SINAGÊNCIAS DIRETORIA EXECUTIVA NACIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SINAGÊNCIAS DIRETORIA EXECUTIVA NACIONAL"

Transcrição

1 SINAGÊNCIAS DIRETORIA EXECUTIVA NACIONAL CONHEÇA A COMPOSIÇÃO DE NOSSA DIRETORIA PARA AS ELEIÇÕES João Maria Medeiros de Oliveira PRESIDENTE QUADRO ESPECÍFICO Servidor da CVSPAF - DF, Quadro Específico, concursado pelo DASP em 1985, ocupante do cargo efetivo de Agente Administrativo da Anvisa, Bacharel em Administração, atua na vigilância Sanitária de Portos Aeroportos de Fronteiras - PAF desde 1988, tendo ocupado a Chefia do PACVSPAF / RN - Aeroporto de Natal, Gerência do Distrito Sanitário Norte da Secretaria de Saúde de Natal - RN. Participou da fundação do Sindserf e Sindprev do Rio Grande do Norte e, em 1998, participou da fundação da Ansevs - Associação Nacional dos Servidores da Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, sendo Secretário Geral da instituição, em dezembro de 2004, vendo a necessidade de envolver os servidores das outras agências junto com a Anvisa, para universalizar as conquistas que até aquele momento eram apenas da Anvisa, organizou o primeiro encontro nacional dos servidores das Agências Nacionais de Regulação onde fundou o Sinagências. Para fundar a Ansevs, organizou em vários Estados o movimento Pró-Ansevs; foi protagonista das principais lutas da categoria, tais como: Mudança da MP 1791 de 1998 (Lei 9782); MP 1814/1999; PL 2549/2000 (Lei 9986) e subsidiou argumentos para o PDT e PT ingressarem na ADIN contra o emprego CLT nas Agências Reguladoras em 2001, resultante na mudança para os cargos atuais RJU; conduziu o movimento da Anvisa/PAF m 1999; comandou a Anvisa na Greve dos Federais em 2001; comandou a Greve específica da Anvisa em 2002; comandou a Greve da Anvisa de 2004 ao lado da Fenasps, CNTSS e Condsef que resultou no Plano Especial de Cargos da Anvisa; conduziu as negociações de 2005 (aumento da GDAR de 35% para 75% e criação da GDATR); conduziu a greve das Agências de 2006, resultando no PEC das Agências e GEDR para Anvisa; conduziu as negociações de 2008 e foi determinante para derrubar as perdas que o Governo impôs aos Técnicos Administrativos, Técnicos em Regulação e ao Quadro Específico naquela ocasião, assinando o acordo apenas para Analistas e Especialistas conforme deliberado nas Assembleias, e depois de corrigidas as distorções assinamos para os demais categorias; conduziu a maior greve da regulação em 2012, bem como o seu recuo quando esgotadas as possibilidades de avanço na pauta central da categoria; Conduziu a negociação de 2013 até o limite da lei do orçamento, de forma que o acordo foi assinado bem depois do prazo, mas com as articulações políticas necessárias para salvaguardar o percentual do reajuste no máximo possível, em 19,6%; Assumiu a luta pela Agência Nacional de Mineração - ANM, buscando as garantias de que todos os servidores do DNPM estejam na nova Agência, elaborou emendas e ousou na reorganização da carreira da ANM para todos, proposta já internalizada no Projeto pelo Relator, Deputado Leonardo Quintão (PMDB/MG); Foi candidato a Deputado Federal pelo PT/DF em 2010, sendo hoje o primeiro Suplente do Partido e da Coligação, cujo mandato, se tivesse ocorrido, seria única e exclusivamente para defender os interesses dos servidores das Agências Reguladoras, em primeiro lugar, e os servidores públicos como principal instrumento de fortalecimento e universalização do Estado Brasileiro e da nossa sociedade.

2 Osvaldo Barbosa 1º Vice-presidente Wellington Batista 2º Vice-presidente GEÓLOGO DNPM (DF) Pós-graduado em Economia Mineral pela FGV/RJ; Administração e Políticas dos Recursos Minerais pela Universidade Estadual de Campinas - Unicamp; lotado no DIDEM. Foi fundador das unidades do DNPM no MS e TO; Ex-Chefe de Residência do DNPM. Ex-Diretor da Diretoria de Desenvolvimento e Economia Mineral do DNPM. Ex- Diretor Geral Adjunto do DNPM. Participou ativamente da liderança do movimento que criou o Plano de Carreiras do DNPM e liderou em 2008 e 2012, o movimento que culminou a melhoria salarial que teve o DNPM. É filiado fundador do Sinagências no DNPM. Atualmente está dedicado à luta pela transformação do DNPM na Agência Nacional de Mineração ANM junto à categoria, ao Congresso Nacional e órgãos do Poder Executivo. ANATEL (SP) Engenheiro em Telecomunicações, Pós-graduado em Gestão em Telecomunicações pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e cursos de extensão em Washington (EUA) em Regulação em Telecomunicações e Radiodifusão, Técnico em Regulação da Anatel/SP no período de 2005 a 2006, Especialista em Regulação da Anatel/SP desde 2007, filiado ao Sinagências desde Participou ativamente das greves de 2008 e Em 2011, assumiu o cargo de Diretor de Organização Adjunto do Sindicato e, juntamente, com membros das Secretarias Sindicais, promoveu a busca pelo crescimento da entidade, com vistas a alcançar demandas não atendidas, como o reconhecimento das carreiras das agências como de Estado, assim como o fortalecimento da Regulação Federal no Brasil. Ricardo Parahyba Secretário Geral GEÓLOGO DNPM (DF) Geólogo, com 32 anos de serviços prestados ao DNPM. Exerceu diversas funções de relevância junto a entidades de servidores da autarquia e à sociedade, como presidente da Associação dos Servidores do DNPM em Santa Catarina, vice-presidente da Associação dos Servidores do DNPM no Ceará, presidente da Associação Profissional dos Geólogos do Ceará e conselheiro adjunto do Conselho Estadual do Meio Ambiente do Estado do Ceará COEMA. Desde 2010 é Coordenador de Ordenamento da Extração Mineral da Diretoria de Fiscalização do DNPM. Pretende, à frente da Secretaria Geral do Sinagências, além de coordenar a execução das políticas e das ações do sindicato e de coordenar e supervisionar a relatoria dos fóruns deliberativos, velar pelos interesses da categoria e defender a atividade regulatória equilibrada e isenta de capturação dos agentes econômicos e dos governos, em prol dos interesses da sociedade, acompanhando todas as indicações para as diretorias das Agências e DNPM e suas sabatinas no Congresso Nacional.

3 Alexnaldo Queiroz Secretário-geral Adjunto ANCINE (RJ) Advogado inscrito na OAB/RJ com 11 anos de atuação profissional, especializado em Educação, Especialista em Regulação da Ancine-RJ, professor de Direito Constitucional/Administrativo e Sociologia Jurídica, ex-advogado concursado da Petrobras junto ao TCU, CGU, Ministério Público e Congresso Nacional, ex-servidor da Câmara Municipal de Salvador/BA, ex-servidor da Assembleia Legislativa da Bahia, ex-integrante da Comissão de Direitos Humanos da OAB/Ba, ex-integrante do Diretório Central dos Estudantes da UFBA e do Centro Acadêmico Ruy Barbosa. Entende que a Secretaria-Geral do Sindicato precisa compreender a conjuntura internacional e nacional para formular propostas politicas ao coletivo de servidores. Crê que o Sindicato precisa criar os núcleos de base e atuar politicamente com os diversos significantes e significados material/imaterial de qual regulação queremos a partir dos desejos correlacionados entre cidadãos, mercado, governo e servidores. José Carlos de Castro Diretor Financeiro QUADRO ESPECÍFICO Começou a sua militância política nos anos 80, participando dos grandes eventos políticos em Brasília, juntamente com os movimentos de esquerda. Em 79 se filiou ao PCB (Partido Comunista Brasileiro), saindo quando da transformação em PPS (Partido Popular Socialista). Em 92 entrou no PT (Partido dos Trabalhadores), onde permanece filiado até os dias atuais. No movimento de classe participou ativamente na ASMISA (Associação dos Servidores do Ministério da Saúde), da FETRAMS (Federação das Entidades dos Trabalhadores do Ministério da Saúde). Participou da criação do SINDSEP-DF (Sindicato dos Servidores Públicos Federais do Distrito Federal), delegado sindical e diretor de empresas públicas nesta entidade. Participou da fundação da CONDSEF (Confederação dos Trabalhadores do Serviço Público Federal) e também articulou a criação da ANSEVS (Associação Nacional dos Servidores da Secretaria Nacional de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde). Foi um dos fundadores dos Sinagências (Sindicato Nacional dos Servidores das Agências Nacionais de Regulação). Pretende apresentar alternativas de acompanhamento financeiro permanente, possibilitando a transparência dessa diretoria, por meio de um portal que permita aos servidores filiados do sindicato o acesso em tempo real às contas da entidade de forma clara e objetiva, evitando qualquer tipo de ruído. Marília Coelho Cunha Diretora Financeira Adjunta ESPECÍALISTA EM REGULAÇÃO Farmacêutica, servidora concursada da Anvisa, desde Atualmente exerce a função de Subsecretária de Vigilância à Saúde do Distrito Federal. É Especialista em Administração de Sistemas de Medicamentos; em Farmácia Hospitalar e em Saúde Pública. Ocupou vários cargos de coordenação e gestão no serviço público e privado e organizações vinculadas à ONU, como UNICEF e OPAS. Foi Secretária Geral da Federação Nacional dos Farmacêuticos e Conselheira Federal de Farmácia eleita pelo estado da Bahia e pelo Distrito Federal; e membro e Presidente da Comissão de Indústria do CFF.

