a necessidade de ação corretivas que permitam o cumprimento das metas previstas ou a revisão do plano em razão de alterações substanciais nas hipóteses de trabalho. O plano orçamentário quando aplicado pode ser segregado em diversas peças orçamentárias, como o Orçamento de Vendas, Orçamento de Materiais e Estoques, Orçamento de Caixa, Orçamento de Mão-de-Obra e Orçamento de Despesas Operacionais. O orçamento de vendas esta relacionado diretamente com o planejamento financeiro da organização, que em sua essência visa prever/estimar quantidade de produtos que serão vendidos em determinado período. Bonfim apud Zdanowicz (2006, p.25) conceitua orçamento de vendas como sendo o instrumento que relacionará os produtos e/ou serviços a serem vendidos pela empresa, em vários segmentos mercadológicos, em unidades físicas e monetárias, no período projetado. O orçamento de materiais é derivado dos gastos apurados pelos produtos que foram vendidos e a necessidade de funcionamento das vendas, ou seja, está relacionada ao custo dos materiais a serem comprados ou industrializados, destarte, orçamento de materiais e estoque está diretamente atrelado ao orçamento de vendas. O orçamento de mão de obra direta detalha quantidade de horas necessárias para formação do produto, e conseqüentemente a quantidade de trabalhadores, a partir de então é possível a formação dos custos com pessoal inerentes a elaboração dos produtos. O orçamento de despesas operacionais abrange todos os gastos, exceto àqueles ligados aos custos de produção. Portanto engloba as despesas administrativas, despesas comerciais e despesas com financiamento e empréstimos. O orçamento de caixa é atributo valioso ao gestor, sendo grande responsável pelo desenvolvimento financeiro da organização. É capaz de realizar interação entre as entradas e saídas de recursos financeiros, mantendo assim o equilíbrio financeiro. Bonfim apud Braga (2006, p.28) descreve que o orçamento de caixa evidencia, mês a mês, as provisões para recebimentos e pagamentos detalhados por natureza e os déficits e superávits decorrentes. Formação de Preço de Venda Por conseguinte é necessário emprego da formação de preço de venda, ferramenta capaz de elaborar valor ao produto consumido no mercado. Em geral esse instrumento é pouco utilizado pelas micro e pequenas empresas, onde empregam outras estratégias para a formação do preço de venda como objetivo de se manterem competitivos. Cogan (1999, p.127) elenca alguns fatores que são utilizados:

8 Igualando a Estratégia da Competição É definido quando gestores decidem acompanhar preços iguais ao de mercado. Essa é uma opção muito escolhida até mesmo para evitar a competição dos preços. Cotar por Baixo do Preço da Competição É quando a instituição estipula preços inferiores aos praticados pelos concorrentes, a fim de obter elevado volume de vendas, e assim evitar prejuízos. Líderes de Preços e Seguidores Ocorre onde organizações com público altivo e capacidade de produção determinam o nível de preço, e as organizações mais fracas irão acompanhá-los. Preço de Penetração É utilizado quando a instituição define preço baixo para a introdução do produto no mercado, e a lógica envolvida é que após a fidelização dos clientes o preço poderá ser elevado sem perda de público. Utiliza-se quando a demanda é compassivo ao preço. Preço Predatório Onde os preços são estabelecidos por tradição a tendem a permanecer constantes por determinado período no tempo (cafezinho, jornal etc). Apesar dos fatores apresentados serem válidos, o coerente a realizar é elaborar o preço através de analise especifica, destarte, evitando danos financeiros. Um método adotado para o cálculo do preço de venda é o Markup, Cogan (1999, p.133) o define como: Um índice aplicado sobre o custo de um bem ou serviço para a formação do preço de venda. Esse índice é tal que cobre os impostos e as taxas aplicadas sobre as vendas, as despesas administrativas fixas, as despesas de vendas fixas, os custos indiretos fixos de fabricação e o lucro. Portanto, conforme abordado no exemplo acima se percebe que a utilização do markup é de grande valia, onde seu fator possibilita ao controller apurar/mensurar de forma minuciosa o devido valor ao produto, a fim de evitar possíveis prejuízos que venham a prejudicar a organização. A partir do controle de custos, o preço de venda será melhor elaborado e os resultados apurados, possivelmente positivos, possibilitarão melhor competitividade para a empresa. METODOLOGIA O presente trabalho caracteriza-se por um estudo caso de natureza qualitativa. Segundo Marconi; Lakatos (2007, p. 274) o objetivos da pesquisa de estudo de caso são: O Estudo de Caso refere-se ao levantamento com mais profundidade de determinado caso ou grupo humano sob todos seus aspectos. Entretanto, é limitado, pois se restringe ao caso que estuda, ou seja, um único caso, não podendo ser generalizado.

