UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE Características físicas, somatotipo e desempenho de corredores de 100 e 400 metros no Rio Grande do Norte José dos Santos Figueirêdo Natal/RN 2012

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE Características físicas, somatotipo e desempenho de corredores de 100 e 400 metros no Rio Grande do Norte José dos Santos Figueirêdo Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, como requisito para a obtenção do título de Mestre em Ciências da Saúde Orientador: Prof. Dr. Eryvaldo Sócrates Tabosa do Egito Co-orientador: Prof. Dr. Paulo Moreira Silva Dantas Natal/RN 2012

3 Figueirêdo, José dos Santos Características físicas, somatotipo e desempenho de corredores de 100 e 400 metros no Rio Grande do Norte. / José dos Santos Figueirêdo. - Natal, ix, 60f. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Ciências da Saúde Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde. Título em inglês: Physical characteristics, somatotype and performance of 100 and 400m runners. 1. Antropometria. 2. Somatotipo. 3. Endomorfia. 4. Mesomorfia. 5. Ectomorfia.

4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE COORDENADORA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE Profa. Dra. Ivonete Batista de Araújo NATAL 2012 iii

5 José dos Santos Figueirêdo Características físicas, somatotipo e desempenho de corredores de 100 e 400 metros no Rio Grande do Norte Presidente da Banca Examinadora Prof. Dr. Eryvaldo Sócrates Tabosa do Egito UFRN Banca Examinadora Prof. Dr. Eryvaldo Sócrates Tabosa do Egito UFRN Profa. Dra. Suzet Araújo Tinôco Cabral UFRN Prof. Dr. Gilmário Ricarte Batista UFPE iv

6 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho a todos aqueles que dedicaram ou dedicam sua vida ao esporte e em especial a Magnólia, pelo exemplo de dedicação, profissionalismo e coragem demonstrados em muitos anos de atletismo, dentro e fora das pistas. v

7 AGRADECIMENTOS Ao Prof. Dr. Sócrates do Egito, pela orientação, entusiasmo e motivação que me deu para a conclusão deste trabalho. Ao Prof. Dr. Paulo Dantas, pela orientação constante desde o primeiro momento e pela sua amizade. Ao Prof. Dr. José Fernandes Filho, pela oportunidade que me deu no início. À Profa. Dra. Maria Irany Knackfuss, minha primeira orientadora, pela calma e paciência com que sempre me tratou. Ao Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde que me possibilitou esta oportunidade de crescimento. Ao Prof. Dr. Álvaro, pela ajuda e orientação no tratamento estatístico. À Prof a. Ana Paula, por estar sempre disponível para coletar os dados dos atletas e pela correção e rigor com que sempre se portou. Aos sujeitos do estudo, por permitirem a coleta dos seus dados. A todos aqueles que, um dia, me confiaram a honra e o privilégio de treiná-los. Aos meus pais, Zequinha e Nadir Figueirêdo, pelo exemplo que me deram. À Luíza, por todo o bem que me faz. À Magnólia, pelo apoio incondicional, por estar sempre ao meu lado e pela paciência e compreensão que tem comigo. vi

8 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos JUSTIFICATIVA MATERIAIS E MÉTODOS Participantes Medidas antropométricas e somatotipo Medida do desempenho na corrida Análise estatística ANEXAÇÃO DE ARTIGO SUBMETIDO COMENTÁRIOS, CRÍTICAS E SUGESTÕES APÊNDICE ANEXOS REFERÊNCIAS vii

9 RESUMO Objetivo: Investigar as características físicas e examinar a associação entre o somatotipo e o desempenho em corredores de 100 e 400m. Métodos: As características antropométricas e o desempenho atlético de corredores de 100 e 400m foram avaliados e comparados. A amostra foi composta de corredores do sexo masculino (n = 39) de nível regional no Rio Grande do Norte, Brasil. Estatura, massa corporal, dobras cutâneas, circunferência do membro e diâmetros ósseos foram medidos. Em seguida, o somatotipo foi calculado pelo método de Heath-Carter. Corridas de 100 e 400 m foram realizadas para avaliar o desempenho atlético. Para a análise entre os grupos de corredores (100m x 400m) foi utilizado o teste t de Student para amostras independentes. Foram calculadas estatísticas descritivas para a amostra total, bem como para os grupos de 100 e 400m e estabelecidos quatro subgrupos, nomeados quartis. Na comparação dos subgrupos oriundos da distribuição quartil foi aplicada a análise de variância de um critério (ANOVA), seguida do pós-teste de Tukey. Para analisar a relação entre os tempos de corrida e as variáveis antropométricas, foi utilizado o teste de correlação de Pearson. A comparação entre os quartis foi feita utilizando-se a distância de dispersão entre os somatotipos (DDS) e a distância espacial entre os somatotipos (DES) para a análise das dispersões bidimensionais e tridimensionais dos somatotipos 24. Como critério para determinação da existência de diferenças entre os grupos observou-se para a DDS valores 2 e para a DES Em toda a análise foi considerado um p valor padrão de 0,05 e intervalo de confiança de 95%. Resultados: Atletas de 100 e 400m apresentaram somatotipo com dominância de mesomorfia e ectomorfia. A endomorfia foi baixa em ambos os grupos, especialmente em corredores de 400m que apresentaram tipo físico mais alongado do que os corredores de 100m. Quando comparados separadamente por quartis de desempenho, corredores de 100m de melhor qualificação (G100-G1) tinham somatotipo com dominância de mesomorfia, enquanto os corredores de 400m de melhor qualificação (G400-G1) tinham somatotipo com ectomorfia dominante. Foi observada uma correlação significativa (r = -0,55, p = 0,008) entre a circunferência de perna e os tempos na corrida de 100m o que mostra a importância da muscularidade, enquanto que uma correlação significativa (r = -0,53, p = 0,02) foi encontrada entre a estatura e os tempos na corrida de 400m mostrando a importância da linearidade. Conclusão: Corredores de 100 e 400m apresentam algumas diferenças nas características físicas, dependendo do nível de desempenho atlético. Avaliações antropométricas periódicas podem ajudar no processo de treinamento destes atletas. No entanto, parâmetros de avaliação mais específicos devem ser levados em conta, pois o somatotipo, por si só, não tem poder para predizer se um indivíduo terá sucesso em corridas de velocidade. Palavras-chave: antropometria, somatotipo, endomorfia, ectomorfia, mesomorfo. viii

10 ABSTRACT Objective: The aim of the study was to investigate physical characteristics and to examine association between somatotype and performance in collegiate runners of 100 m and 400 m. Methods: The sample, male runners (n=39) competing at the regional level in the state of Rio Grande do Norte, Brazil, had height, body mass, skinfolds, limb circumference and skeletal breadths measured. Then, the somatotype was calculated by Health-Carter method. Races (100 m and 400 m) were held to assess athletic performance. Descriptive statistics were calculated for the total sample, as well as for the 100 m and 400 m groups, and established four subgroups, named quartiles. For analysis between groups of runners (100 m x 400 m) was used Student's t test for independent samples. To examine the relationship between the race times and anthropometric variables, was used the Pearson correlation test. The somatotype dispersion distance and somatotype spatial distance were calculated among subgroups. One-way analysis of variance, the Wilcoxon test followed of Tukey post test, and correlation analysis were used with a significance level of p<0.05. Results: Somatotype with mesomorphy and ectomorphy dominance was exhibited by 100 m and 400 m athletes. Endomorphy was low in both groups, especially in 400m runners, who had more elongated body types than 100 m runners. When separately compared by athletic performance quartile, 100 m sprinters of better qualifications (G100-G1) had somatotype with dominant mesomorphy, whereas 400 m runners had somatotype with dominant ectomorphy. A significant correlation (r = -0.55, p=0.008) between calf circumference and 100 m race times was observed showing the importance of muscularity, whereas a significant correlation was found between height and 400 m race times (r = -0.53, p=0.02) showing the importance of linearity. Conclusion: Runners of 100 and 400 may show differences in physical characteristics, depending on the level of athletic performance. Anthropometric periodic evaluations may help in the training process of these athletes. However, more specific assessment parameters should be taken into account, because somatotype by itself has not power to predict whether an individual will succeed in racing speed. Keywords: anthropometry, somatotype, endomorphic, mesomorphic, ectomorphic. ix

