2 - GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 - GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO"

Transcrição

1 O ciclo da inteligência organizacional em uma empresa de tecnologia da informação Mário de Oliveira Braga Filho 1, Sandro Tavares Silva 1, Gilvânia Melo Rocha 1 Universidade Católica de Brasília (UCB) Campus II SGAN 916 Norte Avenida W5 CEP Brasília - DF RESUMO Em função da necessidade de criarem e manterem vantagem competitiva, as empresas buscam aperfeiçoar sua capacidade para gerir a base informacional e para aproveitar as oportunidades de diferenciação que as tecnologias da informação oferecem. Usadas estrategicamente, tais tecnologias representam um papel fundamental como agentes de integração e coesão organizacional. Muitas empresas fazem uso das tecnologias de informação sem se dar conta da importância delas serem adequadamente administradas. O objetivo deste trabalho é, através do estudo de caso em uma empresa de tecnologia da informação, reconhecer, na reestruturação da área de TI, o ciclo da inteligência organizacional aplicado em ações que vão desde a organização da memória até a mudança de comportamento dos seus integrantes, como meio de alcançar um maior alinhamento entre as áreas de TI, imprescindível para que a TI se torne capaz agregar valor ao negócio da organização e revertendo-se num importante diferencial no mercado em que atua. Palavras-chave: inteligência organizacional, governança de TI, alinhamento estratégico, inteligência competitiva. ABSTRACT Based on the necessity to create and to keep competitive advantage, the companies look for to improve their capacity to handle the base of the informational one and to use to the advantage the occasions of the differentiation that the technologies of the information offer. Used strategic, such technologies represent a basic paper like agents of the cohesion and of the integration to the company. Many companies make use of the information technologies and they do not give account of the importance of them to be adequately managed. The objective of this work is, through the study of case in a company of technology of the information, to recognize, in the reorganization of the department of IT, the cycle of the intelligence of the organizational applied in the actions that go from the organization of the memory to the change of the behavior his integrant, as half to reach a better alignment between the IT department and business department, essential so that IT if it becomes capable to add value to the business process of the organization and reverting itself in an important differential in the market where it acts. Keywords: Organizational Intelligence, IT Governance, Strategical Alingment, competitive Intelligence. Brasília (DF) junho Mestrandos em Gestão do Conhecimento e Tecnologia da Informação da Universidade Católica de Brasília

2 2 1 - INTRODUÇÃO O uso adequado da tecnologia da informação TI gerando informações estratégicas, usadas, sobretudo no apoio à tomada de decisão por parte da alta administração, pode mudar significativamente os requisitos e o cenário da competitividade da organização. Entretanto, muitas empresas fazem uso dos seus recursos de TI de forma não alinhada com seus processos de negócios, algumas inclusive limitam a utilizar esses recursos a resolução de problemas internos de processamento de informações. É fundamental, para a própria sua sustentabilidade, que as organizações ampliem a compreensão do papel da informação como elemento transformador dos elementos de competitividade em todos os segmentos da economia. O cenário cada vez mais competitivo e o crescente avanço tecnológico exigem das empresas o alinhamento estratégico entre seus diversos setores, como forma de mostrar transparência aos seus acionistas, clientes e colaboradores, como forma de tornar mais efetivos os investimentos em TI e, principalmente, firmar sua credibilidade e excelência no mercado onde atua. Quando bem administrada a TI têm se mostrado como um dos componentes organizacionais mais importantes, permeando praticamente todas as ações internas e externas na busca dos objetivos organizacionais. É importante identificar a contribuição que a TI pode oferecer à as empresas considerando todas as suas facetas: política de utilização, benefícios oferecidos, contribuição para o desempenho empresarial, desafios de sua governança e administração para que a alta direção possa decidir sobre novos investimentos, com segurança. Entretanto, antes de iniciar um processo de alinhamento estratégico é necessário organizar a própria área de TI, de modo à criar um ambiente favorável para gerir e direcionar seus esforços em linha com as prioridades e estratégias da empresa. Neste sentido, este artigo tem por finalidade reconhecer o ciclo de inteligência organizacional IO, nas ações desenvolvidas na área de TI de uma empresa que atua no ramo de soluções para gestão pública, a qual passa por processo de implantação de um programa de gestão da qualidade baseada na NBR-ISO-9001:2000. Faz-se necessária inicialmente, uma abordagem teórica estabelecendo uma correlação entre governança de TI, inteligência organizacional e aprendizagem organizacional, para em seguida apresentarmos a metodologia utilizada e o cenário da empresa estudada. Não é objeto deste artigo a abordagem conceitual dos frameworks nacionais ou internacionais de gestão de TI As etapas desenvolvidas pela empresa para o realinhamento da área de TI, com ações que vão desde a criação da memória até a mudança comportamental de seus integrantes são perfeitamente aderentes ao ciclo de inteligência organizacional. 2 - GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Para entender o conceito de governança de TI, é preciso antes entender o conceito de governança. Escândalos corporativo-financeiros ocorridos na economia dos Estados Unidos, como os emblemáticos casos Enron (indústria de energia) e Wordcom (indústria de telecomunicações), chamaram a atenção do mundo corporativo para a importância da transparência e da integridade como iniciativas que geram valor para o mercado e fizeram aparecer naquele país, regulamentações específicas (Sarbanes-Oxley, por exemplo) que regulamentam e prevêem duras punições às organizações que não se enquadrarem aos respectivos requisitos legais ou normativos de cada regulamentação. Como era de se esperar, a Lei norte americana denominada Sarbanes-Oxley que entrou em vigor em julho de 2002 teve reflexo também na economia brasileira, onde investidores institucionais perceberam que algo deveria ser feito no sentido de estabelecer princípios de administração adequados à diversidade cultural e institucional do Brasil. É neste contexto que a governança corporativa ganha força.

3 3 Segundo o IBGC (Instituto Brasileiro de Governança Corporativa): Governança corporativa é o sistema pelo qual as sociedades são dirigidas e monitoradas, envolvendo os relacionamentos entre Acionistas/Cotistas, Conselho de administração, Diretoria, Auditoria Independente e Conselho Fiscal. As boas práticas de governança corporativa tem a finalidade de aumentar o valor da sociedade, facilitar seu acesso ao capital e contribuir para sua perenidade. Partindo do pressuposto que naturalmente exista conflito de interesses entre as diversas perspectivas do negócio e seus envolvidos, na prática a governança corporativa alcança uma importância maior, na medida em que busca atender a todos da melhor forma possível. Embora a lei não regulamente a tecnologia, mas a transparência na área fiscal e nos processos de negócios, as áreas de TI acabam sendo envolvidas, uma vez que elas suportam fortemente as operações e demais áreas das empresas. As novas necessidades organizacionais buscam assegurar que a tecnologia seja utilizada da melhor maneira possível para sustentar e potencializar os negócios, logo é impossível pensar em governança corporativa sem governança de TI e vice-versa. De acordo com o ITGI( IT governance Institute): A governança de TI é parte integral da governança corporativa e consiste em gestões, estruturas organizacionais e processos que permitam às organizações de TI sustentar e prolongar as estratégias e objetivos da organização. Torna-se evidente, que é necessário implantar a governança de TI importando os objetivos e controles do plano estratégico do negócio. Com isto, muitos executivos de TI têm buscado conhecer melhor os processos de negócio, ter representatividade no comitê diretivo da organização e participar das decisões colegiadas que tratam da estratégia, do planejamento, das prioridades e da elaboração do orçamento com o fito de demonstrar que a tecnologia pode agregar valor ao negócio da organização. Uma alternativa bastante utilizada é a adoção do modelo Cobit (Control Objectives for Information and Related Technology), lançado pela Isaca (Information Systems Audit and Control Association) como um padrão para gerenciamento da tecnologia da informação a fim de comprovar o correto uso da TI na produção de relatórios financeiros. O modelo passou a ser utilizado como referência para muitos auditores e ganhou força com o advento da lei Sarbanes-Oxley em As métricas estabelecidas são alcançáveis por meio da adoção de modelos como ITIL (Information Technology Infraestructure Library), conjunto de melhores práticas, desenvolvido em 1980 pela CCTA (Central Computer and Telecommunications Agency) agência central de computação e telecomunicações do Reino Unido, com a pretensão inicial de melhorar o gerenciamento de serviços de TI do governo inglês e que tornou-se um padrão adotado de fato em diversos outros países. Um aspecto importante que contribuiu para a disseminação das boas práticas do ITIL, é a possibilidade de implementação gradual, em consonância com os requisitos da governança corporativa, não importando o porte e perfil da empresa. Entretanto, percebe-se ainda que alguns gestores de TI não possuem a clareza necessária sobre este conceito e que, a despeito deste lapso de compreensão, tentam implantar o que chamam de plano de governança de TI contemplando somente alguns interesses do negócio ou determinada necessidade, sem abranger toda a estratégia de negócios da organização. Não é incomum verificarmos que essas tentativas terminam mal sucedidas.

4 4 3 - APRENDIZADO ORGANIZACIONAL Aprender a lidar com a mudança contínua, é algo básico para a evolução organizacional e só estarão aptas a viver em uma era do conhecimento, aquelas organizações que forem capazes de interpretar rapidamente informações complexas que passam a ser fonte de criação de valor, dar sentido a elas e agir. Para enfrentar este desafio, as organizações passam a ser vistas como um sistema de aprendizagem contínuo que engloba etapas de aquisição, disseminação e interpretação compartilhada de informações e conhecimentos, que são capazes de promover mudança de comportamento e/ou de ação, influenciando diretamente os resultados da organização. Assim sendo, o processo de aprendizado organizacional tem sido definido por alguns autores como sendo um dos processos essenciais para a sobrevivência em ambientes competitivos e dinâmicos (Finger e Brand, 2001). Estudos realizados sobre a relação entre a aprendizagem e o desempenho organizacional verificaram que a aprendizagem pode afetar o desempenho indiretamente, pelo aumento de comportamentos orientados para o mercado e, diretamente, facilitando a aprendizagem que leva à inovação de produtos, ao aperfeiçoamento de procedimentos e à dinamização de sistemas (Dickson, 1996; Slater e Narver, 2000). Esta constatação encontra respaldo nos trabalhos desenvolvidos por Huber (1996, p. 822) que afirma que uma organização aprende quando por meio do seu processamento de informações aumenta a probabilidade de que suas ações futuras promovam um acréscimo de performance. Postulando um modelo de prática, Peter Senge (1990) afirma em A Quinta Disciplina, que as organizações que aprendem são mais flexíveis, adaptáveis e competitivas, na medida em que aprendem mais rápido que os seus concorrentes. Esta mesma posição é defendida por TUSHMAN e NADLER (1997, p. 175), quando concluem que as organizações mais inovadoras são eficientes sistemas de aprendizado que maximizam tanto sua capacidade de obter informações sobre clientes, concorrentes e tecnologias, quanto sua capacidade de processar tais informações. Para se obter estes resultados, Senge propõe a prática de cinco disciplinas por ele consideradas essenciais: 1. Domínio pessoal: permite expandir a capacidade de produzir os resultados que realmente se deseja da vida (concentrar energias; desenvolver a paciência e buscar ver a realidade de maneira objetiva); 2. Modelos mentais: representam as idéias, crenças, convicções e histórias pessoais que influenciam o modo como cada pessoa encara, responde e se relaciona com o mundo; 3. Visão compartilhada: fornece foco e energia para a aprendizagem, pois abarca objetivos, visões e valores que são compartilhados em conjunto por membros da organização; 4. Aprendizagem em equipe: é o processo de alinhamento e desenvolvimento da capacidade da equipe de criar resultados onde as habilidades coletivas são maiores que as habilidades individuais; 5. Raciocínio sistêmico: é a capacidade de se compreender um sistema como um todo e não apenas por suas partes. É considerada a quinta disciplina, pois integra as demais, mostrando que o todo é maior que a soma das partes isoladas.

5 5 Nos estudos sobre aprendizado organizacional, desenvolvidos por Argyris & Schon, os autores apontam a existência de duas formas de aprendizado: o aprendizado de primeira ordem e o de segunda ordem, conforme descreve a figura abaixo: Figura 1: modelo de aprendizagem de Argyris. O aprendizado de primeira ordem (single-loop learning) visa o aumento da eficiência organizacional pela modificação de suas ações, permitindo assim a correção e/ou redução de erros futuros. Por sua vez, o aprendizado de segunda ordem (double-loop learning), visa o crescimento e/ou a sobrevivência da organização, por meio da alteração de normas, valores e estratégias organizacionais. Seguindo o mesmo pensamento metodológico, Davenport (1994, p.161) reconhece que o entendimento dos processos existentes na organização facilita a comunicação entre seus membros e, desta forma, o esclarecimento da seqüência de atividades, preferencialmente de forma normativa, divulgada por toda a organização, ajudará a garantir a produção adequada daquilo que foi planejado. Para o autor, na maior parte das organizações complexas, não existe outra maneira de se passar para o processo seguinte se não por meio da compreensão dos processos existentes e sua seqüência, o que traz como benefício a não repetição dos erros em um novo processo. Nonaka e Takeuchi (1997) sustentam em seus trabalhos que a criação de conhecimento será a grande chave para assegurar a dianteira na luta pela conquista dos mercados. Por criação do conhecimento organizacional, os autores entendem como sendo a capacidade que uma empresa tem de criar conhecimento, disseminá-lo na organização e incorporá-lo a produtos, serviços e sistemas. Para tanto, observam que existem dois tipos de conhecimento: o explícito, que é aquele que pode ser articulado na linguagem formal e contido nos manuais e nas normas de praxe, e o tácito, que só se obtém pela experiência, e que só se comunica indiretamente por metáforas e analogias. As duas formas de interação entre o conhecimento tácito e o explícito e entre o indivíduo e a organização realizarão quatro processos principais da conversão do conhecimento que, juntos, constituem a criação do conhecimento: 1. De tácito para tácito (socialização): o conhecimento é compartilhado sem linguagem por meio da observação, imitação e prática. 2. De tácito para explícito (externalização): o conhecimento tácito é se torna explícito, expresso na forma de metáforas, analogias, conceitos, hipóteses e modelos. 3. De explícito para explícito (combinação): a troca de conhecimento se dá pela troca e combinação de diferentes conhecimentos explícitos como documentos, reuniões, conversas ao telefone ou redes de comunicação computadorizada. 4. De explícito para tácito (internalização): é o processo de incorporação do conhecimento explícito no conhecimento tácito e está intimamente relacionada ao aprender fazendo. Complementando aquilo que já havia sido postulado por outros estudiosos, Choo (1998) chama a atenção em seus estudos para a existência, na organização, de um conhecimento cultural cognitivo e afetivo geralmente utilizado pelos membros da organização para perceber, explicar, avaliar e construir sua realidade. Para ele, estas crenças, normas e valores

6 6 determinam a estrutura sobre a qual os integrantes da organização constroem sua realidade, reconhecendo a relevância das novas informações e avaliando ações e interpretações alternativas. Ao incluir o conhecimento cultural em suas considerações, Choo aponta para o fato de que o aprendizado da organização se faz considerando a experiência passada que está refletida nas normas, políticas e metas da organização. Assim, ao se considerar a cultura de uma organização, consegue-se entender melhor o que se passa nas práticas dos grupos, desvinculando-se um pouco do conceito de aprendizagem organizacional como uma aprendizagem individual dentro do contexto de uma organização. Se a organização passa a ser compreendida em termos de cultura, torna-se mais fácil falar sobre aprendizagem organizacional, pois a cultura é um armazém da aprendizagem passada e um instrumento para comunicar esta aprendizagem por toda a organização. Quando a cultura da organização é bem conhecida e visível pelos seus funcionários, esta organização se torna passível de testes e mais aberta para as modificações necessárias. 4 - INTELIGÊNCIA COMPETITIVA x INTELIGÊNCIA ORGANIZACIONAL Segundo Gomes (2004), Inteligência competitiva(ic) é um processo de identificação, coleta, tratamento, análise e disseminação da informação estratégica para a organização. Estas ações baseadas em um processo ético visam auxiliar os tomadores de decisão da organização. A utilização de sistemas de inteligência competitiva, em qualquer organização, independentemente de seu porte e produto, visa, dentre outros propósitos, o monitoramento do ambiente afim de antecipar mudanças no ambiente de negócios. Muitas organizações se utilizam da IC para descobrirem novas formas de atuação para aumentar a qualidade de seus serviços e produtos. Desta forma todas as mudanças ocorridas no ambiente externo da empresa têm influência direta no ambiente interno e provocam modificações constantes no comportamento de seus integrantes. Ainda dee acordo com Gomes (2004), respondendo às questões relevantes do tipo: - o que necessitamos saber? - o que já sabemos? - o que faremos com a inteligência gerada, uma vez que a tenhamos? - o que custará obtê-la e não obtê-la?, a empresa começa a definir melhor sua estratégia de atuação e organizar sua ações de busca e contenção e utilização da informação. É notório que as empresas buscam constantemente estabelecer cultura, estrutura e liderança para transformar sua inteligência coletiva em vantagem competitiva relevante. Para Angeloni (2003) o ambiente organizacional exerce considerável influência nas atitudes e nas ações dos indivíduos nele inseridos. Sendo assim as organizações, por serem movidas por pessoas e por fazerem parte, de alguma maneira, da vida destas, precisam permitir o aprendizado crítico, consciente e criativo. Inteligência organizacional refere-se à capacidade de uma corporação, como um todo, em reunir informação, inovar, criar conhecimento e atuar efetivamente baseada no conhecimento que ela gerou (Mc Master, 1996 apud Moresi 2001). A partir da visão da inteligência organizacional como um processo, identifica-se uma interação necessária entre pessoas e máquinas, orientada por fluxo de trabalho, percorrendo transversalmente todos os níveis da organização, como é possível observarmos a seguir:

7 7 Figura 2: Ciclo de Inteligência Organizacional (adaptado de Choo, 1998a) 5 METODOLOGIA Segundo MORESI(2003), o presente estudo esquadra-se como pesquisa aplicada, pois objetiva gerar conhecimentos para aplicação prática, do ponto de vista da forma de abordagem é uma pesquisa qualitativa, utilizando-se do ambiente empresarial para coleta dos dados. Quanto aos fins é descritiva, pois não tem o compromisso de explicar os fenômenos observados. Quanto aos meios de investigação é uma pesquisa de campo, pois foi utilizada a observação dos fatos na própria empresa, assim como uma a investigação documental e bibliografica 6 - ESTUDO DE CASO: A Empresa Estudada é sediada em Brasília e foi fundada em 1988 com objetivo de desenvolver e disponibilizar ao mercado, soluções específicas para a gestão governamental. Possuindo forte presença no governo central, especialmente na esfera do judiciário e executivo, a empresa introduziu no país ferramentas auxiliares informatizadas com tecnologia de ponta, sendo também pioneira no uso do código de barras para identificação de itens patrimoniais para identificação e organização de itens de almoxarifado, tornando-se líder nacional do segmento. Sua carteira de produtos é composta por softwares especialistas totalmente integrados que foram desenvolvidos com objetivo de gerar expressiva economia para a gestão pública, controlando de forma rígida e integrada os processos de compras, almoxarifado, patrimônio mobiliário e patrimônio imobiliário. A solução que engloba o fornecimento de software aplicativo, leitora de código de barras, plaquetas metálicas, etiquetas para identificação; bem como o levantamento da consistência da base de dados, implantação, treinamento, suporte técnico e manutenção continuada da solução permite o acompanhamento via internet, no caso da versão web, de todos os fatos que envolvam a contratação de bens e serviços, consumo de materiais pela máquina pública, movimentação e variação do patrimônio. Possibilita ainda que os gestores acompanhem de forma simples e imediata a execução dos

8 8 gastos, evitando-se equívocos e ampliando significativamente o poder de gerenciamento dos governantes. Embora exerça uma liderança absoluta e quase hegemônica no segmento em que atua a Empresa Estudada percebeu que era necessário buscar meios para, continuamente, adicionar valor, não apenas aos produtos e soluções que oferece, mas, também, na forma como gerencia seu negócio. Desta forma, a empresa decidiu investir na implantação de um programa de gestão da qualidade baseado na norma NBR-ISO-9001:2000 e na padronização de seus documentos e registros, promovendo assim a reestruturação da empresa e de seus processos. Utilizando como base o referencial teórico supracitado, foi desenvolvida uma pesquisa documental de modo a identificar a sobreposição do que ocorreu no processo de reestruturação da Empresa Estudada, em especial do processo de reestruturação da área de TI, como o ciclo de inteligência organizacional proposto por Choo. Memória Com o objetivo de se tornar uma empresa preparada para continuar crescendo e, ao mesmo tempo, defender sua liderança, a Empresa empenhou-se em identificar suas competências mais preciosas. Descobriu, então, que praticamente toda ela estava na cabeça dos colaboradores. Era conhecimento tácito que poderia migrar ou mesmo desaparecer repentinamente junto com os profissionais que os detinham. Esse problema foi atacado com a implantação do Sistema de Gestão da Qualidade SGQ. Com o programa da qualidade, foi possível não apenas documentar uma parte significativa de todo o conhecimento existente na empresa, mas, também, do Know How adquirido durante tantos anos de mercado. Tornar explícito o conhecimento que antes era tácito por meio da criação de normas, de procedimentos, de instruções de trabalho, de manuais e de formulários padronizados viabilizou o compartilhamento do mesmo em bases perfeitamente adequadas às necessidades do negócio. A implantação do SGQ foi precedida por um extenso e detalhado levantamento dos processos de toda a empresa. A análise crítica desses processos levou ao redesenho de muitos deles em busca de adequá-los a padrões mais elevados de eficiência, perseguidos pela organização. O processo da qualidade e o esforço em tomar posse do conhecimento tácito relativo ao seu core business, revelou a necessidade de nova ordenação de todos os recursos, bem como forma como eles são gerenciados. O diagrama descrito a seguir demonstra quais são os principais processos da empresa e como eles interagem entre si:

9 9 Figura 3: modelo de interação de processos da Empresa Estudada(Fonte: Empresa de TI) Neste contexto, o processo de produção de software se constitui em um importante aspecto dessa operação (e do próprio motivo de existir da Empresa Estudada), uma vez que representa a maior parte do core business da mesma. Os processos diretamente relacionados à produção de software foram modelados com base no Rational Unified Process (Modelo de Processo Unificado) RUP, que foi devidamente adaptado aos interesses e necessidades da empresa, compondo, assim o seu modelo de produção de software.

10 10 O gráfico a seguir demonstra como o modelo desenvolvido está estruturado, bem como o impacto de cada uma das nove disciplinas em cada fase do processo: Figura 4: gráfico da baleia do modelo de produção de software da Empresa Estudada.(Fonte: Empresa de TI) O conceito por trás deste modelo é a busca por produtividade num ambiente de construção de software gerenciável e compatível com os requisitos do negócio e, cada uma das suas disciplinas foi projetada para atender a esse conceito. Sensoriamento e Percepção A partir deste ponto a empresa iniciou um esforço significativo para identificar e definir um conjunto de indicadores capazes de medir a grau de eficiência dos principais processos organizacionais e que possibilitassem o adequado monitoramento dos resultados obtidos pela empresa. Apesar do esforço, apenas alguns poucos indicadores foram de fato estabelecidos e apurados. A maior parte deles, contudo, esbarrou na ausência ou deficiência de ferramentas adequadas para a coleta dos dados necessários a apuração. Mais do que ferramentas, ficou claro desde o início, que a empresa deveria estabelecer uma nova cultura gerencial onde os resultados obtidos pudessem ser adequadamente mensurados e onde fosse possível tomar decisões com base em fatos. A definição do novo organograma foi o primeiro passo nessa direção, uma vez que tornou mais evidente as responsabilidades de cada gerente, o que lhes incentivou a serem mais autônomos e ciosos de suas atribuições. Essa nova cultura está em processo de maturação e espera-se que já para o exercício contábil de 2007, esteja consolidada. O objetivo é desenvolver um sistema de indicadores capazes de funcionar como um painel de controles onde estariam listados os principais indicadores, que serão rigorosamente monitorados pelos respectivos Gerentes e pela Diretoria. Interpretação Mesmo que os indicadores ainda não estejam todos operacionais, a empresa criou a Comissão Gerencial, composta por todos os seus Diretores e Gerentes. A principal função dessa comissão é levantar e discutir os principais temas surgidos nas diversas instâncias da

11 11 organização relativos ao negócio ou à gestão. Essa comissão se reúne regularmente uma vez por semana onde essas questões são analisadas criticamente e as decisões correspondentes são tomadas com base nas análises realizadas. Essa sistemática está devidamente detalhada no procedimento específico, cuja parte pertinente está transcrita na seqüência: Reuniões da Comissão Gerencial As reuniões ordinárias da Comissão Gerencial são realizadas semanalmente todas às terças-feiras às 11hs. Conforme conveniência da comissão, essa reunião poderá ocorrer em data e horário diverso Participam dessa reunião todos os membros da Comissão Gerencial, além de outros colaboradores que poderão ser convocados a critério dos membros da comissão As reuniões da Comissão Gerencial possuem a seguinte agenda básica: a) Avaliação do desempenho do processo e conformidade do produto ou serviço baseado nas Ações Preventivas e Corretivas definidas; b) Avaliação das sugestões de melhorias feitas pelas áreas e pelos Clientes; c) Avaliação da situação de ações preventivas e corretivas geradas nas áreas; d) Avaliação dos resultados de auditorias internas e externas; e) Avaliação dos dados dos objetivos, indicadores e metas levantadas pelas áreas no período e na reunião com o representante da Direção; f) Avaliação da adequação da Política da Qualidade; g) Avaliação das pesquisas de satisfação e reclamações de Clientes (internos e externos); h) Acompanhamento das ações oriundas de análises críticas anteriores pela direção e emissão de novas orientações e/ou instruções com base em todas as avaliações realizadas, para busca da melhoria contínua do Sistema de Gestão da Qualidade. i) Apresentação e debate sobre eventuais dificuldades, gargalos e problemas enfrentados pelas áreas; j) Outros temas propostos pelos membros da Comissão Gerencial Cada reunião da Comissão Gerencial dará origem a uma ata na qual serão registrados o nome dos participantes, o local, a data e a hora da reunião, os pontos tratados, as análises, as conclusões, ações a serem tomadas incluindo responsáveis e prazos, deliberações da comissão além de outras informações que os membros considerarem relevante e pertinente; A ata da reunião deverá ser enviada, por , a todos os participantes. As decisões de caráter geral poderão ser divulgadas na Intranet pela Assessoria da Qualidade. Informações confidenciais e de caráter restrito serão divulgadas apenas às partes que a Comissão Gerencial julgar adequado. 4.4 As decisões tomadas nas reuniões devem ser avaliadas para a definição da ordem de prioridade de implementação, do responsável e a estimativa de prazos e custos, quando possível. 4.5 Os responsáveis designados deverão elaborar um planejamento detalhado da implementação das mudanças, registrando-o no software correspondente e, posteriormente, submetê-lo à aprovação da Diretoria, se necessário. 4.6 Com base no Plano de Ação de Melhoria, deverão ser implementadas ações durante um período, definido no próprio plano para permitir a avaliação de sua eficácia pelo gestor da área.... Comportamento Adaptativo A partir da nova conformação de processos, atribuições, autoridades e responsabilidades, ficou claro a necessidade de definição de um novo organograma capaz de representar o novo ordenamento dos processos, das atribuições e das responsabilidade que compunham a operação do negócio.

12 12 Figura 5: novo organograma (Fonte: documentos da Empresa de TI). Todo o aparato proporcionado pelo processo de reestruturação, em especial a modelagem dos processos e a apuração dos indicadores, trouxe à tona alguns problemas que precisam ser devidamente tratados de modo a possibilitar à empresa dar seqüência a sua trajetória de crescimento. Dentre os problemas identificados, dois se sobre-saem: Primeiro a seleção e gestão de pessoal: o processo de seleção era descentralizado e cada gerente o realizava da melhor forma como podia e era comum ocorrerem erros e inadequações do perfil profissional dos contratados. Também a gestão das pessoas, especialmente no que se refere à inexistência de um processo formal de avaliação da adequação de cada profissional à função que exerce na empresa, representa mais um desafio a ser superado. O processo de seleção foi reformulado e centralizado na Assessoria da Qualidade. Agora, é realizado de modo totalmente documentado e as decisões sobre qual candidato será contratado passou a ser compartilhada pela Assessoria da Qualidade e pela área que solicita o colaborador. À Assessoria da Qualidade compete avaliar a pessoa. À área solicitante cabe avaliar o profissional. Deste modo a decisão final tende a ser mais coerente com a nova política da empresa. Segundo, está evidente para alguns membros da Comissão Gerencial, que a forma como a Gerência de TI está estruturada, expõe o respectivo gestor em uma situação de constante tradeoff. Os tradeoffs abrir mão de alguma coisa para obter outra são à base dos custos de oportunidade. São a parte principal do trabalho do executivo, e são um pouco paradoxais. (MAITAL, p. 37, 1996). No caso do executivo da Gerência de TI, a ele compete a gestão do processo de produção de software e, ainda que de modo incidental devido ao excepcional conhecimento que o mesmo detém sobre os produtos da empresa, a gestão dos produtos. Assim, enquanto ele está diante de uma situação na qual vislumbre a possibilidade de aperfeiçoar o produto, criar novas funcionalidades ou mesmo criar novos produtos, ele tenderá sempre a avaliar o esforço que tal medida poderia requerer dos recursos empregados no processo de software, também gerenciado por ele. Essa situação tem levado o gestor da Gerência de TI a uma desnecessária sobrecarga de trabalho, impedindo-o de executar bem ambas as tarefas. Se ele levar a cabo a oportunidade

13 13 vislumbrada para aperfeiçoar o produto ou criar um novo produto, isso o conduzirá a imaginar o esforço adicional que terá de realizar para implementar a oportunidade por meio da construção do software correspondente e ela acaba tendendo a deixar tudo como está. É um clássico tradeoff. A segmentação da Gerência de TI em duas áreas distintas é a nossa proposta para solucionar o problema do tradeoff. A Gerência de TI ficaria exclusivamente com o processo de software, uma espécie de fábrica de software. Isso levaria o seu gerente a se manter focado no seu objetivo de aperfeiçoar o processo de produção de software de modo permanente. A segunda área seria chamada de Gerência de Produtos e ficaria responsável pelo produto. Assim como no caso da nova Gerência de TI, o Gerente de Produtos poderia se dedicar aos produtos e teria condições para desempenhar adequadamente o seu papel de garantir a evolução contínua dos produtos e a criação de novos produtos que pudessem agregar valor ao portfolio de produtos e de soluções ofertados pela Empresa Estudada. Essa idéia já é compartilhada pela maior parte dos membros da Comissão Gerencial, mas continua em análise pela Direção da empresa. 7 - Conclusão Como o objetivo inicial deste trabalho foi reconhecer o ciclo da Inteligência Organizacional nas ações de reestruturação da área de TI da empresa, foram vistos conceitos básicos relacionados à governança em TI, ao aprendizado organizacional e a inteligência organizacional. Todos estes elementos se correlacionam e puderam ser identificados nas diversas fases pelas quais a empresa estudada passou durante o processo de reestruturação e realinhamento da área de TI. Por ser um dos objetivos da empresa o aperfeiçoamento contínuo de seus processos, produtos e serviços, identifica-se a importância da implementação de um processo de governança em TI como ferramenta auxiliar para a obtenção de tais objetivos. Entretanto, cabe destacar que a estruturação do raciocínio da empresa como foi realizado, baseado no ciclo da inteligência organizacional, constitui-se em um fator bastante importante neste processo evolutivo pois, em uma investigação futura, poderia verificar a possibilidade de facilitar a implantação de um processo de governança em TI. Com relação ao problema de tradeoff vivido pelo gerente da área de TI da Empresa Estudada, infere-se que a segmentação da Gerência de TI em duas áreas distintas gerência de TI e gerência de produtos poderia vir a ser uma solução exitosa. Essa medida poderia fazer surgir a possibilidade da Gerência de TI dedicar-se exclusivamente ao processo de software como uma fábrica de software, por exemplo de modo que seu gerente teria condições de se manter focado no objetivo de aperfeiçoar continuamente o processo de produção de software. Em contrapartida, na Gerência de Produtos, o gerente poderia se dedicar exclusivamente aos produtos tendo as condições necessárias para garantir sua evolução contínua, além da criação de novos produtos que pudessem agregar valor ao portfólio de produtos e soluções ofertados pela empresa. No entanto, é preciso reconhecer que tal sugestão carece de maiores estudos de forma a se ter mais elementos para avaliar o impacto nos negócios bem como para atestar sua viabilidade. 8 - REFERÊNCIAS CHOO, Chun W. Information management for the intelligent organization: the art of scanning the environment. 2ª. Ed. Medford: Information Today, 1998 (ASIS Monograph Series). DAVENPORT, Thomas. Reengenharia de processos: como inovar na empresa através da tecnologia da informação. Rio de Janeiro: Campus, 1994.

14 14 DICKSON, P. R. The static and dynamic mechanics of competition: a comment on Hunt and Morgan's Comparative Advantage Theory. Journal of Marketing, v. 60, n. 3, p , FINGER, M.; BRAND, S. B. Conceito de organização de aprendizagem aplicado à transformação do setor público: contribuições conceituais ao desenvolvimento da teoria. In: EASTERBY-SMITH, M.; BURGOYNE, J.; ARAUJO, L. (Eds.). Aprendizagem Organizacional e Organização de Aprendizagem: Desenvolvimento na Teoria e na Prática. São Paulo: Atlas, HUBER, G. P. Organizational learning: a guide for executives in technology-critical organizations. International Journal Technology Management, Special Issue on Unlearning and Learning for Technological Innovation, v. 11, n. 7-8, p , NONAKA, I.; H. TAKEUCHI. Criação de conhecimento na empresa. 8ª. Edição. Rio de Janeiro: Campus, SENGE, P. A Quinta disciplina: arte e prática da organização de aprendizagem. São Paulo: Editora Best Seller, SLATER, S. F.; NARVER, J. C. Intelligence Generation and Superior Customer Value. Journal of the Academy of Marketing Science, v. 28, n. 1, p , TURSHMAN, Michael, NADLER, David. Organizando-se para a inovação. In: STARKEY, Ken. Como as organizações aprendem: relatos de sucesso das grandes empresas. São Paulo: Futura, p DAVENPORT, Thomas. Reengenharia de processos: como inovar na empresa através da tecnologia da informação. Rio de Janeiro: Campus, MAITAL,Shlomo. Economia para executivos: dez ferramentas essenciais para empresários e gerentes. Rio de Janeiro: Campus, 1996 DICKSON, P. R. The static and dynamic mechanics of competition: a comment on Hunt and Morgan's Comparative Advantage Theory. Journal of Marketing, v. 60, n. 3, p , FINGER, M.; BRAND, S. B. Conceito de organização de aprendizagem aplicado à transformação do setor público: contribuições conceituais ao desenvolvimento da teoria. In: EASTERBY-SMITH, M.; BURGOYNE, J.; ARAUJO, L. (Eds.). Aprendizagem Organizacional e Organização de Aprendizagem: Desenvolvimento na Teoria e na Prática. São Paulo: Atlas, GOMES, ELIZABETH. Inteligência Competitiva: como transformar informação em um negócio lucrativo. Rio de Janeiro: Elsevier, HUBER, G. P. Organizational learning: a guide for executives in technology-critical organizations. International Journal Technology Management, Special Issue on Unlearning and Learning for Technological Innovation, v. 11, n. 7-8, p , 1996.

15 15 IBGC (Instituto Brasileiro de Governança Corporativa Disponível em acessado em 10 Jun ITGI ( IT governance Institute) Disponível em acessado em 10 jun MORESI, E. A. D. Inteligência organizacional: um referencial integrado. Ci. Inf., Brasília, v. 30, n. 2, p , maio/ago MORESI, E. A. D. Organizador. Metodologia da Pesquisa. Jun SCHEIN, E. Three cultures of management: the key to organizational learning. Sloan Management Review, v. 38, n. 1, p. 9-20, fall SLATER, S. F.; NARVER, J. C. Intelligence Generation and Superior Customer Value. Journal of the Academy of Marketing Science, v. 28, n. 1, p , TURSHMAN, Michael, NADLER, David. Organizando-se para a inovação. In: STARKEY, Ken. Como as organizações aprendem: relatos de sucesso das grandes empresas. São Paulo: Futura, p

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI

O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI Claudio Gottschalg Duque Professor Departamento de Ciência da Informação Universidade de Brasília (UnB) Brasil Mauricio Rocha Lyra Aluno

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT LONDRINA - PR 2015 ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT Trabalho de Conclusão

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion Governança de TI Importância para as áreas de Auditoria e Compliance Maio de 2011 Page 1 É esperado de TI mais do que deixar o sistema no ar. Page 2 O que mudou o Papel de TI? Aumento de riscos e de expectativas

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Professor Samuel Graeff prof.samuel@uniuv.edu.br COBIT O que e? COBIT significa Control Objectives for Information and related Technology - Objetivos

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações CobIT Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações Eduardo Mayer Fagundes Copyright(c)2008 por Eduardo Mayer Fagundes 1 Agenda 1. Princípio de Gestão Empresarial

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Evolução da Disciplina. Modelo de Gestão CONTEXTUALIZAÇÃO. As Funções Gerenciais e as Mudanças. As Funções Gerenciais

Evolução da Disciplina. Modelo de Gestão CONTEXTUALIZAÇÃO. As Funções Gerenciais e as Mudanças. As Funções Gerenciais Evolução da Disciplina Modelos de Gestão Aula 1: Principais Modelos das Teorias da Administração Aula 2: Origem, Evolução, Classificação e Tipologia das Organizações Aula 3: Termos comuns às Organizações;

Leia mais

Por que gerenciar comunicação nos projetos?

Por que gerenciar comunicação nos projetos? Por que gerenciar comunicação nos projetos? Rogério Magno Pires Rezende Engenheiro Mecânico, Gerente de orçamento, MIP Engenharia SA e pósgraduado em Gestão de Projetos pelo Ietec. Gerenciar comunicação

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Emerson de Melo Brasília Novembro/2011 Principais Modelos de Referência para Auditoria de TI Como focar no negócio da Instituição

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração.

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração. Cobit e ITIL GOVERNANÇA, GP - RISCO, GP PROJETOS - PMP, SEGURANÇA DAIANA BUENO OUTUBRO 20, 2010 AT 8:00 3.496 visualizações Atualmente, as empresas estão com seus processos internos cada vez mais dependentes

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Gilberto Zorello (USP) gilberto.zorello@poli.usp.br Resumo Este artigo apresenta o Modelo de Alinhamento Estratégico

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

GERIC GERENCIAMENTO DO I.T.I.L E DO COBIT

GERIC GERENCIAMENTO DO I.T.I.L E DO COBIT GERIC GERENCIAMENTO DO I.T.I.L E DO COBIT Angélica A. da Silva, Regiani R.Nunes e Sabrina R. de Carvalho 1 Tathiana Barrére Sistemas de Informação AEDB - Associação Educacional Dom Bosco RESUMO Esta sendo

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Sumário 1. Introdução:...3 2. Abrangência:...3 3. Estrutura do Gerenciamento de Risco Operacional:...3 3.1. Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional:...4

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

Wesley Vaz, MSc., CISA

Wesley Vaz, MSc., CISA Wesley Vaz, MSc., CISA Objetivos Ao final da palestra, os participantes deverão ser capazes de: Identificar e compreender os princípios do Cobit 5; Identificar e conhecer as características dos elementos

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação Prof a.

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação Prof a. Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação Prof a. Lillian Alvares Tecnologia e Gestão O principal papel da Tecnologia

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO

DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO João Souza Neto, Dr. joaon@ucb.br Diana L. N. dos Santos, MSc. dianas@mpdft.mp.br www.twitter.com/govtiapf http://govtiapf.com.br/blog/ Agenda Relacionamento

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Por que conhecer o COBIT 5

Por que conhecer o COBIT 5 10Minutos Tecnologia da Informação Saiba quais são as novidades da versão 5 do COBIT Por que conhecer o COBIT 5 Destaques A utilização do COBIT 5 como guia de melhores práticas permite alinhar de modo

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE RESUMO Carlos Eduardo Spolavori Martins 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo tem o objetivo de apresentar o andamento de uma pesquisa

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Apresentação Em uma economia globalizada e extremamente competitiva, torna-se cada vez mais imprescindível a visão estratégica

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1. Objetivo geral: Apoiar tecnicamente a gestão e a implementação das atividades do TC 50 - Qualidade do Sistema Único de Saúde - QUALISUS,

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Avaliação desenvolvida por Mónica Galiano e Kenn Allen, publicado originalmente no livro The Big Tent: Corporate Volunteering in the Global Age. Texto

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

O Projeto MelhorAção e a Gestão do Conhecimento

O Projeto MelhorAção e a Gestão do Conhecimento Prof a Dr a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Coordenadora Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos Consolidados Instituto Brasileiro de Informação em Ciência

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MISSÃO DO CURSO A concepção do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas está alinhada a essas novas demandas

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Secretaria de Gestão Pública de São Paulo Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Objetivos As empresas e seus executivos se esforçam para: Manter informações de qualidade para subsidiar

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Tem a missão de assessorar a Presidência em assuntos a ela delegados, agindo em apoio aos demais órgãos da empresa.

Tem a missão de assessorar a Presidência em assuntos a ela delegados, agindo em apoio aos demais órgãos da empresa. PRESIDÊNCIA (DIPRE) A missão da Presidência é assegurar a sobrevivência, o crescimento e a diversificação sinergética da Guimar, em consonância com as orientações estratégicas emanadas do Conselho de Administração,

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre CONCEITOS CONCEITOS Atividade Ação executada que tem por finalidade dar suporte aos objetivos da organização. Correspondem

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima INDICADORES DE RH E METAS ORGANIZACIONAIS JÚLIO SÉRGIO DE LIMA Blumenau SC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO E PERSPECTIVAS DE NEGOCIO, ARQUITETURA DE MEDIÇÃO DO DESEMPENHO E NIVEIS DOS

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC. Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC. Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br INTRODUÇÃO Histórico dos indicadores de desempenho BSC (e ferramentas semelhantes) BSC no setor sistema

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 2.0 30/10/2014 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 5.1 Identificação dos riscos...

Leia mais

ITIL - Information Technology Infraestructure Library

ITIL - Information Technology Infraestructure Library ITIL Biblioteca de infra estrutura de TI (do Inglês, Information Technology Infraestructure Library) e ISO/IEC 20.000 ITIL - Information Technology Infraestructure Library Foi criado no fim dos anos 80

Leia mais

Coordenadoria de Tecnologia da Informação. Documentos Formais. Governança de Auditoria Interna de TI com AGIL-GPR

Coordenadoria de Tecnologia da Informação. Documentos Formais. Governança de Auditoria Interna de TI com AGIL-GPR Coordenadoria de Tecnologia da Informação Documentos Formais Governança de Auditoria Interna de TI com AGIL-GPR NOV/2011 1 Sumário 1 Introdução... 03 2 Políticas de Governança de Auditoria Interna de TI...

Leia mais