9 Caracteriza-se também como uma pesquisa diagnóstico, uma vez que, será analisado, diagnosticado e posteriormente apresentado os resultados aos gestores. A pesquisa possui natureza qualitativa, pois visa proporcionar melhores condições a empresa. Conforme Neves apud Maanen (1996) a pesquisa qualitativa tem por objetivo traduzir e expressar o sentido dos fenômenos do mundo social; trata-se em reduzir a distância entre indicador e indicado. Para apreensão dos dados necessários ao desenvolvimento da pesquisa, o instrumento utilizado será um questionário, elaborado pelo próprio pesquisador, contendo perguntas fechadas e também a análise documental. Para realizar a análise de dados, os dados coletados através do questionário serão transpostos a planilhas do aplicativo Excel, com objetivo de evidenciar o grau de conhecimento dos gestores da empresa em relação às ferramentas da controladoria, e sua utilização dentro da organização. DISCUSSÕES E ANÁLISES As dificuldades em que a pequena empresa possui para implantar ferramentas que venham a aprimorar sua desenvoltura são perceptíveis, destarte, com a aplicação do questionário este conceito se concretiza, onde a aplicação de ferramentas contábeis é mínima e o suporte contábil é praticamente inexistente ou nulo. A empresa se encontra com período de vida superior a considerada por estudiosos como de Alto Risco que está entre zero a cinco anos, sendo o risco de falência de micro e pequenas empresas expressivo, porém é impossível afirmar a extinção dos riscos e a possibilidade de estabilização. O sistema de informação ferramenta significante quanto aos acertos inerentes às decisões realizadas pela gestão não é utilizado de forma a eficaz e eficiente, onde são realizados apenas controles básicos que por sua vez não são transpostos a relatórios complementares a gestão empresarial. Assim sendo, as informações geradas não possuem nenhum método que as amarrem e/ou as vinculem, logo, é possível afirmar a probabilidade de falhas não sendo admissível assegurar a veracidade das informações aumentando assim sua vulnerabilidade. Quando colocado em pauta a relação custo benefício da expansão do sistema de informação, a fim de que o mesmo venha ofertar suporte as decisões e conseqüentemente evitar possíveis falhas, a gestão confia que não é possível assegurar resultados positivos. Percebe-se que a visão negativa da gestão está relacionada ao alto custo, essa circunstância decorre da ausência de informação relacionada à aplicação de ferramentas da contabilidade. De forma simples é realizado controles básicos, porém o responsável pela a inserção é o mesmo em que realiza a conferência, essa prática não é indicada de acordo com o método utilizado

10 pelo controle interno, tornando-se eminente a possibilidade de erros, fraudes e desvios, sejam intencionais ou não. Em relação às vendas, são realizadas com recebimentos em cheques e/ou duplicatas, sendo aplicado controle de maneira que não venha afetar seu capital de giro. Contudo a organização realiza descontos com freqüência, situação merece atenção especial, afim de não prejudicar e fluxo financeiro, lucro desejado e também de modo que não seja capaz de afetar os compromissos já assumidos. O artifício utilizado para a produção, onde ocorre de acordo com as encomendas pode ser observado diante duas faces, como não há estoque o índice de perdas é praticamente irrelevante, contudo, deve haver uma reserva/provisão de maneira que se ocorrer uma alta de preço da matéria prima não prejudique a produção. É necessário reafirmarmos a importância dos controles, sendo que através deles ocorre as realizações do que foi planejado. Segundo Borinelli apud Peleias et al (2006, p.160): O controle é a etapa do processo de gestão, contínua e recorrente, que avalia o grau de aderência entre os planos e sua execução; analisa os desvios ocorridos, procurando identificar suas causas, sejam elas internas ou externas; direciona as ações corretivas, observando a ocorrência de variáveis no cenário futuro, visando alcançar os objetivos propostos. Portanto, é notável que a realização do que fora planejado é responsabilidade da gestão através dos métodos e procedimentos utilizados nos controles. Outra questão a ser observada é quanto à ausência de sistema de controle de qualidade, diante a concorrência no mercado seria necessário possuir um sistema de controle de qualidade objetivando ofertar uma melhor qualificação nos produtos oferecidos. A deficiência de cursos de capacitação e aperfeiçoamentos para os funcionários são uma realidade da empresa, é necessário investimento em capacitação de colaboradores para os mesmo estejam aptos a realizar sua função de forma eficiente e eficaz de modo a alavancar a produção. As informações são disponibilizadas apenas quando solicitadas pode ser prejudicial a saúde da empresa, as informações devem ser repassadas a quem de direito de acordo com a necessidade para que a tomada de decisão possa ser assertiva, destarte, evitando falhas indesejáveis. Uma questão que deve apresentar um zelo particular é a não realização de provisões de gastos e/ou compromissos assumidos, ferramenta indispensável para manter o controle das obrigações da instituição, para que futuramente não venha a prejudicar a saúde financeira da empresa. Percebe-se que fatores inerentes ao controle interno são minimamente utilizados podendo prejudicar o desenvolvimento da empresa, devido a vulnerabilidade em que se apresenta diante dos processos.

