Caracterização de Materiais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caracterização de Materiais"

Transcrição

1 DIVISÃO DE MATERIAIS Linhas de Pesquisa Tecnologias e aplicações de titânio Compósitos estruturais e termoestruturais Materiais para blindagem balística Materiais absorvedores de radiação eletromagnética Análise de falha fator material Biblioteca especializada em Engenharia de Materiais, possui um acervo de obras composto por livros técnicos e de conhecimento geral, periódicos especializados, anais de congressos, teses, dissertações, bases de dados, catálogos de equipamentos, dicionários e enciclopédias

2 Caracterização de Materiais LABORATÓRIO QUÍMICO DE CARACTERIZAÇÃO DE METAIS LQCM Análise química via úmida e instrumental de ligas ferrosas e não-ferrosas e enquadramento de ligas. Equipamentos: Espectrômetro de Absorção Atômica, marca Varian, modelo Spectra AA 20 Plus (1); Espectrofotômetro UV/Visível, marca Micronal, modelo 380; Analisador de Carbono e Enxofre, marca Leco, modelo CS200 (2); Analisador de Nitrogênio e Oxigênio, marca Leco, modelo TC500 (3) e Eletrolizador, marca Eberbach

3 Caracterização de Materiais LABORATÓRIO DE CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA LCFQ Comportamento térmico (fusão, cristalização, temperatura de transição vítrea, cura, degradação, oxidação indutiva, entre outros) de materiais. Comportamento mecânico (viscosidade, ponto de gel, cura) de materiais fluidos e sólidos, em função de temperatura e deformação e freqüência. Comportamento eletroquímico de eletrodos condutores e semicondutores. Estudo de espectros de impedância eletroquímica. Determinação quantitativa de concentração de componentes químicos em mistura reacional. Equipamentos: DSC (1), TGA (2), Reômetro, DMA (3), Potenciostato/galvanostato (4), Espectrofotômetro UV/Visível, Viscosímetro

4 Caracterização de Materiais LABORATÓRIO DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA LEMEV Análise de superfícies em geral por microscopia eletrônica de varredura; análise química de microrregiões por espectrometria de energia dispersiva de raios X (EDS), com identificação de elementos químicos com peso atômico superior a 5. Equipamentos: Microscópios Eletrônicos de Varredura: Marca Leo, modelo 435 VPi, com operação em pressão variável, acoplado a analisador por energia dispersiva de raios X em plataforma Inca (1); Marca Zeiss, modelo DSM 950, com plataforma Scandium. Marca Leica, modelo S430i, com analisador por energia dispersiva de raios X em plataforma Isis. 1

5 Caracterização de Materiais LABORATÓRIO DE MATERIALOGRAFIA LEMAT Polimento e embutimento de amostras de materiais e exames por microscopia óptica e ensaios de microdureza Vicker. Equipamentos: Microscópio Óptico Leica DMRXP; Microscópio Óptico Olympus; ; Microscópio Ótico Zeiss/Jena Neophot 32; Microscópio Óptico Zeiss Axio Imager 2 (1); Estereoscópio Zeiss STEMI-SV 11, Estereoscópio Zeiss Discovery V8 (2) e Microdurômetro Futuretech, modelo FM

6 Caracterização de Materiais LABORATÓRIO DE FLUORESCÊNCIA E DIFRAÇÃO DE RAIOS X LFDRX Análise química por fluorescência de raios X e análise de materiais com estrutura cristalina por difração de raios X Equipamentos: - Difratômetro de Raios X, marca Philips, modelo X Pert-PW 1830/40; - Difratômetro de Raios X, marca Panalytical, modelo X Pert PRO-MPD; -Espectrômetro de Fluorescência de Raios X, marca Panalytical, modelo Axios Advanced;

7 Caracterização de Materiais LABORATÓRIO DE ENSAIOS MECÂNIC0S LEM Ensaios de: tração, compressão, dobramento, cisalhamento e flexão; fadiga por esforço axial; impacto Charpy à temperatura ambiente. Dureza: Rockwell, Rockwell superficial e Brinell. Equipamentos: Máquina de ensaio universal Instron Dinâmica c/ garra hidráulica (150 kn) modelo 1332 (1); Máquinas de ensaio Instron 1131 (10 kn), 4301 (5 kn), 3382 (50 kn) e 3885 (50 kn) com forno (até 1200 oc); marca Morh- Federraf (20t); Máquinas Charpy para metais e plásticos. Conjunto de Durômetros: Wolpert HT 1 a; Wilson, 1JR; Wolpert HT 1 Super; Pantec RASN, digital (2). 1 2

8 Caracterização de Materiais LABORATÓRIO DE CARACTERIZAÇÃO ELETROMAGNÉTICA LCE Medições de propriedades intrínsecas dos materiais: permissividade elétrica e permeabilidade magnética; Medidas de refletividade. Equipamentos: Analisador de redes vetorial (1), Analisador de redes escalar (2), Câmera Anecóica (3)

9 Caracterização de Materiais LABORATÓRIO DE FLUÊNCIA LAFLU Ensaio de fluência (ensaio estático e de longa duração a temperatura e carga constante). Equipamentos: Conjunto de 16 máquinas de fluência em tração; 02 máquinas de fluência em compressão Emec - Modelo: G 35.

10 Processamento de materiais LABORATÓRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS Tratamentos térmicos de ligas ferrosas e não ferrosas. Equipamentos: Fornos tipo Mufla BRASIMET Modelo: K ºC, Dimensões: 690mmx420mmx400mm; EDG Modelo: F-1800 / EDG 3P-S 1200ºC, Dimensões: 163mmx100mmx100mm; YUNG.Modelo: LF ºC Dimensões: 230 mmx150mmx150mm, Atmosfera Controlada; BRASIMET Modelo: KOE 40/25/ ºC, Dimensões: 650mmx400mmx250mm.

11 Processamento de materiais LABORATÓRIO DE FUSÃO E REFINO Fusão e purificação de metais; e sinterização de materiais cerâmicos e metálicos em vácuo ou atmosfera inerte. Equipamentos: Forno de Fusão por Feixe de Elétrons (Electron Beam) (1), Forno de sinterização Spembly (2), Forno de Sinterização a vácuo (3)

12 Processamento de materiais LABORATÓRIO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS CERÂMICOS LPMC Pesquisa e desenvolvimento de materiais cerâmicos estruturais aplicados como ferramentas de corte, blindagem balística, cadinhos para alta temperatura entre outros. Equipamentos: Moinho de bolas (1), Moinho de alta energia Planetário, Moinho de alta energia SPEX, Misturador de pó em Y, Prensa hidráulica Uniaxial, Prensa isostática a frio, Spray Drier (2). 1 2

13 Processamento de materiais LABORATÓRIO DE PROCESSAMENTO DE POLÍMEROS LPP Preparação de composições e corpos de prova de polímeros e compósitos poliméricos. Equipamentos: Prensa hidráulica a quente (1), moinho (2), máquina de corte, sistema para preparação de bolsa de vácuo, extrusora, injetora. 1 2

14 GARANTIA DA QUALIDADE E CONFIABILIDADE ESPACIAL LINHAS DE PESQUISAS ESTUDO DE CRITÉRIOS PARA ESTRUTURAÇÃO DE BANCO DE DADOS MÉTODO DE CÁLCULO QUANDO O COMPONENTE NÃO POSSUI FALHA Confiabilidade metodologias de confiabilidade aplicadas a projetos de sistemas espaciais análises de falhas em sistemas espaciais Garantia do Produto Planos da Qualidade estabelecidos para os projetos de veículos espaciais conformidade aos requisitos especificados para projetos e atividades espaciais controle de não conformidades de produtos da área espacial Métodos da Qualidade metodologias relativas à Garantia da Qualidade aplicadas a projetos de sistemas espaciais normalização na área espacial

15 Laboratório de Calibração Dimensional e de Balanças

16 Laboratório de Metrologia Dimensional

17 Laboratório de Testes Não Destrutivos

18 DIVISÃO DE INTEGRAÇÃO E ENSAIOS LINHAS DE PESQUISAS MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO DE SENSORES E TRANSDUTORES METROLOGIA APLICADA A SISTEMAS ESPACIAIS (INCERTEZAS DAS CADEIAS DE MEDIÇÃO EM ENSAIOS DE QUEIMA EM BANCO E EM VÔO) ENSAIOS DINÂMICOS APLICADOS A SISTEMAS ESPACIAIS (VIBRAÇÃO, CHOQUE MECÂNICO E ACÚSTICA) ENSAIOS DE QUEIMA DE MOTOR-FOGUETE EM BANCOS DE PROVAS MÉTODOS PASSIVOS DE ISOLAMENTO DE RUÍDO ACÚSTICO PROTÓTIPAGEM VIRTUAL DE SISTEMAS VIBRO-ACÚSTICOS ACOPLADOS INSTABILIDADE ACÚSTICA EM CÂMARAS DE COMBUSTÃO TESTES FUNCIONAIS DE SISTEMAS ESPACIAIS

19 Laboratórios de Calibração Calibração de sensores de pressão estática Calibração de torquímetros Calibração de células de carga e máquinas de ensaios mecânicos Calibração de acelerômetros de vibrações mecânicas Calibração de acelerômetros de choque mecânico Calibração de microfones Calibração de sistemas de aquisição e análise de dados Calibração de condicionadores de sinais Parâmetros elétricos (fontes de voltagem DC, osciloscópios, medidores etc.)

20 Laboratório de Ensaios Dinâmicos Ensaios ambientais controlados de desenvolvimento, qualificação e aceitação de sistemas espaciais, utilizando vibradores eletrodinâmicos (24 KN, 80 KN, 290 KN) Análise modal estrutural teórica e experimental (112 canais de entrada + 4 canais de saída) Testes de choque mecânicos com máquina de choque e vibradores eletrodinâmicos Medição e análise de sinais de vibração e choque mecânicos Ensaios combinados vibração e temperatura em vibrador eletrodinâmico/câmara térmica (22 KN/-80 C a 180 C)

21 Laboratório de Propriedades de Massa Medições de massa Determinação do centro de gravidade Medições de momentos de inércia Balanceamento dinâmico vertical a baixa rotação ( rpm)

22 Laboratório de Ensaios Hidráulicos Ensaios Hidrostáticos em Vasos de Pressão Ensaios de qualificação e fadiga em vasos de pressão e tubos Sistema automático de aquisição de dados até 150 canais

23 Bancos de Provas Horizontais de 100 KN, 600 KN e 1 MN Desenvolvimento de motores-foguetes em BPH 100 KN (caracterização de propelentes) Ensaios de queima de motores-foguetes em banco de provas horizontais (BPH 600 KN e 1MN) Parâmetros medidos: empuxo axial, pressão, pressão de ignição, tempo de queima do moto, atraso da ignição, temperatura, deformação, deslocamentos, vibração, acústica e choque mecânico Sistema de aquisição de dados automático até 140 canais de medição (sistemas de registro de dados digital e analógico)

24 Laboratório de Ensaios Funcionais Ensaio funcional de separação de estágios de veículos lançadores Ensaio funcional de separação da coifa do VLS-1 Medição dos deslocamentos e caracterização da cinemática da estrutura de separação Medição de choque mecânico durante o acionamento dos sistemas pirotécnicos de separação

25 Laboratório de Ensaios Acústicos P&D em materiais fono-absorventes e técnicas passivas de controle de ruído Técnicas de medições de dados acústicos em bancos de provas e em vôo Testes acústicos de sistemas e subsistemas espaciais em câmaras reverberantes Qualificação e aceitação dinâmica de sistemas e subsistemas espaciais Análise de sinais acústicos e vibro-acústicos Predição do comportamento vibro-acústico de sistemas espaciais utilizando protótipos virtuais (FEM, BEM e SEA) Análise Modal Acústica Teórica e Experimental

26 Laboratório de Ensaios Climáticos Ensaios Climáticos: Temperatura/ Temperatura e Umidade Ensaios de Choque Térmico Ensaios Climáticos Combinados com Vibração (Vibrador LDS V850)

27 DIVISÃO DE AERODINÂMICA Tunel de Vento Aerodinâmico LINHAS DE PESQUISAS Métodos numéricos de alta ordem Eficiência de códigos computacionais em malhas não estruturadas Modelagem de turbulência, cálculo de arrasto e aplicações em aeroacústica Projeto multidisciplinar Técnicas numéricas para escoamentos tipo reentrada Aeroelasticidade computacional Aerodinâmica Computacional

28 Simulação de escoamentos aerodinâmicos em configurações aeroespaciais Tunel de Vento Aerodinâmico

29 DIVISÃO DE SISTEMAS ESPACIAIS Laboratório de Identificação,Navegação, Controle & Simulação LINHAS DE PESQUISAS teste e calibração de sensores e sistemas inerciais malhas de simulação completa de sistemas de controle de veículos lançadores e plataformas orbitais

30 Laboratório de Identificação,Navegação, Controle & Simulação APLICAÇÕES Mísseis / Foguetes de sondagem Veículos Espaciais (Satélites) Aviões / Helicópetos Navios / Submarinos Prospecção de petróleo EQUIPAMENTOS 5 mesas rotativas (2 e 3 eixos) Câmara a vácuo Câmara térmica (-50 / +70 ) Desempenos de granito classe 00 (1micron) Cabeça divisora (.1 ) Apontamento e nivelamento laser (.2 ) Linhas de alimentação pneumática e hidráulica Mancal aeroestático (3 graus de liberdade) Ponte rolante (2 ton)

31 Laboratório de Identificação,Navegação, Controle & Simulação Capacidade em Sensores e Sistemas Inerciais Caracterização de sensores girométricos com variação de temperatura ou no vácuo (bias, fator de escala, banda passante, linearidade, ruído).01 /h Caracterização de acelerômetro com variação de temperatura (bias, fator de escala, linearidade, ruído) 10µg Teste de sistema de navegação inercial Capacidade em Controle Simulação completa para sistemas de controle de lançadores e mísseis para propulsores sólidos e líquidos Caracterização de atuadores hidráulicos e pneumáticos e de propulsão líquida Simulação completa para sistemas de controle de atitude de pequenas naves espaciais

32 DIVISÃO DE QUÍMICA LINHAS DE PESQUISA Estudo de materiais aeroespaciais por meio de técnicas de espectroscopia no infravermelho (IR) de transmissão e de superfície; Estudo de materiais aeroespaciais por análise térmica; P&D de formulações elastoméricas ablativas para aplicações como proteções térmicas de motores foguetes; Modificação superficial de borracha usada como proteção térmica em foguetes para melhorar adesão ao combustível sólido Estudo de liner e de interfaces em motor-foguete a propelente sólido; Estudo da fase aglutinante de formulações de propelente sólido compósito; Estudo de envelhecimento aplicado em propelente sólido compósito;

33 LABORATÓRIO DE ESPECTROSCOPIA NO INFRAVERMELHO LAI-IR Espectrofôtometros FT-IR e acessórios: SPECTRUM 2000 e SPECTRUM ONE PerkinElmer : Microscópio, Detector fotoacústico (PAS), Refletância total atenuada universal (UATR), ATR (refletância total atenuada), DRIFT (refletância difusa), CVLA (célula vertical líquida aquecível) e Pirolisador. Exemplos de ensaios/estudos realizados: Análise qualitativa de matérias-primas (resinas, borrachas, plastificantes, agentes de cura, agentes de ligação e cargas; Determinação de índice de hidroxila em resinas polibutadiênicas hidroxiladas; Identificação de borrachas (ensaio acreditado pelo INMETRO). Análise de superfície de materiais.

34 LABORATÓRIO DE ANÁLISES TÉRMICAS LAI-AT Equipamentos: Calorímetro exploratório diferencial MDSC- Q100 TA Inst. Analisador simultâneo termogravimétrico/calorimétrico (TGA/DSC) SDT-Q600 TA Inst. Analisador dinâmico-mecânico DMA-Q800 TA Inst. Analisador Termomecânico TMA 6400 SEIKO Técnicas Análise Termogravimétrica (TGA) Análise Termomecânica (TMA) Calorimetria Diferencial Exploratória (DSC) Análise Dinâmico-Mecânica (DMA) Exemplos de Aplicação Determinação do teor de voláteis e cargas (orgânicas e inorgânicas) Tg (temperatura transição vítrea) e coeficiente de expansão térmica Tg e Tf (fusão), cp, acompanhamento de reação Tg, variação do módulo elástico, módulo de armazenamento e tan δ

35 LABORATÓRIO RIO DE ANÁLISES QUÍMICAS - LAQ Apoio às linhas de pesquisa - Exemplos de análises realizadas pelo LAQ: Titulação potenciométrica; Determinação de densidade.

36 LABORATÓRIO DE BORRACHA - LAB GONIOMETRIA CONDUTIVIDADE TÉRMICA RPA EQUIPAMENTOS -Misturador aberto de dois rolos - Calandra com L invertido - Prensas - Bambury - Autoclave - RPA (Analisador reológico de processo) - Reômetro Mooney - Viscosímetro Mooney - Abrasômetro - Câmara Climática - Condutivímetro - Goniômetro

37 DIVISÃO DE ELETRÔNICA LINHAS DE PESQUISA Projetos de Sistemas de Tempo Real para a área espacial Técnicas de modelagem de sistemas criticos Verificação e Validação (V&V) de software espacial Garantia de Produto de software para sistemas espaciais;

38 LABORATÓRIO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE Ambientes de desenvolvimento integrado para sistemas críticos (IDE VxWorks/Workbench & QNX/Momentics & Builder 7) Ferramentas de apoio a engenharia de software (CASE Wind A&D, Rational Rose) Testes de software (confecção de casos de testes integrado ao IDE Workbench ) Ferramentas de Verificação e Validação (CrystalREVS (inspeção de código), Understand C (verificação de código), Wind River PROBE, Wind River Workbench 3.1 for On-Chip Debugging (OCD); National Laboratory Virtual Instuments Engineering Workbench (LabView); Estações PC de trabalho (computador HOST) Computador SBCPowerQUICCII (computador TARGET), baseado no processador Motorola PowerQUICC II MPC8265; National Compact Reconfigurable I/O (CRIO); Computador PC 104 (compacto) com placa de comunicação Mil Std 1553; Computador TARGET (SBCPowerQUICCII for MPC8265) representativo do computador de bordo do VLS Host Wind River PROBE (equipamento utilizado para verificação de código embarcado no Computador Target, sem causar intrusão nas instruções de alto e baixo nível.

39 DIVISÃO DE PROPULSÃO ESPACIAL LINHAS DE PESQUISA COMBUSTÃO E INSTABILIDADE DE COMBUSTÃO, TRANSFERÊNCIA DE CALOR E ESCOAMENTOS EM COMPONENTES E EM TURBOMÁQUINAS APLICADOS EM MOTORES AEROESPACIAIS DESENVOLVIMENTO E FABRICAÇÃO DE SUBSISTEMAS APLICADOS A MOTORES FOGUETES A PROPELENTES LÍQUIDOS E SÓLIDOS Projetos Ignitor gás-dinâmico Maçarico de corte Motores L5, L15 e L75 DMS VS-40M Ignitores dos motores L15 e L75 Sistema de Alimentação de MFPL Iniciação de pirotecnia a laser Desenvolvimento do processo para obtenção de fios da liga NiTi com efeito memória de forma para aplicação espacial

40 ENGENHARIA, PESQUISA, TESTES E PIROTECNIA Atividades de pesquisa e desenvolvimento na área de motores foguetes e componentes pirotécnicos

41 Banco para Motor Foguete a Propelente Líquido (MPFL) para até 1 kn Permite ensaio com O2 (gás) e Etanol (Líquido) Estudo de transferência de calor em MFPL Controle automatizado

42 Banco de Estudo de Instabilidade de Combustão Estudo de instabilidade de combustão proporcionada pela interação acústica, combustão e turbulência Conhecimento do fenômeno físico Obtenção de dados para modelos para CFD Combustível gasoso e líquido e oxidante gasosos (ar ou O2), conforme cabeçote instalado Janelas (4) com acesso ótico a quartzo para uso de velocimetria a laser (PDI e PIV) e PLIF Acesso para microfonia e demais instrumentação Controle e aquisição da dados automatizado e em tempo real.

43 Banco de 2 ton para MPFL Banco para ensaio de MFPL até 2 ton de empuxo Oxidante criogênico e combustível líquido Controle e aquisição de dados automatizado por micro em tempo real

44 Banco de Ensaios Hidráulicos Alimentado por duas bombas de 250 CV cada, 180 m3/h total de vazão com controle amplo e 35 bar de pressão máxima Medição de perdas de cargas e vazão em válvulas, jaquetas de refrigeração, cabecotes injetores etc Controle e aquisição de dados por microprocessador em tempo real.

45 Sistemas de Diagnósticos de Combustão não Intrusivos por Lasers Laser PIV Estéreo Velocimetria 2D e 3D Caracterização de sprays Obtenção de escalas de velocidades turbulentas Pode ser sincronizado com o PLIF, PDI e sistema de DAQ

46 Sistemas de Diagnósticos de Combustão não Intrusivos por Lasers Tunnable Dye Laser PLIF (Planar Laser Induced Fluorescence) Caracterização de radicais de combustão. Investigação de processos de combustão, interação cinética e turbulência, formação de poluentes etc. Obtenção de informações para calibração e desenvolvimento de modelos de combustão turbulenta.

47 Cluster SGI para HPC Composto de: 18 nós, cada um composto de dois processadores Intel Xeon QuadCore 5540 de 2.53GHz, com 8MB cachê, 5.83 GT/s, 24 GB de RAM por nó, perfazendo um total de totalizando 144 núcleos 64 bits 432 GB de memória distribuída; Switch infiniband para interconexão dos nós headnode com 8 (oito) discos de 750GB SATA2 Uso de softwares livres para CFD (OpenFOAM)

48 Sistema de Velocimetria Laser PDI Lasers contínuo de estado sólido (300 mw, 2x 90 mw) da Artium Medição de 3 componentes de velocidade Medição de partículas caracterização de sprays Mesa de coordenadas robotizada nos 3 eixos Sistema de controle e aquisição de dados em tempo real Sistema de pós-processamento para caracterização de campo turbulento e de spray

49 DIVISÃO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS LINHAS DE PESQUISA BANCOS DE DADOS CLIMATOLÓGICOS DISPERSÃO E TURBULÊNCIA ATMOSFÉRICA ELETRICIDADE ATMOSFÉRICA INSTRUMENTAÇÃO METEOROLÓGICA MODELAGEM ATMOSFÉRICA REGIONAL SISTEMAS ATMOSFÉRICOS

50 Laboratório de Instrumentação - Sistema Portátil de Aquisição de Dados Meteorológicos (SPAD-MET) Mini-SODAR - estudar o perfil de vento na baixa troposfera na linha de pesquisa Dispersão e Turbulência Atmosférica. Detecção de campo elétrico atmosférico (EFM, CS 110, Campbell) - rede de sensores instalada em São José dos Campos - dados utilizados em estudos sobre a detecção de descargas atmosféricas

Banco de Teste de Motor Foguete

Banco de Teste de Motor Foguete Instituto de Aeronáutica e Espaço IAE Divisão de Propulsão Espacial APE Laboratório de Propulsão Líquida LPL LaboratóriodePropulsãoLíquida Banco de Teste de Motor Foguete Instrumentação e Controle de Banco

Leia mais

Exemplo da Importância do Sistema Metrológico na Área de P&D

Exemplo da Importância do Sistema Metrológico na Área de P&D CENTRO TÉCNICO AEROESPACIAL INSTITUTO DE AERONÁUTICA E ESPAÇO entro Técnico Aerospacial CTA Instituto de Aeronáutica e Espaço Exemplo da Importância do Sistema Metrológico na Área de P&D Mirabel Cerqueira

Leia mais

LABORATÓRIO DE FUNDIÇÃO. 1. Descrição Física

LABORATÓRIO DE FUNDIÇÃO. 1. Descrição Física LABORATÓRIO DE FUNDIÇÃO 1. Descrição Física O espaço físico deste laboratório deve ser de 100 m 2, com piso em cimento queimado e uma área de aproximadamente 3 m 2 em terra batida para vazamento de metal,

Leia mais

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC O Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC, compõe-se por um conjunto de institutos de inovação e institutos de tecnologia capazes

Leia mais

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon Indrodução SENSORES são dispositivos que mudam seu comportamento sob a ação de uma grandeza física, podendo fornecer

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral.

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Ementas: Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Desenho Mecânico 80hrs Normalização; Projeções; Perspectivas;

Leia mais

Laboratório rio de Polímeros e Materiais

Laboratório rio de Polímeros e Materiais Laboratório rio de Polímeros e Materiais 26 Novembro Novembro 2003 de Mecânica Panorâmica Geral Introdução Este laboratório, criado no ano lectivo de 1989/90, possui vários equipamentos de ensaio de materiais.

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: A manutenção preditiva é a primeira grande quebra de paradigma nos tipos de manutenção. No Brasil a aplicação é pequena apenas

Leia mais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais BI AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL Sistema Integrado de Teste em Umbilicais Objetivos da Apresentação Demonstrar a Arquitetura de hardware e software da National Instruments utilizada na solução; Discutir

Leia mais

13/8/2007. Universidade Federal da Paraíba CCEN DQ ENTRADA NO PROGRAMA

13/8/2007. Universidade Federal da Paraíba CCEN DQ ENTRADA NO PROGRAMA AVALIAÇÃO TRIENAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA CTC-QUÍMICA/CAPES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DQ/CCEN/UFPB Universidade Federal da Paraíba CCEN DQ MESTRADO ACADÊMICO (1986) DOUTORADO

Leia mais

CRONOGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA DA REDE - PREVISÃO DE INSCRIÇÕES

CRONOGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA DA REDE - PREVISÃO DE INSCRIÇÕES BENEFÍCIOS AOS PARTICIPANTES: Sistema de gestão que opera seguindo os requisitos da norma técnica ISO/IEC 17043; Programas concluídos cadastrados na base de dados internacional EPTIS European Proficiency

Leia mais

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho CONCEITOS Materiais e Processos de Produção ESTRUTURA DA MATÉRIA ÁTOMOS PRÓTONS NÊUTRONS ELÉTRONS MOLÉCULAS ESTADOS DA MATÉRIA TIPO DE LIGAÇÃO ESTRUTURA (ARRANJO) IÔNICA COVALENTE METÁLICA CRISTALINO AMORFO

Leia mais

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO 426 Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO Maria Teresa Cristina Coelho¹; Jailton Garcia Ramos; Joab Costa dos Santos;

Leia mais

Áreas do Conhecimento - Engenharias

Áreas do Conhecimento - Engenharias Áreas do Conhecimento - Engenharias Engenharias Engenharia Civil Construção Civil Materiais e Componentes de Construção Processos Construtivos Instalações Prediais Estruturas Estruturas de Concreto Estruturas

Leia mais

SIGNALWORKS. Brasil QUAL É O SEU DESAFIO? A SIGNALWORKS TEM A SOLUÇÃO!

SIGNALWORKS. Brasil QUAL É O SEU DESAFIO? A SIGNALWORKS TEM A SOLUÇÃO! SIGNALWORKS Brasil A Signalworks é uma empresa com foco na área de testes, medições e controle. Atuando na engenharia experimental há mais de 15 anos, a Signalworks estabeleceu-se como uma das mais renomadas

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

Fundamentos de Automação. Sensores 17/03/2015. Sensores. Sensores Analógicos e Sensores Digitais. Sensores Analógicos e Sensores Digitais

Fundamentos de Automação. Sensores 17/03/2015. Sensores. Sensores Analógicos e Sensores Digitais. Sensores Analógicos e Sensores Digitais Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Sensores

Leia mais

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Prof. Roberto Leal Sensores Dispositivo capaz de detectar sinais ou de receber estímulos de natureza física (tais como calor, pressão, vibração, velocidade, etc.),

Leia mais

MARINHA DO BRASIL INSTITUTO DE PESQUISAS DA MARINHA CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO. Nossa meta é desenvolver tecnologias necessárias à Marinha

MARINHA DO BRASIL INSTITUTO DE PESQUISAS DA MARINHA CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO. Nossa meta é desenvolver tecnologias necessárias à Marinha MARINHA DO BRASIL INSTITUTO DE PESQUISAS DA MARINHA Nossa meta é desenvolver tecnologias necessárias à Marinha CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO COMANDANTE DA MARINHA Almirante-de-Esquadra Júlio Soares de Moura

Leia mais

Câmara para teste de mangueiras

Câmara para teste de mangueiras Câmara para teste de mangueiras A Superohm oferece um linha de Câmaras especiais para teste de mangueiras, as quais são modulares e podem ter uma única função ou varias funções juntas. Destinam-se às indústrias

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ODONTOLOGIA CURSO DE DOUTORADO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ODONTOLOGIA CURSO DE DOUTORADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ODONTOLOGIA CURSO DE DOUTORADO Autorizado pela Resolução Univ. nº 10 de 27 de março de 2008. Para completar o Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Odontologia

Leia mais

A TECNOLOGIA DE PROPULSÃO LÍQUIDA NO BRASIL

A TECNOLOGIA DE PROPULSÃO LÍQUIDA NO BRASIL A TECNOLOGIA DE PROPULSÃO LÍQUIDA NO BRASIL Victor Magno Gomes Paula, graduando em Engenharia Elétrica pela UFJF. Membro do Centro de Pesquisas Estratégicas Paulino Soares de Sousa, da UFJF. victor.magno@engenharia.ufjf.br

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05 Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração Revisão 1 Mai2005 O é um sistema inteligente de Monitoramento, Aquisição de Dados e Supervisão Local para utilização com os softwares da linha Dynamic.

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM METROLOGIA E QUALIDADE BANCO DE SUGESTÕES DE TEMAS PARA DISSERTAÇÕES

MESTRADO PROFISSIONAL EM METROLOGIA E QUALIDADE BANCO DE SUGESTÕES DE TEMAS PARA DISSERTAÇÕES Folha: 01/06 Nº SUGESTÃO DE TEMAS 01 Tema: Incertezas nos jogos olímpicos. A ideia seria investigar algumas das modalidades olímpicas, com foco na estimativa da incerteza de medição e como ela poderia

Leia mais

Desenvolva aplicações mais eficientes de teste estrutural e bancos de teste

Desenvolva aplicações mais eficientes de teste estrutural e bancos de teste Desenvolva aplicações mais eficientes de teste estrutural e bancos de teste Alisson Kokot Engenheiro de Vendas - National Instruments Arquiteturas de medição condicionada Centralizada Distribuída Sala

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR 1 Validade: A partir de 01/91 Departamento: Engenharia Elétrica Curso: Engenharia Industrial Elétrica Carga Horária: 60H ( Teórica: 30H Lab.: 30H Exerc.: 00H ) Créditos: 03 Pré-requisitos: Controle e Servomecanismos

Leia mais

LABORATÓRIOS DA ÁREA DE QUÍMICA

LABORATÓRIOS DA ÁREA DE QUÍMICA LABORATÓRIOS DA ÁREA DE QUÍMICA Laboratórios de Química I, II, III, IV Localização: - Analítica - Bloco "M" 304 Área: 70,65 m² - Físico Química - Bloco M 303 Área: 95,48m² - Química Inorgânica - Bloco

Leia mais

2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS

2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS 2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS Neste capítulo vamos apresentar um breve estudo de técnicas e sistemas de detecção de vazamentos mais utilizados atualmente. Nosso objetivo é demonstrar que

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00033/2014-000

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00033/2014-000 26267 - UNIVERSIDADE FED DA INTEGR LATINO-AMERICANA 58658 - UNIVERSIDADE FED. DA INTEGR. LATINO-AMERICANA RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00033/20-000 - Itens da Licitação - APARELHO ENSAIOS FÍSICOS

Leia mais

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 EMENTA: Estabelece o Currículo do Curso de Graduação em Engenharia Mecânica - Niterói O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA

Leia mais

MODELO. Plano de Trabalho. Estudo de Propulsores Iônicos e suas Aplicações para Propulsão de Satélites

MODELO. Plano de Trabalho. Estudo de Propulsores Iônicos e suas Aplicações para Propulsão de Satélites MODELO Plano de Trabalho Estudo de Propulsores Iônicos e suas Aplicações para Propulsão de Satélites Cooperação técnico-científica entre o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE - Brasil e a Universidade

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE AUSTENITA RETIDA

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE AUSTENITA RETIDA 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO ALEXANDRE PASCHOALIN ANDERSON LUÍS JACINTHO INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE

Leia mais

DESCRIÇÃO DETALHADA DO ANALISADOR DE CO E DE SEU FUNCIONAMENTO

DESCRIÇÃO DETALHADA DO ANALISADOR DE CO E DE SEU FUNCIONAMENTO DESCRIÇÃO DETALHADA DO ANALISADOR DE CO E DE SEU FUNCIONAMENTO O analisador de CO para baixas concentrações (ppm - partes por milhão) no ar ambiente é um instrumento de alta sensibilidade, usado para monitorar

Leia mais

CURSO: EMBALAGENS DE A a V. São Paulo/2014 Olinda Miranda

CURSO: EMBALAGENS DE A a V. São Paulo/2014 Olinda Miranda CURSO: EMBALAGENS DE A a V São Paulo/2014 Olinda Miranda TIPOS DE ANÁLISES Análises de Cor : Visual / Densitômetro Análises dimensionais Análises físicas Análises físico-químicas Análises Térmicas Gramatura

Leia mais

TM229 - Introdução aos Materiais

TM229 - Introdução aos Materiais TM229 - Introdução aos Materiais Propriedades mecânicas 2009.1 Ana Sofia C. M. D Oliveira Propriedades mecânicas Resistência - Tração - Escoamento - Compressão - Flexão - Cisalhamento - Fluência - Tensão

Leia mais

Curso de Embalagens Flexíveis 2014 - Santa Catarina -

Curso de Embalagens Flexíveis 2014 - Santa Catarina - Curso de Embalagens Flexíveis 2014 - Santa Catarina - CURSO EMBALAGENS FLEXÍVEIS Santa Catarina Santa Catarina/2014 Olinda Miranda Atualmente é Consultora e Professora Titular do Curso de Pós- Graduação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Fabricação Mecânica Departamento de Ensino Superior

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Fabricação Mecânica Departamento de Ensino Superior ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Fabricação Mecânica Departamento de Ensino Superior DISCIPLINA: Metodologia da Pesquisa Científica Técnicas para elaboração de

Leia mais

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período QUÍMICA Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão 74471 Química Estrutural 34 Química Química Inorgânica para Ciências Farmacêuticas OU 68 68977 Ciências Farmacêuticas 2008

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1/28 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO LAB SYSTEM DE PESQUISAS E S LTDA. ACREDITAÇÃO N FIOS, CABOS E CORDÕES S MECÂNICOS Ensaio de tração e alongamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TÉCNICAS DE ANÁLISE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TÉCNICAS DE ANÁLISE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TÉCNICAS DE ANÁLISE CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS 2º Semestre de 2014 Prof. Júlio César Giubilei

Leia mais

Sensoriamento A UU L AL A. Um problema. Exemplos de aplicações

Sensoriamento A UU L AL A. Um problema. Exemplos de aplicações A UU L AL A Sensoriamento Atualmente, é muito comum nos depararmos com situações em que devemos nos preocupar com a segurança pessoal e de nossos bens e propriedades. Daí decorre a necessidade de adquirir

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Centro de Treinamento Nova Didacta

Centro de Treinamento Nova Didacta Centro de Treinamento Nova Didacta A Nova Didacta Fundada em 2004 por profissionais da área de Tecnologia, o Grupo NOVA DIDACTA está comprometido com o sucesso de seus clientes e parceiros. Em 2013 a NOVA

Leia mais

PANANTEC ATMI. www.panantec.com.br. Assistência Técnica, Calibração e Vendas

PANANTEC ATMI. www.panantec.com.br. Assistência Técnica, Calibração e Vendas flolder final:layout 1 5/28/13 10:27 AM Page 1 PANANTEC ATMI Assistência Técnica, Calibração e Vendas Rua Apuanã, 31 - São Paulo - SP Tels.: 55 11 2243-6192 / 2243-6194 - Fax: 55 11 2243-7730 www.panantec.com.br

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior DISCIPLINA: Metodologia da Pesquisa Científica Técnicas para elaboração

Leia mais

Metrologia Química Importância, Escopo, Desafios, Impactos e Atividades no Inmetro

Metrologia Química Importância, Escopo, Desafios, Impactos e Atividades no Inmetro Metrologia Química Importância, Escopo, Desafios, Impactos e Atividades no Inmetro Dra. Vanderléa de Souza Chefe da Divisão de Metrologia Química Objetivo principal da Metrologia Química Prover confiança

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE NEGRO-DE-FUMO EM TUBOS DE PEAD PARA ABASTECIMENTO DE ÁGUA COMPARAÇÃO ENTRE DOIS MÉTODOS

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE NEGRO-DE-FUMO EM TUBOS DE PEAD PARA ABASTECIMENTO DE ÁGUA COMPARAÇÃO ENTRE DOIS MÉTODOS PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO REDE METROLÓGICA DO ESTADO DE SÃO PAULO - REMESP REDE DE SANEAMENTO E ABASTECIMENTO DE ÁGUA - RESAG 29 a 31 de outubro de 2014 Local: Associação Brasileira da Indústria de Máquinas

Leia mais

Arquitetura das Unidades de Controle Eletrônico

Arquitetura das Unidades de Controle Eletrônico Arquitetura das Unidades de Controle Eletrônico Antes que a unidade eletrônica de controle (Electronic Control Unit ECU) atue de forma precisa no motor, a ECU deve estimar com a maior de precisão possível

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões

CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões WIKA Referência Mundial em produtos para medição, controle e calibração de pressão e temperatura, a WIKA está presente em mais de 75 países, fornecendo

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS - END Ensaios realizados em materiais, acabados ou semi acabados, para verificar a existência ou não de descontinuidades ou defeitos, através de princípios físicos definidos, sem

Leia mais

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA MÉTODO DE MEDIÇÃO Podemos dividir os medidores de temperatura em dois grandes grupos, conforme a tabela abaixo: 1º grupo (contato direto) Termômetro à dilatação de líquidos de sólido Termômetro à pressão

Leia mais

Sensores Ultrasônicos

Sensores Ultrasônicos Sensores Ultrasônicos Introdução A maioria dos transdutores de ultra-som utiliza materiais piezelétricos para converter energia elétrica em mecânica e vice-versa. Um transdutor de Ultra-som é basicamente

Leia mais

Darlan Dallacosta, M. Eng. Diretor

Darlan Dallacosta, M. Eng. Diretor Escopo de Serviços I- Sumário Executivo (Laboratório de Ensaios Mecânicos) A SCiTec aparece como uma empresa de base tecnológica apta para prestar serviços de forma integrada com o setor empresarial. Constituída

Leia mais

RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO Célula à combustível é um material eletroquimico em

Leia mais

Sensores e Atuadores (1)

Sensores e Atuadores (1) (1) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Introdução Sensores Fornecem parâmetros sobre o comportamento do manipulador, geralmente em termos de posição e velocidade

Leia mais

Capítulo 4. Resultados e Discussão

Capítulo 4. Resultados e Discussão Capítulo 4 Resultados e Discussão Os filmes poliméricos foram estudados por diferentes técnicas experimentais capazes de determinar a concentração de PHAmcl na superfície, sua influência na morfologia

Leia mais

Instrumentação Industrial. Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições

Instrumentação Industrial. Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições Instrumentação Industrial Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições Instrumentação Industrial De acordo com a organização norte-americana Instrument Society of America -

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

O mundo da energia...9 1. Uma presença universal... 10

O mundo da energia...9 1. Uma presença universal... 10 S UNIDADE 1 U M Á R I O O mundo da energia...9 1. Uma presença universal... 10 ENERGIA, SEMPRE MUDANDO DE FORMA...11 ENERGIA AO LONGO DA HISTÓRIA...16 NA VIDA MODERNA...18 Buscando a sustentabilidade...20

Leia mais

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores Série de conceitos básicos de medições com sensores Medições de temperatura Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Diferentes

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais Carlos Mauricio Lepienski Laboratório de Propriedades Nanomecânicas Universidade Federal do Paraná Aulas 7 1º sem.

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

Sensores e atuadores (continuação)

Sensores e atuadores (continuação) AULA 05: Sensores e atuadores (continuação) OBJETIVO: Apresentar os sensores e atuadores mais utilizados nos projetos de automação.. A pirâmide de automação Nível 5: Gerenciamento corporativo Nível 3:

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

Currículo n 7 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA PROFISSIONAL

Currículo n 7 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA PROFISSIONAL CURSO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS Turno: INTEGRAL Currículo n 7 Reconhecido pela Portaria MEC nº 368, de 19.04.95, D.O.U. nº 76 de 20.04.95. Renovação de Reconhecimento Decreto nº. 1062, D.O.E. nº 8445

Leia mais

Laboratório de Energia Solar - LABSOLAR

Laboratório de Energia Solar - LABSOLAR O LEPTEN - Laboratórios de Engenharia de Processos de Conversão e Tecnologia de Energia desenvolve pesquisas nas áreas de energia solar e transferência de calor aplicada. Na área física de 1000m2 do LEPTEN

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos 3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos A espectroscopia estuda a interação da radiação eletromagnética com a matéria, sendo um dos seus principais objetivos o estudo dos níveis de energia

Leia mais

APOIO TECNOLÓGICO PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE NAVIPEÇAS

APOIO TECNOLÓGICO PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE NAVIPEÇAS Programa Plataformas Tecnológicas PLATEC II FPSO Workshop Tecnológico Campinas, 24-25 de abril de 2012 APOIO TECNOLÓGICO PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE NAVIPEÇAS Carlos Daher Padovezi Instituto de Pesquisas

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS PONTOS PARA CONCURSO PÚBLICO DE DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR EDITAL 001/2009 Matéria/Área do Conhecimento: MATEMÁTICA 1. Transformações Lineares e Teorema do Núcleo

Leia mais

ANÁLISE TÉRMICA. Prof. Dr. Estéfano A. Vieira

ANÁLISE TÉRMICA. Prof. Dr. Estéfano A. Vieira ANÁLISE TÉRMICA Análise Térmica - Thermal Analysis (TA) DEFINIÇÃO: Termo genérico para métodos pelos quais as propriedades físicas e químicas de uma substância ou mistura são determinadas em função da

Leia mais

Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás

Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás 5 Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás Nos últimos anos a investigação da estrutura eletrônica de nanotubos de carbono têm atraído crescente interesse, e recentemente a síntese de nanotubos

Leia mais

Obtenção (Polimerização) de compósito polimérico por feixe de elétrons

Obtenção (Polimerização) de compósito polimérico por feixe de elétrons Obtenção (Polimerização) de compósito polimérico por feixe de elétrons Maria Cecília Evora, Delmo Nishitsuji, Dr.Gerson Marinucci Dr. Leonardo Gondim de Andrade e Silva Objetivo Pesquisar e desenvolver

Leia mais

Análise de Óleo. Artigo Técnico

Análise de Óleo. Artigo Técnico Análise de Óleo O uso da análise de óleo como técnica de manutenção começou a ser aplicada na década 50. A crise do petróleo intensificou o uso da análise de óleo, que passou a cumprir uma nova função

Leia mais

Laboratório de Física - 2011/2012. Propriedades físicas de um filme fino magnético. Centro de Física da Matéria Condensada da UL

Laboratório de Física - 2011/2012. Propriedades físicas de um filme fino magnético. Centro de Física da Matéria Condensada da UL T1 Propriedades físicas de um filme fino magnético Difracção raios X, Microscopia Força Atómica, Magnetometria SQUID Rui Borges Centro de da UL Estudo de um filme fino de óxido magnético depositado por

Leia mais

Simplifique a complexidade do sistema

Simplifique a complexidade do sistema 1 2 Simplifique a complexidade do sistema Com o novo controlador de alto desempenho CompactRIO Rodrigo Schneiater Engenheiro de Vendas National Instruments Leonardo Lemes Engenheiro de Sistemas National

Leia mais

Sistemas de Medidas e Instrumentação

Sistemas de Medidas e Instrumentação Sistemas de Medidas e Instrumentação Parte 3 Prof.: Márcio Valério de Araújo 1 Medição de Nível Capítulo VII Nível é a altura do conteúdo de um reservatório Através de sua medição é possível: Avaliar o

Leia mais

Material de Apoio INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH. Programa Especial - Injeção Eletrônica LE-Jetronic

Material de Apoio INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH. Programa Especial - Injeção Eletrônica LE-Jetronic INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH A necessidade de se reduzir o consumo de combustível dos automóveis, bem como de se manter a emissão de poluentes pelos gases de escape dentro de limites, colocou

Leia mais

Acumuladores hidráulicos na tecnologia híbrida.

Acumuladores hidráulicos na tecnologia híbrida. Acumuladores hidráulicos na tecnologia híbrida. HYDAC Matriz na Alemanha Seu parceiro competente para acumuladores hidráulicos inovadores e sistemas híbridos. Todos os requerimentos para eficientes soluções

Leia mais

Avaliação do desempenho estrutural de pontes

Avaliação do desempenho estrutural de pontes Avaliação do desempenho estrutural de pontes Luís Oliveira Santos Laboratório Nacional de Engenharia Civil Seminário Gestão da Segurança e da Operação e Manutenção de Redes Rodoviárias e Aeroportuárias

Leia mais

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 S DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 1 - Curso de Simulação de Edificações com o EnergyPlus (Edição 1) 8 e 9 de março 15 e 16 de março 5 e 6 de abril 19 e 20 de abril 2 - Curso de Psicrometria

Leia mais

Equipamento de Redutibilidade Automatizado para ensaios de RI RDI-1 RDI-2 SWI

Equipamento de Redutibilidade Automatizado para ensaios de RI RDI-1 RDI-2 SWI Equipamento de Redutibilidade Automatizado para ensaios de RI RDI-1 RDI-2 SWI O Equipamento de Redutibilidade AN3212 foi desenvolvido para a realização de ensaios de forma automatizada conforme normas

Leia mais

12/03/2012. IV.2_Controle e Automação II. Introdução. Conteúdo SENSORES DE PRESSÃO

12/03/2012. IV.2_Controle e Automação II. Introdução. Conteúdo SENSORES DE PRESSÃO IV.2_Controle e Automação II Formando Profissionais Para o Futuro SENSORES DE PRESSÃO Conteúdo Introdução Células de Carga Piezoelétrico Tubo de Bourdon Outros sensores de pressão Introdução Os sensores

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 33,de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

Degradação de Polímeros

Degradação de Polímeros Degradação de Polímeros Degradação de Polímeros e Corrosão Prof. Hamilton Viana Prof. Renato Altobelli Antunes 1. Introdução Degradação é qualquer reação química destrutiva dos polímeros. Pode ser causada

Leia mais

Medições com strain gage

Medições com strain gage Medições com strain gage Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Conceitos básicos de strain gage Conceitos básicos das medições

Leia mais

Ata de reunião do Grupo de Manufatura Mecânica. Brasília, 31 de março de 2009.

Ata de reunião do Grupo de Manufatura Mecânica. Brasília, 31 de março de 2009. Ata de reunião do Grupo de Manufatura Mecânica Brasília, 31 de março de 2009. Local: Centro de convenções Israel Pinheiro Presentes: Afonso Reguly ( LAMEF-UFRGS RS-S reguly@ufrgs.br), Gustavo Donatelli

Leia mais

Catálogo. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Centro de Energia Eólica. Apoio:

Catálogo. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Centro de Energia Eólica. Apoio: Catálogo Apoio: APRESENTAÇÃO O (CE-EÓLICA) se consolida como uma ação estratégica da PUCRS em função do crescimento das competências nesta área, a partir de atividades especificas realizadas pelo NUTEMA,

Leia mais

Polo de Desenvolvimento Giovanni Agnelli

Polo de Desenvolvimento Giovanni Agnelli Polo de Desenvolvimento Giovanni Agnelli Gilmar Laignier 20 Novembre, 2010 23.500m² Offices - Laboratories - Shops Total de funcionários: 1046 2 2 FIASA ENGENHARIA DO PRODUTO Style Chassis Body Interiors

Leia mais

FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA

FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA 1) INTRODUÇÃO Rio de Janeiro, 05 de Maio de 2015. A equipe desenvolvedora deste projeto conta com: - Prof.

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base).

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). Etapas do processo: - obtenção dos pós metálicos - mistura

Leia mais

Instrumentação e Controle. Prof. Casteletti

Instrumentação e Controle. Prof. Casteletti Prof. Casteletti Objetivo da Instrumentação Manter as variáveis do processo sobre controle para: a) manter e melhorar a qualidade do produto; b) melhorar a produtividade; c) manter a segurança - da unidade;

Leia mais

Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO. Comentário: Energia de Capacitor. Comentário: Questão sobre atrito

Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO. Comentário: Energia de Capacitor. Comentário: Questão sobre atrito Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO A prova de física exigiu um bom conhecimento dos alunos. Há questões relacionadas principalmente com a investigação e compreensão dos

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

International Space Station - ISS

International Space Station - ISS International Space Station - ISS International Space Station - ISS Agenda O que é a Estação Espacial Internacional (ISS)? O kit da ISS: Propostas de integração no currículo do 3.º ciclo - Algumas questões

Leia mais

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA AS VÁRIAS V MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA Forjado Sinterizado Usinado Fundido A diferença estará apenas nos custos e tempos de fabricação? 1 EVOLUÇÃO DAS PROPRIEDADES COM O TRATAMENTO TERMOMECÂNICO

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 3 Ensaio de Dureza. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 3 Ensaio de Dureza. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 3 Ensaio de Dureza Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Dureza. Dureza Brinell. Dureza Rockwell. Dureza Vickers. Definições de Dureza Dureza - propriedade mecânica

Leia mais