Cultura do empreendedorismo como modelo de autogestão: a busca da felicidade na construção discursiva da série 3 Teresas 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cultura do empreendedorismo como modelo de autogestão: a busca da felicidade na construção discursiva da série 3 Teresas 1"

Transcrição

1 Cultura do empreendedorismo como modelo de autogestão: a busca da felicidade na construção discursiva da série 3 Teresas 1 Sílvia Dantas 2 Universidade de São Paulo, USP Resumo A partir da pesquisa recém-iniciada, esse trabalho busca uma aproximação com a série 3 Teresas, exibida pelo canal por assinatura GNT desde Com abordagem qualitativa amparada pela Análise de Discurso de linha francesa, trata-se de um estudo de caso que se delineia a partir do discurso teledramatúrgico e tem por objeto privilegiado a enunciação feminina, buscando analisar a produção de sentidos a partir da construção discursiva em que a busca da felicidade é norteadora. O referencial teórico se lastreia principalmente em Bauman (2005, 2008); Douglas e Isherwood (2004); Ehrenberg (2010); Freire Filho (2010, 2011); Slater (2002) e Orlandi (2009). Palavras-chave: Teleficção seriada; consumo; identidade; felicidade; 3 Teresas. Identidade, felicidade e consumo: uma breve discussão A questão da crise das identidades na contemporaneidade tem sido estudada por diversos autores sob diferentes primas. Uma das obras mais relevantes a respeito do tema é a de Hall (2006), em que ele apresenta três concepções de identidade: sujeito do Iluminismo (autocentrado), sujeito sociológico (relacional) e sujeito pósmoderno (fragmentado). A partir dessa última noção, ele salienta que: 1 Trabalho apresentado no Grupo de Trabalho 01: Comunicação e consumo: cultura empreendedora e espaço biográfico, do 4º Encontro de GTs - Comunicon, realizado nos dias 08, 09 e 10 de outubro de Doutoranda em Ciências da Comunicação pelo PPGCOM-USP, mestra em Comunicação e Práticas de Consumo pelo PPGCOM-ESPM/SP. Bolsista CAPES. Pesquisadora do Centro de Estudos de Telenovela (CETVN/ECA-USP) e do Observatório Ibero-americano de Ficção Televisiva (OBITEL).

2 à medida em que os sistemas de significação e representação cultural se multiplicam, somos confrontados por uma multiplicidade desconcertante e cambiante de identidades possíveis, com cada uma das quais poderíamos nos identificar ao menos temporariamente. (HALL, 2006, p.13). Dessa forma, a identidade deve ser vista como um processo, que vai mudando ao longo do tempo. No mesmo sentido, Bauman (2008) reconhece que na atualidade a identidade seria um trabalho contínuo, uma pena perpétua de trabalhos forçados, vista como uma atividade auto-propulsora e auto-estimulante (BAUMAN, 2008, p.142). Isso fica ainda mais evidente quando se observa o contexto de mudança permanente marcante da sociedade de consumidores, que contrasta com a antecessora sociedade de produtores (era sólido-moderna), em que a segurança, a solidez e a durabilidade eram os principais valores. A sociedade de consumidores evoca o desfrute imediato de prazeres e a urgência como motores de um movimento sem fim, em que há a promoção da novidade e a desvalorização da rotina, como nos mostra Bauman (2008). Para ele, O anseio por identidade vem do desejo de segurança, ele próprio um sentimento ambíguo. [...] Em nossa época líquido-moderna, em que o indivíduo livremente flutuante, desimpedido, é o herói popular, estar fixo ser identificado de modo inflexível e sem alternativa é algo cada vez mais malvisto. (BAUMAN, 2005, p. 35) Na medida em que a ancoragem nas grandes instituições cede lugar ao poder do mercado, o consumo emerge como atividade significativa que contribui para a formação da identidade. Consumir e reinventar identidades a partir dos bens passa a ser o imperativo desses novos tempos: os indivíduos são obrigados a escolher, construir, manter, interpretar, negociar, exibir quem eles devem ser ou parecer, usando uma variedade fantástica de recursos materiais e simbólicos (SLATER, 2002, p.87). Nesse sentido, Birman (2010) aponta que, na nova ordem neoliberal, o Estado perde posição de mediador e regulador do espaço social e o mercado se potencializa, tendo na produção de consumidores o interesse principal do novo capitalismo. Com a fragilização das instituições, cresce a busca por novas referências, de forma que o cultivo da alma cede lugar ao cultivo do corpo e ao hedonismo: a articulação entre a autonomia concedida ao indivíduo e o cultivo da qualidade de vida

3 e da autoestima deste delineia o fundamento moral do projeto da produção da felicidade na contemporaneidade (BIRMAN, 2010, p.37). Como França (2010) enfatiza, a busca pela felicidade [...] não significa um movimento imanente, um clamor interno dos indivíduos; ela é estimulada e é formatada pela sociedade (p.217). A autora ressalta que a partir do fim do século XX, a felicidade ganha novos contornos, deixando de ser uma questão coletiva e passando a uma dimensão individual: Marcada pela urgência, ela se torna também um problema e uma construção de cada um. [...] é resultado de um investimento pessoal. Esta é a privatização da felicidade que alcançamos nas últimas décadas, significando o direito, mas também um dever que nos impulsiona e atormenta. (FRANÇA, 2010, p.217) Ao analisar o crescimento da corrente da psicologia positiva, tão em voga na contemporaneidade, Freire Filho (2010) indica que, segundo esse discurso, a felicidade exigiria dedicação, condicionamento mental e gestão emocional, sendo uma construção unilateral do indivíduo, que precisa se esforçar para romper com a vitimologia e assumir o papel de único responsável por sua própria felicidade. Assim, na era da felicidade compulsiva e compulsória (FREIRE FILHO, 2010, p.17), a ideia de gerenciamento passa a permear todas as esferas sociais, cabendo a cada indivíduo administrar a própria vida rumo ao sucesso e à felicidade. Para isso, seria preciso conduzi-la como um negócio, a fim de superar limitações e maximizar a qualidade de vida para construir o sucesso, que passa a ser democratizado e definido única e exclusivamente a partir da atitude pessoal, sendo possível a todos e não mais restrito a alguns privilegiados. Trata-se, assim, de um imaginário que estimula a automobilização a favor da realização e superação contínua, que constitui a era do culto da performance (EHRENBERG, 2010; BIRMAN, 2010; FREIRE FILHO, 2011), que aponta para um devir atlético e empresarial da sociedade, um processo de conversão aos valores supremos da concorrência e da conquista (FREIRE FILHO, 2011, p.40). Sobre a utilização do termo performance, este autor apresenta uma retomada histórica, mostrando que, inicialmente voltada para o desempenho de cavalos de corrida, o seu sentido foi se modificando: passou a designar máquinas,

4 depois se dirigiu à ideia de recorde, até que, enfim, passou a classificar os seres humanos. Na atualidade, esse modelo de classificação se expandiu inclusive para os atos de cuidado com o corpo, o gerenciamento da carreira e a procura da felicidade. Ao que parece, tudo passa a ser pautado a partir do paradigma da eficácia, pois o empreendedor foi erigido como modelo da vida heroica (EHRENBERG, 2010, p.13). Dessa forma, a cultura do empreendedorismo, voltada à maximização de potencialidades e sucesso, passa a se configurar como modelo de autogestão, na medida em que se percebe uma certa naturalização desses discursos dirigidos anteriormente à lógica corporativa com o intuito de estimular a constante autossuperação. A almejada mitologia da autorrealização (EHRENBERG, 2010, p.11) parece reunir três grandes eixos: o espírito empresarial de concorrência, a busca de superação contínua pelo esporte e a realização pelo consumo de bens. O consumo, definido como processo social, conecta importantes questões das nossas vidas cotidianas com questões centrais da nossa sociedade e época. Ele relaciona-se com a forma pela qual devemos ou queremos viver, com questões acerca de como a sociedade é ou deveria ser organizada, com a estrutura material e simbólica dos lugares em que vivemos e a forma como neles vivemos. (SLATER, 2002, p. 8) A partir de um estudo antropológico do consumo, Douglas e Isherwood (2004) enfatizam a sua significação social, trazendo visibilidade e também estabilidade às categorias da cultura. Segundo eles, as posses materiais fornecem comida e abrigo, e isso deve ser entendido. Mas, ao mesmo tempo, é evidente que os bens têm outro uso importante: também estabelecem e mantêm relações sociais (DOUGLAS; ISHERWOOD, 2004, p.105). Importante marcador social, o consumo traz significação e contribui para a classificação de pessoas, visto que aquilo que o consumidor compra pode fornecer pistas sobre quem ele é ou deseja ser, de maneira que fica evidente o vínculo entre a formação da identidade e o consumo. A maior atração de uma vida de compras é a oferta abundante de novos começos e ressurreições (chances de renascer ). Embora essa oferta possa ser ocasionalmente percebida como fraudulenta e, em última instância, frustrante, a estratégia da atenção contínua à construção e reconstrução da autoidentidade, com a ajuda dos kits identitários fornecidos pelo mercado,

5 continuará sendo a única estratégia plausível ou razoável que se pode seguir num ambiente caleidoscopicamente instável no qual projetos para toda a vida e planos de longo prazo não são propostas realistas, além de serem vistos como insensatos e desaconselháveis.(bauman, 2008, p.66) Ao divulgar o consumo como valor de pertencimento, a mídia também contribui para reforçar a vinculação entre consumo e cultura, reforçando a relação entre bens e identidade. As capacidades requeridas para a construção de uma identidade são elas próprias vendidas sob a forma de mercadorias (SLATER, 2002, p.89). Não podemos esquecer que na contemporaneidade, os meios de comunicação, em especial a TV, contribuem para o modo como enxergamos e compreendemos o mundo, como nos ensina Kellner. Numa cultura da imagem dos meios de comunicação de massa, são as representações que ajudam a construir a visão de mundo do indivíduo, o senso de identidade e sexo, consumando estilos e modos de vida, bem como pensamentos e ações sociopolíticas. A ideologia é, pois, tanto um processo de representação, figuração, imagem e retórica quanto um processo de discursos e idéias. (KELLNER, 2001, p.82). Especificamente em relação à teleficção brasileira que tem a telenovela como principal formato da ficção televisiva brasileira ao longo de mais de sessenta anos de desenvolvimento, ela foi incorporando à sua trama temas e discussões sobre questões sociais que circulam pelo país, tornando-se um recurso comunicativo (LOPES, 2009). Vejamos como a série 3 Teresas traz no seu bojo, de forma aparentemente natural, a questão do empreendedorismo no que se refere à busca da felicidade e a reinvenção da identidade com a contribuição do consumo. Conhecendo as 3 Teresas: uma aproximação com a série Exibida pelo canal por assinatura GNT a partir de , a série 3 Teresas apresenta questões do cotidiano feminino pelo prisma de três mulheres de gerações 3 Coprodução com a Bossa Nova Filmes, a primeira temporada da série teve 13 episódios semanais (sendo exibida de 08/05 a 31/07/2013), com duração de cerca de 23 minutos cada. A estreia da segunda temporada está programada para este ano, e as vinhetas da programação do GNT continuam trazendo chamadas para a série sem, contudo, apresentar data de estreia da nova temporada.

6 diferentes e mesmo nome, cujos apelidos a distinguem. Teresinha (Claudia Mello) é a avó, aposentada e mãe de Teresa (Denise Fraga), a mãe, recém-separada do marido, com quem tem uma filha, Tetê (Manoela Aliperti), adolescente às voltas com o primeiro namorado e o início da vida sexual, dentre outros conflitos marcantes da idade. A partir da separação de Teresa, mostrada no primeiro episódio da série, as três passam a morar juntas em: Uma série sobre a convivência, na mesma casa, de três gerações de mulheres, apoiando e enlouquecendo umas às outras, dividindo o mesmo espaço e o mesmo nome. Três visões muito particulares de mundo, três olhares diferentes para problemas semelhantes, em um programa repleto de humor, sentimentos e deliciosos conflitos. (GNT, 2013a) Figura 1. Teresinha, Teresa e Tetê: as 3 Teresas 4 A produção estreou no canal GNT no primeiro semestre de 2013 juntamente com três outras séries brasileiras 5 (Copa Hotel, As Canalhas e Surtadas na Yoga). A grande quantidade de lançamentos brasileiros é fruto da exigência de veiculação de conteúdo nacional a partir da Lei /2012 ( lei do cabo ). Nesse quadro, Lopes e Mungioli (2013, p.29) indicam as transformações no panorama das produções nacionais, como o aumento no número de produtoras independentes; migração de profissionais da publicidade e cinema para a TV; proporcionalidade de canais 4 Fonte: GNT. 3 Teresas. Sobre a série. Disponível em: <http://gnt.globo.com/_3teresas/sobre/>. Acesso em: 23 ago. 2013a. 5 Em entrevista a Stycer (2013), a diretora do canal, Daniela Mignani, considera 3 Teresas a melhor das quatro séries graças ao talento do diretor e à riqueza dos personagens.