11 Borinelli apud Antunes et al (2006, p.174) ressalta que: O controle interno compreende o plano de organização e conjunto coordenado dos métodos e medidas adotados pela empresa, para proteger seu patrimônio, verificar a exatidão e a fidedignidade de seu dados contábeis, promover a eficiência operacional e encorajar a obediência às diretrizes/políticas traçadas pela administração da companhia. Apesar das diversas lacunas inerentes ao controle interno a gestão confia que implementações nas ferramentas de controle possam promover melhorias a gestão empresarial. Sobre a ferramenta orçamento, percebe-se utilização mesmo que de forma não regular, porém com mais freqüência que as demais. A gestão afirma que elabora o orçamento empresarial, ou seja, elaboração de estimativas futuras através de dados passados e presentes. Para Bomfim (2006, p.22), o orçamento deve ser tratado como: Uma meta real a ser objetiva pela empresa, e não, simplesmente, um cenário montado. Além disso, o orçamento deve programar as atividades a serem desenvolvidas na empresa para alcançar os objetivos almejados. São necessários controles eficientes ao longo do plano de ação para auxiliar os administradores a visualizarem a situação atual da empresa em relação ao anteriormente planejado. A gestão afirma que são realizadas projeções de vendas para o ano subseqüente em quantidades de mercadorias, procedimento do orçamento de vendas, porém não é realizado um plano de ação de modo a contagiar toda a equipe para alcançar os resultados planejados. O orçamento de materiais para estoque/matéria-prima não realizado de forma correta, onde devem ser inseridos todos os gastos inerentes a formação do estoque, porém apenas são realizadas cotações para adquirir matéria-prima a um preço mais acessível. Conforme prestado pelo gestor são realizados controles da quantidade de horas trabalhadas, assim como, a quantidade de horas necessárias para elaboração do produto, porém, não é formado o custo total do produto, e conseqüentemente não é utilizado na formação de preço do produto. É utilizado o orçamento de despesas operacionais, sendo realizado controle das despesas financeiras, administrativa e comerciais, essas rateadas para a produção geral, tal procedimento se enquadra nas características do orçamento de despesas operacionais. Através de uma planilha são observadas as movimentações de entradas e saídas de caixa diariamente, porém não são utilizadas como referência para captação de recursos como, por exemplo, empréstimos. A empresa mantém controle dos valores que foram orçados e os incorrido, essa prática permite que a gestão avalie a variações de gastos evitando alterações bruscas do preço do produto.

