Palavras-chave: MULTISIM, implementação, microcontrolador, C, Assembly, PIC6F84.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chave: MULTISIM, implementação, microcontrolador, C, Assembly, PIC6F84."

Transcrição

1 Utilização didática do MULTISIM na implementação do PIC16F84 João Guilherme Correia Caldonazio 1 Vladimir Rambaldi Chagas 2 Prof. M.Sc. Juliano Coêlho Miranda 3 RESUMO Este artigo tem como objetivo a formulação didática da implementação do microcontrolador PIC16F84 no software de simulação MULTISIM, orientando profissionais que possuem conhecimento em eletrônica e linguagem de programação a realizar um projeto de simulação antes de aplicá-lo fisicamente e auxiliar academicamente aulas voltadas a este tipo de aplicação. Apresentará um diagrama contendo o projeto de inserção do PIC16F84 em ambiente de simulação, assim como a descrição de cada etapa. A falta de documentação em língua nativa causa uma dificuldade na utilização desse sistema de simulação, o que uma parte será suprida com esse artigo, através de modelos, testes e definições de circuitos utilizando a linguagem C e Assembly. Terá como resultado a obtenção de material para satisfazer a implementação inicial do microcontrolador no sistema de simulação, e aplicabilidade em algumas situações reais. Palavras-chave: MULTISIM, implementação, microcontrolador, C, Assembly, PIC6F84. 1 INTRODUÇÃO Um ambiente de simulação eletrônico físico necessita de um investimento que não há como mensurar, onde temos várias variáveis que devem ser levadas em consideração. Caso o 1 João Guilherme Corrêia Caldonazio, Graduando em Bacharelado em Ciência da Computação ( ) no Centro Universitário do Sul de Minas. 2 Vladimir Rambaldi Chagas, Graduando em Bacharelado em Ciência da Computação ( ) no Centro Universitário do Sul de Minas. 3 Prof. M. Sc. Juliano Coêlho Miranda, Mestre em Engenharia Elétrica (EESC/USP) e Doutorando da Escola de Engenharia Elétrica de São Carlos (EESC/USP). 1

2 ambiente de simulação seja um laboratório de uma universidade temos que serão necessários vários tipos de conectores assim com todo material de parte elétrica, robótica e computacional para a consolidação de um equipamento eletrônico. Neste artigo será abordada a implementação de um microcontrolador PIC16F84 de maneira simples em um ambiente de simulação, o MULTISIM, visto que não há material disponível em língua portuguesa para este tipo de operação. 2 MICROCONTROLADORES E SUAS PROGRAMAÇÕES 2.1 Microcontroladores Os microcontroladores, [...], são dispositivos mais simples, com memórias RAM e ROM internas, oscilador interno de clock, I/O interno, [...] (PEREIRA, 2004, 3ª ed., p. 19). O microcontrolador foi projetado para ter tudo num só. Nenhum outro componente externo é necessário nas aplicações, uma vez que todos os periféricos necessários já estão contidos nele. [...] (Microcontroladores). Segundo PEREIRA (2004, P. 35), Os microcontroladores PIC utilizam uma arquitetura RISC, com freqüências de clock de até 40Mhz, até 2048k word de memória de programa e até 3968 bytes de memória RAM. São divididos em três famílias basicamente que se diferenciam pelo tamanho de sua memória de programa, sendo 12, 14 ou 16 Bits, possuindo todos um barramento interno de 8 bits. PEREIRA (2004, p ) ressalta que a arquitetura PIC reside na semelhança e compatibilidade entre os diversos chips, o que facilita a migração de um MCU para outro. Deve se destacar algumas características internas dos MCUs, como capacidade de pipeline, capacidade de execução de uma instrução por ciclo de máquina, cada instrução ocupar apenas uma posição de memória de programa e o tempo de execução fixo para todas as instruções. Essa arquitetura se consolida na apresentação de memória de programa, esta sendo ROM do tipo máscara, OTP, EPROM e FLASH; de Memória RAM e Registradores, sendo Registrador W, contador de programa (PC), Pilha (Stack); de interrupções, estas sendo, mascaráveis e não mascaráveis. Os PICs mais antigos possuem até quatro tipos de interrupções, sendo, externa, por mudança de nível lógico na porta B(RBIF), do timer0 (T0IF), de periférico, interrupção GPIF OU GPIO. 2

3 2.2 Programação de microcontroladores Em uma aplicação real, um microcontrolador, por si só, não é suficiente, é necessário que haja uma programação. O programa é uma parte fundamental quando se trabalha com microcontroladores, onde este tem a funções de informar dados ao microcontrolador, assim sucessivamente de controlar toda a estrutura onde está localizado. Esta programação pode ser realizada em Assembly, C e Basic, respectivamente do nível mais baixo de programação ao nível mais alto de programação, sendo a linguagem C um nível que realiza comunicação direta com o nível mais baixo de programação e apresenta algumas características de nível alto de programação. (Microcontrolador) Linguagem Assembly Segundo PEREIRA (2007, p. 15), o Assembly consiste em uma forma alternativa de representação dos códigos de máquina, usando mnemônicos. A conversão desses mnemônicos em códigos binários executáveis pela máquina é realizada por um montador chamado Assembler. Todos os computadores executam os comandos que residem na memória sob a forma de instruções de máquinas, assim a finalidade de um montador (Assembler), tem a finalidade de traduzir os comandos escritos em linguagem de alto nível para nível de máquina.[...]. No entanto o Assembly utiliza instruções que estão mais próximas da manipulação do hardware do computador (GODFREY, 1989, p , tradução nossa) Linguagem C PEREIRA (2007, p. 16) afirma que as linguagens de alto nível, ao qual se enquadra a linguagem C, são criadas para permitir a programação utilizando comandos de alto nível, e que são posteriormente traduzidos para a linguagem de baixo nível, ou diretamente para código de máquina do sistema utilizado. O uso da linguagem C permite a programação dos microcontoladores em situações complexas, o que não seria viável caso tivesse que ser realizada em Assembly. A utilização de uma linguagem de alto nível como C permite que o programador preocupe-se mais com a programação da aplicação em si [...] (PEREIRA, 2007, P. 18). 3

4 3. SIMULAÇÃO A simulação se define por representação de um sistema ou de um processo por um modelo estatístico com que se trabalha, como se tratasse desse sistema ou processo, para investigar os seus efeitos (Infopédia). Segundo (Kelton ET AL., 1998) a simulação de sistemas consiste na utilização de um conjunto de métodos e técnicas matemáticas, com o objetivo de representar o comportamento de sistemas reais, com a utilização de computadores e sistemas adequados. Define-se também, como um processo de expressar um modelo de sistema real, e de procedimentos de experimentos com este modelo, objetivando o resultado comportamental do sistema visando avaliar melhores posicionamentos ou estratégias para a operação de maneira real (Pegden et AL., 1995). Há a possibilidade de simulação de praticamente quase todos os tipo de operação ou processos reais (Freitas Filho, 1997). 4 MATERIAIS E MÉTODOS 4.1 Microcontrolador PIC16F84 Tateoki (2009, p. 5) apresenta que um microcontrolador como o PIC16F84 é por sua natureza, um computador completo em um chip, onde este possui um processador, registradores, programa e memória de dados. O PIC16F84 apresenta um processador de 8-bits, 90 registradores que são responsáveis pelo armazenamento interno do processador, possui uma memória de programa de 1k, ou seja, 1024 locais para programa, sendo endereçada do endereço 000h até 3ffh, possui 64 bytes de memória de dados (EEPROM), interrupções e os seus pinos de I/O, sendo um total de 13 pinos divididos em 5 sendo portas A e 8 sendo portas B (Figura 01). Figura 1 - Microcontrolador PIC16F84 (Fonte: Apostila Introdução aos microcontroladores) 4

5 4.2 MULTISIM O MULTISIM se apresenta como uma ferramenta de análise comportamental de circuitos eletrônicos, combinando recursos intuitivos e facilidades de utilização com o padrão industrial de simulação SPICE em um único ambiente integrado, abstraindo as complexidades e dificuldades de simulação tradicional. (MULTISIM, 2010). Segundo Braga (2009, p. 7) o MULTISIM é capaz de verificar erros antes que eles se propaguem pelo projeto, essa verificação é feita através de um conjunto amplo de instrumentos virtuais que indicam formas de ondas, sinais, tensões e correntes, além da própria posta de freqüência de um circuito. 5 AMBIENTE DE SIMULAÇÃO Um projeto de simulação se inicia com a escolha do ambiente de simulação. O MULTISIM se apresenta como uma ferramenta de simulação de ambientes eletrônicos, onde se pode realizar simulações de circuitos antes da implementação no ambiente laboratorial. No ambiente de simulação MULTISIM, são avaliadas as reações das ligações dos componentes juntamente com a execução de uma programação que busca o fim de manipular os dados entre o microcontrolador e o circuito, assim tendo respostas de erros de compilação de códigos como a não execução do ambiente por motivo de erro de montagem do circuito. As etapas de um projeto de simulação eletrônica se compõem pelos seguintes passos: - especificação do circuito a ser montado, isso se faz através de identificação dos componentes que serão necessários e qual será a utilidade deste circuito. - escolha do sistema de simulação para a realização da implementação do circuito elétrico planejado. - colocação do circuito elétrico no ambiente de simulação. Caso o circuito possua um sistema que necessite de programação de algum componente, parte-se para a etapa da criação do programa que será utilizado na execução de instruções em um componente específico, como um microcontrolador. Com essas etapas, temos que neste projeto realizaremos uma simulação com um circuito elétrico, contendo um microcontrolador PIC16F84, aplicado no ambiente de simulação MULTISIM, utilizando as linguagens de programação Assembly e C para a programação de seus sistemas internos para a realização das tarefas/objetivos do circuito. O diagrama 01 apresenta os passos a serem seguidos no processo de simulação. 5

6 Diagrama 1 - Diagrama dos processos para a simulação O ambiente de simulação MULTISIM (Figura 02) se apresenta com uma interface amigável e com grande acessibilidade, desde que o projetista tenha a noção de eletrônica (componentes e ligações) e um conhecimento de programação (lógica de programação). O MULTISIM passa ao criador do projeto ferramentas para controle da visualização do painel central onde será desenvolvido o circuito da simulação, (região 01 da Figura 02), uma barra de componentes, (região 02 da Figura 02), controles da simulação (START, PAUSE e STOP), (região 03 da Figura 02), uma barra de ferramenta de análise (multímetro, osciloscópio, etc.), (região 04 da Figura 02), a Desig toolbox (barra contendo arquivos do projeto), (região 05 da Figura 02), e a Spreadsheet View, (região 06 da Figura 02), que contém informações sobre a execução do circuito. 6

