COOPERATIVA DE DOCES SANTA SALU: A TRADIÇÃO GERANDO RENDA 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COOPERATIVA DE DOCES SANTA SALU: A TRADIÇÃO GERANDO RENDA 1"

Transcrição

1 COOPERATIVA DE DOCES SANTA SALU: A TRADIÇÃO GERANDO RENDA 1 Karine dos Anjos Santos Graduanda do Curso de Turismo da Universidade Federal de Sergipe, bolsista do Programa Especial de Inclusão em Iniciação Científica PIIC/UFS, Rosana Eduardo da Silva Leal Doutora em Antropologia pela Universidade Federal de Pernambuco, docente do Núcleo de Turismo da Universidade Federal de Sergipe e integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Alimentos e Manifestações Tradicionais, GT01 - A Produção de Alimentos Tradicionais nos Territórios Rurais e Urbanos Resumo Esse artigo se propõe a analisar o papel socioeconômico e cultural da Cooperativa de Doces Santa Salu, situada no Povoado Cabrita, no município de São Cristóvão-SE. O estudo foi desenvolvido através de pesquisa bibliográfica e de campo, com o uso de entrevista, observação in loco e registro audiovisual. Para tanto, utilizamos os pressupostos teóricos que tratam da relação entre alimentação, cultura e doces, bem como os dados empíricos referentes à pesquisa de campo. Diante do que foi pesquisado, observou-se que este modelo coletivo de trabalho tem contribuído para o fortalecimento das etapas de produção e comercialização dos doces, tornandose fonte de melhoria da qualidade de vida e desenvolvimento socioeconômico sustentável. Além disso, a cooperativa apresenta-se também como ambiente de troca de saberes e interação social, bem como espaço de sociabilidade e reforço identitário, que vincula tradição e modernidade. Palavras-chaves: doces, cooperativa, São Cristóvão. Introdução O presente artigo tem por finalidade analisar o papel socioeconômico e cultural da Cooperativa de Doces Santa Salu, situada no Povoado Cabrita no município de São Cristóvão-SE. A intenção é compreender como o processo de cooperativismo tem transformado a produção e comercialização da doçaria, que representa um importante legado identitário local. O estudo foi 1 O trabalho que será apresentado é parte da pesquisa vinculada ao Programa Especial de Inclusão em Iniciação Científica (PIIC) desenvolvido pela Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa (POSGRAP) e a Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PROEST) da Universidade Federal de Sergipe (UFS) por meio da Coordenação de Pesquisa (COPES). 1

2 desenvolvido por meio da pesquisa bibliográfica e de campo, com o uso de entrevista, observação in loco e registro audiovisual. O artigo está dividido em duas partes. A primeira tratará da relação entre alimentação, cultura e açúcar sob o ponto de vista socioantropológico. E a segunda parte abordará a trajetória da Cooperativa de Doces Santa Salu e a importância da iniciativa social, cultural e econômica para seus cooperados. 1. Alimentação, cultura e açúcar Sabemos que além de suprir as necessidades físicas e nutricionais, a alimentação tem a capacidade de traduzir uma ampla variedade de elementos materiais e simbólicos que envolvem a produção, manipulação e consumo dos alimentos, pois, assim como a língua falada, o sistema alimentar contém e transporta a cultura de quem a pratica, é depositário das tradições e da identidade de um grupo. Constitui, portanto, um extraordinário veículo de auto-representação e de troca cultural (MONTANARI, 2008, p. 183). Por isso, como concebe Montanari (2008), o sistema alimentar humano não resulta de uma soma aleatória de alimentos, mas de uma estrutura que absorve trocas, substituições, incorporações e invenções. Segundo Carneiro (2003), o que se come é tão importante quanto quando, onde, como e com quem se come. A verdade é que não podemos deixar de considerar que a alimentação faz parte das necessidades biológicas humanas, sendo essencial para a sobrevivência da espécie. Entretanto, a alimentação traz em seu interior um sistema simbólico de significados sociais, sexuais, políticos, religiosos, éticos, estéticos, entre outros. Conforme Araujo (2005), desde os gregos a transformação do alimento já ditava alguns costumes. Os livros de receitas são, até os dias de hoje, um reflexo desta realidade, posto que demonstram que o ato de alimentar-se está estritamente ligada à cultura e os costumes locais. Alimentação revela origens, civilidade, comportamentos, culturas, sendo cultura a complexidade de padrões de comportamento, crenças, instituições valores espirituais ou materiais, transmitidos coletivamente e característicos de uma sociedade (ARAÚJO, 2005, p. 49). 2

3 Para Araújo (2005), no Brasil, as diferentes regiões guardam suas formas típicas e marcantes de alimentação. Corroborando com as reflexões de Cascudo (1983), Araújo identifica que a gastronomia brasileira é a mistura da arte culinária dos diversos povos que aqui se fixaram, ou seja, indígenas, portugueses e africanos. Assim, cada comida carrega consigo tradições ou lendas que as fazem significativas em cada país que é produzido, como acontece com o repertório culinário proveniente da cultura do açúcar que se faz presente no cotidiano brasileiro. O açúcar contribuiu sobremaneira para a constituição da comensalidade na sociedade brasileira, inspirando diversos campos do conhecimento, das artes e da cultura. O açúcar, inicialmente uma raridade, tornou-se um luxo no século XVIII e, em meados do século XIX, transformou-se numa necessidade básica de quase toda população (CARNEIRO, 2003, p.90). Ao se fazer presente na dieta dos brasileiros, tornou-se fonte para uma diversificada culinária, responsável por criar hábitos, tradições e laços sociais, influenciando decisivamente o paladar dos brasileiros. No Brasil houve não só a miscigenação de povos, mas também a mistura de práticas culinárias que foram trazidas e modificadas pelos que se fixaram no país. Realidade também identificada na produção de doces. Nas terras de cana do Brasil essas tradições ganharam sabores tão novos, misturando-se com as frutas dos índios e com os quitutes dos negros, que tomaram uma expressão verdadeiramente brasileira (FREYRE, 2007 [1939], p.66). No Nordeste, o cultivo da cana-de-açúcar influenciou sobremaneira a geografia, a economia e o jeito de ser nordestino (ANDRADE, 2007). Na culinária, o uso do açúcar produziu uma verdadeira alquimia de cores, sabores e aromas, transformando-se numa relevante referência identitária. Nesse contexto, Sergipe, especificamente São Cristóvão, destaca-se como núcleo produtor de bolos, biscoitos, compostas e queijadas, que fazem parte da culinária do açúcar tão presente no Nordeste brasileiro (LEAL et al., 2010). No município, é possível encontrar boa parte do repertório identificado por Freyre (2007, p.47 [1939]) presente na doçaria nordestina: [...] a velha goiabada em calda, a geleia de araçá, o doce de jaca, o doce de caju em calda, o doce de banana cortada em rodelas em caldas, a cocada, o doce de coco verde, o doce de coco maduro ou sabongo (ilustração 01). 3

4 Ilustração 01 Doces produzidos em São Cristóvão Autor: Rosana Eduardo S.Leal (2011) Por tradição pelo Brasil, o ofício de fazer doces, ou mesmo as receitas domésticas, está no âmbito do feminino. Há uma espécie de destinação histórica para quem faça o doce seja a mulher (LODY, 2010, p. 21). Como bem observou Delgado (1999), ser doceira traduz um ofício que vincula gênero, identidade, memória e tradição, contribuindo também para a renda familiar. Trata-se de um ofício que possibilita a manutenção dos afazeres domésticos, já que sua produção ocorre no lar. Ainda conforme a autora, ao tornar-se doceira, a mulher reestrutura os domínios do feminino e descortina novas possibilidades para o trabalho domiciliar, reinventando, assim, o processo concreto da vida cotidiana (DELGADO, 1999, p.304). No Nordeste, a produção doceira foi uma tradição familiar no espaço rural e urbano, passada de geração em geração pela vivência caracterizada pela oralidade (BENJAMIN, p.38). Entretanto, trata-se de um trabalho feminino de pouca visibilidade social, sobretudo por ser desempenhado no espaço doméstico como uma extensão das obrigações rotineiras. No povoado Cabrita, por exemplo, a produção de doces representa um importante meio de geração de renda para diversas mulheres. Boa parte deste repertório é produzido artesanalmente nos lares e comercializado nos mercados públicos de Aracaju, sendo consumidos pela população local e turistas. É também neste mesmo povoado que está situada a Cooperativa de Doces Santa Salu COOPERUNIDOCE, que surgiu com o objetivo gerar renda e fortalecer a produção e comercialização coletiva da doçaria local. 4

5 2. Cooperativa de Doces Santa Salu A Cooperativa de Doces Santa Salu - COOPERUNIDOCE está localizada no povoado Cabrita no município em São Cristóvão e apresenta-se como um importante reduto de produção de doces. O empreendimento é fruto da iniciativa de Dona Tânia Santos, também conhecida como Dona Santa Aninha, uma respeitada doceira na região que cresceu por entre os doces produzidos por sua mãe adotiva. Sua vocação para a doçaria foi despertada com os ensinamentos de Dona Salu, esposa de uma das lideranças da comunidade e que resolveu passar seus ensinamentos para as mulheres que ali viviam. A ideia de Dona Salu em produzir doces surgiu da necessidade de utilizar as frutas, sobretudo a goiaba, que existiam no povoado como fonte geradora de renda para a comunidade. Foi então que decidiu ensinar a um grupo de mulheres a arte da doçaria. Essa foi uma realidade também relatada por Delgado (1999, p.307) ao estudar as doceiras de Goiás, salientando que: o trabalho feminino, circunscrito ao espaço privado, foi parte das estratégias para sobrevivência dessas mulheres e suas famílias. A prática de fazer doces para vender foi acidentalmente descoberta, substituindo ou combinando-se com outras atividades domésticas. Quando tudo começou, há mais de trinta anos, cada doceira era responsável pela produção, distribuição e venda dos doces. Estes eram produzidos exclusivamente com as frutas da região, o que diminuía os custos individuais. Naquele tempo, os doces eram produzidos em tachos de cobre e as condições de trabalho eram as mais diversas, pois cada uma produzia com seus próprios materiais. O transporte era difícil e era preciso caminhar longas distâncias para se comercializar os doces, que eram vendidos semanalmente de porta em porta nos diversos bairros da cidade de Aracaju. Paulatinamente a produção se tornou conhecida e as doceiras passaram a ter sua clientela garantida, como conta Dona Santa Aninha: Aí ela foi fazendo o doce de goiaba e aí foi convidando as mulheres pra fazer doce juntamente com ela e se formou um grupo, mas um grupo individual, tá entendendo? Um grupo individual, aí ficou assim: fazendo, entregando lá em Aracaju com aquele maior sacrifício pra a gente entregar. As mulheres naquele tempo [iam] entregar, porque elas iam de pé por aqui pela vazia grande, Jabotiana pra chegar lá, pra chegar no Castelo Branco de pé. Saiam três horas da manhã cada uma com uma sacola na cabeça ou um saco com esse doce e vendia assim oh...batendo palma. Quer doce hoje? Eram aquelas mulheres que eram as mulheres assim socialite né? Que são ricas né? [...] Mas, eram umas pessoas 5

6 rica que faziam com que aquelas pessoas ganhassem o pão de cada dia, sabe? Comprava o doce toda semana, gostava [e] comprava na outra semana 2. Muitas mulheres transformaram em doceiras para minimizar as deficiências econômicas familiares, como relembra Marilene: Aí eu falei [para] minha mãe: vamos trabalhar com doce porque o marido trabalhando na roça, muita criança pra dá comida. [...] Fazia o doce e ia pra rua vender e vendia e trazia nosso pão pra dentro de casa, já ajudava o meu padrasto 3. Diante desta situação, Dona Santa Aninha sentiu a necessidade de unir forças e fabricar coletivamente os doces para unificar e fortalecer a produção na região (ilustração 02). Foi então que decidiu buscar patrocínio para o início da futura cooperativa, já que conhecia outras doceiras que também queriam fazer parte da iniciativa. Ilustração 02: Dona Santa Aninha Autora: Rosana Eduardo, Com esforço conseguiram reativar um antigo centro social, que passou a ser a sede da atual cooperativa. A luta pela formação do empreendimento começou a cerca de cinco anos, sendo transformado em cooperativa há três anos. A cooperativa está ligada à Associação Comunitária Resplandecer, que tem por finalidade estimular atividades produtivas no Povoado Cabrita capazes de promover o desenvolvimento social e econômico local. Trata-se de uma iniciativa vinculada à economia solidária, na medida em que se apresenta como importante instrumento de 2 Entrevista realizada em Entrevista realizada em

7 inclusão social e sustentabilidade por meio de um modelo microeconômico alternativo. A iniciativa atua como um enfrentamento ao modelo capitalista hegemônico, estando baseada em aspectos como autogestão comunitária, democracia, cooperação e solidariedade. Hoje a cooperativa já possui CNPJ, registro na vigilância sanitária e conta com diversos parceiros, dentre eles a Rede Interuniversitária de Estudos e Pesquisas sobre o Trabalho Unitrabalho/UFS, o Instituto Afrânio Afonso Ferreira (IAAF), o SEBRAE e a Petrobrás, que contribuem por meio de apoio financeiro, consultoria, doação de materiais, cursos de capacitação e aperfeiçoamento profissional. Hoje contam com cerca de 30 funcionários, sendo estes compostos de 27 mulheres e 03 homens. Mensalmente produzem cerca de 250 quilos de doces por mês e atualmente já comercializam mais vinte tipos de iguarias, que ganham forma de geleias, compostas, balas, doces em calda e em pasta. Tal repertório ganha as cores e os sabores de frutas da terra, sendo confeccionados com goiaba, jaca, jenipapo, abacaxi, manga, araçá, maracujá, mamão, ameixa, coco, jambo, banana, mangaba e caju. Além das frutas, há também a produção de doces de leite, pimenta, batata doce e de queijo (ilustração 03). Ilustração 03: Doces produzidos pela COOPERUNIDOCE Autora: Juciene Bomfim (2011) O trabalho é feito por equipes. Cada grupo trabalha um dia por semana para dar conta da produção. Além das cooperadas, trabalham também vigilantes e alguns estagiários dos cursos de Nutrição e Segurança no Trabalho. A remuneração é constituída de um auxílio oferecido pelo Instituto Afrânio Afonso Ferreira (IAAF) no valor de R$ 50,00, mais R$ 10,00 fixos da cooperativa, acrescidos de uma porcentagem da divisão dos lucros dados pelas vendas dos doces. A cooperativa paga os vigilantes com o próprio trabalho. 7

8 A comercialização é feita pelos próprios cooperados, que distribuem em padaria, feiras e mercearias. Atualmente o grupo vem se organizando para conseguir o código de barras, que proporcionará a comercialização da doçaria em supermercados do estado. Além disso, a produção é vendida no centro histórico de São Cristovão, sendo consumida também por turistas que visitam a cidade. Em janeiro, a COOPERUNIDOCE participou da Feira de Sergipe fazendo parte do stand do município de São Cristóvão. Durante o trabalho semanal, as cooperadas trocam a cozinha de casa pelo espaço da cooperativa, substituindo os tachos e o fogão à lenha pelos maquinários modernos da cozinha industrial (ilustração 04). Ilustração 04: Cozinha da COOPERUNIDOCE Autora: Rosana Eduardo S. Leal (2011) A organização da cooperativa foi um passo fundamental para a união e reconhecimento do trabalho dessas mulheres. Pois, com essa união, passou a ser possível, por exemplo, receber encomendas para grandes eventos, tais como feiras, casamentos e mostras culturais. 8

9 Considerações Finais O trabalho é ainda uma das forças centrais da sociedade. Trata-se de um espaço simbólico em que perpassam relações de exploração, reivindicação, negociação, rede de solidariedade ou competição, apresentando-se também como campo em que dialogam saberes, ofícios, técnicas e tecnologias distintas. Por isso, consideramos que o mundo do trabalho não se constitui apenas de valores pecuniários, pois oferece uma multiplicidade de produções culturais possíveis de serem estudadas. O estudo sobre a Cooperativa de Doces Santa Salu nos ajuda a entender que, as relações de trabalho capitalistas, para além de suas acepções economicistas, são, fundamentalmente, relações culturais inscritas no cotidiano das pessoas, capazes de evidenciar princípios e valores (MACHADO, 2004, p.112). Trata-se de elemento estruturador de relações sociais, capaz de desempenhar papel ideológico, simbólico e prático. Como salienta Cavalcanti (2004), é necessário estar atento também aos significados culturais embutidos neste universo que envolve indivíduos e sociedades, espaços físicos e sociais. Diante dos dados coletados, foi possível observar que a presença da cooperativa no Povoado Cabrita apresenta-se como uma fonte de inclusão social, resgate da autoestima e a melhoria na qualidade de vida das cooperadas. Esse modelo coletivo tem proporcionado ao grupo um diálogo mais amplo com a sociedade, possibilitando a absorção de novos conhecimentos que estão sendo acrescentados à tradição. Assim, a inserção de novas informações e tecnologias vem permitindo o desenvolvimento de estratégias que contribuem para o fortalecimento das etapas de produção e comercialização dos doces, possibilitando meios de enfrentamento coletivo de barreiras encontradas. Dessa forma, concluímos que a cooperativa representa um ambiente de troca de saberes e interação social, atuando também como espaço de sociabilidade e reforço identitário para as doceiras participantes. 9

10 Referências Bibliográficas ANDRADE, Manuel Correia de. Apresentação: a civilização açucareira. In: QUINTAS, Fátima (Org). A civilização do açúcar. Recife: SEBRAE, Fundação Gilberto Freyre, 2007, pp APRENDA A FAZER GELEIA DE PIMENTA. Estação Agrícola. Aracaju: TV Sergipe, 29 de janeiro de Programa de TV. ARAÚJO, Wilma Maria Coelho; BOTELHO, Raquel Braz Assunção. Da alimentação à gastronomia. Brasília, DF: UNB, BENJAMIN, Roberto. Doçaria e Civilização: a preservação do fazer. In: Anais do Seminário Gastronomia em Gilberto Freyre. Fundação Gilberto Freyre, Recife, 2005, p CARNEIRO, Henrique. Comida e sociedade: uma história da alimentação. 7. ed. Rio de Janeiro, RJ: Campus, CASCUDO, Luís da Câmara. História da alimentação no Brasil. 3. ed. São Paulo, SP: Global, DELGADO, Andréa Ferreira. Memória, trabalho e identidade: as doceiras da cidade de Goiás. Cadernos Pagu, n.13, p ,1999. FLANDRIN, Jean Louis; MONTANARI, Massimo. História da alimentação. 6. ed. São Paulo, SP: Estação Liberdade, FREYRE, Gilberto. Açúcar: uma sociologia do doce, com receitas de bolos e doces do Nordeste do Brasil. 5ª Ed. São Paulo: Global, 2007 [1939]. GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª. ed. São Paulo: Atlas, LEAL, R.; MOURA, A. C. ; COSTA, S. S. P. A doçaria como fator de atratividade turística, inclusão social e reforço identitário: o caso do município de São Cristóvão-SE. In: Anais do 1º Seminário Turismo e Geografia, 2010, Aracaju, p ISBN: LODY, Raul. Apresentação: doce comida. In: REGO, A. J. de S. Dicionário do doceiro brasileiro. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2010, p MACHADO, Rosana Pinheiro. A garantia soy yo : etnografia das práticas comerciais entre camelôs e sacoleiros nas cidades de Porto Alegre (Brasil) e Ciudad Del Este (Paraguai). Dissertação apresentada no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2004, 143 p. SCHLUTER. R.G. Gastronomia e Turismo. Aleph: São Paulo,

Alimentação na Antiguidade Clássica Greco-Romana

Alimentação na Antiguidade Clássica Greco-Romana Problematização Alimentação na Antiguidade Clássica Greco-Romana O que distingue a civilização da barbárie, o homem civilizado do bárbaro e do selvagem? Ementa de um Banquete Romano Aperitivos Tetas de

Leia mais

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato.

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Luciany Fusco Sereno** Introdução O trabalho tem por objetivo apresentar um estudo de caso realizado na cidade de Barreirinhas-MA

Leia mais

A preocupação com a memória e o Patrimônio Cultural vem ganhando espaço,

A preocupação com a memória e o Patrimônio Cultural vem ganhando espaço, MEMÓRIA GASTRONÔMICA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE GASTRONOMIC MEMORY AND LONDRINENSE CULTURAL HERITAGE Prof. Dr. Leandro Henrique Magalhães 1 Profa. Dra. Mirian Cristina Maretti 1 Sonia Maria Dantas

Leia mais

Municípios premiados. Categoria: Nacional Governador Valadares MG Prefeito: João Domingos Fassarella

Municípios premiados. Categoria: Nacional Governador Valadares MG Prefeito: João Domingos Fassarella Municípios premiados Categoria: Nacional Governador Valadares MG Prefeito: João Domingos Fassarella Receita municipal em 2003: R$ 136.478.646,98 Recursos transferidos pelo FNDE em 2003: R$ 641.290,00 Complementação

Leia mais

PARA GESTORES PÚBLICOS

PARA GESTORES PÚBLICOS UM BOM NEGÓCIO PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL PARA GESTORES PÚBLICOS 1 2014 - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de Minas Gerais - Sebrae. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. É

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

ANÁLISE NUTRICIONAL DOS PRODUTOS DE PANIFICAÇÃO NO ASSENTAMENTO MONTE ALEGRE

ANÁLISE NUTRICIONAL DOS PRODUTOS DE PANIFICAÇÃO NO ASSENTAMENTO MONTE ALEGRE ANÁLISE NUTRICIONAL DOS PRODUTOS DE PANIFICAÇÃO NO ASSENTAMENTO MONTE ALEGRE Danielly Oliveira Justino 1 Henrique Carmona Duval 2 Vera Lúcia S. Botta Ferrante 3 Ana Carolina Carneiro 4 Resumo: A presente

Leia mais

FAMÍLIA X ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO NAS TOMADAS DE DECISÕES

FAMÍLIA X ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO NAS TOMADAS DE DECISÕES FAMÍLIA X ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO NAS TOMADAS DE DECISÕES Erika Alencar de Moura 1 ; Ângela Maria da Silva 2 ; Nailde Gonçalves da Silva 3 ; Maria dos Prazeres Albuquerque 4 ; Luciana Maria

Leia mais

Canal Futura. Comprometido com a Transformação Social

Canal Futura. Comprometido com a Transformação Social Canal Futura Comprometido com a Transformação Social Retratos do Brasil Total 190.755.799 habitantes Homens: 48,97% (93,4 milhões) Mulheres: 51,03% (97,3 milhões) Brancos: 47,73% Negros: 50,74% Amarelas

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DO PROGRAMA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA KRAHÔ/CAPES/INEP/UFT

EXPERIÊNCIAS DO PROGRAMA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA KRAHÔ/CAPES/INEP/UFT 269 EXPERIÊNCIAS DO PROGRAMA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA KRAHÔ/CAPES/INEP/UFT Joilda Bezerra dos Santos (UFT) joildabezerra@uol.br 1 Raylon da Frota Lopes (UFT) railonfl@hotmail.com 2

Leia mais

TURISMO, HISTÓRIA E GASTRONOMIA:

TURISMO, HISTÓRIA E GASTRONOMIA: RESENHA Maria Henriqueta Sperandio G. Gimenes 1 1 Maria Henriqueta Sperandio Garcia Gimenes - Bacharel em Turismo e Doutora em História (História da Alimentação) pela Universidade Federal do Paraná. Professora

Leia mais

SALAS INTERATIVAS E AÇÕES COMUNITÁRIAS: EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM TERRÁ INDÍGENA

SALAS INTERATIVAS E AÇÕES COMUNITÁRIAS: EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM TERRÁ INDÍGENA SALAS INTERATIVAS E AÇÕES COMUNITÁRIAS: EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM TERRÁ INDÍGENA Leilane Oliveira Chaves Graduanda em Geografia Universidade Federal do Ceará - UFC, Brasil E-mail: leilane_chaves@hotmail.com

Leia mais

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 Cultura, história e gastronomia: análise de enquadramento do jornalismo gastronômico 1 RESUMO Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 O texto parte de uma pesquisa que tem como proposta realizar

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM Programa de Educação Tutorial PET 2006 MEC/SESu/DEPEM ANEXO I Proposta

Leia mais

Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania. Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba

Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania. Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba Histórico Quilombo era o local de refúgio dos escravos evadidos dos engenhos, os quilombolas, em sua maioria,

Leia mais

Guia Alimentar para a População Brasileira

Guia Alimentar para a População Brasileira Guia Alimentar para a População Brasileira Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição Departamento de Atenção Básica Secretaria de Atenção à Saúde Ministério da Saúde Revisão do Guia Alimentar para a

Leia mais

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ESCADA, 2014 EXTENSÃO RURAL CONSTRUIR UM SONHO E LUTAR POR ELE Regional : Palmares PE Municipio: Escada Comunidades: Sitio

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO DO CURSO DE GASTRONOMIA DIRETORIA DE GRADUAÇÃO B111900 04 1º 80 PROGRAMA DE APRENDIZAGEM

PROGRAMA DO CURSO DO CURSO DE GASTRONOMIA DIRETORIA DE GRADUAÇÃO B111900 04 1º 80 PROGRAMA DE APRENDIZAGEM PROGRAMA DO CURSO DO CURSO DE GASTRONOMIA DISCIPLINA: Metodologia Científica B111900 04 1º 80 : Características do conhecimento científico. A linguagem científica, sua estrutura e sua lógica. O papel da

Leia mais

Documentos 297. Agostinho Dirceu Didonet. ISSN 1678-9644 Março, 2014. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Arroz e Feijão

Documentos 297. Agostinho Dirceu Didonet. ISSN 1678-9644 Março, 2014. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Arroz e Feijão ISSN 1678-9644 Março, 2014 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 297 O Papel das Mulheres no Desenvolvimento

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

CÁRITAS BRASILEIRA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS

CÁRITAS BRASILEIRA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS CÁRITAS BRASILEIRA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO A Cáritas Brasileira é um organismo vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) que possui a missão de Testemunhar

Leia mais

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão.

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

A CULTURA DO ACARAJÉ EM ARACAJU Leovaldo Garcia Universidade Federal de Sergipe garcilleos@gmail.com

A CULTURA DO ACARAJÉ EM ARACAJU Leovaldo Garcia Universidade Federal de Sergipe garcilleos@gmail.com A CULTURA DO ACARAJÉ EM ARACAJU Leovaldo Garcia Universidade Federal de Sergipe garcilleos@gmail.com GT 01: A Produção de Alimentos Tradicionais nos Territórios Rurais e Urbanos Resumo Este trabalho se

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

Autores: RG 3062164367; RG 73302005000400015; RG 73302005000400015

Autores: RG 3062164367; RG 73302005000400015; RG 73302005000400015 Autores: RG 3062164367; RG 73302005000400015; RG 73302005000400015 Instituição: Universidade Feevale - Novo Hamburgo-RS Titulação: Doutorando; Doutoranda; Doutora Título do trabalho: Uma experiência interdisciplinar

Leia mais

ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade

ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade Economia Lenita Gripa - ICF O termo ECONOMIA vem do grego OIKOS = CASA e NOMOS = NORMAS ou LEI. Economia é a arte de cuidar da casa; normas, jeito, maneira

Leia mais

CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS)

CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS) CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS) 1 TREVIZAN, Fernanda Kiyome Fatori INTRODUÇÃO A promoção dos recursos humanos e do planejamento

Leia mais

Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas

Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares (ITCP) Programa de extensão universitária vinculada à Pró Reitoria de

Leia mais

1. Nome do Projeto de Responsabilidade Social Ponto Solidário Arte Sócio-Cultural

1. Nome do Projeto de Responsabilidade Social Ponto Solidário Arte Sócio-Cultural Nome da empresa: Yázigi Internexus Data de fundação: 1950 Número de funcionários: 100 colaboradores Localização (cidade e estado em que estão sede e franquias): Sede: Av. 9 de Julho, 3166 Jd. Paulista

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR

PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR JUSTIFICATIVA Uma vez que a sobrevivência da sociedade dependerá da alfabetização cultural, social e ecológica e, sendo a Terra nossa casa maior,

Leia mais

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE Evelyn Nunomura* Isadora Fernanda Rossi* Gilberto Hildebrando* Sonia Maria de Oliveira Dantas* Leandro Henrique Magalhães** Mirian Cristina Maretti** *Acadêmicos

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR UTILIZANDO A MODELAGEM MATEMÁTICA

UMA INVESTIGAÇÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR UTILIZANDO A MODELAGEM MATEMÁTICA Comunicação Científica UMA INVESTIGAÇÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR UTILIZANDO A MODELAGEM MATEMÁTICA Emanuella Filgueira Pereira - UFRB Joana Angelina dos Santos Silva- UFRB Núbia de Andrade Santos - UFRB

Leia mais

Pesquisa com Comerciantes de Artesanato setembro / 2013

Pesquisa com Comerciantes de Artesanato setembro / 2013 Pesquisa com Comerciantes de Artesanato setembro / 2013 1 2013. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

EVENTOS GASTRONÔMICOS COMO AGENTES DE FOMENTO DO TURISMO DE RECIFE-PE

EVENTOS GASTRONÔMICOS COMO AGENTES DE FOMENTO DO TURISMO DE RECIFE-PE EVENTOS GASTRONÔMICOS COMO AGENTES DE FOMENTO DO TURISMO DE RECIFE-PE Autor(a): Michelly Elaine de Oliveira Conceição Coautor(es): Guilherme Alves de Santana, Roberta de Albuquerque Pereira, Everton Medeiros

Leia mais

Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1

Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1 Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1 COIMBRA, Bruno Abdala Vieira Di 2 ; ALMEIDA, Maria Geralda 3 Palavras-chave: Kalunga, Paisagem Cultural, Paisagem

Leia mais

CONCURSO DOS ESTABELECIMENTOS

CONCURSO DOS ESTABELECIMENTOS CONCURSO DOS ESTABELECIMENTOS REGULAMENTO 2015 O Concurso Gastronômico, uma das atrações do Festival Gastronômico da Pipa, tem como objetivos o aprimoramento das técnicas gastronômicas e o incentivo à

Leia mais

VALORIZAÇÃO DE FORMULAÇÕES CULINÁRIAS A PARTIR DO ARROZ VERMELHO E DIVULGAÇÃO NAS REDES SOCIAIS.

VALORIZAÇÃO DE FORMULAÇÕES CULINÁRIAS A PARTIR DO ARROZ VERMELHO E DIVULGAÇÃO NAS REDES SOCIAIS. VALORIZAÇÃO DE FORMULAÇÕES CULINÁRIAS A PARTIR DO ARROZ VERMELHO E DIVULGAÇÃO NAS REDES SOCIAIS. FARIAS 1, Natália Silva de; OLIVEIRA 2, Márcia Roseane Targino de; PETELINKAR 3, Gabriel Pereira; SILVA

Leia mais

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia.

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Autores: Ana Claudia Carlos 1 Raquel Aparecida Celso 1 Autores e Orientadores: Caroline Goerck 2 Fabio Jardel

Leia mais

O LUGAR DA INFÂNCIA NA RELIGIÃO DE MATRIZ AFRICANA Jaqueline de Fátima Ribeiro UFF Agência Financiadora: CAPES

O LUGAR DA INFÂNCIA NA RELIGIÃO DE MATRIZ AFRICANA Jaqueline de Fátima Ribeiro UFF Agência Financiadora: CAPES O LUGAR DA INFÂNCIA NA RELIGIÃO DE MATRIZ AFRICANA Jaqueline de Fátima Ribeiro UFF Agência Financiadora: CAPES Resumo O texto em questão é parte da pesquisa em desenvolvimento (mestrado) que tem como objetivo

Leia mais

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA.

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. FICHA TÉCNICA Coordenação de População e Indicadores Sociais: Bárbara Cobo Soares Gerente de Pesquisas e Estudos Federativos: Antônio

Leia mais

RESISTÊNCIA CAMPONESA E ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL NA COMUNIDADE SERRA DAS PIAS/AL

RESISTÊNCIA CAMPONESA E ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL NA COMUNIDADE SERRA DAS PIAS/AL RESISTÊNCIA CAMPONESA E ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL NA COMUNIDADE SERRA DAS PIAS/AL Resumo Aparecida Marta Barbosa Costa Universidade Estadual de Alagoas UNEAL Marta_liz@hotmail.com Antônio Marcos Pontes

Leia mais

Quem Somos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1989 no município de São Sebastião, Litoral Norte de São Paulo;

Quem Somos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1989 no município de São Sebastião, Litoral Norte de São Paulo; CENTRO CULTURAL SÃO SEBASTIÃO TEM ALMA DESDE 1989 VALORIZANDO A CULTURA CAIÇARA E O MEIO AMBIENTE Quem Somos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1989 no município de São Sebastião, Litoral Norte

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 406, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 406, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 406, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 Disciplina a Especialidade Profissional Terapia Ocupacional nos Contextos Sociais e dá outras providências. O Plenário do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia

Leia mais

PROJETO CONEXÕES DE SABERES: UM OLHAR À BRASILEIRA O RACISMO OCULTO

PROJETO CONEXÕES DE SABERES: UM OLHAR À BRASILEIRA O RACISMO OCULTO PROJETO CONEXÕES DE SABERES: UM OLHAR À BRASILEIRA O RACISMO OCULTO Selma Dansi 1 RESUMO O Projeto Conexões de Saberes: Um olhar à Brasileira O Racismo Oculto trata-se de um estudo da bolsista e tem como

Leia mais

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. EXTENSÃO Conheça: est.edu.br PROGRAMA DE EXTENSÃO A Faculdades EST é vinculada à Rede Sinodal de Educação, identificada com a Igreja Evangélica de Confissão Luterana

Leia mais

no Desenvolvimento dos

no Desenvolvimento dos A Importância do Secretaria de Cooperativismo de Crédito no Desenvolvimento dos Territórios rios Rurais do Brasil (Tema X: O Cooperativismo de Crédito Como Agente Transformador) 5º Seminário Banco Central

Leia mais

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Nome da Atividade V Plenária Estadual de Economia Solidária de Goiás Data 28 a 30 de agosto de 2012 Local Rua 70, 661- Setor Central -Sede da CUT Goiás

Leia mais

Luís Eduardo Magalhães - Bahia

Luís Eduardo Magalhães - Bahia Luís Eduardo Magalhães - Bahia APRESENTAÇÃO O II Festival Gastronômico de Luís Eduardo Magalhães, denominado II LEM Gastronomia, acontecerá de 01 a 04 de outubro de 2015, no Centro de Eventos Nossa Senhora

Leia mais

1. Apresentação. 2. Pontos Fixos de Comercialização Solidária

1. Apresentação. 2. Pontos Fixos de Comercialização Solidária Edital de Seleção de Pontos Fixos de Comercialização Solidária Candidatos para Participar da Rede Brasileira de Comercialização Solidária - Rede Comsol (Edital - Ubee/Ims N. 01/2014) 1. Apresentação A

Leia mais

INSTITUIÇÕES APRENDENTES: EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS EM COMUNIDADES LOCAIS.

INSTITUIÇÕES APRENDENTES: EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS EM COMUNIDADES LOCAIS. INSTITUIÇÕES APRENDENTES: EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS EM COMUNIDADES LOCAIS. Ana Lícia de Santana Stopilha Professora Assistente da Universidade do Estado da Bahia Campus XV Doutoranda em Difusão do Conhecimento

Leia mais

BREVE HISTÓRICO INTERNACIONAL

BREVE HISTÓRICO INTERNACIONAL Histórico BREVE HISTÓRICO INTERNACIONAL Foi a partir dos anos 1950, reconhecida como estratégica para o desenvolvimento regional, em muitos países ao norte e centro da Europa. A partir dos anos 1970, nos

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR UM BOM NEGÓCIO PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL PREFEITO

AGRICULTURA FAMILIAR UM BOM NEGÓCIO PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL PREFEITO AGRICULTURA FAMILIAR UM BOM NEGÓCIO PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL PREFEITO Copyright 2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. A reprodução não

Leia mais

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: "PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR, PROTAGONISMO E AUTONOMIA ECONÔMICA NA PAUTA DAS MULHERES DO BAIXO TOCANTINS

SEGURANÇA ALIMENTAR, PROTAGONISMO E AUTONOMIA ECONÔMICA NA PAUTA DAS MULHERES DO BAIXO TOCANTINS SEGURANÇA ALIMENTAR, PROTAGONISMO E AUTONOMIA ECONÔMICA NA PAUTA DAS MULHERES DO BAIXO TOCANTINS Coordenadora Regional da FASE Amazônia Organização: Apoio: 1. Como se desenvolve o trabalho da FASE Amazônia

Leia mais

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil.

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. GIRÃO, Enio G. Eng. Agrônomo, Embrapa Agroindústria Tropical, Fortaleza CE, enio@cnpat.embrapa.br; OLIVEIRA, Francyálisson

Leia mais

* A História da Alimentação. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia S. Prates

* A História da Alimentação. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia S. Prates * A História da Alimentação 2 1 3 4 No final do curso você terá as respostas destas perguntas Diante de tanta informação... No que devemos acreditar? 5 6 7 8 9 10 11 12 *Você presta atenção nos alimentos

Leia mais

As Minas Gerais. Projeto Cultural

As Minas Gerais. Projeto Cultural As Minas Gerais Projeto Cultural www.asminasgerais.com.br Cópia da página do MINC autorizando a captação de recursos. "asminasgerais se apresenta como o ponto de encontro dos mineiros, aonde quer que estejam.

Leia mais

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO PROREXT/PROJETO DE EXTENSÃO 2008/1 - TERRITÓRIO AFROSUL DESENVOLVENDO O DIÁLOGO ACADEMIA / ONG AFROSUL ATRAVÉS DE TRABALHO COM JOVENS DE COMUNIDADE POPULAR RESUMO Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ²

Leia mais

diretrizes estabelecidas por política públicas. O viés desta pesquisa é fundamentado em levantamentos etnobotânicos guiados pelo estudo dos processos

diretrizes estabelecidas por política públicas. O viés desta pesquisa é fundamentado em levantamentos etnobotânicos guiados pelo estudo dos processos 1. Introdução Ao longo da história o homem imprime marcas na paisagem que podem vir a apresentar maior ou menor materialidade. São por exemplo heranças ou resultantes ecológicas, se a elas atribuirmos

Leia mais

TRABALHANDO A CULTURA ALAGOANA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA

TRABALHANDO A CULTURA ALAGOANA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA TRABALHANDO A CULTURA ALAGOANA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA Pedro Henrique Santos da Silva - Bianca dos Santos Cristovão - Luciana Maria da Silva* - RESUMO O Programa Institucional

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

cerca de 200 crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social do Centro Histórico e da periferia de Salvador.

cerca de 200 crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social do Centro Histórico e da periferia de Salvador. I ENCONTRO, CAPOEIRA e PATRIMÔNIO IMATERIAL no BRASIL: perspectivas para a implementação de políticas públicas de salvaguarda da Capoeira. Local: UFF Niterói RJ Data: 3 de setembro de 2006 às 16:00 h Tema:

Leia mais

LAMSA (Recurso Direto)

LAMSA (Recurso Direto) O Instituto Invepar e as empresas do grupo - Linha Amarela S/A - LAMSA (RJ), Concessionária Litoral Norte - CLN (BA), Concessionária Auto Raposo Tavares - CART (SP), MetrôRio (RJ) e Concessionária Bahia

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO NUFAC SÃO PAULO/SP 2014

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO NUFAC SÃO PAULO/SP 2014 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO NUFAC SÃO PAULO/SP 2014 1) SOBRE O NUFAC O Núcleo de Formação de Agentes de Cultura da Juventude Negra resulta da parceria entre Fundação Cultural Palmares, órgão vinculado

Leia mais

TÍTULO: ALIMENTAÇÃO DA POPULAÇÃO NEGRA E INDIGENA EM LONDRINA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A CULTURA ALIMENTAR LONDRINENSE CATEGORIA: CONCLUÍDO

TÍTULO: ALIMENTAÇÃO DA POPULAÇÃO NEGRA E INDIGENA EM LONDRINA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A CULTURA ALIMENTAR LONDRINENSE CATEGORIA: CONCLUÍDO TÍTULO: ALIMENTAÇÃO DA POPULAÇÃO NEGRA E INDIGENA EM LONDRINA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A CULTURA ALIMENTAR LONDRINENSE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: HISTÓRIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i

EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i INTRODUÇÃO Entre as inúmeras formas de diálogo que a UFRB (Universidade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DOCE CNPJ: 18.316.265/0001-69 CEP: 35442-000 ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DOCE CNPJ: 18.316.265/0001-69 CEP: 35442-000 ESTADO DE MINAS GERAIS I FEIRA GASTRO-CULTURAL DE RIO DOCE MG De 24/09 à 01/10/2011, o município de Rio Doce abrigará a I Feira Gastro-Cultural que movimentará a cultura, a arte e a culinária no interior na zona da mata mineira.

Leia mais

TERRA MADRE BRASIL Projeto. Brasília, 04 a 07 de Outubro de 2007

TERRA MADRE BRASIL Projeto. Brasília, 04 a 07 de Outubro de 2007 TERRA MADRE BRASIL Projeto Brasília, 04 a 07 de Outubro de 2007 Sumário 1.Introdução...2 2.O Terra Madre-Brasil... 5 3.Objetivos... 5 4.Público Participante...6 5.Programação Geral... 7 6.Outros detalhes...

Leia mais

A TAPIOCA E SUAS REIVENÇÕES: TRADIÇÃO E INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA DE REPRODUÇÃO SOCIAL E ECONÔMICA DE GRUPOS FAMILIARES NA GRANDE ARACAJU

A TAPIOCA E SUAS REIVENÇÕES: TRADIÇÃO E INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA DE REPRODUÇÃO SOCIAL E ECONÔMICA DE GRUPOS FAMILIARES NA GRANDE ARACAJU A TAPIOCA E SUAS REIVENÇÕES: TRADIÇÃO E INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA DE REPRODUÇÃO SOCIAL E ECONÔMICA DE GRUPOS FAMILIARES NA GRANDE ARACAJU Joice Lima de Oliveira(UFS) 1 Sônia de Souza Mendonça Menezes(UFS)

Leia mais

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA POR QUE O PROJETO Decisão Estratégica do Governo do Estado da Bahia Necessidade de avançar na erradicação da pobreza rural Existência de

Leia mais

PROJETO DESENVOLVIMENTO DO COOPERATIVISMO E ASSOCIATIVISMO EM COMUNIDADES DE BAIXA RENDA

PROJETO DESENVOLVIMENTO DO COOPERATIVISMO E ASSOCIATIVISMO EM COMUNIDADES DE BAIXA RENDA INSTITUTO BRASILEIRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO, EDUCACIONAL E ASSOCIATIVO INSTITUTO BRASILEIRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO, EDUCACIONAL E ASSOCIATIVO PROJETO DESENVOLVIMENTO DO COOPERATIVISMO E

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO

ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO Projeto escolar com a temática Livro Amigo produzido no ano de 2012, 2013 e em andamento em 2014, por todos os integrantes da escola e comunidade.

Leia mais

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR Com a aprovação da Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009, e da Resolução FNDE nº 38, de 16 de julho de 2009, as escolas

Leia mais

O DESIGN COMO REFERENCIAL QUALITATIVO NA PRODUÇÃO DA RENDA DE BILRO DO ES Luzanira Carvalho de Oliveira

O DESIGN COMO REFERENCIAL QUALITATIVO NA PRODUÇÃO DA RENDA DE BILRO DO ES Luzanira Carvalho de Oliveira O DESIGN COMO REFERENCIAL QUALITATIVO NA PRODUÇÃO DA RENDA DE BILRO DO ES Luzanira Carvalho de Oliveira Professsora da área de Design - FAESA luza_carv@hotmail.com RESUMO Este artigo trata da discussão

Leia mais

Ações de incentivo ao consumo de alimentos orgâncos e de produção agroecológica

Ações de incentivo ao consumo de alimentos orgâncos e de produção agroecológica Ações de incentivo ao consumo de alimentos orgâncos e de produção agroecológica O Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional nos municípios ENCONTRO NACIONAL III Seminário Nacional de Vigilância

Leia mais

Clipping. Internet Blog Inclusão Sergipe

Clipping. Internet Blog Inclusão Sergipe Clipping Mídia Blog Inclusão Sergipe ---------- Página http://inclusaosergipe.blog.emsergipe.com/2010/10/26/182/ Data 26/10/2010 Petrobras apóia dois projetos sociais em Sergipe Escrito por inclusaosergipe

Leia mais

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação :: LINHAS DE AÇÃO Apoio aos Municípios Tecnologia e Informação em Resíduos Capacitação Promoção e Mobilização Social :: PRESSUPOSTOS DA COLETA SELETIVA Gestão participativa Projeto de Governo Projeto da

Leia mais

1 Este subtítulo se reporta ao texto de Antonio Gramsci: Homens ou Máquinas, que na qual o autor nos fala

1 Este subtítulo se reporta ao texto de Antonio Gramsci: Homens ou Máquinas, que na qual o autor nos fala 1 EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE NAS UNIVERSIDADES CORPORATIVAS: CRIAÇÃO DE MONSTROS ÁRIDOS, DE OLHOS ÁGEIS E MÃOS FIRMES 1? RIBEIRO, Nayla Cristine Ferreira FIOCRUZ GT-09: Trabalho e Educação Agência

Leia mais

A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família

A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família Adriane Vieira Ferrarini Docente e pesquisadora do Programa de Pós graduação em Ciências Sociais da Unisinos Estelamaris

Leia mais

INCLUSÃO PRODUTIVA. 3 - O governo estadual desenvolve ações, programas ou projetos de inclusão produtiva para a geração de trabalho e renda?

INCLUSÃO PRODUTIVA. 3 - O governo estadual desenvolve ações, programas ou projetos de inclusão produtiva para a geração de trabalho e renda? 1 - Existe algum tipo de estudo setorial e/ou diagnóstico socioeconômico do estado que tenha sido realizado no período entre 2010 e 2014? 1 Sim 1.1 - Ano do diagnóstico: Não (passe para 2 o quesito 3)

Leia mais

PLANTANDO NOVAS SEMENTES NA EDUCAÇÃO DO CAMPO

PLANTANDO NOVAS SEMENTES NA EDUCAÇÃO DO CAMPO PLANTANDO NOVAS SEMENTES NA EDUCAÇÃO DO CAMPO Alunos Apresentadores:Aline Inhoato; Rafhaela Bueno de Lourenço; João Vitor Barcelos Professor Orientador: Mario Ubaldo Ortiz Barcelos -Email: muobubaldo@gmail.com

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

EMENDANDO RETALHOS, GERANDO RENDA - UMA ESTRATÉGIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE AGRICULTORAS FAMILIARES NO SERTÃO DO PAJEÚ-PE

EMENDANDO RETALHOS, GERANDO RENDA - UMA ESTRATÉGIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE AGRICULTORAS FAMILIARES NO SERTÃO DO PAJEÚ-PE EMENDANDO RETALHOS, GERANDO RENDA - UMA ESTRATÉGIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE AGRICULTORAS FAMILIARES NO SERTÃO DO PAJEÚ-PE Joseneide Maria Custodio de Andrade 1 RESUMO Este trabalho teve como

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

CONCEITOS E PRECONCEITOS SOBRE O BAIRRO DO GUAMÁ: RECONSTRUINDO SIGNIFICADOS E PERCEPÇÕES

CONCEITOS E PRECONCEITOS SOBRE O BAIRRO DO GUAMÁ: RECONSTRUINDO SIGNIFICADOS E PERCEPÇÕES CONCEITOS E PRECONCEITOS SOBRE O BAIRRO DO GUAMÁ: RECONSTRUINDO SIGNIFICADOS E PERCEPÇÕES Glauco Rivelino Ferreira de ARAÚJO 9 (FIBRA) Ruan Carlos Silva de Freitas Este artigo apresenta resultados de um

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

Pesquisa de diagnóstico brasil central de agronegócios - MS

Pesquisa de diagnóstico brasil central de agronegócios - MS oportunidades de negócio para a Agricultura Familiar Pesquisa de diagnóstico brasil central de agronegócios - MS CAMPO GRANDE - AGOSTO/2014 SEBRAE/MS Conselho Deliberativo Associação das Microempresas

Leia mais

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO DOCUMENTO PROPOSITIVO Página 1 1. IMPORTÂNCIA DO TEMA PARA A II CONFERÊNCIA NACIONAL 1.1. A construção de um novo Brasil pautado na justiça, equidade e

Leia mais

Somando forças até o fim da pobreza. CARE Brasil Relatório Anual

Somando forças até o fim da pobreza. CARE Brasil Relatório Anual Somando forças até o fim da pobreza CARE Brasil Relatório Anual 2012 CARE Internacional Em 2012, a CARE apoiou 997 projetos de combate à pobreza em 84 países, beneficiando estimadamente 84 milhões de pessoas.

Leia mais

Projeto Busco legados buscolegados.com TVbuscolegados

Projeto Busco legados buscolegados.com TVbuscolegados Projeto Busco legados buscolegados.com TVbuscolegados Um Programa audiovisual sobre acessibilidade. Um NÃO CADEIRANTE vivencia as dificuldades de uma Pessoa com Deficiência PcD - e traz algumas reflexões:

Leia mais

11º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM TRABALHO INFANTIL E O PROJETO BRINCADEIRAS COM MENINOS E MENINAS DE E NA RUA.

11º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM TRABALHO INFANTIL E O PROJETO BRINCADEIRAS COM MENINOS E MENINAS DE E NA RUA. 11º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM TRABALHO INFANTIL E O PROJETO BRINCADEIRAS COM MENINOS E MENINAS DE E NA RUA. Luisa de Oliveira Demarchi Costa (apresentadora) 1 Cléia Renata Teixeira Souza (coordenadora)

Leia mais

Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico PROGRAMA AGRICULTURA URBANA HORTAS E POMARES COMUNITÁRIAS

Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico PROGRAMA AGRICULTURA URBANA HORTAS E POMARES COMUNITÁRIAS Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico PROGRAMA AGRICULTURA URBANA HORTAS E POMARES COMUNITÁRIAS Recife, 2004 Sumário Objetivo Beneficiários Diagnóstico Horizonte Temporal

Leia mais

O rolo do bolo de rolo

O rolo do bolo de rolo O rolo do bolo de rolo Resumo Maurício Jacques Barbosa da Silva 1 Desvendar a história de pratos brasileiros pode não ser tão óbvio ou fácil como possa parecer. Por vezes, certos pratos ditos como genuinamente

Leia mais

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE IOGURTE NA CIDADE DE ITABUNA NO ESTADO DA BAHIA

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE IOGURTE NA CIDADE DE ITABUNA NO ESTADO DA BAHIA O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE IOGURTE NA CIDADE DE ITABUNA NO ESTADO DA BAHIA Antônio Carlos de Araújo Lúcia Maria Ramos Silva Ahmad Saeed Khan RESUMO: Estudou-se o comportamento do consumidor de iogurte

Leia mais

ENSINO E PESQUISA: EDUCAÇÃO, TRABALHO E CIDADANIA 1

ENSINO E PESQUISA: EDUCAÇÃO, TRABALHO E CIDADANIA 1 1 ENSINO E PESQUISA: EDUCAÇÃO, TRABALHO E CIDADANIA 1 Cristiano Pinheiro Corra 2 Lorena Carolina Fabri 3 Lucas Garcia 4 Cibélia Aparecida Pereira 5 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo suscitar

Leia mais

V Plenária Nacional de Economia Solidária

V Plenária Nacional de Economia Solidária V Plenária Nacional de Economia Solidária Relatório para Plenárias Locais e Estadual de Economia Solidária Escreva abaixo de cada tópico. Nome da Atividade V Plenária de Economia Solidária do Estado da

Leia mais

NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar. Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP

NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar. Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP Mestre em Serviço Social pela Faculdade de História, Direito e Serviço Social/UNESP

Leia mais