12 Para efeitos de formação de preço de venda são avaliado as interações de oferta e demanda, porém os métodos utilizados não são os mais indicados, basicamente a empresa utiliza-se de dois métodos: igualando seu preço ao do mercado e em alguma situações utilizam o preço de penetração, esses métodos são utilizados na grande maioria das micros e pequenas empresas devido a ausência de controles e gastos para a formação de custo do produto, contudo não o indicado a realizar, pois, quando a empresa iguala seu preço ao do mercado, não sabido se a concorrência obteve descontos de matéria-prima, se a mão-de-obra é mais barata, e seu custos fixo é menor formando assim um produto mais em conta, se igualado o preço a conseqüência será prejuízos que levará a organização à uma carência financeira, podendo, ocasionar até mesmo a falência. No método do preço de penetração a organização inclui no mercado um produto com preço inferior aguardando a fidelização do cliente, uma vez que não possa ocorrer, logo, obterá novos prejuízos. O processo indicado para a formação de preço de venda é denominada como Markup, ferramenta capaz de elaborar o preço condizente com a realidade do produto, sendo inseridos todos os gatos inerentes a ele e também margem de lucro desejada. Analisada diversas irregularidades na utilização das ferramentas da contabilidade, porém, quando questionado sobre a atuação do profissional contábil responsável em prestar serviços contábeis e disponibilizar suporte contábil, as respostas foram negativas, sendo constatado que o responsável não realiza nenhum serviço de assessoria ou suporte a organização. Portanto, algumas hipóteses são colocadas em pauta para explicar essa deficiência, seria a baixa remuneração nos honorários, a quantidade de empresa, a ausência de profissionais capacitados em atender as necessidades ou até mesmo desinteresse. Contudo esses fatores não justificam essa omissão, o contador é responsável pela saúde financeira da organização. Os serviços adicionais de assessoria podem ser cobrados, porém devem ser ofertados apontando sua capacidade e aprimorar o desenvolvimento da organização. CONSIDERAÇÕES FINAIS Observa-se que as microempresas e empresas de pequeno porte possuem certa dificuldade em se manter de forma competitiva no mercado, onde concorrem de forma disparataria com empresas já estabilizadas, sendo que estas possuem vantagens, como por exemplo, em relação às compras obtendo descontos em função de quantidades e também a fidelização de clientes. Porém as ferramentas da controladoria tem se apresentado como instrumento de apoio para essas organizações. Diante dos pontos apresentados é notória a relevância do tema controladoria, onde apesar de ser pouco utilizada pela classe das pequenas empresas, sua destreza é essencial.

13 É necessário enfatizar os avanços realizados pela área contábil, onde, não possui apenas a função de atender a fisco, mas apresenta ferramentas capazes realizar suporte necessário a saúde e continuidade das empresas. É importante destacar que os gestores devem se conscientizar da importância da contabilidade e suas ferramentas, buscando obter conhecimento para aplicação dos seus conceitos. Contudo os escritórios de contabilidade também deveriam dedicar maior atenção as microempresas e pequenas empresas, capacitando seus funcionários, a fim de oferecer um suporte aos mesmos e assim tornando seus próprios controllers. Portanto concluímos que a controladoria apresenta alguns instrumentos que quando colocados em funcionamento, podem refletir significantemente na permanência da empresa no mercado, tornando favorável a realização de suas metas e objetivos. REFERÊNCIAS BOMFIM, Douglas Paveck. Desenvolvimento de um orçamento de caixa para uma microempresa de confecção. Porto Alegre, Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/24400/ pdf?sequence=1 >. Acesso em 18 de Maio de BORINELLI, Márcio Luiz. Estrutura Conceitual Básica de Controladoria: sistematização à luz da teoria e da práxis. São Paulo, Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12136/tde /pt-br.php>. Acesso em 25 de Junho de BRASIL, Lei n. 123, de 14 de dezembro de Normas Gerais Dispensados às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. COGAN, Samuel. Custos e Preços: Formação e Análise. São Paulo: Pioneira, MONTEIRO, José Morais; Barbosa, Jenny Dantas. Controladoria Empresarial: Gestão Econômica para as Micro e Pequenas Empresas. São Paulo, Disponível em: <http://www.faccamp.br/ojs/index.php/rmpe/article/view/194>. Acessado em 02 de abril de MARKONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de Metodologia Científica. 5. Ed. São Paulo: Atlas, NEVES, José Luis. Pesquisa Qualitativa Características, Usos e Possibilidades. São Paulo, Disponível em: <http://www.ead.fea.usp.br/cad-pesq/arquivos/c03-art06.pdf>. Acessado em 09 de abril de OLIVEIRA, Luís Martins; JUNIOR, José H. Peres; SILVA, Carlos A. dos Santos. Controladoria Estratégica. 8. Ed. São Paulo: Atlas, PADOVEZE, Clóvis Luís. Controladoria Estratégica e Operacional. 3. ed. São Paulo: Rev. e Atual, 2012.

14 PEREIRA, Antônio Nunes. A importância do Controle Interno para Gestão de Empresas. São Paulo, Disponível em: <http://www.atena.org.br/revista/ojs /index.php/pensarcontabil/article/viewfile/68/68>. Acessado em 16 de abril de QUEIROZ, Edna C. Miranda. Controle Interno e Auditoria Interna como Instrumento de Apoio para Gestão de Empresas. Goiânia, Disponivel em: <http://www.cpgls.ucg.br/arquivosupload/1/file/cpgls/iv%20mostra/negcio/controle%20in terno%20e%20auditoria%20interna%20como%20instrumento%20de%20apoio%20para%20gesto.pdf >. Acessado em 23 de maio de VIEIRA, Valter Afonso. As Tipologias, Variações e Características da Pesquisa de Marketing. Revista FAE, Disponível em: <http://www.mouraconsultoria.com.br/artigo/tipologia...pdf>. Acessado em 09 de abril de VIEIRA, Maria Lédio. A contribuição das Microempresa e Pequenas empresas para a redução da Pobreza no Brasil. Fortaleza, Disponível em: <http://www.biblioteca.sebrae.com.br/bds/bds.nsf/bbee7f73fbc19a6e dfb24/$file/ NT A.pdf>. Acessado em 09 de abril de 2013.