7 Figura 2 Ambiente de desenvolvimento MULTISIM (Fonte: Print Screen retirado pelos autores) O projetista, tendo as noções de aplicações das ferramentas apresentadas pelo programa inicia seu projeto inserindo no painel central o microcontrolador, (Figura 03), e os componentes que compõem o circuito. Estes componentes são inseridos através da barra de ferramentas components onde ao clicar em qualquer tipo de componente é apresentada uma janela de seleção de componentes, nesta janela se encontra a caixa de busca de circuito, onde o projetista apresenta em inglês o nome do componente que será necessário. Figura 3 - Inserção do Microcontrolador PIC16F84 (Fonte: Print Screen retirado pelos autores) 7

8 Na inserção do microcontrolador é necessária a criação de um espaço de trabalho (projeto), (Figura 04), nesta etapa se define o nome do ambiente de trabalho passando assim a escolha da linguagem a ser utilizada (Figura 05). Tem que se aplicar um nome ao projeto e ao arquivo de programa seja ele Assembly (.asm) ou C (.c), (Figura 06). Figura 4 - Montagem do Workspace (Fonte: Print Screen retirado pelos autores) Figura 5 - Montagem do Projeto na linguagem (Fonte: Print retirado pelos autores) Figura 6 - Inserção do arquivo para o código (Fonte: Print Screen retirado pelos autores) 8

9 Inserido o microcontrolador temos no design toolbox os arquivos do projeto definidos como arquivo geral do design, arquivo do microcontrolador (workspace), arquivo indicando o projeto que está sendo executado, e o arquivo do programa (Figura 07). Figura 7 - Design Toolbox contendo os arquivos do projeto (Fonte: Print Screen retirado pelos autores) No arquivo design serão implantados os outros componentes para a formação do circuito desejado. O simulador apresenta uma ferramenta de gerenciamento do microcontrolador (Figura 08), esta ferramenta é acessada pelo projetista através de dois cliques no MCU apresentado na área Design Toolbox. Figura 8 - Gerenciamento do Microcontrolador (Fonte: Print Screen retirado pelos autores) 9

10 O gerenciamento do projeto possibilita ao projetista a inserção de novos arquivos de códigos assim como novos projetos interligados ao que está sendo montado, fazendo com que haja a interação de projetos distintos. No arquivo de programa temos a abertura de um ambiente onde serão inseridas as linhas de programação (Figura 09), para a informação de ordens ao microcontrolador, informando-lhe bits de programação de portas, assim como informações a serem passadas aos outros componentes do circuito (Figura 10). Figura 9 - Ambiente de programação (Fonte: Print Screen retirado pelos autores) Figura 10 - Programação realizada no ambiente (Fonte: Print Screen retirado pelos autores) 10

11 Na etapa de programação são necessários alguns princípios básicos de lógica da programação como sintaxe e semântica, com esses princípios são aplicadas as funções específicas de programação para microcontroladores tendo em Assembly (Figura 11) e em C (Figura 12) onde é necessário o conhecimento e domínio destas linguagens para poder realizar a implementação. 11

12 Figura 11 Código aplicado no projeto Assembly.asm (Fonte: Print Screen retirado pelos autores) Figura 12 - Código aplicado no projeto main.c (Fonte: Print Screen retirado pelos autores) Realizada a programação do microcontrolador apresentados na Figuras 11 e 12, juntamente com a montagem do circuito conforme projeto desejado. Inicia-se então a fase de execução do circuito, nessa fase utilizam-se os comandos de controle da simulação. Ao dar START no circuito, na Spreadsheet View acompanhamos o que ocorreu ao programa ser executado, caso o programa apresente alguma irregularidade, é neste ambiente que conterá as informações de erros ou alertas. Apresentando erros ou alertas, é necessário que o projetista realize as correções para que tudo esteja operando de maneira correta, para que possa haver a aplicação em ambiente laboratorial (físico) sem que haja a necessidade de correções. 8 PROJETOS FUTUROS Será realizada a continuação dos estudos para a simulação de um sistema real, assim como a disponibilização dos materiais programados no MULTISIM, com passo a passo na criação dos circuitos e geração dos códigos. 12

13 7 CONCLUSÃO O direcionamento para a aplicação de um microcontrolador no ambiente de simulação MULTISIM não é encontrado na língua portuguesa. O embasamento neste campo possibilitou a aprendizagem de simulação eletrônica assim como o conhecimento de programação em uma linguagem de nível próximo ao de máquina. Um conteúdo didático apresentando as características de montagem de um ambiente para trabalho e estudos de circuitos semiaplicados, pois estes a priori se apresentam em forma de simulação e posteriormente podendo ser aplicado de maneira física, evitando perdas em excesso de componentes e placas. Com esta aplicação tem-se um material semi-narrativo apresentando a maneira de se realizar a implementação do microcontrolador no ambiente de simulação MULTISIM, assim como a sua aplicação. PIC16F84: didatic use of MULTISIM in implementing PIC16F84A ABSTRACT This article aims at teaching the formulation of the implementation of the PIC16F84 microcontroller simulation software MULTISIM, targeting professionals who are knowledgeable in electronics and programming language to perform a simulation project before you apply it physically. Submit a diagram containing the project's insertion into PIC16F84 simulation environment, as well as a description of each step. The lack of documentation in the native language causes a difficulty in using this simulation system, which will be supplied with a part of this article, from models, tests and definitions of circuits using C and Assembly. Will result in the procurement of material to satisfy the initial implementation of the microcontroller in the system simulation, and applicability to some real situations. Keywords: MULTISIM, implementation, microcontroller, C, Assembly, PIC6F84. 13

14 REFERÊNCIAS Introdução aos microcontroladores. Disponível em: <http://www3.fsa.br/localuser/eletronica/mario.garcia/microprocessaores/apostila%20micr ocontrolador%20pic16f84.pdf>. Acesso em: 06 nov O que é MULTISIM?. Disponível em: <http://digital.ni.com/express.nsf/bycode/braf3i>. Acesso em: 06 nov BRAGA. N. C. Aprenda a Usar o MULTISIM. Saber p. 7. GODFREY, J. T. IBM microcomputer assembly language: begining to advanced. Prenticehall, p PEREIRA, F. Controladores PIC: Técnicas Avançadas. São Paulo: Érica, p.19; PEREIRA, F. Microcontroladores PIC: programação em C. 7. ed. São Paulo: Erica, p TATEOKI, G. T. Apostila curso de programação PIC Disponível em: Acesso em: 06 nov KELTON, W. D.; SADOWSKI, R. P.;SADOWSKI, D. A. Simulation with Arena. McGraw-Hill, NY, PEDGEN, C. D.; SHANON, R. E.; SADOWSKI, R. P. Introduction to simulation using SIMAN. McGraw-Hill: 2nd ed., NY, FREITAS FILHO, Paulo J. Introdução a modelagem e a simulação de sistemas discretos. Apostila, UFSC, SC, Definição de simulação. Disponível em: <http://www.infopedia.pt/pesquisaglobal/simulação>. Acesso em: 12 dez

O que é um programa? Programa é uma lista de instruções que descrevem uma tarefa a ser realizada pelo computador.

O que é um programa? Programa é uma lista de instruções que descrevem uma tarefa a ser realizada pelo computador. O que é um programa? Programa é uma lista de instruções que descrevem uma tarefa a ser realizada pelo computador. Linguagem de Programação Uma linguagem de programação é um método padronizado para expressar

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 3 Software Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br SO - Prof. Edilberto Silva Barramento Sistemas Operacionais Interliga os dispositivos de E/S (I/O), memória principal

Leia mais

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Processadores Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução O processador é um circuito integrado de controle das funções de cálculos e tomadas de decisão de um computador. Também é chamado de cérebro do

Leia mais

Informática I. Aula 4. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 4-11/09/2006 1

Informática I. Aula 4. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 4-11/09/2006 1 Informática I Aula 4 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 4-11/09/2006 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 7 Unidade Central de Processamento (UCP): O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável pela realização das operações de processamento e de controle, durante a execução de um

Leia mais

Edeyson Andrade Gomes

Edeyson Andrade Gomes Sistemas Operacionais Conceitos de Arquitetura Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Máquinas de Níveis Revisão de Conceitos de Arquitetura 2 Máquina de Níveis Máquina de níveis Computador

Leia mais

ALP Algoritmos e Programação. . Linguagens para Computadores

ALP Algoritmos e Programação. . Linguagens para Computadores ALP Algoritmos e Programação Iniciação aos computadores. Linguagens para Computadores. Compiladores, Interpretadores. Ambientes de Programação 1 Linguagens para Computadores. Linguagem binária: Dispositivos

Leia mais

Tais operações podem utilizar um (operações unárias) ou dois (operações binárias) valores.

Tais operações podem utilizar um (operações unárias) ou dois (operações binárias) valores. Tais operações podem utilizar um (operações unárias) ou dois (operações binárias) valores. 7.3.1.2 Registradores: São pequenas unidades de memória, implementadas na CPU, com as seguintes características:

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização Básica B de Computadores

Leia mais

Figura 1 - O computador

Figura 1 - O computador Organização e arquitectura dum computador Índice Índice... 2 1. Introdução... 3 2. Representação da informação no computador... 4 3. Funcionamento básico dum computador... 5 4. Estrutura do processador...

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores INTRODUÇÃO AOS ALGORITMOS E À PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES PARTE 1 Renato Dourado Maia Instituto de Ciências Agrárias Universidade Federal de Minas Gerais Programas e Programação

Leia mais

AULA2 Introdução a Microcontrolador

AULA2 Introdução a Microcontrolador AULA2 Introdução a Microcontrolador Disciplina: Aplicações Avançadas de Microprocessadores (AAM) Profa. Eduardo Henrique Couto ehcouto@hotmail.com Tópicos: Microcontroladores - Evolução Principais características

Leia mais

Industrial SOLUÇÕES EM AUTOMAÇÃO

Industrial SOLUÇÕES EM AUTOMAÇÃO Industrial SOLUÇÕES EM AUTOMAÇÃO Soluções em Automação INDUSTRIAL TRAINING. STEP 5 Standard ( Básico). Duração: 40 horas. Público Alvo. Este curso se destina a profissionais das áreas de planejamento,

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: ICO Aula N : 09 Tema: Unidade Central de

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Sistemas Operacionais Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Hardware HARDWARE Sistema Computacional = conjunto de circuitos eletrônicos interligados formado por processador, memória, registradores,

Leia mais

Visão Geral da Arquitetura de Computadores. Prof. Elthon Scariel Dias

Visão Geral da Arquitetura de Computadores. Prof. Elthon Scariel Dias Visão Geral da Arquitetura de Computadores Prof. Elthon Scariel Dias O que é Arquitetura de Computadores? Há várias definições para o termo arquitetura de computadores : É a estrutura e comportamento de

Leia mais

Estrutura de um Computador

Estrutura de um Computador SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Estrutura de um Computador Aula 7 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira MODELO DE VON NEUMANN PRINCÍPIOS A arquitetura de um computador consiste de

Leia mais

Disciplina: Introdução à informática Profª Érica Barcelos

Disciplina: Introdução à informática Profª Érica Barcelos Disciplina: Introdução à informática Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 3 1. ARQUITETURA DO COMPUTAÇÃO- SOFTWARE Vimos nos capítulos anteriores que durante muitas décadas vários projetos foram realizados para

Leia mais

Usando o simulador MIPS

Usando o simulador MIPS Usando o simulador MIPS O objetivo desta aula prática será a utilização do simulador MipsIt para executar programas escritos em linguagem de máquina do MIPS. 1 Criando um projeto Cada programa a ser executado

Leia mais

Microcontroladores e Microprocessadores

Microcontroladores e Microprocessadores Microcontroladores e Microprocessadores Arquitetura Von Neumann e Arquitetura Harvard Prof. Samuel Cavalcante Conteúdo Componentes básicos de um computador Processamento Unidades de Entrada/Saída (I/O)

Leia mais

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Prof. Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br http://www.brunovilela.webnode.com.br Programas e Linguagens Para executar uma tarefa

Leia mais

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos Componentes do Computador e modelo de Von Neumann aula 3 Profa. Débora Matos O que difere nos componentes que constituem um computador? Princípios básicos Cada computador tem um conjunto de operações e

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 03 Conceitos de Hardware e Software parte 02. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 03 Conceitos de Hardware e Software parte 02. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 03 Conceitos de Hardware e Software parte 02 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed.

Leia mais

Introdução à Arquitetura de Computadores IFES Campus Serra

Introdução à Arquitetura de Computadores IFES Campus Serra Os computadores atuais possuem seis ou mais níveis de máquinas conforme podemos observar no quadro abaixo Nível de linguagem orientada para problemas Nível de linguagem de montagem Nível de sistema operacional

Leia mais

PLANO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1º Semestre de 2009

PLANO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1º Semestre de 2009 Departamento: Mecânica PLANO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1º Semestre de 2009 Disciplina: MICROPROCESSADORES I Modalidade.: Mecânica de Precisão Carga Horária Semanal: 04 horasaulas Carga Horária Total: 72 horas-aulas

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

Sistemas Microcontrolados

Sistemas Microcontrolados Sistemas Microcontrolados Uma Abordagem com o Microcontrolador PIC 16F84 Nardênio Almeida Martins Novatec Editora Capítulo 1 Introdução Os microcontroladores estão presentes em quase tudo o que envolve

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA MODELAGEM DE UMA PLATAFORMA VIRTUAL PARA SISTEMAS EMBUTIDOS BASEADA EM POWERPC

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA MODELAGEM DE UMA PLATAFORMA VIRTUAL PARA SISTEMAS EMBUTIDOS BASEADA EM POWERPC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DANIEL CARLOS CASAROTTO JOSE OTÁVIO CARLOMAGNO FILHO MODELAGEM DE UMA PLATAFORMA VIRTUAL PARA SISTEMAS EMBUTIDOS BASEADA EM POWERPC Florianópolis, 2004 DANIEL CARLOS

Leia mais

Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer

Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer Livro-texto: Introdução à Organização de Computadores 4ª edição Mário A. Monteiro Livros Técnicos e Científicos Editora. Atenção: Este material não

Leia mais

Parte II Introdução a Linguagens de Programação

Parte II Introdução a Linguagens de Programação Programação de Computadores III Aula 1 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-03.063 Roteiro da Aula

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária Escola de Engenharia Curso Engenharia Mecânica com formação específica em Mecatrônica Disciplina Microprocessadores I Professor(es) Ivair Reis Neves Abreu Carga horária 2 aulas semanais

Leia mais

MC-102 Aula 01. Instituto de Computação Unicamp

MC-102 Aula 01. Instituto de Computação Unicamp MC-102 Aula 01 Introdução à Programação de Computadores Instituto de Computação Unicamp 2015 Roteiro 1 Por que aprender a programar? 2 Hardware e Software 3 Organização de um ambiente computacional 4 Algoritmos

Leia mais

Software Básico (INF1018)

Software Básico (INF1018) Software Básico (INF1018) http://www.inf.puc-rio.br/~inf1018 Noemi Rodriguez (noemi@inf.puc-rio.br) Ana Lúcia de Moura (amoura@inf.puc-rio.br) 1 Objetivo do curso Entender como funciona um computador típico,

Leia mais

Introdução aos Computadores

Introdução aos Computadores Os Computadores revolucionaram as formas de processamento de Informação pela sua capacidade de tratar grandes quantidades de dados em curto espaço de tempo. Nos anos 60-80 os computadores eram máquinas

Leia mais

Introdução à Programação de Computadores

Introdução à Programação de Computadores 1. Objetivos Introdução à Programação de Computadores Nesta seção, vamos discutir os componentes básicos de um computador, tanto em relação a hardware como a software. Também veremos uma pequena introdução

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

Introdução à Arquitetura de Computadores

Introdução à Arquitetura de Computadores 1 Introdução à Arquitetura de Computadores Hardware e software Organização de um computador: Processador: registradores, ALU, unidade de controle Memórias Dispositivos de E/S Barramentos Linguagens de

Leia mais

1. Ementa 2. Objetivos Gerais: 3. Objetivos Específicos 4. Estruturação do conteúdo da disciplina e sistemática as ser desenvolvida:

1. Ementa 2. Objetivos Gerais: 3. Objetivos Específicos 4. Estruturação do conteúdo da disciplina e sistemática as ser desenvolvida: 1. Ementa Gerenciamento e desenvolvimento de um projeto que acompanhe as etapas do ciclo de vida do software e ou hardware, com ênfase em: documentação, determinação dos requisitos, projeto lógico, projeto

Leia mais

Capítulo 4. MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy)

Capítulo 4. MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy) Capítulo 4 João Lourenço Joao.Lourenco@di.fct.unl.pt Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa 2007-2008 MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy) Adaptado dos transparentes

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

Estrutura de um Computador. Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP

Estrutura de um Computador. Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP Estrutura de um Computador Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP Hardware e Software HARDWARE: Objetos Físicos que compões o computador Circuitos Integrados, placas, cabos, memórias, dispositivos

Leia mais

Desenvolvimento de Módulo Wireless para Acionamento de Cargas via Porta Paralela

Desenvolvimento de Módulo Wireless para Acionamento de Cargas via Porta Paralela Desenvolvimento de Módulo Wireless para Acionamento de Cargas via Porta Paralela Pedro H. M. Araújo 1, Renan P. Figueiredo 1, Douglas L. Dias 1, Sandro C. S. Jucá 1 1 Área da Telemática Instituto Federal

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 7ª Experiência Síntese de Circuitos Sequenciais Síncronos 1. Objetivos

Leia mais

INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES

INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES 2010/2011 1 Processador O microprocessador, popularmente conhecido como processador, é um circuito integrado que realiza as funções de cálculo e tomada de

Leia mais

Algoritmos e Programação I

Algoritmos e Programação I Algoritmos e Programação I Introdução a Computação Prof. Fernando Maia da Mota mota.fernandomaia@gmail.com CPCX/UFMS Fernando Maia da Mota 1 Computadores são dispositivos que só sabem fazer um tipo de

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers)

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers) Arquiteturas RISC (Reduced Instructions Set Computers) 1 INOVAÇÕES DESDE O SURGIMENTO DO COMPU- TADOR DE PROGRAMA ARMAZENADO (1950)! O conceito de família: desacoplamento da arquitetura de uma máquina

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM

CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM 71 Introdução Difere dos níveis inferiores por ser implementado por tradução A tradução é usada quando um processador está disponível para uma mensagem fonte mas

Leia mais

Introdução. Hardware X Software. Corpo Humano Parte Física. Capacidade de utilizar o corpo em atividades especificas explorando seus componentes

Introdução. Hardware X Software. Corpo Humano Parte Física. Capacidade de utilizar o corpo em atividades especificas explorando seus componentes Introdução Hardware X Software Corpo Humano Parte Física Componentes 18 Capacidade de utilizar o corpo em atividades especificas explorando seus componentes Hardware Introdução Parte física: placas, periféricos,

Leia mais

Máquinas Multiníveis

Máquinas Multiníveis Infra-Estrutura de Hardware Máquinas Multiníveis Prof. Edilberto Silva www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Sumário Conceitos básicos Classificação de arquiteturas Tendências da tecnologia Família Pentium

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Agosto/2004 V2 INTRODUÇÃO Este guia foi preparado para auxilio às aulas de laboratório para o curso de Engenharia

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Código: 073 Município: Jales Área de conhecimento: Informação e Comunicação Componente Curricular: Instalação para Computadores II Série: Módulo

Leia mais

Capítulo 3 - Trabalhando com circuitos digitais

Capítulo 3 - Trabalhando com circuitos digitais Prof. Alan Petrônio Pinheiro Apostila de MultiSim 17 Capítulo 3 - Trabalhando com circuitos digitais O primeiro passo para se trabalhar com circuitos digitais é inserir portas lógicas. Para isto, dispomos

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático

Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático Nyl Marcos Soares Barbosa, Moisés Lima dos Anjos, Madianita Bogo Curso de Sistemas de Informação Centro universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Teotônio

Leia mais

Índice. Dia 05 de fevereiro de 2014...2. Apresentação... 2. Dia 12 de fevereiro de 2013...3

Índice. Dia 05 de fevereiro de 2014...2. Apresentação... 2. Dia 12 de fevereiro de 2013...3 Índice Dia 05 de fevereiro de 2014....2 Apresentação... 2 Dia 12 de fevereiro de 2013....3 -Processador... 3 -Von Neumann... 3 -Harvard... 4 -Von Neumann x Harvard... 4 -Equipamentos que utilizam a arquitetura

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores Apresentação do curso Ronaldo de Freitas Zampolo zampolo@ieee.org, zampolo@ufpa.br Tópicos Como iremos trabalhar Atendimento, avaliação, etc. Introdução e conceitos básicos

Leia mais

O processador é composto por: Unidade de controlo - Interpreta as instruções armazenadas; - Dá comandos a todos os elementos do sistema.

O processador é composto por: Unidade de controlo - Interpreta as instruções armazenadas; - Dá comandos a todos os elementos do sistema. O processador é composto por: Unidade de controlo - Interpreta as instruções armazenadas; - Dá comandos a todos os elementos do sistema. Unidade aritmética e lógica - Executa operações aritméticas (cálculos);

Leia mais

Guilherme Pina Cardim. Relatório de Sistemas Operacionais I

Guilherme Pina Cardim. Relatório de Sistemas Operacionais I Guilherme Pina Cardim Relatório de Sistemas Operacionais I Presidente Prudente - SP, Brasil 30 de junho de 2010 Guilherme Pina Cardim Relatório de Sistemas Operacionais I Pesquisa para descobrir as diferenças

Leia mais

Organização e Arquitectura do Computador

Organização e Arquitectura do Computador Arquitectura de Computadores II Engenharia Informática (11545) Tecnologias e Sistemas de Informação (6621) Organização e Arquitectura do Computador Fonte: Arquitectura de Computadores, José Delgado, IST,

Leia mais

SIS17-Arquitetura de Computadores

SIS17-Arquitetura de Computadores Sistema de Computação SIS17-Arquitetura de Computadores Apresentação da Disciplina Peopleware Hardware Software Carga Horária: 40 horas 2 Computadores atuais Unidade Central de Processamento Entrada Computadores

Leia mais

Aperfeiçoamento Técnico com respeito ao Profissional.

Aperfeiçoamento Técnico com respeito ao Profissional. Política de Treinamento DME Aperfeiçoamento Técnico com respeito ao Profissional. A DME é uma empresa voltada para o atendimento das necessidades em conclusão e consumo de Energia Elétrica, consagrou-se

Leia mais

Transforme o aprendizado de circuitos na sala de aula e no laboratório. ni.com. NI ELVIS Uma plataforma modular para ensino de Engenharia

Transforme o aprendizado de circuitos na sala de aula e no laboratório. ni.com. NI ELVIS Uma plataforma modular para ensino de Engenharia Transforme o aprendizado de circuitos na sala de aula e no laboratório NI ELVIS Uma plataforma modular para ensino de Engenharia Ajudando os alunos a Fazer Engenharia Ensinando a teoria fundamental de

Leia mais

ENTRADA E SAÍDA DE DADOS

ENTRADA E SAÍDA DE DADOS ENTRADA E SAÍDA DE DADOS Os dispositivos de um computador compartilham uma única via de comunicação BARRAMENTO. BARRAMENTO Elétrica/Mecânica + Protocolo. GERENCIAMENTO DE E/S O controle da troca de dados

Leia mais

Sistemas Embarcados:

Sistemas Embarcados: Sistemas Embarcados: Microcontroladores Prof. Protásio Laboratório de Microengenharia/DEE/CEAR/UFPB Programação Assembly 8051 Programação Assembly Ferramentas de simulação MCU 8051 IDE v1.4.7 An open source

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática 04 Organização de Computadores nov/2011 Componentes básicos de um computador Memória Processador Periféricos Barramento Processador (ou microprocessador) responsável pelo tratamento

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador

Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador 1 Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Curso: Sistemas de Informação Introdução 2 O Computador é uma ferramenta que

Leia mais

Implementação de um soft-core em VHDL baseado no conjunto de instruções MIPS-I

Implementação de um soft-core em VHDL baseado no conjunto de instruções MIPS-I UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO Rafael Vargas Implementação de um soft-core em VHDL baseado no conjunto de instruções MIPS-I

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 3.1 EXECUÇÃO DAS INSTRUÇÕES A UCP tem duas seções: Unidade de Controle Unidade Lógica e Aritmética Um programa se caracteriza por: uma série de instruções

Leia mais

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias:

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias: Aula 11 Arquitetura de Computadores - 20/10/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber MEMÓRIA Memória é um termo genérico usado para designar as partes do computador

Leia mais

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO BCC 201 TURMAS 31, 32 E 33 2015-2 AULA TEÓRICA 2 PROF. MARCELO LUIZ SILVA (R E D)

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO BCC 201 TURMAS 31, 32 E 33 2015-2 AULA TEÓRICA 2 PROF. MARCELO LUIZ SILVA (R E D) Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO BCC 201 TURMAS 31, 32 E 33 2015-2 1 AULA TEÓRICA 2

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Identificação Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Jorge de Assis Merege Neto Construção de um protótipo (hardware e software) para segurança predial através de uma rede digital de monitoração via câmera

Leia mais

I. Dados Identificadores Tecnologia em Mecatrônica Industrial Microprocessadores e Microcontroladores Básico

I. Dados Identificadores Tecnologia em Mecatrônica Industrial Microprocessadores e Microcontroladores Básico I. Dados Identificadores Curso Tecnologia em Mecatrônica Industrial Disciplina Microprocessadores e Microcontroladores Básico Professor Vlamir Belfante Semestre / Módulo 5º Semestre Período Noturno Módulo

Leia mais

1. CAPÍTULO COMPUTADORES

1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1.1. Computadores Denomina-se computador uma máquina capaz de executar variados tipos de tratamento automático de informações ou processamento de dados. Os primeiros eram capazes

Leia mais

CP C U P U - Un U i n da d d a e d e Ce C n e t n ral a de d e Pr P oc o es e sam a e m n e t n o o Pr P oc o es e sad a o d r o Aula 03

CP C U P U - Un U i n da d d a e d e Ce C n e t n ral a de d e Pr P oc o es e sam a e m n e t n o o Pr P oc o es e sad a o d r o Aula 03 CPU - Unidade Central de Processamento Processador Aula 03 A CPU (Unid. Central de Processamento A unidade Central de Processamento, a CPU (Central Processing Unit), atua como o cérebro do sistema, processando

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

Profª Danielle Casillo

Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Automação e Controle Aula 07 Linguagem Ladder Profª Danielle Casillo A LINGUAGEM LADDER Foi a primeira que surgiu para programação

Leia mais

Software. Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS

Software. Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS Software Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS ESQUEMA DE UM SISTEMA DE COMPUTADOR Unidades de Entrada - Teclado - Scanner - Caneta Ótica - Leitora

Leia mais

Programação de Computadores III

Programação de Computadores III Programação de Computadores III Introdução a Linguagens de Programação Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2013.1/tcc-00.157

Leia mais

Sistemas Operacionais II

Sistemas Operacionais II Sistemas Operacionais II Aula 5 - Introdução a arquitetura PC Autor: Renê de Souza Pinto Orientação: Prof. Dr. Francisco José Monaco rene@grad.icmc.usp.br, monaco@icmc.usp.br Universidade de São Paulo

Leia mais

AULA4: PROCESSADORES. Figura 1 Processadores Intel e AMD.

AULA4: PROCESSADORES. Figura 1 Processadores Intel e AMD. AULA4: PROCESSADORES 1. OBJETIVO Figura 1 Processadores Intel e AMD. Conhecer as funcionalidades dos processadores nos computadores trabalhando suas principais características e aplicações. 2. INTRODUÇÃO

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio Memórias Memória: é o componente de um sistema de computação cuja função é armazenar informações que são, foram ou serão manipuladas pelo sistema. Em outras

Leia mais

BARRAMENTO DO SISTEMA

BARRAMENTO DO SISTEMA BARRAMENTO DO SISTEMA Memória Principal Processador Barramento local Memória cachê/ ponte Barramento de sistema SCSI FireWire Dispositivo gráfico Controlador de vídeo Rede Local Barramento de alta velocidade

Leia mais

Unidade Central de Processamento Organização da UCP Execução de instruções em paralelo ("pipeline") Execução de programas

Unidade Central de Processamento Organização da UCP Execução de instruções em paralelo (pipeline) Execução de programas http://www.ic.uff.br/~debora/fac! Dar noções iniciais dos componentes básicos de um sistema de computador, assim também como conceitos fundamentais necessários para a manipulação de informação dentro do

Leia mais

PROFESSOR ÉVERSON MATIAS DE MORAIS SISTEMAS OPERACIONAIS. Sistemas operacionais (so) Roteiro

PROFESSOR ÉVERSON MATIAS DE MORAIS SISTEMAS OPERACIONAIS. Sistemas operacionais (so) Roteiro PROFESSOR ÉVERSON MATIAS DE MORAIS Graduação em Processamento de Dados Especialização em Ciência da Computação Mestrado em Ciência da Computação SISTEMAS OPERACIONAIS Aula 1 Sistemas operacionais (so)

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Tecnologia da Informação. Visão Geral sobre Informática

Tecnologia da Informação. Visão Geral sobre Informática 9/18/2014 1 Tecnologia da Informação Visão Geral sobre Informática Trabalho compilado da internet Prof. Claudio Passos 9/18/2014 2 PROBLEMAS ADMINISTRATIVOS Volume de Informação Tempo de Resposta Aumento

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL. Capítulo 2. Conceitos de Hardware e Software

ANHANGUERA EDUCACIONAL. Capítulo 2. Conceitos de Hardware e Software ANHANGUERA EDUCACIONAL Capítulo 2 Conceitos de Hardware e Software Hardware Um sistema computacional é um conjunto de de circuitos eletronicos. Unidade funcionais: processador, memória principal, dispositivo

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos

Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos Arquitetura de Computadores e Software Básico Aula 5 Flávia Maristela (flaviamsn@ifba.edu.br) Arquitetura de Von Neumann e as máquinas modernas Onde

Leia mais

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C#

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C# LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C# 1.1 - Apresentação Quando fazemos nossas compras em um supermercado, é comum encontrarmos um código de barras impresso nos produtos expostos

Leia mais

Lista de Exercícios Introdução à Informática

Lista de Exercícios Introdução à Informática Lista de Exercícios Introdução à Informática Histórico e Evolução da Computação 1. Cite alguns problemas que o uso de válvulas provocava nos computadores de 1ª geração. 2. O que diferencia os computadores

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal AULA Informática: Aplicações e Benefícios Advocacia

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais