FACULDADES INTEGRADAS SIMONSEN FIS COORDENAÇÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADES INTEGRADAS SIMONSEN FIS COORDENAÇÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA"

Transcrição

1 FACULDADES INTEGRADAS SIMONSEN FIS COORDENAÇÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA RELATÓRIO FINAL CONTRIBUIÇÕES DA INFORMÁTICA PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA AUTOR: CHRISTIAN TOMAZ FERREIRA Rio de janeiro, Março de 2013

2 CHRISTIAN TOMAZ FERREIRA CONTRIBUIÇÕES DA INFORMÁTICA PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Relatório final apresentado para o Programa de Iniciação Científica da Faculdades Integradas Simonsen. Christian Tomaz Ferreira (Aluno) Faculdades Integradas Simonsen Msc. Sônia Cristina da Cruz Mendes (Orientadora) Faculdades Integradas Simonsen Rio de Janeiro, março de 2013

3 Quem não se movimenta não sente as correntes que o prendem Rosa Luxemburgo Qualquer tecnologia suficientemente avançada é indistinguível de magia Arthur C. Clarke

4 RESUMO FERREIRA, Christian Tomaz. Contribuições da Informática para a Educação Matemática, folhas. Relatório final apresentado para o Programa de Iniciação Científica da Faculdades Integradas Simonsen, Rio de Janeiro, Esta relatório apresenta parte do desenvolvimento de uma pesquisa que visa investigar práticas pedagógicas para o ensino de informática atrelado a matemática, a questão da inclusão digital e promover uma reflexão sobre a importância da boa formação dos professores. Para que esse trabalho fosse possível foram realizados estudos bibliográficos, bem como atividades práticas de apresentação de oficinas e envios de trabalhos para participação em congressos, simpósios, e feiras de ciências. Parte desse projeto vem sendo desenvolvido em uma escola de Educação Básica, da rede pública estadual do Rio de Janeiro. Constitui-se em uma investigação de práticas pedagógicas para o ensino e aprimoramento da informática, com o objetivo de investigar o papel do professor de informática, verificar como são desenvolvidas as aulas de informática, utilizar a informática como ferramenta para contribuir nas aulas de matemática e de outras disciplinas, para isso realizando um estudo sobre diversos softwares, como por exemplo: GeoGebra; Graphmatica; Excel; entre outros. Será agregado ao trabalho como vem sendo à realidade da utilização da informática no contexto escolar, o uso dos recursos didáticos, que viabilizem o processo de ensino e de aprendizagem; refletiremos acerca de diferentes práticas pedagógicas possíveis de serem aplicadas em sala de aula. Palavras-chave: Informática. Práticas Pedagógicas. Softwares. Inclusão digital.

5 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 Tela do software GeoGebra FIGURA 2 Foto da aula com auxílio do pesquisador Christian Tomaz FIGURA 3 FIGURA 4 FIGURA 5 FIGURA 6 Foto da aula com auxílio da Orientadora Sônia Mendes... Foto do pesquisador Christian e orientadora Sônia ao lado de Ricardo Kubrusly... Foto do grupo que participou do pôster comentado... Foto da professora Márcia com professora Estela Kauffmam e Sônia

6 LISTA DE SIGLAS SEEDUC PCN PDE SEED UFRJ ENIT USS FEMCEGEO Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro Parâmetros Curriculares Nacionais Plano de desenvolvimento da Educação Secretaria de Educação à Distância Universidade Federal do Rio de Janeiro Encontro de Iniciação Tecnológica Universidade Severino Sombra Feira de Ciência e Mostra Científica Estadual em Geodiversidade

7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DA LITERATURA MATERIAIS E MÉTODOS A INVESTIGAÇÃO Oficina Facilidades na Web Pesquisa de atividades com software GeoGebra Experiência de aula utilizando o software GeoGebra... Pesquisa com abordagem histórica Pesquisa de inclusão digital Contribuições para participação do CIEP na FEMCEGEO Pesquisa interdisciplinar... RECOMENDAÇÔES ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS Anexo 1- Apostila Facilidades na Web Anexo 2 Certificado de participação na oficina Facilidades na Web Anexo 3 Cartaz da Oficina Sociedade Interativa Anexo 4 - Telas da Oficina Sociedade Interativa Anexo 5 Certificado de Oficina de Noções básicas para utilização do GeoGebra Anexo 6 - Atividades para software GeoGebra Anexo 7 - Atividade para o ensino de função com software GeoGebra Anexo 8 - Artigo para UFRJ: Utilizando a Tecnologia para uma Abordagem Histórica da Matemática Interligada a Arte Anexo 9 - Comprovante de inscrição para 5º Congresso de História das Ciências e das Técnicas e Epistemologia UFRJ Anexo 10 Certificado da participação da 5º Congresso de História das Ciências e das Técnicas e Epistemologia UFRJ Anexo 11 - Artigo para II Encontro de Iniciação Tecnológica (ENIT) da USS: Sociedade Interativa Anexo 12 - Comprovante de inscrição para II Encontro de Iniciação Tecnológica

8 (ENIT) da USS Anexo 13 - Certificado da participação da II Encontro de Iniciação Tecnológica (ENIT) da USS: Sociedade Interativa Anexo 14. Cartaz da FEMCEGEO Anexo 15 Aceite de trabalho na FEMCEGEO Anexo 16 - Questionário Direcionado a Professores de Outras Áreas Anexo 17 Fotos da Oficina Facilidades na Web... 52

9 8 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho insere-se na linha de pesquisa de iniciação científica com enfoque da informática, das Faculdades Integradas Simonsen, situada no município do Rio de Janeiro. O campo de investigação é o da prática pedagógica da informática atrelada a matemática e a outras disciplinas e visa ampliar as discussões sobre a inclusão digital e a utilização de recursos didáticos tecnológicos pelos professores, acreditando, assim favorecer o ensino e a aprendizagem. As questões que nortearam a investigação foram: 1- Como é realizada a utilização da informática nas escolas? 2 - Como trabalhar a inclusão digital articulado à realidade de diferentes públicos? 3 - É possível estimular a utilização dos recursos tecnológicos por parte dos professores? O estudo emergiu de um conhecimento empírico gerado pelas experiências observadas em sala de aula. Para esta investigação levamos em consideração a desenvolvimento integral dos indivíduos, valorizando a intuição, visualização, percepção, descoberta, criatividade e reflexão acerca dos conceitos matemáticos a serem construídos. A pesquisa teve como objetivo encontrar como vem ocorrendo a inserção dos recursos tecnológicos e práticas pedagógicas que articulem o estudo da informática com diferentes disciplinas, envolvendo várias áreas de conhecimento. Este relatório foi dividido em seis capítulos, onde o primeiro é introdutório e tem como objetivo apresentar um breve cenário sucinto sobre o tema; no segundo capítulo, optamos por expor a revisão da literatura; no terceiro, abordaremos os materiais e métodos, que são basicamente de caráter bibliográfico e investigação de campo com enfoque qualitativo com participação e orientação dos pesquisadores; no quarto capítulo, a investigação, onde apresentamos os trabalhos já desenvolvidos até o momento e os trabalhos que se encontram em andamento. No quinto capítulo, de análise e discussão dos resultados, citamos as fragilidades e potencialidades encontradas no decorrer do trabalho. E, para finalizar, apresentaremos no sexto capítulo as considerações finais, onde teremos um panorama geral de todo o trabalho. Dessa forma, pleiteamos contribuir com a prática dos professores e a aprendizagem, principalmente, dos educandos.

10 9 2 REVISÃO DA LITERATURA Nesta seção, apresentaremos alguns trabalhos bibliográficos consultados, os quais possibilitaram uma análise sobre como vêm sendo abordados a questão da informática em diferentes níveis de ensino, na intenção de dar um panorama mais amplo sobre o assunto. Algumas das literaturas analisadas foram os artigos: Formação de Professores e as Novas Tecnologias 1, Didática e Ensino de Informática 2, e o filme O Clube do Imperador 3, os quais foram de grande valia para reflexões sobre nosso tema, além de contribuírem para a escolha dos requisitos fundamentais de nossa abordagem, como a utilização e nivelamento de softwares educativos. Outro trabalho que contribuiu para um direcionamento em nossa pesquisa é o de PICCOLI (2006), pois, trata de uma pesquisa desenvolvida em um laboratório de informática com alunos utilizando o software winplot, o qual permite plotar funções de forma similar ao GeoGebra que é nosso foco de estudo inicial. O autor aponta que a utilização dos softwares permite facilitar ao aluno a construção dos conceitos matemáticos, de forma questionadora, perceptiva e com uma melhor visualização. Os trabalhos citados permitiram embasamento para o inicio de nossas pesquisas. 1 O texto aborda como vem ocorrendo a inserção tecnológica nas escolas e sua apropriação pelos professores. 2 O texto discuti a questão da formação dos professores e a questão da política nacional relacionados a questão da utilização da ferramenta da informática. 3 Trata da história de um Professor comprometido com a formação dos educandos, aborda a questão do caráter e da ética.

