SURDEZ E APRENDIZAGEM MATEMÁTICA: UMA REFLEXÃO ACERCA DA RESOLUÇÃO DE ATIVIDADES DE RACIOCÍNIO COMBINATÓRIO EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SURDEZ E APRENDIZAGEM MATEMÁTICA: UMA REFLEXÃO ACERCA DA RESOLUÇÃO DE ATIVIDADES DE RACIOCÍNIO COMBINATÓRIO EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM"

Transcrição

1 SURDEZ E APRENDIZAGEM MATEMÁTICA: UMA REFLEXÃO ACERCA DA RESOLUÇÃO DE ATIVIDADES DE RACIOCÍNIO COMBINATÓRIO EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM SIMONE D`AVILA ALMEIDA 1 (PPGEduc/UFRRJ). ALINE TERRA SALLES 2 (PPGEduc/UFRRJ). Resumo O objetivo deste texto é articular as idéias apresentadas por (BAIRRAL, 2007) acerca da aprendizagem matemática em Ambientes Virtuais de Aprendizagem. Ênfase será dada a utilização do Virtual Math Teams (VMT-Chat) que é um chat peculiar composto de duas partes fundamentais: uma destinada à inserção de mensagens gráficas e a outra a produção e interação entre seus usuários através da utilização da linguagem escrita. Utilizamos como referencial teórico a perspectiva histórico-cultural baseada nos estudos de Vygotsky (1989). O estudo foi realizado em uma escola da rede pública municipal de Duque de Caxias localizada na Baixada Fluminense, no Estado do Rio de Janeiro. Participaram da pesquisa, seis alunos surdos 9º ano de escolaridade. A opção pela utilização de referencial metodológico seguindo os pressupostos da pesquisa qualitativa (MINAYO, 2000; GLAT E PLETSCH, 2009), se deu devido à necessidade de compreender o processo de aprendizagem matemática em ambientes virtuais por alunos surdos. A coleta dos dados foi realizada através da utilização dos seguintes recursos: 1) Utilização de questionário e entrevista semi-estruturados, 2) observação participante (registro em diário de campo), 3) utilização de filmagem (análise de vídeo) com foco na interação entre os alunos e 4) transcrições escritas e gráficas realizadas no próprio ambiente virtual. Os dados coletados foram submetidos à análise de conteúdo que tem como referencial Bardin (1997). Destacamos que os resultados evidenciaram a dificuldade de interpretação de enunciados matemáticos escritos em Língua Portuguesa, o mesmo não ocorrendo quando os problemas foram propostos em Libras, bem como evidenciamos a resignificação dos conceitos matemáticos efetivando, portanto, a aprendizagem significativa através da utilização de ambientes virtuais e da mediação simbólica por parte das pesquisadoras. Palavras-chave: surdez; linguagem; aprendizagem matemática; Virtual Math Teams. 1 Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares (PPGEduc/UFRRJ). Professora substituta da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ/IM). Tutora do curso de Pós-graduação em D.A da UNIRIO e professora de Sala de Recursos Multifuncional para alunos surdos da rede municipal de Duque de Caxias. 2 Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares (PPGEduc/UFRRJ). Professora substituta da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ/maracanã)

2 INTRODUÇÃO Ser surdo predispõe a percepção do mundo através de experiências sensoriais diferenciada das que a maioria de nós ouvintes estamos habituados, pois além de dificultar ou muitas vezes impossibilitar a compreensão da fala humana dificulta também o aprendizado através de situações de oralidade as quais a comunidade ouvinte está constantemente exposta. Em meio a esta constatação, surge a internet que se bem utilizados pode vir a contribuir para a inserção desses indivíduos em condições favoráveis em nossa sociedade de forma a auxiliálos no processo de construção de sua autonomia e cidadania plena, através da modificação das formas de comunicação entre as pessoas (Brand apud Harasim, 2005 p. 337). A internet oferece uma diversidade de ferramentas direcionadas ao acesso de informação e conhecimento bem como de possibilidades reais de comunicação com o mundo. No entanto, todas as possíveis vantagens atribuídas a utilização da internet estão ainda pouco acessíveis ao surdo. Esta afirmação tem como base a constatação de que é comum as mídias possuírem uma interface que não contempla as especificidades lingüísticas atribuídas a comunidade surda usuária da Libras, justamente por estarem fundamentadas no paradigma ouvinte. Vale destacar, que as pesquisas direcionadas a aprendizagem desses indivíduos tendo como prática pedagógica a utilização de mídias educativas ainda são muito incipientes no que tangem a sua abordagem em estudos em nível de doutorado ou mestrado. Almeida (2013) relata a análise de 158 pesquisas em nível de doutorado e mestrado, dispostas no Banco de Teses da CAPES no período de 2008 a 2013, abordando a temática surdez. Os resultados evidenciaram dentre outro que embora tenha havido crescimento significativo, apenas quatro pesquisas, ou seja, 2,53% encontram-se diretamente relacionadas à utilização das mídias no processo de ensino aprendizagem de alunos surdos. No que concerne a realização de pesquisas tendo como foco a utilização de ambientes virtuais para a aprendizagem matemática, tema de nossa pesquisa, Salles (2013) apresenta os dados de um estudo utilizando o mesmo banco de dados no período de 2002 a 2011, para investigar os ambientes virtuais de aprendizagem (AVA) utilizados e seus principais contextos. Dentre os estudos realizados nesse período, nenhum deles apresentava como sujeitos os surdos. Em outro levantamento bibliográfico realizado por Salles (op. cit.) neste mesmo local de busca foram encontrados apenas dois trabalhos em nível de doutorado abordando a temática ensino de análise combinatória ramo da matemática pouco explorado no ensino da disciplina e com grande potencial inerentes a esses problemas que possibilita a engenhosidade e criatividade dos envolvidos através de múltiplas formas de resolução. 2. OBJETIVOS Este trabalho tem como objetivo contribuir com essa demanda investigando a aprendizagem matemática de alunos surdos mediados por um ambiente virtual específico: o Virtual Math Teams VMT-Chat na resolução de problemas com atividades de introdução a combinatória. 3. METODOLOGIA 1639

3 O presente texto apresenta os resultados de um estudo que aborda o processo de aprendizagem matemática em um ambiente virtual através da resolução de problemas de análise combinatória por alunos surdos em uma escola pública da Baixada Fluminense. Nessa direção, a análise está pautada em três aspectos que consideramos fundamentais no processo de aprendizagem virtual por alunos surdos, a saber: 1) interação aluno/aluno e a mediação do pesquisador, e 2) utilização da Língua Portuguesa escrita e da Libras aliada a pedagogia visual em ambientes virtuais. Visando contemplar os objetivos propostos adotamos os referenciais da pesquisa qualitativa, tendo como base os pressupostos etnográficos (PLETSCH & GLAT, 2007). Desta forma, foram empregados como instrumentos de coleta de dados: 1) Utilização de questionário e entrevista semi-estruturados, 2) observação participante (registro em diário de campo), 3) utilização de filmagem (análise de vídeo) com foco na interação entre os alunos e 4) transcrições escritas e gráficas realizadas no próprio ambiente virtual. Para a análise dos dados optou-se pelo método de análise de conteúdo 3. Conforme já mencionado anteriormente, a pesquisa 4 foi desenvolvida em uma escola pública localizada no município de Duque de Caxias, Estado do Rio de Janeiro, ao longo de aproximadamente quatro encontros de coleta de dados. Participaram da investigação: cinco alunos surdos do 8º e 9º ano de escolaridade atendidos no AEE (Atendimento Educacional Especializado) e uma professora da sala de recursos multifuncionais. Quadro nº1. Caracterização dos alunos surdos participantes da pesquisa. Identificação (nome fictício) Idade Ano de escolaridade Breve descrição dos alunos/diagnóstico 5 Cunha 14 9º Aluna com surdez neurossensorial, bilateral severa. Usuária apenas da Libras. Silva 19 8º Aluno com surdez neurossensorial, bilateral profunda. Usuário apenas da Libras. Linda Santos 17 9º Aluna com surdez neurossensorial, bilateral severa. Usuária da Libras e da Língua Portuguesa na modalidade oral. 17 9º Aluna com surdez neurossensorial, bilateral severa. Usuária da Libras e da Língua Portuguesa na modalidade oral. Souza 20 9º Aluno com surdez neurossensorial, bilateral severa. Usuário apenas da Libras. 3 Método de interpretação dos dados utilizado seguindo a proposição de Laurence Bardin (1977). 4 A pesquisa foi realizada entre os dias 02 de agosto a 16 de agosto de Os alunos surdos apresentados no quadro apresentam diferentes graus de competência linguística em função da subjetividade de cada um como, por exemplo, o grau e o tipo de surdez, a época em que a surdez foi adquirida e também e a estimulação recebida por intermédio de seus familiares. 1640

4 Quadro 2. Caracterização do professor do AEE participantes da pesquisa. Identificação Experiência na Formação/Especialização Área de atuação (nome fictício) área de surdez Sara 12 anos Graduação em Matemática e Classe especial especialização em Educação para alunos Especial com ênfase em surdos, AEE para surdez e certificado de alunos surdos e proficiência no ensino da aula de Libras Libras 6 em nível médio. para turmas de alunos ouvintes. do 5º ano de escolaridade O ambiente virtual de matemática: VMT-Chat The Math Drexel 7 é um espaço destinado a Educação e Educação Matemática na Internet que é administrado pela Faculdade de Educação da Drexel University, Philadelphia - USA, e tem como objetivo fornecer recursos, produtos e serviços para o ensino e aprendizagem de matemática. Fundado em 1992, inicialmente era apenas um fórum de geometria que foi ampliado em 1996 se tornando esse espaço de qualidade que é reconhecido pelos diversos serviços prestados como suporte na aprendizagem de alunos, professores em formação inicial e em desenvolvimento profissional, pesquisadores, pais e educadores interessados em matemática e educação matemática integrada com as tecnologias. Desde a sua criação seus idealizadores trabalham por atualizações e melhorias no espaço virtual. Uma de suas novidades foi criado em 2003, o Virtual Math Teams (VMT-Chat), que é o ambiente virtual de aprendizagem utilizado neste estudo Esse ambiente foi criado para que os alunos trabalhem e façam matemática online além de fazer parte de projetos de pesquisa educacional que investiga temas como: a aprendizagem colaborativa, a interação dos alunos, problemas que podem ser propostos no ambiente. O VMT-Chat é o ambiente utilizado para a resolução do problema pelos alunos e para acessálo 8 é necessária a realização de um cadastro para gerar nome e senha de acesso ou através de um cadastro previamente criado pelo pesquisador através das ferramentas do administrador. 6 De acordo com o decreto 5.626/2005, o PROLIBRAS (exame de proficiência em Libras) é promovido anualmente pelo Ministério da Educação em parceria com o INES (Instituto Nacional de Surdos). Devendo ser realizado por banca examinadora de amplo conhecimento em Libras, constituída por docentes surdos e linguistas de forma a avaliar a fluência no uso, o conhecimento e a competência para o ensino dessa língua, habilitando aquele que aprovado exercerá a função de intérprete, instrutor ou o professor de Libras. 7 Veja a história do The Math Forum acessando o link:

