Revista The Club Megazine - 03/2002

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Revista The Club Megazine - 03/2002"

Transcrição

1

2 Revista The Club Megazine - 03/2002 A utilização, reprodução, apropriação, armazenamento em banco de dados, sob qualquer forma ou meio, de textos, fotos e outras criações intelectuais em cada publicação da revista The Club são terminantemente proibidos sem autorização escrita dos titulares dos direitos autorais. Copyright The Club 2002

3 EDITORIAL Editorial THE CLUB Rua Acre, Avaré - SP - CEP Informações: (0xx14) Suporte: (0xx14) Fax: (0xx14) Internet Cadastro: Suporte: Informações: Dúvidas Correspondência ou fax com dúvidas devem ser enviados ao - THE CLUB, indicando "Suporte". Opinião Se você quer dar a sua opinião sobre o clube em geral, mande a sua correspondência para a seção "Tire sua dúvida". Reprodução A utilização, reprodução, apropriação, armazenamento em banco de dados, sob qualquer forma ou meio, de textos, fotos e outras criações intelectuais em cada publicação da Revista The Club são terminantemente proibidos sem autorização escrita dos titulares dos direitos autorais. Copyright The Club 2002 Impressão e acabamento: Impressos Gril - Gril Gráfica e Repr. Ind. Ltda. Tel.: (0xx14) Fax: (0xx14) Rua São Paulo, Cep Taquarituba - SP Tiragem: exemplares Diretor - Presidente Celso Jefferson M. Paganelli Diretor Técnico Mauro Sant Anna Colaboradores Mário Camilo Bohm - Claudenir C. Andrade Anderson Haertel Rodrigues - Cláudio Akerman Delphi é marca registrada da Borland International, as demais marcas citadas são registradas pelos seus respectivos proprietários. O THE CLUB em conjunto com a VUE firmaram uma parceria para aplicação de testes especializados da Microsoft, Novell Cisco e outros. Eis alguns exemplos de certificação da Microsoft: MCP - Microsoft Certified Professional - Pessoa que passou em pelo menos um exame de certificação da Microsoft. MCSE - Microsoft Certified System Engineer - Pessoa que passou em 7 exames de certificação da Microsoft. Profissional totalmente habilitado para trabalhar com o ambiente do Windows Este profissional hoje é tão requisitado que, as pessoas que conquistam essa certificação tem emprego garantido na Brás e Figueiredo, o maior parceiro da Microsoft no mundo. MCDBA - Microsoft Certified DataBase Administrator - Pessoa que passou em 4 exames. Dois exames de Windows 2000 e dois de SQL Server. MCSD - Microsoft Certified Solution Developer - Pessoa que passou em 4 exames. Dois exames sobre Visual Basic ou C, um sobre SQL Server, um sobre análise de sistemas. MCSA - Microsoft Certified System Administrator - Pessoa que passou em 4 exames sobre Windows Os exames podem ser feitos no THE CLUB. Para maiores informações ligue para (14) Informações sobre a certificação Microsoft e os exames disponíveis podem ser obtidos no endereço: As inscrições também podem ser feitas no site da VUE: Celso Jefferson Paganelli Presidente - The Club Editorial...03 News...04 HOTSYNC com emulador...05 Tratamento global de exceptions...08 Dicas de instruções e comandos Oracle...11 Que fazer para... Recuperar as formas de pagamento do ECF...15 Trabalhando com o campo BLOB no Interbase...16 FireBird a continuidade do Interbase Open-Source..24 Eventos...27 Dicas & Truques...30 MeGAZINE 3

4 NEWS ReNet Tecnologia lança a versão 3.0 do software XTNDConnect Professional Edition A ReNet Tecnologia Ltda lançou em Março/2001 a versão 3.0 do software XTNDConnect Server Professional Edition (lê-se Extend Connect), da Extended Systems Inc, que é solução centralizada de sincronização e gerenciamento de equipamentos móveis, independente de plataforma. Suporta uma ampla variedade de plataformas como: Palm OS, Windows CE/Pocket PC, Symbian. Suporta conexão TCP/IP entre o equipamento móvel e o servidor através de RAS, PPP, rede local, e redes sem fio B, CDMA, TDMA, GSM e CDPD. Com o XTNDConnect Server, a equipe de TI tem um padrão corporativo para gerenciar de maneira centralizada os equipamentos móveis, com recursos de sincronização de servidores Groupware e/ ou servidores de banco de dados, trazendo ainda benefícios como: ferramentas para gerenciar os dados e aplicações transferidas para os equipamentos móveis, configurar tarefas para automaticamente distribuir e configurar e distribuir aplicações, log de status e erros. Sua interface intuitiva faz com que o processo de sincronização seja configurado de maneira fácil e rápida, trazendo benefícios tanto para os usuários quando para a equipe de TI. Para o usuário corporativo, a 4 integração dos equipamentos móveis com a organização significa fazer os equipamentos móveis mais úteis e fáceis de usar. A interface cliente do XTNDConnect Server PE foi desenvolvida para ser solução transparente, intuitiva e de fácil uso. A solução XTNDConnect Server permite que usuários de equipamentos móveis sincronizem dados como s, agendas, contatos, tarefas, informações de banco de dados corporativos via ODBC, além de recursos gerenciais como: distribuição automática de aplicativos, backup e restore de dados. Tudo isso de maneira segura, pois o XTNDConnect utiliza o algorítmo de criptografia de 128 bits da CERTICOM. A solução XTNDConnect Server é testada e homologado por várias empresas parceiras como : Agilent, Compaq, Hewlett- Packard, IBM, Microsoft, Nec, Palm e Toshiba. A nova versão XTNDConnect Server 3.0 Professional Edition além dos recursos acima ainda possui : o Recurso Auto Messaging : permite que equipamentos móveis com rede wireless fiquem sempre ouvindo a rede e utilizarem a tecnologia push para receber s, incluindo os novos recursos do Palm 705. * Nova interface gráfica para o usuário, incluindo o conceito de profiles. * Protocolo de comunicação otimização para redes wireless. * Melhorado o processo de distribuição de clientes para os equipamentos móveis. * Mail Plus para Palm OS: recurso que agiliza o processo de sincronização de . Também suporta recurso de reunião ( meeting requests ) e também melhor recurso para manipulação de arquivos anexados ( attachments ). * Novas funções de gerenciamento no recurso MMC (Microsoft Management Console). Conheça mais sobre o XTNDconnect e a soluções de computação móvel em ou contate-nos para maiores informações. MeGAZINE ReNet Tecnologia Ltda. - Tel.:

5 HOTSYNC com Emulador Por: Claudio Akerman Olá amigos do The Club, estamos de volta com mais um artigo sobre a plataforma Palm. Em uma das edições anteriores, mostramos como você pode desenvolver um sistema de Conduit usando o Delphi. Para testar seu Conduit, você pode usar o Emulator do Palm para garantir que seu Conduit esteja funcionando perfeitamente antes de colocá-lo em produção em equipamentos Palm. É isso que vamos mostrar hoje! Configurando o ambiente Configurando o PC Clique com o botão direito do mouse no ícone do Hotsync Introdução O emulador é uma ótima ferramenta para se testar aplicações em desenvolvimento. Transferir uma aplicação para o Emulador é muito mais rápido do que para um dispositivo Palm. Vantagens 1) O Hotsync com o emulador é mais rápido que o realizado com o próprio dispositivo; 2) Capacidade de testar vários modelos diferentes de dispositivos; 3) Capacidade de configurar diferentes usuários; 4) Não gasta bateria; 5) Não necessita porta serial; Versão do Palm OS O sincronismo em rede, que permite o Hotsync com o emulador, está disponível nas versões do PalmOS superiores a 3.0, ou seja, a ROM utilizada no emulador deverá ser de uma versão igual ou superior a esta. 1. Marque a opção Network. As outras opções (Local e Modem) também podem estar marcadas. Entre na opção de Setup. MeGAZINE 5

