Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013"

Transcrição

1 Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013

2 Oficina de Apropriação de Resultados de BIOLOGIA

3 Dinâmica Eu não sou eu.sou o momento:passo. Mario Quintana

4 Objetivos: Interpretar os resultados da avaliação do Programa de Avaliação da Educação Básica do Espírito Santo (Paebes). Discutir e elaborar estratégias de intervenção na escola.

5 Programa de Avaliação da Educação Básica do Espírito Santo Edições: 2008, 2009, 2010, 2011, 2012, 2013 Etapas avaliadas: 5º EF, 9º EF, 3º EM Disciplinas avaliadas em 2013 Língua Portuguesa Matemática Ciências da Natureza

6 Programa de Avaliação da Educação Básica do Espírito Santo ALFA Etapas avaliadas: 1º EF, 2ºEF, 3º EF Disciplinas avaliadas Língua Portuguesa (leitura e escrita) Matemática

7 Matriz de Referência Elemento base de origem dos testes utilizados no Paebes. Garante legitimidade e transparência à avaliação. A Matriz não esgota o conteúdo a ser trabalhado em sala de aula e, portanto, não pode ser confundida com propostas curriculares, estratégias de ensino ou diretrizes pedagógicas.

8 Matriz de Referência É formada por um conjunto de tópicos ou temas que representam uma subdivisão de acordo com conteúdo, competências de área e habilidades. Cada tema apresenta um conjunto de habilidades. Cada habilidade é descrita por um descritor. Os descritores apresentam as habilidades consideradas básicas e possíveis de serem aferidas por meio do instrumento utilizado em avaliações em larga escala.

9 O que compreendemos por Competências e Habilidades? Exemplo: Para realizar procedimentos básicos de leitura, por exemplo, o estudante precisa acionar diversas habilidades leitoras tais como localizar, identificar, inferir e distinguir elementos textuais presentes na superfície textual ou sugeridas pelo texto. O conjunto dessas habilidades em tópicos/eixos temáticos constituem uma competência.

10 Matriz de Referência

11 Referenciais Curriculares *Analisar os aspectos éticos,vantagens e desvantagens da biotecnologia(transgênicos,clones,melhoramento genético, cultura de células etc.) considerando os processos biológicos, ambientais, culturais econômicos e sociais. Matriz de Referência

12 Referenciais Curriculares e Matriz de Referência

13

14

15

16

17

18 Matriz de Referência de Avaliação de BIOLOGIA I. Matéria e Energia II. Terra e Universo III. Vida e Ambiente IV. O ser humano e a Saúde V. Tecnologia e Sociedade

19 Atividade Matriz de Referência Primeira parte: Formação de grupos com 4 pessoas. Atividade de cada grupo: descrever e distinguir os conteúdos trabalhados em cada um dos tópicos da disciplina (o grupo poderá relacionar conteúdos de modo geral, para todas as etapas de escolaridade, ou limitar apenas uma etapa avaliada pelo programa). Discutir com os participantes da turma, os conteúdos apontados.

20 Atividade Matriz de Referência Segunda parte: Cada grupo ficará responsável por um tópico da disciplina. dividir os tópicos entre os grupos, sendo que pelo número de grupos, possivelmente, os tópicos serão repetidos). Atividade de cada grupo: discutir os conteúdos do tópico selecionado; desenvolver uma atividade para sala de aula, com base em um ou mais conteúdos apresentados. Entregar a Matriz de Referência.

21 Atividade Matriz de Referência Atividade de cada grupo: Associar os conteúdos das atividades com os descritores da matriz. Quais os conteúdos abordados na atividade? Quais deles estão presentes na matriz? Quais desses conteúdos não estão presentes na matriz? Apresente possíveis motivos para esses conteúdos não serem avaliados pelo programa. Cada grupo apresentará sua atividade, apontando os conteúdos trabalhados e associando-os ao currículo e aos descritores da matriz.

22 Das matrizes aos itens dos Testes de Proficiência

23 VAMOS RESOLVER ALGUNS ITENS?

24 Atividades e Itens

25 Gabarito

26

27

28 Gabarito:

29 Gabarito:

30

31 Atividades e Itens

32 Gabarito:

33

34 Atividades e Itens

35 Gabarito:

36

37 Atividades e Itens

38 Gabarito:

39

40

41 Atividades e Itens

42

43 Gabarito:

44

45

46 Atividades e Itens

47 Gabarito:

48

49 Atividades e Itens

50 Gabarito:

51

52

53 Atividades e Itens

54 Gabarito:

55

56 Atividades e Itens

57 Gabarito:

58

59

60

61 Atividades e Itens

62 Gabarito:

63

64 Atividades e Itens Atividades podem apresentar o desenvolvimento de diversas habilidades. O item avalia apenas uma habilidade. Atividades são desenvolvidas com base em diversos instrumentos e recursos didáticos. O item é, geralmente, desenvolvido por meio de questões de múltipla escolha.

65 Matriz de Referência Apresenta habilidades que estão no currículo. Podem apresentar descrições de habilidades diferentes do que está apresentado no currículo, mas relacionadas ao mesmo conteúdo. Apresenta habilidades possíveis de aferir em um teste de múltipla escolha.