11 1 1. INTRODUÇÃO As corridas no atletismo são eventos populares e muito prestigiados no Brasil em virtude das medalhas conquistadas por atletas brasileiros nas Olimpíadas de Los Angeles em 1984, Seul em 1988, Atlanta em 1996, Sydney em 2000 e Atenas em No atletismo são disputadas desde corridas muito curtas que duram poucos segundos como as provas de 100 a 400m, assim como provas longas como a maratona que demora horas para ser concluída. Os atletas corredores podem ser fisicamente muito diferentes uns dos outros dependendo da distância em que competem, não sendo difícil distinguir um velocista de um corredor de longa distância 2-4. No entanto, entre os corredores de velocidade, o que diferencia os corredores de 100m dos de 400m? E entre os corredores de cada uma das distâncias, o que diferencia os melhores dos demais? Dentre os vários fatores que envolvem esta questão, as características antropométricas têm grande relevância, pois nos esportes, aqueles que têm um tipo físico adequado podem levar uma grande vantagem no desempenho em comparação com aqueles de características desfavoráveis 2,5-9. O somatotipo classifica os sujeitos de acordo com as suas características corporais, permitindo observar aquelas que têm maior influência para o sucesso no esporte 10. O tipo físico, proporcionalidade corporal, massa corporal, estatura, gordura corporal são fatores a considerar em atletas corredores, pois podem favorecer o desenvolvimento das

12 2 qualidades físicas velocidade, força e resistência, e conseqüentemente, influenciar o desempenho 2-4, As provas de distância curta no atletismo, competições realizadas nas distâncias de 100 a 400m são disputadas em grande velocidade e normalmente são vencidas por sujeitos fortes, potentes e com características anaeróbicas A técnica de corrida e a preparação física e psíquica são determinantes para o sucesso 16. A utilização de metodologias de treinamento que favoreçam a identificação, seleção e desenvolvimento de atletas com talento para o alto rendimento esportivo necessitam de instrumentos de avaliação permanente que apontem os caminhos de intervenções seguras Vários estudos tentam relacionar características genéticas, antropométricas e somatotipo com variáveis de desempenho na busca de um perfil de rendimento que possa servir de modelo e orientar os trabalhos de avaliação e seleção no esporte de competição 6, Infelizmente não há estudos sobre o assunto com velocistas brasileiros e este trabalho visa contribuir para que os treinadores de corredores possam dispor de dados científicos na avaliação, seleção e orientação correta dos seus atletas. A análise do somatotipo e de suas variáveis pode contribuir na orientação do treinamento de corredores velocistas do atletismo 2. Sendo o somatotipo uma metodologia de avaliação que observa a variação dos tipos físicos tanto de maneira qualitativa quanto quantitativa, optou-se no presente estudo pelo uso desta técnica

13 3 para comparar a especificidade do tipo físico frente ao desempenho em competições de 100 e 400m no atletismo 24. Este estudo teve por objetivo investigar as características físicas e examinar a associação entre o somatotipo e o desempenho em corredores de 100 e 400m.

14 4 2. OBJETIVOS 2.1. Objetivo geral Investigar as características físicas de corredores de 100 e 400m do sexo masculino que competem a nível regional no Rio Grande do Norte Objetivos específicos a) Avaliar as características físicas de corredores de 100 e 400m do sexo masculino. b) Comparar as características físicas e somatotipo de corredores de 100m separados por níveis de desempenho. c) Comparar as características físicas e somatotipo de corredores de 400m separados por níveis de desempenho.

15 5 3. JUSTIFICATIVA Corredores de 100m e 400m no atletismo fazem parte do mesmo grupo de provas, o grupo dos velocistas. Competem em provas curtas, explosivas, anaeróbicas e que têm a duração de 10 a 50 segundos. Muitas vezes corredores de 100m e 400m rasos têm desempenho esportivo parecidos, treinam com o mesmo treinador, no mesmo local, no mesmo horário e, em alguns dias, praticando quase os mesmos tipos de exercícios. Por causa de características genéticas e das adaptações provocadas pelo treinamento, eles podem apresentar diferenças nas características físicas quase imperceptíveis. O treinador pode ter dúvidas se um sujeito é mais talentoso para competir em uma ou outra especialidade. Os dados obtidos em testes físicos e resultados de competições dão indicações de qual das duas corridas seria a melhor escolha. Ocorre que as informações de que o treinador dispõe muitas vezes não são suficientes, pois não respondem a muitas questões e carecem de especificidade. Uma escolha equivocada pode levar a insucessos, frustrações, lesões e abandonos da prática esportiva. A comparação dos atletas de um mesmo grupo de corridas com base nas características físicas, no somatotipo e no desempenho específico da corrida pode fornecer informações objetivas e precisas sobre o estado atual dos atletas, além de identificar quais são as diferenças que existem entre os corredores de 100 e 400m. Esta mesma técnica também pode identificar entre os corredores de cada uma das distâncias, o que diferencia os melhores dos demais. É uma técnica de avaliação

16 6 simples, rápida, de baixo custo, não invasiva e que pode ser repetida com muita freqüência ao longo do ano. 4. MATERIAIS E MÉTODOS 4.1. Participantes A amostra foi composta de 39 corredores de 100m rasos (n = 21) e 400m rasos (n = 18) do atletismo com idade de 18,0 29,8 anos que competem em nível regional no Rio Grande do Norte - Brasil. Os sujeitos desse estudo eram estudantes universitários em sua maioria, todos do sexo masculino e treinavam cerca de duas horas por dia, cinco dias por semana. Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, sob o protocolo n o CEP-UFRN: 149/06. Todos os sujeitos participaram como voluntários e assinaram um documento de consentimento. Os atletas dos 100 metros rasos (G100m) tinham idade de 21,2 ± 3,4 anos, massa corporal de 67,2 ± 6,2kg e estatura de 173,5 ± 6,7cm. Os atletas dos 400 metros rasos (G400m) tinham idade de 21,4 ± 3,5 anos, massa corporal de 65,5 ± 5,2kg e estatura de 174,0 ± 6,7cm Medidas antropométricas e somatotipo As medidas antropométricas foram tomadas pela manhã e nesta ordem: estatura corporal, massa corporal, dobras cutâneas (tríceps, subescapular, supraespinhal e perna medial), circunferências de membros (braço e perna) diâmetros ósseos (bi-epicôndilo umeral e bi-epicôndilo femural) de acordo com

17 7 protocolos aceitos 10, 25. As medidas unilaterais foram tomadas do lado direito do corpo. Os participantes usavam roupas leves e estavam descalços. As circunferências de membros e as dobras cutâneas foram tomadas três vezes. A estatura foi determinada por intermédio de um estadiômetro (Balmak, Bk50F, Brasil), cuja precisão era de 0,5cm. Para determinar o peso corporal foi utilizada uma balança (Balmak, Bk50F, Brasil) devidamente calibrada e aferida, cuja precisão era de 50 gramas e a escala variava de 0 a 150 Kg. Para a avaliação das dobras cutâneas foi empregado um compasso de dobras cutâneas (Lange skinfold caliper, Brasil), as circunferências de membros foram tomadas por uma fita métrica de metal flexível (Sanny, TR4011, Brasil), com 2m de comprimento e precisão de 0,1cm e os diâmetros ósseos foram medidos com um paquímetro (Sanny, PQ5012, Brasil). Todos os instrumentos foram previamente aferidos antes da coleta dos dados. Para minimizar a possibilidade de erro na obtenção dos dados, o mesmo avaliador fez a coleta em todos os sujeitos do estudo. O somatotipo é uma técnica de classificação corporal que indica o tipo físico do sujeito. Sheldon dividiu a estrutura física do ser humano em três condições diferenciadas: a endomorfia se refere à gordura relativa do indivíduo, a mesomorfia se refere ao desenvolvimento musculo-esquelético com relação à estatura e a ectomorfia se refere à linearidade do tipo físico do sujeito. O somatotipo foi estimado usando-se o protocolo de Heath & Carter,

18 Medida do desempenho na corrida Os corredores do grupo dos 100 metros rasos (G100m) realizaram uma corrida nesta distância em esforço máximo numa pista de atletismo de piso sintético após o disparo de uma pistola e usaram bloco de partida, como se faz numa competição oficial. Os corredores do grupo dos 400 metros rasos (G400m) realizaram uma corrida de 400m em condições idênticas. Durante o teste de corrida os atletas de ambas as distâncias usaram shorts e camiseta de malha, roupa que normalmente utilizam em competições e calçavam sapatos de pregos. Os resultados foram coletados durante o mês de junho, onde se utilizou cronometragem eletrônica totalmente automática (Finishlynx, Grand Prix Elite, Boston) Análise estatística No sentido de aumentar a potência dos resultados e garantir a confiabilidade dos mesmos, aplicou-se o teste Não-Paramétrico de Normalidade, Shapiro-Wilk, para verificar se os valores médios das respectivas variáveis apresentavam comportamento ajustado a uma Curva Normal. Para as variáveis paramétricas utilizou-se média e desvio padrão. Para a análise entre os grupos de corredores (100m x 400m) foi utilizado o teste t de Student para amostras independentes. Para analisar a relação entre os tempos de corrida e as variáveis antropométricas, foi utilizado o teste de correlação de Pearson. Ainda como estatísticas discricionárias foram feitas subdivisões baseadas em quartis de desempenho pelos tempos da corrida de 100 e 400m, onde os resultados de melhor qualificação foram os de 0-25% (1º Grupo), de 25-50% (2º

19 9 Grupo), de 50-75% (3º Grupo), e de % (4º Grupo), para verificar se haviam diferenças nas características físicas e no somatotipo entre os grupos de melhor e pior qualificação. Na comparação dos subgrupos oriundos da distribuição quartil foi aplicada a análise de variância de um critério (ANOVA), seguida do pós-teste de Tukey para determinar onde se encontrava a diferença detectada previamente. Como inferência que compõe o teste de hipóteses, a comparação entre as seleções foi feita utilizando-se a distância de dispersão entre os somatotipos (DDS) e a distância espacial entre os somatotipos (DES) para a análise das dispersões bidimensionais e tridimensionais dos somatotipos 24. Como critério para determinação da existência de diferenças entre os grupos observou-se para a DDS valores 2 e para a DES Em toda a análise foi considerado um p valor padrão de 0,05 e intervalo de confiança de 95%.

20 10 5. ANEXAÇÃO DE ARTIGO SUBMETIDO 5.1. INFLUENCE OF BOTH SOMATOTYPE AND ASSOCIATED FACTORS ON THE PERFORMANCE OF 100 AND 400 METER RUNNERS. Running Title: Somatotype and associated factors for runners. Keywords: anthropometry, somatotype, endomorphic, mesomorphic, ectomorphic

21 11 Abstract AIM: The aim of the study was to investigate physical characteristics and to examine association between somatotype and performance in collegiate runners of 100 m and 400 m. METHODS: Thirty-nine collegiate male runners (21.3±3.4 y, 66.4±5.8 kg, 173.7±6.6 cm) were studied. Anthropometric measurements (height, body mass, skinfolds, limb circumferences, and skeletal breadths) were obtained from all subjects and the Heath- Carter somatotype was calculated. Races (100 m and 400 m) were held to assess athletic performance. The anthropometric characteristics and performance of 100 m and 400 m runners were examined and compared. Descriptive statistics were calculated for the total sample, as well as for both groups, and four subgroups, named quartiles, were established. RESULTS: Mesomorphic and ectomorphic somatotype dominance was exhibited by 100 m and 400 m athletes, respectively. Endomorphy was low in both groups, especially in 400 m runners, who had more elongated body types than 100 m runners. All skinfold measurements were lower in 400 m group than 100 m group (p<0.05). Height, body mass, limb circumferences, and skeletal breadths did not show significant difference (p<0.05). When separately compared by athletic performance quartile, the fastest 100 m sprinters had dominant mesomorphy ( ), whereas the fastest 400 m runners had dominant ectomorphy ( ). A significant moderate correlation (r=-0.55, p=0.008) between calf circumference and 100 m race times was observed, whereas a significant moderate correlation was found between height and 400 m race times (r = -0.53, p = 0.02). CONCLUSION: The 100 m and 400 m runners differ to some extent in physical characteristics and somatotype depending on the athletic performance level. The 100 m and 400 m runners exhibit a somatotype with dominant mesomorphy and ectomorphy. Periodic evaluations of these parameters may help to coaches in the process of selection and orientation of the training of athletes for these two events, but other specific parameters should be taken into account because the somatotype, by itself, has no power to predict whether an individual will succeed in running speed. Keywords: anthropometry, somatotype, endomorphic, mesomorphic, ectomorphic

22 12 Introduction The physical characteristics of athletes depend on both genetic inheritance and adaptations resulting from training and competitions (Kerr et al., 2007; Malina, 1995). In some sports, factors such as height, body weight, and body fat and its distribution can be very relevant for achieving high performance levels (Baker & Newton, 2008; Bayios, Bergeles, Apostolidis, Noutsos & Koskolou, 2006; Fritzschel & Raschka, 2007; Malousaris et al., 2008; Slater et al., 2005). Somatotype is a powerful tool for determining the ideal physical type for a particular sport. Variations in somatotype and distribution of its components reflect the demands imposed by each sport (Berg, 2003; Chaouachi et al., 2009; Khosla & McBroom, 1985; Legaz & Eston, 2005). Sport performance depends on physiological aspects, but large somatotype variations can be found depending on the role the athlete plays on the team (Carter, Ackland, Kerr & Stapff, 2005; Gil, Gil, Ruiz, Irazusta & Irazusta, 2007; Gualdi-Russo & Zaccagni, 2001; Keogh, Hume, Pearson & Mellow, 2007; O'Connor, Olds & Maughan, 2007). Somatotype can also vary according to sex, age, length of time engaged in the sport, and performance level (Battista, Pivarnik, Dummer, Sauer & Malina, 2007; Campos et al., 2010; di Cagno, Baldari, Battaglia, Guidetti & Piazza, 2008; Legaz & Eston, 2005; Monsma & Malina, 2005; Sands et al., 2005; Stefani, 2006), as well as with the natural evolution of the sport over the years (Norton & Olds, 2001; Olds, 2001). The 100 m and 400 m sprinters need considerable power to generate initial acceleration and a very high racing speed. For this reason, in addition to race-specific exercises, their weekly training routines include several hours of strength and power training, producing a more muscular physique (Dintiman & Ward, 2003; Hart, 1993). In these races most subjects exhibit a mesomorphic somatotype characterized by a strong powerful body, well developed muscles, intermediate to high stature, and low body fat percentage (Dintiman & Ward, 2003; Hart, 1993; Wilmore, Costill & Kenney, 2007). However, a very heavy body may not be recommended for 400 m runners. These individuals lose considerable velocity in the final part of the race due to the reduced mechanical efficiency caused by the effects of fatigue (Ferro et al., 2001; Hobara et al., 2010; Krakowiak, Cabric, Sokolowska & Lewandowski, 2008). In 10 km races, on the other hand, performance depends on endurance. In these races most participants show an ectomorphic somatotype characterized by lean bodies, underdeveloped muscles, short to intermediate stature, and low body fat percentage (Khosla & McBroom, 1985). In track and field, somatotype differences between 100 m and 400 m sprinters and 10 km runners are obvious,

23 13 but this is not the case between the two sprint categories, where physical trait differences may be nearly imperceptible (Carter, 1982; De Garay, Levine, Carter, 1974). It is common for 100 m and 400 m dash runners to exhibit similar performance, to have the same coach and the same training site, to train for the same amount of time, and, sometimes, to perform almost the same exercise programs. The coach may have doubts whether an individual is more predisposed to compete in one category or another, primarily if they are young. Therefore, one day he/she will have to decide which of these the athlete should focus on (Pelin, Kurkcuoglu, Ozener & Yazici, 2009). Available data from the coach s expertise is often insufficient, since it does not answer a number of questions (Berg, 2003). A mistaken choice may result in training not producing the expected outcome, in addition to causing frustration and injuries, thus prompting athletes to abandon the sport. Data obtained from physical tests and competitions indicate which of the two race distances would be the better choice. Also, analysis of the anthropometric characteristics and somatotype may contribute to guide sprinter training (Kukolj, Ropret, Ugarkovic & Jaric, 1999). The aim of this study was to investigate anthropometric characteristics and somatotypes between 100 and 400 m sprinters. The idea was to determine whether 100 m sprinters have anthropometric characteristics and somatotype that are different from that of their 400 m counterparts and that the proper body shape may contribute to success in track and field sprinting events.

24 14 Methodology Participants The sample consisted of 39 runners, 100 m dash sprinters (n = 21, G100) and 400 m runners (n = 18, G400), aged between 18.0 and 29.1 years, competing at the local level in the state of Rio Grande do Norte, Brazil. Both G100 and G400 groups were split into four subgroups, quartiles (G1, G2, G3, and G4) according to their performance in their specific races. G1 was attributed for the best performing athletes and G4 for the worst ones. Participants were mostly college students who trained around two hours a day, five days a week. The study was approved by the Research Ethics Committee of the Federal University of Rio Grande do Norte under the protocol number CEP-UFRN 149/06, and all volunteer participants gave written informed consent. The 100 m athletes, (G100) aged 21.2 ± 3.4 years, body mass of 67.2 ± 6.2kg and height of ± 6.7cm. The 400 m runners (G400) aged 21.4 ± 3.5 years, body mass of 65.5 ± 5.2kg, and height of ± 6.7cm. Measures Anthropometric characteristics were measured in the morning in the following order: height, body mass, skinfolds, limb circumference, and skeletal breadths in accordance with accepted protocols (Lohman, Roche & Martorell, 1988; Malina, 1995). Unilateral measures were taken on the right side of the body. Participants wore light clothes and were barefoot. Limb circumference was measured twice and skinfolds three times (Lohman, Roche & Martorell, 1988; Malina, 1995). Somatotype was estimated using the Heath-Carter protocol (Carter & Heath, 1990). Body mass was determined with a calibrated scale (Balmak, Bk50F, Natal, Brazil), accurate to 50 grams and ranging from 0 to 150 kg. Height was measured by a stadiometer (Balmak, Bk50F, Natal, Brazil), accurate to 0.5cm. Limb circumferences were measured with a 2 m flexible metal measuring tape (Sanny, TR4011, Natal, Brazil), accurate to 0.1cm. A skinfold caliper (Beta Technology, Ann Arbor, MI) was used to evaluate skinfold thickness, and skeletal breadths were measured with a pachymeter (Sanny, PQ5012, Natal, Brazil). Every single instrument was calibrated before data collection. To minimize errors, all study data were collected by the same observer. The relative Technical Error of Measurement (rtem) intraobserver varied from 0.7 to 4.6.

25 15 The G100 group ran the 100 m distance at maximum effort on a synthetic track, with the use of a starting gun and starting block like a normal race. The G400 group ran 400 m under identical conditions. During the race, both groups wore jersey shorts and t-shirts, clothing normally worn in competitions, and spike shoes. Results were collected in June, using an automatic electronic stopwatch (Finishlynx, Grand Prix Elite, Boston). Statistical analysis, applying descriptive statistics, met the basic proposal of this study to develop the analysis of sample subgroups (from G1 to G4) in order to determine the profile of each one, observing descriptive concepts structured in measures of central tendency and their derivatives. The Shapiro-Wilks non-parametric test of normality was applied to ensure result reliability and determine if mean values for the respective variables showed behavior fitting a normal Gaussian curve. Sample size, mean, and standard deviation were used for parametric variables. Discretionary statistics included subdivisions based on the performance quartiles of 100m and 400m race times, where the best results were those of 0-25% (Group 1-G1), 25-50% (Group 2-G2), 50-75% (Group 3-G3), and % (Group 4-G4) to establish whether there were differences between the groups regarding best and worst results. Analysis of variance (ANOVA) followed by Tukey post-test was applied to compare the subgroups from the quartile distribution. To examine the relationship between race times and anthropometric variables, the Pearson correlation test was applied. Inter-group comparisons were made using somatotype attitudinal mean (SAM) which is based on a three-dimensional viewpoint involving the values of the components. The higher the SAM, the greater the differences between the compared somatotype groups. SAM values 1 were used as criteria to determine the existence of inter-group differences (Carter, 1997).

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. SAMPLE SIZE DETERMINATION FOR CLINICAL RESEARCH

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. SAMPLE SIZE DETERMINATION FOR CLINICAL RESEARCH SAMPLE SIZE DETERMINATION FOR CLINICAL RESEARCH Duolao Wang; Ameet Bakhai; Angelo Del Buono; Nicola Maffulli Muscle, Tendons and Ligaments Journal, 2013 Santiago A. Tobar L., Dsc. Why to determine the

Leia mais

Palavras-chave: Controle Autonômico; Recuperação; Treinamento Esportivo; Esportes Coletivos.

Palavras-chave: Controle Autonômico; Recuperação; Treinamento Esportivo; Esportes Coletivos. RESUMO O futsal é um esporte intermitente com muitas substituições e pausas durante a partida, o que possibilita a recuperação de variáveis fisiológicas durante esses momentos, proporcionando ao jogador,

Leia mais

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA CT CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CCET PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE PETRÓLEO - PPGCEP DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Leia mais

SUMÁRIO. Página LISTA DE TABELAS LISTA DE FIGURAS

SUMÁRIO. Página LISTA DE TABELAS LISTA DE FIGURAS i DEDICATÓRIA Dedico esse trabalho aos meus pais Helcio (in memorian) e Alina, com todo meu amor e gratidão, por tudo que fizeram por mim ao longo de minha vida. Desejo poder ter sido merecedor do esforço

Leia mais

A elaboração de perfis de características

A elaboração de perfis de características original SOMATOTIPIA E ANTROPOMETRIA NA SELEÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL SOMATOTYPE AND ANTHROPOMETRY IN BRAZILIAN NATIONAL VOLLEYBALL TEAMS AUTORES Breno Guilherme de Araújo Tinoco Cabral 1,2 Suzet de Araújo

Leia mais

SPATIAL DISTRIBUITION OF TURBITY IN A STRETCH OF MADEIRA RIVER MONITORING MADEIRA RIVER PROJECT PORTO VELHO (RO)

SPATIAL DISTRIBUITION OF TURBITY IN A STRETCH OF MADEIRA RIVER MONITORING MADEIRA RIVER PROJECT PORTO VELHO (RO) SPATIAL DISTRIBUITION OF TURBITY IN A STRETCH OF MADEIRA RIVER MONITORING MADEIRA RIVER PROJECT PORTO VELHO (RO) 4th scientific meeting of the ORE-HIBAM. September 2011 4a Scientific Meeting ORE-HYBAM

Leia mais

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL.

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), 2013. 24 DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Murilo José de Oliveira Bueno¹ e Felipe Arruda Moura

Leia mais

ÍNDICE GERAL Capítulo 1 Introdução Capítulo 2 Revisão geral da literatura.. 24 Capítulo 3 Considerações instrumentais

ÍNDICE GERAL Capítulo 1 Introdução Capítulo 2 Revisão geral da literatura.. 24 Capítulo 3 Considerações instrumentais RESUMO O presente estudo pretende responder à questão de determinar os factores aptos a promover o desportivismo e as competências pró-sociais no desporto infanto-juvenil. Partindo da escolha e validação

Leia mais

Dedicatória. À memória do meu querido avô Amaro, nunca te esquecerei. Aos meus filhos António e Cecília, pelos momentos ausentes.

Dedicatória. À memória do meu querido avô Amaro, nunca te esquecerei. Aos meus filhos António e Cecília, pelos momentos ausentes. ii Dedicatória À memória do meu querido avô Amaro, nunca te esquecerei. Aos meus filhos António e Cecília, pelos momentos ausentes. iii iv Agradecimentos Uma investigação desta tipologia envolve, directa

Leia mais

OUTRA FORMA DE VER? A CONSTRUÇÃO DO AUTOCONCEITO DE CRIANÇAS CEGAS E AMBLIOPES

OUTRA FORMA DE VER? A CONSTRUÇÃO DO AUTOCONCEITO DE CRIANÇAS CEGAS E AMBLIOPES UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CENTRO REGIONAL DE BRAGA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS OUTRA FORMA DE VER? A CONSTRUÇÃO DO AUTOCONCEITO DE CRIANÇAS CEGAS E AMBLIOPES II Ciclo de Estudos em Ciências da

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO VERSUS. Dissertação de Mestrado em Ciências do Desporto - Especialização em Actividades de Academia

UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO VERSUS. Dissertação de Mestrado em Ciências do Desporto - Especialização em Actividades de Academia UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO QUALIDADE DE SERVIÇO E AUTO-PERCEPÇÃO FÍSICA VERSUS RETENÇÃO E FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES Dissertação de Mestrado em Ciências do Desporto - Especialização em Actividades

Leia mais

Condições de Participação no Evento. Licenças. Equipamentos Regulamentos ( Bicicletas) Equipamento ( Vestuário ) Seguros. Entradas - Espectadores

Condições de Participação no Evento. Licenças. Equipamentos Regulamentos ( Bicicletas) Equipamento ( Vestuário ) Seguros. Entradas - Espectadores Condições de Participação no Evento De acordo com os Regulamentos da UCI Ciclismo de Pista Veteranos 3.9.001. Estes regulamentos estão disponíveis no site da UCI em www.uci.ch. Clicar sobre Rules e seguidamente

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática São Paulo 2010 JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

Leia mais

FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISAS EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS GEORGE PINHEIRO RAMOS

FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISAS EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS GEORGE PINHEIRO RAMOS FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISAS EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS GEORGE PINHEIRO RAMOS FATORES DETERMINANTES E INFLUENCIADORES DE COMPRA DA MÚSICA GOSPEL VITÓRIA 2013 2 GEORGE PINHEIRO RAMOS

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa. Faculdade de Motricidade Humana

Universidade Técnica de Lisboa. Faculdade de Motricidade Humana Universidade Técnica de Lisboa Faculdade de Motricidade Humana O Método Pilates e os seus Efeitos em Termos de Autoeficácia na Musculatura do Pavimento Pélvico em Mulheres com Incontinência Urinária de

Leia mais

The Indigenous Population of Brazil 1991 Population Census

The Indigenous Population of Brazil 1991 Population Census The Indigenous Population of Brazil 1991 Population Census Authors: Nilza Oliveira Martins Pereira (principal author), Tereza Cristina Nascimento Araujo, Valéria Beiriz, Antonio Florido- IBGE The definition

Leia mais

Dedico este trabalho às minhas filhas à minha esposa pelo apoio em todos os projetos. iii

Dedico este trabalho às minhas filhas à minha esposa pelo apoio em todos os projetos. iii Dedico este trabalho às minhas filhas à minha esposa pelo apoio em todos os projetos. iii Agradecimentos Um trabalho destes só é possível com a colaboração, participação e esforço conjugado de um elevado

Leia mais

INTERFERÊNCIA DO TREINAMENTO EM NATAÇÃO COM DIFERENTES INTENSIDADES NA CARCINOGÊNESE EXPERIMENTAL DO CÓLON

INTERFERÊNCIA DO TREINAMENTO EM NATAÇÃO COM DIFERENTES INTENSIDADES NA CARCINOGÊNESE EXPERIMENTAL DO CÓLON WELLINGTON LUNZ INTERFERÊNCIA DO TREINAMENTO EM NATAÇÃO COM DIFERENTES INTENSIDADES NA CARCINOGÊNESE EXPERIMENTAL DO CÓLON Dissertação apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como parte das exigências

Leia mais

BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET

BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET 2015 1 e-mail:mario@labma.ufrj.br Tables BR-EMS, mortality experience of the Brazilian Insurance Market, were constructed,

Leia mais

A elaboração da presente dissertação foi apoiada, em parte, por um financiamento da Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica, no

A elaboração da presente dissertação foi apoiada, em parte, por um financiamento da Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica, no Dissertação de Mestrado em Psicologia, especialização em Psicologia Desportiva, sob a orientação conjunta do Prof. Doutor José Fernando da Silva Azevedo Cruz e do Prof. Doutor Leandro da Silva Almeida.

Leia mais

A contribuição do coaching executivo para o aprendizado individual: a percepção dos executivos

A contribuição do coaching executivo para o aprendizado individual: a percepção dos executivos Bianca Snaiderman A contribuição do coaching executivo para o aprendizado individual: a percepção dos executivos Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA

MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA Universidade de Lisboa Faculdade de Medicina de Lisboa MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA Catarina Isabel Fonseca Paulos Mestrado em Medicina Legal e Ciências Forenses 2005 Esta dissertação

Leia mais

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Renata Céli Moreira da Silva Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO COM CONTRAÇÕES RECÍPROCAS

ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO COM CONTRAÇÕES RECÍPROCAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA PÂMELLA RIBEIRO RODRIGUES ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO

Leia mais

Infraestrutura, Gestão Escolar e Desempenho em Leitura e Matemática: um estudo a partir do Projeto Geres

Infraestrutura, Gestão Escolar e Desempenho em Leitura e Matemática: um estudo a partir do Projeto Geres Naira da Costa Muylaert Lima Infraestrutura, Gestão Escolar e Desempenho em Leitura e Matemática: um estudo a partir do Projeto Geres Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial

Leia mais

Multicriteria Impact Assessment of the certified reference material for ethanol in water

Multicriteria Impact Assessment of the certified reference material for ethanol in water Multicriteria Impact Assessment of the certified reference material for ethanol in water André Rauen Leonardo Ribeiro Rodnei Fagundes Dias Taiana Fortunato Araujo Taynah Lopes de Souza Inmetro / Brasil

Leia mais

Estereoscopia Digital no Ensino da Química AGRADECIMENTOS

Estereoscopia Digital no Ensino da Química AGRADECIMENTOS AGRADECIMENTOS O findar desta dissertação é o momento indicado para agradecer ao Professor Doutor João Carlos de Matos Paiva pela sua grande ajuda, pela disponibilidade sempre manifestada, pelo seu empenho

Leia mais

Banca examinadora: Professor Paulo N. Figueiredo, Professora Fátima Bayma de Oliveira e Professor Joaquim Rubens Fontes Filho

Banca examinadora: Professor Paulo N. Figueiredo, Professora Fátima Bayma de Oliveira e Professor Joaquim Rubens Fontes Filho Título: Direção e Taxa (Velocidade) de Acumulação de Capacidades Tecnológicas: Evidências de uma Pequena Amostra de Empresas de Software no Rio de Janeiro, 2004 Autor(a): Eduardo Coelho da Paz Miranda

Leia mais

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Raquel Jauffret Guilhon Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo

Leia mais

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps Mariane Alves Dal Santo marianedalsanto@udesc.br Francisco Henrique de Oliveira chicoliver@yahoo.com.br Carlos Loch cloch@ecv.ufsc.br Laboratório de Geoprocessamento GeoLab Universidade do Estado de Santa

Leia mais

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS THE CAPITAL STRUCTURE: AN ANALYSE ON INSURANCE COMPANIES FREDERIKE MONIKA BUDINER METTE MARCO ANTÔNIO DOS SANTOS MARTINS PAULA FERNANDA BUTZEN

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ATLETAS DE FUTSAL FEMININO DE ALTO NÍVEL COMPETITIVO CONFORME A FUNÇÃO TÁTICA DESEMPENHADA NO JOGO

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ATLETAS DE FUTSAL FEMININO DE ALTO NÍVEL COMPETITIVO CONFORME A FUNÇÃO TÁTICA DESEMPENHADA NO JOGO 30 Rev. Bras. Cine. Des. Hum. Queiroga et al. ISSN 1415-8426 Artigo original Marcos Roberto Queiroga 1 Sandra Aires Ferreira 2 Marcelo Romanzini 3 PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ATLETAS DE FUTSAL FEMININO DE

Leia mais

ANALISE DA COORDENAÇÃO MOTORA RUDIMENTAR E EQUILIBRIO EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PARTICULAR DE BRASILIA-DF

ANALISE DA COORDENAÇÃO MOTORA RUDIMENTAR E EQUILIBRIO EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PARTICULAR DE BRASILIA-DF CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA - UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE FACES WILLIAM ALVES DE VELLOSO VIANNA ANALISE DA COORDENAÇÃO MOTORA RUDIMENTAR E EQUILIBRIO EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

LÍNGUA INGLESA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Reading - Typographic Marks

LÍNGUA INGLESA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Reading - Typographic Marks Conteúdo: Reading - Typographic Marks Habilidades: Utilizar as Marcas Tipográficas para facilitar a compreensão e também chamar a atenção do leitor. Typographic Marks O que são marcas tipográficas? As

Leia mais

Fábio da Silva Abrate

Fábio da Silva Abrate Fábio da Silva Abrate Elaboração de um Questionário para Avaliar as Variáveis Determinantes do Endividamento de Estudantes Universitários no Cartão de Crédito: Um Estudo Piloto Adaptado para o Mercado

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

Prova Escrita de Inglês

Prova Escrita de Inglês PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Inglês 6º Ano de Escolaridade Prova 06 / 2.ª Fase 7 Páginas Duração da Prova: 90 minutos. 2014 Prova 06/ 2.ª F.

Leia mais

Caracterização da personalidade em atletas brasileiros

Caracterização da personalidade em atletas brasileiros Caracterização da personalidade em atletas brasileiros Maurício Gattás Bara Filho mgbara@terra.com.br Grupo Estudos Olímpicos Universidade Federal de Juiz de Fora, Brasil 0 Abstract Studies about athletes

Leia mais

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho GUIÃO A 1º Momento Intervenientes e Tempos Descrição das actividades Good morning / afternoon / evening, A and B. For about three minutes, I would like

Leia mais

Universidade da Beira Interior Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Psicologia e Educação

Universidade da Beira Interior Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Psicologia e Educação Universidade da Beira Interior Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Psicologia e Educação DISSERTAÇÃO DE MESTRADO APRESENTADA À UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR COMO REQUISITO PARA A OBTENÇÃO

Leia mais

Perfil antropométrico da seleção brasileira de canoagem

Perfil antropométrico da seleção brasileira de canoagem ARTIGO ORIGINAL Perfil antropométrico da seleção brasileira de canoagem Anthropometric profile of the Brazilian national canoeing team Luís Alberto Gobbo, Rafael Raul Papst, Ferdinando Oliveira Carvalho,

Leia mais

Determinação da intensidade do treinamento de força em indivíduos de 18 a 25 anos

Determinação da intensidade do treinamento de força em indivíduos de 18 a 25 anos Determinação da intensidade do treinamento de força em indivíduos de 18 a 25 anos Euripedes Barsanulfo Gonçalves Gomide 1 Agnelo de Almeida Martins 2 Thiago Chiarato 2 Resumo: O treinamento de força tornou-se

Leia mais

Software reliability analysis by considering fault dependency and debugging time lag Autores

Software reliability analysis by considering fault dependency and debugging time lag Autores Campos extraídos diretamente Título Software reliability analysis by considering fault dependency and debugging time lag Autores Huang, Chin-Yu and Lin, Chu-Ti Ano de publicação 2006 Fonte de publicação

Leia mais

Semestre do plano de estudos 1

Semestre do plano de estudos 1 Nome UC Inglês CU Name Código UC 6 Curso LEC Semestre do plano de estudos 1 Área científica Gestão Duração Semestral Horas de trabalho 54 ECTS 2 Horas de contacto TP - 22,5 Observações n.a. Docente responsável

Leia mais

RESPOSTA AO EXERCICIO COM PESOS PARA GRUPOS DE DIFERENTES FAIXAS ETARIAS EM HUMANOS

RESPOSTA AO EXERCICIO COM PESOS PARA GRUPOS DE DIFERENTES FAIXAS ETARIAS EM HUMANOS 27 CIÊNCIAS AGRÁRIAS TRABALHO ORIGINAL RESPOSTA AO EXERCICIO COM PESOS PARA GRUPOS DE DIFERENTES FAIXAS ETARIAS EM HUMANOS ANSWER TO THE EXERCISE WITH WEIGHTS FOR GROUPS OF DIFFERENT AGE RANGE IN HUMANS

Leia mais

INFLUÊNCIAS DA KINESIOTAPING NO DESEMPENHO DO SALTO EM DISTÂNCIA, EM INDIVÍDUOS SADIOS JOVENS

INFLUÊNCIAS DA KINESIOTAPING NO DESEMPENHO DO SALTO EM DISTÂNCIA, EM INDIVÍDUOS SADIOS JOVENS 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA JOÃO RAFAEL FREITAS DA SILVA INFLUÊNCIAS DA KINESIOTAPING NO DESEMPENHO DO SALTO EM DISTÂNCIA, EM INDIVÍDUOS SADIOS JOVENS

Leia mais

MOTIVOS PARA A PRÁTICA DA CORRIDA DE RUA ORIENTADA E NÃO ORIENTADA POR PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

MOTIVOS PARA A PRÁTICA DA CORRIDA DE RUA ORIENTADA E NÃO ORIENTADA POR PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Recebido em: 31/8/2010 Emitido parece em: 14/9/2010 Artigo original MOTIVOS PARA A PRÁTICA DA CORRIDA DE RUA ORIENTADA E NÃO ORIENTADA POR PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Pablo Ribeiro Casadio, Tiago

Leia mais

EFICÁCIA DO MÉTODO DE MUSCULAÇÃO DROP-SET RELACIONANDO FORÇA E COMPOSIÇÃO CORPORAL

EFICÁCIA DO MÉTODO DE MUSCULAÇÃO DROP-SET RELACIONANDO FORÇA E COMPOSIÇÃO CORPORAL EFICÁCIA DO MÉTODO DE MUSCULAÇÃO DROP-SET RELACIONANDO FORÇA E COMPOSIÇÃO CORPORAL Márcio Luis Carvalho 1 Gilson Brun 2 Matheus Uba Chupel 3 William Cordeiro de Souza 4 Wallace Bruno de Souza 5 Marcos

Leia mais

2. HUMAN RESOURCES 2. RECURSOS HUMANOS 1 RECRUTAMENTO E SELECÇÃO 1 RECRUITMENT AND SELECTION 2 QUALIFICAÇÃO DOS TRABALHADORES

2. HUMAN RESOURCES 2. RECURSOS HUMANOS 1 RECRUTAMENTO E SELECÇÃO 1 RECRUITMENT AND SELECTION 2 QUALIFICAÇÃO DOS TRABALHADORES RECURSOS HUMANOS HUMAN RESOURCES . RECURSOS HUMANOS RECRUTAMENTO E SELECÇÃO. HUMAN RESOURCES RECRUITMENT AND SELECTION O recrutamento e a situação contratual, no ano em análise, e face ao anterior, caracterizaram-se

Leia mais

UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO PREVISÃO DA VULNERABILIDADE FINANCEIRA NO SETOR SEM FINS LUCRATIVOS

UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO PREVISÃO DA VULNERABILIDADE FINANCEIRA NO SETOR SEM FINS LUCRATIVOS UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO PREVISÃO DA VULNERABILIDADE FINANCEIRA NO SETOR SEM FINS LUCRATIVOS João Pedro Pereira da Silva UNIVERSIDADE DOS AÇORES

Leia mais

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Portuguese Lesson A Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

APTIDÃO FÍSICA PARA O DESEMPENHO ESPORTIVO DE ESCOLARES DO PIBID/ UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1

APTIDÃO FÍSICA PARA O DESEMPENHO ESPORTIVO DE ESCOLARES DO PIBID/ UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1 APTIDÃO FÍSICA PARA O DESEMPENHO ESPORTIVO DE ESCOLARES DO PIBID/ UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1 FUHRMANN, Marlon 2 KRUG, Rodrigo De Rosso 3 PANDA, Maria Denise Justo 4 Resumo: Com o objetivo avaliar a aptidão

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DA FOTOGRAMETRIA NO POSICIONAMENTO DOS VÉRTICES DE IMÓVEIS RURAIS PARA FINS CADASTRAIS CONFORME PRECISÃO DETERMINADA PELO INCRA

AVALIAÇÃO DO USO DA FOTOGRAMETRIA NO POSICIONAMENTO DOS VÉRTICES DE IMÓVEIS RURAIS PARA FINS CADASTRAIS CONFORME PRECISÃO DETERMINADA PELO INCRA AVALIAÇÃO DO USO DA FOTOGRAMETRIA NO POSICIONAMENTO DOS VÉRTICES DE IMÓVEIS RURAIS PARA FINS CADASTRAIS CONFORME PRECISÃO DETERMINADA PELO INCRA Ronaldo Aparecido de Oliveira, MSc. ENGEFOTO Engenharia

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE O MOMENTO DE INCIDÊNCIA DE GOLS E A COMPARAÇÃO ENTRE A EQUIPE MANDANTE E A VISITANTE NO CAMPEONATO PAULISTA DE 2009

UM ESTUDO SOBRE O MOMENTO DE INCIDÊNCIA DE GOLS E A COMPARAÇÃO ENTRE A EQUIPE MANDANTE E A VISITANTE NO CAMPEONATO PAULISTA DE 2009 Recebido em: 1/3/211 Emitido parece em: 23/3/211 Artigo inédito UM ESTUDO SOBRE O MOMENTO DE INCIDÊNCIA DE GOLS E A COMPARAÇÃO ENTRE A EQUIPE MANDANTE E A VISITANTE NO CAMPEONATO PAULISTA DE 29 Leandro

Leia mais

FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO

FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO (FACTORS RELATED TO THE ANXIETY LEVEL IN FOOTBALL FEMALE ATHLETES) Marcos Vinicius Dias Munhóz 1 ; Claudia Teixeira-Arroyo 1,2

Leia mais

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt.

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. NORMAS PARA AUTORES As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. COPYRIGHT Um artigo submetido à Revista Portuguesa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO ODONTOPEDIATRIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO ODONTOPEDIATRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO ODONTOPEDIATRIA THAISA CEZÁRIA TRICHES CONDIÇÃO MICROBIOLÓGICA APÓS TRATAMENTO

Leia mais

Finanças Comportamentais: Diferenças a tolerância de risco entre cônjuges Replicando uma pesquisa e propondo alternativas complementares

Finanças Comportamentais: Diferenças a tolerância de risco entre cônjuges Replicando uma pesquisa e propondo alternativas complementares Roberto Carneiro Gurgel Nogueira Finanças Comportamentais: Diferenças a tolerância de risco entre cônjuges Replicando uma pesquisa e propondo alternativas complementares Dissertação de Mestrado Dissertação

Leia mais

ANÁLISE DO NÍVEL DE ESTRESSE E ANSIEDADE EM BAILARINAS DO 28º FESTIVAL DE DANÇA DE JOINVILLE

ANÁLISE DO NÍVEL DE ESTRESSE E ANSIEDADE EM BAILARINAS DO 28º FESTIVAL DE DANÇA DE JOINVILLE ANÁLISE DO NÍVEL DE ESTRESSE E ANSIEDADE EM BAILARINAS DO 28º FESTIVAL DE DANÇA DE JOINVILLE Fernanda Almeida Gutierrez (UNIDERP) Fernanda Almeida Gutierrez, Licenciatura plena em Educação Física UNIDERP

Leia mais

Português 207 Portuguese for Business

Português 207 Portuguese for Business Português 207 Portuguese for Business Spring 2012: Porugal and the EU Instructor: Jared Hendrickson Office: 1149 Van Hise Office Hours: Monday and Thursday, 11:00 am-12:00 pm e-mail: jwhendrickso@wisc.edu

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS UMA VANTAGEM COMPETITIVA COM A TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS AMANDA ZADRES DANIELA LILIANE ELIANE NUNES ELISANGELA MENDES Guarulhos

Leia mais

assumptions of that particular strengthening the participation of families and local communities in the strategic direction of schools, not taking

assumptions of that particular strengthening the participation of families and local communities in the strategic direction of schools, not taking Agradecimentos A dissertação do Mestrado que adiante se apresenta resulta na concretização de um projecto que me parecia difícil mas não impossível de alcançar. Foram meses seguidos de trabalho de investigação,

Leia mais

APTIDÃO FÍSICA PARA A SAÚDE DOS ESCOLARES DOS PRIMEIROS ANOS PARTICIPANTES DAS OFICINAS DE EDUCAÇÃO PSICOMOTORA DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1

APTIDÃO FÍSICA PARA A SAÚDE DOS ESCOLARES DOS PRIMEIROS ANOS PARTICIPANTES DAS OFICINAS DE EDUCAÇÃO PSICOMOTORA DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1 APTIDÃO FÍSICA PARA A SAÚDE DOS ESCOLARES DOS PRIMEIROS ANOS PARTICIPANTES DAS OFICINAS DE EDUCAÇÃO PSICOMOTORA DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1 SCHNEIDER, Camila 2 PEDROTTI, Paulo Henrique de Oliveira²

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

ANÁLISE BIOMECÂNICA DO SALTO SOBRE A MESA: RELAÇÃO ENTRE O TIPO DE SALTO E SEUS PARÂMETROS CINEMÁTICOS

ANÁLISE BIOMECÂNICA DO SALTO SOBRE A MESA: RELAÇÃO ENTRE O TIPO DE SALTO E SEUS PARÂMETROS CINEMÁTICOS ANÁLISE BIOMECÂNICA DO SALTO SOBRE A MESA: RELAÇÃO ENTRE O TIPO DE SALTO E SEUS PARÂMETROS CINEMÁTICOS Márcia Francine Bento 1, Marcelo Sato Yamauchi 1, Paulo Carrara 1,3, Cindy Santiago Tupiniquim 1 e

Leia mais

Teores de nitrito, nitrato, cloreto, fluoreto e fósforo de água potável

Teores de nitrito, nitrato, cloreto, fluoreto e fósforo de água potável Teores de nitrito, nitrato, cloreto, fluoreto e fósforo de água potável Renan Lopes Gomes, Ana Carolina Ferreira, Priscilla C. Zucco dos Santos 3, Otávio Augusto Martins,3, Renato C. F. Neves 2* Departamento

Leia mais

FREAK SHOWS - EVENTOS CONTEMPORÂNEOS REALIZADOS POR ADEPTOS DA BODY MODIFICATION.

FREAK SHOWS - EVENTOS CONTEMPORÂNEOS REALIZADOS POR ADEPTOS DA BODY MODIFICATION. 1 FREAK SHOWS - EVENTOS CONTEMPORÂNEOS REALIZADOS POR ADEPTOS DA BODY MODIFICATION. FREAK SHOWS - CONTEMPORARY EVENTS CARRIED OUT BY ADEPTS OF BODY MODIFICATION Beatriz Ferreira Pires 1 RESUMO: O primeiro

Leia mais

A DISLEXIA COMO DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM SOB A ÓTICA DO PROFESSOR UM ESTUDO DE CASO

A DISLEXIA COMO DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM SOB A ÓTICA DO PROFESSOR UM ESTUDO DE CASO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO A DISLEXIA COMO DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM SOB A ÓTICA DO PROFESSOR UM ESTUDO DE CASO NEUZA APARECIDA GIBIM PONÇANO Presidente Prudente SP

Leia mais

Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro

Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro Alexandre Cunha Lobo de Melo Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro Dissertação de mestrado Dissertação de mestrado apresentada ao Departamento de Administração da Pontifícia

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA CONFIABILIDADE DE DIFERENTES TESTES DE VELOCIDADE/AGILIDADE APLICADOS NA MODALIDADE FUTSAL 1

DETERMINAÇÃO DA CONFIABILIDADE DE DIFERENTES TESTES DE VELOCIDADE/AGILIDADE APLICADOS NA MODALIDADE FUTSAL 1 ARTIGO DETERMINAÇÃO DA CONFIABILIDADE DE DIFERENTES TESTES DE VELOCIDADE/AGILIDADE APLICADOS NA MODALIDADE FUTSAL 1 Eloi Ferreira Filho* Hans - Joachim Menzel* Mauro Heleno Chagas* RESUMO Uma das características

Leia mais

COMITÊ DO ESPECTRO PARA RADIODIFUSÃO - CER SPECTRUM DAY 16.08.2011 A REVISÃO DA REGULAMENTAÇÃO DO USO DA FAIXA DE 3,5 GHZ UMA NECESSIDADE COMPROVADA.

COMITÊ DO ESPECTRO PARA RADIODIFUSÃO - CER SPECTRUM DAY 16.08.2011 A REVISÃO DA REGULAMENTAÇÃO DO USO DA FAIXA DE 3,5 GHZ UMA NECESSIDADE COMPROVADA. COMITÊ DO ESPECTRO PARA RADIODIFUSÃO - CER SPECTRUM DAY 16.08.2011 A REVISÃO DA REGULAMENTAÇÃO DO USO DA FAIXA DE 3,5 GHZ UMA NECESSIDADE COMPROVADA. PAULO RICARDO H. BALDUINO 0 Conteúdo 1. Introdução

Leia mais

RESUMO. Palavras chaves: Crianças. Crescimento Físico. Desenvolvimento Motor. ABSTRACT

RESUMO. Palavras chaves: Crianças. Crescimento Físico. Desenvolvimento Motor. ABSTRACT 1 ESTUDO COMPARATIVO DO CRESCIMENTO FÍSICO E DESENVOLVIMENTO MOTOR ENTRE CRIANÇAS DE 10 ANOS DE IDADE, RESIDENTES NO PERÍMETRO URBANO E ÁREA DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DO TRIUNFO - PR Silvanei Cordeiro 1

Leia mais

Dor Crónica Lombar. A. Teresa Jeremias. Dor Crónica Lombar. Modelo Preditivo dos Resultados da Fisioterapia

Dor Crónica Lombar. A. Teresa Jeremias. Dor Crónica Lombar. Modelo Preditivo dos Resultados da Fisioterapia Dor Crónica Lombar A.Teresa Jeremias A. Teresa Jeremias Dor Crónica Lombar Modelo Preditivo dos Resultados da Fisioterapia Dissertação de Mestrado em Fisioterapia Relatório de Projecto de Investigação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE PROCISA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE PROCISA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE PROCISA THALES FREDERICO RIBEIRO FONSECA O SIGNIFICADO DAS VIVÊNCIAS E PERCEPÇÕES DE PACIENTES

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO MAXIMUM CONSUMPTION OF OXYGEN - A COMPARATIVE ANALYSIS BETWEEN DIRECT AND INDIRECT

Leia mais

ANALYSIS OF THE ESTIMATED MAXIMUM REPETITIONS THROUGH ONE MAXIMUM REPETITION

ANALYSIS OF THE ESTIMATED MAXIMUM REPETITIONS THROUGH ONE MAXIMUM REPETITION VOLUME 3 NÚMERO 2 Julho / Dezembro 2007 ANÁLISE DAS REPETIÇÕES MÁXIMAS ESTIMADAS ATRAVÉS DO TESTE DE UMA REPETIÇÃO MÁXIMA Daiane Graziottin Borges 1 Jacqueline Souza Oliveira 2 João Paulo Manochio Riscado

Leia mais

Teoria Económica Clássica e Neoclássica

Teoria Económica Clássica e Neoclássica Teoria Económica Clássica e Neoclássica Nuno Martins Universidade dos Açores Jornadas de Estatística Regional 29 de Novembro, Angra do Heroísmo, Portugal Definição de ciência económica Teoria clássica:

Leia mais

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks Intellectual Property IFAC Formatting Guidelines Translated Handbooks AUTHORIZED TRANSLATIONS OF HANDBOOKS PUBLISHED BY IFAC Formatting Guidelines for Use of Trademarks/Logos and Related Acknowledgements

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA RESPIRAÇÃO AQUÁTICA EM CRIANÇAS DE 3 A 4 ANOS PRATICANTES DE NATAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DA RESPIRAÇÃO AQUÁTICA EM CRIANÇAS DE 3 A 4 ANOS PRATICANTES DE NATAÇÃO DESENVOLVIMENTO DA RESPIRAÇÃO AQUÁTICA EM CRIANÇAS DE 3 A 4 ANOS PRATICANTES DE NATAÇÃO Laise Cordeiro Vaz 1 Prof. Dr. José Fernandes Filho 2 Resumo: O objetivo deste estudo foi analisar o desenvolvimento

Leia mais

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing Kern, Bryan; B.S.; The State University of New York at Oswego kern@oswego.edu Tavares, Tatiana; PhD;

Leia mais

UNIVERSIDADE DE COIMBRA Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física. Jogos e Emoções

UNIVERSIDADE DE COIMBRA Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física. Jogos e Emoções UNIVERSIDADE DE COIMBRA Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física Jogos e Emoções Expressão Emocional em situações reais de jogos do Domínio Psicomotor João Carlos Fernandes Pessoa Gonçalves

Leia mais

Estimating the SF-6D value set for a population based sample of Brazilians

Estimating the SF-6D value set for a population based sample of Brazilians Estimating the SF-6D value set for a population based sample of Brazilians Luciane Cruz, Suzi Camey, Juliana Hoffmann, John Brazier, Donna Rowen, Marcelo Fleck, Carisi Polanczyk Federal University of Rio

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=581>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Herdabilidade para idade a primeira parição em éguas Mangalarga Raul Sampaio de Almeida

Leia mais

Palavras-chave: potência muscular, Judô, teste de Sterkowicz.

Palavras-chave: potência muscular, Judô, teste de Sterkowicz. ARTIGO ORIGINAL MENSURAÇÃO DA POTÊNCIA MUSCULAR EM JUDOCAS JUVENIS ATRAVÉS DO TESTE DE STERKOWICZ André Maia dos Santos André Ricardo N. Nascimento Carolina Groszewicz Brito Kelly Cristina Serafim Pós

Leia mais

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO PROJECTO PROVAS EXPERIMENTAIS DE EXPRESSÃO ORAL DE LÍNGUA ESTRANGEIRA - 2005-2006 Ensino Secundário - Inglês, 12º ano - Nível de Continuação 1 1º Momento GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

Leia mais

Educação Vocacional e Técnica nos Estados Unidos. Érica Amorim Simon Schwartzman IETS

Educação Vocacional e Técnica nos Estados Unidos. Érica Amorim Simon Schwartzman IETS Educação Vocacional e Técnica nos Estados Unidos Érica Amorim Simon Schwartzman IETS Os principais modelos Modelo europeu tradicional: diferenciação no secundário entre vertentes acadêmicas e técnico-profissionais

Leia mais

A MÁQUINA ASSÍNCRONA TRIFÁSICA BRUSHLESS EM CASCATA DUPLAMENTE ALIMENTADA. Fredemar Rüncos

A MÁQUINA ASSÍNCRONA TRIFÁSICA BRUSHLESS EM CASCATA DUPLAMENTE ALIMENTADA. Fredemar Rüncos Resumo da Dissertação apresentada à UFSC como parte dos requisitos necessários para obtenção do grau de Mestre em Engenharia Elétrica. A MÁQUINA ASSÍNCRONA TRIFÁSICA BRUSHLESS EM CASCATA DUPLAMENTE ALIMENTADA

Leia mais

Self-reported diabetes: a feasible solution for national surveys in developing countries as Brazil.

Self-reported diabetes: a feasible solution for national surveys in developing countries as Brazil. Self-reported diabetes: a feasible solution for national surveys in developing countries as Brazil. Valéria M. Azeredo Passos, Janaina Caldeira Pereira, Sandhi Maria Barreto INTRODUCTION Type 2 diabetes

Leia mais

Interactive Internet TV Architecture Based on Scalable Video Coding

Interactive Internet TV Architecture Based on Scalable Video Coding Interactive Internet TV Architecture Based on Scalable Video Coding Pedro Gomes Moscoso Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia de Redes de Comunicações Presidente: Orientador: Co-Orientador:

Leia mais

Course Computer Science Academic year 2012/2013 Subject Social Aspects of Computers ECTS 5

Course Computer Science Academic year 2012/2013 Subject Social Aspects of Computers ECTS 5 Course Computer Science Academic year 2012/2013 Subject Social Aspects of Computers ECTS 5 Type of course Compulsory Year 2º Semester 2nd sem Student Workload: Professor(s) Natalia Gomes, Ascensão Maria

Leia mais

SELEÇÃO E CÁLCULO DE TRANSMISSÃO POR CORREIAS V V BELT TRANSMISSION SELECTION AND CALCULATION TR02

SELEÇÃO E CÁLCULO DE TRANSMISSÃO POR CORREIAS V V BELT TRANSMISSION SELECTION AND CALCULATION TR02 te SELEÇÃO E CÁLCULO DE TRANSMISSÃO POR CORREIAS V V BELT TRANSMISSION SELECTION AND CALCULATION Dados de Entrada (Conhecidos) Potencia de acionamento (motor)(kw, CV, HP) Rotação (motor)(rpm) Tipo de equipamento

Leia mais

ELDER REGIS DEORATO MARQUES

ELDER REGIS DEORATO MARQUES UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Projetos sociais esportivos: um estudo das relações entre o esporte e o autoconceito ELDER REGIS DEORATO MARQUES SÃO PAULO 2012 ELDER REGIS

Leia mais

FICHAS DE UNIDADES CURRICULARES

FICHAS DE UNIDADES CURRICULARES FICHAS DE UNIDADES CURRICULARES a. Unidade curricular Course unit title: Construção da Imagem Fílmica Construction of the Filmic Image Código: 01343927 Code: 01343927 b. ECTS: 5.0 c. Horas de contacto

Leia mais

ESPAÇAMENTO DAS MUDAS DE CAFÉ NA COVA (*)

ESPAÇAMENTO DAS MUDAS DE CAFÉ NA COVA (*) ESPAÇAMENTO DAS MUDAS DE CAFÉ NA COVA (*) HÉLIO JOSÉ SCARANARI Engenheiro-agrônomo, Divisão de Agronomia, Instituto Agronômico RESUMO Quatro distâncias entre as mudas na mesma cova foram estudadas, com

Leia mais

Trabalho de Compensação de Ausência - 1º Bimestre

Trabalho de Compensação de Ausência - 1º Bimestre Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Regular. Rua Cantagalo 313, 325, 337 e 339 Tatuapé Fones: 2293-9393 e 2293-9166 Diretoria de Ensino Região LESTE 5 Trabalho de Compensação de Ausência

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia - PPGECT

Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia - PPGECT Dança: Proposta para o ensino e desenvolvimento da aptidão física na disciplina de Qualidade de Vida nos cursos de engenharia do UTFPR Campus Cornélio Procópio Sônia Maria Rodrigues Selma Rodrigues Druzini

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS Envolvimento parental e nível sociocultural das famílias: Estudo comparativo num agrupamento escolar Marco Sérgio Gorgulho Rodrigues Dissertação

Leia mais

INTERESSE DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO PELAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

INTERESSE DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO PELAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE FACES CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA INTERESSE DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO PELAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Ítalo Ferreira Costa Orion Moreira Orientador(a):

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA Coimbra, May 2013. Carlos Souza & Cristina Silva

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA Coimbra, May 2013. Carlos Souza & Cristina Silva ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA Coimbra, May 2013 Carlos Souza & Cristina Silva Population: 10,6 million. According to INE (National Institute of Statistics) it is estimated that more than 2 million

Leia mais