4 José de Lima Dias Diretor de Administração SERVIDOR APOSENTADO Servidor aposentado do Quadro Específico da Anvisa-DF, foi chefe e depois coordenador da PAF (Portos, Aeroportos e Fronteiras) no Aeroporto Internacional de Brasília. Como servidor de Vigilância Sanitária, participou ativamente dos movimentos de organização e mobilização para a criação da Associação Nacional dos Servidores da Vigilância Sanitária e do Ministério da Saúde (ANSEVS) em Eleito por unanimidade na assembleia nacional que criou a ANSEVS, assumiu o cargo de Diretor Financeiro da ANSEVS, conquistando o respeito e o reconhecimento pela base, por sua disciplina, dedicação e compromisso em prol da categoria. Em 2004, participou da criação do Sindicato Nacional dos Servidores das Agências Nacionais de Regulação (Sinagências), exercendo os cargos de diretor financeiro e atualmente exercendo o cargo de Diretor Administrativo dessa entidade. Pretende continuar o processo de organização administrativa do Sindicato, possibilitando um atendimento de excelência para os filiados, buscando ferramentas que otimizem e agilizem as respostas para a categoria. Cláudio Xavier da Silva Diretor Jurídico ANAC (RJ) Engenheiro, Piloto de Linha Aérea, pós- graduado em Gestão Empresarial pela UFRJ e Especialista em Regulação de Aviação Civil da ANAC /RJ. Atuou no Conselho Fiscal e atualmente é Diretor da ASA (Associação dos Servidores da ANAC). Ajudarei a zelar pelos direitos e deveres dos servidores das agencias reguladoras e pela segurança jurídica da regulação federal, atuando no combate à captura regulatória. As Agencias reguladoras atuam na normatização, certificação e fiscalização de parte significativa do PIB Nacional, nossas atividades influem diretamente nos serviços prestados a sociedade brasileira. Como filiado do Sinagências e como servidor público federal sempre busquei e continuarei estimulando à união e a participação dos servidores na estrutura sindical em busca do fortalecimento institucional para o aprimoramento dos serviços prestados à sociedade. Wagner da Silva Dias Diretor Jurídico Adjunto ANTT (RJ) Tecnólogo, Técnico em Regulação da ANTT/RJ, atuando como Fiscal de Transportes Terrestres. É filiado ao Sinagências desde Atuará juntamente aos filiados, a fim de formalizar as principais demandas de ações judiciais. Pretende, conjuntamente com o Diretor Jurídico, apresentar projeto piloto sobre Diretoria Jurídica ITINERANTE, uma ação para difundir os deveres e direitos dos servidores, bem como prestar assistência jurídica a um número mais amplo de servidores.

5 Ricardo de Holanda Diretor de Comunicação Márcio Colazingari Diretor de Comunicação Adjunto Yuri Queiroz Gomes Diretor de Relações Institucionais ANATEL (PB) Graduado em Engenharia de Computação com ênfase em Telecomunicações pela Universidade Potiguar, é Técnico em Regulação desde 2005 na Anatel. Foi representante dos Técnicos em Regulação no Grupo que regulamentou a GDAR na Anatel, eleito pelos Técnicos em Regulação para membro da Comissão de Acompanhamento da Avaliação Individual de Desempenho CAID em 2008, participou dos trabalhos do Grupo de Implementação da Portabilidade Numérica - GIP e do Grupo de Metodologias para Cálculo da Sanção de Multa. Foi Coordenador de Redes na área de TI, fiscal de vários contratos administrativos, trabalhou na força tarefa de atendimento ao cidadão durante três meses na antiga Assessoria de Relações do Usuário (ARU) quando o Call Center da Anatel foi fechado na gestão Elifas Gurgel e na força tarefa do Ministério das Comunicações/Anatel que evitou decair a cobrança do FUNTTEL/ FUST. Trabalhou na Gerência-Geral de Fiscalização da Anatel na área de normas e padrões, atualmente é Agente de Fiscalização. Foi articulador das negociações de 2005 que culminou no aumento da GDAR de 35% para 75%, participou dos movimentos paredistas de 2006 e 2008, organizou e coordenou a Greve- Geral das Agências Reguladoras em 2012 e as Marchas da Regulação que repercutiram nacional e internacionalmente. É membro do Comando Permanente de Mobilização Nacional. É membro da ASANATEL. Prioriza a comunicação sindical como instrumento de luta, articula uma rede de relacionamento entre o Sinagências e as mídias de massa, amplificando a voz da categoria para todo o país. É fundador e membro do Movimento Articulado Cidadão Fiscal MARCAR (www.cidadaofiscal.org.br). Só você muda a política, só a luta muda vida. ANATEL (SP) Engenheiro em Telecomunicações, Agente de Fiscalização da Anatel no Estado de São Paulo entre os anos de 2001 a 2004, Técnico em Regulação daanatel desde Filiou-se ao Sinagências em É militante filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT) desde o ano de Participou ativamente dos movimentos Sociais por um Brasil menos desigual. Em 2008 atuou na Greve dos Servidores das Agências Reguladoras Federais, resultando em expressiva valorização da Carreira dos Servidores da Regulação. Em 2010 também participou do Congresso Nacional do Sinagências o Consag, elaborando a Pauta de reivindicações da classe para o período seguinte. Em 2012 foi escolhido para compor a Secretaria Sindical do Sinagências em São Paulo, na função de Secretário de Comunicações. Neste mesmo ano ocorreu uma das maiores lutas na história da Regulação Federal face às intransigências do atual Governo - A Greve dos Servidores Federais de 2012, resultando em assinatura de acordo superior às demais carreiras do Serviço Público Federal. Por último, o servidor atuou e colaborou na publicação dosatos durante o período de Greve no Estado de São Paulo. ANCINE (DF) Bacharel em Arquivologia pela Universidade de Brasília (UnB), cursou Especialização em Organização do Conhecimento para Recuperação da Informação no Departamento de Processos Biblioteconômicos da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) e Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Memória Social da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Atualmente é aluno regular do curso de graduação em Teoria, Crítica e História da Arte do Instituto de Artes (IDA) da Universidade de Brasília (UnB). Como servidor público estatutário trabalhou na Secretaria Municipal de Cultura de Palmas - TO (2005), na Fundação Cultural do Estado do Tocantins ( ) e desde então pertence ao quadro de pessoal da Agência Nacional do Cinema - ANCINE ( ). Entre , participou do grupo de trabalho responsável pela elaboração do Estatuto Social para fundação da Associação dos Servidores Públicos da Agência Nacional do Cinema - ASPAC. E, em 2008, participou da Assembleia de criação do Sindicato Nacional dos Arquivistas e Técnicos de Arquivo (SINARQUIVO), vindo a ocupar a Secretaria Técnica de Assuntos Parlamentares da entidade. Já em , foi eleito Diretor de Assuntos Sociais na Associação dos Servidores Efetivos das Agências Reguladoras Federais - ANER.

