Resumo. Palavras-chave: papel sintético, resíduo mineral, compósito INTRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resumo. Palavras-chave: papel sintético, resíduo mineral, compósito INTRODUÇÃO"

Transcrição

1 Resumo O papel sintético apresenta características superiores ao papel celulósico, como maior resistência ao rasgo, maior durabilidade além de poder ser molhado. Ideal para confecção de livros e documentos. Uma outra grande vantagem do papel sintético é que o mesmo pode ser formado com resíduo. Uma das indústrias que gera grande quantitativo de resíduo é a indústria de rochas ornamentais. Assim, este trabalho tem como objetivo a verificação da possibilidade de aplicação deste resíduo na confecção do papel sintético. Para isso foram feitas composições de 20, 30 e 40% em massa do resíduo em uma matriz de polietileno. Foi realizado a Microscopia Eletrônica de Varredura (MEV) nos materiais compósitos e no papel celulósico, material de referência. Foram analisados também a composição mineralógica dos resíduos. Os resultados foram satisfatórios pois indicaram a possibilidade de utilização do resíduo como fonte de carbonato e foi possível a formação da microcavitação, característica importante para o papel sintético. Palavras-chave: papel sintético, resíduo mineral, compósito INTRODUÇÃO As rochas ornamentais são muito utilizadas no setor de construção civil, pois tem a função de proteção e decoração. Durante o processamento de extração e beneficiamento das mesmas observa-se a geração de uma quantidade significativa de resíduos. Desta forma, o aproveitamento desses resíduos trata-se de uma questão de fundamental importância, tendo em vista as questões relativas ao meio ambiente (1;2). Assim, pesquisas tem sido desenvolvida para otimização das propriedades dos resíduos e para o desenvolvimento de novos materiais. No entanto, esse processo deve ser conduzido de forma inteligente, dentro de um contexto de desenvolvimento tecnológico sustentável e consciente. Para unir esses conceitos, utilizar resíduos de materiais, como os materiais compósitos tem sido uma boa alternativa. Neste contexto surge o papel polimérico, um filme compósito polimérico formado por um polímero e uma carga, em geral o carbonato de cálcio. Este apresenta características superiores ao papel celulósico,

2 pois apresenta maior vida útil, maior resistência mecânica e pode ser molhado. Podendo ser aplicado principalmente em livros e documentos. A superfície fibrosa do papel celulósica fornece características ao papel como, menos brilho, receptividade e escrita com lápis e caneta esferográfica. Nos papéis poliméricos essa característica tem sido conseguida através da formação da microcavitação, que são vazios que se formam na interface da matriz polimérica com a partícula (3). Esses microvazios auxiliam em características desejadas com baixo brilho, característico dos materiais poliméricos, receptividade a tintas e menor densidade. OBJETIVOS O presente trabalho tem como objetivo produzir um material compósito com resíduos de rocha calcária, como fonte de carbonato e Polietileno de Alta Densidade (PEAD), para ser aplicado na produção de papel polimérico, em diferentes porcentagens de resíduo. Para se avaliar a influência de cada carga e a quantidade ideal de resíduo. METODOLOGIA Resíduo Mineral Foram utilizados dois tipos de resíduos, oriundos do beneficiamento de um calcário sedimentar da região do Cariri-CE e um calcário metamórfico da região de Caiacó-RN. Ambos foram desagregados e passantes na peneira de 0,149 mm. Polímero O polímero escolhido foi o PEAD, pois apresenta maior resistência mecânica entre os polietilenos. O PEAD utilizado foram dois; um cedido pelo Instituto Nacional de Tecnologia (INT), EL-60070, com valor de Índice de Fluidez (MFI) de 7,00 g/10mim, sendo este homopolímero. E o segundo cedido pelo Centro Universitário Estadual da Zona Oeste (UEZO), HS-5406, com MFI de 5,5 g/10min, sendo este segundo copolímero. Procedimento

3 Para a geração do papel polimérico, previamente foram feitas composições com o PEAD- Homopolímero variando o resíduo, nas composições de 20, 30 e 40% de massa de cada um dos resíduos. Estas foram processadas na extrusora com matriz plana (AX 1626, Lab 16 da marca AX Plásticos), resultando em um filme, a Fig 1 ilustra o processo de fabricação deste filme. As amostras de papel polimérico foram analisadas por Microscopia Eletrônica de Varredura (MEV). Foi analisada também, no MEV, uma amostra de papel celulósico de uso comum, do tipo Ofício A4, como material comparativo. Além disso, foi realizada uma análise quantitativa nos resíduos, para se obter o potencial dos resíduos a serem utilizados como substituinte do carbonato de cálcio, por Fluorescência de R-X. Por fim as amostras de papel polimérico foram analisadas manualmente aspecto como, receptividade quando à escrita com lápis e caneta esferográfica. Figura 1: Modo de fabricação do filme-papel polimérico RESULTADOS E DISCUSSÃO Análise Química dos Resíduos A Tabela 1 ilustra os resultados de Fluorescência de R-X dos resíduos, onde observa-se a alta porcentagem de cálcio que foi de 70,8 e 96,5 % para os resíduos do RN e do Cariri, respectivamente, indicando a potencialidade de serem substituintes do carbonato industrializado. Além disso, observa-se o baixo teor de sílica, elemento abrasivo que poderia restringir a utilização nesse setor. Tabela 1: Análise quantitativa dos resíduos por DR-X

4 Caracterização dos Papéis Papel Celulósico O papel celulósico apresenta uma superfície irregular e muitos vazios, como podem ser observados na Fig 2-a. Além disso, pode ser visto a presença de uma carga entre as fibras de celulose, que possivelmente seria o carbonato de cálcio, pois o mesmo apresenta picos de cálcio, como ilustra a Fig 2-b. a b Figura 2: (a) Imagem do MEV do papel celulósico e (b) Imagem do DR-X da carga deste papel Aspecto visual do papel polimérico e do resíduo mineral A Fig 3-a ilustra as imagens dos resultados obtidos, pode-se observar que o papel com resíduo do RN apresenta uma coloração clara, próximo ao papel celulósico, sendo mais indicado para a escrita. Esta coloração está de acordo com a tonalidade do resíduo do RN, como indica a Fig 3-b. Já o papel com o resíduo do Cariri, o material apresentou uma coloração mais bege se comparado com a coloração do resíduo do RN. Isso possivelmente pela oxidação do ferro e material orgânico, encontrado neste resíduo, durante o processamento devido à alta temperatura. O ideal para a utilização dos resíduos é que o mesmo promova o branqueamento no papel.