5 Figura 1 Página para log in Fonte: Print screen da página inicial Com a obtenção do nome e senha de acesso é possível ingressar no site do VMT Lobby e em seguida escolher a atividade a participar. Figura 2 Salas virtuais Fonte: Print screen da página inicial Localizado o problema a ser trabalhado é preciso clicar sobre o mesmo e fazer o download da sala virtual. O VMT é um ambiente virtual de aprendizagem singular, com diversas ferramentas interativas, a seguir apresento a sua interface: 1642

6 Figura 3 - Tela do VMT-Chat Fonte: Print screen da tela do ambiente virtual Constituído de duas partes fundamentais e irrestritas aos participantes em sua funcionalidade: o quadro branco (whiteboard), espaço para desenhar, inserir figuras, responder, etc. isto é, para representações gráficas e área de chat para representações textuais. Nesses dois espaços tudo o que é feito estará disponível a todos os participantes. Após o momento para conhecer o ambiente (chamamos de ambientação) é proposto uma tarefa para ser resolvida com o grupo no chat. Terminada a sessão é possível gerar um documento com toda a transcrição escrita de todos os participantes, inclusive de seus feitos no quadro branco (whiteboard). Além disso, é possível gerar um real player de toda a manipulação feita no quadro branco pelos participantes em ordem cronológica. É importante dizer que nesse ambiente as mensagens do chat e as ilustrações no quadro branco acontecem no processo interativo constantemente, não havendo predominância nem importância de um espaço em relação ao outro como sublinhado em Salles e Bairral (2010). Em razão disso, entendo que o processo interativo deve ser visto como uma conjunção (BAIRRAL; POWELL, 2008) e a inter-relação dos espaços e a natureza dual do ambiente é importante para o desenvolvimento do raciocínio matemático como sublinhou Çakir et al. (2009). A análise dete trabalho utiliza os dados da implementação realizada com cinco alunos surdos da Escola Municipal Santa Luzia, localizada em Duque de Caxias, baixada fluminense do Rio de Janeiro. Aproveitamos o laboratório de informática da própria escola para realizar as atividades. Os participantes não conheciam o ambiente virtual. Eles interagiram (no mês de agosto de 2013) em atividades de combinatória através dos bate-papos com duração total aproximada de 2h, divididas em três sessões. 1643

7 4. DESENVOLVIMENTO: DIÁLOGO ENTRE O REFERENCIAL TEÓRICO E OS RESULTADOS DA PESQUISA Os resultados encontrados serão gradativamente apresentados de acordo com os seguintes eixos apresentados anteriormente: (1) Interação aluno/aluno e a mediação do pesquisador através da utilização da pedagogia visual em ambientes virtuais. (1) Interação aluno/aluno e a mediação do pesquisador através da utilização da pedagogia visual em ambientes virtuais Como relatado anteriormente, os encontros foram realizados na sala de informática da escola, pois acreditávamos ser este o ambiente mais propício para a realização da pesquisa. O primeiro encontro foi marcado por muita curiosidade por parte dos alunos e de uma das pesquisadoras, que se encontrava pela primeira vez imersa no universo da surdez. Estavam presentes também, mais uma pesquisadora e a professora da sala de recursos multifuncional. Ambas funcionavam como intérpretes para garantir a comunicação entre os envolvidos na pesquisa. Inicialmente a proposta foi o reconhecimento do AVA pelos alunos surdos, de forma que pudessem conhecer o espaço e as funções possíveis dispostas em cada ícone. Os alunos demonstraram estar surpresos com a possibilidade de interação apresentada pelo ambiente, pois assim que começaram a desenhar perceberam que todos estavam compartilhando o que era exposto individualmente, vantagem ressaltada por Bolite Frant e Kindel (2013) sobre este ambiente. Outro momento interessante foi a descoberta do chat, pois já estavam habituados a estabelecer este tipo de comunicação on-line. A figura abaixo ilustra um momento de interação propiciado pelo AVA ao utilizarem o quadro branco e o chat. Figura 4 - Tela do VMT-Chat na ambientação Fonte: Print screen da tela com os alunos interagindo 1644

8 Como atividade inicial foi proposto uma tarefa visando explorar o raciocínio combinatório. Essa atividade tem como referência os estudos de Della Nina, Menegassi e Silva (2009). Problema 1: Bruna participará da festa que está sendo organizada por uma turma da escola, mas ainda não decidiu como irá vestida. Ela retirou do seu armário 3 calças, 5 blusas, 3 vestidos e 2 pares de sapatos. De quantas maneiras diferentes ela poderá se vestir para ir à festa? Selecionamos primeiro este problema que pode ser resolvido com o princípio fundamental da contagem para observar quais estratégias (matemáticas, comunicativas, etc..) os alunos utilizariam. Para resolver o problema eles precisariam dividí-lo em duas partes: (1) quantas maneiras podemos arrumar 3 calças, 5 blusas e 2 pares de sapato para adicionar a (2) quantidade de maneiras de arrumar 3 vestidos e 2 pares de sapato. Para a primeira situação temos: 3 opções de calças x 5 opções de blusas x 2 opções de pares de sapatos = 30 maneiras diferentes de se vestir e para o segunda situação temos: 3 opções de vestido x 2 opções de pares de sapato = 6 maneiras diferentes de se vestir. Logo, 30 maneiras de se vestir adicionados a 6 maneiras é igual a 36 looks diferentes. Contudo, uma das pesquisadoras em diálogo com a professora do AEE percebeu que para iniciar as tarefas esta atividade seria um tanto complexa, pois exigiria maior conhecimento da Língua Portuguesa, já que a atividade não seria interpretada em LIBRAS. Decidimos em comum acordo propor então uma outra atividade correlata inicial que está descrita a seguir: Problema 2: Rafaela participará da festa da Escola Municipal Santa Luzia, mas ainda não decidiu como irá vestida. Ela retirou do seu armário 3 calças e 5 blusas. De quantas maneiras diferentes ela poderá se vestir para ir à festa? Este problema também pode ser resolvido com o Princípio Fundamental da Contagem. Com a possibilidade de 3 calças e 5 blusas, temos: 3opções de calças x 5 opções de blusas = 15 maneiras diferentes de se vestir. Os alunos começaram então o processo de decodificação da situação problema. Novamente percebemos uma barreira inicial devido ao pouco domínio da Língua Portuguesa por um dos alunos. Neste momento uma das pesquisadoras iniciou um processo de mediação utilizando recursos visuais como prática cotidiana educacional (LACERDA, SANTOS & CAETANO, 2011). É fundamental que as experiências visuais façam parte também do desenvolvimento de ferramentas digitais, de forma que favoreçam a ampliação das possibilidades de interação. Silva (1999: p. 34), propugna que: Ao trazer a epistemologia visual para o campo pedagógico, os surdos, ao mesmo tempo, que evidenciam as limitações do processo pedagógico centrado no som também apresentam a sua experiência visual como uma das alternativas possíveis para sua inserção e permanência no sistema de ensino brasileiro. 1645

9 Neste momento os alunos perceberam que uma das pesquisadoras estava mediando a atividade através do AVA. Figura 5 - Tela do VMT-Chat inserção de recursos visuais Fonte: Print screen da tela Foi introduzido então a imagem das 3 calças e 5 camisas de forma a auxiliar na compreensão do enunciado. Após esta intervenção, uma das alunas imediatamente apresentou pelo chat o resultado da tarefa. A aluna então foi inquirida pela pesquisadora acerca de como teria chegado a tal resultado. Onde foi estabelecido o seguinte diálogo: Porque você acha isso Linda?(pesquisadora) Explique para seus colegas. (pesquisadora) Me ajuda não entendi. (Souza) Nesse momento a aluna Linda começou a explicar aos seus colegas através da LIBRAS como chegou ao resultado, que escrevera previamente no chat: Eu acho tb 5x3=15 mas sei lá (Linda) O ocorrido destaca o fato de que o domínio básico da Língua Portuguesa atribuído a este grupo, atuou como agente dificultador da realização da tarefa apresentada pela pesquisadora, de forma que a aluna abandonou o AVA neste momento, como garantia de que sua explicação seria compreendida também por Souza, que demonstrava menor conhecimento da Língua Portuguesa que os demais alunos. Simões, Zava, Silva e Kelman (2011, p.3609) destacam que é necessário que o ensino de alunos surdos se apóie em duas vertentes, o bilinguismo e o uso de recursos, baseados na experiência visual, o que nos faz compreender o fato descrito acima. Após as intervenções da aluna, a pesquisadora inseriu um esquema de árvore de possibilidades (uma estratégia matemática para solucionar atividades de combinatória) e 1646

10 apresentou aos alunos. Eles não conheciam esse esquema e puderam conferir visualmente o resultado por eles obtido. Figura 6 - Tela do VMT-Chat resolvendo tarefa 1 Fonte: Print screen da tela com alunos interagindo Para o segundo encontro foi proposto então a seguinte atividade: Problema 3: Em uma festa na casa de Wellington estavam presentes 4 meninas e 2 meninos. A regra criada para que todos dançassem é que os pares não poderiam se repetir. Quantos pares foram formados? Destacamos que este enunciado, por sugestão da professora da sala de recursos, não foi apresentado em Língua Portuguesa, mas através da utilização de um vídeo anteriormente gravado com o auxílio de um dos intérpretes da instituição. Esta proposta se deve a constatação anterior de que um dos alunos apresentou dificuldades quanto à compreensão do enunciado apresentado apenas em Língua Portuguesa. Desta vez os alunos presentes rapidamente conseguiram encontrar o resultado correto e explicar aos outros o processo de resolução através de desenhos ou da multiplicação de um fator pelo outro. Este episódio ilustra que o processo de ensino/aprendizagem de alunos surdos mesmo em ambientes virtuais, precisa ser mediado pela utilização da LIBRAS, de forma a garantir a total compreensão dos enunciados, favorecendo a aquisição e desenvolvimento de conceitos matemáticos fundamentais na aprendizagem também de alunos surdos. (2) Apropriação de terminologias e utilização das mídias por alunos surdos. 1647

11 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Com base nos resultados apresentados, identificamos como as mídias não possuem interfaces que contemplem as especificidades lingüísticas atribuídas a comunidade surda usuária da Libras, justamente por estarem fundamentadas no paradigma ouvinte como destacado por Salles e Almeida (2013) e o quanto isto pode ser um fator dificultador para apropriação e uso. Percebemos que quanto à utilização do ambiente virtual apresentado houve interação entre os alunos e que o espaço de inserção das mensagens gráficas foi importante para a promoção da aprendizagem matemática, através da utilização de recursos visuais. Ressaltamos que a resolução de problemas é um campo fértil para o ensino e a aprendizagem da matemática em cenários virtuais, até mesmo quando é proposto antes de uma formalização do conteúdo matemático relacionado. Em sintonia com as investigações elencadas, percebemos que atividades de combinatória podem ser exploradas nesse tipo de ambiente, pois elas estimulam a criatividade mediante as diferentes possibilidades de representação para solucionar um problema envolvendo raciocínio combinatório, conforme ilustrado na análise em Salles (2013). 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALMEIDA, S. D. Atendimento educacional especializado: análise das políticas e práticas para alunos surdos em uma escola municipal de Duque de Caxias/RJ. Texto de qualificação de Mestrado. Rio de Janeiro. UFRRJ, PLETSCH, M. D. O papel da sala de recursos multifuncionais para alunos surdos: análise das práticas de uma escola da Baixada Fluminense. In: V Congresso Brasileiro de Educação Especial, 2012, São Carlos. V Congresso Brasileiro de Educação Especial, São Carlos, BAIRRAL, M. A. Discurso, interação e aprendizagem matemática em ambientes virtuais à distância. Rio de Janeiro: Edur, BAIRRAL, M. A.; POWELL, A. B. Analysing High School Students Interacting at Distance with VMT-Chat on Taxicab Problem. Anais do II SIPEMAT, Recife, Em CD-ROM. BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Editora Persona, BOLITE FRANT, J; KINDEL, D.S. Interações discursivas em ambiente virtual síncrono: licenciandos discutem sobre o infinito. In: BAIRRAL, M. A. (org). O uso de chat e de fórum de discussão em uma educação matemática inclusiva. Rio de Janeiro:Edur, Série inovacomtic, v.5, p , BRASIL. Decreto nº de 22 de dezembro de Brasília,

