Microcontrolador Assembly UTFPR / DAELN Microcontroladores 1 Prof. Gabriel Kovalhuk

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Microcontrolador Assembly UTFPR / DAELN Microcontroladores 1 Prof. Gabriel Kovalhuk"

Transcrição

1 Assembly 8051

2 Num sistema microprocessado, geralmente, não existe um sistema operacional; O programa desenvolvido pelo programador deve cuidar tanto da lógica do programa, bem como da configuração e acesso ao hardware e do gerenciamento de memória; Geralmente existe limitação de espaço de memória;

3

4 Linguagem Assembly

5 A Linguagem Assembly É a codificação dos códigos de máquina para uma linguagem mais próxima da linguagem entendida pelo ser humano; As instruções do processador são codificadas em mnemônicos para facilitar a identificação de sua funcionalidade; A tradução da linguagem assembly para os códigos de máquina do processador é feita através de um programa chamado assembler (ou montador)

6 A Linguagem Assembly É totalmente atrelada ao processador, ou seja, cada processador possui a sua própria linguagem;

7 Linguagem Assembly do uc 8051

8 As instruções do 8051 podem ser classificadas em 5 tipos diferentes: Transferência de dados; Aritméticas; Lógicas; Booleanas; Desvio;

9 Modos de Endereçamento Define o modo como os dados são acessados; O 8051 possui 5 modos de endereçamento: Endereçamento direto; Endereçamento indireto; Endereçamento via registrador; Endereçamento por constante imediata; Endereçamento indexado;

10 Modos de Endereçamento Endereçamento imediato: o dado é especificado na própria instrução: mov A, #31 ; carrega o valor 31 no acumulador O operando é identificado pelo símbolo #; Acumulador 31

11 Modos de Endereçamento Endereçamento direto: o endereço do dado é especificado diretamente na instrução: mov A, Memória ; carrega o conteúdo do endereço 31 no acumulador Acumulador 1

12 Modos de Endereçamento Endereçamento indireto: o dado é acessado através do endereço contido nos registradores R0 ou R1. Quando o conteúdo do registrador é um endereço, este registrador é precedido pelo Neste caso, os registradores R0 e R1 atuam como ponteiros para o dado

13 Modos de Endereçamento mov ; carrega o conteúdo da posição ; de memória indicada no ; registrador R1 no acumulador R0 Memória Acumulador

14 Modos de Endereçamento Endereçamento indexado: o dado é acessado através do endereço contido no registrador DPTR. movc movx ; carrega o conteúdo da ; posição de memória de ; programa indicada no ; registrador DPTR no acumulador ; carrega o conteúdo da posição ; de memória RAM externa indicada ;no registrador DPTR no acumulador Neste caso, o registrador DPTR atua como ponteiro para o dado

15 Modos de Endereçamento movx ; carrega o conteúdo da posição ; de memória RAM externa indicada ;no registrador DPTR no acumulador DPTR Memória Acumulador 1A31 1A A A31 1 1A32 128

16 Modos de Endereçamento Endereçamento via Registrador: o dado é acessado através dos registradores R0 a R7. mov A, R5 ; carrega o conteúdo do ;registrador R5 no acumulador R7 R6 R5 Banco de Registradores Acumulador 1 R0 128

17 Funcionamento da PILHA A pilha é uma estrutura de armazenamento de dados em que cada novo dado é colocado sempre no topo da pilha; O registrador stack-pointer (SP) aponta para o topo da pilha; A cada novo dado colocado na pilha, o registrador SP é incrementado, para apontar o topo da pilha; A cada dado retirado da pilha, o registrador SP é decrementado.

18 Funcionamento da PILHA As instruções PUSH e POP inserem e retiram respectivamente os dados da pilha; Nos microprocessadores, a pilha é usada principalmente para guardar o estado do processador na chamada de sub-rotinas e interrupções;

19 Funcionamento da PILHA Estado atual da pilha R0 A SP Memória 1Ah 33h 32h 2Fh 31h 30h 30h Dado 1

20 Funcionamento da PILHA Executando uma instrução push ACC Passo 1: o registrador SP é incrementado, apontando para a próxima posição de memória: R0 A SP Memória 1Ah 33h 32h 2Fh 31h 31h 30h Dado 1

21 Funcionamento da PILHA Executando uma instrução push ACC Passo 2: o conteúdo do acumulador é copiado para a posição apontada pelo registrador SP: R0 A SP Memória 1Ah 33h 32h 2Fh 31h 2Fh 31h 30h Dado 1

22 Funcionamento da PILHA Executando uma instrução push R0 Passo 1: o registrador SP é incrementado, apontando para a próxima posição de memória: R0 A SP Memória 1Ah 33h 32h 2Fh 31h 2Fh 32h 30h Dado 1