7 nacionais e independentes nos pacotes oferecidos pelas operadoras e aumento dos recursos disponíveis para a produção televisiva. Analisando a fase de sucesso das séries principalmente as norte-americanas Silva (2014) também enfatiza a questão da migração de profissionais do cinema para a televisão, o que acaba repercutindo, dentre outros fatores, na qualidade do texto. A questão do desenvolvimento das formas narrativas contemporâneas está diretamente relacionada à emergência da televisão como espaço possível de qualidade artística e qualidade aqui entendida mais como discurso valorativo que característica ontológica, e isso não pela superação do cinema como meio audiovisual artisticamente legitimado, mas pelo investimento na singularidade estilística das séries no panorama audiovisual de hoje. (SILVA, 2014, p.245) Com direção de Luiz Villaça e bem recebida pela crítica, a série foi indicada como uma cinco das finalistas da premiação anual da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) de 2013 na categoria televisão 6. Em sites e blogs sobre teleficção, 3 Teresas foi considerada um dos melhores lançamentos da temporada cheia de novidades no canal (KOGUT, 2013) com texto espetacular e atuações sob medida (LAVIANO, 2013), apesar do pouco destaque publicitário: Enquanto assistia fiquei me perguntando: por que o canal não fez o mesmo estardalhaço com a série como fez com Sessão de Terapia? (MONTONE, 2013). O texto é, de fato, um ponto alto da série, além do aprofundamento das personagens a partir das competentes interpretações das protagonistas. De forma breve, podemos caracterizá-la como uma dramédia a consciente e agridoce mistura de drama e comédia (ANG, 2010, p.89) com alta carga dramática e humor refinado, que revela como as diferentes gerações lidam com semelhantes questões do cotidiano feminino, tendo em vista o contexto social brasileiro contemporâneo. Tendo como foco de análise a construção discursiva, consideramos que o ferramental teórico e metodológico da Análise do Discurso (AD) de origem francesa 6 Concorreram na categoria as séries Agora Sim (Sony/Mixer); A Menina Sem Qualidades (MTV Brasil/Estudios Quanta); O Negócio (HBO/Mixer); 3 Teresas (GNT/Bossa Nova Films) e Latitudes (TNT/Losbragas/House Entertainment), sendo esta última a vencedora, conforme informações do site Meio e Mensagem, 2013.

8 podem nos ajudar a compreender a construção identitária do feminino na série 3 Teresas. Nas palavras de Orlandi, a Análise do Discurso visa fazer compreender como os objetos simbólicos produzem sentidos, analisando assim os próprios gestos de interpretação que ela considera como atos no domínio simbólico, pois eles intervêm no real do sentido (2009, p. 26). Sendo assim, a partir da enunciação das protagonistas, buscamos perceber a produção de significados acerca do cotidiano feminino por meio dos olhares das três diferentes gerações, conscientes de que os sentidos e os sujeitos se constituem em processos em que há transferências, jogos simbólicos dos quais não temos o controle e nos quais o equívoco o trabalho da ideologia e do inconsciente estão largamente presentes (ORLANDI, 2009, p. 60). Buscando desvelar as camadas de sentido dessa série, partimos para uma análise a partir de nosso interesse em perceber as questões da felicidade; o modelo de autogestão a partir do empreendedorismo; e o consumo. Primeira Teresa em análise Nesse artigo, analisamos o primeiro episódio da série, intitulado O amor não tem vista pro mar, exibido na TV por assinatura em 08/05/2013 e que foi o mais assistido on-line, conforme informações disponíveis no site GNT Play 7. Com abordagem qualitativa amparada pela teoria da Análise de Discurso de linha francesa, nossa metodologia consistiu em transcrever todos os diálogos do episódio com marcações de cenários, tempos e personagens para, a seguir, selecionarmos os trechos mais expressivos para análise. Nesse momento, tomamos como eixo o discurso de Teresa (Denise Fraga) e trazemos três cenas principais. Em uma breve sinopse, nesse episódio, acontece a situação desestabilizadora que dá início à narrativa e, assim, à trama. Com o fim do casamento, o marido deixaria no fim do dia o apartamento em que o casal vivia com a filha, fazendo Teresa sonhar com novas perspectivas. A personagem é vitrinista e está montando um 7 O episódio teve visualizações. Fonte: < Acesso em: 03 ago

9 cenário de praia para coleção Primavera-Verão quando seu quase ex-marido chega à calçada e ela o chama para entrar. Assim, que entra na vitrine composta por vários castelos de areia e referências ao mar, Ringo (Enrique Diaz) pisa em um castelo de areia, desmanchando-o. Ele traz sacolas com itens que ela havia pedido para compor o cenário e trocam palavras. Ele elogia o trabalho dela e fica emocionado, mas ela, de postura firme e decidida, procura ser racional. No entanto, as lembranças emergem. RINGO: A gente passou a lua de mel numa praia assim, ó, com a areia sujinha assim ó, lembra? TERESA: Humm... eu lembro é do bicho geográfico que eu peguei... você coçando meu pé sem parar... (os dois dão risada). Depois disso eu nunca mais pisei na areia descalça. RINGO (puxando pela memória): Praia da Baleia. TERESA: Praia Preta, Ringo!! RINGO: Praia Preta... é?! Bom... o importante é que foi bom, né? TERESA: É, foi, foi bom (fala com frieza). Um casamento que começa com bicho geográfico só pode mesmo terminar numa vitrine sem vista pro mar. RINGO: A gente podia ir um dia pruma praia, assim de novo, juntos. Um dia... TERESA: É, um dia, quem sabe... como amigos (levanta-se e Ringo se estristece), já que é só isso que a gente tem sido nos últimos tempos. 8 Figura 2. Ringo e Teresa na vitrine 9 8 Transcrição do episódio disponível em: < Acesso em: 03 ago Print screen de cena a partir do link: <http://globosatplay.globo.com/gnt/tres-teresas/>. Acesso em: 03 ago

10 Embora lembre os detalhes da lua de mel sobre os quais Ringo se atrapalha, Teresa se mostra decidida quanto à separação, com consciência da sua responsabilidade com a sua felicidade e disposta a conquistar a vista pro mar, intertexto que surge em várias cenas do episódio como uma metáfora para a felicidade e a realização completa. A recordação de lembranças da lua de mel de um casamento que chega ao fim é apresentada em um cenário colorido, de praia e, emblematicamente, em uma vitrine, lugar de visibilidade. O paradoxo é a exposição do fim do relacionamento em um cenário bonito, que remete ao início do casamento, em meio à confusão do dia a dia, em um bairro comercial, onde pessoas passam para lá e para cá alheios ao que se passa ali. A visibilidade da vitrine contrasta com os dramas pessoais íntimos dos dois personagens em cena. Momentos depois, Teresa está no banheiro da loja onde montava a vitrine, quando entra Márcia, sua colega, fumando. TERESA: Márcia! Pode fumar aqui? MÁRCIA: Se você não contar, eu também não conto. Aliás, Teresa, por que você nunca me contou que o tal Ringo era assim? TERESA: Folgado? MÁRCIA: Charmosão, simpático... Separou por quê? TERESA: Porque chega uma hora que isso não é suficiente. MÁRCIA: O sexo piorou muito? TERESA: Você tem que dar todas as respostas sozinha. Quando a felicidade não existe mas está em outro lugar, sabe? MÁRCIA: Eu sabia... sempre tem outro. TERESA: Não tem nada de outro. MÁRCIA: Ihhh... Tô te achando muito pra baixo para quem tá separando. TERESA: Para, tô ótima. É que hoje ele vai embora de vez, sabe? Aí vem aquela sensação... MÁRCIA: de liberdade! Eu te invejo... vai começar a melhor fase da sua vida. Separada é solteira com experiência. 10 Aqui fica demonstrada de forma nítida o discurso da obrigatoriedade da felicidade nos dias atuais. Ao ser questionada sobre o motivo da separação, Teresa afirma que ter um marido charmoso e simpático não é suficiente, que quer algo mais. 10 Transcrição do episódio disponível em: < Acesso em: 03 ago

11 E essa pergunta gera um monólogo, uma vez que ela continua falando sobre isso, mesmo quando a amiga pergunta sobre sexo ( Você tem que dar todas as respostas sozinha. Quando a felicidade existe mas está em outro lugar, sabe? ). Márcia então diz: Eu sabia... sempre tem outro. A conversa um tanto desconexa se assemelha a monólogo interior ou fluxo de consciência, já que não há diálogo propriamente dito, mas sim frases soltas e perguntas que não são respondidas. Teresa parece querer se convencer de que está tomando a decisão certa, uma vez que a busca da felicidade e de construção da identidade exige dela a decisão da separação. Ao dizer que a felicidade existe mas está em outro lugar, a personagem evidencia a insatisfação com o atual momento e se coloca no papel de responsável por buscar a sua felicidade, que se torna obrigatória nos dias de hoje de tal forma que demonstrar tristeza ou sinal de infelicidade seria um fracasso. É preciso renascer constantemente, como analisa Bauman (2008, p.128): Mudar de identidade, descartar o passado e procurar novos começos, lutando para renascer tudo isso é estimulado por essa cultura como um dever disfarçado de privilégio. Nesse contexto, nem mesmo no momento em que se afasta de um companheiro com o qual conviveu por 16 anos, ela teria direito a ficar para baixo, já que a amiga exige dela uma atitude de alegria e comemoração: Tô te achando muito pra baixo para quem tá separando. Ela tenta animar Teresa ao enunciar: Separada é solteira com experiência. Esse enunciado é objeto de interdiscurso quando Teresa, a seguir, ao comprar um novo colchão, conversa com o vendedor. O consumo ganha aqui uma função social importante, como demarcador simbólico de uma transformação, ou seja, seria um rito de passagem: do status de casada para separada, ou solteira com experiência, intertexto que ela usa com orgulho. Comprar um novo colchão é usar o consumo para dizer alguma coisa sobre si mesmo (DOUGLAS; ISHERWOOD, 2004, 116), nesse caso, o novo estado civil. Mais uma vez, a enunciação de Teresa na loja de colchões mais parece um monólogo, pois enquanto o vendedor fala de questões práticas, como o número de

12 parcelas e as características técnicas do produto, o enunciado de Teresa deixa entrever um devaneio a partir das suas angústias, uma produção de sentido voltado ao merecimento de alegria, à busca da felicidade, da vista para o mar que ela tanto almeja. VENDEDOR: Sinta o encaixe perfeito do seu corpo no colchão. Não é isso que todo mundo quer? Eu digo, merece. TERESA: Isso, isso, merece. Merece. Eu mereço! (se deita com os braços abertos) VENDEDOR: Esse colchão não é um sonho distante como muita gente pensa. TERESA: Muita gente esquece que merece. VENDEDOR: É! É pra você? TERESA: Só. Inteiro, todinho pra mim. Pra mim... (se vira na cama de um lado para outro e de repente se senta). Mas também pode não ser, não sei. VENDEDOR: Você é solteira? TERESA: Eu pareço solteira? VENDEDOR: Não, não, desculpa. TERESA: Sou. Com experiência. VENDEDOR: E essa experiência pode ser sua em 10 vezes sem juros. TERESA: Não, não, a prazo não, não quero deixar nada pra depois. Figura 3. Teresa na loja de colchões 11 A mudança de identidade de Teresa traz a incerteza característica dos novos tempos o colchão é todo para ela ou também pode não ser, como ela diz, deixando clara a possibilidade de um novo amor que traga a felicidade tão desejada. De toda 11 Print screen de cena a partir do link: <http://globosatplay.globo.com/gnt/tres-teresas/>. Acesso em: 03 ago

13 forma, o consumo representa um ritual, que ajuda a conferir sentido, marcar um tempo e iniciar uma nova fase na vida da personagem: Os rituais são convenções que constituem definições públicas visíveis. [...] Viver sem rituais é viver sem significados claro e, possivelmente, sem memórias. [...] Os bens, nessa perspectiva, são acessórios rituais; o consumo é um processo ritual cuja função primária é dar sentido ao fluxo incompleto dos acontecimentos. (DOUGLAS; ISHERWOOD, 2004, p.112) A substituição do colchão é bastante representativa da nova fase da sua vida. O colchão do casal seria a materialidade da vida em comum que agora cede lugar a um novo colchão de casal, sem história, todinho para Teresa, simbolizando a sua nova vida de separada, ou solteira com experiência, enunciação da sua colega que ela repete ao vendedor como interdiscurso. O interdiscurso significa justamente a relação do discurso com uma multiplicidade de discursos, ou seja, ele é um conjunto não discernível, ao representável de discursos que sustentam a possibilidade mesma do dizer, sua memória. Representa assim a alteridade por excelência (o Outro), a historicidade. (ORLANDI, 2009, p. 80) O Outro surge na fala de Teresa de diversas formas: além desse caso explícito, que poderia ser classificado como intertexto, o marido também está presente por meio da experiência a que ela se refere a todo tempo. A personagem também deixa clara a sua urgência em buscar a felicidade: nada mais a prazo evidencia a sua necessidade de gozar o bem-estar de forma imediata, como é comum na sociedade de consumidores, em que a espera por realizações a longo prazo foi substituída pela satisfação imediata dos desejos, como acontece pelo consumo de bens. Podemos interpretar que a compra à vista do colchão representaria o início imediato de uma nova identidade, deixando para trás o casamento insatisfatório e inaugurando uma etapa distinta, na qual ela pretende encontrar a sua vista para o mar. Considerações finais Na contemporaneidade, a felicidade foi alçada à condição de dever ao qual todos devem empreender esforços, tal qual um projeto pessoal a ser gerenciado como

