UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, ARTES E LETRAS DEPARTAMENO DE MÍDIAS DIGITAIS CURSO DE COMUNICAÇÃO EM MÍDIAS DIGITAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, ARTES E LETRAS DEPARTAMENO DE MÍDIAS DIGITAIS CURSO DE COMUNICAÇÃO EM MÍDIAS DIGITAIS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, ARTES E LETRAS DEPARTAMENO DE MÍDIAS DIGITAIS CURSO DE COMUNICAÇÃO EM MÍDIAS DIGITAIS THALES HENRIQUE LIMA DE LUCENA PRODUÇÃO DE CURTA DE ANIMAÇÃO 2D João Pessoa PB 2014

2 THALES HENRIQUE LIMA DE LUCENA PRODUÇÃO DE CURTA DE ANIMAÇÃO 2D Relatório técnico-cientifico, apresentado ao curso de Comunicação em Mídias Digitais da Universidade Federal da Paraíba, Campus I, João Pessoa, como parte das atividades para obtenção do título de Bacharel em Mídias Digitais. Orientador: Prof. Me. Jorge Luís Pacheco Barcelos. João Pessoa PB 2014

3 Catalogação da Publicação na Fonte. Universidade Federal da Paraíba. Biblioteca Setorial do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA). Lucena, Thales Henrique Lima de. Produção de curta de animação 2D / Thales Henrique Lima de Lucena. - João Pessoa, f.:il. Relatório (Graduação em Mídias digitais) Universidade Federal da Paraíba - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes. Orientador: Prof. Me. Jorge Luís Pacheco Barcelos. 1. Animação. Roteiro. 3. Storyboard. 4. Desenho I. Título. BSE-CCHLA CDU

4 THALES HENRIQUE LIMA DE LUCENA PRODUÇÃO DE CURTA DE ANIMAÇÃO 2D Relatório técnico-cientifico, apresentado ao curso de Comunicação em Mídias Digitais da Universidade Federal da Paraíba, Campus I, João Pessoa, como parte das atividades para obtenção do título de Bacharel em Mídias Digitais. Aprovada em: / / Prof. Me. Jorge Luís Pacheco Barcelos Professor Orientador Prof. Dr. Bertrand de Souza Lira Examinador Prof. Me. Alexandre Vieira Maschio Examinador João Pessoa PB 2014

5 AGRADECIMENTOS Ao professor Olavo Mendes, que me serviu como referência de organização, seriedade e dedicação para desenvolver este e futuros projetos. Ao mеυ orientador, professor Jorge Barcelos, pelo apoio na elaboração deste trabalho. A Kathelen Larissa pelo incentivo e apoio constante. A Jéssica Azevedo pelo companheirismo e opiniões sinceras sobre este projeto. A minha irmã Elba Lima pelo apoio e companheirismo. Aos amigos que fiz durante estes anos no Curso de Comunicação em Mídias Digitais e outros da instituição. E a todos que direta ou indiretamente fizeram parte da minha formação.

6 "Quando você faz em um fração de segundo o que os outros levariam horas para fazer, tudo parece mágica" (Steve Jobs)

7 RESUMO A produção de um curta de animação requer muito trabalho e envolve muitas etapas de produção, algumas simples e outras de maior complexidade. Diante disto, procurou-se estudar e analisar de forma teórica e prática as etapas fundamentais da produção de uma animação: o desenvolvimento de roteiro, criação de personagens, elaboração de um storyboard, escolha da trilha sonora, produção do animatic, animação e por fim, a edição. A proposta deste projeto foi desenvolver um curtametragem de animação 2D analisando as etapas envolvidas nesse processo com o uso de ferramentas digitais como os softwares Flash e After Effects, usados na animação e edição, respectivamente. A produção deste curta se deu graças a publicações de diversos autores podendo-se destacar: Preston Blair, como guia na construção de personagens mais elaborados e atraentes, Sergi Càmara na orientação do desenvolvimento de toda a produção e Richard Williams, como guia nos fundamentos da animação. Palavras-chave: animação, roteiro, storyboard, desenho, Medusa

8 ABSTRACT The production of a short animation requires hard work and involves many stages of production, some simple and others more complex. Given this, we tried to study and analyze the theoretical and practical fundamental steps in the production of an animation: the screenplay development, creating characters, developing a storyboard, choosing the soundtrack, producing the animatic, animation and finally, editing. The purpose of this project was to develop a short film 2D animation analyzing the steps involved in this process with the use of digital tools such as Flash and After Effects software, used in animation and editing, respectively. The production of this short is thanked posts from various authors and may be highlighted: Preston Blair, as a guide in the construction of more elaborate and compelling characters, SergiCàmara in guiding the development of the whole production and Richard Williams, as a guide on the fundamentals of animation. Keywords: animation, script, storyboard, design, Medusa

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Esquema de produção de um filme de animação Figura 2: Paradigma de um roteiro dividido em três atos Figura 3: Formas primitivas podem indicar a personalidade do personagem Figura 4: Cenário separado em layers Figura 5: Modelo de folha de storyboard usado em algumas produções Figura 6: Acima movimento continuo. Abaixo, movimento de aceleração e desaceleração Figura 7: Esquema de produção do curta Medusa Figura 8: Fragmento do roteiro decupado Figura 9: Modelsheet da personagem Medusa Figura 10: A direita partes independentes do personagem Narciso Figura 11: Print screen de cenário feito no Photoshop Figura 12: Print screen de fragmento do storyboard Figura 13: Storyboard impresso e colado em painel Figura 14: Print screen de pesquisa de música no site "incompetech.com" Figura 15: Print screen da tela do programa Audacity Figura 16: Print screen da tela do Premiere. Fonte: Elaborada pelo autor Figura 17: Print screen de animação quadro a quadro Figura 18: Print screen do AfterEffects com a junção de personagem e cenário Figura 19: Print screen do After com a composição final do vídeo

10 10 SUMÁRIO Apresentação INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Breve história da animação Iniciando um projeto de animação Elaborando um roteiro Desenvolvendo personagens e cenários Storyboard O som da animação Animatic Animação Edição Metodologia Etapas de Produção Escrevendo o Roteiro Criando personagens e cenários Painel de storyboard Pesquisa de som Produzindo o animatic Animando Editando animação RESULTADOS CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICE Roteiro... 36

11 11 APRESENTAÇÃO Durante muitos anos foram produzidos filmes e animações com temas mitológicos onde deuses, heróis e criaturas tiveram suas histórias contadas de diversas maneiras, porém sua essência é sempre mantida. Podemos observar isso com as histórias do herói Hércules que são contadas de diversas maneiras, mas em todas ele é mostrado como um semideus possuidor de grande força. Esta força é sua característica mais marcante, e por tanto, poucos se arriscam a contar a história de um Hércules fraco explorando o seu lado mais humano. É o caso da Medusa, que é sempre mostrada como uma criatura assustadora, temida e cruel, como é dito por Perseu em uma passagem da obra Prometeu Acorrentado: [...] onde vivem as três velhas, filhas de Fórcis, as três irmãs com aspecto de cisne, que só tem um dente, e um só olho em comum, e que jamais verão os raios do sol, nem o astro da noite. Não estarão longe as três outras irmãs, as aladas Górgonas1, monstros execrados pelos humanos; suas cabeças estão eriçadas de serpentes: quem as contemplar, morrerá imediatamente; ficas avisada do perigo. (ÉSQUILO, 2005) Por meio deste projeto, tem-se o objetivo de criar uma nova versão para a antiga história da Medusa mostrando-a de uma forma diferente, meiga e bela, indo contra o mito da terrível Górgona. Modificar um arquétipo tão antigo e popular exige cuidados para que o personagem não deixe de ser reconhecido. No caso da Medusa, outras características fortes permitem sua identificação neste projeto, as cobras no lugar dos cabelos e sua capacidade de transformar pessoas em pedra com o seu olhar foram mantidas para que o público se sinta familiarizado com a obra. INTRODUÇÃO O presente trabalhado de conclusão de curso tem como objetivo desenvolver um curta animado propondo um estudo das etapas de produção da animação, possibilitando um aprofundamento teórico e prático. 1 Nome usado para se referir as irmãs Esteno, Euríale e Medusa. (RIBEIRO JR.,1998)

12 12 O interesse por produzir um curta de animação digital 2D partiu da admiração pela técnica e pelo interesse profissional em seguir nesta área com produções de curtas e séries animadas. A animação no Brasil é um mercado em crescimento constante e cuja sua qualidade técnica vem apresentando melhoras significativas. Atualmente no país a produção regular de curtas animados, incentivados por mostras e festivais como o Anima Mundi, vem encorajando animadores em suas produções e os entusiasmando a se aventurarem em áreas pouco exploradas no território nacional, como séries para a TV e web e a produção de longas-metragens. O público vem apresentando maior aceitação das produções nacionais apesar de algumas resistências principalmente por parte de distribuidores, porém o mercado internacional está com os olhos cada vez mais voltados a produções brasileiras. Em 2013 no festival de Annecy na França o prêmio de melhor longa foi do brasileiro Luiz Bolognesi com o filme Uma história de amor e fúria (2013) e a edição de 2014 tem a participação de mais 3 longas nacionais, O Menino e o Mundo de Alê Abreu, Até que a Sbornia nos separe de Otto Guerra e Luz, Anima, Ação de Eduardo Calvet mostrando que as portas para este mercado estão cada vez mais abertas. O desenvolvimento desta animação ajudará em um aprofundamento na área, permitindo que se estude as etapas de produção e edição e ainda, desenvolver métodos que melhor se adéquem as rotinas de trabalho. A produção do curta animado tem como objetivo estudar as principais etapas de produção da animação: desenvolvimento do roteiro, storyboard, criação de personagens e cenários, escolha da trilha sonora, animatic e edição. De título Medusa, de acordo com o quinto tratamento do roteiro (APÊNDICE Roteiro), tem a proposta de desenvolver uma história sobre a vida da jovem Medusa que não consegue se aproximar de seus pretendentes por transformar todos que se aproximam dela em pedra. O curta tem como público-alvo a faixa etária de 10 anos, seguindo orientações do Manual da Nova Classificação Indicativa produzido pelo Ministério da Justiça Departamento de Justiça, Classificação, Títulos e Qualificação (2006) 2. O desenvolvimento deste projeto é instigante pela possibilidade de levantar referências sobre animação e conhecer novas metodologias de trabalho 2 Disponível em: Classifica%C3%A7%C3%A3o-Indicativa.pdf Acesso em: 18/fev./2014.

13 13 praticadas por animadores que já estão no mercado, assim se torna importante na orientação de trabalhos futuros. 1. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A humanidade busca dar a sensação de movimento à imagem desde o início da nossa história. As primeiras tentativas de comunicação, desenhos em cavernas e pequenas esculturas, mostravam imagens de animais correndo e homens caçando e colhendo, eram as primeiras tentativas de retratar o movimento usando as ferramentas disponíveis. Essas buscas pelo movimento, durante séculos, levaram aos estudos sobre persistência da retina de Joseph Plateau quando surgiu a ideia de animação como entendemos hoje, dando origem a criação do Fenaquistiscópio 3. Nesta fase serão apresentadas uma breve história da animação e as principais etapas de produção utilizadas no desenvolvimento deste curta; roteiro, storyboard, criação de personagens, escolha de áudios, animatic, animação e edição Breve história da animação Em 1895 os irmãos Lumiere registraram com um cinematógrafo os filmes A chegada de um trem à estação e A saída dos operários de uma fábrica, estes filmes deram início ao cinema e por sua vez da animação (MASCARELLO, 2006). Já em 1906 temos a primeira animação experimental, feita por James Stuart Blackton, The Humorous Phasesof Funny Faces, um curta de 3 minutos que abriu horizontes de possibilidades para novas expressões utilizando desenhos em movimento. Apenas dois anos depois temos Fantasmagorie, 1908, utilizando uma técnica similar à de seu antecessor, Emile Cohl trouxe em seu trabalho um refinamento significante e certa delicadeza nos movimentos de seus personagens mostrando que a animação teria um futuro promissor. Segundo Vita (2008) Emile Cohl mostrava personagens ativos e com movimentos mais convincentes. 3 Brinquedo onde era possível ter a ilusão de movimento através da rotação de um disco que continha várias imagens desenhadas.

14 14 Com o passar dos tempos as animações foram se tornando populares e cada vez mais animadores surgiram. Após conquistar o público, gerou-se a necessidade de se produzir cada vez mais animações a curtos prazos o que levou ao surgimento dos estúdios de animação que passaram a estudar novas formas que pudessem diminuir o tempo e os custos das produções animadas. Esses estudos levaram ao desenvolvimento das folhas de celuloide, conhecidas como acetato, que foram largamente usadas na produção de filmes animados. O animador Earl Hurd demonstrou que desenhar sobre o acetato traria um grande avanço para as animações, permitindo separar os personagens do cenário, dando uma maior liberdade artística aos animadores (NESTERIUK, 2011). Esta invenção possibilitou o desenvolvimento e popularização desta mídia entre outras grandes inovações técnicas ao longo de todo o século XX Iniciando um projeto de animação Durante muitos anos para produzir uma animação era necessário uma grande equipe e orçamentos elevados para custear seus integrantes e a enorme quantidade de material gasto no seu desenvolvimento. Com os avanços da tecnologia as animações também passaram por mudanças permitindo que pequenas equipes, ou até mesmo uma única pessoa produzisse uma animação completa com todas as ferramentas necessárias e baixo orçamento (CÀMARA, 2005). Ao se iniciar um projeto é importante visualizar todas as fases de produção necessárias para seu desenvolvimento, permitindo que os envolvidos estudem as necessidades quanto a profissionais, equipamentos e materiais, prazos e orçamento. Uma grande produção conta com muitas etapas, como propõe Sergi Càmara (2005) em seu livro O desenho animado, onde ele expõe um extenso esquema de produção (Figura1) comum em filmes animados e que serviu como base para a produção do curta Medusa. As etapas mostradas no esquema de Càmara geralmente são seguidas em grandes projetos, porém, produções menores tornam por descartar ou adaptar muitas dessas etapas.

15 15 Figura 1: Esquema de produção de um filme de animação. Fonte: Càmara (2005) Elaborando um roteiro A elaboração de um bom roteiro é de fundamental importância não apenas para lograr bons resultados no trabalho final, mas um roteiro bem estruturado pode garantir uma produção segura e sem surpresas desagradáveis. Para Nesteriuk (2011), o surgimento do roteiro para audiovisual se deu com o desenvolvimento do cinema que ao longo dos anos foi ganhando força e dimensões maiores existindo a necessidade de gerir uma linha de pensamento capaz de orientar a equipe, sendo possível imaginar o filme antes dele ser produzido. O roteiro também teria a importância de atrair e convencer grandes investidores a apostarem no produto, analisando a partir do texto os gastos necessários e o potencial que pode se atingir. Escrever um roteiro exige do roteirista certa dedicação e disciplina, pois ele é escrito por partes, cada etapa é iniciada após a conclusão da anterior. Escrever um roteiro é um processo passo a passo. Um passo de cada vez. Primeiro, encontra-se um tema; depois, estrutura-se a ideia; procuram-se os

16 16 dados que façam falta; posteriormente, estrutura-se o primeiro ato em fichas de 3x5; então, escreve-se o roteiro, dia a dia. Quando o primeiro rascunho está pronto, fazem-se uma revisão profunda e as alterações necessárias para o ajustar à dimensão adequada. Por último é preciso poli-lo até estar pronto para ser visto por todos. (FIELD, 1979 apud COMPARATO, 1995) Para Comparato (1995) o roteiro se inicia a partir de uma ideia que mexe com o autor e faz com que ele sinta a necessidade de relatar. Porém, a ideia é algo abstrato e que deve ser refinado, o que leva ao conflito da obra. Esse conflito é escrito em uma frase, chamada de storyline, que servirá de base para todo o desenvolvimento do texto. Com o roteiro desenvolvido, deve-se definir o que Comparato chama de tempo dramático, fase onde é definido o tempo de acordo com o que a cena pede. Uma cena de ação, por exemplo, pode ser mostrada com rapidez para provocar maior agitação, enquanto uma cena romântica com um tempo mais lento leva o espectador a um envolvimento maior com a cena. Por fim temos a unidade dramática, que se trata do roteiro finalizado pronto para ser gravado, aqui o diretor usa o roteiro como guia se orientando pelas cenas. Um roteiro normalmente segue a estrutura básica de três atos, onde a história é dividida em apresentação, confronto e resolução. Segundo O'Neil (2005): esta é uma das técnicas mais naturais da produção de roteiros pois permite facilmente que o público se envolva com a história. Figura 2: Paradigma de um roteiro dividido em três atos. Fonte: Field (2001). Para Field (2011) o primeiro ato, ou início, é a parte mais importante do roteiro, é nele que o escritor tem que apresentar os personagens principais, do que se trata a história e como ela se sucede, sendo esta parte responsável por manter o interesse ou afastar o espectador nos primeiros minutos. O segundo ato, o confronto, é fase onde os problemas vão surgindo e o personagem principal enfrenta desafios que o impedem chegar a seus objetivos. Por fim, o terceiro ato, ou

17 17 resolução, é a conclusão da história, porém não significa o fim mas sim a solução dos problemas seguidos do fim e os créditos. Não existe regra para a aplicação dos três atos podendo a ordem ser alterada de acordo com a necessidade criativa do autor Desenvolvendo personagens e cenários Para a criação de um personagem o primeiro passo é definir sua personalidade. Uma característica sempre deve se destacar, seja ele bobo, fofo, meigo, malvado ou mal-humorado. A importância na definição da sua personalidade se dá pelo fato dela refletir diretamente a sua aparência física. Quando o desenhista inicia seu estudo, ele desenha formas que podem simbolizar a personalidade do seu personagem. Personagens mal humorados ou muito inteligentes podem ter uma forma quadrada, já aqueles fofos e meigos, formas redondas e ovais para reforçar sua graça. Segundo Blair (1994), esse estudo de forma faz com que o personagem passe maior credibilidade e realismo. Figura 3: Formas primitivas podem indicar a personalidade do personagem. Fonte: Blair (1994). Além da forma, outra característica importante em um personagem é a pose. Por natureza somos capazes de identificar alguém pelos seus gestos e jeito de andar, o mesmo ocorre com personagens de desenho animado. Definir uma boa pose deve tornar um desenho fácil de ser reconhecer, como ocorre com super-

18 18 heróis e vilões que possuem poses opostas, sendo um para cima demonstrando virilidade e o outro arqueado mostrando inferioridade (CÀMARA, 2005). Com o personagem definido é importante que se crie padrões para garantir que ao longo da animação não haja deformações ou mudanças bruscas tanto de cor quanto de forma, para isso é criado o modelsheet. Nele o personagem é desenhado em diferentes posições, sendo as principais: de frente, perfil, três quartos e de costas. Com essas poses definidas é possível ter referência suficiente para evitar que o personagem seja desenhado de forma equivocada durante o processo de produção. O cenário é um elemento complementar da cena, podendo ser complexo ou ser resumido a uma cor sólida. Segundo Nesteriuk (2011), o mais importante a se pensar em um cenário é a ambiência, ou seja, o clima que será refletido em toda a cena e se ela afetará o comportamento do personagem. Em uma velha casa escura o personagem pode demonstrar medo e andar lento, diferente caso esteja em uma festa com muitas cores onde ele poderia apresentar um comportamento agitado e animado. Quando se está construindo um personagem 2D digitalmente, é importante que ele seja desenhado de tal forma que as partes do corpo sejam separadas como cabeça, corpo, braços e pernas, assim o animador pode movimentá-las de forma independente como se manipulasse um fantoche (Garza, 2012). A construção do cenário segue o mesmo princípio, sendo todos os elementos de cena criados individualmente e separados por camadas, também chamadas de layers, permitindo separar imagens por profundidade como primeiro plano e background, assim como é mostrado na Figura4.

19 19 Figura 4: Cenário separado em layers. Fonte: Fowler (2002) Storyboard Com o roteiro pronto é importante visualizar a animação antes dela ser produzida, para isso é desenvolvido o storyboard, roteiro desenhado em quadros. No storyboard é possível definir a câmera e os ângulos que serão usados nas cenas. Segundo Nesteriuk (2011), a origem do storyboard se deu nas primeiras décadas do século XX quando o diretor Gregory LaCava desenhou uma sequência de pequenos desenhos, os thumbnails 4, e fez anotações sobre duração e planos que serviram de orientação na pré-produção de animações que dirigiu. Webb Smith, animador dos Estúdios Walt Disney, veio a aperfeiçoar a técnica, vindo a utilizar quadros maiores e mais detalhado similar ao que se utiliza atualmente como storyboard. Nesteriuk completa: No início da década seguinte, Smith sugeriu aumentar o tamanho de cada quadro desenhado, utilizando uma folha de papel para cada desenho realizado, ao invés de diversos desenhos miniaturizados em forma de tirinha. Smith também sugeriu pendurar cada desenho sequencialmente em grandes painéis de cortiça, nos quais se tornaria mais simples adicionar ou remover as folhas com os desenhos. Também permitiria dessa maneira que os artistas de storyboard pudessem acompanhar o fluxo visual de toda uma sequência de uma só vez, em escala maior de tamanho, um pouco mais próxima a de uma tela de aparelho de televisão. O aperfeiçoamento do storyboard promovido por Smith foi fundamental para a realização de Branca de Neve e os Sete Anões (1937), o primeiro longa-metragem em animação produzido pelos Estúdios Disney. Em pouco tempo, os estúdios de animação passaram a utilizar o storyboard em todas as suas produções 4 Desenhos de cenas em miniaturas, geralmente esboço feito antes do sttoryboard final.

20 20 e, a partir do final da década de 20, já havia menções de artistas de storyboard nos créditos das animações. Atualmente os estúdios de animação utilizam pautas de storyboard complexas, nelas são indicadas título, números do episódio da cena, tipo de plano e tempo de produção e descrição do cenário. Também são feitas anotações com falas, movimentos de câmera e outras anotações que o diretor achar importante para a produção da cena (CÀMARA, 2005). Figura 5: Modelo de folha de storyboard usado em algumas produções. Fonte: Càmara (2005) O som da animação O som é um elemento importante na animação moderna pois ela funciona como um guia que prepara e orienta o espectador dentro das cenas. O som pode trazer sensações de tensão, medo, calmaria e agitação, e também antecipar acontecimentos, portanto, a escolha das músicas e efeitos sonoros devem ser feitas com certo planejamento e cuidado, para que seja reforçado ao espectador o sentimento que a cena pede. Como diz Nesteriuk (2011): Assim, elementos musicais como altura, timbre, intensidade, duração, letra, melodia, harmonia e ritmo, dialogam constantemente com os elementos visuais apresentados em uma cena a fim de compor uma unidade entre estas linguagens. Dentro dos sons que compõem uma animação, temos os efeitos sonoros. Segundo OPOLSKI (2013), o ato de sincronizar o som com imagem é chamado de

21 21 foley e é geralmente dividida em; steps, que são os passos, clothes, as roupas e props, os objetos de cena, que juntos formam a ambiência que auxilia na construção do filme. É comum que os profissionais de foley não utilizem sons reais na cena, mas utilizem efeitos dramáticos e abstratos, também chamados de sound effects. Outro item importante para compor o áudio de uma cena é o background (BG), ele é responsável pelo som de fundo e não costuma se destacar, mas auxilia o espectador a imaginar o local onde o personagem se encontra. O background, comumente chamado de BG, nada mais é do que o som ambiente de determinada cena, sempre denso e continuo, sem eventos sonoros pontuais que se possam se destacar. Se a ação se passa no centro de uma cidade, provavelmente o BG será construído por sons contínuos de movimentação de carros e pessoas conversando. Ao contrário, se a atriz principal encontra-se em meio a uma floresta admirando árvores, flores e toda a natureza, o BG será constituído por sons de grilos, pássaros, ventos, quem sabe a água de um riacho que corre ali por perto etc (OPOLSKI, 2013). Quando todos os elementos de sons estão prontos, eles são reunidos, montados e editados para serem sincronizado com a imagem Animatic O animatic é um estudo apurado do storyboard, uma animação grosseira mas com tempo próximo ou igual ao que se pretende trabalhar na animação final, nele também são estudados os ângulos e câmeras com o movimento apropriado para cada cena. Para Nesteriuk (2011), o animatic é uma versão audiovisual do storyboard onde os quadros são expostos na tela por um determinado tempo até ser substituído pelo próximo. Apesar dos movimentos, o animatic ainda não é considerado uma animação por não possui acabamento nem fluidez servindo apenas como um guia com indicações de câmera e sincronia de som. Animatics podem ser simples (vídeo storyboard) como uma sequência de slides ou mais sofisticados (high-end), semelhantes a uma animação limitada, com algum movimento de câmera, deslocamento de personagens e objetos, transições e efeitos simples de vídeo. Independentemente de seu nível final de acabamento, devem sincronizar o áudio com a imagem apresentada. Para tanto, softwares de edição e pós-produção de vídeo são utilizados para gerar o arquivo audiovisual (NESTERIUK, 2011).

22 Animação O papel da animação é dar vida a imagem estática. Para que isto ocorra de forma natural o animador deve tornar seus personagens o mais convincentes possíveis. Um item muito importante é a expressão facial. Muitos animadores nesta etapa, trabalham com o uso de referencial de vídeos, observam atores e modelos ou simplesmente utilizam um espelho com o qual fazem as mais diversas expressões para se orientarem na hora de dar vida aos personagens (CÀMARA, 2005). Segundo WILLIAMS (2001), os elementos principais a serem dominados pelo animador são o tempo e o espaço, são eles responsáveis por tornar o movimento do objeto a ser animado natural e realista. Como exemplo, Williams apresenta o movimento de uma moeda gravada no tempo de um segundo, se o animador deseja mostrar um movimento constante ele deve movimentar a moeda a cada quadro em espaços iguais, porém, para dar um movimento natural o animador deve utilizar espaços diferentes, quanto maior for este espaço mais rápido a moeda se movimentará, permitindo se trabalhar com aceleração e desaceleração. Figura 6: Acima movimento continuo. Abaixo, movimento de aceleração e desaceleração. Fonte: WILLIAMS (2001) Càmara (2005), descreve a produção da animação como a utilização de uma mesa com luz em baixo onde se desenha em uma folha e ao término de um desenho se coloca o próximo papel por cima, permitindo se visualizar a imagem anterior usando-a como referência para o próximo movimento. Este princípio se mantem quando se trabalha com técnica digital. Atualmente os softwares dispõem de ferramentas similares que permitem o mesmo efeito, onde é possível desenhar

23 23 um movimento visualizando o anterior através de uma transparência como o Flip Book e Adobe Flash Edição Na edição ocorre o processo de ordenação das cenas, associação ao áudio e aplicação de efeitos. Apesar de parecer exclusivamente técnico é necessário que o editor ou montador tenha noções de narrativa para que a animação final apresente fluidez e não cause confusão na continuidade da história. Para Aumont (2008), a técnica de montagem consiste em três operações principais que são, seleção, agrupamento e junção que em conjunto levam ao filme. Aumont completa O objeto sobre o qual a montagem se exerce são os planos de um filme (ou seja, para explicitar ainda mais: a montagem consiste em manipular planos com o intuito de constituir um outro objeto, o filme. Assim como em filmes live-action, aqueles produzidos com atores reais, a animação passa por princípios semelhantes onde cabe ao editor selecionar e unir as cenas que melhor possam contar uma história. 2. METODOLOGIA ETAPAS DE PRODUÇÃO Nesta sessão serão apresentadas as formas de produção usada no desenvolvimento do curta de animação Medusa. Assim, este capítulo tem o objetivo de descrever as etapas de produção e as ferramentas utilizadas na aplicação da técnica escolhida para a produção da animação. Assim como citado no referencial teórico, foi usado como referência para o desenvolvimento da animação o esquema de produção de animação de Càmara (2005). Porém, foram feitas adaptações de acordo com as necessidades encontradas no projeto, resumindo o esquema original a etapas básicas de produção como mostrado na Figura 6.

24 24 Figura 7: Esquema de produção do curta Medusa. Fonte: Elaborada pelo autor 2.1. Escrevendo o Roteiro A construção do roteiro foi feito com base na mitologia grega com o objetivo de dar um novo rumo a uma antiga história, propondo uma nova visão sobre a lenda mitológica da Medusa. Para tanto foram buscadas na web referências que possibilitaram na escrita maior intimidade com o personagem principal, conhecendo versões de outros autores e sua origem. O roteiro foi construído seguindo a técnica de três atos como citado no referencial teórico, onde a história foi dividida em apresentação do personagem principal e o problema enfrentado por ele, seguido por um momento excitação e a conclusão. Este roteiro foi finalizado em seu quinto tratamento, ou seja, passando por cinco versões, levando em conta pequenas e grandes alterações. Em seguida foi feita uma versão decupada com indicações de sons e câmeras de forma detalhada (Figura 8). Para a construção do roteiro foi utilizado o editor Microsoft Word e, com o texto impresso, foram feitas anotações no próprio papel referente à mudança de ordem de algumas cenas, cortes e adaptações e andamento na produção.

ANIMAÇÕES WEB AULA 3. princípios da animação. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

ANIMAÇÕES WEB AULA 3. princípios da animação. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com ANIMAÇÕES WEB AULA 3 princípios da animação professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com Animação - conceito É a técnica que cria a ilusão de movimento a partir de uma sequência de desenhos ou imagens.

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM Vinheta Sala de Cinema 1 Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM RESUMO Esse trabalho surgiu a partir das atividades de um projeto de extensão (Pibex)

Leia mais

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL O FEST CURT CELU Guia Curta Fácil 2 A câmera de cinema funciona como se fosse uma máquina fotográfica que dispara milhares de foto em um espaço muito

Leia mais

Trilhando um Blues 1

Trilhando um Blues 1 Trilhando um Blues 1 Cristian Giovani Belló ROSA 2 Eduarda de Oliveira dos SANTOS 3 Francielle CARMINATTI 4 Mayara BOHNENBERGER 5 Mariana Dalpizzo DORINI 6 Robison FLEMMING 7 Arnaldo Telles FERREIRA 8

Leia mais

Fig. 247 Storyboard 2

Fig. 247 Storyboard 2 173 Fig. 247 Storyboard 2 174 Fig. 248 Storyboard 2 Fig. 249 Storyboard 2 175 176 3.2.5 Edição visual e sonora Foram realizadas algumas etapas: análise, seleção e edição da imagem (correção de cor, luz,

Leia mais

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté 1 Conteúdo TIPOS DE PLANOS... 3 PLANO GERAL... 3 PLANO MÉDIO... 3 PLANO AMERICANO... 4 PRIMEIRO PLANO OU CLOSE-UP... 4 PRIMEIRÍSSIMO PLANO... 4 MOVIMENTOS DE CÂMERA... 5 PANORÂMICAS - PANS... 5 PANORÂMICA

Leia mais

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo?

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo? Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica Ela faz cinema Ela faz cinema Ela é demais (Chico Buarque) CINEMA Chegou o momento de escolher um curso. Diante de tantas carreiras e faculdades

Leia mais

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Existem infinitas maneiras de organizar, produzir e finalizar uma obra audiovisual. Cada pessoa ou produtora trabalha da sua maneira a partir de diversos fatores:

Leia mais

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo Produzindo e divulgando fotos e vídeos Aula 1 Criando um vídeo Objetivos 1 Conhecer um pouco da história dos filmes. 2 Identificar a importância de um planejamento. 3 Entender como criar um roteiro. 4

Leia mais

EDIÇÃO Marilia Mello Pisani

EDIÇÃO Marilia Mello Pisani O presente texto faz parte do curso de Produção de Vídeo e é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição Não Comercial 3.0. Não Adaptada. Permissões além do escopo dessa licença podem estar

Leia mais

Ministério da Educação Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular. Programa de Oficina de Multimédia A. 11º Ano

Ministério da Educação Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular. Programa de Oficina de Multimédia A. 11º Ano Programa de Oficina de Multimédia A 11º Ano Curso Tecnológico de Multimédia Autores Adriano Rangel (Coordenador) Ana Alvim Beatriz Gentil João Cruz Miguel Carvalhais Homologação 25/10/2005 Índice Elenco

Leia mais

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 TÍTULO: Animatic - Marionetas Digitais Interactivas ORIENTADORES: Professor Doutor Aníbal Ferreira Professor Doutor Rui Torres ALUNO:

Leia mais

O Bilhete 1 Ricardo Costa FELIX 2 Ana Cecília Aragão GOMES 3 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 4 Universidade Potiguar - UnP - Natal / RN

O Bilhete 1 Ricardo Costa FELIX 2 Ana Cecília Aragão GOMES 3 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 4 Universidade Potiguar - UnP - Natal / RN O Bilhete 1 Ricardo Costa FELIX 2 Ana Cecília Aragão GOMES 3 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 4 Universidade Potiguar - UnP - Natal / RN RESUMO O curtametragem em animação stop-motion O Bilhete, com

Leia mais

WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL

WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL PROGRAMA Tronco Comum SESSÃO 1 Apresentação do Workshop e Introdução à Linguagem Audiovisual 3 horas Apresentação dos intervenientes (formador e formandos). Apresentação

Leia mais

Aula 05. CINEMA: profissões

Aula 05. CINEMA: profissões Aula 05 CINEMA: profissões Profissões do Cinema O cinema pode ser dividido em diversos processos, onde se envolvem diferentes tipos de profissionais: Roteiro Produção Realização Decupagem Decupagem de

Leia mais

Instruções e Dicas Especializadas de Montagem Autor: Denison Guizelini, para o Animecon de 2010

Instruções e Dicas Especializadas de Montagem Autor: Denison Guizelini, para o Animecon de 2010 Instruções e Dicas Especializadas de Montagem Autor: Denison Guizelini, para o Animecon de 2010 As instruções a seguir fazem parte do conjunto das Regras do Concurso de Vídeo-Clips do Animecon 2010. Estas

Leia mais

ESCOLA E B 2,3 INFANTE D. FERNANDO

ESCOLA E B 2,3 INFANTE D. FERNANDO Agrupamento de Escolas de Vila Real de Santo António ESCOLA E B 2,3 INFANTE D. FERNANDO UNIDADE DE TRABALHO: ANIMAÇÃO DE IMAGENS COMO DAR VIDA ÀS IDEIAS Prof. Helena Gomes Ano letivo: 2011/2012 Escola

Leia mais

Roteiro. Coordenador do curso Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto. Autor Professor Conteudista Rafael Moralez

Roteiro. Coordenador do curso Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto. Autor Professor Conteudista Rafael Moralez Roteiro 1 Coordenador do curso Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto Autor Professor Conteudista Rafael Moralez PACC Programa Anual de Capacitação Continuada Curso: Produção de Vídeo. de Massetto, F. I.,

Leia mais

O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO

O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Marly de Menezes Gonçalves, Doutoranda em Arquitetura pela FAU/USP FASM - Faculdade Santa Marcelina professora do

Leia mais

Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida. por Caio Amon. Imagens Sonoras. A Expansão da Imagem pelo Som

Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida. por Caio Amon. Imagens Sonoras. A Expansão da Imagem pelo Som Imagens Sonoras por Caio Amon A Expansão da Imagem pelo Som Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida Aprenda a produzir som e trilha para seus projetos. Imagens Sonoras A Expansão

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o da d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a Muvizu M a n u

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

TUTORIAL COMO CRIAR E EDITAR UM VÍDEO NO WINDOWS MOVIE MAKER*

TUTORIAL COMO CRIAR E EDITAR UM VÍDEO NO WINDOWS MOVIE MAKER* TUTORIAL COMO CRIAR E EDITAR UM VÍDEO NO WINDOWS MOVIE MAKER* * Microsoft Windows MovieMakeré um programa da Microsoft Corporation. A versão utilizada é a 5.1 que já vem instalada no Microsoft Windows

Leia mais

VÍDEO DA CAMPANHA DE DIVULGAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO DO PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DOS CATADORES 1

VÍDEO DA CAMPANHA DE DIVULGAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO DO PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DOS CATADORES 1 VÍDEO DA CAMPANHA DE DIVULGAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO DO PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DOS CATADORES 1 Gabriela Viero GARCIA 2 Jana GONÇALVES 3 Samira Tumelero VALDUGA 4 Luciano MATTANA 5 Universidade Federal

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. PALAVRAS-CHAVE: Stop motion; animação; filme publicitário; Universitar.

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. PALAVRAS-CHAVE: Stop motion; animação; filme publicitário; Universitar. Universitar: o Desafio da Cidadania na versão stop motion 1 Annelena Silva da LUZ 2 Filipe Mendes AYOUB 3 Giandra Carla dos SANTOS 4 Mariângela Barichello BARATTO 5 Juliana PETERMANN 6 Universidade Federal

Leia mais

Prefácio... 9 Introdução... 11

Prefácio... 9 Introdução... 11 SUMÁRIO Prefácio... 9 Introdução... 11 1. Um caminho para a produção em vídeo de baixo orçamento: cinema de grupo... 15 Criando um curta-metragem em vídeo...17 2. O roteiro... 20 A ideia (imagem geradora)...20

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

Regulamento das oficinas

Regulamento das oficinas Regulamento das oficinas As oficinas oferecidas pelo Cine Festival Inconfidentes Festival Nacional de Cinema e Vídeo de Mariana são gratuitas e abertas à participação da comunidade; Cada pessoa poderá

Leia mais

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios...

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... Sumário APRESENTAÇÃO DA EDIÇÃO BRASILEIRA... 13 PREFÁCIO... 19 PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... 29 Decisões

Leia mais

Telejornal Sala 221 1

Telejornal Sala 221 1 Telejornal Sala 221 1 Thayane dos Santos MOREIRA 2 Gabriela Barbosa NEVES 3 Kamila Katrine Nascimento de FREITAS 4 Marcelo LIMA 5 Maryjane da Costa PEREIRA 6 Cogenes Felipe Silva de LIRA 7 Zulmira NÓBREGA

Leia mais

Fotos necessárias para a confecção da estatueta. Rosto

Fotos necessárias para a confecção da estatueta. Rosto Fotos necessárias para a confecção da estatueta Todo o trabalho é referenciado em fotos, ou seja, não nos responsabilizamos por material fotográfico que confecção, para isto criamos este guia, para atender

Leia mais

Apostila Artes Audiovisuais

Apostila Artes Audiovisuais INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CAMPUS SERTÃOZINHO Apostila Artes Audiovisuais ROTEIRO Cinema,Televisão e Vídeo 3a. Revisão 2010 Prof. MS. Ricardo Stefanelli 1 Projeto para Roteiro Audiovisual Vídeo Artes

Leia mais

Contação de Histórias PEF

Contação de Histórias PEF Contação de Histórias PEF Qual a importância da narração oral? -Exerce influência tanto sobre aspectos intelectuais quanto emocionais da criança. -Tem a capacidade de estimular a imaginação, a criatividade

Leia mais

Relatório da Atividade de Desenvolvimento

Relatório da Atividade de Desenvolvimento - 1 - Relatório da Atividade de Desenvolvimento Conto de Fadas Interativo Introdução Como uma estudante do curso de Comunicação Social com Habilitação em Midialogia, acho importante conhecer as tecnologias

Leia mais

Jovens do mundo todo Conheça outras culturas

Jovens do mundo todo Conheça outras culturas 5 a a 8 a séries Ensino Fundamental Jovens do mundo todo Conheça outras culturas Softwares Necessários: Microsoft Encarta 2000 Internet Explorer 5,0 Microsoft Publisher 2000 Microsoft Word 2000 Áreas:

Leia mais

História da Animação

História da Animação História da Animação 1 Sombras Chinesas Originárias na China por volta de 5.000 a.c., foram disseminadas na Indonésia e depois da Europa do século XVII. Os teatros de sombras utilizam marionetes articulados,

Leia mais

Os 12 Princípios Fundamentais da Animação (por Disney) Prof. Mario Mancuso

Os 12 Princípios Fundamentais da Animação (por Disney) Prof. Mario Mancuso Os 12 Princípios Fundamentais da Animação (por Disney) Prof. Mario Mancuso Os 12 Princípios Fundamentais da Animação São 12 conceitos estabelecidos pro Walt Disney como essenciais para a criação de uma

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO Jéssica Dalla Corte¹ Márcia Moreno (Orientadora) ² Universidade Comunitária da Região de Chapecó-Unochapecó Resumo: Esta

Leia mais

PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS. 1. Qualificação Social 100 horas

PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS. 1. Qualificação Social 100 horas PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS 1. Qualificação Social 100 horas INCLUSÃO DIGITAL - 30 horas (15 h de prática) Ementa: Introdução à informática, hardware e software. Descrição

Leia mais

ANIMAÇÃO DIGITAL O CURSO

ANIMAÇÃO DIGITAL O CURSO ANIMAÇÃO DIGITAL O CURSO Através dos dois maiores softwares para criação de personagens e edição de filmes aprenda a dar os primeiros passos no universo cinematográfico. Este curso aborda também toda técnica

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Conhecendo o Rosquinha. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Balinha e Dentinho encontram um cachorro perdido

Leia mais

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA Projeto de Atividades 1º Edição Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais 1. INTRODUÇÃO A educação atualmente não pode se restringir apenas ao ambiente escolar, o estudante

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3 WORD 2007 E 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 A série... 3 01 CAPTURAS DE TELA WORD 2010... 3 02 IMAGENS 2007/2010... 5 03 NOTAS DE RODAPÉ... 13 04 NUMERAÇÃO DE PÁGINAS... 15 05 CONTAR PALAVRAS...

Leia mais

CRÍTICA GENÉTICA E ROTEIROS DE CINEMA

CRÍTICA GENÉTICA E ROTEIROS DE CINEMA CRÍTICA GENÉTICA E ROTEIROS DE CINEMA Carlos Gerbase 1 Resumo Este ensaio mostra as diversas fontes que podem ser utilizadas na crítica genética de roteiros de cinema (incluindo não só textos, mas também

Leia mais

3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO

3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO 3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO Fazer vídeos hoje em dia já não é o bicho de 7 cabeças que realmente foi a pouco tempo atrás. Nesse e-book você vai começar a aprender

Leia mais

ATUALIZAÇÃO E REVISÃO DE DVD DE VÍDEOS DA DISCIPLINA INSTRUMENTAÇÃO PARA O ENSINO

ATUALIZAÇÃO E REVISÃO DE DVD DE VÍDEOS DA DISCIPLINA INSTRUMENTAÇÃO PARA O ENSINO Universidade Estadual de Campinas UNICAMP RELATÓRIO FINAL ATUALIZAÇÃO E REVISÃO DE DVD DE VÍDEOS DA DISCIPLINA INSTRUMENTAÇÃO PARA O ENSINO Harti Luiz Sachser Jr. RA 016267 José J. Lunazzi Orientador 1.

Leia mais

Instituto CARANGUEJO

Instituto CARANGUEJO Apresenta: OFICINA DE ANIMAÇÃO STOP MOTION O que é Stop Motion? Stop Motion é uma técnica de animação feita quadro a quadro através de fotos. Desse modo um objeto inanimado ganha vida, através de uma ilusão

Leia mais

Como produzir um. Vídeo. .com. propaganda>marketing>web

Como produzir um. Vídeo. .com. propaganda>marketing>web 1 - ROTEIRO O que é? Como fazer - exemplo. 2 - STORYBOARD O que é? Como fazer - exemplo 3 - CAPTAÇÃO DE IMAGENS Cenas, planos, modos, etc. 4 - LOCUÇÃO Abordagem dramática. 5 - EDIÇÃO DE AUDIO E VÍDEO O

Leia mais

Pós-Produção. Prof. Adriano Portela

Pós-Produção. Prof. Adriano Portela Pós-Produção Prof. Adriano Portela Pós-Produção A pós-produção pode ser o aspecto menos compreendido pelo produtor. É nessa fase que as cenas e o áudio são editados e mixados para criar uma obra coerente

Leia mais

APRESENTAÇÃO O CURSO

APRESENTAÇÃO O CURSO APRESENTAÇÃO A Especialização em Áudio para Rádio, TV e Cinema destina-se para quem quer trabalhar com broadcast e/ou radiodifusão, mercado em franca ascensão no Brasil. Além da microfonação, fundamental

Leia mais

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO Mestres 1 Tiago Fernandes 2 Marcelo de Miranda Noms 3 Mariane Freitas 4 Tatiane Moura 5 Felipe Valli 6 Bruno Moura 7 Roberto Salatino 8 Conrado Langer 9 Prof. Msc. Luciana Kraemer 10 Centro Universitário

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola Municipal de Ensino Fundamental David Canabarro Florianópolis, 3892 Mathias Velho/Canoas Fone: 34561876/emef.davidcanabarro@gmail.com DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Stefani do Prado Guimarães Ano

Leia mais

Objetivo desta Aula. Um tópico a cada vez. Roteiro apresentar tópicos gerais

Objetivo desta Aula. Um tópico a cada vez. Roteiro apresentar tópicos gerais Objetivo desta Aula Apresentar dicas de como preparar apresentações Ronaldo Lopes Oliveira Especialização em Produção de Bovinos DPA/MEV/UFBA 2007 Apresentar dicas de como fazer a apresentação Apresentar

Leia mais

A animação de personagens nos processos digitais

A animação de personagens nos processos digitais A animação de personagens nos processos digitais Maurício Mazza - Character Animator, com formação em Ciência da Computação, especialização em Design de Hipermídia e mestrando em Design. maumazza@yahoo.com

Leia mais

TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO. Prof. Mario Mancuso

TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO. Prof. Mario Mancuso TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO Animação de Recortes 2 A animação de recortes é uma técnica específica de animação que utiliza personagens, objetos e cenários recortados de materiais como papel, cartão, tecido ou

Leia mais

As diversas fases da produção publicitária e institucional

As diversas fases da produção publicitária e institucional As diversas fases da produção publicitária e institucional Roteiro Projeto Preparação Pré-produção Filmagem Desprodução Finalização Projeto Uma vez finalizado o roteiro pela agência, o produtor (da produtora)

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

PASSO A PASSO MOVIE MAKER

PASSO A PASSO MOVIE MAKER PASSO A PASSO MOVIE MAKER Nesta etapa, você deverá apresentar o programa e ajudá-los a montarem o filme. Veja como é fácil. Siga as instruções do passo-a-passo: DICA O que é o Movie Maker? Com o Microsoft

Leia mais

Prática 3 Princípios da Animação

Prática 3 Princípios da Animação Prática 3 Princípios da Animação As animações em um site são bem discutidas quanto ao seu uso, pois, qualquer coisa que se movimenta na visão periférica ocupa lugar na consciência. Isso faz com que o usuário

Leia mais

Anúncio sobre o uso consciente do elevador 1

Anúncio sobre o uso consciente do elevador 1 Anúncio sobre o uso consciente do elevador 1 Ana Clara TELMO 2 Carolina FORLÉO 3 Raíza JASPER 4 Fábio HANSEN 5 Escola Superior de Propaganda e Marketing, Porto Alegre, RS RESUMO Hoje, fala-se da importância

Leia mais

direção dos noivos MACETES PARA A

direção dos noivos MACETES PARA A Fotografia Social MACETES PARA A direção dos noivos Na oitava e última aula da série sobre fotografia de casamento, o especialista Vinícius Matos ensina truques preciosos e fundamentais para dirigir quem

Leia mais

Desenvolvimento de animações e simulações modeladas por computador aplicadas à educação

Desenvolvimento de animações e simulações modeladas por computador aplicadas à educação 2010 Desenvolvimento de animações e simulações modeladas por computador aplicadas à educação Mogi Guaçu/SP Desenvolvimento de animações e simulações modeladas por computador aplicadas à educação Equipe

Leia mais

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS. 01- Quem são os personagens que dialogam na história? R.:

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS. 01- Quem são os personagens que dialogam na história? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PRODUÇÃO TEXTUAL - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= Querido(a)

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica 3. Uso de diagonais 4. Regra dos terços 5. O Ponto Dourado Composição fotográfica 15 dicas para ter imagens com harmonia e proporção. Este tutorial vai ajudá-lo a usar melhor uma câmera fotográfica, compacta

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA As letrinhas mágicas. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Uma visita ao zoológico. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO As Vogais vão ao zoológico e têm contato com

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Pós-produção Audiovisual: módulo básico MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso Maio 2013. ESPM Unidade Sul

Pós-produção Audiovisual: módulo básico MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso Maio 2013. ESPM Unidade Sul ESCOLA DE CRIAÇÃO Pós-produção Audiovisual: módulo básico MANUAL DO CANDIDATO Ingresso Maio 2013 ESPM Unidade Sul Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Habilitação Profissional

Leia mais

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena OSUTERBOS DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. JANEIRO escrito por: Antפnio Carlos Calixto Filho Personagens: Dana de Oliveira uma moça simples ingênua morena olhos pretos como jabuticaba,1.70a,sarad a cabelos

Leia mais

Como é a criança de 4 a 6 anos

Como é a criança de 4 a 6 anos de 4 a 6 anos Como é a criança Brinque: lendo histórias, cantando e desenhando. A criança se comunica usando frases completas para dizer o que deseja e sente, dar opiniões, escolher o que quer. A criança

Leia mais

Movie Maker: Recurso para produção e comunicação.

Movie Maker: Recurso para produção e comunicação. Movie Maker: Recurso para produção e comunicação. O que é o Windows Movie Maker? O Windows Movie Maker é um programa de computador que permite criar vídeos ou editar os que já existem e transformá-los

Leia mais

Bem-vindo ao Corel VideoStudio Pro X5

Bem-vindo ao Corel VideoStudio Pro X5 Sumário Bem-vindo ao Corel VideoStudio Pro X5........................... 2 Novos recursos e aprimoramentos............................... 4 Conhecer a área de trabalho....................................

Leia mais

Uma Visão Geral do Currículo para os Pais Seu Filho na Primeira Série

Uma Visão Geral do Currículo para os Pais Seu Filho na Primeira Série Uma Visão Geral do Currículo para os Pais Seu Filho na Primeira Série Caros Pais e Guardiões: Seus filhos vêm para a escola trazendo com eles uma grande bagagem de conhecimento e uma carga de varias experiências

Leia mais

ENSAIO FOTOGRÁFICO URBANO. Arthur Felipe Pereira Souza UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

ENSAIO FOTOGRÁFICO URBANO. Arthur Felipe Pereira Souza UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS ENSAIO FOTOGRÁFICO URBANO Arthur Felipe Pereira Souza UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INTRODUÇÃO Apesar de muitos considerarem Joseph Nicéphore Niépce como sendo o inventor da fotografia, ela não é uma

Leia mais

Análise Semiótica de Anúncio de TV

Análise Semiótica de Anúncio de TV Análise Semiótica de Anúncio de TV DADOS TÉCNICOS: Título: Segredos; Anunciante: Etti ; Criação: Fábio Fernandes e Renata Flori; Agência: F/Nazca; Produto: Molho de Tomate Salsaretti; Ano de veiculação

Leia mais

Filme publicitário Agência Germano s Turismo Rotina Improvável 1

Filme publicitário Agência Germano s Turismo Rotina Improvável 1 RESUMO Filme publicitário Agência Germano s Turismo Rotina Improvável 1 Thalita SALVIATTI 2 Jaqueline MASSUCATO 3 Michelly BONIFÁCIO 4 Rafaela ALVES 5 Renata PARDIAL 6 Grécia MARTINS 7 Tiago PATRICIO 8

Leia mais

Microsoft Power Point 2007

Microsoft Power Point 2007 Microsoft Power Point 2007 Sumário Layout e Design 4 Formatação de Textos 8 Salvando um arquivo do PowerPoint 15 Plano de Fundo 16 Marcadores 18 Réguas e grade 19 Tabelas 20 Gráficos 21 Imagens 22 Smart

Leia mais

Introdução ao Design de Games

Introdução ao Design de Games Introdução ao Design de Games 1. Público-Alvo Qualquer pessoa com idade superior a 15 anos, profissional da área ou não, interessada em tomar contato e desenvolver os conhecimentos básicos para iniciar-se

Leia mais

ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007

ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007 ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007 CURITIBA 2015 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007... 3 JANELA PRINCIPAL... 3 1 - BOTÃO OFFICE... 4 2 - FERRAMENTAS DE ACESSO

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

REVISÃO GESTALT. Viviane Aiex

REVISÃO GESTALT. Viviane Aiex REVISÃO GESTALT Viviane Aiex 1. Leitura Visual do Objeto pelas Leis da Gestalt 1) Unidades: que são os elementos que configuram a forma; 2) Segregação: que é o ato se separar, perceber ou identificar as

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. 12035351 CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA LINGUAGEM DO SOM E DA IMAGEM II (Áudio/Vídeo)

Leia mais

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO Eletiva VOCÊ EM VÍDEO E.E. Princesa Isabel Número da sala e sessão Professor(es) Apresentador(es): Adriana Prado Aparecida Pereira da Silva Realização: Foco A Escola Estadual Princesa Isabel, por meio

Leia mais

TÍTULO: UNIVERSIDADE 3D - PROGRAMAÇÃO EM AMBIENTE VIRTUAL 3D E MODELAGEM

TÍTULO: UNIVERSIDADE 3D - PROGRAMAÇÃO EM AMBIENTE VIRTUAL 3D E MODELAGEM Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: UNIVERSIDADE 3D - PROGRAMAÇÃO EM AMBIENTE VIRTUAL 3D E MODELAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA:

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

Verdade? 1. Geraldo Augusto Aquino Guimarães 2 Jefferson José Ribeiro de Moura 3 Faculdades Integradas Teresa D Ávila - Lorena, SP

Verdade? 1. Geraldo Augusto Aquino Guimarães 2 Jefferson José Ribeiro de Moura 3 Faculdades Integradas Teresa D Ávila - Lorena, SP Verdade? 1 Geraldo Augusto Aquino Guimarães 2 Jefferson José Ribeiro de Moura 3 Faculdades Integradas Teresa D Ávila - Lorena, SP RESUMO No trabalho apresentado aqui, tem-se um roteiro, um unitário com

Leia mais

LAYOUT O layout (disposição de elementos de texto e imagens em uma peça gráfica).

LAYOUT O layout (disposição de elementos de texto e imagens em uma peça gráfica). Adriana C. Almeida O QUE É? Falleiros (2003) conceitua editoração eletrônica como o ramo da computação gráfica voltado para a produção de peças gráficas e editoriais, tais como jornais, livros, revistas,

Leia mais

QUADRINHOS NO ENSINO DE QUÍMICA - UMA ATIVIDADE DIFERENTE PARA ABORDAR OS CONCEITOS DE ELETRONEGATIVIDADE E POLARIDADE DAS LIGAÇÕES

QUADRINHOS NO ENSINO DE QUÍMICA - UMA ATIVIDADE DIFERENTE PARA ABORDAR OS CONCEITOS DE ELETRONEGATIVIDADE E POLARIDADE DAS LIGAÇÕES QUADRINHOS NO ENSINO DE QUÍMICA - UMA ATIVIDADE DIFERENTE PARA ABORDAR OS CONCEITOS DE ELETRONEGATIVIDADE E POLARIDADE DAS LIGAÇÕES Gerciclea Rodrigues ALVES 1, Maílson Alves de OLIVEIRA 2, José Euzébio

Leia mais

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula José Manuel Moran A seguir são apresentadas sugestões de utilização de vídeo, CD e DVD. Vídeo como produção Como documentação, registro de eventos, de aulas,

Leia mais

Exercícios orientadores da aprendizagem e sua solução; Indicação das referências complementares para cada

Exercícios orientadores da aprendizagem e sua solução; Indicação das referências complementares para cada 9 MATERIAIS DIDÁTICOS - Com base no conhecimento adquirido nas reuniões anteriores, o professor deve preparar uma proposta dos materiais que pretende produzir para o seu curso/disciplina. - É importante

Leia mais

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores Profª Levany Rogge Os softwares são considerados programas educacionais a partir do momento em que são projetados através de uma metodologia que os contextualizem no processo ensino-aprendizagem; Tajra

Leia mais

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS Saída Profissional 03.01 TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS O Técnico de Artes Gráficas é um profissional qualificado, conhecedor do fluxo de produção gráfica, e apto para o exercício de profissões ligadas à composição,

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Pesquisas e seminários Como fazer?

Pesquisas e seminários Como fazer? +++ + COLÉGIO DOS SANTOS ANJOS Avenida Iraí, 1330 - Planalto Paulista - Telefax: 5055.0744 04082-003 - São Paulo - e-mail: colsantosanjos@colegiosantosanjos.g12.br Site: www.colegiosantosanjos.g12.br Q

Leia mais

Projeto: O cinema vai à escola Do enredo à trilha sonora: os desafios da linguagem cinematográfica

Projeto: O cinema vai à escola Do enredo à trilha sonora: os desafios da linguagem cinematográfica Projeto: O cinema vai à escola Do enredo à trilha sonora: os desafios da linguagem cinematográfica Profª Mariana Villaça SESC-SP, 23/5/2013 Elementos da linguagem cinematográfica: identificando o enredo

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA AUTOR / AUTOR: Iara Cardoso INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) Unicamp,

Leia mais

CINEMA E AUDIOVISUAL

CINEMA E AUDIOVISUAL CINEMA E AUDIOVISUAL O curso apresenta aos alunos um panorama das principais técnicas, conceitos e habilidades necessárias para o desenvolvimento de atividades relacionadas à finalização de PÓS-PRODUÇÃO

Leia mais