11 10 3 MATERIAIS E MÉTODOS Foi utilizada uma metodologia de pesquisa bibliográfica, investigação de utilização e funcionamento de softwares. Realizamos, ainda, pesquisa prática, com montagem e desenvolvimento de oficinas, aulas em laboratório de informática, cujas observações incrementaram nossa investigação. Os resultados das atividades práticas desenvolvidas e seus resultados foram relatados e enviados para participação em encontros, simpósios e feiras de ciências, com aprovação e consequentemente apresentação. Relataremos mais detalhadamente as participações aceitas em eventos, no cápitulo da investigação, onde descrevemos cada atividade realizada. Os recursos que foram utilizados no desenvolvimento deste projeto foram de cunho intelectual, não havendo necessidade de nenhuma aquisição física, licenças, deslocamento ou contratação de serviços terceirizados. Acreditamos que a pesquisa acadêmica atrelada à prática, e a participação em eventos contribuiram positivamente para nosso trabalho.

12 11 4 A INVESTIGAÇÃO Neste capítulo faremos uma abordagem mais específica dos trabalhos que foram realizados, com apresentação das atividades que foram aplicadas em nossa pesquisa, incluindo os trabalhos aceitos por outras instituições. Os trabalhos a seguir foram realizados em sala de aula e no laboratório de informática pelos pesquisadores, onde coletamos informações e materiais para esta pesquisa. 4.1 Oficina Facilidades na Web Nesta seção, trataremos de apresentar um relato de experiência desenvolvido no laboratório de informática educativa do CIEP Brizolão 223 Olympio Marques dos Santos, através de uma oficina realizada no dia 19 de junho de 2012, que foi oferecida para funcionários, responsáveis dos alunos e comunidade, com parceria de uma professora da instituição, Márcia Ramalho Guinelle 4, idealizadora das oficinas. A Escolha do grupo foi devido ao fato de terem apresentado um grande interesse em ampliar os conhecimentos relacionados à tecnologia computacional. Tivemos como objetivo principal, nesta oficina, a inclusão digital, a fim de que houvesse uma maior interação dos responsáveis com a unidade escolar, proporcionando desse modo uma prática contínua e rotineira de manuseio do computador, principalmente em conexão à Internet para que esses participantes pudessem com mais frequência verificar os boletins escolares de seus filhos e acompanhar também o site da SEEDUC e conexão aluno. Visamos proporcionar aos participantes, novos conhecimentos e um pensamento crítico, visto que nossa pesquisa valoriza o cidadão como protagonista, tendo uma metodologia ativa pautada na Pedagogia de Projeto. A oficina iniciou com apresentação de vídeos educativos, palestras em PowerPoint e principalmente interação homem x máquina, no intuito de conscientizar os participantes sobre os pontos positivos e negativos das tecnologias. 4 Professora de Biologia, atuante como Orientadora Tecnológica (OT), função que faz parte da criação do Programa Nacional de Informática na Educação (PROINFO), que foi desenvolvido pela Secretaria de Educação à Distância (SEED) do Ministério da Educação (MEC), em parceria com o governo do Estado do Rio de Janeiro, e tem como objetivo introduzir novas tecnologias de informação e comunicação nas Escolas Públicas, como apoio ao processo de ensino e de aprendizagem.

13 12 Foi entregue aos alunos uma apostila (Anexo 1) com o passo a passo das atividades que foram realizadas na oficina, no formato de um manual, com o propósito de facilitar o acompanhamento dos alunos. O sucesso do resultado da oficina proporcionou o convite para continuidade do trabalho, organizando a produção de outros módulos, que foram consecutivamente realizadas, juntamente com a produção material. Os ministrantes da oficina obtiveram a certificação da participação (Anexo 2). Foi preparado um cartaz convite (Anexo 3) e realizado ao todo 12 (dose) módulos (Anexo 4), aos quais percebemos uma notável evolução dos participantes e deram o direito aos participantes de serem agraciados com Certificados de Participação. Foram escolhidos os seguintes temas para serem abordados nos módulos: a importância do uso do como fonte de comunicação e seus recursos, confecção de blogs, interação em redes sociais, as facilidades da web e apresentação de vídeos socioeducativos. O projeto foi divido em oficinas com duração de quatro meses, a princípio, sendo os módulos opcionais e independentes, com práticas interativas e produtivas. 4.2 Pesquisa de atividades com software GeoGebra A investigação do software GeoGebra 5 teve um enfoque matemático, buscando as possibilidades de ensino através do software. Esta parte da pesquisa proporcionou o envio de trabalho para o evento IV Matematicando, com a apresentação de uma oficina intitulada Noções Básicas para utilização do software GeoGebra, realizada pela orientadora Sônia Cristina da Cruz Mendes na Universidade Severino Sombra, no município de Vassouras, no dia 23 de junho de 2012, conforme certificação (Anexo 5), além da produção de material (Anexo 6). O software estudado permite executar e realizar atividades matemáticas relacionadas à geometria, álgebra e cálculo, além de contribuir com o professor na montagem de seus trabalhos 6 e avaliações que serão aplicadas em suas turmas, facilitando a construção de desenhos e figuras geométricas. 5 É um software de acesso livre e gratuito e pode ser utilizado por qualquer pessoa, ao acessar o endereço eletrônico: Além disso, apresenta versões para o sistema operacional do Windows e Linux. 6 O professor poderá fazer a figura desejada com o software e, para copiar no trabalho que está montando (teste, prova e outros), utilizar a tecla print screen do teclado do computador e ctrl v no documento do Word, ou no

14 13 Esse software foi desenvolvido na Áustria por Markus Horerwanter, da Universidade de Salzburg, e possibilita abordar vários conteúdos da Educação Básica, proporcionando aulas dinâmicas e produtivas, tornando-se um importante recurso metodológico para melhor visualização, percepção e investigação de propriedades, o que validam as conclusões dos alunos, por meio de suas próprias descobertas. É importante conhecer as divisões das funções de cada parte do software para melhor manuseio. Na Figura 1, apresentamos a divisão da tela do software em: Janela da álgebra visualização dos nomes dos objetos, representados por letras, e as coordenadas dos pontos e/ou as equações algébricas. Em nosso trabalho, pouco será utilizada essa função e, em geral, essa janela estará fechada na apresentação de nossas atividades. Janela da geometria ferramentas para realização de desenhos e figuras geométricas; pode ser utilizada com eixo cartesiano e/ou malha quadriculada ou não, além de permitir alteração das propriedades dos mesmos, tais como cor, espessura e outros. Barra de ferramentas possui as ferramentas necessárias para realização dos desenhos de fácil compreensão, pois aparecem as figuras e seus respectivos nomes. Utilizaremos em todas as atividades. Campo de entrada situado na parte inferior da tela, é utilizado para as mesmas funções da barra de ferramentas e para plotar gráficos de funções. próprio software ao abrir a caixa arquivo, exportar, copiar para área de transferência e ctrl v no documento do Word.

15 14 BARRA DE FERRAMENTAS JANELA DA ÁLGEBRA JANELA DA GEOMETRIA CAMPO DE ENTRADA Figura 1 - Tela do software GeoGebra Visamos, assim, propor atividades utilizando o software GeoGebra, com o intuito de reforçar e formular conceitos matemáticos, preexistentes no contexto de vida do estudante, desta forma contribuindo para as aulas de matemática. 4.3 Experiência de aula utilizando o software GeoGebra Nesta experiência trabalhamos com as turmas 1005 e 1023, do CIEP Brizolão 223 Olympio Marques dos Santos, onde preparamos uma aula utilizando o software GeoGebra para o ensino de funções, cujo o objetivo era observar a relação entre forma algébrica e os respectivos gráficos das funções. A aula foi realizada no dia 29 de agosto de 2012 no laboratório de informática da instituição, conforme figuras 2 e 3. Para realização desta aula foi preparado um material com atividades (Anexo 7).