14 uma empresa. Para isso, o consumo fornece subsídios para uma reconfiguração de identidade, a partir das variadas fases da vida ou simplesmente de acordo com o desejo do sujeito da sociedade de consumidores (BAUMAN, 2008). Nas campanhas publicitárias, nas ficções televisivas dentre as quais tomamos como objeto a série 3 Teresas, e na mídia em geral, ecoa o discurso da felicidade como responsabilidade individual, dependente apenas da performance de cada um para obter o seu lugar ao sol ou sua vista para o mar, como o discurso de Teresa reitera, e do consumo como significante social que contribui para a formação de identidades. Essa produção nos indica como a enunciação da personagem traz a intrínseca relação entre os eixos da formação da identidade, da busca da felicidade e do consumo. Referências ANG, Ien. A ficção televisiva no mundo: melodrama e ironia em perspectiva global. São Paulo, MATRIZes, ano. 4, n. 1, p BAUMAN, Zygmunt. Identidade. Entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, BAUMAN, Zygmunt. Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: J. Zahar, BIRMAN, Joel. Muitas felicidades?! O imperativo de ser feliz na contemporaneidade. In: FREIRE FILHO, João. Ser feliz hoje: reflexões sobre o imperativo da felicidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, p DOUGLAS, Mary; ISHERWOOD, Baron. O mundo dos bens: para uma antropologia do consumo. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, EHRENBERG, Alain. O culto da performance: da aventura empreendedora à depressão nervosa. Aparecida, SP: Idéias & Letras, FRANÇA, Vera. A felicidade ao seu alcance : que felicidade, e ao alcance de quem, afinal? In: FREIRE FILHO, João. Ser feliz hoje: reflexões sobre o imperativo da felicidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, p FREIRE FILHO, João. A felicidade na era de sua reprodutibilidade científica: construindo pessoas cronicamente felizes. In: (Org). Ser feliz hoje: reflexões sobre o imperativo da felicidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, p FREIRE FILHO, João. Sonhos de grandeza: o gerenciamento da vida em busca da alta performance. In: ; COELHO, Maria das Graças Pinto (orgs.). A promoção do

15 capital humano: mídia, subjetividade e o novo espírito do capitalismo. Porto Alegre: Sulina, p HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, KELLNER, Douglas. A cultura da mídia. Bauru, SP: EDUSC, LOPES, Maria Immacolata V. de. Telenovela como recurso comunicativo. MATRIZes, São Paulo, ano 3, n.1, ago./dez. 2009, p.22. LOPES, Maria Immacolata V. de; MUNGIOLI, Maria Cristina P. Brasil: a telenovela como fenômeno midiático. In: LOPES, Maria Immacolata V. de; OROZCO GÓMEZ, Guillermo (coord.). Memória social e ficção televisiva em países ibero-americanos: Anuário Obitel Porto Alegre: Sulina, p ORLANDI, Eni. Análise do discurso: princípios e procedimentos. 8ª ed., Campinas, SP: Pontes, SILVA, Marcel Vieira Barreto Silva. Cultura das séries: forma, contexto e consumo de ficção seriada na contemporaneidade. Galáxia (São Paulo, Online), n. 27, p , jun Disponível em: <http://revistas.pucsp.br/index.php/galaxia/article/view/15810/14556>. Acesso em: 01 ago SLATER, Don. Cultura do consumo & modernidade. São Paulo: Nobel, Outras fontes GNT. 3 Teresas. Sobre a série. Disponível em: <http://gnt.globo.com/_3teresas/sobre/>. Acesso em: 23 ago KOGUT, Patrícia. 3 Teresas, do GNT: ótimas atuações em crônica do cotidiano. O Globo, 09 maio Disponível em: <http://kogut.oglobo.globo.com/noticias-datv/critica/noticia/2013/05/3-teresas-do-gnt-otimas-atuacoes-em-cronica-do-cotidiano.html>. Acesso em: 10 set LAVIANO, Eduardo. 3 Teresas: Triplamente relevante. Box de série. 10 maio Disponível em: <http://www.boxdeseries.com.br/site/3-teresas-triplamente-relevante/>. Acesso em: 10 set MEIO E MENSAGEM. APCA elege os melhores de TV, rádio e cinema. 10 dez Disponível em: <http://www.meioemensagem.com.br/home/midia/noticias/2013/12/10/apca-elege-osmelhores-de-tv-radio-e-cinema.html>. Acesso em: 10 jan MONTONE, Mônica. Crítica: nova série 3 teresas do canal gnt. Moniquices. 16 maio Disponível em: <http://www.monicamontone-blog.com/2013/05/critica-nova-serie-3-teresasdo-canal.html>. Acesso em: 10 set STYCER, M. GNT reconhece problemas em séries brasileiras, mas vai continuar investindo. Uol Entretenimento. São Paulo, 17 maio Disponível em: <http://televisao.uol.com.br/noticias/redacao/2013/05/17/gnt-reconhece-problemas-em-seriesbrasileiras-mas-vai-continuar-investindo.htm>. Acesso em: 23 set

FELICIDADE COM VISTA PARA O MAR: A CONSTRUÇÃO DISCURSIVA DO RELACIONAMENTO AMOROSO NA SÉRIE 3 TERESAS 1. GI3: Ficção TV e narrativa transmídia

FELICIDADE COM VISTA PARA O MAR: A CONSTRUÇÃO DISCURSIVA DO RELACIONAMENTO AMOROSO NA SÉRIE 3 TERESAS 1. GI3: Ficção TV e narrativa transmídia FELICIDADE COM VISTA PARA O MAR: A CONSTRUÇÃO DISCURSIVA DO RELACIONAMENTO AMOROSO NA SÉRIE 3 TERESAS 1 GI3: Ficção TV e narrativa transmídia Sílvia Góis Dantas 2 Universidade de São Paulo USP, Brasil

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

ADOLESCÊNCIA E IDENTIDADE: A POSSIBILIDADE DE DIÁLOGO ATRAVÉS DA EXTENSÃO

ADOLESCÊNCIA E IDENTIDADE: A POSSIBILIDADE DE DIÁLOGO ATRAVÉS DA EXTENSÃO ADOLESCÊNCIA E IDENTIDADE: A POSSIBILIDADE DE DIÁLOGO ATRAVÉS DA EXTENSÃO Eixo 2. Incorporación curricular de La extensión Universidade Federal de Santa Maria Rio Grande do Sul Brasil Email: mari_rm_@hotmail.com

Leia mais

Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda

Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda TOMITA, Iris Y. mestre Unicentro - PR RESUMO A expansão dos cursos de Publicidade e Propaganda nos anos 1990 reflete um contexto histórico