66 PADRÕES EM BIOLOGIA

67

68

69

70

71

72

73 RESULTADOS

74

75

76

77

78

79

80 Gestores Professores Estudantes

81 Gestores REDE ESCOLA Planejamento e execução de políticas públicas. Criação de metas de qualidade e equidade educacionais. Implementação de medidas de responsabilização. Políticas de incentivos diretos ou indiretos. Ações de formação continuada de professores. Elaboração do projeto da escola. Monitoramento da qualidade de ensino. Subsídio para avaliação institucional.

82 Professores Intervenção pedagógica. Elaboração de projetos especiais. Foco nos estudantes com dificuldades. Ações de recuperação escolar. Planejamento das ações de sala de aula. Visão proativa quanto ao desenvolvimento de habilidades e competências ao longo da educação básica.

83 Estudantes Acompanhamento individual do desempenho escolar pelos estudantes e seus familiares. Informações sobre a qualidade dos serviços educacionais oferecidos.

84 Resultados 1) Observe a participação dos estudantes na escola. Qual é o percentual de participação dos estudantes na avaliação aplicada nesta escola? 1. Acima de 80%. 2. Abaixo de 80%.

85 Comparar os resultados de 2011 e 2013 alcançados pela escola (mesma etapa de escolaridade), fazendo apontamentos ao observar a proficiência média dos estudantes nessas avaliações. Vamos alocar os resultados de proficiência alcançados pela escola nas avaliações de 2011 e 2013 (traçar na escala de proficiência). Isso facilita a interpretação dos dados, que faremos a seguir.

86 A proficiência tem oscilado em cada avaliação realizada? 2.1) Sim. Os resultados são diferentes de um ano para o outro. Como a proficiência tem oscilado nas avaliações de 2011 e 2013? 2.2)Não, os resultados não têm oscilado.

87 De acordo com a escala de proficiência e os resultados alcançados pela escola (ou regional), quais são as habilidades desenvolvidas pelo grupo de estudantes? Na reflexão feita anteriormente, observamos se a proficiência tem oscilado e, neste momento, observaremos quais as habilidades foram/são desenvolvidas pelos estudantes (em relação à média).

88 2.3) em 2011 Com o auxílio da escala de proficiência, observe o nível da escala em que a escola está alocada e aponte as habilidades desenvolvidas em relação a cada competência da escala. Os estudantes alcançaram as habilidades esperadas no desenvolvimento deles para essa etapa de escolaridade?

89 2.4) em 2012 Com o auxílio da escala de proficiência, observe o nível da escala em que a escola está alocada e aponte as habilidades desenvolvidas em relação a cada competência. Como pode ser observado o processo de progressão dos estudantes de uma determinada etapa de escolaridade, nesta escola (regional)? Busque compreender qual a diferença entre as habilidades desenvolvidas pelos estudantes em 2011 e 2012.

90 2.5) em 2013 Com o auxílio da escala de proficiência, observe o nível da escala em que a escola está alocada e aponte as habilidades desenvolvidas em relação a cada competência. Se houver, explicite as habilidades (ou o grau de desenvolvimento das habilidades) desenvolvidas pelos estudantes em 2013, que não tinham sido desenvolvidas pelos estudantes dessa mesma etapa de escolaridade em 2012.

91 Quando analisamos o resultado geral da turma, podemos pensar, também, nos padrões de desempenho, ou seja, na descrição das habilidades desenvolvidas pelos estudantes em relação a 4 diferentes graus de desempenho alcançado na avaliação. Qual o padrão de desempenho caracteriza o desenvolvimento dos estudantes de sua escola?

92 2.6)em 2011 Em relação à proficiência média alcançada pelos estudantes de sua escola, qual o padrão de desempenho caracteriza o desenvolvimento deles? 2.7)em 2012 Em relação à proficiência média alcançada pelos estudantes de sua escola, qual o padrão de desempenho caracteriza o desenvolvimento deles?

93 2.8) em 2013 Em relação à proficiência média alcançada pelos estudantes de sua escola, qual o padrão de desempenho caracteriza o desenvolvimento deles? Os estudantes mudaram de Padrão de Desempenho em relação à avaliação de 2012 e 2013?

94 Observe o Padrão mais avançado e as habilidades esperadas no desenvolvimento dos estudantes. Os estudantes alcançaram este padrão de desempenho? 2.9) Sim Vamos para a próxima etapa. 2.10) Não Reflexão: Quais são as habilidades desenvolvidas pelos estudantes na sua escola e quais são as habilidades que eles ainda não desenvolveram nesta etapa? Sabemos, entretanto, que a análise em relação à proficiência não pode ser observada apenas com a proficiência média, mas com as diversas proficiências alcançadas por cada estudante da escola. Com isso vamos observar a distribuição dos estudantes em relação ao Padrão de Desempenho.

95 Observe como os estudantes estão distribuídos em cada padrão de desempenho e aponte qual o percentual de estudantes em cada um. O que podemos analisar? 2.11) O número de estudantes em cada Padrão de Desempenho. 2.12) A distribuição dos estudantes em cada Padrão de Desempenho. Como os estudantes estão distribuídos entre os padrões de desempenho? ) 2011, 2012, 2013 Qual o percentual de estudantes em cada padrão de desempenho? )2013 O percentual de estudantes por padrão de desempenho muda nas avaliações realizadas em 2011, 2012 e 2013? )Sim. O percentual de estudantes em padrões de desempenho mais avançados têm aumentado a cada avaliação aplicada.

96 Neste caso, a proficiência média também tem diminuído? ) Sim ) Não

97 Após discutir participação e o desenvolvimento dos estudantes em uma mesma etapa de escolaridade ao longo das avaliações aplicadas no projeto, propomos uma análise em relação ao desenvolvimento dos estudantes em diferentes etapas. Isso permitirá conhecer como os estudantes da escola desenvolvem habilidades no ensino fundamental e médio. O que os estudantes têm avançado de uma etapa para outra? Esse resultado é significativo?

98 3) Comparar os resultados das diferentes etapas de escolaridade de um mesmo grupo (escola/regional). Vamos analisar os resultados de 2013 nas etapas de escolaridade avaliadas pelo projeto (neste caso, 5ºEF, 9ºEF, 1º EM, 2ºEM e 3º EM). A proficiência dos estudantes desta escola (ou regional) tem aumentado a cada etapa de escolaridade avaliada? 3.1) Sim 3.2) Não

99 Os estudantes têm desenvolvido habilidades mais complexas de uma etapa de escolaridade avaliada para outra mais avançada? (para isso, consulte a proficiência média e a descrição dos padrões de desempenho). 3.3) Sim 3.4) Não

100 Como percebemos o desenvolvimento dos estudantes em cada etapa de escolaridade avaliada, ao observar a distribuição por padrão de desempenho. A cada etapa de escolaridade avaliada, o percentual de estudantes em padrão de desempenho mais baixos têm aumentado? 3.5)Sim 3.6)Não, os percentuais são os mesmos. 3.7)Não, a situação é a contrária da apresentada.

101 Dúvidas? Inserir as questões do documento Questões norteadoras para a análise dos resultados reais...

102

Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação

Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação Tatianemoraes@caed.ufjf.br Objetivo Analisar e interpretar os resultados do SAEPB para (re)planejamento das ações pedagógicas implementadas em sala

Leia mais

por Cristiano Fagundes Guimarães Especialista Matemática

por Cristiano Fagundes Guimarães Especialista Matemática por Cristiano Fagundes Guimarães Especialista Matemática Objetivos da Oficina Realizar a análise pedagógica dos resultados das avaliações de desempenho, aplicada no estado do Alagoas AREAL, para o (re)

Leia mais

SAEB / Prova Brasil Metodologia, Estratégias e Resultados Matrizes, Itens, Escala e Materiais

SAEB / Prova Brasil Metodologia, Estratégias e Resultados Matrizes, Itens, Escala e Materiais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira SAEB / Prova Brasil Metodologia, Estratégias e Resultados Matrizes, Itens, Escala e Materiais SAEB - Metodologia

Leia mais

A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor. Patrícia Diaz Carolina Glycerio

A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor. Patrícia Diaz Carolina Glycerio A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor Patrícia Diaz Carolina Glycerio Quem somos A Comunidade Educativa CEDAC possibilita que profissionais da educação pratiquem

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Plano de Curso nº 213 aprovado pela portaria Cetec nº 134 de 04/10/2014 Etec: ERMELINDA GIANNINI TEIXEIRA Código: 0187 Município: SANTANA

Leia mais

Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação do Ensino Básico) - Parte 1

Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação do Ensino Básico) - Parte 1 Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação do Ensino Básico) - Parte 1 INEP Ana Djéssika Silva Cruz Vidal Abril 2012 UFJF (Institute) ECONS - Laboratório de Economia 23/04 1 / 10 Introdução Sistema de Avaliação

Leia mais

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA ANDRÉ DE GOUVEIA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO outubro

Leia mais

Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação da Educação Básica) - Parte 2

Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação da Educação Básica) - Parte 2 Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação da Educação Básica) - Parte 2 INEP Ana Djéssika Silva Cruz Vidal UFJF Abril 2012 MSI Tech Support (Institute) ECONS - Laboratório de Economia 23/04 1 / 12 Realização

Leia mais

PROVINHA BRASIL Orientações para Secretarias de Educação Primeiro Semestre

PROVINHA BRASIL Orientações para Secretarias de Educação Primeiro Semestre PROVINHA BRASIL Orientações para Secretarias de Educação Primeiro Semestre - 2010 INFORME GESTOR teste capa verde.indd 1 13/1/2010 08:40:47 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes ENADE LEGISLAÇÃO Constituição da República

Leia mais

Prova Brasil e o Ideb: quanto pesa essa pontuação para atingir a meta

Prova Brasil e o Ideb: quanto pesa essa pontuação para atingir a meta NOTA TÉCNICA N. 0011/2013 Brasília, 08 de março de 2013. ÁREA: Educação TÍTULO: Prova Brasil e o Ideb: quanto pesa essa pontuação para atingir a meta REFERÊNCIA: PORTARIA Nº 152, DE 31 DE MAIO DE 2012

Leia mais

5 De F A ma

5 De F A ma Educação Física 5 De F A ma Uma Breve Revisão... Em 07 de abril de 2005 entra em vigor no Estado de Minas Gerais a resolução SEE N.º 666; Em agosto de 2011, é instituído o PIP CBC; No ano de 2012 o PIP

Leia mais

3. ORIENTAÇÕES IDEB E POSSÍVEIS ANÁLISES

3. ORIENTAÇÕES IDEB E POSSÍVEIS ANÁLISES 3. ORIENTAÇÕES IDEB E POSSÍVEIS ANÁLISES O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) é o indicador nacional que reflete a situação da unidade escolar a partir do resultado de dois componentes:

Leia mais

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André Objetivos Gerais: Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André # Promover as competências necessárias para as práticas de leitura e escrita autônomas

Leia mais

ANEXO PLANO DE AÇÃO PROFESSOR

ANEXO PLANO DE AÇÃO PROFESSOR ANEXO 5.2.2. PLANO DE AÇÃO PROFESSOR Rua Bruxelas, nº 169 São Paulo - SP CEP 01259-020 Tel: (11) 2506-6570 escravonempensar@reporterbrasil.org.br www.escravonempensar.org.br O que é o plano de ação? O

Leia mais

Fundação Darcy Ribeiro

Fundação Darcy Ribeiro I Fundação Darcy Ribeiro ATUAÇÃO DOS EDUCADORES PONTOS ESSENCIAIS DA PROPOSTA Vídeo 05 Coordenação Nacional Formação Inicial e Continuada do Educador do ProJovem: o especialista, o pensador, o cidadão

Leia mais

AVALIAR. É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação.

AVALIAR. É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação. O que é Avaliação? Conceito de Avaliação AVALIAR É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação. Quebra de paradigmas Tipos

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C Ensino Fundamental Matemática Questão Conteúdo 1 Interpretação gráfica. Razão. Porcentagem. Habilidade da Matriz da EJA/FB H52 H36 H14 2 Sistema de equações do 1º grau. H38 H44

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANGUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: CONTABILIDADE DE CUSTOS Eixo tecnológico: GESTÃO E NEGOCIOS

Leia mais

Sala 8 Gestão Pedagógica E. E. PROFA. NIDELSE MARTINS DE ALMEIDA

Sala 8 Gestão Pedagógica E. E. PROFA. NIDELSE MARTINS DE ALMEIDA Expectativas de aprendizagem: transposição do currículo prescrito para a prática docente Sala 8 Gestão Pedagógica E. E. PROFA. NIDELSE MARTINS DE ALMEIDA Professor(es) Apresentador(es): ALEX SILVIO DE

Leia mais

Política Educacional: A experiência de Sobral/CE. Sobral - Ceará

Política Educacional: A experiência de Sobral/CE. Sobral - Ceará Política Educacional: A experiência de Sobral/CE Sobral - Ceará Ponto de partida Resultado da avaliação de leitura com alunos de 2ª série Final de 2000 48% não liam textos, frases e nem palavras 48,0%

Leia mais

Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma. Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental. no âmbito do

Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma. Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental. no âmbito do OBJETIVO Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental no âmbito do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza - SNUC DOCUMENTOS DE

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE PLANO DE MELHORIA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA 2015/2017 EqAI - 2015 Página 1 de 6 1. Resultados Em Português: incentivar a leitura; recontar as Académicos: histórias

Leia mais

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG Estrutura da Apresentação Cenário das Avaliações em larga escala, no Brasil, implementadas pela União, no contexto da

Leia mais

Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE. Disciplina: Projetos Educacionais para o Ensino de Biologia

Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE. Disciplina: Projetos Educacionais para o Ensino de Biologia Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Disciplina: Projetos Educacionais para o Ensino de Biologia Professor(es): Rosana dos Santos Jordão Carga horária:

Leia mais

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS 01. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) são referências para o ensino fundamental e médio de todo Brasil, tendo como objetivo: (A) Garantir, preferencialmente,

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Área de conhecimento: Ciências da Natureza e suas Tecnologias

Leia mais

SUPERVISÃO EDUCACIONAL

SUPERVISÃO EDUCACIONAL SUPERVISÃO EDUCACIONAL OBJETIVO: Subsidiar o trabalho nas Diretorias Regionais da Educação e as Unidades Escolares, de modo a observar, analisar, orientar, intervir e encaminhar as demandas nas seguintes

Leia mais

Marta Lima Gerente de Políticas Educacionais de Educação em Direitos Humanos, Diversidade e Cidadania.

Marta Lima Gerente de Políticas Educacionais de Educação em Direitos Humanos, Diversidade e Cidadania. Marta Lima Gerente de Políticas Educacionais de Educação em Direitos Humanos, Diversidade e Cidadania. FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DEMOCRACIA REGIME PAUTADO NA SOBERANIA POPULAR E NO RESPEITO

Leia mais

NOME DO CURSO: Acessibilidade na Atividade Física Escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância

NOME DO CURSO: Acessibilidade na Atividade Física Escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância NOME DO CURSO: Acessibilidade na Atividade Física Escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância Parte 1 Código / Área Temática Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina Educação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ ORIGEM DO UNIVERSO, FORMAÇÃO DA VIDA NA TERRA ESTUDANDO FÓSSEIS: O CAMINHO DA EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES 1º semestre de 201 3ª feira, das 13h30 às 17h30 SANTO ANDRÉ

Leia mais

OLIMPÍADA DE LÍNGUA PORTUGUESA ESCREVENDO O FUTURO

OLIMPÍADA DE LÍNGUA PORTUGUESA ESCREVENDO O FUTURO OLIMPÍADA DE LÍNGUA PORTUGUESA ESCREVENDO O FUTURO Professora Luciene Juliano Simões UFRGS Participação na Reunião Técnica de Abril de 2012, durante o lançamento da OLPEF para a região sul, em Curitiba

Leia mais

Características Educação SESI

Características Educação SESI EDUCAÇÃO SESI Características Educação SESI Atendimento prioritário ao Trabalhador da indústria e seus dependentes Gratuidade nos cursos EJA Atuação nas 27 Unidades Federativas 32% de evasão na EJA Cenário

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 246 aprovado pela portaria Cetec nº 181 de 26/09/2013 Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA AVALIA BH 1º, 2º E 3º CICLOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA AVALIA BH 1º, 2º E 3º CICLOS DO ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA AVALIA BH 1º, 2º E 3º CICLOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Na realização de uma avaliação educacional em larga escala, é necessário que os objetivos da

Leia mais

PSICOLOGIA DA APRENDIZAGEM ORIENTAÇÕES GERAIS E ENCAMINHAMENTOS PARA A EQUIPE GESTORA 1

PSICOLOGIA DA APRENDIZAGEM ORIENTAÇÕES GERAIS E ENCAMINHAMENTOS PARA A EQUIPE GESTORA 1 M E G A Z I D N E R P A A P S I C O LO G I A D CAMINHAMENTOS EN E IS A ER G ES Õ Ç TA ORIEN RA PARA A EQUIPE GESTO 1 1 o DIA: 02/02/15 (segunda-feira) ORIENTAÇÕES GERAIS E ENCAMINHAMENTOS PARA A EQUIPE

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso n.º 206 aprovado pela portaria Cetec nº 733 de 10/09/2015 Etec PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ IFAP CÂMPUS MACAPÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ IFAP CÂMPUS MACAPÁ 13 específica, de segunda-feira a sexta-feira e aos sábados, caso seja necessário para complementação do período letivo e/ou carga horária curricular. Cada aula tem durafao de 50min (cinquenta minutos),

Leia mais

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE. Apresentação com material de apoio do evento Orientação Técnica sobre a recuperação paralela realizado nos dias

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE. Apresentação com material de apoio do evento Orientação Técnica sobre a recuperação paralela realizado nos dias MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS Apresentação com material de apoio do evento Orientação Técnica sobre a recuperação paralela realizado nos dias 23, 24 e 25 de julho de 2008. AVALIAÇÃO Os objetivos

Leia mais

Formulário de Registro Anual do Plano de AEE

Formulário de Registro Anual do Plano de AEE GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Formulário de Registro Anual do Plano de AEE I - Dados referentes ao estudante

Leia mais

e educação de jovens e adultos

e educação de jovens e adultos Formação de neoleitores e educação de jovens e adultos Tancredo Maia Filho III Fórum do Plano Nacional do Livro e Leitura III Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias 20 de agosto

Leia mais

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013 Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático Língua Portuguesa 2012/2013 ATITUDES Formação para a cidadania. Apresentação dos materiais necessários, cumprimento de tarefas propostas, assiduidade,

Leia mais

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM)

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) 1 REDEENSINAR JANEIRO DE 2001 ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Diretora de Conteúdos da

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO GRUPO DISCIPLINAR DE BIOLOGIA E GEOLOGIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A avaliação é uma componente essencial do processo de ensino-aprendizagem e deve ser sistemática e cuidadosa para ser objetiva e rigorosa.

Leia mais

CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO

CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais Formar profissionais com conhecimentos teóricos e práticos, críticos e reflexivos capazes de desenvolver e implementar projetos de

Leia mais

E.E Zumbi dos Palmares. Jaraguari MS/2012. Professor Gerenciador: Luzia Bento Soares. Turmas: Alunos do Ensino Fundamental.

E.E Zumbi dos Palmares. Jaraguari MS/2012. Professor Gerenciador: Luzia Bento Soares. Turmas: Alunos do Ensino Fundamental. E.E Zumbi dos Palmares. Jaraguari MS/2012. Professor Gerenciador: Luzia Bento Soares. Turmas: Alunos do Ensino Fundamental. Inserir: Numero de alunos envolvidos (aproximado) Professores envolvidos Projeto:

Leia mais

GEOGRAFIA UNIFAL/MG 2014

GEOGRAFIA UNIFAL/MG 2014 GEOGRAFIA UNIFAL/MG 2014 ETAPAS DO EXAME 19/09 - Divulgação eletrônica da lista de estudantes inscritos e convocados ao Enade 2014 21/10 a 23/11 Período para resposta eletrônica ao Questionário do Estudante

Leia mais

Plano de Atendimento Individualizado. Anexo II Instrução CGEB de 14/01/2015 Área da Deficiência Intelectual Resolução SE nº 61, de 11/11/2014

Plano de Atendimento Individualizado. Anexo II Instrução CGEB de 14/01/2015 Área da Deficiência Intelectual Resolução SE nº 61, de 11/11/2014 Plano de Atendimento Individualizado Anexo II Instrução CGEB de 14/01/2015 Área da Deficiência Intelectual Resolução SE nº 61, de 11/11/2014 Atendimento Pedagógico Especializado Deve ser assegurado para

Leia mais

Quanto aos textos de estrutura narrativa, identificam personagem, cenário e tempo.

Quanto aos textos de estrutura narrativa, identificam personagem, cenário e tempo. Língua Portuguesa - Ensino Médio SISPAE 2013 01 Abaixo do Básico 1º e 2º ano até 200 pontos Neste Padrão de Desempenho, os estudantes se limitam a realizar operações básicas de leitura, interagindo apenas

Leia mais

ENSINO-APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA: OS CONTEÚDOS COM BASES MATEMÁTICAS NO ENSINO FUNDAMEANTAL 1

ENSINO-APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA: OS CONTEÚDOS COM BASES MATEMÁTICAS NO ENSINO FUNDAMEANTAL 1 ENSINO-APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA: OS CONTEÚDOS COM BASES MATEMÁTICAS NO ENSINO FUNDAMEANTAL 1 Priscilla Régia de Castro PEREIRA 2 Ivanilton José de OLIVEIRA 3 Introdução Dentre as pesquisas existentes

Leia mais

Pedagogia. 1º PERÍODO Carga Horária e Creditação

Pedagogia. 1º PERÍODO Carga Horária e Creditação Cep: 37200000 Pedagogia Matriz Curricular 1 (entrada no mês de Fevereiro) Nivelamentos Leitura e Produção de textos 60 Gramática 60 Carga Horária Total 120 Educação a Distância: Primeiras Aproximações

Leia mais

Fundamentos Metodologia do Ensino dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental III (Educação Física/Ciências) (Educação Física): (Ciências):

Fundamentos Metodologia do Ensino dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental III (Educação Física/Ciências) (Educação Física): (Ciências): Disciplina: Fundamentos Metodologia do Ensino dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental III (Educação Física/Ciências) Código da Disciplina: EDU333 Curso: Pedagogia Semestre de oferta da disciplina: 6º P

Leia mais

Projeto Manbol na Escola

Projeto Manbol na Escola Projeto Manbol na Escola O Manbol na escola como uma nova alternativa para os profissionais de educação física, alternativa esta que se mostrou extremamente positiva em diversos aspectos no que tange a

Leia mais

PRÉ-REQUISITOS Haver concluído a disciplina Introdução aos Estudos Linguísticos ou disciplina equivalente..

PRÉ-REQUISITOS Haver concluído a disciplina Introdução aos Estudos Linguísticos ou disciplina equivalente.. GÊNEROS TEXTUAIS PROJETO DIDÁTICO Aula 10 META Apresentar a criação de um produto fi nal, a partir de atividades de leitura e escrita, como possibilidade de ressignifi cação da aprendizagem dos gêneros

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA HISTÓRIA

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA HISTÓRIA 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: 4º CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA HISTÓRIA NOME DO CURSO: PEDAGOGIA 2. EMENTA História:

Leia mais

Pró-Ciência 2008: uma avaliação preliminar

Pró-Ciência 2008: uma avaliação preliminar Pró-Ciência 2008: uma avaliação preliminar 1 - O Pró-Ciência 2008 O PRÓ-CIÊNCIA 2008 surge como um programa da Secretaria de Estado da Educação (SEE-MG), em parceria com a UFV, com o objetivo de resgatar

Leia mais

COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM ATIVIDADES Atividade Extra - Fórum SIEPE (Compensação da carga horária do dia 08/09/2012) A atividade foi postada no módulo X Atividade Módulo X - Fórum Agenda O cursista

Leia mais

D.O.E. DE 15 DE JANEIRO DE 2015

D.O.E. DE 15 DE JANEIRO DE 2015 D.O.E. DE 15 DE JANEIRO DE 2015 COORDENADORIA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA Instrução, de 14-1-2015 A Coordenadora da Coordenadoria de Gestão da Educação Básica, considerando a necessidade de estabelecer

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS DISCIPLINAS 1. Introdução à Pesquisa em Letras 2. Metodologia de ensino de línguas estrangeiras I: perspectivas teóricas e abordagens

Leia mais

COMO ELABORAR RESPOSTAS DE QUESTÕES DISSERTATIVAS

COMO ELABORAR RESPOSTAS DE QUESTÕES DISSERTATIVAS COMO ELABORAR RESPOSTAS DE QUESTÕES DISSERTATIVAS By Prof. Ms. Deborah Costa - 2014 INTRODUÇÃO 1 Este e-book discutirá sobre as questões dissertativas propostas em diferentes avaliações : universidade,

Leia mais

A TECNOLOGIA COMO PROPULSORA DE APRENDIZAGENS SIGNIFICATIVAS. Aline Reis de Camargo Universidade Federal de Pelotas - UFPEL

A TECNOLOGIA COMO PROPULSORA DE APRENDIZAGENS SIGNIFICATIVAS. Aline Reis de Camargo Universidade Federal de Pelotas - UFPEL A TECNOLOGIA COMO PROPULSORA DE APRENDIZAGENS SIGNIFICATIVAS Aline Reis de Camargo Universidade Federal de Pelotas - UFPEL Município: São Francisco de Paula COOPESERRA - Colégio Expressão INTRODUÇÃO O

Leia mais

INDEPAC MISSÃO VISÃO

INDEPAC MISSÃO VISÃO O INDEPAC é especializado em serviços de Consultoria e Assessoria Educacional, nas dimensões: administrativa, jurídica e pedagógica, além de oferecer cursos de formação em serviço, voltados para o aprimoramento

Leia mais

RICALDES, Daltron Maurício UFMT DARSIE, Marta Maria Pontin UFMT

RICALDES, Daltron Maurício UFMT DARSIE, Marta Maria Pontin UFMT ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: ENCONTROS E DESENCONTROS NAS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA E LÍNGUA PORTUGUESA DA PROVA BRASIL Resumo RICALDES, Daltron Maurício UFMT

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática 2014/2015 Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática Grupo de trabaho: Professores: Nela Fee (coordenadora) Carla Queiroz (Pré-Escolar) - Rosário Timóteo (1º c) Nuno Tomé (1ºc) - Anabela Hilário

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC de Mairiporã Código: 271 Município: Mairiporã EE: Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional:

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Avaliação Educacional Código da Disciplina: EDU 340 Curso: Pedagogia Semestre de oferta da disciplina: 7º Faculdade responsável: Pedagogia Programa em vigência a partir

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS OLIVIA EVANGELISTA BENEVIDES THIANE ARAUJO COSTA TRABALHANDO A MATEMÁTICA DE FORMA DIFERENCIADA A

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 246 aprovado pela portaria Cetec nº 181 de 26/09/2013 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Sociologia Série: 2º Eixo Tecnológico:

Leia mais

É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem.

É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem. É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem. Está pautada no compromisso, no diálogo, no planejamento

Leia mais

PLANEJAMENTO 2º TRIMESTRE

PLANEJAMENTO 2º TRIMESTRE Disciplina: Educação Artística Despertar a capacidade de observação e de criticidade a partir de diferentes obras e perante suas criações; Respeitar as diferentes culturas e os diferentes olhares perante

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Área de conhecimento: Ciências da Natureza e suas Tecnologias

Leia mais

CURRÍCULO ESCOLAR VMSIMULADOS

CURRÍCULO ESCOLAR VMSIMULADOS CURRÍCULO ESCOLAR 01. Segundo a LDB (Lei no 9394/96), os currículos do ensino fundamental e médio devem ter uma base nacional comum, a ser complementada, em cada sistema de ensino e estabelecimento escolar,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: INTRODUÇÃO A ECONOMIA Código da Disciplina: EPD003 Curso: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Semestre de oferta da disciplina:

Leia mais

Colégio de Alfragide. Informações 2.º Ano. Ano Letivo 2016/2017 Professor Patrícia Marques

Colégio de Alfragide. Informações 2.º Ano. Ano Letivo 2016/2017 Professor Patrícia Marques Sala 2º ano Colégio de Alfragide Informações 2.º Ano Ano Letivo 2016/2017 Professor Patrícia Marques Equipa Pedagógica Diretor Pedagógico Coordenadora 1º Ciclo Professor Titular Expressão Plástica Educação

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

Programa de Formação Continuada para Docentes

Programa de Formação Continuada para Docentes Programa de Formação Continuada para Docentes Objetivos do programa Consolidar a identidade didático-pedagógica da instituição realizando reflexões com seus docentes sobre as diretrizes educacionais da

Leia mais

ENADE Relatório da IES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE MOSSORÓ

ENADE Relatório da IES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE MOSSORÓ ENADE 2011 Relatório da IES G Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE MOSSORÓ O V E R N O F E D E R A L PAÍS RICO

Leia mais

D01 Reconhecer especificidades da linguagem escrita.

D01 Reconhecer especificidades da linguagem escrita. MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LÍNGUA PORTUGUESA PAEBES ALFA 1º ao 3º ano do Ensino Fundamental Tópicos Competências Descritores Níveis de Complexidade 1º ANO 2º ANO 3º ANO T1- Reconhecimento de convenções do

Leia mais

MANUAL ED ED GRAMÁTICA E ED LÓGICA MATEMÁTICA PLATAFORMA ADAPTATIVA

MANUAL ED ED GRAMÁTICA E ED LÓGICA MATEMÁTICA PLATAFORMA ADAPTATIVA DEDMD MANUAL ED 2016.2 ED GRAMÁTICA E ED LÓGICA MATEMÁTICA PLATAFORMA ADAPTATIVA boas-vindas Seja bem-vindo aos Estudos Dirigidos (EDs). É com grande satisfação que apresentamos a você o Manual dos EDs,

Leia mais

Reunião Técnica com Secretários Municipais de Educação e Dirigentes Regionais de Ensino: Apresentando o Saresp 8 e 9 de Setembro 2010

Reunião Técnica com Secretários Municipais de Educação e Dirigentes Regionais de Ensino: Apresentando o Saresp 8 e 9 de Setembro 2010 Reunião Técnica com Secretários Municipais de Educação e Dirigentes Regionais de Ensino: Apresentando o Saresp 8 e 9 de Setembro 2010 Maria Conceição Conholato Instrumentais AVALIAÇÃO Cadernos de Prova

Leia mais

O uso do Conviva como apoio na Avaliação e Monitoramento do PME

O uso do Conviva como apoio na Avaliação e Monitoramento do PME O uso do Conviva como apoio na Avaliação e Monitoramento do PME 17 de Junho de 2015 VISÃO GERAL DO CONVIVA EDUCAÇÃO Plataforma gratuita que contribui com os processos de gestão das Secretarias Municipais

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio ETEC MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ/SP Área de conhecimento: CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: FÍSICA Série: 3º C.

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados. Paebes 2013

Oficina de Apropriação de Resultados. Paebes 2013 Oficina de Apropriação de Resultados Paebes 2013 Objetivos: Interpretar os resultados da avaliação do Programa de Avaliação da Educação Básica do Espírito Santo (PAEBES). Discutir e elaborar estratégias

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2016 Plano de Curso nº 116 aprovado pela portaria Cetec nº de 07 /10 / 2010 Etec : TIQUATIRA Código: 208 Município: Eixo

Leia mais

O PROCESSO DE LOCALIZAR E DE INFERIR INFORMAÇÕES NA ALFABETIZAÇÃO

O PROCESSO DE LOCALIZAR E DE INFERIR INFORMAÇÕES NA ALFABETIZAÇÃO O PROCESSO DE LOCALIZAR E DE INFERIR INFORMAÇÕES NA ALFABETIZAÇÃO O processo de alfabetização nos três primeiros anos do Ensino Fundamental compreende um conjunto de competências a serem construídas pelos

Leia mais

Aula 3 ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO ENSINO DE BIOLOGIA I E II. Claudiene Santos Guilherme Guimarães JR

Aula 3 ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO ENSINO DE BIOLOGIA I E II. Claudiene Santos Guilherme Guimarães JR Aula 3 ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO ENSINO DE BIOLOGIA I E II META Analisar os aspectos legais e o objetivo global da prática de ensino de Biologia; elaborar atividades e confeccionar materiais didáticos

Leia mais

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS 1. INTRODUÇÃO De acordo com o Projecto Educativo do Colégio de Albergaria e a legislação em vigor sobre a avaliação das aprendizagens dos alunos nos vários

Leia mais

PROJETO DO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM INFORMÁTICA

PROJETO DO CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO INTEGRADO EM INFORMÁTICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO. CAMPUS CERES DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PROJETO DO

Leia mais

Desenvolvimento do trabalho

Desenvolvimento do trabalho Desenvolvimento do trabalho Manhã do dia 28.03 Conceitos e características da avaliação em larga escala. Principais aspectos do delineamento de uma proposta de avaliação. Desenvolvimento do trabalho Tarde

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec: PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Ciências da Natureza Componente Curricular: Biologia

Leia mais

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do Componente Curricular: Matemática III Curso: Técnico de Nível Médio Integrado em Mineração Série/Período: 3º ano Carga Horária: 2 a/s - 80 h/a - 67

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 2

LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 2 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO 2008 ETAPA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 2º ANO - CICLO II LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 2 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Estágio Curricular Supervisionado em Educação Infantil I Código da Disciplina: EDU Curso: Pedagogia Semestre de oferta da disciplina: 5º Faculdade responsável: Pedagogia

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 1

LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO 2008 ETAPA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 2º ANO - CICLO II LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 1 ESCOLA: NOME: TURMA:

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS

INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS Objetivos Gerais do Trabalho Contratação de empresa especializada para realizar a Pesquisa

Leia mais

1. Identificação Nome do projeto: Nome da Escola: Local: Série: Número de alunos: Professores envolvidos:

1. Identificação Nome do projeto: Nome da Escola: Local: Série: Número de alunos: Professores envolvidos: 1. Identificação Nome do A arte da produção e interpretação de texto em ambientes virtuais projeto: Nome da Escola: Angelina Jaime Tebet Local: Ivinhema/MS Série: 3º, 4º e 5º anos Número de alunos: 160

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Plano de Curso nº aprovado pela portaria Cetec nº de / / Etec: Código: 208 Município: São Paulo Eixo Tecnológico: Habilitação Profissional:

Leia mais

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO PLANO DE MELHORIA Biénio 2016-2017 e 2017-2018 AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO Índice Introdução... 2 Orientações para a ação... 3 Plano de Ação 1... 4 Plano de Ação 2... 5 Plano de Ação 3... 6 Plano

Leia mais