6 Geraldo Marques Ferreira Diretor de Políticas, Organização e Formação Sindical QUADRO ESPECÍFICO Iniciou a militância política ainda nos anos 70 no grupo de jovens da Pastoral da Juventude, participando ativamente do movimento estudantil, alfabetização de adultos, movimento cultural (cineclube, teatro popular e música), movimento negro (fez parte da delegação brasileira que participou do Tribunal Internacional África nos EUA). No movimento de classe foi diretor da SMISA (Associação do Ministério da Saúde), diretor da FETRAMS (Federação das Entidades dos Trabalhadores do Ministério da Saúde), um dos fundadores do SINDSEP- DF (Sindicato dos Servidores Públicos Federais do Distrito Federal), foi membro do Departamento de Saúde do CONDSEF (Confederação dos Trabalhadores do Serviço Público Federal), um dos articuladores da criação da ANSEVS (Associação Nacional dos Servidores da ANVISA). Foi um dos fundadores do Sinagências (Sindicatos das Agências Reguladoras) e militante partidário. É formado em Coaching e acadêmico de Gestão de Recursos Humanos. Na sua vida sempre atuou na área do desenvolvimento humano e na defesa dos direitos dos trabalhadores. É especializado em mediação de conflitos e planejamento estratégico democrático (PED). É delegado defensor da Comissão Nacional de Defesa dos Direitos Humanos e membro da Comissão de Ética. Joanes Silvestre da Cruz Diretor de Saúde e Segurança no Trabalho ESPECIALISTA EM RECURSOS MINERAIS DNPM (DF) Engenheiro de Minas pela Universidade Federal de Ouro Preto e Pós-graduando em Administração Pública pela Fundação Getúlio Vargas. Entre as propostas para o cargo de Diretor de Saúde e Segurança no Trabalho do Sindicato estão alcançar a distribuição de forma igualitária, a quem tem direito, do Adicional de Periculosidade e do Adicional de Insalubridade para os servidores das Agências Reguladoras e DNPM e buscar um aperfeiçoamento no sistema atual dos planos de saúde, garantindo um adequado atendimento médico-hospitalar aos servidores, além de exigir dos empregadores condições de higiene saúde e segurança nos ambientes de trabalho, nos termos da legislação pertinentes do Ministério do Trabalho e Emprego e Ministério da Saúde, inclusive exigindo e divulgando, laudos de vistorias realizadas pelos órgãos competentes. Thiago Castelo Branco Coelho Diretor Social e Cultural TÉCNICO ADMINISTRATIVO ANTT (DF) Graduação em Engenharia de Produção pela Universidade de Brasília, Técnico Administrativo da ANTT-DF, lotado na Gerência de Licitações e Contratos (Superintendência de Gestão), presidente da Comissão de Exame, Avaliação, Alienação e Desfazimento de Bens Móveis (ANTT), suplente da Comissão Permanente de Licitação (ANTT), representante suplente da Comissão de Acompanhamento da Avaliação de Desempenho - CAD (ANTT), membro da Comissão Eleitoral e Delegado Sindical de Base Universidade Federal do Ceará, membro do Comando Local de Greve 2012 (ANTT) Duas vezes delegado do Congresso Nacional do Sinagências - CONSAG. Ex-conselheiro Fiscal da ASEANTT e Ex-conselheiro Fiscal Suplente Sicoob Executivo. Filiou-se ao Sinagências em Pretende promover e incentivar as atividades sócio-culturais e recreativas da categoria, apoiando a organização de eventos de lazer, culturais e desportivos que promovam a integração. Também objetiva atualizar a rede de benefícios com empresas e instituições parceiras do Sindicato, buscando firmar convênios com reais e significativos benefícios aos filiados, em parceria com as Secretarias Sindicais quanto à formação de rede de benefícios no âmbito local.

7 Márcio Pessoa da Costa Pinho Diretor de Pesquisa eprojetos Especiais Luciano Augusto Duarte Cheberle Diretor de Políticas Públicas em Regulação Farmacêutico formado pela Universidade Federal do Maranhão. Pós-Graduado em Vigilância Sanitária pela Fiocruz. Especialista em Regulação na Anvisa desde abril de Filiado ao Sinagências desde a sua fundação. Como Diretor de Pesquisa e Projetos Especiais, ajudarei a estimular a pesquisa técnicocientífica e estudos permanentes acerca da regulação e as agências reguladoras no Brasil. Ajudarei a fomentar a criação de projetos de ensino e educação sobre a regulação no Brasil e temas de interesse da categoria. A Diretoria de Pesquisa e Projetos Especiais disponibilizará no website do Sinagências artigos e estudos atualizados sobre diversas temas, a fim de disseminar os conhecimentos e as diversas perspectivas sobre temáticas de interesse dos filiados. Como filiado do Sinagências desde sua fundação, em 2005, sempre busquei estimular à participação de todos, sem qualquer discriminação, a fim de discutir as condições de trabalho dos servidores, o papel das agências reguladoras para a sociedade, bem como discutir o papel do sindicato enquanto instituição social. O Sindicato é de todos, por isso o fomento à participação, para que todos ocupem o espaço que lhes é de direito, possam expressar suas opiniões e sempre construir uma instituição cada vez mais forte. O Sinagências somos todos nós. ANEEL (DF) É Engenheiro Eletricista graduado na EFEI-MG, especializado em Teoria e Estratégia de Regulação na Universidade da Flórida - PURC, mestre em Regulação e Gestão de Negócios pela Universidade de Brasília UnB. Atua no setor elétrico desde 2000, é servidor da ANEEL desde 2002 e Especialista em Regulação desde Filiado fundador do Sinagências, Conselheiro Fiscal da Associação dos Servidores da ANEEL ASEA, por dois mandatos. Como filiado do Sinagências desde sua fundação, nunca fez distinção entre os colegas das diversas carreiras que hoje compõem o quadro de colaboradores das Agências Federais. Pretende discutir em conjunto as políticas regulatórias e o papel das agências reguladoras não só na execução e operacionalização dessas políticas mas, sobretudo, na essência de sua elaboração, com atuação junto aos Ministérios e aos Conselhos Nacionais de Política, sempre que for necessário ou demandado pelos filiados. Quer uma gestão atenta para propor ajustes técnico-administrativos que visem a corrigir distorções prejudiciais ao desenvolvimento institucional e que evitem o enfraquecimento das instituições. Fábio Gonçalves Rosa Diretor de Assuntos Previdenciários TÉCNICO ADMINISTRATIVO Graduando em Direito na Universidade de Brasília, Técnico Administrativo na Anvisa, lotado na sede em Brasília, desde 2010; Delegado no CONSAG Estatutário de 2013, Diretor-Suplente da Associação de Servidores da ANVISA UNIVISA. Entende que a previdência é um interesse de todos, independente de cargo, idade e função desempenhada. Por isso, quer manter a organização na luta por garantias previdenciárias, tanto no sentido de combater políticas que avançam contra os direitos dos novos trabalhadores (como o FUNPRESP), quanto em relação às medidas que impedem os companheiros mais antigos de se aposentar com dignidade.

Gestão Democrática da Educação

Gestão Democrática da Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de

Leia mais

valorização profissional e pessoal dos Associados SERVIDORES EFETIVOS DAS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDERAIS

valorização profissional e pessoal dos Associados SERVIDORES EFETIVOS DAS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDERAIS valorização profissional e pessoal dos Associados SERVIDORES EFETIVOS DAS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDERAIS ANER SEDE ANER SHIS QI 23 Conjunto 13 casa 19 Lago Sul Brasília - DF Entidade sem fins lucrativos,

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

A Constituição Federal de 1988 estabeleceu:

A Constituição Federal de 1988 estabeleceu: A Constituição Federal de 1988 estabeleceu: Art. 8º É livre a associação profissional ou sindical, observado o seguinte: Art. 37º... VI - é garantido ao servidor público civil o direito à livre associação

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

MARCO REGULATÓRIO DA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA NO BRASIL

MARCO REGULATÓRIO DA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA NO BRASIL MARCO REGULATÓRIO DA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA NO BRASIL 2015 ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS AMBIENTAIS - ANEAM Marco Regulatório da Engenharia Ambiental e Engenharia

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE - SEE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL CONSELHO SUPERIOR - CONSU

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE - SEE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL CONSELHO SUPERIOR - CONSU RELATÓRIO DAS DELIBERAÇÕES ACERCA DO III FORUNIVER DECISÕES DO CONSELHO SUPERIOR ACERCA DAS PROPOSTAS ORIUNDAS DO III FÓRUM UNIVERSITÁRIO, REALIZADO ENTRE 13 E 15 DE SETEMBRO DE 2011. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 O Plenário do Conselho de Previdência Social em sua 6ª Reunião Ordinária, realizada em 02/03/2005,

Leia mais

PEER REVIEW NA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (MP/OCDE/B.MUNDIAL)

PEER REVIEW NA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (MP/OCDE/B.MUNDIAL) PEER REVIEW NA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (MP/OCDE/B.MUNDIAL) Brasília Junho de 2009 Organização do Estado Brasileiro República Federativa do Brasil (União Indissolúvel) Estados

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

Sumário. Proposta da Coleção Leis Especiais para Concursos... 15. Apresentação... 17

Sumário. Proposta da Coleção Leis Especiais para Concursos... 15. Apresentação... 17 Sumário Proposta da Coleção Leis Especiais para Concursos... 15 Apresentação... 17 Parte I Teoria Geral das Agências Reguladoras e seu regime de pessoal Capítulo I Teoria Geral das Agências Reguladoras...

Leia mais

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Aos 21 de março de 2014, dia em que o mundo comemora o Dia Internacional contra a Discriminação Racial instituído pela ONU em 1966, adotamos o presente Pacto

Leia mais

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração Anexo II a que se refere o artigo 2º da Lei nº xxxxx, de xx de xxxx de 2014 Quadro de Analistas da Administração Pública Municipal Atribuições Específicas DENOMINAÇÃO DO CARGO: DEFINIÇÃO: ABRANGÊNCIA:

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 1. Patrocínios 1.1 Patrocínio a Eventos e Publicações Data limite: 60 dias de antecedência da data de início do evento

Leia mais

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO Presidente Carmen Maria Teixeira Moreira Serra Secretário

Leia mais

Plano Municipal de Educação

Plano Municipal de Educação Plano Municipal de Educação Denise Carreira I Encontro Educação para uma Outra São Paulo 30 de novembro de 2007 O Plano Municipal de Educação e as reivindicações dos movimentos e organizações da cidade

Leia mais

Acordos e Protocolos sem Repasse - Vigentes

Acordos e Protocolos sem Repasse - Vigentes Página 1 de 5 19/7/2015 Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN 20/7/2010 Desenvolver trabalhos e de ações de capacitação no âmbito científico, acadêmico e técnico de interesse comum às suas

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação institucional na proteção dos direitos sociais B rasília-d F Nova Lei de Certificação e Acompanhamento Finalístico das Entidades ü A Constituição Federal

Leia mais

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município Estrutura Administrativa e Principais 01. Câmara Municipal - Lei Orgânica do Município de Teresina, de 05 de abril de 1991. - Votar o Orçamento Anual e o Plano Plurianual, bem como autorizar abertura de

Leia mais

4. Intensificar as visitas e reuniões com os colegas das unidades descentralizadas, nas capitais e no interior.

4. Intensificar as visitas e reuniões com os colegas das unidades descentralizadas, nas capitais e no interior. APRESENTAÇÃO A chapa Experiência e trabalho: a luta continua" tem como marca principal a soma. Policiais e dirigentes sindicais experientes juntam esforços com os colegas mais novos, para trabalhar por

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Ampliação da cobertura e qualidade dos serviços de saúde, com o aprimoramento

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CAMARAS TEMÁTICAS

ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CAMARAS TEMÁTICAS ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CONSELHOR CONSULTIVO CONSELHO FISCAL CAMARAS TEMÁTICAS COMÉRCIO VAREJISTA ALIMENTAÇÃO SAÚDE HABITAÇÃO SERVIÇOS TURISMO E HOSPITALIDADE

Leia mais

PORTARIA Nº 21, DE 23 DE AGOSTO DE 2011

PORTARIA Nº 21, DE 23 DE AGOSTO DE 2011 PORTARIA Nº 21, DE 23 DE AGOSTO DE 2011 Estabelece a organização e funcionamento das Secretarias Sindicais SESIN e Delegados Sindicais nas Unidades Federadas. O PRESIDENTE DO SINDICATO NACIONAL DOS SERVIDORES

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Art. 1

REGIMENTO INTERNO Art. 1 REGIMENTO INTERNO Art. 1 - A Câmara de Conciliação, Mediação e Arbitragem da Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Rondonópolis, doravante denominada simplesmente CBMAE ACIR, instituída no

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO A SEGUINTE LEI: TÍTULO II DISPOSIÇÕES GERAIS

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO A SEGUINTE LEI: TÍTULO II DISPOSIÇÕES GERAIS LEI N o 1.633 DE 14 DE JANEIRO DE 2013. DEFINE A NOVA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DO MUNICÍPIO DE CAIAPÔNIA E DETERMINA OUTRAS PROVIDÊNCIAS A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida empresas e consultores

Leia mais

A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas. 15 ago 13

A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas. 15 ago 13 A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas 15 ago 13 Associação Iniciativa formal ou informal que reúne pessoas físicas ou jurídicas com objetivos comuns, visando superar

Leia mais

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR CONTEUDISTA (MESTRE) PARA O CURSO DE QUALIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA, COM UTILIZAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE GESTÃO DA

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DO GOVERNO FEDERAL

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DO GOVERNO FEDERAL POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DO GOVERNO FEDERAL Brasília, junho de 2009 SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS A SRH/MP, órgão subordinado diretamente ao Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão,

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

NOVA DIRETORIA Marco Aurelio Crocco Afonso

NOVA DIRETORIA Marco Aurelio Crocco Afonso Marco Aurelio Crocco Afonso Diretor-Presidente Bacharel em economia pela Universidade Federal de Minas Gerais, Mestre em Economia Industrial e da Tecnologia pela UFRJ e PhD em Economia pela Universidade

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 Ementa: Realização de estudo socioeconômico para a concessão de benefícios eventuais e outros benefícios sociais. A presente Orientação Técnica tem por objetivo responder

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005 Institui orientação para regulamentação do art. 3º

Leia mais

Polícia Rodoviária Federal concurso de 2009 Fazenda Cultura, Ministério da Integração Nacional Planejamento Ministério da Educação

Polícia Rodoviária Federal concurso de 2009 Fazenda Cultura, Ministério da Integração Nacional Planejamento Ministério da Educação A Polícia Rodoviária Federal teve autorização da presidente Dilma Rousseff para contratar 1.500 policiais rodoviários em 2012. Desse total, 750 serão preenchidas doconcurso de 2009 que ficou parado dois

Leia mais

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional A união faz a força O dito popular encaixa-se como uma luva quando o assunto é associativismo o assunto em pauta no meio sindical. As principais confederações patronais do País estão investindo nessa bandeira

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011. Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009.

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011. Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011 Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009. Premissas para a Construção do Planejamento Estratégico Início

Leia mais

Tabela de remuneração de NS corrigida

Tabela de remuneração de NS corrigida Tabela de remuneração de NS corrigida Ativo Nº Cargo Carreira Menor Maior 1 Delegado de Polícia Federal Polícia Federal Subsídio R$ 13.368,68 R$ 19.699,82 2 Perito Criminal Federal Polícia Federal Subsídio

Leia mais

MISSÃO VALORES VISÃO OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

MISSÃO VALORES VISÃO OBJETIVOS ESTRATÉGICOS MISSÃO Representar, defender, integrar e dignificar a categoria, assegurando direitos e prerrogativas, garantindo a sua atuação e fortalecendo a importância do tributo na construção de uma sociedade justa,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2016 Gestão 2014/2017

PLANO DE AÇÃO 2016 Gestão 2014/2017 INTRODUÇÃO O Plano de Ação do Sindicato-Apase adota como referencial de elaboração as Teses aprovadas no XI Fórum Sindical/2015, referendadas na Assembleia Geral Extraordinária Deliberativa de 11/12/2015.

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS

INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS PRÓ- DE EXTENSÃO INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS Olá! Você já deve ter feito uma dessas perguntas: O que são entidades estudantis? Para que servem? Qual a diferença entre um CA e um DA? Como criar

Leia mais

Proposta aprovada: utilizar as duas estratégias no esforço para aprovação do PL7027/2013.

Proposta aprovada: utilizar as duas estratégias no esforço para aprovação do PL7027/2013. RELATÓRIO DE SUELY SILVEIRA, COORDENADORA DO SINDJUFE Como afirmou o coordenador da FENAJUFE e servidor do TRE-GO, João Batista, a Fenajufe realizou intervenção junto ao TSE sobre a majoração do auxílio

Leia mais

Proposta de Gestão. Marcos Amorielle Furini. Candidato a Diretor-Geral do IFSP - Câmpus Votuporanga

Proposta de Gestão. Marcos Amorielle Furini. Candidato a Diretor-Geral do IFSP - Câmpus Votuporanga Proposta de Gestão Marcos Amorielle Furini Candidato a Diretor-Geral do IFSP - Câmpus Votuporanga Continuidade, Avanço e Consolidação de uma Gestão Transparente e Participativa. Prezados servidores e alunos.

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DAS CARREIRAS E DO PLANO ESPECIAL DE CARGOS DO DNPM

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DAS CARREIRAS E DO PLANO ESPECIAL DE CARGOS DO DNPM PROJETO DE LEI Aumenta a remuneração de servidores efetivos e empregados permanentes da administração pública federal, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DAS CARREIRAS E

Leia mais

VISIBILIDADE SOCIAL DA ENFERMAGEM: RECONHECENDO AS CONQUISTAS E LACUNAS

VISIBILIDADE SOCIAL DA ENFERMAGEM: RECONHECENDO AS CONQUISTAS E LACUNAS VISIBILIDADE SOCIAL DA ENFERMAGEM: RECONHECENDO AS CONQUISTAS E LACUNAS Prof a. Dr a. Dorisdaia Carvalho de Humerez FORÇA DE TRABALHO NA ENFERMAGEM Na Saúde, 65% da Força de Trabalho é formada por profissionais

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017

Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Escola Técnica de Saúde Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017 Proposta de trabalho apresentada como pré-requisito para inscrição no processo

Leia mais

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL 1) INTRODUÇÃO SUGESTÕES Ao longo dos seus vinte e oito anos e com a experiência de centenas de administrações que

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

Sindicato Nacional do Ensino Superior - Associação Sindical de Docentes e Investigadores

Sindicato Nacional do Ensino Superior - Associação Sindical de Docentes e Investigadores PROGRAMA DA DIREÇÃO DO SNESup Lista A Mandato 2012-2014 Vivemos uma crise, um período em que as respostas às dificuldades sentidas já não são conseguidas no quadro em que nos situamos. Apesar dos naturais

Leia mais

Congresso Pernambucano de Municípios

Congresso Pernambucano de Municípios Congresso Pernambucano de Municípios O desenvolvimento dos municípios sustenta o crescimento do Brasil. José Coimbra Patriota Filho Presidente da Amupe RPPS: Sustentabilidade e Compensação Previdenciária

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior Administração Pública Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 A seguir veremos: Novas Modalidades de Administração no Brasil; Organização da Administração Pública; Desafios da Administração Pública.

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE Av. Barbacena, 472 8º andar Barro Preto CEP: 30190-130 Belo Horizonte/MG Tel.: 3253.4917 E-mail: renata.gontijo@cemigsaude.org.br Portal Corporativo: www.cemigsaude.org.br

Leia mais

3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA

3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA 3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA Legislação: Lei nº 15.506, de 31 de julho de 1991; Decreto nº 15.813, de 24 de abril de 1992; Lei nº 15.738, de

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

Relatório de Particiçação da ADUFERPE no Seminário Nacional Sobre a Estrutura Organizativa do ANDES-SN

Relatório de Particiçação da ADUFERPE no Seminário Nacional Sobre a Estrutura Organizativa do ANDES-SN Relatório de Particiçação da ADUFERPE no Seminário Nacional Sobre a Estrutura Organizativa do ANDES-SN Representantes da ADUFERPE: Cícero Monteiro de Souza (Recife); Levy Paes Barreto (Diretoria-Recife);

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

CONTROLE E PARTICIPAÇÃO SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

CONTROLE E PARTICIPAÇÃO SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CONTROLE E PARTICIPAÇÃO SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CNAS SEMINÁRIO PROTEÇÃO SOCIAL NO BRASIL E ÁFRICA BRASÍLIA AGOSTO/2008 MARCO REGULATÓRIO RIO A

Leia mais

ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DAS FACULDADES DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO. Capítulo I Da denominação, fundação e sede.

ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DAS FACULDADES DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO. Capítulo I Da denominação, fundação e sede. ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DAS FACULDADES DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO. Capítulo I Da denominação, fundação e sede. Artigo 1º O Diretório Central dos Estudantes das Faculdades de Tecnologia

Leia mais

Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas

Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

Estrutura Remuneratória SESI e SENAI (PCCR*) Cargo Grupo Salário Auxiliar de Cozinha 1 Auxiliar de Disciplina 1 Contínuo 1

Estrutura Remuneratória SESI e SENAI (PCCR*) Cargo Grupo Salário Auxiliar de Cozinha 1 Auxiliar de Disciplina 1 Contínuo 1 Auxiliar de Cozinha 1 Auxiliar de Disciplina 1 Contínuo 1 660 Garçom 1 Afiador de Ferramentas 2 Assistente da Central de Laudos 2 Atendende de Programa de Relacionamento 2 Atendente de Telemarketing 2

Leia mais

INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR (Versão 24/10/2011)

INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR (Versão 24/10/2011) Seminário 09 A AMAZÔNIA E SUAS FRONTEIRAS NO CONTEXTO DA INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR (Versão 24/10/2011) Objetivo: Em consonância com a Política Externa do Governo Federal de Integração

Leia mais

Política Nacional de Gestão de Pessoas no Governo Lula. uma construção negociada e inovadora

Política Nacional de Gestão de Pessoas no Governo Lula. uma construção negociada e inovadora Política Nacional de Gestão de Pessoas no Governo Lula uma construção negociada e inovadora POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS A construção de uma política de gestão de pessoas para o Governo Federal tem por

Leia mais

A D V O G A D O S. Apresentação

A D V O G A D O S. Apresentação Apresentação O Escritório de Advocacia Gomes e Mello Frota Advogados destaca-se no meio jurídico como uma forte referência em função da equipe que o compõe, e da respeitabilidade que a mesma possui. Este

Leia mais

Eraldo Campos Barbosa

Eraldo Campos Barbosa Eraldo Campos Barbosa Advogado e Conselheiro do Ministério da Previdência Social - MPS/CRPS Summary Pós-graduando em Direito Previdenciário pela Escola Superior da Advocacia, LL.M - Legal Law Master em

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente Natal, 2011 1. Quem somos 2. Histórico da Gestão Estratégica 3. Resultados práticos 4. Revisão

Leia mais

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras 1. Introdução O Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras foi idealizado pelo Conselho Gestor da Escola,

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 I RELATÓRIO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 I RELATÓRIO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 Regulamenta o exercício da profissão de Supervisor Educacional, e dá outras providências. Autor: Deputado ADEMIR CAMILO Relator: Deputado ARTUR BRUNO

Leia mais

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL MEDIDAS CONCRETAS PARA O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ÂMBITO DOMÉSTICO/FAMILIAR A presente Matriz insere-se no

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PLANO DE TRABALHO. CHAPA: Um CAU para os Arquitetos. Eleições 2014. Página1de 8 CHAPA - UM CAU PARA OS ARQUITETOS.

PLANO DE TRABALHO PLANO DE TRABALHO. CHAPA: Um CAU para os Arquitetos. Eleições 2014. Página1de 8 CHAPA - UM CAU PARA OS ARQUITETOS. PLANO DE TRABALHO CHAPA: Um CAU para os Arquitetos Página1de 8 SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO...3 2 CONSELHEIROS...3 3 GESTÃO...4 4 INSTITUCIONAIS...5 5 PRÁTICAS PROFISSIONAIS...6 6 FISCALIZAÇÃO...7 7 ENSINO...8

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

CAPÍTULO I DA FINALIDADE

CAPÍTULO I DA FINALIDADE LEI Nº 1.392, DE 11 DE SETEMBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DO IDOSO, CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO E O FUNDO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. (Alterado pela

Leia mais

O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas.

O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas. O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas. Quando o campo se expande, mais profissionais chegam ao mercado, mais áreas de atuação se formam e a categoria conquista mais visibilidade.

Leia mais

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 A Diretoria Executiva do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são:

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são: 24/2010 1. Identificação do Contratante Nº termo de referência: TdR nº 24/2010 Plano de aquisições: Linha 173 Título: consultor para desenvolvimento e venda de produtos e serviços Convênio: ATN/ME-10541-BR

Leia mais

DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO

DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO Brasília, 11 de setembro de 2010 TEMA 1 DIRETRIZES E HORIZONTES DA RELAÇÃO POLÍTICA E INSTITUCIONAL DO SISTEMA COOPERATIVISTA 1.1 - FORTALECER A REPRESENTAÇÃO

Leia mais

Educação Financeira: Responsabilidade Social do Banco Central. José Linaldo Gomes de Aguiar Secretaria de Relações Institucionais

Educação Financeira: Responsabilidade Social do Banco Central. José Linaldo Gomes de Aguiar Secretaria de Relações Institucionais Educação Financeira: Responsabilidade Social do Banco Central José Linaldo Gomes de Aguiar Secretaria de Relações Institucionais Rio de Janeiro, 10 de novembro de 2010 Agenda 1. Contexto Internacional

Leia mais