Sete Fatos que Você Deveria Conhecer Sobre HPC - High Performance Computing

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sete Fatos que Você Deveria Conhecer Sobre HPC - High Performance Computing"

Transcrição

1 Sete Fatos que Você Deveria Conhecer Sobre HPC - High Performance Computing Nery Signorini Neto Tecnologia de Informações e Organizações Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo Avenida Prof. Almeida Prado, 532. Prédio 56 São Paulo SP Brasil 1. O que é HPC? Na última década, a definição de HPC - High Performance Computing mudou radicalmente. Em 1988, um artigo foi publicado no Wall Street Journal (NYT) intitulado Attack of the Killer Micros (tradução: O ataque do micro assassino) [NYTimes] que previa a ascensão do micro computador com inexpressivo poder de processamento, tornando os supercomputadores da época obsoletos. Naquela época, um computador custava USD 1 3K e processava 3M de operações de ponto flutuante 2 e um supercomputador custava cerca de USD 3M e processava 100M de operações de ponto flutuante. A grande questão levantada pelo artigo: Simplesmente não poderíamos conectar 400 computadores pessoais para obter o mesmo poder de processamento a um custo de USD 1,2M? [O Reilly]. Essa visão se tornou verdadeira de algumas maneiras, mas não totalmente. Como o artigo mencionado previu, o microcomputador ganhou poder de processamento sobre o supercomputador por 2 razões: Primeira: a tecnologia tem evoluído rapidamente na área dos computadores pessoais e a indústria de microprocessadores conseguiu, desde os anos oitenta, seguir a lei de Moore [Moore]. Segunda: talvez a mais importante, a emergente necessidade de processamento nos computadores pessoais impulsionado por aplicações gráficas 3D, interfaces gráficas de usuário, multimídia e jogos. A alta demanda por processamento mais rápido propiciou grandes investimentos no desenvolvimento e no barateando da tecnologia dos microprocessadores, e, como resultado, qualquer pessoa que utilize um computador pessoal, atualmente, já possui, de alguma maneira, um alto poder de processamento. Este fenômeno proporcionou o surgimento de algumas variações do acrônimo HPC (High Performance Computing), originalmente cunhado para supercomputadores, sendo eles: HPC (High Productive Computing) focado em alta produtividade, HPTC (High Performance Technical Computing) específico para trabalhos científicos, HPCS (High Performance Computing System) sistemas baseados em alta performance, HPC (High Performance Computer) variação de computing e Grid Computer (Computação em Malha). 1 USD Referência à moeda americana, dólar, US$. 2 Operação de ponto flutuante, floating-point operations ou per second ou FLOPS (acrônimo) Medida que serve para medir o desempenho de computadores, especialmente no campo de cálculos científicos que executam pesada utilização, é equivalente a instruções por segundo. eg.:1 petaflop = = 1 quatrilhão de flops flops por segundo.

2 High Performance Computing inclui uma enorme gama de sistemas, softwares e hardwares, e alguns fornecedores até utilizam a palavra constelação [SUN], para descrever e quantificar o portfólio de produtos ofertados aos clientes deste segmento. A tecnologia HPC abrange desde o computador pessoal até grandes sistemas de computadores configurados em clusters 3 com processamento paralelo ou Grid Computing. Um cluster de alta performance inclui 2 ou mais computadores trabalhando em conjunto propiciando processamento paralelo ou distribuindo, dividindo e compartilhando os mesmos recursos e infra-estrutura computacional a todos os membros da associação. Na computação em malha, ou simplesmente Grid Computing, o alto desempenho é alcançado através do compartilhamento de recursos heterogêneos abrangendo outros servidores e outros clusters, de código aberto, distribuídos geograficamente e em alguns casos administrados e mantidos por organizações independentes umas das outras. O sistema (Grid) é diferente de um sistema de cluster normal por conseguir administrar o processamento solicitado realizando o balanceamento da carga de trabalho entre os participantes, mantendo os recursos independentes uns dos outros, a computação em malha possui 3 características básicas organizadas em um checklist proposto por Ian Foster [Foster], sendo eles: a) gerencia recursos que não podem ser submetidos a um controle central; b) utiliza padrões abertos e protocolos de mercado e c) permite coordenar o trabalho para entregar serviços de qualidade (não triviais) a seus usuários [Foster]. HPC é atingida através da utilização do alto poder de computação proveniente dos sistemas clusters e grids, provendo assim, capacidade de processamento virtualmente ilimitado para aplicações que antes necessitavam de múltiplos ambientes operacionais no objetivo de cooperar entre si para a solução de um problema único e comum apresentado. Tem por base à utilização de vários computadores interconectados uns aos outros provendo poder de processamento e compartilhando recursos comuns a todos. Este artigo tem como principal foco de estudo a computação de alto desempenho e procura identificar detalhes sobre o que significa alto poder de processamento ou alto desempenho e como esse desempenho pode ser alcançado, utilizado, quais são os principais fornecedores de mercado, quais as principais configurações, quais conceitos e particularidades de configurações disponíveis e suas principais utilizações. 2. Quem está fazendo? Exemplo de fornecedores que provê e desenvolve tecnologia específica para ser utilizada nos sistemas de alto desempenho, incluindo configurações específicas como cluster e grid computing. Como apontado por Ian Foster [Foster] o termo HPC pode sofrer algumas alterações devido à propaganda dos grandes fornecedores e suas estratégias comerciais com base na utilização do acrônimo high performance em seus portfólios, o que gera algumas variações em nomenclaturas, definições e características técnicas individuais para cada grande fornecedor. São eles: 3 Clusters Cluster pode ser definido como um sistema onde dois ou mais computadores trabalham de maneira conjunta para realizar processamento pesado.

3 SUN SOLARIS [SUN] A Sun possui uma grande quantidade de produtos para HPC, entre software, hardware e ferramentas. Esse portfólio é denominado Constelação - Sun Constellation Systems [SUN], sendo eles: Lustre: Sistema de arquivos paralelos de código aberto, baseado em objetos. Foi projetado para atender às demandas dos clusters de computação de alto desempenho. Sun Grid Engine: Gerencia a carga de trabalho dos componentes, é baseado em políticas pré-estabelecidas e faz provisionamento dinâmico de cargas de trabalho de aplicativos. Sun Blades: Sun x64 blade e rack servers são servidores de alto desempenho escaláveis e desenvolvidos especialmente para HPC. Sun Storage Unified Storage System: Sistema de armazenamento baseado em discos de alta capacidade, escalabilidade e alta disponibilidade. Microsoft [MICROSOFT] Possui um sistema operacional específico para ser utilizado em ambientes de alto desempenho. O Windows HPC Server 2008 está entre os 25 sistemas operacionais mais rápidos do mundo, com interface gráfica padrão windows, é bem semelhante ao windows server tradicional, porém possui diversas funcionalidades e programas específicos para gerenciamento de recursos no ambiente de alto desempenho e malha (grid). Como exemplo da utilização deste sistema operacional, existe o sistema ABE, em homenagem ao 16º. Presidente dos Estados Unidos, Abrahan Lincoln e que ocupa a 23ª. posição no ranking dos 500 computadores mais rápidos do mundo [TOP500] sendo composto por um cluster com 1200 servidores dell power edge 1955 configurados com 2 processadores Xeon 53xx quad-core e 8 GB de RAM, totalizando: processadores e 9,8GB RAM que viabilizam um processamento de 88,3 teraflops ( flops). [ABE TOP500]. HP [HP] Um dos líderes do mercado de computação de alta performance e possui um amplo portfólio de produtos e serviços para esse exigente mercado, que inclui: Servidores de alto desempenho; Servidores Blade; HPC Clusters environment; Armazenamento de discos, com alta disponibilidade e escalabilidade; Dispositivos de armazenamento de dados; Sistemas operacionais, softwares e ferramentas para administração e monitoração do ambiente HPC.

4 INTEL [INTEL] Possui amplo portfólio de produtos para servidores e desenvolve programas para evolução da tecnologia de alto processamento. Em 2/3 dos 500 supercomputadores mais rápidos do mundo [TOP500], aproximadamente 333 supercomputadores, são utilizados processadores Intel. São usuários dos processadores Intel, NASA, BMW, Phillips, Crèdit Suiss e Disney. Produtos: Placas para servidores Inter X38ML; Sistema de servidor Intel SR1560SF; Sistema de servidor Intel SR1500AL, SR1550Al e SR2500AL; Processador Intel Xeon sequência 3000, 5000 e IBM [IBM] É um dos líderes em soluções de alto desempenho, além de hardware (servidores, blades 4 e sistemas de armazenamento), software (sistemas operacionais e ferramentas) e serviços. Lançou um supercomputador em Junho de 2008 chamado Roadrunner [ROADRUNNER], um híbrido com processadores AMD opteron e cell chips utilizados pela Sony na fabricação do console de games PlayStation - PS3 5 executando o sistema operacional linux. O poder de processamento desse computador totaliza quatrilhões de cálculos por segundo, sendo duas vezes mais potente que seu antecessor o BlueGene/L, conforme lista publicada em 2008/2009 dos 500 maiores supercomputadores pelo projeto TOP500 HPC [TOP500]. O novo supercomputador faz, em uma única semana, cálculos que o mais rápido computador de 10 anos atrás levaria aproximadamente 20 anos para finalizar. O Roadrunner será utilizado pelo Los Alamos National Laboratory [LANL] para trabalhar com problemas relacionados à segurança interna Americana (DOD 6 ), como por exemplo: testes e cálculos nucleares, previsões climáticas, cálculos balísticos e na pesquisa e desenvolvimento de novos sistemas de defesa e armas. 3. Como funciona? Grid Computing é formato pela incorporação de uma coleção heterogênea de computadores distribuídos geograficamente, em algumas situações administrados por organizações totalmente independente uma das outras, e tem como função organizar e balancear a demanda por processamento criando processos independentes do resto da malha, o processamento ocorre sem o controle local dos recursos computacionais. 4 Blades Hardware tipo de servidor compacto, multiprocessado, geralmente utilizado para virtualização. 5 PS3 Console de jobs da Sony, configuração de hardware com 80gb de HD, blue-ray e placa wireless. 6 DOD Department of Defense

5 As máquinas que compõem o grid podem ser simples computadores ou clusters com 2 ou mais computadores interligados. Figura 1: Exemplo de configuração de um Grid Basicamente um sistema de alta performance é composto de: Hardware: É composto de diversos computadores ou grupos de computadores (outros computadores ou outros clusters) interligados uns aos outros, simulando uma única rede, distribuídos geograficamente formando uma associação única, onde cada indivíduo contribui para a coletividade com seus recursos computacionais, Sistema Operacional: O sistema operacional deve permitir o compartilhamento de recursos computacionais entre múltiplos indivíduos, permitindo a troca de mensagens, comandos e informações entre eles. O sistema operacional para grid computing deve possuir diversas ferramentas para administração do ambiente, como por exemplo: gerenciar a segurança, monitorar todos os indivíduos do grupo, controlar e gerenciar semáforos, bibliotecas de software, códigos, dispositivos internos, externos, adicionar e remover novos computadores, prover informações sobre capacidade, desempenho e erros operacionais. Memória: A memória é um único bloco virtual, formado pelo compartilhamento de todas as memórias físicas de todos os indivíduos que participam da associação. A informação é mantida na memória virtual e é comum a todos os indivíduos; Sistema de armazenamento: Todos os dados devem estar consolidados em um único repositório, normalmente uma storage de alta capacidade com resiliência, que é acessado e manipulado por todos os indivíduos; Rede: Deve ser separada da rede corporativa, pois estará sendo utilizada por outros sistemas e pessoas que estão fora da organização que a administrada. Aplicações: Possibilita que a aplicação possa utilizar recursos computacionais de diversos indivíduos;

6 Escalabilidade: Deve ser altamente escalável, utilizando componentes padronizados disponíveis na indústria, reduzindo a complexidade da arquitetura; 4. Porque é importante? A utilização da computação de alto desempenho nos possibilita analisar e compilar grandes quantidades de informações em um curto período de tempo, viabilizando a interpretação e compilação de dados que levariam dezenas ou até centenas de anos para serem analisadas e concluídas no atual nível de evolução da tecnologia. Outras utilizações para computação de alto desempenho: Projeto Genoma (Mapeamento do DNA humano) Ajudou a mapear os 80 mil genes inicialmente identificados no DNA humano e a determinar suas sequências entre 3 milhões de bases químicas. HPC possibilitou a utilização do poder de processamento, de cálculos e de armazenamento, como base para se desenvolver uma série de ferramentas específicas que ajudarão os pesquisadores a analisar esses dados, tornando-os acessíveis para futuras pesquisas biológicas [CORNELL]. Prospecções para extração de petróleo É utilizado para cálculos de prospecção de novos poços, no processamento de informações estatísticas sobre o processo de transformação e refinação do petróleo bruto, no cálculo do processo de bateladas para diminuição da perda de material durante o processo de manufatura [PETROBRAS]. Modelagem de risco de portfólios financeiros Realização de análise de riscos do mercado financeiro, imobiliário e de seguros pelo processamento de diversas variáveis simultaneamente. A velocidade do processamento ajuda as empresas a terem agilidade e visibilidade durante suas operações [GENOME]. Estudo e análise da probabilidade de abalos sísmicos; Cálculos matemáticos para determinar a probabilidade de haver um tremor sísmico em determinada região, incluindo fatores ambientais e históricos. HPC ajuda as autoridades a antecipar abalos sísmicos, desenvolver protocolos de segurança e cronogramas de treinamento, regularmente, em áreas de alto risco [GSCI]. Estudos de aerodinâmica para carros de Fórmula 1; Cálculo da aerodinâmica dos carros de fórmula 1, com base na coleta das informações sobre o desempenho dos carros nos testes virtuais incluindo a utilização de protótipos e nos túneis de vento. HPC ajuda os engenheiros a projetar e a refinar os modelos aerodinâmicos dos carros [FERRARI]. Diagnóstico de Câncer de mama;

7 A Microsoft Portugal investiu na criação de um Laboratório de High Performance Computing (HPC). O HPC Lab tem como primeira iniciativa o apoio ao Projeto High Performance Computing Applied to Medical Data and Bioinformatics, que se destina a usar as tecnologias de HPC no apoio à investigação do câncer de mama [MS- HYPERCAMBIO]. 5. Quais são os aspectos importantes? Os principais pontos sobre a computação de alto desempenho é: Barreira do Petaflops: Com a utilização de Grids formados por clusters de computadores, já foi batida a barreira dos petaflops 7, o que possibilita poder de processamento virtualmente ilimitado com a adição de novos computadores. Custo Operacional: O hardware utilizado na composição dos supercomputadores é padrão básico de mercado utilizado atualmente pela indústria da microcomputação, geralmente em código aberto e não proprietário. Isso significa redução de custos. Bilhetagem: Assim como nos mainframes cálculos de mips 8 - o pagamento da infra-estrutura se dará pela quantidade de flops utilizados, sendo necessário apenas o pagamento pelo processamento utilizado. Escalabilidade: É fator fundamental que a arquitetura da infra-estrutura e seus componentes possuam escalabilidade e flexibilidade para incluir / remover computadores no cluster, variando a solução conforme demanda Agilidade: Como a arquitetura da solução é modular, uma expansão pode ser rápida e eficiente. 6. Para onde está indo? Historicamente, a computação de alto desempenho tem sido sinônimo de sistemas ou interfaces patenteados; atualmente, as tecnologias utilizadas para clusters de alto desempenho são baseado em tecnologia aberta, flexível e reutilizável, utilizando padrões da indústria já existentes que permitam a utilização dos mesmos componentes entre clusters de diversas configurações. Com a utilização de componentes e tecnologias abertas, os clusters deverão ser vistos com mais simplicidade e naturalidade, tornando a computação extrema mais acessível, fácil de ser instalada, de se utilizar e a baixos custos de aquisição e operacionalização. Moore [MOORE], em sua previsão de 1965, prognosticou que o poder de processamento dos microchips dobraria a cada 18 meses. 7 Petaflops veja Petascale, petaflosps e flops. 8 MIPS - Microprocessor without interlocked pipeline stages (Microprocessador sem estágios interligados de pipeline) valor de medida para processamento utilizado nos mainframes.

8 Figura 1: Lei de Moore Com a grande demanda por processamento e os investimentos dos principais fabricantes de chips, como Intel e AMD, Carl Anderson [ANDERSON] pesquisador da IBM, afirma que a Lei de Moore já não é mais válida e que o tempo de renovação da tecnologia está abaixo dos 18 meses previstos inicialmente por Moore. Sua afirmação é baseada em 3 inovações da indústria de microchips: a) Chips com conexões óticas; b) Processadores 3D e c) Processadores com sistemas aceleradores. Esse novo contexto acelera o poder de processamento dos clusters de alto desempenho. Outros fatores importantes para consolidar a tecnologia são: a) Consolidação de padrões e melhores práticas para a utilização de HPC; b) Criação de padrões únicos para medição da performance obtida e c) Aumento da segurança do ambiente clusterizado. 7. Quais são as implicações para o negócio? A utilização de HPC provê uma vantagem competitiva para as empresas [GARTNER] sendo na criação de novos produtos de inovação, na criação de protótipos, no tratamento de grande quantidade de informações, na análise e transformação de dados em informações gerenciais e na busca do gerenciamento da informação de maneira colaborativa com foco na produtividade. Sem dúvida uma grande contribuição da computação de alto desempenho é a disponibilização do poder de processamento na solução de um problema complexo comum a diversas pessoas. HPC pode ser utiliza para: Projetos de inovações e novos modelos de negócio.

9 Possibilita a criação de novos produtos como fator de inovação através da utilização de protótipos que podem ser gerados antecipadamente para análise de viabilidade e funcionalidade, também permite a evolução dos produtos já existentes no mercado e ajuda no refinamento de modelos de negócios já existentes. Pesquisas científicas. Projetos de pesquisas em diversas áreas, como por exemplo: área financeira, saúde, petroquímica, astrologia, matemática, química, física em geral se beneficiam do poder de processamento pela antecipação de estudos, análises e conclusões baseados em milhões de cálculos processados em tempo hábil. A utilização de HPC permite antecipar os resultados obtidos décadas ou centenas de anos. Referências Bibliográficas [NYTimes] New York Times, Markoff, Hohn The Attack of the 'Killer Micros' [O Reilly] Dowd, Kevin, Severance Charles R., High Performance Computing, 2 nd Edition. Ed. O Reilly. [Foster] Foster, Ian, What is the Grid? A Three Point Checklist. [SUN] Sun Solares. Sun Constellation System HPC. [MICROSOFT] Microsoft. Windows HPC Server [TOP500] Top500. HPC. [ABE TOP500] Top500. NCSA. [PETROBRAS] Petrobrás usa Windows para computação de alto desempenho [MS-HYPERCAMBIO] Microsoft Portugal. Hipercâmbio - High Performance Computing Applied to Medical Data and Bioinformatics. [GSCI] GSCI - German Scientific Computing Initiative. PhD Project: Efficient Simulation of Earthquake Waves Using Modern HPC System, Dr. Martin Kser, Geophysik, LMU München. [CORNELL] Cornell University. Cornell finds new human genes with HPC

10 [HP] HP. High Performance Computing. [INTEL] Intel. Intel HPC Development Center. [MOORE] Moore, Gordon E. Cramming more components onto integrated circuits. University of Denver. Mooers Law: In and Out of Context: [ANDERSON] Anderson, Carl, IBM Fellow: Moore's Law Defunct. EETIMES. D= [FERRARI] Ferrari will test-drive HPC Server [GARTNER] Introducing the High-Performance Workplace: Improving Competitive Advantage and Employee Impact [LANL] Los Alamos National Laboratory.

Cornell usa computação de alto desempenho para acelerar a pesquisa e ampliar o acesso a softwares

Cornell usa computação de alto desempenho para acelerar a pesquisa e ampliar o acesso a softwares Portfólio de produtos Microsoft para servidores Estudo de caso de solução do cliente Cornell usa computação de alto desempenho para acelerar a pesquisa e ampliar o acesso a softwares Visão geral País ou

Leia mais

4 Computação Paralela 4.1. Introdução

4 Computação Paralela 4.1. Introdução 4 Computação Paralela 4.1. Introdução Nos últimos anos observa-se uma tendência cada vez maior do aumento da demanda computacional na resolução de grandes problemas. Exemplos de aplicações que exigem alto

Leia mais

Relatório de Pesquisa

Relatório de Pesquisa Relatório de Pesquisa A Vantagem da Virtualização de Mainframe: Como Economizar Milhões de Dólares Utilizando um IBM System z como um Servidor em Nuvem Linux Sumário Executivo Os executivos de TI (Tecnologia

Leia mais

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Cluster Resumo Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Introdução Sua empresa esta precisando fazer um grande processamento; As Nuvens existentes não são suficientes para sua empresa;

Leia mais

23/05/2013. Partes do Sistema Computacional. Hardware. Ciclo do Processamento de Dados HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS. Hardware Software Dados Usuários

23/05/2013. Partes do Sistema Computacional. Hardware. Ciclo do Processamento de Dados HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS. Hardware Software Dados Usuários 2 Partes do Sistema Computacional HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS Software Dados Usuários Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística

Leia mais

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA NOTAS DE AULA 1. TENDÊNCIAS EM SISTEMAS DE MICROCOMPUTADORES Existem várias categorias principais de sistemas de computadores com uma diversidade de características e capacidades. Consequentemente, os

Leia mais

Supercomputadores dominavam o mercado

Supercomputadores dominavam o mercado Clusters e Grids Introdução Supercomputadores dominavam o mercado Alto custo Requerem mão de obra muito especializada Desenvolvimento de microprocessadores poderosos a um baixo custo Desenvolvimento de

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Multi-processamento. Arquitecturas MIMD de memória partilhada Multi-cores heterogéneos Multi-processadores

Multi-processamento. Arquitecturas MIMD de memória partilhada Multi-cores heterogéneos Multi-processadores Multi-processamento Arquitecturas MIMD de memória partilhada Multi-cores heterogéneos Multi-processadores Arquitecturas MIMD de memória distribuída Massive Parallel Computers Sistemas distribuídos Ainda

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 3 ARQUITETURA DE VON NEUMANN E DESEMPENHO DE COMPUTADORES Prof. Luiz Gustavo A. Martins Tipos de Arquitetura Arquitetura de von Neumann: Conceito de programa armazenado; Dados

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Prof. M.Sc. Diego Fernandes Emiliano Silva diego.femiliano@gmail.com Agenda Infraestrutura de TI Infraestrutura de TI: hardware Infraestrutura de TI: software Administração dos recursos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II Servidores Definição Servidores História Servidores Tipos Servidores Hardware Servidores Software Evolução do Windows Server Windows Server 2003 Introdução Windows Server

Leia mais

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters. Prof. Charles Christian Miers. e-mail: charles.miers@udesc.br

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters. Prof. Charles Christian Miers. e-mail: charles.miers@udesc.br OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br Redundância e Alta Disponibilidade Redundância: Duplicação de um elemento da infraestrutura

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 6 OBJETIVOS OBJETIVOS ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall Qual é a capacidade de processamento e armazenagem

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE Capítulo 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações

Leia mais

A consolidação de servidores traz uma séria de vantagens, como por exemplo:

A consolidação de servidores traz uma séria de vantagens, como por exemplo: INFRAESTRUTURA Para que as empresas alcancem os seus objetivos de negócio, torna-se cada vez mais preponderante o papel da área de tecnologia da informação (TI). Desempenho e disponibilidade são importantes

Leia mais

SUMÁRIO. Informática Informação X Comunicação Sistemas de Informação Tipos de computadores

SUMÁRIO. Informática Informação X Comunicação Sistemas de Informação Tipos de computadores A ERA DA COMPUTAÇÃO SISTEMAS DE COMPUTADOR Wagner de Oliveira SUMÁRIO Informática Informação X Comunicação Sistemas de Informação Tipos de computadores Computadores de grande porte Computadores de médio

Leia mais

05/08/2013. Sistemas Distribuídos Cluster. Sistemas Distribuídos Cluster. Agenda. Introdução

05/08/2013. Sistemas Distribuídos Cluster. Sistemas Distribuídos Cluster. Agenda. Introdução Sistemas Distribuídos Cluster Originais gentilmente disponibilizados pelos autores em http://www.cdk4.net/wo/ Adaptados por Társio Ribeiro Cavalcante Agenda 1. Introdução 2. O que é um cluster 3. Alta

Leia mais

Melhorando o desempenho do data center por meio da virtualização de bancos de dados SQL Server

Melhorando o desempenho do data center por meio da virtualização de bancos de dados SQL Server Melhorando o desempenho do data center por meio da virtualização de bancos de dados SQL Server Conteúdo Resumo.........................................................1 O papel do SQL Server em pequenas

Leia mais

Cluster HPC High Performance Computing.

Cluster HPC High Performance Computing. Faculdade de Tecnologia de Guaratinguetá. doze, março de 2009. Cluster HPC High Performance Computing. Diogo Salles, Thiago Pirro, Camilo Bernardes, Paulo Roberto, Ricardo Godoi, Douglas, Fauzer. Sistemas

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM GRID COM BANCO DE DADOS ORACLE 10g

COMPUTAÇÃO EM GRID COM BANCO DE DADOS ORACLE 10g COMPUTAÇÃO EM GRID COM BANCO DE DADOS ORACLE 10g Daniel Murara Barcia Especialista em Sistemas de Informação Universidade Federal do Rio Grande do Sul daniel@guaiba.ulbra.tche.br Resumo. Esse artigo aborda

Leia mais

Arquitetura dos Supercomputadores - TOP 500 -

Arquitetura dos Supercomputadores - TOP 500 - Universidade de São Paulo Instituto de Matemática e Estatística Bacharelado em Ciência da Computação Arquitetura dos Supercomputadores - TOP 500 - Steven Koiti Tsukamoto São Paulo 2010 Steven Koiti Tsukamoto

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos FTIN Formação Técnica em Informática Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos Aula 01 SISTEMA OPERACIONAL PROPRIETÁRIO WINDOWS Competências do Módulo Instalação e configuração do

Leia mais

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Resumo da solução Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Você deseja uma solução de computação unificada para a sua empresa de médio ou pequeno porte ou para o padrão avançado do seu

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Obtenha soluções em nuvem comprovadas para as suas prioridades mais urgentes Destaques da solução Saiba sobre os benefícios mais comuns de implementações

Leia mais

Organização e Arquitetura de computadores

Organização e Arquitetura de computadores Conteúdo Organização e Arquitetura de computadores Abstrações e Tecnologias computacionais Prof. Dr. Luciano José Senger Falácias e armadilhas Computadores: produto da tecnologia de informação, 10% do

Leia mais

Introdução Processamento Paralelo

Introdução Processamento Paralelo Introdução Processamento Paralelo Esbel Tomás Valero Orellana Bacharelado em Ciência da Computação Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Estadual de Santa Cruz evalero@uesc.br 23

Leia mais

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery Sistemas Operacionais Introdução Professora: Michelle Nery Área de Atuação do Sistema Operacional Composto de dois ou mais níveis: Tipo de Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Monotarefas Sistemas

Leia mais

Olá, Seja bem-vindo! Apresentação e Roadmap Norion Indústria

Olá, Seja bem-vindo! Apresentação e Roadmap Norion Indústria Olá, Seja bem-vindo! Apresentação e Roadmap Norion Indústria *Todos os produtos e dados especificados são preliminarmente baseados nas propostas atuais e podem ser alterados sem aviso prévio. 2013 Introdução

Leia mais

Profs. Deja e Andrei

Profs. Deja e Andrei Disciplina Sistemas Distribuídos e de Tempo Real Profs. Deja e Andrei Sistemas Distribuídos 1 Conceitos e Projetos de Sistemas Distribuídos Objetivos: Apresentar uma visão geral de processamento distribuído,

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009 Núcleo de Pós Graduação Pitágoras A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Professor: Fernando Zaidan Agosto - 2009 Tecnologia

Leia mais

Reconhecimento de Dados Biométricos em Larga Escala

Reconhecimento de Dados Biométricos em Larga Escala Reconhecimento de Dados Biométricos em Larga Escala Profa. Fabíola Gonçalves Pereira Greve DCC - UFBA Departamento de Ciência da Computação Grupo de Algoritmos e Computação Distribuída http:// Equipe Profa.

Leia mais

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva Sumário Introdução Trabalhos Correlatos Eucalyptus Design Conclusões Visão Geral Introdução:

Leia mais

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.com Windows 2008 Server Construído sob o mesmo código do Vista Server Core (Instalação somente

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60

EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60 INTRODUÇÃO REDES EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60 Computadores eram máquinas grandes e complexas, operadas por pessoas altamente especializadas; Não havia interação direta entre usuários

Leia mais

CENAPAD-SP 15 ANOS APOIANDO A PESQUISA NACIONAL

CENAPAD-SP 15 ANOS APOIANDO A PESQUISA NACIONAL CENAPAD-SP 15 ANOS APOIANDO A PESQUISA NACIONAL Edison Z. da Silva Centro Nacional de Processamento de Alto Desempenho em São Paulo CENAPAD-SP, UNICAMP Computação de alto desempenho, a missão do CENAPAD-SP,

Leia mais

Cisco Unified Data Center A infraestrutura ideal para ambientes e aplicações da Microsoft

Cisco Unified Data Center A infraestrutura ideal para ambientes e aplicações da Microsoft Cisco Unified Data Center A infraestrutura ideal para ambientes e aplicações da Microsoft SIMPLIFIQUE SUA TI MODERNIZE SUA EMPRESA Ineficiência da equipe de TI Interrupção não programada Gerenciamento

Leia mais

A Cisco no seu data center. A infraestrutura ideal para os ambientes e aplicativos da Microsoft

A Cisco no seu data center. A infraestrutura ideal para os ambientes e aplicativos da Microsoft A Cisco no seu data center A infraestrutura ideal para os ambientes e aplicativos da Microsoft Simplifique a TI... Modernize sua empresa DATA CENTER Desafios Eficiência da equipe de TI Interrupção não

Leia mais

Estudo de Caso. O Fator Wow! : Um Exemplo Perfeito do Uso de Analítica de Negócios e Computação em Nuvem para Criar Valor de Negócios

Estudo de Caso. O Fator Wow! : Um Exemplo Perfeito do Uso de Analítica de Negócios e Computação em Nuvem para Criar Valor de Negócios Estudo de Caso O Fator Wow! : Um Exemplo Perfeito do Uso de Analítica de Negócios Introdução Este Estudo de Caso é sobre como uma corporação (IBM) encontrou uma maneira de extrair valor de negócios adicional

Leia mais

Introdução aos Sistemas Distribuídos: histórico, evolução e a computação moderna Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Introdução aos Sistemas Distribuídos: histórico, evolução e a computação moderna Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Introdução aos Sistemas Distribuídos: histórico, evolução e a computação moderna Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo ou

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

O que é Grid Computing

O que é Grid Computing Grid Computing Agenda O que é Grid Computing Grid vs Cluster Benefícios Tipos de Grid Aplicações Ferramentas e padrões Exemplos no mundo Exemplos no Brasil Grid no mundo dos negócios Futuro O que é Grid

Leia mais

Departamento de Tecnologia da Informação

Departamento de Tecnologia da Informação Xen - O case de virtualização da Alergs XIII Enial - Brasília Novembro/2010 DTI Superintendência Administrativa e Financeira Assembleia Legislativa do RS Tópicos abordados: A infraestrutura de TI Alergs

Leia mais

PETROBRAS CONSEGUE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AO APRIMORAR INFRAESTRUTURA DE TI. Case de Sucesso. outubro/2012

PETROBRAS CONSEGUE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AO APRIMORAR INFRAESTRUTURA DE TI. Case de Sucesso. outubro/2012 outubro/2012 Case de Sucesso PETROBRAS CONSEGUE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AO APRIMORAR INFRAESTRUTURA DE TI Para publicar um case no Portal IT4CIO, entre em contato pelo e-mail comunicacao@it4cio.com. PERFIL

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

} Monolíticas Aplicações em um computador centralizado. } Em Rede Aplicações com comunicação em rede. } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede

} Monolíticas Aplicações em um computador centralizado. } Em Rede Aplicações com comunicação em rede. } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede Prof. Samuel Souza } Monolíticas Aplicações em um computador centralizado } Em Rede Aplicações com comunicação em rede } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede } Aplicações que são funcionalmente

Leia mais

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa.

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa. CLUSTERS Pode-se pegar uma certa quantidade de servidores e juntá-los para formar um cluster. O serviço então é distribuído entre esses servidores como se eles fossem uma máquina só. Um cluster de servidores

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Cisco Unified Data Center A infraestrutura ideal para ambientes e aplicações da Microsoft

Cisco Unified Data Center A infraestrutura ideal para ambientes e aplicações da Microsoft Cisco Unified Data Center A infraestrutura ideal para ambientes e aplicações da Microsoft SIMPLIFIQUE SUA TI TRANSFORME SUA EMPRESA Ineficiência da equipe de TI Interrupção não programada Gerenciamento

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Computação em Grid e em Nuvem

Computação em Grid e em Nuvem Computação em Grid e em Nuvem Computação em Nuvem Molos 1 Definição Um grid computacional é uma coleção recursos computacionais e comunicação utilizados para execução aplicações Usuário vê o grid como

Leia mais

Sistemas IBM Flex & PureFlex

Sistemas IBM Flex & PureFlex Eduardo (Edu) Pacini Líder Plataforma PureFlex Brasil IBM Systems & Technology Group Sistemas IBM Flex & PureFlex A Tecnologia está liderando as mudanças que impactam os negócios 1 Fatores de impacto:

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

Introdução ao Processador CELL BE

Introdução ao Processador CELL BE 1 Introdução ao Processador CELL BE por: José Ricardo de Oliveira Damico 17 / Maio / 2007 São Paulo SP 2 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS 3 RESUMO 4 1.) INTRODUÇÃO 5 1.1) O que é? 5 2.) Utilização 5 3.) FUNCIONAMENTO

Leia mais

Cloud. Tudo o que um CEO precisa saber, mas o TI não teve paciência para explicar. {/} CLOUD SOLUTIONS

Cloud. Tudo o que um CEO precisa saber, mas o TI não teve paciência para explicar. {/} CLOUD SOLUTIONS Cloud Tudo o que um CEO precisa saber, mas o TI não teve paciência para explicar. {/} CLOUD SOLUTIONS Cloud Computing: O que é. O que faz. As vantagens. E tudo o que um CEO precisa saber, mas o TI não

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE III: Infraestrutura de Tecnologia da Informação Atualmente, a infraestrutura de TI é composta por cinco elementos principais: hardware, software,

Leia mais

Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Departamento de Ciências da Computação

Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Departamento de Ciências da Computação Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Departamento de Ciências da Computação Nº 96080 - Adário de Assunção Fonseca Muatelembe Nº 96118 - Castelo Pedro dos Santos Nº 96170 - Feliciano José Pascoal

Leia mais

Levantamento sobre Computação em Nuvens

Levantamento sobre Computação em Nuvens Levantamento sobre Computação em Nuvens Mozart Lemos de Siqueira Doutor em Ciência da Computação Centro Universitário Ritter dos Reis Sistemas de Informação: Ciência e Tecnologia Aplicadas mozarts@uniritter.edu.br

Leia mais

CA Server Automation. Visão geral. Benefícios. agility made possible

CA Server Automation. Visão geral. Benefícios. agility made possible FOLHA DE PRODUTOS: CA Server Automation agility made possible CA Server Automation O CA Server Automation é uma solução integrada de gerenciamento de data center que automatiza o provisionamento, a aplicação

Leia mais

Como implementar os processos de Gerenciamento de Demanda e Capacidade de serviços de TI. www.path.com.br

Como implementar os processos de Gerenciamento de Demanda e Capacidade de serviços de TI. www.path.com.br Como implementar os processos de Gerenciamento de Demanda e Capacidade de serviços de TI AGENDA Gerenciamento da Demanda Processos de Negócio Desafios e KPIs Papel do Gerenciamento da Demanda Gerenciamento

Leia mais

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro Introdução Sistemas Operacionais 1 Sistema Operacional: Um conjunto de programas, executado pelo computador como os outros programas. Função: Controlar o funcionamento do computador, disponibilizando seus

Leia mais

Virtualização de desktop da NComputing

Virtualização de desktop da NComputing Virtualização de desktop da NComputing Resumo Todos nos acostumamos ao modelo PC, que permite que cada usuário tenha a sua própria CPU, disco rígido e memória para executar seus aplicativos. Mas os computadores

Leia mais

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

Treinamento PostgreSQL Cluster de Banco de Dados - Aula 01

Treinamento PostgreSQL Cluster de Banco de Dados - Aula 01 Treinamento PostgreSQL Cluster de Banco de Dados - Aula 01 Eduardo Ferreira dos Santos SparkGroup Treinamento e Capacitação em Tecnologia eduardo.edusantos@gmail.com eduardosan.com 13 de Junho de 2013

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I Introdução 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Introdução Conceituação de SO Funções Básicas Breve Histórico Tipos de SO Fundamentos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS BREVE HISTÓRICO A década de 60 Surgiram os primeiros terminais interativos, e os usuários podiam acessar o computador central através de linhas de comunicação.

Leia mais

Cursos da Escola de Engenharias e Ciências Exatas - UnP

Cursos da Escola de Engenharias e Ciências Exatas - UnP Cursos da Escola de Engenharias e Ciências Exatas - UnP Professor Nielsen Castelo Damasceno E-mail: nielsen.castelo@unp.br Web: http://ncdd.com.br Sala de Aula Online Curso Sistemas distribuídos (CH Total

Leia mais

A MISSÃO DA AMD 2 A HISTÓRIA DA AMD 2014

A MISSÃO DA AMD 2 A HISTÓRIA DA AMD 2014 A MISSÃO DA AMD Ser o designer e integrador líder de soluções tecnológicas adaptadas e inovadoras que capacitam as pessoas a estenderem as fronteiras do possível 2 A HISTÓRIA DA AMD 2014 2014: AMD ACELERA

Leia mais

Material 5 Administração de Recursos de HW e SW. Prof. Edson Ceroni

Material 5 Administração de Recursos de HW e SW. Prof. Edson Ceroni Material 5 Administração de Recursos de HW e SW Prof. Edson Ceroni Desafios para a Administração Centralização X Descentralização Operação interna x Outsourcing Hardware Hardware de um Computador Armazenamento

Leia mais

Agenda do Mini-Curso. Sérgio Yoshio Fujii. Ethan Boardman. sergio.fujii@areva-td.com. ethan.boardman@areva-td.com

Agenda do Mini-Curso. Sérgio Yoshio Fujii. Ethan Boardman. sergio.fujii@areva-td.com. ethan.boardman@areva-td.com Agenda do Mini-Curso Sérgio Yoshio Fujii sergio.fujii@areva-td.com Ethan Boardman ethan.boardman@areva-td.com Agenda do Mini-Curso Evolução de sistemas SCADA/EMS nos Centros de Controle: Sistemas operacionais

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 4 Tipos de SO Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br SO - Prof. Edilberto Silva Os Sistemas Operacionais podem ser assim classificados: SO - Prof. Edilberto Silva

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos Ao final desta apostila,

Leia mais

Cisco Intelligent Automation for Cloud

Cisco Intelligent Automation for Cloud Dados técnicos do produto Cisco Intelligent Automation for Cloud Os primeiros a adotarem serviços com base em nuvem buscavam uma economia de custo maior que a virtualização e abstração de servidores podiam

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Evolução Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Introdução Componentes de um sistema computacional Conceituação Características desejáveis Organização

Leia mais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais Introdução Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Hardware Provê os recursos básicos de computação (CPU, memória, E/S,etc.) Programas (aplicações) Definem as maneiras

Leia mais

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Máquinas Virtuais Agenda Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Histórico Mainframe É um computador de grande porte, dedicado

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Trabalho elaborado por: 980368 - Sérgio Gonçalves Lima 1010949 - Nisha Sudhirkumar Chaganlal Clusters O que é

Leia mais

Professores: Aula 10. Lúcia M. A. Drummond Simone de Lima Martins. Conteúdo: Arquiteturas Avançadas. - Arquiteturas RISC - Processamento Paralelo

Professores: Aula 10. Lúcia M. A. Drummond Simone de Lima Martins. Conteúdo: Arquiteturas Avançadas. - Arquiteturas RISC - Processamento Paralelo 1 Professores: Aula 10 Lúcia M. A. Drummond Simone de Lima Martins Conteúdo: Arquiteturas Avançadas - Arquiteturas RISC - Processamento Paralelo 2 Arquiteturas RISC Reduced Instruction Set Computer se

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1. Introdução a supercomputação 2. Visão geral de Mainframe 3. Cluster de computadores 4. Cluster Beowulf considerações de projeto 5. Cluster x Grid 6.

Leia mais

IBM BladeCenter S Grandes benefícios para a pequena empresa

IBM BladeCenter S Grandes benefícios para a pequena empresa IBM BladeCenter S Grandes benefícios para a pequena empresa Destaques Tudo em um integra servidores, armazenamento SAN, redes e I/O em um único chassi Dispensa conexões especiais usa tomadas elétricas

Leia mais

Para existência de um sistema de informação, fazem-se necessários três componentes, são eles:

Para existência de um sistema de informação, fazem-se necessários três componentes, são eles: RESUMO Um sistema de informação é composto de três componentes, Hardware, Software e Peopleware. Para quantificar a memória do equipamento é utilizado um sistema de medida, ou seja, o byte, que significa

Leia mais

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO Virtualização A virtualização está presente tanto no desktop de um entusiasta pelo assunto quanto no ambiente de TI de uma infinidade de empresas das mais variadas áreas. Não se trata de "moda" ou mero

Leia mais

ARQUITETURA TRADICIONAL

ARQUITETURA TRADICIONAL INTRODUÇÃO Atualmente no universo corporativo, a necessidade constante de gestores de tomar decisões cruciais para os bons negócios das empresas, faz da informação seu bem mais precioso. Nos dias de hoje,

Leia mais

DELL POWERVAULT SÉRIE MD ARMAZENAMENTO DE DADOS MODULAR ARMAZENAMENTO DE DADOS DELL POWERVAULT SÉRIE MD

DELL POWERVAULT SÉRIE MD ARMAZENAMENTO DE DADOS MODULAR ARMAZENAMENTO DE DADOS DELL POWERVAULT SÉRIE MD ARMAZENAMENTO DE DADOS MODULAR ARMAZENAMENTO DE DADOS DELL POWERVAULT SÉRIE MD Simplificação da TI O Dell série MD pode simplificar a TI, otimizando sua arquitetura de armazenamento de dados e garantindo

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I 18/9/2009 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé Prof. Aux. Simone Markenson Pech 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Conceituação de SO Funções Básicas Breve Histórico Tipos

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

EAGLE TECNOLOGIA E DESIGN CRIAÇÃO DE SERVIDOR CLONE APCEF/RS

EAGLE TECNOLOGIA E DESIGN CRIAÇÃO DE SERVIDOR CLONE APCEF/RS EAGLE TECNOLOGIA E DESIGN CRIAÇÃO DE SERVIDOR CLONE APCEF/RS Relatório Nº 03/2013 Porto Alegre, 22 de Agosto de 2013. ANÁLISE DE SOLUÇÕES: # RAID 1: O que é: RAID-1 é o nível de RAID que implementa o espelhamento

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS COM MÚLTIPLOS PROCESSADORES LIVRO TEXTO: CAPÍTULO 13, PÁGINA 243 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional INTRODUÇÃO Arquiteturas que possuem duas ou mais CPUs interligadas

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Abstrações e Tecnologias Computacionais. Professor: André Luis Meneses Silva E-mail/msn: andreluis.ms@gmail.com Página: orgearq20101.wordpress.

Abstrações e Tecnologias Computacionais. Professor: André Luis Meneses Silva E-mail/msn: andreluis.ms@gmail.com Página: orgearq20101.wordpress. Abstrações e Tecnologias Computacionais Professor: André Luis Meneses Silva E-mail/msn: andreluis.ms@gmail.com Página: orgearq20101.wordpress.com Agenda Introdução Sistemas Computacionais Arquitetura X

Leia mais

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br Hardware e Software Professor: Felipe Schneider Costa felipe.costa@ifsc.edu.br Agenda Hardware Definição Tipos Arquitetura Exercícios Software Definição Tipos Distribuição Exercícios 2 Componentesde um

Leia mais

Introdução. O que é Serviços de Terminal

Introdução. O que é Serviços de Terminal Introdução Microsoft Terminal Services e Citrix MetaFrame tornaram-se a indústria padrões para fornecer acesso de cliente thin para rede de área local (LAN), com base aplicações. Com o lançamento do MAS

Leia mais

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING http://www.uniriotec.br/~tanaka/tin0036 tanaka@uniriotec.br Bancos de Dados Distribuídos Conceitos e Arquitetura Vantagens das Arquiteturas C/S (em relação

Leia mais

Arquitetura e Sistema de Monitoramento para

Arquitetura e Sistema de Monitoramento para Arquitetura e Sistema de Monitoramento para 1 Computação em Nuvem Privada Mestranda: Shirlei A. de Chaves Orientador: Prof. Dr. Carlos Becker Westphall Colaborador: Rafael B. Uriarte Introdução Computação

Leia mais