Questões Comentadas - Simulado Projeto Gestor

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Questões Comentadas - Simulado Projeto Gestor"

Transcrição

1 71. Sobre os fatores relativos a logística e gestão de suprimentos na administração de políticas públicas, não é correto afirmar: a) Espera-se que a integração logística produza benefícios como: aumento da capacidade de resposta e da velocidade das etapas da cadeia de suprimentos; redução ao mínimo da variância na oferta dos produtos e serviços; otimização de estoques e custos de transporte; melhoria da qualidade dos serviços. b) As políticas públicas oferecem um grande leque de possibilidades de integração logística, entre os quais se pode destacar o compartilhamento de instalações; a utilização de equipamentos públicos integrados; o compartilhamento da rede logística; o compartilhamento de informações; a integração intermodal em políticas de transporte e a integração de sistemas de informação e desenvolvimento de sistemas interorganizacionais. c) Um desafio fundamental da integração logística é se concentrar na realização do processo, com uma abordagem sistêmica: o menor custo do processo não significa o menor custo em cada uma das etapas. d) Nas últimas décadas, os paradigmas dominantes na gestão pública têm abordado a ideia de que pode haver uma descentralização na realização de alguns serviços públicos, especialmente aqueles considerados atividades exclusivas e estratégicas do Estado. e) A importância da logística para a gestão de políticas públicas não advém somente de fatores de necessidade. Um poderoso fator de oportunidade também se impõe: o setor público gerencia simultaneamente distintas cadeias de suprimentos das várias políticas públicas, o que lhe abre grandes possibilidades de integração e otimização de esforços, elemento central neste novo paradigma de gestão pública. Comentários: A questão é totalmente retirada do artigo A contribuição da logística integrada às decisões de gestão das políticas públicas no Brasil, publicada na RAP- FGV, e uma ótima leitura sobre o tema para esta prova. Assim, os itens A, B, C e E reproduzem trechos do texto, referindo-se, respectivamente, a: benefícios da integração logística para o setor público; os fatores de integração que podem ser considerados nos casos de políticas públicas; a importância da abordagem sistêmica, em que o mais importante é o melhor resultado global, e não os resultados parciais, uma ideia central da integração logística; e o elevado potencial de integração propiciado pelas diversas políticas públicas a cargo do estado. O item D, por sua vez, estava errado, porque, embora haja uma tendência predominante de descentralização, ela não abarca especialmente as atividades exclusivas e estratégicas, e sim aquilo que Bresser denominou serviços não exclusivos. Gabarito: D 72. Uma política pública pode ser implementada por um único programa de governo ou por vários. Também pode ter a participação de instituições privadas e não-governamentais. Mas todas elas devem ser monitoradas e avaliadas. O monitoramento é, basicamente, o acompanhamento dos programas e as respectivas correções e ajustes que se façam necessários. Já a avaliação é mais complexa, pois envolve diversos critérios, que vão mensurar ou avaliar diferentes metas e objetivos de cada programa. O Portal da Transparência do governo federal é um grande passo no sentido de incluir a sociedade nesse processo de monitoramento e avaliação dos programas de governo e das políticas públicas em geral. Um dos critérios de avaliação mais difíceis de se mensurar refere-se aos impactos gerados pelos produtos/serviços e tem a ver não só com a satisfação do cidadão-usuário,

2 mas também com as transformações produzidas pela política pública no contexto em geral (sociais, econômicas, culturais etc.). Tratamos aqui do conceito de: a) Efetividade. b) Economicidade. c) Eficácia. d) Excelência. e) Eficiência. Comentários: Trata-se do conceito de efetividade, que lida com os efeitos produzidos pelo programa. Diferente do conceitos de economicidade (que consiste em gastar pouco), de eficácia (que tem a ver com o atingimento de metas preestabelecidas de quantidade e qualidade), de excelência (relativo à conformidade em relação a critérios e padrões de qualidade/excelência para a realização de processos, atividades e projetos), e de eficiência (que é a relação entre os outputs e os inputs, isto é, a relação entre o que foi produzido como resultado e o que serviu de insumo para a obtenção daquele resultado). A eficiência deseja fazer mais com menos. Gabarito: A 73.Acerca da aplicação das novas tecnologias de informação ao processo de compras governamentais, não podemos afirmar que: a) A utilização do portal eletrônico de compras governamentais, em que todo o processo é automatizado desde a compra até o pagamento, é um modelo que contribui para reduzir sensivelmente a corrupção. b) Uma das principais vantagens do pregão eletrônico é a economia de tempo e recursos ocasionada pela prescindibilidade do contato presencial entre agentes públicos e fornecedores. c) Leilão reverso é uma categoria de negócio eletrônico em que, diferentemente do leilão tradicional, são os compradores que apresentam suas necessidades de um produto ou serviço, e então os fornecedores pré-qualificados dão lances, que vão subindo sucessivamente até que surja um vencedor. d) A disseminação do processo eletrônico de compras governamentais torna mais democrático e transparente o acesso de empresas pré-qualificadas, elevando a competição entre fornecedores e promovendo, por conseguinte, a redução dos custos. e) O Registro de Preços Nacional é um modelo gerencial em que se realiza uma única licitação para o atendimento das demandas de compras de um ou vários órgão(s), entidade(s) ou setor de políticas públicas, tendo, entre suas principais vantagens, o ganho de escala e a padronização e melhoria da qualidade das compras governamentais. Comentários: O erro está em que os preços do leilão não sobem, mas descem sucessivamente, já que é promovido pelo comprador (no caso, o governo), que, em regra, está interessado em contratar com o fornecedor que oferecer o menor preço. Para maiores informações, ver "Curso de Administração Pública - Foco nas Instituições e Ações Governamentais", cap. 27, de José Matias-Pereira, Ed. Atlas. Gabarito: C 74. Acerca do Governo Eletrônico, julgue as opções a seguir e indique a incorreta: a) O Portal do Software Público Brasileiro é uma iniciativa do governo brasileiro que oferece e compartilha soluções de informática, o que resulta em uma gestão de recursos e gastos de informática mais racionalizada, na ampliação de parcerias e no reforço da política de software livre no setor público.

3 b) Uma das prioridades do Governo Eletrônico é o atendimento ao usuário em uma perspectiva de cliente, mais condizente com a nova realidade tecnológica que se apresente do que a antiga visão de promoção da cidadania. c) A inclusão digital é diretriz essencial do Governo Eletrônico. d) A Gestão do Conhecimento é um instrumento estratégico de articulação e gestão das políticas públicas do Governo Eletrônico. e) A implantação do Governo Eletrônico não pode ser vista como um conjunto de iniciativas isoladas de diferentes atores governamentais, senão como uma ação integrada de diversos atores de outros poderes e esferas de governo. Comentários: Somente a opção B está errada. É exatamente o contrário: a prioridade do Governo Eletrônico é a promoção da cidadania, abandonando-se a visão do "cliente" dos serviços públicos em nome da promoção dos direitos coletivos e de uma visão cidadã. Para maiores informações, ver "Administração Pública", cap. 6, de Augustinho Vicente Paludo, Série Provas e Concursos, Ed. Elsevier. Gabarito: B 75. O Decreto n /13 que regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei n /93 estabelece que o sistema poderá ser adotado nas seguintes hipóteses, exceto: a) quando, pelas características do bem ou serviço, houver necessidade de contratações frequentes; b)quando for conveniente a aquisição de bens com previsão de entregas parceladas ou contratação de serviços remunerados por unidade de medida ou em regime de tarefa; c) quando caracterizada urgência de atendimento de situação que possa ocasionar prejuízo ou comprometer a segurança de pessoas, obras, serviços, equipamentos e outros bens, públicos ou particulares d)quando for conveniente a aquisição de bens ou a contratação de serviços para atendimento a mais de um órgão ou entidade, ou a programas de governo; e)quando, pela natureza do objeto, não for possível definir previamente o quantitativo a ser demandado pela Administração. Comentário: Somente a hipótese do item c) não é indicada no art. 3 o do referido decreto. Por isso, é o gabarito da questão. GABARITO: C 76. Sobre as compras públicas sustentáveis, julgue as assertivas abaixo, classificando-as como verdadeiras(v) ou falsas(f). Ao final, assinale a opção que contenha a sequência correta. I - Muito embora necessariamente mais caras, as compras públicas sustentáveis se justificam porque atendem as necessidades do presente sem comprometer as possibilidades de as gerações futuras atenderem as suas próprias necessidades. II - As aquisições públicas podem auxiliar na criação de um grande mercado para negócios sustentáveis, aumentando as margens de lucro dos produtores através de economias de escala, e reduzindo seus riscos. Por outro lado, as autoridades públicas, como consumidores de grande escala, podem incentivar a inovação, estimular a competição na indústria, garantindo, aos produtores, retornos pelo melhor desempenho ambiental de seus produtos, através da demanda do mercado ou de incentivos concretos.

4 III - São exemplos de inclusão de critérios de sustentabilidade nas compras públicas: o Decreto nº 2.783/98, que proíbe entidades do governo federal de comprar produtos ou equipamentos contendo substâncias degradadoras da camada de ozônio; o Decreto nº 4131/02, que dispõe sobre medidas emergenciais de redução do consumo de energia elétrica no âmbito da Administração Pública Federal. IV - A Instrução Normativa nº1, de 19 de janeiro de 2010, estabelece que os órgãos públicos poderão exigir que o bens sejam constituídos, no todo ou em parte, por materiais reciclados, reutilizados, biodegradáveis (conforme NBR e ), que sejam observados os requisitos ambientais para obter certificação do INMETRO como produtos sustentáveis ou de menor impacto ambiental em relação aos seus similares; que os bens sejam embalados com materiais recicláveis, individualmente, com pouco volume e que não contenham substâncias perigosas, como mercúrio, chumbo, cromo hexavalente, cádmio, etc. a) F, F, F, V b) F, V, V, V c) V, V, F, V d) V, F, F, F e) V, F, F, V Comentário: Questão totalmente retirada do documento "Guia de Compras Públicas Sustentáveis para Administração Federal", do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Somente o primeiro item não está de acordo, uma vez que, de acordo com texto referido, "ao contrário do que se pressupõe as compras públicas sustentáveis não são mais caras; pelo contrário, ao priorizarem eficiência e redução de desperdício, resultam em economias para o consumidor." GABARITO: B 77. Com o avanço das tecnologias digitais, houve a oportunidade se racionalizar, simplificar e tornar mais céleres e seguros os processos administrativos em trâmite, bem como aqueles que inevitavelmente estavam por vir, por meio da implementação do processo administrativo digital. Escolha, entre as alternativas a seguir, a que não aponta um exemplo de processo administrativo digitalizável no âmbito do Poder Executivo federal. a) processos com objeto de controle dos próprios atos, tais como aqueles em que as Auditorias Internas examinam e emitem pareceres sobre a prestação de contas anual e tomadas de contas especiais; b) processos com objeto punitivo, para averiguação de situações irregulares ou ilegais e aplicação de penalidades, que pode ser tanto interno, quando a apuração tem pertinência com a relação funcional entre o Estado e o servidor público (sindicâncias e processos administrativos disciplinares), quanto externo, quando a verificação tem em mira a relação entre o Estado e os administrados em geral, como as penalidades de multa e advertência aplicadas pelos órgãos e entidades no exercício do poder de polícia; c) processos com objeto contratual, que são os processos licitatórios regulados pela Lei nº 8.666/93, promovidos para a aquisição de bens e para a execução de serviços e obras; d) processos com objeto revisional, instaurados em virtude da interposição de algum recurso administrativo pelo administrado ou pelo servidor público; e) processos com objeto revisional, instaurados em virtude do esgotamento das vias administrativas, pelo administrado ou pelo servidor público no âmbito da justiça federal.

5 Comentários: As alternativas A, B, C e D são típicos processos administrativos que tramitam no âmbito Poder Executivo federal e que são passíveis de digitalização. A alternativa E, no entanto, traz um processo judicial, que, embora também digitalizável, tramita no âmbito de outro poder, o Judiciário. Gabarito: E 78. Segundo Caio Marini e Humberto Falcão Martins (texto adaptado), a governança pode ser entendida como a capacidade dos diversos atores atuarem de forma coordenada. Posicionando-se na perspectiva de implementação de um modelo de governança social baseado em redes, na perspectiva intra e extragovernamental. Trata-se de um modelo de gestão governamental voltado para resultados de desenvolvimento, que se baseia na definição e gerenciamento intensivo de pontos nodais entre programas (desdobrados de um projeto de desenvolvimento) e organizações (ou parte delas) necessárias a sua implementação. Essa nova forma de atuação conjunta entre os três setores promove uma horizontalização das relações entre eles, mitigando a tradicional primazia do Estado. O texto acima faz referência ao conceito de: a) Orçamento participativo; b) Balanced Scorecard; c) Governo Eletrônico; d) Gestão Empreendedora; e) Governo Matricial. Comentários: Trata-se do Governo Matricial, intrinsecamente relacionado com o conceito de Estado-Rede, que surge, entre outras coisas, como forma de responder aos novos desafios trazidos pela era da informação e pelas novas tecnologias. Segundo Manuel Castells, em "A Sociedade em Rede", Ed. Paz e Terra, 1999, o Estado-rede combina vários princípios de atuação administrativa, como subsidiariedade (o Estado deve ser substituído pela sociedade em tudo o que não seja essencial); adoção de tecnologias (modernizar a gestão pública); transparência (publicidade das ações e combate à corrupção e ao nepotismo); participação dos cidadãos; novos agentes da Administração; flexibilidade; e coordenação. Gabarito: E 79. Sobre a implementação de um sistema de gestão para resultados nos moldes do Governo Matricial, analise as assertivas abaixo, classificando-as como verdadeiras(v) ou falsas(f). Ao final, assinale a opção que contenha a sequência correta. I - A ideia de Governo Matricial se baseia na perspectiva de implementação de um modelo de governança social baseado em redes, nas dimensões intra e extragovernamental. II - A base da formação das Redes é o compartilhamento da informação. Elas substituem as organizações piramidais e são alternativas viáveis para todos os tipos de organizações e objetivos. III - Na perspectiva vertical, o alinhamento para resultados significa alinhar os pontos de implementação de distintas organizações no âmbito de cada programa, definindo-se arranjos específicos de coordenação para que os resultados dos respectivos programas possam ser alcançados.

6 IV - A central de resultados do Governo é um locus de contratação, acompanhamento e avaliação integrado nas perspectivas horizontal e vertical, no qual ocorre o gerenciamento intensivo de programas de forma integrada com gerenciamento intensivo de organizações. A central de resultados deverá proporcionar o controle matricial, a verificação abrangente, integrada e sistêmica do alcance (e seu indicativo) dos resultados prioritários e os recursos alocados para sua consecuçãoe, em função disto, os devidos redirecionamentos (no sentido de ajustarem as ações ou se reprogramarem os resultados). a) F, F, F, V b) F, F, V, F c) V, V, F, V d) V, F, F, F e) V, F, F, V Comentário: Questão retirada totalmente do texto "Um governo matricial: estruturas em rede para geração de resultados de desenvolvimento", de Caio Marini e Humberto Falcão Martins. Os itens I e IV estão de acordo com os conceitos e ideias do referido texto. Questão retirada totalmente do texto "Um governo matricial: estruturas em rede para geração de resultados de desenvolvimento", de Caio Marini e Humberto Falcão Martins. O item II está errado, uma vez que os autores citam texto clássico de Morgan, G. (1997), Images of organization, que aponta que "redes não substituem as organizações piramidais e não são alternativas viáveis para todos os tipos de organizações e objetivos, mas podem atender muito bem a situações híbridas, nas quais as estruturas puramente funcionais não atendem à crescente complexidade dos ambientes interno e externo". Sobre o item II, os autores apontam que "o conjunto de redes ou nós no âmbito do Governo Matricial deve ser tratado tanto na perspectiva horizontal, quanto na vertical, fechando-se um circuito matricial (Figura 5) mediante duas formas essencialmente complementares de alinhamento para geração de resultados:(i) Alinhamento horizontal: alinhar os pontos de implementação (de distintas organizações) no âmbito de cada programa, definindo-se arranjos específicos de coordenação para que os resultados dos respectivos programas possam ser alcançados; (ii) Alinhamento vertical: alinhar as organizações (suas agendas estratégicas e arranjos operacionais) com os resultados dos programas que as perpassam (dependendo de suas estruturas para produzirem seus resultados). O item está errado porque diz respeito ao alinhamento horizontal. GABARITO: E 80. Sobre o Planejamento e Orçamento disposto na Constituição de 1988 marque a opção incorreta: a) O orçamento fiscal se refere aos Poderes da União, seus fundos, órgãos e entidades da administração direta e indireta, inclusive fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público. b) O orçamento de investimento contempla as empresas em que a União, direta ou indiretamente, detenha a maioria do capital social com direito a voto. c) As emendas ao projeto de lei do orçamento anual ou aos projetos que o modifiquem somente podem ser aprovadas caso sejam compatíveis com o plano plurianual e com a lei de diretrizes orçamentárias.

7 d) Não será admitido aumento da despesa prevista nos projetos de iniciativa exclusiva do Presidente da República. e) A lei de diretrizes orçamentárias compreenderá as metas e prioridades da administração pública federal, incluindo as despesas de capital para o exercício financeiro subseqüente, orientará a elaboração da lei orçamentária anual, disporá sobre as alterações na legislação tributária e estabelecerá a política de aplicação das agências financeiras oficiais de fomento. Comentários: ERRADO, o artigo 63º da CF/1988 admite duas exceções (art. 166, 3º e 4º). 81. Sobre o PPA que é uma lei ordinária marque a opção incorreta: a) Os planos e programas nacionais, regionais e setoriais elaborados em 2014, e que tenham duração de 20 anos, devem estar consonância com o plano plurianual b) O PPA reflete as políticas públicas e organiza a atuação governamental por meio de Programas Temáticos e de Gestão, Manutenção e Serviços ao Estado, assim definidos: (i) Programa Temático: que expressa e orienta a ação governamental para a entrega de bens e serviços à sociedade; e (ii) Programa de Gestão, Manutenção e Serviços ao Estado: que expressa e orienta as ações destinadas ao apoio, à gestão e à manutenção da atuação governamental. c) Admite-se que as ações orçamentárias sejam discriminadas nos anexos do PPA d) Nos Programas Temáticos, cada ação orçamentária estará vinculada a uma única Iniciativa, exceto as ações padronizadas. e) O Poder Executivo fica autorizado a incluir, excluir ou alterar o indicador de um programa temático constante nos anexos no PPA sem a necessidade de submeter projeto de lei. Comentários: ERRADO, as ações orçamentárias serão discriminadas exclusivamente nas leis orçamentárias anuais. GABARITO: C 82. O PPA propôs uma nova estrutura programática para organização a atuação governamental, criando programas temáticos abrangentes que procuram reproduzir os temas das políticas públicas. Acerca dos elementos constitutivos dos programas temáticos e suas definições, assinale a sequência correta: 1. Objetivo 2. Iniciativa 3. Valor Global 4. Valor de Referência para Individualização de Empreendimentos como Iniciativas ( ) descreve as entregas, à sociedade, de bens e serviços relacionados à atuação governamental, como forma de cumprimento das metas traçadas em cada programa. ( ) parâmetro financeiro, estabelecido por Programa Temático, especificado pelas esferas Fiscal e da Seguridade e pela esfera de Investimento das Empresas Estatais. ( ) estimativa dos recursos necessários à consecução dos objetivos, contemplando as esferas Fiscal e da Seguridade e a esfera de Investimento das Empresas Estatais, com as respectivas categorias econômicas, e dos recursos de outras fontes.

8 ( ) expressa o que deve ser feito, reflete as situações a serem alteradas pela implementação de um conjunto de iniciativas. a) 1, 4, 3, 2. b) 2, 3, 4, 1. c) 2, 4, 3, 1. d) 4, 3, 2, 1. e) 1, 2, 3, 4. Comentários: Sabemos que iniciativa, no atual modelo do PPA, é definida, conforme os termos da lei que instituiu o plano, como atributo que declara as entregas de bens e serviços à sociedade, resultantes da coordenação de ações governamentais, decorrentes ou não do orçamento. Logo, o primeiro número da sequência de resposta é (2), o que já limita muito as alternativas... Também sabemos que o valor de referência é um parâmetro financeiro, estabelecido por Programa Temático, especificado pelas esferas Fiscal e da Seguridade e pela esfera de Investimento das Empresas Estatais, adotado para definir os empreendimentos no âmbito do programa que deverão ser destacados como iniciativas individualizadas. Assim, o segundo número da sequência é (4), e já teríamos a resposta. Além disso, o valor global se refere à estimativa dos recursos orçamentários necessários à consecução dos objetivos. O terceiro número, portanto, é (3). Por fim, o objetivo expressa o que deve ser feito, refletindo as situações a serem alteradas pela implementação de um conjunto de iniciativas. O último número, assim, é (1). Ficamos, portanto, com Gabarito: C 83. A LC 101/2000, conhecida como Lei de Responsabilidade Fiscal, estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal, de forma a buscar o equilíbrio das finanças públicas. Com base na LRF, assinale a única opção incorreta. a) A lei define limites para os gastos com pessoal para todas as esferas de governo. No caso da União, esse limite chega a 50% do total das receitas correntes, e nos Municípios esse valor foi estipulado em 60% da RCL, em cada período de apuração. b) Como pressupostos para o equilíbrio na gestão das finanças públicas, são princípios gerais da LRF o Planejamento, a Transparência e a Responsabilização. c) Estão sujeitos às disposições da LRF todos os entes da federação inclusive fundos, autarquias, fundações e empresas estatais dependentes. d) São exemplos de instrumentos de transparência da gestão fiscal, segundo a LRF: os planos, orçamentos e leis de diretrizes orçamentárias; as prestações de contas e o respectivo parecer prévio; o Relatório Resumido da Execução Orçamentária e o Relatório de Gestão Fiscal. e) A LRF proíbe a realização de operação de crédito entre entes da Federação, inclusive por intermédio de fundo, ainda que sob a forma de novação de dívida contraída anteriormente. Comentários: A Lei de Responsabilidade Fiscal deve ser entendida não somente na sua dimensão essencial garantir a gestão fiscal responsável de todos os entes políticos da federação brasileira. A LRF tem também um caráter de fortalecimento da propriedade de accountability da gestão pública, ao criar mecanismos para assegurar a transparência

9 e formas de responsabilização dos gestores governamentais. Feita essa introdução, vamos analisar as alternativas. Sabemos que a LRF realmente define limites para despesas com pessoal, incluindo: o somatório dos gastos do ente da Federação com os ativos, os inativos e os pensionistas, relativos a mandatos eletivos, cargos, funções ou empregos, civis, militares e de membros de Poder, com quaisquer espécies remuneratórias, tais como vencimentos e vantagens, fixas e variáveis, subsídios, proventos da aposentadoria, reformas e pensões, inclusive adicionais, gratificações, horas extras e vantagens pessoais de qualquer natureza, bem como encargos sociais e contribuições recolhidas pelo ente às entidades de previdência. Além disso, a LRF estabelece os limites para a despesa com pessoal em relação à receita corrente líquida (RCL), correspondente ao total das receitas correntes, subtraídas certas receitas estipuladas pela própria lei. Assim, constatamos que a alternativa A está incorreta, pois o limite de gastos com pessoal é definido em termos da RCL, e não das receitas correntes, como o item se referiu no caso da União! Como o enunciado solicita a opção incorreta, já temos nossa resposta. O item B está correto, pois Planejamento, Transparência e Responsabilização são princípios fundamentais para a LRF. O item C também está correto, ao incluir todas as esferas de governo e, ainda, suas empresas estatais dependentes, conforme definido pela própria LRF. O item D está certo, pois a LRF define como instrumentos de transparência da gestão fiscal: os planos, orçamentos e leis de diretrizes orçamentárias; as prestações de contas e o respectivo parecer prévio; o Relatório Resumido da Execução Orçamentária e o Relatório de Gestão Fiscal; e as versões simplificadas desses documentos. Finalmente, está correto o item E, pois a lei veda a realização de operação de crédito entre um ente da Federação, diretamente ou por intermédio de fundo, autarquia, fundação ou empresa estatal dependente, e outro, inclusive suas entidades da administração indireta, ainda que sob a forma de novação, refinanciamento ou postergação de dívida contraída anteriormente. Enfim, ficamos mesmo com a alternativa A, única incorreta. Gabarito: A 84. Sobre a Lei de Responsabilidade Fiscal marque a opção incorreta: a) Apesar de a lei não trazer forma explícita, são princípios: o planejamento, o controle, o planejamento e a responsabilização. b) Admiti-se que a LRF preencheu a lacuna existe no II do 9º do art. 165 da CF, por tratar em seus artigos do PPA, da LDO e da LOA. c) As disposições da LRF Complementar obrigam a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios; sendo que nas referências à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, estão compreendidos: (i) o Poder Executivo, o Poder Legislativo, neste abrangidos os Tribunais de Contas, o Poder Judiciário e o Ministério Público; (ii) as respectivas administrações diretas, fundos, autarquias, fundações e empresas estatais dependentes. d) Considera-se empresa estatal dependente, a empresa controlada que receba do ente controlador recursos financeiros para pagamento de despesas com pessoal ou de custeio em geral ou de capital, excluídos, no último caso, aqueles provenientes de aumento de participação acionária. e) A receita corrente líquida que será apurada somando-se as receitas arrecadadas no mês em referência e nos onze anteriores, excluídas as duplicidades serve de base de

10 cálculo para os limites de despesas com pessoal, da dívida consolidada e da dívida mobiliária. Comentários: a) CERTO, a LRF não traz os princípios de forma explícita. b) ERRADO, a LRF está embasada no inciso I do artigo 163. c) Correta d) correta e) correta GABARITO: B 85. Sobre os efeitos no planejamento efeitos no planejamento e no processo orçamentário da LRF marque a opção incorreta: a) A LRF trouxe novas atribuições à LDO dentre as quais enquadram-se a disposição sobre o equilíbrio entre receitas e despesas e critérios e forma de limitação de empenho. b) Excepcionalmente admite-se que uma LOA seja publicada sem evidenciar a reserva de contingência. c) O anexo de riscos fiscais introduzido na LDO é peça obrigatória para todos os entes federativos, sem exceções. d) A LRF definiu de forma explícita que o projeto de lei orçamentária anual deve ser elaborado de forma compatível com o plano plurianual, com a lei de diretrizes orçamentárias. Tal definição não existia de forma explícita e literal na CF/1988. e) Caso o ente queira conceder uma renúncia de receita, o seguinte requisito sempre deverá ser atendido: acompanhamento da estimativa do impacto orçamentáriofinanceiro no exercício em que deva iniciar sua vigência e nos dois seguintes. Comentários: ERRADO, conterá reserva de contingência, cuja forma de utilização e montante, definido com base na receita corrente líquida, serão estabelecidos na lei de diretrizes orçamentárias, destinada ao atendimento de passivos contingentes e outros riscos e eventos fiscais imprevistos. GABARITO: B 86. Sobre os temas accountability, governança e governabilidade, considere as seguintes afirmativas: I. A Accountability horizontal requer a institucionalização de poderes para aplicação de sanções legais em caso de atos danosos ao interesse público. II. A Accountability tem forte relação com o princípio constitucional da publicidade. III. A Governança tem um sentido mais amplo, denotando também a articulação entre Estado e sociedade civil. IV. A Governabilidade denota um dos conjuntos essenciais de atributos de um governo a fim de executar sua missão. V. De forma geral nas sociedades modernas, tende a haver uma forte relação entre o nível de legitimidade de um governo e seu grau de accountability. No âmbito da esfera pública, está correto o que se afirma em (A) I, II, III e V, apenas. (B) II, III, IV e V, apenas. (C) II, III e IV, apenas. (D) I, II, III, IV e V.

11 (E) I, III, IV e V, apenas. Comentários: Vamos avaliar cada enunciado: I. A Accountability horizontal requer a institucionalização de poderes para aplicação de sanções legais em caso de atos danosos ao interesse público. Correto. Para que a ação entre iguais de fato se efetive, deve haver mecanismos institucionalizados para possibilitar a sanção por atos irregulares, permitindo a responsabilização dos agentes públicos. II. A Accountability tem forte relação com o princípio constitucional da publicidade. Correto. Sem dúvida, a publicidade é uma condição necessária embora não suficiente para que haja accountability. III. A Governança tem um sentido mais amplo, denotando também a articulação entre Estado e sociedade civil. Está também correto. A governança tem um sentido bastante amplo, como notamos, e engloba inclusive a capacidade do Estado, por meio do governo, de se articular com a sociedade para assegurar a realização das políticas públicas de interesse da coletividade. IV. A Governabilidade denota um dos conjuntos essenciais de atributos de um governo a fim de executar sua missão. É certo que a governabilidade refere-se a um conjunto de atributos para a execução da sua missão. Vocês podem perguntar: isso também não é verdade para o conceito de governança? Sem dúvida! Mas, mesmo assim, notem que isso não torna a afirmativa errada, pois ela realmente também pode se aplicar à governabilidade; logo, deveria ser considerada correta. V. De forma geral nas sociedades modernas, tende a haver uma forte relação entre o nível de legitimidade de um governo e seu grau de accountability.. O item estabelecer a seguinte relação: quando maior a accountability de um governo, maior será a probabilidade de que os cidadãos percebam seus governantes como detentores de legitimidade, para fazer as escolhas em nome da sociedade, com maior transparência e possibilidade de responsabilização por suas decisões e seus atos. O item está correto. Enfim, todos os itens estão corretos. Gabarito: D 87. A respeito de mecanismos de controle, responsabilização e prestação de contas no âmbito da Administração Pública, julgue os itens a seguir e assinale a resposta correta: I - Accountability vertical ocorre quando os cidadãos comuns controlam e/ou fiscalizam a ação dos políticos e dos governos por meio de plebiscito, referendo, sanção e voto, ou mediante o exercício do controle social. II - Accountability horizontal se dá por meio da mútua fiscalização e controle que ocorre entre os poderes (freios e contrapesos) ou entre órgãos, por meio das cortes de contas, controladorias e agências fiscalizadoras. Pressupõe ação entre iguais ou autônomos. III - Responsabilização e prestação de contas são conceitos subjacentes ao conceito de accountability. IV - Tratam-se de atividades típicas de controle externo a auditoria e a fiscalização exercidas pela Controladoria-Geral da União (CGU) sobre os órgãos da Administração Pública federal, uma vez que não são feitas pelo setor de auditoria do próprio órgão. a) Somente os itens I e II estão corretos.

12 b) Estão corretos somente os itens I, II e III. c) Estão errados os itens III e IV. d) Somente os itens II e III estão corretos. e) Todos os itens estão errados. Comentários: No item I, "sanção" não é um mecanismos de accountability vertical, mas horizontal, típico do sistema de freios e contrapesos. É a capacidade de chefe do Poder executivo aprovar ou não (vetar) uma proposição legislativa. No item IV, é errada a conclusão de que a atividade da CGU seja controle externo. É controle interno. Interno ao Poder executivo, no caso, federal. O controle externo é exercido pelo outros poderes. Controle jurisdicional, pelo Judiciário; controle legislativo e fiscalização das ações, pelo Legislativo, com o auxílio do tribunal de contas respectivo. Gabarito: D 88..No que diz respeito à Lei nº , de 2012 (Lei de Acesso à Informação), julgue os seguintes itens e assinale a resposta correta: I - A transparência ativa é conceito que se caracteriza pela obrigatoriedade de divulgação de dados e informações pelo Estado sponte propria, isto é, por iniciativa própria. II - A transparência passiva é conceito que se caracteriza pela obrigatoriedade de divulgação de dados e informações pelo Estado sob demanda, em atendimento às solicitações da sociedade. III - Segundo a referida Lei, nenhuma informação estatal pode ser sigilosa a partir de sua edição, em consonância com a nova cultura de transparência que suplantou a antiga cultura do segredo, típica dos regimes ditatoriais. a) Todos os itens estão corretos. b) Somente o item I está correto. c) Somente o item I está errado. d) Somente o item III está errado. e) Todos os itens estão errados. Comentários: O item III está errado porque, segundo a Lei nº , de 2012, a transparência passa a ser a regra e o segredo, a exceção. Isso quer dizer, portanto, que alguns assuntos, em algumas circunstâncias, podem ser objeto de segredo. Ver art. 3º, I, da referida Lei. Gabarito: D 89. Sobre o acesso à informação de que trata e Lei n , de 18 de novembro de 2011 (Lei de Acesso à Informação), analise as assertivas abaixo, classificando-as como verdadeiras(v) ou falsas(f). Ao final, assinale a opção que contenha a sequência correta. I - Além dos órgãos públicos integrantes da administração direta dos Poderes Executivo, Legislativo, incluindo as Cortes de Contas, e Judiciário e do Ministério Público e das autarquias, fundações públicas, empresas públicas, sociedades de economia mista e demais entidades controladas direta ou indiretamente pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios, subordinam-se ao regime da referida Lei as entidades privadas sem fins lucrativos que recebam, para realização de ações de interesse público, recursos públicos diretamente do orçamento ou mediante subvenções sociais, contrato de gestão, termo de parceria, convênios, acordo, ajustes ou outros instrumentos congêneres.

13 II - Dentre outros, a lei garante o direito de obter informação relativa à implementação, acompanhamento e resultados dos programas, projetos e ações dos órgãos e entidades públicas, bem como metas e indicadores propostos. III - O Comitê Gestor da Segurança da Informação é constituído pelos seguintes órgãos: Ministério da Justiça; Casa Civil da Presidência da República; Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República; Arquivo Nacional; Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. IV - Cabe aos órgãos e entidades do poder público, observadas as normas e procedimentos específicos aplicáveis, assegurar a gestão transparente da informação, propiciando amplo acesso a ela e sua divulgação; a proteção da informação, garantindose sua disponibilidade, autenticidade e integridade; e a proteção da informação sigilosa e da informação pessoal, observada a sua disponibilidade, autenticidade, integridade e eventual restrição de acesso. a) F, F, F, V b) F, F, V, F c) V, V, F, V d) V, F, F, F e) V, F, F, V Comentário: I - art. 1 o, I e II. Correto. II - art. 7 o, VII, a. Correto III - Não há membros do Arquivo Nacional no referido Comitê Gestor. Fonte:http://dsic.planalto.gov.br/membros-do-comite. IV - art. 6 o, I, II e III. Correto. GABARITO: C 90. Às novas formas de gestão dos serviços públicos podemos relacionar diversos conceitos. Um deles é o que se refere à maior extensão das relações contratuais no fornecimento de serviços públicos entre o setor público, o setor privado e o voluntário/não lucrativo, criando uma nova estrutura, uma nova dinâmica que se contrapõe ao antigo modelo de monopólio estatal dos serviços públicos e utilidade pública. Referimo-nos ao conceito de: a) Contrato de gestão; b) Pluralismo institucional; c) Accountability societal; d) Governança corporativa; e) Trabalho em equipe. Comentárioss: O modelo pós-burocrático caracteriza-se por uma grande mudança na forma como se prestam os serviços públicos. De acordo com Fernando Luiz Abrucio, ao analisar a contratualização no consumerism inglês, observa-se que ela apresenta três dimensões, entre as quais, a extensão das relações contratuais no fornecimento de serviços públicos entre o setor público, o setor privado e o voluntário/não lucrativo, criando uma nova estrutura de pluralismo institucional, contraposta ao antigo modelo de monopólio estatal. Na estrutura em que predomina o pluralismo institucional, típica da Nova Administração Pública, o Estado se retira da execução dos serviços públicos, passando a atuar como catalisador, como regulador, dando, muitas vezes, preferência a iniciativas originadas fora da esfera estatal. A prestação dos serviços públicos, portanto, não será mais um monopólio estatal, havendo uma ampla gama de instituições atuando

14 em conjunto em benefício do interesse público. Além do Estado, teremos a iniciativa privada e também o que Bresser Pereira prefere chamar de setor público não-estatal. Gabarito: B 91. Até a década de 1980, as políticas públicas no Brasil eram fortemente caracterizadas pela não-inclusividade social, isto é, a sociedade ficava de fora dos processos de formulação e implementação das políticas públicas, assim como dos processos de controle da ação governamental. O advento da Constituição democrática de 1988 certamente trouxe uma lufada de novos ares ao País, mas também trouxe novos desafios no que diz respeito a como exercer as novas liberdades, enfim, como produzir novos arranjos institucionais para a coordenação e implementação das políticas públicas. Sobre a questão apresentada, marque a opção incorreta: a) Há arranjos em que vários projetos podem ser estruturados em redes de instituições não-governamentais e/ou privadas, sob a coordenação do Estado, todas articuladas para o enfrentamento de um problema de interesse público que supera a capacidade de ação isolada do Estado. b) Uma forma de parceria, já experimentada em diversas oportunidades, consiste em iniciativas de governos municipais que procuram aliados nas esferas mais abrangentes de governo e, de outro, programas locais articulados a políticas estaduais ou federais. c) Um arranjo que conta com várias experiências no País são os consórcios intermunicipais, em que vários municípios se unem em torno de objetivos comuns e procuram formular conjuntamente planos para enfrentar problemas que ultrapassam suas capacidades individuais. d) Um outro arranjo bastante frequente consiste na organização de associações privadas funcionais, não competitivas, reconhecidas pelo Estado como representantes dos interesses de um grupo, que atuam direta ou indiretamente na formulação e implementação de políticas públicas. e) As parcerias abrangem diversos arranjos, sendo comum a todos eles a coresponsabilização dos diferente participantes pela política e por seus resultados. Comentários: Na letra D, temos a definição de Neocorporativismo, conceito mais afeto à área de Ciência Política e que não diz respeito ao tema Políticas Públicas, mas à representação política de classes. Note-se que o Neocorporativismo não depende de um ambiente democrático para existir. Gabarito: D 93. Considerando elementos como planejamento e capacidade de implementação, assim como monitoramento, avaliação e controle, na história recente da gestão de políticas públicas no país, assinale a opção correta: a) As competências dos sistemas de controle interno, definidas na Constituição, incluem avaliar a execução dos programas de governo. Entretanto, pela forma de atuação essencialmente legalista desses sistemas, os achados dos órgãos de controle interno pouco podem contribuir para a formulação de novas políticas públicas. b) O Plano Plurianual tem perdido sua importância como ferramenta de planejamento, quadro que se comprova pela sua crescente dissociação dos orçamentos de curto prazo. c) De forma crescente, os órgãos de controle externo e interno têm demonstrado uma preocupação cada vez maior com a medição e a avaliação do desempenho dos programas de governo. Embora essa tendência não represente o abandono de práticas de

15 controle baseado na conformidade à lei, há um sentido de evolução que focaliza, essencialmente, o aprimoramento da gestão pública. d) A capacidade técnica da máquina pública federal pouco tem interferido na eficácia da implementação de políticas nacionais, haja vista o fortalecimento estrutural dos governos estaduais e municipais, com capacidade institucional para empreender suas políticas públicas de forma plena. e) Passado certo fervor inicial, a participação do terceiro setor na execução das políticas nacionais tem se mostrado ineficaz e desnecessária, em especial pelo incremento da capacidade operacional dos governos subnacionais. Comentários: O item A está errado. De fato, os sistemas de controle interno devem avaliar os programas de governo; além disso, seu trabalho pode contribuir para a melhoria da formulação e da implementação de políticas públicas. O item B está errado, porque o PPA tem relevância central no sistema de planejamento e orçamento governamental, e a LOA tem que se alinhar aos seus propósitos. O item C está correto, porque os órgãos de controle têm dedicado atenção crescente às auditorias operacionais e à avaliação do desempenho da gestão, com foco no resultado de órgãos, programas e projetos. O item D está errado, porque parte expressiva dos entes subnacionais não têm boas condições de governança e de gestão de políticas públicas, o que aumenta a responsabilidade da União. O item E, por fim, também está errado, porque a participação do terceiro setor é reconhecida como uma importante forma de aumentar a eficiência, a capilaridade e a efetividade de políticas públicas. Gabarito: C 94. Para Mintzberg, há 10 escolas que procuram explicar a formação da estratégia nos ambientes organizacionais. Relacione as colunas na tabela abaixo, associando a denominação da escola ao item que descreve sua ideia central, e selecione a opção que representa a sequência correta. 1. Aprendizado Formação da estratégia como um processo emergente em que o sistema coletivo é que aprende. 2. Planejamento Formação da estratégia como um processo reativo ao ambiente, que se apresenta para a organização como um grupo de forças contra as quais ela precisa reagir. 3. Posicionamento Formação da estratégia como um processo de concepção, onde o controle permanece nas mãos do executivo principal. 4. Empreendedora Formação da estratégia como um processo analítico para lidar com posições de mercado no geral e de forma reconhecível. 5. Cognitiva Formação da estratégia como um processo de transformação, que interrompe períodos de estabilidade. 6. Design Formação da estratégia como um processo formal dividido em etapas, que são apresentadas na forma de listas de verificação. 7. Poder Formação da estratégia como um processo visionário definido pelo líder da organização, como uma percepção da direção que a empresa deve seguir no longo prazo. 8. Cultural Formação da estratégia como um processo mental, como formas de enxergar conceitos, mapas, esquemas e estruturas. 9. Ambiental Formação da estratégia como um processo coletivo baseado nas crenças e interpretações comuns a todos os membros da organização.

16 10.Configuração a) 5, 10, 4, 3, 7, 6, 8, 2, 9, 1 b) 1, 9, 6, 3, 10, 2, 4, 5, 8, 7 c) 2, 4, 3, 5, 10, 6, 8, 7, 9, 1 d) 10, 9, 8, 7, 6, 5, 2, 3, 4, 1 e) 5, 9, 2, 3, 8, 1, 4, 6, 10, 7 Formação da estratégia como um processo de negociação por meio do exercício da influência para negociar estratégias favoráveis a certos interesses. Comentários: Vamos analisar cada item, identificando a escola que se enquadra melhor em cada explicação sobre o processo de formação das estratégias organizacionais: Formação da estratégia como um processo emergente em que o sistema coletivo é que aprende = Escola do Aprendizado (1) Formação da estratégia como um processo reativo ao meio ambiente, que se apresenta para a organização como um grupo de forças contra as quais ela precisa reagir = Escola Ambiental (9) Formação da estratégia como um processo de concepção, onde o controle permanece nas mãos do executivo principal, que mantém o processo de maneira informal e simples = Escola do Design (6) Formação da estratégia como um processo analítico para lidar com posições de mercado no geral e de forma reconhecível = Escola do Posicionamento (3) Formação da estratégia como um processo de transformação que interrompe períodos de estabilidade = Escola da Configuração (10) Formação da estratégia como um processo formal dividido em etapas, que são apresentadas na forma de listas de verificação = Escola do Planejamento (2) Formação da estratégia como um processo visionário definido pelo CEO como uma percepção da direção que a empresa deve seguir no longo prazo; aí é que reside o seu ponto fraco devido à concentração no comportamento de um único indivíduo = Escola Empreendedora (4) Formação da estratégia como um processo mental como formas de enxergar conceitos, mapas, esquemas e estruturas = Escola Cognitiva (5) Formação da estratégia como um processo coletivo baseado nas crenças e interpretações comuns a todos os membros da organização = Escola Cultural (8) Formação da estratégia como um processo de negociação por meio do exercício da influência para negociar estratégias favoráveis a certos interesses. Seu ponto fraco é desconsiderar aspectos como a cultura da empresa e o exercício da liderança = Escola do Poder (7) Gabarito: B 95. O Balanced Scorecard, ferramenta de gestão estratégica concebida por Kaplan e Norton, vem encontrando aplicação crescente nos ambientes corporativos, como forma de traduzir a estratégia organizacional em ações efetivas. A respeito do seu emprego em ambientes governamentais, identifique a opção incorreta. a) O êxito do BSC, tanto em organizações públicas quanto em instituições sem fins lucrativos, está relacionado ao atendimento às necessidades de seus participantes e clientes. Assim, o papel desempenhado pela perspectiva financeira poderá ser favorecedor ou inibidor, mas, de forma geral, não será o objetivo básico. b) A rigor, o uso do BSC em organizações públicas e instituições sem fins lucrativos não pode ser considerado apropriado, uma vez que toda a estrutura da ferramenta é montada a partir dos objetivos financeiros. A não ser nos casos de estatais que

17 promovam atividades econômicas, o BSC não é capaz de refletir o contexto no qual essas organizações públicas se inserem. c) No caso de organizações públicas e instituições sem fins lucrativos, a perspectiva financeira do Balanced Scorecard tende a ser tratada como uma limitação, e não como um objetivo central. Assim, as metas relacionadas com a perspectiva financeira devem estar relacionadas com a limitação dos gastos e sua compatibilidade com orçamentos prévios. d) No âmbito de organizações públicas e instituições sem fins lucrativos, o uso do BSC pode proporcionar foco, sentido de direção e responsabilidade, oferecendo a base lógica para a operação de tais organizações em função dos seus objetivos - servir clientes e partes interessadas, além de manter os gastos dentro de limites orçamentários. e) Ao se aplicar o BSC em organizações públicas e instituições sem fins lucrativos, o simples fato de tais organizações operarem com gastos abaixo dos valores orçados não implica em eficácia e nem satisfação às necessidades dos clientes. Assim, em paralelo ao monitoramento dos gastos, devem ser criados indicadores capazes de analisar o nível e a qualidade dos serviços prestados. Comentários: A leitura dos itens A, C, D e E permite concluir que se trata de itens corretos. Notem que estão lá: a possibilidade de emprego do BSC nas organizações públicas; a necessidade de adaptação do modelo às especificidades governamentais; a preocupação com a geração de resultados para clientes e sociedade, em sentido mais amplo; a compreensão da perspectiva financeira como um aspecto de limitação, e não como objetivo central da gestão pública. Por outro lado, o item B está incorreto. Ele afirma que é inadequado o uso do Balanced Scorecard em organizações públicas e instituições sem fins lucrativos, o que não procede. Como sabemos, são necessárias adaptações no modelo básico do BSC, mas ele pode ser utilizado pelas organizações governamentais e, a propósito, de fato é usado por muitos órgãos e entidades em seus processos de gestão estratégica. Gabarito: B 96.A respeito do estilo de liderança democrático indique a alternativa correta: a) É o estilo de liderança mais adequado para gestão de equipes b) Nesse estilo o grupo define suas metas e como alcançá-las c) O líder é ausente e se manifesta quando consultado d) O modelo de coaching pode ser utilizado nesse estilo e) O líder define as metas e como alcança-las Comentárioss a) Não existe um único estilo mais adequado. b) Estilo liberal c) Estilo liberal d) O coaching é adequado pois orienta, dá suporte aos membros da equipe e) Estilo autocrático GABARITO: D 97. O gerente de uma equipe deseja implementar um programa de motivação utilizando a Teoria de Maslow. Nesse contexto, indique a alternativa correta:

18 a) O líder poderá utilizar uma estratégia para toda sua equipe b) Na mesma equipe podem existir colaboradores em diferentes estágios da hierarquia das necessidades c) O estágio de auto-realização somente é alcançado por presidentes de organizações ou vencedores de premiações d) Para alguém que está no estágio de segurança o gestor deve promover ações de integração no grupo e) O modelo de Maslow é similar ao de Herberg Comentárioss a) Cada membro da equipe pode estar em um diferente estágio da hierarquia de necessidades b) Correto c) A auto realização depende de cada indivíduo, portanto não necessariamente precisa alcançar o cargo máximo de uma organização d) Estratégia errada para esse estágio e) São modelos diferentes de análise da motivação GABARITO: B 98. O decreto determina um modelo de avaliação de desempenho para o governo federal. Sobre esse decreto indique a alternativa correta: a) Todas as carreiras estão sujeitas a esse modelo de avaliação de desempenho b) O desempenho é resultado apenas da contribuição individual c) O processo é baseado num modelo de auto-avaliação e avaliação do superior imediato d) O modelo de avaliação de desempenho institucional é baseado no 360 graus e) O desempenho institucional é baseado em indicadores de desempenho Comentárioss: a) Somente algumas carreiras do governo federal estão sujeitas a esse decreto b) O desempenho é resultado da contribuição individual e institucional c) O decreto não impõe um modelo de avaliação de desempenho individual d) O institucional é baseado em indicadores da organizaçãoo GABARITO: E 99.O programa de gestão por competências ajuda a reorientar e alinhar as políticas de gestão de pessoas. Sobre esse tema indique a alternativa errada: a) É possível implementar gestão por competências em organizações públicas b) As competências individuais deveriam ser iguais em qualquer órgão público c) A gestão por competências influencia os demais subsistemas de recursos humanos d) A gestão por competências permite o alinhamento das políticas de gestão de pessoas com a estratégia e) Existem várias formas de suprir os gaps de competências como o desenvolvimento interno ou a contratação de colaboradores Comentárioss As competências são decorrentes das características de cada organização, por isso são diferentes de órgão para órgão. GABARITO: B

19 100. Sobre os modelos de avaliação de desempenho indique a alternativa correta: a) O método de escolha forçada não permite ao avaliado saber quais são suas principais oportunidades de melhoria de desempenho b) A avaliação de desempenho 360 graus pode incluir pessoas externas da organização como avaliadores c) No método das escalas gráficas não existe o efeito halo d) O método incidentes críticos analisa apenas os aspectos negativos do avaliado e) É recomendável sempre utilizar o método 360 graus Comentárioss: a) O método permite um feedback ao gestor b) A avaliação 360 permite incluir pessoas externas como fornecedores e/ou clientes c) O efeito halo pode impactar as escalas gráficas d) O método analisa aspectos negativos e positivos e) Não existe um método que seja sempre melhor GABARITO: B 101. A respeito de programas de gestão por competência na administração pública indique a alternativa correta: a) As trilhas de aprendizagem representam os programas que todos os colaboradores devem fazer independente de sua carreira b) Uma competência pode ser entendida por conhecimentos e habilidades c) O decreto define o programa de gestão por competências no âmbito do governo federal d) O plano anual de capacitação não faz parte do programa de gestão por competências e) O governo federal está em um estágio avançado de implementação do seu programa de gestão por competências Comentárioss: a) As trilhas dependem das carreiras e consequentemente das competências necessárias b) CHA-Conhecimento, Habilidade e Atitude c) O plano anual de capacitação faz parte do programa de gestão por competências d) O governo federal ainda está num estágio inicial de implementação do programa de gestão por competências GABARITO: C 102. Sobre as teorias de motivação indique a alternativa errada: a) O modelo Herzberg define a remuneração como um fator que não irá gerar motivação b) Um gestor que adota a teoria X deveria promover o controle de ponto de seus funcionários c) O modelo de Maslow define que uma necessidade superior pode ser atingida sem que a anterior esteja satisfeita d) A teoria Y representa uma visão do trabalho como algo tão natural quanto o lazer e) O enriquecimento de cargo é uma estratégia dentro da Teoria do Herzberg Comentárioss

20 O modelo de Maslow define que é necessário estar com a necessidade satisfeita para que o individuo faça a progressão para a superior GABARITO: C 103. Entre as diretrizes estabelecidas para a Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoal, destaca-se: a) incentivar e apoiar o servidor público em suas iniciativas de capacitação voltadas exclusivamente para o desenvolvimento das competências individuais. b) não apoiar o acesso dos servidores a eventos de capacitação externa ao seu local de trabalho. c) concentrar a qualificação de pessoal nas escolas de governo, não incentivando iniciativas descentralizadas de capacitação promovidas pelas próprias instituições, devido ao risco de desconexão com a visão mais geral de governo. d) incentivar a inclusão das atividades de capacitação como requisito para a promoção funcional do servidor nas carreiras da administração pública federal direta, autárquica e fundacional. e) não oferecer cursos introdutórios, remodelando os concursos públicos para priorizar a seleção de servidores com comprovada qualificação prévia. Comentários: A questão se refere ao Decreto 5.707/2006, que instituiu a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração pública federal direta, autárquica e fundacional, elegendo a Gestão por Competências como uma de suas ferramentas. De acordo com o normativo: Art. 3º São diretrizes da Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoal: I - incentivar e apoiar o servidor público em suas iniciativas de capacitação voltadas para o desenvolvimento das competências institucionais e individuais; II - assegurar o acesso dos servidores a eventos de capacitação interna ou externamente ao seu local de trabalho; III - promover a capacitação gerencial do servidor e sua qualificação para o exercício de atividades de direção e assessoramento; IV - incentivar e apoiar as iniciativas de capacitação promovidas pelas próprias instituições, mediante o aproveitamento de habilidades e conhecimentos de servidores de seu próprio quadro de pessoal; V - estimular a participação do servidor em ações de educação continuada, entendida como a oferta regular de cursos para o aprimoramento profissional, ao longo de sua vida funcional; VI - incentivar a inclusão das atividades de capacitação como requisito para a promoção funcional do servidor nas carreiras da administração pública federal direta, autárquica e fundacional, e assegurar a ele a participação nessas atividades; VII - considerar o resultado das ações de capacitação e a mensuração do desempenho do servidor complementares entre si; VIII - oferecer oportunidades de requalificação aos servidores redistribuídos; IX - oferecer e garantir cursos introdutórios ou de formação, respeitadas as normas específicas aplicáveis a cada carreira ou cargo, aos servidores que ingressarem no setor público, inclusive àqueles sem vínculo efetivo com a administração pública; X - avaliar permanentemente os resultados das ações de capacitação; XI - elaborar o plano anual de capacitação da instituição, compreendendo as definições dos temas e as metodologias de capacitação a serem implementadas; XII - promover entre os servidores ampla divulgação das oportunidades de capacitação; e

21 XIII - priorizar, no caso de eventos externos de aprendizagem, os cursos ofertados pelas escolas de governo, favorecendo a articulação entre elas e visando à construção de sistema de escolas de governo da União, a ser coordenado pela Escola Nacional de Administração Pública - ENAP. Assim, comparando os itens com a norma, notamos que as alternativas A, B, C e E contrariam os incisos do artigo 3º. Somente a letra D está correta, ao reproduzir o comando do inciso VI do mesmo artigo. Gabarito: D 104. Reconhecendo a importância da governança federativa para a realização de políticas públicas capazes de atender a população em um contexto de desigualdades sociais e regionais elevadas, que afetam não somente as condições de vida da sociedade, mas também a capacidade institucional dos governos subnacionais, estão corretas as assertivas seguintes, exceto: a) Tanto a eficiência quanto a efetividade das políticas públicas dependem da articulação bem sucedida entre os níveis de governo, pois especialmente os entes locais precisam de colaboração horizontal e vertical para a entrega adequada de bens e serviços para a sociedade. b) A atuação por meio de redes federativas, a despeito da capacidade adaptativa do modelo, não oferece uma resposta apropriada aos desafios da interação entre os níveis de governo, pois não permite o papel de coordenação próprio da União. c) De forma geral, a cooperação federativa encontra poucos incentivos institucionais a seu favor. Apesar disso, há casos de articulação mais bem sucedida, como ocorre com a saúde, em que há relações intergovernamentais mais estruturadas e papeis mais bem definidos no âmbito do sistema único. d) A autonomia dos entes federativos, aliada a um vasto rol de competências compartilhadas, possibilita que, frente a uma omissão do poder público, a população permaneça sem uma ação governamental e não saiba a qual esfera de governo responsabilizar. e) Os convênios, instrumentos de cooperação mais largamente empregados pelos entes federativos, normalmente têm seus termos estabelecidos pela esfera de governo superior, e, assim, não costumam ser modelados por meio de acordos negociados entre as partes. Comentários: A questão trata da relação entre os entes federativos, cuja atuação deve ser coordenada para assegurar a eficiência e a efetividade das políticas públicas. Nos itens A, C, D e E, são apresentadas declarações corretas sobre os mecanismos de governança federativa no Brasil, assim como sobre seu ainda reduzido nível de êxito. Por sua vez, o item B está errado, porque se acredita que os níveis de governo podem atuar sob a forma de redes federativas, de natureza horizontalizada, de forma a garantir a coordenação e o equilíbrio entre os níveis de governo. Além disso, esse modelo de atuação em rede não exclui um possível papel de coordenação da União, conforme a necessidade de cada política pública, desde que sob um modelo negociado de acordo entre os entes. Gabarito: B 105. A respeito da temática da questão federativa brasileira e dos problemas de coordenação executiva, analise as assertivas abaixo, classificando-as como verdadeiras(v) ou falsas(f). Ao final, assinale a opção que contenha a sequência correta.

22 I - Destacam-se como elementos do modelo federativo brasileiro, a descentralização política, a autonomia dos entes federados, a formalização e a repartição de competências em uma Constituição rígida, a existência de direito de secessão e a fiscalização da autonomia federativa por meio do controle de constitucionalidade. II - No contexto do federalismo fiscal à brasileira, a literatura especializada destacou dois grandes problemas: (i) a existência de desequilíbrios verticais relacionados às desigualdades comparativas na capacidade de gastos entre os estados e os municípios de uma mesma federação; (ii) e os desequilíbrios horizontais resultantes da diferença entre o volume de encargos efetivamente assumidos pelos governos subnacionais e o volume de recursos que estes governos podem obter autonomamente. III- A dimensão da coordenação intragovernamental, segundo a literatura especializada, contempla a articulação entre o ente federativo, os Conselhos e as entidades não governamentais, com o objetivo de estabelecer parcerias capazes de promover uma satisfatória prestação dos serviços públicos. IV - O problema da fragmentação das políticas públicas, conforme literatura especializada, surge, por exemplo, pela falta de coordenação na formulação/implementação de políticas, programas ou projetos. Tal fenômeno ocorre quando não é possível assegurar que os diversos sistemas institucionais e gerenciais que formulam políticas trabalhem juntos de forma congruente. V - No âmbito do debate da coordenação federativa, autores como Marta Arretche (2006) apontam como um dos fatores determinantes do sucesso das experiências de descentralização a redução da atuação do governo federal e a autonomia plena dos entes federados. a) F, F, V, V, F b) F, F, V, F, V c) F, F, F, V, F d) V, F, F, F,V e) V, F, V, F,V Comentário: I - Todas as características indicadas guardam relação com o modelo federativo brasileiro, exceto a existência de direito de secessão. Na Constituição de 1988, foi vedada a proposta de emenda constitucional tendente a abolir a forma federativa de estado (art. 60, 4º, inciso I). Por isso, o item é falso. II - Os conceitos foram invertidos. A existência de desequilíbrios verticais resultam da diferença entre o volume de encargos efetivamente assumidos pelos governos subnacionais e o volume de recursos que estes governos podem obter autonomamente. E os desequilíbrios horizontais dizem respeito às desigualdades comparativas na capacidade de gastos entre os estados e os municípios de uma mesma federação. Verificar Slides n , Aulas 4 e 5, Prof. Leonardo Ferreira, Curso Gestão Governamental, IGEPP, Item incorreto. III - O conceito apresentado diz respeito à Coordenação governo-sociedade. Conferir Slides n.88 a 91, Aulas 4 e 5, Prof. Leonardo Ferreira, Curso Gestão Governamental, IGEPP, Item incorreto. IV - Em conformidade com Martins, H.F. (2006), Políticas de Gestão Pública no Governo Lula: um campo ainda fragmentado. In: Revista Eletrônica sobre Reforma do Estado. Item correto. V - Ao contrário, a autora reiteradamente em seus textos defende que, em estados federativos que centralizem a formulação de políticas executadas pelas unidades constituintes e que contem com um sistema interjurisdicional de transferências, é

23 possível encontrar redução das desigualdades territoriais. Assim, de acordo com esta teoria, os papéis regulatório e redistributivo do governo central seriam mecanismos necessários para obter cooperação entre jurisdições. Item incorreto. GABARITO: C 106. Todas as opções abaixo são formas de gestão apontadas pela literatura de Administração Pública que priorizam o atingimento de metas e resultados, exceto: a) Orçamento por Resultados, que rompe com o modelo orçamentário tradicional voltado para formalidades, com predomínio dos meios sobre os fins; volta-se para a eficiência na alocação dos recursos e preocupa-se em combater o descaso relativo ao cumprimento do orçamento anual aprovado. b) Administração por Objetivos, surgida na década de 1950 a partir dos escritos de Peter Drucker: consiste em um tipo de contratualização dos serviços públicos, com o estabelecimento de metas negociadas entre os gestores e as autoridades superiores. Envolve a implementação de sistema de remuneração variável, vinculado ao alcance de objetivos e metas. c) Ciclo PDCA, que teve origem na década de 1920, nos EUA, mas tornou-se conhecido mais tarde como ciclo de Deming, no Japão. Consiste em uma ferramenta gerencial que tem visa a lógica para fazer certo desde a primeira vez. d) Contrato de Gestão, em que a instituição firma compromisso para o alcance de determinados objetivos e metas, recebendo, para tanto, um orçamento para custear as suas atividades. e) Avaliação de Desempenho, que promove a aprendizagem e a disseminação do conhecimento nas organizações, e tende, por isso, a aprimorar a qualidade dos serviços prestados ao usuário-cidadão, além de favorecer a transparência das ações institucionais. Comentários: O Ciclo PDCA (Plan/Do/Check or Control/Act to Correct) é uma técnica voltada para o controle de processos e não para a obtenção de resultados. É também chamado de "Ciclo da Melhoria Contínua" e é utilizado em processos de trabalho com o fito de maximizar a eficiência e alcançar a excelência de produtos e serviços. Para maiores informações, ver caps. 8 e 11 de "Administração Pública", Augustinho Vicente Paludo, Série Provas e Concursos, Ed. Elsevier, e o Glossário Gespública em /anexos/guia_de_simplificacao_e_modelagem/p_glossario.pdf. Gabarito: C 107. Considerando a concepção de gestão pública por resultados e a evolução recentes das agendas da administração pública na experiência brasileira, assinale a alternativa incorreta: a) A administração pública contemporânea precisa responder, a um só tempo, aos ditames do desempenho governamental e da legitimação democrática contínua. Esta posição normativa orienta o debate contemporâneo das políticas públicas. A questãochave que se coloca, do ponto de vista analítico, é que instrumentos socioinstitucionais devem ser adotados para perseguir esta dupla meta. b) A Constituição de 1988 abriu o caminho para um conjunto grande de mudanças na administração pública brasileira. Em grandes linhas, houve três frentes de atuação na Carta Constitucional: a profissionalização da burocracia particularmente com a universalização do instituto do concurso público, a definição de mecanismos de

24 controle e publicização do Poder Público e a descentralização das políticas públicas, rompendo com a tradição mais centralizadora do Estado brasileiro pós-vargas. c) A reforma Bresser estava fortemente ancorada numa proposta de reforma ampla da administração pública, defendendo mudanças institucionais como a flexibilização das normas relativas aos Recursos Humanos e a criação de um novo design organizacional, por meio das Agências Executivas e das Organizações Sociais. Mas o projeto bresseriano também atuou noutra frente: o Ministério da Administração e Reforma do Estado (MARE) reorganizou a burocracia pública federal, em sua estrutura e, especialmente, as suas carreiras típicas de Estado. Neste sentido, sua proposta aperfeiçoava elementos presentes na Constituição. d) O ponto central do sucesso bresseriano esteve na capacidade de espalhar suas ideias, que foram incorporadas pelos policy-makers federais e em vários estados. Esta nova visão centrada no desempenho gerou uma prática orientada mais por metas, indicadores, monitoramento e avaliação das políticas públicas - instrumentos que nunca haviam sido usados por outras áreas do Governo Federal e outros entes subnacionais. e) Nos últimos 10 anos, no que tange à administração pública, o maior êxito foi o de utilizar novas técnicas administrativas diretamente nas políticas públicas, independentemente de se ter uma diretriz geral. Dessa perspectiva surgiram várias das inovações governamentais do período; todavia, desse modelo também advieram os principais problemas. Dito de outro modo, algumas áreas da administração pública federal melhoraram seu desempenho notadamente o Ministério do Desenvolvimento Social, o MEC e algumas ações controladas pela Casa Civil, enquanto outras mantiveram uma prática bastante arcaica, seja do ponto de vista da profissionalização, seja do ponto de vista da agenda da gestão por resultados. Comentários: A questão é totalmente retirada do artigo Três agendas, seus resultados e um desafio: balanço recente da administração pública federal brasileira, do Fernando Abrúcio, e vale por uma revisão do tema. O texto aborda três das principais linhas de atuação da gestão pública brasileira no decorrer dos governos Fernando Henrique e Lula: a gestão por resultados, a governança federativa e os mecanismos de controle público. Novamente nesta questão, as alternativas A, B, C e E são transcrições ou adaptações de trechos do texto e, de forma geral, seu conteúdo pode ser considerado correto em outros contextos. O item D, ao contrário, está errado: embora Abrúcio considere que (i) o sucesso bresseriano esteve na capacidade de espalhar suas ideias, que foram incorporadas pelos policy-makers federais e em vários estados ; e que (ii) esta nova visão centrada no desempenho gerou uma prática orientada mais por metas, indicadores, monitoramento e avaliação das políticas públicas ; esses instrumentos já haviam sido usados por outras áreas do Governo Federal e outros entes subnacionais, embora sem tanta consistência e aplicação sistêmica. Gabarito: D 108. Sobre as metodologias consagradas de gestão para resultados, correlacione as Colunas I e II e assinale a opção que expresse a sequência correta para a Coluna II. Coluna I Coluna II 1. Balanced Scorecard ( 5 ) Representa o esforço de gestão dos relacionamentos por meio da administração compartilhada de processos internos e externos que interligam as diversas áreas organizacionais (compras, logística, marketing, etc), na

25 perspectiva intraorganizacional, e as as organizações (clientes, fornecedores e parceiros), na perspectiva extraorganizacional, abrangendo desde o fornecedor que entrega produtos, serviços e informações aos clientes, beneficiários e outras partes interessadas. 2. Bain & Company ( 2 ) Os resultados são alcançados a partir da definição de um ponto de partida (diagnóstico), de um ponto de chegada (visão e objetivos) e de um caminho a ser percorrido (planos de ação) para a organização alcançar os resultados pretendidos. 3. Planejamento Estratégico Situacional (PES) 4. Cadeia de Valor de Porter 5. Cadeia de Suprimento (Supply Chain) - Desempenho Logístico (redes e integração dos processos corporativos) (1) Trata-se de um modelo de gestão baseado na construção de um conjunto de indicadores interligados numa relação de causalidade e alinhamento com a estratégia, promovendo uma visão sistêmica do desempenho organizacional. ( 4) Ênfase na identificação das vantagens competitivas da organização no contexto do setor industrial. ( 3) Parte do pressuposto de que a essência da atividade de alta direção envolve a dinâmica do enfretamento de problemas, a partir de uma seleção criteriosa desses problemas. Assim, a qualidade de um plano é determinada pela qualidade da seleção dos problemas a enfrentar. a) 5, 1, 2, 4, 3 b) 5, 2, 1, 4, 3 c) 5, 2, 1, 3, 4 d) 5, 2, 4, 1, 3 e) 5, 4, 1, 2, 3 Comentário: De acordo com Slides n.14 a 41, Aulas 13 e 14, Prof. Leonardo Ferreira, Curso Gestão Governamental, IGEPP, GABARITO: B 109. Desenvolvido por Neely e Adams (2002), é um modelo integrado de mensuração de resultados cujo foco esta na criação de valor para as partes interessadas(clientes, fornecedores,parceiros,empregados,comunidade,governo), a partir da construção de indicadores que auxiliem na obtenção da máxima satisfação dessas partes. O modelo identifica, primeiramente, o que as partes interessadas necessitam da organização e, por conseguinte, a contribuição delas para com essa, visando promover um relacionamento recíproco de troca e contribuição. Para tanto, a metodologia aborda o conceito de forma multidimensional, a partir de cinco perspectivas: satisfação e contribuição dos stakeholders (objetivam identificar as necessidades e contribuições entre as partes interessadas e a organização), estratégias (busca verificar a existência de estratégias para atender às demandas dessas diversas partes interessadas e, por sua vez, definir objetivos), processos (procuram identificar e delinear processos organizacionais para implementar a estratégia) e capacidades (que visam ao desenvolvimento de pessoas, práticas, tecnologias e infraestrutura para a execução da estratégia. O texto acima diz respeito à metodologia de gestão: a) Modelo Hoshin Kanri

26 b) Gestão de Projetos - PMBOK c) Valor Público d) Gestão da Qualidade Total (Total Quality Management - TQM) e PDCA e) Prisma de Desempenho Comentário: De acordo com Slides n.18 e 19, Aulas 13 e 14, Prof. Leonardo Ferreira, Curso Gestão Governamental, IGEPP, GABARITO: E 110. Quando tratamos da questão da coordenação executiva sempre nos são apresentadas questões como a coordenação intergovernamental, intragovernamental e a coordenação governo-sociedade. Dentro dessa ótima surge a questão da organização político- administrativa da República Federativa do Brasil que compreende a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, todos autônomos, nos termos Constituição Federal de Do apresentado podemos afirmar que é competência exclusiva dos Estados da federação: a) Legislar sobre direito civil, comercial, penal, processual, eleitoral, agrário, marítimo, aeronáutico, espacial e do trabalho. b) Legislar sobre comércio exterior e interestadual. c) Zelar pela guarda da Constituição, das leis e das instituições democráticas e conservar o patrimônio público. d) Legislar sobre juntas comerciais. e) Explorar diretamente, ou mediante concessão, os serviços locais de gás canalizado. Comentário: Conforme Constituição Federal, art. 25, 2º. GABARITO: E 111. Sobre as falhas de mercado, julgue os itens a seguir: a) Em mercados onde existem externalidades positivas há a necessidade de intervenções do governo. b) Para que um bem público possa ser considera puro, ele necessita ser não rival, mas não precisará obedecer a característica de não exclusão. c) Os faróis marítimos são exemplos de bens públicos, pois a utilização do bem por um agente adicional não interfere no uso de outro e essa nova utilização não aumenta o custo de produção do bem. d) O teorema de Coase pode ser utilizado para resolver problemas de externalidades desde que os custos de transação sejam estritamente positivos e) O problema do carona está associado à presença de externalidades positivas. Comentários: Lembre que para que um bem seja considerado público, ele deve ser não rival e não excludente. Ou seja, a utilização do bem por um determinado consumidor não impede que outro o utilize. Além disso, a utilização do bem por um consumidor adicional não leva a aumento no custo de produção do bem. Logo, os faróis marítimos podem ser considerados bens públicos. GABARITO: C

27 112. No que diz respeito aos modelos de demanda e oferta de um bem comercializado sob a estrutura de mercado em concorrência perfeita, marque a alternativa correta. a) Variações na renda do consumidor levam a movimentos ao longo da curva de demanda desse consumidor, independentemente do tipo de bem em questão. b) Para os bens inferiores, pode-se dizer que o efeito renda é sempre negativo e acompanha o movimento do efeito substituição. c) O aumento do preço do bem X, complementar ao bem Y, leva a redução da quantidade demandada de Y, sendo representado por um movimento ao longo da curva do bem Y. d) Em períodos de festas de final de ano, há um aumento da demanda por passagens aéreas, o que representa um deslocamento da demanda por esses bens para a direita, levando a um aumento do preço de equilíbrio. e) Aumentos nos encargos trabalhistas representam aumentos nos custos das empresas, o que leva a curva de oferta para a esquerda e para baixo. Comentários: Note que a alternativa correta é a letra (D). A explicação para isso é dada pelo deslocamento da demanda para a direita uma vez que houve uma alteração nos gostos ou preferências dos consumidores. Assim, tendo em vista que não houve alterações na curva de oferta, o novo equilíbrio será estabelecido com um preço acima do preço de equilíbrio anterior. A curva abaixo mostra tal movimento. GABARITO: D 113. As funções do governo são: X. alocativa; Y. distributiva; Z. estabilizadora. Em relação a essas funções são feitas as afirmativas a seguir. I. Utiliza os instrumentos macroeconômicos para manter adequado o nível de utilização dos recursos produtivos, sem criar problemas inflacionários II. Deve contrabalançar os princípios da equidade e eficiência de forma a não criar incentivos perversos para os recipientes ou financiadores de políticas sociais.

28 III. Estabelece incentivos para resolver problemas de ineficência em determinados mercados microeconômicos. Assinale a alternativa que apresenta a combinação correta entre as funções e as afirmativas. a) X-I, Y-II e Z-III b) X-III, Y-II e Z-I c) X-I, Y-III e Z-II d) X-II, Y-I e Z-I e) X-III, Y-I e Z-II Comentários: Essa questão é muito boa porque ela busca as palavras-chave de ligam as funções do governo. Vamos ligar os pontinhos? O ponto I diz que o governo Utiliza os instrumentos macroeconômicos para manter adequado o nível de utilização dos recursos produtivos, sem criar problemas inflacionários. Eu vi MACROECONÔMICOS? Se a questão falou em instrumentos macroeconômicos, não tem nem o que pensar,função Estabilizadora! Logo, Z-I. Vamos voltar nas alternativas: apenas sabendo isso, podemos excluir as alternativas (A), (C) e (E), sobrando apenas as alternativas (B) e (D). vamos ver mais? O ponto II afirma que o governo Deve contrabalançar os princípios da equidade e eficiência de forma a não criar incentivos perversos para os recipientes ou financiadores de políticas sociais. Falou-se em EQUIDADE? Vamos lembrar de quem? Da FunçãoDistributiva! Ora, o governo quer, através de impostos e transferências, reduzir a diferença de renda entre os ricos e os pobres sem que isso gere grandes problemas sociais (ou sem gerar grandes perdas de peso morto!). Assim, não tem nem o que pensar,y-ii. Apenas com essas duas ligações, nós já podemos ver que a alternativa correta é a letra (B)! Mas vamos terminar a análise? O ponto (III) afirma que o governo Estabelece incentivos para resolver problemas de ineficência em determinados mercados microeconômicos. Esse será o caso da função

29 alocativa que é utilizada pelo governo quando esse deseja reduzir as falhas de mercado com a provisão dos bens públicos! GABARITO: B Considere os seguintes dados, em unidades monetárias, referentes a uma economia hipotética: Consumo do Governo: 300 Transferências realizadas pelo Governo: 100 Subsídios: 20 Impostos Diretos: 300 Impostos Indiretos: 400 Outras Receitas Correntes do Governo: 140 Exportações de bens e serviços: 100 Importações de bens e serviços: 200 Renda Líquida Enviada ao Exterior: 100 Variação de Estoques: 100 Poupança Bruta do Setor Privado: 200 Com base nessas informações, e considerando as identidades macroeconômicas básicas, é correto afirmar que a formação bruta de capital fixo é igual a: a) 720 b) 900 c) 700 d) 750 e) 800 Comentários: Consumo do Governo = G = 300 Transferências realizadas pelo Governo = Transf_G = 100 Subsídios = Sub = 20 Impostos Diretos = ImpDir = 300 Impostos Indiretos = ImpInd = 400 Outras Receitas Correntes do Governo = ORCG = 140 Exportações de bens e serviços = X = 100 Importações de bens e serviços = M = 200 Renda Líquida Enviada ao Exterior = RLEE = 100 Variação de Estoques = VE = 100 Poupança Bruta do Setor Privado = S priv,brut = 200 FBKF =? Investimento = I = Poupança Total = S I = FBKF + VE logo FBKF = I VE = S VE = (S priv,brut + S púb + S ext ) VE Mas: S púb = T liq G = ImpDir + ImpInd - Sub + ORCG G - Transf_G S ext = (M - X) + RLEE Logo: FBKF = S priv,brut + ImpDir + ImpInd Sub + ORCG G - Transf_G + (M - X) + RLEE - VE Ou seja: FBKF = ( ) Logo FBKF = =720

30 GABARITO: A 115. Assinale a alternativa correta sobre a demanda por moeda (L) no modelo IS/LM sem os denominados casos clássicos e keynesiano, a) não varia com a renda e com a taxa de juros. b) não depende da renda. c) só depende da taxa de juros quando esta taxa produz juros reais negativos. d) é inversamente relacionada com a taxa de juros. e) é inversamente relacionada com renda. Comentários: A demanda por moeda é diretamente relacionada com a taxa de juros nominal (i) e inversamente relacionada com a renda agregada (Y) GABARITO: D 116. Usando o arcabouço do modelo IS/LM podemos afirmar que a) no caso keynesiano, a demanda por moeda pode ser expressa de forma semelhante à teoria quantitativa da moeda. b) o caso da armadilha da liquidez ocorre quando a taxa de juros é extremamente alta. c) o governo pode utilizar a política do tipo expansionista para anular os efeitos de uma política fiscal expansionista sobre as taxas de juros. d) no caso clássico, a LM é horizontal. e) uma política fiscal expansionista aumenta as taxas de juros uma vez que reduz a demanda por moeda. Solução: a taxa de juros (i) é impactada pela duas políticas: a fiscal expansionista aumenta i enquanto a monetária expansionista diminui i. GABARITO: D 117. De acordo com a Teoria Clássica de determinação da renda, supondo plena flexibilidade de preços, uma economia em equilíbrio de pleno emprego encontra-se: a) com salário real igual à produtividade marginal do capital; b) em desequilíbrio de curto prazo; c) em desequilíbrio de longo prazo;. d) com o salário nominal superior ao valor da produtividade marginal do trabalho. e) com um desemprego igual a taxa de desemprego natural. Comentários: No produto de pleno emprego (ou natural) o salário real é igual a produtividade marginal do trabalho. E o desemprego é igual a taxa natural. GABARITO: E 118. (baseado em ESAF-AFC/STN-2013) Considere o modelo keynesiano básico para uma economia fechada e sem governo. Admitindo que a economia esteja em equilíbrio a tal ponto que uma elevação de 50 unidades monetárias no consumo autônomo provoca um aumento de 250 unidades monetárias no produto, nesse caso: a) a propensão marginal a consumir é de 0,6. b) a propensão marginal a consumir é de 0,8. c) o multiplicador keynesiano é de 0,2.

31 d) o multiplicador keynesiano é de 2. e) a propensão média a consumir é de 0,8. Comentários: como Y = C + I então o multiplicador keynesiano é igual a (1/(1- PMgC)). Portanto : 250/50 = 1/(1-PMgC). Logo a PMgC é igual a 0,8. GABARITO: B 119. Supondo válido o modelo IS-LM-BP podemos afirmar que uma política monetária expansiva em uma economia que adota o regime cambial flexível não leva a: a) aumento da renda agregada b) aumento das exportações c) diminuição das importações d) aumento das exportações líquidas. e) Manutenção do valor da taxa cambial. Comentários: de acordo com o modelo IS-LM-BP uma política monetária expansionista desloca a LM no espaço (E,Y) para a direita. Logo Y sobe, X cresce e M cai. O câmbio muda com o dólar ficar mais valorizado frente ao real. GABARITO: E 120. Considere o modelo IS/LM. No caso extremado conhecido como Armadilha da Liquidez, um aumento no investimento autônomio implica em: a) aumento d a taxa de juros de equilíbrio da economia e diminuição da demanda agregada. b) não produz efeito sobre o produto da economia, mas aumenta a taxa de juros de equilíbrio. c) aumenta a renda agregada, mas não altera a taxa de juros de equilíbrio. d) aumenta a taxa de juros e a renda de equilíbrio. e) reduz a demanda agregada e a taxa de juros de equilíbrio. Comentários: com a LM horizontal no espaço (i,y) um deslocamento da IS para direita causado por um aumento do investimento autônomo (similar a uma política fiscal expansionista) teremos manutenção da taxa de juros (i) e aumento da renda agregada (Y.) GABARITO: C 121. Assinale, entre as opções abaixo, a que NÃO corresponde a uma das principais características da política de industrialização brasileira no Pós-Guerra. a) Fornecimento de crédito a longo prazo para implantação de novos projetos. b) Proteção à indústria nacional, mediante tarifas de importação e barreiras não tarifárias. c) Participação direta do Estado no suprimento da infra-estrutura (energia, transporte). d) Participação direta do Estado na produção em alguns setores tidos como prioritários (siderurgia, mineração, petróleo). e) Intensa preocupação de atender o consumidor doméstico com produtos de qualidade e baratos.

32 Vamos ver item a item para ficar 100% claro. Veja que a questão pede para o que não atende, hein?! O não está bem tímido, mas merece muita atenção. Vamos por partes. A alternativa (A) afirma que houve um fornecimento de crédito de longo prazo para a implantação de novos projetos. De fato, para que os projetos industriais pudessem ser implantados, houve a necessidade de tomar crédito. Considerando ainda que as indústrias só passam a dar retorno depois de algum período de maturamento, o crédito deveria ter, necessariamente, uma natureza de longo prazo. Dessa forma, a alternativa é correta. Na alternativa seguinte, a questão afirma que houve a Proteção à indústria nacional, mediante tarifas de importação e barreiras não tarifárias. Ora, pelo que nós vimos, de fato, durante o PSI, o governo implantou diversos tipos de restrições à importação. Com isso, conseguia garantir a competitividade das empresas nacionais, o que fortalecia, em última instância, gerava a proteção à indústria nacional. Logo,a alternativa também é correta. A letra (C) afirma que houve uma Participação direta do Estado no suprimento da infra-estrutura (energia, transporte). Para ver a veracidade dessa alternativa, basta pensar no Plano de Metas ou no Plano Salte. Quais eram os objetivos desses planos? Certamente, objetivos ligados à infraestutura! Logo, essa alternativa é verdadeiríssima: A infraestrutura necessária ao processo de industrialização cabia, necessariamente, ao governo brasileiro. Faltam apenas as alternativas (D) e (E). A letra (D) diz que Participação direta do Estado na produção em alguns setores tidos como prioritários (siderurgia, mineração, petróleo). Verdade também! Basta lembrar que nesse período foram criadas diversas estatais pelo governo como a Petrobrás. Logo, a resposta dessa questão é a letra (E). Contrariamente ao que afirma a alternativa, não houve a preocupação em fornecer produtos de qualidade e baratos. Como a indústria era protegida, não houve tamanha preocupação com o mercado interno. GABARITO: E 122. O Plano de Metas ( ) marcou uma importante transformação produtiva brasileira, visando a maior integração da estrutura industrial no País. Para sua montagem, foi fundamental a identificação de pontos de estrangulamento que representavam setores: a) cuja oferta não era capaz de responder rapidamente a uma elevação de demanda. b) cuja expansão era inviável e que deveriam ter prioridade nas importações. c) periféricos da indústria e com baixa capacidade de geração de emprego. d) capazes de gerar grande demanda para outras atividades produtivas. e) compostos por empresas de baixos níveis de produtividade e sofisticação tecnológica. Comentários: Opa! Pontos de estrangulamento! Vimos essa definição no fórum de dúvidas, lembram? Vamos reforçar aqui:

33 Toda vez que pensarmos em plano de metas, vamos lembrar o governo implementou diversos investimentos setoriais que serviam para atacar pontos de estrangulamento, outros investimentos era realizados para gerar pontos de germinação. Mas o que seriam esses pontos? Pontos de Estrangulamento: Áreas de demanda insatisfeita em função das caracterísiticas desequilibradas do desenvolvimento econômico. Pontos de Germinação: áreas que geram demanda derivada. Nesse sentido, os pontos de estrangulamento eram setores em que seria necessário investir para que fosse possível proporcionar, de fato, o desenvolvimento. Seriam como os gargalos que existem dentro da estrutura produtiva do país. Com essa definição na cabeça, vemos que a letra correta é a alternativa (A) que afirma que esses são pontos cuja oferta não era capaz de responder rapidamente a uma elevação de demanda. Nesse quadro, merece destaque, por exemplo, a infraestrutura já debatida nas questões anteriores. Como a oferta não crescia rapidamente para responder à demanda proveniente do setor automobilístico, por exemplo, era caracterizada como um ponto de estrangulamento para o crescimento da economia! Vamos ver mais: A letra (B) é incorreta já que não se definem essas áreas como espaços cuja expansão era inviável e que deveriam ter prioridade nas importações. Como nós já vimos, era possível haver a expansão dos pontos de estrangulamento. O problema é que essa expansão deveria ser realizada pelo setor público através das políticas governamentais já que ela exigia muitos investimentos e era de prazo demorado. Além disso, veja que esses pontos não são prioridade nas importações, até porque não é possível importar estradas, concordam? As letras (C), (D) e (E), assim como a letra (B), não estão de acordo com a definição dos pontos. A letra (C) afirma que periféricos da indústria e com baixa capacidade de geração de emprego. Veja que esses pontos, por definição não são pontos periférios, muito menos com baixa capacidade de geração de empregos. Lembre sempre que quando se falar em obras públicas, estaremos falando, necessariamente, em setores de alta capacidade de geração de empregos. Em seguida, a letra (D) afirma que esses pontos são capazes de gerar grande demanda para outras atividades produtivas. Essa seria, talvez, a questão que geraria maiores dificuldades. Vamos entender porque ela está incorreta: veja que os pontos de estrangulamento não são capazes de gerar demanda para atividades. Pelo contrário, é a redução desses pontos de estrangulamento que viabiliza outras atividades produtivas. Dessa forma, a questão não pode estar correta. Finalmente, a letra (E) afirma que pontos de estrangulamento são compostos por empresas de baixos níveis de produtividade e sofisticação tecnológica, o que não tem nada a ver com a definição que nós vimos, não é? GABARITO: A 123. Novo programa econômico conhecido como PAEG, visando, entre outros objetivos, a: a) conter paulatinamente o processo inflacionário brasileiro. b) conter a entrada de investimentos externos especulativos. c) promover aumentos salariais e a redistribuição de renda no Brasil. d) reorganizar o mercado financeiro brasileiro e eliminar a correção monetária.

34 e) aumentar substancialmente o comércio externo brasileiro com os países do Mercado Comum Europeu. Vamos lá. Quando o governo militar instaurou o PAEG (Plano de Ação Econômica do Governo), tinha como objetivo reorganizar a estrutura nacional e criar um processo de redução da inflação que ficou conhecido como correção monetária. Nesse sentido, podemos dizer que a letra corrreta que responde a questão é a letra (A) que aponta a contenção da inflação como um dos objetivos da política do governo. Vamos ver porque as demais estão incorretas? A letra (B) não pode ser correta porque o governo militar não conteve a entrada de investimentos externos especulativos. Na verdade, durante o regime militar houve um aumento do fluxo de capitais estrangeiros para o Brasil, o que levou a um aumento, inclusive com o aumento da dívida externa. A letra (C) também é incorreta. E para que você compreenda porque ela é incorreta, você vai ter que lembrar de uma coisa quando ouvir falar em regimie militar: A teoria do bolo de Delfim Netto. Já ouviu falar sobre ela? A letra (D) tem uma pegadinha bem interessante: de fato, houve uma reorganização do mercado financeiro brasileiro (com a criação do Banco Central, do Conselho Monetário Nacional, etc), mas não houve a eliminação da correção monetária. De fato, nesse período, houve a criação da correção. Como nós já vimos, foi uma forma do país aprender a conviver de forma pacífica com o processo inflacionário. Finalmente, a letra (E) é falsa porque não houve um aumento substancial do comérioc externo entre o Brasil eo o Mercado Comum do Sul. Na verdade, esse Mercado Comum foi criado apenas em 1994, quando Collor estava no poder. GABARITO: A 124. Desde a década de 1940, diversos governos utilizaram o planejamento como alavanca para o desenvolvimento nacional. Indique qual dos planos abaixo foi elaborado na fase do "milagre brasileiro". a) Plano SALTE. b) I Plano Nacional de Desenvolvimento. c) Plano Plurianual d) Plano de Metas. e) Plano de Ação Econômica do Governo ( PAEG ). Essa é uma questão muito, muito, muito boa!

35 Ficou bemmm mais fácil agora, né? Assim, como a letra (A) fala do governo Dutra, e não do regime militar, essa questão não pode ser correta. Em seguida, a letra (B) fala sobre o I Plano Nacional de Desenvolvimento Econômico! Já ouviu falar sobre ele? Não, né? Pois é, existe uma razão para isso: é porque ele ficou muito mais conhecido pelo seu resultado: O milagre econômico brasileiro. Ahá! Logo, essa é a resposta correta! Só para que você entenda. Não apenas o I PND, mas o subsequente II PND (implementado já na fase final do Regime Militar pelo presidente Geisel ( )), que veremos a seguir, tiveram como objetivos o crescimento econômico através da implementação das indústrias de base e de insumos produtivos. A letra (C), como veremos logo mais, fala do governo FHC. Mas... tem aqui um detalhe: o plano Plurianual é criado não apenas por um, mas todos os governos devem ter um PPA para o seu início. Ele é um plano que dita como a política econômica deverá se comportar ao longo de terminado mandato! Logo, não faz nenhum sentido dizer que essa alternativa é a alternativa correta. A letra (D) afirma que é o Plano de Metas! Pelo que nós já vimos acima, fica claro, muito claro que não é do plano de metas que estamos falando! O plano de Metas é do governo JK, que teve, de fato, um grande ritmo de crescimento, mas nada que fosse comparado ao observado durante o milagre. Por isso, não pode ser verdadeiro. Finalmente, a letra (E) fala do PAEG, um plano criado para montar os alicerces para a verdadeira promoção do crescimento econômico, visto durante o período do milagre econômico! GABARITO: B 125. O período de foi de adaptação da economia brasileira e mundial à enorme alta dos preços do petróleo. Nesse período houve mudanças importantes, tais como: a) redução substancial dos gastos brasileiros com a importação de petróleo. b) redução das taxas de juros no mundo e no Brasil, devido à grande oferta de petrodólares pelos países exportadores de petróleo. c) aumento considerável dos deficitsem conta corrente dos países importadores de petróleo, financiados pela reciclagem dos petrodólares via sistema financeiro internacional. d) expansão econômica mundial, financiada pela reciclagem dos petrodólares promovida pelo sistema financeiro internacional. e) grande aumento das exportações brasileiras, mais do que compensando os maiores gastos com a importação de petróleo. Comentários: Quando as bancas falam sobre o período entre você tem que lembrar da primeira crise do petróleo ocorrida em Nesse período, houve um forte aumento no preço do petróleo, mas, diferentemente do que aconteceu no período anterior, os efeitos desse aumento foram suavizados através da injeção dos petrodólares: os dólares oriundos dos lucros exorbitantes gerados pela venda do petróleo. Nesse caso, a resposta correta é a letra (C). Com o aumento do preço do petróleo que é, ainda hoje, a matriz energética mundial, os países não tiveram muito o que fazer: como a troca por outra fonte de energia não ocorre rapidamente, houve um aumento nas importações de petróleo (não porque houve um aumento do volume, mas, sim, um aumento nos preços), o que levou a uma retração na conta corrente dos países importadores. Para financiar esses déficits, os países passaram a tomar empréstimos

36 externos que viriam dos próprios exportadores de petróleo. A esses dólares, chamamos de petrodólares. Vamos ver porque os demais itens são incorretos? A letra (A) é incorreta por afirmar que houve uma redução substancial dos gastos brasileiros com a importação do petróleo. Ora, pelo que acabamos de ver houve um aumento dos gastos. Aliás, lembre sempre que não é que houve um aumento do volume importado, mas um aumento nos preços que impulsionou o aumento nos gastos. A letra (B) é bastante interessante. Veja que, com o aumento do preço do petróleo, houve uma onda de inflação em todos os países importadores já que, como o petróleo estava na base de praticamente todos os tipos de produção, houve também um aumento de custos, o que ocasionou elevação dos preços dos bens finais. Observando isso, todos os governos passam a adotar uma política de taxas de juros mais altas a fim de conter o surto inflacionário via redução de consumo. Assim, não há uma redução das taxas de juros, como afirmado na alternativa, mas um aumento que tinha como objetivo reduzir o processo inflacionário. A letra (D) também é falsa. A justificativa para essa alternativa é bem simples: é impossível haver expansão mundial quando há umaumento tão grande no custo dos insumos. Logo, essa alternativa não pode ser correta. Finalmente, a letra (E) também é errada já que nós não conseguimos elevar a nossa exportação no período. Veja que não é apenas o Brasil que entra em criste, mas todos os demais países importadores da commodity. GABARITO: (C) 126. O aumento do endividamento externo brasileiro, durante os anos do milagre econômico ( ), tornou a economia do país vulnerável a eventos externos nos anos imediatamente subsequentes. Assim, o Brasil foi muito prejudicado pelo(a) a) fim da guerra do Vietnã e a consequente redução das importações americanas de petróleo. b) forte aumento dos preços do petróleo em 1973 e em c) expansão de crédito no mundo e pela redução das taxas de juros internacionais. d) mudança no padrão monetário europeu para o euro. e) mudança política nos EUA, com o impeachment do presidente Nixon. Depois do milagre o que aconteceu? Os dois choques do petróleo, que aconteceram em 1973 e 1979, pontuados na letra (B)! Esses foram oseventos mais importantes que aconteceram já na segunda fase do regime militar! GABARITO: (B) 127. Em 1984 a inflação no Brasil atingiu percentuais acima de 200% a. a.. Alguns economistas defendiam o ponto de vista de que tal situação era causada pelo chamado conflito distributivo. Segundo os proponentes desse diagnóstico, a) o conflito distributivo ocorria, fundamentalmente, entre o setor público e o setor privado, o primeiro, aumentando os impostos e o segundo, aumentando os preços. b) o conflito poderia ser resolvido através de um Pacto Social, obtido com uma plena redemocratização do país e a formação de um governo de coalisão. c) o controle rigoroso do deficitorçamentário do setor público levaria à resolução do conflito distributivo. d) os grupos sociais causadores do conflito deveriam ser contidos e excluídos do processo de redemocratização que estava ocorrendo.

37 e) apenas a dolarização da economia poderia resolver o conflito, pois os preços e os custos em dólar ficariam estáveis com a taxa de câmbio estável. Comentários: E, aqui, fica BEM CLARA a presença do pacto social nas questões. Vale aqui, para resolver, um bizu: viu pacto social no enunciado da questão, vá procurar conflito distributivo entre as alternativas. Lembre ainda que esse conflito acontece entre os empresários e empregados. Dessa forma, não tem como errar! Mas a questão acima não deixa assim, tão claro, não é mesmo! Foi de propósito isso! Como a hora de errar é agora, a letra correta é a alternativa (B). Esse pacto só poderia ser obtido através da formação de um governo de coalisão. As demais alternativas são incorretas. A letra (A) é falsa por afirmar que o conflito se dava entre o setor público e o setor privado. A letra (C) fala de um rigoroso controle do déficit orçamentário, o que veremos mais a frente, não foi verdade! A letra (D) afirma que os grupos deveriam ser excluidos do processo de redemocratização. (como excluir trabalhadores e empresários desse processo?!) Finalmente,a letra (E) afirma que apenas a dolarização pode resolver o conflito, o que nós também já vimos, não pode ser verdadeiro. GABARITO: (B) 128. Com relação à evolução do déficit público e da dívida pública no Brasil a partir da década de 80 do século passado, assinale a opção correta. a) A redução significativa do superávit primário contribuiu para elevar a dívida pública no período b) A expansão acelerada do investimento público foi o fator predominante no aumento do gasto público, ocorrido durante a recente crise mundial. c) Na década de 80 do século passado, a dívida interna líquida do setor público constituía a quase totalidade da dívida líquida total. d) No período anterior à implementação do Plano Real, somente as receitas do governo eram indexadas, e as despesas do governo, em termos reais, eram reduzidas pela hiperinflação, fato que contribuiu para diminuir o déficit operacional. e) A partir de 2003, registrou-se aumento contínuo da relação dívida-pib. Comentários: Atenção com essa questão! Ela é uma daquelas com graaannnde chance de aparecer na prova! Ao trabalho? Primeira coisa a se observar: a questão fala sobre déficit e dívida pública a partir da década de 1980 do século passado, uma combinação de assuntos que temos que saber na palma da mão para poder fazer uma boa prova! Vamos ver item por item para ver onde está o erro. Na alternativa (A), temos que A redução significativa do superávit primário contribuiu para elevar a dívida pública no período Aqui, vale uma explicação! Veja que quando se fala de 2003 até 2006, estamos falando sobre o período do primeiro governo Lula! Nesse período, se você lembrar, se recordará que o governo intensificou a sua luta na promoção do que se chamou de superávit primário (receitas do governo despesas do governo(sem considerar as despesas com taxa de juros)) para fazer frente ao pagamento da dívida externa brasileira! Então, analisando somente isso,

38 é possível notar que não há uma redução significativa do superávit primário, mas justamente o efeito contrário! Só com isso é possível dizer que a questão é falsa! Em seguida, a alternativa (B) afirma que A expansão acelerada do investimento público foi o fator predominante no aumento do gasto público, ocorrido durante a recente crise mundial. Essa crise recente a que se refere à questão é justamente a crise de 2008, iniciada no mercado imobiliário norte americano! Ora, como nós já vimos na aula passada, o aumento da presença do governo na economia não se deu via aumento do investimento público, mas, sobremaneira, na redução de impostos! IPI, lembra? Então, a questão fica incorreta justamente por identificar de forma incorreta a intervenção do governo! Compreendido? Vamos mais na frente! A letra (C) diz que Na década de 80 do século passado, a dívida interna líquida do setor público constituía a quase totalidade da dívida líquida total. Para que não fique confuso, não vamos responder essa alternativa agora. Como ela pede noções que veremos apenas na aula que vem com o professor Heber, prometo explicar o erro dela na aula de exercícios, certo? Apenas adiantando, a dívida interna líquida do setor público não constituía a totalidade da dívida líquida total, conforme dito na questão! Vamos em frente! A alternativa (D) diz que No período anterior à implementação do Plano Real, somente as receitas do governo eram indexadas, e as despesas do governo, em termos reais, eram reduzidas pela hiperinflação, fato que contribuiu para diminuir o déficit operacional. Eis aí a alternativa correta! Vamos ver as explicações para isso: no período antes do plano real, o governo implementava a seguinte política: cobrava os impostos hoje para pagar pelos serviços depois! Com isso, ele acabava ganhando um bom volume de recursos financeiros, o que acabou por reduzir o seu déficit operacional. Era como se o governo recebesse o dinheiro agora, comprasse um serviço e pagasse com um cheque pré-datado! Como a inflação era muiiiito alta, quando a pessoa ia descontar o cheque, aquele valor nominal não vale a metade do que valia quando o serviço era contratado! É o que se conheceu com Efeito Tanzi às avessas, já que o economista italiano Tanzi dizia justamente o contrário! Logo, a alternativa correta é a letra (D)! Finalmente, a letra (E) afirma que A partir de 2003, registrou-se aumento contínuo da relação dívida-pib. Essa aí, pelo que nós já vimos acima, está claramente errada, né? Basta você lembrar que a partir do governo Lula, houve uma verdadeira luta para reduzir essa relação! Entendido? GABARITO: D 129. A crise econômica mundial de 2008 afetou fortemente a indústria automobilística no Brasil, gerando acúmulo de veículos em estoque. PORQUE As vendas da indústria automobilística no Brasil foram alavancadas pelo mercado doméstico, bastante dependente de crédito. Analisando-se as afirmações acima, conclui-se que a) as duas afirmações são verdadeiras, e a segunda justifica a primeira. b) as duas afirmações são verdadeiras, e a segunda não justifica a primeira. c) a primeira afirmação é verdadeira, e a segunda é falsa. d) a primeira afirmação é falsa, e a segunda é verdadeira.

39 e) as duas afirmações são falsas. Comentários: Essa questão é, de um lado, super interessante e, do outro, super confusa. Ela é interessante porque traz os efeitos da crise de 2008 para o Brasil, mas é confusa porque o gabarito, segundo o meu ponto de vista, não é o mais adequado. Vamos analisar juntos. Na primeira parte da questão nós temos que a crise mundial fez com que houvesse uma forte redução das vendas, com grande acúmulo de automóveis nos pátios, o que é verdade. Para responder a primeira parte da questão, basta lembrar que a GM e a Volkswagen passaram por uma grande crise, dando, inclusive, férias coletivas para os seus funcionários. A segunda parte afirma que as vendas foram alavancadas pelo mercado doméstico, muito dependente do crédito. Assim como a primeira, essa informação também é correta. Com a redução do IPI dos automóveis, as pessoas voltaram a comprar carros e, como a indústria automobilística possui forte multiplicador, por possuir grandes ramificações, a economia acabou saindo da crise de forma mais rápida. Dessa forma, as duas alternativas estão corretas. O problema é que o gabarito é a letra (B), que diz que a segunda sentença justifica a primeira, o que, para mim, não faz muito sentido pois as ligações entre as duas não são claras. Pensando com muita, muita, muita calma, eu diria que a alternativa tem alguma chance de estar correta SE pensássemos no momento imediatamente posterior a deflagração da crise e anterior ao momento em que o governo toma qualquer atitude. Assim, como com a crise houve uma retração do crédito menos pessoas puderam comprar e mais carros ficaram disponíveis nos pátios. Dessa forma, por essa ótica, e só por essa, a alternativa (B), gabarito oficial, está correta. GABARITO: B 130. Uma crise financeira e econômica nos Estados Unidos, que se espalhe pelo mundo, reduz a demanda externa pelos produtos e serviços brasileiros e também diminui a entrada líquida de capital financeiro externo (ou mesmo provoca a saída líquida de capitais). Em consequência, se não houver nenhuma política compensatória pelo governo brasileiro, a curto prazo, tende a acontecer a)desvalorização do real em relação ao dólar, caso o regime cambial brasileiro seja de câmbio flutuante. b)valorização do real em relação ao dólar, caso o regime cambial brasileiro seja de câmbio fixo. c)valorização das ações das empresas brasileiras. d)forte expansão do Produto Interno Bruto ( PIB ) brasileiro, devido à maior demanda externa. e)aumento do superavit comercial do balanço de pagamentos brasileiros. Comentários: Essa questão é muito boa para resolver. Pensemos juntos. Estamos em crise, certo? vamos pensar no fluxo circular da riqueza expandido. Com os Estados Unidos em crise, o que vai acontecer? Todo mundo fica pobre do lado de lá e isso vai se refletir do lado de cá também. Vamos ver juntos todas as alternativas para verificar cada um dos pontos.

40 Para ser diferente, comecemos da última para a primeira. A letra (E) afirma que haverá um aumento do superavit comercial do balanço de pagamentos brasileiros.só para que você entenda, o superávit comercial existe quando nós, brasileiros, exportamos mais do que importamos. Mas, nós estamos exportando mais? Não! Como os Estados Unidos entraram em recessão, nós simplesmente reduzimos o nosso volume de exportaçõs. Logo, a alternativa acima é incorreta. A alternativa (D) é ainda mais clara! Ela afirma que haverá uma forte expansão do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, devido à maior demanda externa. E essa questão, de nenhuma forma, está correta. Primeiro, como nós vimos na figura do Estado de São Paulo, não houve expansão do PIB brasileiro no período. Em seguida, como nós acabamos de ver no item acima, não houve uma maior demanda externa, mas justamente o contrário, uma recessão profunda da demanda externa (isso prejudicará a Grécia mais na frente). Para responder a letra (C), trago aqui uma matéria também retirada do Estado de São Paulo: Veja que a matéria é justamente do início da crise! Então, pelo que nós estamos vendo, as ações das empresas brasileiras não estão sendo valorizadas no período imediatamente posterior a crise.

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS ANALISTA DO SEGURO SOCIAL CONHECIMENTOS BÁSICOS VOLUME I ÍNDICE Língua Portuguesa 1 Compreensão e interpretação de textos.... 1 2 Tipologia textual.... 10 3 Ortografia

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Dispõe sobre o Modelo Integrado de Gestão do Poder Executivo do Estado de Pernambuco. Faço saber que a Assembléia

Leia mais

Lei de Responsabilidade Fiscal

Lei de Responsabilidade Fiscal AOF Lei de Responsabilidade Fiscal PLANEJAMENTO Lei de Diretrizes Orçamentárias Lei Orçamentária Anual Execução Orçamentária e do Cumprimento das Metas RECEITA PÚBLICA Previsão e da Arrecadação Renúncia

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.593, DE 18 DE JANEIRO DE 2012. Mensagem de veto Institui o Plano Plurianual da União para o período de 2012 a 2015. A PRESIDENTA

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV)

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV) 1 Amigos concurseiros, Tendo em visto a iminência da realização de mais um concurso para a Secretaria de Fazenda do Estado RJ (SEFAZ/RJ), vamos analisar as questões de Administração Pública que caíram

Leia mais

Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal

Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal Gestão pública empreendedora Gustavo Justino de Oliveira* Consoante documento 1 elaborado pela Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento,

Leia mais

CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS A DISTÂNCIA- EAD PARA SERVIDORES DO TCE E JURISDICIONADOS

CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS A DISTÂNCIA- EAD PARA SERVIDORES DO TCE E JURISDICIONADOS CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS - EAD PARA SERVIDORES DO TCE E CURSOS OBJETIVO PÚBLICO-ALVO CARGA HORÁRIA N. DE VAGAS MODALIDADE 1. As Novas Normas de Contabilidade Aplicada

Leia mais

Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos.

Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos. Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos. Vamos ao nosso assunto de hoje! Lei de Diretrizes Orçamentárias LDO: A LDO é

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL PROJETO DE LEI Institui o Plano Plurianual da União para o período 2012-2015. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL Art.1 o Esta lei institui o Plano

Leia mais

PLANEJAMENTO E GESTÃO PÚBLICA. Auditor Substituto de Conselheiro Omar P. Dias

PLANEJAMENTO E GESTÃO PÚBLICA. Auditor Substituto de Conselheiro Omar P. Dias PLANEJAMENTO E GESTÃO PÚBLICA Auditor Substituto de Conselheiro Omar P. Dias A ARTE DE GOVERNAR (segundo Matus) PROJETO DE GOVERNO SABER ARTICULAR GOVERNABILIDADE GOVERNANÇA Plano de Governo: Base do Planejamento

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

Gestão Financeira da Assistência Social Aula # 1 e 2. Fernando Brandão

Gestão Financeira da Assistência Social Aula # 1 e 2. Fernando Brandão Gestão Financeira da Assistência Social Aula # 1 e 2 Fernando Brandão Apresentação do Curso Objetivos da aprendizagem; Introdução ao planejamento público (Aulas # 1 e # 2) História do orçamento público;

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DO PODER EXECUTIVO DE SANTA CATARINA

MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DO PODER EXECUTIVO DE SANTA CATARINA MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DO PODER EXECUTIVO DE SANTA CATARINA Versão 1.3 - março de 2013 Permitida a reprodução desde que citada a fonte 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 1. SOBRE O PORTAL...

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

PARTICIPAÇÃO SOCIAL NO PLANO PLURIANUAL

PARTICIPAÇÃO SOCIAL NO PLANO PLURIANUAL APRESENTAÇÃO O Plano Plurianual - PPA 2014 / 2017, intitulado BELÉM 400 ANOS, Reconstrução da Cidade rumo ao Desenvolvimento Sustentável, foi concebido tendo como balizador 04 (quatro) Dimensões Estratégicas:

Leia mais

A IMPORTANCIA DOS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO ORÇAMENTARIO PÚBLICO DO MUNICIPIO DE JACIARA-MT PARA A PARA A POPULAÇÃO NA GESTÃO 2009, 2010 E 2011.

A IMPORTANCIA DOS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO ORÇAMENTARIO PÚBLICO DO MUNICIPIO DE JACIARA-MT PARA A PARA A POPULAÇÃO NA GESTÃO 2009, 2010 E 2011. A IMPORTANCIA DOS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO ORÇAMENTARIO PÚBLICO DO MUNICIPIO DE JACIARA-MT PARA A PARA A POPULAÇÃO NA GESTÃO 2009, 2010 E 2011. RESUMO José Antônio Faustino da Costa Acadêmico de Ciências

Leia mais

Contratação de Serviços de TI. Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti

Contratação de Serviços de TI. Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti Contratação de Serviços de TI Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti O antigo modelo de contratação de serviços de TI 2 O Modelo antigo de contratação de serviços de TI Consiste na reunião de todos

Leia mais

LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009.

LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009. LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual, e dá outras providências. CIRILDE MARIA BRACIAK, Prefeita

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei estabelece princípios,

Leia mais

Governabilidade = Poder de Governo

Governabilidade = Poder de Governo 6. Governabilidade, Governança e Accountability 1. Governança 2. Controle por Resultados 3. Accountability Esta tríade reflete os princípios da Nova Gestão Pública e serviu de fundamento para o desenho

Leia mais

Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF. Selene Peres Peres Nunes

Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF. Selene Peres Peres Nunes Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF Selene Peres Peres Nunes 03/8/2015 Por que avaliação de custos no setor público? possível realocação orçamentária (uso no orçamento) onde podem ser realizados

Leia mais

AULA Nº 01: PLANEJAMENTO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PARTE I.

AULA Nº 01: PLANEJAMENTO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PARTE I. AULA Nº 01: PLANEJAMENTO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PARTE I. Caros colegas! Iniciaremos, hoje, o estudo dos principais pontos relativos aos instrumentos de planejamento da administração pública, previstos

Leia mais

José Geraldo Loureiro Rodrigues Orientador: João Souza Neto

José Geraldo Loureiro Rodrigues Orientador: João Souza Neto José Geraldo Loureiro Rodrigues Orientador: João Souza Neto Análise dos três níveis: Governança Corporativa Governança de TI Gerenciamento da Área de TI ORGANIZAÇÃO Governança Corporativa Governança

Leia mais

PROJETO LEI N 75/2015

PROJETO LEI N 75/2015 PROJETO LEI N 75/2015 Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o Exercício Financeiro de 2015 e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Ficam estabelecidas as metas,

Leia mais

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 16 A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 16 A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 16 A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL Índice 1. A lei de responsabilidade fiscal...3 2. A integração entre o planejamento e o orçamento...3 3. Execução orçamentária

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA GLOSSÁRIO A AÇÃO GOVERNAMENTAL: Conjunto de operações, cujos produtos contribuem para os objetivos do programa governamental. A ação pode ser um projeto, atividade ou operação especial. ADMINISTRAÇÃO DIRETA:

Leia mais

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo Contextualização Sumário - O Controle na Administração Pública - O Controle Externo - O Controle Interno O Controle Interno do Poder Executivo do Estado

Leia mais

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal Administração Direta Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público Direito Privado Sociedade Economia Mista Subsidiária

Leia mais

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS 1. LEGISLAÇÃO - Fundamentação Constitucional: Art. 241 da CF/88 - Fundamentação Legal: Art. 116 da Lei 8.666/93, 2. CONCEITO - CONVÊNIO - é o acordo firmado por entidades políticas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.653, DE 7 ABRIL DE 2008. Mensagem de veto Dispõe sobre o Plano Plurianual para o período 2008/2011. seguinte Lei: O PRESIDENTE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n.10, p. 1-3 em 16/01/2015 RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre as prerrogativas, as responsabilidades, a competência e a atuação da Secretaria de Controle Interno

Leia mais

GABARITO. Observações: As questões 18 e 26 foram anuladas. A questão 25 desconsiderar os percentuais digitados na questão.

GABARITO. Observações: As questões 18 e 26 foram anuladas. A questão 25 desconsiderar os percentuais digitados na questão. GABARITO Observações: As questões 18 e 26 foram anuladas. A questão 25 desconsiderar os percentuais digitados na questão. Questão 1: Sobre os princípios da administração pública, é incorreto afirmar: (a)

Leia mais

QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF

QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF 01 No momento da elaboração do projeto de lei orçamentária anual deve se atentar para algumas normas contidas nas legislações pertinentes à matéria.

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA 60 horas 4 créditos

ECONOMIA BRASILEIRA 60 horas 4 créditos EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EAD (Currículo iniciado em 2010) ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA 60 horas 4 créditos (D0100) Evolução do pensamento estratégico. Frentes de desenvolvimento

Leia mais

CONSULTA N. 809.491 EMENTA:

CONSULTA N. 809.491 EMENTA: Utilização do saldo positivo da reserva do regime próprio de previdência social para abertura de créditos adicionais suplementares. Arquivamento de notas de empenho pela administração pública CONSULTA

Leia mais

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 A Estratégia do Conselho da Justiça Federal CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 SUEST/SEG 2015 A estratégia do CJF 3 APRESENTAÇÃO O Plano Estratégico do Conselho da Justiça Federal - CJF resume

Leia mais

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Dispõe sobre a organização e a atuação do Sistema de Controle Interno no Município e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS

ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS Tribunal de Contas dos Municípios do Estado de Goiás TCE/GO Auditor de Controle Externo Área Controle Externo ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS Língua Portuguesa Ortografia oficial... 01 Acentuação

Leia mais

Seja Bem-vindo(a)! AULA 1

Seja Bem-vindo(a)! AULA 1 Seja Bem-vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Administração Pública que apareceram com mais frequência nas últimas provas. AULA 1 Estado, origens e funções Teoria Burocrática

Leia mais

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 GESPÚBLICA Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 Resultados Decisões Estratégicas Informações / Análises O PROCESSO DE GESTÃO ESTRATÉGICA Ideologia Organizacional Missão, Visão,Valores Análise do Ambiente

Leia mais

ANEXO VII FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO VII FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO VII FICHA DE INSCRIÇÃO MINISTÉRIO SUPERVISOR: Ministério da Educação ÓRGÃO/ENTIDADE: Universidade Federal de Santa Maria/RS DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL: Campus Centro de Educação da UFSM RESPONSÁVEL:

Leia mais

OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL O Regime Próprio de Previdência Social RPPS, de caráter contributivo, é o regime assegurado

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais

O Marco Regulatório do Terceiro Setor Aplicação da Lei Federal nº 13.019/2014 no âmbito dos Municípios. Apresentação

O Marco Regulatório do Terceiro Setor Aplicação da Lei Federal nº 13.019/2014 no âmbito dos Municípios. Apresentação Apresentação O terceiro setor é, hoje, grande partícipe na implementação de políticas públicas, notadamente no campo assistencial, no âmbito da Administração Pública. À ação empreendedora de organizações

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO Monitoramento e Avaliação dos Planos Municipais de Educação Caderno de Orientações (Versão Preliminar) Apresentação Um grande

Leia mais

para Estados para Municípios para os Pequenos Municípios (com menos de 50.000 habitantes) 11. Glossário

para Estados para Municípios para os Pequenos Municípios (com menos de 50.000 habitantes) 11. Glossário 1 SUMÁRIO 1. Introdução 2. O processo de planejamento 3. As receitas e a renúncia fiscal 4. As despesas e os mecanismos de compensação 5. As despesas com pessoal 6. O endividamento público 7. A transparência

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Lei Complementar 141/12. Regulamentação da EC 29/00. CT Gestão e Financiamento Março - 2012

Lei Complementar 141/12. Regulamentação da EC 29/00. CT Gestão e Financiamento Março - 2012 Lei Complementar 141/12 Regulamentação da EC 29/00 CT Gestão e Financiamento Março - 2012 Regulamenta: 1. Regulamenta o 3º do art. 198 da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a serem

Leia mais

PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014.

PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014. PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014. Dispõe sobre aprovação da Política de Segurança da Informação do IFMG. O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS, no uso

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Ética e transparência no serviço público. Professor: Sérgio Roberto Guedes Reis Período: julho de 2013.

Ética e transparência no serviço público. Professor: Sérgio Roberto Guedes Reis Período: julho de 2013. Ética e transparência no serviço público Professor: Sérgio Roberto Guedes Reis Período: julho de 2013. Controladoria-Geral da União Sérgio Roberto Guedes Reis Sergio.reis@cgu.gov.br 61 2020-6561/6564 Roteiro

Leia mais

MANUAL DE SISTEMATIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS E FISCAIS DO SETOR PÚBLICO (MSICSP)

MANUAL DE SISTEMATIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS E FISCAIS DO SETOR PÚBLICO (MSICSP) REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 15 de Novembro de 1889 MANUAL DE SISTEMATIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS E FISCAIS DO SETOR PÚBLICO (MSICSP) Regras Gerais de Estrutura e Formatação do MSICSP O primeiro

Leia mais

Organizações Sociais. Organizações Sociais (OS) e Organizações da Sociedade de Interesse Público (OSCIP) ENTES DE COOPERAÇÃO. Antes.

Organizações Sociais. Organizações Sociais (OS) e Organizações da Sociedade de Interesse Público (OSCIP) ENTES DE COOPERAÇÃO. Antes. Professor Luiz Antonio de Carvalho Organizações Sociais (OS) e Organizações da Sociedade de Interesse Público (OSCIP) lac.consultoria@gmail.com 1 Segundo o PDRAE-1995 O Projeto Organizações Sociais e Publicização

Leia mais

DECRETO Nº 54.785, DE 23 DE JANEIRO DE 2014

DECRETO Nº 54.785, DE 23 DE JANEIRO DE 2014 Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 54.785, DE 23 DE JANEIRO DE 2014 Institui a Política Municipal de Governança de Tecnologia da Informação e Comunicação - PMGTIC,

Leia mais

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 Súmula: Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno Municipal, nos termos do artigo 31 da Constituição Federal e do artigo 59 da Lei Complementar n 101/2000 e cria a

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

O recurso argumenta que a opção D também poderia ser assinalada como correta.

O recurso argumenta que a opção D também poderia ser assinalada como correta. DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO TOCANTINS CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE NÍVEL INTERMEDIÁRIO E NÍVEL SUPERIOR Analista em Gestão Especializado Administração Disciplina: Conhecimentos

Leia mais

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA Profa. Ligia Vianna Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ADMINISTRAÇÃO Num passado não muito distante, a ordem sociopolítica compreendia apenas dois setores, ou seja, um público e outro privado. Esses setores

Leia mais

Análise da Prova ADMINISTRAÇÃO GERAL E PÚBLICA

Análise da Prova ADMINISTRAÇÃO GERAL E PÚBLICA Concurso de Auditor da Receita Análise da Prova ADMINISTRAÇÃO GERAL E PÚBLICA I. A liderança, a direção e a gerência são um mesmo papel que necessariamente deve ser desempenhado pelo administrador. II.

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE LEI N. 2.031, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2008 Institui o Serviço Social de Saúde do Acre, paraestatal de direito privado, na forma que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

Ajuste Fiscal Gaúcho - Fase 2. fazer o que precisa ser feito para um rs sustentável

Ajuste Fiscal Gaúcho - Fase 2. fazer o que precisa ser feito para um rs sustentável FASE 1 Redução de secretarias Contingenciamento de CCs em 35% Reprogramação orçamentária com redução média de 21% do custeio Revisão de contratos com fornecedores Limitação de cedência de servidores Implementação

Leia mais

Contrato de Aprendizagem

Contrato de Aprendizagem COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS À FEDERAÇÃO - CCONF GERÊNCIA DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE GESTÃO FISCAL - GENOP Contrato de Aprendizagem GRUPO TÉCNICO DE PADRONIZAÇÃO DE RELATÓRIOS

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas. 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná

Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas. 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná O CONTROLE INTERNO NO BRASIL - SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO

INDICADORES DE DESEMPENHO INDICADORES DE DESEMPENHO Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. (E. Deming) Os indicadores são ferramentas

Leia mais

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral 1 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO FRENTE À LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO EXERCÍCIO DE 2012 Este relatório tem por objetivo abordar, de forma resumida, alguns aspectos

Leia mais

LEI Nº. 842, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI Nº. 842, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010. LEI Nº. 842, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010. Institui a lei geral municipal da microempresa, empresa de pequeno porte e microempreendedor individual, e dá outras providências. ORCELEI DALLA BARBA, Prefeito

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2014 (Do Senhor Pedro Paulo)

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2014 (Do Senhor Pedro Paulo) PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2014 (Do Senhor Pedro Paulo) Institui a Lei da Meritocracia, através do Planejamento Estratégico da Administração Pública Brasileira e do Sistema Nacional de Gestão de

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária (Prof. Paulo Bijos)

Administração Financeira e Orçamentária (Prof. Paulo Bijos) Administração Financeira e Orçamentária (Prof. Paulo Bijos) Aula 11 2010 Exercícios Funções de Governo (alocativa, distributiva e estabilizadora) CESPE ACE-TCU 2008. (E) A teoria de finanças públicas consagra

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SINTÉTICO 2013 2016 - REVISÃO 2014

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SINTÉTICO 2013 2016 - REVISÃO 2014 Anexo à Resolução CGM 1.143 DE 08/07/2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SINTÉTICO 2013 2016 - REVISÃO 2014 INTRODUÇÃO Este trabalho é o produto de discussões finalizados em fevereiro de 2014, junto à Comissão

Leia mais

Prof. Marcus Tomasi UDESC/ESAG

Prof. Marcus Tomasi UDESC/ESAG Prof. Marcus Tomasi UDESC/ESAG O QUE É... É a síntese do contrato firmado entre o governo e a sociedade, onde as contribuições da sociedade (receitas) são transformadas em ações do governo (despesas) para

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Analista/Técnico MPU

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Analista/Técnico MPU ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Analista/Técnico MPU 4/5 - Classificação de gastos públicos (despesas). Normas da LRF sobre despesas (1ª Parte) Sergio Karkache sekarkache@yahoo.com.br http://sergiokarkache.blogspot.com

Leia mais

Francisco Paulo Pimenta Maria Tereza de Araújo Serra

Francisco Paulo Pimenta Maria Tereza de Araújo Serra TEXTO: FINANCIAMENTO (MECANISMOS E INSTRUMENTOS) Diretrizes Orçamentárias, Plano Integrado e Orçamento Público da União, Estados, Distrito Federal e Municípios: conhecer para exigir, exigir para incluir,

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 01/13 PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS 2014/2017 Introdução: O planejamento em saúde configura-se como responsabilidade dos entes públicos, assegurada pela Constituição Federal

Leia mais

Entendendo a Legislação de Convênios

Entendendo a Legislação de Convênios PROFESSORA GIANNA LEPRE PERIM Professora Gianna Lepre Perim APRESENTAÇÃO GERAL: -DO CURSO -DA PROFESSORA -DA METODOLOGIA PROGRAMAÇÃO 1º dia Legislação Aplicável Noções Gerais sobre Convênios Condições

Leia mais

Formação dos integrantes do Conselho de Planejamento e Orçamento Participativos (CPOP)

Formação dos integrantes do Conselho de Planejamento e Orçamento Participativos (CPOP) Formação dos integrantes do Conselho de Planejamento e Orçamento Participativos (CPOP) Conceitos gerais de gestão pública: princípios e regras da administração pública, processos de licitação, contratos

Leia mais

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Assessoria Econômica - ASSEC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Brasília, maio de 2008 Roteiro Situação atual do Regime Próprio

Leia mais

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009.

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. Institui a Política de Tecnologia da Informação e Comunicação no Governo do Estado do Piauí, cria o Sistema de Governança de Tecnologia da Informação e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO GRUPO: ADMINISTRAÇÃO II DATA: HORÁRIO: NOME DO CANDIDATO: CPF: ASSINATURA: INSTRUÇÕES:

Leia mais

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Banca: SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO/RJ Edital SMA Nº 84/2010 (data da publicação: 27/09/2010) Carga horária (aulas presenciais): 126 horas

Leia mais

COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS À FEDERAÇÃO CCONF. Resultado Subgrupos PIS/PASEP

COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS À FEDERAÇÃO CCONF. Resultado Subgrupos PIS/PASEP COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS À FEDERAÇÃO CCONF Resultado Subgrupos PIS/PASEP Objetivo Definir se as contribuições ao PIS/PASEP devem ou não ser computadas na apuração do montante

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS Luís Filipe Vellozo de Sá e Eduardo Rios Auditores de Controle Externo TCEES Vitória, 21 de fevereiro de 2013 1 Planejamento Estratégico

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 1988

CONSTITUIÇÃO DE 1988 CONSTITUIÇÃO DE 1988 Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade,

Leia mais

orçamentária se realize na conformidade dos pressupostos da responsabilidade fiscal.

orçamentária se realize na conformidade dos pressupostos da responsabilidade fiscal. PORTARIA Nº O SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL, no uso das atribuições que lhe confere a Portaria nº 403, de 2 de dezembro de 2005, do Ministério da Fazenda, e Considerando o disposto no 2º do art. 50 da

Leia mais

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL 12/08/2014 Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13.019, de 31 de julho de 2014 No dia 31 de julho de 2014, foi sancionado, com

Leia mais

Prova Comentada TRT/SP Direito Previdenciário. XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-2/FCC/2014):

Prova Comentada TRT/SP Direito Previdenciário. XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-2/FCC/2014): Prova Comentada TRT/SP Direito Previdenciário XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-2/FCC/2014): 54. Uma vez criados por lei do ente federativo, vinculam-se aos regimes próprios de previdência social

Leia mais

Professor: Ednei Isidoro de Almeida Lei Orçamentária Anual LOA 4 EMESTRE DE CENCIAS CONTABEIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO-UNEMAT

Professor: Ednei Isidoro de Almeida Lei Orçamentária Anual LOA 4 EMESTRE DE CENCIAS CONTABEIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO-UNEMAT Professor: Ednei Isidoro de Almeida Lei Orçamentária Anual LOA 4 EMESTRE DE CENCIAS CONTABEIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO-UNEMAT Prezados Acadêmicos Iremos abordar os aspectos mais relevantes

Leia mais