Clusters de Alta Disponibilidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Clusters de Alta Disponibilidade"

Transcrição

1 Lucas de Stefano Shida - R.A: Lilian Medeiros - R.A: Rafael Torato Rocha Renata Ferro R.A: Ronaldo A. Barbosa - R.A: Clusters de Alta Disponibilidade CAMPINAS 2011

2 RESUMO Viemos com esse trabalho passar uma noção melhor do que é um cluster (principalmente clusters de alta disponibilidade), como é seu funcionamento, implementação utilizando o HeartBeat. Palavras-Chaves: Cluster, Alta Disponibilidade, HeartBeat

3 1. INTRODUÇÃO Devido a grande necessidade de se manter os serviços sempre ativos, sem falhas e no ar durante a maior parte do tempo é necessário a implementação de um serviço que garante essa possibilidade, então, surgemse os Clusters de Alta Disponibilidade, que é o nosso foco nesse trabalho. Este trabalho baseia-se no artigo Cluster de Alta Disponibilidade [1] e quando houver outras citações as mesmas estarão devidamente referenciadas. 2. O QUE SÃO CLUSTERS? Podemos definir cluster como um sistema que compreende dois ou mais computadores ou sistemas, denominados nós, que trabalham em conjunto para realizar as tarefas, dando assim, a impressão de ser um só equipamento. 2.1 Para que se utilizar um Cluster? Os clusters são utilizados quando se há a necessidade de processar dados críticos e/ou a disponibilização de serviços/recursos durante a maior parte do tempo. 3. TIPOS DE CLUSTER Existem basicamente quatro tipos de cluster, que são: Alta disponibilidade (High Availability ou HA and Failover), Balanceamento de Carga (Load Balance), Combinação Alta disponibilidade e Balanceamento de carga (HA & Load Balance) e Processamento distribuído ou Processamento Paralelo (HPC).

4 3.1 Clusters de Alta Disponibilidade Os clusters de alta disponibilidade são construídos para prover grande disponibilidade de serviços e recursos de maneira interrupta. Se um nó do cluster falhar, os serviços, dados, aplicações, etc., estarão disponíveis no outro nó. 3.2 Balanceamentos de Carga Os clusters de balanceamento de carga distribuem o tráfego ou requisições de recursos entre os nós que executam os mesmos programas/serviços e caso haja falha de um nó, é feita a redistribuição de carga. 3.3 Combinação Alta disponibilidade e Balanceamento de Carga Combina os dois tipos de clusters apresentados acima, aumentando a disponibilidade e escalabilidade dos serviços e recursos. 3.4 Processamento distribuído ou Processamento Paralelo Utilizados em computação cientifica ou analise financeira, onde tarefas típicas exigem um alto poder de processamento, uma grande tarefa pode ser dividida em pequenas tarefas que são distribuídas entre os nós, aumentando assim a disponibilidade e o desempenho, um exemplo é o projeto Beowulf da NASA. 4. CLUSTERS DE ALTA DISPONIBILIDADE Conforme vimos anteriormente os clusters de alta disponibilidade são construídos para prover grande disponibilidade de serviços e recursos de maneira interrupta. A Alta Disponibilidade se da a diversos fatores que garantem tal fato, onde é empregada a seguinte fórmula:

5 Disponibilidade = Tempo médio entre falhas / (Tempo médio entre falhas + tempo médio para realização do reparo) 4.1 Funcionamento e Implementação Como funciona um cluster? Como é feito o failover (a virada dos recursos/tarefa)? Para isso utilizamos no Linux um sistema chamado Heartbeat que é o responsável pela parada e o inicio de serviços nos nós do cluster, e o DRBD, que fica responsável em manter os HDs dos servidores sincronizados, como uma espécie de RAID 1 via rede. Quando o servidor 1 para, o hd do servidor 2 assume o papel de hd primário e quando o servidor 1 volta, o mesmo volta a ser o hd secundário, lembrando que, toda essa mudança de serviços tem que ser transparente para o usuário. Na questão de hardware. Todos servidores devem ter no mínimo 2 placas de rede, uma que estará ligada através de um switch para acesso a rede/internet e outra que estará ligada diretamente ao outro nó do cluster através de um cabo de rede crossover, que é essa a interface que será monitorada pelo HeartBeat. Logo a frente, explicaremos como é feita a configuração do HeartBeat em um servidor Linux. Agora vamos lá, o que levaria um nó do cluster a parar? Há vários motivos como, por exemplo, os descritos na tabela abaixo. Tipo de Falha Falha Possível Solução Rede Elétrica Queda Total ou Parcial da Energia Implementação de um UPS (Uninterruptible Power Supply) e geradores de energia Rede de Dados Inoperância de ativos de rede (placas de rede, switch) elétrica Redundância de placas de redes com uso de bonding e uso de switches com stacking e suporte a 802.3ad Hardware Problemas na fonte de Redundância de fonte alimentação (Hotswap) Hardware Falha no disco Utilziar RAID (nível de

6 software ou hardware) Software Falha de sistemas/apps Redundância de sistemas/app Software Corrupção no Sistema Redundância de Hardware/Software DataCenter Operacional Falha completa no servidor (memória, processador, discos, SO, etc) Desastres Naturais/ Incidentes criminosos servidores Redundância de servidores Redundância de DataCenters 5. HEARTBEAT Como dito anteriormente, o HeartBeat é uma daemon que monitora o status dos servidores através da emissão de um pulso que avisa ao nó secundário que o primário está ativo. Mostraremos a seguir (em texto e na Figura 1), como se deve configurar os 2 servidores (ambos utilizando Linux, no caso do exemplo, CentOS 5.5) e terem a MESMA configuração. [2]

7 Primeiramente, devemos instalar o pacote: $yum install heartbeat (Yum = gerenciador de instalação/atualização/remoção de pacotes em distribuições baseadas em RedHat) pois estamos usando o CentOS). Configuração da Rede no servidor master: Interface de LAN (eth0) Editar o arquivo /etc/sysconfig/network-scripts/ifcfg-eth0, e deixar conforme o abaixo (logico que, as regras de IP atribuem-se somente o exemplo, devendo-se utilizar a configuração de ips de acordo com a sua rede). $ vi /etc/sysconfig/network-scripts/ifcfg-eth0 DEVICE=eth0 BOOTPROTO=static IPADDR= NETMASK= ONBOOT=yes Interface do Heartbeat (eth1) Editar o arquivo /etc/sysconfig/networkt-scripts/ifcfg-eth1, e deixar conforme abaixo: $ vi /etc/sysconfig/network-scripts/ifcfg-eth1 DEVICE=eth1 BOOTPROTO=static IPADDR= NETMASK= ONBOOT=yes Configuração de rede no servidor slave. Interface de LAN (eth0) Editar o arquivo /etc/sysconfig/network-scripts/ifcfg-eth0, e deixar conforme o abaixo (logico que, as regras de IP atribuem-se somente o exemplo, devendo-se utilizar a configuração de ips de acordo com a sua rede).

8 $ vi /etc/sysconfig/network-scripts/ifcfg-eth0 DEVICE=eth0 BOOTPROTO=static IPADDR= NETMASK= ONBOOT=yes Interface do Heartbeat (eth1) Editar o arquivo /etc/sysconfig/networkt-scripts/ifcfg-eth1, e deixar conforme abaixo: $ vi /etc/sysconfig/network-scripts/ifcfg-eth1 DEVICE=eth1 BOOTPROTO=static IPADDR= NETMASK= ONBOOT=yes Depois de ter instalado o HeartBeat, será criado o diretório /etc/ha.d/, que é o diretório de configuração do heartbeat. Dentro desse diretório há o arquivo ha.cf (caso não tenha, deve ser criado), pois é o arquivo onde são definidas todas as configurações do heartbeat Exemplo de um arquivo de configuração ha.cf # Arquivo de log de Debug: debugfile /var/log/ha-debug # Arquivo de Log logfile /var/log/ha-log # Usa o próprio heartbeat como daemon de log logfacility daemon # Frequência em segundo(s) de batimentos cardíacos keepalive 1 #Tempo mínimo para declarar o outro servidor como morto deadtime 10 # Quanto tempo o heartbeat deve esperar por bits atrasados warntime 5

9 # Tempo máximo para declarar o outro servidor como morto initdead 120 # Porta de sincronia do heartbeat udpport 694 # Endereço de broadcast da rede - usada para setar o endereço primário do servidor bcast eth2 # Determina se o serviço volta para o master caso ele volte a responder. auto_failback on # Nós do cluster devem ser escritos conforme a saída do comando #uname n node webserver1 node webserver2 # Endereço ip em comum para testes de conectividade ping (ex. router do servidor web) # Plugin que auxilia no monitoramento de conexões entre a rede respawn hacluster /usr/lib/heartbeat/ipfail # Se usa o syslog ou não use_logd off # Compactação de dados compression bz2 # Compactação de dados compression_threshold 2 Depois de configurar o arquivo, ha.cf deve-se criar um arquivo (haresources) onde conterá o hostname do servidor master, seu ip e o serviço monitorado pelo mesmo, conforme exemplificado abaixo (o script para monitoramento do apache fica em /etc/ha.d/resource.d/): webserver apache Ao concluir a configuração, deve-se criar o arquivo de autenticação dos dois nós (edite o arquivo /etc/ha.d/authkeys) auth 1 1 md5 <coloque a senha aqui> Pronto, seu HeartBeat está configurado.

10 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS Esperamos que com esse artigo, possamos esclarecer as duvidas referentes a clusters, de como funcionava, de como tudo era migrado para o outro nó, que aplicativo usar para isso,etc. 7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] REIS, Adrieli Cristiane de Freitas et al. CLUSTER DE ALTA DISPONIBILIDADE. Guaratinguetá. Disponível em: <http://www.4learn.pro.br/guarino/sd/ha.pdf> Acesso em: 15 Agos. De [2] PEREIRA, Michel. HEARTBEAT WEB SERVER COM ALTA DISPONIBILDIADE (HA). Goiânia: Disponivel em: <http://www.vivaolinux.com.br/dica/heartbeat-web-server-com-alta- Disponibilidade-%28HA%29> Acesso em: 15 Agos. De 2011.

HeartBeat - Web server com Alta Disponibilidade

HeartBeat - Web server com Alta Disponibilidade 1 de 5 29/10/2010 18:10 Todo o site» O que é GNU/Linux Download do GNU/Linux Anuncie Fale Login Cadastre-se Conosco Visite também: Segurança Linux BR-Linux.org Dicas-L NoticiasLinux SoftwareLivre.org UnderLinux

Leia mais

CLUSTER DE ALTA DISPONIBILIDADE COM ARQUITETURA HEARTBEAT

CLUSTER DE ALTA DISPONIBILIDADE COM ARQUITETURA HEARTBEAT Revista Rios Eletrônica - Revista Científica da Fasete ano 2 n. 2 dezembro de 2008 CLUSTER DE ALTA DISPONIBILIDADE Bacharelando do curso de Sistemas de Informação da Faculdade Sete de Setembro FASETE RESUMO

Leia mais

Tutorial: Configurando Alta-disponibilidade utilizando SUSE Enterprise Server 10

Tutorial: Configurando Alta-disponibilidade utilizando SUSE Enterprise Server 10 Tutorial: Configurando Alta-disponibilidade utilizando SUSE Enterprise Server 10 Observações: 1º - Iremos levar em consideração que você possui uma instalação limpa do sistema operacional SUSER Enterprise

Leia mais

Alta disponibilidade em servidores GNU/Linux

Alta disponibilidade em servidores GNU/Linux Universidade Federal da Bahia Departamento de Ciência da Computação Curso de extensão em Administração de Serviços GNU/Linux Alta disponibilidade em servidores GNU/Linux Italo Valcy italo@dcc.ufba.br Aspectos

Leia mais

Cluster de serviços e alta disponibilidade com Software Livre. Autor: Patrick Melo Contato: patrickimelo3@gmail.com Twitter LinkedIn

Cluster de serviços e alta disponibilidade com Software Livre. Autor: Patrick Melo Contato: patrickimelo3@gmail.com Twitter LinkedIn Cluster de serviços e alta disponibilidade com Software Livre Autor: Patrick Melo Contato: patrickimelo3@gmail.com Twitter LinkedIn Resumo A dependência de sistemas computacionais se tornou visível nos

Leia mais

Uma implementação de alta disponibilidade em Firewall Linux

Uma implementação de alta disponibilidade em Firewall Linux Uma implementação de alta disponibilidade em Firewall Linux ALISSON MARQUES DA SILVA 1 JOAQUIM QUINTEIRO UCHÔA 2 1 Fadom - Fac. Integradas do Oeste de Minas - CEP 35500-286 Divinópolis (MG) alisson@fadom.br

Leia mais

Elton Martins Levita. Alta Disponibilidade como Alternativa ao Uso de Servidores BDC em Ambientes Samba

Elton Martins Levita. Alta Disponibilidade como Alternativa ao Uso de Servidores BDC em Ambientes Samba Elton Martins Levita Alta Disponibilidade como Alternativa ao Uso de Servidores BDC em Ambientes Samba Monografia de Pós-Graduação Lato Sensu apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade

Leia mais

LOADBALANCE DEBIAN LENNY.

LOADBALANCE DEBIAN LENNY. LOADBALANCE DEBIAN LENNY. Para esta configuração estarei usando quatro maquinas com Debian lenny 5.04, das quais duas estarão com heartbeat e ldirectord, balanceando os servidores web com apache2. O heartbeat

Leia mais

05/08/2013. Sistemas Distribuídos Cluster. Sistemas Distribuídos Cluster. Agenda. Introdução

05/08/2013. Sistemas Distribuídos Cluster. Sistemas Distribuídos Cluster. Agenda. Introdução Sistemas Distribuídos Cluster Originais gentilmente disponibilizados pelos autores em http://www.cdk4.net/wo/ Adaptados por Társio Ribeiro Cavalcante Agenda 1. Introdução 2. O que é um cluster 3. Alta

Leia mais

Configuração de Rede

Configuração de Rede Configuração de Rede Introdução Quando uma interface de rede comum, que utiliza o padrão de rede Ethernet, é reconhecida no sistema (seja na inicialização ou acionando o módulo desta interface), o sistema

Leia mais

Alta Disponibilidade na IPBRICK

Alta Disponibilidade na IPBRICK Alta Disponibilidade na IPBRICK IPBRICK International 5 de Dezembro de 2012 1 Conteúdo 1 Introdução 3 1.1 Vantagens.................................... 3 2 Requisitos HA 4 3 Configuração HA 4 3.1 Serviço

Leia mais

V ENSOL. Construindo Firewalls Redundantes em Ambientes GNU/Linux Segurança e Alta Disponibilidade. Jansen Sena. Julho, 2011. João Pessoa, PB.

V ENSOL. Construindo Firewalls Redundantes em Ambientes GNU/Linux Segurança e Alta Disponibilidade. Jansen Sena. Julho, 2011. João Pessoa, PB. V ENSOL Construindo Firewalls Redundantes em Ambientes GNU/Linux Segurança e Alta Disponibilidade Jansen Sena Julho, 2011. João Pessoa, PB. Sobre o palestrante Formação acadêmica e técnica Segurança de

Leia mais

FISL 13. Fórum Internacional de Software Livre

FISL 13. Fórum Internacional de Software Livre FISL 13 Fórum Internacional de Software Livre Criando um storage iscsi com PCs, Linux e software livre. Que tal? Administração de Sistemas e Alta Disponibilidade Jansen Sena Julho, 2012. Porto Alegre,

Leia mais

SEGURANÇA DE REDE DE COMPUTADORES E SEGURANÇA E AUDITORIA DE SISTEMAS

SEGURANÇA DE REDE DE COMPUTADORES E SEGURANÇA E AUDITORIA DE SISTEMAS Ambiente com Alta Disponibilidade Segurança em Redes de Computadores e Auditoria de Sistemas Emanuel Rebouças, MBA Um Portal Web 1 O que imagina quando... Seu cliente te fala precisamos criar um portal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO NUCLEO DE COMPUTAÇÃO ELETRÔNICA PÓS-GRADUAÇÃO EM GERÊNCIA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (MSI) Felipe Martins Rôlla

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO NUCLEO DE COMPUTAÇÃO ELETRÔNICA PÓS-GRADUAÇÃO EM GERÊNCIA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (MSI) Felipe Martins Rôlla I UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO NUCLEO DE COMPUTAÇÃO ELETRÔNICA PÓS-GRADUAÇÃO EM GERÊNCIA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (MSI) Felipe Martins Rôlla DESENVOLVENDO FIREWALLS SEGUROS EM AMBIENTES DE

Leia mais

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Windows 2003 Server Introdução Nessa Aula: É apresentada uma visão rápida e geral do Windows Server 2003. O Foco a partir da próxima aula, será no serviço de Diretórios

Leia mais

Computação em cluster

Computação em cluster Computação em cluster Por Marcos Pitanga em 30 de maio de 2003 Introdução Este artigo tem por finalidade dar ao leitor uma visão mais integrada do que vem a ser a computação em cluster e como esta a cada

Leia mais

Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X

Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X A primeira coisa a analisarmos é onde ficará posicionado o servidor de Raio-x na rede do cliente, abaixo será colocado três situações básicas e comuns

Leia mais

Roteador Load-Balance / Mikrotik RB750

Roteador Load-Balance / Mikrotik RB750 Roteador Load-Balance / Mikrotik RB750 Equipamento compacto e de alto poder de processamento, ideal para ser utilizado em provedores de Internet ou pequenas empresas no gerenciamento de redes e/ou no balanceamento

Leia mais

Confguração básica da rede

Confguração básica da rede Confguração básica da rede www.4linux.com.br - Sumário Capítulo 1 Confguração básica da rede...3 1.1. Objetivos... 3 1.2. Mãos a obra...4 Capítulo 2 Gerenciando... 13 2.1. Objetivos... 13 2.2. Troubleshooting...

Leia mais

Agregação de enlace ethernet e balanceamento de carga

Agregação de enlace ethernet e balanceamento de carga Agregação de enlace ethernet e balanceamento de carga Sobre LAG na terminologia ethernet: Agregação de enlace (link aggregation), balanceamento de carga (load balancing), ligação de enlace (link bonding)

Leia mais

Guia de Configuração para Alta Disponibilidade AG500

Guia de Configuração para Alta Disponibilidade AG500 Guia de Configuração para Alta Disponibilidade AG500 Setembro 2011, Rev. 2 Copyright Aligera Equipamentos Digitais, Porto Alegre - RS, Brasil. Todos os direitos reservados. A Aligera se reserva o direito

Leia mais

Como é o Funcionamento do LTSP

Como é o Funcionamento do LTSP Instalação e configuração do LTSP 5 no Ubuntu 11.04 Funcionamento do LTSP e Instalação do Servidor Como é o Funcionamento do LTSP O primeiro requisito para que o LSTP funcione bem é ter uma rede de boa

Leia mais

Curso: Superior Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: Sistemas Distribuídos Professor: Társio Ribeiro Cavalcante

Curso: Superior Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: Sistemas Distribuídos Professor: Társio Ribeiro Cavalcante Curso: Superior Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: Sistemas Distribuídos Professor: Társio Ribeiro Cavalcante Exercício Cluster Implementar um Cluster em ambiente Windows. Recursos:

Leia mais

Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede

Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede Laboratório de Redes de Computadores 2 8 o experimento Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede Introdução A interligação de

Leia mais

Supercomputadores dominavam o mercado

Supercomputadores dominavam o mercado Clusters e Grids Introdução Supercomputadores dominavam o mercado Alto custo Requerem mão de obra muito especializada Desenvolvimento de microprocessadores poderosos a um baixo custo Desenvolvimento de

Leia mais

Alta disponibilidade em Ambiente EAD TelEduc

Alta disponibilidade em Ambiente EAD TelEduc Alta disponibilidade em Ambiente EAD TelEduc CLODONIL HONÓRIO TRIGO 1 1 Centro Universitário Adventista de São Paulo - CEP 05858-001 São Paulo (SP) clodonil@nisled.org Resumo: O ensino a distância ganhou

Leia mais

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters. Prof. Charles Christian Miers. e-mail: charles.miers@udesc.br

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters. Prof. Charles Christian Miers. e-mail: charles.miers@udesc.br OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br Redundância e Alta Disponibilidade Redundância: Duplicação de um elemento da infraestrutura

Leia mais

Otimização de banda utilizando IPANEMA. Matheus Simões Martins. Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas

Otimização de banda utilizando IPANEMA. Matheus Simões Martins. Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Otimização de banda utilizando IPANEMA Matheus Simões Martins Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Novembro de 2009 Resumo O projeto

Leia mais

cio Roteamento Linux

cio Roteamento Linux Exercício cio Roteamento Linux Edgard Jamhour Exercícios práticos para configuração de roteamento usando Linux Esses exercícios devem ser executados através do servidor de máquinas virtuais: espec.ppgia.pucpr.br

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Trabalho elaborado por: 980368 - Sérgio Gonçalves Lima 1010949 - Nisha Sudhirkumar Chaganlal Clusters O que é

Leia mais

PROVA COMENTADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA AO CARGO DE ASSISTENTE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO

PROVA COMENTADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA AO CARGO DE ASSISTENTE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO PROVA COMENTADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA AO CARGO DE ASSISTENTE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO Olá pessoal da Editora Ferreira. Abraços a todos! Vamos responder e comentar as questões de informática de uma maneira

Leia mais

Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on

Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on Windows Server 2012 Virtualização Hyper-v Firewall Pfsense C o n t e ú d o d o c u r s o H a n d s - on 2 Sumário 1 Conteúdo Windows 2012... 3 2 Conteúdo Virtualização...

Leia mais

Programas Livres para a Alta Disponibilidade em Servidores

Programas Livres para a Alta Disponibilidade em Servidores Programas Livres para a Alta Disponibilidade em Servidores Hugo Roger Cleber Clauzio Serviços em Redes de Computadores Profº João Eriberto Mota Filho Agenda Alta disponibilidade conceito calculo/medida

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 REPLICAÇÃO E ALTA DISPONIBILIDADE NO SQL SERVER 2012 Renata Azevedo Santos Carvalho 1 RESUMO Neste artigo serão relatadas as novidades que o SQL Server 2012 vem trazendo nesta sua nova versão no que se

Leia mais

Servidor DHCP. Instalação e Configuração Servidores de Rede. Cet Redes, Projecto e Instalação de Redes Locais de Computadores. Docente: André Martins

Servidor DHCP. Instalação e Configuração Servidores de Rede. Cet Redes, Projecto e Instalação de Redes Locais de Computadores. Docente: André Martins Cet Redes, Projecto e Instalação de Redes Locais de Computadores Instalação e Configuração Servidores de Rede Docente: André Martins Servidor DHCP Elaborado por : João Caixinha Nº5946 Pedro Jorge Nº5979

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Uma Rede de Computadores consistem em dois ou mais dispositivos, tais como computadores, impressoras e equipamentos relacionados, os

Leia mais

Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf

Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE TECNOLOGIA DA BAIXADA SANTISTA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA GESTÃO DE NEGÓCIOS Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf ALEXANDRE

Leia mais

XDOC. Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos

XDOC. Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos XDOC Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos ObJetivo Principal O Que você ACHA De ter Disponível Online todos OS Documentos emitidos por SUA empresa em UMA intranet OU Mesmo NA

Leia mais

UDPcast Clonagem de HDs via rede utilizando

UDPcast Clonagem de HDs via rede utilizando Manual Clonando Discos com o UDPcast Clonagem de HDs via rede utilizando o UDPCast. Produzido por: Sergio Graças Giany Abreu Desenvolvedores do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Clonando Discos com o UDPcast

Leia mais

EAGLE TECNOLOGIA E DESIGN CRIAÇÃO DE SERVIDOR CLONE APCEF/RS

EAGLE TECNOLOGIA E DESIGN CRIAÇÃO DE SERVIDOR CLONE APCEF/RS EAGLE TECNOLOGIA E DESIGN CRIAÇÃO DE SERVIDOR CLONE APCEF/RS Relatório Nº 03/2013 Porto Alegre, 22 de Agosto de 2013. ANÁLISE DE SOLUÇÕES: # RAID 1: O que é: RAID-1 é o nível de RAID que implementa o espelhamento

Leia mais

Comunicação via interface SNMP

Comunicação via interface SNMP Comunicação via interface SNMP 1 - FUNCIONAMENTO: Os No-breaks PROTEC possuem 3 interfaces de comunicação: Interface RS232, interface USB e interface SNMP. Todas elas permitem o controle e o monitoramento

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

Caso de sucesso. A implementação de infraestrutura Cisco garante à MGR maior eficiência e qualidade nos serviços de Supply Chain. Impacto no Negócio

Caso de sucesso. A implementação de infraestrutura Cisco garante à MGR maior eficiência e qualidade nos serviços de Supply Chain. Impacto no Negócio Alta disponibilidade e segurança para a indústria automotiva A implementação de infraestrutura Cisco garante à MGR maior eficiência e qualidade nos serviços de Supply Chain. Caso de sucesso A Empresa Impacto

Leia mais

Ilustração 1: Componentes do controle de acesso IEEE 802.1x

Ilustração 1: Componentes do controle de acesso IEEE 802.1x Laboratório de RCO2 10 o experimento Objetivos: i) Configurar o controle de acesso IEEE 802.1x em uma LAN ii) Usar VLANs dinâmicas baseadas em usuário Introdução A norma IEEE 802.1x define o controle de

Leia mais

MRTG Multi Router Traffic Grapher

MRTG Multi Router Traffic Grapher MRTG Multi Router Traffic Grapher Alunos: Mateus Matias Luiz Edu Rodrigues Higor Rocha Luis Henrique Índice Introdução... 3 Características... 4 Gerenciamento de Rede... 5 Tutorial... 6 Gráficos... 7 Bibliografia...

Leia mais

Administração de Sistemas Informáticos I

Administração de Sistemas Informáticos I ISEP 1 TEMA Administração do subsistema de rede; Serviços Internet daemon TEÓRICA-PRÁTICA 1. Serviços Internet Daemon Na pasta /etc/rc.d, existe a configuração dos diversos runlevels da máquina. Aos daemons

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers OpenVPN Objetivos Entender como funciona uma VPN Configurar uma VPN host to host O que é uma VPN? VPN Virtual Private Network, é uma rede de comunicação particular, geralmente utilizando canais de comunicação

Leia mais

Administração de Redes Redes e Sub-redes

Administração de Redes Redes e Sub-redes 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administração de Redes Redes e Sub-redes Prof.

Leia mais

Configurando o Balanceamento de Carga em Concentradores VPN 3000

Configurando o Balanceamento de Carga em Concentradores VPN 3000 Configurando o Balanceamento de Carga em Concentradores VPN 3000 Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Principais definições Diagrama de Rede Endereços Restrições

Leia mais

Redes de Computadores Visão Geral de Infraestrutura Física em Redes I. Prof. MSc. Hugo Souza

Redes de Computadores Visão Geral de Infraestrutura Física em Redes I. Prof. MSc. Hugo Souza Redes de Computadores Visão Geral de Infraestrutura Física em Redes I Prof. MSc. Hugo Souza Vimos até agora que as Redes de Computadores possuem vários aspectos conhecidos como sistemas organizacionais

Leia mais

Serial ATA (SATA - Serial Advanced Technology Attachment)

Serial ATA (SATA - Serial Advanced Technology Attachment) Serial ATA (SATA - Serial Advanced Technology Attachment) Introdução Os computadores são constituídos por uma série de tecnologias que atuam em conjunto. Processadores, memórias, chips gráficos, entre

Leia mais

02-Configurando um Servidor DHCP. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

02-Configurando um Servidor DHCP. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com 02-Configurando um Servidor DHCP. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Entendendo o DHCP Entendendo o DHCP Inserindo Servidor na Infra. Instalação do serviço dhcpd3-server

Leia mais

Manual Técnico BRMA BALANCE

Manual Técnico BRMA BALANCE B R M A B a l a n c e Manual Técnico BRMA BALANCE EMPRESA Atuando no segmento de comunicação de dados desde 1998, a BRconnection vem se destacando por desenvolver e disponibilizar ao mercado a solução

Leia mais

Relatorio do trabalho pratico 2

Relatorio do trabalho pratico 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA INE5414 REDES I Aluno: Ramon Dutra Miranda Matricula: 07232120 Relatorio do trabalho pratico 2 O protocolo SNMP (do inglês Simple Network Management Protocol - Protocolo

Leia mais

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação O ProApps Security O ProApps Security é um componente da suíte de Professional Appliance focada na segurança de sua empresa ou rede. A solução pode atuar como gateway e como solução IDS/IPS no ambiente.

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

VOL DAY III Apresenta: FreeBSD e Alta Disponibilidade com HAST + CARP + ZFS

VOL DAY III Apresenta: FreeBSD e Alta Disponibilidade com HAST + CARP + ZFS VOL DAY III Apresenta: FreeBSD e Alta Disponibilidade com HAST + CARP + ZFS Palestrante: Marcelo Gondim gondim@bsdinfo.com.br Versão 1.3 Objetivo: demonstrar como montar uma Alta Disponibilidade usando

Leia mais

Laboratório II Nossa rede ganhou um switch.

Laboratório II Nossa rede ganhou um switch. Laboratório II Nossa rede ganhou um switch. Objetivos do laboratório Entender a diferença de uma rede de difusão para uma rede ponto a ponto Aprender a montar uma 802.1 D Ethernet Bridge Estudar a composição

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 Protocolo de rede... 3 Protocolo TCP/IP... 3 Máscara de sub-rede... 3 Hostname... 3

Leia mais

Redes de Computadores. Guia de Laboratório Configuração de Redes

Redes de Computadores. Guia de Laboratório Configuração de Redes Redes de Computadores LEIC-T 2012/13 Guia de Laboratório Configuração de Redes Objectivos O objectivo do trabalho consiste em configurar uma rede simples usando o sistema Netkit. O Netkit é um emulador

Leia mais

Integração entre o IBM HTTP SERVER, APACHE WEB Server e IBM Websphere Application Server

Integração entre o IBM HTTP SERVER, APACHE WEB Server e IBM Websphere Application Server Integração entre o IBM HTTP SERVER, APACHE WEB Server e IBM Websphere Application Server Índice Resumo sobre este documento... 3 Integrando o IBM HTTP Server com o IBM WebSphere Application Server... 3

Leia mais

Cluster de Alta Disponibilidade em um Sistema Administrativo Hospitalar

Cluster de Alta Disponibilidade em um Sistema Administrativo Hospitalar Cluster de Alta Disponibilidade em um Sistema Administrativo Hospitalar Julio Cezar Gross Junior 1, Msc. Eduardo Maronãs Monks 1 1 Faculdade de Tecnologia Senac (FATEC) Curso Superior de Tecnologia em

Leia mais

Garantindo a. Máquinas Virtuais do. alta disponibilidade nas. Microsoft Azure MDC305

Garantindo a. Máquinas Virtuais do. alta disponibilidade nas. Microsoft Azure MDC305 Garantindo a alta disponibilidade nas Máquinas Virtuais do Microsoft Azure MDC305 Palestra Quem são os palestrantes? Daniel Mauser Senior Techical Advisor LATAM Escalation Team Lead Email: dmauser@microsoft.com

Leia mais

Como criar máquinas virtuais no VMware ESXi

Como criar máquinas virtuais no VMware ESXi Como criar máquinas virtuais no VMware ESXi A virtualização de desktops pode ser trabalhada sobre servidores virtuais e esta técnica torna nossa tecnologia ainda mais atraente. Certifique-se que o seu

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Senac-RS FATEC Senac Pelotas Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática

Faculdade de Tecnologia Senac-RS FATEC Senac Pelotas Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática Faculdade de Tecnologia Senac-RS FATEC Senac Pelotas Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática EMILENE RIBEIRO CARDOSO SILVEIRA, SABRINE IEPSEN WESTPHAL, GUILHERME

Leia mais

TERMO DE USO DE SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO (SVA)

TERMO DE USO DE SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO (SVA) TERMO DE USO DE SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO (SVA) Código do Serviço: 3005001 Nome do Serviço: Data de Publicação: 30/04/2013 Entrada em Vigor: SAN AUTENTICAÇÃO 01/06/2013 Versão: 1.0000 Status: Publicado

Leia mais

ANTES DE PROSSEGUIR GOSTARÍAMOS QUE VOCÊ CONHECESSE NOSSOS NOVOS CLIENTES E NOSSA NOVA TECNOLOGIA COM RECONHECIMENTO DE VOZ.

ANTES DE PROSSEGUIR GOSTARÍAMOS QUE VOCÊ CONHECESSE NOSSOS NOVOS CLIENTES E NOSSA NOVA TECNOLOGIA COM RECONHECIMENTO DE VOZ. ANTES DE PROSSEGUIR GOSTARÍAMOS QUE VOCÊ CONHECESSE NOSSOS NOVOS CLIENTES E NOSSA NOVA TECNOLOGIA COM RECONHECIMENTO DE VOZ. NOSSA URA OUVE, ENTENDE E RESPONDE ÀS SOLICITAÇÕES DOS CLIENTES SEM PRECISAR

Leia mais

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia,

Leia mais

ISP Redundancy e IPS Utilizando Check Point Security Gateway. Resumo

ISP Redundancy e IPS Utilizando Check Point Security Gateway. Resumo ISP Redundancy e IPS Utilizando Check Point Security Gateway Radamés Bett Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, outubro de 2010 Resumo

Leia mais

Troubleshooting em rede básica

Troubleshooting em rede básica Troubleshooting em rede básica - 2 Sumário Capítulo 1 Troubleshooting em rede básica... 3 1.1. Objetivos... 3 1.2. Mãos a obra...4 Capítulo 2 Gerenciando... 14 2.1. Objetivos... 14 2.1. Troubleshooting...

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Software em Sistemas Distribuídos Aplicativo ou Sistema Operacional Sincronismo Interação Controles Um sistema operacional moderno provê dois serviços fundamentais para o usuário

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E O que é roteamento e acesso remoto? Roteamento Um roteador é um dispositivo que gerencia o fluxo de dados entre segmentos da rede,

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Instalação e Configuração do CollabNet Subversion Edge

Instalação e Configuração do CollabNet Subversion Edge Instalação e Configuração do CollabNet Subversion Edge 1) Descrição O Subversion Edge é um pacote da distribuição do Subversion SCM, que foi criado e distribuido pela empresa CollabNet com o objetivo de

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 03 Segurança off- line. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 03 Segurança off- line. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 03 Segurança off- line Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Cenário off- line (bolha) 2 Roubo de Informação Roubo de Informação - Acesso físico

Leia mais

SERVIDOR HOTSPOT PARA HOTÉIS/POUSADAS - SMARTWEB MANUAL DE OPERAÇÕES

SERVIDOR HOTSPOT PARA HOTÉIS/POUSADAS - SMARTWEB MANUAL DE OPERAÇÕES SERVIDOR HOTSPOT PARA HOTÉIS/POUSADAS - SMARTWEB MANUAL DE OPERAÇÕES O SMARTWEB é um servidor baseado na plataforma Mikrotik que permite o gerenciamento e controle de acessos à internet. Libera acesso

Leia mais

Conteúdo 1 Comandos Básicos. Questão 1: Que comando permite encerrar o sistema definitivamente?

Conteúdo 1 Comandos Básicos. Questão 1: Que comando permite encerrar o sistema definitivamente? Conteúdo 1 Comandos Básicos Questão 1: Que comando permite encerrar o sistema definitivamente? a) shutdawn b) shutdown t now c) shutdown r now d) shutdwon h now e) shutdown h now Questão 2: Que comando

Leia mais

Instalação e configuração Linux CentOS 6.x

Instalação e configuração Linux CentOS 6.x Instalação e configuração Linux CentOS 6.x Objetivo: Instalar e configurar o sistema operacional Linux CentOS e efetuar suas configurações iniciais. 1- Abra o Virtuabox e clique em novo, e configure conforme

Leia mais

Ilustração 1: Componentes do controle de acesso IEEE 802.1x

Ilustração 1: Componentes do controle de acesso IEEE 802.1x Laboratório de IER 8 o experimento Objetivos: i) Configurar o controle de acesso IEEE 802.1x em uma LAN ii) Usar VLANs dinâmicas baseadas em usuário Introdução A norma IEEE 802.1x define o controle de

Leia mais

AS CONSULTORIA & TREINAMENTOS. www.astreinamentos.com.br. White Paper pfsense

AS CONSULTORIA & TREINAMENTOS. www.astreinamentos.com.br. White Paper pfsense White Paper pfsense W h i t e p a p e r - p f S e n s e 2 SUMÁRIO Visão Geral... 3 pfsense é fácil de implementar e gerenciar... 3 Hardware... 3 Recursos do pfsense... 4 Fontes... 6 W h i t e p a p e r

Leia mais

Sistemas de Armazenamento

Sistemas de Armazenamento M. Sc. isacfernando@gmail.com Especialização em Administração de Banco de Dados ESTÁCIO FIR Tipo de Não importa quanta memória seu smartphone tenha, ele nunca terá o bastante para guardar todas as suas

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS DE REDE

SISTEMAS OPERACIONAIS DE REDE SISTEMAS OPERACIONAIS DE REDE MUDANÇAS TENDÊNCIAS GERADORAS DE MUDANÇAS Aumento do número de usuários de telefones celulares Proliferação de dispositivos com capacidades de rede Crescente variedade de

Leia mais

Manual da Placa de Interface e Acionamento. SnowFlakes 4S

Manual da Placa de Interface e Acionamento. SnowFlakes 4S Manual da Placa de Interface e Acionamento SnowFlakes 4S Introdução O SnowFlakes é uma placa eletrônica Open Source desenvolvida com o controlador programável Tibbo AKTEM-203, vendido no e-commerce do

Leia mais

REPLICAÇÃO E AUTO DISPONIBILIDADE NO SQL SERVER

REPLICAÇÃO E AUTO DISPONIBILIDADE NO SQL SERVER FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM BANCO DE DADOS REPLICAÇÃO E AUTO DISPONIBILIDADE NO SQL

Leia mais

INICIANDO A INSTALAÇÃO

INICIANDO A INSTALAÇÃO INICIANDO A INSTALAÇÃO Abra o leitor de CD do computador que será dedicado ao ÚnicoNET. Coloque o CD que acabamos de gravar com o NERO EXPRESS e reinicie o HARDWARE (CTRL+ALT+DEL), caso não consiga reiniciar

Leia mais

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI Manual de Utilização Família MI ÍNDICE 1.0 COMO LIGAR O MÓDULO... pág 03 e 04 2.0 OBJETIVO... pág 05 3.0 COMO CONFIGURAR O MÓDULO MI... pág 06, 07, 08 e 09 4.0 COMO TESTAR A REDE... pág 10 5.0 COMO CONFIGURAR

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

Estudo da alta disponibilidade em servidores de arquivo utilizando Heartbeat, DRBD e Mon

Estudo da alta disponibilidade em servidores de arquivo utilizando Heartbeat, DRBD e Mon 1 Estudo da alta disponibilidade em servidores de arquivo utilizando Heartbeat, DRBD e Mon Dailson de Oliveira Fernandes dailson@gmail.com José Carlos dos Santos carloshalon@hotmail.com José de Ribamar

Leia mais

INSTALANDO SISTEMA PFSENSE COMO FIREWALL/PROXY

INSTALANDO SISTEMA PFSENSE COMO FIREWALL/PROXY INSTALANDO SISTEMA PFSENSE COMO FIREWALL/PROXY Gerson R. G. www.websolutti.com.br PASSO A PASSO PARA INSTALAÇÃO DO PFSENSE 1. BAIXANDO O PFSENSE 2. INICIANDO A INSTALAÇÃO 3. CONFIGURAÇÃO BÁSICA INICIAL

Leia mais

Requisitos técnicos dos produtos Thema

Requisitos técnicos dos produtos Thema Requisitos técnicos dos produtos Thema 1 Sumário 2 Apresentação...3 3 Servidor de banco de dados Oracle...4 4 Servidor de aplicação Linux...4 5 Servidor de terminal service para acessos...4 6 Servidor

Leia mais

LIGANDO MICROS EM REDE

LIGANDO MICROS EM REDE LAÉRCIO VASCONCELOS MARCELO VASCONCELOS LIGANDO MICROS EM REDE Rio de Janeiro 2007 ÍNDICE Capítulo 1: Iniciando em redes Redes domésticas...3 Redes corporativas...5 Servidor...5 Cliente...6 Estação de

Leia mais

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Cluster Resumo Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Introdução Sua empresa esta precisando fazer um grande processamento; As Nuvens existentes não são suficientes para sua empresa;

Leia mais

Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Entendendo o DNS É o serviço responsável por: Traduzir nomes em endereços IP (e vice-versa), de um determinado

Leia mais