Experiências Piloto sobre Atenção da Dependência e Autonomia Pessoal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Experiências Piloto sobre Atenção da Dependência e Autonomia Pessoal"

Transcrição

1 Experiências Piloto sobre Atenção da Dependência e Autonomia Pessoal Relatório Instituto da Segurança Social, I.P.

2 INDICE Introdução P.3 Plataforma de Autonomia Pessoal Beneficiários P.6 Objetivos P.6 Resultados Esperados P.7 Processo de Gestão de Conteúdos P.7 Plataforma de Cuidadores a Pessoas Dependentes Beneficiários P.15 Objetivos P.16 Resultados Esperados P.17 Processo de Gestão de Conteúdos P.17 Formação Caraterização Amostral P.22 Módulos e conteúdos P.26 Instrumentos e ferramentas P.26 Objetivos P.26 Conclusões P.27 Bibliografia P.30 Apêndices/Anexos (ex: cronograma, esquema conteúdos plataformas, etc) P.31 Introdução

3 Desde que foi criada por Tim Berners-Lee em 1989, a World Wide Web, WWW ou simplesmente Web, foi criada no final dos anos 90 por nos laboratórios CERN como uma solução para os problemas de intercâmbio de informações entre os pesquisadores. Desde então, a tecnologia para construção de interfaces Web vem sendo progressivamente incrementada permitindo o desenvolvimento de aplicações cada vez mais complexas. No início, a Web era apenas um ambiente para publicação de documentos no formato texto e HTML (Hypertext Markup Language) e, portanto, a interação dos usuários era limitada a ler/imprimir texto e a selecionar links para outros documentos. Na sequência, vieram os formulários e programas CGIs ( Common Gateway Interface) que permitem a entrada de dados do usuário e a integração com aplicações de banco de dados. Como consequência desta inovação, surgem aplicações complexas que utilizam a Web não apenas para troca de informações, mas como plataforma para aplicações distribuídas como, por exemplo, o comércio eletrônico e intranets (em que empresas usam a Web para gerenciar informações internas). Atualmente, outras tecnologias de interface como por exemplo, ActiveX, Java e JavaScript, entre outras, permitem um tipo de interação do usuário próximo ao encontrado nas tradicionais interfaces WIMP (Windows, Icons, Mouse and Pointers, como MS Windows, por exemplo). Durante este processo evolutivo, o número de usuários e de sites Web cresceram exponencialmente. A Web tornou-se acessível a todas as pessoas, e conta com uma grande variedade de aplicações. Contudo, observa-se que tal popularidade não implica necessariamente em usuários satisfeitos. Muitos sites Web são visitados uma única vez pelos usuários. Em muitos casos, isso ocorre não porque o conteúdo do site não os interessa mas sim porque eles foram incapazes de encontrar a informação desejada. A dificuldade em encontrar informações no site é, sem dúvida, o problema de usabilidade mais relatado por usuários. Usabilidade é o termo técnico usado para descrever a qualidade de uso de uma interface (BEVAN, 1995). Essa é uma qualidade importante pois interfaces com usabilidade aumentam a produtividade dos usuários, diminuem a ocorrência e erros (ou as sua importância) e, não menos importante, contribuem para a satisfação dos usuários.

4 A satisfação é um critério importante, embora não o único, para determinação da qualidade global da aplicação. De um modo geral, este é um critério final para que o usuário adquira um software ou visite regularmente um site. O presente relatório resulta da actividade inerente à adjudicação à Prova de Êxito da Aquisição de Serviços de Gestão de 2 plataformas Web formativas para promoção do envelhecimento activo e cuidado a idosos, no âmbito do POCTEP Programa Operacional de Cooperação Transfronteiriça Espanha/Portugal, nos termos das especificações técnicas constantes do ofício P.2001/12/ Neste sentido, foi proposto o roadmap e cronograma anexos a este relatório, para concretização do projecto e seus objectivos: Formação presencial em tecnologias de informação (mínimo de 25h) em competências informáticas e web básicas em: a) Viana do Castelo Associação dos Reformados e Pensionistas de Viana do Castelo; b) Campos Centro Social e Paroquial de Campos; c) Guilhadeses Lar de Guilhadeses Criação e gestão de conteúdos formativos de uma plataforma de autonomia da vida pessoal, destinada a pessoas idosas; - Criação e gestão de conteúdos formativos da plataforma de cuidadores de pessoas dependentes. Neste âmbito, foi definido e implementado o roadmap seguinte do projecto e cujo detalhe se analisa pelos conteúdos de pormenor do presente relatório. ROADMAP DO PROJECTO ETAPA 0 ETAPA 1 ETAPA 2 DESENVOLVIMENTO E ESTRUTURAÇÃO DA PLATAFORMA FORMAÇÃO GESTÃO DE CONTEÚDOS FORMATIVOS NAS PLATAFORMAS Reunião de Arranque (5 de Agosto Desenvolvimento do Projecto Inserção de dados na

5 de 2013) formação Grupo 1 plataforma de apoio a cuidadores de pessoas dependentes Desenvolvimento dos módulos da Desenvolvimento do Projecto plataforma formação Grupo 2 Carregamento da estrutura Desenvolvimento do Projecto Inserção de dados na formativa na plataforma formação Grupo 3 plataforma de autonomia pessoal

6 Plataforma de Autonomia Pessoal Beneficiários O projecto terá como destinatários todos os idosos que detenham conhecimentos básicos de informática (ou adquiridos pela vida da formação desenvolvida no âmbito do projecto), autonomia física e destreza manual. Objectivos No que à Plataforma autonomia pessoal concerne, estavam associadas 6 grandes actividades de produção e gestão de conteúdos, de acordo com o esquema seguinte: a) Nutrição a. Plano pessoal com dieta personalizada b. Conselhos gerais sobre alimentação e confecção de alimentos b) Actividade física a. Plano pessoas (possibilidade de criar calendário indexado Às actividades) b. Vídeo-aulas (por tema) c) Técnicas de relaxamento a. Informação escrita b. Música (sons da natureza possibilitar download) c. Vídeos (relaxamento guiado) d) Registos pessoais de auto cuidado a. Monitorização da situação de saúde por data b. Campo para conselhos personalizados a cada um dos utilizadores e) Formulário para envio de questões f) Jogos online (JAVA) a. Estimulação cognitiva

