Estudo Químico de Anãs B do Disco Externo da Galáxia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo Químico de Anãs B do Disco Externo da Galáxia"

Transcrição

1 OBSERVATÓRIO NACIONAL MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ASTRONOMIA Estudo Químico de Anãs B do Disco Externo da Galáxia Gustavo de Almeida Bragança Orientadora: Dra. Simone Daflon Início do Doutorado: Abril de 2011 Bolsa: Capes de 04/2011 a 03/2015 Rio de Janeiro Março de 2015

2

3 Parte I Projeto A existência de gradientes radiais de abundância da nossa Galáxia já é bem estabelecida observacionalmente a partir da análise de abundâncias de objetos jovens do disco, tais como estrelas OB ou nebulosas fotoionizadas. Este resultado impõe vínculos observacionais aos modelos de Evolução Química da Galáxia (EQG), principalmente nas regiões com distância galactocêntrica R g entre 4 e 10 kpc do disco Galáctico. No entanto, os modelos de EQG são fracamente vinculados pelas observações na parte externa do disco Galáctico, a região localizada a R g > 10 kpc, além do Braço de Perseus. Do ponto de vista dos modelos, é possível produzir gradientes radiais de metalicidade mais ou menos inclinados, dependendo de alguns parâmetros associados ao processo de formação do halo, tais como os pers de densidade e tempo de formação (Chiappini et al., 2001). As diferenças na história de formação do halo afetam principalmente a parte externa dos gradientes enquanto o gradiente interno permanece inalterado. Do ponto de vista das observações, as amostras da maioria dos estudos estelares estão limitadas a distâncias galactocêntricas menores que 13 kpc. De maneira geral, em todos os estudos de gradientes de metalicidade de estrelas B da literatura, há menos de 10 estrelas B situadas além de 13 kpc do centro Galáctico. Ou seja, os gradientes de metalicidade da população estelar jovem do disco, como as estrelas B, não foram analisados em detalhe para R g 13 kpc e portanto não estabelecem um forte vínculo observacional aos gradientes previstos por diferentes modelos de evolução química da Galáxia, principalmente no que diz respeito ao disco externo. Portanto, a complementação da amostra de estrelas jovens a grandes distâncias galactocêntricas é crucial para vincular os modelos. A fraca amostragem de estrelas B localizadas em R g > 13 kpc não é justicada simplesmente por limitações observacionais, uma vez que estrelas com magnitudes até V 1415 mag podem ser facilmente observadas com grandes telescópios. Por outro lado, existem poucas estrelas identicadas e classicadas como tipo B nestas regiões mais distantes. Nos levantamentos de estrelas jovens disponíveis, a informação sobre fotometria é inexistente ou incompleta, e a classicação espectral, quando existe, é bastante incerta. Portanto, para estudar o disco externo da Galáxia, realizamos em 2008 um levantamento espectroscópico das estrelas B mais distantes do disco Galáctico, cobrindo a região situada além de 10 Kpc do centro da Galáxia. O objetivo deste projeto de pesquisa é determinar a distribuição de abundâncias de vários elementos químicos no disco externo da Galáxia. A análise de abundâncias 1

4 será feita através de síntese não-etl utilizando os programas TLUSTY/SYNSPEC. O programa TLUSTY permite calcular atmosferas estelares homogêneas, plano-paralelas, em equilíbrio radiativo e hidrostático, com um importante diferencial para o caso das estrelas OB: inclui line blanketing em não-etl, o que possibilita uma análise totalmente auto-consistente em não-etl para tais estrelas. Ou seja, tanto os modelos atmosféricos quanto a formação das linhas serão calculados em não-etl (diferente da abordagem híbrida mais comum, que é baseada em modelos atmosféricos em ETL e formação de linhas em não-etl). O programa SYNSPEC calcula o espectro emergente para uma dada atmosfera. 2

5 Parte II Situação Acadêmica Disciplinas cursadas Ano/Semestre Disciplina Conceito Créditos 2011/1 Introdução a Astronomia Observacional A /2 Ventos Estelares A /2 Nucleossíntese a Época dos Grandes Surveys A /2 Seminário Anual: "Estudo Químico do Disco Galáctico" /2 Seminário Anual: "A Via Láctea vista por suas anãs." /2 Seminário Anual: "Studies of Galactic OB Stars: The Outer Disk." 2 Eventos e outras atividades Período de um ano de doutoramento sanduíche com nanciamento da CAPES no Observatoire de la Côte d'azur, sob supervisão do Dr. Thierry Lanz. Nosso objetivo foi o desenvolvimento e teste da metodologia semi-automática de análise de estrelas OB utilizando síntese espectral. Participação do simpósio da União Astronômica Internacional (IAU) de número 307 intitulado New Windows On Massive Stars: asteroseismology, interferometry and spectropolarimetry com nanciamento parcial da IAU. O simpósio ocorreu no período de de Junho de 2014 na cidade de Genebra, Suíça. Apresentei um pôster intitulado Non-LTE Abundances in OB stars: Preliminary Results for 5 Stars in the Outer Galactic Disk e a contribuição para os proceedings (Bragança et al., 2015). Participação da XXXVIII Reunião Anual da Sociedade Astronômica Brasileira com nanciamento do DPPG/ON. O evento ocorreu no período entre 31 de agosto a 4 de setembro de 2014 na cidade de Búzios, Rio de Janeiro. Apresentei um pôster intitulado Non-LTE Abundances in OB stars: Preliminary Results for 5 Stars in the Outer Galactic Disk. Participação da banca examinadora do projeto nal de curso de Astronomia, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, intitulado Idades Cinemáticas para Anás Tardias da Vizinhança Solar, do graduando Felipe de Almeida Fernandes, orientado pelo Prof. Dr. H. J. Rocha-Pinto (OV/UFRJ), realizado em 31/03/

6 Lista de artigos publicados, aceitos e/ou submetidos Bragança, G. A., Daon, S., Cunha, K., Bensby, T., Oey, M. S., & Walth,G. 2012, AJ, 144, 130 Bragança, G.A., Lanz, T., Daon, S., Cunha, K., Garmany, C. D., Glaspey, J. W., Borges Fernandes, M., Oey, M. S., Bensby, T., & Hubeny, I., 2015, IAU Symposium, Vol. 307, Garmany, C. D., Glaspey, J. W., Bragança, G. A., Borges Fernandes, M., Oey, M. S., Cunha, K., Bensby, T., 2015, Projected Rotationa Velocities of 136 Early B-type Stars in the Outer Galactic Disk, aceito para publicação no Astronomical Journal Exame de Qualicação Título: Caracterização das Populações Estelares da Via Láctea Situação: Aprovado. Data: 03/07/2012 Banca Examinadora: Dr. V. V Smith, Dr. H. J. Rocha-Pinto, Dra. K. Cunha. Exame de Prociência Realizado no mestrado. 4

7 Parte III Situação do projeto à época do último relatório A amostra observada contém 137 estrelas e os objetos foram selecionados do catálogo Distant OB Stars in the Galaxy (Reed, 1993), seguindo o simples critério de que deveriam possuir ascensão reta entre 05 e 08h e magnitude V > 10 mag. Os objetos foram observados no telescópio Clay/Magellan localizado em Las Campanas, Chile. Utilizando a fotometria Johnson disponível em Reed (2003, 2005) podemos obter o índice livre de avermelhamento Q = (U B) 0.72 (B V ), e assim, obter a temperatura das estrelas a partir da calibração de Massey et al. (1989): log T eff = Q Q 2, (1) A Fig. 1 apresenta a distribuição de temperaturas T (Q). Nota-se um aparente caráter bimodal na distribuição de temperatura que requer mais investigações. A obtenção da temperatura espectroscópica através da síntese espectral será essencial. Comparado a distribuição de temperatura da amostra do disco local (ver Fig. 6, Bragança et al. 2012), a amostra do disco externo apresenta estrelas tipicamente mais quentes. A moda da distribuição de T (Q) da amostra de disco local se situa em torno de K enquanto que a moda da distribuição da amostra estudada aparenta ser superior a K e inferior a K. Como esta amostra é composta de estrelas mais distantes que a amostra de disco local, é possível que a amostra seja composta majoritariamente de estrelas mais brilhantes e, assim, das mais quentes. Em uma análise preliminar, já identicamos estrelas candidatas a binárias espectroscópicas. Estas estrelas serão descartadas nos passos seguintes da análise. Em outubro de 2012, iniciei o processo de aprendizado da técnica de obtenção dos parâmetros estelares através de síntese espectral. para a Esta etapa iniciou-se no NOAO com a colaboração do Dr. Ivan Hubeny e da Dr. Katia Cunha. O software de síntese espectral utilizado é o SYNSPEC. Este software, construído em FORTRAN, calcula as populações atômicas fora do Equilíbrio Termodinâmico Local (não-etl) a partir de uma grade de modelos atmosféricos plano-paralelas em não-etl pré-computados utilizando o TLUSTY (Hubeny & Lanz, 1995). Antes de iniciar a análise da amostra, nós vericamos se a síntese calculada pelo SYNSPEC é robusta. E para este m, utilizamos duas estrelas bem estudadas: HD e a HD Estas estrelas foram observadas no telescópio ESO 2.2m e seus 5

8 30 25 Number of stars T(Q) (K) Figura 1: Distribuição de T (Q) das estrelas da nossa amostra. espectros obtidos pelo instrumento FEROS; As observações são de ótima qualidade com S/N > 350 e cobertura espectral λλ Å. O primeiro passo foi vericar as linhas de hidrogênio (série de Balmer) e hélio. Os ajustes a estas linhas foram realizadas através de uma minimização da χ 2. O método atualmente utilizado sintetiza diversos espectros dentro de um intervalo nos parâmetros estudados. Neste estágio, trabalhamos apenas com T ef, log g e v sin i, pois o alargamento causado por outros parâmetros (e.g., velocidades de microturbulência e macroturbulência) é pequeno quando comparado ao causado pelo alargamento por pressão. Com a intenção de aumentar o número de linhas de He frequentemente utilizadas para os ajustes espectrais, nós atualizamos as tabelas de alargamento das linhas espectrais deste elemento. Determinamos as tabelas disponíveis na literatura e sintetizamos as linhas espectrais para cada tabela. Após uma análise linha a linha, vericamos que as tabelas de Dimitrijevic & Sahal-Brechot (1990) e Barnard et al. (1969) conseguem descrever bem as linhas espectrais de ambas as estrelas, portanto estas serão as tabelas adotadas para o restante da análise. 6

9 Parte IV Descrição detalhada da pesquisa Redigi meu último relatório no primeiro semestre de 2013, assim, faço notar que as atividades descritas abaixo referem-se a dois anos de pesquisa e desenvolvimento. O motivo pelo qual não há um relatório anual redigido em 2014 deve-se ao período de um ano de doutoramento sanduíche no Observatoire de la Côte d'azur, França, sob supervisão do Dr. Thierry Lanz. Como dito anteriormente, nossas pesquisa em busca da melhor metodologia para analisar as estrelas de nossa amostra iniciou-se em 2012, em colaboração com a Dra. Katia Cunha e o Dr. Ivan Hubeny. Inicialmente utilizávamos apenas as linhas de hidrogênio e hélio para obter as temperaturas efetivas (T ef ) e gravidades superciais (log g), porém esta metodologia se mostrou inecaz por existir um degenerescência entre estas duas propriedades. Em colaboração com o Dr. Thierry Lanz, foi possível encontrar uma metodologia mais ecaz para a obtenção dos parâmetros supracitados e outros adicionais: velocidade rotacional projetada (v sin i), velocidade de microturbulência (ξ) e valores de abundâncias dos elementos silício e oxigênio. Utilizamos, em nossa análise, 17 linhas de silício, 39 linhas de oxigênio e 3 linhas de hidrogênio. A metodologia desenvolvida permite obter os parâmetros estelares simultaneamente através de um processo iterativo. O método adotado foi desenvolvido utilizando como base o método utilizado por Hunter et al. (2007) e consiste dos seguintes passos: 1. Congura-se valores iniciais para os parâmetros estelares. Ajustamos os valores de T ef, log g e a velocidade de microturbulência a cada iteração. Os valores das abundâncias são mantidos xos nos valores solares obtidos por Asplund et al. (2009) e não se alteram a cada iteração. 2. Realiza-se o equilíbrio de ionização das espécies disponíveis Si II/III/IV e/ou O I/II/III. Efetuamos os seguintes passos: (a) Ajustamos o perl sintético ao observado para três valores de temperatura. (b) Interpolamos os valores de abundâncias dentro destes três valores. (c) Separamos as linhas espectrais por íon e calculamos a mediana e o Desvio Absoluto da Mediana 2 (DAM) dos valores de abundância. 2 Para um conjunto de dados X 1, X 2,..., X n, o Desvio Absoluto da Mediana é denido como a mediana dos desvios absolutos em relação a mediana do conjuntos de dados: DAM = mediana(x i mediana(x)). 7

10 (d) Calculamos a média ponderada das abundâncias iônicas. O peso para cada íon é o número de linhas disponíveis para aquele íon. O ponto de equilíbrio encontra-se onde o desvio padrão ponderado é mínimo. (e) Obtemos uma estimativa do erro na abundância ao propagar o DAM das abundâncias iônica para a média ponderada. Assim, obtemos valores parciais de abundância de Si e O, e valores de T ef individuais a partir de cada elemento. A temperatura nal é obtida ao calcular a média ponderada entre os dois valores, em que os pesos são os números de íons de cada elemento. Assumimos o desvio padrão ponderado como uma estimativa de erro da temperatura. Nesta etapa nós também obtemos o valor de v sin i. Nós coletamos os valores ajustados de v sin i para todas as linhas espectrais e para os três valores distintos de temperaturas. O valor nal de v sin i é a mediana dos valores ajustados. Utilizamos o DAM como indicador de incerteza no valor. 3. Obtêm-se log g ajustando as asas das linhas espectrais da série de Balmer: Hα, Hβ and Hγ. 4. A velocidade de microturbulência é denida ao requerer-se que as abundâncias de Si III e O II sejam independente da intensidade da linha. Usamos a largura equivalente das linhas espectrais como indicador da intensidade da linha. Nós utilizamos as linhas de Si III e O II pois, dos três íons presentes, estes possuem, um maior número de linhas e com intensidades variadas. Isto nos permite obter uma melhor precisão no ajuste linear. Seguimos os seguintes passos para obter a velocidade de microturbulência: (a) Ajustamos as linhas espectrais para cinco valores da velocidade de microturbulência. O passo entre os três valores é de 1 ou 2 km/s. (b) Para cada um dos cinco valores de velocidade de microturbulência, ajustamos uma reta usando regressão robusta no espaço de largura equivalente versus abundância de Si e O. (c) Em seguida, ajustamos uma reta nos valores absolutos da inclinação para o Si e O. Para cada elemento, O melhor valor de velocidade de microturbulência é aquele com valor absoluto da inclinação da reta mais próximo a zero. O valor nal de velocidade de microturbulência é a média entre os valores nais de Si e O, quando disponíveis. 8

11 5. Checa-se convergência dos parâmetros estelares básicos: T ef, log g e velocidade de microturbulência. Caso negativo, repete-se os passos interiores. 6. Caso tenha convergido, nós ajustamos as linhas de Si e O para obter os valores nais de abundância. Inicialmente, a qualidade do ajuste dos pers espectrais sintéticos aos observados era vericada de forma visual. Quando nos certicamos que nossa metodologia era auto-consistente, nós implementamos um ajuste automatizado que verica a qualidade das linhas através da minimização de χ 2. A rotina de ajuste automático foi criada pelo Dr. Ivan Hubeny em IDL, e em seguida, aprimoramo-la e a traduzimos para Python. Os aprimoramentos incluem melhor performance na execução, em que exploramos a natureza de como os códigos de síntese espectral e de convolução com pers causados pela rotação foram programados, e a possibilidade de ajustar um maior número de parâmetros. Na Figura 2 apresentamos, como exemplo, o ajuste da linha de Si III em 4552 Å da estrela HD O ajuste foi feito automaticamente com três parâmetros livres: abundância de Si, v sin i e a velocidade de macroturbulência. Os espectros observados e o sintéticos estão representados, respectivamente, em azul e vermelho. As barras verticais, na gura, indicam a região no qual a χ 2 foi calculada e o seu valor encontra-se no topo da gura, seguido dos valores ajustados para abundância de Si, v sin i (aqui indicado como vrot, e velocidade de macroturbulência, vmac_rt). Note que em nossa análise, nós utilizamos a mediana ao invés da média, o DAM ao invés do desvio padrão e regressão linear robusta ao invés da regressão linear simples. Estas ferramentas provêm da estatística robusta e este tipo de estatística é utilizado quando a distribuição não segue uma distribuição normal. Como não temos conhecimento prévio da distribuição de abundância, optamos por utilizar estas ferramentas. A estatística robusta também é menos sensível a pontos discrepantes na distribuição. Em um cenário ideal, as abundâncias e v sin i obtidos de linhas espectrais de um mesmo íon seriam a mesma. Porém isto não ocorre devido a imprecisão de diversas naturezas: nos espectros observados, nos modelos atômicos, na normalização e/ou ajustes do pers. Ao invés de descartá-las de toda as análises ou de estrelas individuais nós optamos em lidar com estes valores utilizando métodos estatísticos robustos, como já descrito anteriormente. Com estes valores, nós poderemos identicar se há algo errado em nossa metodologia e corrigi-la posteriormente. E isto nos auxiliará na criação de ferramentas que identicam estes pontos discrepantes automaticamente ao invés de ser necessário uma análise visual da distribuição. Além do desenvolvimento da metodologia e da infraestrutura computacional, eu 9

12 Figura 2: Exemplo do ajuste automático da linha de Si em 4552 Å da estrela HD Os parâmetros livres foram a abundância de Si, v sin i e velocidade de macroturbulência. Os espectros observados e o sintéticos estão representados, respectivamente, em azul e vermelho. As barras verticais indicam a região no qual a χ 2 foi calculada e o seu valor encontra-se no topo da gura, seguido dos valores ajustados para abundância de Si, v sin i (aqui indicado como vrot, e velocidade de macroturbulência, (vmac_rt). veriquei os valores da força de oscilador 3, log(gf), e a identicação das todas as transições eletrônicas de oxigênio utilizados pela síntese espectral. Apresentamos resultados preliminares em um simpósio da IAU em junho de Naquele momento, havíamos obtido os parâmetros estelares para cinco estrelas da amostra mais três estrelas usadas como amostra de controle. A Fig. 3 é uma réplica da gura presente em Bragança et al. (2015) e apresenta as abundâncias químicas se Si e O em função de T ef. As cruzes pretas representam as abundâncias adotadas para Si e O com a respectiva dispersão. Os símbolos coloridos apresentam a abundância obtida para cada espécie iônica (veja legenda) e as linhas sólidas representam o valor solar obtido por Asplund et al. (2009). Desde meu retorno ao Observatório Nacional, em agosto de 2014, as atividades exercidas incluem a normalização dos espectros das estrelas restantes da amostra, a 3 A força de oscilador é uma quantidade adimensional que expressa a probabilidade de absorção ou emissão de radiação eletromagnética em transições de níveis energéticos de um átomo. 10

13 HD ALS 404 ALS 45 HD ALS ALS ALS 48 logǫ(si) HD Si II Si III Si IV Adopted value 9.0 logǫ(o) O I O II O III Adopted value T eff (K) Figura 3: Abundâncias química de Si e O em função de T ef. As cruzes pretas representam as abundâncias adotadas para Si e O com a respectiva dispersão. Os símbolos coloridos apresentam a abundância obtida para cada espécie iônica (veja legenda) e as linhas sólidas representam o valor solar obtido por Asplund et al. (2009). adição das linhas de O II para a análise da velocidade de microturbulência, a análise das estrelas com os espectros normalizados e redação da tese. Atualmente, nós temos parâmetros estelares calculado para quinze estrelas e três descartadas devido às suas temperaturas serem superiores ao valor máximo da grade de modelos atmosféricos. 11

14 12

15 Parte V Próximas etapas No curto prazo, estou trabalhando no cálculo dos parâmetros estelares das estrelas remanescentes da amostra e, simultaneamente, na redação da tese. Minha perspectiva é de tê-la pronta até nal de maio e defendê-la na última semana de junho. No longo prazo, objetivamos melhorias para os recursos computacionais utilizados na metodologia e a aplicação desta em uma outra amostra de estrelas OB do disco local e a caracterização desta amostra (T eff fotométrica e v sin i) foi publicada em Bragança et al. (2012). Esta amostra, é composta de 350 estrelas localizadas no disco local. Sua análise química proporcionará uma inédita distribuição da abundância química atual do disco local. 13

16 Referências Asplund, M., Grevesse, N., Sauval, A. J., & Scott, P. 2009, ARA&A, 47, 481 Barnard, A. J., Cooper, J., & Shamey, L. J. 1969, A&A, 1, 28 Bragança, G. A., Daon, S., Cunha, K., Bensby, T., Oey, M. S., & Walth, G. 2012, AJ, 144, 130 Bragança, G. A., Lanz, T., Daon, S., Cunha, K., Garmany, C. D., Glaspey, J. W., Borges Fernandes, M., Oey, M. S., Bensby, T., & Hubeny, I. 2015, in IAU Symposium, Vol. 307, IAU Symposium, 9091 Chiappini, C., Matteucci, F., & Romano, D. 2001, ApJ, 554, 1044 Dimitrijevic, M. S. & Sahal-Brechot, S. 1990, A&AS, 82, 519 Hubeny, I. & Lanz, T. 1995, ApJ, 439, 875 Hunter, I., Dufton, P. L., Smartt, S. J., Ryans, R. S. I., Evans, C. J., Lennon, D. J., Trundle, C., Hubeny, I., & Lanz, T. 2007, A&A, 466, 277 Massey, P., Silkey, M., Garmany, C. D., & Degioia-Eastwood, K. 1989, AJ, 97, 107 Reed, B. C. 1993, PASP, 105, , AJ, 125, 2531 Reed, C. 2005, VizieR Online Data Catalog, 5125, 0 14

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia. Estrelas. Prof. Tibério B. Vale

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia. Estrelas. Prof. Tibério B. Vale Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia Estrelas Prof. Tibério B. Vale Propriedades Estrelas são esferas autogravitantes de gás ionizado, cuja fonte de

Leia mais

Capítulo 8. ESTRELAS : Distâncias e Magnitudes

Capítulo 8. ESTRELAS : Distâncias e Magnitudes Observatórios Virtuais Fundamentos de Astronomia Cap. 8 (Gregorio-Hetem & Jatenco-Pereira Capítulo 8 ESTRELAS : Distâncias e Magnitudes Tendo estudado de que forma as estrelas emitem sua radiação, e em

Leia mais

Departamento de Astronomia - Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Departamento de Astronomia - Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Astronomia - Universidade Federal do Rio Grande do Sul FIS02010-A - FUNDAMENTOS DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA A 3.a PROVA - 2012/1 - Turma C NOME: I.Nas questões de 1 a 20, escolhe a alternativa

Leia mais

As Cores das Estrelas

As Cores das Estrelas 1 As Cores das Estrelas Jane Gregorio-Hetem, Eduardo Brescansin de Amôres, Raquel Yumi Shida (IAG-USP) 1.INTRODUÇÃO O que aprenderei nesta atividade? Você aprenderá como os astrônomos calculam a temperatura

Leia mais

A Via Láctea Curso de Extensão Universitária Astronomia: Uma Visão Geral 12 a 17 de janeiro de 2004 Histórico Sec. XVII Galileu: descobriu que a Via-Láctea consistia de uma coleção de estrelas. Sec. XVIII/XIX

Leia mais

Determinação de Massas e Raios Estelares

Determinação de Massas e Raios Estelares Determinação de Massas e Raios Estelares 1 Introdução A massa de uma estrela é a sua característica mais importante. Conhecendo-se a massa inicial e a composição química inicial de uma estrela, devemos

Leia mais

Estudo Químico de anãs B do disco externo da Galáxia

Estudo Químico de anãs B do disco externo da Galáxia OBSERVATÓRIO NACIONAL MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ASTRONOMIA Estudo Químico de anãs B do disco externo da Galáxia Gustavo de Almeida Bragança Orientadora: Dra. Simone

Leia mais

A Via-Láctea. Prof. Fabricio Ferrari Unipampa. adaptado da apresentação The Milky Way, Dr. Helen Bryce,University of Iowa

A Via-Láctea. Prof. Fabricio Ferrari Unipampa. adaptado da apresentação The Milky Way, Dr. Helen Bryce,University of Iowa A Via-Láctea Prof. Fabricio Ferrari Unipampa adaptado da apresentação The Milky Way, Dr. Helen Bryce,University of Iowa Aparência da Via Láctea no céu noturno Imagem de todo o céu em luz visível Nossa

Leia mais

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria 5 a série 5.1) O filamento de tungsténio de uma lâmpada incandescente está à temperatura de 800 C. Determine o comprimento de onda da radiação emitida

Leia mais

Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais

Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais As transições atômicas individuais (das quais falaremos mais adiante) são responsáveis pela produção de linhas espectrais. O alargamento das linhas

Leia mais

5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia

5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia 5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 14 de Abril de 2009 15:00 Duração máxima 120 minutos Nota: Ler atentamente todas as questões. Existe uma tabela com dados no final

Leia mais

CURSO AVANÇADO EM ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA VIDA E MORTE DAS ESTRELAS. Rui Jorge Agostinho MÓDULO CAOAL VME

CURSO AVANÇADO EM ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA VIDA E MORTE DAS ESTRELAS. Rui Jorge Agostinho MÓDULO CAOAL VME CURSO AVANÇADO EM ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA DO OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA VIDA E MORTE DAS ESTRELAS MÓDULO CAOAL VME Rui Jorge Agostinho Outubro de 2013 Conteúdo Objectivos e Estrutura do Curso..............................

Leia mais

DIAGNÓSTICOS DE CAMPOS MAGNÉTICOS NA SUPERFÍCIE DO SOL, UTILIZANDO LINHAS DE CÁLCIO

DIAGNÓSTICOS DE CAMPOS MAGNÉTICOS NA SUPERFÍCIE DO SOL, UTILIZANDO LINHAS DE CÁLCIO DIAGNÓSTICOS DE CAMPOS MAGNÉTICOS NA SUPERFÍCIE DO SOL, UTILIZANDO LINHAS DE CÁLCIO José Augusto S. S. Dutra, Francisco C. R. Fernandes Universidade do Vale do Paraíba UNIVAP / Instituto de Pesquisa e

Leia mais

Astor João Schönell Júnior

Astor João Schönell Júnior Astor João Schönell Júnior As galáxias são classificadas morfologicamente (Hubble Sequence): -Espirais -Elípticas -Irregulares - Galáxias SO As galáxias espirais consistem em um disco com braços espirais

Leia mais

O Sistema Solar, a Galáxia e o Universo. Prof Miriani G. Pastoriza Dep de Astronomia, IF

O Sistema Solar, a Galáxia e o Universo. Prof Miriani G. Pastoriza Dep de Astronomia, IF O Sistema Solar, a Galáxia e o Universo Prof Miriani G. Pastoriza Dep de Astronomia, IF O Sistema Solar Matéria do Sis. Solar (%) Sol 99.85 Planetas 0.135 Cometas:0.01 Satélites Meteoróides Meio Interplanetario

Leia mais

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Por Allan J. Albrecht Proc. Joint SHARE/GUIDE/IBM Application Development Symposium (October, 1979), 83-92 IBM Corporation, White Plains, New York

Leia mais

Ventos Estelares. Wagner L. F. Marcolino (Prof. Adjunto OV/UFRJ)

Ventos Estelares. Wagner L. F. Marcolino (Prof. Adjunto OV/UFRJ) Ventos Estelares Wagner L. F. Marcolino (Prof. Adjunto OV/UFRJ) movimento do ar/gás/fluido Hidrodinâmica Definição de vento estelar: perda contínua* das partes mais externas de uma estrela ou matéria (gás/atmosfera)

Leia mais

Parâmetros Físico-Químicos de Estrelas com Planetas na Missão CoRoT

Parâmetros Físico-Químicos de Estrelas com Planetas na Missão CoRoT universidade federal do rio grande do norte centro de ciências exatas e da terra departamento de física teórica e experimental programa de pós-graduação em física Parâmetros Físico-Químicos de Estrelas

Leia mais

EXOPLANETAS EIXO PRINCIPAL

EXOPLANETAS EIXO PRINCIPAL EXOPLANETAS Antes mesmo de eles serem detectados, poucos astrônomos duvidavam da existência de outros sistemas planetários além do Solar. Mas como detectar planetas fora do Sistema Solar? Às suas grandes

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1

ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1 ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1 questão 01. O que é Astrofísica? questão 02. O que são constelações? questão 03. Como era o calendário Lunar? questão 04. Qual era diferença

Leia mais

FSC1057: Introdução à Astrofísica. A Via Láctea. Rogemar A. Riffel

FSC1057: Introdução à Astrofísica. A Via Láctea. Rogemar A. Riffel FSC1057: Introdução à Astrofísica A Via Láctea Rogemar A. Riffel Breve histórico Via Láctea: Caminho esbranquiçado como Leite; Galileo (Sec. XVII): multitude de estrelas; Herschel (XVIII): Sistema achatado

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS Executar as principais técnicas utilizadas em processamento de imagens, como contraste, leitura de pixels, transformação IHS, operações aritméticas

Leia mais

PROF. DR. JACQUES FACON

PROF. DR. JACQUES FACON PUCPR- Pontifícia Universidade Católica Do Paraná PPGIA- Programa de Pós-Graduação Em Informática Aplicada PROF. DR. JACQUES FACON LIMIARIZAÇÃO DUPLA DE ISTVÁN CSEKE PROJETO DE UMA RÁPIDA SEGMENTAÇÃO PARA

Leia mais

5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia

5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia 5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 14 de Abril de 2010 15:00 Duração máxima 120 minutos Nota: Ler atentamente todas as questões. Existe uma tabela com dados no final

Leia mais

Evolução Estelar e A Via-Láctea

Evolução Estelar e A Via-Láctea Introdução à Astronomia Evolução Estelar e A Via-Láctea Rogério Riffel http://astro.if.ufrgs.br Formação estelar - Estrelas se formam dentro de concentrações relativamente densas de gás e poeira interestelar

Leia mais

1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas,

1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas, MODELAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE PARÂMETROS CINÉTICOS FILIPE GAMA FREIRE 1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas, etc. a que chamaremos y

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas 1 AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas Ernesto F. L. Amaral 19 e 28 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro:

Leia mais

Fundamentos de Astronomia e Astrofísica. Galáxias. Tibério B. Vale. http://astro.if.ufrgs.br/

Fundamentos de Astronomia e Astrofísica. Galáxias. Tibério B. Vale. http://astro.if.ufrgs.br/ Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Galáxias Tibério B. Vale http://astro.if.ufrgs.br/ A descoberta das galáxias Kant (1755): hipótese dos "universos-ilha": a Via Láctea é apenas uma galáxia a mais

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 1.º Teste sumativo de FQA 21. Out. 2015 Versão 1 10.º Ano Turma A e B Professora: Duração da prova: 90 minutos. Este teste é constituído por 9 páginas e termina na palavra

Leia mais

Linha de Pesquisa ASTRONOMIA / FÍSICA. Situação Astrofísica de Altas Energias

Linha de Pesquisa ASTRONOMIA / FÍSICA. Situação Astrofísica de Altas Energias Projeto Isolado Descrição: de Projetos Isolados Área de Concentração: 0 Astrofísica de Altas Energias 1973 Descrição: Estudamos a natureza e evolução de fenômenos de alta energia e sua relação com as observações

Leia mais

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Pedro Feres Filho São Paulo, Brasil e-mail: pedro@pasa.com.br 1- Resumo Este trabalho teve como objetivo apresentar

Leia mais

ASTROFÍSICA OBSERVACIONAL

ASTROFÍSICA OBSERVACIONAL ASTROFÍSICA OBSERVACIONAL Roteiro Aula 1 Radiação Telescópios Instrumentos: espectrógrafos Detectores Aula 2 Espectroscopia Fotometria Imageamento Outras técnicas: astrometria, polarimetria, interferometria

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Curso: Licenciatura em Física Disciplina: Laboratório de Física Moderna Prof. Dr. Sandro Marcio Lima Prática: O experimento de Millikan 2007 1-Introdução ao

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC - Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC - Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas Trabalho de Conclusão de Curso - TCC - Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas 1. O que é o TCC? O O TCC é uma atividade de síntese e integração de conhecimentos adquiridos ao longo do curso,

Leia mais

Thales Cerqueira Mendes

Thales Cerqueira Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - UNIVASF PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA Thales Cerqueira Mendes CLASSIFICAÇÃO, CARACTERÍSTICAS,

Leia mais

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos 3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos A espectroscopia estuda a interação da radiação eletromagnética com a matéria, sendo um dos seus principais objetivos o estudo dos níveis de energia

Leia mais

Manual - Relatórios Gerenciais.

Manual - Relatórios Gerenciais. Manual - Relatórios Gerenciais. Perguntas que temos que responder quase que diariamente sobre: Vendas Financeiro Produção Emissão: 04/02/2014 Revisão: 28/05/2015 Revisado por: Juliana 1 Área de Vendas

Leia mais

Astrofotografia do sistema solar

Astrofotografia do sistema solar Astrofotografia do sistema solar Jéssica de SOUZA ALVES 1 ; Mayler MARTINS 2 1 Estudante do curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio, Bolsista de Iniciação Científica Júnior (PIBICJr) FAPEMIG.

Leia mais

Tópico 4. Como Elaborar um Relatório e Apresentar os Resultados Experimentais

Tópico 4. Como Elaborar um Relatório e Apresentar os Resultados Experimentais Tópico 4. Como Elaborar um Relatório e Apresentar os Resultados Experimentais 4.1. Confecção de um Relatório 4.1.1. Organização do relatório Um relatório é uma descrição detalhada, clara e objetiva de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Força Central. Na mecânica clássica, uma força central é caracterizada por uma magnitude que depende, apenas, na distância r do objeto ao ponto de origem da força e que é dirigida ao longo do vetor que

Leia mais

V CONGRESSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UFF/VOLTA REDONDA. Chamada de Trabalhos para as Sessões Temáticas

V CONGRESSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UFF/VOLTA REDONDA. Chamada de Trabalhos para as Sessões Temáticas UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PÓLO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA ESCOLA DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DE VOLTA REDONDA V CONGRESSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UFF/VOLTA REDONDA Chamada de Trabalhos para as

Leia mais

Exemplo da Solução 1 da Lição de Casa 1.264 Exemplo de distribuição de peças da aeronave

Exemplo da Solução 1 da Lição de Casa 1.264 Exemplo de distribuição de peças da aeronave Exemplo da Solução 1 da Lição de Casa 1.264 Exemplo de distribuição de peças da aeronave Esta é uma solução apresentada em forma de esboço somente, e não abrange todas as formas e detalhes. Ela define

Leia mais

Thomas Hub Guia do Utilizador

Thomas Hub Guia do Utilizador Thomas Hub Guia do Utilizador O seu novo e melhorado sistema de apoio à decisão sobre pessoas Descubra a forma simples e rápida de diagnosticar e desenvolver o Capital Humano Acompanhe-nos 1 Guia do Utilizador

Leia mais

BEM-VINDO À SÉRIE NEXGEN

BEM-VINDO À SÉRIE NEXGEN BEM-VINDO À SÉRIE NEXGEN O Bentley NexGen representa o resultado de mais de 20 anos de trabalho conjunto com nossos clientes. O Bentley NexGen representa a última palavra em tecnologia de ponta para análise

Leia mais

Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções

Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções 1. INTRODUÇÃO Ao se obter uma sucessão de pontos experimentais que representados em um gráfico apresentam comportamento

Leia mais

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 1 Programação Não Linear Aula 25: Programação Não-Linear - Funções de Uma única variável Mínimo; Mínimo Global; Mínimo Local; Optimização Irrestrita; Condições Óptimas; Método da Bissecção; Método de Newton.

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda Curso: Técnico de Informática Sistemas

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda Curso: Técnico de Informática Sistemas INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda Curso: Técnico de Informática Sistemas (EFA-S4A)-NS Formando: Igor Daniel Santos Saraiva Covilhã,

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global

GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global 1 Sistema de Posicionamento Global é um sistema de posicionamento por satélite que permite posicionar um corpo que se encontre à superfície

Leia mais

Roteiro para apresentação de projetos de cooperação internacional, inclusive seu Plano Operacional. Identificação das Associações Universitárias

Roteiro para apresentação de projetos de cooperação internacional, inclusive seu Plano Operacional. Identificação das Associações Universitárias Roteiro para apresentação de projetos de cooperação internacional, inclusive seu Plano Operacional O objetivo deste roteiro é facilitar a apresentação e a análise das propostas de projetos encaminhadas,

Leia mais

Galáxias. Prof. Miriani G. Pastoriza http://www.if.ufrgs.br/~mgp/

Galáxias. Prof. Miriani G. Pastoriza http://www.if.ufrgs.br/~mgp/ Galáxias Prof. Miriani G. Pastoriza http://www.if.ufrgs.br/~mgp/ Definição de gálaxia As galáxias são gigantescos sistemas formados por bilhões de estrelas e de matéria interestelar. O diâmetro típico

Leia mais

Estrelas: espetros, luminosidades e massas

Estrelas: espetros, luminosidades e massas Estrelas: espetros, luminosidades e massas J. L. G. Sobrinho 1,2 1 Centro de Ciências Exactas e da Engenharia, Universidade da Madeira 2 Grupo de Astronomia da Universidade da Madeira Resumo Praticamente

Leia mais

Como escrever um bom RELATÓRIO

Como escrever um bom RELATÓRIO Como escrever um bom RELATÓRIO Mas o que é uma EXPERIÊNCIA? e um RELATÓRIO? Profa. Ewa W. Cybulska Profa. Márcia R. D. Rodrigues Experiência Relatório Pergunta à Natureza e a procura da Resposta Divulgação

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. Herondino

Processamento de Imagem. Prof. Herondino Processamento de Imagem Prof. Herondino Sensoriamento Remoto Para o Canada Centre for Remote Sensing - CCRS (2010), o sensoriamento remoto é a ciência (e em certa medida, a arte) de aquisição de informações

Leia mais

Alex C. Carciofi. Aula 7. Estrelas: massa, raio, temperatura O Diagrama HR

Alex C. Carciofi. Aula 7. Estrelas: massa, raio, temperatura O Diagrama HR Alex C. Carciofi Aula 7 Estrelas: massa, raio, temperatura O Diagrama HR O Sol e outras estrelas Propriedades Fundamentais de uma Estrela - Luminosidade - Massa - Raio - Temperatura - Composição química

Leia mais

Universidade Federal Fluminense

Universidade Federal Fluminense Universidade Federal Fluminense Curso de Formação continuada em Astronomia Para professores de Educação Básica Prof. Dr. Tibério Borges Vale Projeto de Extensão O uso da Astronomia como elemento didático

Leia mais

GETINGE ONLINE OBTENHA ACESSO A INFORMAÇÕES EM QUALQUER LUGAR

GETINGE ONLINE OBTENHA ACESSO A INFORMAÇÕES EM QUALQUER LUGAR GETINGE ONLINE OBTENHA ACESSO A INFORMAÇÕES EM QUALQUER LUGAR 2 Getinge Online TRABALHE DE FORMA MAIS INTELIGENTE E OBTENHA UM TEMPO DE FUNCIONAMENTO MAIOR Tradicionalmente, o status do processo de esterilização

Leia mais

Aula 08 Sistema Solar

Aula 08 Sistema Solar Aula 08 Sistema Solar Hipótese de Laplace: como surgiu o sistema solar a partir da Nebulosa primordial. (1), (2) A conservação do momento angular requer que uma nuvem em rotação e em contração, deve girar

Leia mais

Lista 1_Gravitação - F 228 2S2012

Lista 1_Gravitação - F 228 2S2012 Lista 1_Gravitação - F 228 2S2012 1) a) Na figura a abaixo quatro esferas formam os vértices de um quadrado cujo lado tem 2,0 cm de comprimento. Qual é a intensidade, a direção e o sentido da força gravitacional

Leia mais

PROCESSAMENTO DE IMAGEM LRGB DO PLANETA JUPITER

PROCESSAMENTO DE IMAGEM LRGB DO PLANETA JUPITER PROCESSAMENTO DE IMAGEM LRGB DO PLANETA JUPITER Rose C. R. ELIAS 1 ; Gustavo S. ARAUJO 2 ; Mayler MARTINS 3 ¹ Aluna do Curso Técnico de Informática Integrado ao ensino médio do IFMG campus Bambuí e bolsista

Leia mais

www.periodicos.capes.gov.br I Seminário Anual CrossRef Universidade Federal de Santa Catarina

www.periodicos.capes.gov.br I Seminário Anual CrossRef Universidade Federal de Santa Catarina Portal Capes www.periodicos.capes.gov.br I Seminário Anual CrossRef Universidade Federal de Santa Catarina Maio de 2011 O Portal Capes Criado no ano de 2000, para promover o fortalecimento dos programas

Leia mais

Revisão de Estatística Básica:

Revisão de Estatística Básica: Revisão de Estatística Básica: Estatística: Um número é denominado uma estatística (singular). Ex.: As vendas de uma empresa no mês constituem uma estatística. Estatísticas: Uma coleção de números ou fatos

Leia mais

Edital nº 01/2015 EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA BOLSAS DE MESTRADO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOCIÊNCIAS

Edital nº 01/2015 EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA BOLSAS DE MESTRADO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOCIÊNCIAS Edital nº 01/2015 EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA BOLSAS DE MESTRADO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOCIÊNCIAS 1. PREÂMBULO 1.1 A Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Cálculo Numérico. ECA / 4 créditos / 60 h Introdução, Erros e Matlab. Ricardo Antonello. www.antonello.com.br

Cálculo Numérico. ECA / 4 créditos / 60 h Introdução, Erros e Matlab. Ricardo Antonello. www.antonello.com.br Cálculo Numérico ECA / 4 créditos / 60 h Introdução, Erros e Matlab Ricardo Antonello www.antonello.com.br Conteúdo Erros na fase de modelagem Erros na fase de resolução Erros de arredondamento Erros de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Força Central. Na mecânica clássica, uma força central é caracterizada por uma magnitude que depende, apenas, na distância r do objeto ao ponto de origem da força e que é dirigida ao longo do vetor que

Leia mais

Guia do professor. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância.

Guia do professor. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância. números e funções Guia do professor Objetivos da unidade 1. Analisar representação gráfica de dados estatísticos; 2. Familiarizar o aluno com gráfico de Box Plot e análise estatística bivariada; 3. Utilizar

Leia mais

Uma Revolução Na Análise De Leite

Uma Revolução Na Análise De Leite Uma Revolução Na Análise De Leite O NOVO EQUIPAMENTO DA SÉRIE NEXGEN Bentley DairySpec FT Um equipamento robusto e de alta precisão desenvolvido para análise de produtos lácteos A Série NexGen da Benltey

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

Fundamentos da Metrologia Científica e Industrial Ambiente Virtual: Balança Digital

Fundamentos da Metrologia Científica e Industrial Ambiente Virtual: Balança Digital Fundamentos da Metrologia Científica e Industrial Ambiente Virtual: Balança Digital 1. Apresentação Quatro elementos estão disponíveis no ambiente virtual: Balança digital a ser calibrada Coleção de massas

Leia mais

Até que Ponto Seus Dados estão Seguros? Por Kris Land, CTO, diretor de tecnologia da InoStor Corp.

Até que Ponto Seus Dados estão Seguros? Por Kris Land, CTO, diretor de tecnologia da InoStor Corp. Até que Ponto Seus Dados estão Seguros? Por Kris Land, CTO, diretor de tecnologia da InoStor Corp. No mundo de negócios da atualidade, nenhuma questão é mais importante para as grandes centrais de armazenamento

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

Remoção da Vinhetagem de Imagens Astronômicas no Adobe Photoshop

Remoção da Vinhetagem de Imagens Astronômicas no Adobe Photoshop Remoção da Vinhetagem de Imagens Astronômicas no Adobe Photoshop Marco Antonio De Bellis - REA/R.Janeiro INTRODUÇÃO. Denomina-se vinhetagem a não uniformidade de iluminação em uma fotografia qualquer,

Leia mais

PROGRAMA VIV_STOCK - Versão 1.0 MANUAL DO USUÁRIO. Junho de 2011

PROGRAMA VIV_STOCK - Versão 1.0 MANUAL DO USUÁRIO. Junho de 2011 PROGRAMA VIV_STOCK - Versão 1.0 MANUAL DO USUÁRIO Junho de 2011 Página 1 de 19 ÍNDICE 1. VISÃO GERAL DO PROGRAMA VIV STOCK...3 2. ESTRUTURA DO PROGRAMA VIV STOCK...3 3. ENTRADA DE DADOS...4 3.1. DADOS

Leia mais

Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti. Distribuição Normal

Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti. Distribuição Normal Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti Distribuição Normal 1. Introdução O mundo é normal! Acredite se quiser! Muitos dos fenômenos aleatórios que encontramos na

Leia mais

4.2 Modelação da estrutura interna

4.2 Modelação da estrutura interna 4.2 Modelação da estrutura interna AST434: C4-25/83 Para calcular a estrutura interna de uma estrela como o Sol é necessário descrever como o gás que o compõe se comporta. Assim, determinar a estrutura

Leia mais

Prova final teórica. 5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia. 05 de Junho de 2010 15:00. Duração máxima 120 minutos

Prova final teórica. 5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia. 05 de Junho de 2010 15:00. Duração máxima 120 minutos 5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova final teórica 05 de Junho de 2010 15:00 Duração máxima 120 minutos Nota: Ler atentamente todas as questões. Existe uma tabela com dados no final da prova 1.

Leia mais

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área.

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área. Disciplina Lógica de Programação Visual Ana Rita Dutra dos Santos Especialista em Novas Tecnologias aplicadas a Educação Mestranda em Informática aplicada a Educação ana.santos@qi.edu.br Conceitos Preliminares

Leia mais

2. Otimização de Portfolio

2. Otimização de Portfolio 2. Otimização de Portfolio 2.1. Análise de Média-Variância Portfolio (carteira, em português) é uma combinação de ativos, tais como investimentos, ações, obrigações, commodities, imóveis, entre outros.

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

Normas para Redação da Dissertação/Tese

Normas para Redação da Dissertação/Tese Normas para Redação da Dissertação/Tese Estrutura A estrutura de uma dissertação, tese ou monografia compreende três partes fundamentais, de acordo com a ABNT (NBR 14724): elementos prétextuais, elementos

Leia mais

Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D

Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D Servílio Souza de ASSIS 1,3,4 ; Izadora Aparecida RAMOS 1,3,4 ; Bruno Alberto Soares OLIVEIRA 1,3 ; Marlon MARCON 2,3 1 Estudante de Engenharia de

Leia mais

Próton Nêutron Elétron

Próton Nêutron Elétron Próton Nêutron Elétron ARNOLD SOMMERFELD MODELO ATÔMICO DE ARNOLD SOMMERFELD - 1916 Ao pesquisar o átomo, Sommerfeld concluiu que os elétrons de um mesmo nível, ocupam órbitas de trajetórias diferentes

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

Aula 1: Medidas Físicas

Aula 1: Medidas Físicas Aula 1: Medidas Físicas 1 Introdução A Física é uma ciência cujo objeto de estudo é a Natureza. Assim, ocupa-se das ações fundamentais entre os constituíntes elementares da matéria, ou seja, entre os átomos

Leia mais

Curso de Pós Graduação em Energia SEMINÁRIOS DE ENERGIA (ENE-105)

Curso de Pós Graduação em Energia SEMINÁRIOS DE ENERGIA (ENE-105) Curso de Pós Graduação em Energia SEMINÁRIOS DE ENERGIA (ENE-105) Prof. Dr. Federico Bernardino Morante Trigoso Prof. Dr. Luis Alberto Martinez Riascos Santo André, SP Setembro de 2012 federico.trigoso@ufabc.edu.br

Leia mais

Informações para alunos, pais e responsáveis Avaliação de Aptitudes Básicas (FSA Foundation Skills Assessment): Perguntas e Respostas

Informações para alunos, pais e responsáveis Avaliação de Aptitudes Básicas (FSA Foundation Skills Assessment): Perguntas e Respostas Informações para alunos, pais e responsáveis Avaliação de Aptitudes Básicas (FSA Foundation Skills Assessment): Perguntas e Respostas 1 Pergunta O que é a Avaliação de aptitudes básicas (FSA)? Resposta

Leia mais

ÇÃO À ASTRONOMIA (AGA-210) Notas de aula INTRODUÇÃ. Estrelas: do nascimento à Seqüê. üência Principal. Enos Picazzio IAGUSP, Maio/2006

ÇÃO À ASTRONOMIA (AGA-210) Notas de aula INTRODUÇÃ. Estrelas: do nascimento à Seqüê. üência Principal. Enos Picazzio IAGUSP, Maio/2006 INTRODUÇÃ ÇÃO À ASTRONOMIA (AGA-210) Notas de aula Estrelas: do nascimento à Seqüê üência Principal Enos Picazzio IAGUSP, Maio/2006 De que são formadas as estrelas? Átomo: elemento básico b da matéria

Leia mais

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS Este curso se restringirá às discussões dos princípios básicos das ciências térmicas, que são normalmente constituídas pela termodinâmica,

Leia mais

A Aplicação dos Métodos Estatísticos nas áreas de Química e Biologia:Análise em Periódicos

A Aplicação dos Métodos Estatísticos nas áreas de Química e Biologia:Análise em Periódicos A Aplicação dos Métodos Estatísticos nas áreas de Química e Biologia:Análise em Periódicos Maria Imaculada Lima Montebelo Maria Luisa Meneghetti Calçada INTRODUÇAO A publicação de um artigo científico

Leia mais

Formação estelar e Estágios finais da evolução estelar

Formação estelar e Estágios finais da evolução estelar Elementos de Astronomia Formação estelar e Estágios finais da evolução estelar Rogemar A. Riffel Formação estelar - Estrelas se formam dentro de concentrações relativamente densas de gás e poeira interestelar

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE ALTA FLORESTA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIODIVERSIDADE E AGROECOSSISTEMAS

Leia mais

Figura 1 - O movimento da Lua em torno da Terra e as diferentes fases da Lua

Figura 1 - O movimento da Lua em torno da Terra e as diferentes fases da Lua Estudo do Meio Físico e Natural I Movimentos reais e aparentes dos astros J. L. G. Sobrinho Centro de Ciências Exactas e da Engenharia Universidade da Madeira A Lua e a Terra A Lua está a sempre visível

Leia mais

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departamento de Matemática - CCE Cálculo Numérico - MAT 271 Prof.: Valéria Mattos da Rosa As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia

Leia mais

Astrobiologia Mestrado e Doutorado em Física e Astronomia

Astrobiologia Mestrado e Doutorado em Física e Astronomia Astrobiologia Mestrado e Doutorado em Física e Astronomia Prof. Dr. Sergio Pilling Aluno: Alexandre Bergantini de Souza Evelyn Cristine. F. M. Martins Aula 7 - Zona de Habitabilidade: Estelar, Planetária

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano.

As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano. PROFESSORA NAIANE As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano. A este movimento dá-se o nome de movimento

Leia mais

Medida da velocidade de embarcações com o Google Earth

Medida da velocidade de embarcações com o Google Earth UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Instituto de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Mestrado Profissional em Ensino de Física Medida da velocidade de embarcações com o Google Earth

Leia mais