12 ÇAKIR, M. P., ZEMEL, A., & STAHL, G. The joint organization of interaction within a multimodal CSCL medium. International Journal of Computer-Supported Collaborative Learning, 4(2), , DELLA NINA, C. T.; MENEGASSI, M. E. J.; SILVA, M. M. da A. Análise combinatória: experiências de sala de aula. Boletim Gepem(55), Rio de Janeiro, , GLAT, R; PLETSCH, M. D. O método de história de vida em pesquisas sobre autopercepção de pessoas com necessidades educacionais especiais. Revista Educação Especial, Santa Maria. v. 22, n. 34, p , maio/ago HARASIM, L. Redes de aprendizagem: Um guia para ensino e aprendizagem online. São Paulo: SENAC, LACERDA, C. B. F. de.; SANTOS, L. F. dos ;CAETANO, J. F. Estratégias metodológicas para o ensino de alunos surdos. In Língua brasileira de sinais Libras uma introdução. UAB-UFSCar. São Paulo, p , MINAYO, M. C. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 7º ed., São Paulo: Hucitec, PLETSCH, M. D & GLAT, R. O ensino itinerante como suporte para a inclusão de pessoas com necessidades educativas especiais na rede pública de ensino: Um estudo etnográfico. In: Revista Iberoamericana de Educación (online), v.41, p. 1-11, SALLES, A. T..; ALMEIDA, S. D. Aprendizagem virtual: uma análise do desenvolvimento do raciocínio matemático em alunos surdos através da utilização do VMT-Chat. In: Anais. XII Congresso Internacional e XVIII Seminário Internacional do INES. A Educação de Surdos em Países da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, Em CD- ROM.. Aprendizagem no VMT-Chat: um estudo de caso focado no raciocínio combinatório de licenciandos em pedagogia. Texto de qualificação, UFRRJ, RJ, ; BAIRRAL, M.A. Interações e aprendizagem matemática: um estudo de interlocuções em VMT-Chat. In: Anais. ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA (X ENEM). 2010, Salvador. Anais do X ENEM, Salvador, Em CD- ROM. SILVA, V. Relações Sociais de Exclusão no âmbito Escolar e de Trabalho: Uma Perspectiva de Mudança para os Surdos na Escola Técnica Federal de Santa Catarina. In: II Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul, 1999, Curitiba. Fórum Sul de Coordenadores de Pós-Graduação em Educação - ANPED. Curitiba : UFPR/Setor de Educação, p

13 SIMÕES, E. da S.; ZAVA, D. H.; SILVA, G. C. F. da. & KELMAN, C. A. Menos do mesmo: a pedagogia visual na construção da L2. VII Encontro da Associação Brasileira de Pesquisadores em Educação Especial. Londrina, p , VYGOTSKY, L. S. A Formação Social da Mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes,

VMT-Chat e Licenciandos em Pedagogia: estudo das interações virtuais na resolução de tarefas de combinatória

VMT-Chat e Licenciandos em Pedagogia: estudo das interações virtuais na resolução de tarefas de combinatória VMT-Chat e Licenciandos em Pedagogia: estudo das interações virtuais na resolução de tarefas de combinatória Aline Terra Salles 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

MÉTODOS DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA USANDO ESCRITA, VÍDEO E INTERNET

MÉTODOS DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA USANDO ESCRITA, VÍDEO E INTERNET MÉTODOS DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA USANDO ESCRITA, VÍDEO E INTERNET série educação matemática Conselho Editorial Arlete de Jesus Brito Departamento de Educação, Unesp/Rio Claro Dione Lucchesi de

Leia mais

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg.

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg. CURSO DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS ON-LINE: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás

Leia mais

Educação a Distância Definições

Educação a Distância Definições Educação a Distância Definições Educação a distância é o processo de ensino-aprendizagem, mediado por tecnologias, onde professores e alunos estão separados espacial e/ou temporalmente; Visa a interação

Leia mais

NOME DO CURSO: Atendimento Educacional Especializado na Perspectiva da Educação Inclusiva Nível: Especialização Modalidade: A distância

NOME DO CURSO: Atendimento Educacional Especializado na Perspectiva da Educação Inclusiva Nível: Especialização Modalidade: A distância NOME DO CURSO: Especializado na Perspectiva da Educação Inclusiva Nível: Especialização Modalidade: A distância Parte 1 Código / Área Temática Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina Nível

Leia mais

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO: DA POLITICA À PRATICA NA ESCOLARIZAÇÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO: DA POLITICA À PRATICA NA ESCOLARIZAÇÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO: DA POLITICA À PRATICA NA ESCOLARIZAÇÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS Tamara França de Almeida; Roberta Pires Corrêa; Márcia Denise Pletsch Universidade Federal Rural

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA E SURDOCEGUEIRA: O ACESSO AO CONHECIMENTO NA SALA DE AULA REGULAR.

DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA E SURDOCEGUEIRA: O ACESSO AO CONHECIMENTO NA SALA DE AULA REGULAR. DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA E SURDOCEGUEIRA: O ACESSO AO CONHECIMENTO NA SALA DE AULA REGULAR. VII Seminário de Educação Inclusiva: direito à diversidade SHIRLEY RODRIGUES MAIA Florianópolis 2011 Surdocegueira

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO Carlos Eduardo Rocha dos Santos Universidade Bandeirante Anhanguera carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

A Prática Educativa na EAD

A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD Experiências na tutoria em EAD Disciplina de Informática Educativa do curso de Pedagogia da Ufal nos pólos de Xingó, Viçosa e São José da Laje (2002-2004).

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS 1 SUMÁRIO Funcionamento dos Cursos... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 07 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 09 Edição do Perfil... 12 Acessando as Atividades... 14 Iniciando o Semestre...

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar:

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar: A Educação Bilíngüe Proposta de educação na qual o bilingüismo atua como possibilidade de integração do indivíduo ao meio sociocultural a que naturalmente pertence.(eulália Fernandes) 1 A Educação Bilíngüe»

Leia mais

O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS

O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS Carlos Eduardo Rocha dos Santos, UNIBAN, carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA

UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA Aline Alcalá; Amanda Fernandes Dayrell; Danielle Martins Rezende; Gabriela Camacho; Renata Carmo-Oliveira O processo de inclusão de pessoas com necessidades

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

ENSINO DE CIÊNCIAS PARA SURDOS UMA INVESTIGAÇÃO COM PROFESSORES E INTÉRPRETES DE LIBRAS.

ENSINO DE CIÊNCIAS PARA SURDOS UMA INVESTIGAÇÃO COM PROFESSORES E INTÉRPRETES DE LIBRAS. ENSINO DE CIÊNCIAS PARA SURDOS UMA INVESTIGAÇÃO COM PROFESSORES E INTÉRPRETES DE LIBRAS. OLIVEIRA, Walquíria Dutra de. BENITE, Anna M. Canavarro. Mestrado em Educação em Ciências e Matemática UFG walzinha19@gmail.com

Leia mais

DOCENTE INTERLOCUTOR DE LIBRAS-LÍNGUA PORTUGUESA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DE UMA NOVA FUNÇÃO

DOCENTE INTERLOCUTOR DE LIBRAS-LÍNGUA PORTUGUESA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DE UMA NOVA FUNÇÃO 1 DOCENTE INTERLOCUTOR DE LIBRAS-LÍNGUA PORTUGUESA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DE UMA NOVA FUNÇÃO Mara Aparecida de Castilho Lopes 1 Ida Lichtig 2 Universidade de São Paulo - USP Resumo:

Leia mais

Prof. Neemias Gomes Santana UESB Graduação em Letras/Libras UFSC/UFBA Especialista em Tradução e Interpretação de Libras Mestrando em Tradução

Prof. Neemias Gomes Santana UESB Graduação em Letras/Libras UFSC/UFBA Especialista em Tradução e Interpretação de Libras Mestrando em Tradução Prof. Neemias Gomes Santana UESB Graduação em Letras/Libras UFSC/UFBA Especialista em Tradução e Interpretação de Libras Mestrando em Tradução Audiovisual e Acessibilidade - UFBA O papel do intérprete

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07/2015. O Conselho Municipal de Educação - CME, no uso de suas competências e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 07/2015. O Conselho Municipal de Educação - CME, no uso de suas competências e considerando: RESOLUÇÃO Nº 07/2015. Estabelece normas para Educação Especial na perspectiva de educação inclusiva para Alunos com necessidades educacionais especiais durante o período escolar em todas as etapas e modalidades

Leia mais

SUMÁRIO 1. ACESSO À PÁGINA DO AMBIENTE VIRTUAL 2. CONTATANDO O SUPORTE 3. ATUALIZAR PERFIL 4. COMO ACESSAR AS DISCIPLINAS

SUMÁRIO 1. ACESSO À PÁGINA DO AMBIENTE VIRTUAL 2. CONTATANDO O SUPORTE 3. ATUALIZAR PERFIL 4. COMO ACESSAR AS DISCIPLINAS SUMÁRIO 1. ACESSO À PÁGINA DO AMBIENTE VIRTUAL 2. CONTATANDO O SUPORTE 3. ATUALIZAR PERFIL 4. COMO ACESSAR AS DISCIPLINAS 5. PARTICIPANTES DA DISCIPLINA 6. ENVIAR MENSAGENS 7. PARTICIPAÇÃO NO FÓRUM 8.

Leia mais

REDU: UM AMBIENTE VIRTUAL COLABORATIVO PARA ENSINO DE PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO. Porto Nacional TO Maio 2012

REDU: UM AMBIENTE VIRTUAL COLABORATIVO PARA ENSINO DE PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO. Porto Nacional TO Maio 2012 REDU: UM AMBIENTE VIRTUAL COLABORATIVO PARA ENSINO DE PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO Porto Nacional TO Maio 2012 Categoria: Métodos e Tecnologia Setor Educacional: 3 Classificação das Áreas de Pesquisa

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

MBA Executivo. Coordenação Acadêmica: Prof. Marcos Avila Apoio em EaD: Prof a. Mônica Ferreira da Silva Coordenação Executiva: Silvia Martins Mendonça

MBA Executivo. Coordenação Acadêmica: Prof. Marcos Avila Apoio em EaD: Prof a. Mônica Ferreira da Silva Coordenação Executiva: Silvia Martins Mendonça Coordenação Acadêmica: Prof. Marcos Avila Apoio em EaD: Prof a. Mônica Ferreira da Silva Coordenação Executiva: Silvia Martins Mendonça 1 O Instituto COPPEAD: O Instituto COPPEAD oferece o curso de especialização

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ACESSIBILIDADE DOS SURDOS NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

UM ESTUDO SOBRE ACESSIBILIDADE DOS SURDOS NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA UM ESTUDO SOBRE ACESSIBILIDADE DOS SURDOS NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Marisa Dias Lima 1 ; Márcia Dias Lima 2 ; Fernanda Grazielle Aparecida Soares de Castro 3 Universidade Federal de Uberlândia; Universidade

Leia mais

PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL ISSN 2316-7785 PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Ivanete Zuchi Siple ivazuchi@gmail.com Marnei Mandler mmandler@gmail.com Tatiana Comiotto Menestrina comiotto.tatiana@gmail.com

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA.

IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA. IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA. Vanessa de Almeida Moura Maria Das Graças Barreto Da Silva André Luiz

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

PROPOSTA DE EDUCAÇÃO BILÍNGUE VOLTADA À SURDEZ NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO

PROPOSTA DE EDUCAÇÃO BILÍNGUE VOLTADA À SURDEZ NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO PROPOSTA DE EDUCAÇÃO BILÍNGUE VOLTADA À SURDEZ NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO Cristiane Correia Taveira, IHA/SME-Rio Laura Jane Belém, IHA/SME-Rio Micheli Accioly, IHA/SME-Rio Miriam Frias Nascimento,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB)

O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB) O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB) 076-A3 05/2005 Sônia Regina de Andrade Universidade Regional de Blumenau,

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

O Intérprete de Libras no Contexto da Sala de Aula na Cidade de Pelotas-RS

O Intérprete de Libras no Contexto da Sala de Aula na Cidade de Pelotas-RS INTRODUÇÃO Tecnicamente a diferença que existe entre tradutor e tradutor-intérprete é que o tradutor envolve pelo menos uma língua escrita entre as envolvidas e seu processo é consecutivo, ou seja, há

Leia mais

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N LABORATÓRIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ESPAÇO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E AMPLIAÇÃO DE CONHECIMENTOS REFERENTES À INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Florianópolis SC - maio 2012 Categoria: C Setor

Leia mais

A DESCRIÇÃO DO NOVO PERFIL PROFISSIONAL EXIGIDO EM PROCESSOS SELETIVOS DO RJ A ATUAÇÃO DO PROFESSOR- INTÉRPRETE NA EDUCAÇÃO DE SURDOS.

A DESCRIÇÃO DO NOVO PERFIL PROFISSIONAL EXIGIDO EM PROCESSOS SELETIVOS DO RJ A ATUAÇÃO DO PROFESSOR- INTÉRPRETE NA EDUCAÇÃO DE SURDOS. A DESCRIÇÃO DO NOVO PERFIL PROFISSIONAL EXIGIDO EM PROCESSOS SELETIVOS DO RJ A ATUAÇÃO DO PROFESSOR- INTÉRPRETE NA EDUCAÇÃO DE SURDOS. RENATA DOS SANTOS COSTA BORGES (INSTITUTO NACIONAL DE EDUCAÇÃO DE

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno Guia Rápido de Utilização Ambiente Virtual de Aprendizagem Perfil Aluno 2015 APRESENTAÇÃO O Moodle é um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) open source¹. Esta Plataforma tornouse popular e hoje é utilizada

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem...

O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem... O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 08 Edição do Perfil... 10 Ambiente Colaborar... 11 Iniciando

Leia mais

UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ

UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ ISSN 2316-7785 UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ Marinela da Silveira Boemo Universidade Federal de Santa Maria marinelasboemo@hotmail.com Carmen Reisdoerfer Universidade

Leia mais

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC ALVES,S.S.S 1 A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica

Leia mais

A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS

A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS São Paulo SP Maio 2012 Setor Educacional Educação Corporativa Classificação das Áreas

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão Modalidade: Comunicação oral/sinais Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão TÍTULO: QUEM É O INTÉRPRETE DE LIBRAS: A PERSPECTIVA DO ALUNO SURDO NO CONTEXTO DO

Leia mais

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Rouseleyne Mendonça de Souza NEVES Mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG Órgão financiador: CAPES

Leia mais

Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense

Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense Gerência da tutoria - o diferencial em uma plataforma on-line Luiz Valter Brand Gomes* Rosângela Lopes Lima* Filipe Ancelmo Saramago* Rodrigo Telles Costa* Instituto de Computação Universidade Federal

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

ATIVIDADE WEBQUEST COMO ABORDAGEM DIDÁTICA

ATIVIDADE WEBQUEST COMO ABORDAGEM DIDÁTICA ATIVIDADE WEBQUEST COMO ABORDAGEM DIDÁTICA Renato dos Santos Diniz renatomatematica@hotmail.com Adelmo de Andrade Carneiro adelmomatematico@yahoo.com.br Wesklemyr Lacerda wesklemyr@hotmail.com Abigail

Leia mais

Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança e ao Adolescente Surdo (SACAS).

Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança e ao Adolescente Surdo (SACAS). Temática(s): Acessibilidade em Biblioteca Tipo de Trabalho: Trabalho Técnico-Científico Título do trabalho: Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança

Leia mais

docência em libras E/OU tradução e interpretação de libras

docência em libras E/OU tradução e interpretação de libras PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU docência em libras E/OU tradução e interpretação de libras turma em: fortaleza/ce -> Aulas presenciais aos finais de semana; -> Professores altamente qualificados; -> Curso com

Leia mais

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 A GESTÃO ESCOLAR E O POTENCIAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

O ESTUDO DE FUNÇÕES DO PRIMEIRO GRAU POR MEIO DA ANÁLISE DA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA NO ENSINO FUNDAMENTAL

O ESTUDO DE FUNÇÕES DO PRIMEIRO GRAU POR MEIO DA ANÁLISE DA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA NO ENSINO FUNDAMENTAL O ESTUDO DE FUNÇÕES DO PRIMEIRO GRAU POR MEIO DA ANÁLISE DA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA NO ENSINO FUNDAMENTAL Ana Paula Rebello Pontifícia Universidade do Rio Grande do Sul - PUCRS prof.anapaula@ibest.com.br

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais TEXTOS ESCRITOS POR ALUNOS SURDOS: AS MARCAS DA INTERLÍNGUA MARTINS, Tânia Aparecida 1 PINHEIRO, Valdenir de Souza 2 NOME DO GT: Educação

Leia mais

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

A PRESENTAÇÃO SUMÁRIO

A PRESENTAÇÃO SUMÁRIO SUMÁRIO Apresentação Como ter sucesso na educação à distância A postura do aluno online Critérios de Avaliação da aprendizagem do aluno Como acessar a plataforma Perguntas freqüentes A PRESENTAÇÃO O Manual

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE*

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* 1 O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* Resumo Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária CESB (Curso de Espanhol Básico) para

Leia mais

MATEMÁTICA PARA ESTUDANTES SURDOS: UMA PROPOSTA PARA INTERVENÇÃO EM SALA DE AULA RESUMO

MATEMÁTICA PARA ESTUDANTES SURDOS: UMA PROPOSTA PARA INTERVENÇÃO EM SALA DE AULA RESUMO MATEMÁTICA PARA ESTUDANTES SURDOS: UMA PROPOSTA PARA INTERVENÇÃO EM SALA DE AULA Carla Eliza Santos Universidade Tecnológica Federal do Paraná carlaesantos@hotmail.com Clovis Batista de Souza Universidade

Leia mais

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Divane Marcon Fundação Universidade Federal do Pampa divanemarcon@unipampa.edu.br Fabiane C. Höpner

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO Avenida Cel. Antonio Esteves nº 01. Campos da Aviação. Cep 27.523.000. Resende-RJ. Tel/Fax: (24) 3383-9000

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO Avenida Cel. Antonio Esteves nº 01. Campos da Aviação. Cep 27.523.000. Resende-RJ. Tel/Fax: (24) 3383-9000 ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO Avenida Cel. Antonio Esteves nº 01. Campos da Aviação. Cep 27.523.000. Resende-RJ. Tel/Fax: (24) 3383-9000 www.aedb.br Prezado (a) Aluno (a) Sejam bem-vindos as disciplinas

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Ambiente Virtual de Aprendizagem (Moodle) - - Atualizado em 29/07/20 ÍNDICE DE FIGURAS Figura Página de acesso ao SIGRA... 7 Figura 2 Portal de Cursos... 8

Leia mais

UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES RESUMO

UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES RESUMO UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Dayana da Silva Souza 1 ; Luana de Oliveira F. Crivelli 1 ; Kerly Soares Castro 1 ; Eduardo Machado Real 2 ; André

Leia mais

Psicopedagogia Institucional

Psicopedagogia Institucional Psicopedagogia Institucional Pós-graduação 03 Módulo A: Introdução à Psicopedagogia Teorias da Aprendizagem Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem Desafio Profissional. Enunciado O tema deste

Leia mais

Curso de Pedagogia Ementário da Matriz Curricular 2010.2

Curso de Pedagogia Ementário da Matriz Curricular 2010.2 1ª FASE 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL A Biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão neurológica nos processos básicos: os sentidos

Leia mais

Manual do. Aluno. Brasília Empreendimentos Educacionais

Manual do. Aluno. Brasília Empreendimentos Educacionais Brasília Empreendimentos Educacionais 3 Apresentação 4 A BEE 5 A Educação a Distância EaD 6 O curso 7 O Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA 10 Como estudar na modalidade a distância 2 Apresentação Este

Leia mais

1. O processo de desenvolvimento de soluções tecnológicas educacionais

1. O processo de desenvolvimento de soluções tecnológicas educacionais MATPAPO: FERRAMENTA DE INTERAÇÃO SÍNCRONA PARA A APRENDIZAGEM DE ÁLGEBRA LINEAR Juliana Pereira G. de Andrade Universidade Federal de Pernambuco julianaandradd@gmail.com Verônica Gitirana Universidade

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas:

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online ENSINO DE MATEMÁTICA Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD 1. O que é EAD? EAD é a sigla para Ensino a Distância, ou Educação a Distância, uma modalidade de ensino que acontece a partir da união

Leia mais

Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Tecnologias de Informação

Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Tecnologias de Informação Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Ednilson Luiz Silva Vaz Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, UNESP Brasil ednilson_vaz@hotmail.com

Leia mais

NEAPI UMA PROPOSTA DE SUPORTE

NEAPI UMA PROPOSTA DE SUPORTE NEAPI UMA PROPOSTA DE SUPORTE PEDAGÓGICO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA, TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO E ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO VANESSA PINHEIRO profvanessapinheiro@gmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

O BLOG NUMA PERSPECTIVA EDUCOMUNICATIVA

O BLOG NUMA PERSPECTIVA EDUCOMUNICATIVA O BLOG NUMA PERSPECTIVA EDUCOMUNICATIVA SANTOS, Suara Macedo dos 1 - UFPE Grupo de Trabalho Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo O trabalho apresentado resulta

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO - UM CIDADÃO BILÍNGUE

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO - UM CIDADÃO BILÍNGUE O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO - UM CIDADÃO BILÍNGUE Maria Cristina Polito de Castro Universidade dos Bandeirantes UNIBAN cristinapolito@hotmail.com Resumo: O relato desta experiência aborda a

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 462, de 10/09/2012. VIGÊNCIA: 10/09/2012 POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 1/6 ÍNDICE

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288 71 EaD_UAB LETRAS LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA 009 Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução n. 005/CEG/009, de 5/03/009 Habilitar professores para o pleno exercício de sua atividade docente,

Leia mais