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação

7º Simpósio de Ensino de Graduação ORÇAMENTO 7º Simpósio de Ensino de Graduação Autor(es) MARIANA HEREMAN Orientador(es) ELAINE DIAS 1. Introdução As empresas estão buscando sempre atingir seus objetivos por meio de um bom planejamento

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA GERENCIAL NA GESTÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA GERENCIAL NA GESTÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA GERENCIAL NA GESTÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS José Claudio de Santana Junior RESUMO Durante muito tempo, a contabilidade foi vista apenas como um sistema de informações

Leia mais

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES 1 AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES Alessandra Cristina Rubio¹ Josiane Marcacini Silva² RESUMO Thiago Silva Guimarães³ A auditoria interna é de suma importância para as organizações,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

Avaliação do controle interno na gestão das empresas de materiais de construção civil no município de presidente médici, ro

Avaliação do controle interno na gestão das empresas de materiais de construção civil no município de presidente médici, ro 5 Avaliação do controle interno na gestão das empresas de materiais de construção civil no município de presidente médici, ro João Carlos da Silva Pereira 1 RESUMO: Gestão é a atividade de conduzir uma

Leia mais

A Controladoria no Processo de Gestão. Clóvis Luís Padoveze

A Controladoria no Processo de Gestão. Clóvis Luís Padoveze 1 A Controladoria no Processo de Gestão Clóvis Luís Padoveze Cascavel - 21.10.2003 2 1. Controladoria 2. Processo de Gestão 3. A Controladoria no Processo de Gestão 3 Visão da Ciência da Controladoria

Leia mais

CONTROLADORIA: ATRIBUIÇÃO DE VALOR À ORGANIZAÇÃO

CONTROLADORIA: ATRIBUIÇÃO DE VALOR À ORGANIZAÇÃO CONTROLADORIA: ATRIBUIÇÃO DE VALOR À ORGANIZAÇÃO Beatriz Alves Paes CONSORTE 1 - RGM 071627 Benedito Fernando FAVARETTO¹ - RGM 028811 Daniel Gazal ZUPO¹ - RGM 085144 Kaleo Carlos Felix BARROSO¹ - RGM 071294

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS 8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Autor(es) CLAUDIO JAIR DE ALMEIDA Orientador(es) CLÓVIS LUIS PADOVEZE 1. Introdução Boa parte da literatura

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

Contabilidade Financeira e Orçamentária

Contabilidade Financeira e Orçamentária Contabilidade Financeira e Orçamentária Mercados Gestão de Riscos Planejamento Orçamentário Mercado Financeiro Mercado financeiro Em uma economia, de um lado existem os que possuem poupança financeira

Leia mais

Contabilidade Financeira e Orçamentária II

Contabilidade Financeira e Orçamentária II Contabilidade Financeira e Orçamentária II Curso de Ciências Contábeis - 7º período Prof. Edenise Tópicos Iniciais Plano Orçamentário compreende: todo o processo operacional da empresa. Envolve todos os

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Controle de Orçamentos Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Controle de Orçamentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais.

O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais. O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais. Elaine Raquel Fernandes carlosadm@bol.com.br SENAC Flávia Cristina Pereira

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DAS DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE NA FORMAÇÃO DO GRADUANDO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

CONTRIBUIÇÕES DAS DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE NA FORMAÇÃO DO GRADUANDO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS 6.02.00.00-6 ADMINISTRAÇÃO CONTRIBUIÇÕES DAS DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE NA FORMAÇÃO DO GRADUANDO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS ADONILTON ALMEIDA DE SOUZA Curso

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA

CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA Marco Antonio Henrique 1, Marlene Ferreira Santiago 2, Monica Franchi Carniello 3, Fábio Ricci 4 1,2,3,4 Universidade de Taubaté/ Pró-reitoria

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA RESUMO

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA RESUMO 1 AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA Ezequiel Benjamin Dionisio 1 Marina Machado das Dores 2. RESUMO DIONISIO, Ezequiel Benjamin e DAS DORES, Marina Machado.