6 1 - Escolha a aba Network. 2 - Marque os usuários que terão permissão de efetuar o HotSync. 3 - Clique neste botão para ver e anotar os dados de TCP/IP da sua estação de trabalho. Configurando o Emulador 1 - Clique com o botão direito do mouse sobre o emulador e escolha: Settings e em seguida Properties. Preencha a caixa HotSync User Name com o nome do usuário que será utilizado para efetuar o sincronismo. 6 MeGAZINE

7 2 - Selecione a aplicação HotSync 5 -Selecione no menu a opção Primary PC Setup. 3 - Selecione no menu a opção Modem Sync Prefs Escreva em Primary PC Name ou em Prymary PC Address os dados anotados do TCP/IP Settings de sua máquina. 6 - Selecione Modem na tela principal do HotSync Escolha a opção Network 4 -Selecione no menu a opção LANSync Prefs Clique em seguida em Select Service. 7 - Você pode deixar marcado o serviço default. Service: Aimnet Em seguida entre com o telefone Agora clique no ícone do HotSync e ele irá acontecer. Escolha a opção LANSync. MeGAZINE 7

8 .NET Tratamento Global de Exceptions Por Mauro Sant Anna Mauro é um MSDN Regional Director, consultor e instrutor da MAS Informática (www.mas.com.br), tendo ministrado treinamentos na arquitetura.net desde outubro de 2000 para diversas empresas, dentre as quais a própria Microsoft. Este artigo não pretende abordar amplamente o mecanismo de tratamento de exceptions e sim mostrar um pequeno truque. Este truque NÃO dispensa o correto tratamento de exceptions nem a farta distribuição de try/finallys, ambos usualmente esquecidos mas isto é outra longa e triste história que ficará para outra ocasião. Muitas vezes estamos processando exceptions para tomar decisões importantes na execução dos aplicativos. No entanto, algumas vezes o tratamento e exceptions NÃO afeta a lógica do programa, pois estamos APENAS fazendo uma ou mais das seguintes tarefas: Traduzindo as mensagens de erro para Português (enquanto a versão localizada do.net Framework não está disponível); Mostrando as mensagens em uma caixa de diálogo mais bonitinha; Logando as mensagens de erro em um arquivo ou no System Log. Nestes casos mais simples E APENAS NELES é possível fazer um tratamento global de exceptions. Para isto, criaremos um método 8 que vai tratar as exceptions e o associaremos com um evento do aplicativo. Quem tiver familiaridade com o Delphi da reconhecerá o mecanismo usado, pois ele também está disponível na ferramenta da Borland. Criando a função de tratamento Crie um projeto C# com formulários no Visual Studio.NET: Criando a função de tratamento Crie um projeto C# com formulários no Visual Studio.NET:: MeGAZINE

9 .NET Na classe do formulário, crie um método como o mostrado a seguir. O nome do método e dos argumentos podem variar, mas os tipos dos argumentos devem ser mantidos: public void DeuPau(object sender, System.Threading.ThreadExceptionEventArgs t) { // Trata exception MessageBox.Show (this, t.exception.message, Deu Pau ); } onde a exception foi gerada; Embora estejamos fazendo o tratamento no formulário principal, ele funciona para todos os formulários. Testando Para testar o nosso programa, devemos causar o disparo de algumas exceptions. Acrescente botões ao formulário: Associando o tratamento global Precisamos agora associar as exceptions ao método acima. No construtor do formulário acrescentaremos uma linha de código: public Form1() { // // Required for Windows Form Designer support // InitializeComponent(); // // TODO: Add any constructor code after InitializeComponent call // Application.ThreadException+=new System.Threading.ThreadExceptionEventHandler(DeuPau); } Note o seguinte: Não há nada de mágico no código acima. A classe Application foi especialmente preparada de forma a permitir que um método criado depois trate as exceptions; Este mecanismo depende do message loop dentro do método Application.Run(), o que por sua vez significa que este mecanismo só está disponível para programas que usem formulários; O fato do programa não terminar quando ocorrer uma exception também é uma característica de como é feito o tratamento das exceptions no código do message loop : o processamento da mensagem do Windows que disparou a exception é terminado (por exemplo um click no botão ou item de menu), mas as próximas mensagens são processadas normalmente; Caso o código que processe o evento trate a exception, o tratamento global não será executado. Este é um comportamento desejável; Não temos informações específicas de onde ocorreu ou o que exatamente ocorreu. Não podemos também reiniciar o código de Coloque o código seguinte para processar os eventos Click: // Divisão por zero private void button1_click(object sender, System.EventArgs e) { decimal x = 0; decimal y = 10 / x; Text = y.tostring(); } // Arquivo não existe private void button2_click(object sender, System.EventArgs e) { System.IO.StreamReader Arq = new System.IO.StreamReader( xxx.www ); } // Acesso a referência nula private void button3_click(object sender, System.EventArgs e) { object O = null; Text = O.ToString(); } // Cast inválido MeGAZINE 9

10 .NET private void button4_click(object sender, System.EventArgs e) { int i = 10; object O = i; double d = (double) O; } // Conversão inválida private void button5_click(object sender, System.EventArgs e) { Convert.ToInt32( Z ); } Veja um exemplo do tratamento: Tratando cada exception Você pode identificar a exception disparada e dar um tratamento especial a cada uma delas. Você pode também dar um tratamento padrão às exceptions desconhecidas. Veja o código para fazer isto: public void DeuPau(object sender, System.Threading.ThreadExceptionEventArgs t) { // Trata exception string Msg; if (t.exception is DivideByZeroException) Msg = Não posso dividir por zero ; else if (t.exception is System.IO.IOException) Msg = Problema no acesso a arquivo ; else if (t.exception is NullReferenceException) Msg = Referência nula acessada ; else if (t.exception is InvalidCastException) Msg = Problema na conversão de tipos ; else if (t.exception is FormatException) Msg = Não posso converter o texto suprido ; else Msg = Exception desconhecida\r\n + t.exception.message; MessageBox.Show(this, Msg, Deu Pau ); } Conclusão O tratamento global de exceptions, embora esteja longe de resolver todas as questões relacionadas ao tema, é uma técnica útil para fazer um tratamento simples. 10 MeGAZINE

11 ORACLE Dicas de Instruções e Comandos Oracle... Mário Camilo Bohm - Bohm,Interal Fone (011) Neste mês, vamos discutir algumas dicas bastante úteis para programação SQL e para administração de bases Oracle. Divirtam-se! LIMITANDO O NÚMERO DE LINHAS DO SELECT Vamos tomar como hipótese uma tabela de CLIENTES com mais de registros. Depois de ordená-la por um determinado campo, LIMCRED por exemplo, que equivale ao limite de crédito do cliente, podemos desejar ver apenas os registros mais significativos, que contém os maiores limites de crédito. Podemos para isso utilizar então a cláusula ROWNUM e definir para ela um parâmetro, que corresponderá ao número de linhas que iremos desejar no retorno do SELECT. Veja que simples: MeGAZINE 11

12 ORACLE GROUP BY E A CLÁUSULA HAVING Imaginemos agora que queremos totalizar nossas vendas por cliente, utilizando para isso um join da tabela CLIENTES com a tabela PEDIDOS, que guarda no campo CHAVE_CLIENTE a identificação do CLIENTE daquele pedido, fundamentando uma CONSTRAINT FOREIGN KEY. Podemos para isso utilizar a cláusula GROUP BY, agrupando, totalizando e calculando a média das vendas por cliente. É evidente que iremos obter tantos registros quantos forem os clientes com negócios dentro da seleção que fizermos, o que nem sempre é necessário e importante para nossas análises. Podemos desejar como resultado, por exemplo, apenas os clientes com mais de R$ ,00 de pedidos acumulados. Para isso, podemos utilizar a cláusula HAVING dentro de nosso GROUP BY. Veja que simples: 12 MeGAZINE

13 ORACLE Agora temos apenas os clientes que tem vendas acumulada acima do parâmetro que definimos na cláusula HAVING. Simples não? LISTANDO OS OBJETOS DE UM USUÁRIO Para identificarmos e listarmos os objetos de um determinado usuário Oracle, podemos utilizar a VIEW USER_OBJECTS do dicionário de dados. Vamos utilizar então essa VIEW para listarmos, em ordem de TIPO DE OBJETO e depois de NOME DE OBJETO, todos os objetos do usuário em que estivermos conectados: MeGAZINE 13

14 ORACLE A partir daí fica fácil, por exemplo, listarmos apenas os objetos TABLE do usuário, em ordem de nome do objeto: Simples também não é mesmo? Você vai notar, contudo, que os objetos CONSTRAINT não aparecem nessa VIEW, porque na verdade são objetos que dependem da existência de outros e estão relacionados na VIEW USER_CONSTRAINTS. No próximo mês continuaremos com novas e interessantes dicas. Até lá! 14 MeGAZINE

15 Por: Claudenir C. Andrade - Analista de Sistemas para Automação Comercial DELPHI Que fazer para... Recuperar as formas de pagamento do ECF? Em um PDV existem vários controles que devem ser emitidos pelo próprio ECF ou controles internos do software para manter a consistência entre o ECF e o Software de automação comercial. Entre estes controles podemos enumerar vários deles, por exemplo, Número de itens cancelados, Número de Itens Vendidos, Número de Reduções ou Fechamentos Realizados, Total de Cancelamentos, total de Sangrias e Suprimentos realizados, etc.. Entre todos estes controles existe um muito critico e de importância vital para o controle do caixa Formas de Pagamento. No ECF as formas de pagamento devem ser cadastradas no começo do dia fiscal, antes de realizar qualquer venda no PDV. Toda vez que o operador realiza um fechamento de caixa, Redução z Além de zerar os totalizadores existentes o ECF também irá eliminar os valores e as descrições das formas de pagamento cadastradas no começo do dia. Que problema!! Já imaginou se no meio do dia seu cliente necessita cadastrar uma forma de pagamento? Impossível fazer isso em alguns ECFS. Na Bematech, utilizando a DLL BemaFI32.dll ao realizar uma venda e fechar o cupom fiscal, a dll com um comando interno cadastra as formas de pagamento automaticamente no ECF, exonerando o software da tarefa de todos os dias, ao abrir o caixa, enviar as formas de pagamento, pré-fixadas, para o ECF. Esta vantagem pode ser uma faca de dois gumes, porque? Porque assim como você tem esta facilidade de ter o cadastramento das formas de pagamento dinamicamente, ou seja no ato da venda, o seu software possui uma probabilidade maior de estar sem sincronia, as formas de pagamento cadastradas no ECF com as formas de pagamento cadastradas em seu software. Por isso, em nossa que fazer para.. deste mês estamos falando exatamente sobre isso, como ler as formas, as descrições, das formas de pagamento do ECF. Segue abaixo um algoritmo que o que fazemos é 1) Chamar a função da dll que nos devolve as formas de pagamento com seus valores 2) Destrinchar os valores das descrições 3) Armazenar as descrições em um array Com isso teremos este array a nossa disposição para alimentar um Combo ou um list Box, exibir para o usuário as formas de pagamentos disponíveis ou, conforme comentamos nos parágrafos iniciais, emitir um relatório das formas de pagamento. Tenho a certeza que o algoritmo abaixo será muito útil em sua aplicação. procedure TForm1.Leitura_FormasdePagamento ; Var sformas: string; sdescricao: string; iconta:integer; aformaspagamento: array[0..16] of string; iret :Integer; for iconta := 1 to 3016 do sformas := sformas + ; iret := Bematech_FI_VerificaFormasPagamento ( sformas ); sdescricao:= Dinheiro ; iconta:=0; While (iconta<=16) do sdescricao:=copy( sformas, 0, 16); if (Trim(sDescricao)= ) then exit; sformas:=copy(sformas,59,strlen (Pchar(sFormas)) - 60); aformaspagamento[iconta]:=trim(sdescricao); iconta:=iconta+1; MeGAZINE 15

16 Trabalhando com campo Blob no Interbase. Um das características mais úteis da maioria dos bancos de dados modernos é a habilidade para armazenar dados binários, por exemplo, dados de qualquer tipo, formato, ou tamanho. O InterBase foi de fato o primeiro banco de dados a caracterizar tal tipo de campo, e se refere a isto como um BLOB. Aqui está como foi definido na documentação do InterBase: O InterBase fornece um tipo (BLOB) para armazenar dados que não podem ser armazenados facilmente em um dos tipos de dados padrões do SQL. Um BLOB é usado para armazenar dados muito grandes de tamanho indeterminado e variável, como imagens, arquivos de som, segmentos de vídeo ou qualquer outro tipo de informação multimidia. A ferramenta básica para se trabalhar com campos Blob são os métodos do TBlobField chamados LoadFromFile e SaveToFile. Se a única coisa que você quer fazer com um BLOB é carregar um arquivo externo que contém os dados do BLOB em uma tabela da banco de dados, ou salvar os dados do BLOB em uma tabela do banco de dados para um arquivo externo, estes são os únicos métodos que você precisará. Porém, você pode fazer muito mais com o BLOB utilizando os componentes nativos do Delphi. Este artigo mostra técnicas para pegar dados Blob dentro e fora dos campos em registros de banco de dados, memória, arquivos e componentes do Delphi. O exemplo que acompanha este artigo usa uma base de dados Interbase, os componentes da palheta Interbase Express, e um ClientDataSet, mas os mesmos métodos e técnicas trabalharão com a maioria dos componentes dataset do Delphi. O banco de dados Interbase tem apenas duas tabelas. A primeira é Blobs, e a estrutura é mostrada na figura 1. O BLOB_TYPE_DOMAIN é um VarChar(32) usado para receber uma descrição de texto do tipo BLOB no registro. A segunda tabela, Blob_Type, contém uma lista de tipos Blobs válidos e é usado para validar o valor do campo Blob_Type na tabela Blobs. A validação do campo Blob_Type é feito por triggers Before Insert e Before Update. O valor do campo Blob_ID é fornecido por um generator. CREATE TABLE Blobs ( Blob_ID INTEGER NOT NULL, Blob_Type BLOB_TYPE_DOMAIN, Text_Data BLOB SUB_TYPE TEXT SEGMENT SIZE 80, Binary_Data BLOB SUB_TYPE 0 SEGMENT SIZE 512, PRIMARY KEY( Blob_ID )); Figura 1: Estrutura da tabela Blobs Trabalhando com Bitmaps Os métodos LoadFromFile e SaveToFile são métodos da classe TBlobField. TBlobField é a classe de objeto de campo usada por campos Blob se você instanciar o campo em tempo de design usando o Fields Editor, ou deixar o Delphi criar o campo dinamicamente em tempo de execução. A figura 2 mostra o código do botão Load File no form BitMap da aplicação exemplo mostrada na figura 3. Este código começa configurando a propriedade InitialDir do componente TOpenDialog chamado OpenBmpDialog e então ele chama o método Execute para 16 MeGAZINE

17 mostrar a caixa de diálogo. Se o usuário escolher um arquivo e clicar no botão OK, o código verifica se o ClientDataSet, cdsblob, está em modo Browse. Neste caso o método Edit do ClientDataSet é chamado. Depois o método LoadFromFile é chamado para carregar o conteúdo do arquivo selecionado para dentro do campo Binary_Data do registro corrente. procedure TfrmBmp.btnLoadFileClick(Sender: TObject); with OpenBmpDlg do InitialDir := ExtractFilePath( Application.ExeName + gfiledir); if not Execute then Exit; if dmmain.cdsblob.state = dsbrowse then dmmain.cdsblob.edit; dmmain.cdsblobbinary_data.loadfromfile( OpenBmpDlg.FileName); Figura2: Código do botão Load File do form BitMap Este código só trabalha porque o campo cdsblob ClientDataSet foi instanciado em tempo de design usando o Fields Editor, assim que o objeto instanciado TBlobField chamado cdsblobbinary_data poderia se usado para chamar o método LoadFromFile. Se você tentar usar: dmmain.cdsblob.fieldbyname( Binary_Data ). LoadFromFile(OpenBmpDlg.FileName; você receberá um erro Undeclared identifier: LoadFromFile. Isto acontece porque o método FieldByName retorna uma referencia de objeto TField e TField não tem o método LoadFromFile. Se você quer usar o FieldByName ou o array de Fields para acessar os campos, você terá que converter a referência para TBlobField como mostrado na instrução abaixo: dmmain.cdsblob.tblobfield(fieldbyname( Binary_Data )).LoadFromFile(OpenBmpDlg.FileName; O botão Save File do form BitMap usa um código quase igual. A única diferença é que ele usa um TSaveDialog e chama o método SavetoFile O BitMap é o tipo mais fácil para se trabalhar com o Delphi, porque ele pode ser mostrado através de um componente DBImage. O único truque para mostrar bitmaps é como você quer controlar o tamanho da imagem em relação ao tamanho do componente DBImage. Existem duas escolhas. A primeira, é mostrar o bitmap com o tamanho atual configurando a propriedade Strech do DBImage para False. Se o Bitmap for maior que o componente DBImage, você só poderá ver parte da imagem. Isto é provavelmente insatisfatório desde que não exista um caminho para adicionar um scroll bar para o DBImage para permitir que os usuários movam para outras áreas da imagem. Resolver o problema em relação a largura e altura é fácil se todas as imagens tiverem o mesmo tamanho. Tudo o que você tem que fazer é ter certeza de configurar as propriedades Width e Height do DBImage para estar compatível em relação a largura e altura dos seus bitmaps em tempo de design. O exemplo tem bitmaps em ambas orientações portrait e landscape. Para resolver o problema, o método SetImageSize, mostrado na figura 4, foi chamado a partir do evento AfterScroll do ClientDataSet cdsblob. O DBImage tem uma propriedade Picture do tipo TPicture que é uma referência ao objeto TPicture que guarda o bitmap. O SetImageSize usa as propriedades Picture.Width e Picture.Height do DBImage para determinar se a orientação da imagem é portrait ou landscape. Se a orientação for portrait, o método configura a altura do DBImage para a altura do painel que o contém menos dois pixels e calcula a largura do DBImage para preservar a relação entre a largura e a altura. Se a orientação for landscape, o método configura a largura do DBImage para a largura do painel menos dois pixels, e calcula a altura para manter a relação entre a largura e a altura. procedure TfrmBmp.SetImageSize; if dbibmp.picture.height > dbibmp.picture.width then if dbibmp.picture.height > 0 then dbibmp.height := pnlbmp.height - 2; dbibmp.width := Trunc(dbiBmp.Height * (dbibmp.picture.width / dbibmp.picture.height)); dbibmp.left := (pnlbmp.width-dbibmp.width) div 2; dbibmp.top := 1; end else if dbibmp.picture.width > 0 then dbibmp.width := pnlbmp.width - 2; dbibmp.height := Trunc(dbiBmp.Width * (dbibmp.picture.height / dbibmp.picture.width)); dbibmp.top := (pnlbmp.height-dbibmp.height) MeGAZINE 17

18 div 2; dbibmp.left := 1; Figura 4: O método SetImageSize Para pegar uma imagem que está no DBImage e jogá-la para a área de transferência, chame a propriedade CopyToClipboard do componente DBImage. Para colar um bitmap da área de transferencia para um DBImage, chame o método PasteFromClipBoard. Veja na figura 5 código do botão Copy and Paste. procedure TfrmBmp.btnCopyClipboardClick (Sender: TObject); dbibmp.copytoclipboard; procedure TfrmBmp.btnPasteClick(Sender: TObject); dbibmp.pastefromclipboard; Figura 5: Evento OnClick do botão Copy and Paste. Uma das desvantagens do bitmap é que neste formato não há compressão, então os arquivos são muito grandes. Se você precisar salvar um bitmap para um arquivo e quiser diminuir o seu tamanho, você pode convertê-lo para o formato JPEG. O formato JPEG diminui muito o tamanho do arquivo. Veja na figura 6 o código para salvar a imagem bitmap para jpeg. procedure TfrmBmp.btnSaveJpegClick(Sender: TObject); var JpegImage: TJpegImage; JpegImage := TJpegImage.Create; try JpegImage.Assign(dbiBmp.Picture.Bitmap); JpegImage.SaveToFile(ExtractFilePath( Application.ExeName) + gfiledir + Bitmap.jpg ); finally JpegImage.Free; Figura 6: Salvando um bitmap para jpeg. Este método inicia criando uma instância da classe TJpegImage. O código converte o bitmap que está sendo mostrado no DBImage chamando o método Assign do objeto JpegImage, e passando a propriedade Bitmap do objeto Picture referenciado pela propriedade Picture do componente DBImage como parâmetro. Isto converte o bitmap para jpeg. Depois o método SaveToFile do objeto JPegImage é chamado para salvar a imagem para o arquivo BitMap.jpg. Finalmente o objeto JPegImage é liberado. Você pode reduzir a compressão e aumentar a qualidade da imagem jpeg modificando a propriedade CompressionQuality do objeto JpegImage como descrito no help. Usando Blob em Queries Para incluir um dado BLOB em uma query INSERT ou UPDATE, você deve usar um parâmetro para dados Blob. A figura 7 mostra o código do evento OnClick do botão Insert Query do form Bitmap. Este código carrega um arquivo bitmap na memória, então usa uma query INSERT para adicionar um novo registro, que inclui um bitmap na tabela. O método inicia criando um objeto FileStream que abre o arquivo Greenstone.bmp para leitura. Uma variável string chamada Buff é usada para guardar o bitmap na memória. O próximo passo é configurar o tamanho do buff para o tamanho do arquivo chamando SetLenght e passando o Buff como primeiro parâmetro e BinFile.Size como segundo parâmetro. A próxima linha chama o método Read para ler o arquivo inteiro para a string. Note que você não pode passar a variável string Buff como primeiro parâmetro para o método Read porque este parâmetro é um ponteiro sem tipo para localizar na memória. Instanciado você deve passar o primeiro elemento da array string, o qual é um ponteiro para o inicio do bloco de memória onde as informações estão gravadas. procedure TfrmBmp.btnInsertQueryClick(Sender: TObject); var BinFile: TFileStream; Buff: string; with dmmain.ibsqlmisc do // Cria objeto FileStream BinFile := TFileStream.Create(ExtractFilePath( Application.ExeName) + gfiledir + Greenstone.bmp, fmopenread or fmsharedenywrite); try // aloca memória para o buffer SetLength(Buff, BinFile.Size); 18 MeGAZINE

19 // carrega arquivo para o buffer BinFile.Read(Buff[1], BinFile.Size); // instrucao SQL para inserir a imagem. dmmain.ibsqlmisc.sql.add( INSERT INTO Blobs (Blob_Type, Binary_Data) + VALUES (:BlobType, :BlobData) ); dmmain.ibtranmisc.starttransaction; try // atribui parametros dmmain.ibsqlmisc.params.byname( BlobType ).AsString := btbmp; dmmain.ibsqlmisc.params.byname( BlobData ).AsString := Buff; // Executa query. dmmain.ibsqlmisc.execquery; finally dmmain.ibtranmisc.commit; finally BinFile.Free; dmmain.cdsblob.refresh; Figura 7: Código do evento OnClick do botão Insert Query. O data module do exemplo contém um componente IBSQL, ibsqlmisc, que é usado para inserir um novo registro. A instrução INSERT INTO Blobs (Blob_Type, Binary_Data) VALUES (:BlobType, :BlobData) é incluida na propriedade SQL se o componente IBSQL e os valores forem informados para os dois parâmetros na instrução SQL. Note que o parâmetro BlobData é informado usando a sua propriedade AsString da variável string Buff que contém o bitmap. Finalmente o código começa uma transação, executa a query, dá um commit na transação e libera o FileStream. A atualização de um campo Blob em um registro existente é feito exatamente da mesma forma. Isto pode parecer estranho para usar uma variável string para armazenar o Blob, mas esta é única opção disponível para os componentes IBSQL e IBDataSet porque seus parametros estão em uma propriedade AsBlob. Se você está usando componente dataset do BDE ou qualquer outro componente dataset que usem o objeto TParam para parametros, você terá a opção de usar a propriedade AsBlob. Você pode usar um PCHAR para armazenar o Blob e informar o PCHAR para o parâmetro usando: Query1.ParamByName( BlobData ).AsBlob := SomePCharThatContainsTheBlob; Trabalhando com imagens JPEG O trabalho com imagens JPEG é muito similar ao trabalho com bitmaps, mas existe uma importante diferença. O primeiro destes é que o componente DBImage não mostra as imagens JPEG. Ao invés disso você deve usar um TImage e mover o JPEG do campo da base de dados via programação. Veja o código da figura 8, ele mostra o código do evento OnClick do botão View JPEG e o método LoadImageFromFile que pega a imagem JPEG do campo e mostra no componente image. procedure TfrmJpeg.btnViewClick(Sender: TObject); LoadImageFromField (imgjpeg, dmmain.cdsblobbinary_data); SetImageSize; procedure TfrmJpeg.LoadImageFromField(Image: TImage; ImageField: TBlobField); var MemStrm: TMemoryStream; Jpg: TJPEGImage; if ImageField.IsNull then Image.Picture.Assign(nil); Exit; Jpg := TJPEGImage.Create; try MemStrm := TMemoryStream.Create; try ImageField.SaveToStream(MemStrm); MemStrm.Seek(0, sofrombeginning); with Jpg do PixelFormat := jf24bit; Scale := jsfullsize; Grayscale := False; Performance := jpbestquality; ProgressiveDisplay := True; ProgressiveEncoding := True; LoadFromStream(MemStrm); Image.Picture.Assign(Jpg) finally MemStrm.Free; MeGAZINE 19

20 finally Jpg.Free; Figura 8: Método que mostra um JPEG da tabela em um componente Image. O LoadImageFromFile tem dois parametros. O primeiro é o componente Image que será usado para mostrar a imagem JPEG. O segundo é o campo BlobField para o campo que contém a imagem JPEG. O método começa checando se o campo tem alguma informação. Se não, ele configura a propriedade Picture do componente Image para nil. Se o campo contém informação, instancias do objeto TJPEGImage e do objeto MemoryStream serão criadas. Depois o método SaveToStream do objeto BlobField é chamado para copiar a imagem JPEG do campo para o MemoryStream. O código do bloco with configura as propriedades do objeto JPEGImage e chama o método LoadFromStream para carregar a imagem JPG no objeto JPEGImage do MemoryStream. Usando a área de transferência com um componente Image é diferente de usar a área de transferencia com o componente DBImage, como mostrado na figura 9. Visto que o componente Image não tem o método Clipboard, o objeto Clipboard do Delphi é usado para copiar uma imagem fora de, ou colar uma imagem dentro, do componente Image. procedure TfrmJpeg.btnCopyClipboardClick(Sender: TObject); Clipboard.Open; Clipboard.Assign(imgJpeg.Picture); Clipboard.Close; procedure TfrmJpeg.btnPasteClipboardClick(Sender: TObject); imgjpeg.picture.bitmap.assign(clipboard); Figura 9: Código dos botões Copy e Past do form JPEG. A figura 10 mostra como converter uma imagem JPEG para um bitmap e salvá-lo em um arquivo. Um objeto Bitmap é criado e o método Assign é chamado para converter o JPEG do componente Image para um bitmap e lê-lo no objeto BitMap. Salvar o bitmap para um arquivo é realizado chamando o método SavetoFile do objeto BitMap. procedure TfrmJpeg.btnSaveAsBmpClick(Sender: TObject); var BmpImage: TBitmap; BmpImage := TBitmap.CREATE; try BmpImage.Assign(imgJpeg.Picture.Graphic); BmpImage.SaveToFile(ExtractFilePath( Application.ExeName) + gfiledir + Jpeg.bmp ); finally BmpImage.Free Figura 10: Converting um JPEG para um bitmap. Veja o código do evento OnClick botão Save BMP to DB mostrado na figura 11. Este código mostra como usar BlobStream para ler uma imagem de qualquer objeto que tenha um método SaveToStream. Este exemplo cria um objeto Bitmap como um bitmap. O método então insere um novo registro no ClientDataSet determinando um valor para o campo Blob_Type, cria um objeto BlobStream, e chama o método SaveToStream para carregar o bitmap no campo. Finalmente o BlobStream é liberado, o registro é gravado e o Bitmap é liberado. Note que você deve liberar o BlobStream antes de gravar o registro ou o campo será nulo. procedure TfrmJpeg.btnSaveBmpToDbClick(Sender: TObject); var BmpImage: TBitmap; Bs: TStream; BmpImage := TBitmap.Create; try BmpImage.Assign(imgJpeg.Picture.Graphic); with dmmain.cdsblob do Insert; dmmain.cdsblobblob_type.asstring := btbmp; Bs := CreateBlobStream( dmmain.cdsblobbinary_data, bmwrite); try BmpImage.SaveToStream(Bs); finally Bs.Free; 20 MeGAZINE

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase.

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase. Prof. Omero, pág. 63 O que é o InterBase? O InterBase é um SGBDR - Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cliente/Servidor Relacional 1 que está baseado no padrão SQL ANSI-9, de alta performance, independente

Leia mais

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Apresentação da ferramenta Professor: Danilo Giacobo Página pessoal: www.danilogiacobo.eti.br E-mail: danilogiacobo@gmail.com 1 Introdução Visual

Leia mais

Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005

Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005 Nome Número: Série Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005 Proposta do projeto: Competências: Compreender a orientação a objetos e arquitetura cliente-servidor, aplicando-as

Leia mais

Android e Bancos de Dados

Android e Bancos de Dados (Usando o SQLite) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Interface para Regras de Negócios em Multi-Banco

Interface para Regras de Negócios em Multi-Banco 1 Interface para Regras de Negócios em Multi-Banco MARCELO JALOTO (marcelo@jaloto.net) é graduado no curso superior Projetos e Gestão de Redes de Computadores e formado no curso Técnico em Processamento

Leia mais

Memória Flash. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos

Memória Flash. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos TUTORIAL Memória Flash Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br contato@maxwellbohr.com.br

Leia mais

Conteúdo O que é?... 4 Histórico... 4 Onde Baixar?... 4 Diferença entre Firebird e o Interbase... 4 Como instalar?... 4 Instalando o Ibexpert...

Conteúdo O que é?... 4 Histórico... 4 Onde Baixar?... 4 Diferença entre Firebird e o Interbase... 4 Como instalar?... 4 Instalando o Ibexpert... Apostila FIREBIRD 1 Firebird Equipe: BARBARA CAROLINE SOUZA DE OLIVEIRA Nº 04 GUILHERME ROBERTO PINTO DE SOUZA Nº 16 JOSÉ ROSA MARTINS NETO Nº 22 RAFAEL ALVES DE SOUSA Nº 36 WELLINGTON COSTA SANTOS OLIVEIRA

Leia mais

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características:

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características: Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br Conhecendo o NSBASIC para Palm Vitor Amadeu Vitor@cerne-tec.com.br 1. Introdução Iremos neste artigo abordar a programação em BASIC para o Palm OS. Para isso, precisaremos

Leia mais

Projeto Supermercado - Produtos

Projeto Supermercado - Produtos OBJETIVO: Este projeto possibilitará fazer a manutenção dos dados da tabela de Produtos. Didaticamente, ele permite ao programador iniciante ter os primeiros contatos com os objetos de visualização individual

Leia mais

INTRODUÇÃO. A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2010.

INTRODUÇÃO. A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2010. Guia de Instalação do SolidWorks 2010 INTRODUÇÃO A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2010. O SolidWorks pode ser instalado

Leia mais

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I PROFESSOR RAFAEL BARRETO

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I PROFESSOR RAFAEL BARRETO ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI - UTILIZANDO OPENDIALOG PARA ARMAZENAR IMAGENS EM BANCO DE DADOS Criaremos uma solução simples para criar

Leia mais

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 4 O Componente Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Ano: 03/2011

Leia mais

Criação de uma base de dados em MS SQL Server e acesso com VB 6. Professor Sérgio Furgeri

Criação de uma base de dados em MS SQL Server e acesso com VB 6. Professor Sérgio Furgeri OBJETIVOS DA AULA: Criação de uma base de dados em MS SQL Server e acesso com VB 6. Fazer uma breve introdução a respeito do MS SQL Server 7.0; Criar uma pequena base de dados no MS SQL Server 7.0; Elaborar

Leia mais

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 2 Pedreiros da Informação Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL

Leia mais

SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela

SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela Certamente você já ouviu falar muito sobre triggers. Mas o quê são triggers? Quando e como utilizá-las?

Leia mais

Manual de Instalação do Facilite e Configuração do Banco de Dados

Manual de Instalação do Facilite e Configuração do Banco de Dados Pagina 1 Titulo do Manual [Parâmetros Gerais] Elaboração [Ricardo Francisco Mizael] Versão 1.1 Data Elaboração 01/08/2011 Paginas 33 Data Revisão 25/11/2011 Pagina 2 Conteúdo do Manual Apresentação...3

Leia mais

A multimídia para ambiente Windows foi desenvolvida a poucos anos atrás e hoje é lugar comum, nesta seção discutimos alguns itens genéricos.

A multimídia para ambiente Windows foi desenvolvida a poucos anos atrás e hoje é lugar comum, nesta seção discutimos alguns itens genéricos. MULTIMÍDIA Capítulo 8 Neste capítulo apresentaremos alguns elementos de multimídia, tais como: sons e vídeos e também como utilizar os recursos usando o controle de multimídia do ambiente Delphi. O Delphi

Leia mais

LOJA ELETRÔNICA MANUAL DE INSTALAÇÃO

LOJA ELETRÔNICA MANUAL DE INSTALAÇÃO LOJA ELETRÔNICA MANUAL DE INSTALAÇÃO RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o mercado de

Leia mais

Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL.

Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL. Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2012 Edição 7 Listando e Gravando Listando itens em ComboBox e gravando os dados no

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração do SQL Express

Manual de Instalação e Configuração do SQL Express Manual de Instalação e Configuração do SQL Express Data alteração: 19/07/11 Pré Requisitos: Acesse o seguinte endereço e faça o download gratuito do SQL SRVER EXPRESS, conforme a sua plataforma x32 ou

Leia mais

Usando o evento OnFilterRecord para filtrar ClientDataSets

Usando o evento OnFilterRecord para filtrar ClientDataSets Usando o evento OnFilterRecord para filtrar ClientDataSets O objetivo mais importante no desenvolvimento de um programa é fornecer ao cliente maior liberdade para usar as interfaces e ao mesmo tempo tornar

Leia mais

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Prof. Gilbert Azevedo da Silva I. Objetivos Conhecer o Ambiente Integrado de Desenvolvimento (IDE) do Delphi 7, Desenvolver a primeira aplicação no Delphi 7, Aprender

Leia mais

Dando um passeio no ASP.NET

Dando um passeio no ASP.NET Dando um passeio no ASP.NET Por Mauro Sant Anna (mas_mauro@hotmail.com). Mauro é um MSDN Regional Director, consultor e instrutor. O principal objetivo da arquitetura.net é permitir ao usuário o fácil

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1 Em qualquer profissão é importante que se conheça bem as ferramentas que serão usadas para executar o trabalho proposto. No desenvolvimento de software não é

Leia mais

Alternate Technologies Fevereiro/2013. FórmulaCerta Procedimentos para Atualização Versão 5.8 (Fevereiro/2013)

Alternate Technologies Fevereiro/2013. FórmulaCerta Procedimentos para Atualização Versão 5.8 (Fevereiro/2013) FórmulaCerta Procedimentos para Atualização Versão 5.8 () 1 Sumário: PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO VERSÃO 5.8... 4 ATUALIZAÇÃO DO SISTEMA VIA CD... 6 1º Passo Atualizações e Alterações da Versão 5.8...

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

INTRODUÇÃO. A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2009.

INTRODUÇÃO. A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2009. Guia de Instalação do SolidWorks 2009 INTRODUÇÃO A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2009. O SolidWorks pode ser instalado

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

Segurança de Acesso a Banco de Dados no MS SQL Server

Segurança de Acesso a Banco de Dados no MS SQL Server Segurança de Acesso a Banco de Dados no MS SQL Server Para efetuar com sucesso os exemplos que serão mostrados a seguir é necessário que exista no SQL Server uma pessoa que se conecte como Administrador,

Leia mais

Atualizando do Windows XP para o Windows 7

Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizar o seu PC do Windows XP para o Windows 7 requer uma instalação personalizada, que não preserva seus programas, arquivos ou configurações. Às vezes, ela

Leia mais

Guia de administração. BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange. Versão: 4.1 Service pack: 4B

Guia de administração. BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange. Versão: 4.1 Service pack: 4B BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange Versão: 4.1 Service pack: 4B SWD-313211-0911044452-012 Conteúdo 1 Gerenciando contas de usuários... 7 Adicionar uma conta de usuário... 7 Adicionar

Leia mais

Introdução ao X3. Exercício 1: Criando um registro de Contato

Introdução ao X3. Exercício 1: Criando um registro de Contato Introdução ao X3 Exercício 1: Criando um registro de Contato Inicie por adicionar um novo registro de Contato. Navegue para a tabela de Contato clicando na aba de Contato no alto da página. Existem duas

Leia mais

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br 1. Abordagem geral Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br Em primeiro plano, deve-se escolher com qual banco de dados iremos trabalhar. Cada banco possui suas vantagens,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

Roteiro de Uso do InstallShield

Roteiro de Uso do InstallShield Roteiro de Uso do InstallShield Ao iniciar o InstallShield, a janela Welcome to InstallShield será exibida: Selecione a opção Create New Setup Project, para criar um novo modelo de instalação. A janela

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View

Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View www.cali.com.br - Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View - Página 1 de 29 Índice INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO (FIREBIRD E

Leia mais

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID Este material pertence a Carlos A. Majer, Professor da Unidade Curricular: Aplicações Corporativas da Universidade Cidade de São Paulo UNICID Licença de Uso Este trabalho está licenciado sob uma Licença

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ARTEFATO 02 AT02 Diversos I 1 Indice ESQUEMAS NO BANCO DE DADOS... 3 CRIANDO SCHEMA... 3 CRIANDO TABELA EM DETERMINADO ESQUEMA... 4 NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CRIAÇÃO E MODIFICAÇÃO

Leia mais

Como criar uma conta gratuita e subir uma foto no Windows Azure

Como criar uma conta gratuita e subir uma foto no Windows Azure Como criar uma conta gratuita e subir uma foto no Windows Azure (enviar URL da foto para igsjunior@gmail.com no máximo até 20/dez/2010) by Idevar Junior 1. Entre no site http://www.windowsazure.com/ 2.

Leia mais

O Primeiro Programa em Visual Studio.net

O Primeiro Programa em Visual Studio.net O Primeiro Programa em Visual Studio.net Já examinamos o primeiro programa escrito em C que servirá de ponto de partida para todos os demais exemplos e exercícios do curso. Agora, aprenderemos como utilizar

Leia mais

Display de 7. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 16/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos

Display de 7. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 16/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos TUTORIAL Display de 7 Segmentos Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 16/12/2005 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br contato@maxwellbohr.com.br

Leia mais

Primeiramente lemos a seguinte citação, copiada de Excel-Ajuda:

Primeiramente lemos a seguinte citação, copiada de Excel-Ajuda: 33 Capítulo 3 Procedimentos (macros) Primeiramente lemos a seguinte citação, copiada de Excel-Ajuda: O objetivo de uma macro é automatizar as tarefas usadas com mais freqüência. Embora algumas macros sejam

Leia mais

Manual de Usuário do UnB Webmail Destinado aos usuários de e-mail da Universidade de Brasília MODO DINÂMICO

Manual de Usuário do UnB Webmail Destinado aos usuários de e-mail da Universidade de Brasília MODO DINÂMICO Destinado aos usuários de e-mail da Universidade de Brasília MODO DINÂMICO Elaboração: Equipe de Suporte Avançado do CPD SA/SRS/CPD/UnB suporte@unb.br Universidade de Brasília Brasília / 2014 Resumo A

Leia mais

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Sumário: 1. Informações Gerais... 3 2. Criação de backups importantes... 3 3. Reinstalação do Sisloc... 4 Passo a passo... 4 4. Instalação da base de dados Sisloc...

Leia mais

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação Índice 1. Introdução... 3 2. Funcionamento básico dos componentes do NetEye...... 3 3. Requisitos mínimos para a instalação dos componentes do NetEye... 4 4.

Leia mais

CRIANDO UM BANCO DE DADOS

CRIANDO UM BANCO DE DADOS CRIANDO UM BANCO DE DADOS Bem, antes de iniciarmos propriamente no delphi, devemos aprender a usar sua ferramentas, sendo uma das mais importantes o Database Desktop, pois é com esta que construímos nossos

Leia mais

AVISO. Treinamento GVcollege Módulo Ficha Complementar

AVISO. Treinamento GVcollege Módulo Ficha Complementar AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

Oracle PL/SQL Overview

Oracle PL/SQL Overview Faculdades Network Oracle PL/SQL Overview Prof. Edinelson PL/SQL Linguagem de Programação Procedural Language / Structured Query Language Une o estilo modular de linguagens de programação à versatilidade

Leia mais

Tutorial de Computação Introdução a Programação Gráfica em Lazarus Para MEC 1100 v2010.10

Tutorial de Computação Introdução a Programação Gráfica em Lazarus Para MEC 1100 v2010.10 Tutorial de Computação Introdução a Programação Gráfica em Lazarus Para MEC 1100 v2010.10 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212

Leia mais

RESTAURAÇÃO E BACKUP DE BANCO DE DADOS FIREBIRD

RESTAURAÇÃO E BACKUP DE BANCO DE DADOS FIREBIRD RESTAURAÇÃO E BACKUP DE BANCO DE DADOS FIREBIRD "internal gds software consistency check (can't continue after bugcheck)" Este processo de restauração, visa fazer correções na base de dados que o cliente

Leia mais

Sistema básico de cadastro em Delphi com banco de dados InterBase.

Sistema básico de cadastro em Delphi com banco de dados InterBase. Sistema básico de cadastro em Delphi com banco de dados InterBase. Nesta apostila vamos abordar o uso do banco de dados Interbase e o acesso nativo com os componentes da paleta InterBase do Delphi, eu

Leia mais

Software e Serviços MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL

Software e Serviços MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL CONSIDERAÇÕES INICIAIS Este manual tem como objetivo propiciar a integração do SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL junto as ADMINISTRADORAS

Leia mais

Linux. Educacional. Tutorial Buzzword

Linux. Educacional. Tutorial Buzzword Linux Educacional Tutorial Buzzword Para trabalhar com o programa Buzzword online, é necessário que crie uma conta no site. Para isso acesse o endereço - https://buzzword.acrobat.com/ Para criar uma conta

Leia mais

Programação para Android. Aula 08: Persistência de dados SQL

Programação para Android. Aula 08: Persistência de dados SQL Programação para Android Aula 08: Persistência de dados SQL Persistência de dados Na maioria das aplicações precisamos ter algum tipo de persistência de dados. Para guardar informações de forma persistente

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. - INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox.

Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox. Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox. - Construção do Banco de Dados: Para podermos inserir algo em um banco precisaremos de um Banco de Dados, para isto iremos montar um utilizando o Programa Database

Leia mais

Manual de instruções da unidade da impressora

Manual de instruções da unidade da impressora Manual de instruções da unidade da impressora Para Windows 7 DS-RX1 Ver.1.01 Em relação aos direitos autorais Os direitos autorais para o Manual de Instruções da Unidade da Impressora DS-RX1, a Unidade

Leia mais

Backup dos Bancos de Dados Interbase

Backup dos Bancos de Dados Interbase Backup dos Bancos de Dados Interbase Interbase... O que é? InterBase é um gerenciador de Banco de dados relacionais da Borland. O Interbase é uma opção alternativa aos bancos de dados tradicionais como

Leia mais

DIGISAT ERRO MIDAS.DLL

DIGISAT ERRO MIDAS.DLL DIGISAT ERRO MIDAS.DLL Para resolver esta questão, faça o download do "Registra Midas" e "midas.dll" que estão disponíveis nos links abaixo e salve-os dentro da pasta de instalação do sistema. Em seguida,

Leia mais

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye 1. Introdução Esse guia foi criado com o propósito de ajudar na instalação do Neteye. Para ajuda na utilização do Software, solicitamos que consulte os manuais da Console [http://www.neteye.com.br/help/doku.php?id=ajuda]

Leia mais

Status Enterprise Guia do Usuário. Parte 12 Serviço de conector de Dados

Status Enterprise Guia do Usuário. Parte 12 Serviço de conector de Dados Guia do Usuário Parte 12 Serviço de conector de Dados Conteúdos 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 Descrição do Serviço conector de Dados ou Data com nector... 4 2 CRIAR UMA CONFIGURAÇÃO DE ENLACE DE DADOS... 5 2.1

Leia mais

Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1

Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1 Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1 Guia: Manual de instalação do Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1 Data do Documento: novembro de 2012 1 Conteúdo 1. Sobre este manual... 3 2. Requisitos de Sistema...

Leia mais

Requisitos do Sistema

Requisitos do Sistema PJ8D - 017 ProJuris 8 Desktop Requisitos do Sistema PJ8D - 017 P á g i n a 1 Sumario Sumario... 1 Capítulo I - Introdução... 2 1.1 - Objetivo... 2 1.2 - Quem deve ler esse documento... 2 Capítulo II -

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 1 Sumário 1 - Instalação Normal do Despachante Express... 3 2 - Instalação do Despachante Express em Rede... 5 3 - Registrando o Despachante Express...

Leia mais

Construindo e Codificando o Projeto Conversor de Números

Construindo e Codificando o Projeto Conversor de Números Criando um Add-In no Visual Basic 6 Por John P. Cunningham Definindo um diretório, renomeando o formulário e salvando o projeto Passo 1: Crie um subdiretório na diretório do Visual Basic chamado ConverterAddIn.

Leia mais

É uma das linguagens de programação que fazem parte da Plataforma.NET (em inglês: dotnet) criada pela Microsoft (Microsoft.NET).

É uma das linguagens de programação que fazem parte da Plataforma.NET (em inglês: dotnet) criada pela Microsoft (Microsoft.NET). C ( C-Sharp ) LPI 1. A Plataforma.NET (em inglês: dotnet) Visão Geral C é uma linguagem de programação. É uma das linguagens de programação que fazem parte da Plataforma.NET (em inglês: dotnet) criada

Leia mais

Manual de Instalação ProJuris8

Manual de Instalação ProJuris8 Manual de Instalação ProJuris8 Sumário 1 - Requisitos para a Instalação... 3 2 - Instalação do Firebird.... 4 3 - Instalação do Aplicativo ProJuris 8.... 8 4 - Conexão com o banco de dados.... 12 5 - Ativação

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração e Configuração MyABCM 4.0 Versão 4.00-1.00 2 Copyright MyABCM. Todos os direitos reservados Reprodução Proibida Índice Introdução... 5 Arquitetura, requisitos e cenários de uso do MyABCM... 7 Instalação

Leia mais

BrOffice.org Base. Prof. João Alberto Fabro UTFPR Curitiba

BrOffice.org Base. Prof. João Alberto Fabro UTFPR Curitiba Prof. João Alberto Fabro UTFPR Curitiba (Baseado no documento livre Introdução ao BrOffice.org Base, de Noelson Alves Duarte, Revisado em 18 de março de 2006) Formatos: Diversos, inclusive bases de dados

Leia mais

Conhecendo o Firebird

Conhecendo o Firebird Conhecendo o Firebird Se você procura um banco de dados fácil de utilizar, compacto, com recursos de um SGDB bom, grátis e principalmente confiável, precisa conhecer o Firebird. O Firebird é um banco de

Leia mais

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress O pacote BrOffice é um pacote de escritório muito similar ao já conhecido Microsoft Office e ao longo do tempo vem evoluindo e cada vez mais ampliando as possibilidades

Leia mais

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL 1. O que é Linguagem SQL 2. Instrução CREATE 3. CONSTRAINT 4. ALTER TABLE 5. RENAME TABLE 6. TRUCANTE TABLE 7. DROP TABLE 8. DROP DATABASE 1 1. O que é Linguagem SQL 2. O SQL (Structured Query Language)

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

Podemos agora ver no IDE do Morfik os objetos que já incorporamos ao nosso projeto :

Podemos agora ver no IDE do Morfik os objetos que já incorporamos ao nosso projeto : Podemos agora ver no IDE do Morfik os objetos que já incorporamos ao nosso projeto : O form Index A tabela Fotos A query Q_seleção_de_fotos Vide figura 46. Figura 46 O próximo passo é criar um form que

Leia mais

Introdução a Banco de Dados

Introdução a Banco de Dados Introdução a Banco de Dados Ricardo Henrique Tassi - Departamento de Replicação Índice 1- Introdução... 03 2- Quais são os bancos de dados mais conhecidos hoje em dia...04 3- Quais são os tipos de banco...05

Leia mais

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada.

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada. Editor de Ladder para VS7 Versão Teste O editor de ladder é um software de programação que permite que o VS7 e o µsmart sejam programados em linguagem de contatos. Esse editor está contido na pasta Público

Leia mais

G-Bar IGV. Instalação Versão 4.0

G-Bar IGV. Instalação Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço IGV Software Interpretador/ Gerenciador/ Visualizador de dados digitais de projetos CAD-TQS Instalação Versão 4.0 Manual do Usuário

Leia mais

ProRAE Guardian V1.5 Guia de referência rápida

ProRAE Guardian V1.5 Guia de referência rápida ProRAE Guardian V1.5 Guia de referência rápida Para obter uma descrição completa das funções do programa, consulte o guia do usuário do ProRAE Guardian (incluso no CD de software). SUMÁRIO 1. Principais

Leia mais

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA 4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Introdução à criação de macros...3 Gravação

Leia mais

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Conteúdo Etapa 1: Saiba se o computador está pronto para o Windows 7... 3 Baixar e instalar o Windows 7 Upgrade Advisor... 3 Abra e execute o Windows 7

Leia mais

Centro Universitário do Triângulo Introdução ao Ambiente Delphi

Centro Universitário do Triângulo Introdução ao Ambiente Delphi Centro Universitário do Triângulo Introdução ao Ambiente Delphi A figura abaixo mostra a tela inicial do Delphi 7 e nos dá uma visão geral de seu ambiente de desenvolvimento, composto de múltiplas janelas

Leia mais

Microsoft Office Excel

Microsoft Office Excel 1 Microsoft Office Excel Introdução ao Excel Um dos programas mais úteis em um escritório é, sem dúvida, o Microsoft Excel. Ele é uma planilha eletrônica que permite tabelar dados, organizar formulários,

Leia mais

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS 1. A Linguagem Access Basic. 2. Módulos e Procedimentos. 3. Usar o Access: 3.1. Criar uma Base de Dados: 3.1.1. Criar uma nova Base de Dados. 3.1.2. Criar

Leia mais

Criando um banco de dados

Criando um banco de dados Após ter projetado o banco de dados, você pode criá-lo utilizando a interface ou com a linguagem. É possível que você queira adicionar tabelas existentes ao banco de dados e depois modificá-las para aproveitar

Leia mais

Guia passo a passo de introdução ao Microsoft Windows Server Update Services

Guia passo a passo de introdução ao Microsoft Windows Server Update Services Guia passo a passo de introdução ao Microsoft Windows Server Update Services Microsoft Corporation Publicação: 14 de março de 2005 Autor: Tim Elhajj Editor: Sean Bentley Resumo Este documento fornece instruções

Leia mais

Comece aqui. Importante! Você já usa um computador de mão palmone? Com este guia você aprenderá a:

Comece aqui. Importante! Você já usa um computador de mão palmone? Com este guia você aprenderá a: LEIA ISTO PRIMEIRO Comece aqui Com este guia você aprenderá a: Carregar e configurar seu computador de mão. Instalar o software Palm Desktop e outros softwares para sincronizar, transferir arquivos e muito

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3 Continuando nossa saga pelas ferramentas do Visual FoxPro 8.0, hoje vamos conhecer mais algumas. A Ferramenta Class Designer A Class Designer é a ferramenta

Leia mais

Guia de Inicialização para o Windows

Guia de Inicialização para o Windows Intralinks VIA Versão 2.0 Guia de Inicialização para o Windows Suporte 24/7/365 da Intralinks EUA: +1 212 543 7800 Reino Unido: +44 (0) 20 7623 8500 Consulte a página de logon da Intralinks para obter

Leia mais

Software Ativo. Operação

Software Ativo. Operação Software Ativo Operação Página deixada intencionalmente em branco PROTEO MANUAL OPERAÇÃO SUMÁRIO 1 - INSTALAÇÃO DO SOFTWARE ATIVO... 5 2 CRIANDO PROJETO UVS/ TMS PROTEO... 10 2.1 - Estrutura do Projeto...

Leia mais

DS-RX1 Manual de instruções da unidade da impressora Para Windows 7

DS-RX1 Manual de instruções da unidade da impressora Para Windows 7 DS-RX1 Manual de instruções da unidade da impressora Para Windows 7 Version 1.01 Em relação aos direitos autorais Os direitos autorais para o Manual de Instruções da Unidade da Impressora DS-RX1, a Unidade

Leia mais

Treinamento GVcollege Módulo Financeiro 1

Treinamento GVcollege Módulo Financeiro 1 Treinamento GVcollege Módulo Financeiro 1 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

Data Transformation Services (DTS) por Anderson Ferreira Souza

Data Transformation Services (DTS) por Anderson Ferreira Souza Data Transformation Services (DTS) por Anderson Ferreira Souza O Sql Server possui um recurso extremamente poderoso que é muito pouco utilizado pelos administradores e programadores. Com certeza, sendo

Leia mais

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza PHP e Banco de Dados progweb2@thiagomiranda.net Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net PHP e Banco de Dados É praticamente impossível

Leia mais

Emissão de Cupons Fiscais usando ECF-IF

Emissão de Cupons Fiscais usando ECF-IF Emissão de Cupons Fiscais usando ECF-IF Este manual foi criado para fornecer explicações rápidas e objetivas sobre a ativação, configuração e operação da infraestrutura de Emissão de Cupons Fiscais do

Leia mais

Índice. Tutorial para Desenvolvimento de Conduits em Delphi

Índice. Tutorial para Desenvolvimento de Conduits em Delphi Índice Índice...1 Desenvolvendo Conduits...2 (Passo a Passo)...2 Criando um Arquivo.mdb... 2 Arquivos...6 Instalando os componentes... 7 Recompilando os Comonentes do Delphi...13 Configurando a Conexão

Leia mais