CAPA NO ARQUIVO ILUSTRATOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPA NO ARQUIVO ILUSTRATOR"

Transcrição

1 CAPA NO ARQUIVO ILUSTRATOR

2 2

3 3

4 1 O SINDIHOSPA 3 COMITÊS TÉCNICOS PERMANENTES 2 Histórico 50 anos Comitê de Emergências Missão Comitê de Farmácia Representatividade Comitê de Faturamento Mensagem do Presidente Comitê de Hotelaria CORPO DIRETIVO Composição da Diretoria Composição do Conselho de Líderes Comitê de Nutrição Comitê de Processamento de Produtos para Saúde Comitê de Relacionamento com Fornecedores Comitê de Resíduos Sólidos dos Serviços de Saúde Comitê de Saúde e Segurança do Trabalho Comitê de Recursos Humanos Comitê Jurídico Relatório Anual 2012 No ano em que completa 50 anos de atividades, o SINDIHOSPA homenageia os parques e praças de Porto Alegre: locais de lazer, descanso e sociabilidade tão caros aos que aqui nasceram e também àqueles que escolheram Porto Alegre para viver e trabalhar. 4

5 Índice 4 DEPARTAMENTOS DE ESPECIALIDADES 6 EVENTOS Departamento de Geriatrias Departamento de Ortopedias CONFRATERNIZAÇÃO 50 ANOS SERVIÇOS Domínio Rh ASSOCIADOS Eko Grupo Saúde SIS Saúde Projeto ICH Índice de Custos Hospitalares Assessoria Jurídica Mais do que uma homenagem, o SINDIHOSPA defende a importância desses espaços para a saúde da nossa população, por proporcionarem um contato direto com a natureza, representando uma fuga do cotidiano agitado da metrópole, além de disporem de uma infinidade de opções de esporte e lazer. Com isso, firmamos posição na defesa da saúde da nossa cidade em todas as frentes: governo, instituições e população juntas, construindo um futuro mais saudável para todos. 5

6 Parque Farroupilha Foto: Sérgio Louruz / Divulgação PMPA 1 O SINDIHOSPA 6

7 50 Anos de História Em 2012, o SINDIHOSPA completou 50 anos de atuação. A seguir relatamos os principais fatos desta trajetória, além de apresentarmos resumidamente, os presidentes que fizeram parte desta história Um grupo de proprietários de instituições de saúde reunia-se para fundar a Associação Profissional dos Hospitais, Clínicas, Casas de Saúde e Similares, que nascia com o propósito de defender os interesses da categoria. Seu primeiro presidente foi Plácido Lopes da Fonte Aprovação da investidura sindical e alteração da razão social. A Associação passou a se chamar Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Casas de Saúde de Porto Alegre. O presidente nesta ocasião era Kurt Dohms Portaria do Ministério do Trabalho determinou que fossem incluídos os laboratórios de pesquisas e análises clínicas na categoria econômica. O presidente então era José Jorge da Silva. desafios como os movimentos de greve em alguns hospitais Início da gestão de Angel Antônio Del Arroyo, médico, fundador do Hospital Petrópolis, que esteve na presidência do sindicato por dois mandatos e, por ser líder nato, trabalhou muito pela organização das entidades hospitalares Neste ano assumia a presidência Alberi Cardoso Victal, administrador de empresas, na época diretor do Hospital Lazzarotto. Seu trabalho representou uma mudança do modelo de gestão. Enfrentou grandes 1993 Assume a presidência Genésio Korbes, administrador de empresas que atuava no Hospital Moinhos de Vento. O foco de sua gestão foi a profissionalização do sindicato. Realizou ações importantes como a desfiliação da Federação de Turismo e a filiação na Federação dos Hospitais e Estabelecimentos de Saúde do Estado do Rio Grande do Sul, a FEHOSUL. Buscou profissionalizar os comitês que realizavam as negociações com os sindicatos profissionais, aperfeiçoando assim, as negociações trabalhistas em defesa dos interesses de seus representados. Em sua gestão houve nova alteração da razão social e o sindicato passou a se chamar SINDIHOSPA Sindicato dos Hospitais e Clínicas de Porto Alegre. Criou o logotipo, a missão e o mais importante, o primeiro planejamento estratégico. Além disso, adquiriu a primeira sede do sindicato. Sua gestão marcou o iniciou do crescimento do SINDIHOSPA Início da gestão de Paulo sindicato dos hospitais e clínicas de porto alegre 7

8 David Gusmão, médico, o primeiro presidente representante do segmento ambulatorial, as chamadas clínicas. Desenvolveu projeto de pesquisa e criação de um banco de dados sobre os serviços de saúde disponíveis em Porto Alegre. Buscou visibilidade para o SINDIHOSPA, realizando e participando de eventos empresariais, criou o ciclo de debates Tratando de Saúde, com os candidatos a Prefeitura de Porto Alegre nos períodos de eleições municipais. Em 2002, uma parceria com a Integrar Cooperativa, resultou no lançamento de um serviço especializado na área de recursos humanos, atualmente a Domínio Rh. Além disso, em sua gestão foi criado o Conselho de Líderes, composto por ex- -presidentes que permanecem ligados a área da saúde e por altos dirigentes de entidades hospitalares associadas Assume a presidência Alceu Alves da Silva, administrador hospitalar e bacharel em contabilidade, é superintendente executivo corporativo do Sistema de Saúde Mãe de Deus. Sua gestão foi marcada pelo fortalecimento da união das instituições visando maior integração das mesmas. Com uma visão estratégica e de negócios, Alceu impôs um ritmo de desenvolvimento nos comitês técnicos. Criou as unidades estratégicas de negócios, envolvendo e integrando os demais membros da diretoria aos assuntos do Sindicato. Particularmente para as clínicas, foram criados diversos programas de desenvolvimento, culminando no EKO Grupo Saúde, uma parceria entre a UNICRED Porto Alegre, o Sindicato Médico do Estado do Rio Grande do Sul e o SEBRAE. No planejamento estratégico, inovou com a contratação da Fundação Dom Cabral para o novo direcionamento dos rumos do Sindicato focando na reunião das instituições, no aumento da rentabilidade e na valorização do setor saúde Início da gestão de Leomar Bammann, diretor geral e administrativo do Hospital São Lucas da PUC, que vem dando continuidade ao trabalho, nomeou novos comitês técnicos, contratou uma auditoria externa e inseriu o Sindihospa no PGQP Programa Gaúcho de Qualidade e Produtividade. A seguir apresentamos as principais atividades do SINDIHOSPA no ano de Missão Nossa missão é fortalecer os serviços de saúde de Porto Alegre, estimulando a sua competitividade e promovendo a livre iniciativa, a economia de mercado, a integração de empregados e o respeito aos princípios éticos, em cooperação com o governo e a sociedade, visando o desenvolvimento do setor de saúde. 8 relatório anual 2012

9 Representatividade O Sindihospa representa os prestadores de serviços da área da saúde, pessoa jurídica, estabelecidas em Porto Alegre, sendo hospitais, clínicas em geral, casas de saúde, laboratórios de análises patológicas e demais estabelecimentos de serviços de saúde. Instituições Cadastradas = Associadas Clínicas = 46 Hospitais = 12 Total = 58 Contribuições devidas Sindical Confederativa Mensalidade FILIADAS Sem funcionários = 1619 Até 10 funcionários = de 10 funcionários = 81 Total = Contribuições devidas Sindical Confederativa Além disso, o sindicato defende os interesses de seus associados participando de fóruns e organizações que atuam no âmbito das políticas Agenda 2020 Conselho Estadual de Saúde Conselho Municipal de Saúde Comissão de Saúde e Meio Ambiente da Câmara Municipal de Porto Alegre Conselho Municipal de Ciência e Tecnologia Conselho Estadual de Prevenção a Violência públicas, com o objetivo de intervir diretamente na sua regulação e na implantação de melhorias no setor saúde. São elas: Comissão Municipal de Serviços Funerários Comitê Estadual para o Desenvolvimento Integral da Primeira Infância Conselho Regional de Desenvolvimento COREDES Delta do Jacuí Fórum da Aprendizagem do Rio Grande do Sul SRT Câmara Temática da Promoção Comercial da Copa 2014 SMIC sindicato dos hospitais e clínicas de porto alegre 9

10 Mensagem do Presidente Na condição do Presidente do Sindicato dos Hospitais e Clínicas de Porto Alegre, cumpro a honrosa função de apresentar à consideração dos membros da Categoria e dos Associados o Relatório das Atividades do exercício de Este relatório apresenta resumidamente os principais fatos que marcaram os 50 anos de trajetória do SINDIHOSPA, celebrados em 12 de novembro de No presente exercício tiveram continuidade os trabalhos desenvolvidos pelos Comitês Técnicos permanentes, que hoje totalizam onze Comitês. Com a participação direta de mais de 120 profissionais qualificados, esses têm contribuído com dedicação exemplar, representando a maioria das entidades associadas ao SINDIHOSPA. Os Departamentos de Especialidades e Serviços igualmente desenvolveram trabalhos significativos, nas respectivas áreas a que se vinculam. No ano, também, se deve registrar que nosso Sindicato esteve representado com participação atuante em fóruns e organizações do âmbito do Setor Saúde. É justo, mencionar que os bons resultados descritos neste relatório são mérito do desempenho dos integrantes de todos os Comitês, Departamentos, Serviços e funcionários do Sindicato. Meu especial agradecimento ao Conselho de Líderes e Diretores. 10 relatório anual 2012

11 Parque Moinhos de Vento Foto: Sérgio Louruz / Divulgação PMPA 11

12 Parque Moinhos de Vento Foto: Luciano Lanes / Divulgação PMPA 2 CORPO DIRETIVO 12

13 Composição da Diretoria PRESIDENTE Leomar Bammann Hospital São Lucas da PUC VICE-PRESIDENTE Alceu Alves da Silva Hospital Mãe de Deus SECRETÁRIO Darci Antônio Mallmann Hospital Divina Providência FINANCEIRO Odacir Vicente Binotto Rossato Hospital Ernesto Dornelles DIVULGAÇÃO Fernando Andreatta Torelly Hospital Moinhos de Vento DIRETORIA SUPLENTE Jorge Avelino Amarilho dos Santos Clínica São José Mauro João Stormovski Interim Home Care Henri Siegert Chazan Residencial Geriátrico Pedra Redonda CONSELHO FISCAL Luiz Alberto Tarragô Carvalho Medicentro Francisco Dias Duarte Serdil Claudionor Tadeu Forbrig Clinoson CONSELHO FISCAL Suplentes Celso Túlio da Silva Esteves Gerontologia Residencial Menino Deus Eduardo Sabbi Clínica Vitalis DELEGADOS REPRESENTANTES Alceu Alves da Silva Hospital Mãe de Deus Leommar Bammann Hospital São Lucas da PUC sindicato dos hospitais e clínicas de porto alegre 13

14 Composição da Diretoria Da esquerda para direita: Francisco Dias Duarte, Luiz Alberto Tarragô Carvalho, Fernando Andreatta Torelly, Odacir Vicente Rossato, Darci Mallmann, Leomar Bammann, Alceu Alves da Silva, Eduardo Sabbi, Claudionor Forbrig e Mauro Stormovski. 14 relatório anual 2012

15 Composição do Conselho de Líderes PRESIDENTE Cláudio Seferin Hospital Mãe de Deus DEMAIS MEMBROS Alceu Alves da Silva (ex-presidente) Hospital Mãe de Deus Amarilio Vieira de Macedo Neto Hospital de Clínicas de Porto Alegre Carlos Eduardo Nery Paes Grupo Hospitalar Conceição Fernando Andreatta Torelly Hospital Moinhos de Vento José Paulo Flores Hospital Divina Providência Leomar Bammann Hospital São Lucas da PUC Odacir Rossato Hospital Ernesto Dornelles Paulo David Gusmão (ex-presidente) Instituto de Ortopedia e Fisioterapia SUPLENTES Gilberto Barichello Grupo Hospitalar Conceição Mohamed Parrini Hospital Moinhos de Vento Plinio Medaglia Filho Hospital São Lucas da PUC Tanira A. Torelly Pinto Hospital de Clinicas de Porto Alegre sindicato dos hospitais e clínicas de porto alegre 15

16 Parque Marinha do Brasil Foto: Glauccio Calvano / Divulgação PMPA 3 COMITÊS TÉCNICOS PERMANENTES Os comitês técnicos são fóruns de discussão que tratam de assuntos estratégicos relacionados às Instituições de Saúde. O SINDIHOSPA possibilita a estruturação e manutenção desses comitês, que são de grande valia para a capacitação dos profissionais da área, promovendo assim, a melhoria contínua dos serviços. 16

17 Comitê de Emergências Formado por gestores do setor de emergência dos hospitais, este comitê foi nomeado em maio, mês que antecede a chegada do inverno. Sabemos que habitualmente as emergências trabalham com sua capacidade no limite e muitas vezes esgotada, situação esta que se agrava com a chegada desta estação. Iniciaram suas reuniões com um debate importantíssimo para área da saúde e para a sociedade em geral, pois todos precisavam estar preparados para, mais uma vez, atender a população em possível epidemia da Gripe A (Influenza H1N1) que felizmente foi perfeitamente controlada. Trabalharam buscando entendimento de todos no Protocolo de Tratamento de Síndrome Gripal e Síndrome Respiratória Aguda Grave, material que foi produzido pelo Ministério da Saúde e adaptado pela Secretaria Estadual da Saúde do RS, que apresenta informações como características clínicas, evolução clínica, sinais de agravamento, fatores de risco para complicações, manejo clínico, medicamentos e posologia, entre outros. No mês de junho o comitê organizou evento com a participação de representantes das Secretarias Municipal e Estadual da Saúde, proporcionando que outras entidades e instituições da área da saúde pudessem esclarecer suas dúvidas sobre o Protocolo. sindicato dos hospitais e clínicas de porto alegre 17

18 Comitê de Farmácia COMPOSTO POR FARMACÊUTICOS de hospitais e clínicas, este comitê foi nomeado no mês de maio e realizou reuniões mensais. Inicialmente fizeram apresentações individuais de suas estruturas, o organograma de suas instituições visando demonstrar ao grupo a quem está vinculado o setor de Farmácia. Dentre os temas debatidos estão as alterações de legislação referentes à produção (RDC 67), resoluções e portarias do Conselho Regional de Farmácia, Certidão de Regularidade, assistência farmacêutica 24hs, informatização das prescrições médicas e questões que envolvem melhorias constantes do processo de medicação dentro do âmbito hospitalar para a prevenção e o alcance de taxas de erros cada vez mais baixas. No mês de julho, o comitê iniciou um trabalho de avaliação das distribuidoras, visando a validação de fornecedores. Construiu-se uma planilha que apontou as sete maiores distribuidoras das instituições, o segundo passo foi a elaboração de um formulário (instrumento de validação), que apresentasse todos os quesitos necessários para um bom funcionamento e atendimento dos critérios exigidos pela legislação, denominado Roteiro de Inspeção de Distribuidores de Medicamentos e Produtos para Saúde. Dividiu-se o comitê em pequenos grupos para a realização das visitas técnicas. Além disso, após as visitas, reuniam-se para a elaboração de parecer técnico. O comitê também participou de reuniões com laboratórios de medicamentos visando repassar a eles sugestões de melhorias para o projeto Datamatrix de unitarização de ampolas e comprimidos, buscando melhorar a segurança do paciente e a redução de custos das instituições hospitalares. 18 relatório anual 2012

19 Comitê de Faturamento na busca de uma solução para o problema decorrente da Resolução CMED 3/2009, este comitê estudou a migração das margens de comercialização dos medicamentos de uso restrito hospitalar para dentro das tabelas de serviços hospitalares visto que uma das prerrogativas era ganho zero/perda zero. O estudo resultou no êxito da negociação das migrações junto a duas grandes operadoras de nosso mercado. Realizou reuniões com médicos buscando atualização sobre novos procedimentos, novas tecnologias e o impacto para as operadoras, onde puderam sanar dúvidas a respeito das inclusões do novo Rol ANS. No que diz respeito às operadoras, o comitê discutiu amplamente sobre Glosas, regras de auditoria, diferenças de tabela, trocas de código de procedimentos médicos, dificuldades na importação dos arquivos, etc. Estes debates resultaram em uma correspondência enviada ao plano de saúde solicitando adequações na prestação de seus serviços. Em alguns casos são convidados os gestores para uma reunião onde o comitê apresenta as dificuldades operacionais encontradas. Alguns membros do comitê participaram de reunião com a ANS para apresentação da nova versão TISS, que entrará em vigor em outubro de 2013, que sem dúvida, trará grandes mudanças na operação e relacionamento entre prestadores e operadoras. No final do ano, iniciou a organização de um evento sobre Tendências e Riscos no Setor Saúde, que será realizado assim que forem publicadas as novas alterações. Evento realizado pelo Comitê: palestra A importância das Informações na Gestão estratégica do Negócio. Apresentada por Juliano Jorej e Piero Christofer, ambos do Hospital Mãe de Deus, no dia 18/10/2012. sindicato dos hospitais e clínicas de porto alegre 19

20 Comitê de Hotelaria Em 2012, este comitê consolidou o trabalho iniciado em 2011, referente à construção de indicadores da área de hotelaria hospitalar. A primeira planilha criada pelo grupo é a Matriz de Indicadores de Hotelaria/Lavanderia. Esta matriz foi alimentada trimestralmente e, ao final do ano, foi feito o levantamento da média anual. Apresentaremos as médias anuais como resultado geral do conjunto de hospitais. Salientamos que temos três grupos de dados, um com as informações dos hospitais com Lavanderia Própria (LP), outro dos hospitais com Lavanderia Terceirizada (LT) e outro com informações de LP e LT. 1º Grupo de indicadores LP e LT: 1. Kg de roupa processada/mês por paciente dia: 9,97% (média de cinco hospitais) 2. Percentual de evasão de roupas: 19,69% (média de três hospitais) 3. Horas de treinamento por funcionário/mês: 2,85 horas (média de 6 hospitais) 4. Média de enxovais por leito geral: 3,92 enxovais/leito (média de quatro hospitais) 2º Grupo LP: 5. Percentual de retorno: 2,81% (média de três hospitais) 6. Percentual de sujidade pesada: 45,33% (média de três hospitais) 7. Quantidade de produto por quilo de roupa lavada: 16,83 ml (média de três hospitais) 8. Absenteísmo (lavanderia, costura e rouparia): 7,78% (média de quatro hospitais) 3º Grupo LT: 1. Absenteísmo (costura e rouparia): 2,30% (média de dois hospitais) 2. Percentual de sujidade/retenção: 11,14% (média de três hospitais) 3. Número de peças com destino incorreto: 168,88 (média de dois hospitais) Todos os itens a seguir com média de dois hospitais: 4. Avaliação do padrão de qualidade do processo: 84% 5. Dobradura: 90% 6. Passadoria: 81,88% 7. Alvejamento: 74,5% 8. Manchas: 83,88% 9. Integridade: 78,38% 10. Odor: 69,12% 20 relatório anual 2012

21 Comitê de Hotelaria A análise destes indicadores está possibilitando uma avaliação conjunta dos principais serviços, proporcionando o mapeamento dos pontos fracos e a busca de melhorias para seus processos. A segunda matriz de indicadores de hotelaria refere-se à higienização. Esta matriz foi amplamente discutida pelo grupo, visando o consenso dos indicadores, bem como a forma de serem calculados. Além disso, alguns foram excluídos para que a planilha ficasse especificamente com os dados principais, considerados os mais importantes dentro da área de higienização. Desta forma, os indicadores e média anual de quatro hospitais são: Em 2013, o comitê tem a intenção de realizar um evento para apresentação de todo este trabalho aos hospitais de Porto Alegre e do interior do Estado, assim como incluir outros indicadores que não foram fechados em Paralelo ao trabalho dos indicadores, o comitê de hotelaria reuniu-se com algumas empresas que vieram apresentar soluções e novas tecnologias visando aprimorar ainda mais a qualidade dos processos internos nas instituições. O planejamento é conhecer e adaptar melhor essas propostas para atender as demandas dos hospitais e buscar redução de custos para posterior implantação dessas tecnologias. Tempo médio de limpeza/quarto sem tratamento de piso: 44,03 min. Tempo de espera p/ início da higienização: 55,95 min Nº de funcionários p/ líder: 19,65 Índice de conformidade: 93,20 % Índice de satisfação dos clientes: 71,04 % Horas de treinamento por funcionário: 3,05 horas Turnover: 3,05 Absenteísmo: 5,87 sindicato dos hospitais e clínicas de porto alegre 21

22 Comitê de Nutrição NO ANO DE 2012 O COMITê de nutrição teve seu foco voltado para a seleção de fornecedores de carnes e pães devido às dificuldades encontradas pelos serviços de nutrição em obter parceiros que mantenham a qualidade do produto e do serviço prestado. Além disso, estes gêneros sofrem grandes variações de preço durante o ano, causando forte impacto no custo das refeições. eventos realizados Foram realizadas diversas visitas técnicas buscando a validação de novos fornecedores, porém, sem sucesso para realização de contratos em função de preço desfavorável para algumas instituições e falta de capacidade de atendimento das demandas dos hospitais por parte dos fornecedores. Em relação às padarias, além do mercado escasso nessa área, foram encontradas dificuldades em relação ao envio das documentações exigidas pela Vigilância Sanitária, o que acabou atrasando este processo, que será continuado em ª Jornada de Nutrição Hospitalar do SINDIHOSPA, realizada no dia 01/06/2012 no Novotel Três Figueiras. Evento em alusão ao Dia do Nutricionista, realizado no dia 01/08/2012 no Hospital Mãe de Deus, com foco na Terapia Nutricional em Pacientes Críticos e Atuação das EMTNs. Apoio ao evento do Grupo dos Hospitais realizado no dia 20/11/2012 no Hospital São Lucas PUCRS, abordando o tema Triagem Nutricional. Lançamento da 2ª Jornada de Nutrição Hospitalar do Sindihospa evento para patrocinadores.. 22 relatório anual 2012

23 Comitê de Processamento de Produtos para Saúde Formado por enfermeiros do Centro de Materiais e Esterilização (CME) e do Controle de Infecção dos Hospitais (CCIH). eventos realizados No ano de 2012, este comitê trabalhou incessantemente na construção de um manual de técnicas e práticas de limpeza do instrumental cirúrgico. Este trabalho é inédito no Brasil e, apesar de existirem inúmeras bibliografias sobre este tema, nenhuma apresenta de forma objetiva, clara e condensada este conteúdo. Este manual será objeto de consulta para profissionais que atuam nos CME s de todos os níveis, trazendo informação atualizada das práticas exigidas pela legislação da ANVISA. A ideia surgiu da necessidade constatada nos eventos realizados pelo comitê com o apoio do SINDIHOSPA, quando durante as palestras ou nas fichas de avaliação dos eventos, os participantes declaravam suas dúvidas em torno deste tema. Fruto de um trabalho de dois anos com reuniões quinzenais e algumas reuniões extras, o manual foi finalizado ao término de Seu lançamento está previsto para abril de 2013 e isto para o SINDIHOSPA, é uma grande satisfação, pois vai além dos limites do planejamento do Sindicato, que é promover o desenvolvimento do setor saúde de Porto Alegre. Certamente todos os hospitais do Rio Grande do Sul e aonde mais ele chegar, irão fazer uso e se beneficiar com orientações corretas para seus processos que são de extrema importância para o objetivo final de uma instituição de saúde que é garantir a segurança do paciente. Palestra ITINERIS: A Solução em Rastreabilidade de CME e CC, evento em parceria com a EDLO e RIS Soluções em Automação, realizada em 26/09/2012 com o palestrante Nilso Marchezzi. Palestra ITINERIS: A Solução em Rastreabilidade de CME e CC sindicato dos hospitais e clínicas de porto alegre 23

24 Comitê de Processamento de Produtos para Saúde eventos realizados 3ª Jornada de Estudos sobre Processamento de Produtos para Saúde (26/10/2012) - Hotel Plaza São Rafael. 24 relatório anual 2012

25 Comitê de Relacionamento com Fornecedores Este comitê atua com foco na redução de custos de aquisição de insumos hospitalares, através de ganhos de escala, compras conjuntas e aproximação com os fornecedores das instituições. Em 2012, o comitê deu continuidade ao trabalho que vinha sendo realizado, porém, aumentou o número de itens negociados em conjunto diretamente com os fornecedores: Luvas de Procedimentos foram mantidas as negociações durante o ano, mas devido à instabilidade do mercado, não é possível definir ganho. Computadores realizaram um levantamento de consumo dos hospitais para o ano e após foi feita uma padronização unificada com o auxílio dos técnicos da TI de cada instituição, com intuito de realizar uma negociação conjunta. Após negociação com os fabricantes padronizados, o comitê não conseguiu efetuar a compra com apenas um fornecedor, ficando definido que cada hospital fizesse contato com o fornecedor padronizado em sua instituição. proporcionou uma estabilidade dos valores durante o ano. Linha NAN, SUCOS, Água MINERAL - negociações em andamento. Carnes foram realizadas novas visitas técnicas a frigoríficos. Pilhas houve manutenção dos valores durante o ano. Serviços de Obras e Manutenções - Mão de Obra foi feito levantamento dos serviços de mão de obra que são prestados por terceiros, com isso foi possível avaliar os fornecedores e comparar os valores cobrados pelos mesmos serviços em áreas distintas nos hospitais, bem como realizar uma análise sobre a qualificação dos profissionais que prestam estes serviços. eventos realizados Medicamentos durante o ano foi feito o levantamento da CURVA C, a fim de negociarem com algumas empresas, dentre elas, o comitê visitou a distribuidora DIMED que se propôs atender as demandas de forma diferenciada. Além disso mantiveram contato com o fabricante CRISTALIA a fim de negociar os itens comercializados que são comuns entre as instituições. Vale ressaltar que no item REMICADE, o grupo conquistou a manutenção dos valores para todo o ano de 2012 e para o 1º semestre de 2013 obtiveram uma redução em média de 3%. Lácteos mantiveram a negociação com a Cooperativa Santa Clara que Seminário de Rastreabilidade em Ambiente Hospitalar (17/05/2012) Evento em parceria com a GS1 Brasil. Palestrantes: Ana Paula Maniero (GS1 Brasil) e Joana Heydrich (Hospital Moinhos de Vento) Seminário de Rastreabilidade em Ambiente Hospitalar 17/05/2012 Evento em parceria com a GS1 Brasil palestrantes: Ana Paula Maniero (GS1 Brasil) e Joana Heydrich (Hospital Moinhos de Vento) sindicato dos hospitais e clínicas de porto alegre 25

26 Comitê de Resíduos Sólidos dos Serviços de Saúde O aprimoramento da Gestão dos resíduos químicos, sólidos e líquidos foi o foco central dos encontros quinzenais realizados pelo comitê de resíduos no ano de A preocupação do grupo técnico que constitui este comitê, além de cumprir as exigências legais, é buscar constantemente soluções adequadas para o correto manejo dos resíduos de forma a diminuir o impacto ambiental, um importante desafio. O empenho dos profissionais nos diversos debates realizados foi buscar alternativas para reduzir as dificuldades no gerenciamento dos resíduos químicos, pelas peculiaridades desta categoria e pela necessidade da revisão de processos, visando melhorias nas formas de armazenamento e treinamento dos colaboradores. Foi necessário buscar empresas parceiras e habilitadas para fazerem o tratamento, recolhimento e descarte final adequado. Todas estas preocupações resultaram na realização do 3º Fórum Regional de Resíduos Sólidos dos Serviços de Saúde, evento que teve como objetivo trazer para discussão situações que são impasses no gerenciamento dos resíduos nas áreas de saúde. Em 2012, também foi mantida a participação na Comissão de Estudo Especial de Resíduos de Serviços de Saúde (ABNT/ CEE 129) com reuniões mensais realizadas em São Paulo com objetivo de atualizar as normas publicadas em 1993, desarmônicas com as legislações vigentes e principalmente obsoletas aos processos atuais. Foi dada continuidade na revisão da NBR Gerenciamento dos Resíduos de Serviço de Saúde intra-estabelecimento que vai definir os procedimentos necessários para o gerenciamento dos resíduos por seus riscos biológicos e químicos, que exigem formas de manejo específicas a fim de garantir a segurança e proteção à saúde e ao meio ambiente. Foi realizada a revisão da NBR Terminologia dos Resíduos dos Serviços de Saúde e iniciada a revisão das NBR Classificação dos Resíduos dos Serviços de Saúde. Em agosto um fato relevante ocorreu. Foram encontrados resíduos recicláveis abandonados em um arroio em Novo Hamburgo. O comitê teve uma atuação importante dando apoio técnico, buscando esclarecer e comprovar junto à população e órgãos competentes, que os resíduos eram recicláveis e o problema na verdade é a falta de rastreabilidade destes. Os hospitais doam estes resíduos para a UTH Unidade de Triagem de Resíduos Hospitalares do DMLU, sustentando assim o compromisso social das instituições. Para 2013 será retomada a parceria com o DMLU para aprimorar a gestão dos resíduos recicláveis, garantindo sua rastreabilidade e firmando um termo de compromisso para garantir o destino adequado dos resíduos recicláveis doados. O Sindicato, por sua vez, em 2012 realizou projetos visando à redução de resíduos em sua sede, promovendo a atualização do seu PGRSS - Plano de Gerenciamento de Resíduos, alterando o consumo de copos térmicos descartáveis para a utilização de canecas de louça. Além disso, dos banners de eventos realizados foram confeccionadas 48 sacolas ecológicas. 26 relatório anual 2012

27 Comitê de Resíduos Sólidos dos Serviços de Saúde eventos realizados 3º Fórum de Resíduos dos Serviços de Saúde (08/11/2012) Hospital de Clínicas de Porto Alegre. 3º Fórum de Resíduos dos Serviços de Saúde 3º Fórum de Resíduos dos Serviços de Saúde 1º Seminário Logística Reversa para os Hospitais (14/06/2012) no SINDI- HOSPA com palestrantes: Saulo Chielle e Miguel Vega 1º Seminário Logística Reversa para os Hospitais (14/06/2012) no SINDI- HOSPA com palestrantes: Saulo Chielle e Miguel Vega sindicato dos hospitais e clínicas de porto alegre 27

28 Comitê de Saúde e Segurança do Trabalho Este comitê é formado por engenheiros de segurança do trabalho. Em suas reuniões debatem-se os processos internos que oferecem algum tipo de risco aos colaboradores. Em 2012, este comitê iniciou um estudo referente à exposição dos trabalhadores às radiações ionizantes. Este trabalho resultará em um parecer técnico relativo à operação dos equipamentos de Raio X móvel em estabelecimentos de assistência a saúde humana. Este parecer vai ser utilizado pelas assessorias jurídicas dos hospitais como embasamento para defesa de processos movidos por ex-funcionários que requerem na justiça valores a receber por julgarem que estiveram expostos à radiação ionizante. Salientamos que nossas instituições possuem profissionais capacitados, que analisam continuamente as tarefas dos seus trabalhadores para verificar e reconhecer a existência de riscos ocupacionais, bem como para sugerir e determinar as medidas de controle que se fazem necessárias, atendendo os princípios constitucionais da dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho e a redução dos riscos inerentes ao trabalho, atendendo as normas de saúde, higiene e segurança. Com este estudo, queremos provar que todos os procedimentos de segurança para a saúde do trabalhador são adotados pelas instituições e que atendem a todas as legislações referentes à radioproteção. Além disso, o Comitê participou da organização do evento 1º Encontro de Brigadas de Incêndio dos Hospitais de Porto Alegre, que ocorreu no dia 17/12/2012 no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. 28 relatório anual 2012

II Forum PLANISA de Gestão da Saúde. Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão

II Forum PLANISA de Gestão da Saúde. Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão II Forum PLANISA de Gestão da Saúde Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão HOSPITAL MÃE DE DEUS 380 leitos 2.234 funcionários 68.000 m 2 - área construída

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Experiências educativas no gerenciamento de resíduos gerados no Hospital de Clínicas de Porto Alegre Tainá Flôres da Rosa contato: tfrosa@hcpa.ufrgs.br telefone:(51)81414438

Leia mais

1º Seminário de Melhores Práticas

1º Seminário de Melhores Práticas 1º Seminário de Melhores Práticas SESI /DR/ACRE Painel 3 Educação e Saúde SESISAÚDE Programa de Saúde do Trabalhador Aparecida Ribeiro Tagliari Costa Sumário O Programa SESISAUDE foi implantado no ano

Leia mais

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS Gestão de Administração e Finanças Gerência de Desenvolvimento Humano e Responsabilidade Social Junho/2014 Desenvolvimento Sustentável Social Econômico

Leia mais

INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A TOMADA DE DECISÃO

INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A TOMADA DE DECISÃO INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A TOMADA DE DECISÃO Pauta Visão do Negócio Oportunidades de Melhoria Resultados Alcançados Como nos estruturamos para alcançar os resultados? Organograma Institucional Controladoria

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Categoria Franqueador Senior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Categoria Franqueador Senior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueador Senior Dados da empresa Razão Social: Sorridents Franchising Ltda Nome Fantasia: Sorridents Clínicas Odontológicas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC)

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC) 1 A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR 2 CONCEITOS 3 SAÚDE SUPLEMENTAR: atividade que envolve a operação de planos privados de assistência à saúde sob regulação do Poder

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

Contratação de serviços de Limpeza

Contratação de serviços de Limpeza 19º Jornada de Controle de Infecção Hospitalar de Ribeirão Preto 1º Jornada de Inovação da Prática em Enfermagem Contratação de serviços de Limpeza próprio terceirizado Vantagens e desvantagens e como

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

COM. 02 - PUBLICAÇÕES

COM. 02 - PUBLICAÇÕES 1 de 9 PUBLICAÇÕES MACROPROCESSO MARKETING E PROCESSO PUBLICAÇÕES - PUBLICAÇÕES 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 DEFINIÇÃO DO SERVIÇO E SUA

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES N REQUISITOS OBSERVAÇÕES 01 02 03 04 05 06 07 A - MANUTENÇÃO E SUPORTE A empresa fornece produto de software com Verificar se a empresa fornece manual do produto (instalação), documentação de suporte ao

Leia mais

"Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES

Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade? Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES "Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES AGENDA Programação do Evento - Histórico do Centro Integrado de Atenção a

Leia mais

POR QUE SUA EMPRESA DEVE SE ASSOCIAR À AURESIDE? Filiação categoria BETA Empresas de projeto, integração e instalação

POR QUE SUA EMPRESA DEVE SE ASSOCIAR À AURESIDE? Filiação categoria BETA Empresas de projeto, integração e instalação POR QUE SUA EMPRESA DEVE SE ASSOCIAR À AURESIDE? Filiação categoria BETA Empresas de projeto, integração e instalação Representatividade A AURESIDE atua no Brasil desde o ano 2000 e tem participado de

Leia mais

Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência

Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência Comitê de Agências Gestão 2008 ÍNDICE OBJETIVO DO DOCUMENTO... 3 DEFINIÇÕES... 4 PONTOS PARA A ELABORAÇÃO DE UMA CONCORRÊNCIA... 5 RFI: Quando

Leia mais

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00 FICHA DE ADESÃO Por esta Ficha de adesão, solicito meu ingresso como associado da ABRIMPE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INCENTIVO E MELHORIA EM PROJETOS EMPRESARIAIS, EMPREENDEDORISMO E EDUCACIONAL, comprometendo-me

Leia mais

RESUMO DA REUNIÃO SOBRE O PROJETO DE LEI DE INICIATIVA POPULAR SOBRE OS 10% DAS RECEITAS CORRENTES BRUTAS PARA O SUS.

RESUMO DA REUNIÃO SOBRE O PROJETO DE LEI DE INICIATIVA POPULAR SOBRE OS 10% DAS RECEITAS CORRENTES BRUTAS PARA O SUS. RESUMO DA REUNIÃO SOBRE O PROJETO DE LEI DE INICIATIVA POPULAR SOBRE OS 10% DAS RECEITAS CORRENTES BRUTAS PARA O SUS. Com a participação de conselheiros do Conselho Nacional de Saúde (CNS) juntamente com

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1 ANEXO DA RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277 Página 1 ANEXO I Dimensão Nome da Quantitativo Dimensão de Itens Peso Nota Mínima Programa de Dimensão 1 Melhoria da Qualidade 11 1 70 PMQ Dimensão 2 Dinâmica da

Leia mais

informe 30 anos de história no RN COOPERATIVA ODONTOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE Outubro 2012 www.uniodontorn.com.

informe 30 anos de história no RN COOPERATIVA ODONTOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE Outubro 2012 www.uniodontorn.com. Outubro 2012 NATAL www.unirn.com.br (84) 4009-4664 Rua Açu, 665 - Tirol Natal/RN - CEP 59020-110 30 anos de história no RN www.unirn.com.br COOPERATIVA LÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE ANS - n.º 34531-8 Palavra

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Estrutura de Governança Corporativa

Estrutura de Governança Corporativa Estrutura de Governança Corporativa Conselho de Administração Composto de nove membros, sendo dois independentes (sem vínculos com os acionistas signatários do acordo de acionistas, na forma da regulamentação

Leia mais

ÍNDICE RELATÓRIO ANUAL I 2010 DIRETORIA 2008-2011 CONSELHO DE LÍDERES O SINDIHOSPA SERVIÇOS EVENTOS RESPONSABILIDADE SOCIAL ASSOCIADOS

ÍNDICE RELATÓRIO ANUAL I 2010 DIRETORIA 2008-2011 CONSELHO DE LÍDERES O SINDIHOSPA SERVIÇOS EVENTOS RESPONSABILIDADE SOCIAL ASSOCIADOS ÍNDICE REDAÇÃO E COLETA DE DADOS Alessandra Dewes REVISÃO DE CONTEÚDO Margarida M. Ramos PROJETO GRÁFICO, DIAGRAMAÇÃO E EDIÇÃO Luzz Design IMPRESSÃO Maredi Sistema Gráfico FOTOS Aline Silveira Guilherme

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Órgão Proponente: Prefeitura Municipal Órgão Executor: Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE Pelo presente instrumento a Associação Brasileira de Arte Contemporânea - ABACT apresenta o Manual de Procedimentos e Adesão referente às regras

Leia mais

COMO SE ASSOCIAR 2014

COMO SE ASSOCIAR 2014 2014 QUEM SOMOS FUNDADO EM 2004, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA, QUE SE DEDICA À PROMOÇÃO

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

VIDA BOA É TER APRESENTAÇÃO

VIDA BOA É TER APRESENTAÇÃO VIDA BOA É TER APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Doctor Clin, Operadora de Planos de Saúde registrada na Agência Nacional de Saúde sob o nº 34968-2. Há 20 anos no mercado, é responsável pela saúde de 60 mil funcionários

Leia mais

MBA em Auditoria dos Serviços de Saúde Objetivo do curso:

MBA em Auditoria dos Serviços de Saúde Objetivo do curso: Com carga horária de 420 horas o curso de MBA em Auditoria dos Serviços de Saúde é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos diversos

Leia mais

1. Tipos de contratação: QUE TIPO DE PLANO DE SAÚDE VOCÊ PODE TER?

1. Tipos de contratação: QUE TIPO DE PLANO DE SAÚDE VOCÊ PODE TER? FIQUE ATENTO! A operadora é obrigada a divulgar os planos de saúde que comercializa em sua página na internet. 1. Tipos de contratação: QUE TIPO DE PLANO DE SAÚDE VOCÊ PODE TER? Individual ou Familiar

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

2009, um ano de grandes realizações e conquistas

2009, um ano de grandes realizações e conquistas 2009, um ano de grandes realizações e conquistas 2009 foi um ano de grandes realizações e conquistas para o Serviço Social da Indústria (SESI), entidade que integra o Sistema Federação das Indústrias no

Leia mais

Estruturação dos Projetos SERVIÇOS CANAL DE SUPORTE JURÍDICO Problema / Oportunidade

Estruturação dos Projetos SERVIÇOS CANAL DE SUPORTE JURÍDICO Problema / Oportunidade CANAL DE SUPORTE JURÍDICO Dificuldade do associado, quando questionado juridicamente ou com a possibilidade de uma situação de solução através da justiça; muitas vezes não sabe a que área do direito recorrer.

Leia mais

MANUAL DE ASPECTOS JURÍDICOS DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE

MANUAL DE ASPECTOS JURÍDICOS DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE Av. Barbacena, 472 8º andar Barro Preto CEP: 30190-130 Belo Horizonte/MG Tel.: 3253.4917 E-mail: renata.gontijo@cemigsaude.org.br Portal Corporativo: www.cemigsaude.org.br MANUAL DE ASPECTOS JURÍDICOS

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DO PROJETO PAPA-ÓLEO

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DO PROJETO PAPA-ÓLEO MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DO PROJETO PAPA-ÓLEO Apresentação O Projeto Papa-Óleo é uma iniciativa da ABRASEL, em parceria com o Ministério do Turismo e o SEBRAE, que visa a estimular a preservação do meio ambiente,

Leia mais

CARDOSO & BONONI LTDA. Gestão Empresarial e Treinamentos

CARDOSO & BONONI LTDA. Gestão Empresarial e Treinamentos Gestão Empresarial e Treinamentos Sócios Vilmar Bononi- Bacharel em Direito, 25 anos de gestão e execução nas dimensões estratégicas e operacionais em Recursos Humanos, atuação em Legislação Trabalhista,

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA. Prof. José Ricardo Tóffoli

PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA. Prof. José Ricardo Tóffoli PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Prof. José Ricardo Tóffoli DEFINIÇÃO Lei Geral da MPE Micro Empresa Faturamento de até R$ 240.000 mil/ano Pequena Empresa De R$ 240.000 mil até

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas

Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas Responsável pelo Projeto: Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas. 2015 CONCEITOS DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Com carga horária de 480 horas o curso Enfermagem do Trabalho é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no

Com carga horária de 480 horas o curso Enfermagem do Trabalho é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no Com carga horária de 480 horas o curso Enfermagem do Trabalho é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos diversos pólos, atividades

Leia mais

Programa Integrado de Desenvolvimento e Qualificação de Fornecedores REALIZAÇÃO

Programa Integrado de Desenvolvimento e Qualificação de Fornecedores REALIZAÇÃO Programa Integrado de Desenvolvimento e Qualificação de Fornecedores REALIZAÇÃO OBJETIVO GERAL ESTABELECER E IMPLEMENTAR UM MODO INTEGRADO PARA O DESENVOLVIMENTO E QUALIFICAÇÃO DOS FORNECEDORES DAS PRINCIPAIS

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

Seminário Em Busca da Excelência 2008

Seminário Em Busca da Excelência 2008 Seminário Em Busca da Excelência 2008 IEL/SC - Implementação de sistema de gestão com base nos fundamentos da excelência Natalino Uggioni Maio, 2008 1 IEL em Santa Catarina Integrante da FIESC Federação

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA

Universidade Estadual de Londrina CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA PROPOSTA 1 Curso Nome(s) do(s) Curso(s) ZOOTECNIA Código e-mec 56129 Conceito ENADE 4 Coordenador da Proposta (Tutor do Grupo) ANA MARIA BRIDI 2 Caracterização da Proposta 2.1Área de Conhecimento (código

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica INTRODUÇÃO O Grupo Telefônica, consciente de seu importante papel na construção de sociedades mais justas e igualitárias, possui um Programa de

Leia mais

Gestão de Pessoas 2011

Gestão de Pessoas 2011 Gestão de Pessoas 2010 marca nova fase na área de Gestão de Pessoas. Em 2010, a área de Gestão de Pessoas concluiu a implantação do sistema de gestão do departamento, iniciado durante o Programa de Modernização,

Leia mais

Programa de Aprendizagem em Consultoria Acadêmica - CONSAC. Processo de Seleção de Empresas. EDITAL nº 2/2015

Programa de Aprendizagem em Consultoria Acadêmica - CONSAC. Processo de Seleção de Empresas. EDITAL nº 2/2015 Programa de Aprendizagem em Consultoria Acadêmica - CONSAC Processo de Seleção de Empresas EDITAL nº 2/2015 Brasília, 20 de Novembro de 2015 Apresentação É com satisfação que a Projetos Consultoria Integrada,

Leia mais

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 A Estratégia do Conselho da Justiça Federal CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 SUEST/SEG 2015 A estratégia do CJF 3 APRESENTAÇÃO O Plano Estratégico do Conselho da Justiça Federal - CJF resume

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

Comitê Técnico Nacional de Produtos Médicos como ferramenta de Gestão. de OPME

Comitê Técnico Nacional de Produtos Médicos como ferramenta de Gestão. de OPME 1 Comitê Técnico Nacional de Produtos Médicos como ferramenta de Gestão de OPME Palestrante: Diana Indiara Ferreira Jardim diana.jardim@unimedpoa.com.br 2 Sobre as OPME, no site da ANS circula no mercado

Leia mais

ENTRADA PROCESSAMENTO SAÍDA

ENTRADA PROCESSAMENTO SAÍDA 1 3 GESTÃO POR PROCESSOS E INDICADORES DE DESEMPENHO FORNECE DOR AULA ADAPTADA DO CURSO DE GESTÃO DA QUALIDADE DA GESTÃO CONSULTORIA PROFESSOR CLÁUDIO MEDEIROS INSUMOS Conjunto de recursos e atividades

Leia mais

Gestão do Conhecimento e Governo Como sensibilizar os órgãos governamentais para implementarem a GC

Gestão do Conhecimento e Governo Como sensibilizar os órgãos governamentais para implementarem a GC Gestão do Conhecimento e Governo Como sensibilizar os órgãos governamentais para implementarem a GC Elisabeth Gomes elisabeth.gomes@sbgc.org.br Diretora de relações com o governo - SBGC 2º Fórum de Gestão

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Pelo presente termo de compromisso, de um lado a Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Rio de Janeiro/ Fundo Estadual de Saúde, com endereço

Leia mais

Plano de trabalho ABMES 2013

Plano de trabalho ABMES 2013 1. Apoio às IES de pequeno porte (eventos presenciais e a distância) Diretoria, Assessoria, Consultores e IES apoiadoras Realizar seminário na com o objetivo de identificar a situação atual das PMIES Contratar

Leia mais

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Oficina : CUSTOS 2 Orçamento sem financeiro (Cronograma X Desembolso) Comunicação quanto ao Risco de não execução do projeto Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Negociação com SPOA/Secr.

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário.

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário. 1. Apresentação O Voluntariado Empresarial é um dos canais de relacionamento de uma empresa com a comunidade que, por meio da atitude solidária e proativa de empresários e colaboradores, gera benefícios

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Aline Silveira SANTOS 2 Lorena PADRINI 3 Maria Claudia COSTA 4 João de CASTRO 5 Centro Universitário

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PRODUTOS PARA SAÚDE. Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PRODUTOS PARA SAÚDE. Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PRODUTOS PARA SAÚDE Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD CONTEÚDO 1. Organograma 2. Quadro de pessoal 3. Atividades de rotina 4. Atividades no âmbito nacional 5. Atividades

Leia mais

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto

Leia mais

Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 de Junho de 2010. ISSN: 1807-9350 RELATÓRIO:

Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 de Junho de 2010. ISSN: 1807-9350 RELATÓRIO: Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 de Junho de 2010. ISSN: 1807-9350 RELATÓRIO: PROJETO GESITI/SAÚDE Uma avaliação da gestão em sistemas e tecnologia da

Leia mais

RELATÓRIO FORMADORES DE OPINIÃO E ASSOCIADOS

RELATÓRIO FORMADORES DE OPINIÃO E ASSOCIADOS RELATÓRIO FORMADORES DE OPINIÃO E ASSOCIADOS RESULTADOS PESQUISA COM COMITÊS Definição e significado do PGQP para os comitês: Definições voltadas para ao Programa Significado do PGQP Qualificação das organizações

Leia mais

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 ITEM 10 DOCUMENTAÇÕES E REGISTROS Palestrante: Carlos Cezar Martins RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO Carlos Cezar Martins DE 2013 Farmacêutico com especialização em Qualidade

Leia mais

O lançamento aconteceu em 8 de março de 2004, Dia Internacional da Mulher.

O lançamento aconteceu em 8 de março de 2004, Dia Internacional da Mulher. Sinopse As últimas décadas marcaram o avanço do papel da mulher na economia. Cada vez mais mulheres são responsáveis pela administração de seus lares e é crescente sua participação no mercado de trabalho,

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Curitiba, 18 de março de 2015. 1 SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Sumário APRESENTAÇÃO... 3 JUSTIFICATIVAS E BENEFÍCIOS... 3 COMO OBTER O SELO...

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR MANUAL DO FORNECEDOR 2 ÍNDICE 1.APRESENTAÇÃO:...3 1.1 Introdução...3 1.2 Missão...3 1.3 Negócio...3 1.4 Visão...3 1.5 Princípios...3 1.6 Objetivos...3 1.7 Compromissos Éticos do P.S.D.C. de Caxias do Sul...4

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

EM BUSCA DE VOLUNTÁRIOS

EM BUSCA DE VOLUNTÁRIOS PUBLICAÇÃO MENSAL DIRIGIDA AOS CIRURGIÕES-DENTISTAS 01 FEVEREIRO/2012 Curitiba -Paraná EM BUSCA DE VOLUNTÁRIOS O Projeto Dentista do Bem, que proporciona atendimento odontológico para crianças carentes,

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO GHC

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO GHC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO GHC - SUMÁRIO EXECUTIVO - CONSULTORES: César Augusto Tejera De Ré Fernando Bins Luce Luiz Antonio Slongo A FORMULAÇÃO DO PE DO GHC Entrevistas dos consultores com dirigentes

Leia mais

CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB

CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB TERMO ADITIVO AO EDITAL nº 02/2013 PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS ALTERAÇÃO DE DATAS E FORMA DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Apoio: Brasília, 28 de agosto de 2013.

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 ISO 9001: 2008 Princípios Básicos 4.2 Controle de Documentos e Registros 5.2 Foco no Cliente 5.3 Política da Qualidade

Leia mais

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS. Gestão de Administração e Finanças Gerência de Gestão de Pessoas

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS. Gestão de Administração e Finanças Gerência de Gestão de Pessoas PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS Gestão de Administração e Finanças Gerência de Gestão de Pessoas Desenvolvimento Sustentável Social Econômico Ambiental Lucro Financeiro Resultado Social

Leia mais

A Feira do Empreendedor 2014 em São Paulo faz parte de um circuito de feiras que será realizado em vários estados da federação.

A Feira do Empreendedor 2014 em São Paulo faz parte de um circuito de feiras que será realizado em vários estados da federação. 1 A Feira do Empreendedor é um evento de sucesso promovido pelo SEBRAE-SP, com o objetivo de oferecer informação, conhecimento e oportunidade para empresários e futuros empreendedores. A Feira do Empreendedor

Leia mais

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA Lei 5764/71 de 16/12/1971 COOPERATIVA DE 3º GRAU CONFEDERAÇÃO COOPERATIVA DE 2º GRAU FEDERAÇÃO OU CENTRAL COOPERATIVA DE 1º GRAU

Leia mais

REGULAMENTO. 1) Indústria 2) Comércio 3) Serviços 4) Agronegócio DO OBJETIVO

REGULAMENTO. 1) Indústria 2) Comércio 3) Serviços 4) Agronegócio DO OBJETIVO REGULAMENTO DO OBJETIVO Art. 1º. O PRÊMIO JOVEM TALENTO EMPREENDEDOR é uma iniciativa da Prefeitura de Caxias do Sul, por meio da Secretaria Municipal do Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Emprego,

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Capítulo PLANEJAMENTO MARIA DE FÁTIMA DA COSTA ALMEIDA

Capítulo PLANEJAMENTO MARIA DE FÁTIMA DA COSTA ALMEIDA Capítulo 1 PLANEJAMENTO MARIA DE FÁTIMA DA COSTA ALMEIDA Boas práticas de laboratório Maria de Fátima da Costa Almeida Doutora em Fisiologia pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e mestre em

Leia mais

Como comprar mais e melhor das Micro e Pequenas Empresas. Projeto de Compras Governamentais

Como comprar mais e melhor das Micro e Pequenas Empresas. Projeto de Compras Governamentais Como comprar mais e melhor das Micro e Pequenas Empresas Projeto de Compras Governamentais 2º Seminário Internacional sobre Compras e Contratações Sustentáveis Agosto/2014 Maria Aparecida Rosa Vital Brasil

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Matemática I CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Matrizes e sistemas lineares. Funções: lineares, afins quadráticas, exponenciais

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria e Consultoria Tributária para as empresas do Arranjo Produtivo Local. 1. OBJETIVO

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ LUÍS MÁRIO LUCHETTA DIRETOR PRESIDENTE GESTÃO 2005/2008 HISTÓRICO

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

Logística e distribuição de medicamentos Gestão compartilhada Vanusa Barbosa Pinto Coordenadora do Núcleo de Assistência Farmacêutica HCFMUSP

Logística e distribuição de medicamentos Gestão compartilhada Vanusa Barbosa Pinto Coordenadora do Núcleo de Assistência Farmacêutica HCFMUSP Logística e distribuição de medicamentos Gestão compartilhada Vanusa Barbosa Pinto Coordenadora do Núcleo de Assistência Farmacêutica HCFMUSP Diretora da Divisão de Farmácia ICHC Agenda Perfil Farmácia

Leia mais