GBOEX GRÊMIO BENEFICENTE RUA SETE DE SETEMBRO, 604 PORTO ALEGRE/RS CARTA PATENTE 056 CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GBOEX GRÊMIO BENEFICENTE RUA SETE DE SETEMBRO, 604 PORTO ALEGRE/RS CARTA PATENTE 056 CNPJ 92.872.100/0001-26 BALANÇO PATRIMONIAL"

Transcrição

1 GBOEX GRÊMIO BENEFICENTE RUA SETE DE SETEMBRO, 604 PORTO ALEGRE/RS CARTA PATENTE 056 CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 30 DE JUNHO DE 2013

2 RELATORIO DA DIRETORIA EXECUTIVA PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 Considerações Gerais. As empresas de previdência complementar aberta já movimentam em média no Brasil R$ 312 milhões ao dia (útil), alimentados por cerca de 7% da população brasileira que está no sistema de aposentadoria privado. Em pesquisa realizada pela Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (Fenaprevi), no 1º semestre deste ano, mostrou que o mercado captou receita de R$ 25,275 bilhões nos quatro meses iniciais do ano, alta de 25,6% sobre janeiro a abril de Em que pese os contratempos ocorridos no 1º semestre de 2013, notadamente no campo político, mas com reflexos no econômico, o setor de previdência de risco mostra-se extremamente promissor para uma postura mais agressiva em relação à comercialização dos produtos, com a adequada exploração da marca GBOEX e alicerçada na credibilidade e longevidade da instituição nesse mercado competitivo. A volatilidade dos índices da Bolsa de Valores de São Paulo, reflexo do cenário internacional, dificultou a obtenção da rentabilidade esperada nas aplicações financeiras. No semestre, a Bovespa acumulou perda de mais de 22% o pior resultado desde o segundo semestre de 2008, refletindo diretamente nas previsões realizadas pelo GBOEX. As tendências de expansão do mercado de previdência deverão se confirmar nos próximos anos, o que possibilitará ao GBOEX a continuação do crescimento que vem sendo registrado anualmente, devendo, contudo, estar atento às oscilações no mercado de ações que têm impactado a receita da Entidade. Destaques do primeiro semestre de 2013 O semestre teve como principais eventos a eleição do novo Conselho Deliberativo (CD), a posse da Diretoria Executiva (DE) do GBOEX e as comemorações dos cem anos da Entidade. Orientada pelo CD, a Diretoria Executiva buscou, sem se afastar dos valores centenários que norteiam a instituição, novas estratégias para fortalecer a marca GBOEX no mercado de previdência e seguro de pessoas. A gestão corporativa Business Inteligence (BI) tem se mostrado uma excelente ferramenta de apoio à decisão. Os indicadores levantados facilitam a percepção do

3 negócio como um todo, proporcionando soluções adequadas e oportunas para os problemas levantados. A reestruturação geográfica das Unidades de Negócios (UN), iniciada em 2011, teve prosseguimento nesse semestre e vem ao encontro de um dos objetivos da Entidade que é o de tornar o GBOEX mais competitivo no segmento de mercado ao qual pertence, com uma estrutura de funcionamento mais enxuta e a consequente redução de despesas administrativas. O GBOEX implementou as ações previstas no planejamento estratégico, com destaque para diversas ações de comunicação alusivas as comemorações do seu centenário, que reforçaram os seus atributos de tradição, solidez e segurança. Foi inaugurado um site exclusivo para o registro de 100 anos de história do GBOEX, bem como inaugurado o Memorial Centenário em sua Matriz. Cabe destacar, ainda, os resultados das pesquisas Marcas de Quem Decide/RS Jornal do Comércio e Top of Mind Revista Amanhã, onde continuamente o GBOEX está entre as marcas mais lembradas. Em relação a produtos, 02 novos planos foram apresentados ao mercado: GBOEX Flex Empresarial e MultiVida Premiado, com coberturas mais abrangentes e com possibilidades de sorteios para associados e corretores. Foram, ainda, realizados aperfeiçoamentos nos Portais do Corretor e do Associado, disponibilizando mais serviços para esses públicos. Desempenho Econômico-Financeiro (Conforme ANÁLISE DO BALANÇO) Visão Estratégica para 2013 Para 2013, com a posse da nova Diretoria, o GBOEX vem reavaliando seu plano de gestão, implementando ações integradas com o objetivo de melhorar o desempenho operacional, buscando melhores condições de atendimento aos seus associados e a otimização de seus recursos. O GBOEX constantemente investe em tecnologia da informação com a finalidade de melhorar, e tornar mais ágil, o processo decisório, bem como os outros inúmeros processos da entidade. A plataforma de gestão corporativa Business Inteligence (BI) se

4 consolidará como ferramenta essencial que possibilitará condições ideais para o estabelecimento de cenários e o acompanhamento dos objetivos, metas e indicadores de desempenho visualizados. O Projeto Centenário atingiu grande parte dos seus objetivos e será coroado, até o final do ano, com o lançamento de um novo site, com mais funcionalidades para seus usuários, e de uma nova Intranet à disposição dos colaboradores. No tocante à sustentabilidade socioambiental, o GBOEX pretende intensificar suas ações motivacionais e incentivar práticas sustentáveis. Recentemente, lançou o Projeto Bem-Estar para apoiar os colaboradores em atividades físicas. Continuará, mensalmente, com suas campanhas de arrecadação em benefícios de instituições carentes, além daquelas que são apoiadas com recursos financeiros. Importante ressaltar os investimentos da entidade em seus recursos humanos, por intermédio de cursos de capacitação, presencial e a distância, voltados para a área comercial e no desenvolvimento das potencialidades individuais, com programas de coaching e mentoring. Cabe, por fim, enfatizar que o GBOEX possui eficiente sistema de Controles Internos que possibilita o acompanhamento sistemático e gerencial das atividades operacionais, assegurando a lisura e transparência aos atos de administração e permitindo a identificação de quaisquer riscos que ameacem as atividades da empresa. A DIRETORIA

5 BALANÇO PATRIMONIAL GBOEX - GRÊMIO BENEFICENTE JUNHO/13 - DEZEMBRO/12 E JUNHO/12 ATIVO NE CIRCULANTE , , ,49 DISPONÍVEL , , ,47 CAIXAS E BANCOS , , ,47 APLICAÇÕES 2A , , ,28 TÍTULOS DE RENDA FIXA , , ,89 TÍTULOS DE RENDA VARIÁVEL , , ,91 QUOTAS DE FUND. DE INVESTIMENTOS , , ,28 OUTRAS APLICAÇÕES , , ,20 CRÉDITOS DAS OP. C/PREV.COMPL. 2B , , ,55 VALORES A RECEBER , , ,55 TÍTULOS E CRÉDITOS A RECEBER 2C , , ,41 TÍTULOS E CRÉDITOS A RECEBER , , ,58 ASSISTÊNCIA FINANC A PARTICIPANTES , , ,30 OUTROS CRÉDITOS , , ,53 OUTROS VALORES E BENS 2D , , ,17 BENS A VENDA 0,00 0,00 0,00 OUTROS VALORES , , ,17 EMPREST. E DEP. COMPULSÓRIOS 2E , , ,06 EMPREST. E DEP. COMPULSÓRIOS , , ,06 DESPESAS ANTECIPADAS , , ,55 OPERACIONAIS 0,00 0,00 0,00 DESP. ANTEC. NÃO RELAC. RESSEG , , ,55

6 ATIVO NÃO CIRCULANTE , , ,02 REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 3A , , ,10 APLICAÇÕES , , ,08 TÍTULOS DE RENDA FIXA , , ,57 TÍTULOS DE RENDA VARIÁVEL , , ,51 OUTRAS APLICAÇÕES 0,00 0,00 0,00 TÍTULOS E CRÉDITOS A RECEBER , , ,02 TÍTULOS E CRÉDITOS A RECEBER 0,00 0,00 0,00 DEPÓSITOS JUDICIAIS E FISCAIS 3B , , ,07 ASSISTÊNCIA FINANC A PARTICIPANTES 3C , , ,95 INVESTIMENTOS , , ,28 PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS , , ,97 IMÓVEIS DESTINADOS A RENDA , , ,94 OUTROS INVESTIMENTOS 0,00 0,00 0,00 ( - ) REDUÇÃO AO VAL. RECUPERÁVEL 0,00 0,00 0,00 ( - ) DEPRECIAÇÃO , , ,63 IMOBILIZADO 4A , , ,64 IMÓVEIS DE USO PRÓPRIO , , ,69 BENS MÓVEIS , , ,06 OUTRAS IMOBILIZAÇÕES 0,00 0,00 0,00 ( - ) DEPRECIAÇÃO , , ,11 TOTAL DO ATIVO , , ,51

7 PASSIVO NE CIRCULANTE , , ,81 CONTAS A PAGAR , , ,88 OBRIGAÇÕES A PAGAR 5A , , ,19 IMPOSTOS E ENC.SOC. A RECOLHER 5B , , ,72 EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS 5C , , ,00 IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES 5D , , ,97 DEPÓSITOS DE TERCEIROS 5E , , ,31 DEPÓSITOS DE TERCEIROS , , ,31 PROV. TÉCNICAS - PREV. COMPLEMENTAR , , ,62 PROVISÕES TÉCNICAS - PL. NÃO BLOQ. 5F , , ,62 PROVISÃO PREMIOS NÃO GANHOS , , ,16 PROVISÃO OSCILAÇÃO DE RISCOS 0,00 0,00 0,00 PROVISÃO MAT. BENEF. CONCEDIDOS , , ,44 PROVISÃO DE BENEFÍCIOS A REGUL , , ,85 PROVISÃO IBNR , , ,34 OUTRAS PROVISÕES , , ,83 PASSIVO NÃO CIRCULANTE , , ,09 CONTAS A PAGAR 0, , ,00 EMPRESTIMOS E FINANCIAMENTOS 0, , ,00 PROV. TÉCNICAS PREV. COMPLEMENTAR 6A , , ,54 PROVISÕES TÉCNICAS - PL. NÃO BLOQ , , ,54 PROVISÃO MAT.BENEF.A CONCEDER , , ,75 PROVISÃO RISCOS NÃO EXPIRADOS 0,00 0,00 0,00 PROVISÃO OSCILAÇÃO DE RISCOS 0,00 0,00 0,00 PROVISÃO MAT. BENEF. CONCEDIDOS 0,00 0,00 0,00 OUTRAS PROVISÕES TECNICAS - PCC , , ,79 OUTRAS PROVISÕES 0,00 0,00 0,00 OUTROS DÉBITOS 6B , , ,55 PROVISÕES JUDICIAIS , , ,55

8 PATR.SOC.ENTID.PREV.COMPL.S/FINS LUCRAT , , ,61 RESERVAS DE REAVALIAÇÕES 0,00 0,00 0,00 RESERVAS DE RET. E SUPERÁVITS , , ,60 RESERVAS CONTING. DE BENEFÍCIOS , , ,60 SUPERÁVITS OU DÉFICITS ACUMULADOS , , ,01 TOTAL DO PASSIVO , , ,51

9 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO GBOEX - GRÊMIO BENEFICENTE JUNHO/13 E JUNHO/12 RESULTADO EXERCÍCIO 7 NE JUNHO/13 JUNHO/12 RENDAS DE CONTRIBUIÇÕES E PREMIOS , ,57 (-) CONSTIT. DA PROV.BENEF. A CONCEDER , ,04 (=) RECEITAS DE CONTRIBUIÇÕES , ,53 (-)VARIAÇÃO DE OUTRAS PROVISÕES , ,79 BENEFÍCIOS RETIDOS , ,87 (-)CUSTO DE AQUISIÇÃO , ,51 OUTRAS REC. E DESP. OPERACIONAIS , ,80 (+)CONTRIBUIÇÕES P/COBERTURA DE RISCOS , ,68 (-)VAR. DAS PROV. TECN. DE PRÊMIOS 5.219, ,73 PRÊMIOS GANHOS/SINISTROS RETIDOS 7A , ,61 (-)CUSTO DE AQUISIÇÃO , ,85 (-)DESPESAS ADMINISTRATIVAS 7B , ,10 (-)DESPESAS DE TRIBUTOS 7C , ,74 (+)RESULTADO FINANCEIRO 7D , ,51 (+)RESULTADO PATRIMONIAL 7E , ,88 (=) RESULTADO OPERACIONAL , ,34 (+)GANHOS OU PERDAS C/ATIVOS N/CORRENTES 7F 8.609, ,46 (=) LUCRO LÍQ./PREJUIZO , ,12

10 MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO GBOEX - GRÊMIO BENEFICENTE JUNHO/13 Histórico Reserva de Superavit/ Patrimônio Reavaliação Retenção de Ajuste Deficit Total Social Superavit TVM Acumulados SALDOS ANTERIORES ,00 0, ,70 0, , ,44 AJUSTES DE EXERCÍCIOS ANTERIORES , ,71 AUMENTO/REDUÇÃO DO PATR. SOCIAL 0,00 0,00 RESERVA DE REAVALIAÇÃO 0,00 0,00 TÍTULOS E VALORES IMOBILIÁRIOS 0,00 0,00 SUPERÁVIT/DÉFICIT DO PERÍODO , ,06 PROP. PARA DESTINAÇÃO DO SUPERÁVIT 0,00 0,00 RESERVAS P/CONTING. BENEF. 0,00 SALDOS FINAIS ,00 0, ,70 0, , ,79

