Presidente: Sami Arap Sobrinho Vice Presidente: Werner Grau Neto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Presidente: Sami Arap Sobrinho Vice Presidente: Werner Grau Neto"

Transcrição

1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2010 Confederação Brasileira de Rugby ( CBRu ) Presidente: Sami Arap Sobrinho Vice Presidente: Werner Grau Neto Diretor eo Esportivo: o Antonio omartoni Diretor de Desenvolvimento: Moacir Feldenheimer Diretor de Arbitragem: Xavier Torres Vouga Diretor Financeiro: i Fernando Mirandez Del Nero Gomes Diretor Administrativo: Klaus Kisslieng 1

2 Mensagem da Administração Este Plano Estratégico 2010 representa nosso entendimento acerca do desenvolvimento, da prática edaadministração do rugby no País. Visamos, através da união da experiência dos diretores, gerentes e colaboradores da CBRu, traçar metas de curto, médio e longo prazos, visando alcançar a prática do esporte mais seguro, com melhor qualidade, substancial divulgação, maior quantidade de pessoas envolvidas (árbitros, treinadores, jogadores e dirigentes), transparência de informações, resgate de ex-jogadores de seleção brasileira, captação de recursos financeiros através de patrocínios, voluntários e repasses governamentais, dentre outros elementos não menos importantes. Em 2010, concentraremos esforços em questões emergenciais, visando cumprir metas de desenvolvimento pactuadas em 2009 com o irb, reorganizar a administração da CBRu, operacionalizar o STJD, desenvolver ferramentas eficazes e eficientes de comunicação, contratar agentes de marketing esportivo, implementar um programa de captação de recursos financeiros, inserção de seleções permanentes de Sevens no programa olímpico brasileiro e apresentação de proposta para candidatura do RWC Sevens

3 Mensagem da Administração Entendemos que, para que a CBRu possa desenvolver um trabalho de desenvolvimento minimamente aceitável visando tornar-se internacionalmente competitivo (top 20), é necessário a captação de substanciais recursos, ora estimados em R$4.6 milhões/ano. A realidade da CBRu limita-se a aproximadamente R$30 mil, valor oriundo da inscrição de clubes e atletas perante a entidade. Contaremos, em 2010, com o apoio do irb equivalente a aproximadamente R$140 mil, valor que deve ser destinado exclusivamente ao desenvolvimento do rugby no País (árbitros e treinadores). Trabalharemos ativamente, inclusive junto ao GRAB, para obter apoios e patrocínios, todavia, a obtenção de tais apoios e recursos é incerta. Em 2010, a administração da CBRu buscará atingir o compromisso de captar apoios e compromissos equivalentes a no mínimo R$140 mil, alocando R$1,00 para cada R$1,00 que o irb nos destine. Estimamos que o custo mínimo de desenvolvimento do esporte no Brasil para 2010 situa-sese em R$700 mil, motivo pelo qual teremos um complexo e complicado trabalho para captação destes recursos perante entidades governamentais e a iniciativa privada. 3

4 Visão: Promover o desenvolvimento sustentável, o crescimento planejado e a melhoria da qualidade, com segurança, do rugby no Brasil. Missão: Capacitar e desenvolver dirigentes, árbitros e treinadores para educarem os atletas, visando o crescimento, com qualidade, do rugby praticado em todos clubes e federações do País. Valores: Respeito Liderança Trabalho em Equipe Transparência Governança Corporativa Responsabilidade Integridade Comunicação 4

5 Pontos Fortes: Apoio do irb, COB, autoridades governamentais, comunidades locais e GRAB Inserção em ambos Jogos Panamericanos (Guadalajara-2011 e Toronto-2015) e Olímpicos (Rio-2016) Inclusão do esporte como fator educacional Oportunidades: Carência de informação e divulgação na mídia Volume substancial de jovens interessados na prática do esporte Pontos Fracos: Dimensão continental do País. Ausência de recursos financeiros e patrocínios Falta de material educativo no idioma Português Ameaças: Resultados de médio e longo prazo. Falta de pessoas capacitadas 5

6 Organograma Administração Presidente Vice Presidente Comunicação e Marketing Diretor Administrativo Diretor Financeiro Diretor Esportivo Diretor de Desenvolvimento Diretor de Arbitragem Secretaria Geral Campeonatos Seleções Desenvolvimento Regional Desenvolvimento Regional

7 Organograma Comissão Disciplinar Jairo Pastorelli Marcelo Averbach Timothy Baines Cesar Alves Bernard Higgins Waldo Hoffmann Aubrey Friedman

8 Organograma S.T.J.D. Presidente Procurador Secretário CBRu Fed. Est. OAB OAB Árbitros Atletas

9 Objetivo 1: Diretoria de Desenvolvimento Desenvolvimento e implementação de programa nacional de cursos irb (arbitragem 1 e 2; coaching 1 e 2; coaching de sevens 1 e 2) de formação para educação, treinamento, desenvolvimento e acompanhamento para clubes (a partir de 01/01/2012, em parceria com Federações Estaduais). Tradução de material didático (arbitragem 1 e 2; coaching 1 e 2; coaching de sevens 1 e 2), elaboração de calendário de eventos, realização de cursos; Monitoramento e gerenciamento destas atividades para apresentação de resultados para ambos CBRu e irb. 9

10 Diretoria de Desenvolvimento Objetivo 2: Fomentar a criação de clubes e Federações Estaduais através do desenvolvimento de material de apoio (modelos), realização de workshops de planejamento estratégico, e discussão de exemplos de sucesso do desenvolvimento do rugby no Brasil. Desenvolvimento de modelos de estatuto, Gestão Orçamentária e arquivo de documentação para clubes e Federações Estaduais; Divulgação de forma apropriada de filiação clubes-federação Estadual e Federação Estadual-CBRu; Realização de workshops de planejamento estratégico para clubes e Federações Estaduais; Compilação das Leis de Incentivo ao Esporte; Criação de fórum anual de debate de clubes e Federações Estaduais; Monitoramento e gerenciamento destas atividades para apresentação de resultados para ambos CBRu e irb. 10

11 Diretoria de Desenvolvimento Objetivo 3: Desenvolvimento e implementação de programa de comunicação eficaz e eficiente com a comunidade do rugby e com a imprensa esportiva. Criação de canais eficientes e eficazes de comunicação com a comunidade do rugby; Utilização do website da CBRu como ferramenta de trabalho e meio de comunicação oficial da prática e desenvolvimento do esporte no País; Desenvolvimento de newsletters para veículos de comunicação, clubes, Federações Estaduais, jornalistas e torcedores; Implementação de cadastro de jornalistas esportivos; Criação do Prêmio Imprensa de Rugby; Monitoramento e gerenciamento destas atividades para apresentação de resultados para ambos CBRu e irb. 11

12 Diretoria de Desenvolvimento Objetivo 4: Implementação da divulgação dos princípios, ética e valores do esporte em âmbito nacional. Desenvolvimento de material e metodologia de abordagem de instituições tais como clubes, escolas, instituições militares, órgãos governamentais,ong s, faculdades de esportes e educação física, visando difundir e arregimentar apoios, árbitros, treinadores, atletas e dirigentes. Mapeamento de instituições e implementação de visitas; Monitoramento e gerenciamento destas atividades para apresentação de resultados para ambos CBRu e irb. 12

13 Diretoria de Arbitragem Objetivo 1: Detalhar o panorama atual da arbitragem de rugby no País. Realização de censo da arbitragem (quem são, onde estão, e em que nível de arbitragem se encontram), criando formulário de cadastro, recolhendo e compilando informações, criando banco de dados e consolidando relatório de diretoria. Monitorar e gerenciar estas ações para apresentar os resultados à Diretoria da CBRu. Estudo sobre as carências da arbitragem nacional; Seleção de árbitros com idade d entre 20 e 28 anos com potencial de desenvolvimento para alta performance. 13

14 Diretoria de Arbitragem Objetivo 2: Fomentar o intercâmbio de arbitragem com os demais países sulamericanos, propiciando aos árbitros brasileiros a participação como bandeirinhas e/ou árbitros em jogos no exterior, contando com avaliação e coaching local. Implementação de programa de clínicas com a participação de árbitros estrangeiros; Discussão e criação de programa de intercâmbio de árbitros com membros da CONSUR. 14

15 Diretoria de Arbitragem Objetivo 3: Implementação de programa de acompanhamento contínuo de desenvolvimento de árbitros brasileiros. Criação de padrão de avaliação para árbitros brasileiros. Introdução dos critérios de avaliação do desempenho dos árbitros em atividade. Formação de ranking dos árbitros de rugby; Fomentar o intercâmbio de árbitros entre Federações Estaduais. 15

16 Diretoria de Arbitragem Objetivo 4: Atualização da tradução das Leis do Jogo para o idioma Português (Brasil). Revisão das Leis do Jogo para o idioma Português (Brasil); Divulgação do texto pelo website da CBRu, possibilitando versões para download e para a impressão gráfica. 16

17 Diretoria Esportiva Premissas: criar ambientes de competição preservando a filosofia e os conceitos do rugby, baseando-se em modelos de sucesso ao redor do mundo, porém, ao mesmo tempo, respeitando e entendendo d a cultura do Brasil e suas inúmeras faces e formas distintas, criando um modelo de gestão própria. Princípios: preservar, incentivar e aprimorar os campeonatos de clubes de âmbito nacional e, ao mesmo tempo, criar campeonatos de seleções estaduais que incentivem a prática do rugby em alto rendimento em centros menos desenvolvidos, trabalhando em parceria com as Diretorias de Desenvolvimento e de Arbitragem. Seleções Nacionais: devem ocupar lugar de destaque, servindo como referência de trabalho, modelo para novos atletas, atuando indiretamente como fonte de incentivo ao desenvolvimento e, também, através de seus resultados comprovam as evoluções pretendidas 17

18 Diretoria Esportiva Objetivo 1: Competir nos mais altos níveis possíveis com as Seleções Nacionais, criando um sistema de gestão corporativa para cada seleção, um ambiente de trabalho competitivo e coerente com a filosofia do esporte, visando inserir as seleções brasileiras nos calendários internacionais. Criação do sistema de gestão das seleções masculinas (adulta e de base) e femininas, e obtenção de equipamentos e serviços de monitoração de trabalhos e jogos de seleções; Estabelecimento de sistema de trabalho com base em metas e resultados, redução de custos de deslocamento e hospedagem dos atletas para participar dos eventos de alta competição; Criação de sistema de padrões e protocolos de monitoração do físico e do nível de habilidades dos atletas, buscando novas tecnologias de acompanhamento e desenvolvimento de performance. 18

19 Diretoria Esportiva Objetivo 2: Criar torneios nacionais atrativos, planejados e valorizados para aumentar a quantidade de clubes filiados à CBRu no Brasil. Organizar torneios com planejamento e logística que permita melhor relação custo vs. benefício para os clubes; Antecipar a publicação do calendário anual de competições para permitir a busca de recursos por clubes e Federações Estaduais; Monitorar a documentação de filiação dos clubes e atletas participantes das competições oficiais; Dar suporte às Federações Estaduais para criar e gerenciar os seus torneios regionais. Montar uma estrutura de quarto-árbitro que permita checar a documentação e receber rapidamente os resultados do Super 8 e da Copa do Brasil; Montar uma estrutura de Responsável Técnico que permita checar a documentação e receber rapidamente os resultados das etapas do CBRS. 19

20 Diretoria Esportiva Objetivo 3: Criação de Programa de Alto Rendimento. Criação de comissão para desenvolver o projeto de criação de um centro de treinamento de alta performance para a CBRu (Academia Brasileira de Rugby), implementando-o para seleções e alto rendimento; Criar uma associação de treinadores de rugby no Brasil. 20

21 Diretoria Administrativa Objetivo: Além da prática de seus deveres estatutários, auxiliar a implementação da reorganização da estrutura administrativa da CBRu e colocação em operação com máxima brevidade possível. Diretoria Financeira Objetivo: Além da prática de seus deveres estatutários, trabalhar de forma pró-ativa e sinérgica com o GRAB e outros voluntários e colaboradores, visando implementar um plano de captação de recursos e patrocínios coerente com as premissas orçamentárias da CBRu para o exercício em questão. 21

22 Presidência e Vice Presidência Objetivos: Além da prática de seus deveres estatutários, buscar maior integração da CBRu no âmbito da América do Sul, EUA/Canadá e Uniões Européias, lutando pela inserção do Brasil no Campeonato Cross-Border da CONSUR, implementando melhor e mais qualificada interação com o irb, COB e autoridades governamentais, bem como buscando maior espaço de divulgação na mídia esportiva, visando atrair atenção de patrocinadores e apoiadores para o rugby nacional. 22

23 Comunicação e Marketing Atribuições: estabelecimento, conteúdo e manutenção dos canais de comunicação oficial da CBRu com o público externo. Formatação de um plano de desenvolvimento do site BrasilRugby com inclusão de seções que hoje encontram-se ausentes e eliminação de redundâncias, além de padronização de forma de comunicação, tornando-se a principal fonte de notícias e informações sobre seleções, notícias irb, desenvolvimento CBRu e campeonatos locais; Desenvolvimento de mailing list do rugby brasileiro com base em cadastramento do website da CBRu e outras fontes; Criação de canal de divulgação de notícias através de ferramentas alternativas/redes sociais tais como Twitter, Orkut, Facebook, Youtube, Linkedin; Rentabilizar o website através de publicidade online e programas de afiliação; Responsáveis por cada Diretoria da CBRu responderá ao Fale Conosco; Newsletter semanal. 23

24 Comunicação e Marketing (Imprensa) Atribuições: produção de informações e relacionamento com veículos de imprensa (diretamente ou através de assessoria) visando a ampla divulgação das atividades da CBRu, seleções e campeonatos sob sua gestão, bem como o atendimento de veículos de imprensa junto a demandas específicas. Elaboração de uma sistemática de trabalho junto a Assessoria de Imprensa da CBRu visando a otimização i de processos e alinhamento de funções Análise da atuação de assessorias regionais e unir esforços para amplificação do trabalho; uniformização da comunicação, proveniente de apenas uma fonte (website da CBRu); Valorizar o esporte através do esporte-modelo em gestão e organização e esporte de valores quanto à sua prática; Contato direto com responsáveis diretos dentro dos principais veículos de comunicação online (UOL, Terra, IG, Globo.com, R7, MSN, Yahoo, Abril, ESPN e Lancenet), offline (Estado, Folha, Valor Econômico, etc) e oficial com ESPN. 24

25 Comunicação e Marketing (Apoios e Patrocínios) Atribuições: coordenação de esforços feitos junto a empresas com o objetivo de angariar apoio e/ou patrocínios para as atividades da CBRu, bem como a coordenação do relacionamento e prestação de contas e com as entidades que apoiam ou prestam serviço a Confederação Elaboração de meta de captação para a CBRu através de receitas de patrocínio e produção de plano de ação para atingir essas metas, contemplando a necessidade de envolver agência; Elaboração de sistemática de trabalho com cada um dos patrocinadores visando o recebimento de produtos e serviços e gestão dos mesmos e posterior divulgação dos apoiadores/patrocinadores 2010 através de release ; Garantir a exposição a patrocinadores e mídia em eventos CBRu; Prestação de contas; Envelopamento de competições; Entrega de mídia diferenciada, ações em conjunto com o patrocinador; fornecer subsídios para que uma empresa possa utilizar os valores do esporte a seu favor 25

26 Comunicação e Marketing (Reformulação do Website) Colunas de especialistas (semanal ou quinzenal): Sami Arap Palavra do Presidente Antonio Martoni aspectos técnicos, desenvolvimento e seleções Xavier Vouga arbitragem e desenvolvimento Moacir Feldenheimer e João Nogueira - desevolvimento GRAB aspectos financeiros e negócios João Olivério mídia, internet, marketing Análise de resultados do final de semana Outros Saiu na mídia Imprensa cadastro, acesso a fotos em alta resolução Galeria de Vídeos (atrelado a Youtube) 26

27 Mapa do Rugby no Brasil 124 equipes oficiais e informais presença em 21 de 27 Estados Federações e Associações 9 Federações ou Associações Estaduais (SP, PR, SC, RS, RJ, MG, MS, BA e PE), pendente filiações a CBRu atletas (Censo 2009) jogadores 487 jogadoras juvenis 72 árbitros (nível 1 irb) 12 árbitros (nível 2 irb) 114 técnicos (nível 1 irb) 20 técnicos (nível 2 irb) 3 Campos Oficiais (Padrão irb) SPAC, São Jose dos Campos e Curitiba

Proposta de projetos para o desenvolvimento do remo nacional Autor: Gustavo Maia Atualizado em: 27/03/2015

Proposta de projetos para o desenvolvimento do remo nacional Autor: Gustavo Maia Atualizado em: 27/03/2015 P1. Implantação e manutenção de unidades gerenciais na CBR Aumentar o nível de maturidade gerencial da CBR A melhoria do gerenciamento da CBR causará impacto positivo em todas as partes interessadas Captação

Leia mais

Planejamento Estratégico Gestão 2013 a 2016 Federação Mineira de Basketball

Planejamento Estratégico Gestão 2013 a 2016 Federação Mineira de Basketball Planejamento Estratégico Gestão 2013 a 2016 Federação Mineira de Basketball Visão Ser uma referência na excelência no desenvolvimento do basquetebol no Brasil até 2016. Pilares Capacitação Qualificação

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SUMÁRIO 01. INTRODUÇÃO 01. a. APRESENTAÇÃO DA FEDERAÇÃO 03 01. b. DIFERENCIAIS COMPETITIVOS 04 02. PRINCIPIOS NORTEADORES 02. a. MISSÃO 05 02. b. VISÃO 05 02. c. VALORES 05 02.

Leia mais

Gestão e Marketing Esportivo. Prof. José Carlos Brunoro

Gestão e Marketing Esportivo. Prof. José Carlos Brunoro Gestão e Marketing Esportivo Prof. José Carlos Brunoro O Sucesso depende de 3 pontos importantes 1. CONHECIMENTO 2. LIDERANÇA 3. CONDUTA PESSOAL 1 CONHECIMENTO Estudo Constante Aprender com todos Idioma

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 (Síntese da Matriz estratégica) Texto aprovado na 19ª Reunião Extraordinária do CONSUNI, em 04 de novembro de 2013. MISSÃO Ser uma Universidade que valoriza

Leia mais

Planejamento Estratégico 2007 2008. Quatro Projetos da Equipe 1

Planejamento Estratégico 2007 2008. Quatro Projetos da Equipe 1 Planejamento Estratégico 2007 2008 Objetivo Estratégico: Estimular criação / desenvolvimento e fortalecimento de programas estaduais e setoriais. Quatro Projetos da Equipe 1 revisão em 26/09/2007 Missão:

Leia mais

APRESENTAÇÃO JORGE HACHIYA SAEKI (11) 3016-8450 / 9.9996-1546

APRESENTAÇÃO JORGE HACHIYA SAEKI (11) 3016-8450 / 9.9996-1546 APRESENTAÇÃO Jorge Hachiya Saeki é advogado, sócio do Clube de Campo de São Paulo onde já atuou na diretoria do departamento de golfe, atualmente faz parte da diretoria da Federação Paulista de Golfe no

Leia mais

SERÁ UM ORGULHO TÊ-LO EM NOSSO TIME!!!

SERÁ UM ORGULHO TÊ-LO EM NOSSO TIME!!! A MVP é uma agência de Comunicação e Marketing Esportivo que atua de forma diferenciada no mercado, gerenciando a imagem de grandes atletas do esporte nacional desde 2006, passando pelos ciclos olímpicos

Leia mais

Federação Portuguesa de Canoagem

Federação Portuguesa de Canoagem Federação Portuguesa de Canoagem Eleições Ciclo Olímpico 2012 a 2016 Carlos Cunha de Sousa Este documento serve para apresentar a todos, as linhas orientadoras para o mandato que me proponho fazer enquanto

Leia mais

COORDENADORES CARTILHA

COORDENADORES CARTILHA 2016 COORDENADORES CARTILHA 1.1 Coordenador de Negócios Liderar a equipe de negócios da FEJESC, prezar pela excelência na prestação do serviço aos parceiros e buscar novas oportunidades de patrocínio e

Leia mais

Workshop (Da Estrutura e Desenvolvimento)

Workshop (Da Estrutura e Desenvolvimento) NOTA PRÉVIA: Dada a diversidade e quantidade de ideias e propostas manifestadas, optou por fazer-se uma síntese dos assuntos abordados retirando os comentários e as trocas de opiniões que entretanto surgiram,

Leia mais

Projeto 05. Plano de intercâmbio / parceria entre os examinadores de diferentes Estados e Setores

Projeto 05. Plano de intercâmbio / parceria entre os examinadores de diferentes Estados e Setores Projeto 05 Plano de intercâmbio / parceria entre os examinadores de diferentes Estados e Setores Estimular intercâmbio/ parceria entre os examinadores de diferentes estados e setores Desenvolver plano

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CANOAGEM VELOCIDADE

PLANO DE TRABALHO CANOAGEM VELOCIDADE Versão 1 26/08/2015 PLANO DE TRABALHO CANOAGEM VELOCIDADE CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS PARA O ANO DE 2016 E CONVOCAÇÃO PARA O CENTRO DE TREINAMENTO Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2.

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes MISSÃO Somos uma rede nacional escoteira de

Leia mais

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna A estratégia do PGQP frente aos novos desafios 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna PROCESSO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO MACROFLUXO ENTRADAS PARA O PROCESSO - Análise de cenários e conteúdos

Leia mais

Padrão de Gestão e Transparência do Terceiro Setor

Padrão de Gestão e Transparência do Terceiro Setor O que é o Padrão de Gestão e Transparência O Padrão de Gestão e Transparência (PGT) é um conjunto de práticas e ações recomendadas para as organizações sem fins lucrativos brasileiras organizadas na forma

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 VISÃO GERAL Objetivo 1 - No âmbito da seção escoteira, apoiar a correta aplicação do método escoteiro, em especial as práticas democráticas previstas

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO O que é? O Programa de Desenvolvimento do Basquete Mineiro (PDBM) é um projeto focado no atendimento as demandas dos clubes e escolas, em novas metodologias

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE RUGBY

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE RUGBY Edital N 88/2013 São Paulo, 12 de junho de 2013 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DESTINADAS À CONTRATAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS A CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE RUGBY (CBRu), de acordo

Leia mais

A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1

A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1 A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1 Isabela LOURENÇO 2 Caio Cardoso de QUEIROZ 3 Francisco José Paoliello PIMENTA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora,

Leia mais

Apesar de se tratar de uma modalidade amadora, entendemos que a gestão federativa deve pautar-se por elevados padrões de rigor e profissionalismo.

Apesar de se tratar de uma modalidade amadora, entendemos que a gestão federativa deve pautar-se por elevados padrões de rigor e profissionalismo. ! A candidatura dos signatários apresenta-se com um espírito renovador e inovador das políticas e dos processos da gestão federativa do Bridge Português. Apesar de se tratar de uma modalidade amadora,

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos.

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. Q A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. É uma alusão à essência e ao compromisso da Secretaria

Leia mais

PLANEJAMENTO II DETECÇÃO NACIONAL DE TALENTOS DO BRASIL 2012. Fase 1. Detecção Municipal nos 27 Estados do Brasil 25 de março (domingo)

PLANEJAMENTO II DETECÇÃO NACIONAL DE TALENTOS DO BRASIL 2012. Fase 1. Detecção Municipal nos 27 Estados do Brasil 25 de março (domingo) A Liderança de Seleções, no uso das atribuições que lhe foram concedidas pela Confederação Brasileira de Tênis de Mesa CBTM, conforme disposto no Estatuto desta Entidade, Art. 4º, no Regulamento Geral

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Crianças e jovens, de 09 até 17 anos de idade, participam de Escolinha e das Equipes nas competições oficiais.

Crianças e jovens, de 09 até 17 anos de idade, participam de Escolinha e das Equipes nas competições oficiais. ABIG / JEQUIÁ BASQUETE * Localizado na Ilha do Governador * Há 40 anos participando das competições de Basquete no Estado do Rio de Janeiro * Equipes participando de 5 categorias nesta temporada Crianças

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA MUSEUS DE PEQUENO PORTE METODOLOGIA PRIORITÁRIA

PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA MUSEUS DE PEQUENO PORTE METODOLOGIA PRIORITÁRIA PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA MUSEUS DE PEQUENO PORTE EIXO 1 - Relações Públicas Avaliação - abordagem sistêmica Comunicação integrada Diagnóstico - Planejamento Plano METODOLOGIA PRIORITÁRIA EIXO 2 Teoria

Leia mais

Terceiro Setor, Cultura e Responsabilidade Social. Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados.

Terceiro Setor, Cultura e Responsabilidade Social. Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados. Terceiro Setor, Cultura e Responsabilidade Social Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados. Nossos serviços Nossa equipe atende empresas que investem em responsabilidade

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Plano de trabalho ABMES 2013

Plano de trabalho ABMES 2013 1. Apoio às IES de pequeno porte (eventos presenciais e a distância) Diretoria, Assessoria, Consultores e IES apoiadoras Realizar seminário na com o objetivo de identificar a situação atual das PMIES Contratar

Leia mais

Promover maior integração

Promover maior integração Novos horizontes Reestruturação do Modelo de Gestão do SESI leva em conta metas traçadas pelo Mapa Estratégico Promover maior integração entre os departamentos regionais, as unidades de atuação e os produtos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Página - 2

APRESENTAÇÃO. Página - 2 Página - 1 APRESENTAÇÃO O Congresso Carioca de Educação Física nasceu da necessidade de se fazer um evento destinado a esse segmento na cidade do Rio de Janeiro. A primeira edição aconteceu em agosto de

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ LUÍS MÁRIO LUCHETTA DIRETOR PRESIDENTE GESTÃO 2005/2008 HISTÓRICO

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

Curitiba - Responsabilidades do Setor de Turismo de Curitiba na Prevenção à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.

Curitiba - Responsabilidades do Setor de Turismo de Curitiba na Prevenção à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Curitiba - do Setor de Turismo de Curitiba na Prevenção Capacitar os profissionais dos meios de hospedagem (hotéis/motéis) com a temática do ESCA ABIH, AMOPAR, Associação dos Hostels, Sindotel, Secretaria

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil Após um mais de ano de trabalho e experiências adquiridas a CRIC apresenta à diretoria regional as diretrizes que regem

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Atingir Escolinhas de Futebol e Futsal em todos os Estados Brasileiros, oferecendo uma competição de alto nível, planejada, organizada e contínua;

Atingir Escolinhas de Futebol e Futsal em todos os Estados Brasileiros, oferecendo uma competição de alto nível, planejada, organizada e contínua; A ABEFF A ABEFF é uma associação sem fins lucrativos que visa oportunizar, organizar, representar e defender as entidades que se denominam Escolinhas de Futebol e de Futsal e Futsete, setor este, que tem

Leia mais

Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015

Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015 Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015 A proposta de plano de comunicação elaborada pela Coordenação- Geral de Comunicação e Editoração

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

Este briefing contém atividades que deverão ser desenvolvidas durante o convênio supracitado.

Este briefing contém atividades que deverão ser desenvolvidas durante o convênio supracitado. Briefing Prestação de Serviços de Comunicação e Marketing para o Instituto Nacional do Plástico Programa de Incentivo à Exportação Think Plastic Brazil Introdução Este briefing propõe e organiza as ações

Leia mais

Versão 1 14/11/2014 CANOAGEM VELOCIDADE CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS DE 2015 E CONVOCAÇÂO PARA O CENTRO DE TREINAMENTO

Versão 1 14/11/2014 CANOAGEM VELOCIDADE CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS DE 2015 E CONVOCAÇÂO PARA O CENTRO DE TREINAMENTO Versão 1 1/11/201 CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS DE 2015 E CONVOCAÇÂO PARA O CENTRO DE TREINAMENTO Sumário 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. ELEGIBILIDADE...3. CALENDÁRIO DE EVENTOS

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

CADASTRO DE PROJETO ESPORTIVO. Estruturação da Federação Gaúcha de Rugby Duração prevista (máximo de 12 meses) R$ 40.361,45

CADASTRO DE PROJETO ESPORTIVO. Estruturação da Federação Gaúcha de Rugby Duração prevista (máximo de 12 meses) R$ 40.361,45 1 PRÓ-ESPORTE/RS CADASTRO DE PROJETO ESPORTIVO 1. DADOS DO PROJETO Nome do projeto Estruturação da Federação Gaúcha de Rugby Duração prevista (máximo de 12 meses) 12 meses Endereço onde o projeto será

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Projeto 1ª Semana Raça Rugby Ribeirão

Projeto 1ª Semana Raça Rugby Ribeirão Projeto 1ª Semana Raça Rugby Ribeirão O Projeto 1ª Semana Raça Rugby Ribeirão é um evento realizado pela Associação Atlética Raça Rugby Ribeirão, cujos focos são o aprimoramento técnico de atletas, a criação

Leia mais

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país.

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. OBJETIVO GERAL Estabelecer cooperação técnica para desenvolver e implementar ações que visem a fortalecer o ciclo da gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. IMPORTANTE:

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE RUGBY

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE RUGBY Edital N 114/2013 São Paulo, 12 de agosto de 2.013. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DESTINADAS À CONTRATAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS A CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE RUGBY (CBRu), de acordo

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA 2015

ORIENTAÇÃO TÉCNICA 2015 1 ORIENTAÇÃO TÉCNICA 2015 1. FINALIDADE Regular a Orientação Técnica de 2015 às Federações filiadas à CBPM. 2. REFERÊNCIAS - Estatuto da CBPM; - Regulamento Técnico da CBPM; - Calendário Desportivo da

Leia mais

Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa.

Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa. Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa. A Fran Press está de cara nova, mantendo a sua reconhecida identidade estratégica. Nos tempos atuais

Leia mais

1- Introdução: Programas Vivenciais para o Desenvolvimento de Comunidades

1- Introdução: Programas Vivenciais para o Desenvolvimento de Comunidades 1- Introdução: Programas Vivenciais para o Desenvolvimento de Comunidades 2015 Um grupo de pessoas conscientes e engajadas pode mudar o mundo Quem Somos Engenheiro Pós Graduado, foi Consultor Socioambiental

Leia mais

Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2014

Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2014 Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2014 Sobre a FNQ História Criada em 1991, por um grupo de representantes dos setores público e privado, a Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) procura

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

1ª ETAPA NACIONAL 2014 RIO DE JANEIRO (RJ) Informações Gerais

1ª ETAPA NACIONAL 2014 RIO DE JANEIRO (RJ) Informações Gerais 1ª ETAPA NACIONAL 2014 RIO DE JANEIRO (RJ) A Confederação Brasileira de Badminton e a Federação de Badminton do Estado do Rio de Janeiro (FEBARJ) tem a honra de convidá-los para competir no Campeonato

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

TRANSFORMA JULIO BUENO

TRANSFORMA JULIO BUENO TRANSFORMA JULIO BUENO UM CLUBE VENCEDOR FORMADO POR APAIXONADOS ENTRA COM TUDO NA BRIGA PELO BRASIL OLÍMPICO A contribuição do Fluminense para o Coração Olímpico de todos os Brasileiros PROPOSTA. Implementação

Leia mais

O setor de Telecomunicações

O setor de Telecomunicações O setor de Telecomunicações Tem pouco tempo, por volta de 14 anos.(nasceu logo após a privatização das Teles) No Brasil existem mais de 20.000 empresas atuando no segmento de vendas de serviços e produtos

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia AGESPI AGESPI 12. AGESPI A Assessoria na Gestão de Projetos e Convênios Institucionais AGESPI trabalha na perspectiva de obter linhas de financiamento através

Leia mais

Projeto Futuros Craques São Paulo

Projeto Futuros Craques São Paulo Projeto Futuros Craques São Paulo O Projeto Futuros Craques é considerado o carro chefe da B16 em São Paulo, a sua programação destina-se à oferecer esportes de maneira saudável para crianças da rede pública

Leia mais

COMO SE ASSOCIAR 2014

COMO SE ASSOCIAR 2014 2014 QUEM SOMOS FUNDADO EM 2004, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA, QUE SE DEDICA À PROMOÇÃO

Leia mais

12 propostas para TRANSFORMAR o futebol Brasileiro

12 propostas para TRANSFORMAR o futebol Brasileiro Visão PLURI 12 propostas para TRANSFORMAR o futebol Brasileiro PLURI Consultoria São Paulo - Brasil Twitter: @pluriconsult www.facebook/pluriconsultoria Fernando Ferreira Economista, Especialista em Gestão

Leia mais

Plano Nacional de. Emergências Ambientais com Produtos Químicos Perigosos. Curso LíderesL

Plano Nacional de. Emergências Ambientais com Produtos Químicos Perigosos. Curso LíderesL Plano Nacional de Prevenção, Preparação e Resposta Rápida R a Emergências Ambientais com Produtos Químicos Perigosos Curso LíderesL Brasília, 20 de agosto de 2008 1 Como surgiu o P2R2 Histórico de ocorrência

Leia mais

DA PARAÍBA EM EXCELÊNCIA DA GESTÃO

DA PARAÍBA EM EXCELÊNCIA DA GESTÃO CONHEÇA O MAIOR EVENTO DA PARAÍBA EM EXCELÊNCIA DA GESTÃO GESTÃO Durante o evento também é realizado momentos de debate, visando disseminar as melhores práticas de gestão das empresas vencedoras dos Prêmios

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

TEATRO SOCIAL: VALORES PARA A VIDA

TEATRO SOCIAL: VALORES PARA A VIDA TEATRO SOCIAL: VALORES PARA A VIDA Utilizando o Teatro como Ferramenta de Ensino e Transformação Social CONEXÃO SOCIAL REDE NACIONAL DE ENSINO SOCIOEMOCIONAL IASEA 2015 1. APRESENTAÇÃO TEATRO SOCIAL é

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE O Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE visa fortalecer a missão de desenvolver a nossa terra e nossa gente e contribuir para

Leia mais

Visa, como objetivo final, a promoção do desenvolvimento sustentável da região.

Visa, como objetivo final, a promoção do desenvolvimento sustentável da região. Agenda 21 Comperj Iniciativa voluntária de relacionamento da Petrobras para contribuir para que o investimento na região retorne para a população, fomentando a formação de capital social e participação

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal

Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA Introdução É importante ressaltar que um plano de comunicação tem a finalidade de tornar conhecida

Leia mais

A PRIMEIRA E MAIS COMPLETA PESQUISA COM ASSESSORIAS ESPORTIVAS DO PAÍS

A PRIMEIRA E MAIS COMPLETA PESQUISA COM ASSESSORIAS ESPORTIVAS DO PAÍS A PRIMEIRA E MAIS COMPLETA COM ASSESSORIAS ESPORTIVAS DO PAÍS OBJETIVO Conhecer o mercado das Assessorias Esportivas de todo o Brasil ANALISAR E AUXILIAR NO DESENVOLVIMENTO DOS NEGÓCIOS E NAS RELAÇÕES

Leia mais

grande beleza da nossa parceria é que podemos trabalhar juntos, pela justiça social, sem muita burocracia e hierarquia. E neste início de 2014, a

grande beleza da nossa parceria é que podemos trabalhar juntos, pela justiça social, sem muita burocracia e hierarquia. E neste início de 2014, a A grande beleza da nossa parceria é que podemos trabalhar juntos, pela justiça social, sem muita burocracia e hierarquia. E neste início de 2014, a nossa grande meta continua (e nunca deve ser esquecida):

Leia mais

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL UNITAU - Universidade de Taubaté CBH-PS Comitê de Bacias Hidrográficas do Rio Paraíba do Sul Trabalho realizado

Leia mais

Business Partners Consulting, atendendo seu cliente, União dos Escoteiros do Brasil, seleciona: GERENTE GERAL

Business Partners Consulting, atendendo seu cliente, União dos Escoteiros do Brasil, seleciona: GERENTE GERAL Business Partners Consulting, atendendo seu cliente, União dos Escoteiros do Brasil, seleciona: GERENTE GERAL Local de trabalho Curitiba Paraná Atividades Desenvolver e implantar novas estratégias de atuação

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO PLANO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PARA A VIRTUALLINK

PLANO DE COMUNICAÇÃO PLANO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PARA A VIRTUALLINK PLANO DE COMUNICAÇÃO PLANO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PARA A VIRTUALLINK - Equipe de Comunicação Multimídia e Relações Públicas: Márcio Lobato Nayanne Pacheco 1. - OBJETIVO: A presente proposta objetiva estruturar

Leia mais

Comunicação diferenciada e relacionamento efetivo. Um novo enfoque de RI para um novo mercado

Comunicação diferenciada e relacionamento efetivo. Um novo enfoque de RI para um novo mercado + Comunicação diferenciada e relacionamento efetivo Um novo enfoque de RI para um novo mercado + Menu Cenário Menu + + Cenário RI hoje: uma operação indiferenciada Comunicação muito limitada com foco quase

Leia mais

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO. Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO. Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012 Cruz das Almas BA 2013 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO

Leia mais

LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE

LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE A Lei nº 11.438/06, regulamentada pelo Decreto nº 6.180/07, possibilita a: Pessoa Jurídica tributada com base no lucro real - deduzir até 1% do imposto devido (art. 1º, 1º, I da Lei 11.438/06). - Esse

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

CANOAGEM VELOCIDADE CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS DE 2014 E SELEÇÃO DE ATLETAS PARA O CENTRO DE TREINAMENTO

CANOAGEM VELOCIDADE CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS DE 2014 E SELEÇÃO DE ATLETAS PARA O CENTRO DE TREINAMENTO Versão 2-08/12/2013 CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS DE 2014 E Sumário 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. ELEGIBILIDADE...3 4. CALENDÁRIO DE EVENTOS INTERNACIONAIS E PRIORIDADES

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e com fundamento no art. 19, XX, da Lei Complementar nº 85, de 27 de dezembro de 1999, Considerando

Leia mais

柔 道 パウリスタ. Informações sobre valores, favorecidos e contratantes de convênios e pagamentos relativos aos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016:

柔 道 パウリスタ. Informações sobre valores, favorecidos e contratantes de convênios e pagamentos relativos aos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016: Informações sobre valores, favorecidos e contratantes de convênios e pagamentos relativos aos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016: Convênios Número do Convênio SIAFI: 755940 Situação: Aguardando Prestação

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013 UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida profissionais

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR CONTEUDISTA (MESTRE) PARA O CURSO DE QUALIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA, COM UTILIZAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE GESTÃO DA

Leia mais

II Seminário de Intercâmbio de Experiências Exitosas apara o Alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Rede IDEEA

II Seminário de Intercâmbio de Experiências Exitosas apara o Alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Rede IDEEA II Seminário de Intercâmbio de Experiências Exitosas apara o Alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Rede IDEEA Salvador, Bahia Brasil, 19 e 20 de novembro de 2009 Mobilização Mundial Conferências

Leia mais