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

A INCIDÊNCIA DE PROPAGANDAS VIRTUAIS NA PRODUÇÃO DA CONDIÇÃO JUVENIL CONTEMPORÂNEA

A INCIDÊNCIA DE PROPAGANDAS VIRTUAIS NA PRODUÇÃO DA CONDIÇÃO JUVENIL CONTEMPORÂNEA A INCIDÊNCIA DE PROPAGANDAS VIRTUAIS NA PRODUÇÃO DA CONDIÇÃO JUVENIL CONTEMPORÂNEA Adriano Machado Oliveira, professor adjunto, Universidade Federal do Tocantins Dalsiza Cláudia Macedo Coutinho, estudante

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

5 Considerações finais retomando o problema

5 Considerações finais retomando o problema 5 Considerações finais retomando o problema A análise dos dados, dividida nos eixos critérios de avaliação, interpretação e juízo moral, tentou responder as perguntas formuladas no início da pesquisa como

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

A formatação de projetos sociais para crowdfunding 1

A formatação de projetos sociais para crowdfunding 1 A formatação de projetos sociais para crowdfunding 1 Eduardo Manente Batista 2 PPGCOM-ESPM Resumo Este artigo propõe a observação dos projetos sociais em plataformas de crowdfunding como um modo do novo

Leia mais

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança.

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança. Ser mãe hoje Cristina Drummond Palavras-chave: família, mãe, criança. Hoje em dia, a diversidade das configurações familiares é um fato de nossa sociedade. Em nosso cotidiano temos figuras cada vez mais

Leia mais

Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960. Maíra Zimmermann. No período relativo ao segundo pós-guerra, com o avanço da

Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960. Maíra Zimmermann. No período relativo ao segundo pós-guerra, com o avanço da Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960 Maíra Zimmermann Data da defesa: 15/MAIO/2009 Instituição: Centro Universitário Senac No período relativo ao segundo pós-guerra, com o

Leia mais

VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br

VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br APRESENTAÇÃO A timidez é um problema que pode acompanhar um homem a vida inteira, tirando dele o prazer da comunicação e de expressar seus sentimentos, vivendo muitas

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Faça amizades no trabalho

Faça amizades no trabalho 1 Faça amizades no trabalho Amigos verdadeiros ajudam a melhorar a saúde, tornam a vida melhor e aumentam a satisfação profissional. Você tem um grande amigo no local em que trabalha? A resposta para essa

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO Resumo Hoje muitas crianças convivem com narrativas audiovisuais na tv, no cinema e na Internet. Como se relacionam

Leia mais

estão em evidência hoje?

estão em evidência hoje? estão em evidência hoje? delas. Muito antes de entender quem eram e como pensavam as mulheres, percebemos que era fundamental identificar as diferenças comportamentais entre homens e mulheres. Afinal,

Leia mais

O LABORATÓRIO DE PESQUISA DA UNICARIOCA

O LABORATÓRIO DE PESQUISA DA UNICARIOCA Enquete Um estudo feito por matemáticos da Universidade de Vermont, nos Estados Unidos, mostrou que o dia preferido pelas pessoas é o domingo. Os pesquisadores analisaram 2,4 milhões de mensagens pela

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE COACHING EDUCATION By José Roberto Marques Diretor Presidente - Instituto Brasileiro de Coaching Denominamos de Coaching Education a explicação, orientação e aproximação

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

Porque o homem não muda. Evolui. Um estudo sobre a relação entre masculinidade, paternidade e publicidade na sociedade contemporânea

Porque o homem não muda. Evolui. Um estudo sobre a relação entre masculinidade, paternidade e publicidade na sociedade contemporânea Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 Porque o homem não muda. Evolui. Um estudo sobre a relação entre masculinidade, paternidade e publicidade na sociedade

Leia mais

Prof. Ms. Julio Cesar Fernandes II CICLO ESPM - BRASIL MÚLTIPLAS IDENTIDADES agosto de 2014

Prof. Ms. Julio Cesar Fernandes II CICLO ESPM - BRASIL MÚLTIPLAS IDENTIDADES agosto de 2014 Prof. Ms. Julio Cesar Fernandes II CICLO ESPM - BRASIL MÚLTIPLAS IDENTIDADES agosto de 2014 Indústria Cultural Teoria Crítica; Estudos Culturais; Produção cultural: obras ou serviços. Criados; Elaborados;

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

O discurso de mídia em relação a mulher 1

O discurso de mídia em relação a mulher 1 O discurso de mídia em relação a mulher 1 GLÁUCIA PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE CATOLICA DE BRASILIA O objetivo desta comunicação é fazer uma primeira discussão sobre o discurso da mídia em relação à mulher,

Leia mais

MÍDIA KIT ABRIL 2015

MÍDIA KIT ABRIL 2015 MÍDIA KIT ABRIL 2015 SOBRE O SALADA O Salada de Cinema busca informar, de maneira leve, sobre as novidades do cinema brasileiro e internacional por meio de notícias diárias, críticas dos lançamentos e

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Publicidade e Propaganda 2011-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMPANHA DE POSICIONAMENTO

Leia mais

A CRIANÇA NA PUBLICIDADE

A CRIANÇA NA PUBLICIDADE A CRIANÇA NA PUBLICIDADE Entrevista com Fábio Basso Montanari Ele estuda na ECA/USP e deu uma entrevista para e seu grupo de colegas para a disciplina Psicologia da Comunicação, sobre sua história de vida

Leia mais

UM OLHAR SOBRE A FORMAÇÃO ARTÍSTICA: A ESCOLA LIVRE DE TEATRO (ELT) DE SANTO ANDRÉ

UM OLHAR SOBRE A FORMAÇÃO ARTÍSTICA: A ESCOLA LIVRE DE TEATRO (ELT) DE SANTO ANDRÉ UM OLHAR SOBRE A FORMAÇÃO ARTÍSTICA: A ESCOLA LIVRE DE TEATRO (ELT) DE SANTO ANDRÉ Vilma Campos dos Santos Leite 270 Kátia Paranhos (Orientadora) (UFU) Inúmeras são as escolas de teatro, acadêmicas ou

Leia mais

De mãos dadas: RH e marketing

De mãos dadas: RH e marketing De mãos dadas: RH e marketing A união de RH e marketing é um dos melhores caminhos para a sobrevivência de uma empresa - e das próprias áreas Não é incomum, em tempos de turbulência e incertezas econômicas,

Leia mais

IDENTIDADE Equipe docente da disciplina Ser Humano em relações Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix

IDENTIDADE Equipe docente da disciplina Ser Humano em relações Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix IDENTIDADE Equipe docente da disciplina Ser Humano em relações Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix Traduzir- se (FERREIRA GULLAR) é todo mundo: outra parte é ninguém: fundo sem fundo. é multidão:

Leia mais

Líderes do Coração. A prática do amor no desenvolvimento de pessoas e equipes

Líderes do Coração. A prática do amor no desenvolvimento de pessoas e equipes Líderes do Coração A prática do amor no desenvolvimento de pessoas e equipes O que é? Líderes do Coração é um programa que cria espaços de estudo, reflexão e prática da arte da liderança, partindo do pressuposto

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

A DISCIPLINA DE FUTEBOL E SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA

A DISCIPLINA DE FUTEBOL E SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2 A DISCIPLINA DE FUTEBOL E SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA Daniel Ricardo Kruse - UNISINOS RESUMO - Este estudo busca compreender como está se dando a formação de professores de

Leia mais

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS Mestranda Kézia Dantas Félix 1, UEPB 1 Resumo: Neste artigo estudo o debate estabelecido em torno do cânone literário,

Leia mais

marketing de conteúdo como atrair novos alunos usando estratégias de conteúdo produzido por

marketing de conteúdo como atrair novos alunos usando estratégias de conteúdo produzido por marketing de conteúdo para EAD como atrair novos alunos usando estratégias de conteúdo produzido por índice 03 introdução 06 como fazer: passo a passo 06 1. mapear personas 08 12 2. Organizando o conteúdo

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA Geane Apolinário Oliveira UEPB Geane-cg@hotmail.com Introdução O presente artigo tem por objetivo enfatizar

Leia mais

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS Lucas Germani Wendt; Leonardo Pestillo de Oliveira; Letícia Rossi RESUMO: O presente projeto terá por objetivo

Leia mais

PSICOLOGIA SOCIAL COMUNITÁRIA E EMANCIPAÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA DE TRABALHO COM JOVENS

PSICOLOGIA SOCIAL COMUNITÁRIA E EMANCIPAÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA DE TRABALHO COM JOVENS PSICOLOGIA SOCIAL COMUNITÁRIA E EMANCIPAÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA DE TRABALHO COM JOVENS ARANTES, João Henrique Magri jh_arantes@yahoo.com.br PPGE/UFMT 1 PINTO, Evelyn Gonçalves de Arruda evelyn_pse@yahoo.com.br

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS

A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS FABIANA ALVES DE LUCENA (Especialista em Fisiologia do Exercício e Grupos Especiais, Faculdade Leão

Leia mais

EMPREENDEDORISMO UNIMÓDULO

EMPREENDEDORISMO UNIMÓDULO EMPREENDEDORISMO UNIMÓDULO Prof. Ricardo Suñer Romera Neto rsromera@hotmail.com Prof. Ricardo Suñer Romera Neto 1 Ementa Estudo dos fundamentos, experiências e conhecimentos acumulados a respeito das atividades

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

Entrevista - Espiritualidade nas empresas

Entrevista - Espiritualidade nas empresas Entrevista - Espiritualidade nas empresas 1 - O que podemos considerar como espiritualidade nas empresas? Primeiramente considero importante dizer o que entendo por espiritualidade. Podemos dizer que é

Leia mais

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Introdução Do que estamos falando? Um grupo específico de mulheres Uma visão Pesquisa de Doutorado na FGV EAESP

Leia mais

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA Mestrado e Doutorado em Comunicação Matrícula e Calendário acadêmico 2014.2 DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA: 29, 30 e 31/07/2014 LOCAL: A pré-matrícula deverá ser efetivada na Secretaria do PPGCOM ou através do

Leia mais

Construindo uma comunicação com uma adolescente com atitudes interpretativas. Ernesto René Sang 1

Construindo uma comunicação com uma adolescente com atitudes interpretativas. Ernesto René Sang 1 Construindo uma comunicação com uma adolescente com atitudes interpretativas. Ernesto René Sang 1 O propósito desta comunicação é contribuir com alguns elementos do material clínico do atendimento terapêutico

Leia mais

Incorporando a teoria e refletindo sobre a prática em dança contemporânea

Incorporando a teoria e refletindo sobre a prática em dança contemporânea Incorporando a teoria e refletindo sobre a prática em dança contemporânea Suzi Weber Departamento do Teatro da UFRGS Mestra (Université du Québec à Montreal (UQAM) Doutoranda Resumo: O corpo social refere-se

Leia mais

25 a 27 de maio de 2010 Facom-UFBa Salvador-Bahia-Brasil AS NOVAS CONFIGURAÇÕES DAS IDENTIDADES: ESTILO DE VIDA E CONSUMO

25 a 27 de maio de 2010 Facom-UFBa Salvador-Bahia-Brasil AS NOVAS CONFIGURAÇÕES DAS IDENTIDADES: ESTILO DE VIDA E CONSUMO 25 a 27 de maio de 2010 Facom-UFBa Salvador-Bahia-Brasil AS NOVAS CONFIGURAÇÕES DAS IDENTIDADES: ESTILO DE VIDA E CONSUMO Maria Eduarda Araujo Guimarães 1 Resumo: A teoria social contemporânea tem enfatizado

Leia mais

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP Brasil: qual é o teu negócio? 1 Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP RESUMO Baseado na composição

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

VI SEMINÁRIO INTERNACIONAL OBITEL Observatório Iberoamericano da Ficção Televisiva

VI SEMINÁRIO INTERNACIONAL OBITEL Observatório Iberoamericano da Ficção Televisiva VI SEMINÁRIO INTERNACIONAL OBITEL Observatório Iberoamericano da Ficção Televisiva Promoção: Centro de Estudos de Comunicação e Cultura (CECC/Linha Media, Technologies, Contexts), Faculdade de Ciências

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Histórias do Senhor Urso. 2. EPISÓDIO TRABALHADO A Prima do Coelho. 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Os brinquedos ouvem batidos na porta: é

Leia mais

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ 1 DES E PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ INTRODUÇÃO No Brasil, criou-se a ideologia da democracia racial para explicar que as oportunidades

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

O QUE FUNCIONA EM PUBLICIDADE NO VAREJO. Paulo Secches Officina Sophia

O QUE FUNCIONA EM PUBLICIDADE NO VAREJO. Paulo Secches Officina Sophia O QUE FUNCIONA EM PUBLICIDADE NO VAREJO Paulo Secches Officina Sophia Realização organização O QUE FUNCIONA E O QUE NÃO FUNCIONA NA COMUNICAÇÃO DE VAREJO Julho / 2012 TRÊS QUESTÕES-CHAVE A Comunicação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 MESTRADO: EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Estudos Organizacionais e Sociedade e Marketing e Cadeias

Leia mais

Escrita Eficiente sem Plágio

Escrita Eficiente sem Plágio Escrita Eficiente sem Plágio Produza textos originais com qualidade e em tempo recorde Ana Lopes Revisão Rosana Rogeri Segunda Edição 2013 Direitos de cópia O conteúdo deste livro eletrônico tem direitos

Leia mais

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Rodrigo Otávio Rio de Janeiro - A antropóloga e ambientalista Iara Pietricovsky faz parte do grupo de articulação da Cúpula dos Povos (evento das organizações

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA

ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA Themis Rondão Barbosa 1 IFMS Resumo: Este trabalho tem por objetivo analisar um texto publicitário da SKY publicado na revista Veja (n.

Leia mais

OS DIFERENTES MODOS DE LEITURA NO ENSINO DE CIÊNCIAS

OS DIFERENTES MODOS DE LEITURA NO ENSINO DE CIÊNCIAS OS DIFERENTES MODOS DE LEITURA NO ENSINO DE CIÊNCIAS Narjara Zimmermann (narjarazi@ige.unicamp.br) (Mestranda do Programa de Pós-graduação em Ensino e História de Ciências da Terra, Instituto de Geociências,

Leia mais

O grupo foi formado por todos os alunos da Turma-19 - de Marketing de Serviços.

O grupo foi formado por todos os alunos da Turma-19 - de Marketing de Serviços. Honorato Fonseca Atividade 12 Comportamento do Consumidor de Serviços Caros Alunos, As atividades das Semanas 12 e 13 serão realizadas em grupo. O grupo pode ser composto por todos os alunos. O objetivo

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO ANÁLISE DO DISCURSO DA PROPAGANDA MARLBORO SOROCABA 2014 1 Introdução O presente trabalho

Leia mais

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 GIL, Bruna; BOTTON, Andressa 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Psicóloga, formada pelo Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria,

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

A Imaginação Sociológica em Sala de Aula

A Imaginação Sociológica em Sala de Aula A Imaginação Sociológica em Sala de Aula Natália Braga de Oliveira* Incentivar os estudantes a olhar a vida cotidiana a partir dos pressupostos da Sociologia, os desperta para a reflexão e elucidação do

Leia mais

Aula Exclusiva Como usar a sua crise para transformar a sua vida. Exercícios de aprofundamento

Aula Exclusiva Como usar a sua crise para transformar a sua vida. Exercícios de aprofundamento Aula Exclusiva Como usar a sua crise para transformar a sua vida Exercícios de aprofundamento 1 - Identificando uma crise A - Você sente uma angustia, sente que o tempo está passando e tem lidado com um

Leia mais

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva CR I S G U E R R A p u b l i c i tá r i a, e s c r i to r a e pa l e s t r a N t e PERFIL Começou sua trajetória na internet em 2007, escrevendo o blog Para Francisco, que virou livro em 2008 e irá para

Leia mais

CONCURSO SEMANA DESIGN RIO EDITAL

CONCURSO SEMANA DESIGN RIO EDITAL CONCURSO SEMANA DESIGN RIO EDITAL Vivemos numa cidade privilegiada, cercada por belezas naturais e maravilhas desenvolvidas pelo homem. Pelo Brasil afora é difícil encontrar quem não seja apaixonado pelo

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Conhecendo o Rosquinha. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Balinha e Dentinho encontram um cachorro perdido

Leia mais

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com Tema:Humor Você vai ler a seguir um fragmento da peça teatral Lua nua, de Leilah Assunção, que foi encenada em várias cidades do país entre 1986 e 1989, sempre com grande sucesso de público e de crítica.

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS JOÃO DANILO BATISTA DE OLIVEIRA E CARLOS ALEXANDRE ANDRADE DOS SANTOS (depoimento)

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

Pré-requisito: Conhecimentos básicos de língua inglesa.

Pré-requisito: Conhecimentos básicos de língua inglesa. Pare de assistir e comece a escrever, criar e produzir para a televisão! A arte de contar histórias é a força cultural dominante no mundo contemporâneo, e as séries televisivas são o meio mais atraente

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

, como desenvolver o seu primeiro infoproduto

, como desenvolver o seu primeiro infoproduto Olá! Seja bem-vindo a essa série de três vídeos, onde eu quero mostrar exatamente como criar, como desenvolver e como fazer um marketing do seu próprio produto digital, criando um negócio altamente lucrativo

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS 1 Fornecer subsídios para a construção do Mapa Conceitual da Publicidade.

OBJETIVOS GERAIS 1 Fornecer subsídios para a construção do Mapa Conceitual da Publicidade. Unidade Universitária Centro de Comunicação e Letras 95 OBJETIVOS GERAIS Fornecer subsídios para a construção do Mapa Conceitual da Publicidade. Curso Publicidade e Propaganda Eixo Disciplinar Estudos

Leia mais

Toxicomanias - Introdução

Toxicomanias - Introdução Toxicomanias - Introdução Curso de Gerenciamento de Casos Rede SUS e SUAS Patrícia Rachel Gonçalves Psicóloga Clínica CETAD/UFBA Coordenação Núcleo de Clínica Coordenação Programa de Estágio Posição Discursiva

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

A Visão. Uma Introdução

A Visão. Uma Introdução 1 A Visão Uma Introdução Muitas pessoas sabem, já desde a infância ou juventude, o que querem ser na vida quando forem adultos, como, por exemplo, médico(a), enfermeiro (a), músico (a), advogado (a), ou

Leia mais

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 JUNIOR, Carlos de Faria 1 FERNANDES, Priscila Mendonça 2 Palavras-Chave: Indústria Cultural. Regime Militar. Telenovelas. Introdução O projeto consiste

Leia mais

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010 Regional Julho de 2010 Pesquisa de Avaliação Campanha Brasil 2010 - Regional No período entre 28 de junho e 02 de julho de 2010 foram realizados os Grupos Focais

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

A REPRESENTAÇÃO SOCIAL DO ENSINO DE PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO PARA ESTUDANTES DE LICENCIATURAS DA UFPA

A REPRESENTAÇÃO SOCIAL DO ENSINO DE PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO PARA ESTUDANTES DE LICENCIATURAS DA UFPA A REPRESENTAÇÃO SOCIAL DO ENSINO DE PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO PARA ESTUDANTES DE LICENCIATURAS DA UFPA Resumo RODRIGUES, Sônia Eli Cabral UFPA soniaely@ufpa.br PINTO, Ivany Nascimento Ivany.pinto@gmail.com

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola)

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola) Diego Mattoso USP Online - www.usp.br mattoso@usp.br Julho de 2005 USP Notícias http://noticias.usp.br/canalacontece/artigo.php?id=9397 Pesquisa mostra porque o samba é um dos gêneros mais representativos

Leia mais

CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA

CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA Aluna: Tatiana de Alemar Rios Orientador: Magda Pischetola Introdução A partir do estudo realizado pelo Grupo

Leia mais