23 Funcionamento da PILHA Executando uma instrução push R0 Passo 2: o conteúdo do registrador R0 é copiado para a posição apontada pelo registrador SP: R0 A SP Memória 1Ah 33h 2Fh 32h 1Ah 31h 2Fh 32h 30h Dado 1

24 Funcionamento da PILHA Novo estado da pilha: R0 A SP Memória 1Ah 33h 2Fh 32h 1Ah 31h 2Fh 32h 30h Dado 1

25 Funcionamento da PILHA Executando uma instrução pop R0 Passo 1: o conteúdo da posição apontada pelo registrador SP é copiado para o registrador R0: R0 A SP Memória 1Ah 33h 2Fh 32h 1Ah 31h 2Fh 32h 30h Dado 1

26 Funcionamento da PILHA Executando uma instrução pop ACC Passo 2: o conteúdo da posição de memória apontada pelo registrador SP é copiado para o acumulador: R0 A SP Memória 1Ah 33h 32h 2Fh 31h 2Fh 31h 30h Dado 1

27 Estrutura Básica de um programa em Linguagem Assembly (para o uc 8051) Um programa em linguagem assembly possui os seguintes elementos básicos: Instruções: são os mnemônicos das instruções do processador; Operandos: são as informações referentes aos dados processados pelas instruções; Pseudo-instruções: são declarações inseridas no código fonte para orientar o montador;

28 Estrutura Básica de um programa em Linguagem Assembly (para o uc 8051) Definições: são declarações que atribuem um nome a algumas constantes, tornando mais fácil a referềncia no resto do programa; Rótulos (labels): são nomes atribuídos à endereços no programa; Comentários: informações colocadas pelo programador para documentar o programa. É qualquer texto colocado após um sinal de ponto-e-vírgula;

29 Estrutura Básica de um programa em Linguagem Assembly (para o uc 8051) A formatação de um programa em assembly é bastante rígida; Cada linha do programa contém uma informação para o montador;

30 Estrutura Básica de um programa em Linguagem Assembly (para o uc 8051) A estrutura da linha é a seguinte: Os rótulos são colocados próximos a margem esquerda da linha. Podem vir seguidos do sinal : (dois pontos); Seguindo o rótulo, está o mnemônico da instrução e os operandos; Após os operandos estão os comentários;

31 Estrutura Básica de um programa em Linguagem Assembly (para o uc 8051) Exemplo: inicio: mov SP, #30h ; inicializa a pilha mov A, #45 ; atribui o valor inicial ; ao acumulador

32 Estrutura Básica de um programa em Linguagem Assembly (para o uc 8051) Estruturas básicas de um programa em assembly: Subrotinas: uma porção de código executada várias vezes no programa. São chamadas por instruções no programa e causam um desvio da sequência normal de execução do programa; Interrupções: causam o desvio do fluxo normal de execução do programa devido a um evento de hardware. São como as subrotinas, mas não são causadas por instruções do processador, mas sim por eventos de hardware.

33 Estrutura Básica de um programa em Linguagem Assembly (para o uc 8051) Estruturas básicas de um programa em assembly: Decisões: são estruturas de programação que permitem desviar o fluxo de execução de um programa conforme o estado de determinadas condições. Estas condições são verificadas pelos flags; Repetições: são estruturas de programação que permitem executar um pedaço de código várias vezes;

34 Estrutura Básica de um programa em Linguagem Assembly (para o uc 8051) Estruturas básicas de um programa em assembly: Pseudo-instruções: ORG: definem um endereço de memória, onde a instrução da linha seguinte será alocada; END: indica o fim de um programa; EQU: Atribuem um valor a um rótulo. São usados para definir constantes; DB, DW: definem (reservam) espaços de memória para alocar dados. São usados para definir variáveis;

Tópicos: 1 - Modos de endereçamento do Pilha e instruções de Pilha. 3 - Instruções que usam pilha: - instrução CALL - instrução RET

Tópicos: 1 - Modos de endereçamento do Pilha e instruções de Pilha. 3 - Instruções que usam pilha: - instrução CALL - instrução RET Tópicos: 1 - Modos de endereçamento do 8051 2 - Pilha e instruções de Pilha 3 - Instruções que usam pilha: - instrução CALL - instrução RET 4 - Interrupção 1 - Modos de Endereçamento do 8051 Os modos de

Leia mais

Prof. Adilson Gonzaga

Prof. Adilson Gonzaga Microprocessadores são Máquinas de Estado Seqüenciais Síncronas que operam mediante a execução de uma seqüência de códigos binários armazenados em memória. Prof. Adilson Gonzaga 1 As ordens ou comandos

Leia mais

Programação de Microprocessadores. Programação de Microprocessadores SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I

Programação de Microprocessadores. Programação de Microprocessadores SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Programação de Microprocessadores Microprocessadores são Máquinas de Estado Seqüenciais Síncronas que operam mediante a execução de uma seqüência de códigos binários

Leia mais

Histórico de desenvolvimento de computadores Prof. Luís Caldas Aula 02 Processador de uso geral

Histórico de desenvolvimento de computadores Prof. Luís Caldas Aula 02 Processador de uso geral Processador de uso geral 1. Introdução: Um sistema digital completo é constituído de uma unidade controle e o bloco operacional. Na figura a seguir alguns elementos externos necessários para completar

Leia mais

Sistemas Microprocessados. satoutfpredubr

Sistemas Microprocessados. sato<at>utfpr<dot>edu<dot>br Sistemas Microprocessados satoutfpredubr http://pessoal.utfpr.edu.br/sato/ Assembly do 805 satoutfpredubr Sobre o material Essas transparências foram baseadas em materiais elaborados

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 11 Conjuntos de instruções: Modos de endereçamento e formatos slide 1 Diagrama do endereçamento imediato Instrução Opcode

Leia mais

9. Software de Sistema - Montadores (capítulo 9 do livro texto)

9. Software de Sistema - Montadores (capítulo 9 do livro texto) 9. Software de Sistema - Montadores (capítulo 9 do livro texto) Compiladores Programas de Aplicação Depuradores Usuário Processador de Macro Montador Programas Utilitários Ligadores Carregadores Sistema

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA (UNIP) Curso de Engenharia Mecatrônica Disciplina: Microprocessadores e Microcontroladores (MM) LISTA III

UNIVERSIDADE PAULISTA (UNIP) Curso de Engenharia Mecatrônica Disciplina: Microprocessadores e Microcontroladores (MM) LISTA III UNIVERSIDADE PAULISTA (UNIP) Curso de Engenharia Mecatrônica Disciplina: Microprocessadores e Microcontroladores (MM) LISTA III Orientações: Esta lista de Exercícios deve ser entregue juntamente com a

Leia mais

CONJUNTO DE INSTRUÇÕES

CONJUNTO DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DE INSTRUÇÕES 1 CARACTERÍSTICAS DE INSTRUÇÕES DE MÁQUINA Quando um programador usa uma linguagem de alto-nível, como C, muito pouco da arquitetura da máquina é visível. O usuário que deseja programar

Leia mais

Símbolos e abreviaturas utilizadas na descrição das instruções

Símbolos e abreviaturas utilizadas na descrição das instruções Símbolos e abreviaturas utilizadas na descrição das instruções acumulador registo A addr endereço de 16 bits data quantidade de 8 bits data 16 quantidade de 16 bits byte 2 segundo byte da instrução byte

Leia mais

Disciplina: Arquitetura de Computadores

Disciplina: Arquitetura de Computadores Disciplina: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof a. Carla Katarina de Monteiro Marques UERN Introdução Responsável por: Processamento e execução de programas armazenados na

Leia mais

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues SEL 433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Prof. Evandro L. L. Rodrigues Tópicos do curso Conceitos básicos - Aplicações e utilizações dos microcontroladores

Leia mais

III.2 - Princípios de Arquitetura

III.2 - Princípios de Arquitetura Conjunto de Instruções e Modo de Endereçamento Ciclo de busca decodificação execução de instruções Programação de um processador Arquitetura de Von Neumann e Componentes Arquiteturas 4, 3, 2, 1 e 0 Tabela

Leia mais

Instruções. Maicon A. Sartin

Instruções. Maicon A. Sartin Instruções Maicon A. Sartin SUMÁRIO Introdução Instruções Formatos de instruções Conjuntos de instruções Execução de instruções Introdução a Linguagem de Montagem Introdução a Linguagem de Montagem Níveis

Leia mais

SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I

SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL 433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Apresentação do curso Critério de avaliação Média final = 0.8 * MP + 0.2 * ME onde MP = (P1 + P2) / 2 e ME = Notas

Leia mais

NEANDERWIN. Algumas características do processador Neander são:

NEANDERWIN. Algumas características do processador Neander são: NEANDERWIN O NeanderWin é um simulador da máquina Neander, definida no livro do Raul F. Weber (UFRGS), Fundamentos de Arquitetura de Computadores, Ed. Sagra Luzzatto. A máquina original foi estendida aqui

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Estrutura e Função do Processador Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Organização

Leia mais

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA REVISÃO DE ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Arquitetura X Organização Arquitetura - Atributos de um Sistema Computacional como visto pelo programador, isto é a estrutura

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 10 Conjuntos de instruções: Características e funções slide 1 O que é um conjunto de instruções? A coleção completa de instruções

Leia mais

Unidade Central de Processamento 2. Registradores

Unidade Central de Processamento 2. Registradores Unidade Central de Processamento 2 Registradores Conceitos Fundamentais Arquitetura da CPU Unidade de Controle Registradores Barramento interno Unidade lógica e Aritmética Registradores Conjunto de unidades

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Conjunto de Instruções Givanaldo Rocha de Souza http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br Material do prof. Sílvio Fernandes - UFERSA

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Arquitetura e Organização de Computadores Conjunto de Instruções Prof. Sílvio Fernandes

Leia mais

Conjunto de Instruções (ISA) I

Conjunto de Instruções (ISA) I Conjunto de Instruções (ISA) I José Costa Introdução à Arquitetura de Computadores Departamento de Engenharia Informática (DEI) Instituto Superior Técnico 2013-10-16 José Costa (DEI/IST) Conjunto de Instruções

Leia mais

sumário 1 bases numéricas 1 2 sistemas de numeração em computação introdução representação de números... 3

sumário 1 bases numéricas 1 2 sistemas de numeração em computação introdução representação de números... 3 sumário 1 bases numéricas 1 1.1 introdução... 2 1.2 representação de números... 3 1.3 transformação entre bases... 4 1.3.1 método polinomial...4 1.3.2 método de subtrações...5 1.3.3 método das divisões...6

Leia mais

SSC0112 Organização de Computadores Digitais I

SSC0112 Organização de Computadores Digitais I SSC0112 Organização de Computadores Digitais I 3ª Aula Visão Geral e Conceitos Básicos Profa. Sarita Mazzini Bruschi sarita@icmc.usp.br Copyright William Stallings & Adrian J Pullin Tradução, revisão e

Leia mais

Compiladores e Computabilidade

Compiladores e Computabilidade Compiladores e Computabilidade Prof. Leandro C. Fernandes UNIP Universidade Paulista, 2013 GERAÇÃO DE CÓDIGO INTERMEDIÁRIO Geração de Código Intermediário Corresponde a 1ª etapa do processo de Síntese

Leia mais

CPU. CPU Unidade Central de Processamento. Função: leitura, escrita e processamento de dados

CPU. CPU Unidade Central de Processamento. Função: leitura, escrita e processamento de dados CPU CPU Unidade Central de Processamento Função: leitura, escrita e processamento de dados Constituída por: dispositivos que gerem a entrada (leitura) e saída (escrita) de dados; registos (memórias auxiliares)

Leia mais

Linguagem de Montagem do NeanderX

Linguagem de Montagem do NeanderX Universidade Estácio de Sá Curso de Informática Arquitetura de Computadores Linguagem de Montagem do NeanderX 11.5.2006 Geração Programa Executável Linguagens de Programação As linguagens de programação

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO A Arquitetura de Computadores trata do comportamento funcional de um sistema computacional, do ponto de vista do programador (ex. tamanho de um tipo

Leia mais

Aula 5: Introdução a Arquitetura do Microcontrolador 8051

Aula 5: Introdução a Arquitetura do Microcontrolador 8051 Microprocessadores - 2013-1 06/05/2013 Aula 5: Introdução a Arquitetura do Microcontrolador 8051 Professor: Eraldo Silveira e Silva eraldo@ifsc.edu.br 1 Objetivos da Aula apresentar as principais características

Leia mais

Linguagem de Maquina II. Visão Geral

Linguagem de Maquina II. Visão Geral Linguagem de Maquina II Visão Geral Revisão A linguagem de máquina é composta de seqüências binárias (1's e 0's) São interpretadas como instruções pelo hardware A linguagem de montagem e a linguagem de

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Conjunto de Instruções Slide 1 Sumário Características de Instruções de Máquina Tipos de Operandos Tipos de Operações Linguagem de Montagem Slide 2 Características

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Ciclo de Busca e Execução

Arquitetura de Computadores. Ciclo de Busca e Execução Arquitetura de Computadores Ciclo de Busca e Execução Ciclo de Busca e Execução Início Buscar a próxima instrução Interpretar a instrução Executar a instrução Término Funções realizadas pela UCP Funções

Leia mais

Aula 14 Funcionamento de Processadores (Visão específica)

Aula 14 Funcionamento de Processadores (Visão específica) Aula 14 Funcionamento de Processadores (Visão específica) Com base nas aulas de Prof. José Delgado (autorizado) Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@recife.ifpe.edu.br http://dase.ifpe.edu.br/~alsm

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Linguagem de Montagem e Linguagem de Máquina Givanaldo Rocha de Souza http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br Conceitos básicos Linguagem/código

Leia mais

MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES PROVA 1

MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES PROVA 1 MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES PROVA 1 1. A expressão a seguir pode ser usada para avaliar o desempenho de um microprocessador. Comente cada um dos termos dessa expressão. Valor: 2,5 Tempo de

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Unidade Central de Processamento (CPU) Givanaldo Rocha de Souza http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br Baseado nos slides do capítulo

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Modos de endereçamento direto ; inclui no programa assembly o arquivo (REG51.inc) ORG 0000H ; o programa inicia na linha 0000H da EPROM MOV A,#01010101B ; carrego no ACC por binário

Leia mais

Registradores. Os processadores possuem espaços específicos onde são guardados valores, os chamados registradores.

Registradores. Os processadores possuem espaços específicos onde são guardados valores, os chamados registradores. Os processadores possuem espaços específicos onde são guardados valores, os chamados registradores. Esses espaços são parecidos com variáveis de uma linguagem de programação de alto nível, onde se guarda

Leia mais

Memória de dados interna

Memória de dados interna Memória de dados interna A MD interna na família 51 proporciona 128 bytes ou 256 bytes de MD interna (conforme a versão do componente) Os endereços 0 a 7FH incluem os bancos de registos R0 a R7, posições

Leia mais

COMPUTADOR 2. Professor Adão de Melo Neto

COMPUTADOR 2. Professor Adão de Melo Neto COMPUTADOR 2 Professor Adão de Melo Neto Modelo Barramento de Sistema É uma evolução do Modelo de Von Newman. Os dispositivos (processador, memória e dispositivos de E/S) são interligados por barramentos.

Leia mais

Aula 8 Microcontrolador 8051

Aula 8 Microcontrolador 8051 SEL 0415 Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação EESC-USP SEL 0415 Introdução à Organização de Computadores Aula 8 Microcontrolador 8051 Profa. Luiza Maria Romeiro Codá Autores: Prof. Dr. Marcelo

Leia mais

Primeiro Trabalho de POO Emulador para o Processador Winter

Primeiro Trabalho de POO Emulador para o Processador Winter Primeiro Trabalho de POO Emulador para o Processador Winter Prof. Pedro Carlos da Silva Lara Entrega: 21/10/2014 1 Informações Gerais Winter é um processador hipotético especificado com fim puramente acadêmico.

Leia mais

Laboratório de Microprocessadores e Microcontroladores

Laboratório de Microprocessadores e Microcontroladores Escola de Engenharia Elétrica, Mecânica e de Computação Universidade Federal de Goiás Laboratório de Microprocessadores e Microcontroladores Experimento 4: Motor de Passo e Display LCD Alunos: Matrícula:

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição. Capítulo 12 Estrutura e função do processador

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição. Capítulo 12 Estrutura e função do processador William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 12 Estrutura e função do processador slide 1 Estrutura da CPU CPU precisa: Buscar instruções. Interpretar instruções. Obter

Leia mais

Arquitetura Von Neumann Dados e instruções são obtidos da mesma forma, simplificando o desenho do microprocessador;

Arquitetura Von Neumann Dados e instruções são obtidos da mesma forma, simplificando o desenho do microprocessador; 1 Microprocessador Um microprocessador é um circuito eletrônico capaz de realizar diversas tarefas conforme os comandos específicos. Para isso ele deve ler esses comandos da memória de programa (ROM) e

Leia mais

EEC2104 Microprocessadores

EEC2104 Microprocessadores EEC2104 Microprocessadores Edição 2005/2006 Arquitectura de um microprocessador básico (Qual o hardware necessário para executar instruções e poder chamar subrotinas?) Uso da memória Guardar instruções

Leia mais

AULA 03: FUNCIONAMENTO DE UM COMPUTADOR

AULA 03: FUNCIONAMENTO DE UM COMPUTADOR ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I AULA 03: FUNCIONAMENTO DE UM COMPUTADOR Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação O QUE É UM COMPUTADOR?

Leia mais

Programação de Computadores IV. Introdução a Linguagens de Programação Simone Martins SLIDES CEDIDOS POR BRUNO MARQUES 1

Programação de Computadores IV. Introdução a Linguagens de Programação Simone Martins SLIDES CEDIDOS POR BRUNO MARQUES 1 Programação de Computadores IV Introdução a Linguagens de Programação Simone Martins simone@ic.uff.br SLIDES CEDIDOS POR BRUNO MARQUES 1 Arquitetura de programação 2 O Que é um Dado? Dado é o elemento

Leia mais

Sistemas de Computação

Sistemas de Computação Sistemas de Computação Introdução a programação Assembly Haroldo Gambini Santos Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP 5 de novembro de 2009 Haroldo Gambini Santos Sistemas de Computação 1/30 Assembly

Leia mais

Linguagem de Montagem e Assembly. André Luiz da Costa Carvalho

Linguagem de Montagem e Assembly. André Luiz da Costa Carvalho Linguagem de Montagem e Assembly André Luiz da Costa Carvalho Linguagem de Montagem Todo programa para ser executado precisar ser convertido de linguagem fonte (alto nível) para um programa equivalente

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES. Prof. Juliana Santiago Teixeira

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES. Prof. Juliana Santiago Teixeira ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES Prof. Juliana Santiago Teixeira julianasteixeira@hotmail.com INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável

Leia mais

CPU. Funções: Componentes: Processamento; Controle. UC (Unidade de Controle); Registradores; ALU s, FPU s etc. Arquitetura de Computadores 3

CPU. Funções: Componentes: Processamento; Controle. UC (Unidade de Controle); Registradores; ALU s, FPU s etc. Arquitetura de Computadores 3 CPU CPU Funções: Processamento; Controle Componentes: UC (Unidade de Controle); Registradores; ALU s, FPU s etc. Arquitetura de Computadores 3 Processador A função de um computador é executar tarefas

Leia mais

Prof. Leonardo Augusto Casillo

Prof. Leonardo Augusto Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Aula 2 Estrutura de um processador Prof. Leonardo Augusto Casillo Arquitetura de Von Neumann: Conceito de programa armazenado; Dados

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-2 Objetivos Conhecer o processador Compreender os registradores

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Bacharelado em Ciência da Computação. Arquitetura de Computadores I. Organização Básica do Computador

Universidade Federal do Rio de Janeiro Bacharelado em Ciência da Computação. Arquitetura de Computadores I. Organização Básica do Computador Universidade Federal do Rio de Janeiro Bacharelado em Ciência da Computação Arquitetura de Computadores I Organização Básica do Computador Gabriel P. Silva Ementa Unidade 2: Organização Lógica e Funcional

Leia mais

Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis

Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Conjunto de Instruções do 8051

Conjunto de Instruções do 8051 Apêndice B Conjunto de Instruções do 8051 A.G. e E.T.M. / 2001 (revisão) O 8051 apresenta 111 tipos de instruções, sendo 49 de um byte, 45 de dois bytes e 17 de três bytes. Levando-se em contas as variações

Leia mais

Instruções de Máquina

Instruções de Máquina Instruções de Máquina Operação básica (primitiva) que o hardware é capaz de executar diretamente Conjunto de bits que indica ao processador uma operação que ele deve realizar O projeto de um processador

Leia mais

2. A influência do tamanho da palavra

2. A influência do tamanho da palavra PROCESSAMENTO 1. Introdução O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável pela realização das operações de processamento (os cálculos matemáticos etc.) e de controle, durante

Leia mais

MICROPROCESSADORES 2º TESTE - A

MICROPROCESSADORES 2º TESTE - A MICROPROCESSADORES 2º TESTE - A Ano Lectivo: 2005/2006 Data: 8 de Maio de 2006 Ano Curricular: 1º Ano 2º Semestre Duração: 2h00 INFORMAÇÕES GERAIS 1. Identifique todas as folhas do enunciado com nome e

Leia mais

ELETRÔNICA DIGITAL II. AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR

ELETRÔNICA DIGITAL II. AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR ELETRÔNICA DIGITAL II AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR acjunior@facthus.edu.br 1º SEMESTRE 2009 CONTEÚDO PROGRAMADO: 1 O que é um computador digital? 2 Como funcionam os computadores 3 O agente

Leia mais

ENDEREÇAMENTO DE INSTRUÇÕES. Adão de Melo Neto

ENDEREÇAMENTO DE INSTRUÇÕES. Adão de Melo Neto ENDEREÇAMENTO DE INSTRUÇÕES Adão de Melo Neto 1 TIPOS DE OPERAÇÕES 2 TIPOS DE OPERAÇÕES TIPOS DE INSTRUÇÕES/OPERAÇÕES (RELEMBRANDO) 3 INTRODUÇÃO TIPOS DE INSTRUÇÕES/OPERAÇÕES (RELEMBRANDO) 4 INTRODUÇÃO

Leia mais

Família 8051 (introdução) 2011/1

Família 8051 (introdução) 2011/1 Família 8051 (introdução) 2011/1 Refresh Microprocessador vs. microcontrolador. Periféricos built-in. Single-chip computer 2 Objetivos Histórico Modelos da família original Principais características Diagrama

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Organização de Computadores ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Curso: Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação Ano: 2011 Instrução Precisam ser entendidas pelo processador Precisam ser decodificadas e

Leia mais

2º Estudo Dirigido CAP 3

2º Estudo Dirigido CAP 3 2º Estudo Dirigido CAP 3 1. Cite três exemplos de aspecto na definição e implementação de uma arquitetura que são influenciados pelas características do conjunto de instruções? R.: Operações lógicas e

Leia mais

Linguagens de Programação Classificação

Linguagens de Programação Classificação Classificação Classificação A proximidade que a linguagem de programação tem com a humana determina sua classe (o nível): Linguagem de máquina (primeira geração) Linguagem assembly - de montagem (segunda

Leia mais

Laboratório de Microprocessadores e Microcontroladores

Laboratório de Microprocessadores e Microcontroladores Escola de Engenharia Elétrica, Mecânica e de Computação Universidade Federal de Goiás Laboratório de Microprocessadores e Microcontroladores Experimento 2: Teclado e Rotação de LEDs Alunos: Matrícula:

Leia mais

Gerência de Memória Memória Virtual e Paginação

Gerência de Memória Memória Virtual e Paginação Memória Virtual e Paginação Carlos Gustavo A. da Rocha Memória virtual O tamanho das memórias aumenta rápido :) Mas o tamanho dos softwares aumenta mais rápido :( Devido a isto os SOs devem ser capazes

Leia mais

2.4 Processadores Micro-instruções Desvios Desvios Condicionais Instruções e Programação em Assembler

2.4 Processadores Micro-instruções Desvios Desvios Condicionais Instruções e Programação em Assembler Aula Expositiva 4 2.4 Processadores 2.4.1 Micro-instruções 2.4.2 Desvios 2.4.3 Desvios Condicionais 2.4.4 Instruções e Programação em Assembler DCC 001 Programação de Computadores 2 o Semestre de 2011

Leia mais

A linguagem ASSEMBLY

A linguagem ASSEMBLY A linguagem ASSEMBLY Assembly é uma linguagem de baixo nível, chamada freqüentemente de linguagem de montagem É uma linguagem considerada difícil, principalmente porque o programador precisa conhecer a

Leia mais

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Sistemas Operacionais I

Sistemas Operacionais I Sistemas Operacionais I Revisão de conceitos Sistemas Operacionais I Dionisio Gava Junior Componentes básicos Componentes Básicos da Tecnologia da Informação Hardware CPU, Memória e Periféricos de E/S.

Leia mais

Algoritmos Computacionais

Algoritmos Computacionais UNIDADE 1 Processador e instruções Memórias Dispositivos de Entrada e Saída Software ARQUITETURA BÁSICA UCP Unidade central de processamento MEM Memória E/S Dispositivos de entrada e saída UCP UNIDADE

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Fabio Augusto Oliveira Processos O processador é projetado apenas para executar instruções, não sendo capaz de distinguir qual programa se encontra em execução. A gerência de

Leia mais

Linguagem de Montagem Assembly

Linguagem de Montagem Assembly Linguagem de Montagem Assembly Especificações O programa em Assembly Fica sobre a camada do Sistema Operacional Efetua chamadas ao Sistema Operacional O montador Chama-se Assembler Traduz a linguagem de

Leia mais

25/8/2010. Praticamente todas as arquiteturas de computadores fornecem mais de um modo de

25/8/2010. Praticamente todas as arquiteturas de computadores fornecem mais de um modo de Arquitetura de Computadores Conjuntos de Instruções: modos de endereçamento e formatos Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Endereçamento Normalmente, os campos de endereço são

Leia mais

Classificação das linguagens de programação

Classificação das linguagens de programação Introdução Linguagem É um meio de comunicação entre pessoas. Faculdade de expressão audível e articulada do homem. Conjunto de sinais falados, escritos ou gesticulados de que se serve o homem para demonstrar

Leia mais

Esta pseudomáquina foi criada em homenagem ao homem de Neandertal, o antecessor do homo sapiens.

Esta pseudomáquina foi criada em homenagem ao homem de Neandertal, o antecessor do homo sapiens. Documentação Neander C O Neander C O computador hipotético Neander Características Modos de endereçamento Conjunto de instruções Obtendo o Neander C Compilando o Neander C Executando o Neander C Programando

Leia mais

Organização de Memórias

Organização de Memórias Intel 8051 O Intel 8051 é um microcontrolador de 8 bits que pertence a família MCS-51 da Intel e foi lançado em 1977. É tido como o microcontrolador mais popular do mundo, pois é muito versátil e possui

Leia mais

PROGRAMAÇÃO I. Introdução

PROGRAMAÇÃO I. Introdução PROGRAMAÇÃO I Introdução Introdução 2 Princípios da Solução de Problemas Problema 1 Fase de Resolução do Problema Solução na forma de Algoritmo Solução como um programa de computador 2 Fase de Implementação

Leia mais

Informática I. Aula 9. Aula 9-17/05/2006 1

Informática I. Aula 9.  Aula 9-17/05/2006 1 Informática I Aula 9 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 9-17/05/2006 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Procedimentos. Sistemas de Computação

Procedimentos. Sistemas de Computação Procedimentos Chamada de Procedimentos Utilização de procedimentos: Facilitar entendimento do programa Reutilização de código Passos necessários para execução de um procedimento: Os parâmetros a serem

Leia mais

Notas da Aula 7 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 7 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 7 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Organização de um Processo em Memória Quando um processo é criado, o SO aloca uma porção da memória física da máquina para a criação do espaço

Leia mais

Como construir um compilador utilizando ferramentas Java

Como construir um compilador utilizando ferramentas Java Como construir um compilador utilizando ferramentas Java p. 1/2 Como construir um compilador utilizando ferramentas Java Aula 1 - Introdução Prof. Márcio Delamaro delamaro@icmc.usp.br Como construir um

Leia mais

Estrutura e Funcionamento da CPU. Adriano Maranhão

Estrutura e Funcionamento da CPU. Adriano Maranhão Estrutura e Funcionamento da CPU Adriano Maranhão 1 S Relembrando S Compiladores de linguagens ao fazer a conversão da linguagem de alto nível para chegar na fase da linguagem de baixo nível como assembly

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica. ELE Microprocessadores II. Prof. Carlos Antonio Alves Sala 59 Fone

Departamento de Engenharia Elétrica. ELE Microprocessadores II. Prof. Carlos Antonio Alves Sala 59 Fone Departamento de Engenharia Elétrica ELE 1084 - Microprocessadores II Prof. Carlos Antonio Alves Sala 59 Fone 3743-1224 caa@dee.feis.unesp.br 1 ELE 1084 Microprocessadores II P R O G R A M A D E E N S I

Leia mais

Programação de Microcontroladores I

Programação de Microcontroladores I Programação de Microcontroladores I M.M. / 2001 (revisão) L.M.S. e P.S.C. / 2001 (revisão) E.T.M./2004 (revisão) E.T.M./2005 (revisão) E.T.M./2010 (revisão) E.T.M./2011 (revisão da parte experimental)

Leia mais

Introdução ao Fortran 90

Introdução ao Fortran 90 Introdução ao Fortran 90 Departamento de Física UFPel Pré-História 1943-1953: Computador com Programa Fixo ENIAC (Electronic Numerical Integrator and Computer) Início do Projeto: 1943 Projeto Completo:

Leia mais

Microcontrolador 8051

Microcontrolador 8051 Microcontrolador 8051 Inicialmente fabricado pela INTEL, atualmente fabricado por várias empresas; Possui uma grande variedade de dispositivos, com diversas características, porém compatíveis em software;

Leia mais

ção de Computadores I

ção de Computadores I Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Arquitetura e Organizaçã ção de Computadores I Aula 2 1. Projeto da Arquitetura

Leia mais

Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Linguagem de Montagem Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO 1 Introdução Independente da linguagem de programação utilizada, todo programa

Leia mais

SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Aula 2 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Aula 2 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Conceitos Básicos Aula 2 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira INTRODUÇÃO n Organização Æ implementação do hardware, componentes, construção dos dispositivos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Visão geral de montadores, ligadores e carregadores 2 a edição Revisão: Fev/2003 Sistemas Operacionais Montadores, ligadores e carregadores Anexo A Como um programa é construído até ser executado? Montadores

Leia mais

O estudo da arquitectura de computadores efectua-se com recurso à Abstracção

O estudo da arquitectura de computadores efectua-se com recurso à Abstracção ARQUITECTURA DE COMPUTADORES O estudo da arquitectura de computadores efectua-se com recurso à Abstracção Podemos ver um computador de várias formas. Para um utilizador normalmente o computador é a aplicação

Leia mais

Arquitetura de Computadores Unidade Central de Processamento CPU

Arquitetura de Computadores Unidade Central de Processamento CPU Arquitetura de Computadores Unidade Central de Processamento CPU CPU Funções realizadas pelo processador: Função controle Responsável pela busca, interpretação e controle da execução das instruções, bem

Leia mais

Programação de Microcontroladores I

Programação de Microcontroladores I Programação de Microcontroladores I M.M. / 2001 (revisão) L.M.S. e P.S.C. / 2001 (revisão) E.T.M./2004 (revisão) E.T.M./2005 (revisão) E.T.M./2010 (revisão) E.T.M./2011 (revisão da parte experimental)

Leia mais

ULA. Combina uma variedade de operações lógicas e matemáticas dentro de uma única unidade.

ULA. Combina uma variedade de operações lógicas e matemáticas dentro de uma única unidade. PROCESSADOR ULA Combina uma variedade de operações lógicas e matemáticas dentro de uma única unidade. ULA Uma ULA típica pode realizar as operações artiméticas: - adição; - subtração; E lógicas: - comparação

Leia mais

MODOS DE ENDEREÇAMENTO E CONJUNTO DE INSTRUÇÕES

MODOS DE ENDEREÇAMENTO E CONJUNTO DE INSTRUÇÕES MODOS DE ENDEREÇAMENTO E CONJUNTO DE INSTRUÇÕES Alexandre Lucas Chichosz Graduando em Engenharia da Computação, Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Calwann de Souza Freire Graduando em Engenharia

Leia mais

MODOS DE ENDEREÇAMENTO E CONJUNTO DE INSTRUÇÕES

MODOS DE ENDEREÇAMENTO E CONJUNTO DE INSTRUÇÕES MODOS DE ENDEREÇAMENTO E CONJUNTO DE INSTRUÇÕES Alexandre Lucas Chichosz Discente do curso Engenharia da Computação Calwann de Souza Freire Discente do curso Engenharia da Computação Myke Albuquerque Pinto

Leia mais