SocialLine: Assistente de Comunicação para ONGs

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SocialLine: Assistente de Comunicação para ONGs"

Transcrição

1 SocialLine: Communication Assistant for NGOs Santos, Tatiane Godoy; Bacharel; Centro Universitário SENAC Urssi, Nelson José; Mestre; Centro Universitário SENAC Resumo Projetos e ações sociais consistentes demandam planejamento, gerenciamento e organização pelas entidades Organizações Não-Governamentais (ONGs) que os executam. Para que todo o processo ocorra com sucesso, a comunicação, a troca de informações e o conhecimento entre elas, seus profissionais, parceiros e envolvidos na ação são aspectos essenciais. Este projeto propõe o desenvolvimento de uma interface que supra às principais necessidades de comunicação dessas ONGs. Palavras-chave: ONGs, Interfaces, Usabilidade. Abstract Consistent projects and social actions demand planning, organization and management by the non-governmental organizations (NGOs) which carry them out. For all the process to occur successfully, the communication, the information exchange and the knowledge among the NGOs and their professionals, partners and everyone involved in the action are very important. This work proposes the development of an interface that includes information, services and resources to meet the main needs of NGOs. Keyword: NGOs, Interfaces, Usability.

2 1. Introdução Desde suas origens, as Organizações Não-Governamentais (ONGs) vêm atuando como forma alternativa à atuação do Estado, para complementar ação em áreas de caráter social que o governo não consegue suprir. Ao longo dos anos, essas organizações se proliferaram e expandiram pelo mundo com a prática de projetos em diversas áreas para atender desde questões ambientais à assistência humanitária. Tendo em vista a importância desses órgãos e para que alcancem seus objetivos com maior eficiência, Tavares (1999) destaca a importância do trabalho conjunto entre essas organizações mesmo que, estas se caracterizem principalmente pela sua diversidade. Tenório (2005), afirma em uma visão mais recente que estes órgãos devem trabalhar em redes e manter o diálogo com outras organizações. Para que isso aconteça, acredita-se que é necessária a troca constante de informações e conhecimento para uma atuação mais efetiva. Contudo, o uso disponível de informações entre essas organizações e os recursos que possuem para comunicação ainda é ineficaz ou não são aplicados de forma adequada. Tendo essas questões em vista, surge o conceito colaborativo do projeto SocialLine, que tem como principal objetivo criar uma solução web que ofereça aplicações que atendam às principais necessidades de comunicação das ONGs baseados em conceitos como gerenciamento de informações, de conhecimento e design de informação para assim tornar mais eficiente as informações à disposição. Além do objetivo principal, esse projeto tem como propósito: tornar o aplicativo um repositório confiável de dados das ONGs; abordar o conceito do sistema Open Source para possibilitar sua expansão tanto em desenvolvimento como em aplicação. A proposta é baseada primeiramente em oferecer um diagnóstico sobre as ONGs existentes para posteriormente colocar à disposição as informações específicas de cada organização e manter um ambiente colaborativo de conhecimento de ações sociais. Em seguida é feito um levantamento sobre possíveis serviços que atendam às principais necessidades das ONGs e referências projetuais para a base da proposta. Por fim, é feito uma análise de tecnologias a serem exploradas para a viabilização do projeto e a metodologia de desenvolvimento baseada nos conceitos de design de interação segundo Preece, Rogers e Sharp (2005) para a concepção do produto final. 2. ONG: Panorama Atual Ao propor uma solução que atenda efetivamente a troca de informações constante entre as ONGs, é importante conhecer quais as principais necessidades desses órgãos em termos de comunicação e quais os recursos que estas utilizam atualmente. Para isso, foram realizadas entrevistas com profissionais de três ONGs que possuem reconhecimento e experiência no terceiro setor e que atuam em diferentes áreas. A SOS Mata Atlântica (SOSMA), a Organização Internacional Médicos Sem Fronteiras ou Médecins Sans Frontieres (MSF) que atua na área de assistência humanitária, e o Grupo Técnico de Apoio (GTA), que atua com projetos voltados para habitação e urbanismo. Ainda que estas ONGs possuam propósitos bem distintos, o objetivo das entrevistas foi identificar pontos em comum necessários à atuação desses órgãos, dos quais podemos destacar: (a) Gerenciamento de informações sobre os projetos; (b) Troca de informações entre as ONGs e profissionais envolvidos nos projetos; (c) Troca de informações, experiências e conhecimento com outras organizações; (d) Tornar disponível as informações voltadas a parceiros (principalmente empresas privadas), doadores e voluntários; (e) Divulgação de eventos, projetos e da própria ONG; (f) Avaliação de resultados dos eventos.

3 3. Proposta O projeto SocialLine consiste em projetar um sistema colaborativo por meio de Wikimapps (mapas com sistema de wiki) em uma aplicação web, adaptada também em um segundo momento, à plataforma móvel, que reúne tecnologias e serviços que atendam às principais necessidades de comunicação entre as ONGs. Objetivos principais A partir das necessidades descritas, captar e direcionar de forma eficiente todas as informações úteis na atuação das ONGs seja para seus profissionais internos, parceiros, ou apenas para a divulgação de suas ações demandam uma constante evolução de processos, métodos e práticas de gerenciamento de informações e conhecimentos. Surge assim, o conceito colaborativo deste projeto. Acredita-se que através dessa colaboração, todos os envolvidos, direta ou indiretamente, em suas ações, podem contribuir para que essas organizações alcancem maiores resultados em suas atuações. Sendo assim, o principal objetivo deste projeto é encontrar uma solução que concentre em um único lugar informações vindas de diversas organizações, gerenciá-las e compartilhálas. O grande volume de informações correntes nesse meio demanda uma interface planejada para a experiência mais favorável do usuário através da visualização, interação e acesso a essas informações. Para atender a esses requisitos, foi proposto o modelo de mapeamento, gerenciamento e distribuição de informações, presentes em sistemas WikiMapps 1. Mapeamento de informações Para o acesso de informações voltadas às organizações específicas de interesse do usuário é necessário, primeiramente oferecer uma visão geral das ONGs como um todo, que respondam a três questões em um primeiro momento: onde se encontram, quem são e o que estão fazendo? As respostas a estes itens permitem identificar informações como: descrição das ONGs como área de atuação, localização e quais os projetos que estão sendo realizados. Para oferecer essa visão geral será utilizada a visualização de informações por meio de mapas. Este tipo de visualização permite maior acessibilidade e usabilidade ao usuário da interface, que pode obter informações mais detalhadas sobre a ONG em um segundo momento. Referências projetuais Após analisar o PadMapper, uma aplicação web que oferece serviços de busca de apartamentos em um mapa Google e o HealthMap que reúne várias fontes de dados para obter uma visão unificada e abrangente do atual estado global de doenças infecciosas e seus efeitos sobre a saúde humana e animal, adotamos como proposta semelhante ao projeto, o funcionamento do WikiCrimes. Todo o conteúdo é gerado pelo usuário do sistema, e estas informações podem ser comentadas e compartilhadas com todos os outros usuários, em modelo de wiki. 1 Aplicações de mapas colaborativos. Disponível em <http://wikimapps.com/> Acesso em 31 maio 2009

4 Figura 1: Visualização de dados da ocorrência com opção da aba de comentários no WikiCrimes. Gerenciamento e distribuição de informações A partir da identificação de informações sobre as ONGs através de seu mapeamento, o usuário do aplicativo pode obter outras informações mais detalhadas sobre a ONG pesquisada e sobre os projetos realizados ou em andamento. Estas informações podem ser classificadas em questões comuns: (a) Quais são e onde estão os projetos? (b) Por que existe o projeto? (c) Quais são os objetivos do projeto? (d) Como participar? (e) Quem pode participar (pessoa física, jurídica, de um determinado local, etc.)? (f) Quem é o responsável? Como acompanhar? (site, TV, SMS, etc.) (g) Como posso ser voluntário da organização? (h) Como posso ser parceiro? (i) Quais as vantagens de apoiar esta ONG? As respostas a estas perguntas são informações geradas pelas próprias ONGs, que ao divulgarem em um sistema colaborativo, poderão gerenciar seus projetos direcionando informações específicas aos seus profissionais durante sua execução. Funcionalidades base do sistema Além do sistema de mapeamento de informações através do WikiMapps, para compartilhar informações relacionadas à própria ONG e seus projetos, outras funcionalidades foram definidas como base para o desenvolvimento do projeto conforme pesquisa das informações necessárias: projetos, eventos, redes sociais, relatórios e perfil do usuário. Tomando as ONGs como entidades que se caracterizam pela sua diversidade, os serviços do sistema devem ser customizáveis de acordo com a necessidade de cada organização, as funcionalidades anteriores poderão ser ativadas ou desativadas de acordo com a preferência do usuário ou da organização. 4. Metodologia de Desenvolvimento Ao chegar ao objetivo principal da proposta, algumas etapas foram constadas: (a) Contexto das ONGs; (b) Pesquisa em campo para identificação das necessidades através de entrevistas com profissionais das ONGs; (c) Levantamento de hipóteses segundo referências projetuais; (d) Documentação do processo. Após essas etapas e a definição das funcionalidades base para o desenvolvimento do projeto, segundo Preece, Rogers e Sharp (2005), novas etapas são definidas como: (1) Identificar necessidades e estabelecer requisitos; (2) Desenvolver design alternativo que vá de encontro aos requisitos; (3) Construir a versão interativa de maneira que possa ser transmitida

5 aos outros e apreciadas; (4) Avaliá-las para medir sua aceitabilidade, ou neste caso a usabilidade da interface. A primeira atividade constitui as bases dos requisitos do produto e sustentam o design e o seu desenvolvimento. A segunda atividade corresponde em desenvolver o design para atender aos requisitos, e pode ser dividida em duas subatividades: design conceitual, que descreve o que o aplicativo deverá fazer e o design físico que considera elementos visuais. A terceira atividade se dá como apoio a última etapa de avaliação através da construção da versão interativa do design da interface, o protótipo. Finalmente na última etapa, corresponde à avaliação da interface de acordo com os testes de usabilidade realizados e à análise de sua aceitação. Os tópicos seguintes demonstram o processo de desenvolvimento do projeto correspondente a essas atividades. Cenários e personas A criação de personas tem como objetivo desenvolver uma descrição mais precisa sobre o potencial usuário do aplicativo, e sobre o que ele deseja realizar, possibilitando assim, a construção de um produto, que resolva problemas reais e que seja mais aceitável por seus usuários 2. Desta forma, são criadas três personas a partir da análise da pesquisa em campo realizada para este projeto e que representam os potenciais usuários do aplicativo. Estes foram limitados à área ambiental, para alcançar maior foco nas tarefas realizadas com o uso do aplicativo descrevendo o perfil de cada persona, que contém: (a) Dados pessoais e características principais; (b) Perfil profissional, com suas respectivas características e atividades; (c) Metas de vida, que correspondem aos seus principais objetivos, seja em âmbito pessoal ou profissional; (d) Metas de usabilidade e experiência, que se referem às expectativas do usuário em relação ao aplicativo; (e) Metas fins, que correspondem às finalidades de uso do sistema ou para quê ele seria usado; e por fim, (f) Necessidades do usuário em níveis de importância. Essas personas correspondem basicamente a três ocupações principais: o coordenador de projetos de uma determinada ONG, o profissional educador ambiental desse mesmo órgão e uma gerente de marketing de uma determinada empresa com pretensões de realizar parceria com a ONG mencionada. A descrição dos cenários demonstra que com o uso do aplicativo, ainda que estejam em contextos diferentes, às informações se cruzam e podem atingir diferentes tipos de usuários. Este aspecto torna o aplicativo mais concreto, uma vez que atende um dos principais objetivos da proposta deste projeto, estabelecer um canal de comunicação e compartilhamento entre ONGs, e todos os envolvidos, direta ou indiretamente em suas ações. Funcionalidades e requisitos Após a descrição dos cenários e personas, e identificar as principais necessidades das ONGs, estabelecemos os requisitos correspondentes às funcionalidades base do sistema e suas restrições. Os requisitos são classificados em: funcionais, que dizem o que o aplicativo deve fazer, e não-funcionais, que indicam quais são as limitações no sistema e em seu desenvolvimento, que podem ser atribuídos também a fatores externos. A tabela abaixo apresenta os requisitos de acordo com cada funcionalidade. 2 Disponível em < Acesso em 24 outubro 2009.

6 Tabela 1 Funcionalidades e Requisitos Funcionalidade Requisitos Funcionais Requisitos Não-Funcionais Mapeamento de ONGs e Projetos Comentários, Fotos e Vídeos Perfil do Usuário Sugestões de Informações para o Perfil do Usuário Relatórios de Serviços Eventos O usuário cadastrado poderá: Registrar a ONG e seus projetos, incluindo informações sobre sua atuação, localização geográfica num sistema de mapas on-line, além de outras informações; Encontrar todas as informações correspondentes às ONGs concentradas em um módulo; O usuário que registrar a ONG passa a ser o moderador dela, e poderá gerenciar as informações obtidas de outros usuários sobre o projeto, permitindo estas serem públicas ou não. Comentar as informações postadas por qualquer ONG e adicionar fotos e vídeos. Customizar seu perfil, adicionando fotos, informações sobre sua atuação, interesses e principais preferências no uso do aplicativo. De acordo com o perfil do usuário, o sistema irá captar dados de suas preferências, através de tags adicionadas por ele, e sugerir informações relacionadas ao seu perfil, que poderiam ser de seu interesse. O moderador da ONG poderá colocar à disposição relatórios em pdf sobre todas as atividades e/ou projetos realizados durante o ano. Compartilhar uma agenda com os eventos que serão realizados durante o ano; Filtrar a busca dos eventos por período, localização, temas e/ou área de atuação. Contatos e Mensagens Utilizar os serviços de microbloggins (Twitter) e de lista de contatos e relacionamento (Facebook), acoplados ao aplicativo; O sistema deverá: ser hospedado em um servidor que suporte JSP; Moderar questões de segurança em relação às mensagens publicadas. Os vídeos devem estar cadastrados no Youtube ou outro site similar; Acoplar sistema inteligente de tags utilizado geralmente em sistemas e-commerce e sites de relacionamento como o Last.fm. O usuário deverá fazer o download do pdf no aplicativo ou se preferir adicionar outras. O usuário já deverá ser cadastrado nos sites mencionados.

7 Busca Leitor de Notícias Aplicativo Customizável de Serviços Enviar e receber mensagens diretas como . Utilizar a busca geral por ONGs e Projetos ou Localização, para encontrar informações específicas ou ainda, utilizar os filtros de busca; Visualizar o resultado da busca no mapa ou em uma lista. Ativar o leitor de notícias (feeds) para ler notícias relacionadas às ONGs e outros sites de projetos sociais. Ativar e/ou desativar as funcionalidades distribuídas nos módulos de acordo com sua preferência; Customizar o design do aplicativo, a partir de cores préselecionadas, para atender às necessidades de visualização de informações de acordo com o ambiente e/ou plataforma que estiver usando. (web ou mobile). Para a versão beta, a fonte de informação padrão do sistema será o Google News. A descrição dos requisitos, cenários e personas demonstra que as principais necessidades dos potenciais usuários do SociaLline podem ser atendidas através de suas funcionalidades. Tomamos como exemplo, as necessidades de um coordenador de projetos de uma determinada ONG, uma das personas citadas neste trabalho: (1) Estabelecer comunicação direta com todos os profissionais envolvidos no projeto ao mesmo tempo; (2) Ter sempre um meio de comunicação alternativo aos já utilizados; (3) Padronizar documentação de mensagens e/ou s; (4) Não depender apenas de telefones para saber o status do projeto. Todas essas atividades podem ser supridas através de algumas funcionalidades do aplicativo, descritas na tabela de requisitos: (1) Mapeamento de ONGs e Projetos; (2) Comentários, Fotos e Vídeos; (3) Contatos e Mensagens. Arquitetura de informação Com base nas funcionalidades e requisitos apresentados, parte-se para a fase de arquitetura de informação do projeto para organizar e estruturar o aplicativo em um mapa, além de prever as possíveis interações do usuário, através dos fluxos de navegação. Para entender melhor este processo, a figura abaixo exemplifica o fluxo inicial da aplicação, em que o usuário cadastrado poderá visualizar e adicionar informações em todos os módulos de conteúdo.

8 Figura 2: Fluxo de Navegação Início Conceito dashboard A partir da estrutura e da navegação do aplicativo, são definidas a organização e a distribuição do conteúdo de cada módulo, baseado no conceito de dashboards (painéis). Este por sua vez é a principal referência para o desenvolvimento da interface deste projeto, tanto na arquitetura de informação como no design. Segundo Stephen (2005), o dashboard consiste em agregar diversas informações sobre uma mesma interface. A disposição e a visualização dessas informações permitem que o usuário tenha maior usabilidade e acesso mais ágil às informações. Figura 3: Visualização de informações em módulos do Netvibes.

9 Para este projeto acredita-se que o desenvolvimento da interface por meio do conceito de dashboard é possível oferecer uma experiência favorável ao usuário. Wireframes Seguindo o conceito de dashboard e tomando o Netvibes como uma das principais referências para a distribuição de informações através de módulos, são construídos os primeiros experimentos da interface por meio de wireframes. A figura a seguir demonstra o wireframe da home do aplicativo com seu conteúdo dividido em blocos de informação e suas respectivas ações. Figura 4: Wireframe primeira versão da home do aplicativo. Já nesta fase de desenvolvimento do projeto, são feitos alguns testes com um protótipo navegável gerado a partir desta estrutura, a fim de verificar em um primeiro momento, qual seria a experiência do usuário em relação à interface do sistema. Após as observações com as correções e melhorias uma nova estrutura de módulos é estabelecida, de modo que o usuário possa realizar as principais tarefas do aplicativo em relação às ONGs em uma única tela. Tecnologias utilizadas A partir das funcionalidades descritas, das referências projetuais, e por se tratar de uma rede colaborativa voltada à ações sociais sabe-se que as tecnologias empregadas adequadas ao desenvolvimento deste projeto, baseiam-se principalmente em linguagens livres (gratuitas). Primeiramente no caso do mapeamento de informações, a tecnologia aplicada é a Application Programming Interface ou Interface de Programação de Aplicativos (API) do Google Maps que consiste na linguagem JavaScript e permite incorporar o Google Maps às páginas na web gratuitamente. Além da API, o aplicativo necessita do armazenamento de informações através do

10 banco de dados MySQL, também gratuito, além das linguagens XML e/ou PHP e o Ajax. Para o desenvolvimento da interface gráfica do usuário é necessário a codificação em XHTML e CSS de acordo com as normas de Web Standards pela W3C, para permitir que todos os usuários acessem o aplicativo de quaisquer browsers, incluindo dispositivos móveis sem possibilidades de erros. Além das tecnologias citadas, o projeto será lançado sob licença open source (código aberto) com o objetivo de distribuir o conhecimento adquirido durante o desenvolvimento e agregar valores a outros projetos similares. Segurança de informação Por ser um aplicativo de uma rede colaborativa, algumas informações dos projetos ou da ONG podem ser restritas às próprias organizações, não podendo estas, serem divulgadas por qualquer motivo. Para moderar esse sistema, uma das soluções iniciais encontradas é baseada no projeto que se encontra como uma das principais referências para este trabalho, o WikiCrimes, ou seja, sugere que todo o registro relacionado a projetos que não sejam corretos, reconhecidos através da autenticação do usuário, poderá ser pedido a confirmação via para a moderação da própria organização. Testes de usabilidade Para verificar a eficiência da interface por meio de módulos, principalmente na execução de tarefas relacionadas diretamente às ONGs, são feitos testes exploratórios com os wireframes desenvolvidos apenas no módulo ONGs e projetos, para observar o entendimento dos usuários em relação à estrutura do aplicativo e o que deveria ser feito para a solução de quaisquer problemas encontrados. Os usuários participantes nesses testes são condicionados a entender o contexto das atividades das personas que foram criadas neste trabalho para realizar tarefas como: cadastrar ONGs; cadastrar projetos; ver últimas atualizações; ver relatórios e buscar ONGs no mapa. Sendo assim, para o teste exploratório inicial foram utilizados dois perfis de usuários com suas respectivas tarefas. O teste iniciava-se com a interface dos módulos aberta, com uma breve descrição sobre as tarefas das personas e o cenário que estariam inseridas. 5. O Objeto Após a análise dos testes e a realização de algumas correções, o resultado da interface (versão beta) do aplicativo consiste em uma estrutura de módulos em que o usuário pode realizar as principais tarefas relacionadas às ONGs em uma única tela. Há ainda a aba Mapa no menu principal, que permite ao usuário visualizar as informações no mapa, além das abas que contêm tarefas pessoais que se referem às preferências do usuário, como Contatos e Mensagens, Meu Perfil, e Configurações, conforme mostram as figuras a seguir:

11 Figura 5: Tela Geral com os principais módulos. Ao clicar em uma ação ou link, o conteúdo relacionado a este é visualizado no módulo maior abaixo, com a cor correspondente ao módulo menor. Ainda antes desta tela, o usuário encontra uma tela de inicialização, com as informações sobre o aplicativo e direcionando-o a fazer seu cadastro ou visualizar, de forma experimental, algumas informações no mapa: Figura 6: Tela de Inicial do aplicativo. Descrição das principais funcionalidades Após a autenticação, para mapear a ONG ou o projeto, estes deverão ser cadastrados através do módulo ONGs e projetos, na área ONGs que participo ou Projetos que participo (Figura 8), e posteriormente visualizá-los no mapa relacionado com seus projetos e/ou eventos (Figura 9).

12 Figura 7: Cadastrar ONG Figura 8: ONGs cadastradas no mapa Ao buscar uma ONG, tanto na pesquisa avançada ou na busca por palavras-chave, além da visualização no mapa, uma lista de resultados (Figura 10) é mostrada como forma alternativa para melhor navegação do usuário. Figura 9: Resultados de Busca

13 Além dos módulos de ONGs e projetos, o aplicativo agrega serviços de contatos, mensagens e redes sociais, para centralizar a comunicação aos assuntos relacionados. Estes também funcionam no formato de módulos (Figura 10). Figura 10: Contatos e Mensagens Implantação e divulgação do produto O aplicativo será apresentado primeiramente às ONGs envolvidas na pesquisa realizada. Posteriormente, realizaremos juntos, novos testes de usabilidade para avaliar a aceitação do aplicativo e possíveis correções para que assim, possa atender às necessidades específicas de qualquer ONG interessada no aplicativo de plataforma Open Source, ampliando assim, o seu uso. Ressaltamos que iniciamos recentemente a fase de desenvolvimento em uma das ONGs entrevistadas para o SocialLine, o Grupo Técnico de Apoio (GTA), identificando a necessidade de ampliação do projeto para outras funcionalidades, como o desenvolvimento de um fórum de comunicação e debate envolvendo movimentos sociais e a própria ONG, e o repositório de informações para a difusão do conhecimento obtido nestas instâncias, como entrevistas, estudos e artigos. 6. Considerações Finais Além da pesquisa exploratória pelos conceitos, processos e meios, os procedimentos projetuais do design de interação, segundo Preece, Rogers e Sharp (2005), mostraram-se fundamentais para o desenvolvimento de uma interface centrada nas necessidades do usuário, e contribuiram para o aprendizado e a evolução dos métodos e estruturas adotadas como: criação de cenários e personas, definição de requisitos e arquitetura de informação. Os resultados do projeto foram considerados satisfatórios em caráter inicial tanto na pesquisa de campo realizada como no desenvolvimento da interface. A pesquisa realizada com as ONGs, entidades referenciais por sua atuação, foi essencial para constatar a situação dos processos internos, abrangência e necessidades de cada ação destas organizações, bem como as necessidades de comunicação interna e externa. Os dados obtidos, juntamente com o levantamento histórico e evolutivo das ONGs pela pesquisa

14 inloco e análise de bibliografia atual, proporcionou uma visão ampla do objeto de estudo, permitindo assim, o mapeamento da problemática e, posteriormente dos requisitos essenciais que definiram o SocialLine. Para a evolução do projeto estamos constatando outras ONGs, em diferentes áreas de atuação, para identificar outras necessidades e definir novas funcionalidades. Outros recursos e ideias adicionais estão sendo pensados para práticas de projetos futuros, entre eles podemos listar: (a) Integração de chats, para conversas e visualização de informações simultaneamente durante um projeto; (b) Uso de mapas não somente físicos utilizados para localização, mas para visualizar dados estatísticos como número de ONGs existentes de uma determinada área, ou quais as áreas com mais projetos em andamento; (c) Adequar a interface para dispositivos móveis com menores custos; (d) Integrar o mapa do aplicativo com o GPS do aparelho (se houver) como apoio à ação de mapear ONGs, projetos e eventos; (e) Manter documentação do projeto on-line e compartilhá-la para o desenvolvimento sob a licença Open Source. Vivenciar o contato direto com os profissionais das ONGs, observando e vivenciando as principais necessidades nas várias facetas de seus usuários, demonstrou outros caminhos que o designer de interfaces pode trilhar. A diversidade de necessidades e contextos ampliou os métodos inerentes ao processo projetual e à estrutura visual das interfaces definindo a primordial postura humanista de nossa profissão. 7. Referências TAVARES, Ricardo Neiva. As organizações não-governamentais nas Nações Unidas. Brasília: Instituto Rio Branco, TENÓRIO, Fernando Guilherme. Gestão de ONGs: principais funções gerenciais. 9ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas (FGV), MACIEL, Maria Zeneide. ONG: Uma história de vida solidária. Recife: Disponível em: <http://www.libertas.com.br/site/base/maciel, maria.zeneide.2006.pdf>. Acesso em 10/04/2009. DIMANTAS, Hernani. Linkania - a multidão hiperconectada. In LEÃO, Lucia. Derivas: cartografias do ciberespaço. 1. ed. São Paulo: Annablume; SENAC, p SOS Mata Atlântica: Website. Disponível em: <www.sosmatatlantica.org.br>. Acesso em: 7 maio Médicos Sem Fronteiras: Website. Disponível em: <www.msf.org.br>. Acesso em: 7 maio CIDA, Canadian International Development Agency: Website. Disponível em: <http://www.acdi-cida.gc.ca/index-e.htm>. Acesso em: 5 maio HealthMapp: Website. Disponível em: <http://healthmap.org/en>. Acesso em 12/04/2009. PadMapper: Website. Disponível em <www.padmapper.com>. Acesso em: 13/05/2009. WikiCrimes: Website: Disponível em <www.wikicrimes.org>. Acesso em: 12/04/2009.

15 Paper Prototyping: Website. Disponível em: <http://www.paperprototyping.com/what.html>. Acesso em 31 maio STEPHEN, Few. Information Dashboard Design. Califórnia, EUA: O Reilly, ROGERS, Yvonne. PREECE, Jennifer. SHARP, Helen. Design de interação: além da interação homem-computador. Porto alegre: Bookman, GOOGLE. API do Google Maps. Disponível em: <http://code.google.com/intl/pt- BR/apis/maps/>. Acesso em: 14 de Novembro FURTADO, Vasco. ASSUNÇÃO, OLIVEIRA. Thiago, Marcos de. BELCHIOR Mairon. D ORLEANS, Jonathan. A Method for Identifying Malicious Activity in Collaborative Systems with Maps - Universidade de Fortaleza, University of Otago

Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais

Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais Será utilizado o seguinte critério: Atende / Não atende (Atende em parte será considerado Não atende) Item Itens a serem avaliados conforme

Leia mais

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS O QUE FAZEMOS Provemos consultoria nas áreas de comunicação online, especializados em sites focados na gestão de conteúdo, sincronização de documentos, planilhas e contatos online, sempre integrados com

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

Intranets e Capital Intelectual

Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual As mídias sociais ultrapassaram os limites da vida privada. Os profissionais são 2.0 antes, durante e depois do expediente. É possível estabelecer

Leia mais

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online Page 1 of 5 Windows SharePoint Services Introdução a listas Ocultar tudo Uma lista é um conjunto de informações que você compartilha com membros da equipe. Por exemplo, você pode criar uma folha de inscrição

Leia mais

Prezado Senhor, Em prosseguimento aos nossos entendimentos, estamos formalizando a nossa proposta para desenvolvimento do site da Digivox.

Prezado Senhor, Em prosseguimento aos nossos entendimentos, estamos formalizando a nossa proposta para desenvolvimento do site da Digivox. João Pessoa, 18 de Agosto de 2015. Prezado Senhor, Em prosseguimento aos nossos entendimentos, estamos formalizando a nossa proposta para desenvolvimento do site da Digivox. 1. Projeto Desenvolvimento

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

Proposta Revista MARES DE MINAS

Proposta Revista MARES DE MINAS SATIS 2011 Proposta Revista MARES DE MINAS 21/03/2011 A SATIS Índice 1 A Satis 1 A Proposta 1 Serviços 2 Mapa do Site 2 SEO 3 Sistema de gerenciamento de conteudo 4 Cronograma e Prazos 5 Investimento 6

Leia mais

A sala virtual de aprendizagem

A sala virtual de aprendizagem A sala virtual de aprendizagem Os módulos dos cursos a distância da Faculdade Integrada da Grande Fortaleza decorrem em sala virtual de aprendizagem que utiliza o ambiente de suporte para ensino-aprendizagem

Leia mais

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares Denis Lacerda Paes 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 RESUMO O trabalho apresentado visa desenvolver uma aplicação baseada em

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 4 DE JANEIRO DE 205 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Projeto BRA/07/004 Seleciona: Consultor para identificação das melhores

Leia mais

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal?

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal? Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL O que é Marketing Multicanal? Uma campanha MultiCanal integra email, SMS, torpedo de voz, sms, fax, chat online, formulários, por

Leia mais

[SITE FÁCIL CDL MANUAL DO USUÁRIO]

[SITE FÁCIL CDL MANUAL DO USUÁRIO] Câmara de Dirigentes Lojistas [SITE FÁCIL CDL MANUAL DO USUÁRIO] Sumário 1. Controle de versão... 3 2. Objetivo... 4 3. Site fácil... 4 4. Acessando o sistema de gestão de conteúdo (SGC)... 5 5. Páginas

Leia mais

Tabela de Preços Sugeridos

Tabela de Preços Sugeridos WEBSITE Estrutura básica Área institucional Área estática: quem somos, o que fazemos, onde estamos etc. Área de contato E-mail, telefone, formulário etc. Área core Gerenciador de conteúdo para cadastro

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal do Ceará Bacharelado em Computação cadeira de Engenharia de Software Estudo de Viabilidade Equipe: Carlos H. Sindeaux Edilson Júnior Emanuelle Vieira Franklin Chaves José M. Silveira

Leia mais

GUIA BÁSICO DE COMUNICAÇÃO

GUIA BÁSICO DE COMUNICAÇÃO GUIA BÁSICO DE COMUNICAÇÃO CONVERSA DE ELEVADOR Sendo um empreendedor social, você sabe como é importante ser capaz de descrever sua organização, definindo o que diferencia seu trabalho e detalhando o

Leia mais

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal 29/11/2012 Índice ÍNDICE... 2 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O QUE É E-COMMERCE?... 4 3. LOJA FOCCO... 4 4. COMPRA... 13 5. E-MAILS DE CONFIRMAÇÃO... 14 6.

Leia mais

CONVITE Nº 01/2012 ANEXO I - DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS

CONVITE Nº 01/2012 ANEXO I - DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS CONVITE Nº 01/2012 ANEXO I - DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS OBJETIVO E ESCOPO 1. Informações Gerais 1.1 Objetivo geral do trabalho: desenvolvimento de novo site institucional para o Senac (www.senac.br), nas versões

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Marco T. A. Rodrigues*, Paulo E. M. de Almeida* *Departamento de Recursos em Informática Centro Federal de Educação Tecnológica de

Leia mais

Proposta Comercial para criação e desenvolvimento do novo portal do Município de São José do Norte - RS

Proposta Comercial para criação e desenvolvimento do novo portal do Município de São José do Norte - RS Proposta Comercial para criação e desenvolvimento do novo portal do Município de São José do Norte - RS Abril 2014 - Versão 1.0 A/C da Srta. Cíntia Arbeletche 1 / 5 Escopo & Premissas Essa proposta contempla

Leia mais

COLIVRE Cooperativa de Tecnologias Livres www.colivre.coop.br contato@colivre.coop.br Telefone: (71) 3011-2199 CNPJ: 07.970.

COLIVRE Cooperativa de Tecnologias Livres www.colivre.coop.br contato@colivre.coop.br Telefone: (71) 3011-2199 CNPJ: 07.970. Razões para usar Noosfero como plataforma de rede social da USP COLIVRE Cooperativa de Tecnologias Livres www.colivre.coop.br contato@colivre.coop.br Telefone: (71) 3011-2199 CNPJ: 07.970.746/0001-77 Contato:

Leia mais

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Ana Beatriz Mesquita (CPTEC/INPE) ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Metodologia do trabalho realizado referente a gravação e expansão dos vídeos

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Baidu Spark Browser. Documento de Especificação de Requisitos de Software

Baidu Spark Browser. Documento de Especificação de Requisitos de Software Baidu Spark Browser Documento de Especificação de Requisitos de Software Campus Party Brasil 2014 Desafio Baidu Quero um estágio na China Autor: Thiago Pinheiro Silva E-mail: eu@thiageek.com.br Índice

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Guia Como Baixar e Usar Dados Geográficos do IBGE

Guia Como Baixar e Usar Dados Geográficos do IBGE Guia Como Baixar e Usar Dados Geográficos do IBGE Guia Como Baixar e Usar Dados Geográficos do IBGE Este guia vai ajudar você a pesquisar e encontrar dados geoespaciais no Portal de Mapas do Instituto

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares

SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares Neidson Santos Bastos 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 ; Reginaldo Rubens da Silva 3 RESUMO Mensurar

Leia mais

Pedro F. Carvalho Analista de Sistemas/Gerente de Projetos contato@pedrofcarvalho.com.br OCP Oracle 10g ITIL FoundationV3 PROJETO DE WEB SITE

Pedro F. Carvalho Analista de Sistemas/Gerente de Projetos contato@pedrofcarvalho.com.br OCP Oracle 10g ITIL FoundationV3 PROJETO DE WEB SITE PROJETO DE WEB SITE EAP Estrutura Analitica de Projeto Preparação Estudar as particularidades do serviço e do cliente; Observar projetos semelhantes (Beanchmark); Definir metas e estratégias; Elaborar

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

Cetac - Centro de Ensino e Treinamento em Anatomia e Cirurgia Veterinária Manual Técnico do Sistema Administrativo do site Cetacvet.com.

Cetac - Centro de Ensino e Treinamento em Anatomia e Cirurgia Veterinária Manual Técnico do Sistema Administrativo do site Cetacvet.com. Manual Técnico do Sistema Administrativo do site Cetacvet.com.br SÃO PAULO - SP SUMÁRIO Introdução... 3 Autenticação no sistema administrativo... 4 Apresentação do sistema administrativo... 5 Gerenciamento

Leia mais

Manual do Painel Administrativo

Manual do Painel Administrativo Manual do Painel Administrativo versão 1.0 Autores César A Miggiolaro Marcos J Lazarin Índice Índice... 2 Figuras... 3 Inicio... 5 Funcionalidades... 7 Analytics... 9 Cidades... 9 Conteúdo... 10 Referência...

Leia mais

Channel. Visão Geral e Navegação. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9

Channel. Visão Geral e Navegação. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9 Channel Visão Geral e Navegação Tutorial Atualizado com a versão 3.9 Copyright 2009 por JExperts Tecnologia Ltda. todos direitos reservados. É proibida a reprodução deste manual sem autorização prévia

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

A barra de menu a direita possibilita efetuar login/logout do sistema e também voltar para a página principal.

A barra de menu a direita possibilita efetuar login/logout do sistema e também voltar para a página principal. MANUAL DO SISCOOP Sumário 1 Menu de Navegação... 3 2 Gerenciar País... 5 3- Gerenciamento de Registro... 8 3.1 Adicionar um registro... 8 3.2 Editar um registro... 10 3.3 Excluir um registro... 11 3.4

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

Guia Rápido de Uso. Aqui seguem os tópicos tratados nesse guia, para que você aprenda a usar o Sistema HOT SMS. SUMÁRIO

Guia Rápido de Uso. Aqui seguem os tópicos tratados nesse guia, para que você aprenda a usar o Sistema HOT SMS. SUMÁRIO 1 Guia Rápido de Uso Aqui seguem os tópicos tratados nesse guia, para que você aprenda a usar o Sistema HOT SMS. SUMÁRIO 1 Acesso ao sistema...3 2 Entenda o Menu...4 3 Como enviar torpedos...6 3.1 Envio

Leia mais

Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC

Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC Objetivo O objetivo do projeto é especificar o desenvolvimento de um software livre com a finalidade de automatizar a criação de WEBSITES através do armazenamento

Leia mais

Imóvel Mix SGI. 1. Acesso ao Sistema 2. Aspectos Gerais 3. Configuração da Empresa 4. Cadastro de Usuários

Imóvel Mix SGI. 1. Acesso ao Sistema 2. Aspectos Gerais 3. Configuração da Empresa 4. Cadastro de Usuários Imóvel Mix SGI Imóvel Mix SGI 1. Acesso ao Sistema 2. Aspectos Gerais 3. Configuração da Empresa 4. Cadastro de Usuários 5. Controle de Acesso 6. Cadastro de Clientes 7. Cadastro de Imóveis 8. Vistoria

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL http://pt.wordpress.com http://.wordpress.org Autor: Calvin da Silva Cousin Orientação: Profª Drª Sílvia Porto

Leia mais

I - O que é o Mobilize-se

I - O que é o Mobilize-se Índice O que é o Mobilize-se...03 A campanha de lançamento...12 Divulgação da campanha...14 Como irá funcionar o sistema para o ouvinte da rádio...20 O que a rádio deve fazer para se inscrever no Mobilize-se...36

Leia mais

Manual do Debit Jurídico. Primeiros passos

Manual do Debit Jurídico. Primeiros passos Manual do Debit Jurídico Primeiros passos Índice Apresentação...2 Como acessar o produto...3 Tela Inicial...5 Como cadastrar o primeiro processo...5 Cliente...6 Advogado...6 Adverso...6 Dados do Processo...6

Leia mais

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Março de 2015 Introdução O acesso móvel ao site do Novell Vibe pode ser desativado por seu administrador do Vibe. Se não conseguir acessar a interface móvel do

Leia mais

1. Objetivo do Projeto

1. Objetivo do Projeto PROPOSTA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VISNET - INTERNET E COMUNICAÇÃO Desenvolvimento de Site para CDL 1. Objetivo do Projeto O CDL Online é o mais novo sistema interativo especialmente projetado para criar

Leia mais

TUTORIAL DO ALUNO. Olá, bem vindo à plataforma de cursos a distância da Uniapae!!!

TUTORIAL DO ALUNO. Olá, bem vindo à plataforma de cursos a distância da Uniapae!!! TUTORIAL DO ALUNO Olá, bem vindo à plataforma de cursos a distância da Uniapae!!! O Moodle é a plataforma de ensino a distância utilizada pela Uniapae sendo a unidade de ensino para rápida capacitação

Leia mais

EXPRESSO LIVRE 3º Encontro Técnico de Desenvolvedores

EXPRESSO LIVRE 3º Encontro Técnico de Desenvolvedores EXPRESSO LIVRE 3º Encontro Técnico de Desenvolvedores Outubro 2008 Sumário de Informações do Documento Tipo do Documento: Ata Título do Documento: Expresso Livre 3º Encontro Técnico de Desenvolvedores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II Primeiro Trabalho Descrição do trabalho: Escrever um Documento de Visão. Projeto: Automatização do sistema que

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial 1 1. DOTPROJECT O dotproject é um software livre de gerenciamento de projetos, que com um conjunto simples de funcionalidades e características, o tornam um software indicado para implementação da Gestão

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Anexo I Formulário para Proposta

Anexo I Formulário para Proposta PLATAFORMA CGI.br Solicitação de Propostas SP Anexo I Formulário para Proposta Data: 05/07/2013 Versão: 1.1 Plataforma CGI.br Solicitação de Propostas - SP Anexo I Formulário para Proposta 1. Estrutura

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual de Usuário Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual do Usuário GLPI 1. Introdução 3 2. Acessando o GLPI 4 3. Entendendo o processo de atendimento

Leia mais

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração.

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração. Cobit e ITIL GOVERNANÇA, GP - RISCO, GP PROJETOS - PMP, SEGURANÇA DAIANA BUENO OUTUBRO 20, 2010 AT 8:00 3.496 visualizações Atualmente, as empresas estão com seus processos internos cada vez mais dependentes

Leia mais

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA PRODEB-UFBA PRODEB/DSS Diretoria de Sistemas e Serviços UFBA/LCAD

Leia mais

Proposta Concessionária Terra Nova Land Rover

Proposta Concessionária Terra Nova Land Rover SATIS 2011 Proposta Concessionária Terra Nova Land Rover 21/03/2011 A SATIS Índice 1 A Satis 1 A Proposta 1 Serviços 2 Mapa do Site 2 SEO 3 Sistema de gerenciamento de conteudo 4 Cronograma e Prazos 5

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Resumo: Dolores Follador Secretaria de Estado da Educação do Paraná e Faculdades Integradas do Brasil - Unibrasil doloresfollador@gmail.com

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Ambiente Virtual de Aprendizagem (Moodle) - - Atualizado em 29/07/20 ÍNDICE DE FIGURAS Figura Página de acesso ao SIGRA... 7 Figura 2 Portal de Cursos... 8

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

Navegando no produto e utilizando esse material de apoio, você descobrirá os benefícios do IOB Online Regulatório, pois só ele é:

Navegando no produto e utilizando esse material de apoio, você descobrirá os benefícios do IOB Online Regulatório, pois só ele é: 1. CONCEITO Completo, prático e rápido. Diante do aumento da complexidade da tributação e do risco fiscal, pelos desafios de conhecimento e capacitação e pela velocidade para acompanhar mudanças na legislação,

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo. Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168

Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo. Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168 Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168 01. Apresentação Fator W é a marca fantasia através da qual o desenvolvedor web

Leia mais

e- SIC Manual do Cidadão

e- SIC Manual do Cidadão e- SIC Manual do Cidadão Sumário Introdução 3 O e-sic 4 Primeiro acesso 5 Cadastrando-se no e-sic 6 Acessando o e-sic 7 Funções do e-sic 8 Envio de avisos por e-mail pelo e-sic 9 Como fazer um pedido de

Leia mais

GERENCIAL SEPLAG CARTILHA AGENDA. Sumário

GERENCIAL SEPLAG CARTILHA AGENDA. Sumário CARTILHA AGENDA GERENCIAL SEPLAG 2012 Sumário 1. A Agenda Gerencial 2. Como Utilizar 3. Criação de Usuário 4. Criando um Projeto 5. Criando uma meta: 6. Criando uma Tarefa 7. Calendário 8. Mensagens ou

Leia mais

Plusoft Rua Nebraska, 443, 5º Andar, Brooklin São Paulo (SP) F.: 55 11 5091-2777 www.plusoft.com.br - @Plusoft -

Plusoft Rua Nebraska, 443, 5º Andar, Brooklin São Paulo (SP) F.: 55 11 5091-2777 www.plusoft.com.br - @Plusoft - Potencializando resultados com o SOCIAL CRM A CONSTRUÇÃO DE RELACIONAMENTOS SÓLIDOS NA MÍDIA SOCIAL A mídia social revolucionou os meios e o modelo de comunicação. Entre muitas transformações, as redes

Leia mais

Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile

Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile 393 Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile Lucas Zamim 1 Roberto Franciscatto 1 Evandro Preuss 1 1 Colégio Agrícola de Frederico Westphalen (CAFW) Universidade Federal de Santa Maria

Leia mais

Proposta Loja Virtual. Schmitt Tricot

Proposta Loja Virtual. Schmitt Tricot Proposta Loja Virtual Schmitt Tricot Apresentação: Atualmente atuo no mercado de sites e lojas virtuais desde 2010, desenvolvendo novas ideias, trabalhando com agilidade, para sempre atender a todas as

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Proposta. Soluções Comunicação Digital

Proposta. Soluções Comunicação Digital Proposta Soluções Comunicação Digital Fevereiro 2013 Proposta Proposta para fornecimento de soluções digitais para comunicação, gestão do conhecimento e aprendizagem para o CBVE. Portal Institucional Plataforma

Leia mais

Apps de Produtividade

Apps de Produtividade Apps de Produtividade Os App s de Produtividade oferecem controle, organização e recursos para profissionalização das áreas internas e externas da empresa, proporcionando: Produtividade Controle Integração

Leia mais

Copyright 2015 Mandic Cloud Solutions - Somos Especialistas em Cloud. www.mandic.com.br

Copyright 2015 Mandic Cloud Solutions - Somos Especialistas em Cloud. www.mandic.com.br Sumário 1. Boas vindas... 4 2. Dashboard... 4 3. Cloud... 5 3.1 Servidores... 5 o Contratar Novo Servidor... 5 o Detalhes do Servidor... 9 3.2 Cloud Backup... 13 o Alteração de quota... 13 o Senha do agente...

Leia mais

Oficina de Inclusão Tecnológica

Oficina de Inclusão Tecnológica 1 Oficina de Inclusão Tecnológica Ementa: O curso LinkedIn apresenta, de forma geral, como desenvolver seu networking através desta rede social. Demonstra como fazer parte dela (inscrição), montagem do

Leia mais

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 4.0 Março de 2015 Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho de equipe.

Leia mais

PROPOSTA DE CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE WEBSITE

PROPOSTA DE CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE WEBSITE PROPOSTA DE CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE WEBSITE Através do presente documento, a agência ACNBRASIL tem como objetivo apresentar uma proposta de criação e desenvolvimento de Website para COOPERATIVA DE

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Conectando sonhos e negócios.

Conectando sonhos e negócios. Conectando sonhos e negócios. Quem somos Somos uma agência com sede em Porto Alegre, que tem como objetivo abraçar todos os desafios de planejamento, criação e execução de ideias daqueles que transformam

Leia mais

Especificação Suplementar

Especificação Suplementar Especificação Suplementar Versão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/10/2014 2.0 2.1 funcionalidade e segurança de M. Vinícius acesso 30/10/2014

Leia mais

Escritório Digital. Perguntas frequentes. Perguntas gerais

Escritório Digital. Perguntas frequentes. Perguntas gerais Escritório Digital Perguntas frequentes Perguntas gerais O que é o Escritório Digital? O Escritório Digital é um software desenvolvido pelo CNJ em parceria com a OAB para integrar os diferentes sistemas

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM HOSPEDAGEM DE DOMÍNIO

UM NOVO CONCEITO EM HOSPEDAGEM DE DOMÍNIO www.origy.com.br UM NOVO CONCEITO EM HOSPEDAGEM DE DOMÍNIO CARACTERÍSTICAS: E-MAIL IMAP * Acesso simultâneo e centralizado, via aplicativo, webmail e celular/smartphone * Alta capacidade de armazenamento

Leia mais

Aplicativo para elaboração de questionários, coleta de respostas e análise de dados na área da saúde em dispositivos móveis

Aplicativo para elaboração de questionários, coleta de respostas e análise de dados na área da saúde em dispositivos móveis Aplicativo para elaboração de questionários, coleta de respostas e análise de dados na área da saúde em dispositivos móveis Visão Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 24/06/12

Leia mais

ONE Service Desk. O Service Desk ONE fornece uma infraestrutura de serviços de suporte ITIL completa, contendo:

ONE Service Desk. O Service Desk ONE fornece uma infraestrutura de serviços de suporte ITIL completa, contendo: ONE Service Desk O Service Desk ONE fornece uma infraestrutura de serviços de suporte ITIL completa, contendo: Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Problemas Gerenciamento de Mudanças BDGC (Banco

Leia mais

PAINEL MANDIC CLOUD. Mandic. Somos Especialistas em Cloud. Manual do Usuário

PAINEL MANDIC CLOUD. Mandic. Somos Especialistas em Cloud. Manual do Usuário Mandic. Somos Especialistas em Cloud. PAINEL MANDIC CLOUD Manual do Usuário 1 BEM-VINDO AO SEU PAINEL DE CONTROLE ESTE MANUAL É DESTINADO AO USO DOS CLIENTES DA MANDIC CLOUD SOLUTIONS COM A CONTRATAÇÃO

Leia mais

BANCO DE AULAS E PROJETOS MANUAL DO APLICATIVO

BANCO DE AULAS E PROJETOS MANUAL DO APLICATIVO BANCO DE AULAS E PROJETOS MANUAL DO APLICATIVO APRESENTAÇÃO Este aplicativo possibilita o compartilhamento de planos de aulas e projetos desenvolvidos e/ou aplicados nas unidades educacionais, entre os

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

AQUI SEGUEM OS TÓPICOS TRATADOS NESSE GUIA, PARA QUE VOCÊ APRENDA A USAR O SISTEMA CLUBE TURISMO MOBILE.

AQUI SEGUEM OS TÓPICOS TRATADOS NESSE GUIA, PARA QUE VOCÊ APRENDA A USAR O SISTEMA CLUBE TURISMO MOBILE. GUIA RÁPIDO DE USO AQUI SEGUEM OS TÓPICOS TRATADOS NESSE GUIA, PARA QUE VOCÊ APRENDA A USAR O SISTEMA CLUBE TURISMO MOBILE. 1 Acesso ao sistema...3 2 Entenda o Menu...3 2.1 Contatos...3 2.2 Mensagens...4

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

Manual do Google agenda. criação e compartilhamento de agendas

Manual do Google agenda. criação e compartilhamento de agendas Manual do Google agenda criação e compartilhamento de agendas 1 O que é o Google Agenda? Google Agenda é um serviço de agenda on line gratuito do Google, onde você pode anotar compromissos e tarefas, organizando

Leia mais