7 b. Memória c. Raciocínio espacial Resultados Esperados O objectivo principal associado a estes resultados estava directamente associado à inscrição de todos os formandos que frequentaram as acções TIC realizadas. O objectivo foi parcialmente alcançado: das 66 inscrições e frequência das sessões TIC, resultaram 52 inscrições na Plataforma Autonomia Pessoal. Processo de Gestão de Conteúdos Constrangimentos na gestão de conteúdos a) Nutrição a. Plano pessoal com dieta personalizada O objectivo associado a este módulo foi alcançado, por se verificar o normal funcionamento da opção. Não obstante o facto, e de acordo com indicação dos profissionais da área (enfermeiro e psicólogo participantes no projecto) foi totalmente desaconselhada a construção de um plano pessoal com dieta personalizada tendo por referência apenas os indicadores: peso e altura, IMC. Os planos personalizados têm de ser desenvolvidos em função de várias circunstâncias que incluem a história actual e passada de saúde de cada pessoa, antecedentes cirúrgicos, perfil analítico, intolerâncias alimentares e inclusive a respectiva situação económica do utilizador. Paralelamente foram concebidos planos tipo para perfis incidentes em patologias (ex. Alzheimer, Parkinson )

8 Ilustração 1 Nutrição - Dicas Tipo para Perfis em Patologias b. Conselhos gerais sobre alimentação e confecção de alimentos Funcionalidade desenvolvida e concluída de acordo com a solicitação inicial. Para cada um dos campos visíveis no print screen, foram introduzidas recomendações e elaborados guias práticos, acessíveis pela visualização/download dos ficheiros disponibilizados. Ilustração 2 Conselhos Gerais sobre Alimentação e Confecção dos Alimentos b) Actividade física

9 a. Plano pessoais (possibilidade de criar calendário indexado às actividades) O objectivo associado a este módulo foi alcançado, por se verificar o normal funcionamento da opção. Não obstante o facto, e de acordo com indicação dos profissionais da área (professor de educação física e enfermeiro) foi totalmente desaconselhada a construção de um plano pessoal com plano de actividade física personalizado tendo por referência apenas os indicadores: peso e altura, IMC. Os planos personalizados têm de ser desenvolvidos em função de várias circunstâncias que incluem a história actual e passada de saúde de cada pessoa, antecedentes cirúrgicos, perfil analítico e inclusive características pessoais de mobilidade. Paralelamente foram concebidos planos tipo com proposta de exercícios genéricos de cada atividade física. Ilustração 3 Propostas de Exercícios Físicos b. Vídeo-aulas (por tema)

10 Foram autonomizados 10 tipos de exercício, alguns com variantes, perfazendo o total de 15 exercícios, desenvolvidos e produzidos pelo profissional de educação física vinculado ao projecto e por um atleta profissional. Os exercícios foram disponibilizados em vídeo e acompanhados de uma descrição detalhada de execução dos mesmos. Ilustração 4 Exemplo de vídeo-aula.

11 c) Técnicas de relaxamento a. Informação escrita Disponibilizados conteúdos relativos à temática em formato pdf, passíveis de download. b. Música (sons da natureza possibilitar download) Concretizada a alocação de músicas, conforme se verifica pelo print screen abaixo, no entanto, a audição das mesmas está impossibilitada pelas autorizações da plataforma. c. Vídeos (relaxamento guiado) Foram indicados 3 exercícios de relaxamento com as orientações e objectivos previstos para a utilização dos mesmos. Ilustração 5 Técnicas de Relaxamento

12 d) Registos pessoais de auto cuidado a. Monitorização da situação de saúde por data Funcionalidade disponível para cada utilizador proceder ao seu registo individual. Ilustração 6 Campo de Registos Pessoais b. Campo para conselhos personalizados a cada um dos utilizadores Campo disponível para preenchimento do profissional da área ao utilizador, de acordo com print screen já referenciado.

13 e) Formulário para envio de questões Campo disponível para preenchimento, na plataforma. Ilustração 7 Campo de Formulário para envio de perguntas

14 f) Jogos online (JAVA) a. Estimulação cognitiva b. Memória c. Raciocínio espacial Campo disponível através de link, uma vez que a plataforma não permite o alojamento direto de jogos. Ilustração 8 Jogos disponíveis para Plataforma

15 Plataforma de apoio a cuidadores de pessoas dependentes Beneficiários Os beneficiários da plataforma serão cuidadores de pessoas idosas definidos como as pessoas que cuidam de idosos com dependência, desenvolvendo acções que promovam a melhoria de sua qualidade de vida. O desempenho de qualquer actividade profissional, prevê um conjunto de características necessárias ao desempenho da mesma. Quando falamos do profissional que cuida de idosos, surge uma lista exigente, dadas as particularidades do contexto desta atividade. Assim o cuidador, idealmente, deverá reunir: 1. Conhecimentos e capacidade de execução técnica: Conhecimentos teóricos e práticos adquiridos por orientação de profissionais. Esses conhecimentos dão ao cuidador a preparação necessária para que ele possa prestar cuidado ao idoso; 2. Qualidades éticas e morais: ser digno de confiança, capaz de assumir responsabilidades e ter iniciativa. O cuidador deve procurar adaptar-se aos hábitos e intimidade do idoso, respeitar a organização e intimidade da família (evitar interferências e respeitar opções religiosas e políticas do idoso/ família); 3. Qualidades emocionais: bom equilíbrio emocional, facilidade de relacionamento humano, capacidade de compreensão, adaptação e tolerância; 4. Qualidades físicas: as tarefas inerentes a este papel são fisicamente desgastante, pelo que o seu desempenho requer uma boa condição saúde física, incluindo força e energia, necessárias, sobretudo nos cuidados aos idosos mais dependentes; 5. Iniciativa: capacidade de iniciar uma ação, identificar e necessidade, selecionar a intervenção e implementá-la; 6. Responsabilidade: Assegurar a qualidade dos cuidados 7. Autonomia: Capacidade para decidir qual a intervenção mais adequada e implementá-la e avaliá-la;