16 15 Figura 2: Foto do aula com auxílio do pesquisador Christian. Figura 3: Foto do aula com auxílio da Orientadora Sônia Percebemos que os alunos se adaptaram muito bem com o software, solicitando inclusive outras aulas com mesmo. 4.4 Pesquisa com abordagem histórica Na tentativa de encontrarmos respostas para a problemática da inclusão digital aliada as questões do ensino de matemática, traçaramos um estudo com foco histórico. Verificando como vem sendo construído historicamente o conhecimento matemático. Esta parte da pesquisa nos possibilitou escrever um artigo, intitulado Utilizando a Tecnologia para uma Abordagem Histórica da Matemática Interligada a Arte (Anexo 8). Foi realizada a inscrição (anexo 9) e submissão do artigo citado acima no dia 26 de agosto de 2012, o qual foi aceito para participação no 5º Congresso de História das Ciências e das Técnicas e Epistemologia, que oconteceu na UFRJ, no período de 12 a 14 de novembro de O evento foi organizado pelo professor Doutor Ricardo Kubrusly (foto 4) e teve as as apresentações dos trabalhos reunidas nos anais do evento na página da internet

17 16 Figura 4: Foto do pesquisador Christian e orientadora Sônia ao lado de Ricardo Kubrusly O trabalho foi apresentado com formato de pôster comentado, conforme certificação apresentada (anexo 10), onde o grupo participante (foto 5), sentou em circulo e comentou cada um, seu trabalho para que após todas as apresentações, o grupo encontrasse os respectivos posteres relacionando-os aos seus apresentadores. Figura 5: Foto do grupo que participou do pôster comentado A forma como foi realizada a apresentação foi engrandecedora e inovadora, a discussão teve como mediadora a Professora Regina Dantas,

18 Pesquisa de inclusão digital Com as pesquisas realizadas para realização da oficina Sociedade Interativa e Facilidades na Web e também as subseqüente, reunimos material e escrevemos um artigo (Anexo 11) e realizamos a inscrição (Anexo 12) do mesmo para participar do II Encontro de iniciação tecnológica. Com aprovação do trabalho, apresentamos o mesmo em Vassouras (foto 6), na USS, no período de 23 de outubro de 2012 a 27 de outubro de 2012, conforme constante na página da internet e certificação (Anexo 13). Figura 6: Foto da professora Márcia com professora Estela Kauffmam e Sônia 4.6 Contribuições para participação do CIEP na FEMCEGEO No CIEP Brizolão 223 Olympio Marques dos Santos, acontecem vários projetos relacionados à questão do lixo e reciclagem, com intuito de conscientizar os jovens com relação aos problemas do bairro onde está situado, bem como produzir um olhar mais amplo com uma visão mundial. Nossa participação neste projeto foi com relação a uma assistência tecnológica para pesquisa dos alunos sobre o assunto, além da produção de Banner e vídeos, para apresentação na feira de Ciências que foi realizada na própria escola em 11 de outubro de Devido ao bom desempenho dos trabalhos apresentados foi enviado um resumo relativo a esse trabalho para I Feira de Ciência e Mostra Científica Estadual em Geodiversidade FEMCEGEO.

19 18 O Evento foi realizado na UFRJ no período de 08 de outubro de 2012 a 11 de outubro de 2012, conforme pode ser verificado na página da internet (Anexo 14). O trabalho enviado pela escola foi aceito para participação na Feira (Anexo 15), nosso trabalho foi relacionado às orientações e apoio tecnológico para participação dos alunos no evento, bem como contribuir na produção de materiais que necessitem do recurso da informática. O evento proporcionou aos alunos uma visita ao museu do Jardim Botânico, com um debate em forma de painel interativo sobre Lixão. 4.7 Pesquisa interdisciplinar Com o intuito de observar a pré-disposição docente acerca da interação entre a informática e as outras disciplinas, podendo ser matemática, química, física, história, etc. Foi confeccionado um questionário (Anexo 16) que foi respondido voluntariamente pelos professores das diversas áreas. As perguntas foram objetivas e claras, tendo como parâmetro principal observar as posturas dos docentes diante a inclusão digital dos alunos e ao uso da tecnologia para o ensino. Questionamos sobre o uso do computador, o acesso a internet, a utilização do laboratório, visto que, o mesmo possui vários softwares educacionais instalados de diversas áreas acadêmicas e sobre a integração da informática com as disciplinas. Após uma análise estatística dos resultados da pesquisa, foi possível perceber que apesar de todos terem computador em casa e utilizarem para o trabalho fora da sala de aula, a relação aula com utilização das diversas tecnologias ainda não acontece efetivamente. A instituição investigada possui infraestrutura para ensino das aulas no laboratório de informática, porém, muitos professores não conhecem os softwares educativos existentes, não acham o laboratório acessível, em conseqüência disso não realizan a utilização do mesmo de forma ativa. Este fato, curiosamente dispertou os pesquisadores, que levantaram a questão de que a tecnologia por si só não tem efeito e os espaços escolares, mesmo quando bem estruturados precisam oferecer a mão de obra do auxiliar tecnológico, pois, ainda existe uma insegurança por parte dos professores.

20 19 5 RECOMENDAÇÕES Para aplicação e desenvolvimento dessa pesquisa cabe indicar revela algumas recomendações, podem-se citar: a) Acessibilidade, adaptação do projeto para os casos de pessoas com necessidades especiais, que podem e devem estar dentro deste contexto da pesquisa. b) Paciência e dedicação, com uma metodologia própria para pessoas de terceira idade. c) Utilização de ferramentas simples para a familiarização com o ambiente virtual e utilização do mouse; d) Certificar-se que todos os participantes tenham compreendido o conteúdo aplicado, apresentando um atendimento individualizado, de computador a computador. E solicitar repetição das atividades para melhor fixação. Estas informações são fundamentais para o desenvolvimento da pesquisa, visto que é preciso respeitar as diferenças e peculiaridades dos alunos.

21 20 6 ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Um dos pontos positivos da pesquisa é a contribuição para melhorias no ensino/aprendizagem dos alunos, aprimoramento das práticas dos professores e do grupo pessoas pertencentes a comunidades que ainda encontrava-se à margem dos conhecimentos de informática. Percebemos que para ter êxito em nossa pesquisa e alcançar nossos objetivos de melhorias para a educação é preciso um intenso trabalho com dedicação e paciência. E deste modo, mesmo os que necessitam de uma maior atenção, conseguem adquirir conhecimentos. Quanto aos aspectos negativos, pode-se citar o tempo, pois, quando se está ministrando conhecimentos e a turma corresponde de forma interativa, nota-se que o tempo foi curto. O desenvolvimento dessa pesquisa nos permite encontrar vários pontos de vista sobre o processo de ensino e de aprendizagem aliado a inserção digital nas escolas.

22 21 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS O grupo participante da oficina facilidades na Web foi formado de forma heterogênia, com funcionários públicos, dona de casa, e desempregados, estes alunos apresentaram-se dedicadíssimos, e desempenharam um papel fundamental de percebermos a necessidade de inclusão do ser humano no contexto do mundo atual. Durante o desenvolvimento dessa oficina percebemos que dois alunos possuiam dificuldades auditívas, o que exigiu uma dedicação maior do corpo docente. A maioria dos participantes possuía dificuldades com o manuseio do mouse. Este problema foi solucionado praticando desenhos no Paint do Windows. Apesar da existência de recursos tecnológicos percebemos uma pouca utilização dos mesmos, por parte dos professores. A utilização da informática fica reduzida a criação de planilhas e documentos de texto, havendo uma utilização mínima dos softwares educacionais. Contudo, percebemos o interesse por palestras de inclusão digital e aprendizado sobre manuseio dos softwares, tais temas causam entusiasmo. Com as experiências registradas, o qual gerou a produção de artigos e participação em eventos, acreditamos ter esclarecido alguns de nossos questionamentos, mais ainda precisamos de muitas pesquisas sobre o tema para que seja possível encontrar respostas para todas as nossas inquietações. No decorrer de nossa pesquisa investigamos a problemática que envolve a atuação dos professores e alunos envolvidos no processo ensino/aprendizagem, e percebemos que ainda estamos distantes de aulas interativas com utilização de tecnologia.

23 22 REFERÊNCIAS BORBA, M. de C.; PENTEADO, M. G. Informática e Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, (Coleção Tendências em Educação Matemática) BOYER, C. B.. História da Matemática. Trad. Elza Gomide. São Paulo: Edgard Blucher, BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática. Brasilia: Ministério da Educacao e do Desporto. Secretaria de Educacao Fundamental Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática. Brasilia: Ministerio da Educação e do Desporto. Secretaria de Educacao Fundamental, Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Orientações curriculares para o ensino médio. v.2. Brasília: Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica, PDE - Plano de Desenvolvimento da Educação. SAEB: Ensino Médio: matrizes de referência, tópicos e descritores. Brasília: MEC, SEB; Inep, D AMBROSIO, U. Educação Matemática: da teoria à prática. Campinas-SP: Papirus, 1996 (Coleção Perspectivas em Educação Matemática). FAINGUELERNT, E. K. Educação Matemática: representação e construção em geometria. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, FONSECA, S. Metodologia de ensino: Matemática. Belo Horizonte-MG: Lê, FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, GOMES, G. C.; CARVALHO, M. A. de. Formação de Professores e as Novas Tecnologias (Artigo), FSA. MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa. Brasília: Universidade de Brasília, A teoria da aprendizagem significativa e sua implementação em sala de aula. Brasília: Universidade de Brasília, PICCOLI, L. A. P. A Construção de Conceitos em Matemática: Uma Proposta Usando Tecnologia da Informação. (Dissertação de Mestrado) Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul- PUC-RS. Porto Alegre: PUC, Disponível em: Acesso em: 28 junho THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez: Autores Associados, (Coleção temas básicos de pesquisa-ação) VIGOTSKY, L.S. A construção do pensamento e da linguagem. Trad. Paulo Bezerra. Sao Paulo: Martins Fontes, 2000

24 23. Psicologia pedagógica. Trad. Paulo Bezerra. Sao Paulo: Martins Fontes, 2004 NET, Baixa Logo Filmes. Download O Clube do Imperador:EUA:Europa Filmes, Disponível em: <http://www.baixalogofilmes.net/download-o-clube-do-imperador-dualaudio-2/gratis/> Acesso em: 13 jun 2012.

25 ANEXOS 24

26 ANEXO 1 25

27 ANEXO 2 26

28 ANEXO 3 27

29 ANEXO 4 28

30 29

31 30

32 31

33 32

34 ANEXO 5 33

35 34 ANEXO 6 ATIVIDADE 1 Digite na caixa de entrada as seguintes funções y = x + 1, y = x + 2, y = x 1, y = x 2, y = - x + 1, y = - x + 2, y = - x 1, y = - x 2 Retire o eixo cartesiano e analise geometricamente: a) Quais figuras geométricas você visualiza? b) Todas são semelhantes? c) O que caracteriza a semelhança dessas figuras? d) Quantos losangos você vê? ATIVIDADE 2 Faça um quadrado utilizando o ícone polígono e outro com polígono regular a) Qual a diferença que você percebe? b) Ambos são quadrados? c) O que caracteriza um quadrado? d) Meça os ângulos internos dos quadrados utilizando o ícone ângulo marcando três pontos da esqueda para direita? O que você percebe? e) Selecione mover marque um ponto do quadrado e movimente verificando o que acontece, descreva. ATIVIDADE 3 Faça um quadrado e um triângulo utilizando o ícone polígono com a malha no fundo. a) Meça os ângulos internos. b) Movimente um ponto. As figuras permanecem as mesmas, continua sendo um quadrado e um triângulo? c) Explique por que utilizamos como apoio um tripé. ATIVIDADE 4 Faça vários quadrados utilizando o ícone polígono regular com a malha no fundo. Nomeie cada quadrado. Meça os lados e a área das figuras. O que você percebe? ATIVIDADE 5 Faça um triângulo ou um quadrado usando a malha no fundo e o ícone segmento. Meça os segmentos e verifique se o lado do quadrado tem o mesmo valor da sua diagonal. Explique por que a fórmula da área do triângulo é metade da área do quadrado. COMO MONTAR SUAS PROVAS COM FIGURAS? Arquivo gravar como Arquivo exportar copiar para área de transferência ctrl v Print screen ctrl v

36 ANEXO 7 35

37 36 ANEXO 8 UTILIZANDO A TECNOLOGIA PARA UMA ABORDAGEM HISTÓRICA DA MATEMÁTICA INTERLIGADA A ARTE Christian Tomaz Ferreira Licenciando em Informática e Computação Faculdades Integradas Simonsen Sônia Cristina da Cruz Mendes Mestre em Educação Matemática Faculdades integradas Simonsen RESUMO Este artigo apresenta relatos sobre o desenvolvimento de nossa pesquisa para o Programa de Iniciação Científica, cujo, o objetivo principal e contribuir para inserção digital dos professores de matemática além de apresentar meios tecnológicos que tornem as aula mais atrativas e interessantes. Para alcançar os objetivos propostos realizamos um estudo histórico de como vem sendo produzido o conhecimento matemático ao longo do tempo. Encontramos na história uma contribuição e melhor compreensão para aprendizagem. Percebemos que a construção dos conceitos acontece de forma interdisciplinar, no caso da matemática encontramos um forte aliado nas artes. Para reprodução de algumas figuras, bem como, para inserí-las no contexto atual, utilizamos o software GeoGebra em nossas investigações. Palavras-chave: História da Matemática, GeoGebra. RELAÇÃO MATEMÁTICA E ARTE A construção dos conceitos matemáticos está relacionada a um processo de desenvolvimento de várias funções como atenção, lógica, abstração, comparação, discriminação e a generalização. Toda prática pedagógica é acompanhada de uma abordagem teórica e não há como isentá-la, e esta vem sendo produzida ao longo do tempo pelos estudiosos, ou seja, toda ciência tem uma formação histórica.

38 37 O conhecimento ganha vida quando apresentado como interligação do passado com o presente, proporcionando uma ação futura. O conhecimento da história pode ser um bom argumento para sustentação e entendimento de uma teoria. Segundo os PCN (BRASIL, 1998), a matemática deve estar ao alcance de todos para a educação inclusiva. Esta deve ser a prioridade do docente para buscar a democratização. Outro aspecto importante é que a matemática não seja abordada como conhecimento pronto e acabado. Assim é preciso construir e se apropriar dos conceitos para que ocorra a transformação e compreensão da realidade. Neste contexto, podemos fazer um estudo histórico de como o conhecimento matemático foi construído ao longo do tempo e sua ligação direta com outras ciências. A matemática tem a característica de observar o mundo real e relacionar com representações, e estas serão relacionadas aos princípios e aos conceitos matemáticos. Nesse processo, os alunos deverão falar, escrever, produzir gráficos, desenhos, construções e organizar os dados e resultados. O ensino da matemática deve traçar um caminho de busca da compreensão. Vamos citar um exemplo sobre compreensão humana. Quando apresentamos uma pessoa: - Este é Paulo. Ele apenas é Paulo, apenas um nome, sem valores e sentido. Continuamos sem saber quem é Paulo. O que faz a diferença é a história de Paulo. Onde queremos chegar? A importância que tem um contexto, mesmo que seja meramente histórico. A localização, a época, como e porque foi descoberto, quais os estudos que levaram à descoberta, esses fatores proporcionam o entendimento um tipo de ancoradouro. Quando o professor apenas apresenta conteúdos, nada faz sentido. O conteúdo apenas será memorizado ou decorado. É preciso contextualizar e vincular a utilidade ou uso atual, somente assim será encontrado o sentido, o motivo da existência do conteúdo a ser estudado. O conhecimento matemático deve ser apresentado aos alunos como historicamente construídos em permanente evolução. O contexto histórico possibilita ver a Matemática em sua prática filosófica, científica e social e contribui para a compreensão do lugar que ela tem no mundo (BRASIL, 1997, p.20) Comungamos que a arte nos fornece elementos para um estudo histórico, interdisciplinar, geométrico a fim de produzir um espaço de caráter motivador e investigador para construção dos conceitos matemáticos, e vice-versa, como por exemplo a utilização da razão áurea por artistas.

39 38 Os PCN (BRASIL, 1998) norteiam quais devem ser os recursos didáticos utilizados para o fazer matemática na sala de aula, os quais são: resolução de problemas, história da matemática, tecnologias da informação e os jogos. Ao recorrer à resolução de problemas, a história da matemática contribui para investigação de como é realizada ao longo do tempo a produção dos conhecimentos matemáticos, podendo o professor apresentar uma diversidade de resoluções para um mesmo problema segundo diversos matemáticos, em épocas variadas. A História da Matemática mostra que ela foi construída com resposta e perguntas provenientes de diferentes origens e contextos, motivadas por problemas de ordem prática (divisão de terras, cálculo de créditos), por problemas vinculados a outras ciências (Física, Astronomia), bem como por problemas relacionados a investigações internas à própria Matemática. (BRASIL, 1997, p.42) Com relação ao recurso história da matemática, como o próprio nome diz, está relacionado à utilização do contexto histórico como meio pedagógico para esclarecer e responder as dúvidas dos alunos. A história da matemática é um veículo de informação cultural, social, antropológico, que resgata a identidade cultural contribuindo para formação de um olhar crítico sobre os objetos de estudo para apreensão do conhecimento. Segundo Miguel (2009), desde o século XVII são discutidas as influências pedagógicas da história no ensino de matemática, posteriormente inseridas nos congressos, no início do século XIX. Esta inserção justifica-se devido ao fato que a história aumenta a motivação, além de humanizar a matemática e direcionar a cronologia histórica em que os conceitos foram desenvolvidos. A história da Matemática oferece oportunidade contextualização importantes do conhecimento matemático, em que a articulação com a história pode ser feita nessa perspectiva, tais como a crise dos irracionais no desenvolvimento da ciência grega, que tem conexão com obstáculos até hoje presentes na aprendizagem desse conceito. (BRASIL, 2006, p.95) Desse modo, contribui para uma melhor percepção dos alunos com relação à matemática e oportuniza a realização de investigações matemáticas. Apesar dos nítidos benefícios que o trabalho com a utilização da história no ensino da matemática pode trazer, ainda temos algumas dificuldades como a quase inexistência de

40 39 material bibliográfico com sugestões de atividades que possam ser utilizadas pelos professores em sala de aula (MIGUEL, 2009, p.10). Outras dificuldades estão relacionadas à formação dos professores, pois, de um modo geral, não ocorre um bom preparo para que estes utilizem em suas práticas pedagógicas e nem são usadas em suas próprias aprendizagens. Além dessas, existe a falta de tempo do professor em preparar aulas e os livros didáticos fazem, em geral, uma breve apresentação de dados históricos que servem meramente como um instrumento ilustrativo. As atividades pedagógicas que recorrem à história no ensino da matemática na prática de sala de aula têm como finalidades recriar problemas históricos, promover discussão sobre os distintos procedimentos, analisar fundamentos e métodos dos conceitos e debater aspectos da matemática que estão inseridos na construção histórica. Para que todos os tópicos acima sejam atingidos é necessário que a produção dos textos históricos matemáticos tenha o ponto de vista da escrita de um educador matemático. Este tipo de prática com a utilização da história são pedagogicamente úteis na construção de conceitos que muitas vezes são considerados entraves na aprendizagem matemática, como é o caso de questões de geometria. CONTRIBUIÇÕES DA TECNOLOGIA Outro recurso importante para interligar o estudo da arte presente na matemática é o das tecnologias computacionais, pois, permite através de softwares, fazer investigações matemáticas relacionadas as artes produzidas ao longo do tempo, como por exemplo uma investigação sobre a razão áurea. Cada vez mais se torna obrigatório no mundo e que podem fornecer aos professores uma ferramenta importante para contribuir na construção dos conceitos de matemática. Reafirmamos que a educação não pode ficar inerente a tal inserção. É preciso que na escola inicie o hábito da prática de utilização da tecnologia, tanto para realização de trabalhos como para contribuição e construção de uma aprendizagem significativa que tem como característica uma interação (não uma simples associação), entre aspectos especificos e relevantes da estrutura cognitiva e as novas informações, pelas quais estas adquirem significado (MOREIRA, 2006, p. 16).

41 40 Muitos advogam o uso do computador devido à motivação que ele traria à sala de aula. Devido às cores, ao dinamismo e à importância dada aos computadores do ponto de vista social, o seu uso na educação poderia ser a solução para a falta de motivação dos alunos (BORBA, PENTEADO, 2005, p.15) Nesse contexto, a escola precisa estar sempre atenta, aberta e direcionada às mudanças para então envolver os alunos na conquista do conhecimento. Uma das maneiras de conscientizar os professores sobre as práticas pedagógicas com o uso das novas mídias é levando-os à observação e utilização dessas práticas, através de um modo dinâmico para os docentes. Tendo em vista a complexidade de se introduzir novas práticas é visível a resistência de muitos professores em se apropriar desses recursos pedagógicos em suas ações didático-pedagógicas. Muitos professores desistem quando percebem a dimensão da zona de risco. Evitam qualquer tentativa nesse sentido. Muitas vezes assumem e justificam essa postura baseados ou no fato de que acham que computadores não são para escola, ou que não estão preparados e não encontram condições de trabalho na escola (BORBA, PENTEADO, 2005, p.15) Devido à problemática da formação do professor, acreditamos ser importante o desenvolvimento de trabalhos que envolvam atividades para o ensino utilizando a construção de figuras geométricas e artisticas com softwares, a fim de fornecer material que permita a inserção das tecnologias no contexto atual. MAIS AFINAL, POR QUE O GEOGEBRA? Desenvolvido por Markus Hohenwarter da Universidade de Salzburg para educação matemática nas escolas, o GeoGebra é um software matemático que reúne geometria, álgebra e cálculo, o que justifica nossa escolha por esse software. Podendo ter um parâmetro delineado a geometria dinâmica e outro equações e coordenadas. Este software veio para dinamizar as aulas de matemática, explorar os conteúdos, mais de forma nenhuma tem a pretensão de substituir o cálculo, como é feito, e seus resultados. É apenas uma ferramenta na gestão da educação que galga passos mais largos no tocante a dinamização da própria Matemática.

42 41 É necessário que o aluno tenha o mínimo de conhecimento em matemática, pois como já foi informado o Geogebra não ensina os cálculos matemáticos, sendo a atuação do professor fundamental. O software permite investigar elementos da matemática presentes nas artes, nas construções geométricas, como a razão áurea. Promovendo, assim, um ambiente investigativo e exploratório o qual acreditamos ser significativo. CONSIDERAÇÕES FINAIS Consideramos fundamental traçar a trajetória histórica a fim de buscar um significado para os conhecimentos a serem adquiridos. Neste contexto, ao buscar essa história da matemática, nos deparamos com a geometria e arte o qual tentamos apresentar ou reproduzi-la utilizando a tecnologia computacional, em especial o software GeoGebra. Com esse trabalho ligamos conhecimento presente do que será repassado para o aluno ao sentido histórico passado, respondendo os porquês e traçamos uma perspectiva futura. Dessa forma traçamos uma linha passado-presente-futuro da matemática. Acreditamos que toda forma lógica que leve o aluno ao conhecimento de determinado assunto proposto é bem-vindo, e se este método está contido na modernidade humana é melhor ainda, pois, informática está presente no contexto atual em diversas áreas. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS BORBA, Marcelo de carvalho; PENTEADO, Miriam Godoy. Informática e Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, (Coleção Tendências em Educação Matemática) BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática. Brasilia: Ministerio da Educacao e do Desporto. Secretaria de Educacao Fundamental BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática. Brasilia: Ministerio da Educação e do Desporto. Secretaria de Educacao Fundamental, BRASIL. Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias Brasília : Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica, p. (Orientações curriculares para o ensino médio ; volume 2) MIGUEL, Antonio et al. História da Matemática em atividades didáticas. São Paulo: editora Livraria de Física, 2009.

43 42 MIGUEL, Antonio. Três Estudos sobre História e Educação Matemática. Tese de Doutorado. SP: UNICAMP, Disponível em Acesso 08/07/2011, hora 14:00 MOREIRA, Marco Antonio. A teoria da aprendizagem significativa e sua implementação em sala de aula. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2006.