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO.

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO THE COMPUTING IN ADMINISTRATION Heber Ridão Silva * Leônidas da Silva JosuéAmaral Fabio Ferreira Paula Sergio Peter Albertini Aparecida Vanif.Gaion

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Sistema de informações gerenciais Sistema de informações gerencial => conjunto de subsistemas de informações que processam dados e informações para fornecer

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2 1 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1 Moisés Araújo Guarda 2 Sara Alexssandra Gusmão França 3 RESUMO Este artigo versa

Leia mais

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO Ricardo Zerinto Martins 1, Paulo César Ribeiro Quintairos 2 1 Mestrando em Gestão

Leia mais

CONTROLADORIA COMO FERRAMENTA PARA TOMADAS DE DECISÕES

CONTROLADORIA COMO FERRAMENTA PARA TOMADAS DE DECISÕES CONTROLADORIA COMO FERRAMENTA PARA TOMADAS DE DECISÕES Samira da Silva Scodeler* Acadêmico do Curso Ciências Contábeis Univás - Pouso Alegre/MG Fabio Luiz Carvalho** Univás - Pouso Alegre/MG e-mail: fabio@ipecont.com.br

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert Vamos abordar os tópicos para a implantação da contabilidade moderna nas empresas. A contabilidade é legalmente utilizada nas empresas para atender aos enfoques legal

Leia mais

ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR

ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR 0 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR Gabriela de Castro Gaudêncio Cassimiro 1 Thiago Moura de Carvalho 2 Rosália Gonçalves Costa Santos

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL

ORÇAMENTO EMPRESARIAL ORÇAMENTO EMPRESARIAL PROCESSO ORÇAMENTÁRIO 2 PROCESSO ORÇAMENTÁRIO Em linhas gerais o processo orçamentário consta de três grandes fases: Previsão (Planejamento); Execução; Controle. PROCESSO ORÇAMENTÁRIO

Leia mais

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ.

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros Agosto/2013 Introdução É notória nos dias de hoje a dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego nas empresas

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

A Participação da Controladoria no Processo de Gestão Organizacional. Autoria: Juliano Giongo, Márcia Bianchi

A Participação da Controladoria no Processo de Gestão Organizacional. Autoria: Juliano Giongo, Márcia Bianchi A Participação da Controladoria no Processo de Gestão Organizacional Autoria: Juliano Giongo, Márcia Bianchi RESUMO No processo de gestão das organizações são tomadas decisões relevantes para a busca da

Leia mais

Guia de Recursos e Funcionalidades

Guia de Recursos e Funcionalidades Guia de Recursos e Funcionalidades Sobre o Treasy O Treasy é uma solução completa para Planejamento e Controladoria, com o melhor custo x benefício do mercado. Confira alguns dos recursos disponíveis para

Leia mais

Utilização da Margem de Contribuição: Um enfoque gerencial

Utilização da Margem de Contribuição: Um enfoque gerencial Utilização da Margem de Contribuição: Um enfoque gerencial Manoel Salésio Mattos (UNesc) salesio@unescnet.br Joselito Mariotto (UNESC) joselito@unescnet.br Wilson Antunes Amorim (UNESC) wilson@unescnet.br

Leia mais

Palavras-chave: Gestão Estratégica de Custos, competitividade, lucratividade

Palavras-chave: Gestão Estratégica de Custos, competitividade, lucratividade GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS COMO FERRAMENTA DE COMPETITIVIDADE NO SETOR MOVELEIRO: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA COIMBRA & FILHOS LTDA. Franciane de Oliveira Alvarenga Especialista em Auditoria e Contabilidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA Daniel de Souza Ferreira 1 RESUMO Ferreira, Daniel de Souza. A Impostância do Feedback

Leia mais

Rejane de Souza Pinheiro Wendell Simão da Rocha

Rejane de Souza Pinheiro Wendell Simão da Rocha Planejamento Tributário de Micro e Pequenas Empresas: um estudo exploratório sobre a oferta desses serviços para empresários da Região Administrativa de Taguatinga - DF Rejane de Souza Pinheiro Wendell

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL:

CONTABILIDADE GERENCIAL: CONTABILIDADE GERENCIAL: UMA VISÃO ESTRATÉGICA EMPRESARIAL Adm. Luiz Roberto Nascimento lroberto@plugnet.com.br CRA-SP-57867 - Pós Graduado em Finanças Prof. Administração Financeira FAC.ANGLO-LATINO Trago

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL.