16 8. Motivação: gostar dos idosos, respeitá-los e valorizá-los enquanto pessoas, considerando o cuidado como um compromisso pessoal. Objectivos No que à Plataforma de apoio a cuidadores de pessoas dependentes concerne, estavam associadas 5 grandes actividades de produção e gestão de conteúdos: a) Formação e-learning a. Módulo 1 prestação de cuidados gerais à pessoa idosa b. Módulo 2 prestação de cuidados a pessoa idosa acamada e dependente c. Módulo 3 - Primeiros socorros d. Módulo 4 - Técnicas de massagem e. Módulo 5 - Actividades da vida diária b) Técnicas de relaxamento a. Informação escrita b. Música (sons da natureza possibilitar download) c. Vídeos (relaxamento guiado) c) Apoio Psicológico a. Disponibilizar web-chat com horário definido de 3 horas dia d) Informação Geral sobre cuidados a pessoas dependentes a. Saúde b. Higiene c. Alimentação e) Profissionalização de Cuidadores familiares a. Legislação Portugal b. Legislação Espanha c. Requisitos Portugal d. Requisitos Espanha Resultados Esperados

17 O objetivo principal associado a estes resultados estava diretamente associado à inscrição de cuidadores ligados às entidades de ação social ligadas ao projecto assim como cuidadores informados através da divulgação do mesmo. O objetivo foi parcialmente alcançado: Resultaram 63 inscrições na Plataforma de Cuidadores a Pessoas Dependentes. Processo de Gestão de Conteúdos Constrangimentos na gestão de conteúdos a) Formação e-learning a. Módulo 1 prestação de cuidados gerais à pessoa idosa b. Módulo 2 prestação de cuidados a pessoa idosa acamada e dependente c. Módulo 3 - Primeiros socorros d. Módulo 4 - Técnicas de massagem e. Módulo 5 - Actividades da vida diária Todos os conteúdos da formação elearning foram carregados, de acordo com print screen anexo. Observações: o acesso à plataforma elearning só é permitido ao utilizador ADMP, de acordo com acesso permitido pelo gestor da plataforma (Xunta da Galicia).

18 Ilustração 9 Plataforma E-leaning b) Técnicas de relaxamento a. Informação escrita Disponibilizados conteúdos relativos à temática em formato pdf, passíveis de download. b. Música (sons da natureza possibilitar download) Concretizada a alocação de músicas, conforme se verifica pelo print screen abaixo, no entanto, a audição das mesmas está impossibilitada pelas autorizações da plataforma. c. Vídeos (relaxamento guiado) Foram indicados 3 exercícios de relaxamento com as orientações e objectivos previstos para a utilização dos mesmos.

19 Ilustração 10 Técnicas de Relaxamento d) Apoio psicológico a. Disponibilizar web chat com horário definido de 3h/dia Funcionalidade não disponível, de acordo com informação veiculada pelo Gestor de Projecto da Segurança Social. e) Informação geral sobre cuidados a pessoas dependentes a. Saúde b. Higiene c. Alimentação Funcionalidade desenvolvida e concluída de acordo com a solicitação inicial.

20 Para cada um dos campos visíveis no print screen, foram introduzidas recomendações e elaborados guias práticos, visualização/download dos ficheiros disponibilizados. Ilustração 11 Informação Geral sobre Cuidados a Pessoas Dependentes acessíveis pela

21 f) Profissionalização de cuidadores familiares a. Legislação Portugal b. Legislação Espanha c. Requisitos Portugal d. Requisitos Espanha Funcionalidade desenvolvida e concluída de acordo com a solicitação inicial. Ilustração 12 Guias informativos e legislação aplicável à Profissionalização de Cuidadores Familiares.

22 Formação Caraterização Amostral No âmbito da formação em TIC, foram elaborados contactos e desenvolvidas sessões de formação junto de 3 entidades, de acordo com detalhe abaixo: As acções da ARPVC (Associação de Reformados e Pensionistas de Viana do Castelo) iniciaram no dia a. Formação Informática/Tecnologias de Informação (3h) (3h) (3h) (3h) (3h) (3h) b. Formação Informática/Módulo Educação Física/Relaxamento (3h) (3h) c. Formação Informática/Módulo Enfermagem (3h) (3h) d. Formação Informática/Técnicas de relaxamento: Yoga do riso (6h)

23 Caracterização amostra em detalhe: inscreveram-se 22 formandos na Formação Informática/Tecnologias de Informação; não foram enfrentados constrangimentos nestas sessões; o grupo está altamente motivado, participativo, atento e cooperante; este grupo é constituído por formandos física e intelectualmente capazes de acompanhar as sessões; cerca de 40% não tem computador pessoal e mais de 50% dos formandos não tem acesso à internet nas suas casas; 85% dos formandos não tinha ; nas sessões de informática/tecnologias da informação (6 sessões) foram transmitidos conhecimentos básicos de informática na óptica do utilizador (ver detalhe das sessões e conteúdos no CD anexo). As acções do Centro Social e Paroquial de Campos iniciaram no dia (junto remetemos fichas de inscrição e folhas de presença): a. Formação Informática/Tecnologias de Informação (3h) (3h) (3h) (3h) (3h) b. Formação Informática/Módulo Educação Física/Relaxamento (3h) (3h) c. Formação Informática/Módulo Enfermagem (3h) (3h)

24 Caracterização amostra em detalhe: Inscreveram-se 23 formandos nas sessões de formação; Grupo com motivação suficiente para que as sessões decorressem com bons resultados; as limitações físicas, como a visão e audição, de alguns dos presentes, dificultam a apreensão dos conteúdos; Cerca de 60% não tem computador pessoal e mais de 70% dos formandos não tem acesso à internet nas suas casas; 95% dos formandos não tinha ; Nas sessões de informática/tecnologias da informação (5 sessões) foram transmitidos conhecimentos básicos de informática na óptica do utilizador (ver detalhe das sessões e conteúdos no CD anexo). As acções do Lar de Guilhadeses iniciaram no dia (junto remetemos fichas de inscrição e folhas de presença): a. Formação Informática/Tecnologias de Informação (3h) (3h) b. Formação Informática/Módulo Enfermagem (3h) (3h) c. Formação Informática/Módulo Educação Física/Relaxamento (3h) (3h) d. Formação Informática/Técnicas de relaxamento: Yoga do riso (6h)

25 Caracterização amostra em detalhe: Inscreveram-se 21 formandos; Grupo com limitações importantes, maior parte com algum grau de dependência desmotivados para alterar hábitos, nenhum dos presentes cozinhava para si e por isso delegavam as responsabilidades em quem os cuida; grande parte do grupo nunca foi à escola, pelo que não sabe ler ou escrever, e não demonstram interesse neste tipo de contacto; alguns indivíduos também apresentam limitações cognitivas/ processos demenciais; Pontos a favor: óptima receptividade da monitora, que se mostrou muito motivada em fazê-los participar (sem grande sucesso); óptima cooperação da instituição; Grupo que pela diminuta autonomia física dificilmente terá condições/capacidade para utilizar um computador e ainda mais difícil um acesso à internet e à plataforma. Nas sessões de informática/tecnologias da informação (2 sessões) foram transmitidos conhecimentos básicos de informática na óptica do utilizador (ver detalhe das sessões e conteúdos no CD anexo).

26 Módulos e conteúdos Ver conteúdos CD anexo. Instrumentos e ferramentas Ver conteúdos CD anexo. Objetivos Ver conteúdos CD anexo.

27 Conclusões A dimensão do Projecto a que a Prova de Êxito se propôs foi totalmente alcançado no que às componentes da formação e produção de conteúdos diz respeito. A inolvidável qualidade da equipa de projecto permitiu que fossem desenvolvidas sessões de formação avaliadas com a classificação excelente, produzindo um contacto permanente entre as instituições onde o projecto foi desenvolvido e a procura de novas soluções de formação, facto que valida a qualidade das actividades desenvolvidas. A dimensão e qualidade do projecto no que à componente gestão de conteúdos diz respeito, directamente relacionada com a plataforma facultada para o projecto, foi parcialmente ocultada pela quase inexistente usabilidade da mesma. Usabilidade é o termo usado para descrever a qualidade da interação do usuário com uma determinada interface (Bevan, 1995). Esta qualidade está associada, segundo Nielsen (1993), aos seguintes princípios: facilidade de aprendizagem; facilidade de lembrar como realizar uma tarefa após algum tempo; rapidez no desenvolvimento de tarefas; baixa taxa de erros; satisfação subjetiva do utilizador. Considera-se que a interface tem um problema de usabilidade se um determinado utilizador ou um grupo de utilizadores encontra dificuldades para realizar uma tarefa com a interface. Tais dificuldades podem ter origens variadas e ocasionar perda de dados, diminuição da produtividade e mesmo a total rejeição do software por parte dos utilizadores. Uma grande parte dos problemas relacionados à interfaces Web diz respeito a navegação, ou seja, os usuários têm dificuldade para encontrar a informação desejada no site ou não sabem como retornar a uma página anteriormente visitada. Outros problemas são ocasionados pelo acesso à mesma. A Figura 1 apresenta um exemplo negativo (contra-exemplo) de interface que pode representar a primeira barreira à navegação no site.

28 Ilustração 13 - Alerta de navegação na interface A Figura 2 apresenta um problema de usabilidade resultado de um funcionamento inadequado de um componente da interface facultada para o projecto. No exemplo mostrado, o usuário deve prencher o campo de formulário e receber um de confirmação da inscrição. De acordo com figura anexa, tal recepção de não é possível. Ilustração 14 - Erro de inscrição

29 Outro exemplo de origem de problemas verificado neste projecto foi a incompatibilidade entre browsers que não suportam da mesma maneira as diferentes tecnologias para construção de interfaces Web; assim, um usuário pode visualizar sem problemas uma interface com o browser Internet Explorer enquanto a mesma interface pode apresentar uma série de problemas sobre o browser Netscape, e viceversa. De uma maneira geral, espera-se contentar e eliminar os problemas de usabilidades graves, frequentes durante a utilização da aplicação e que ocorrem com a maior parte do seu público-alvo. Sendo assim, um dos aspectos mais importantes para determinação do que é um problema de usabilidade é conhecer bem os usuários da aplicação. Este exemplo, verificou-se no acesso à plataforma pelos diferentes usuários que frequentaram as sessões de formação TIC. Desde a invenção da Web, a tecnologia para construção de interfaces Web vem sendo progressivamente incrementada permitindo o desenvolvimento de aplicações cada vez mais complexas que utilizam a Web não apenas para troca de informações, mas como plataforma para aplicações distribuídas tais como comércio eletrônico e intranets. Durante este processo evolutivo, o número de usuários e de sites Web cresceram exponencialmente. A Web tornou-se acessível a todas as pessoas, e conta com uma grande variedade de aplicações. Contudo, observa-se que tal popularidade não implica necessariamente em satisfação dos usuários. Muitos sites Web são visitados uma única vez não porque o conteúdo do site não seja interessante mas sim porque eles foram incapazes de encontrar a informação desejada, um dos problemas de usabilidade típicos mais relatados por usuários. Em síntese, não se pretendendo na conclusão uma abordagem exaustiva às limitações da plataforma (já detalhadas nos pontos de cada uma das unidades desenvolvidas), concluímos que a divulgação do projecto e acessibilidade ao mesmo foi determinada pela reduzida usabilidade e acessibilidade da plataforma facultada para o efeito. No que às componentes formação e produção de conteúdos (escrito e visual) concerne, os objectivos foram totalmente alcançados com sucesso, pela equipa de projecto.

30 Bibliografia BEVAN, N. (1995) Usability is quality of use. In: Anzai & Ogawa (eds) Proc. 6 th International Conference on Human Computer Interaction, July. Elsevier. BEVAN, N. (1998) Usability Issues in web site design. In: Proceedings of UPA'98, Washigton DC, Also available at:

31 Apêndices/Anexos (ex: cronograma, esquema conteúdos plataformas, etc) Anexo 1: Documentos de suporte à formação Alimentação Higiene Saúde Educação Física Primeiros Socorros Técnicas de massagem Técnicas de relaxamento Informática Informação Geral Anexo 2: Dossier Técnico Pedagógico ARPVC 1. Inscrições 2. Formação Informática 3. Formação Educação Física 4. Formação Enfermagem 5. Formação Yoga do riso CSCampos 1. Inscrições 2. Formação Informática 3. Formação Educação Física 4. Formação Enfermagem Lar de Guilhadeses 1. Inscrições 2. Formação Informática 3. Formação Educação Física

32 4. Formação Enfermagem 5. Formação Yoga do riso Anexo 3: Galeria de fotos ARPVC CSCampos Lar de Guilhadeses Anexo 4: Vídeos de Educação Física ARPVC CSCampos Lar de Guilhadeses Anexo 5: Comunicações trocadas no âmbito do projecto Anexo 6: Equipa de projecto

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo PÁGINAS WEB António Ginja Carmo Índice 1 - Titulo 2 2 Enquadramento 2 3 - Descrição 3 4 - Objectivos 3 5 Público-Alvo 3 6 - Conteúdos 4 7 - Calendário das Actividades 5 8 - Estratégias Pedagógicas 8 9

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo Introdução Co-habitamos uma sociedade de informação universal, aliados ao paradigma da evolução tecnológica que se verifica e se revela como um meio

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando

Guia de Acesso à Formação Online Formando Guia de Acesso à Formação Online Formando Copyright 2008 CTOC / NOVABASE ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...5 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...6 5. Avaliação...7

Leia mais

Plano de Formação de Colaboradores 2014

Plano de Formação de Colaboradores 2014 2014 Plano de Formação de Colaboradores 2014 Avaliação Nível I/II Avaliação da Satisfação e Aprendizagem A avaliação do valor acrescentado pela formação ao desempenho dos colaboradores é cada vez mais

Leia mais

3 ao Quadrado - Agenda Web

3 ao Quadrado - Agenda Web 3 ao Quadrado - Agenda Web Relatório de Gestão de Projectos de Software - Grupo A - LEIC 2001/2002 http://gnomo.fe.up.pt/gps01a João Montenegro - ei97023@fe.up.pt André Teixeira - ei97024@fe.up.pt Carlos

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

Formação presencial em contexto de sala de aula, com recurso à utilização prática do software WordPress.

Formação presencial em contexto de sala de aula, com recurso à utilização prática do software WordPress. ENQUADRAMENTO Num mundo em que a concorrência é cada vez maior e todos parecem estar ligados à internet, o website tornou-se um componente fundamental da estratégia de comunicação de qualquer empresa.

Leia mais

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11 Índice Parte 1 - Introdução 2 Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4 Parte 2 Desenvolvimento 5 Primeiros passos com o e-best Learning 6 Como aceder à plataforma e-best Learning?... 6 Depois

Leia mais

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1.

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Unidade 4 Concepção de WEBSITES Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Sobre o conteúdo 1 Regras para um website eficaz sobre o conteúdo Um website é composto

Leia mais

Manual do Utilizador Aluno

Manual do Utilizador Aluno Manual do Utilizador Aluno Escola Virtual Morada: Rua da Restauração, 365 4099-023 Porto PORTUGAL Serviço de Apoio ao Cliente: Telefone: (+351) 707 50 52 02 Fax: (+351) 22 608 83 65 Serviço Comercial:

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação. Principais tipos de serviços da Internet

Tecnologias da Informação e Comunicação. Principais tipos de serviços da Internet Tecnologias da Informação e Comunicação Principais tipos de serviços da Internet Introdução à Internet Serviços básicos Word Wide Web (WWW) Correio electrónico (e-mail) Transferência de ficheiros (FTP)

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011 Plano [1] Guia de Acesso à Formação Online 2011 [2] ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...4 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...5 5. Avaliação...6 6. Apresentação

Leia mais

PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE

PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE PRÓXIMA AULA: APRESENTAÇÃO DE PLANO DE COMUNICAÇÃO E O FILME DO YOUTUBE? AULA 12 A. EMAIL MARKETING - Objectivos e problemas - Ideias - Vantagens

Leia mais

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP Entidade interlocutora: Identificação do Projecto AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça Nº do projecto: 2001/EQUAL/A2/AD/139 Designação do projecto: Área

Leia mais

Competências de Gestão para Dirigentes e Técnicos de Associações Empresariais

Competências de Gestão para Dirigentes e Técnicos de Associações Empresariais Competências de Gestão para Dirigentes e Técnicos de Associações Empresariais Curso de Formação 2011 Índice PROPOSTA FORMATIVA... 3 Introdução... 3 Objectivo geral... 3 Estrutura... 3 Metodologias... 3

Leia mais

GUIÃO DE PREENCHIMENTO MÓDULO CONTRATOS

GUIÃO DE PREENCHIMENTO MÓDULO CONTRATOS GUIÃO DE PREENCHIMENTO MÓDULO CONTRATOS Índice 1 Introdução... 4 1.1 Enquadramento... 5 1.2 Organização do Guião... 5 2 Instruções de Utilização Balcão 2020... 6 2.1 Acesso à aplicação Módulos Contratos...

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Docentes Universidade Atlântica 1 Introdução O conceito do Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) foi criado em 2001 por Martin Dougiamas, o conceito

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

Técnicas de Animação em Geriatria Valor I Pessoas, Consultoria Empresarial, Lda. Rigor nos compromissos. Excelência nos processos.

Técnicas de Animação em Geriatria Valor I Pessoas, Consultoria Empresarial, Lda. Rigor nos compromissos. Excelência nos processos. Técnicas de Animação em Geriatria Valor I Pessoas, Consultoria Empresarial, Lda Rigor nos compromissos. Excelência nos processos. Técnicas de Animação em Geriatria Envelhecer é melhor se feito com mais

Leia mais

Manual de Administração Intranet BNI

Manual de Administração Intranet BNI Manual de Administração Intranet BNI Fevereiro - 2010 Índice 1. Apresentação... 3 2. Conceitos... 5 3. Funcionamento base da intranet... 7 3.1. Autenticação...8 3.2. Entrada na intranet...8 3.3. O ecrã

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1 Copyright 2012 Efacec Todos os direitos reservados. Não é permitida qualquer cópia, reprodução, transmissão ou utilização deste documento sem a prévia autorização escrita da Efacec Sistemas de Gestão S.A.

Leia mais

Secretaria-Geral do MAOT

Secretaria-Geral do MAOT Secretaria-Geral do MAOT Paula Vieira 8 Outubro 2010 SIAP 2010 1 IMPLEMENTAÇÃO DE UMA INTRANET SIAP 2010 2 AGENDA Objectivos do projecto Arranque do projecto Implementação do projecto Resultados: - Conteúdos

Leia mais

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências 3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências Dar a cana para ensinar a pescar (adágio popular) 3.1 O Centro de Competência O Centro de Competência Softciências, instituição activa desde

Leia mais

Guia de Websites para a Administração Pública

Guia de Websites para a Administração Pública Guia de Websites para a Administração Pública Portugal precisa de um desafio de exigência e de conhecimento que nos eleve aos níveis de competência e de produtividade dos países mais desenvolvidos, de

Leia mais

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDOC Sistema de Gestão Documental Dossier de Produto DP10.02 02.01.2009 www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDoc Sistema de Gestão Documental A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais,

Leia mais

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA PROJECTO DE MELHORIA CONTÍNUA SABER CUIDAR UM DIREITO CANTANHEDE, Janeiro de 2011 HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

Leia mais

Planificações 2012/2013. Tecnologias da Informação e Comunicação. 2ºAno. Escola Básica Integrada de Pedome. C E F Apoio à Família e à Comunidade

Planificações 2012/2013. Tecnologias da Informação e Comunicação. 2ºAno. Escola Básica Integrada de Pedome. C E F Apoio à Família e à Comunidade Planificações 2012/2013 Tecnologias da Informação e Comunicação C E F Apoio à Família e à Comunidade 2ºAno Escola Básica Integrada de Pedome Grupo Disciplinar de Informática Planificação a Longo Prazo

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

Guia de Curso. Licenciatura em Línguas, Literaturas e Culturas Variante de Línguas Estrangeiras. 1º Ciclo 2012-13

Guia de Curso. Licenciatura em Línguas, Literaturas e Culturas Variante de Línguas Estrangeiras. 1º Ciclo 2012-13 Licenciatura em Línguas, Literaturas e Culturas Variante de Línguas Estrangeiras 1º Ciclo 2012-13 Nota importante: Este curso será suspenso a partir do ano letivo de 2013-14, sendo este ano letivo o seu

Leia mais

OFICIAL DA ORDEM MILITAR DE CRISTO MEDALHA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E BONS SERVIÇOS. Circular n.º 023-A/2014 Portal F.P.T. - Inscrições (Aditamento)

OFICIAL DA ORDEM MILITAR DE CRISTO MEDALHA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E BONS SERVIÇOS. Circular n.º 023-A/2014 Portal F.P.T. - Inscrições (Aditamento) Circular n.º 023-A/2014 Portal F.P.T. - Inscrições (Aditamento) Exmo. Sr. Presidente, A Direcção da F.P.T. tem emitido, ao longo dos últimos meses, diversas Circulares, com o objectivo de ir informando,

Leia mais

1. Dados de acesso à Internet

1. Dados de acesso à Internet Ao efectuar o presente registo está a afirmar ter conhecimento e a manifestar a sua aceitação da nossa Política de Privacidade (A Clínica Dr Eduardo Merino- Lda., adiante designada por Eduardo Merino Terapias

Leia mais

SEO LINKEDIN FACEBOOK GOOGLE REDES SOCIAS E-COMMERCE TWITTER UNICRE PAY PAL 6.0 PLATAFORMA INTEGRADA DE NEGÓCIO E COMUNICAÇÃO ONLINE

SEO LINKEDIN FACEBOOK GOOGLE REDES SOCIAS E-COMMERCE TWITTER UNICRE PAY PAL 6.0 PLATAFORMA INTEGRADA DE NEGÓCIO E COMUNICAÇÃO ONLINE LINKEDIN FACEBOOK TWITTER GOOGLE REDES SOCIAS E-COMMERCE PAY PAL SEO UNICRE 6.0 PLATAFORMA INTEGRADA DE NEGÓCIO E COMUNICAÇÃO ONLINE ACTUALIZE O SEU SITE VENDAS ONLINE MARKETING ONLINE A PLATAFORMA GCM

Leia mais

Avaliação de IHC: objetivos

Avaliação de IHC: objetivos Avaliação de IHC: objetivos Decisões de design afetam usabilidade Conhecimento dos usuários e de suas necessidade Design: Design: diferentes diferentes soluções soluções possíveis possíveis Interação:

Leia mais

PHC dintranet. A gestão eficiente dos colaboradores da empresa

PHC dintranet. A gestão eficiente dos colaboradores da empresa PHC dintranet A gestão eficiente dos colaboradores da empresa A solução ideal para a empresa do futuro, que necessita de comunicar de modo eficaz com os seus colaboradores, por forma a aumentar a sua produtividade.

Leia mais

Internet. O que é a Internet?

Internet. O que é a Internet? O que é a Internet? É uma rede de redes de computadores, em escala mundial, que permite aos seus utilizadores partilharem e trocarem informação. A Internet surgiu em 1969 como uma rede de computadores

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

Usabilidade e os problemas do Moodle: o caso da Educação Universitária

Usabilidade e os problemas do Moodle: o caso da Educação Universitária Usabilidade e os problemas do Moodle: o caso da Educação Universitária Maceió AL Maio 2011 2.3.1. Educação Universitária 2.3.2.1. Sistemas e Instituições de EAD 2.3.3. Descrição de Projeto em Andamento

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2 PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2 Domínios de referência Competências Conteúdos Calendarização Conceitos Essenciais e

Leia mais

FORMAÇÃO NP EN ISO 9001:2008 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AS RESPOSTAS SOCIAIS

FORMAÇÃO NP EN ISO 9001:2008 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AS RESPOSTAS SOCIAIS FORMAÇÃO N EN ISO 9001:2008 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE ARA AS RESOSTAS SOCIAIS A IZONE Knowledge Systems promove o curso de Formação N EN ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da para as Respostas Sociais,

Leia mais

UFCD 0152 Estrutura de um sítio para Internet

UFCD 0152 Estrutura de um sítio para Internet INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, IP DELEGAÇÃO REGIONAL DO NORTE CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE VIANA DO CASTELO-SERVIÇO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL UFCD 0152 Estrutura de um sítio

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO NORMAS DE FUNCIONAMENTO 1.INTRODUÇÃO A prática de actividades de animação regular e sistemática,

Leia mais

Rua Camilo Castelo Branco, N. 4, (a cerca de 100 metros do Marquês de Pombal), Lisboa

Rua Camilo Castelo Branco, N. 4, (a cerca de 100 metros do Marquês de Pombal), Lisboa Programa de Formação Código - Designação Ajudante de Acção Directa A atitude perante o idoso Local Rua Camilo Castelo Branco, N. 4, (a cerca de 100 metros do Marquês de Pombal), Lisboa Projecto n.º: N/a

Leia mais

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Janeiro-2010 Para a boa gestão de pessoas, as empresas devem elevar o RH à posição de poder e primazia na organização e garantir que o pessoal

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

SENSIL. Apoio Domiciliário e serviços de saúde. Crianças * adultos * idosos

SENSIL. Apoio Domiciliário e serviços de saúde. Crianças * adultos * idosos SENSIL Apoio Domiciliário e serviços de saúde Crianças * adultos * idosos A quem prestamos o serviço de Apoio Domiciliário? A todas as pessoas em situação de dependência: Temporária (pós operatório imediato,

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE EDUCAÇÃO MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM INFORMÁTICA EDUCACIONAL Internet e Educação Ensaio: A Web 2.0 como ferramenta pedagógica

Leia mais

Cursos de Formação Financiados

Cursos de Formação Financiados Cursos de Financiados Modular - Nível III Pós-Laboral Porto Área 213 - Audiovisuais e Produção dos Média Bem-Vindo/a à FLAG! A FLAG é uma empresa prestadora de serviços de formação profissional, especializada

Leia mais

PCCRBE 1 - Manual de procedimentos técnicos para a criação de catálogos colectivos

PCCRBE 1 - Manual de procedimentos técnicos para a criação de catálogos colectivos PCCRBE 1 - Manual de procedimentos técnicos para a criação de catálogos colectivos 1. Introdução O objectivo deste documento é a criação de um memorando que sirva de apoio à instalação e manutenção do

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

11. ORGANIZAÇÃO DE UM PLANO DE FORMAÇÃO PARA

11. ORGANIZAÇÃO DE UM PLANO DE FORMAÇÃO PARA 11. ORGANIZAÇÃO DE UM PLANO DE FORMAÇÃO PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA A partir dos resultados obtidos concluímos que um número significativo de docentes refere falta de preparação resultante de vários

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE E-TUTOR e-learning. Público-Alvo

CURSO DE FORMAÇÃO DE E-TUTOR e-learning. Público-Alvo CURSO DE FORMAÇÃO DE E-TUTOR e-learning Público-Alvo Profissionais que pretendam adquirir competências de base para monitorizar formação na modalidade e-learning ou b-learning que sejam possuidores do

Leia mais

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE. Maio/2005 023-TC-C5

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE. Maio/2005 023-TC-C5 1 PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE Maio/2005 023-TC-C5 Viviane Guimarães Ribeiro Universidade de Mogi das Cruzes vivianegr@yahoo.com.br Saulo Faria Almeida Barretto

Leia mais

Acção de Formação Contabilidade de Gestão - Primavera v8

Acção de Formação Contabilidade de Gestão - Primavera v8 Acção de Formação Contabilidade de Gestão - Primavera v8 MoreData, Sistemas de Informação Campo Grande 28, 10º E 1700-093 Lisboa 213520171 info@moredata.pt Índice de Conteúdos Introdução...3 Sobre o Curso...4

Leia mais

Apresentação do MOODLE. Educação do século XXI

Apresentação do MOODLE. Educação do século XXI Apresentação do MOODLE Educação do século XXI Software social e e-learning Talvez seja o momento de fazer algo nas suas disciplinas! O que pretende do seu sistema de aprendizagem on-line? Fácil criação

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

CONCEITO: Moodle Moodle Moodle Moodle

CONCEITO: Moodle Moodle Moodle Moodle NE@D - Moodle CONCEITO: O Moodle é uma plataforma de aprendizagem a distância baseada em software livre. É um acrônimo de Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment (ambiente modular de aprendizagem

Leia mais

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA Service Desk Sumário Apresentação O que é o Service Desk? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial

Leia mais

geas www.sensocomum.pt

geas www.sensocomum.pt geas Como uma aplicação online pode facilitar a gestão da minha associação + fácil fichas de sócio online + rápido consulta de cotas + controlo histórico de alteração dados Com uma ferramenta disponível

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR. Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva

Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR. Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva http://teleduc.cefetmt.br Edição 2006/2 Curso de Especialização em Educação

Leia mais

Manual de Utilizador. Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais. Escola Superior de Tecnologia. Instituto Politécnico de Castelo Branco

Manual de Utilizador. Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais. Escola Superior de Tecnologia. Instituto Politécnico de Castelo Branco Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico de Castelo Branco Departamento de Informática Curso de Engenharia Informática Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais Ano Lectivo de 2005/2006

Leia mais

Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, Rua Camilo Castelo Branco, N.º4, a cerca de 100 metros do Marquês de Pombal, Lisboa

Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, Rua Camilo Castelo Branco, N.º4, a cerca de 100 metros do Marquês de Pombal, Lisboa Programa de Formação Código - Designação Cuidadores A atitude perante o idoso Local Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, Rua Camilo Castelo Branco, N.º4, a cerca de 100 metros do Marquês de Pombal, Lisboa

Leia mais

RECONHECIMENTO 13. O que é ECTS? 14. Como se compara ECTS com sistemas de pontos de créditos noutros países? 15. O que é um Suplemento ao Diploma?

