MINISTERIO D ECONOMI, FAZr"_-NDA E PLNEJ1*1ENTO MINISTERIO D1 AGRiCULTURP. E REEFFORMA AGR&M

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTERIO D ECONOMI, FAZr"_-NDA E PLNEJ1*1ENTO MINISTERIO D1 AGRiCULTURP. E REEFFORMA AGR&M"

Transcrição

1 Prut..42L j MINISTERIO D ECONOMI, FAZr"_-NDA E PLNEJ1*1ENTO MINISTERIO D1 AGRiCULTURP. E REEFFORMA AGR&M GRUPO DE TR1B1LHO INSTITUIDO PEL PORT1RI1 1NTERMINISTERIL N.41/82 EX1ME DE ALTERNATWAS E PROPOSTAS DE MEDID1S DE APOIO AO SETOR ChFEEIRO - RELhTORIO FINAL -

2 MINISTERIO DA ECONOMIA, FAZENDA E PLANEJAMENTO SECRETARII\ NACIONAL DE ECONOMIA NOTA/SNE/NQ Brasilia, 18 de marco de Da: Secretária Nacional de Economia -- Ao: Exmo. Sr. Ministro da Econornia, Fazenda e Planejamento Exmo. Sr. Ministro da Agricultura e Reforma Agrária.'r. PRTPRIA 1NTERMINISTERIPL NQ 41 7 DE MEDIDAS DE APOIO AD SE- TOR CPFEEIR. Na qualidade de coordenadora do Grupo de Trabaiho incumoido de propor medidas de apoio ao setor cafeeiro, cumpre-me levar ao conhecimento de V.Exas. o resultado dos trabaihos apresentado nos anexos: (1) conso1idaço das propostas; (II) diagnostico do setor; (III) relatórios dos sub-grupos ternáticos; (IV) acas das reuniöes realizadas. 2. Dentre as diversas propostas contidas nesses documen- tos, destaco as seguintes, consideradas celo Cruoo como fundamentals para o soerguimento ao setor cafeeiro: a) renovaço ao parque cafeeiro, dentro de urn modelo tecnológico autosustentaco e de a!ta eficiência produtiva, apoiado em proararnas de cesquisa e assistência técnica, corn çrévio zonearnento agricola; b) extinço ca cota de contr±:uiço; :) manucenco ca sistemática atual de creçcs internos e ce crecos ce rcistro cc exoort3c 3. ouc tm oor case as f3rcas oe mercaoo:

3 2. d) reduçäo da carga tributéria, corn especial ênfase para o retorno da cobrança da contribuico do INSS/FUNRURAL ao sisterna anterior (2,5% sobre as vendas); e) uniforrnizaçäo da cobrarrca do ICMS nas operaçöes de café; f) reduçäo dos custos portuãrios; g) intensificaço das negociagoes junto a CEE corn vistas a elirninar o tratarnento discrirninatórjo dispensaao ao café brasileiro; h) celebraco de convênios corn as cooperativas de cafeicultores para a utilizaço dos armazéns de estocagern de café, do extinto IBC, de rnodo que próprio setor tenha prioridade no uso desses armazéns; - i) instituicäo de Grupo de Traoalho para examinar nova conceicuaço soore qua!idade e higienizaço do café; j) recomposicào ce dividas dos orodutores, cerativas, inciüstrias e exoorradores), estirnadas em US$ 345,25 milhöes, pelo orazo de aé 5 (cinco anos), mediante o exame ca capacirjade de pagarnento de cada ceveoor, Soc juros de 9% ou 12,5% acima da IRD, conforme o porte do orocutor. No caso de incüstrias e exoortadores, orooôe-se a manutencäo dos encarcos financeiros oriina!mente oactuaaos.:

4 3. 1) concessäo de novas créditos para custeio, investimento e comercializaço, bern coma para aquisiçäo de matéria-prima pelas indistrias e para estocagem pelos exportadores, no volume global de recursos estáticos cia ordem de $ 1.91,5 milhöes; m) inclusäo do café no mecanismo de "equivalêneia produto". 3. setor entende que as propostas relativas a recomposiçäo de dividas e concessäo de novos créditos (parte relativa colheita) devem ser consideradas emergenciais e requererri definiço urgete. A. Considerando a hipótese de recomposiçao das dividas, a disponibilidade de recursos do FUNCAFE flea reduzida a apenas US$ 71 rnilhöes, de modo que a demanda de novos créditos para o setor deverá recair sabre as fontes tradicionais (MCR, DER, Tesouro Nacional e Poupanca Rural), já soorecarregadas pelos produtos prioritários cia safra 91/ Par 7,utro!ado, näo se oode exigir que o Banco co Brasil aolique :ecursos de sua conta crooria ou da poupanca, em composiçöes de olvidas ou créditos novos, sob os encaroos Financeiros pretenaidos pelo setor. Para sso, seria necessria a equaiizaçäo be caxas, que dependeria de ei e de dotaçào orçarnentária esoecifica. 6. A possibilidade de mobilizacäo be fontes alternativas ae :ecursos oe!a niciativa crivada, soc:e:uao a caocacão no exterior, nereceu a acenco esoecial do rudo. exoectativa 6 ce cue o e:ecrio etor oncentre esforocs sse sentirjo. Joravante.

5 4. 7. Foram considerados tambérn, corno possibilidade de fan-. te adicional, recursos dos Estados, repassados através dos Bancos Estaduais. 8. Sobre o mecanismo de "equivalência produto', devo ob- servar que: a) de acordo corn a Lei 8.174/91, tratarnento é restrito a produtos de consumo alimentar básico da popuiaço, produzidos por pequenos produtores; b) na safra 91/92, os demais produtores de produtos da pauta da PGPM acabaram recebendo tratamento Semeihante, em face da atualizacäo dos pregos minimos pela Taxa Referenciai (TR); c) a inclusäo do café nesse inecanismo dependeria, portanto, de modificaço da Lei e do estabelecirnento de prego ifilnimo ou de garantia para o produto. 9. Finaimente, informo que o Cruoo deseja manter-se ar- r!cuiado, através de reunies perióiiicas, corn o oojetivo de acorn- Danhar o desenvoivirnento das acöes propostas. P consideraço de V.Exas. DOROTHEA WERNEC(

6 I A fl R. 13 DE MAIO, AND. - CJ CEP C '3$ TELEX O1) S. F\L)LO - -

7 MEFP-M1RA GRUPO DE TRABALI-JO - PORTARIA INTERMINISTERh,L 41/92 USIA DE PARTICIPANTES ORGO/ENT IDADE PAR TIC f1an T E MEFP /5 NE MAR A/SNPA CAMARA DOS DEPUTADOS SNE/DAP SNE/D.IC BANCO DO BRASIL CBC/ABIC CBC/ABICS CBC/FEBEC CBC/CNC CNA OCB ESTADOS Dorothea Werneck Benjamim Martinez Martinez Odelmo Leo Celsius fkntânio Ladder Reginaldo Rezende Luiz Antonio de Camargo Fayet Americo Takamitsu Sato Sérgio Coimbra Oswaldo Aranha Neto Isaac Ferreira Leite Suelly Evandro AFnarante François Regis Guillaumon Alysson Paulinelli SUPLEN I ES: MAR A / SN P A CAMARA DOS DEPUTADOS SNE/DAP BANCO DO BRASIL CBC/ABIC CBC/ABICS CBC/FEBEC CBC/CNC C N A OCB EST ADDS Jorge Comes Lob3to Fábio Meireles Luiz Milton Veloso Costa Neusires D. Coletta Jose Carlos da Silva Junior Roberto Cezar Ferreira Paulo Sérgio Tristo Manoel Vicente F. Bertone Maurjcjo Lima Verde Carlos Caruio Andrade Melles José Antonio Barros Munhoz SECRET Rosber Neves Alineida

8 CONTEUDO: - PORT1llI1 INTEflIv1k1ISTEflh1iL N. 41/92 - CONSOLID11O DI1S PROPOST1S - PERFIL DOS SETOFtES - RELc1T6[UO DOS SUBGRUPOS - TS D(S REUNLOES

9 PORTARIA INTERMINISTERIAL N9 OLLDE JDE JANEIRO DE 1992 MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E REFORMA AGRARIA E MINISTRO DE ESTADO DA ECONOMIA, FAZENDA E PLANEJAMENTO, no uso de suas atribuiçes, resolvem: Art. 19 Fica institutdo Grupo de Trabaiho incumbido de e- xaminar as alternativas e propor medidas de apoio ao setor cafeeiro. Art. 29 GruEo de TrabalhC%seri composto por urn represen tante de cada urn dos orgaos abaixo indicados: - - Ministrio da Economia, Fazenda e Planejarnento; - Ministrio da Agricultura e Reforma Agrria; - Banco do Brasil S/A; - Confederaço Nacional da Agricultura-CNA; - Cornit Brasileiro do Caf-CBC; - Organizaçäo das Cooperativas Brasileiras-OCB; - Estados produtores de Caf. 19 A coordenaço dos trabalhos do Grupo ficari a cargo da Secreta'ria Nacional de Economia, do Ministrio da Economia, Fazen da e Planejamento. 29 Grupo de Trabalho dispori de prazo de 6 (sessenta) dias, a contar da data da publicaçäo desta Portaria, para conc1uso das tarefas. Art. 49 Esta Portaria entrar5 em vigor na data da sua pu- ANT I CABRERA MARCTLIO MARQUES MREIRA GANETE DONit1iS1O - MF Pubad -.OU. do / f..'

10

11 (I) w w C ci) z co 3 E 8 Cl) ;'-y. 22. WO Ka U -1E -cr c. =) ca a Q.. I w rd;! E ire > CL co H LIJ 2 U) zcc Eo wo Hw ZF- w o Cc <U) < H cr< y uj - < ow LU U- U) w,, Ou, 2 Cl) ( - -Co C ( CL co ) co C. (1) C CL. -cr 2 a) t. co C6 a Cr I CCi a. w a) +.CCi o Cl) a. 'E c. 35 C c,cwe cn QcflC 61,)W E EE co 4 cc c 6 ccio,m W u, 2 o o +. Ec E.. (1) ( C 8. Cl) cci ' C) (flc'j(fl (fl WI W D a WOCCCi 5Cr E a22. a CCiCHU) C+o os TaE

12 zrr U) Wa ZFcn Lli a_ cr <(f) < o cr< u---j < F- U) g cc U) o (I) U) = L) co o a) o ) o a 1 cc 5 T$c(nZ C) CL = Ka CL a) C a < EE IV U < )a) - Co cn oq,u Z Cc a O) Z i. o o = C C a) (CU) co co Ku Cc Co QU) cn. HIlL Q) W V) C - co -- co CL E -=CL - rn - C') I- Lii cc CO > 4-

13 ui U- (n (au) Q) z CL a) LL Wo WOO C OZ W ctj <5 V - 2U)'O. co c (cc OU) (u.(1) >a)o >C.)D T C) cu co C) CD U)'tN u)o I C'J.- Ott 2 < (1) C) U) wwo O- D(1) <U) U) KU rn w a)z CC U) --c 22U) WQ O.wca o LO. r u, Co CV) ) Cf (I) I- LU o o..!h Q' C') to ca - 2 : (I) -, : E a OQ)(I) ('J - ' ) N W U) -,-'',-- a) : - ). ca crw' ' ' - oc')(a 2 ' E Cl) - : ) g ' H 5 E 'O g w 'd SQ a) CL OD Zcr ) cro tg Q a- ).a_.op.1 I z '-: w Z c,) w I LL CL c/) < F- () U- -J < ) Iz 1- (1) > I a: w. (I) w a: I- D (r cc (L C\J ( a) 'O U) <a a) E.2. - <a a) ) g 2 a o 2o C -o co ') WD ts Cl) ' ' - co - U).- ) CO C )O B (a) a,w CD CL ca 2 cacao. -. <a ( - - UjU) '!o U) a) g. -o '( 'a 2 '- C cu 9)

14 w. 2 y DU) 2. o- OCu 'ca LLJ (> LL z w LL...A <o o <UD C') a) C CO E u.e cu OaCcc G, KV to cu 1 4uEU)W LU (1) a) >u cc ca a j a,. Q) 9E c)a) o ci C', cj-) Cl) 2 o D co. CIS O..D) W c w3cu I cu - ci CL W U. oz a, w ZLLcua) Zo cr Ui F- i w cc cl-- w F- Ir < F-. LL.J < ow Iz F- (D C,) I- Cl) ci a. C,, Ia Ia w Cu a) a. - U. > a, Ocu co a. a. - cu E. E j ). co cu. cc 2 ') C C o. cu ii E > a) CI C a) Cu 2 a. E.-. Eci, Cu o C.'..a, C Cu E E Cu W E C2 :, > C.) C.a) ).Q ) Cu 9' E CL CL cc I 9' CL I

15 ' (,) I- 4: (I) LLI LL C U). owca 'a) Za) <C.) cij umca Q).::. u, W a) U)C3)(l) a) d) fl>. ' cis C ca v) o '- cc' a U) 4: Ca _'D5 ca cc ctj CL cn CD Eai Ca) ". ( Q.2 KU z. 9 Ca r ">c Ca Ca o - U). ca co W. i: a),w LU C uc'j LL U. a) (> - U) 'Ca Ca) OC - coca 9 (fl.ca '-Cact.:or-. E 9(O U) 9 Ct (D o a) Z CU <oo a <oc'i I m = c' J(!, U) WO F- ZF C/) F- ge 1< < F- cc.1c U LL j < Oct F- Iz

16 (f) w C-) Lii U) z U) H LLJ C') Zit JO U) Co ZH co LLJ a. H CC < H O LLJ LL -J < ow H (!3o a) Cd) Cu ) C 2 '5 C ' a) 'Cu E E Cu a, C- ' a). C,, '5 Cu a cu. "a> -as E CO a) CC CuW Cu Cu C' cr cu.' W Cu

17 M. (I) LU uj ci) CL -Jo U) < z- U, CC <U) < o o w < ou) Iz ' C-1 rjj

18 ON Cay a) o2 CO J) LL.1j OU).9c - cam W LI (I) crwo cc w (I) z -c co co. Ca QQ) C.) Ca cu >a cts E eo '. -c. >ca o'>c OOca. (I, ca a) 75 (I) I- U) CL z CE w I- (I, ZH U) 'I W CL H ge 1< <a H (> iug u- J < (i) lz H cn,c Q. a, In CL a U) I W F- cc W a) (/) d a, ' Q Ct C'.. Ca W H C) C/) io < C- CC CU C C ' W CJ) (I) (/) w < Eca "C. CC -. < - F-- " al Ca Ca D a) cl) - co. CE C CC C < - C) CCC. C.) ca aj E < ui CC cz CD - ao CCC) Ca <.E. 5 o o co C) CC o p.4 j C' E. I I I I IN C'J

19 C', UJ E co - co o E as cz o2 ) Q) ' ov(a:. (oo EE QQ)O O 3 U) (>Cac,i JO cf) WOCT t1) I a) V) V Ce.-. w.ono - o Q) Q)OWWu) oo cna) cn cu (flq) Cl z ca 2o2 C (/),cu Q, w Ec oo O N (O QJ CT o VS I CN te WDC W.Eci. i O.W o a, a) -Q) > o z CL co wo (1) w o Cl <a F- Lu < ou) Iz F- L - 6 'J i w E (I o a) (i) u, sc) V) -ç -o cu (- - C - E O U) En 2 _-o._ -a CCW a, Ku o- 2 a) cd - a) -c 1) U) a).zg) o C E E - E o cc W Cc I I I -

20 U) ci) OCt - CU. g (U CT ). - C x o a, co 9 (U. ci) o., a, (I) U) (U 1 U) C) Tu Q) CU (U ' CU CUC'CU <I, " E a, ma._.'. E Z U) U) CU 2. E (U C.> cu C (U CU. aj CC) ' I- ). _I (U '.. U) I-. Ui CD c. c.., - 75 ' U) w'.csa)o._ $3 o. c. a, - C> rr(u a. -' W w Z CU : a) Oo ' 9 Cci E.- c" a, ) 2 KU C. cci,u ci) a, ' ' ' C CU CU. a, Cl) CU W. ' 'D (U.Q) ao a, E E CL ca (U - E-o ' a) (U 2 c)) g- e Co CL o co E E a a) M ' ' CT CU ' CL CIJ ci) Ooc a, 3 $3 C cu ' C). c,cci - E <. o W -Lii 3, ' cc) cci.as.. Ctl cu E (U 2 : ' Cc 5 C (U a, N U) '> = a)= CO (U $3 E a). Cr a) CU U) '. a) -'- '- a, E ' a,.a, a C.) E co 2 a, 'n.= _J CU a, CU EE>C ') C CU. )U) o o. Q. Zcr JO LU (I) Ui &) CL < cr< L> UJ < Ou Iz 1-

21 c'j CZ o a,.9- J cr V o - CL - u E ok... C a, ) CL cc o Q..5 Q cn (I) WV,jZ Cz UJ zw > (I) c ) 2c W Oa,COj > EVa, -(/) ( cu cr.e E U) F- LU ceo Ww Ci Cc co aedq.v a) ca EVa, ). V WCC2 V C <V C CL o Zn: cc ZF- U). Zn: Q_ (1 cr< < cr < 1 cc a LZJ 2 u--i ci: l< < o (/) F- 1W O j Q> a) o Lo 1 C (/)(I) (I) ) Vo- - o s > V cz CL = Q- W 9- V.E c cc ) -a. ci co' (/) Eco =cg= o. - V or a, Da. d o cov) Oa,cu).oC == _a). UO 1.12o I ooe i a. c'j Lf) C')

22 Li) h 11) CJ '.d C\I Cl) - CU Q) CL ' - ) ' 111 cec11 < W ø9 CL cc Q cv U o '-Q'w w U)soO O LL - OO&, U) Z cz :3 Ca ll KU 2 o D o- a. Cl) o H KU X U O2Q)Cs1o cl)o 2Z E > OD a. <,-o LUaaLL.

23 Ca Cl, a. o Ca < - cr a, - mc/)..2o C') W.W o W g. : Ca a) a, C)..- c.,. ' -ca cu E ca 2 CL a) N.2 " D 2? C.) 'Ocl) ca.ca Ca E>=oO.2.C. <ga) Cl) a. C C.ca a, Ca W l,ca oa)coa. u ca.ca o a> ca... a.2ca L> a co 'o cu o _ I -a, cac P - Ca.- - ca cob- _ cz - occa. a, C Ca a, m cc. o Cl)C..a. EcC. E CE W Ec.2 C -'5Eca -.2> a, c-a,:) - 3.a Øa,cuN.. =a,c EEa)cu2...a... -Da., Qa)l,j 7 ca cz,,<a. >.a,>>cu - a,ot OQ. )o QC.q Ecu - Z.D oeq <2 O.. a. a, o a. ci a. 3 c- ca I- a, Co. ca < CI) a. Q KV Coo a,. C ) a, -c LLI )Q.. -Ca.Ca = - - caa, :o Cw cuo 1 o.clo i< I. jo 2a, 2 a- C.) o >.Yc - -- C)() w - o - a, > - > (a E2 cz R o C)Ca 2E5, cc 1 Q. -E 2 2 C,) C') cz C.')

24 Cli C C13 w U ftl CZ w ( Q) Eo Cl) o cu cu (1) o'.c,, LU cuu)a, o (> < cu Oocu Q)CZ W.-o- (/) O.j wew 5o a - Cu C Co 9.9 cu co U) < a) C U) I- Q) ad E cz OE ) cu WUaci, OD Zcr JO sc') W I- ci) W CL F- Cu C QCi) <(I) <a LL j < (1) Iz - o CuC- - Cu O a) T a, a) U) Q LJ_ ) Cu Z I CE D) W E Cu cu a, cu o Eu) C) Cu Cu LU o -, - -= To- Cu Cu - Z U w O,) cj 1 vs o m Z Q Cl. cz I - E U co o CE CO C') co c'j

25 (C (C. ( W (" W E - EC CC (C cv (OWC) cu )CC2. a) 2 (l) -. E CC ca 15) Eo CC <c CC ). o W.1CC CCw Ct CL I E (i) I- E fl- oo E w - ' - t CC( ) C (fl 1) E a, CC C)). C) C..... Q o QC) () Ct U)CC._ oo.s Ecrw'.3E CCCCCC E E< ) B. o ) Co E<co on. c a CC) L1 U U) I ( (Co CL bca cz > 'wz M= C6 c - O1L.?ot,<n UJU)EN cu CD a. Za: cc w z - w cc w a. I cc a. <U) < F-. ujq u- -J < ) lz E? uj cr <( CC F- C LL c E < CC E a) o z U) (CC o 2E.2 ZCC - o - CC C)> a ) CC O c)eo IM C-4. Ea)g -(C (D cu C - Ooi_ ).= Ct) - (1) zc - C))U)'J.cco - Iw. I IWO) C') IC)

26 () = E. U) UC)E U) a, CC U) F- -LU Al CL ZEt U) w I Z- U, u-a- LU I <U) < F- LL 73 < OW - CC 2 U, 'C C ' US x Z5 U) U) 2 Cl) ('.th Zj (> Q._ w a) cu ca Ul a: c2 Ca a- Ui. -i: no a) o.neca -o U. a) tn LO (ci Cl) C.) >U, U) 2 a) U) C cc 73 OC.) CL 7 -ci) xc LU a) V ci) < U) Z w - cz N > Ct) ) E a: () C U) LU Cl) - U. C.) ccr 7Z3 oa F. Cr) ) I C C

27 cu I C) C co (I) i a) c I - U' ' U) H WU' Ca W CI) F- (1) _ It CL Zcr -jo cn z- U) Lu CL I- < (> I.LJ < Ow Iz OCtU)OOC)QCa 5: E 1 3 -Ct > co C13,-. cu - 8 a EctoECa) r- in E. C. - U) (n a)e.! E z -Oco U) a) ca ZE w.? 7 ) CC w C, CUE o-t i 3OCtU)))(ja) E a) > N'_a) ct w IL w a, NJ -J cc Ui w (I) D w cc w Z Ui cc

28

29 MEFP - i1ra Grupo de Trzba1ho Portaria IntErministria1 nq 41/92 1- I i c ti i i i R onk 3 U '1 R TO OE: - P R E G I C ti E B S T R I I B

30 INDICE P4G. 1. INTRDUç 3 2. PRDU PARQUE CAFEEIRO SAFRA 92/ CUSTO DE PRODUO DE CAFE PESQUISA QUALIDADE, PRODUTIVIDADE, COMPETITIVIDADE TRIsuTAçAo SOBRE CAFE QUADROS COOPERATIVAS... 1 a. TRREFA SOLUVEL EXPORTAçAO ESTADOS RECURSOS BANCO DO BRASIL FUNCAFE REFERENCIAS... 21

31 INTRODUCcj presente trabaiho apresenta, de forma surnari:ada, as contrib'ijes dos diversos segmentos da cafcul'cura brasileira integrantes do Grupo de Trabaiho Inst Ituido pela Portaria -- Interrninister.ial nq 41, de 17 de janeiro de 1992, objet ivando u, evantarnento de urn breve diagnósticoesse setor. PRDIDLJCc3 cafe 6 urn produto no s6 gerador, rnas tarnbm distribujdor de riqueas, de grande capacidade de absorco direta e indireta de rno-de-obra. Grande gerador de emprego - 4 rnilhies de pessoas na produc, e 1 rnilhes se se considerzr as demais segmentos do setor como cornrcio, indistria e servicos - o cafe exerce importante papel na fixaço de mo-de-obra no rneio rural. A 'it izaco dos servi;os de toda a arnilia na culturzi, torna-o relevante sob o panto de vista econtlmico e social dentro do setor agricola, 'endo grande responsvei pela transf'erncia de renda para outros setores da econornia. Corn 'ima irea que era cm 1988 de 2,8 rnilhes hectares c 4,2 bilhes de cafceiros, o cafe 6 produzido cm municrpios e cm 218 mil propriedades q'ic a torna urn importante propulsor do desenvolvirnento regional. 2.1 PARGUE CAFEEIRO A cvoluco do parq'je cafeciro nos tiltirnos ii anos mostra 'ini Case de estabilidade no perrodo entre 198 e 1985, havenuo, cm ;eguida, urn aurnento sign if'icatjvo, representado pelo plant Ia de cerca de I bi1ho de novas (:a fee iros at& 1987/88. Esse acrscimo +'oi devido, essencalrnentc, ao estrrnulo de preso que as prod utores tiveram apes a estiagern e a quebra de safra ocorrida cm 1985/86. Atingido a novo patantar da populaco cafecira em 1987/88, superior a 4 bilhes de ps, outra Fase foi iniciada, cocuesando, novarnentc, a desacelerao dos plant los, agora desestirnulados pela major estabilidade da oferta. Nesse per lodo as plant os anuais se situaranc na faixa de 1 mclhes de ps/ano, supl ant ando ligeiramente a abandono normal (par enveihecirnento das lavo'iras) estirnado em 5-6 inclhes de ps/ano. Em 1988 o parq'xe atingi'j 4,3 bi1hes de ps. A partir de 1989, crn o rompicuento das clusulas econdrnicas do AIC, e a conseqiente queda dos prcccs e, niais tarde, a part ir de nicados de 199, corn a desestruturaco de todos os niecanismos de proteco de precos a rdvej interno, verificou-se 'inca Forte tcnancia ao abanclono de cafezacs.

32 A rtduço vrificada sabre o parque cafc1ro c, mais, n falta dos tratos normals dispensados As lavouras, corno a adubao, as tratamentos contra pragas e donas Etc., conduzirani, rapidamente, prda de produtividade e, conseqilentemente t reduo das safras cafeetras. Atualmente 55% das lavouras esto em condies ruins, 357 em estado mdjo e apenas M. cm boas condi;es. abandono erradica;o so estimados na ordern dc.3x. A consequncja direta da atual situaco e a deteriorao do parq'je cafeciro no Brasil que foi estirnado, Par arnostragem, no final de agosto de 1991, cm cerca de 3.75 bhhes de ps, sendo que cerca de 25 rni1hes so cafeeiros jovens (at& 3 anos) ainda em fase de forrnao. A produtividade das lavouras de cafe vern caindo sign ificativarnente nas '!It inias safrzs mesmo 'e conparada a tradicional baia produtividade histórica da cafeicultura bras ileir (de 9-1 sacas/rni1 ps). Atualniente a produtividade se s itua na faia de 6-7 sac as/niil p 6 (7-8,5 sacas/ha), enquanto a de o'ttros paise produtore, nossos concorrentes, corno a Coi3nibia e as principai palses da Arnrica Central, se encontra na faixa de sacas/ha. 2.2 SAFRA 92/93 A prirneira expectativa da safra 92/93 foi levantada em agosto de 1991, seguindo a arnostragem estatistica tradicional, onde foram pesquisadas 2.17 propriedades. resultado obtido dcii uma prinicira id&ia de que a safra 92/93 se situaria em nivcis 3% inferiores A safra anterior (91/92), portanto scria de cerca de 19 nii1hies de sacas. 2.3 CUST[) DE PRODUO DE CAFE Verifica-se urn custo de prodiico dc Cr 13.22, 1-i US 91.13, Cr , oil US c' Cr , ou USS 57.26, respect ivamente, para as niveis de produtividade de 1, 2 e 3 sacas bcne+'iciadas par covas. Considerando as diferentes faixas de produtividade ( ) sacas/ha o custo rndio pondcrdo SE situa na faixa de US 9. a US 1./saca. Corn esses custos e diante dos precos.t'iats do cafe no niercado, observa-se que somentc aqueles produtorcs con, alta produtividade vrn obtendo retornos posit ivos. Os prccos atuais do caf, no rcni'jncradores, no geral, en, ralaco aos custos, pressionani os produtores Tt rcduirni o 11 fvci rjc t rat zuuento dos cafcais, espccialrncntc o 'iso dc d'.ibos, dfensivos, etc., corn isso ntrando nuni ciclo onde a produtividadc das lavouras c:ai e, conscq'cnternente, o custo de produço se eleva-

33 2.4 PESQUISr A dscontinuidade dos investmentos cm pesqujsa, a totz desativao do s;stcrna de controte c cstatlstica. notadarnent prcvisks dc safra, instrurncnto irnprcscindlvel a qua lq'jer atividad econdrnica, a desarticu1aco institucional c mesmo a para1jzaco tota de prograrnas, corno os diretarnnte ligados ao IBC/EE, acarretam hoj Para a pars urn cenrio de crescentè defasagem no campo tecnol6gicc corn riscos Para a c omp et i t i v i d ad e do prod'jto nacional c Para ) permanncia da produço cafecira corno atividade vivei a longo prazo. 2.5 QUALIDADE, PRODUTIVIDADE, COMPETITIVIDADE A rnchoria da qualidade do cafe 6 uma meta que dcve se cont inuadarnente persegujda, visando, no processo produtivo e no coiheita, adequ-la As neccssidades do mercado, tanto Para obte meihores prcços corno Para conipetir cm ciiiantidade a ser comercializada Produtjvidade e qualidade devern, assim, constituir pontos bsicos n forrnujaco de qua isq'ier pouticas p a r a a sobrevivncia competitividade da lavoura cafecira, a nivcl interno e e>crno. 2.6 TRIBUTAO SOBRE U CAFL Sabre as transaccs coni produtos, insumos c transporte h incidncia do ICMS na aliquota bsica de 187., sendo que este iniposto caiculado tornando por base a pauta do d i a que cst sempre a urn valo 27. acinia do preco do cafe. Contr i bu i cs Soc a FINSOCIAL...2,% sohre o faturiniento FUNRURAL...3,7. sobre a faturaniento, oil sobre a loiha de pagarnento PIS...,657. sobre a faturarnento Ui produtor, corn empregado registrado, paga 28,27. de INSS 8,/. de FGTS, sendo que o empregado paga 3,7., totalizando 44,2% i recoihi men to. C evidente que a tributaco total 6 dernasiadanient: elevada. No caso dos produtos exportados, a soma do ICMS (13,Z) e da Contribuiçes ociais (8,8%) total izarn urn imposto de 21,137.. Isso no ocorre cm o'itros paises, part icularniente nos di - ita renda. Na Franca, par exeniplo, a trihutaco sabre alinientos produtos zgricolas, correspondente ao nosso ICMS, de apenas 5, 5% Outros produtos tni ai1uotas de 18,67. (no essenciais) ou de 28 (produtos supérfluos). Na Espanha e Hol anda, a al 1uot a sobrc iinientos 6 de 6,%, na Alernanha, de 7,% e em Portugal, de 8,7.. N; Lnglaterra, ao contrrio, alirnentos ttrn aifquota zero. Esse pervcrso contraste cntre Brasil C os pziscs do in'jflcu desenvolvido mil ito indi rat ivo de 'ue i:)rec i samos urgenteniente, O( irna nova estr'iturz trihutria.

34 7 OFKRTA. ANOA, ESTOQUES E PRCS EUDIAS P CAY.E RELAChO ISTOQUI PRODUCAC CFflTA EIPORTACAO Cosu1 PEANDA PRECO PERIODO PRODUCAO/DE!tANVA ffrta/dl'aida DOflRS!ICO IISC) IISC1 USCI 1ISC1 {ISC) 1S" is!sc i _ H i.4:: Qi ' V ' " ' QQ 1 11 ' 8-8' 1fl7 i39. I iii.e ' r ' q pc P.22E , !9 68.4"!712! W ? ' : :1.7 : NTE - E:auc 189 e 19 CENTARICS A realidade :aiee:rz =dial era de edeccia de dea da creece:e. Ss:a. da ordei de 92.5 niiboes de eacas e 1988/89 era 153% caicr d ue a de 198/81 cegas 28% aaacr e: 199/91. Neste e:c çde a prcduno e de:ada tenoem a equ1arer-se. r. aetoque eedj de cafe. de 1986!99. :a-se e: cerca da '' - ec 39.7 niihoess de sacas e: 1991/92 ccrre9' 1A _ AR EA. TOTAL DR CARE1ROS, 1979/6 A 1988/89. PRODUCAO. PRDTflV1DA.DE. ES1QUES.SIPRTACAO MEDIAS DE LGUS?AISRS 9ROPUTORRS LE CAFE MDE ST AT*IP1A I V1 CUf.

35 AREA, TOTAL DR CAFIROS, PROOUCAO. PRODUTIVIDADE, ESTOQUESLSXPORTACAO MEDIAS DE ALGUS PAISES PRODUTORES PS CAFE, A 1988/89. ) PJSES PRODUTORES AREA NR.DE ARVOR!S RODUCAO 'RDU731DADE ESTOQUE EAPORACA2 - DO DO DO Sc RENEF DO DO DC MEDIA BEASL TOTAL 31 1EDiA SRASIL HECTARE 2RASIL.ED1 BRASIL MENO SRASIL Costa Rica : U : El Saivador : : :4.8 Angoia : ! 56.9 Guatenaia lema : : Zaire ' A Indonesia ! : : :s.i exicc : Colonba ! ! Not do Harfis : Uganda LI : Briati 3238, Mum I FONT! - i :cii:rai a ircpicei irmuts & ivisac:. FA. '.SDA CETAP.!O3 A s:uaco CE paues ;rcñ'j:cree :e caie. media de 1991 a 1985/59 1 :area e1;crt3re3 c cd::. a e 'aaoe : reiacao a excecz2 ia produn7iiade ca a sign 3 eect taio tc 5 a Salvador. Ee'.i. Coioaba. a area iantada. c naerc de Ca!ee!r:s. rcdcao. estqe e a expr:3ca oeaeac ;a:saa sae oe tagnmee o:to tenor jo qe a & 6raisl.

36 .11 - PAISI3 INSS1VIDADN NA RKCNITA CAIIBIAL TOTAL. PARTICIPACAO, VOLUHE I VAAIACAO DA NXPORTACAO. VARIACAO SOBBI RECKITA N VA- RIACAO BE PRECOS DO CAP!, POE PA1SS FROPUICRES RECKITAS BA VENDA CAD1AL % BE EXPORTACAO VOLUME EXPOR?ACP.O VARIACAO VAREACAC REcEITA?AR!ACAC -. TOTAL BE 1988 SUNDIAL M1LES SC BE EIPOR-% RECEITA CAFE FRECC MAO 89/9 89/9 EC 87/88 CR$1 38/89 Uganda !runci Ranoe 67 6.?.? Ethiopia Saivade Ce1obia 5! adaga3cr icaraga ?ao:ania Costa Rica lenia Eaiti Caaeroea Costa do HarfiL Zaire Braell idonesia Mexico TOTAL FTE - Auaric Eatatsttc 32 e ON CENThR1OC varacao da vendas cos paiees. e: 1999/9 scnre an venoas a:!edia! e 19!7!63 a 19/52. sitc:-se!':re?c Il I n" 'viae va. ' c je - ia r c'r'.a e p - sen en:e 22 punes a iinaon. ;erse:cer.:en a C2. 5;taie me::er qua. aan as casacterlsic!5 su ;othcac cr ni::acces :::as. f:ra: elan i::apa:es as esper:accen a: qjia:::aden sicieten Par! a esejavei c:vei de re:ei:a cc: c cafe. a '-e:' -.a.' -_ 'a: an "a - a _n :e c:e a: 1922/91 reprene:s: 26 1e rccca: ::a a a Ci:ia :rro:e: a

37 3- COOP ER tt I o o o P5- V. N P.. N N UI jç SW N UI Ln 1 *3 N 1 o Cl 1 N N - U- - C W V) E 1 3 )- Q(C U) >-.;:: o - tj - U LC CL c 71 8 JI C UJ (/) (i?5 2 o. cu '- E' ) I'm '5-, o o o a a o Ln V. *3 *3 1 Ln Cl N N 31,-, UI UI Cl 1 z Cl.- Cl N U, UI CI - V. o o Q o z U) Cl UI UI UI Cl o o o N N - V. o - Cl Cl Cl - Cl N Cl i

38 14 EXPORTACES BRASILEIRAS DE CAFE SOLIJVEL (No eqtlivalente a 1. sacas de 6kg de cafe vrd) ANO PAISES Z PAISES Z TOTAL MEMBROS OIC N?O MEMBROS ,1 63 3, ,4 59 2, ,2 81 3, , , , , , , ,9 4 22, , , , , FONTE: ANURIO ESTATISTICO DO IBC

39 i-i -: - JRRg Considerando as enormes necessidades de investimentos que o set or ex I ye, pode-se af I rrnar que a Ind'istr I a de Café vein apresentando cstagnaço nos 111t irnos 7 anos. Est iniados em 5Z da receita operacional, Os invest Irnentos so insuficientes, dest inando-se exciusivarnente renova;o de peqtjena parcela de urn parue fabril corn elevada media, pouco sendo aplicado em pesq'iisa e desdnvolvimento. Segundo pesquisa reaflzada, o tempo de usa dos equiparnentos da inddstria apresenta, em media, a seguinte dade: - Torradores 9,6 anos de usa - Moinhas 7,1 anos de 'iso - Empacotadores 6,2 anos de usa Dessa forma, podemos concluir que a indlstria carninha para a sucat eanient A Ind"istria Nacional de Torrefaço e Moageni de Café veni se defrontando corn inilmeros probernas, dentre Os quais destacam-se: Baixo nrvel de invest irnentos para renovao do parque f'abri1 Inexistncia de Pesquisa & Desenvolvirnento; Queda no consunio per capita do produto; Predoniinncja de oferta de mat Cria prima de quafldade insat isfatória; E:conornia informal c fraudes na geraco do produto elaborado; Intcrvenincia,:ontfnua do governo na inipos,ço dos precos do produto final scm o devido contro1e do preo da matria prima (ate juiho de 1991) ucda constante e cont rnua da rentab cade do Setor; Forte prcsso (las redes varejistas na irnpos;co de condices de comerc I al I aco; Desabastecirnento dc niatcria prima no per lodo de entressafra (reteno indevida do estoque governarnental). As questajes se interrelacionavarn c formavarn unia cspcic de mot contfnuo, pois o governo continha preços, o que gerava baixa rentabilidade; os industrials no invest iarn, pois no lhes restavarn l'icros q'ie ihes permit issern reinvestir; a q'ialidade e a produtividade no evol'jiarn pela inexistlncia de P&D e, na ponta final, o consurno percapita se retrafa. Dos prob 1 ernas apont ados, apenas urn supöe-se equac i onado: a das Frzkudes.

40 i 2 Considcrando que a Indijgtrja de Torrefa;o E Moagern de Cafd pode absorver corn facifldade parte, dos excedentes de produco da lavo'jra, dada a s'.ta capacidade ociosa, surge o mornento de amadurecer idiias novas e ident ificar-se na at ividade a import t~ncia que nierece, apostando no aurnento do consurno i nterno e preparando-a Para exportar scu produto elaborado.. - DL_O'.JIL_ Segundo clados est inrados o consurno i nterno de cafe soidvel no tern ultrapassado 1.% do volume total de cafe consurnido no Brasil.. Como esse total 6 estirnado cm 8, rnilhes de sacas, acredita-se que ao sol'ivel correspondarn 8 mil sacas.. pesar dessa part icipa;o pequena, recente investgaco dos htbjtos dos cons'jnridorcs brasu].ejros de cafe apontou soli.ivel conro urn produto dstinado a pessoas que habitarn grandes centros urbanos, que trabaiharn Fora, que vi ajarn f'req'.ent ernent e e t ndern a subst i tu I r o consurno do torrado e moldo em per iodos de elevaco dos preos desse 111 irno. Os objet ivos visados inicialniente pela indi3.stria de cafe sol'vel no Brasil foram alcaricados e podern ser assim surnarizados: - Integrar a cafe no indispensvel avanco industrial do pals, amp lsando o set or secundrio da econoniia; - Criar urna alternativa cornercjal Para as exportacecs brasileiras de caf, at ento J.irnitadas ao gro verde; - Aunrentar o valor 'jas divisas obtidas corn a txportaco de caf&, industrializando mat ria prrrna disponivel ern abundnc i a no rnercado i nterno e agregando s export aces do produto a valor da ino-de-obra, do capital, das pesquisas realizadas no pals e de outros insunios incorporadas industrializaco do sol'vel tars coma latas, enibalagens, papelo e outros; - Assegurar a presenca do caf& brasilciro nos 'blends " internacionais, ocupando espaco at6 ento dominado pelos derivados de cafes robustas da Africa e Asia; - Propiciar as alternativas para nrelhorar poder de c.oncorrtncia do caf& nas regies tradicronalmente consurnidoras de ch, cujo preparo bastante sernelhante ao do cafe soli'uvel. Ultirsraniente a indistria veni e rrfrentando dificuidades crescentes Para competir rn iguaidade de condicoes corn nossos concorrentes no exterior.

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

TÍTULO : CRÉDITO RURAL CAPÍTULO : Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) - 9 SEÇÃO : Disposições Gerais - 1

TÍTULO : CRÉDITO RURAL CAPÍTULO : Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) - 9 SEÇÃO : Disposições Gerais - 1 SEÇÃO : Disposições Gerais - 1 1 - Os recursos do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) devem ser aplicados em operações de crédito pelas instituições financeiras integrantes do Sistema Nacional

Leia mais

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov.

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov. CAFÉ Jorge Queiroz 1. MERCADO INTERNACIONAL Segundo o USDA, a produção mundial de café deverá atingir no ano 2009/2010, um total de 127,4 milhões de sacas. Entretanto, a OIC (Organização Internacional

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL VOTOS APROVADOS NA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CMN 16/04/2009

MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL VOTOS APROVADOS NA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CMN 16/04/2009 MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL VOTOS APROVADOS NA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CMN 16/04/2009 1 - PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA ESTOCAGEM DE ÁLCOOL ETÍLICO COMBUSTÍVEL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2732 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 2732 RESOLVEU: RESOLUÇÃO Nº 2732 Institui linha de crédito, ao amparo de recursos do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (FUNCAFÉ), destinada ao financiamento de estocagem de café, tipo exportação, na rede oficial de

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO:

INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO: INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO: O Estado do Espírito Santo encontra-se como o segundo maior produtor nacional de café, destacando-se o plantio das espécies Arábica e Conilon, sendo

Leia mais

7a. Edição Editora Atlas

7a. Edição Editora Atlas FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU Pós-graduação em Auditoria, Controladoria e Finanças Disciplina: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO Slide 1 Professor: MASAKAZU HOJI ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS FACULDADES UNIFICADAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 REGULAMENTO DO NÚ CLEO DE PRÁ TICA JURÍ DICA DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE

Leia mais

O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO O presente boletim tem o objetivo de apresentar a situação atual do mercado, por meio dos dados disponibilizados pelo USDA, CONAB e MAPA. Apresenta-se, posteriormente, a

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

Soluções de Crédito. Cadeia Produtiva do Café CADA VEZ BOMPRATODOS

Soluções de Crédito. Cadeia Produtiva do Café CADA VEZ BOMPRATODOS Cadeia Produtiva do Café CADA + VEZ BOMPRATODOS Capital de Giro Recebíveis BB Giro Empresa Flex Agro Crédito Agroindustrial Desconto de Cheques/Títulos BB Giro Recebíveis Duplicatas/Cheques/Cartões BB

Leia mais

Ações de apoio à Produção Agrícola Gilson Bittencourt

Ações de apoio à Produção Agrícola Gilson Bittencourt Ações de apoio à Produção Agrícola Gilson Bittencourt gilson.bittencourt@fazenda.gov.br 1 Ações de apoio à Produção Agrícola Safra 2008/2009 Lançamento do Plano de Safra da Agricultura Empresarial com

Leia mais

'!"( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, ".6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # )

'!( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, .6 )) -2 7! 6))  ) 6 #$ ))! 6) 8 9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) !" #$%&& #% 1 !"# $%& '!"( )*+%, ( -. ) #) /)01 01)0) 2! ' 3.!1(,,, " 44425"2.6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 4442$ ))2 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) 44425"2 ))!)) 2() )! ()?"?@! A ))B " > - > )A! 2CDE)

Leia mais

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 18 DE SETEMBRO DE 2014)

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 18 DE SETEMBRO DE 2014) NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 18 DE SETEMBRO DE 2014) NORMATIVO PERMANENTE DISPOSTO NO MCR 2.6.9 e MCR 10.1.24 a 26 MCR 2.6.9 Permanente Parcelas a vencer/ operações

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Política Econômica CMN 29.07.2009 Votos Agrícolas Brasília-DF, 29 de julho de 2009. RESUMO DOS VOTOS DA ÁREA AGRÍCOLA REUNIÃO DO CMN JULHO 2009 1 ESTABELECE NOVO PRAZO

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

RESOLUCAO 3.856. IV - os recursos do Funcafé repassados às instituições financeiras devem ser remunerados:

RESOLUCAO 3.856. IV - os recursos do Funcafé repassados às instituições financeiras devem ser remunerados: RESOLUCAO 3.856 Dispõe sobre linhas de crédito destinadas aos financiamentos de custeio, colheita, estocagem de café e para Financiamento para Aquisição de Café (FAC), ao amparo de recursos do Fundo de

Leia mais

28% 32% 28% 33% 31% Produção Derivada Mil sacas 60 Kg. Exportações Brasileiras de Café (Ano-Safra Jul/Jun) Mil sacas 60 Kg / US$ FOB mi

28% 32% 28% 33% 31% Produção Derivada Mil sacas 60 Kg. Exportações Brasileiras de Café (Ano-Safra Jul/Jun) Mil sacas 60 Kg / US$ FOB mi Produção Derivada Mil sacas Posição Estoques (1/0/05) (1/0/06) (1/0/07) 1. CONTAGEM ESTOQUES PRIVADOS - CONAB (início da safra) 1.044 9.74 17.584. VENDA DOS GOVERNO (abr/mar) 1.090 1.00 969. DEMANDA 40.647

Leia mais

23ª ABERTURA DA COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS. Diretoria de Agronegócios (DF)

23ª ABERTURA DA COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS. Diretoria de Agronegócios (DF) 23ª ABERTURA DA COLHEITA DO ARROZ Restinga Seca - RS 21-02-2013 Protagonista do Agronegócio Mundial Brasil Protagonista do Agronegócio Mundial População crescerá 2,15 bilhões de habitantes até 2050, elevando

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 O Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007 é um instrumento chave para a cooperação internacional em matéria de café, e participar dele

Leia mais

BOLETIM DO CAFÉ Nº 025 - ANO CXXI - 11 DE FEVEREIRO DE 2016. CENTRO DO COMÉRCIO DE CAFÉ DO RIO DE JANEIRO 114 o ANO DE FUNDAÇÃO

BOLETIM DO CAFÉ Nº 025 - ANO CXXI - 11 DE FEVEREIRO DE 2016. CENTRO DO COMÉRCIO DE CAFÉ DO RIO DE JANEIRO 114 o ANO DE FUNDAÇÃO BOLETIM DO CAFÉ Nº 025 - ANO CXXI - 11 DE FEVEREIRO DE 2016 CENTRO DO COMÉRCIO DE CAFÉ DO RIO DE JANEIRO 114 o ANO DE FUNDAÇÃO Orgão Técnico e Consultivo do Governo Federal - Decreto n o 41.082 de 02-03-1957

Leia mais

Banco do Brasil. Programa ABC

Banco do Brasil. Programa ABC Banco do Brasil Programa ABC Junho de 2015 Plano ABC Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na Política Nacional

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Departamento do Café. Secretaria de Produção e Agroenergia. O café no Brasil

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Departamento do Café. Secretaria de Produção e Agroenergia. O café no Brasil Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento do Café Secretaria de Produção e Agroenergia O café no Brasil Maior produtor e exportador de café do mundo Segundo maior consumidor mundial

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

J u i n 2 0 0 9 L e ttr e d 'i n fo r m a ti o n n 1 9 E d i to r i al E p p u r si m u o ve «E t p o u r ta n t e l l e b o u g e» m u r m u r a G a l l i l é e s u r s o n c h a m p e s t l a r g e.

Leia mais

Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização

Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização 1.1 Café Diagnóstico Desde meados da década de 90, a produção mundial de café tem apresentado aumentos significativos, mas que não estão

Leia mais

PROPOSTA DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

PROPOSTA DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural Deputado Ronaldo Caiado - Presidente PROPOSTA DE RENEGOCIAÇÃO I - Securitização - Renegociada LEI Nº 10.437/02 (Artigos. 1º e 4º):

Leia mais

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA 1 2 3 4 5 6 7 1 1 1, 00 2 3 4 Li Be 6, 94 9, 01 11 12 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 K Ca 39, 10 40, 08 37 38 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 Cs Ba 132, 91 137, 33 87 88 Fr Ra 223,

Leia mais

CAPÍTULO : Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO : Proagro Mais - A partir de 1º/1/2015-10

CAPÍTULO : Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO : Proagro Mais - A partir de 1º/1/2015-10 TÍTULO : CRÉDITO RURAL TÍTULO : CRÉDITO RURAL 1 CAPÍTULO: Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO: Proagro Mais - Safras a partir de 1º/7/2011-10 CAPÍTULO : Programa de Garantia

Leia mais

Informativo SPA/CONTAG Nº 001/2013

Informativo SPA/CONTAG Nº 001/2013 Anexos I, II e III Ofício Circular n o. 0001/2013/SPA/CONTAG Pág. 1 Informativo SPA/CONTAG Nº 001/2013 I. RESOLUÇÃO 4.164, DE 20/12/2012: A medida promove ajustes nos normativos do Pronaf Crédito: 1. Altera

Leia mais

Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui.

Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui. Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui. TÍTULO: CRÉDITO RURAL CAPÍTULO: Operações - 3 SEÇÃO: Créditos de Custeio - 2 1 - O custeio rural classifica-se como: (Res a) agrícola; b) pecuário; c) de beneficiamento

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA.

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA. 1 - INTRODUÇÃO No período de 01 a 14 de abril de 2007, os técnicos da CONAB e das instituições com as quais mantém parceria visitaram municípios produtores de café em Minas Gerais, Espírito Santo, São

Leia mais

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013 PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL novembro de 2013 EVOLUÇÃO DO FINANCIAMENTO RURAL 160,0 1200% 140,0 1100% 1000% 120,0 900% BILHÕES 100,0 80,0 60,0 40,0 424% 349% 800% 700% 600%

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR Foi realizado no dia 12 de julho de 2012 em Londrina (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

MECANISMOS DE COMERCIALIZAÇÃO DA CONAB MAPA. - PROP - Contrato de Opção - VEP - PEP - AGF

MECANISMOS DE COMERCIALIZAÇÃO DA CONAB MAPA. - PROP - Contrato de Opção - VEP - PEP - AGF MECANISMOS DE COMERCIALIZAÇÃO DA CONAB MAPA - PROP - Contrato de Opção - VEP - PEP - AGF PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS - PAA Comercialização e Abastecimento Grupo de Trabalho CONSEA MDS IPEA MDA MAPA

Leia mais

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Belo Horizonte/MG, 21 de junho de 2010 Segmentação A s eg mentação es tá pres ente em todos os mercados, incluindo o mercado do turis mo;

Leia mais

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DMNSTRÇÃ FNNCER Uma bordagem Prática 5a. Edição Editora tlas Masakazu Hoji NTRDUÇÃ À Capítulo 1 DMNSTRÇÃ FNNCER 1.1 dministração financeira nas empresas 1.2 ntegração dos conceitos contábeis com os conceitos

Leia mais

Telecomunicações Básico

Telecomunicações Básico Telecomunicações Básico Prof. MSc. Eng. ! "!"!"#$ %!"# #% # $ &# #!% '($ ) ) *+, ) $-!.) / 0 1#() 0!2) $% & '() * %# ') % &# /) *%+,,%-, 334-3564.7 &3897.%& / /% 0 0% 1 0 :'( : : $00'( :'(;< : 4.*6 :4.*6

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

Boletim Ativos do Café - Edição 15 / Dezembro 2013 Preços do café intensificam a descapitalização na cafeicultura brasileira em 2013

Boletim Ativos do Café - Edição 15 / Dezembro 2013 Preços do café intensificam a descapitalização na cafeicultura brasileira em 2013 Boletim Ativos do Café - Edição 15 / Dezembro 2013 Preços do café intensificam a descapitalização na cafeicultura brasileira em 2013 Entre janeiro/13 e novembro/13 o Coffea arabica (Arábica) apresentou

Leia mais

EVITANDO NOVAS CRISES E CRIANDO A CAFEICULTURA DO FUTURO

EVITANDO NOVAS CRISES E CRIANDO A CAFEICULTURA DO FUTURO EVITANDO NOVAS CRISES E CRIANDO A CAFEICULTURA DO FUTURO A cafeicultura brasileira, vitimada por longo período de preços baixos, empreendeu um esforço imenso para tornar-se mais eficiente e ganhar competitividade.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013 Altera as normas para contratação das operações de crédito fundiário ao amparo do Fundo de Terras e da Reforma Agrária, de que trata a Seção 1 do Capítulo 12

Leia mais

Gerente de Mercados da OCB. Brasília, 08 de abril de 2011

Gerente de Mercados da OCB. Brasília, 08 de abril de 2011 ENDIVIDAMENTO DO SETOR AGROPECUÁRIO EVANDRO SCHEID NINAUT Gerente de Mercados da OCB Brasília, 08 de abril de 2011 Organização das Cooperativas Brasileiras Ci Criada em 1.969 IV Congresso Brasileiro i

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 HTTPS G I S G ui a de T ra n sf er ên ci a d e Ar qu i vo s 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

Safra 2008 Primeira Estimativa Janeiro/2008

Safra 2008 Primeira Estimativa Janeiro/2008 Safra 2008 Primeira Estimativa Janeiro/2008 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento do Café DCAF Companhia Nacional de Abastecimento CONAB

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

23ª Abertura Oficial da COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS

23ª Abertura Oficial da COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS 23ª Abertura Oficial da COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS Carteira de Crédito Sicredi Fevereiro/2013 Saldo da Carteira de Crédito do Sicredi Carteira de Crédito Sicredi R$ 10.310,12 56,13% R$ 4.563,96

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

O USO DAS FÁBULAS NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (E/LE) Uma experiência com alunos do 3ª ano do fundamental I.

O USO DAS FÁBULAS NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (E/LE) Uma experiência com alunos do 3ª ano do fundamental I. O USO DAS FÁBULAS NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (E/LE) Uma experiência com alunos do 3ª ano do fundamental I. DAN TAS 1, Jessica Soares SILVA 2, Mykeline Vieira da CCHLA/ DLEM/ PROBEX RES

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O A B O R T O : U M A Q U E S T Ã O M O R A L, L E G A L, C U L T U R A L E E C O N Ô M I C A C U R I T I B A

Leia mais

Bureau de Inteligência Competitiva do. Café. Série Potenciais Concorrentes do Café Brasileiro Peru Nº. 6 28/10/2013. www.icafebr.

Bureau de Inteligência Competitiva do. Café. Série Potenciais Concorrentes do Café Brasileiro Peru Nº. 6 28/10/2013. www.icafebr. Bureau de Inteligência Competitiva do Café Série Potenciais Concorrentes do Café Brasileiro Peru Nº. 6 28/10/2013 www.icafebr.com PARA TER ACESSO AOS DEMAIS RELATÓRIOS DO BUREAU, NOTÍCIAS E COTAÇÕES, ACESSE:

Leia mais

Profa. Dra. C ristina Pereira G aglianone

Profa. Dra. C ristina Pereira G aglianone Profa. Dra. C ristina Pereira G aglianone C en t r o C o l a b o r a d o r em A l i m en t aç ão e N u t r i ç ão E sc o l ar U n i v e r si d ad e F ed er al d e S ão P au l o P r o je t o d e L e i 6

Leia mais

! $&% '% "' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 / " ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',!

! $&% '% ' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 /  ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',! "#$%% $&% '% "' ' '# '"''%(&%') '*'+&%'# ),'#+# ' %, # - ' # ' "%'''' ' * '. % % ', '%'# ''''') /%, 0.1 2 / " ') 33*&,% *"'",% '4'5&%64'' # ' + 7*' # + "*''''' 12''&% '''&")#'35 ''+,'#.8.&&%, 1 92 '. #

Leia mais

Rita Alexandra Manso Araújo. As relações negociais entre jornalistas e fontes: o caso da Saúde. Universidade do Minho Instituto de Ciências Sociais

Rita Alexandra Manso Araújo. As relações negociais entre jornalistas e fontes: o caso da Saúde. Universidade do Minho Instituto de Ciências Sociais Rita Alexandra Manso Araújo As relações negociais entre jornalistas e fontes: o caso da Saúde UMinho 2012 Rita Alexandra Manso Araújo As relações negociais entre jornalistas e fontes: o caso da Saúde Universidade

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C iclo de vida : Do pneu novo ao pneu us ado FABRICAÇÃO IMPORTAÇÃO MERCADO Pneus Novos EXPORTADOS Pneus novos Fora do

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS SAFRA 2008/2009 67% Exportação 89% Café verde 18% Alemanha 18% EUA 10% Japão 9% Itália CAFÉ 49,2 milhões de sacas de

Leia mais

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 24 DE JANEIRO DE 2014)

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 24 DE JANEIRO DE 2014) NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 24 DE JANEIRO DE ) NORMATIVO PERMANENTE DISPOSTO NO MCR 2.6.9 e MCR 10.1.24 a 26 MCR 2.6.9 Permanente Parcelas a vencer/ operações com ou

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA Os produtores de Luís Eduardo Magalhães se reuniram, em 09/04, para participarem do levantamento de custos de produção de café

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

TÍTULO. Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA

TÍTULO. Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA TÍTULO Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA Lei 11.326/06 Art. 3o Para os efeitos desta Lei, considera-se agricultor familiar e empreendedor familiar rural aquele que pratica atividades

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Superior de Tecnologia em Cafeicultura

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Superior de Tecnologia em Cafeicultura INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Superior de Tecnologia em Cafeicultura JEAN STEPHANO GOULART PREÇOS DO CAFÉ Muzambinho 2009 JEAN STEPHANO

Leia mais

P R O A G R O. Programa de Garantia da Atividade Agropecuária. Deoclécio Pereira de Souza. Rio Branco (AC) 22-07-2008

P R O A G R O. Programa de Garantia da Atividade Agropecuária. Deoclécio Pereira de Souza. Rio Branco (AC) 22-07-2008 P R O A G R O Programa de Garantia da Atividade Agropecuária Deoclécio Pereira de Souza Rio Branco (AC) 22-07-2008 1 1.a S E G U R O A - M U N D O ANO > 1347 LOCAL > GÊNOVA - Itália FATO > 1º CONTRATO

Leia mais

O BID E A AGRICULTURA NA ALC - Financiando oportunidades para o desenvolvimento do setor cafeeiro

O BID E A AGRICULTURA NA ALC - Financiando oportunidades para o desenvolvimento do setor cafeeiro O BID E A AGRICULTURA NA ALC - Financiando oportunidades para o desenvolvimento do setor cafeeiro 4.º Fórum Consultivo da Organização Internacional do Café (OIC) Londres, Reino Unido, 23 de setembro de

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

Missa Nossa Senhora do Brasil

Missa Nossa Senhora do Brasil é%0'.m> }JÍU Pe. José Alves Mssa Nossa Senhoa do Basl PARTTURA Paa 3 vozes guas e Assebléa (*) (*) A pate paa Assebléa é edtada sepaadaente " en cha A 10. Publcado pela: Cossão Aqudocesana de Músca Saca

Leia mais

Ministério da Integração Nacional Conselho Deliberativo CONDEL/SUDECO Banco do Brasil S.A. ADMINISTRADORES

Ministério da Integração Nacional Conselho Deliberativo CONDEL/SUDECO Banco do Brasil S.A. ADMINISTRADORES Ministério da Integração Nacional Conselho Deliberativo CONDEL/SUDECO Banco do Brasil S.A. ADMINISTRADORES Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Informações Gerenciais Julho de 2015 ÍNDICE

Leia mais

Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de

Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação!" !" $%& '( ) %) * +, - +./0/1/+10,++$.(2

Leia mais

Tributação indireta nos custos de produção e comercialização do café.

Tributação indireta nos custos de produção e comercialização do café. 41 Tributação indireta nos custos de produção e comercialização do café. Recebimento dos originais: 21/11/2008 Aceitação para publicação: 25/05/2009 Resumo Luiz Antônio Abrantes Doutor em Administração

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP A utilização do ICMS como instrumento de indução do desenvolvimento regional. Reforma tributária A questão regional é uma das questões

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERCADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: JULHO/2014

Leia mais

PJ 71/14. 29 janeiro 2014 Original: francês. Comitê de Projetos 7. a reunião 6 março 2014 Londres, Reino Unido

PJ 71/14. 29 janeiro 2014 Original: francês. Comitê de Projetos 7. a reunião 6 março 2014 Londres, Reino Unido PJ 71/14 29 janeiro 2014 Original: francês P Comitê de Projetos 7. a reunião 6 março 2014 Londres, Reino Unido Desenvolvimento do setor cafeeiro nos Camarões através de uma estrutura de cooperação com

Leia mais

Resultados, mudanças e desafios do PAA: uma pauta para o aprimoramento do Programa na Bahia

Resultados, mudanças e desafios do PAA: uma pauta para o aprimoramento do Programa na Bahia Resultados, mudanças e desafios do PAA: uma pauta para o aprimoramento do Programa na Bahia Foto: ASCOOB Guilherme Cerqueira Martins e Souza 1 Wilson Vasconcelos Dias 2 1 Economista, UFBA, Consultor do

Leia mais

A balança comercial do agronegócio brasileiro

A balança comercial do agronegócio brasileiro A balança comercial do agronegócio brasileiro Antonio Carlos Lima Nogueira 1 Qual é a contribuição atual dos produtos do agronegócio para o comércio exterior, tendo em vista o processo atual de deterioração

Leia mais

Comitê de Financiamento do Agronegócio

Comitê de Financiamento do Agronegócio Comitê de Financiamento do Agronegócio SUB-COMITÊ CRÉDITO Propostas para aumentar irrigação de crédito à agricultura empresarial Circulação Restrita Há fundos, há bancos e há instrumentos. Só precisa melhorar

Leia mais

MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006

MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006 MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006 A Diretoria do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul BRDE, em cumprimento às determinações legais e regimentais, apresenta as Demonstrações Financeiras relativas

Leia mais