44 ANEXO 9 43

45 ANEXO 10 44

46 45 ANEXO 11 SOCIEDADE INTERATIVA SÔNIA CRISTINA DA CRUZ MENDES 1, CHRISTIAN TOMAZ FERREIRA* 2 e MÁRCIA RAMALHO GUINELLE 3 1 CIEP Brizolão 223 Olympio Marques dos Santos e Faculdades Integradas Simonsen Rio de Janeiro/RJ, Brasil; 2 Faculdades Integradas Simonsen Rio de Janeiro/RJ, Brasil; 3 CIEP Brizolão 223 Olympio Marques dos Santos Rio de Janeiro/RJ, Brasil Este trabalho apresenta um relato de experiência desenvolvido no laboratório de informática educativa do CIEP Brizolão 223 Olympio Marques dos Santos, através de oficinas que foram oferecidas para funcionários, responsáveis dos alunos e comunidade, visto que nossa prática escolar valoriza o cidadão como protagonista, tendo uma metodologia ativa pautada na Pedagogia de Projeto. Escolhemos esse grupo devido ao fato de terem apresentado um grande interesse em alargar seus horizontes relacionados à tecnologia computacional. Visando proporcionar aos participantes novos conhecimentos e um pensamento crítico, iniciamos as oficinas com apresentação de vídeos educativos, conscientizando sobre os pontos positivos e negativos das tecnologias, além da questão da rápida evolução que nos torna uma sociedade de consumo desordenado. Verificamos em relatos dos próprios alunos que eles conseguiram vencer seus medos pela continuidade das aulas associada a paciência e atenção dos professores. Desta forma resgataram sua autoestima, recuperando confiança em suas habilidades. Um dos fatores que consideramos relevante foi o fato de todos os participantes terem computadores em casa exceto um, e mesmo assim não faziam uso dessa tecnologia. Apesar da não familiaridade com a máquina todos interagiram muito bem, mostrando grande interesse em aprender. Tivemos como objetivo principal a inclusão digital a fim de que houvesse uma maior interação dos responsáveis com a unidade escolar, proporcionando desse modo uma prática contínua e rotineira de manuseio do computador, principalmente em conexão à Internet para que esses participantes pudessem com mais frequência verificar os boletins escolares de seus filhos e acompanhar também o site da SEEDUC e conexão aluno. Como metodologia, mostramos a importância do uso do como fonte de comunicação e seus recursos, confecção de blogs, interação em redes sociais, as facilidades da web e apresentação de vídeos socioeducativos. O projeto foi divido em oficinas com duração de quatro meses cada uma, sendo os módulos opcionais e independentes, com práticas interativas e produtivas. Palavras-Chave: Inclusão digital, Tecnologias, Informática. REFERÊNCIAS BORBA, M. de C.; PENTEADO, M. G. Informática e Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, (Coleção Tendências em Educação Matemática) BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática. Brasilia: Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educacao Fundamental, Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Orientações curriculares para o ensino médio. v.2. Brasília: Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica, 2006.

47 46 MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa. Brasília: Universidade de Brasília, A teoria da aprendizagem significativa e sua implementação em sala de aula. Brasília: Universidade de Brasília, 2006.

48 ANEXO 12 47

49 ANEXO 13 48

50 ANEXO 14 49

51 ANEXO 15 50

FACULDADES INTEGRADAS SIMONSEN FIS COORDENAÇÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

FACULDADES INTEGRADAS SIMONSEN FIS COORDENAÇÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADES INTEGRADAS SIMONSEN FIS COORDENAÇÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA RELATÓRIO PARCIAL CONTRIBUIÇÕES DA INFORMÁTICA PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA AUTOR: CHRISTIAN TOMAZ FERREIRA Rio de janeiro, Setembro

Leia mais

POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UM EXEMPLO COM ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA

POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UM EXEMPLO COM ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UM EXEMPLO COM ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA Maria Maroni Lopes Universidade Federal do Rio Grande do Norte marolopes@hotmail.com

Leia mais

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA 1 Samara Araújo Melo; 2 Arthur Gilzeph Farias Almeida; 3 Maria Lúcia Serafim 1 E.E.E.F.M Professor Raul Córdula,

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA

TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA Débora Dalmolin Universidade Federal de Santa Maria debydalmolin@gmail.com Lauren Bonaldo Universidade Federal de Santa Maria laurenmbonaldo@hotmail.com

Leia mais

UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ

UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ ISSN 2316-7785 UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ Marinela da Silveira Boemo Universidade Federal de Santa Maria marinelasboemo@hotmail.com Carmen Reisdoerfer Universidade

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO

A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO Maria Dasdores Vieira de França marri_ce@hotmail.com Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de

Leia mais

Informática Educativa no Ensino da Matemática Estudo de Geometria com o Software GeoGebra.

Informática Educativa no Ensino da Matemática Estudo de Geometria com o Software GeoGebra. Informática Educativa no Ensino da Matemática Estudo de Geometria com o Software GeoGebra. Orientador: Sérgio Antônio Wielewski Autora: Veridiana Cristina Soares de Melo e-mail: veridianacsm@gmail.com

Leia mais

MINICURSO: CONSTRUÇÕES GEOMÉTRICAS INTERATIVAS COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA

MINICURSO: CONSTRUÇÕES GEOMÉTRICAS INTERATIVAS COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA ISSN 2177-9139 MINICURSO: CONSTRUÇÕES GEOMÉTRICAS INTERATIVAS COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA Vanessa Etcheverria Cassuriaga vanessa19921000@hotmail.com Fundação Universidade Federal do Pampa, Campus

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Astronomia, Metodologia, Ensino, Software livre

PALAVRAS-CHAVE: Astronomia, Metodologia, Ensino, Software livre DESENVOLVIMENTO DE UMA METODOLOGIA DE ENSINO DE ASTRONOMIA COM O USO DE SOFTWARE LIVRE FILHO, Valdinei Bueno Lima 1, PRADO, Valdiglei Borges 2, SOARES, Fabrízzio Alphonsus A. M. N. 3, MARTINS, Alessandro

Leia mais

Fractais e o Geogebra: Construindo a curva de Koch

Fractais e o Geogebra: Construindo a curva de Koch Fractais e o Geogebra: Construindo a curva de Koch Regis Alessandro Fuzzo Universidade Estadual do Paraná Campo Mourão Brasil regisfuzzo@gmail.com Talita Secorun dos Santos Universidade Estadual do Paraná

Leia mais

EXPLORANDO A CONSTRUÇÃO DE MACROS NO GEOGEBRA

EXPLORANDO A CONSTRUÇÃO DE MACROS NO GEOGEBRA EXPLORANDO A CONSTRUÇÃO DE MACROS NO GEOGEBRA Valdeni Soliani Franco Universidade Estadual de Maringá vsfranco@uem.br Karla Aparecida Lovis Universidade Estadual de Maringá vsfranco@uem.br Resumo: Em geral,

Leia mais

Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Tecnologias de Informação

Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Tecnologias de Informação Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Ednilson Luiz Silva Vaz Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, UNESP Brasil ednilson_vaz@hotmail.com

Leia mais

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico José Carlos Coelho Saraiva 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância

Leia mais

O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU

O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU Elda Vieira Tramm/UFBa/EMFoco Jussara G. Araújo Cunha/SEC/Ba/EMFoco Nosso Desafio Construir o m do Mc Donald s

Leia mais

INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS SOBRE FUNÇÕES UTILIZANDO O WINPLOT

INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS SOBRE FUNÇÕES UTILIZANDO O WINPLOT INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS SOBRE FUNÇÕES UTILIZANDO O WINPLOT Luciano Feliciano de Lima Universidade Estadual de Goiás lucianoebenezer@yahoo.com.br Resumo: Esse minicurso tem por objetivo evidenciar possibilidades

Leia mais

Pibid 2013 Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência

Pibid 2013 Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência Proposta Edital nº. 61/2013 Número da proposta 128395 ID Projeto - UFU Instituição de Ensino Superior Nome UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA/UFU Código INEP 17 CNPJ 25.648.387/0001-18 Categoria administrativa

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA

UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA 1 UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA Resumo. Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada nas Instituições de Ensino

Leia mais

COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS 01. JUSTIFICATIVA: Entendemos que a Educação de Jovens e Adultos foi concebida para resgatar aqueles que por vários motivos tenham

Leia mais

PRODUÇÃO TÉCNICA ANÁLISE DE GRÁFICOS DE FUNÇÕES POLINOMIAIS DE GRAU MAIOR QUE DOIS COM AUXÍLIO DO SOFTWARE GRAPHMATICA

PRODUÇÃO TÉCNICA ANÁLISE DE GRÁFICOS DE FUNÇÕES POLINOMIAIS DE GRAU MAIOR QUE DOIS COM AUXÍLIO DO SOFTWARE GRAPHMATICA PRODUÇÃO TÉCNICA TÍTULO: ANÁLISE DE GRÁFICOS DE FUNÇÕES POLINOMIAIS DE GRAU MAIOR QUE DOIS COM AUXÍLIO DO SOFTWARE GRAPHMATICA AUTORES: Clóvis José Dazzi Maria Madalena Dullius Claus Haetinger CONTEXTUALIZAÇÃO:

Leia mais

USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO

USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO Luciano Bernardo Ramo; Maria Betania Hermenegildo dos Santos Universidade Federal da Paraíba. luciano_bernardo95@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM Fernanda Maura M. da Silva Lopes 1 Lorena Luquini de Barros Abreu 2 1 Universidade Salgado de Oliveira/ Juiz

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

Cálculo do Volume de um Sólido de Revolução: Uma Atividade Usando os Softwares Graph e WxMaxima

Cálculo do Volume de um Sólido de Revolução: Uma Atividade Usando os Softwares Graph e WxMaxima Cálculo do Volume de um Sólido de Revolução: Uma Atividade Usando os Softwares Graph e WxMaxima Claudia Piva Depto de Física, Estatística e Matemática DeFEM, UNIJUÍ 98700-000, Ijuí, RS E-mail: claudiap@unijui.edu.br

Leia mais

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO José da Silva de Lima¹; José Rodolfo Neves da Silva²; Renally Gonçalves da Silva³; Alessandro Frederico da Silveira

Leia mais

PIBID INVESTINDO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA. GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais

PIBID INVESTINDO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA. GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais PIBID INVESTINDO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais Felipe Hepp; URI-FW; felipehepp@hotmail.com Rosane Fontana Garlet;

Leia mais

A Divulgação do Sensoriamento Remoto como Projeto Participante em Mostra Cultural

A Divulgação do Sensoriamento Remoto como Projeto Participante em Mostra Cultural A Divulgação do Sensoriamento Remoto como Projeto Participante em Mostra Cultural Nelson Lage Da Costa Mestrando em Ensino de Ciências na Educação Básica da UNIGRANRIO Caixa Postal 77.180 Centro Nova Iguaçu

Leia mais

SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA

SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA Ms. Jeferson Fernando de Souza Wolff RESUMO O computador, como ferramenta pedagógica para ensino e aprendizagem

Leia mais

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 AVALIAÇÃO DO USO DO SOFTWARE GEOGEBRA NO ENSINO DE GEOMETRIA: REFLEXÃO DA PRÁTICA NA ESCOLA. Eimard Gomes Antunes

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Edward Luis de Araújo edward@pontal.ufu.br Evaneide Alves Carneiro eva@pontal.ufu.br Germano Abud de Rezende germano@pontal.ufu.br

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

BRINCANDO DE MATEMÁTICO

BRINCANDO DE MATEMÁTICO BRINCANDO DE MATEMÁTICO Carlos Alberto Rezende de Carvalho Junior Universidade Federal do Paraná (UFPR) carloscarvalhoj@gmail.com Janio de Jesus Cardoso Universidade Federal do Paraná (UFPR) ijanio_pt@yahoo.com.br

Leia mais

FUNÇÕES QUADRÁTICAS: UM ESTUDO INVESTIGATIVO ATRAVÉS DO WINPLOT

FUNÇÕES QUADRÁTICAS: UM ESTUDO INVESTIGATIVO ATRAVÉS DO WINPLOT FUNÇÕES QUADRÁTICAS: UM ESTUDO INVESTIGATIVO ATRAVÉS DO WINPLOT Conrado Robert, graduando em Licenciatura em Matemática, UFF Danielle Ferreira da Cruz, graduando em Licenciatura em Matemática, UFF Taciano

Leia mais

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS Lucas Gabriel Seibert Universidade Luterana do Brasil lucasseibert@hotmail.com Roberto Luis Tavares Bittencourt Universidade Luterana do Brasil rbittencourt@pop.com.br

Leia mais

Atividades com o GeoGebra: possibilidades para o ensino e aprendizagem da Geometria no Fundamental

Atividades com o GeoGebra: possibilidades para o ensino e aprendizagem da Geometria no Fundamental Atividades com o GeoGebra: possibilidades para o ensino e aprendizagem da Geometria no Maria da Conceição Alves Bezerra Universidade Federal da Paraíba Brasil mcabst@hotmail.com Cibelle Castro de Assis

Leia mais

Palavras-chave: Ensino; Matemática; Extensão; Aprendizagem lúdica

Palavras-chave: Ensino; Matemática; Extensão; Aprendizagem lúdica BRINCANDO DE MATEMÁTICO Autor: Érika Sathie Takatsuki Instituição: UFPR Email: erikatakatsuki@hotmail.com Autor: Larissa Kovalski Instituição: UFPR Email: larissa.kovalski@yahoo.com.br Autor: Jânio de

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS SILVA, Bárbara Tavares da 1 ARAÚJO, Junivan Gomes de 2 ALVES, Suênha Patrícia 3 ARAÚJO, Francinário Oliveira de 4 RESUMO Sabemos que

Leia mais

OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ESTUDO DE TÓPICOS DE MATEMÁTICA

OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ESTUDO DE TÓPICOS DE MATEMÁTICA 1 OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ESTUDO DE TÓPICOS DE MATEMÁTICA Josué Antunes de Macêdo 1 Taise Costa de Souza Nunes 2 Marcos Rincon Voelzke 3 Resumo O presente trabalho é resultado de uma pesquisa que teve

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO RESUMO Arlam Dielcio Pontes da Silva UFRPE/UAG Gerciane

Leia mais

LIXO ELETRÔNICO: Problema, discussão e conscientização trabalhados de forma interdisciplinar

LIXO ELETRÔNICO: Problema, discussão e conscientização trabalhados de forma interdisciplinar LIXO ELETRÔNICO: Problema, discussão e conscientização trabalhados de forma interdisciplinar Silviana Izabel Freire Severo 1 Débora da Silva de Lara 2 Maurício Ramos Lutz 3 Resumo: O presente relato tem

Leia mais

PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80

PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80 PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80 EMENTA DA DISCIPLINA O Estudo das funções e suas aplicações

Leia mais

Introdução ao GeoGebra

Introdução ao GeoGebra Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Introdução ao GeoGebra Prof. Dr. José Carlos de Souza Junior AGOSTO 2010 Sumário 1 Primeiros Passos com o GeoGebra 4 1.1 Conhecendo o Programa............................

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Como ensinar os porquês dos conceitos básicos da Matemática, visando a melhora do processo ensino e aprendizado

Mostra de Projetos 2011. Como ensinar os porquês dos conceitos básicos da Matemática, visando a melhora do processo ensino e aprendizado Mostra de Projetos 2011 Como ensinar os porquês dos conceitos básicos da Matemática, visando a melhora do processo ensino e aprendizado Mostra Local de: Paranavaí Categoria do projeto: II - Projetos finalizados

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática Rosangela Ferreira Prestes Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões DECET 1 / GEMEP

Leia mais

POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA

POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA Maria Maroni Lopes Secretaria Estadual de Educação Resumo: O presente mini-curso tem como objetivo apresentar as potencialidades

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE UM MAPA CULTURAL PARA O ENSINO DO TEMA BIOMAS E BIODIVERSIDADE NO BRASIL : UMA A PROPOSTA DE SEQUÊNCIA DIDÁTICA

A CONSTRUÇÃO DE UM MAPA CULTURAL PARA O ENSINO DO TEMA BIOMAS E BIODIVERSIDADE NO BRASIL : UMA A PROPOSTA DE SEQUÊNCIA DIDÁTICA A CONSTRUÇÃO DE UM MAPA CULTURAL PARA O ENSINO DO TEMA BIOMAS E BIODIVERSIDADE NO BRASIL : UMA A PROPOSTA DE SEQUÊNCIA DIDÁTICA JOÃO AUGUSTO DOS REIS NETO 1, JOÃO HENRIQUE OLIVEIRA PEREIRA 2, ANTONIO FERNANDES

Leia mais

ANEXO III. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO

ANEXO III. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA R E I T O R I A Rua Esmeralda, 430-97110-767 Faixa Nova Camobi Santa

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica.

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica. A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO LICEU ESCOLA DE ARTES E OFÍCIOS MESTRE RAIMUNDO CARDOSO: UM ESTUDO AVALIATIVO JUNTO A PROFESSORES E ALUNOS *Alcemir Pantoja Rodrigues ** Arlete Marinho Gonçalves Universidade do

Leia mais

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO NOME DO PROJETO Web Rádio: Escola César Cals- Disseminando novas tecnologias via web ENDREÇO ELETRÔNICO www.eccalsofqx.seduc.ce.gov.br PERÍODO DE EXECUÇÃO Março a Dezembro de

Leia mais

Um mundo de formas do concreto ao abstrato

Um mundo de formas do concreto ao abstrato Um mundo de formas do concreto ao abstrato Orientadora: Marcela dos Santos Nunes Matrícula SIAPE: 1673276 Orientado: Bruno da Silva Santos Matrícula UFF: 007705/06 Palavras-chave: Geometria, modelagem,

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

Um produto para jogar um conteúdo matemático e estudar um jogo social

Um produto para jogar um conteúdo matemático e estudar um jogo social Um produto para jogar um conteúdo matemático e estudar um jogo social 1 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 4 3 DESENVOLVIMENTO... 5 4 CONCLUSÃO... 11 5 REFERÊNCIA... 11 TABELA DE FIGURAS Figura

Leia mais

RELATO DE UMA LICENCIADA: EXPERIÊNCIAS DOCENTES NO PROJETO ARTE E MATEMÁTICA

RELATO DE UMA LICENCIADA: EXPERIÊNCIAS DOCENTES NO PROJETO ARTE E MATEMÁTICA RELATO DE UMA LICENCIADA: EXPERIÊNCIAS DOCENTES NO PROJETO ARTE E MATEMÁTICA Juliana de Oliveira Gonzalez Universidade Federal do Rio Grande FURG Juliana_oligonzalez@hotmail.com Luciane Rosa Monte Universidade

Leia mais

Atividades Investigativas em Geometria Dinâmica: o caso dos triângulos

Atividades Investigativas em Geometria Dinâmica: o caso dos triângulos Atividades Investigativas em Geometria Dinâmica: o caso dos triângulos Thales de Lelis Martins Pereira 1 Regina Coeli Moraes Kopke 2 Resumo Propõe-se neste artigo apresentar fragmentos da pesquisa de dissertação

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA

USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA Resumo: Neste mini-curso os participantes terão a oportunidade de conhecer uma metodologia, bem como também construir e trabalhar com a mesma, na tentativa

Leia mais

Geogebra na Aula de Matemática: uma proposta para a formação e prática docente

Geogebra na Aula de Matemática: uma proposta para a formação e prática docente Geogebra na Aula de Matemática: uma proposta para a formação e prática docente Renan Marques Pereira 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância Resumo: este projeto tem

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL João Rodrigues de Souza A PSICOPEDAGOGIA E A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIABÁ- MT JULHO 2015 2 RESUMO

Leia mais

AULA COM O SOFTWARE GRAPHMATICA PARA AUXILIAR NO ENSINO E APRENDIZAGEM DOS ALUNOS

AULA COM O SOFTWARE GRAPHMATICA PARA AUXILIAR NO ENSINO E APRENDIZAGEM DOS ALUNOS AULA COM O SOFTWARE GRAPHMATICA PARA AUXILIAR NO ENSINO E APRENDIZAGEM DOS ALUNOS Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 Manoel Luiz de Souza JÚNIOR Universidade Estadual

Leia mais

SOFTWARE CHEMSKETCH: FERRAMENTA PARA ENSINO E APRENDIZAGEM EM QUÍMICA

SOFTWARE CHEMSKETCH: FERRAMENTA PARA ENSINO E APRENDIZAGEM EM QUÍMICA SOFTWARE CHEMSKETCH: FERRAMENTA PARA ENSINO E APRENDIZAGEM EM QUÍMICA Rejane Maria Ghisolfi da Silva (IQ/UFU) (e-mail: rmgsilva@ufu.br); João Ribeiro Franco Neto (Colégio Santa Teresa/ Rede SESI Minas

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA MESTRANDO - GILSON DO NASCIMENTO GOUVÊA VICTORIANO

Leia mais

GEOMETRIA ANALÍTICA COM USO DO SOFTWARE GEOGEBRA: EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS NO CONTEXTO ESCOLAR*

GEOMETRIA ANALÍTICA COM USO DO SOFTWARE GEOGEBRA: EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS NO CONTEXTO ESCOLAR* GEOMETRIA ANALÍTICA COM USO DO SOFTWARE GEOGEBRA: EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS NO CONTEXTO ESCOLAR* Francisco Jeovane do Nascimento Universidade Estadual do Ceará - UECE jeonasc@hotmail.com Neiva Daiane Cordeiro

Leia mais

USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO

USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO MIRANDA 1, Márcia Verônica Costa; SILVA 2, Gilmar Batista da 1 Professora Orientadora

Leia mais

USO DE JOGOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA PARA IDOSOS: Relatos de Experiência

USO DE JOGOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA PARA IDOSOS: Relatos de Experiência USO DE JOGOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA PARA IDOSOS: Relatos de Experiência Lucas Santiago Rodrigues Graduando em Sistemas de Informação na UFMS Natália Fernanda de Castro Meira Graduanda em Engenharia de

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia do Ensino de Matemática Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo)

Leia mais

Materiais Virtuais Interativos facilitando o ensino da Matemática na Educação Básica

Materiais Virtuais Interativos facilitando o ensino da Matemática na Educação Básica Materiais Virtuais Interativos facilitando o ensino da Matemática na Educação Básica Jorge Dias Ferreira 1 GD6: Educação Matemáticas, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância Resumo: Este projeto

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB I Semana de Educação Matemática: Discutindo o trabalho docente aliado às novas tendências educacionais 25 a 29 de maio de 2009 Minicurso: GEOGEBRA UM FORTE

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

O TEOREMA DE PITÁGORAS UMA EXPERIENCIA UTILIZANDO O SOFTWARE GEOGEBRA COM ALUNOS DO PROGRAMA VIVA ESCOLA

O TEOREMA DE PITÁGORAS UMA EXPERIENCIA UTILIZANDO O SOFTWARE GEOGEBRA COM ALUNOS DO PROGRAMA VIVA ESCOLA O TEOREMA DE PITÁGORAS UMA EXPERIENCIA UTILIZANDO O SOFTWARE GEOGEBRA COM ALUNOS DO PROGRAMA VIVA ESCOLA Loreni Aparecida Ferreira Baldini 1 Colégio Est. Pe. José de Anchieta - loreni@ibest.com.br RESUMO

Leia mais

CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA

CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA Neire Oliveira de Castro Souza 1 Lorrainy Dias Mendes 2 Airson José de Moraes Júnior 3 Neusa Elisa Carignato Sposito (Orientador) 4 RESUMO

Leia mais

Um espaço colaborativo de formação continuada de professores de Matemática: Reflexões acerca de atividades com o GeoGebra

Um espaço colaborativo de formação continuada de professores de Matemática: Reflexões acerca de atividades com o GeoGebra Um espaço colaborativo de formação continuada de professores de Matemática: Reflexões acerca de atividades com o GeoGebra Anne Caroline Paim Baldoni Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PINTO 1,SIMONE P; VIANNA 2,DEISE M. 1 Programa de Pós Graduação em Ensino de Biociências e Saúde. Instituto Oswaldo Cruz. 2 Instituto de Física. Universidade

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Flávia Nascimento de Oliveira flavinhamatematica@hotmail.com Rivânia Fernandes da Costa Dantas rivafern@hotmail.com

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES MARCELA NEIVA SOUSA 1 SAMARA MARIA VIANA DA SILVA 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo investigar

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE ( ) CURTA DURAÇÃO ( x) LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Divane Marcon Fundação Universidade Federal do Pampa divanemarcon@unipampa.edu.br Fabiane C. Höpner

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais