OBSERVAÇÕES SOBRE TIANA, A PRIMEIRA PRINCESA NEGRA DA DISNEY. Literatura infantil e os contos de fadas: da oralidade às produções cinematográficas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OBSERVAÇÕES SOBRE TIANA, A PRIMEIRA PRINCESA NEGRA DA DISNEY. Literatura infantil e os contos de fadas: da oralidade às produções cinematográficas"

Transcrição

1 OBSERVAÇÕES SOBRE TIANA, A PRIMEIRA PRINCESA NEGRA DA DISNEY João Paulo Baliscei - Universidade Estadual de Maringá (UEM) Giane Rodrigues de Souza Andrade - Universidade Estadual de Maringá (UEM) Literatura infantil e os contos de fadas: da oralidade às produções cinematográficas A literatura infantil, especificamente os contos de fadas, tem um significado relevante para o desenvolvimento infantil. Pesquisas no âmbito da psicologia têm demonstrado isso (BETTELHEIM, 2002), embora sua repercussão já tenha sido percebida empiricamente desde a época em que esses contos eram narrados oralmente por adultos que os utilizavam como um meio de manterem vivas as tradições culturais, assim como alertar as pessoas sobre os perigos iminentes. Em meados do século XVIII, com as mudanças ocorridas na sociedade, sobretudo decorrentes do crescimento da produção industrial, foi se consolidando uma nova concepção de criança na qual a infância é concebida como um estado constante de irracionalidade ou ausência da razão, atributos contrários àqueles próprios dos indivíduos adultos (SARAT, 2009). Segundo Cunha (2011), a literatura infantil acompanhou as mudanças da concepção de infância e contribuiu para sua consolidação. Histórias que antes eram contadas, sobretudo, através da oralidade foram transcritas, transformando-se em obras literárias destinadas, principalmente, ao público infantil. Estas narrativas passaram a estar presentes, inclusive, no espaço escolar, fazendo parte do cotidiano das crianças. Embora essas histórias contribuam para o desenvolvimento infantil, chama-nos a atenção o fato de que representações estereotipadas inerentes aos contos de fadas oferecem padrões de comportamentos que são imitados pelas crianças. Por vezes, quando as histórias retratam figuras femininas, as chamadas mocinhas, representam-nas magras, altas, loiras, brancas, com cabelos longos e lisos. São apresentadas também como fracas e incapazes de sobreviver aos perigos sem alguém que lhes proteja: um homem. Estas constatações são recorrentes nos estudos de autores e autoras como Baliscei (2014; 2015), Cunha (2008; 2011; 2014), Giroux (1995; 2001; 2013), Nunes (2010) e

2 Sabat(2002), que investigaram os discursos e representações presentes nas personagens de contos de fadas, desenhos animados e filmes voltados ao público infantil. Dentre os muitos artefatos visuais, neste estudo, discutimos sobre a história A Princesa e o Sapo 1 (2009) por se tratar da primeira produção cinematográfica da Disney que apresenta um casal negro como protagonista, diferente dos príncipes e princesas de filmes anteriormente produzidos pela empresa. Em razão disso questionamos: Quais as representações sobre negritudes são produzidas, oferecidas e divulgadas pelo filme A Princesa e o Sapo? Para debater sobre essa questão, selecionamos onze cenas do filme, considerando que nelas podemos identificar e problematizar os modos como personagens negras e brancas são apresentadas para o público infantil. Os estereótipos raciais: as imagens que a Disney produz e reproduz Giroux (2013) se refere a Disney Company (ou Walt Disney, como é popularmente conhecida) como um excelente exemplo de produtora de estereótipos raciais usados de forma a favorecer a política e cultura do país de origem: os Estados Unidos. Com o famoso slogan o lugar mais feliz do globo, divulgado por suas produções, segundo o autor, os Estados Unidos conseguiram atrair a atenção de diversos investidores/as, trabalhadores/as, empresas e turistas, fortalecendo e disseminando uma cultura de felicidade e inocência por meio dos produtos da Disney. Em análise das personagens do maravilhoso mundo da Disney, Giroux (2013) identifica características homogeneizantes como a valorização das tradições, da moral e da família, o pertencimento à classe média, a soberania das pessoas de pele branca e corpo magro. Essas características foram corporificadas em personagens como Cinderela (1950), A pequena sereia (1989), A bela e a fera (1991), Enrolados (2010) e Pocahontas (1995), que são desenhos animados voltados, principalmente, para as crianças. Nesse último, é recontada em linguagem infantil, inocente, poética e romântica o massacre dos/as índios/as nativos/as do oeste americanos pelos/as brancos/as colonizadores/as. O autor assevera que as narrativas dos filmes e desenhos animados da Disney defendem valores hegemônicos e transformam assuntos sérios e polêmicos em comédias românticas, nostálgicas e inocentes para o divertimento e distração do público. Tais 1 O filme foi inspirado na obra literária O Príncipe Sapo.

3 estratégias podem levar os/as telespectadores/as infantis ou até mesmo os/as adultos/as a menosprezarem uma visão histórica e crítica dos fatos. Temas como prostituição e guerra civil foram abordados nos filmes Uma linda mulher (1990) e Bom dia Vietnã (1987), respectivamente. Ambos apresentam representações raciais estereotipadas. Em Bom-dia, Vietnã, a personagem principal, Adrian Cronauer, interpretada por Robin McLaurin Williams ( ), é um disckjocker enviado ao Vietnã para animar as tropas e levantar a moral dos soldados combatentes. Assim como muitas personagens que representam o homem estadunidense, ele é inteligente e enfrenta as autoridades quando necessário, deixando sempre transparecer uma inocência e uma doçura típicas dos contos de fadas. E o que seria desse homem branco se não fosse seu servo negro? Edward Garlick, interpretado por Forest Steven Whitaker (1961--) uma das poucas personagens negras do filme, é posto como uma figura resmungona e atrapalhada (GIROUX, 2013). O filme Uma linda mulher, por sua vez, apresenta três personagens negros que aparece na última cena, nos segundos finais do filme. Nessa "linda história de amor", pouco sabemos sobre os rapazes negros, apenas que, servem a Edward, o galã branco, interpretado por Richard Tiffany Gere (1949--). Dois dos negros são funcionários do hotel onde Edward está hospedado, inclusive, um deles carrega as malas do mocinho, que mantém as duas mãos desocupadas. A terceira personagem negra, o motorista, dirige a limusine branca do mocinho branco, aguardando-o em pé, sorrindo, enquanto Edward entrega flores para sua amada Vivian, interpretada por Julia Roberts (1967--). Esses exemplos corroboram os apontamentos de Steinberg e Kincheloe (2001, p. 43) de que filmes e animações podem reforçar valores culturais hegemônicos e apresentam heróis e heroínas primordialmente brancos/as, de classe média. Nestes casos, os/as protagonistas "[...] carregam valores WASP (branco, anglo-saxão, protestantes)", como se não houvesse variações desse modo de ser. Quando não-brancos[/as] são convocados[/as], eles[/as] são freqüentemente colocados[/as] na periferia (no canto esquerdo da tela da TV) da ação; papéis instigantes, de líder do grupo, são para os[/as] garotos[/as] brancos[/as]. Personagens negros[/as] nos comerciais de crianças muitas vezes dançam e jogam basquete [...]. Por fora da realização consciente de seus[/as] expectadores[/as], os comerciais de crianças que usam atores [e atrizes] nãobrancos[/as] reproduzem hierarquias raciais que privilegiam os[/as] brancos[/as]. (STEINBERG E KINCHELOE, 2001, p.44).

4 Ainda segundo a autora e o autor, é recorrente nos filmes e animações infantis que os vilões e vilãs sejam não-brancos/as. São exemplos os filmes Aladim (1989) e Rei Leão (1994) que representam de modo caricaturado as personagens não-brancos/as de cultura árabe e africana, respectivamente. Nestes filmes as personagens não-brancas-vilãs apresentam características exageradas: barbas longas demais, sotaques carregados demais, narizes grandes demais, cicatrizes aparentes demais. Enquanto que os mocinhos não possuem barbas nem sotaque carregado, têm nariz pequeno, pele lisa e clara. Entendemos essas representações como estereótipos raciais, uma vez que apresentam "fórmulas" e modelos, conjuntos de características restritas e simplificadas das raças brancas e não-brancas. SegundoWortmann (2005) discursos são grupos de ideias, imagens e práticas que compõe várias formas de se falar, conhecer, e de se produzir valores ou condutas que estejam associadas particularmente às atividades sociais. A autora afirma ainda que se constitui discurso tudo o que vemos, lemos ou escutamos em todas as mídias. Em outras palavras, são artefatos que por meio da linguagem educam os indivíduos sobre como eles devem se comportar. Com base nessas considerações, a seguir discutiremos o filme A Princesa e o Sapo (2009) com o objetivo de identificar e problematizar os discursos sobre negritudes divulgados por esta animação. Tiana, a primeira princesa negra da Disney O filme A Princesa e o Sapo (2009) conta a história de Tiana, uma moça negra que vive na cidade de Nova Orleans, Estados Unidos, e que sonha abrir um restaurante. Em nome desse sonho, ela trabalha arduamente, o que preocupa sua mãe, Eudora, uma costureira que trabalha principalmente para famílias ricas da cidade, como a de Charlotte. O Príncipe Naveen, da Maldonia 2, chega à cidade, fazendo com que Charlotte vislumbre a chance de se casar com ele e realizar o sonho de se tornar uma princesa. Ocorre que Naveen fora deserdado por sua família, em função de sua vida boêmia, e o que o jovem príncipe procura, na verdade, é uma moça rica com quem possa se casar para manter seu confortável padrão de vida. O bruxo Facilier propõe ver o futuro do príncipe em um baralho de cartas: as imagens impressas nas cartas, assim como a música e voz do bruxo, anunciam que, no futuro, o Naveen se casará com uma moça rica. A notícia agrada o rapaz, pois assim, não precisará trabalhar. No entanto, quando aperta a mão do bruxo Facilier, Naveen é 2 País fictício mencionado no filme.

5 transformado em um sapo. Buscando desfazer o feitiço, o príncipe supõe que, assim como nos contos de fadas, precisa ser beijado por uma princesa. Numa festa a fantasia organizada por Charllote o sapo encontra Tiana fantasiada de princesa em função da festa. Confundindo Tiana com uma princesa, Naveen convence a moça a beijá-lo. Por não ser uma verdadeira princesa, Tiana acaba se transformando em uma rã. A primeira cena do filme apresenta o quarto de Charllote com muitos brinquedos e enfeites na cor rosa. Tiana e Charllote estão sentadas no chão (Figura 1). Figura 1: Charllote e Tiana ouvindo histórias. Fonte: Print Screen, 1 34, A Princesa e o Sapo (2009). Tiana usa um vestido com corte reto e simples, em tons pasteis e uma coroa de princesa. Charllote, por sua vez, veste-se de modo bastante extravagante: usa um vestido longo, rosa, com fitas, camadas sobrepostas, babados e volume. As duas meninas de aproximadamente oito anos ouvem a mãe de Tiana, dona Eudora, contar a história O príncipe sapo ao mesmo tempo em que termina os últimos ajustes do vestido de princesa de Charllote. Embora a cena seja aparentemente inocente, ressaltamos que as características das vestimentas de ambas as personagens (as quais irão se repetir nas outras cenas do filme), deixam explícito qual das duas personagens tem maior e menor poder aquisitivo. Enquanto Charllote, neste caso, com maior poder aquisitivo, é retratada com uma fantasia sofisticada, feita com muito tecido e com a predominância de cores vibrantes, Tiana é caracterizada com roupas simples, em tons de amarelo-claro, verde-claro e marrom, embora seja filha da melhor estilista da cidade.

6 Essas características das personagens vão a encontro da afirmação de Giroux (2013, p. 136) de que A aparência de aventura feliz e inocência infantil, embora atraente, encobre, [...] um universo cultural amplamente conservador em seus valores, colonial em sua produção de diferenças raciais. As diferenças econômicas e sociais das duas personagens nos remetem que a cidade de Nova Orleans, nos Estados Unidos, onde se passa a história, é reconhecida pela venda de escravos e escravas 3, assim como pela resistência aos movimentos pela igualdade racial de negros/as e brancos/as (SCOTT, 2013). Quando saem da casa de Charllote e voltam para sua casa de bonde, Tiana e Eudora passam por diferentes mansões, com grandes portões e jardins planejados e ruas asfaltadas onde algumas mulheres brancas com roupas de cortes refinados passeiam (figura 2). Conforme se aproximam da sua casa, o cenário muda: as residências são menores, sem muro, ruas sem asfaltamento e calçadas. Neste bairro, são retratadas apenas pessoas negras (figura 3). Figura 2: Bairro de Charllote Fonte: Print Screen, 3 51, A princesa e o sapo (2009). Figura 3: Bairro de Tiana 3 Nova Orleans foi uma das últimas cidades do estado de Louisiana a dar a alforria aos seus escravos e escravas (SCOTT, 2013).Além disso, os/as habitantes dessa região ao sul dos EUA demonstraram resistência aos movimentos dos negros e negras pelo fim do apartheid.

7 Fonte: Print Screen, 3 55, A princesa e o sapo (2009). Pelo modo como essa organização é retratada, parece haver "naturalidade" e "espontaneidade" nas divisões raciais e sociais das comunidades as quais as personagens pertencem. Ou seja, parece óbvio que Tiana e Eudora vivam nas condições em que vivem. A maneira natural como as duas comunidades são retratadas nos remete novamente aos escritos de Giroux (2001, p.89) quando salienta que os filmes da Disney inspiram [...] autoridade e a legitimidade culturais para ensinar papeis, valores e ideais específicos. Na cena em questão o fato de as pessoas brancas e ricas viverem em um lado da cidade, enquanto as pessoas negras que desenvolvem trabalhos manuais vivem no lado oposto, isto é, o mais simples, é tratado como natural e esperado. As condições de infraestruturados bairros são desiguais, evidenciando a inferioridade do bairro onde moram as pessoas negras. Em outra cena, ainda criança, Tiana cozinha para seu pai, James, para que ele experimente a sopa que ela aprontou. Depois de prová-la, o pai satisfeito, pega a filha no colo e diz que ela tem um dom especial cozinhar e que, por isso, as pessoas precisam conhecê-la. Tiana abre a porta e convida a vizinhança para comer a sopa. Em seguida todos/as se sentam na varanda e, enquanto comem, o pai abraçado com sua esposa e filha diz: Sabe o que a comida tem de bom? Ela reúne as pessoas de todas as classes sociais. Ainda que a frase dita valorize a interação entre classes distintas, naquele grupo estão reunidas apenas homens e mulheres com condição econômica e raça similares as de sua família. A contradição entre o dito classes sociais reunidas ao redor do dom da cozinha e o acontecido apenas pobres e negras/os reunidos ao redor da sopa feita por Tiana - pode ser

8 explicada em parte pelas considerações de Wagner e Sommer (2007). De acordo com os autores, a mídia se utiliza de uma estética para suas produções capaz de fabricar um mundo paralelo que se assemelha a realidade existente e, ao mesmo tempo, se mantém distante dela. Embora a cena representada (figura 4) seja esteticamente agradável não condiz com a fala de James, o pai, uma vez que o grupo reunido é composto apenas por negros/as que pertencem a uma mesma classe econômica e social. Figura 4: Vizinhança reunida. Fonte: Print Screen, 4 49, A princesa e o sapo (2009). Em outro momento, quando o Tiana e Charllote já são adultas, o príncipe Naveen, da Maldonia, futura paixão de Tiana, chega a uma embarcação acompanhado de Lawrence, seu criado. O príncipe se apresenta com seus trajes reais, mas logo tira-os e passa a se vestir de maneira menos formal. Pega um instrumento de cordas nas malas que Lawrence carrega e começa a tocá-lo. Ao pé da escada, diferentes moças o cercam (figura 5). Em seguida, Naveen demonstra interesse pelos músicos que passam pela rua, seguindo-os. Naveen é um homem negro, mas com características físicas semelhantes aos demais príncipes brancos da Disney atlético, alto e com um grande sorriso mas, ao contrário dos demais, é um bonvivant, irresponsável e aproveitador, que apresenta repulsa por trabalhar - por isso procura uma jovem rica de quem possa tirar proveito. Figura 5: Chegada do príncipe Naveen na cidade.

9 Fonte: Print Screen, 9 01, A princesa e o Sapo (2009). Naveen foge à regra da representação de príncipes dos filmes da Disney. Nenhum outro príncipe fora retratado desta maneira até este desenho animado. Além de ser negro e bonvivant, a personagem não é o solucionador de problemas, disposto a salvar a mocinha de todas as formas possíveis. Ao contrário, é retratado como "causador de problemas", um "antiherói", um boa vida charlatão. Apoiando-nos em Pillar (2011, p.132) podemos dizer que cenas como esta manifestam propósitos moralizantes que podem vir a orientar o comportamento das crianças. São produtos midiáticos como desenhos, filmes, brinquedos derivados [...] de publicações e filmes dos estúdios Disney, por exemplo que reforçam clichês em relação à classe social, etnia, gênero, etc..consideramos que no filme A princesa e o sapo, ao contrário dos príncipes brancos, os negros não são confiáveis. Clichês relativos à classe sociais, sexualidades, gêneros e raças podem ser percebidos também em outra cena quando Tiana organiza o espaço que futuramente será seu restaurante. Eudora, sua mãe, a aconselha a se preocupar menos com o trabalho e mais com sua vida amorosa: É isso que eu quero para você. Que conheça seu príncipe encantado, dance com ele e que sejam sempre felizes (figura 6). Figura 6:Tiana e sua mãe dentro do salão.

10 Fonte: Print Screen, 13 37, A princesa e o Sapo (2009). Esses discursos legitimam os clichês também evidenciados em outros filmes e animações da Disney (PILLAR, 2011; SABAT, 2003). Em sua fala, a mãe enfatiza a importância da figura do homem, reforçando o discurso de que, para ser feliz, a mulher precisa encontrar seu príncipe encantado e se casar com ele 4. Como se não houvesse outra possibilidade de realização para uma mulher. As frases ditas pela mãe demonstra a "naturalidade" das relações heterossexuais, legitimando-a como normatividade (SABAT, 2003). Sem dar ouvidos à mãe, Tiana canta e imagina como será bem sucedida quando o restaurante for inaugurado. Diferentes das demais personagens protagonistas da Disney, Tianna parece não ser obcecada por romances, beijos e casamentos. Para Cechin (2014, p.143) Tiana "[...] é determinada, independente e forte. O trabalho duro como a melhor maneira de alcançar seus objetivos é seu lema. Em nossa análise, tais características são interessantes por não reduzir a felicidade e a realização feminina à união com um homem e ao casamento. O comportamento de Tiana, seu comprometimento com o trabalho e com sua profissão servem como referência para meninos e meninas no que tange às muitas possibilidades de realização pessoal e de "finais felizes". No entanto, chama-nos a atenção a projeção que Tiana têm sobre seu futuro e sonhos. Em suas idealizações, Tiana está vestida totalmente de branco (figura 7). Além disso, do conjunto de funcionários/as 34 no total, apenas dois não são negros. Os únicos brauma garçonete e um sommelier são brancos/as e usam trajes claros. Todos os outros funcionários são negros e usam trajes escuros (figura 8). 4 Esse discurso tem seu ápice na última cena do filme, quando Tiana e Naveen, após terem se casado, dançam na sacada do restaurante em que trabalham.

11 Figura 7: Sonho de Tiana. Fonte: Print Screen, 14 12, A princesa e o Sapo (2009). Figura 8: Os funcionários e funcionárias do sonho de Tiana. Fonte: Print Screen, 14 18, A princesa e o Sapo (2009). Em nossa análise, estereótipos raciais e de classe são percebidos na projeção utópicas que Tiana faz de seu restaurante. É como se o "restaurante ideal" tivesse que ser repleto de funcionários e funcionárias negros/as vestidos com roupas escuras, servindo pessoas brancas. Enquanto que ela, proprietária, usa a cor branca cor que reforça sua posição privilegiada.

12 Neste caso, há uma polarização que relaciona a cor branca com a riqueza e o poder e a cor preta com a submissão e a servidão. Conforme Farina, Perez e Bastos (2006) a cultura ocidental emprega à cor branca significados como pureza, neutralidade, castidade, limpeza, leveza e santidade, ao mesmo tempo que atribuí à cor preta aspectos como sofrimento, tristeza, pessimismo e desgraça. Além disso, as cores branco e preto podem significar, respectivamente, bem e mal 5. Mais adiante, Tiana desempenha um comportamento diferente do demonstrado então. Desde o início da história, Tiana aparenta ser honesta, ingênua, inocente, focada em seu trabalho e incorruptível. Não apresenta comportamentos gananciosos e egoístas - ao contrário disso, demonstra preocupação e solidariedade com as demais personagens do filme. No entanto, quando encontra o príncipe Naveen transformado em sapo e barganha seu beijo (figura 9), Tiana -diferente das protagonistas brancas da Disney- exibe seus desejos próprios, seu interesse e sua ambição. Dizemos isso pois Tiana só aceita beijar o príncipesapo quando passa a ter conhecimento de que ele pertence a uma família rica, disposta a darlhe uma recompensa. Figuras 9: Tiana beija Naveen. Fonte: Print Screen, , A princesa e o Sapo (2009). Em análise de outros filmes e desenhos animados da Disney, Giroux (2001, p.103) destaca que Os papéis destinados às mulheres e às pessoas de cor, junto com as idéias 5 Os autores e a autora demonstram os reflexos e fortalecimento de tais significações em frases de uso comum como "De repente a situação ficou preta".

13 referindo-se a uma rígida visão dos valores familiares, [...] precisam ser combatidos e transformados. Em nossa análise não é isso o que ocorre no filme A princesa e o sapo(2009), pois, além dos aspectos que mencionamos anteriormente, a partir da cena do beijo, Tiana é representada como uma rã. Dos noventa e sete minutos de duração do filme, em sessenta e oito, Tiana, a primeira protagonista negra das animações Disney, é representada verde, como rã. O fato de a personagem principal passar aproximadamente 69% do filme como rã, desvia o foco da questão da negritude de Tiana. Os estereótipos raciais dão lugar ao discurso sobre a beleza interior, corporificada no casal de sapos. Concordamos com Cechin (2014, p. 140) quando alerta que o discurso sobre beleza interior é sempre diretamente relacionado a [...] corpos disformes, fora dos padrões estabelecidos, [que] devem compensar esses desajustes com certa candura, ingenuidade, bondade e beleza interna. Enquanto rã e sapo, Tiana e Naveen são personagens disformes e, para que não sejam julgados como vilã e vilão por causa de seus erros, interesses e egoísmo, precisam transparecer a bondade, o sofrimento e o amor. E é pelo amor que as personagens se redimem e voltam a ser belas e felizes. Diferentemente dos demais filmes da Disney em que os protagonistas se casam e vivem felizes para sempre, em A princesa e o sapo (2009), mesmo após o casamento, Tiana e Naveen continuam trabalhando para se sustentar e, inclusive, são ele e ela que realizam a reforma de seu restaurante (figura 10). Será que nos "finais felizes" dos filmes cujas personagens principais são brancas, os serviços manuais, que exigem desgaste físico, seriam realizados por elas? Consideramos que não por acaso, a narrativa do filme A princesa e o sapo (2009) indica com naturalidade que o casal precisa continuar a trabalhar e a servir para ser bem sucedido. Figuras 10: Tiana e Naveen depois de se casarem vão trabalhar na reforma do futuro restaurante.

14 Fonte: Print Screen, , A princesa e o sapo (2009). Considerações finais Neste artigo, nosso objetivo foi analisar os discursos sobre negritudes produzidos, oferecidos e divulgados pelo filme A Princesa e o Sapo (2009). O filme foi escolhido por se tratar da primeira produção da Disney que apresenta um casal negro como protagonista. Nossa análise revelou um grande avanço na produção desta animação quanto à abordagem da negritude ao apresentar Tiana e o príncipe Naveen. Em sua totalidade, até este filme, as produções da Disney apresentavam protagonistas brancos/as com características europeias e germânicas. Contudo, algumas situações encenadas ainda sugerem demasiadamente a produção e reprodução de estereótipos de raça. Constatamos a ocorrência de distinções entre personagens brancas e personagens nãobrancas, principalmente em relação às desigualdades sociais e econômicas: os negros e negras são caracterizados/as pela pobreza, servidão, pelo desempenho de trabalhos manuais, que exigem desgaste físico; enquanto os brancos e brancas são retratados/as como ricos/as com posições privilegiadas. Além disso, o casal de protagonistas é apresentado como interesseiro e manipulador. Demonstram desvio de caráter. Diferente dos/as demais protagonistas da Disney, Tiana e Naveen não são pessoas absolutamente boas, ingênuas e que pensam exclusivamente no bem coletivo. Trata-se do anti-herói e da anti-heroína da Disney. Ao final do filme, Tiana e Naveen encontram o seu "felizes para sempre" no trabalho com o restaurante, servindo as pessoas brancas o que parece confirmar e reforçar os estereótipos de servidão para negros e negras e de deleite e consumo para brancos e brancas. Talvez a narração fora organizada como se a redenção de suas mazelas de caráter pudesse ser efetivada através do trabalho manual e de servidão no restaurante. Ou talvez a história reforce

15 os limites e possibilidades de "finais felizes" que um casal negro pode conquistar. Cinderela, Ariel, Bela, Aurora, Branca de Neve tiveram "finais felizes" semelhantes a esse? Referências A PRINCESA e o sapo.direção: Ron Clements e John Musker. Produção: John Musker e Ron Clements filme (89 min), son., color. Dublado. Port. BALISCEI, João Paulo. Os artefatos visuais e suas pedagogias: Reflexões sobre o ensino de arte. 140 f. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Estadual de Maringá. Orientadora: Teresa Kazuko Teruya. Maringá, BALISCEI, João Paulo. Cultura Visual e representações de gênero: O que os filmes da Disney dizem sobre meninos e meninas?. In: Pedagogia 2015:Encuentro Internacional por launidad de los Educadores, 2015, Havana. Memorias: Pedagogia 2015: Encuentro Internacional por launidad de los Educadores, BETTELHIM, Bruno. A Psicanálise dos Contos de Fadas.Tradução. Arlrne Caetano São Paulo: Paz e Terra, CECHIN, Michelle Brugnera. O que aprendemos com as princesas Disney. Revista Zero-aseis. Revista Eletrônica editada pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas de Educação na Pequena Infância, Florianópolis, v.01, n.29, p , jan./jul CUNHA, Susana Rangel Vieira da. Infância e Cultura Visual. In: 31ª reunião da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação -ANPED, 2008, Caxambu. Constituição Brasileira, Direitos Humanos e Educação. Rio de janeiro: Associação Nacional de Pesquisadores em Educação, p CUNHA, Susana R. Vieira da. As Transformações da Imagem na Literatura Infantil. In: PILLAR, Alice Dutra (Org). A educação do olhar no ensino das artes. Porto Alegre: Mediação, P CUNHA, Susana Rangel Vieira da. Imagens como pedagogias culturais em cenários da educação infantil. In: MARTINS, Raimundo; TOURINHO, Irene. Pedagogias culturais. Santa Maria: Ed. da UFSM, 2014, p FARINA, Modesto; PEREZ, Clotilde; BASTO, Dorinho. Psicodinâmica das Cores em Comunicação. São Paulo: Edgard Blücher, a Ed. (revista e ampliada). 173 p. GIROUX, Henry. A dysneização da cultura infantil. In: Silva, Tomaz Tadeu da; MOREIRA, Antônio Flávio (Orgs.).Territórios contestados: o currículo e os novos mapas políticos e culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, p

16 GIROUX, Henri A. Os filmes da Disney são bons para meus filhos?. In: STEINBERG, Shirley; KINCHELOE; Joe (Org). Cultura Infantil: a construção corporativa da infância. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, P GIROUX, Henri A. Memória e pedagogia no maravilhoso mundo da Disney. In: TOMAZ, Tadeu da Silva (Org). Alienígenas na sala de aula: Uma introdução aos estudos culturais em educação. Petrópolis: Vozes, P NUNES, Luciana Borre. As Imagens que Invadem as Salas de Aula: Reflexões sobre Cultura Visual. 1. ed. São Paulo: Ideias & Letras, p. SABAT, Ruth. Filmes Infantis como máquinas de ensinar. In: 25ª Reunião da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação - ANPED, 2002, Caxambu (MG). Grupo de Trabalho Educação e Comunicação, p SABAT, Ruth. Filmes infantis e a produção performativa da heterossexualidade. Tese (Doutorado em Educação) Porto Alegre (RS): PPGEDU/UFRGS, SARAT, Magda. Infância e Educação Infantil: Do Renascimento à Modernidade. In: SARAT, Magda (Org). Fundamentos filosóficos da educação infantil. Maringá: Eduem, P SCOTT, Rebecca J. O Trabalho Escravo Contemporâneo e os Usos da História.Mundos do Trabalho.Florianópolis, v. 5 n. 9, , jan./jul WAGNER, Irmo. SOMMER, Luís Henrique. Mídia e pedagogias culturais. In:X Seminário de pesquisa, Ulbra. Guaíba, WORTMANN, Maria Lúcia Castagna. Dos riscos e ganhos de transitar nas fronteiras dos saberes. In: COSTA, Marisa Vorraber; BUJES, Maria Isabel Edelweiss (Org.). Caminhos investigativos III: riscos e possibilidades de pesquisar nas fronteiras Rio de Janeiro: DP&A, P

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA Geane Apolinário Oliveira UEPB Geane-cg@hotmail.com Introdução O presente artigo tem por objetivo enfatizar

Leia mais

Entre 1940 a 1960, uma coleção de romances intitulada Biblioteca

Entre 1940 a 1960, uma coleção de romances intitulada Biblioteca I M A G E M N O B R A S I L COM A PALAVRA, AS IMAGENS! representações do feminino nas capas dos romances da Biblioteca das Moças (1940-1960) Maria Teresa Santos Cunha Entre 1940 a 1960, uma coleção de

Leia mais

UMA ANÁLISE SOBRE O FILME: A PRINCESA E O SAPO

UMA ANÁLISE SOBRE O FILME: A PRINCESA E O SAPO UMA ANÁLISE SOBRE O FILME: A PRINCESA E O SAPO Viviane de Almeida Silva Graduanda em Pedagogia Universidade Estadual da Paraíba UEPB etavivi@hotmail.com Elisangela Justino Universidade Estadual da Paraíba

Leia mais

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que 1 ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1 Luciara dos Santos (UFS) I. ENREDO O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que logo tem sua tranqüilidade

Leia mais

TEMAS TRANSVERSAIS DOS PCNs: o que ensinar sobre gênero e sexualidade?

TEMAS TRANSVERSAIS DOS PCNs: o que ensinar sobre gênero e sexualidade? Maria de Fátima da Cunha. UEL/Londrina. Docente TEMAS TRANSVERSAIS DOS PCNs: o que ensinar sobre gênero e sexualidade? Para Tomaz Tadeu da Silva, as narrativas dos currículos podem, explícita ou implicitamente,

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL 20 a 24 de outubro de 2008 A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL Caroline de Souza Gervazio 1 ; Luciana Figueiredo Lacanallo 2, Maria Ângela Garcia de Almeida 3 RESUMO:

Leia mais

DESCONSTRUINDO A IMAGEM DO PRÍCIPE ENCANTADO NO FILME UMA LINDA MULHER.

DESCONSTRUINDO A IMAGEM DO PRÍCIPE ENCANTADO NO FILME UMA LINDA MULHER. DESCONSTRUINDO A IMAGEM DO PRÍCIPE ENCANTADO NO FILME UMA LINDA MULHER. UFPE Drando. Daniel Ely Silva Barbosa Resumo: Ao avaliarmos alguns materiais para discutirmos em sala, com as alunas e os alunos

Leia mais

A ABORDAGEM DA RELAÇÃO DE GÊNERO PELOS FILMES INFANTIS

A ABORDAGEM DA RELAÇÃO DE GÊNERO PELOS FILMES INFANTIS 1 A ABORDAGEM DA RELAÇÃO DE GÊNERO PELOS FILMES INFANTIS Márcia Santos Anjo Reis Tatielle da Silva Borges Universidade Federal de Goiás / Campus Jataí marcialibra@ibest.com.br tatielleborges@yahoo.com.br

Leia mais

A Princesa Negra que Causou Polêmica. 1. Roberta Ferreira dos SANTOS 2 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP

A Princesa Negra que Causou Polêmica. 1. Roberta Ferreira dos SANTOS 2 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP A Princesa Negra que Causou Polêmica. 1 Roberta Ferreira dos SANTOS 2 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar uma breve análise da repercussão causada, no

Leia mais

EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO

EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO Adriana D Agostino Relato de experiência Resumo A experiência apresentada foi realizada em 2013 no Colégio Salesiano Santa Teresinha a partir do material

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Fernanda Maria Sousa Martins; Valdiêgo José Monteiro Tavares; Larissa Mabrine Dias da Silva; Professor

Leia mais

Conceitos de gênero, etnia e raça: reflexões sobre a diversidade cultural na educação escolar

Conceitos de gênero, etnia e raça: reflexões sobre a diversidade cultural na educação escolar Conceitos de gênero, etnia e raça: reflexões sobre a diversidade cultural na educação escolar Juliana Keller Nogueira, Delton Aparecido Felipe, Teresa Kazuko Teruya (UEM) Educação escolar, formação de

Leia mais

Cara Professora, Caro Professor,

Cara Professora, Caro Professor, A olhinhos menina de rasgados Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos um belo livro de narrativa A menina de olhinhos rasgados, do premiado autor mineiro Vanderlei Timóteo.

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM Adriana Bragagnolo i ( Universidade de Passo Fundo) 1. NOTA INICIAL O presente texto objetiva socializar reflexões a respeito da literatura infantil no cenário

Leia mais

Arquivo pessoal. Amanda Teixeira

Arquivo pessoal. Amanda Teixeira Arquivo pessoal Amanda Teixeira MULHER E MÍDIA por Débora Junqueira Fora das capas de revistas Adolescentes negras não se reconhecem nas publicações femininas Quem tem os lábios grossos e quer disfarçá-los

Leia mais

Contação de Histórias PEF

Contação de Histórias PEF Contação de Histórias PEF Qual a importância da narração oral? -Exerce influência tanto sobre aspectos intelectuais quanto emocionais da criança. -Tem a capacidade de estimular a imaginação, a criatividade

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Aula2 ESTUDOS CULTURAIS E EDUCAÇÃO. Marlécio Maknamara. META Conhecer aportes dos Estudos Culturais em sua conexão com a Educação.

Aula2 ESTUDOS CULTURAIS E EDUCAÇÃO. Marlécio Maknamara. META Conhecer aportes dos Estudos Culturais em sua conexão com a Educação. Aula2 ESTUDOS CULTURAIS E EDUCAÇÃO META Conhecer aportes dos Estudos Culturais em sua conexão com a Educação. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: Reconhecer os Estudos Culturais como campo

Leia mais

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO Resumo Hoje muitas crianças convivem com narrativas audiovisuais na tv, no cinema e na Internet. Como se relacionam

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena OSUTERBOS DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. JANEIRO escrito por: Antפnio Carlos Calixto Filho Personagens: Dana de Oliveira uma moça simples ingênua morena olhos pretos como jabuticaba,1.70a,sarad a cabelos

Leia mais

GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS

GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS TAINARA GUIMARÃES ARAÚJO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ (UESC) Resumo A construção das identidades de gênero constitui todo um processo

Leia mais

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se VOZ DO LEITOR ANO 4 EDIÇÃO 30 On/off-line: entreolhares sobre as infâncias X, Y e Z Amanda M. P. Leite A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se prende a uma espécie de saudosismo da

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE CRIANÇA E INFÂNCIA NA PESQUISA E NA EXTENSÃO DO NUREGS/UEPG 1

ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE CRIANÇA E INFÂNCIA NA PESQUISA E NA EXTENSÃO DO NUREGS/UEPG 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( X) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ALGUMAS REFLEXÕES

Leia mais

Como o cinema nacional pode ser socialmente relevante e interessante?

Como o cinema nacional pode ser socialmente relevante e interessante? São Paulo, Ano II, n. 04, jan./abr. de 2015 Como o cinema nacional pode ser socialmente relevante e interessante? Sobre a representação multicultural de personagens em obras audiovisuais educativas Autor:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA A REPRESENTAÇÃO DA IDENTIDADE DA MULHER AFRO- DESCENDENTE, TIA

Leia mais

ANÁLISE DA NARRATIVA: ENCANTADA

ANÁLISE DA NARRATIVA: ENCANTADA ANÁLISE DA NARRATIVA: ENCANTADA Julia Maria de Jesus Cunha Regina Ferreira Terra Rodrigues RESUMO: Os contos de fadas são importantes na formação da criança, assim com as novas tecnologias novas versões

Leia mais

ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA

ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA Andréa Nunes Ribeiro Marília Felix de Oliveira Lopes RESUMO: Este trabalho científico tem como objetivo analisar os contos de fadas e a conversão do in Magic para o

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO TELLES, Edna de Oliveira - USP GE: Gênero, Sexualidade e Educação / n.23 Agência Financiadora: Não contou com financiamento.

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 728 A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: O presente artigo trata da especificidade da ação pedagógica voltada

Leia mais

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ Geane Apolinário Oliveira Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) - Geane-cg@hotmail.com RESUMO: Este

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Gênero e apartheid: representações em movimento

Gênero e apartheid: representações em movimento Gênero e apartheid: representações em movimento Valdene Costa Rocha 1 Resumo: Este artigo busca compreender os lugares femininos no período pósapartheid na África do Sul, tendo como objeto de análise o

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

Aos olhos de uma criança: o imaginário Menino para o Mundo. Giuliano Jorge Magalhães da Silva 1

Aos olhos de uma criança: o imaginário Menino para o Mundo. Giuliano Jorge Magalhães da Silva 1 Aos olhos de uma criança: o imaginário Menino para o Mundo 1 do filme O menino e o mundo. Dir.: Alê Abreu, animação, Brasil, 80, 2014. 1 Mestre em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense. E-mail:

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EVELISE RAQUEL DE PONTES (UNESP). Resumo O ato de contar histórias para crianças da educação infantil é a possibilidade de sorrir, criar, é se envolver com

Leia mais

NARRATIVAS E IDENTIDADES DE CRIANÇAS AFROBRASILEIRAS: UM TRABALHO COM IMAGENS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Cláudia Queiroz UERJ

NARRATIVAS E IDENTIDADES DE CRIANÇAS AFROBRASILEIRAS: UM TRABALHO COM IMAGENS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Cláudia Queiroz UERJ NARRATIVAS E IDENTIDADES DE CRIANÇAS AFROBRASILEIRAS: UM TRABALHO COM IMAGENS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Cláudia Queiroz UERJ INTRODUÇÃO Este pôster é parte de uma pesquisa de mestrado em educação que tem como

Leia mais

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães.

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. Autores: DILMA ANTUNES SILVA 1 ; MARCELO NASCIMENTO 2. Modalidade: Relato de experiência.

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

Laís PAIVA 2 Letícia Passos AFFINI 3

Laís PAIVA 2 Letícia Passos AFFINI 3 A Influência das Cores na Construção da Narrativa: estudo do caso "Felizes para Sempre?"1 RESUMO Laís PAIVA 2 Letícia Passos AFFINI 3 Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Bauru, SP

Leia mais

Seminário Diversidade nas Escolas: Preconceito e Inclusão Tema: Questões étnico-raciais

Seminário Diversidade nas Escolas: Preconceito e Inclusão Tema: Questões étnico-raciais Senado Federal Comissão de Educação, Cultura e Esporte Seminário Diversidade nas Escolas: Preconceito e Inclusão Tema: Questões étnico-raciais Prof. Dr. Paulo Vinicius Baptista da Silva paulovbsilva@uol.com.br

Leia mais

PROJETO ERA UMA VEZ...

PROJETO ERA UMA VEZ... PROJETO ERA UMA VEZ... TEMA: Contos de Fada PÚBLICO ALVO: Alunos da Educação Infantil (Creche I à Pré II) JUSTIFICATIVA O subprojeto Letramento e Educação Infantil, implantado na EMEI Sementinha, trabalha

Leia mais

Rica. Eu quero ser... Especial ???????? Luquet. Um guia para encontrar a rota da prosperidade. Apoio: por Mara. Elas&Lucros

Rica. Eu quero ser... Especial ???????? Luquet. Um guia para encontrar a rota da prosperidade. Apoio: por Mara. Elas&Lucros ???????? Apoio: Rica Eu quero ser... Um guia para encontrar a rota da prosperidade por Mara Luquet 81 Era uma vez... Era uma vez uma princesa, dessas que passeiam pelos campos e bosques e são muito bonitas

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Gêneros discursivos. Gêneros sociais. Livro didático. Representação.

PALAVRAS-CHAVE Gêneros discursivos. Gêneros sociais. Livro didático. Representação. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Professora Maria Renata Alonso Mota Professora Suzane da Rocha Vieira IE/NEPE/FURG

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Professora Maria Renata Alonso Mota Professora Suzane da Rocha Vieira IE/NEPE/FURG CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Professora Maria Renata Alonso Mota Professora Suzane da Rocha Vieira IE/NEPE/FURG Esta apresentação foi organizada com o intuito de oferecer subsídios para a construção

Leia mais

OBJETIVOS: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO:

OBJETIVOS: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO: CONTEÚDO: Gênero: Retrato /Fotografia Técnica: Pintura óleo sobre tela Elementos formais: cor e luz Os recursos formais de representação: figuração

Leia mais

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO, CURRÍCULO E DIVERSIDADE CULTURAL RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Michelly Spineli de Brito Campos Vieira/Prefeitura de Itapissuma-PE Paloma Viana de

Leia mais

Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil

Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil - Justificativa: O projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil iniciou no segundo semestre

Leia mais

Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população

Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população negra brasileira são fundamentadas historicamente na luta

Leia mais

PROJETO DE DESIGN GRÁFICO PARA O LANÇAMENTO DO CD DA BANDA COPACABANA CLUB 1

PROJETO DE DESIGN GRÁFICO PARA O LANÇAMENTO DO CD DA BANDA COPACABANA CLUB 1 PROJETO DE DESIGN GRÁFICO PARA O LANÇAMENTO DO CD DA BANDA COPACABANA CLUB 1 Isabelle IMAY 2 Isabelle HUNDSDORFER 3 Paulo Negri FILHO 4 Centro Universitário Internacional Uninter, Curitiba, PR RESUMO Trabalho

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO Primeiro voto: o papel do jovem eleitor em relação ao combate à corrupção ROTEIRO

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Histórias do Senhor Urso. 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S) O Desfile a fantasia. 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio O desfile a

Leia mais

GUARDAS DE BELO HORIZONTE USAM TAPA-OUVIDOS

GUARDAS DE BELO HORIZONTE USAM TAPA-OUVIDOS CLUBE EDUCACIONAL GESTAR NA ESCOLA TRAJETÓRIA II Atividades da I Unidade 7º ano / 6ª série António Manuel Couto Viana (poeta português). Versos de palmo e meio (1994). (Fragmento). Questão 1 - A expressão

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Conhecendo o Rosquinha. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Balinha e Dentinho encontram um cachorro perdido

Leia mais

A PEDAGOGIA COMO CULTURA, A CULTURA COMO PEDAGOGIA. Gisela Cavalcanti João Maciel

A PEDAGOGIA COMO CULTURA, A CULTURA COMO PEDAGOGIA. Gisela Cavalcanti João Maciel A PEDAGOGIA COMO CULTURA, A CULTURA COMO PEDAGOGIA Gisela Cavalcanti João Maciel UMA TEORIA PÓS-COLONIALISTA DO CURRÍCULO O objetivo dessa teoria é analisar as relações de poder entre as nações que compõem

Leia mais

MÍDIA E PEDAGOGIAS CULTURAIS

MÍDIA E PEDAGOGIAS CULTURAIS MÍDIA E PEDAGOGIAS CULTURAIS Irmo Wagner Luís Henrique Sommer RESUMO: O presente trabalho nasceu a partir de estudos voltados à educação no campo dos Estudos Culturais, buscando identificar as pedagogias

Leia mais

ILUSTRAÇÃO DE CONTOS AFRICANOS: UM NOVO CONCEITO. Palavras-chaves: ilustração; literatura infanto-juvenil; contos africanos; Denise Nascimento.

ILUSTRAÇÃO DE CONTOS AFRICANOS: UM NOVO CONCEITO. Palavras-chaves: ilustração; literatura infanto-juvenil; contos africanos; Denise Nascimento. ILUSTRAÇÃO DE CONTOS AFRICANOS: UM NOVO CONCEITO CONCÍSIA LOPES DOS SANTOS UFRN A história da ilustração se confunde com a história das artes plásticas. Isso porque ilustrar é também fazer Arte. É através

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO PROREXT/PROJETO DE EXTENSÃO 2008/1 - TERRITÓRIO AFROSUL DESENVOLVENDO O DIÁLOGO ACADEMIA / ONG AFROSUL ATRAVÉS DE TRABALHO COM JOVENS DE COMUNIDADE POPULAR RESUMO Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ²

Leia mais

Projeto Leitura e Escrita na Educação Infantil

Projeto Leitura e Escrita na Educação Infantil Projeto Leitura e Escrita na Educação Infantil Mônica Correia Baptista/UFMG Maria Fernanda Rezende Nunes/UNIRIO Patrícia Corsino/UFRJ Vanessa Ferraz Almeida Neves/UFMG Rita Coelho/MEC Ângela Barreto/Consultora

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE CORPO E MÍDIA NA CONSTRUÇÃO DA AUTOIMAGEM DE CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

RELAÇÕES ENTRE CORPO E MÍDIA NA CONSTRUÇÃO DA AUTOIMAGEM DE CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL RELAÇÕES ENTRE CORPO E MÍDIA NA CONSTRUÇÃO DA AUTOIMAGEM DE CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL JULIANA ALVES SORRILHA MONTEIRO JOÃO VITOR BARRETO LIMA 1 SUSANA SELLES CHAVES 2 SIMONE FREITAS CHAVES UNIVERSIDADE

Leia mais

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos:

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I 3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: Elaboração de cenas e improvisação teatral de textos jornalísticos.

Leia mais

A PERFORMATIVIDADE DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROBLEMÁTICAS E PROPOSIÇÕES NA CONSTITUIÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS

A PERFORMATIVIDADE DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROBLEMÁTICAS E PROPOSIÇÕES NA CONSTITUIÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS A PERFORMATIVIDADE DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROBLEMÁTICAS E PROPOSIÇÕES NA CONSTITUIÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS OLIVEIRA, Márcio de (UEM) MAIO, Eliane Rose (UEM) INTRODUÇÃO A proposta central desse

Leia mais

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO!

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! Maria da Penha Rodrigues de Assis EMEF SERRA DOURADA No ano de 2010 escolhi como posto de trabalho a EMEF Serra Dourada para lecionar como arte-educadora de séries

Leia mais

A MÍDIA E A ILUSÃO DO TÃO DESEJADO CORPO PERFEITO

A MÍDIA E A ILUSÃO DO TÃO DESEJADO CORPO PERFEITO A MÍDIA E A ILUSÃO DO TÃO DESEJADO CORPO PERFEITO 2013 Sabrine Schmitt Psicóloga. Graduada na Universidade Católica de Petrópolis em 2010. Coordenadora do Espaço Liberté, atuando com atendimentos clínicos,

Leia mais

APRENDENDO PORTUGUÊS COM AS MÍDIAS. Competência Leitora na 5ª série

APRENDENDO PORTUGUÊS COM AS MÍDIAS. Competência Leitora na 5ª série APRENDENDO PORTUGUÊS COM AS MÍDIAS Competência Leitora na 5ª série O QUE É AVALIAÇÃO EM PROCESSO? Ação fundamentada no Currículo Oficial da SEE, que propõe acompanhamento coletivo e individualizado dos

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

ENTRE O BELO E O FEIO: UMA ANÁLISE DO ESTIGMA A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA

ENTRE O BELO E O FEIO: UMA ANÁLISE DO ESTIGMA A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA ENTRE O BELO E O FEIO: UMA ANÁLISE DO ESTIGMA A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA LÍVIA DA SILVEIRA RIBEIRO BRANDÃO (UEPB) livia_srb@hotmail.com SENYRA MARTINS CAVALCANTI (UEPB) - Orientadora senyra@hotmail.com

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Corpos em Debate: possibilidades e diálogos com a diversidade étnico racial na escola.

Corpos em Debate: possibilidades e diálogos com a diversidade étnico racial na escola. Corpos em Debate: possibilidades e diálogos com a diversidade étnico racial na escola. Juliana Alves Sorrilha Monteiro 1 - UFRJ Isabele Ferreira Santos 2 - UFRJ Drª. Simone Freitas Chaves 3 UFRJ Eixo temático:

Leia mais

1 Micro-resistências e microliberdades são termos usados por Michel de Certeau, em A Invenção do Cotidiano - 1.

1 Micro-resistências e microliberdades são termos usados por Michel de Certeau, em A Invenção do Cotidiano - 1. O BRINCAR NO COTIDIANO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL: CRIAR E RECRIAR DE CULTURA E DE APRENDIZADO TREVISAN, Raquel Pigatto UNIJUÍ raquelpitre@yahoo.com.br GT: Educação de Crianças de 0 a 6 anos / n.07 Agência

Leia mais

A Questão Moral em O Homem-Aranha (Stephen Layman)

A Questão Moral em O Homem-Aranha (Stephen Layman) A Questão Moral em O Homem-Aranha (Stephen Layman) 1 Trecho 1:» O filme Homem-Aranha retrata um mundo moral, repleto de bem e mal. Há muitos vilões de pequeno porte, bem como um vilão de primeira classe,

Leia mais

A MAGIA COMO ESTRATÉGIA INTERPELADORA: COMPLEXO W.I.T.C.H. FORMANDO GAROTINHAS NAS REDES DO CONSUMO PRATES

A MAGIA COMO ESTRATÉGIA INTERPELADORA: COMPLEXO W.I.T.C.H. FORMANDO GAROTINHAS NAS REDES DO CONSUMO PRATES A MAGIA COMO ESTRATÉGIA INTERPELADORA: COMPLEXO W.I.T.C.H. FORMANDO GAROTINHAS NAS REDES DO CONSUMO PRATES, Camille Jacques ULBRA ccoffy@gmail.com EDUCAÇÃO E INFÂNCIA: Educação e Infância / n. 17 Agência

Leia mais

APRENDENDO A SER MULHER COM A REVISTA NOVA ESCOLA

APRENDENDO A SER MULHER COM A REVISTA NOVA ESCOLA APRENDENDO A SER MULHER COM A REVISTA NOVA ESCOLA Tatiana da Silva Silveira - IFSUL Angela Dillmann Nunes Bicca - IFSUL Resumo: Neste texto, desenvolvido sob a perspectiva dos Estudos Culturais de inspiração

Leia mais

SUMÁRIO TUTORIAL DO HQ. 2 DICAS PEDAGÓGICAS:. 2 DOWNLOAD DA INSTALAÇÃO. 2 PASSO 1 FORMULÁRIO PARA DOWNLOAD. 2 PASSO 2 ESCOLHENDO A VERSÃO.

SUMÁRIO TUTORIAL DO HQ. 2 DICAS PEDAGÓGICAS:. 2 DOWNLOAD DA INSTALAÇÃO. 2 PASSO 1 FORMULÁRIO PARA DOWNLOAD. 2 PASSO 2 ESCOLHENDO A VERSÃO. SUMÁRIO TUTORIAL DO HQ... 2 DICAS PEDAGÓGICAS:... 2 DOWNLOAD DA INSTALAÇÃO... 2 PASSO 1 FORMULÁRIO PARA DOWNLOAD... 2 PASSO 2 ESCOLHENDO A VERSÃO... 3 PASSO 3 INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO... 4 CRIANDO NOVAS

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

ANÁLISE TEMÁTICA DE ENREDO FILME ENCANTADA

ANÁLISE TEMÁTICA DE ENREDO FILME ENCANTADA ANÁLISE TEMÁTICA DE ENREDO FILME ENCANTADA Adriana Alves de Oliveira RESUMO: A presente Análise tem como objetivo apresentar elementos importantes contidos no filme encantada. Tendo como referencia a importância

Leia mais

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS Roberta da Silva Freitas roberta_sfreitas@hotmail.com Universidade Federal de Alagoas (UFAL-PPGE/ET&C-CAPES)

Leia mais

O currículo na Educação Infantil: uma análise teórica

O currículo na Educação Infantil: uma análise teórica Resumo O presente artigo faz uma análise teórica acerca do currículo e sua construção na Educação Infantil, discussão esta que tem como aporte teórico os estudos de Barbosa (2009), Oliveira (2011), Sacristán

Leia mais

FANTOCHE/DEDOCHE HISTÓRIA INFANTIL:

FANTOCHE/DEDOCHE HISTÓRIA INFANTIL: TEATRO DE SOMBRA LIVRO LOLO BARNABÉ: O teatro de sombras surgiu há muito tempo. Desde que os homens viviam em cavernas, já se maravilhavam com as sombras produzidas pela luz do sol ou do fogo. Com o tempo,

Leia mais

COMBINADOS, COMPORTAMENTO E REGRAS DE CONVIVÊNCIA : O PROCESSO DE CIVILIDADE PARA CRIAÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

COMBINADOS, COMPORTAMENTO E REGRAS DE CONVIVÊNCIA : O PROCESSO DE CIVILIDADE PARA CRIAÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL COMBINADOS, COMPORTAMENTO E REGRAS DE CONVIVÊNCIA : O PROCESSO DE CIVILIDADE PARA CRIAÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Orientanda: Daniéle de Matos Machado Orientadora: Prof.ª Dr.ª Magda Sarat Co-orientadora:

Leia mais

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora Maria e José Esta é a história de Jesus e de seu irmão Cristo, de como nasceram, de como viveram e de como um deles morreu. A morte do outro não entra na história. Como é de conhecimento geral, sua mãe

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

Projeto de Atuação Pedagógica junto ao Museu. Internacional de Ufologia, História e Ciência. Victor Mostajo.

Projeto de Atuação Pedagógica junto ao Museu. Internacional de Ufologia, História e Ciência. Victor Mostajo. Projeto de Atuação Pedagógica junto ao Museu Internacional de Ufologia, História e Ciência Victor Mostajo. Cátia Bairro Ferreira Santa Maria, RS 2009. 1 Oficina Lúdico Pedagógica - Dinossauros A criança

Leia mais

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS. 01- Quem são os personagens que dialogam na história? R.:

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS. 01- Quem são os personagens que dialogam na história? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PRODUÇÃO TEXTUAL - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= Querido(a)

Leia mais

Análise Semiótica de Anúncio de TV

Análise Semiótica de Anúncio de TV Análise Semiótica de Anúncio de TV DADOS TÉCNICOS: Título: Segredos; Anunciante: Etti ; Criação: Fábio Fernandes e Renata Flori; Agência: F/Nazca; Produto: Molho de Tomate Salsaretti; Ano de veiculação

Leia mais