5 Figura 3: (a) Foto dos papéis e (b) Foto dos resíduos Papel polimérico com os resíduos do Cariri e do RN PEAD Homopolímero O processamento dessas composições na extrusora não ocorreu de forma ideal, pois o fluxo do polímero fundido não fluiu de forma contínua, possivelmente pela estrutura química desse polímero. Sua alta cristalinidade dificulta a inserção da carga nas macromoléculas do polímero, dificultando na homogeneização. Nas composições com 20, 30 e 40% de resíduo do RN com o PEAD- Homopolímero, o filme apresentou muita aspereza, não sendo possível conseguir um bom acabamento no produto final. Isso porque suas partículas apresentavam dimensões maiores se comparadas com o resíduo do Cariri, como indica a Fig 4-a. Já as composições com 20, 30 e 40% de resíduo do Cariri, o produto final apresentou melhores características que as com resíduo do RN. Entre as três composições a amostra com 40% de resíduo do Cariri se mostrou superior quanto a receptividade escrita. Isso porque o aumento de resíduo aumenta a rugosidade da superfície do material, possibilitando a escrita. A Fig 4-b ilustra a micrografia do papel polimérico com PEAD- Homopolímero e 40% Cariri. No entanto a homogeneização não foi ideal, necessitando-se uma alteração do polímero. a b Partícula grande Figura 4: (a)mev do PEAD- Homopolímero/40%RN e (b)pead- Homopolímero/40% Cariri Papel polimérico com os resíduos do Cariri e PEAD- Copolímero Como a massa polimérica não foi ideal, devido a má homogeneização, foi utilizado outro polímero no intuito de contornar essa dificuldade. Os resultados nesse processamento foram satisfatórios, pois o fluido se apresentou

6 homogêneo, com a carga devidamente distribuída no filme, como ilustra a Fig 5- a. Isso pode ser explicado com a estrutura química deste polímero. Pois sua A estrutura molecular apresenta pequenas moléculas inseridas de propano, butano ou propano, diminuindo a cristalinidade das macromoléculas do polímero, facilitando a inserção das partículas dos resíduos entre as macromoléculas. Além disso, houve a formação de microvazios, que permitem que o filme possua características semelhantes ao papel celulósico, pois ocorre diminuição do brilho no filme, diminuição da densidade, além de maior receptividade a tintas (HUANG, 1997). Os microvazios se formam na interface da carga/polímero, como ilustra a Fig 5-b. B A A Figura 5: MEV do PEAD- Copolímero/40%Cariri CONCLUSÃO Pode-se concluir que a utilização do resíduo mineral como fonte de carbonato de cálcio para a confecção de papel polimérico, em substituição ao carbonato industrializado é possível. Além disso, foi possível obter a formação da microcavitação entre a carga e o polímero, resultando em um filme com boas características para a escrita. Em relação aos resíduos, o mais indicado seria o resíduo do Cariri, por apresentar partículas menores, sendo possível obter um produto com melhor acabamento. Chegando-se a teor máximo de 40%. AGRADECIMENTOS Ao CNPq pelo apoio financeiro, ao Instituto Nacional de Tecnologia e a Universidade Estadual da Zona Oeste, pelo fornecimento de material e espaço laboratorial.

7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS (1) CONCEIÇÃO, M. N.; RIBEIRO, R. C. C.; CORREIA, J. C. G.Estudos Preliminares da Utilização de Resíduos Oriundos do Beneficiamento da Pedra Sabão em Pavimentação Asfáltica. XVII Jornada de Iniciação Cientícica. Centro de Tecnologia Mineral, (2) RIBEIRO, R. C. C.; CORREIA, J. C. G.; SEIDL, P.R., SOARES, B.S.; ALMEIDA, S. L. M.; CARVALHO, E. A. Utilização de Calcário do Cariri como Agregado Mineral em Pavimentação Asfáltica. Série Tecnologia Mineral, p (3) HUANG, H.W. Synthetic paper and method for its manufacture. EP (A1). maio de 1997

AVALIAÇÃO DE COMPÓSITOS CIMENTÍCIOS CONTENDO AREIA RECICLADA REFORÇADOS COM FIBRAS DE SISAL

AVALIAÇÃO DE COMPÓSITOS CIMENTÍCIOS CONTENDO AREIA RECICLADA REFORÇADOS COM FIBRAS DE SISAL AVALIAÇÃO DE COMPÓSITOS CIMENTÍCIOS CONTENDO AREIA RECICLADA REFORÇADOS COM FIBRAS DE SISAL Noelise Gomes Uzeda Sousa 1 ; Paulo Roberto Lopes Lima 2 ; Daniele Justo 3 ; Cintia Maria Ariani Fontes 2 1.

Leia mais

SUMÁRIO. 2 P á g i n a

SUMÁRIO. 2 P á g i n a SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 03 1. CONCEITOS FUNDAMENTAIS SOBRE O POLÍMERO... 04 1.1 Definição de polímeros... 04 1.2 Cadeia produtiva de polímeros... 04 2. POLIPROPILENO... 06 2.1 Comercialização do polipropileno...

Leia mais

Sempre que há a necessidade da construção de componentes específicos ou máquinas complexas sempre será necessário a utilização dos materiais.

Sempre que há a necessidade da construção de componentes específicos ou máquinas complexas sempre será necessário a utilização dos materiais. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS I AT-096 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: Sempre que há a necessidade

Leia mais

Materiais Poliméricos. Conceitos Gerais

Materiais Poliméricos. Conceitos Gerais Materiais Poliméricos Conceitos Gerais ESTRUTURA DOS POLIMEROS DEFINIÇÃO São moléculas muito grandes (macromoléculas) formadas pela repetição de pequenas e simples unidades químicas (monômeros), ligadas

Leia mais

Estrutura e Propriedades dos Materiais

Estrutura e Propriedades dos Materiais Estrutura e Propriedades dos Materiais Prof. Rubens Caram Sala EE-211 rcaram@fem.unicamp.br 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS MATERIAIS MATERIAIS: SUBSTÂNCIAS USADAS PARA COMPOR TUDO O QUE ESTÁ A NOSSA VOLTA

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA MCC1001 AULA 1

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA MCC1001 AULA 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA MCC1001 AULA 1 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO PROJETO DE MATRIZES DE FORJAMENTO A FRIO ATRAVÉS DA SIMULAÇÃO NUMÉRICA POR ELEMENTOS FINITOS

OTIMIZAÇÃO DO PROJETO DE MATRIZES DE FORJAMENTO A FRIO ATRAVÉS DA SIMULAÇÃO NUMÉRICA POR ELEMENTOS FINITOS 5 V CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 14 a 17 de abril de 2009 - Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil OTIMIZAÇÃO DO PROJETO DE MATRIZES DE FORJAMENTO A FRIO ATRAVÉS DA SIMULAÇÃO NUMÉRICA

Leia mais

Caracterização da vida de fadiga de concreto asfáltico através do ensaio de flexão em quatro pontos

Caracterização da vida de fadiga de concreto asfáltico através do ensaio de flexão em quatro pontos Caracterização da vida de fadiga de concreto asfáltico através do ensaio de flexão em quatro pontos Autores: Gracieli B. Colpo, Lélio A. T. Brito, Jorge A. P. Ceratti, Eduardo Meirelles, Fábio Hirsch,

Leia mais

(51) lnt. Cl 7.: C04B 18/12 C04B 18/18. (54) Título: PROCESSO DE UTILIZAÇÃO DE FINOS DE GRANITO NA COMPOSIÇÃO DO ASFALTO

(51) lnt. Cl 7.: C04B 18/12 C04B 18/18. (54) Título: PROCESSO DE UTILIZAÇÃO DE FINOS DE GRANITO NA COMPOSIÇÃO DO ASFALTO c11> c21> PI 0305456-0 A 111111~ 11111111~1 li~ ~íl I~~ lílíl 11111 lllíl I~~ 11111 líl~l Ili li~ República Federativa do Brasil Ministério do Desenvolvimento, Indústria e do Comércio Exterior Instituto

Leia mais

4. RESULTADOS EXPERIMENTAIS. Após a preparação metalográfica das amostras, foi realizado o ataque Behara

4. RESULTADOS EXPERIMENTAIS. Após a preparação metalográfica das amostras, foi realizado o ataque Behara 4. RESULTADOS EXPERIMENTAIS 4.1. Caracterização microestrutural 4.1.1. Microscopia óptica Após a preparação metalográfica das amostras, foi realizado o ataque Behara modificado (conforme item 3.3), para

Leia mais

AVALIAÇÕES QUÍMICA, MINERALÓGICA E FÍSICA DE UM TIPO DE ROCHA DA EMPRESA SULCAMAR

AVALIAÇÕES QUÍMICA, MINERALÓGICA E FÍSICA DE UM TIPO DE ROCHA DA EMPRESA SULCAMAR Centro de Tecnologia Mineral Ministério da Ciência e Tecnologia Coordenação do Campus Avançado de Cachoeiro de Itapemirim CETEM/ ES AÇÃO Nº 07/0318 AVALIAÇÕES QUÍMICA, MINERALÓGICA E FÍSICA DE UM TIPO

Leia mais

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES FISICAS DE BLOCOS DE CONCRETO COM ADIÇÃO DE BORRACHA DE PNEU TRITURADA Sandra Regina Bertocini; Ludmila Soares Carneiro Inovação Sustentável INTRODUÇÃO A cada ano, dezenas de

Leia mais

A aposta em soluções de baixo custo

A aposta em soluções de baixo custo Em que pensamos quando falamos em soluções de baixo custo? Materiais baratos? Sistemas de execução rápida e simples? Soluções duradouras? Solução inicial mais barata vs solução global mais económica? Qual

Leia mais

Os materiais de proteção térmica devem apresentar:

Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Elevado calor específico Reduzida condutividade térmica Garantia de integridade durante a evolução do incêndio Resistência mecânica adequada Custo viável

Leia mais

Lençóis Técnico de Borracha

Lençóis Técnico de Borracha Lençóis Técnicos de Borracha Os lençóis de borracha são laminados com características técnicas para atender às mais variadas necessidades industriais. Usados como componentes de produtos, podem ser transformados

Leia mais

Física dos Materiais FMT0502 ( )

Física dos Materiais FMT0502 ( ) Física dos Materiais FMT0502 (4300502) 1º Semestre de 2010 Instituto de Física Universidade de São Paulo Professor: Antonio Dominguesdos Santos E-mail: adsantos@if.usp.br Fone: 3091.6886 http://plato.if.usp.br/~fmt0502n/

Leia mais

GEOMEMBRANA PEAD MANUAL TÉCNICO

GEOMEMBRANA PEAD MANUAL TÉCNICO GEOMEMBRANA PEAD MANUAL TÉCNICO NEOPLASTIC EMBALAGENS PLÁSTICAS LTDA. Av. Pacaembu, 485 Serra dos Abreus Franco da Rocha SP CEP: 07810-000 Telefone: (11) 4443-1000 Fax: (11) 4443-1025 site: www.neoplastic.com.br

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SINALIZAÇÃO VERTICAL Página 1 de 5 1. OBJETIVO Esta especificação técnica fixa condições exigíveis para o fornecimento de placas de regulamentação, advertência ou indicativas para sinalização vertical

Leia mais

Caracterização e desempenho de ligas de zinco/níquel e estanho/zinco

Caracterização e desempenho de ligas de zinco/níquel e estanho/zinco Band28 1/1/04 5:33 AM Page 1 Artigos Técnicos Caracterização e desempenho de ligas de zinco/níquel e estanho/zinco Este estudo visa a melhoria dos processos de resistência à corrosão, avaliando o desempenho

Leia mais

Introdução à ciência e engenharia dos materiais e classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker

Introdução à ciência e engenharia dos materiais e classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker Introdução à ciência e engenharia dos materiais e classificação dos materiais Profa. Daniela Becker Referências Callister Jr., W. D. Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução. LTC, cap 1, 5ed.,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BANANEIRA. Viviane da Costa Correia 1, José Dafico Alves 2

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BANANEIRA. Viviane da Costa Correia 1, José Dafico Alves 2 AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BANANEIRA Viviane da Costa Correia 1, José Dafico Alves 2 1 Bolsista PBIC/UEG, graduada no Curso de Engenharia Agrícola, UNUCET - UEG. 2 Orientador, docente

Leia mais

Bateria Estacionária Bosch Eficiência e tecnologia em armazenagem de energia.

Bateria Estacionária Bosch Eficiência e tecnologia em armazenagem de energia. Bateria Estacionária Bosch Eficiência e tecnologia em armazenagem de energia. Baterias estacionárias Bosch As baterias estacionárias Bosch foram desenvolvidas para garantir o máximo desempenho e durabilidade

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0049 ISOLADORES 1/19 1. FINALIDADE

Leia mais

Óxido de Alumínio. fechada. Dimensões e quantidades mínimas de encomenda por consulta. Carbureto de silício. fechada

Óxido de Alumínio. fechada. Dimensões e quantidades mínimas de encomenda por consulta. Carbureto de silício. fechada Cintas de lixa com costado de papel Papel de lixa ANTSTATC PS 22 F ACT F-Papel Pintura/verniz/massa Vantagens: Alta capacidade de desbaste, acabamento fino - Especialmente desenvolvido para o lixamento

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Metalurgia

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Metalurgia : Técnico em Metalurgia Descrição do Perfil Profissional: O profissional Técnico em Metalurgia deverá ser capaz de realizar controle visual, dimensional e laboratorial de materiais e substâncias utilizadas

Leia mais

2. Considerando a figura dada na questão 2, explique a principal dificuldade de conformação da sílica fundida em relação ao vidro de borosilicato.

2. Considerando a figura dada na questão 2, explique a principal dificuldade de conformação da sílica fundida em relação ao vidro de borosilicato. Lista de Exercícios Materiais Cerâmicos 1. Num vidro, a deformação pode ocorrer por meio de um escoamento isotrópico viscoso se a temperatura for suficientemente elevada. Grupos de átomos, como por exemplo

Leia mais

CONHEÇA AS PRINCIPAIS ETAPAS QUÍMICAS NA INDÚSTRIA DE CELULOSE. Processos Químicos Industriais II

CONHEÇA AS PRINCIPAIS ETAPAS QUÍMICAS NA INDÚSTRIA DE CELULOSE. Processos Químicos Industriais II CONHEÇA AS PRINCIPAIS ETAPAS QUÍMICAS NA INDÚSTRIA DE CELULOSE E PAPEL Processos Químicos Industriais II POLPAÇÃO QUÍMICA Os cavacos são cozidos em licores ou lixívias, isto é, em soluções aquosas contendo

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL

AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL Autores: ANDERSON RENATO VOBORNIK WOLENSKI - Universidade

Leia mais

Palavras chave: concreto de alto desempenho, durabilidade, resíduo, resistência

Palavras chave: concreto de alto desempenho, durabilidade, resíduo, resistência Utilização dos Resíduos de Empresas de Beneficiamento de Granito e Mármore como Adição na Produção de Concreto de Alto Desempenho na Região do Agreste Alagoano. Júlia Karolline V. Duarte 1, Lucas R. Silva

Leia mais

MÁRMORE SINTÉTICO COMPOSITES

MÁRMORE SINTÉTICO COMPOSITES MÁRMORE SINTÉTICO COMPOSITES INTRODUÇÃO Há mais ou menos duas décadas, começaram a surgir no mercado as primeiras pias de cozinha, produzidas com um novo material conhecido como Mármore Sintético, com

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2017/1 Mestrado Ciência e Tecnologia de Alimentos Campus Rio Pomba

PROCESSO SELETIVO 2017/1 Mestrado Ciência e Tecnologia de Alimentos Campus Rio Pomba Questão 01: Dê o fundamento e as etapas envolvidas no processo de liofilização de alimentos e cite quatro diferenças entre o processo de liofilização e o processo de secagem convencional. Pag. 1 de 15

Leia mais

MÁRMORES E GRANITOS. LIDER Produtos e Serviços Dezembro 2014 INTRODUÇÃO

MÁRMORES E GRANITOS. LIDER Produtos e Serviços Dezembro 2014 INTRODUÇÃO LIDER Produtos e Serviços Dezembro 2014 MÁRMORES E GRANITOS INTRODUÇÃO A LIDER Produtos e Serviços referência na comercialização de produtos e na prestação de serviços de instalação civil e elétrica apresenta

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE IMPRESSÃO EM IMPRESSORA DIGITAL COM REDUÇÃO DE CUSTOS DE IMPRESSÃO E MATERIAL

PADRONIZAÇÃO DE IMPRESSÃO EM IMPRESSORA DIGITAL COM REDUÇÃO DE CUSTOS DE IMPRESSÃO E MATERIAL PADRONIZAÇÃO DE IMPRESSÃO EM IMPRESSORA DIGITAL COM REDUÇÃO DE CUSTOS DE IMPRESSÃO E MATERIAL Renato Gomes 1, Renato Luiz Gambarato 2 1 Graduando em Produção Industrial na FATEC Botucatu, renato_g581@hotmail.com

Leia mais

APOSTILA DE QUÍMICA ORGÂNICA 4º BIMESTRE

APOSTILA DE QUÍMICA ORGÂNICA 4º BIMESTRE Nome: nº: Bimestre: 4º Ano/série: 3ª série Ensino: Médio Componente Curricular: Química Professor: Ricardo Honda Data: / / APOSTILA DE QUÍMICA ORGÂNICA 4º BIMESTRE TEORIA 28 POLÍMEROS Alguns tipos de moléculas

Leia mais

Efeito do Processo de Calcinação na Atividade Pozolânica da Argila Calcinada

Efeito do Processo de Calcinação na Atividade Pozolânica da Argila Calcinada Realização 20 a 22 de Junho de 2016 - São Paulo/SP Efeito do Processo de Calcinação na Atividade Pozolânica da Argila Calcinada Gabriel Alves Vasconcelos Engenheiro Civil João Henrique da Silva Rêgo Professor

Leia mais

Ciência e Tecnologia de Materiais ENG1015

Ciência e Tecnologia de Materiais ENG1015 1 Ciência e Tecnologia de Materiais ENG1015 http://www.dema.puc-rio.br/moodle DEMa - Depto. de Engenharia de Materiais última atualização em 10/02/2014 por sidnei@puc-rio.br Estrutura do Curso 2 Introdução:

Leia mais

Matérias Primas e Processos para Marcenaria

Matérias Primas e Processos para Marcenaria Entre os materiais mais utilizados pelo marceneiro no revestimento de chapas e painéis estão as lâminas ou folhas de madeira. As lâminas surgiram da necessidade de se reduzir custos, e são obtidas através

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Sertã

Agrupamento de Escolas da Sertã Agrupamento de Escolas da Sertã Direcção Regional de Educação do Centro Ficha de trabalho - Ciências Naturais Ano Lectivo: 2010/11 Ano de Escolaridade: 7 º Ano Aluno: N.º: Turma: Data: / / 1. Estabelece

Leia mais

PRODUÇÃO DE COMPÓSITOS DA PALHA DE MILHO COM POLÍMERO BIODEGRADÁVEL E AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS

PRODUÇÃO DE COMPÓSITOS DA PALHA DE MILHO COM POLÍMERO BIODEGRADÁVEL E AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS PRODUÇÃO DE COMPÓSITOS DA PALHA DE MILHO COM POLÍMERO BIODEGRADÁVEL E AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS A.A. MORANDIM-GIANNETTI 1, B.M. VIGILATO 1, C.A.Y.J. ALVES 1, C. MIZUSAKI 1, T. MORIHAMA 1, B.C.

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO N SOL /10 ENSAIOS EM AGREGADOS

RELATÓRIO DE ENSAIO N SOL /10 ENSAIOS EM AGREGADOS Ensaios NBR ISO/IEC 17025 Falcão Bauer Falcão Bauer Página: 1/5 CRL 0003 Laboratório de Ensaio Acreditado pela Cgcre/lnmetro de acordo com a NBR ISO/IEC 17025 sob o n CRL003. RELATÓRIO DE ENSAIO N SOL

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DO BENEFICIAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS (MÁRMORES E GRANITOS) NA CONSTRUÇÃO CIVIL

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DO BENEFICIAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS (MÁRMORES E GRANITOS) NA CONSTRUÇÃO CIVIL UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DO BENEFICIAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS (MÁRMORES E GRANITOS) NA CONSTRUÇÃO CIVIL Moura, Washington A.(1); Gonçalves, Jardel P. (2); (1) Eng. Civil, Doutor em Engenharia Civil, professor

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 02. Introdução ao Estudo dos Materiais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 02. Introdução ao Estudo dos Materiais Aula 02 Introdução ao Estudo dos Materiais Prof. Me. Dario de Almeida Jané Introdução ao Estudo dos Materiais - Definição - Tipos de Materiais / Classificação - Propriedades dos Materiais Introdução ao

Leia mais

Área de Competência: Polímeros

Área de Competência: Polímeros Área de Competência: Polímeros Evento Inovacão e o Futuro da Indústria FIESC Painel: Tendências Tecnológicas em Materiais e Química 31/10/16 Florianópolis/SC Descrição das sub áreas tecnológicas de atuação

Leia mais

ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR. Resumo: Introdução

ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR. Resumo: Introdução ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR Patrick Antonio Morelo (UNICENTRO), Luiz Fernando Cótica,Fabio Luiz Melquíades e Ricardo Yoshimitsu Miyahara (Orientador), e-mail: rmiyahara@unicentro.br.

Leia mais

PL 40/250 perfurado DESCRIÇÃO

PL 40/250 perfurado DESCRIÇÃO PL 40/250 perfurado DESCRIÇÃO Há mais de 40 anos que a Aceralia fabrica perfís largos auto-suportados de aço, para revestimento de todo tipo de edificações. Actualmente, é uma das empresas lider neste

Leia mais

FABRICAÇÃO MECÂNICA. Introdução aos Processos de Fabricação / Fundição. Material 1 Coletânea de materiais sobre fundição (livros, apostilas e resumos)

FABRICAÇÃO MECÂNICA. Introdução aos Processos de Fabricação / Fundição. Material 1 Coletânea de materiais sobre fundição (livros, apostilas e resumos) 2010 FABRICAÇÃO MECÂNICA Introdução aos Processos de Fabricação / Fundição Material 1 Coletânea de materiais sobre fundição (livros, apostilas e resumos) Prof. Alexander 1/1/2010 1 - INTRODUÇÃO 2 3 2 -

Leia mais

Génese das Rochas. Minerais. Rochas Sedimentares. Rochas Magmáticas. Rochas Metamórficas

Génese das Rochas. Minerais. Rochas Sedimentares. Rochas Magmáticas. Rochas Metamórficas Génese das Rochas Minerais Rochas Sedimentares Rochas Magmáticas Rochas Metamórficas As rochas são constituídas por... São substâncias inorgânicas, naturais, cristalinas e com uma composição química bem

Leia mais

SISTEMA EPOXI Líquido Mármores e Granitos

SISTEMA EPOXI Líquido Mármores e Granitos 120 Telagem Comp. A É recomendado como adesivo para fixação de tecido (telagem) em chapas e ladrilhos de mármore e granitos Epóxi Líquido Alta 100 : 20pp reforçando-as. Apresenta boa penetração e impregnação

Leia mais

Discos CS e Rodas Laminadas CS Scotch-Brite Industrial

Discos CS e Rodas Laminadas CS Scotch-Brite Industrial 3 Discos CS e Rodas Laminadas CS Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Fevereiro/2004 Substitui: janeiro/2002 Página 1 de 6 Introdução: Os Discos CS e Rodas Laminadas CS (Clean N Strip) são originários

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO EFLUENTE RESULTANTE DO PROCESSO DE LAVAGEM DE PLÁSTICO FILME AVALIANDO APLICAÇÃO DE TRATAMENTO PELO PROCESSO ELETROLÍTICO.

CARACTERIZAÇÃO DO EFLUENTE RESULTANTE DO PROCESSO DE LAVAGEM DE PLÁSTICO FILME AVALIANDO APLICAÇÃO DE TRATAMENTO PELO PROCESSO ELETROLÍTICO. CARACTERIZAÇÃO DO EFLUENTE RESULTANTE DO PROCESSO DE LAVAGEM DE PLÁSTICO FILME AVALIANDO APLICAÇÃO DE TRATAMENTO PELO PROCESSO ELETROLÍTICO. Caracterização do empreendimento Empresa de lavagem de plástico

Leia mais

Introdução. 1 - Centro Universitário Estadual da Zona Oeste UEZO, Rio de Janeiro RJ,

Introdução. 1 - Centro Universitário Estadual da Zona Oeste UEZO, Rio de Janeiro RJ, AVALIAÇÃO DE PROPRIEDADES FÍSICAS DE RESÍDUOS DE BLENDAS DE POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE () PÓS-CONSUMO E COPOLÍMERO DE ESTIRENO-BUTADIENO-ESTIRENO (SBS) Juliana L. Dias¹* (IC), Jonas Sousa¹ (IC), Matheus

Leia mais

CARCTERIZAÇÃO DE DIFERENTES PROPRIEDADES DE CARGAS MINERAIS PARA USO NA INDÚSTRIA DE TINTAS

CARCTERIZAÇÃO DE DIFERENTES PROPRIEDADES DE CARGAS MINERAIS PARA USO NA INDÚSTRIA DE TINTAS CARCTERIZAÇÃO DE DIFERENTES PROPRIEDADES DE CARGAS MINERAIS PARA USO NA INDÚSTRIA DE TINTAS C. D. Castro 1, P.N. Conceição 2, C. O. Petter 3 1- Universidade Federal do Rio Grande do Sul Centro de Tecnologia

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTINADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS GEOLOGIA Nome: BI: Classificação: CHAMADA DE ATENÇÃO:

Leia mais

ANÁLISE TÉRMICA E RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE COMPÓSITOS DE HDPE E VERMICULITA

ANÁLISE TÉRMICA E RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE COMPÓSITOS DE HDPE E VERMICULITA ANÁLISE TÉRMICA E RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE COMPÓSITOS DE HDPE E VERMICULITA Iara T. D. Oliveira 1 *, Leila L. Y. Visconte 1 1 Instituto de Macromoléculas Professora Eloisa Mano Universidade Federal do Rio

Leia mais

ANTONIO REINALDO CESTARI

ANTONIO REINALDO CESTARI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE QUÍMICA MATERIAIS NATURAIS E SINTÉTICOS TICOS PARA REMOÇÃO DE POLUENTES DE ANTONIO REINALDO CESTARI LABORATÓRIO RIO DE SÍNTESE S E APLICAÇÃO DE MATERIAIS

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate.

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate. ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: Ciências Naturais Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS AULAS

Leia mais

APROVEITAMENTO DO RESÍDUO DO MÁRMORE BEGE BAHIA NO SETOR POLIMÉRICO UTILIZATION OF BEIGE BAHIA MARBLE WASTEIN POLYMERIC INDUSTRY

APROVEITAMENTO DO RESÍDUO DO MÁRMORE BEGE BAHIA NO SETOR POLIMÉRICO UTILIZATION OF BEIGE BAHIA MARBLE WASTEIN POLYMERIC INDUSTRY APROVEITAMENTO DO RESÍDUO DO MÁRMORE BEGE BAHIA NO SETOR POLIMÉRICO R. C. C. Ribeiro 1, F. W.H. Vidal¹ M. G. Oliveira 2 e C. M. R. Arruda 1 1. Coordenação de Apoio Tecnológico a Micro e Pequenas Empresas,

Leia mais

MATERIAIS DE REVESTIMENTO EM COBERTURAS INCLINADAS

MATERIAIS DE REVESTIMENTO EM COBERTURAS INCLINADAS MATERIAIS DE REVESTIMENTO EM COBERTURAS INCLINADAS Jorge de Brito, Professor Associado IST 1. Introdução Neste início da coluna Elementos de construção não estruturais, inserido no número da revista dedicado

Leia mais

Processo de Fabricação: CORTE A LASER E CORTE A ÁGUA

Processo de Fabricação: CORTE A LASER E CORTE A ÁGUA Processo de Fabricação: CORTE A LASER E CORTE A ÁGUA CORTE A LASER O que é o Laser? Amplificação da luz por emissão estimulada de radiação. É um sistema que produz um feixe de luz coerente e concentrado

Leia mais

COMPÓSITOS CIMENTÍCIOS PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DA INDÚSTRIA MADEIREIRA DE PORTO VELHO

COMPÓSITOS CIMENTÍCIOS PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DA INDÚSTRIA MADEIREIRA DE PORTO VELHO II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA COMPÓSITOS CIMENTÍCIOS PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DA INDÚSTRIA MADEIREIRA DE PORTO VELHO Umberto Gonçalves Ribeiro 1 Raimundo Pereira de Vasconcelos 2 1. INTRODUÇÃO No

Leia mais

INCORPORAÇÃO DO REJEITO DE MÁRMORE E GRANITO EM MATRIZ POLIMÉRICA

INCORPORAÇÃO DO REJEITO DE MÁRMORE E GRANITO EM MATRIZ POLIMÉRICA INCORPORAÇÃO DO REJEITO DE MÁRMORE E GRANITO EM MATRIZ POLIMÉRICA A. C. A. SOUSA 1, T. S. CARVALHO 1, I. F. SANTOS 2 e M. H.V da SILVA 3 1, 3 Instituto Federal do Pará, Coordenação de Engenharia de Materiais

Leia mais

DECK WPC UNIKA. A união perfeita do plástico com a madeira.

DECK WPC UNIKA. A união perfeita do plástico com a madeira. DECK WPC UNIKA A união perfeita do plástico com a madeira. Apresentação Apresentamos um novo conceito de Mercado para a Distribuição e Venda Direta de Produtos e Serviços para o Setor da Construção Civil;

Leia mais

DIAGNÓSTICO E CARACTERIZAÇÃO DO RESÍDUO DE GRANITO VISANDO O USO EM MASSAS CERÂMICAS

DIAGNÓSTICO E CARACTERIZAÇÃO DO RESÍDUO DE GRANITO VISANDO O USO EM MASSAS CERÂMICAS DIAGNÓSTICO E CARACTERIZAÇÃO DO RESÍDUO DE GRANITO VISANDO O USO EM MASSAS CERÂMICAS MENDONÇA, A.M.G.D.; DIAS, S. L.; COSTA, J. M.; PEREIRA, D.L; RAMOS, A.M. C Universidade Federal de campina Grande Av.

Leia mais

ELABORAÇÃO DE BISCOITOS TIPO COOKIES UTILIZANDO FARINHA MISTA EXTRUSADA DE GRÃOS QUEBRADOS DE ARROZ E BANDINHA DE FEIJÃO

ELABORAÇÃO DE BISCOITOS TIPO COOKIES UTILIZANDO FARINHA MISTA EXTRUSADA DE GRÃOS QUEBRADOS DE ARROZ E BANDINHA DE FEIJÃO ELABORAÇÃO DE BISCOITOS TIPO COOKIES UTILIZANDO FARINHA MISTA EXTRUSADA DE GRÃOS QUEBRADOS DE ARROZ E BANDINHA DE FEIJÃO Vitória Maria Machado da COSTA 1, Priscila Zaczuk BASSINELLO 2, Eduardo da Costa

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA Ciência e Tecnologia de Materiais Prof. Msc. Patrícia Correa Revisão -Propriedades ópticas em materiais -Propriedades magnéticas -Metais -Cerâmicas -Polímeros Propriedades ópticas

Leia mais

Car Paint. Automotive. Automotive

Car Paint. Automotive.  Automotive Car Paint Automotive Car Paint Automotive www.carpaint.com.br Car Paint Automotive Apaixonada por carros... e isso é apenas o começo... A Car Paint é uma empresa que nasceu de um projeto inovador e com

Leia mais

5. PROPRIEDADES. O que são propriedades? Você conhece alguma propriedade dos vidro?

5. PROPRIEDADES. O que são propriedades? Você conhece alguma propriedade dos vidro? 5. PROPRIEDADES O que são propriedades? Você conhece alguma propriedade dos vidro? As propriedades intrínsecas e essenciais do vidro são transparência e durabilidade. Outras propriedades tornam-se significantes

Leia mais

APLICAÇÃO DOS POLÍMEROS EM ODONTOLOGIA CLASSIFICAÇÃO DOS POLÍMEROS REQUISITOS PARA UMA RESINA ODONTOLÓGICA. 1. Compatibilidade Biológicos:

APLICAÇÃO DOS POLÍMEROS EM ODONTOLOGIA CLASSIFICAÇÃO DOS POLÍMEROS REQUISITOS PARA UMA RESINA ODONTOLÓGICA. 1. Compatibilidade Biológicos: APLICAÇÃO DOS POLÍMEROS EM ODONTOLOGIA Próteses totais Base, reembasadores, dentes artificiais. Materiais restauradores de cavidades Resinas compostas 2016-1 - Anusavice, Cap. 7 p. 136 Selantes Materiais

Leia mais

ELEMENTOS CONSTITUINTES DO CONCRETO

ELEMENTOS CONSTITUINTES DO CONCRETO ELEMENTOS CONSTITUINTES DO CONCRETO O concreto, de emprego usual nas estruturas, são constituídos de quatro materiais: 1. Cimento Portland 2. Água 3. Agregado fino 4. Agregado graúdo O cimento e a água

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE CAFEEIRO EM TUBETES UTILIZANDO SUBSTRATOS CONSTITUÍDOS POR CASCA DE ARROZ CARBONIZADA E CASCA DE CAFÉ COMPOSTADA

PRODUÇÃO DE MUDAS DE CAFEEIRO EM TUBETES UTILIZANDO SUBSTRATOS CONSTITUÍDOS POR CASCA DE ARROZ CARBONIZADA E CASCA DE CAFÉ COMPOSTADA PRODUÇÃO DE MUDAS DE CAFEEIRO EM TUBETES UTILIZANDO SUBSTRATOS CONSTITUÍDOS POR CASCA DE ARROZ CARBONIZADA E CASCA DE CAFÉ COMPOSTADA CARVALHO, MYCHELLE 1 ; VALLONE, HAROLDO SILVA 2 ; DIAS, FÁBIO PEREIRA

Leia mais

lasertec Uma nova era na colagem de bordos HOMAG lasertec

lasertec Uma nova era na colagem de bordos HOMAG lasertec O sucesso da tecnologia original Uma campanha da VDMA MARTINI-werbeagentur.de 05/2011 Uma nova era na colagem de bordos Um membro do HOMAG Group HOMAG Holzbearbeitungssysteme GmbH Homagstraße 3 5 72296

Leia mais

EDITAL DA II COMPETIÇÃO DE CONCRETO DE ALTA RESITÊNCIA DO CEULP/ULBRA. Centro Acadêmico de Engenharia Civil

EDITAL DA II COMPETIÇÃO DE CONCRETO DE ALTA RESITÊNCIA DO CEULP/ULBRA. Centro Acadêmico de Engenharia Civil EDITAL DA II COMPETIÇÃO DE CONCRETO DE ALTA RESITÊNCIA DO CEULP/ULBRA Centro Acadêmico de Engenharia Civil 1. Disposições Gerais 1.1 OBJETIVO 1.1.1 Confeccionar dois Corpos de prova de 10x20 de concreto

Leia mais

ESTUDO DA APLICABILIDADE DA ARGAMASSA PRODUZIDA A PARTIR DA RECICLAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE SIDERURGIA EM OBRAS DE ENGENHARIA

ESTUDO DA APLICABILIDADE DA ARGAMASSA PRODUZIDA A PARTIR DA RECICLAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE SIDERURGIA EM OBRAS DE ENGENHARIA ESTUDO DA APLICABILIDADE DA ARGAMASSA PRODUZIDA A PARTIR DA RECICLAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE SIDERURGIA EM OBRAS DE ENGENHARIA 1. Introdução O impacto ambiental gerado pela exploração dos recursos minerais

Leia mais

NBR (1992) Aditivos para concreto de cimento Portland

NBR (1992) Aditivos para concreto de cimento Portland NBR 11768 (1992) Aditivos para concreto de cimento Portland Objetivo Esta Norma fixa as condições exigíveis dos materiais a serem utilizados como aditivos para concreto de cimento Portland, de acordo com

Leia mais

POLÍMEROS O que são, suas aplicações e as áreas de formações técnicas e acadêmicas VII Semana de Polímeros

POLÍMEROS O que são, suas aplicações e as áreas de formações técnicas e acadêmicas VII Semana de Polímeros Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ Instituto de Macromoléculas Professora Eloisa Mano - IMA POLÍMEROS O que são, suas aplicações e as áreas de formações técnicas e acadêmicas VII Semana de Polímeros

Leia mais

BOIA FORTALEZA. FABRICANTE: Axys Technologis Inc. MODELO: 3-Meters (3M)

BOIA FORTALEZA. FABRICANTE: Axys Technologis Inc. MODELO: 3-Meters (3M) BOIA FORTALEZA FABRICANTE: Axys Technologis Inc. MODELO: 3-Meters (3M) CARACTERÍSTICAS: Diâmetro: 3,4 metros Peso: 1500 kg Profundidade de fundeio: 200 metros -1/5- DESENHO ESQUEMÁTICO: SENSORES: Pressão

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA MAIA MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

ESCOLA SECUNDÁRIA DA MAIA MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA .Promover a aquisição de conhecimentos na área do materiais e das tecnologias de produção.. Sensibilizar para a relevância que os materiais e as tecnologias assumem em diferentes processos de design em

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DOMINGOS REBELO

ESCOLA SECUNDÁRIA DOMINGOS REBELO ESCOLA SECUNDÁRIA DOMINGOS REBELO INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DOS CURSOS DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho DISCIPLINA APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B Prova 303/2016

Leia mais

EM535 USINAGEM DOS MATERIAIS 1 O. SEMESTRE DE Teste 2

EM535 USINAGEM DOS MATERIAIS 1 O. SEMESTRE DE Teste 2 EM535 USINAGEM DOS MATERIAIS 1 O. SEMESTRE DE 2007 - Teste 2 1. As características desejáveis a um material de ferramenta são: a. resistência ao desgaste, tenacidade, dureza a quente e baixo coeficiente

Leia mais

Apresentação. Estrutura

Apresentação. Estrutura Apresentação A MATCHEM é uma empresa brasileira focada no desenvolvimento de soluções inteligentes e produtos de qualidade para a indústria do concreto. Atuando no mercado de aditivos para concreto desde

Leia mais

II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVALIAÇÃO DOS MATERIAIS UTILIZADOS NO ASSENTAMENTO DE BLOCOS CERÂMICOS

II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVALIAÇÃO DOS MATERIAIS UTILIZADOS NO ASSENTAMENTO DE BLOCOS CERÂMICOS II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVALIAÇÃO DOS MATERIAIS UTILIZADOS NO ASSENTAMENTO DE BLOCOS CERÂMICOS André C. H. 1 Gerson P. dos Santos ¹ Jonas R.¹ Laedson R.¹ Lauro H.¹ Deusilene Vieira² 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

PP-5EN rev.0 Procedimento Qualificação de Inspetor de Fabricação Modalidade Acessórios de Tubulação - AT- Nível 1 Instruções ao Candidato Geral

PP-5EN rev.0 Procedimento Qualificação de Inspetor de Fabricação Modalidade Acessórios de Tubulação - AT- Nível 1 Instruções ao Candidato Geral 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo orientar os candidatos a Inspetor de Fabricação, na Modalidade Acessórios de Tubulação AT - Nível 1, na realização dos exames de qualificação no SEQUI. 2.

Leia mais

PROCEDIMENTO QUALIFICAÇÃO DE INSPETOR DE FABRICAÇÃO MODALIDADE - MECÂNICA - MC - NÍVEL 1- INSTRUÇÕES AO CANDIDATO -- GERAL.

PROCEDIMENTO QUALIFICAÇÃO DE INSPETOR DE FABRICAÇÃO MODALIDADE - MECÂNICA - MC - NÍVEL 1- INSTRUÇÕES AO CANDIDATO -- GERAL. 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo orientar os candidatos a Inspetor de Fabricação, na modalidade Mecânica (IF- MC), Nível 1, na realização dos exames de qualificação no Sequi-ETCM. 2. APLICAÇÃO

Leia mais

ASFÁLTICOS EM TANQUES COM AGITADORES

ASFÁLTICOS EM TANQUES COM AGITADORES AVALIAÇÃO DO AQUECIMENTO DE PRODUTOS ASFÁLTICOS EM TANQUES COM AGITADORES MECÂNICOS Este trabalho técnico foi preparado para apresentação no 19 Encontro de Asfalto, realizado no período de 9 a 11 de junho

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE EQUIPAMENTO PARA HIDROCONFORMAÇÃO DE CALOTAS METÁLICAS POR EXPLOSÃO

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE EQUIPAMENTO PARA HIDROCONFORMAÇÃO DE CALOTAS METÁLICAS POR EXPLOSÃO TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE EQUIPAMENTO PARA HIDROCONFORMAÇÃO DE CALOTAS METÁLICAS POR EXPLOSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO

FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO O processo de fabricação por centrifugação consiste em vazar-se metal líquido num molde dotado de movimento de rotação, de modo que a força centrífuga origine uma pressão além

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO PRELIMINAR. LUCIANO MÓDENA (Engº Civil) PRÉ-ENSAIO DE LAJES PRÉ-MOLDADAS E MOLDADAS IN-LOCO COM ARMAÇÃO TRELIÇADA.

RELATÓRIO TÉCNICO PRELIMINAR. LUCIANO MÓDENA (Engº Civil) PRÉ-ENSAIO DE LAJES PRÉ-MOLDADAS E MOLDADAS IN-LOCO COM ARMAÇÃO TRELIÇADA. RELATÓRIO TÉCNICO PRELIMINAR LUCIANO MÓDENA (Engº Civil) PRÉ-ENSAIO DE LAJES PRÉ-MOLDADAS E MOLDADAS IN-LOCO COM ARMAÇÃO TRELIÇADA São Paulo 2008 1 RESUMO Nenhum sistema construtivo pode ser apontado como

Leia mais

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa 6. Procedimento de Execução Elaboração Estruturas de Concreto e Revestimentos de Argamassa 92 Instruções para a contratação de mão-de-obra

Leia mais

- Pisos e revestimentos Industriais (pinturas especiais, autonivelantes, uretânicas, vernizes...);

- Pisos e revestimentos Industriais (pinturas especiais, autonivelantes, uretânicas, vernizes...); A TECNIKA iniciou suas atividades em meados de 2003, impulsionada pela demanda do mercado, sempre preocupada em buscar e oferecer soluções técnicas inovadoras, tendo como focos principais as áreas de impermeabilização

Leia mais

ARGAMASSA ESTRUTURAL 251 F

ARGAMASSA ESTRUTURAL 251 F Produto ARGAMASSA ESTRUTURAL 251 F é uma argamassa bicomponente à base de cimento, polímeros acrílicos e fibras sintéticas que, depois da mistura, resulta numa argamassa coesa, tixotrópica e de fácil moldagem.

Leia mais

6 Conclusões e Sugestões

6 Conclusões e Sugestões 6 Conclusões e Sugestões 6.1. Conclusões Este trabalho permitiu a modelagem e a avaliação do processo de corte em rocha bidimensional, através de um modelo numérico baseado no método dos elementos discretos.

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II CBUQ Ana Elza Dalla Roza e Lucas Ribeiro anaelza00@hotmail.com - luccasrsantos@gmail.com Misturas Betuminosas Concreto, de um modo geral,

Leia mais

NOVOS PORCELLANATOS GRIP e GRIP PLUS. Mais opções para áreas que exigem produtos com maior resistência ao escorregamento

NOVOS PORCELLANATOS GRIP e GRIP PLUS. Mais opções para áreas que exigem produtos com maior resistência ao escorregamento e GRIP PLUS Mais opções para áreas que exigem produtos com maior resistência ao escorregamento A Incepa apresentou em primeira mão na Revestir 2014 os porcellanatos com acabamento GRIP e GRIP PLUS. Além

Leia mais

Coordenação de Tecnologia e Inovação - COTI

Coordenação de Tecnologia e Inovação - COTI Coordenação de Tecnologia e Inovação - COTI Nome do GP Caracterização e Inovação Tecnológica de Produtos Madeireiros e não Madeireiros na Amazônia Central Nome do Líder Bazilio Frasco Vianez Membros do

Leia mais

IMPACTO DA CODISPOSIÇÃO DE LODO SÉPTICO NAS TRINCHEIRAS DE UM ATERRO SANITÁRIO RESUMO

IMPACTO DA CODISPOSIÇÃO DE LODO SÉPTICO NAS TRINCHEIRAS DE UM ATERRO SANITÁRIO RESUMO IMPACTO DA CODISPOSIÇÃO DE LODO SÉPTICO NAS TRINCHEIRAS DE UM ATERRO SANITÁRIO RESUMO Carlos Rafael Dufrayer 1 Patrícia Caldeira de Souza¹ Fabiana Barbosa de Resende¹ Milton Gonçalves da Silva Júnior¹

Leia mais

SOLUÇÕES INOVADORAS EM REVESTIMENTOS COMPÓSITOS

SOLUÇÕES INOVADORAS EM REVESTIMENTOS COMPÓSITOS SOLUÇÕES INOVADORAS EM REVESTIMENTOS COMPÓSITOS Participação: Olavo Barbour Filho REVESTIMENTOS EM COMPÓSITOS Proteção plena contra corrosão em ambientes agressivos Monolítico reforçado com fibra e escamas

Leia mais

Ficha Técnica de Produto Biomassa Bloco de Vidro Código: BV001

Ficha Técnica de Produto Biomassa Bloco de Vidro Código: BV001 1. Descrição: A Argamassa é mais uma argamassa inovadora, de alta tecnologia e desempenho, que apresenta vantagens econômicas e sustentáveis para o assentamento de blocos de vidro em sistemas de vedação

Leia mais

AULA 6 ARGAMASSA continuação

AULA 6 ARGAMASSA continuação AULA 6 ARGAMASSA continuação Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil ARGAMASSAS - PROPRIEDADES

Leia mais

Reciclagem de Pavimentos - Eficiência de uma Técnica Sustentável

Reciclagem de Pavimentos - Eficiência de uma Técnica Sustentável Reciclagem de Pavimentos - Eficiência de uma Técnica Sustentável Qual o papel do engenheiro hoje? Ecológico e sustentável Avaliação de soluções adequadas Financeiramente Tecnicamente Ecológico e sustentável

Leia mais

VIABILIDADE DA UTILIZAÇÃO DE COMPÓSITOS HÍBRIDOS REFORÇADOS COM FIBRA DE SISAL E PÓ DE MADEIRA COMO MATERIAIS RENOVÁVEIS

VIABILIDADE DA UTILIZAÇÃO DE COMPÓSITOS HÍBRIDOS REFORÇADOS COM FIBRA DE SISAL E PÓ DE MADEIRA COMO MATERIAIS RENOVÁVEIS VIABILIDADE DA UTILIZAÇÃO DE COMPÓSITOS HÍBRIDOS REFORÇADOS COM FIBRA DE SISAL E PÓ DE MADEIRA COMO MATERIAIS RENOVÁVEIS W. R. EL BANNA 1, D. S. da COSTA 1, L. M. G. BAIA 1 e J. A S. SOUZA 2 1 Universidade

Leia mais