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. Autores: Marcus Vinicius Passos de Oliveira Elisangela Fernandes dos Santos Esaú Fagundes Simões Resumo Esta pesquisa tem

Leia mais

Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria

Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria i Professor Marcelo Aragão Trabalhos de outros auditores ou especialistas Complexidade das transações Volume das transações Áreas importantes

Leia mais

USO DA CONTABILIDADE DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE DOURADOS-MS

USO DA CONTABILIDADE DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE DOURADOS-MS VIII CIAEC 046 USO DA CONTABILIDADE DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE DOURADOS-MS Luciana Crispim de Souza Universidade Federal da Grande Dourados (Brasil) Antonio Carlos Vaz Lopes Universidade

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung)

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung) COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO FLEXÍVEL (GPK GrenzPlanKostenrechnung) ORÇAMENTO FLEXÍVEL! O que é orçamento flexível?! Qual a principal diferença entre o orçamento flexível e o orçamento empresarial?! Quais

Leia mais

9001:2000 - EPS - UFSC)

9001:2000 - EPS - UFSC) Implantação de um sistema de gestão da qualidade conforme a norma ISO 9001:2000 numa pequena empresa de base tecnológica, estudo de caso: Solar Instrumentação, Monitoração e Controle Ltda. Gustavo Slongo

Leia mais

aa Opportune é uma empresa que trabalha em diversas áreas da gestão organizacional, com uma visão contemporânea da prestação de serviços de

aa Opportune é uma empresa que trabalha em diversas áreas da gestão organizacional, com uma visão contemporânea da prestação de serviços de aa Opportune é uma empresa que trabalha em diversas áreas da gestão organizacional, com uma visão contemporânea da prestação de serviços de auditoria, assessoria e consultoria, oferecendo completo portifólio

Leia mais

O CONTROLE INTERNO E A AUDITORIA INTERNA GOVERNAMENTAL: DIFERENÇAS FUNDAMENTAIS

O CONTROLE INTERNO E A AUDITORIA INTERNA GOVERNAMENTAL: DIFERENÇAS FUNDAMENTAIS O CONTROLE INTERNO E A AUDITORIA INTERNA GOVERNAMENTAL: DIFERENÇAS FUNDAMENTAIS Wanderlei Pereira das Neves 1 Resumo Nosso trabalho visa a demonstrar que a auditoria interna governamental é o ápice da

Leia mais

DIFERENÇAS ENTRE CONTABILIDADE GERENCIAL E CONTABILIDADE FINANCEIRA

DIFERENÇAS ENTRE CONTABILIDADE GERENCIAL E CONTABILIDADE FINANCEIRA Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre as principais características da Contabilidade Gerencial e suas diferenças em relação à Contabilidade Financeira, que é o outro nome da Contabilidade Geral. Trata-se

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE Curso de Ciências Contábeis A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA NOS ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE Curso de Ciências Contábeis A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA NOS ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE Curso de Ciências Contábeis A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA NOS ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE Ricardo Marquiore 1 Carolina Moreira Fernandes 2 RESUMO: A pesquisa

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

A importância do Controle Interno dentro das organizações

A importância do Controle Interno dentro das organizações , Nº 03, p. 33-44, jan./jun.2004 A importância do Controle Interno dentro das organizações SUELY MARQUES DE REZENDE 1 HAMILTON LUIZ FAVERO 2 RESUMO A economia do país passa por transformações que afetam

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A.

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. KOMATSU, Solange Akemy (TCC Ciências Contábeis) FECILCAM,

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

AUTOR(ES): ALAN PONTES BATISTA, PRISCILA APARECIDA SILVA, VÂNIA DE MATOS CARDOSO

AUTOR(ES): ALAN PONTES BATISTA, PRISCILA APARECIDA SILVA, VÂNIA DE MATOS CARDOSO TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO CONTROLLER NA GESTÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): ALAN PONTES BATISTA, PRISCILA

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA ORÇAMENTO EMPRESARIAL NA TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA ORÇAMENTO EMPRESARIAL NA TOMADA DE DECISÕES Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA ORÇAMENTO EMPRESARIAL NA TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Organizando e administrando o negócio

Organizando e administrando o negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Organizando e administrando o negócio Manual Etapa 4/Parte 1 Boas vindas! Olá, caro empreendedor! É um prazer estar com você nesta etapa de sua viagem

Leia mais

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA Profa. Ligia Vianna Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ADMINISTRAÇÃO Num passado não muito distante, a ordem sociopolítica compreendia apenas dois setores, ou seja, um público e outro privado. Esses setores

Leia mais

Fernando Ferreira Dias Filho Leila de Fátima Sales

Fernando Ferreira Dias Filho Leila de Fátima Sales O orçamento como instrumento contábil de controle e apoio à gestão das organizações modernas: um estudo com concessionárias de veículos leves de Belo Horizonte Fernando Ferreira Dias Filho Leila de Fátima

Leia mais

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL.

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. André Murilo de Souza Cavalcante Resumo: Este artigo estuda as etapas do treinamento e suas características, Desta maneira, o

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Gestão Pública: uma análise das funções da controladoria proposta por Borinelli na Prefeitura Municipal de Dourados/MS

Gestão Pública: uma análise das funções da controladoria proposta por Borinelli na Prefeitura Municipal de Dourados/MS Gestão Pública: uma análise das funções da controladoria proposta por Borinelli na Prefeitura Municipal de Dourados/MS Resumo O objetivo deste trabalho foi avaliar a da controladoria e o cronograma de

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

José Delfino Duarte 1 INTRODUÇÃO

José Delfino Duarte 1 INTRODUÇÃO 328 A CONTRIBUIÇÃO DA DISCIPLINA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NA FORMAÇÃO DO EGRESSO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA FACULDADE ARAGUAIA, EM GOIÂNIA. José Delfino Duarte 1 RESUMO No cenário dos

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA January, 99 1 CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Paulo César Leite de Carvalho 1. INTRODUÇÃO A administração financeira está estritamente ligada à Economia e Contabilidade, e pode ser vista

Leia mais

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO 1 Simples Nacional e o Planejamento Tributário Marcos A. Nazário De Oliveira marcosadinavi@gmail.com Egresso do curso de Ciências Contábeis Rafael Antônio Andrade rfaandrade@msn.com Egresso do curso de

Leia mais

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 SILVA, Cleusa Pereira da 2 ; FELICE, Luciana Maria Vizzotto 4 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; VIERO, Claudinei 4 1 Trabalho de Pesquisa

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1

DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1 DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1 Gillene da Silva Sanses 2 O artigo apresenta a nova realidade em que se inserem, sob a perspectiva de critério para cálculo, deliberação e distribuição aos sócios, dos lucros. O

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Contabilidade e Sistemas de Custos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 5º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. 01 Introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS E CONTROLADORIA LUIZ PAULO FRANÇA CORRÊA

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS E CONTROLADORIA LUIZ PAULO FRANÇA CORRÊA UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS E CONTROLADORIA LUIZ PAULO FRANÇA CORRÊA ANÁLISE DO CUSTO PADRÃO EM UMA INDÚSTRIA QUÍMICA DE SANTA CATARINA CRICIÚMA

Leia mais

MBA Executivo Contabilidade e Finanças

MBA Executivo Contabilidade e Finanças MBA Executivo Contabilidade e Finanças Proposta do curso: O curso de MBA Executivo em Contabilidade e Finanças proporciona ao aluno o conhecimento a respeito dos fundamentos de contabilidade e finanças

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA 01. Partindo do princípio de que a estratégia é a definição do melhor futuro para a sua equipe ou organização, o mapeamento da rota para alcançá-lo e a sua clara comunicação,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI 002/2009

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI 002/2009 1 CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI 002/2009 Versão: 01 Aprovação em: 29/05/2009 Unidade Responsável: Coordenadoria de Controle Interno I FINALIDADE Estabelecer e

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

Portfólio de Serviços

Portfólio de Serviços Portfólio de Serviços Consultoria de resultados MOTIVAÇÃO EM GERAR Somos uma consultoria de resultados! Entregamos muito mais que relatórios. Entregamos melhorias na gestão, proporcionando aumento dos

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 CALDEIRA, Aldair Francisco² OLIVEIRA, Leticia Nascimento³ OYAMA, Denise Harue 4 GUALASSI, Rodrigo

Leia mais

QUAIS AS DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS BÁSICAS ENTRE AUDITORIA INTERNA E AUDITORIA EXTENA

QUAIS AS DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS BÁSICAS ENTRE AUDITORIA INTERNA E AUDITORIA EXTENA QUAIS AS DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS BÁSICAS ENTRE AUDITORIA INTERNA E AUDITORIA EXTENA! O que faz a auditoria externa?! Quais as funções da auditoria interna?! Qual a interligação entre a auditoria externa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais