LISTA 02. r 2. puxam uma banana split (sorvete com calda e banana) em um balcão sem atrito. (a) Determine o vetor força resultante F r 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LISTA 02. r 2. puxam uma banana split (sorvete com calda e banana) em um balcão sem atrito. (a) Determine o vetor força resultante F r 1"

Transcrição

1 01 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Depatamento de Matemática e Física Coodenado da Áea de Física Disciplina: Física Geal e Expeimental I (MAF 01) LISTA 0 CAPÍTULO (Pegunta 01) Duas foças hoizontais, F = (3 N ) iˆ (4 N ) ˆj 1 F = ( 1 N ) iˆ ( N ) ˆj puxam uma banana split (sovete com calda e banana) em um balcão sem atito. (a) Detemine o veto foça esultante F 1 + F ; (b) Repesenta na fig. 01 os vetoes F 1, F e o esultante F 1 + F. y x Fig. 01. (Pegunta 0) No tempo t = 0, uma única foça F de módulo constante começa a atua sobe uma peda que está movendo ao longo de um eixo x atavés do espaço longínquo. A peda continua a se move ao longo desse eixo. (a) Paa tempos t > 0, qual das seguintes funções pode desceve a posição da peda x(t): (1) x = 4t 3, () x = -4t + 6t 3, (3) x = 4t + 6t 3? (b) Paa que função F está diigida no sentido contáio à dieção do movimento inicial? 3. (Pegunta 03) A Fig.0 mosta vistas de cima de quato situações nas quais foças agem sobe um bloco que está situado em um piso sem atito. Se os módulos das foças foem escolhidos adequadamente, em que situações é possível que o bloco esteja (a) em epouso e (b) se movendo com velocidade constante? F 1 F 1 F F 1 F F 3 F 1 F F F Fig. 0

2 0 4. (Pegunta 04) Na Fig.03, duas foças F e 1 constante sobe o piso hoizontal, sem atito. Devemos eduzi o ângulo θ de F atua sobe um bloco enquanto o bloco desliza com velocidade F sem alteamos seu módulo. 1 Paa mantemos o bloco deslizando com velocidade constante devemos aumenta, eduzi ou mante o módulo de F? F 1 F θ Fig (Pegunta 05) A Fig.04 fonece o diagama de copo live paa quato situações nas quais um objeto é puxado po váias foças em um piso sem atito, quando visto de cima. Em que situações a aceleação do objeto a possui (a) uma componente x e (b) uma componente y? (c) Em cada situação, dê a dieção de a pelo nome do quadante ou pelo sentido ao longo de um eixo. (Isto pode se feito com alguns cálculos de cabeça.) Fig (Pegunta 07) O copo que está suspenso po uma coda na Fig.05 possui um peso de 75N. T é igual, maio ou meno do que 75N quando o copo estive se movendo paa baixo com (a) velocidade escala cescente e (b) velocidade escala decescente? T T Fig. 05

3 03 7. (Pegunta 08) Uma foça vetical F é aplicada a um bloco de massa m que está situado em um piso hoizontal. O que acontece com o módulo da foça nomal N que o piso exece sobe o bloco quando o módulo F é aumentado a pati de zeo se a foça F estive (a) paa baixo e (b) paa cima? 8. (Pegunta 09) A Fig.06 mosta uma composição de quato blocos puxados em um piso sem atito po uma foça F. Que massa total é aceleada paa a dieita (a) pela foça F, (b) pelo fio 3 e (c) pelo fio 1? (d) Classifique os blocos em odem decescente de aceleações. (e) Classifique os fios em odem decescente tações. 10kg 10kg Fio 01 3kg Fio 0 5kg Fio 03 3kg 5kg Fig. 06 kg F 9. (1E) Se o copo padão de 1 kg possui uma aceleação de,00 m/s inclinada de 0º em elação ao sentido positivo do eixo x, então qual seá (a) a componente x e (b) a componente y da foça esultante que age sobe ele, e (c) qual é a foça esultante da notação de veto unitáio? 10. (E) Duas foças hoizontais agem sobe um bloco de,0 kg que pode desliza sobe um balcão de cozinha sem atito, que está posicionado em um plano xy. Uma foça é F = (3,0N)i ˆ + (4,0N)j ˆ 1. Ache a aceleação do bloco na notação de veto unitáio quando a outa foça fo (a) F = (-3,0N)i ˆ + (-4,0N)j ˆ, (b) F = (-3,0N)i ˆ + (4,0N)j ˆ, (c) F = (3,0N)i ˆ + (-4,0N)j ˆ. 11. (4E) Enquanto duas foças agem sobe ela, uma patícula tem que se move com velocidade constante v = (3m/s)i ˆ - (4m/s)j. ˆ Uma das foças é F = (N)i ˆ + (-6N)j ˆ 1. Qual é a outa foça? 1. (5E) Tês foças agem sobe uma patícula que se move com velocidade constante V = (m/s)i ˆ - (7m/s)j. ˆ Duas das foças são F = (N)i ˆ + (3N)j+ ˆ (-N)kˆ 1 e F = (-5N)i ˆ + (8N)j+ ˆ (-N)kˆ. Qual é a teceia foça? 13. (6P) Tês astonautas, impulsionados po backpacks a jato, empuam e guiam um asteóide de 10kg em dieção a uma platafoma de pocessamento, execendo as foças mostadas na Fig.07. Qual é a aceleação do asteóide (a) na notação de veto unitáio e como (b) um módulo e (c) uma dieção? Y 3 N 30º 60º 55 N X 41 N Fig (7P) Há duas foças atuando sobe a caixa de,0 kg na vista de cima da Fig.08, mas apenas uma é mostada. A figua mosta também a aceleação da caixa. Ache a Segunda foça (a) na notação de veto unitáio e como (b) um módulo e (c) uma dieção.

4 04 Y F 1 = 0N X 30º a = 1 m/s Fig (9E) (a) Um salame de 11,0 kg está penduado po um fio que se estende até uma balança de mola, que é apoiada po outo fio peso no teto (Fig.9a). Qual é a leitua da balança, que está macada em unidades de peso? (b) Na Fig.9b o salame está penduado po um fio que passa po uma oldana e uma balança. A extemidade oposta da balança é pesa po um fio a uma paede. Qual é a leitua na balança? (c) Na Fig.9c a paede foi substituída po um segundo salame de 11,0 kg do lado esquedo; o conjunto está paado. Qual é a leitua na balança agoa? Fig (10E) Um bloco pesando 3,0N está em epouso sobe uma supefície hoizontal. Uma foça paa cima de 1,0N é aplicada ao bloco po meio de uma coda vetical pesa a ele. Qual o módulo, a dieção e o sentido da foça que o bloco exece sobe a supefície hoizontal? 17. (11E) Um ceta patícula possui um peso de N em um ponto onde g = 9,8 m/s. Quais são (a) o seu peso e (b) a sua massa em um ponto onde g = 4,9 m/s? Quais são (c) o seu peso e (d) a sua massa se ela fo movimentada paa um ponto no espaço onde g = 0? 18. (1E) Calcule o peso de um patulheio espacial de 75kg (a) na Tea, (b) em Mate, onde g = 3,8 m/s, e (c) no espaço inteplanetáio, onde g = 0. (d) Qual é a massa do patulheio em cada um destes locais? 19. (14E) Uma ciança de 9,0 kg, com uma mochila de 4,50 kg nas costas, inicialmente em pé em uma calçada, dá um pulo paa cima. Ache o módulo, a dieção e o sentido da foça que a ciança exece sobe a calçada quando a

5 05 ciança estive (a) paada em pé e (b) no a. Depois ache o módulo, a dieção e o sentido da foça esultante sobe a tea devido à ciança quando ela estive (c) paada em pé e (d) no a. 0. (15E) Na fig.10, considee que a massa do bloco é de 8,5 kg e que o ângulo θ é de 30º. Ache (a) a tação no fio (b) a foça nomal que age sobe o bloco. (c) se o fio fo cotado, detemine o módulo da aceleação do bloco. Sem atito θ Fig (18E) A tação na qual uma linha de pesca se ompe é comumente chamada de esistência da linha. Qual é a esistência mínima necessáia paa uma linha que deve paa um salmão que pesa 85N em 11 cm se o peixe estive inicialmente se deslocando a,8 m/s? Considee uma desaceleação constante.. (5P) Uma gaota de 40 kg e um tenó de 8,4 kg estão sobe o gelo sem atito de um lago congelado, a uma distância de 15 m um do outo mas unidos po uma coda de massa despezível. A gaota exece uma foça hoizontal de 5, N sobe a coda. (a) Qual é a aceleação do tenó? (b) Qual é a aceleação da gaota? (c) A que distância da posição inicial da gaota eles se encontam? 3. (7P) Um bombeio pesando 71 N desce uma coluna escoegando com uma aceleação paa baixo de 3,00 m/s. Quais são os módulos, dieções e sentidos das foças veticais (a) que a coluna exece sobe o bombeio e (b) que o bombeio exece sobe a coluna? 4. (9P) Uma esfea de massa 3,0 x 10-4 kg está suspensa po um fio. Uma bisa sopa ininteuptamente na dieção hoizontal empuando a esfea de tal foma que o fio faz um ângulo constante de 37º com a vetical. Ache (a) o módulo daquele empuão e (b) a tação no fio. 5. (31P) Dois blocos estão em contato sobe uma mesa sem atito. Uma foça hoizontal é aplicada ao bloco maio, como mostado na Fig.11. (a) Se m 1 =,3 kg, m = 1, kg e F = 3,N, ache o módulo da foça ente os dois blocos, (b) Moste que se uma foça de mesmo módulo F fo aplicada ao bloco meno mas no sentido contáio, o módulo da foça ente os blocos seá,1 N, que não é o mesmo valo calculado em (a). (c) Explique a difeença. m 1 F m Fig (33P) Um elevado e sua caga possuem uma massa combinada de 1600 kg. Acha a tação no cabo de sustentação quando o elevado, que oiginalmente estava descendo a 1 m/s, é elevado ao epouso com aceleação constante em uma distância de 4 m.

6 06 7. (34P) A Fig.1 mosta quato pingüins que estão se divetindo ao seem puxados em uma camada de gelo bastante escoegadia (sem atito) po um tatado. As massas dos tês pingüins e a tação em dois dos fios são dadas. Ache a massa do pingüim que não foi dado. Fig.1 8. (36P) Na Fig.13, tês blocos estão ligados e são puxados paa a dieita sobe uma mesa hoizontal sem atito po uma foça com um módulo de T 3 = 65,0N. Se m 1 = 1,0 kg, m = 4,0 kg e m 3 = 31,0 kg, calcule (a) a aceleação do sistema e as tações (b) T 1 e (c) T nos fios de ligação ente os blocos. T 1 T T 3 m 1 M M 3 Fig (38P) Um tabalhado aasta um caixote pelo piso de uma fábica puxando uma coda pesa ao caixote (Fig.14). O tabalhado exece uma foça de 450N sobe a coda, que está inclinada de 38º em elação à hoizontal, e o piso exece uma foça hoizontal de 15N que se opõe ao movimento. Calcule o módulo da aceleação do caixote se (a) a sua massa fo de 310 kg e (b) o seu peso fo de 310N. Fig (41P) Na Fig.15, uma coente composta de cinco elos, cada um de massa igual a 0,100 kg é suspensa veticalmente com uma aceleação constante de,50 m/s. Ache os módulos (a) da foça que o elo exece sobe o elo 1, (b) da foça que o elo 3 exece sobe o elo, (c) da foça que o elo 4 exece sobe o elo 3 e (d) da foça que o elo 5 exece sobe o elo 4. Depois ache os módulos (e) da Foça F que a pessoa levantando a coente exece sobe o elo mais elevado e (f) a foça esultante que acelea cada elo.

7 07 Fig (43P) Um bloco de massa m 1 = 3,70 kg sobe uma plano inclinado de 30,0º está ligado po um fio que passa po uma oldana sem massa e sem atito a um segundo bloco de massa m =,30 kg suspenso veticalmente (Fig.16). Quais são (a) o módulo da aceleação de cada bloco e (b) a dieção e sentido da aceleação do bloco suspenso? (c) Qual é a tação no fio? m1 30º m Fig (47P) Um macaco de 10 kg sobe em uma coda sem massa penduada em um galho de ávoe que está pesa do outo lado em um caixote de 15 kg no chão (Fig.17). (a) Qual o módulo da meno aceleação que o macaco deve te paa que ele consiga levanta o caixote do chão? Se, depois de o caixote Te sido levantado, o macaco paa de subi e fica agaado na coda, quais seão (b) o módulo, (c) a dieção e o sentido da aceleação do macaco, e (d) qual seá a tação na coda? Fig (55P) Um elevado pesando7, 8 kn ecebe uma aceleação paa cima de 1, m/s po meio de um cabo. (a) Calcule a tação no cabo. (b) Qual seá a tação quando o elevado estive desaceleando a uma taxa de 1, m/s mas ainda estive se movendo paa cima? 34. (56P) Um lâmpada está suspensa na vetical po um fio em um elevado que está descendo e que desacelea a,4 m/s. (a) Se a tação no fio é 89N, qual é a massa da lâmpada? (b) qual seá a tação do fio quando o elevado estive subindo com uma aceleação paa cima de,4m/s?

8 08 CAPÍTULO (Pegunta 01) Em tês expeimentos, tês foças hoizontais difeentes são aplicadas sobe um mesmo bloco colocado sobe a supefície de uma mesma bancada. As intensidade das foças são F 1 = 1N, F = 8N e F 3 = 4N. Em cada expeimento, o bloco pemanece imóvel mesmo com a foça aplicada. Classifique em odem decescente as foças de acodo (a) com a intensidade f s da foça de atito estático que a supefície da bancada exece sobe o bloco e (b) com o valo máximo f s.máx dessa foça. 36. (Pegunta 0) Na Fig. 18a uma gaafa témica é empuada e desliza paa a esqueda sobe uma bandeja plástica. Quais são as dieções das foças de atito cinético (a) que a bandeja exece sobe a gaafa témica e (b) que a gaafa témica exece sobe a bandeja? (c) a bandeja aumenta ou eduz a velocidade da gaafa témica em elação ao piso? Na Fig.18b, a bandeja agoa é empuada e desliza paa a esqueda, po baixo da gaafa témica. Quais são agoa os sentidos das foças de atito cinético que (d) a bandeja exece sobe a gaafa témica e (e) que a gaafa témica exece sobe a bandeja? (f) a bandeja aumenta ou eduz a velocidade da gaafa témica em elação ao piso? (g) foças de atito cinético sempe eduzem a velocidade dos objetos? V V (a) (b) Fig (Pegunta 03) Na Fig. 19, uma foça hoizontal F 1 com intensidade de 10N é aplicada a uma caixa que se enconta no chão, sem que a caixa deslize. Então, confome a intensidade da foça vetical F vai sendo aumentada a pati de zeo, as gandezas a segui teão o seu valo aumentado, eduzido ou pemaneceão constantes: (a) a intensidade da foça de atito estático f S sobe a caixa; (b) a intensidade da foça N que o piso exece sobe a caixa; (c) o valo máximo da foça de atito estático f S.MAX sobe a caixa? (d) existe a possibilidade de a caixa acaba deslizando? F 1 F Fig (Pegunta 04) Se você pessiona hoizontalmente um engadado de maçãs conta uma paede vetical, de uma maneia tão fime que o engadado não possa escoega paede abaixo, qual a dieção e o sentido (a) da foça de atito estático f S que a paede exece sobe o engadado e (b) da foça nomal N que a paede exece sobe o engadado? Se você aumenta a foça com que você empua o engadado conta a paede, o que acontece com (c) f S, (d) N e (e) f S.MAX?

9 (Pegunta 05) Na Fig. 0, se a caixa estive em epouso e o ângulo θ da foça F fo aumentado, as seguintes gandezas aumentam, diminuem ou pemanecem as mesmas: (a) F x; (b) f S ; (c) N; (d) f S.MAX? (e) Se, ao contáio, a caixa estive deslizando e o ângulo θ fo aumentado, a intensidade da foça de atito sobe a caixa aumenta, diminui ou pemanece a mesma? Fig (Pegunta 06) Responda as peguntas do execício 39 paa o caso da foça F esta oientada paa cima em vez de paa baixo, como desenhada. 41. (Pegunta 07) A Fig. 1 mosta um bloco de massa m sobe uma placa espessa de massa M, e uma foça hoizontal F aplicada sobe o bloco, fazendo com que este se mova em elação à placa. Há atito ente o bloco e a placa (mas não ente a placa e o piso). (a) Qual massa detemina a intensidade da foça de atito ente o bloco e a placa? (b) Na inteface bloco-placa, a intensidade da foça de atito que atua sobe o bloco é maio, meno ou igual àquela da foça de atito que atua sobe a placa? (c) Quais são os sentidos destas duas foças de atito? (d) Se escevêssemos a Segunda lei de Newton paa a placa, qual a massa deveia se multiplicada pela aceleação da placa? Sem atito F Bloco, m Placa espessa, M Fig (E) Coeficiente de atito estático ente o Teflon e os ovos mexidos é de apoximadamente 0,04. Qual o meno ângulo, medido em elação à hoizontal, que faá com que os ovos deslizem no fundo de uma figideia evestida com Teflon? 43. (5E) Uma pessoa empua na hoizontal um engadado de 55kg com uma foça hoizontal de 0N paa movê-lo sobe um piso hoizontal. O coeficiente de atito cinético é de 0,35. (a) Qual é a intensidade da foça de atito? (b) Qual é a intensidade da aceleação do engadado? 44. (7E) Um disco de hóquei, de 110g, posto paa desliza sobe o gelo, numa pista hoizontal, páa após pecoe 15m devido à foça de atito execida pele gelo sobe ele. (a) Se a sua velocidade inicial fo de 6,0m/s, qual seá a intensidade da foça de atito? (b) Qual seá o coeficiente de atito ente o disco e o gelo? 45. (9P) Uma foça hoizontal F de 1N empua um bloco que pesa 5,0N conta uma paede vetical (Fig. ). O coeficiente de atito estático ente a paede e o bloco é de 0,60, e o coeficiente cinético é de 0,40. Suponha que o bloco não esteja se movendo inicialmente. (a) o bloco iá se move? (b) qual é a foça da paede sobe o bloco, na notação de veto unitáio?

10 010 y F x Fig. 46. (11P) Um tabalhado deseja amontoa um cone de aeia em cima de uma áea cicula de seu pátio. O aio do cículo é R e não deve have aeia espalhada além da áea limitada (Fig. 3). Se µ S fo o coeficiente de atito estático ente cada camada de aeia ao longo do talude e a aeia abaixo (ao longo da qual ela podeia desliza), 3 moste que o maio volume de aeia que pode se estocada desta maneia é πµ s R /3. (O volume de um cone é Ah/3, onde A é a áea da base e h é a altua do cone.) R h Fig (1P) Um tabalhado empua na hoizontal um engadado de 35kg, inicialmente em epouso, com uma foça de 110N. O coeficiente de atito estático ente o engadado e o piso é de 0,37. (a) Qual é a foça de atito que o piso exece sobe o engadado? (b) Qual é a intensidade máxima da foça de atito estático f S.MAX nestas cicunstâncias? (c) O engadado se move? (d) Suponha, em seguida que um segundo tabalhado puxe o engadado bem na vetical, paa ajudá-lo. Qual o valo mínimo da foça de tação na vetical que pemitiia que o empuão de 110N do pimeio tabalhado movesse o engadado? (e) Se, em vez disso, o segundo tabalhado ajudasse puxando hoizontalmente o engadado, qual seia a foça mínima de tação que colocaia o engadado em movimento? 48. (13P) Um engadado de 68kg é aastado sobe um piso hoizontal, puxado po uma coda pesa ao engadado e inclinada de 15º acima da hoizontal. (a) se o coeficiente de atito estático fo de 0,50, qual seá a intensidade da foça mínima necessáia paa que o engadado comece a se move? (b) se µ K = 0,35, qual seá a intensidade da aceleação inicial do engadado? 49. (15P) Os blocos A e B da Fig. 4 pesam 44N e N, espectivamente. (a) detemine o peso mínimo do bloco C paa impedi que o bloco A deslize se µ S ente o bloco A e a mesa fo de 0,0. (b) o bloco C é emovido subitamente de cima do bloco A. Qual seá a aceleação do bloco A se µ K ente A e a mesa fo de 0,15?

11 011 C A Roldana sem atito e sem massa B Fig (16P) Um bloco de 3,5 kg é empuado sobe uma supefície hoizontal po uma foça F de intensidade igual a 15N que faz um ângulo de θ = 40º com a hoizontal (Fig.5). O coeficiente de atito cinético ente o bloco e o piso é de 0,5. Calcule a intensidade (a) da foça de atito que o piso exece sobe o bloco e (b) a aceleação do bloco. θ Fig. 5 F 51. (18P) Um bloco, pesando 80N está em epouso sobe um plano inclinado de 0º em elação à hoizontal. (Fig. 6). Ente o bloco e o plano inclinado, o coeficiente de atito estático é de 0,5, e o coeficiente de atito cinético é de 0,15. (a) qual a intensidade mínima da foça F, paalela ao plano, que podeá evita que o bloco deslize paa baixo do plano? (b) qual a intensidade mínima de F paa inicia o movimento do bloco paa cima do plano? (c) qual o valo de F necessáio paa move o bloco paa cima do plano, com velocidade constante? F 0º Fig (19P) O bloco B da Fig. 7 pesa 711N. O coeficiente de atito estático ente o bloco B e a mesa é de 0,5; suponha que o cabo ente B e o nó seja hoizontal. Enconte o peso máximo do bloco A, paa o qual o sistema ficaá em epouso. B 30º A Fig. 7

12 (1P) O Copo A da Fig. 8 pesa 10N e o copo B, 3N. Os coeficientes de atito ente o bloco A e a ampa são µ S = 0,56 e µ k = 0,5. O ângulo θ é igual a 40º. Enconte a aceleação de A (a) se A estive inicialmente em epouso, (b) se A estive inicialmente se movendo paa cima da ampa e (c) se A estive inicialmente se movendo paa baixo da ampa. 54. (P) Na Fig. 8, dois blocos estão ligados po um fio que passa po uma polia. A massa do bloco A é igual a 10kg e o coeficiente de atito cinético ente A e a ampa é de 0,0. O ângulo θ de inclinação da ampa é igual a 30º. O bloco A desliza paa baixo da ampa com velocidade constante. Qual é a massa do bloco B? Polia sem atito e sem massa A B θ Fig (9P) Na Fig. 9, um caixote desliza paa baixo de um calha inclinada, que possui lados otogonais. O coeficiente de atito cinético ente o caixote e a calha é µ k. Qual é a aceleação do caixote, em temos de µ k, θ e g? Fig (33E) Calcule a foça de aasto sobe um míssil de 53 cm de diâmeto se deslocando a uma velocidade de 50 m/s a baixa altitude, onde a massa específica do a é de 1, Kg/m 3. Suponha que C = 0, (34E) A velocidade teminal de um sky dive é de 160 km/h na posição de águia de asas abetas e 310 km/h na posição de megulho de cabeça. Suponho que o coeficiente de aasto C do espotista não se modifique de uma posição paa a outa, enconte a elação ente a áea da seção tansvesal efetiva A na posição de meno velocidade em elação à posição mais ápida. 58. (Pegunta 09) A Fig. 30 mosta a tajetóia de um tenzinho que se move com velocidade de módulo constante pecoendo cinco acos de cículo de aios R 0, R 0 e 3R 0. Odene em odem decescente os acos, de acodo com a intensidade da foça centípeta que age sobe um passageio do tenzinho. Fig. 30

13 (37E) Suponha que o coeficiente de atito estático ente o pavimento e os pneus de um cao de coida de Fómula 1 seja de 0,6 duante um Gande Pêmio de automobilismo. Qual velocidade deixaá o cao na iminência de deapa ao faze uma cuva hoizontal de 30,5 m de aio? 60. (38E) Um cao de montanha-ussa tem uma massa de 100 kg quando completamente lotado de passageios. Ao passa pelo ponto mais alto de um moo cicula de aio igual a 18m. (a) Quais são o módulo, a dieção e o sentido da foça que a pista exece sobe o cao ao passa pelo topo do moo, se a velocidade escala do cao fo de 11 m/s? ; (b) Qual é o maio valo da velocidade do cao no ponto mais alto, sem que ele saia do tilho? 61. (39E) Qual é o meno aio de uma pista sem supeelevação (plana) em tono da qual um ciclista pode se desloca a uma velocidade de 9 km/h e onde o coeficiente de atito estático ente os pneus e a pista é de 0,3? 6. (40P) Um binquedo do paque de divesões é fomado po um cao que se move em um cículo vetical na extemidade de uma haste ígida de massa despezível. O peso combinado do cao com os passageios é de 5,0 kn e o aio do cículo é de 10 m. Quais são o módulo, a dieção e o sentido da foça que a haste exece sobe o cao no ponto mais alto do cículo se a velocidade escala do cao neste ponto fo de (a) 5,0 m/s e (b) 1 m/s? 63. (41P) Um disco de hóquei de massa m desliza sobe uma mesa sem atito, enquanto pemanece ligado a um cilindo em epouso de massa M, penduado po um fio que passa po um buaco feito na mesa (Fig. 31). Que velocidade do disco mantém o cilindo em epouso? Fig (47P) Como mostado na Fig. 3, uma bola de 1,34 kg está ligada, po dois fios de massa despezível, a uma haste vetical que está giando. Os fios estão ligados à haste e estão esticados. A tação no fio de cima é de 35 N. (a) Desenhe o diagama de copo live paa a bola. (b) Qual é a tação no fio de baixo? (c) Qual é a foça esultante sobe a bola e (d) qual a velocidade da bola? Compimento do fio = 1,70 m cada Fig. 18 Fig. 3

14 014 GABARITO - LISTA 0 Física II 1. ˆ ˆ (N)i - (6N)j. a) e 3 b) 3. a) e 4 ; b) e 4 4. Aumenta 5. a), 3 e 4 ; b) 1, 3 e 4; c) (1) eixo y, () eixo x, (3) 4º quadante, (4) 3º quadante. 6. a) meno; b) maio 7. a) aumenta; b) diminui 8. a) 0 kg; b) 18 kg; c) 10 kg; d) todos têm a mesma aceleação; e) T 3 > T > T 1 9. a) 1,88 N; b) 0,68 N; c) ˆ ˆ (1,88i + 0,68j)N 10. a) 0; b) (4m/s ) ĵ ; c) (3 m/s ) î 11. (- N)i + (6N) j 1. (3i ˆ - 11j+ ˆ 4k)N ˆ 13. a) (0,86i - 0,16j) m/s ; b) 0,87 m/s ; c) 10, 67º com +x 14. a) (-3i - 0,78j)N ; b) 38,15 N; 13º com +x 15. a) 107,8 N; b) 107,8 N; c) 107,8 N 16. N, na dieção vetical e sentido paa baixo N; b),4 kg; c) 0 ; d),4 kg 18. a) 735 N; b) 85 N; c) 0 ; d) 75 kg ,3 N paa baixo; b) 0; c) e d) 38,3N paa cima 0. a) 41,65 N; b) 7,14N; c) 4,9 m/s N. a) 0,65 m/s ; b) 0,13 m/s ; c),5 m N, paa cima; b) 494, paa baixo 4. a), N; b) 3, N 5. a) 1,1 N N 7. 3 kg 8. a) 0,97 m/s ; b) 11,64; c) 34,9 9. a) 0,74 m/s ; b) 7,6 m/s 30. a) 1,3 N ; b),46 N; c) 3,69N ; d) 4,9 N; e) 6,15 N; f) 0,5 N 31. a) 0,735 m/s ; b) veticalmente paa baixo; c) 0,85 N 3. a) 4,9 m/s ; b) 1,96 m/s ; c) veticalmente paa cima; d) 117,6 N 33. a) 3, N; b), N 34. a) 7,9 kg; b) 89 N 35. a) F S! > F S > F S3 ; b) são todos iguais 36. a) dieita; b) esqueda; c) eduz; d) esqueda; e) dieita; f) aumenta; g) não 37. a) pemaneceá a mesma; b) aumentaá; c) aumentaá; d) não 38. a) vetical paa cima; b) hoizontalmente em sentido contáio à sua foça; c) pemaneceá a mesma; d) aumentaá; e) aumentaá

15 a) diminuiá; b) diminuiá; c) aumentaá; d) aumentaá; e) aumentaá 40. a) diminuiá ; b) diminuiá; c) diminuiá; d) diminuiá; e) diminuiá 41. a) do bloco m; b) igual; c) paa a dieita, no bloco e paa esqueda na placa; d) da placa M 4.,3º 43. a) 188,65 N; b) 0,57 m/s 44. a) 0,13 M; b) 0,1 45. a) não; b) ˆ ˆ (-1i + 5j)N a) 110 N; b) 16,91 N; c) não; d) 45,7 N ; e) 16,91 N 48. a) 304, N; b) 1,3 m/s 49. a) 66 N; b),9 m/s 50. a) 10,98 N; b) 0,14 m/s 51. a) 8,57 N; b) 46,15 N; c) 38,64 N 5. a) 10,6 N 53. a) 0; b) 3,88 m/s, paa baixo; c) 1 m/s, paa baixo 54. 3,7 Kg 55. g(senθ - µ cosθ) K N 57. A = 3,75 A 58. 4,3, depois 1, e 5 empatados km/h 60. a) 3693N, veticalmente paa cima; b) 13,8 m/s m 6. a) 374, vetical paa cima; b) 347, vetical paa baixo 63. 1/ Mg m 64. b) 8,74 N; c) 37,9 N, na dieção adial paa dento; d) 6,45 m/s OBS: Os execícios desta lista foam etiados do Cap. 05 e 06 do livo Fundamentos de Física I (Halliday e Resnick Walke) 6ª Ed. Editoa LTC, sendo que esta lista não substitui o livo texto. EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES DA LISTA Detemine o momento esultante das foças coplanaes, dadas na Fig. 01, em elação ao ponto A. Dados: F 1 = 30N; F =15N, F 3=0N m m 3 m A F 1 F F 3 Fig º RESPOSTA: 11,5 N.m

16 Uma baa homogênea de 100N de peso é colocada sobe os apoios A e B, confome mosta a Fig. 0. Sendo de 00N o peso do copo C, detemine as intensidade das eações dos apoios A e B conta a baa em equilíbio. C A B 0 cm 50 cm 0 cm 10 cm Fig. 0 RESPOSTA: N A = 114,8 N N B = 185,71 N 67. Sendo = xi + yj + zk e F = F xi + F yj + F zk, moste que o toque τ = x F é dado po τ = (yf z zf y)i + (zf x xf z)j + (xf y yf x)k 68. Qual é toque em tono da oigem execido sobe um gão de aeia situado nas coodenadas (3,0 m; -,0m; 4,0m) devido (a) á foça F 1 = (3,0 N)i (4,0 N)j + (5,0 N)k, (b) á foça F = (-3,0 N)i (4,0 N)j (5,0N)k e (c) à esultante de F 1 e F? RESPOSTA: (a) (6,0 N. m)i - (3,0 N. m)j (6,0 N. m)k (b) (6 N. m)i + (3,0 N. m)j (18 N. m)k (c) (3 N. m)i - (4 N. m)k 69. Uma placa quadada unifome, de 50,0 kg e tendo,00 m de lado, está peduada em uma haste de 3,00 m de compimento e massa despezível. Um cabo está peso à extemidade da haste e a um ponto na paede situado 4,00 m acima do ponto onde a haste é fixada à paede, confome mosta a Fig. 03. (a) qual é a tensão no cabo? Quais são (b) a componente hoizontal e (c) a componente vetical da foça execida pela paede sobe a haste? Fig.03

17 017 RESPOSTA: a) 408N; F h = 45N (dieita) c) F v = 163 N (paa cima) 70. As foças F 1, F, e F 3 atuam sobe a estutua da Fig. 04 que mosta um vista supeio, deseja-se coloca a estutua em equilíbio, aplicando uma foça, num ponto P, cujas componentes vetoiais são F h e F v. É dado que a=,0m, b = 3,0m, c=1,0m, F 1 = 0N, F = 10N e F 3 = 5,0N. Enconte (a) F h, (b) F v e (c) d. Fig.04 RESPOSTA: a) 5N; b)30n; c)1,33m 71. Uma extemidade de uma viga unifome pesando,4 N e tendo 0,914 m de compimento è pesa paede po meio de uma dobadiça. A outa extemidade é sustentada po um fio (veja Fig.05). (a) enconte a tensão no fio. Quais são as componentes (b) hoizontal e (c) vetical da foça execida pela dobadiça? Fig.05 RESPOSTA: a) 19,6N b) 96,5 N c) 55,6 N 7. Sistema da Fig.06 está em equilíbio. 5 kg de massa pendem da extemidade de um supote que, po sua vez, tem massa de 45,0 kg. Enconte (a) tensão T no cabo e as componentes (b) hoizontal e (c) vetical da foça execida sobe o supote pela dobadiça. Fig.06 RESPOSTA: a) 6630N b) F h=5740 N c) F v=5960 N

18 Na Fig.07, uma baa hoizontal fina AB, de massa despezível e compimento L, é pesa a uma dobadiça em um paede vetical no ponto A e é sustentada, em B, po um fio BC, fino que faz um ângulo θ com a hoizontal. Um peso P pode se movido paa qualque posição ao longo da baa, sendo sua posição definida pela distância x desde a paede até o seu cento de massa. Enconte (a) tensão no fio e as componentes (b) hoizontal e (c) vetical da foça execida sobe a baa pelo pino em A, como função da distância x. Fig.07 Px RESPOSTA: a) Lsenθ b) Px Ltgθ c) x P(1 - ) L

XForça. Um corpo, sobre o qual não age nenhuma força, tende a manter seu estado de movimento ou de repouso. Leis de Newton. Princípio da Inércia

XForça. Um corpo, sobre o qual não age nenhuma força, tende a manter seu estado de movimento ou de repouso. Leis de Newton. Princípio da Inércia Física Aistotélica of. Roseli Constantino Schwez constantino@utfp.edu.b Aistóteles: Um copo só enta em movimento ou pemanece em movimento se houve alguma foça atuando sobe ele. Aistóteles (384 a.c. - 3

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Escola de Engenharia. 1 Cinemática 2 Dinâmica 3 Estática

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Escola de Engenharia. 1 Cinemática 2 Dinâmica 3 Estática UNIVERSIDDE PRESITERIN MKENZIE Escola de Engenhaia 1 inemática 2 Dinâmica 3 Estática 1ºs/2006 1) Uma patícula movimenta-se, pecoendo uma tajetóia etilínea, duante 30 min com uma velocidade de 80 km/h.

Leia mais

Mecânica Técnica. Aula 5 Vetor Posição, Aplicações do Produto Escalar. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica Técnica. Aula 5 Vetor Posição, Aplicações do Produto Escalar. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues ula 5 Veto Posição, plicações do Poduto Escala Pof. MSc. Luiz Eduado Mianda J. Rodigues Pof. MSc. Luiz Eduado Mianda J. Rodigues Tópicos bodados Nesta ula Vetoes Posição. Veto Foça Oientado ao Longo de

Leia mais

Universidade de Évora Departamento de Física Ficha de exercícios para Física I (Biologia)

Universidade de Évora Departamento de Física Ficha de exercícios para Física I (Biologia) Univesidade de Évoa Depatamento de Física Ficha de eecícios paa Física I (Biologia) 4- SISTEMA DE PARTÍCULAS E DINÂMICA DE ROTAÇÃO A- Sistema de patículas 1. O objecto epesentado na figua 1 é feito de

Leia mais

DINÂMICA ATRITO E PLANO INCLINADO

DINÂMICA ATRITO E PLANO INCLINADO AULA 06 DINÂMICA ATRITO E LANO INCLINADO 1- INTRODUÇÃO Quando nós temos, po exemplo, duas supefícies em contato em que há a popensão de uma desliza sobe a outa, podemos obseva aí, a apaição de foças tangentes

Leia mais

IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO

IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO AULA 10 IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO 1- INTRODUÇÃO Nesta aula estudaemos Impulso de uma foça e a Quantidade de Movimento de uma patícula. Veemos que estas gandezas são vetoiais e que possuem a mesma

Leia mais

A dinâmica estuda as relações entre as forças que actuam na partícula e os movimentos por ela adquiridos.

A dinâmica estuda as relações entre as forças que actuam na partícula e os movimentos por ela adquiridos. CAPÍTULO 4 - DINÂMICA A dinâmica estuda as elações ente as foças que actuam na patícula e os movimentos po ela adquiidos. A estática estuda as condições de equilíbio de uma patícula. LEIS DE NEWTON 1.ª

Leia mais

MECÂNICA. Dinâmica Atrito e plano inclinado AULA 6 1- INTRODUÇÃO

MECÂNICA. Dinâmica Atrito e plano inclinado AULA 6 1- INTRODUÇÃO AULA 6 MECÂNICA Dinâmica Atito e plano inclinado 1- INTRODUÇÃO Quando nós temos, po exemplo, duas supefícies em contato em que há a popensão de uma desliza sobe a outa, podemos obseva aí, a apaição de

Leia mais

MECÂNICA. F cp. F t. Dinâmica Força resultante e suas componentes AULA 7 1- FORÇA RESULTANTE

MECÂNICA. F cp. F t. Dinâmica Força resultante e suas componentes AULA 7 1- FORÇA RESULTANTE AULA 7 MECÂICA Dinâmica oça esultante e suas componentes 1- ORÇA RESULTATE oça esultante é o somatóio vetoial de todas as foças que atuam em um copo É impotante lemba que a foça esultante não é mais uma

Leia mais

Exercício 1 Escreva as coordenadas cartesianas de cada um dos pontos indicados na figura abaixo. Exemplo: A=(1,1). y (cm)

Exercício 1 Escreva as coordenadas cartesianas de cada um dos pontos indicados na figura abaixo. Exemplo: A=(1,1). y (cm) INTRODUÇÃO À FÍSICA tuma MAN / pofa Mata F Baoso EXERCÍCIOS Eecício Esceva as coodenadas catesianas de cada um dos pontos indicados na figua abaio Eemplo: A=(,) (cm) F E B A - O (cm) - D C - - Eecício

Leia mais

VETORES GRANDEZAS VETORIAIS

VETORES GRANDEZAS VETORIAIS VETORES GRANDEZAS VETORIAIS Gandezas físicas que não ficam totalmente deteminadas com um valo e uma unidade são denominadas gandezas vetoiais. As gandezas que ficam totalmente expessas po um valo e uma

Leia mais

DA TERRA À LUA. Uma interação entre dois corpos significa uma ação recíproca entre os mesmos.

DA TERRA À LUA. Uma interação entre dois corpos significa uma ação recíproca entre os mesmos. DA TEA À LUA INTEAÇÃO ENTE COPOS Uma inteação ente dois copos significa uma ação ecípoca ente os mesmos. As inteações, em Física, são taduzidas pelas foças que atuam ente os copos. Estas foças podem se

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS. Departamento de Matemática e Física Coordenador da Área de Física Disciplina: Física Geral e Experimental I (MAF 2201)

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS. Departamento de Matemática e Física Coordenador da Área de Física Disciplina: Física Geral e Experimental I (MAF 2201) 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Depatamento de Matemática e Física Coodenado da Áea de Física Disciplina: Física Geal e Expeimental I (MAF 221) LISTA 1 CAPÍTULO 2 1. (Pegunta 1) A Fig. 1 mosta quato tajetóias

Leia mais

Energia no movimento de uma carga em campo elétrico

Energia no movimento de uma carga em campo elétrico O potencial elético Imagine dois objetos eletizados, com cagas de mesmo sinal, inicialmente afastados. Paa apoximá-los, é necessáia a ação de uma foça extena, capaz de vence a epulsão elética ente eles.

Leia mais

Leitura obrigatória Mecânica Vetorial para Engenheiros, 5ª edição revisada, Ferdinand P. Beer, E. Russell Johnston, Jr.

Leitura obrigatória Mecânica Vetorial para Engenheiros, 5ª edição revisada, Ferdinand P. Beer, E. Russell Johnston, Jr. UC - Goiás Cuso: Engenhaia Civil Disciplina: ecânica Vetoial Copo Docente: Geisa ies lano de Aula Leitua obigatóia ecânica Vetoial paa Engenheios, 5ª edição evisada, edinand. Bee, E. Russell Johnston,

Leia mais

III LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA I

III LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA I III LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA I FORÇA E MOVIMENTO 1. Duas forças horizontais, F 1 = (3 N)i (4 N)j e F 2 = -(1 N)i (2 N)j, puxam uma banana split (sorvete com calda e banana) em um balcão sem atrito.

Leia mais

Dinâmica do Movimento Circular

Dinâmica do Movimento Circular Dinâmica do Movimento Cicula Gabaito: Resposta da questão 1: [E] A fita F 1 impede que a gaota da cicunfeência extena saia pela tangente, enquanto que a fita F impede que as duas gaotas saiam pela tangente.

Leia mais

Grandezas vetoriais: Além do módulo, necessitam da direção e do sentido para serem compreendidas.

Grandezas vetoriais: Além do módulo, necessitam da direção e do sentido para serem compreendidas. NOME: Nº Ensino Médio TURMA: Data: / DISCIPLINA: Física PROF. : Glênon Duta ASSUNTO: Gandezas Vetoiais e Gandezas Escalaes Em nossas aulas anteioes vimos que gandeza é tudo aquilo que pode se medido. As

Leia mais

TRABALHO E POTÊNCIA. O trabalho pode ser positivo ou motor, quando o corpo está recebendo energia através da ação da força.

TRABALHO E POTÊNCIA. O trabalho pode ser positivo ou motor, quando o corpo está recebendo energia através da ação da força. AULA 08 TRABALHO E POTÊNCIA 1- INTRODUÇÃO Uma foça ealiza tabalho quando ela tansfee enegia de um copo paa outo e quando tansfoma uma modalidade de enegia em outa. 2- TRABALHO DE UMA FORÇA CONSTANTE. Um

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO SCOL POLITÉCIC UIVRSI SÃO PULO epatamento de ngenhaia ecânica P 100 CÂIC 1 Pova Substitutiva 1 de julho de 017 - uação: 110 minutos (não é pemitido o uso de celulaes, tablets, calculadoas e dispositivos

Leia mais

9ª EDIÇÃO VOLUME 1 MECÂNICA

9ª EDIÇÃO VOLUME 1 MECÂNICA QUESTÕES DO CAPÍTULO 5 DO LIVRO FUNDAMENTOS DE FÍSICA HALLIDAY & RESNICK - JEARL WALKER Página 112 Segunda Lei de Newton. 9ª EDIÇÃO VOLUME 1 MECÂNICA 1) Apenas duas forças horizontais atuam em um corpo

Leia mais

Departamento de Física - Universidade do Algarve FORÇA CENTRÍFUGA

Departamento de Física - Universidade do Algarve FORÇA CENTRÍFUGA FORÇA CENTRÍFUGA 1. Resumo Um copo desceve um movimento cicula unifome. Faz-se vaia a sua velocidade de otação e a distância ao eixo de otação, medindo-se a foça centífuga em função destes dois paâmetos..

Leia mais

Sistemas de Referência Diferença entre Movimentos Cinética. EESC-USP M. Becker /58

Sistemas de Referência Diferença entre Movimentos Cinética. EESC-USP M. Becker /58 SEM4 - Aula 2 Cinemática e Cinética de Patículas no Plano e no Espaço Pof D Macelo ecke SEM - EESC - USP Sumáio da Aula ntodução Sistemas de Refeência Difeença ente Movimentos Cinética EESC-USP M ecke

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Departamento de Engenharia Mecânica

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Departamento de Engenharia Mecânica ESO POITÉNI D UNIVERSIDDE DE SÃO PUO Depatamento de Engenhaia Mecânica PME 00 MEÂNI ª Pova 0/04/007 Duação 00 minutos (Não é pemitido o uso de calculadoas) ω D 3 g ª Questão (3,0 pontos) O sistema mostado

Leia mais

FGE0270 Eletricidade e Magnetismo I

FGE0270 Eletricidade e Magnetismo I FGE7 Eleticidade e Magnetismo I Lista de execícios 9 1. Uma placa condutoa uadada fina cujo lado mede 5, cm enconta-se no plano xy. Uma caga de 4, 1 8 C é colocada na placa. Enconte (a) a densidade de

Leia mais

Figura 14.0(inicio do capítulo)

Figura 14.0(inicio do capítulo) NOTA DE AULA 05 UNIVESIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPATAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Disciplina: FÍSICA GEAL E EXPEIMENTAL II (MAF 0) Coodenação: Pof. D. Elias Calixto Caijo CAPÍTULO 14 GAVITAÇÃO 1. O MUNDO

Leia mais

20 Exercícios Revisão

20 Exercícios Revisão 0 Execícios Revisão Nome Nº 1ª séie Física Beth/Reinaldo Data / / T cte. G. M. m F v a cp v G. M T.. v R Tea = 6,4 x 10 6 m M Tea = 6,0 x 10 4 kg G = 6,7 x 10 11 N.m /kg g = 10 m/s P = m.g M = F. d m d

Leia mais

r r r r r S 2 O vetor deslocamento(vetor diferença) é aquele que mostra o módulo, a direção e o sentido do menor deslocamento entre duas posições.

r r r r r S 2 O vetor deslocamento(vetor diferença) é aquele que mostra o módulo, a direção e o sentido do menor deslocamento entre duas posições. d d A Cinemática Escala estuda as gandezas: Posição, Deslocamento, Velocidade Média, Velocidade Instantânea, Aceleação Média e Instantânea, dando a elas um tatamento apenas numéico, escala. A Cinemática

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Mecânica

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Mecânica ESCOL POLITÉCNIC D UNIVESIDDE DE SÃO PULO Depatamento de Engenhaia ecânica PE 100 ecânica Pova de ecupeação - Duação 100 minutos 05 de feveeio de 013 1 - Não é pemitido o uso de calculadoas, celulaes,

Leia mais

1ª Ficha Global de Física 12º ano

1ª Ficha Global de Física 12º ano 1ª Ficha Global de Física 1º ano Duação: 10 minutos Toleância: não há. Todos os cálculos devem se apesentados de modo clao e sucinto Note: 1º - as figuas não estão desenhadas a escala; º - o enunciado

Leia mais

FGE0270 Eletricidade e Magnetismo I

FGE0270 Eletricidade e Magnetismo I FGE7 Eleticidade e Magnetismo I Lista de execícios 5 9 1. Quando a velocidade de um eléton é v = (,x1 6 m/s)i + (3,x1 6 m/s)j, ele sofe ação de um campo magnético B = (,3T) i (,15T) j.(a) Qual é a foça

Leia mais

E = F/q onde E é o campo elétrico, F a força

E = F/q onde E é o campo elétrico, F a força Campo Elético DISCIPLINA: Física NOE: N O : TURA: PROFESSOR: Glênon Duta DATA: Campo elético NOTA: É a egião do espaço em ue uma foça elética pode sugi em uma caga elética. Toda caga elética cia em tono

Leia mais

Prof. Dr. Oscar Rodrigues dos Santos

Prof. Dr. Oscar Rodrigues dos Santos FÍSICA 017-1º. Semeste Pof. D. Osca Rodigues dos Santos oscasantos@utfp.edu.b ou pofoscafisica@gmail.com EMENTA Gavitação. Mecânica dos Fluidos. Oscilações. Ondas Mecânicas. Óptica Geomética. Tempeatua.

Leia mais

Cap.12: Rotação de um Corpo Rígido

Cap.12: Rotação de um Corpo Rígido Cap.1: Rotação de um Copo Rígido Do pofesso paa o aluno ajudando na avaliação de compeensão do capítulo. Fundamental que o aluno tenha lido o capítulo. 1.8 Equilíbio Estático Estudamos que uma patícula

Leia mais

MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE

MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE I-MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE II-MOVIMENTO DE QUEDA COM RESISTÊNCIA DO AR MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE 1 1 QUEDA LIVRE A queda live é um movimento de um copo que, patindo do epouso, apenas está sujeito à inteacção

Leia mais

TÓPICOS DE FÍSICA BÁSICA 2006/1 Turma IFA PRIMEIRA PROVA SOLUÇÃO

TÓPICOS DE FÍSICA BÁSICA 2006/1 Turma IFA PRIMEIRA PROVA SOLUÇÃO Tópicos de Física ásica 006/1 pof. Mata SEMN 8 PRIMEIR PROV - SOLUÇÃO NOME: TÓPIOS E FÍSI ÁSI 006/1 Tuma IF PRIMEIR PROV SOLUÇÃO QUESTÃO 1 (alo: 1,5 pontos) Numa epeiência, foam deteminados os aloes da

Leia mais

TICA MECÂNICA VETORIAL PARA ENGENHEIROS: ESTÁTICA. Nona Edição CAPÍTULO. Ferdinand P. Beer E. Russell Johnston, Jr.

TICA MECÂNICA VETORIAL PARA ENGENHEIROS: ESTÁTICA. Nona Edição CAPÍTULO. Ferdinand P. Beer E. Russell Johnston, Jr. CAPÍTULO 2 Está MECÂNICA VETORIAL PARA ENGENHEIROS: ESTÁTICA TICA Fedinand P. Bee E. Russell Johnston, J. Notas de Aula: J. Walt Ole Teas Tech Univesit das Patículas Conteúdo Intodução Resultante de Duas

Leia mais

IF Eletricidade e Magnetismo I

IF Eletricidade e Magnetismo I IF 437 Eleticidade e Magnetismo I Enegia potencial elética Já tatamos de enegia em divesos aspectos: enegia cinética, gavitacional, enegia potencial elástica e enegia témica. segui vamos adiciona a enegia

Leia mais

. Essa força é a soma vectorial das forças individuais exercidas em q 0 pelas várias cargas que produzem o campo E r. Segue que a força q E

. Essa força é a soma vectorial das forças individuais exercidas em q 0 pelas várias cargas que produzem o campo E r. Segue que a força q E 7. Potencial Eléctico Tópicos do Capítulo 7.1. Difeença de Potencial e Potencial Eléctico 7.2. Difeenças de Potencial num Campo Eléctico Unifome 7.3. Potencial Eléctico e Enegia Potencial Eléctica de Cagas

Leia mais

UFF - Universidade Federal Fluminense

UFF - Universidade Federal Fluminense UFF - Universidade Federal Fluminense Pólo Universitário de Volta Redonda - Física I Lista de exercícios n o 5: leis de Newton 1 - Uma pessoa de 80 kg está saltando de pára-quedas e sentindo uma aceleração

Leia mais

Lei de Ampère. (corrente I ) Foi visto: carga elétrica com v pode sentir força magnética se existir B e se B não é // a v

Lei de Ampère. (corrente I ) Foi visto: carga elétrica com v pode sentir força magnética se existir B e se B não é // a v Lei de Ampèe Foi visto: caga elética com v pode senti foça magnética se existi B e se B não é // a v F q v B m campos magnéticos B são geados po cagas em movimento (coente ) Agoa: esultados qualitativos

Leia mais

Polícia Rodoviária Federal. Exercícios de Física Aula 1 de 5. Prof. Dirceu Pereira UNIDADE 1 - NOÇÕES SOBRE VETORES. 1) Não são grandezas vetoriais:

Polícia Rodoviária Federal. Exercícios de Física Aula 1 de 5. Prof. Dirceu Pereira UNIDADE 1 - NOÇÕES SOBRE VETORES. 1) Não são grandezas vetoriais: UNIDADE 1 - NOÇÕES SOBRE VETORES 1) Não são gandezas vetoiais: a) tempo, deslocamento e foça. b) foça, velocidade e aceleação. c) tempo, tempeatua e volume. d) tempeatua, velocidade e volume. ) (Unitau-SP)

Leia mais

CAPÍTULO 7: CAPILARIDADE

CAPÍTULO 7: CAPILARIDADE LCE000 Física do Ambiente Agícola CAPÍTULO 7: CAPILARIDADE inteface líquido-gás M M 4 esfea de ação molecula M 3 Ao colocamos uma das extemidades de um tubo capila de vido dento de um ecipiente com água,

Leia mais

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista.

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista. Cao cusista, Todas as dúvidas deste cuso podem se esclaecidas atavés do nosso plantão de atendimento ao cusista. Plantão de Atendimento Hoáio: quatas e quintas-feias das 14:00 às 15:30 MSN: lizado@if.uff.b

Leia mais

Prof. A.F.Guimarães Questões Dinâmica 3 Trabalho, Potência e Energia

Prof. A.F.Guimarães Questões Dinâmica 3 Trabalho, Potência e Energia Questão 1 Po. A.F.Guimaães Questões Dinâmica Tabalho, Potência e Enegia (FUVEST) Uma patícula de massa kg, patindo do epouso, está sujeita à ação exclusiva de duas oças constantes F 1 e F pependiculaes

Leia mais

Mecânica. Conceito de campo Gravitação 2ª Parte Prof. Luís Perna 2010/11

Mecânica. Conceito de campo Gravitação 2ª Parte Prof. Luís Perna 2010/11 Mecânica Gavitação 2ª Pate Pof. Luís Pena 2010/11 Conceito de campo O conceito de campo foi intoduzido, pela pimeia vez po Faaday no estudo das inteacções elécticas e magnéticas. Michael Faaday (1791-1867)

Leia mais

3.1 Potencial gravitacional na superfície da Terra

3.1 Potencial gravitacional na superfície da Terra 3. Potencial gavitacional na supefície da Tea Deive a expessão U(h) = mgh paa o potencial gavitacional na supefície da Tea. Solução: A pati da lei de Newton usando a expansão de Taylo: U( ) = GMm, U( +

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA CONCURSO DE DMISSÃO O CURSO DE GRDUÇÃO FÍSIC CDERNO DE QUESTÕES 2008 1 a QUESTÃO Valo: 1,0 Uma bóia náutica é constituída de um copo cilíndico vazado, com seção tansvesal de áea e massa m, e de um tonco

Leia mais

19 - Potencial Elétrico

19 - Potencial Elétrico PROBLEMAS RESOLVIDOS DE FÍSICA Pof. Andeson Cose Gaudio Depatamento de Física Cento de Ciências Exatas Univesidade Fedeal do Espíito Santo http://www.cce.ufes.b/andeson andeson@npd.ufes.b Última atualização:

Leia mais

Vetores Cartesianos. Marcio Varela

Vetores Cartesianos. Marcio Varela Vetoes Catesianos Macio Vaela Sistemas de Coodenadas Utilizando a Rega da Mão Dieita. Esse sistema seá usado paa desenvolve a teoia da álgeba vetoial. Componentes Retangulaes de um Veto Um veto pode te

Leia mais

7.3. Potencial Eléctrico e Energia Potencial Eléctrica de Cargas Pontuais

7.3. Potencial Eléctrico e Energia Potencial Eléctrica de Cargas Pontuais 7.3. Potencial Eléctico e Enegia Potencial Eléctica de Cagas Pontuais Ao estabelece o conceito de potencial eléctico, imaginamos coloca uma patícula de pova num campo eléctico poduzido po algumas cagas

Leia mais

Prof. Dirceu Pereira

Prof. Dirceu Pereira Aula de UNIDADE - MOVIMENTO VERTICAL NO VÁCUO 1) (UFJF-MG) Um astonauta está na supefície da Lua quando solta, simultaneamente, duas bolas maciças, uma de chumbo e outa de madeia, de uma altua de,0 m em

Leia mais

Lista de Exercícios - Força e Movimento I

Lista de Exercícios - Força e Movimento I UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA Departamento de Física Disciplina: Física Básica I Lista de Exercícios - Força e Movimento I Perguntas: 1. Na figura 1 as forças F 1 e F

Leia mais

PUC-RIO CB-CTC. P4 DE ELETROMAGNETISMO sexta-feira. Nome : Assinatura: Matrícula: Turma:

PUC-RIO CB-CTC. P4 DE ELETROMAGNETISMO sexta-feira. Nome : Assinatura: Matrícula: Turma: UC-O CB-CTC 4 DE ELETOMAGNETSMO..09 seta-feia Nome : Assinatua: Matícula: Tuma: NÃO SEÃO ACETAS ESOSTAS SEM JUSTFCATVAS E CÁLCULOS EXLÍCTOS. Não é pemitido destaca folhas da pova Questão Valo Gau evisão

Leia mais

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II 014.2

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II 014.2 CÁLCULO IFERENCIAL E INTEGRAL II Obsevações: ) Todos os eecícios popostos devem se esolvidos e entegue no dia de feveeio de 5 Integais uplas Integais uplas Seja z f( uma função definida em uma egião do

Leia mais

Campo Magnético produzido por Bobinas Helmholtz

Campo Magnético produzido por Bobinas Helmholtz defi depatamento de física Laboatóios de Física www.defi.isep.ipp.pt Campo Magnético poduzido po Bobinas Helmholtz Instituto Supeio de Engenhaia do Poto- Depatamento de Física ua D. António Benadino de

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS Nº 5

LISTA DE EXERCÍCIOS Nº 5 LISTA DE EXERCÍCIOS Nº 5 Questões 1) Na Figura 1, forças F 1 e F 2 são aplicadas em um bloco a medida que este desliza sem atrito com velocidade constante sobre uma superfície. O ângulo θ é decrementado

Leia mais

Capítulo 29: Campos Magnéticos Produzidos por Correntes

Capítulo 29: Campos Magnéticos Produzidos por Correntes Capítulo 9: Campos Magnéticos Poduzidos po Coentes Cap. 9: Campos Magnéticos Poduzidos po Coentes Índice Lei de iot-savat; Cálculo do Campo Poduzido po uma Coente; Foça Ente duas Coentes Paalelas; Lei

Leia mais

Problema de três corpos. Caso: Circular e Restrito

Problema de três corpos. Caso: Circular e Restrito Poblema de tês copos Caso: Cicula e Restito Tópicos Intodução Aplicações do Poblema de tês copos Equações Geais Fomulação do Poblema Outas vaiantes Equações do Poblema Restito-Plano-Cicula Integal de Jacobi

Leia mais

Matemática do Ensino Médio vol.2

Matemática do Ensino Médio vol.2 Matemática do Ensino Médio vol.2 Cap.11 Soluções 1) a) = 10 1, = 9m = 9000 litos. b) A áea do fundo é 10 = 0m 2 e a áea das paedes é (10 + + 10 + ) 1, = 51,2m 2. Como a áea que seá ladilhada é 0 + 51,2

Leia mais

INSTITUTO DE FISICA- UFBa Março, 2003 DEPARTAMENTO DE FÍSICA DO ESTADO SÓLIDO ESTRUTURA DA MATERIA I (FIS 101) EFEITO HALL

INSTITUTO DE FISICA- UFBa Março, 2003 DEPARTAMENTO DE FÍSICA DO ESTADO SÓLIDO ESTRUTURA DA MATERIA I (FIS 101) EFEITO HALL INSTITUTO DE FISICA- UFBa Maço, 2003 DEPARTAMENTO DE FÍSICA DO ESTADO SÓLIDO ESTRUTURA DA MATERIA I (FIS 101) Roteio elaboado po Newton Oliveia EFEITO ALL OBJETIO DO EXPERIMENTO: A finalidade do expeimento

Leia mais

Figura 6.6. Superfícies fechadas de várias formas englobando uma carga q. O fluxo eléctrico resultante através de cada superfície é o mesmo.

Figura 6.6. Superfícies fechadas de várias formas englobando uma carga q. O fluxo eléctrico resultante através de cada superfície é o mesmo. foma dessa supefície. (Pode-se pova ue este é o caso poue E 1/ 2 ) De fato, o fluxo esultante atavés de ualue supefície fechada ue envolve uma caga pontual é dado po. Figua 6.6. Supefícies fechadas de

Leia mais

a) A energia potencial em função da posição pode ser representada graficamente como

a) A energia potencial em função da posição pode ser representada graficamente como Solução da questão de Mecânica uântica Mestado a) A enegia potencial em função da posição pode se epesentada gaficamente como V(x) I II III L x paa x < (egião I) V (x) = paa < x < L (egião II) paa x >

Leia mais

Cap03 - Estudo da força de interação entre corpos eletrizados

Cap03 - Estudo da força de interação entre corpos eletrizados ap03 - Estudo da foça de inteação ente copos eletizados 3.1 INTRODUÇÃO S.J.Toise omo foi dito na intodução, a Física utiliza como método de tabalho a medida das qandezas envolvidas em cada fenômeno que

Leia mais

Mecânica Técnica. Aula 4 Adição e Subtração de Vetores Cartesianos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica Técnica. Aula 4 Adição e Subtração de Vetores Cartesianos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 4 Adição e Subtação de Vetoes Catesianos Pof. MSc. Luiz Eduado Mianda J. Rodigues Pof. MSc. Luiz Eduado Mianda J. Rodigues Tópicos Abodados Nesta Aula Opeações com Vetoes Catesianos. Veto Unitáio.

Leia mais

Universidade. Curso: Ciência

Universidade. Curso: Ciência Univesidade Fedeal Rual do Semi Áido PROGRAD Cuso: Ciência e Tecnologia Disciplina: Mecânica Clássica UFERSA Po Reitoia de Gaduação Lista I Cinemática e Leis de Newton 1. O micômeto (1 μm) é feqüentemente

Leia mais

APOSTILA. AGA Física da Terra e do Universo 1º semestre de 2014 Profa. Jane Gregorio-Hetem. CAPÍTULO 4 Movimento Circular*

APOSTILA. AGA Física da Terra e do Universo 1º semestre de 2014 Profa. Jane Gregorio-Hetem. CAPÍTULO 4 Movimento Circular* 48 APOSTILA AGA0501 - Física da Tea e do Univeso 1º semeste de 014 Pofa. Jane Gegoio-Hetem CAPÍTULO 4 Movimento Cicula* 4.1 O movimento cicula unifome 4. Mudança paa coodenadas polaes 4.3 Pojeções do movimento

Leia mais

4.4 Mais da geometria analítica de retas e planos

4.4 Mais da geometria analítica de retas e planos 07 4.4 Mais da geometia analítica de etas e planos Equações da eta na foma simética Lembemos que uma eta, no planos casos acima, a foma simética é um caso paticula da equação na eta na foma geal ou no

Leia mais

setor 1202 Aulas 39 e 40 ESTUDO DO CAMPO ELÉTRICO

setor 1202 Aulas 39 e 40 ESTUDO DO CAMPO ELÉTRICO seto 10 100508 ulas 39 e 40 ESTUDO DO CMPO ELÉTRICO CMPO DE UM CRG PUNTIFORME P E p = f (, P) Intensidade: E K = Dieção: eta (, P) Sentido: 0 (afastamento) 0 (apoximação). (FUVEST) O campo elético de uma

Leia mais

FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I RESOLUÇÃO DA LISTA I

FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I RESOLUÇÃO DA LISTA I FÍSICA GERAL E EPERIMENTAL I RESOLUÇÃO DA LISTA I UNIERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Depataento de Mateática e Física Disciplina: Física Geal e Epeiental I (MAF ) RESOLUÇÃO DA LISTA II ) Consideando os deslocaentos,

Leia mais

Lei de Gauss. Lei de Gauss: outra forma de calcular campos elétricos

Lei de Gauss. Lei de Gauss: outra forma de calcular campos elétricos ... Do que tata a? Até aqui: Lei de Coulomb noteou! : outa foma de calcula campos eléticos fi mais simples quando se tem alta simetia (na vedade, só tem utilidade pática nesses casos!!) fi válida quando

Leia mais

Lei de Gauss II Revisão: Aula 2_2 Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça

Lei de Gauss II Revisão: Aula 2_2 Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Lei de Gauss II Revisão: Aula 2_2 Física Geal e Expeimental III Pof. Cláudio Gaça Revisão Cálculo vetoial 1. Poduto de um escala po um veto 2. Poduto escala de dois vetoes 3. Lei de Gauss, fluxo atavés

Leia mais

Lei de Gauss. Ignez Caracelli Determinação do Fluxo Elétrico. se E não-uniforme? se A é parte de uma superfície curva?

Lei de Gauss. Ignez Caracelli Determinação do Fluxo Elétrico. se E não-uniforme? se A é parte de uma superfície curva? Lei de Gauss Ignez Caacelli ignez@ufsca.b Pofa. Ignez Caacelli Física 3 Deteminação do Fluxo lético se não-unifome? se A é pate de uma supefície cuva? A da da = n da da nˆ da = da definição geal do elético

Leia mais

Os Fundamentos da Física

Os Fundamentos da Física TEMA ESPECAL DNÂMCA DAS TAÇÕES 1 s Fundamentos da Física (8 a edição) AMALH, NCLAU E TLED Tema especial DNÂMCA DAS TAÇÕES 1. Momento angula de um ponto mateial, 1 2. Momento angula de um sistema de pontos

Leia mais

- Física e Segurança no Trânsito -

- Física e Segurança no Trânsito - - Física e Seguança no Tânsito - - COLISÕES E MOMENTUM LINEAR - COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES COLISÕES O QUE É MELHOR: - Se atopelado

Leia mais

ESCOAMENTO POTENCIAL. rot. Escoamento de fluido não viscoso, 0. Equação de Euler: Escoamento de fluido incompressível cte. Equação da continuidade:

ESCOAMENTO POTENCIAL. rot. Escoamento de fluido não viscoso, 0. Equação de Euler: Escoamento de fluido incompressível cte. Equação da continuidade: ESCOAMENTO POTENCIAL Escoamento de fluido não viso, Equação de Eule: DV ρ ρg gad P Dt Escoamento de fluido incompessível cte Equação da continuidade: divv Escoamento Iotacional ot V V Se o escoamento fo

Leia mais

Componente de Física

Componente de Física Disciplina de Física e Química A 11º ano de escolaidade Componente de Física Componente de Física 1..8 Movimento de queda, na vetical, com efeito da esistência do a apeciável É um facto que nem sempe se

Leia mais

Física e Química 11.º Ano Proposta de Resolução da Ficha N.º 3 Forças e Movimentos

Física e Química 11.º Ano Proposta de Resolução da Ficha N.º 3 Forças e Movimentos ísica e Química 11.º Ano Poposta de Resolução da icha N.º 3 oças e ovimentos 1. Dados: v = const a = 15,0 N R N = 6,0 N Gupo I Estando o copo em equilíbio R = 0 N ou seja: a = sen e R N = cos explicitando

Leia mais

3. Estática dos Corpos Rígidos. Sistemas de vectores

3. Estática dos Corpos Rígidos. Sistemas de vectores Secção de Mecânica Estutual e Estutuas Depatamento de Engenhaia Civil e Aquitectua ESTÁTICA Aquitectua 2006/07 3. Estática dos Copos ígidos. Sistemas de vectoes 3.1 Genealidades Conceito de Copo ígido

Leia mais

Leis de Newton: Dinâmica 2- Atrito e Força em Trajetória Curva.

Leis de Newton: Dinâmica 2- Atrito e Força em Trajetória Curva. QUESTÕES DO CAPÍTULO 6 DO LIVRO FUNDAMENTOS DE FÍSICA HALLIDAY & RESNICK - JEARL WALKER 9ª EDIÇÃO VOLUME 1 MECÂNICA Leis de Newton: Dinâmica 2- Atrito e Força em Trajetória Curva. Leis de Newton Força

Leia mais

PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON

PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON Pofa Stela Maia de Cavalho Fenandes 1 PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON Dinâmica estudo dos movimentos juntamente com as causas que os oiginam. As teoias da dinâmica são desenvolvidas com base no conceito

Leia mais

Geometria: Perímetro, Área e Volume

Geometria: Perímetro, Área e Volume Geometia: Peímeto, Áea e Volume Refoço de Matemática ásica - Pofesso: Macio Sabino - 1 Semeste 2015 1. Noções ásicas de Geometia Inicialmente iemos defini as noções e notações de alguns elementos básicos

Leia mais

Cap014 - Campo magnético gerado por corrente elétrica

Cap014 - Campo magnético gerado por corrente elétrica ap014 - ampo magnético geado po coente elética 14.1 NTRODUÇÃO S.J.Toise Até agoa os fenômenos eléticos e magnéticos foam apesentados como fatos isolados. Veemos a pati de agoa que os mesmos fazem pate

Leia mais

CAPÍTULO 04 CINEMÁTICA INVERSA DE POSIÇÃO

CAPÍTULO 04 CINEMÁTICA INVERSA DE POSIÇÃO Capítulo 4 - Cinemática Invesa de Posição 4 CAPÍTULO 04 CINEMÁTICA INVERSA DE POSIÇÃO 4.1 INTRODUÇÃO No capítulo anteio foi visto como detemina a posição e a oientação do ógão teminal em temos das vaiáveis

Leia mais

Electricidade e magnetismo

Electricidade e magnetismo Electicidade e magnetismo Campo e potencial eléctico 2ª Pate Pof. Luís Pena 2010/11 Enegia potencial eléctica O campo eléctico, tal como o campo gavítico, é um campo consevativo. A foça eléctica é consevativa.

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS MEDIANEIRA Engenharia Elétrica Física 1 - Prof. Fabio Longen

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS MEDIANEIRA Engenharia Elétrica Física 1 - Prof. Fabio Longen 1 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS MEDIANEIRA Engenharia Elétrica Física 1 - Prof. Fabio Longen Lista 3 Turma E11/14 31/08/17 1) Uma força F aplicada a um corpo de massa m1 produz uma

Leia mais

Cap. 4 - O Campo Elétrico

Cap. 4 - O Campo Elétrico ap. 4 - O ampo Elético 4.1 onceito de ampo hama-se ampo a toda egião do espaço que apesenta uma deteminada popiedade física. Esta popiedade pode se de qualque natueza, dando oigem a difeentes campos, escalaes

Leia mais

( ) ρ = ( kg/m ) ρ = 1000 kg/m 4ºC CAPÍTULO 5 MECÂNICA DOS FLUIDOS

( ) ρ = ( kg/m ) ρ = 1000 kg/m 4ºC CAPÍTULO 5 MECÂNICA DOS FLUIDOS CAPÍTULO 5 MECÂNICA DOS LUIDOS luidos são substâncias que odem flui, escoa-se com maio ou meno facilidade oque as suas moléculas: movem-se umas em edo das outas com equeno atito, como nos líquidos e estão

Leia mais

APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE FÍSICA APLICADA À ENGENHARIA CIVIL

APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE FÍSICA APLICADA À ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA TEXTO DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE FÍSICA APLICADA À ENGENHARIA CIVIL Rui Lança, Eq. Pofesso Adjunto David Peeia, Eq. Pofesso Adjunto SETEMBRO DE

Leia mais

Campo Gravítico da Terra

Campo Gravítico da Terra Campo Gavítico da Tea 3. otencial Gavítico O campo gavítico é um campo vectoial (gandeza com 3 componentes) Seá mais fácil tabalha com uma gandeza escala, que assume apenas um valo em cada ponto Seá possível

Leia mais

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL SEUNDA LEI DE NEWON PARA FORÇA RAVIACIONAL, PESO E NORMAL Um copo de ssa m em queda live na ea está submetido a u aceleação de módulo g. Se despezamos os efeitos do a, a única foça que age sobe o copo

Leia mais

a) Qual é a energia potencial gravitacional, em relação à superfície da água, de um piloto de 60kg, quando elevado a 10 metros de altura?

a) Qual é a energia potencial gravitacional, em relação à superfície da água, de um piloto de 60kg, quando elevado a 10 metros de altura? 1. (Espcex (Aan) 17) U cubo de assa 4 kg está inicialente e epouso sobe u plano hoizontal se atito. Duante 3 s, aplica-se sobe o cubo ua foça constante, hoizontal e pependicula no cento de ua de suas faces,

Leia mais

2ª Lista de Exercícios Fundamentos de Mecânica Clássica Profº. Rodrigo Dias

2ª Lista de Exercícios Fundamentos de Mecânica Clássica Profº. Rodrigo Dias 2ª Lista de Exercícios Fundamentos de Mecânica Clássica Profº. Rodrigo Dias Obs: Esta lista de exercícios é apenas um direcionamento, é necessário estudar a teoria referente ao assunto e fazer os exercícios

Leia mais

Mecânica e Ondas. Capítulo I Interacção mecânica. Lei da atracção gravitacional de Newton

Mecânica e Ondas. Capítulo I Interacção mecânica. Lei da atracção gravitacional de Newton ecânica e Ondas aguspak Cusos EI e EE Capítulo I Inteacção mecânica ei da atacção gavitacional de Newton Se consideamos duas massas pontuais m1 e m, a uma distância ente si, vai have uma foça de atacção

Leia mais

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F LIST 03 LTROSTÁTIC PROSSOR MÁRCIO 01 (URJ) Duas patículas eleticamente caegadas estão sepaadas po uma distância. O gáfico que melho expessa a vaiação do módulo da foça eletostática ente elas, em função

Leia mais

3 Torção Introdução Análise Elástica de Elementos Submetidos à Torção Elementos de Seções Circulares

3 Torção Introdução Análise Elástica de Elementos Submetidos à Torção Elementos de Seções Circulares 3 oção 3.1. Intodução pimeia tentativa de se soluciona poblemas de toção em peças homogêneas de seção cicula data do século XVIII, mais pecisamente em 1784 com Coulomb. Este cientista ciou um dispositivo

Leia mais

APÊNDICE DO CAPÍTULO 12.

APÊNDICE DO CAPÍTULO 12. APÊNDICE DO CAPÍTULO 12. GRAVITAÇÃO A foça gavitacional é o paadigma de foça em mecˆanica newtoniana. Este esumo visa auxilia o estudo dessa foça no capítulo 12 do livo-texto, cujas figuas e exemplos complementam

Leia mais

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO Vestibula AFA 010 Pova de Matemática COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO A pova de Matemática da AFA em 010 apesentou-se excessivamente algébica. Paa o equílibio que se espea nesta seleção,

Leia mais

ELETRICIDADE CAPÍTULO 3 LEIS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS

ELETRICIDADE CAPÍTULO 3 LEIS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS ELETICIDADE CAPÍTULO 3 LEIS DE CICUITOS ELÉTICOS - CONSIDEE A SEGUINTE ELAÇÃO: 3. LEI DE OHM - QUALQUE POCESSO DE CONVESÃO DE ENEGIA PODE SE ELACIONADO A ESTA EQUAÇÃO. - EM CICUITOS ELÉTICOS : - POTANTO,

Leia mais

TEXTO DE REVISÃO 13 Impulso e Quantidade de Movimento (ou Momento Linear).

TEXTO DE REVISÃO 13 Impulso e Quantidade de Movimento (ou Momento Linear). TEXTO DE REVISÃO 13 Impulso e Quantidade de Movimento (ou Momento Linea). Cao Aluno: Este texto de evisão apesenta um dos conceitos mais impotantes da física, o conceito de quantidade de movimento. Adotamos

Leia mais