ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA"

Transcrição

1 ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA DEPARTAMENTO DE ESTUDOS CAEPE 2011 MONOGRAFIA (CAEPE) A Governança de Tecnologia da Informação na Administração Pública Federal e seus Reflexos para o Exército Brasileiro Código do Tema: 19/321 Cel Com Fortunato Menezes da Silva

2 FORTUNATO MENEZES DA SILVA A GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL E SEUS REFLEXOS PARA O EXÉRCITO BRASILEIRO Trabalho de Conclusão de Curso - Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia. Orientador: Cel R1 Heleno Moreira Rio de Janeiro 2011

3 C2011 ESG Este trabalho, nos termos de legislação que resguarda os direitos autorais, é considerado propriedade da ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (ESG). É permitida a transcrição parcial de textos do trabalho, ou mencioná-los, para comentários e citações, desde que sem propósitos comerciais e que seja feita a referência bibliográfica completa. Os conceitos expressos neste trabalho são de responsabilidade do autor e não expressam qualquer orientação institucional da ESG Biblioteca General Cordeiro de Farias Silva, Fortunato Menezes da A Governança de Tecnologia da Informação na Administração Pública Federal e seus reflexos para o Exército Brasileiro / Coronel de Comunicações Fortunato Menezes da Silva Rio de Janeiro: ESG, f.: il. Orientador: Cel R1 Heleno Moreira Trabalho de Conclusão de Curso Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia (CAEPE), Tecnologia da Informação. 2. Governança de TI. 3. Processo de Transformação. I. Titulo

4 ao Nosso Senhor Jesus Cristo, Divina presença a me guiar os passos, Autor e Consumador da minha fé. "Quem sou eu, SENHOR? e qual é a minha casa, para que me tenhas trazido até aqui?.[...] trataste-me como a um homem ilustre. [...] riquezas e glória vêm de diante de ti, e tu dominas sobre tudo, e na tua mão há força e poder; e nela está o engrandecer e o dar força a tudo. Agora, pois, ó Deus nosso, graças te damos. (Rei Davi, de Israel, I Livro das Crônicas)

5 AGRADECIMENTOS A Deus, o Altíssimo, a quem pertence a magnificência, o poder, a honra, a vitória, a majestade e tudo quanto há nos céus e na terra. [ ] Aquele que tem domínio sobre o reino dos homens, e a quem quer constitui sobre ele. (Antigo Testamento). Aos meus pais, que vislumbraram uma estrela brilhante no meu futuro e não mediram esforços para que ela se tornasse realidade. À minha querida esposa Isabel, mulher virtuosa, idônea, plena de amor, paciência e compreensão, pela agradável companhia e incondicional apoio prestado durante esta jornada profissional, em todas as dimensões em que foi possível se expressar. Aos meus queridos filhos Isabelle e Fellippe, pelo amor demonstrado, mesmo à distância, pelas palavras de incentivo e pela maturidade das iniciativas, o que deu tranquilidade aos pais durante essa jornada. À Igreja Memorial Batista de Brasília, verdadeira família, pelo apoio espiritual. Ao meu irmão e amigo Cel Callai, pela presteza das respostas às minhas solicitações e contribuições sempre bem vindas. Ao Corpo Docente da ESG pelos novos conhecimentos que induzem a maiores reflexões sobre o destino do nosso Brasil, particularmente ao companheiro Cel R1 Heleno Moreira, pela camaradagem e pertinentes observações durante o processo de orientação da monografia. Finalmente, agradeço aos amigos da Turma "Segurança e Desenvolvimento", do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia da Escola Superior de Guerra, no ano de 2011, pelo agradável convívio, particularmente durante as viagens, visitas e trabalhos em grupo, com destaque para o Grupo Delta.

6 Se seus sistemas e processos estão ultrapassados, você terá de mudar o modo como pensa sobre TI e como implementar processos digitalizados. [ ] Mais importante, você terá que liderar a transformação para uma empresa com conhecimento em TI. (Conhecimento em TI, de Peter Weill & Jeanne W. Ross)

7 RESUMO Esta monografia trata da governança de tecnologia da informação como um dos fatores necessários à eficiência e eficácia do processo de transformação do Exército Brasileiro, que pretende modernizar seus sistemas e transportar-se para a era digital. O objetivo deste estudo é mostrar que o êxito desse processo é dependente dos mecanismos daquela governança, tomando como ponto de partida o diagnóstico elaborado pelo Controle Externo em auditorias realizadas no âmbito do governo, nos últimos cinco anos. Além de considerar a experiência profissional do autor como oficial de Comunicações, a metodologia aplicada amparou-se numa pesquisa bibliográfica e documental embasada em dois relatórios do Tribunal de Contas da União sobre governança de Tecnologia da Informação (2007 e 2010), do modelo Control Objectives for Information and related Technology (COBIT), versão 4.1 (INFORMATION TECHNOLOGY GOVERNANCE INSTITUTE, 2007) e das obras A Terceira Onda (Alvin Toffler, 2001) e Conhecimento em TI (Peter Weill e Jeanne W. Ross, 2010). O estudo aborda como principais tópicos a governança de TI, o processo de transformação do Exército e a organização com Conhecimento em TI (Ibidem). Finalmente, faz uma análise crítica do nível de governança existente no Exército, abordando os avanços e retrocessos institucionais na área de TI. A conclusão aponta para a necessidade preliminar de elaboração de um plano estratégico específico de TI e do efetivo envolvimento do Alto-Comando na composição do Conselho Superior de TI do Exército. Palavras chave: Tecnologia da Informação. Governança de TI. Processo de transformação.

8 ABSTRACT This monograph refers to the Information Technology (IT) Governance as one of the essential factors to reach efficiency and effectiveness on the process of transformation of the Brazilian Army, which intends to modernize its systems and transport itself to the new Digital Era. The objective of this study is to demonstrate that the success of this process depends on mechanisms of the aforesaid governance, taking as a starting point the diagnosis elaborated by the External Control in audits taken place in the scope of government over the last five years. In addition, it should be taken in consideration the professional experience of the author as a Signal Officer, as well as the methodology applied, which was founded on a bibliography and documental research based in two reports of the Tribunal de Contas da União about Information Technology Governance (2007 e 2010), the Control of Objectives for Information and related Technology (COBIT) framework, version 4.1 (Information Technology Governance Institute, 2007) and other works as The Third Wave (Alvin Toffler, 2001) and Knowledge in IT (Peter Weill and Jeanne W. Ross, 2010). The study deals with as main topics the IT Governance, the process of transformation of the Brazilian Army and Knowledge in IT organization (Ibidem), addressing the institutional progresses and retrogrades on the IT area. The conclusion leads towards the preliminary need of elaboration of a specific strategic plan of IT and the effective involvement of the High-Command on the composition of the Army s IT Steering Committee. Keywords: Information Technology. IT Governance. Transformation process.

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CONCEITOS ADOTADOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL A IMPORTÂNCIA DA TI E DA SUA GOVERNANÇA CONTROLE EXTERNO DA GOVERNANÇA DE TI HISTÓRICO DA GOVERNANÇA DE TI NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA A GOVERNANÇA DE TI NO EXÉRCITO PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO DO EXÉRCITO ASPECTOS DO PROCESSO QUE EVIDENCIAM A IMPORTÂNCIA DA GOVERNANÇA DE TI Vetor Doutrina Vetor Educação e Cultura Vetor Gestão Corrente e Estratégica ORGANIZAÇÃO COM CONHECIMENTO EM TI PROPOSTAS CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 44

10 LISTA DE ABREVIATURAS ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas APF - Administração Pública Federal BDCP - Base de Dados Corporativa de Pessoal BRASSCOM - Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação C&T Ciência e Tecnologia C2 Cmb - Comando e Controle em Combate C4IVR - Sistema de Comando e Controle, Comunicações, Computação, Inteligência, Vigilância e Reconhecimento CADS - Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas CBD - Curso de Banco de Dados CCOMGEx - Centro de Comunicações e Guerra Eletrônica do Exército CDCiber - Centro de Defesa Cibernética do Exército CDS - Centro de Desenvolvimento de Sistemas CEGE - Comitê Executivo de Governo Eletrônico CGSI - Curso de Gestão de Sistemas de Informações CGTI - Curso de Gestão de Tecnologia da Informação CIE - Centro de Inteligência do Exército CIGE - Centro Integrado de Guerra Eletrônica do Exército CISL - Comitê de Implementação do Software Livre CITEx - Centro Integrado de Telemática do Exército (CITEx) CMA Comando Militar da Amazônia CML - Comando Militar do Leste CMNE - Comando Militar do Nordeste CMO - Comando Militar do Oeste CMP - Comando Militar do Planalto CMSE - Comando Militar do Sudeste COBIT - Control Objectives for Information and related Technology COTIM - Conselho de Tecnologia da Informação da Marinha CPEx Centro de Pagamentos do Exército CRC - Curso de Redes de Computadores CT&I - Ciência, Tecnologia e Inovação

11 CTPED - Curso de Tecnologia de Processamento Eletrônico de Dados DCT - Departamento de Ciência e Tecnologia DCT - Departamento de Ciência e Tecnologia DCTA - Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial DCTIM - Diretoria de Comunicações e Tecnologia da Informação da Marinha DGP - Departamento-Geral do Pessoal DMCEI - Diretoria de Material de Comunicações, Eletrônica e Informática DOM - Diretoria de Obras Militares DTCEA - Departamento de Controle do Espaço Aéreo DTI - Diretoria de Tecnologia da Informação da Aeronáutica EB - Exército Brasileiro EBCORP - Base de Dados Corporativa do Exército Brasileiro EGTI - Estratégia Geral de Tecnologia da Informação EME - Estado-Maior do Exército END - Estratégia Nacional de Defesa E-PING - Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico FA - Forças Armadas GSI - Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República igovti - índice de Governança de Tecnologia da Informação IN - Instrução Normativa ITGI - INFORMATION TECHNOLOGY GOVERNANCE INSTITUTE MD - Ministério da Defesa MPOG - Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão NuCDCiber Núcleo do Centro de Defesa Cibernética do Exército ODF - Open Data Format ODG - Órgão de Direção Geral ODS - Órgão de Direção Setorial OGU - Orçamento Geral da União OM - Organização Militar OPIP - Órgãos Pagadores de Inativos e Pensionistas OPUS - Sistema Unificado do Processo de Obras PEG Programa de Excelência Gerencial PGP - Gestão por Processos PIB - Produto Interno Bruto

12 PR - Presidência da República QGEx Quartel-General do Exército. SAF - Secretaria da Administração Federal SC2FTer - Sistema de Comando e Controle da Força Terrestre SCT - Secretaria de Ciência e Tecnologia SecCTM - Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação da Marinha SE-EB - Sistema de Excelência no Exército Brasileiro SEF - Secretaria de Economia e Finanças SEFTI - Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação SGBD Sistema Gerenciador de Banco de Dados SGE/BSC - Sistema de Gestão Estratégica / Balanced Scorecard SIAPPES - Sistema Automatizado de Pagamento de Pessoal SiCaPEx - Sistema de Cadastramento do Pessoal do Exército SIG - Sistema Integrado de Gestão SIGADEx - Sistema Informatizado de Gestão Arquivística e Documental do Exército SIMATEx - Sistema de Material do Exército SIP - Seção de Inativos e Pensionistas SIPLEx - Sistema de Planejamento do Exército SiPPes - Sistema de Pagamento de Pessoal do Exército SISFRON - Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras SISP - Sistema de Administração dos Recursos de Informação e Informática SLTI - Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação SPED - Sistema de Protocolo Eletrônico de Documentos STI - Secretaria de Tecnologia da Informação TC - Tecnologia da Comunicação TCU - Tribunal de Contas da União TI - Tecnologia da Informação TIC - Tecnologia da Informação e Comunicações

13 11 1 INTRODUÇÃO A Terceira Onda faz mais do que simplesmente acelerar os fluxos de informação; ela transforma a profunda estrutura de informação de que dependem nossas ações diárias. (TOFFLER, ALVIN. A Terceira Onda, 25. ed. Rio de Janeiro: Record. p.164, 2001) É incontestável o fato de que as tecnologias da informação (TI) provocaram uma revolução na era industrial e conduzem o mundo para a era do conhecimento, produzindo um grande volume de acontecimentos inusitados. Uma vez que reduziu distâncias espaciais e temporais, com uma velocidade surpreendente, essa era digital trouxe vários benefícios acompanhados de sérias dificuldades: diante da automatização de processos, dos novos modos de se comunicar, da intensificação das relações em diversos níveis e do aperfeiçoamento da capacidade de gestão administrativa e operacional, confrontam-se o aumento do fluxo de informações, a dificuldade de discernimento, o controle de gastos, os riscos associados e a divergência entre os objetivos atingidos e os resultados esperados. Visando superar os óbices apresentados por essa nova realidade, as organizações têm envidado esforços de toda ordem para controlar e dirigir os processos. Na verdade, o que se deseja é obter a capacidade de atingir os objetivos de negócios, aproveitando as oportunidades, contornando os riscos inerentes, aliando a otimização dos investimentos à velocidade requerida pela era da informação. No setor público, a preocupação principal é realizar essa tarefa observando os princípios constitucionais, particularmente os da economicidade e da legalidade. Para isso, o Tribunal de Contas da União (TCU) vem realizando levantamentos, que revelam a existência de grandes desafios relacionados à governança de Tecnologia da Informação (TI) na Administração Pública Federal (APF), ressaltando aspectos referentes ao planejamento estratégico, à segurança da informação, à estrutura de pessoal de TI, ao desenvolvimento de sistemas e a auditorias (TCU, 2007, 2010). Vários problemas foram identificados, merecendo recomendações específicas daquela Corte de Contas, para todo o poder público, com base em referenciais consagrados, de melhores práticas de aceitação internacional. O Exército, instituição interessada na excelência gerencial, participou dos levantamentos, tendo obtido um resultado favorável em comparação com os demais órgãos. Contudo, uma vez que pretende ingressar na era do conhecimento, vivencia

14 12 um processo de transformação que exigirá um esforço institucional sem precedentes, diante dos novos sistemas e estruturas, que vão desafiar hábitos arraigados e barreiras departamentais existentes, com fluxos de informação cada vez maiores e mais intensos (TOFFLER, 2001). Este trabalho pretende abordar a seguinte questão: em que medida a governança de TI pode contribuir para a consecução dos objetivos do processo de transformação do Exército Brasileiro? Para nortear a pesquisa, estabeleceu-se como objetivo geral estudar esse processo e verificar que a sua eficácia é diretamente proporcional à adoção dos critérios e modelos de governança de TI. À luz dos mecanismos supracitados, foram relacionados quatro objetivos específicos, a saber: Verificar o resultado das ações do Controle Externo no âmbito da administração pública federal. Verificar a situação do Exército referente à TI. Identificar os aspectos do processo de transformação que evidenciam a importância da governança de TI. Descobrir qual o nível de conhecimento sobre TI necessário a uma organização que pretende entrar na Sociedade do Conhecimento. O referencial teórico constitui-se de dois levantamentos sobre governança de TI realizados pelo TCU (2007 e 2010) e da obra Conhecimento em TI de Peter Weill & Jeanne W. Ross (2010). A fim de atingir um melhor entendimento do trabalho proposto, esta monografia está organizada em cinco capítulos, incluindo a introdução (capítulo 1) e as considerações finais (capítulo 5). No capítulo 2 serão apresentados uma visão geral da governança de TI, os principais conceitos em vigor, a importância da TI e da sua governança, as ações do Controle Externo relacionadas ao tema, um breve histórico da governança de TI na administração pública e a respectiva situação do Exército. O Capítulo 3 abordará o processo de transformação do Exército, estudando três vetores: Doutrina, Educação e Cultura e Gestão Corrente e Estratégica, de onde serão extraídos os aspectos que evidenciam a importância da governança de TI na transição da Instituição da era industrial para a era do conhecimento, também chamada de era digital ou sociedade da informação (EME, 2010).

15 13 No Capítulo 4 serão discutidos as principais características de uma organização com Conhecimento em TI (WEILL & ROSS, 2010, p.1), relacionandoas com o Exército Brasileiro. São também apresentadas propostas de medidas necessárias ao aperfeiçoamento e ao exercício de uma eficiente governança de TI no Exército Brasileiro, a fim de concluir o processo de transformação com eficácia.

16 14 2 GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Onde não há conselhos fracassam os projetos, mas com os muitos conselheiros há bom êxito. (Provérbios) Governança de Tecnologia da Informação (TI) é um tema de importância estratégica crescente, que vem despertando a atenção dos agentes econômicos em todo o mundo, principalmente empresas e governos, tendo em vista a magnitude dos valores financeiros envolvidos, a característica pervasiva e ubíqua da TI nos diferentes setores da sociedade e o impacto que ela causa nas relações interpessoais, nas atividades das organizações, enfim na governança corporativa. Embora seja relevante, é um conceito ainda desconhecido por atores envolvidos no setor público. No Brasil, a importância desse tema pode ser avaliada pela amplitude das ações do Tribunal de Contas da União, traduzidas pela adequação de sua estrutura organizacional, em 2006, e a realização de levantamentos específicos, no âmbito da APF (TCU, 2007 e 2010), com nítidas repercussões para todos os órgãos públicos, particularmente o Exército Brasileiro, que se encontra em processo de transformação institucional (EME, 2010). 2.1 CONCEITOS ADOTADOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Tecnologia da Informação (TI) é o termo que designa o conjunto de recursos necessários para realizar a gestão da informação, atividade caracterizada pelas etapas de aquisição, processamento, armazenamento e difusão das informações (ABNT, 2009). Conforme classificação do Information Technology Governance Institute (ITGI), os recursos de TI abrangem aplicativos, informações, infraestrutura e as pessoas, que viabilizam a existência e o funcionamento de sistemas de informações e serviços. (ITGI, 2007, grifo nosso). Embora já definido em norma técnica 1 (ABNT, 2009, apud TCU, 2010), TI é um conceito cujo significado ainda guarda certa ambiguidade. Algumas vezes, envolve apenas os recursos relacionados à tradicional área de informática, em outras, envolve também os da área de comunicações (telecomunicações). A sigla TI abarca também as expressões Tecnologia da Comunicação (TC) e Tecnologia da 1 ABNT. NBR ISO/IEC 38500:2009 Governança corporativa de tecnologia da informação.

17 15 Informação e Comunicação (TIC), entendimento que é claramente expresso nos levantamentos realizados pelo Controle Externo (TCU), acrescentando que os termos TI e TIC se equivalem, sendo sinônimos (Ibidem). Embora isto ocorra, os termos comunicações e TI são tratados de modos distintos, tanto pelo setor público quanto pelo setor privado, o que será abordado mais adiante. Outros conceitos importantes estão ligados à ubiquidade e pervasividade, características básicas inerentes à TI que a fazem presente em toda a organização, influenciando cada uma das decisões organizacionais, conferindo à governança de TI o atributo de fazer parte da governança corporativa. É o que se pode verificar na visão da Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação (SEFTI) do TCU 2 : Governança corporativa é o sistema pelo qual as organizações são dirigidas e controladas. Pode ser entendido como o conjunto de ações e responsabilidades exercidas pela alta administração da empresa, órgão ou entidade, com o objetivo de oferecer orientação estratégica e garantir que os objetivos sejam alcançados, com simultânea gerência de riscos e verificação de que os recursos são utilizados de forma responsável. Governança de TI ou governança corporativa de TI é o sistema pelo qual o uso atual e futuro da TI é dirigido e controlado. Significa avaliar e direcionar o uso da TI para dar suporte à organização e monitorar seu uso para realizar os planos. Inclui a estratégia e as políticas de uso da TI dentro da organização. A governança de TI é de responsabilidade dos executivos e da alta direção, consistindo em aspectos de liderança, estrutura organizacional e processos que garantam que a área de TI da organização suporte e aprimore as estratégias e objetivos da organização (TCU, p.101, grifo nosso). 2.2 A IMPORTÂNCIA DA TI E DA SUA GOVERNANÇA As características básicas inerentes à TI já seriam suficientes para aquilatar a sua importância e concluir sobre a sua influência em todas as expressões do poder nacional. Preliminarmente, os indícios apontam para a predominância da expressão econômica, no entanto, existem bases consistentes que ampliam esse entendimento e identificam outros fatores relevantes, que podem ser constatados. Segundo Walton Alencar Rodrigues, ministro-presidente do TCU, A TI é o verdadeiro motor das organizações modernas podendo tanto impulsioná-las muito adiante como emperrar o seu progresso 3 (TCU, 2008, p. 5). Entre outros aspectos, esta afirmação tem suporte nas várias evidências identificadas nas auditorias de TI realizadas na administração pública federal. 2 Levantamento de governança de TI Glossário. 3 Sumários Executivos. Levantamento acerca da Governança de Tecnologia da Informação na Administração Pública Federal

18 16 Em seguida, é preciso destacar que TI é uma função de governo, prevista em lei 4 e abrangida pela função Administração 5, sendo, portanto, alvo permanente das atenções do Controle Externo. Por conta disso, o TCU vem realizando levantamentos e constatando a necessidade de maior controle referente a essa função, tendo em vista o seu aspecto estratégico e o expressivo crescimento da sua despesa associado à dificuldade de identificar as despesas com precisão 6 : Do estudo [...], concluiu-se que a estrutura do OGU [Orçamento Geral da União] não permite a identificação precisa dos gastos efetuados pela APF em TI por não conter classificações orçamentárias específicas para todos os tipos de bens e serviços relacionados ao domínio de tecnologia da informação, assim como pela dispersão desses dispêndios nas ações finalísticas e de apoio de cada órgão ou entidade, restando sem identificação parcela significativa dos gastos em TI. A despeito das restrições encontradas, verificou-se que os gastos identificáveis em TI executados pela APF cresceram de 4,2 a 6,5 bilhões de reais, de 2002 a O estudo indica que o montante real dos gastos em TI pela APF supera o valor mensurado. Os dados levantados revelaram, também, uma predominância dos gastos de TI em serviços. (TCU, 2008, não paginado, grifo nosso). O Relatório do TCU 7 sobre as contas do governo da República, no, exercício de 2008, também registra: a segunda maior subfunção realizada foi 'Tecnologia da Informação' com 7% do total das 'Subfunções Administrativas', equivalente ao empenho de R$ ,00 (quatro bilhões e oitocentos e cinquenta e nove milhões de reais) (TCU, 2009, p. 234). Apenas para comparar, a função Comunicações empenhou R$ ,00 (quinhentos e trinta e um milhões de reais), enquanto que Ciência e Tecnologia empenhou R$ ,00 (cinco bilhões, duzentos e vinte cinco milhões de reais) (Ibidem, p. 80). Assim, a garantia da aplicação judiciosa de recursos se torna cada vez mais importante, tendo em vista que somente na Administração Federal o gasto em TI ultrapassa seis bilhões de reais por ano [...] (TCU, 2008, p. 2) 8. Entretanto, outros aspectos vão além das questões orçamentárias, estando diretamente relacionadas ao papel da governança de TI na segurança e na eficácia governamental, pois a governança adequada da área de TI na Administração Pública Federal promove a proteção de informações críticas e contribui para que as organizações atinjam seus objetivos institucionais. (Ibidem). 4 Lei nº 4.320, de 17 de março de Portaria nº 42, de 14 de abril de 1999, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. 6 Acórdão nº 371/2008-TCU. 7 Relatório e pareceres prévios sobre as contas do governo da República: Exercício de TCU. 8 Acórdão nº 1603/2008-TCU.

19 17 Em outro relatório, o TCU relembra a relevância do fator econômico, mas também ressalta o caráter estratégico ampliado pela expressão política 9 : a importância da governança de TI no âmbito da APF pode ser aquilatada tanto pela estimativa de gastos em TI para 2010, que é de cerca de R$ 12,5 bilhões, quanto por sua importância estratégica, ao ser amplamente utilizada na condução de políticas públicas suportadas por um orçamento federal de R$ 1,86 trilhão [...]. (TCU, 2010, p. 6, grifo nosso) Para o setor privado, no que concerne ao setor de tecnologia da informação, os aspectos econômicos são aqueles que merecem maior destaque, pois carregam grandes promessas de lucro, apesar de atreladas a problemas complexos. Isto pode ser constatado no estudo elaborado pela Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom) veiculado pelo site da Revista Veja: A Associação [...] (Brasscom) acaba de divulgar números expressivos sobre a área, revelando que, em 2010, o setor movimentou mais 85 bilhões de dólares. É o equivalente a quase 5% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional. O estudo, elaborado pelo centro de pesquisas IDC, aponta ainda que, se o segmento de telecomunicações for adicionada ao bolo, o total pula para 165,69 bilhões, alcançando quase 10% do PIB. A meta para 2020 (sem ajuda de telecomunicações) é elevar o peso do setor para 6,5% do PIB, com faturamento de 200 bilhões de dólares, [...]. As oportunidades são imensas, mas os desafios também são grandes. O país precisa reduzir os custos da mão de obra, porque eles consomem em torno de 70% das receitas das empresas, [...]. Os números revelam ainda um detalhe importante. Do faturamento total do setor, 98,5% (ou 163,3 bilhões de dólares) são provenientes do mercado interno. As operações internacionais foram responsáveis por apenas 2,39 bilhões de dólares. No mundo, o setor de TI aliado à área de telecomunicações chegou a 1,5 trilhão de dólares. A cifra deve duplicar até [ ] (REVISTA VEJA, 2011, não paginado, grifo nosso). Essa informação confirma a constatação do TCU em seus levantamentos e corrobora as afirmações de que os gastos com a tecnologia da informação continuarão aumentando em quase todas as empresas, segundo Weill & Ross (2010, p.13). Porém, as expectativas são alvissareiras e envolvem todas as expressões do poder nacional: maior faturamento para as empresas do setor, novas oportunidades de emprego de mão de obra e maior potencial cientifico e tecnológico, o que pode ser muito favorável ao desenvolvimento da indústria nacional de defesa e, consequentemente, ao aumento do produto interno bruto. Contudo, questões consideradas relevantes em passado recente deverão estar presentes nas mesas de negociação de expressão política, tais como: 9 Levantamento de governança de TI 2010.

20 18 formulação de políticas públicas para incentivo ao crescimento do setor; redução de impostos e tarifas de importação que impactam os custos de produção e o acesso às tecnologias de informação; de São Paulo, 2004). proteção da propriedade intelectual; flexibilização das leis trabalhistas; existência de um marco regulatório claro e transparente. (Jornal O Estado Por sua vez, o Information Technology Governance Institute (ITGI), entidade de referência internacional em governança de TI, destaca em seu modelo 10 : a necessidade da avaliação do valor de TI, o gerenciamento dos riscos relacionados à TI e as crescentes necessidades de controle sobre as informações são agora entendidos como elementos-chave da governança corporativa. Valor, risco e controle constituem a essência da governança de TI. (ITGI, 2007, p.7, grifo nosso). Como pode ser constatado, as características básicas da TI, o seu caráter de função de governo, a complexidade das questões envolvidas entre os setores público e privado, a magnitude dos recursos empregados nas esferas governamentais e a tendência de crescimento da sua despesa alimentam as expectativas do empresariado e projetam a real dimensão da importância da governança de TI como instrumento essencial da governança corporativa, particularmente no âmbito da administração pública federal. 2.3 CONTROLE EXTERNO DA GOVERNANÇA DE TI Continuando com o ministro-presidente Walton Alencar Rodrigues, após destacar a importância da TI, ele ressalta o papel preponderante do TCU como indutor do aperfeiçoamento do nível da gestão pública, tendo em foco que Um dos grandes desafios da Administração Pública Federal na atualidade é a elevação do seu grau de governança (TCU, 2008, p. 5). Depois, afirma que a governança de TI é essencial para conseguir o aperfeiçoamento dessa área e informa os motivos que levaram o TCU a modificar a sua estrutura, nos seguintes termos: A dimensão estratégica da tecnologia da informação (TI), a complexidade de sua gestão, o aumento dos gastos públicos com TI na administração pública e a quantidade crescente de denúncias e representações sobre aquisições nessa área, levaram, no final de 2006, à criação da Secretaria de Fiscalização de TI (Sefti). (Ibidem). 10 Control Objectives for Information and related Technology (COBIT) 4.1. ed

Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública. André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011

Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública. André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011 Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011 André Luiz Furtado Pacheco, CISA Graduado em Processamento de

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Art. 1º Aprovar a Diretriz de Implantação do Sistema de Protocolo Eletrônico de Documentos (SPED) no âmbito do Exército Brasileiro.

Art. 1º Aprovar a Diretriz de Implantação do Sistema de Protocolo Eletrônico de Documentos (SPED) no âmbito do Exército Brasileiro. PORTARIA Nº 002-EME, DE 17 DE JANEIRO DE 2012. Aprova a Diretriz de Implantação do Sistema de Protocolo Eletrônico de Documentos (SPED) no âmbito do Exército Brasileiro. O CHEFE DO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO,

Leia mais

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Emerson de Melo Brasília Novembro/2011 Principais Modelos de Referência para Auditoria de TI Como focar no negócio da Instituição

Leia mais

Governança de TI no Governo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto

Governança de TI no Governo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto Governança de TI no Governo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto Agenda Agenda Contexto SISP IN SLTI 04/2008 EGTI Planejamento

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

Portaria Nr 026/DCT, 31 Mar 06 (IR 13-07) INSTRUÇÕES REGULADORAS PARA EMPREGO SISTÊMICO DA INFORMÁTICA NO EXÉRCITO BRASILEIRO IREMSI DAS GENERALIDADES

Portaria Nr 026/DCT, 31 Mar 06 (IR 13-07) INSTRUÇÕES REGULADORAS PARA EMPREGO SISTÊMICO DA INFORMÁTICA NO EXÉRCITO BRASILEIRO IREMSI DAS GENERALIDADES Portaria Nr 026/DCT, 31 Mar 06 (IR 13-07) INSTRUÇÕES REGULADORAS PARA EMPREGO SISTÊMICO DA INFORMÁTICA NO EXÉRCITO BRASILEIRO IREMSI DAS GENERALIDADES Art.1º As presentes intruções regulam a sistematização

Leia mais

Avaliação da Segurança da Informação no âmbito da APF

Avaliação da Segurança da Informação no âmbito da APF Avaliação da Segurança da Informação no âmbito da APF Pedro Coutinho Filho Sefti Brasília, 17 de maio de 2013 www.tcu.gov.br/fiscalizacaoti 2 da TI o Levantamento IGovTI o Objetivos Agenda o Principais

Leia mais

VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e

VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e VIII - tenha a orientação técnico-pedagógica do DECEx. Art. 3º Determinar que a presente

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Auditoria Interna na Área de Tecnologia da Informação

Auditoria Interna na Área de Tecnologia da Informação Auditoria Interna na Área de Tecnologia da Informação André Luiz Furtado Pacheco, CISA 4º Workshop de Auditoria de TI da Caixa Brasília, agosto de 2011 Agenda Introdução Exemplos de Deliberações pelo TCU

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Governança de TI e Auditoria Interna

Governança de TI e Auditoria Interna Governança de TI e Auditoria Interna Renato Braga, CISA, CIA, CGAP, CCI Diretor Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação Tribunal de Contas da União Florianópolis, 25 de abril de 2012 Agenda

Leia mais

A gestão da Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação

A gestão da Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação A gestão da Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação Cláudio Castello Branco Introdução A criação da Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação (Sefti) no Tribunal de Contas da

Leia mais

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 29 de setembro de 2009 PLANO DE TRABALHO - PDTI O presente Plano de Trabalho objetiva o nivelamento do Tribunal de Justiça do Estado de Roraima aos requisitos de tecnologia da informação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI Plano de Trabalho Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

Gestão e Tecnologia da Informação

Gestão e Tecnologia da Informação Gestão e Tecnologia da Informação Superintendência de Administração Geral - SAD Marcelo Andrade Pimenta Gerência-Geral de Gestão da Informação - ADGI Carlos Bizzotto Gilson Santos Chagas Mairan Thales

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Governança de TIC. CobiT 4.1

Governança de TIC. CobiT 4.1 Governança de TIC CobiT 4.1 Conceitos Governança: A expressão governar tem origem na expressão navegar... E o que quem navega faz? Ele faz um mapa, dá a direção, faz as regras de convivência. Tomáz de

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19).

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). PORTARIA Nº 483, DE 20 DE SETEMBRO DE 2001. Aprova as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da competência que lhe é conferida

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011)

PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011) PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011) Dispõe sobre as competências da Secretaria de Infraestrutura de Tecnologia da

Leia mais

Número do Recibo:83500042

Número do Recibo:83500042 1 de 21 06/06/2012 18:25 Número do Recibo:83500042 Data de Preenchimento do Questionário: 06/06/2012. Comitête Gestor de Informática do Judiciário - Recibo de Preenchimento do Questionário: GOVERNANÇA

Leia mais

Relato sobre a elaboração do PDTIC da UFMA

Relato sobre a elaboração do PDTIC da UFMA Relato sobre a elaboração do PDTIC da UFMA Nélio Alves Guilhon Tereza Cristina Brito Moreira Lima HISTÓRICO TI DA UFMA 1976: Resolução 423/76 ( 26/04/1976 ) Cria o Centro de Processamento de Dados (CPD)

Leia mais

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DA MARINHA. SecCTM CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DA MARINHA. SecCTM CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO BRASÍLIA 2015 0 PREFÁCIO Por definição, a Carta de Serviços ao Cidadão é o documento no qual o órgão ou a entidade pública estabelece o compromisso de observar padrões de qualidade,

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Gestão de Contratos: Peculiaridades da JT em Bens e Serviços

Gestão de Contratos: Peculiaridades da JT em Bens e Serviços Gestão de Contratos: Peculiaridades da JT em Bens e Serviços Justiça do Trabalho Fonte: Justiça em Números 2014 - CNJ Fabiano de Andrade Lima - JUNHO - 2015 Investimento TI A Secretaria de Receita Federal

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 017-EME, DE 8 DE MARÇO DE 2007.

ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 017-EME, DE 8 DE MARÇO DE 2007. ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 017-EME, DE 8 DE MARÇO DE 2007. Aprova as Normas para o Funcionamento do Sistema de Material do Exército (SIMATEX). O CHEFE DO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO, no uso da competência

Leia mais

Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação

Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação Agenda Antes da Sefti Criação da Sefti O que já fizemos Trabalhos mais relevantes Resultados alcançados 2 Impacto da TI na gestão pública Criticidade

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações CobIT Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações Eduardo Mayer Fagundes Copyright(c)2008 por Eduardo Mayer Fagundes 1 Agenda 1. Princípio de Gestão Empresarial

Leia mais

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas

Leia mais

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009.

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. Institui a Política de Tecnologia da Informação e Comunicação no Governo do Estado do Piauí, cria o Sistema de Governança de Tecnologia da Informação e

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

A IN/SLTI nº 04/2008 e Avaliação dos Resultados Análise de Pontos de Função Âmbito do SISP The IN SLTI 04/2008 and Results Assessment

A IN/SLTI nº 04/2008 e Avaliação dos Resultados Análise de Pontos de Função Âmbito do SISP The IN SLTI 04/2008 and Results Assessment A IN/SLTI nº 04/2008 e Avaliação dos Resultados Análise de Pontos de Função Âmbito do SISP The IN SLTI 04/2008 and Results Assessment Cláudio Muniz Machado Cavalcanti claudio.cavalcanti@planejamento.gov.br

Leia mais

&&&'( '$ Núcleo de Projetos Especiais Divisão de Processos e Segurança da Informação #$%$

&&&'( '$ Núcleo de Projetos Especiais Divisão de Processos e Segurança da Informação #$%$ &&&'( '$!" Núcleo de Projetos Especiais Divisão de Processos e Segurança da Informação #$%$ Governança Corporativa - conjunto de boas práticas para melhoria do desempenho organizacional; - nasce da necessidade

Leia mais

Implantação da Governança a de TI na CGU

Implantação da Governança a de TI na CGU Implantação da Governança a de TI na CGU José Geraldo Loureiro Rodrigues Diretor de Sistemas e Informação Controladoria-Geral da União I Workshop de Governança de TI da Embrapa Estratégia utilizada para

Leia mais

Planejamento Estratégico da Tecnologia da Informação (PETI)

Planejamento Estratégico da Tecnologia da Informação (PETI) 00 dd/mm/aaaa 1/15 ORIGEM Instituto Federal da Bahia Comitê de Tecnologia da Informação ABRANGÊNCIA Este da Informação abrange todo o IFBA. SUMÁRIO 1. Escopo 2. Documentos de referência 3. Metodologia

Leia mais

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008.

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. Dispõe sobre modificações no processo de implantação do monitoramento dos programas e ações governamentais, no âmbito da Administração Pública do Estado de Mato

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

CONTAS CONTROLADAS. Sede do TCU em Brasília R I S K M A N A G E M E N T R E V I E W 1 9 DIVULGAÇÃO

CONTAS CONTROLADAS. Sede do TCU em Brasília R I S K M A N A G E M E N T R E V I E W 1 9 DIVULGAÇÃO CONTAS CONTROLADAS TCU adota modelo de governança de TI no ambiente interno alinhando com seu plano estratégico para realizar o controle externo das contas da União com maior eficiência COMO ÓRGÃO RESPONsável

Leia mais

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados E77p Espírito Santo. Tribunal de Contas do Estado. Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados / Tribunal de Contas do Estado. Vitória/ES: TCEES, 2015. 13p. 1.Tribunal

Leia mais

Governança de TI no Ministério da Educação

Governança de TI no Ministério da Educação Governança de TI no Ministério da Educação José Henrique Paim Fernandes Secretário Executivo Ministério da Educação Novembro de 2008 Governança de TI no Ministério da Educação Contexto Gestão e Tecnologia

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Relatório de Informações Gerenciais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Relatório de Informações Gerenciais PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Relatório de Informações Gerenciais Setorial do 1º Semestre de 2013 DIRETORIA GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO DGTEC RELATÓRIO DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1º

Leia mais

PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG

PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG Forplad Regional Sudeste 22 de Maio de 2013 Erasmo Evangelista de Oliveira erasmo@dgti.ufla.br Diretor de

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

ATO Nº 229/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 229/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 229/2013 Aprova a Norma Complementar de Criação da Equipe de Tratamento e Resposta a Incidentes na Rede de Computadores do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

Modelo de Referência 2011-2012

Modelo de Referência 2011-2012 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação - SLTI Modelo de Referência 2011-2012 Plano Diretor de Tecnologia de Informação Ministério do Planejamento,

Leia mais

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0 TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Brivaldo Marinho - Consultor Versão 1.0 CONTROLE DA DOCUMENTAÇÃO Elaboração Consultor Aprovação Diretoria de Informática Referência do Produto

Leia mais

José Geraldo Loureiro Rodrigues Orientador: João Souza Neto

José Geraldo Loureiro Rodrigues Orientador: João Souza Neto José Geraldo Loureiro Rodrigues Orientador: João Souza Neto Análise dos três níveis: Governança Corporativa Governança de TI Gerenciamento da Área de TI ORGANIZAÇÃO Governança Corporativa Governança

Leia mais

Segurança da informação

Segurança da informação Segurança da informação Roberta Ribeiro de Queiroz Martins, CISA Dezembro de 2007 Agenda Abordagens em auditoria de tecnologia da informação Auditoria de segurança da informação Critérios de auditoria

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

A TI E O PPA 2012-2015

A TI E O PPA 2012-2015 Governo do Estado de Mato Grosso Conselho Superior do Sistema Estadual de Informação e Tecnologia da Informação Sistema Estadual de Informação e Tecnologia da Informação WORKSHOP A TI E O PPA 2012-2015

Leia mais

Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos

Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos Conselho Nacional de Arquivos Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos Orientação Técnica n.º 1 Abril / 2011 Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos Este documento tem por objetivo

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA DO SISP

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA DO SISP SERVIÇOS DE CONSULTORIA EIXO TEMÁCO: GOVERNANÇA DE Implantação de Metodologia de Elaborar e implantar uma metodologia de gerenciamento de projetos no órgão solicitante, com a finalidade de inserir as melhores

Leia mais

UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos

UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos Exercício 2015 Auditoria Interna Unidade de Auditoria Interna - CEFET/RJ Normativos: Portaria nº 07, de 15/01/2001: cria a Unidade de Auditoria

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Como o TCU vem implantando a governança de TI

Como o TCU vem implantando a governança de TI Como o TCU vem implantando a governança de TI Assessoria de Segurança da Informação e Governança de TI - Assig - Marisa Alho Chefe de Assessoria Assessoria de Segurança da Informação e Governança de TI

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

Plano de Governança de Tecnologia de Informação

Plano de Governança de Tecnologia de Informação Plano de Governança de Tecnologia de Informação Julho/2012 Junho/2014 1 Universidade Federal Fluminense Superintendência de Tecnologia da Informação Fernando Cesar Cunha Gonçalves Superintendência de Tecnologia

Leia mais

Diretoria de Informática

Diretoria de Informática Diretoria de Informática Estratégia Geral de Tecnologias de Informação para 2013-2015 EGTI 2013-2015 Introdução: Este documento indica quais são os objetivos estratégicos da área de TI do IBGE que subsidiam

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Março COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - CGTIC 2 ÍNDICE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO... 3 Apresentação...

Leia mais

AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DO QUADRO DE SERVIDORES DA COTEC

AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DO QUADRO DE SERVIDORES DA COTEC MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA Coordenação-Geral de Administração e Tecnologia da Informação Coordenação

Leia mais

A experiência de quem trouxe a internet para o Brasil agora mais perto de você

A experiência de quem trouxe a internet para o Brasil agora mais perto de você A experiência de quem trouxe a internet para o Brasil agora mais perto de você A Escola A Escola Superior de Redes da RNP privilegia um ensino totalmente prático. Os laboratórios são montados de forma

Leia mais

Conhecimento em Tecnologia da Informação. CobiT 5. Apresentação do novo framework da ISACA. 2013 Bridge Consulting All rights reserved

Conhecimento em Tecnologia da Informação. CobiT 5. Apresentação do novo framework da ISACA. 2013 Bridge Consulting All rights reserved Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Apresentação do novo framework da ISACA Apresentação Este artigo tem como objetivo apresentar a nova versão do modelo de governança de TI, CobiT 5, lançado

Leia mais

Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais, regimentais e regulamentares,

Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais, regimentais e regulamentares, PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO PORTARIA TRT/GP/DGCA Nº 630/2011 Define a Política de Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicações

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL. A importância da Alta Administração na Segurança da Informação e Comunicações

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL. A importância da Alta Administração na Segurança da Informação e Comunicações A importância da Alta Administração na Segurança da Informação e Comunicações Agenda O Problema; Legislação; Quem somos; O que fazer. O problema A informação: é crucial para APF é acessada por pessoas

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7

14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação ORIGEM e Comunicações Departamento de Segurança da Informação e

Leia mais

GESTÃO DE T.I. COBIT. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. COBIT. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. COBIT José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com COBIT Control Objectives for Information and Related Technology Copyright 1996, 1998, 2000 Information Systems Audit and Control Foundation. Information

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Professor Samuel Graeff prof.samuel@uniuv.edu.br COBIT O que e? COBIT significa Control Objectives for Information and related Technology - Objetivos

Leia mais

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 232/2013 Aprova a Norma Complementar de Procedimentos para Inventariar Ativos de Tecnologia da Informação. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

PDTI - Definição. Instrumento de diagnóstico, planejamento e

PDTI - Definição. Instrumento de diagnóstico, planejamento e PDTI - Definição Instrumento de diagnóstico, planejamento e gestão dos recursos e processos de Tecnologia da Informação que visa atender às necessidades tecnológicas e de informação de um órgão ou entidade

Leia mais

Processo de software: do alinhamento estratégico até a sustentação do software

Processo de software: do alinhamento estratégico até a sustentação do software Processo de software: do alinhamento estratégico até a sustentação do software Renata Assunção Farias Introdução Em 2007, após pesquisa com órgãos da Administração Pública Federal (APF), o TCU atestou

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PERÍODO 2012 A 2016 MANAUS/AM VERSÃO 1.0 1 Equipe de Elaboração João Luiz Cavalcante Ferreira Representante da Carlos Tiago Garantizado Representante

Leia mais

Uso de TIC nas IFES Planejamento e Governança

Uso de TIC nas IFES Planejamento e Governança Uso de TIC nas IFES Planejamento e Governança IV Encontro do Forplad Daniel Moreira Guilhon, CISA Novembro/2012 1 O que pretendemos? Conceituar os aspectos relacionados à boa governança para assegurar

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 10/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações Inventário e Mapeamento de Ativos de Informação nos

Leia mais