RECONHECIMENTO 13. O que é ECTS? 14. Como se compara ECTS com sistemas de pontos de créditos noutros países? 15. O que é um Suplemento ao Diploma? PMFs Perguntas Mais Frequentes Nesta página da web pode encontrar as respostas a todas as perguntas que talvez queira fazer sobre estudos musicais na Europa. Perguntas Mais Frequentes PORQUÊ EU? 1. Porque

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Teste rveras@unip.br Aula 11 Agenda Usabilidade Compatibilidade Validação Resolução de tela Velocidade de carregação Acessibilidade Testes Nesta etapa do projeto do web site

Leia mais

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6 MANUAL DO UTILIZADOR A informação contida neste manual, pode ser alterada sem qualquer aviso prévio. A Estratega Software, apesar dos esforços constantes de actualização deste manual e do produto de software,

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação

KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação Regulamento de Funcionamento da Formação KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação Página 2 de 12 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 3 2. REQUISITOS DE ACESSO E FORMAS DE INSCRIÇÃO...

Leia mais

Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação

Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação ANEXO AO CADERNO DE ENCARGOS MÉTODO DE AVALIAÇÃO DOS WEB SITES DA ADMINISTRAÇÃO DIRECTA E INDIRECTA DO ESTADO Documento disponível em www.si.mct.pt

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO

FICHA TÉCNICA DO CURSO FICHA TÉCNICA DO CURSO PROJECTAR COM REVIT ARCHITECTURE 2014 EDIÇÃO Nº03/2014 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Projectar com Revit Architecture 2014 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER O Revit Architecture é uma plataforma

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

Educação a Distância Definições

Educação a Distância Definições Educação a Distância Definições Educação a distância é o processo de ensino-aprendizagem, mediado por tecnologias, onde professores e alunos estão separados espacial e/ou temporalmente; Visa a interação

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P.

INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P. INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P. CONCURSO PÚBLICO N.º 05/DP/2009 AQUISIÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DE FILAS DE ATENDIMENTO DOS SERVIÇOS DESCONCENTRADOS DO IRN, I.P. CADERNO DE ENCARGOS ANEXO I ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

Plataforma de Benefícios Públicos Acesso externo

Plataforma de Benefícios Públicos Acesso externo Índice 1. Acesso à Plataforma... 2 2. Consulta dos Programas de Beneficios Públicos em Curso... 3 3. Entrar na Plataforma... 4 4. Consultar/Entregar Documentos... 5 5. Consultar... 7 6. Entregar Comprovativos

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

A plataforma. Sistemas de Gestão de Aprendizagem. Carlos Nunes csmnunes@gmail.com

A plataforma. Sistemas de Gestão de Aprendizagem. Carlos Nunes csmnunes@gmail.com A plataforma Sistemas de Gestão de Aprendizagem Carlos Nunes csmnunes@gmail.com O que é o Moodle? É um Sistema de Gestão de Aprendizagem (LMS) e de trabalho colaborativo, acessível através da Internet

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO O presente Regulamento pretende enquadrar as principais regras e linhas de orientação pelas quais se rege a atividade formativa da LEXSEGUR, de forma a garantir

Leia mais

MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Identificar um Sistema de Gestão da Formação Online; Analisar as diversas

Leia mais

Manual de Utilização MU003-1.0/2013 ISPADIGITAL/e-Campus(Perfil utilizador - Estudante)

Manual de Utilização MU003-1.0/2013 ISPADIGITAL/e-Campus(Perfil utilizador - Estudante) Manual de Utilização MU003-1.0/2013 ISPADIGITAL/e-Campus(Perfil utilizador - Estudante) 1. Introdução I 2. Primeiros passos I 3. Unidade Curricular I 4. Recursos e atividades O e-campus do ISPA - Instituto

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

O SEU STAND. NA INTERNET.

O SEU STAND. NA INTERNET. O SEU STAND. NA INTERNET. Soluções tecnológicas inovadoras para o sector automóvel www.multivector.com CRM Auto Web Sites Dispositivos móveis Redes Sociais Portais de divulgação Evolução 03 A EVOLUÇÃO

Leia mais

Pair-Programming Distribuído

Pair-Programming Distribuído Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação Pair-Programming Distribuído Metodologias Ágeis de Desenvolvimento de Software (4 o Ano - 1 o

Leia mais

Enunciado do Projecto

Enunciado do Projecto C O M P U T A Ç Ã O M Ó V E L 2 0 0 7 / 2 0 0 8 Enunciado do Projecto 17 de Março de 2008 1. Objectivos Desenvolver uma aplicação num domínio aplicacional específico que envolva replicação e sincronização

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

Portal Web de Apoio às Filiadas

Portal Web de Apoio às Filiadas Portal Web de Apoio às Filiadas Manual de Utilizador Externo Titularidade: FCMP Data: 2014-02-03 Versão: 1 1 1. Introdução 3 2. Descrição das Funcionalidades 4 2.1. Entrada no sistema e credenciação de

Leia mais

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Saída Profissional: Operador CAD Certificação ao nível do 9º Ano / Nível II Laboral Bem-Vindo/a à FLAG! A FLAG é uma

Leia mais

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS 1. bjectivo presente documento tem como objectivo definir o esquema de acreditação para a Certificação do Serviço proporcionado pelas várias Respostas Sociais, tendo em conta os Modelos de Avaliação da

Leia mais

Instruções para aceder ao correio electrónico via web

Instruções para aceder ao correio electrónico via web Caro utilizador(a) Tendo por objectivo a melhoria constante das soluções disponibilizadas a toda a comunidade do Instituto Politécnico de Santarém, tanto ao nível de serviços de rede como sistema de informação.

Leia mais

USABILIDADE, DESIGN UNIVERSAL E ACESSIBILIDADE PARA PORTAIS WEB

USABILIDADE, DESIGN UNIVERSAL E ACESSIBILIDADE PARA PORTAIS WEB USABILIDADE, DESIGN UNIVERSAL E ACESSIBILIDADE PARA PORTAIS WEB Adans Schopp dos Santos 1 Daniele Pinto Andres 2 RESUMO Este artigo procura abordar as principais características relacionadas a Portais

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º- Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica -se à medida INOV-Art -

Leia mais