11 DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DIRETO GBOEX - GRÊMIO BENEFICENTE JUN/2013 E JUN/2012 JUN/13 JUN/12 Recebimentos de prêmios de seguro, contribuições de previdencia , ,57 Recuperações de sinistros e comissões Outros recebimentos operacionais (Salvados, Ressarcimentos e outros) , ,07 Pagamentos de sinistros, beneficios, resgates e comissões , ,63 Repasses de prêmios por cessão de riscos 0,00 0,00 Pagamentos de despesas com operações de seguros e resseguros 0,00 0,00 Pagamentos de despesas e obrigações , ,43 Pagamento de indenizações e despesas em processos judiciais 0,00 0,00 Outros pagamentos operacionais 0,00 0,00 Recebimentos de Juros e Dividendos 0,00 0,00 Constituição de Depósitos Judiciais , ,62 Resgates de Depósitos Judiciais , ,46 Pagamentos de Participações nos Resultados , ,42 Impostos e Contribuições Pagos: , ,93 Juros Pagos , ,17 Investimentos financeiros: , ,88 Aplicações , ,00 Vendas e resgates , , , ,44 Pagamento pela Compra de Ativo Permanente: , ,47 Investimentos 0,00 0,00 Imobilizado , ,47 Intangível 0,00 0,00 Diferido 0,00 0,00 Recebimento pela Venda de Ativo Permanente: Investimentos Imobilizado Intangível ATIVIDADES OPERACIONAIS Caixa Gerado/(Consumido) pelas Operações Caixa Líquido Gerado/(Consumido) nas Atividades Operacionais ATIVIDADES DE INVESTIMENTO Caixa Líquido Gerado/(Consumido) nas Atividades de Investimento , ,47 ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO Aumento de Capital 0,00 0,00 Distribuição de Dividendos e Juros sobre o Capital Próprio 0,00 0,00 Aquisição das próprias ações 0,00 0,00 Aquisição de Empréstimos ,00 0,00 Pagamento de Empréstimos (exceto juros) , ,00 Outros 0,00 0,00 Caixa Líquido Gerado/(Consumido) nas Atividades de Financiamento , ,00 Aumento/(Redução) Líquido(a) de Caixa e Equivalentes de Caixa Caixa e Equivalentes de Caixa no Início do Período Caixa e Equivalentes de Caixa no Final do Período , , , , , ,47 Aumento(dininuição) nas Aplicações Financeiras - Recursos Livres 0,00 0,00

12 FLUXO DE CAIXA INDIRETO - PREVIDENCIA PRIVADA GBOEX - GRÊMIO BENEFICENTE JUN/13 E JUN/12 1 ATIVIDADES OPERACIONAIS JUN/13 JUN/12 2 Lucro Liquido do Periodo , ,12 3 Ajuste para : 4 (+) Depreciações e Amortizações , ,87 5 (+/-) Perda (Reversão de perdas) por red. do valor recup. dos ativos 0,00 0,00 6 (+/-) Variação no valor justo de propriedades para investimentos 0,00 0,00 7 (+/-) Perda (Ganho) na alienação de imobilizado e intangivel 0,00 0,00 8 (+/-) Resultado de Equivalencia Patrimonial , ,48 9 (+) Despesas com Juros 0,00 0,00 10 (-) Receitas com juros 0,00 0,00 11 (+/-) Outros Ajustes , ,40 12 Variação das contas patrimoniais: 13 (+/-) Ativos Financeiros , ,26 14 (+/-) Creditos das operações de seguros e resseguros 0,00 0,00 15 (+/-) Creditos das operações de previdencia complementar 0,00 0,00 16 (+/-) Creditos das operações de capitalização 0,00 0,00 17 (+/-) Ativos de resseguro 0,00 0,00 18 (+/-) Creditos fiscais e previdenciarios 0,00 0,00 19 (+/-) Ativo fiscal diferido 0,00 0,00 20 (+/-) Depositos judiciais e fiscais , ,41 21 (+/-) Despesas antecipadas 0,00 0,00 22 (+/-) Custos de Aquisição Diferidos 0,00 0,00 23 (+/-) Outros Ativos , ,14 24 (+/-) Fornecedores , ,00 25 (+/-) Impostos e Contribuições 0,00 0,00 26 (+/-) Outras contas a pagar 0,00 0,00 27 (+/-) Debitos de operações com seguros e resseguros 0,00 0,00 28 (+/-) Débitos de operações com previdencia complementar 0,00 0,00 29 (+/-) Debitos de operações com capitalização 0,00 0,00 30 (+/-) Depositos de terceiros 0,00 0,00 31 (+/-) Provisões técnicas - seguros e resseguros 0,00 0,00 32 (+/-) Provisões técnicas - previdencia complementar , ,49 33 (+/-) Provisões técnicas - capitalização 0,00 0,00 34 (+/-) Provisões judiciais , ,72 35 (+/-) Outros passivos 0,00 0,00 36 Caixa Gerado/(consumido) nas Operações , ,65 37 (-) juros pagos 0,00 0,00 38 (+) juros recebidos 0,00 0,00 39 (+) Recebimento de dividendos e Juros sobre Capital Próprio 0,00 0,00 40 (-) Impostos sobre lucros pagos 0,00 0,00 41 Caixa Líquido gerado/(consumido) nas Atividades Operacionais , ,65 42 ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS 43 (+) Recebimento pela Venda de Ativo Permanente 0,00 0,00 44 (+) Investimentos 0,00 0,00 45 (+) Imobilizado 0,00 0,00 46 (+) Intangível 0,00 0,00 47 (+) Pagamento pela Compra de Ativo Permanente , ,71 48 (-) Investimentos 0,00 0,00 49 (-) Imobilizado , ,71 50 (-) Intangível 0,00 0,00 51 (-) Diferido 0,00 0,00 52 Caixa Líquido Gerado/(Consumido) nas Atividades de Investimento , ,71 53 ATIVIDADE DE FINANCIAMENTO 54 (+) Aumento de Capital 0,00 0,00 55 (-) Distribuição de Dividendos e juros sobre o Capital Próprio 0,00 0,00 56 (-) Aquisição das próprias ações 0,00 0,00 57 (+/-) Aquisição (pagamento) de Empréstimos 0,00 0,00 58 (+/-) Outros 0,00 0,00 59 Caixa Líquido Gerado/(Consumido) nas Ativid. de Financiamento 0,00 0,00 60 AUMENTO/(REDUÇÃO)LÍQUIDO(A) DE CAIXA E EQUIV. DE CAIXA , ,36 61 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO INÍCIO DO PERÍODO , ,68 62 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO FINAL DO PERÍODO , ,68

13 DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO- PREVIDENCIA PRIVADA GBOEX - GRÊMIO BENEFICENTE JUN/13 E JUN/12 JUN/2013 JUN/2012 RESULTADO DO PERÍODO , ,12 OUTROS RESULTADOS ABRANGENTES 0,00 0,00 DIF. CAMBIAIS DE CONVERSÃO DE OP. NO EXTERIOR 0,00 0,00 VARIAÇÃO LÍQUIDA DE HEDGE DE INVESTIMENTO LIQ. OP. EXTERIOR 0,00 0,00 PARC. EFETIVA DAS MUD. NO VAL. JUSTO DO HEDGES DE FLUXO DE CAIXA 0,00 0,00 VAR. LIQ. NO VAL. JUSTO DOS HEDGES FL. DE CAIXA TRANSF. P/ RESULTADO 0,00 0,00 VAR. LÍQ. NO VAL. JUSTO DE ATIVOS FINAN. DISP. P/ VENDA 0,00 0,00 VAR. LÍQ. VAL. JUSTO E ATIVOS FINAN. DISP. P/ VENDA TRANSF RESULTADOS 0,00 0,00 GANHOS (PERDAS) ATUARIAIS DE PL. DE BENEF. DEFINIDO 0,00 0,00 IR E C. SOCIAL S/ OUTROS RES. ABRANGENTES 0,00 0,00 OUTROS RES. ABRANG., LÍQ. DE IR E C. SOCIAL 0,00 0,00 RESULTADO ABRANGENTE TOTAL , ,12 RESULTADO ABRANGENTE ATRIBUÍVEL AOS: ACIONISTAS CONTROLADORES 0,00 0,00 ACIONISTAS NÃO CONTROLADORES 0,00 0,00 RESULTADO ABRANGENTE TOTAL , ,12

14 Balanço Patrimonial encerrado em 30 de junho de 2013 NOTAS EXPLICATIVAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NOTA 1 - Contexto Operacional, Apresentação das Demonstrações Contábeis e Principais Práticas Contábeis. O GBOEX - Grêmio Beneficente é uma Entidade de Previdência Privada Aberta, que atua no mercado de Planos Previdenciários em todo o território nacional e suas atividades são reguladas pelo Conselho Nacional de Seguros Privados - CNSP, e pela Superintendência de Seguros Privados - SUSEP. As Demonstrações Financeiras (Balanço Patrimonial em 30/06/2013, 31/12/2012 e 30/06/2012, Demonstração do Resultado do Exercício em 30/06/2013 e 30/06/2012, Mutações do Patrimônio em 30/06/2013, Fluxo de Caixa Direto em 30/06/2013 e 30/06/2012 e Fluxo de Caixa Indireto de 30/06/2013 e 30/06/2012, além da Demonstração do Valor Adicional de 30/06/2013 e 30/06/2012) foram elaboradas por normas estabelecidas pelo Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) e pela Superintendência de Seguros Privados (SUSEP) Circular SUSEP 464, de 1 de março de As despesas e receitas são contabilizadas pelo regime de competência conforme instruções emanadas pela SUSEP Superintendência de Seguros Privados. Nas demonstrações contábeis foram usados todos os pronunciamentos aprovados pelo CPCs e referendados pela SUSEP. Nestas demonstrações intermediárias foi empregado, em especial, o CPC 21. A administração do GBOEX revisa o valor contábil dos ativos de vida longa, principalmente o imobilizado a ser mantido e utilizado nas operações, com o objetivo de determinar e avaliar, sempre que eventos ou mudanças nas circunstâncias indicarem que o valor contábil de um ativo ou grupo de ativos não poderá ser recuperado. A administração, tendo em vista a legislação vigente do órgão fiscalizador, constituiu a provisão de impairment necessária. A avaliação dos modelos de risco contempla, entre outros, os seguintes aspectos: fundamentos teóricos, metodologias e premissas, adequação dos testes realizados, compatibilidade dos cálculos gerados pelo sistema de risco, integridade, abrangência e adequação da documentação. Fica a empresa comprometida com as analises dos contratos e de riscos, emissão de diretrizes sobre os limites de riscos, manuais técnicos e normas do CNSP e SUSEP, como o acompanhamento das aplicações financeiras e concessão de Assistência Financeira a Participantes baseadas em critérios pré-estabelecidos pela administração e com acompanhamento mensal. NOTA 2 Ativo Circulante É composto de Disponível, Aplicações, Créditos das Operações com Previdência Complementar, Títulos e Créditos a Receber, Outros Valores e Bens, Empréstimos e Depósitos Compulsórios e Despesas Antecipadas.

15 2A Aplicações Possui Títulos de Renda Fixa (CDB e LFT), Títulos de Renda Variável (Carteira de Ações), Quotas de Fundos e Outras Aplicações (Poupança). APLICAÇÕES A CURTO PRAZO LFT - VINC , , ,95 CARTEIRA AÇÕES - VINC , , ,91 POUPANÇA - NÃO VINC , , ,20 CDB - VINC , , ,94 BIC 0, , ,68 BVA 0,00 0, ,66 HSBC 0,00 0, ,60 BB , ,35 0,00 HSBC , ,68 0,00 FUNDOS - VINC. E NÃO VINC , , ,28 SULAMERICA - VINC , , ,89 SANTANDER - NÃO VINC , , ,99 BB - VINC , , ,91 ITAU - VINC , , ,63 SULAMERICA PGBL - VINC , , ,86 TOTAL , , ,28 2B Créditos de Operações de Previdência Complementar É formado pelos Valores a Receber de Previdência com o processo de contabilização por competência das Receitas de Planos de Previdência. VLR A REC. DE PREVIDÊNCIA , , ,88 REDUÇÃO AO VLR RECUPERAVEL , , ,33 TOTAL , , ,55

16 2C Títulos e Créditos a Receber É formado por Aluguéis a Receber, Outros Créditos a Receber, Redução ao valor recuperável, Adiantamentos Administrativos e a Funcionários e Assistência Financeira a Participantes a Curto Prazo. ALUGUEIS E ENC. A RECEBER , , ,93 REDUÇÃO AO VLR RECUP , , ,15 OUTROS CREDITOS A REBER , , ,33 ASSIST. FIN A PARTICIPANTES , , ,90 REDUÇÃO AO VLR RECUP , , ,60 CREDITO A RECEBER BVA ,05 0,00 0,00 REDUÇÃO AO VLR RECUP ,05 0,00 0,00 TOTAL , , ,41 2D Outros Valores e Bens Os valores se referem aos saldos das UNs e Representações do GBOEX Grêmio Beneficente em todo o Brasil, para atender despesas de funcionamento e localização. UNIDADES DE NEGÓCIOS- SALDOS , , ,17 2E Empréstimos e Depósitos Compulsórios Este grupo refere-se aos Depósitos de Caução de Aluguéis de nossas Unidades de Negócios no Brasil (Recife, Cruz Alta, Goiânia, Fortaleza, Vitória, Manaus, Rio de Janeiro, Campinas, Belém e São Luis). DEPÓSITO DE CAUÇÃO ALUGUÉIS , , ,06

17 NOTA 3 Ativo Não Circulante É composto do Realizável a Longo Prazo, Investimentos e Imobilizado. 3A Realizável a Longo Prazo É formado pelos subtítulos Aplicações e Títulos e Créditos a Receber. Aplicações - LFTs a longo prazo e Títulos da Justiça. A classificação dos títulos está na categoria Títulos Mantidos até o vencimento. LFT - VINCULADA ,17 0, ,57 CDB - BB - VINCULADO 0, ,08 0,00 JUST - VINCULADO , , ,51 TOTAL , , ,08 Títulos e Créditos a Receber 3B - Depósitos Judiciais PROCESSOS DE PL. PECÚLIO , , ,62 PROCESSOS TRABALHISTAS , , ,81 PROC. OUTROS DEPÓSITOS , , ,64 TOTAL , , ,07 3C Assistência Financeira a Participantes Valores referentes a vencimentos com mais de 365 dias: ASSIST. FIN A PARTICIPANTES , , ,95 4 Investimentos Os valores abaixo demonstrados referem-se a movimentação ocorrida no primeiro semestre de 2013 em relação ao primeiro semestre de DEPREC. IMÓVEIS DE RENDA , , ,60 EQUIV. PATRIMONIAL , , ,48 TOTAL , , ,08

18 4A Imobilizado As depreciações são calculadas pelo custo de aquisição. AQUISIÇÕES , , ,71 DEPREC. IMÓVEIS E BENS , , ,27 BAIXAS MOV. MAQ. UTENS , , ,90 TOTAL , , ,46 NOTA 5 Passivo Circulante Composto pelos subgrupos Contas a Pagar, Depósitos de Terceiros e Provisões Técnicas a Curto Prazo. 5A Obrigações a Pagar FORNECEDORES , , ,19 5B - Impostos e Encargos Sociais a Recolher Formado por IR Funcionários e Terceiros, Contribuições para Previdência Social e Contribuição para o FGTS, para pagamento no mês seguinte. 5C - Empréstimos e Financiamentos Empréstimo do Banco do Brasil no valor total de R$ ,00 foi realizado em 13 parcelas, sendo que a 1ª parcela foi paga em jun/13, com prazo de jun/13 a jun/14 assim o valor total do empréstimo está no Passivo Circulante. BANCO DO BRASIL , , ,00

19 5D - Impostos e Contribuições Composto por COFINS, PIS e Outros Impostos a Recolher, com pagamento do mês de jul/13. COFINS , , ,18 PIS , , ,02 OUTROS IMP. A RECOLHER , , ,77 TOTAL , , ,97 5E Depósitos de Terceiros COBRANÇA ANTEC. PRÊMIOS , , ,57 VALORES A RECLASSIFICAR , , ,74 TOTAL , , ,31

20 5F Provisões Técnicas-Previdência Complementar Curto Prazo É composto pelas Provisões de PNG, Matemática de Benefícios Concedidos, Sinistros a Regularizar, IBNR e Outras Provisões a curto prazo. As Provisões Técnicas foram constituídas de conformidade com os cálculos efetuados pela Equipe Atuarial representada pelo atuário Sr. Carlos Henrique Radanovitsck, no valor de R$ ,75 em junho de Estão garantidos por CDBs, LFTs, Fundos, Títulos da Justiça, Ações, Fundo do PGBL e Imóveis. PROVISÃO PPNG MAT. BENEF CONCED PSL IBNR SALDO INICIAL , , , ,28 ATUALIZAÇÃO 0,00 0, ,40 0,00 CONSTITUIÇÃO 1.128, , , ,44 REVERSÃO ,94 0, , ,60 SALDO FINAL , , , ,12 PROVISÃO OUTRAS PROVISÕES SALDO INICIAL ,77 ATUALIZAÇÃO 0,00 CONSTITUIÇÃO ,37 REVERSÃO ,37 SALDO FINAL ,77 NOTA 6 Passivo Não Circulante Composto pelos subgrupos, Contas a Pagar, Provisões Técnicas de Longo Prazo e Outros Débitos. 6A Provisões Técnicas Previdência Complementar Longo Prazo É composto por Provisão Matemática de Benefícios a Conceder e PCC. As Provisões Técnicas foram constituídas de conformidade com os cálculos efetuados pela Equipe Atuarial representada pelo atuário Sr. Carlos Henrique Radanovitsck, no valor de R$ ,31 em junho de Estão garantidas por CDBs, LFTs, Fundos, Títulos da Justiça, Ações, Fundo do PGBL e Imóveis.

21 MAT. BENEF PCC CONCEDER SALDO INICIAL , ,66 ATUALIZAÇÃO 0,00 0,00 CONSTITUIÇÃO , ,43 REVERSÃO 0, ,11 SALDO FINAL , ,98 6B Outros Débitos Composto por Provisões Judiciais. JUN/2013 JUN/12 PROVISÕES TRABALHISTAS , ,29 PROVISÕES CÍVEIS , ,26 TOTAL , ,55 As Ações Cíveis/Trabalhistas movidas contra o GBOEX perdidas em 1ª Instância estão assim distribuídas, referente ao 1º semestre de 2013: Quantidade 11 Natureza Trabalhista Tipo Reclamatória Ocorrência Possibilidade de perda possível. Instância 1ª Valor Reclamado: R$ ,51 Valor Provisionado: R$ ,29 Quantidade 7 Natureza Cível Tipo Pagamento de Pecúlio Ocorrência Possibilidade de perda provável Instância 1ª Valor Reclamado: R$ ,81 Valor Provisionado: R$ ,26

22 Quantidade 73 Natureza Cível Tipo Ordinária Revisão de Juros/Outros Ocorrência Possibilidade de perda possível Instância 1ª Valor Reclamado: R$ ,20 Valor Provisionado: R$ ,26 Quantidade 13 Natureza Cível Tipo Ordinária Revisão de Juros/Outros Ocorrência Possibilidade de perda provável Instância 1ª Valor Reclamado: R$ ,92 Valor Provisionado: R$ ,86 Quantidade 29 Natureza Cível Tipo Pagamento de Pecúlio Ocorrência Possibilidade de perda possível Instância 1ª Valor Reclamado: R$ ,53 Valor Provisionado: R$ ,46 NOTA 7 Resultado do Exercício É composto pelas Receitas e Despesas Operacionais e Não Operacionais dos Exercícios findos. 7A - Prêmios Ganhos/Sinistros Retidos JUN/13 JUN/12 DESPESAS COM BENEFÍCIOS , ,61 IBNR ,84 0,00 TOTAL , ,61

GBOEX GRÊMIO BENEFICENTE RUA SETE DE SETEMBRO, 604 PORTO ALEGRE/RS CARTA PATENTE 056 CNPJ 92.872.100/0001-26 BALANÇO PATRIMONIAL

GBOEX GRÊMIO BENEFICENTE RUA SETE DE SETEMBRO, 604 PORTO ALEGRE/RS CARTA PATENTE 056 CNPJ 92.872.100/0001-26 BALANÇO PATRIMONIAL GBOEX GRÊMIO BENEFICENTE RUA SETE DE SETEMBRO, 604 PORTO ALEGRE/RS CARTA PATENTE 056 CNPJ 92.872.100/0001-26 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 30 DE JUNHO DE 2012 NOVA VERSÃO C/ EQUIVALENCIA ACERTADA DA

Leia mais

CIA DE SEGUROS RUA SETE DE SETEMBRO, 604 PORTO ALEGRE/RS-BRASIL CNPJ

CIA DE SEGUROS RUA SETE DE SETEMBRO, 604 PORTO ALEGRE/RS-BRASIL CNPJ GRUPO GBOEX GBOEX GRÊMIO BENEFICENTE e CONFIANÇA CIA DE SEGUROS RUA SETE DE SETEMBRO, 604 PORTO ALEGRE/RS-BRASIL CNPJ 92.872.100/0001-26 Controladora GBOEX GREMIO BENEFICENTE CNPJ 33.054.883/0001-71 Controlada

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras 1 ATIVO 1.01 CIRCULANTE 1.01.01 DISPONÍVEL 1.01.01.01 Caixa 1.01.01.02 Valores em Trânsito 1.01.01.03 Bancos Conta Depósitos 1.01.01.04 Aplicações no Mercado Aberto 1.01.02 APLICAÇÕES 1.01.02.01 Títulos

Leia mais

CIA DE SEGUROS RUA SETE DE SETEMBRO, 604 PORTO ALEGRE/RS-BRASIL CNPJ

CIA DE SEGUROS RUA SETE DE SETEMBRO, 604 PORTO ALEGRE/RS-BRASIL CNPJ GRUPO GBOEX GBOEX GRÊMIO BENEFICENTE e CONFIANÇA CIA DE SEGUROS RUA SETE DE SETEMBRO, 604 PORTO ALEGRE/RS-BRASIL CNPJ 92.872.100/0001-26 Controladora GBOEX GREMIO BENEFICENTE CNPJ 33.054.883/0001-71 Controlada

Leia mais

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES Ilmos. Srs. Diretores e Acionistas de BVA Seguros S/A Rio de Janeiro - RJ RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Examinamos as demonstrações financeiras individuais

Leia mais

FAMILIA BANDEIRANTE PREVIDÊNCIA PRIVADA CNPJ No. 62.874.219/0001-77 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 30 DE JUNHO DE 2011.

FAMILIA BANDEIRANTE PREVIDÊNCIA PRIVADA CNPJ No. 62.874.219/0001-77 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 30 DE JUNHO DE 2011. FAMILIA BANDEIRANTE PREVIDÊNCIA PRIVADA CNPJ No. 62.874.219/0001-77 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 30 DE JUNHO DE 2011. 1 - APRESENTAÇÃO E COMPOSIÇÃO SOCIAL: A Família Bandeirante Previdência

Leia mais

CIA DE SEGUROS RUA SETE DE SETEMBRO, 604 PORTO ALEGRE/RS-BRASIL CNPJ

CIA DE SEGUROS RUA SETE DE SETEMBRO, 604 PORTO ALEGRE/RS-BRASIL CNPJ GRUPO GBOEX GBOEX GRÊMIO BENEFICENTE e CONFIANÇA CIA DE SEGUROS RUA SETE DE SETEMBRO, 604 PORTO ALEGRE/RS-BRASIL CNPJ 92.872.100/0001-26 Controladora GBOEX GREMIO BENEFICENTE CNPJ 33.054.883/0001-71 Controlada

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014.

Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014. Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014. Relatório da Administração Senhores Acionistas, Em cumprimento as disposições legais e estatutárias, submetemos

Leia mais

AUXILIADORA PREVIDENCIA CARTA PATENTE N.º 061 CÓDIGO SUSEP 1097/9 CNPJ N.º 17.188.350/0001-26 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

AUXILIADORA PREVIDENCIA CARTA PATENTE N.º 061 CÓDIGO SUSEP 1097/9 CNPJ N.º 17.188.350/0001-26 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO AUXILIADORA PREVIDENCIA CARTA PATENTE N.º 061 CÓDIGO SUSEP 1097/9 CNPJ N.º 17.188.350/0001-26 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO A Diretoria da Auxiliadora Previdência vem submeter ao exame e apreciação do Conselho

Leia mais

Demonstrações Financeiras. Confederação Brasileira de Remo. em 31 de dezembro de 2012. Com relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras. Confederação Brasileira de Remo. em 31 de dezembro de 2012. Com relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Confederação Brasileira de Remo em 31 de dezembro de 2012. Com relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras ÍNDICE I. Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

CNPJ: 17.543.402/0001-35 DEMONSTRAÇÃO DA MUTAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO

CNPJ: 17.543.402/0001-35 DEMONSTRAÇÃO DA MUTAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Rio de Janeiro, 13 de Maio de 2015. DT-P 15-022. CONTÉM: PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DEMONSTRAÇÃO DA MUTAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO DEMONSTRAÇÃO DE

Leia mais

Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 94331 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados 6 Demonstrações das mutações do patrimônio social 7 Demonstrações

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.)

Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.) Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2013 e Relatório dos Auditores

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO. Senhores Acionistas,

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO. Senhores Acionistas, RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em atenção às disposições legais e estatutárias, submetemos a apreciação de V.Sas. o relatório da Administração e as Demonstrações Contábeis, relativas ao

Leia mais

UPOFA UNIÃO PREVIDENCIAL CNPJ. Nº 76.678.101/0001-88 Sede: Rua Emiliano Perneta, 10 9º andar Curitiba/PR Fone (41) 3224-6734 Fax (41) 3223-4223

UPOFA UNIÃO PREVIDENCIAL CNPJ. Nº 76.678.101/0001-88 Sede: Rua Emiliano Perneta, 10 9º andar Curitiba/PR Fone (41) 3224-6734 Fax (41) 3223-4223 UPOFA UNIÃO PREVIDENCIAL CNPJ. Nº 76.678.101/0001-88 Sede: Rua Emiliano Perneta, 10 9º andar Curitiba/PR Fone (41) 3224-6734 Fax (41) 3223-4223 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Cumprindo determinações legais

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011

Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011 Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011 Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações

Leia mais

ANEXO - CAPÍTULO III - Modelo de Publicação BALANÇO PATRIMONIAL - ATIVO

ANEXO - CAPÍTULO III - Modelo de Publicação BALANÇO PATRIMONIAL - ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL - ATIVO 200Y 200X ATIVO Contas ATIVO CIRCULANTE 12 Disponível 121 Realizável 122+123+124+125+126+127+128+129 Aplicações Financeiras 122 Aplicações Vinculadas a Provisões Técnicas 1221

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

MOGI MIRIM ESPORTE CLUBE

MOGI MIRIM ESPORTE CLUBE MOGI MIRIM ESPORTE CLUBE Relatório de Auditoria das Demonstrações Financeiras do exercício findo em 31 de Dezembro de 2014. LAM AUDITORES INDEPENDENTES Abril / 2015 Campinas, 22 de Abril de 2015. À Diretoria

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Associação Guemach Lar da Esperança. Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2010 e 2009

Associação Guemach Lar da Esperança. Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis 3-4 Balanços

Leia mais

Federal Vida e Previdência S. A. Demonstrações contábeis Intermediárias Em 30 de junho de 2012

Federal Vida e Previdência S. A. Demonstrações contábeis Intermediárias Em 30 de junho de 2012 Federal Vida e Previdência S. A. Demonstrações contábeis Intermediárias Em 30 de junho de 2012 2 Federal Vida e Previdência S. A. Demonstrações contábeis Intermediárias em 30 de junho de 2012 Conteúdo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO Demonstrações Contábeis Em 31

Leia mais

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006.

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. São Paulo, 28 de fevereiro de 2007 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

Instituto Lina Galvani

Instituto Lina Galvani Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Passivo e patrimônio social 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Acionistas HTL

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

SIMULA Re APLICAÇÃO DE SIMULADOR PARA AVALIAÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA RESSEGURADORA LOCAL

SIMULA Re APLICAÇÃO DE SIMULADOR PARA AVALIAÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA RESSEGURADORA LOCAL SIMULA Re APLICAÇÃO DE SIMULADOR PARA AVALIAÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA RESSEGURADORA LOCAL Simulação para avaliação da viabilidade econômica e retorno do capital investido para a implantação de Resseguradora

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 162, DE 2006. Institui regras e procedimentos para a constituição das provisões técnicas das sociedades seguradoras, entidades

Leia mais

Release de Resultado 3T08

Release de Resultado 3T08 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$75,0 MILHÕES OU R$0,33 POR AÇÃO NO E R$211,6 MILHÕES OU R$0,92 POR AÇÃO NO 9M08. São Paulo, 7 de Novembro de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 e 2009. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 e 2009. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 e 2009 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Leia mais

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 31 de dezembro de 2012 Índice Página Relatório dos auditores

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

R&R AUDITORIA E CONSULTORIA Luiz Carlos Rodrigues e Rodriguez Diretor

R&R AUDITORIA E CONSULTORIA Luiz Carlos Rodrigues e Rodriguez Diretor Belo Horizonte, 20 de abril de 2015 Ilmos. Srs. Diretores do BH-TEC Belo Horizonte MG Prezados Senhores, Anexamos à presente, nosso relatório da auditoria externa dos procedimentos contábeis e financeiros

Leia mais

BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008)

BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008) BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008) As Demonstrações Financeiras de 2007 do Berj foram publicadas no dia 22 de agosto de 2008, após serem auditadas PricewatershouseCoopers Auditores Independentes.

Leia mais

AMAL PREVIDÊNCIA PECÚLIO ABRAHAM LINCOLN AMAL CARTA PATENTE SUSEP Nº. 093 CNPJ 33.767.492/0001-02 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

AMAL PREVIDÊNCIA PECÚLIO ABRAHAM LINCOLN AMAL CARTA PATENTE SUSEP Nº. 093 CNPJ 33.767.492/0001-02 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO AMAL PREVIDÊNCIA PECÚLIO ABRAHAM LINCOLN AMAL CARTA PATENTE SUSEP Nº. 093 CNPJ 33.767.492/0001-02 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Prezado Cooperado, Em 2012 a economia brasileira apresentou forte desaceleração, tendo uma das mais baixas taxas de crescimento da América Latina, inferior até as pessimistas

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2015 - SUL AMERICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2015 - SUL AMERICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL

ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) MÊS 1 MÊS 2 MÊS 3 MÊS N ATIVO ATIVO CIRCULANTE Disponível Aplicações Aplicações Vinculadas a Provisões Técnicas Aplicações

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 10º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA PROFISSIONAL

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES. Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES. Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL Auditores Independentes S/S PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL 1. Examinamos os balanços patrimoniais

Leia mais

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades.

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Apresentamos as Demonstrações Financeiras da Mehir Holdings S.A. referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2004 e as respectivas Notas

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras consolidadas 7. Demonstrações de resultado abrangente 11

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras consolidadas 7. Demonstrações de resultado abrangente 11 Demonstrações Financeiras Consolidadas em 31 de Dezembro de 2011 e 2010 Demonstrações financeiras consolidadas Conteúdo Relatório da diretoria 3 Parecer avaliação atuarial 5 Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Tabela de Fatos - DCA 2014

Tabela de Fatos - DCA 2014 Tabela de Fatos - DCA 2014 Element siconfi-cor:p1.0.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.1.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.2.00.00

Leia mais

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011.

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011. Notas explicativas às Demonstrações Contábeis do Exercício Findo em 31 de dezembro de. (Valores expressos em Reais) 1. Contexto Operacional A Caixa de Assistência Oswaldo Cruz FIOSAÚDE, pessoa jurídica

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Esta norma estabelece critérios e procedimentos específicos para estruturação das demonstrações

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42 DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial Ativo - Ativo - 1.0.0.0.0.00.00 - Ativo 96.744.139,42 1.1.0.0.0.00.00 - Ativo Circulante 24.681.244,01 1.1.1.0.0.00.00 -

Leia mais

Conta Descrição (em R$ mil) 31/03/2011 31/12/2010. 1 Ativo Total 13.623.774 13.422.948. 1.01 Ativo Circulante 1.403.533 1.180.328

Conta Descrição (em R$ mil) 31/03/2011 31/12/2010. 1 Ativo Total 13.623.774 13.422.948. 1.01 Ativo Circulante 1.403.533 1.180.328 Conta Descrição (em R$ mil) /0/0 //00 Ativo Total.6.77..98.0 Ativo Circulante.0.5.80.8.0.0 Caixa e Equivalentes de Caixa 69.7 8.657.0.0.0 Bens Numerários.0 05.0.0.0 Depósitos Bancários.07.57.0.0.0 Aplicações

Leia mais

Graal Investimentos S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 (em fase pré-operacional)

Graal Investimentos S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 (em fase pré-operacional) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 (em fase pré-operacional) Demonstrações financeiras Período de 10 de agosto de 2011 (data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2011 (em

Leia mais

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 em 31 de dezembro de 2013 e 2012. em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de superávit

Leia mais

BB Capitalização S.A.

BB Capitalização S.A. BB Capitalização S.A. CNPJ 07.681.872/0001-01 Demonstrações Contábeis Intermediárias Semestre findo em 30.06.2014 Contadoria Gesub - Gerência de Subsidiárias Subsi V - Divisão de Subsidiárias V RELATÓRIO

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL RESUMO

RELATÓRIO ANUAL RESUMO RELATÓRIO ANUAL RESUMO 2014 ÍNDICE Despesas Previdenciais e de Investimentos...3 Rentabilidade dos Perfi s de Investimento...3 Investimentos...3 Número de Participantes...4 Resumo do Resultado Atuarial...4

Leia mais

Período de 01 de janeiro a 06 de outubro de 2011 (data de extinção do Fundo) com Relatório dos Auditores Independentes

Período de 01 de janeiro a 06 de outubro de 2011 (data de extinção do Fundo) com Relatório dos Auditores Independentes Demonstração da Evolução do Patrimônio Líquido CSHG Realty BC Fundo de Investimento em Participações (Administrado pela Credit Suisse Hedging-Griffo Corretora de Valores S/A) Período de 01 de janeiro a

Leia mais

Relatório da diretoria 3 Parecer de avaliação atuarial 5 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras consolidadas 7

Relatório da diretoria 3 Parecer de avaliação atuarial 5 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras consolidadas 7 Demonstrações Financeiras Consolidadas em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 Demonstrações financeiras consolidadas Conteúdo Relatório da diretoria 3 Parecer de avaliação atuarial 5 Relatório dos auditores

Leia mais

REFORMULAÇÃO DO PLANO DE CONTAS DAS SOCIEDADES SEGURADORAS

REFORMULAÇÃO DO PLANO DE CONTAS DAS SOCIEDADES SEGURADORAS REFORMULAÇÃO DO PLANO DE CONTAS DAS SOCIEDADES SEGURADORAS 1. OBJETIVO A presente reformulação do Plano Contábil das Sociedades Seguradoras tem por finalidade uniformizar os registros contábeis, racionalizar

Leia mais

O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008

O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008 O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008 Pronunciamento CPC 013 Adoção Inicial da Lei nº 11.638/07 e da Medida Provisória no 449/08 Antônio Carlos Palácios Vice-Presidente

Leia mais

Normas Contábeis Orientações da SUSEP ao Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta, Capitalização e Resseguro

Normas Contábeis Orientações da SUSEP ao Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta, Capitalização e Resseguro Normas Contábeis Orientações da SUSEP ao Previdência Complementar Aberta, Capitalização e Resseguro julho/2013 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1. Área Responsável... 2 1.2. Base Legal... 2 1.3. Abrangência...

Leia mais

ESPORTE CLUBE JUVENTUDE. Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras. 31 de dezembro de 2013 e 2012

ESPORTE CLUBE JUVENTUDE. Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras. 31 de dezembro de 2013 e 2012 ESPORTE CLUBE JUVENTUDE Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras 31 de dezembro de 2013 e 2012 Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Aos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Diretores, Conselheiros e Associados da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA MONTE AZUL SÃO PAULO SP 1. Examinamos o Balanço Patrimonial da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA MONTE AZUL,

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

Institui regras e procedimentos para o cálculo do patrimônio líquido ajustado exigido das sociedades supervisionadas.

Institui regras e procedimentos para o cálculo do patrimônio líquido ajustado exigido das sociedades supervisionadas. Quadro comparativo entre Resolução CNSP 085/02 e a Minuta de Resolução, com as alterações propostas Resolução 085/2002 Minuta de Resolução Minuta de Resolução Dispõe sobre o Patrimônio Líquido Ajustado

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM

Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras auditadas

Leia mais

RELATÓRIO DA DIRETORIA

RELATÓRIO DA DIRETORIA RELATÓRIO DA DIRETORIA Senhores Participantes, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias vigentes, submetemos a apreciação de V.Sas. às demonstrações contábeis intermediárias relativas ao semestre

Leia mais

CNPJ: 04.839.572/0001-00

CNPJ: 04.839.572/0001-00 Rio de Janeiro, 29 de Junho de 2012. DT-P 12/018. CNPJ: 04.839.572/0001-00 CONTÉM: PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO NOTAS EXPLICATIVAS Tel: (21) 2263-5189

Leia mais

Circular Susep nº 483/14 Principais mudanças na norma contábil. 1º de abril de 2014 SUSEP/DITEC/CGSOA/COASO

Circular Susep nº 483/14 Principais mudanças na norma contábil. 1º de abril de 2014 SUSEP/DITEC/CGSOA/COASO 1 Circular Susep nº 483/14 Principais mudanças na norma contábil 1º de abril de 2014 Roteiro 2 Alterações na Norma Contábil Principais justificativas para as alterações na norma contábil Alterações promovidas

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO FRATERNAL PELICANO CNPJ Nº 05.439.594/0001-55 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$)

ASSOCIAÇÃO FRATERNAL PELICANO CNPJ Nº 05.439.594/0001-55 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$) BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$) ATIVO 2012 2011 PASSIVO E PATRIMONIO SOCIAL 2012 2011 CIRCULANTE 41.213,54 37.485,00 CIRCULANTE 12.247,91 11.914,91 EQUIVALENCIA DE

Leia mais

[Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo. 1.1.1.1.2.00.00 - Caixa e Equivalentes de Caixa em Moeda Nacional - Intra OFSS

[Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo. 1.1.1.1.2.00.00 - Caixa e Equivalentes de Caixa em Moeda Nacional - Intra OFSS [Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Qname siconfi-dca-anexo1abhi : BalancoPatrimonialAbstract siconfi-dca-anexo1abhi : AtivoAbstract siconfi-dca-anexo1abhi : AtivoLineItems siconfi-cor :

Leia mais

BVA SEGUROS S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS SEMESTRES FINDOS EM 30 DE JUNHO DE 2012 E 2011 ACOMPANHADAS DO RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES

BVA SEGUROS S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS SEMESTRES FINDOS EM 30 DE JUNHO DE 2012 E 2011 ACOMPANHADAS DO RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES BVA SEGUROS S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS SEMESTRES FINDOS EM 30 DE JUNHO DE 2012 E 2011 ACOMPANHADAS DO RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES BVA SEGUROS S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS SEMESTRES

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) ATIVO Nota Explicativa CIRCULANTE 39.755 68.651 Disponibilidades 522 542 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 13.018 27.570 Relações Interdependências 6-1.733 Operações

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 19.098 15.444 Disponibilidades 98 90 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 13.053 9.797 Operações de Crédito 6 5.760 5.518 Outros

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 KPMG Assurance Services Ltda. Agosto de 2012 KPDS 41367 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Conteúdo Relatório dos auditores

Leia mais

5 Análise do Balanço Patrimonial

5 Análise do Balanço Patrimonial 5 Análise do Balanço Patrimonial Essa análise tem por finalidade confrontar os dados e valores que constituem o Balanço Patrimonial correspondente ao exercício de 2002, com os do mesmo período de 2001,

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO Explicativas CIRCULANTE 63.224 47.422 Disponibilidades 423 429 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 31.991 23.380 Relações Interdependências

Leia mais

DILLON S.A. DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. CNPJ -33.851.064/0001-55

DILLON S.A. DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. CNPJ -33.851.064/0001-55 DILLON S.A. DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. BALANÇO PATRIMONIAL FINDO EM 31/12/2011 E 2010 EM R$ Mil A T I V O 31/12/2011 31/12/2010 ATIVO CIRCULANTE 2.888 3.606 DISPONIBILIDADE 1.105 1.213

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 7 Demonstração

Leia mais

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010 Normas Internacionais de Supervisão 8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária Rio de Janeiro Agosto - 2010 Sumário: 1. Solvência II 2. International Association of Insurance Supervisors IAIS 3.

Leia mais

Pro-Bem Assessoria e Gestão Criança

Pro-Bem Assessoria e Gestão Criança Pro-Bem Assessoria e Gestão Criança Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Exercício findo em 31 de dezembro de 2014 (Em Reais) 1 CONTEXTO OPERACIONAL A Pró-Bem é pessoa jurídica de direito privado,

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais