GI EFFECTS. Introdução

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GI EFFECTS. Introdução"

Transcrição

1 GI EFFECTS Introdução A adequada função gastrointestinal (GI) é fundamental para um estado nutricional equilibrado, podendo afetar todos os aspectos funcionais do corpo. O Perfil GI Effects SM (fezes) lida com componentes chaves da saúde GI adequada, incluindo análise da flora microbiana benéfica, bactérias oportunistas, as leveduras, infecção parasitária, marcadores de inflamação, função imune, digestão e absorção. A população microbiana é medida usando amplificação do material genético de cada organismo, permitindo a detecção sensível, e a capacidade de detectar e identificar os organismos que não podem ser cultivadas, ou são extremamente difíceis de crescer sob condições de laboratório. Linhas de Referência e Interpretação Resultados microbiológicos padrão são descritos como Unidades Formadoras de Colônias por grama de fezes (UFC / grama). Um UFC é equivalente a um microorganismo. A Metametrix detecta microorganismos por meio de análise de DNA. Cada genoma detectado representa uma célula, ou um UFC. Como há grande número de microorganismos nas fezes, os resultados são expressos em notação científica padrão. Por exemplo, Bacteroides sp. podem ser relatados como E7 2,57, ou 2,5 x 10 7, ou UFC / grama, que é lido como 25 milhões de UFC por grama de fezes. O expoente é mantida constante dentro de uma seção do relatório para facilitar a comparação direta entre os organismos. O ponto de corte para significância clínica de bactérias predominantes foi fixado em 1E7 (1 x 107), por bactérias oportunistas 1E5 (1 x 105), e de patógenos em 1E3 (1 x 103). Ao invés de resultados semi quantitativa (1-4), a nova metodologia prevê análise quantitativa completa. Bactérias, fungos e/ou parasitas anormais. Suspeitas: 1. Inadequadas funções na barreira física e imune. Sensibilidade à alimentos/síndrome da permeabilidade intestinal (IgG elevado) Secreção intestinal IgA baixa Intolerância ao glúten/doença celíaca Doença inflamatória intestinal Diminuição da cadeia curta dos ácidos graxos no cólon 2. Histórico medicamentoso Antibióticos NSAIDs (antiinflamatórios não esteróides) Antiácidos, inibidores da bomba de protons, e bloqueadores ácido 3. Funções digestivas e absortivas inadequadas Hipocloridria Insuficiência pancreática Inflamação intestinal Tempo de trânsito rápido Insuficiência nutricional Elevada dieta de carnes vermelhas, gorduras saturadas ou carboidratos refinados. 4. Invasão patogênica e desbalanceamento da flora intestinal (disbiose) Exposição à patógenos (água/alimentos contaminados/viagens ao exterior/depressão do sistema imunológico) Flora predominante inadequada 1

2 Uso do programa 4 R para o tratamento da saúde intestinal Remoção dos alimentos agressores, medicamentos, glúten (se sensível), redução das gorduras de má qualidade, carbohidratos refinados, açucares e alimentos fermentados (se houver fermento). Considerar terapias antimicrobianas, antifúngicas e/ou antiparasitárias no casa de bactérias oportunistas/patógenas, leveduras, e/ou crescimento parasitário (veja abaixo recomendações específicas). Reposição com o que seja necessário para uma digestão e absorção normal como a Betaína HCL, enzimas pancreáticas, ervas benéficas na digestão como as alcaçuz (deglicirrhizinato) e raiz de marshmalow, fibras dietéticas e água. Reinoculação com micróbios benignos (probióticos como Lactobacillus sp., Bifidobacter sp. e Saccharomyces boulardii). Para aumentar o crescimento de bactérias benignas, suplementar com prébióticos como a inulina, xylooligosacarídeos, larch arabinogalactans (árvore conífera), beta glucan e fibras. Reparar mucosa, dando suporte às células saudáveis da mucosa intestinal, células caliciformes, e do sistema imunológico. Considerar L-glutamina, ácidos graxos essenciais, zinco, ácido pantotênico e Vitamina C. Bactéria predominante Microorganismos no trato GI realizam uma série de funções úteis, tais como a fermentação de substâncias energéticas não utilizadas, a comunicação com o sistema imunológico, impedindo o crescimento de espécies nocivas, que regulam o metabolismo do intestino, produzindo as vitaminas para o mesmo (como a biotina e vitamina K), e produzir hormônios para direcionar o armazenazenamento gorduras.[1] A microflora intestinal também considerada por ter muitas funções benéficas locais e sistêmicas, tais como melhorar a tolerância à lactose, fornecendo ácidos graxos de cadeia curta (AGCC), como substrato energético para o hospedeiro, propriedades anti-tumorais, neutralizando determinadas toxinas, estimulando o sistema imunológico intestinal, reduzindo os níveis sanguíneos de lipídios, prevenção da obesidade e diabetes tipo II.[2] Sob condições homeostáticas normais, a microflora intestinal é de importância vital na prevenção da colonização por patógenos, a denominada colonização resistente.[3] Organismos predominantes são considerados como benéficos quando estão balanceados. Bactérias predominantes, oportunistas e patogênicos Baixa predominância de bactérias Significado: Disbiose: bactéria predominante estará presente em níveis normais no intestino saudável. Bacteróides SP. e bifidobacteria SP. estarão presentes em grandes quantidades.[4] Baixos níveis de bactérias fecais benéficas como bifidobacteria sp.,lactobacillus sp. e E. coli, estão associadas à síndrome do intestino irritável, caracterizada por diarréias ocasionais, cólicas, e intolerância alimentar.[5] Baixos níveis de bactérias predominantes aumentam a possibilidade de se adquirir organismos oportunistas e patogênicos[3] Opções de tratamentos: Probióticos Prébióticos como psillium, farelo de trigo, oligofrutose, xilooligosacarídeos, inulina, beta-glucan e/ou arabinogalactan.[6] Elevada predominância de bactérias Significado: Disbiose: bactérias predominantes devem estar presentes em níveis normais no intestino saudável. Bacteróides sp. e bifidobacteria sp. devem estar presentes em grande quantidades. [4] Infecção sanguínea por micoplasma, pode estar ligada à síndrome da fadiga crônica e fibromialgia.[7] Fusubacterium aumenta a putrefação no colón. 2

3 Supercrescimento de Lactobacillus sp. poderia produzir acidúria D-lático em pacientes com síndrome do intestino curto. Limitar a ingestão de carboidratos simples.[8] Supercrescimento de certos grupos de Clostridium sp. podem desempenhar um papel em certos casos de autismo. [9, 10] Se a Prevotella sp. estiver no 5o. quintilho será por possível suspeita de infecção oral/amigdalas.[11] Redução nas gorduras de má qualidade, carboidratos refinados e açucares e estimule a ingesta de vegetais frescos. Alimentos com alto teor de fibras podem exacerbar sintomas nos pacientes. Para o supercrescimento de Lactobacillus sp., ou Clostridia sp., suplementar com probióticos Bifidobacteria sp. ou Saccharomyces boulardii, respectivamente. Agentes anti-microbiais podem ser utilizados Tratar outros efeitos anormais GI Equilibrar a flora utilizando probióticos apropriados. Bactéria Patogênica Presença de Bactéria Patogênica Helicobacter pylori A bactéria Helicobacter pylori (H.pylori) causadora da úlcera péptica e está associada a um aumento do risco de câncer gástrico. H.pylori é um carcinógeno Tipo I. Estima-se que 50% da população mundial está infectada com o H.pylori. Gastrite aguda com dor abdominal, náuseas e vômitos, geralmente dentro de duas semanas da infecção. Sintomas abdominais recorrentes (dispepsia não ulcerativa), sem doença ulcerosa são comuns. Opções de tratamentos (dosagens para adultos): O tratamento básico para H.pylori consiste na combinação de 3 ou 4 drogas, antibióticos e, inibidores de bomba de prótons por 7 a 14 dias. Outras recomendações podem ser encontradas no A erradicação geralmente não excede a 80%. Suplementação com lactoferrina (200mg/d), prebióticos e Vitamina C (acima de 5 g), pode melhorar eficazmente o tratamento, enquanto reduz as reações incômodas. [12][13]. Tratamentos combinados com ervas tem também demonstrado efetividade na erradicação do H.pylori no trato GI. Fitoterápicos* (ver abaixo) Bactérias Patogênicas Leveduras/Fungos Clostridium difficile Suspeita de recente uso de antibiótico, especialmente as cefalosporinas, ampicilinas/amoxicilinas e clindamicina. Câimbras, dor no baixo abdome, febre e freqüentes diarréias, que serão interrompidas diminuindo-se os antibióticos, podendo continuar acima de 4 semanas. Opções de tratamento (dosagem para adultos): Não tratar se o paciente estiver assintomático. Suspensão do uso do antibiótico causador. Em alguns casos: Vancomicina 125 mg PO qid (via oral 4 x ao dia) por 10 a 14 d; Metronidazol 500 mg PO tid (via oral 3 x ao dia) ou 250 mg PO qid (via oral 4 x ao dia) por 10 a 14 dias. Antibióticos de origem natural como a berberina ou o óleo de orégano. Complementar com bactéria benéfica, S.boulardii sp. 3

4 Campylobacter sp. Fontes contaminadas de alimentos de origem animal são as primeiras causas, especialmente aves e carne vermelha. Cães podem também serem infectados por roedores e aves, infectando os humanos. Suspeita-se da insuficiência ou deficiência de ácido clorídrico e IgA. O início dos sintomas geralmente é abrupto. Sintomas gripais são comuns, incluindo dores de cabeça e mal-estar. Sintomas GI incluindo dor abdominal, náusea e vômito. O grau de diarréia é variado. Campylobacter sp. está associada com a artrite reativa. Opções de tratamento (doses para adultos): Geralmente auto-limitada, não necessitando de tratamento da infecção. Na persistência da infecção tratar com Eritromicina: 500 mg estearato de eritromicina base, ou sais d estolato (ou 400 mg etilsuccinato) cada 6 horas via oral. Escherichia coli entero hemorragia Também conhecido como produtora de toxina Shiga E.coli (STEC) Suspeita de ingestão de alimento contaminado, especialmente carnes mal cozidas, leite cru não pasteurizado, suco de maçã, água e alface. Sintomas típicos incluem dor abdominal intensa, diarréia aquosa ou sanguinolenta e vómitos. Em alguns casos (até 10%) pode causar colite hemorrágica e síndrome urêmica hemolítica. A infecção é geralmente auto-limitada Reidratação se a diarréia estiver presente. A antibioticoterapia não se mostrou útil no tratamento da infecção EHEC e podem predispor ao desenvolvimento de uremia hemolítica A estreptomicina, sulfonamidas e as tetraciclinas têm demonstrado resistência a muitas cepas EHEC. Terapia com Probióticos/prébióticos Leveduras/Fungos Presença de Leveduras/fungo Espécies comumente identificados: Candida, Rhodotorula, Geotrichum, Sacchoromyces, Trichosporon. Candida detalhada abaixo. Se outras espécies comumente identificados são relatadas, considerar os sintomas do paciente e o grau de infecção para decidir se a terapia anti-fúngicos se justifica. Saccharomyces sp. pode ser relatado se o paciente estiver complementando com S. boulardii. Restaurar adequadamente as populações da microflora predominante e tratar todos os outros desequilíbrios encontrados no relatório de teste do GI Effects. Candida sp. Candida sp. é uma espécie normal da flora gastrointestinal e está presente em 40-65% da população humana, sem efeitos prejudiciais. No entanto, em condições que permitam o excesso de crescimento, Candida sp. é o agente causal mais freqüente de infecções fúngicas oportunistas. O esôfago é o local mais comumente infectado, seguido pelo estômago, em seguida, o intestino delgado e grosso. Aproximadamente 15% das pessoas desenvolvem candidíase sistêmica. Dores gástricas, náuseas e vômitos, flatulência, edemas, permeabilidade intestinal, desbalanceamento da flora intestinal, infecção bacteriana oportunista. Redução na ingestão de carboidratos e açucares refinados. Prescrição de agentes: fluconazol, intraconazol, cetoconazol, nistatina. 4

5 Agentes herbários (usar em combinação para melhor eficácia): óleo de orégano, berberine, goldenseal, undecylenic acid, ácido caprílico, extrato de semente de toranja, uva ursina, alicina (alho). S. boulardii contribui no crescimento bacteriano benéfico, populações de leveduras e ajuda no suporte imunológico. Evitar frutooligossacarídeos (FOS), uma vez que podem alimentar as leveduras. Levedura / fungos presentes: taxonomia indisponível Poucas leveduras / fungos estão presente, e provavelmente colonizam outros animais, ou que não tenha sido identificado como patogênicas para o homem. Infecção por Candida, Rhodotorula, Geotrichum, Saccharomyces, e espécies de Trichosporon foram descartadas. Se presente em mais de 2 ou abaixo, é provável que esta levedura seja transitória devido à ingestão de fungos ou outras leveduras, não sendo problemático para os seres humanos. Pense antes de tratar os sintomas do paciente. Leveduras/Fungos Parasitas Opção de tratamento: Redução na ingestão de carboidratos e açucares refinados. Se a aparição é consistente com uma infecção fúngica, utilizar antifúngicos seguido de prebióticos e probióticos Evitar o FOS que pode alimentar a levedura Tratar os outros resultados anormais obtidos no teste GI effects em primeiro lugar, com a expectativa de que as eventuais leveduras/fungos sejam preteridas, restaurando as condições saudáveis. Parasitas Presença de parasitas Recomendações farmacêuticas para cada parasita a partir da publicação de 2007, em The Medical Letter ", medicamentos para infecções parasitárias.[14] Blastocystis sp. Blastocystis sp. is transmitted via fecal-oral route or from contaminated food or water. Seven subspecies have been identified and Blastocystis sp. 4 infection has been correlated with disease. Blastocystis sp. 2 is considered to be asymptomatic.[15-17] Symptoms: Bastocystis sp. Blastocystis sp. é transmitida por via fecal-oral, ou por alimentos ou água contaminados. Sete sub-espécies foram identificadas e, 4 infecções foram correlacionadas com a doença. Blastocystis sp. 2 são considerados assintomáticos. [15-17] Pode-se incluir diarréia, cólicas, náuseas, febre, vômitos, dor abdominal e fadiga. Blastocystis sp. tem sido associada com a síndrome do intestino irritável, artrite infecciosa e obstrução intestinal. Em certos casos, a fadiga crônica pode ser a única reclamação. Blastocystis sp. pode ser prevenida pelas condições de higiene pessoal e sanitária. O significado clínico da infecção pora estes organismos é controverso. Metronidazol 750 mg PO tid x 10 d ou iodoquinol 650 mg PO tid x 20 d ou trimetropin/sulfametoxazol 1 DS tab PO BID x 7d tem relatos de serem efetivos. A infecção é difícil ser sanada. As ervas podem não ser suficiente para se livrar da infecção.a utilização de ervas antiparasitárias de amplo espectro são mais eficazes.* 5

6 Fitoterápicos* (veja pag. 7) Clonorchis sinensis (Chinese Liver Fluke) Clonorchis sinensis é encontrada em salmoura, defumados, salgados, importados, ou peixes de água doce cozidos. Frequentemente assintomático. Inflamação e obstrução intermitente dos ductos biliares. Dor abdominal aguda, náusea, diarréia e eosinofilia pode ocorrer. Em infecções de longa duração, colangite, colelitíase, pancreatite e colangiocarcinoma podem se desenvolver. Praziquantel, 75 mg/kg/d PO em 3 doses x 2d Albendazol 10 mg/kg/dia PO x 7d Fitoterápicos* (ver abaixo) Cryptosporidium Água, incluindo piscinas, são fontes comuns de contaminação quando resistentes ao cloro. Surtos são associados ao leite cru e carne, e Cryptosporidium pode ser uma causa provável da diarréia dos viajantes. diarreia é o sintoma mais freqüente, e pode ser acompanhada por desidratação, perda de peso, dor abdominal, febre, náuseas e vômitos. Pode ser muito grave em pacientes imunocomprometidos. Usualmente auto-limitada em pessoas imunocompetentes, com sintomas durando 1 a 2 semanas. Se os sintomas persistirem observar a possível contaminação da água. Nitazoxanide, 500 mg PO BID x 3d se a infecção persistir. Fitoterápicos* (veja pag.7) Dientamoeba fragilis Transmissão fecal-oral e contaminação da água são fontes comuns. Muitas vezes, acompanha traça. Diarréia, fadiga, distensão abdominal, embora frequentemente assintomático. Nas infecções crônicas, sensibilidade abdominal, náuseas e perdas de peso podem estar presentes. Iodoquinol, 650 mg PO tid x 20 d; Paromomycin mg/kg;d PO em 3 doses x 7d; Tetraciclina, 500 mg PO qid x 10 d ou Metronidazol, mg PO tid x 10 d. Fitoterápicos* (veja pag.7) 6

7 Endolimax nana ou Entamoeba hartmanni Endolimax nana e Entamoeba hartmanni são consideradas amebas não patogênicas. A detecção é importante na medida em que significa que o paciente tenha ingerido algo contaminado com material fecal. O aumento da higiene pessoal é recomendado. Parasitas Entamoeba histolytica Entamoeba histolytica é a única ameba considerado patogênico. Alimento ou água contaminada, animais de estimação, contato sexual, e via fecal-oral são as possíveis fontes de transmissão. Os cistos são sensíveis à água clorada. Varia de assintomático até a colite fulminante (Lembrando colite ulcerosa), disenteria e as lesões extra-intestinais no fígado, pulmão, cérebro, pele e outros tecidos. Portadores assintomáticos devem ser tratados para evitar a propagação. Para pacientes assintomáticos: Iodoquinol, 650 mg PO tid x 20 d; Paromomycin, mg/kg/d PO em 3 doses x 7 d ou Furoato de diloxanide, 500 mg PO tid x 10d Para doença leve a moderada intestinal: metronidazol, mg PO tid x 7-10D, ou Tinidazol 2 g uma vez ao dia PO 20D x 3d seguido por iodoquinol, 650 mg PO tid x ou Paromomicina, mg/kg/d PO em 3 doses x 7d Fitoterápicos* (veja abaixo) Enterobius vermicularis (pinworm) O Enterobius vermiculares é transmitido pela via fecal oral. As fêmeas surgem do ânus e depositam os ovos na superfície perianal. Os ovos podem sobreviver em roupas de cama e tecidos por 2-3 semanas. Prurido perianal noturno que pode levar a infecção bacteriana da pele, dor abdominal e anorexia. Ele pode entrar na vagina tendo sido associada com alguns casos de cistite. Mebendazol, 100mg PO dose única, repetir em 2 semanas; Pamoato de Pirantel, 11mg/kg base PO, dose única (máximo 1g), repetir em 2 semanas Albendazol, 400mg PO dose única, repetir em 2 semanas Fitoterápicos* (veja pag. 7) Giardia lamblia Giardia lamblia é um flagelado considerado patógeno e é a causa mais comum de diarréia em todo o mundo. Transmitido através de água contaminada, alimentos ou a via fecal-oral. Muitas vezes, assintomática. O período de incubação é de 1-3 semanas e os sintomas variam de diarréia aguda, diarréia crônica, com edema, má absorção intestinal, esteatorréia (possivelmente devido a deconjugação dos sais biliares) e perda de peso. Geralmente auto-limitada, porém 30-60% desenvolvem Giardíase crônica. Apresentações incomuns incluem manifestações alérgicas, como urticária, artrite reativa e doença do trato biliar. Pode induzir intolerância à lactose, B12 deficiência e redução de IgA. 7

8 Metronidazol 250 mg PO tid x 5-7 d Evitar alimentos gordurosos pois as giardias alimentam-se de sais biliares Paromomycin, mg/kg/d PO em 3 doses x 5-10 d; ou furazolidina, 100 mg PO qid x 7-10d; ou Quinacrine, 100mg PO tid x 5d. Fitoterápicos* (veja pag.7) Necator americanus e Ancilostoma duodenalis Necator americanus e Ancilostomo duodenalis são transmitidos via contato na pele pelo solo contaminado ou ingestão oral da larva. Os vermes podem migrar para os pulmões ou anexarem-se a mucosa do GI sugando o sangue. Prurido e erupção cutânea no local da penetração. Embora uma infecção leve pode não causar sintomas, a infecção agressiva pode causar anemia, dor abdominal, diarréia, perda de apetite e perda de peso. Tem sido associada com a artrite reativa. Albendazol, 400 mg PO dose única; Mebendazol, 100 mg PO BID x 3 d ou 500 mg dose única, ou Pamoato de pirantel, 11 mg/kg (Max. 1g) PO x 3d. Fitoterápicos* (veja pag.) Schistosoma mansoni Schistosoma mansoni é transmitido através do contato da pele com água contaminada ou pela ingestão oral. As larvas podem migrar para os pulmões e fígado e pode viver para anos. Os ovos secretam uma substância enzimática que destrói tecidos circundantes. A infecção é geralmente assintomática a menos que haja uma exposição repetida levando a grande carga de vermes. infecção grave pode levar a mialgias, dor abdominal, diarréia, tosse, fígado sensível, ulceração da camada mucosa intestinal. Ela tem sido associada com artrite reativa e sacroilites (processo inflamatório sacro-ilíaco). Praziquantel 40 mg/kg/d em 2 doses x 1d, ou Oxamniquine 15 mg/kg dose única. Fitoterápicos* (veja abaixo) Strongiloides sp. Strongyloides sp. é transmitida através do contato da pele com solo contaminado, ou ingestão oral de larvas. As larvas são transportados para os pulmões ou são engolidas e desenvolvemse no intestino delgado. Prurido e erupção cutânea no local da penetração. Embora uma infecção leve pode não causar sintomas, a infecção pode causar fortes dores epigástrica, náuseas e vômitos, flatulência alternando com constipação e diarréia. Tem sido associada com artrite reativa. Tiabendazol 50 mg/kg/d em 2 doses x 2 d; Ivermectin 200 mcg/kg/d x 1-2 d, ou albendazol 400 mg/d 3 x d 8

9 A erradicação é difícil. Reavaliar exame de fezes em 3 meses Fitoterápicos* (veja abaixo) Taenia sp. Taenia sp. é transmitida por carnes mal cozidas. A maturação do cisto para a forma de verme leva 2 meses. A Taenia sp. pode crescer 4 a 8 metros de comprimento e viver por 25 anos. Frequentemente assintomático. Os sintomas incluem queixas GI como dores abdominais, anorexia, perda de peso e mal estar. Praziquantel, 5 10 mg/kg PO dose única, Niclosamide, 2g PO dose única. Fitoterápicos* (veja abaixo) Trichuris trichiura Trichuris trichiura é transmitida pela ingesta de fezes contaminadas do solo ou vegetais mal cozidos. É a infecção por helminto mais comum. T. trichiura pode instalar-se nas vilosidades intestinais, alimentado-se de tecidos e secreções podendo causar eosinofilia. As larvas eclodem no intestino delgado permancem no intestino grosso. A fêmea adulta põe ovos por mais de cinco anos. Frequentemente assintomático e auto-limitada. Os sintomas depende da quantidade de larvas presentes e o grau de envolvimento na mucosa. Infecção severa poderá resultar em diarréia sanguinolenta, dor abdominal, náuseas e anemia por deficiência de ferro. Mebendazol, 100 mg PO BID x 3 d ou 500 mg em dose única; Albendazol, 400 mg PO x 3 d, ou Ivermectin, 200 mcg/kg PO daily x 3 d Fitoterápicos* (veja abaixo) Parasitas presentes: taxonomia indisponível A prova do DNA identifica o reino do protozoário, mas gênero e as provas de espécies conhecidas para patógenos humanos foram negativos. A suspeita de que o protozoário identificado não seja patógeno humano, provavelmente transitório, não colonizado no sistema GI humano. Avaliar os sintomas do paciente e de marcadores inflamatórios no teste de efeitos GI. Se os sintomas são compatíveis com uma infecção parasitária, considerar o tratamento. Observar em primeiro lugar outros resultados anormais no teste GI effects, com a expectativa de que um raro parasita tenha sido preterido quando as condições de saúde tenham sido restauradas. Considerar exposições tais como; animais de estimação, sushi, camping, viagens ao exterior. Se o aspecto é coerente com infestação parasitária, usar tratamento antiparasitário de amplo espectro seguido de probióticos. Fitoterápicos* (veja abaixo) 9

10 *Tratamento Fitoterápico Intervenções farmacêuticas individualizadas estão listados abaixo para cada parasita. Ervas anti-parasitárias usuais para cada parasita listados incluem noz preta, quássia (familia Simaroubaceae), alho, berberine, extrato de semente de uva, óleo de orégano, berberina e artemisia. Quando do tratamento dos parasitas com plantas, recomenda-se usar uma mistura de vários, para prolongar a duração do tratamento, e para variar agentes antiparasitários. Índice de gordura Gens resistentes à drogas - Ácidos graxos de cadeia curta (AGCC) Índice de adiposidade Índice de adiposidade desbalanceado: Elevados firmicutes (tipo de bacterias gram-positivas) e baixos bacteróides. A pesquisa indicou que a obesidade tem um componente microbiano que altera o rendimento calórico do alimento ingerido.[18] A modificação da microbiota intestinal também pode melhorar a sensibilidade à tolerância à insulina e à glicose oral [19]. Tratamentos para a obesidade, que resultam na redução do percentual de Firmicutes pode ajudar no controle de peso. Classes de bactérias que aumentam a extração calórica do alimento estão presentes: Disbiose A classe de Firmicutes consistem em Clostridia sp., Streptomyces sp., Lactobacillus sp., Mycoplasma sp., Bacillus sp. (ver os resultados em bactérias predominantes") Balanceamento das bactérias predominantes utilizando o protocolo 4 R Remoção das bactérias oportunistas, especialmente Bacillus sp. Suplementação com Bifidobacter sp. e S. boulardii Redução de carboidratos refinados Observar todos o desbalanceamentos do GI Effects Gens resistentes à drogas Classe de bactérias resistentes à antibióticos Opções de tratamentos: Evite o uso da classe de antibióticos que o paciente apresente gene resistente Nomes de drogas resistentes e antibióticos aaca/aphd Antibiótico: Gentamicina, kanamicina, Tobramicina (aminoglicosídeos) Organismos alvo: Bactérias Gram positivas (coccus), ou seja Enterococcus meca Antibiótico: Meticilina (beta-lactam) Organismo alvo: Aeróbicos, Gram-negativos vana, vanb, vanc Antibiótico: Vancomicina e teicoplanin (glicopeptídeos) 10

11 Organismo alvo: Bactérias Gram-positivas, particularmente beta-lactamase produzindo organismos, tais como Staphylococcus gyrb, ParE Antibiótico: Ciprofloxacina e em seguida gerações de quinolonas Organismos alvo: Bactérias Gram-positivas e Gram-negativas PBP1a, PBP2B Antibióticos: Penicilina (beta-lactam) Organismo alvo: Amplo espectro Ácidos Graxos de Cadeia Curta (AGCC) Diminuição total de AGCC ou N-butirato AGCC benéfico pode vir da dieta de carboidratos que escaparam da digestão ou absorção no intestino delgado, ou de pré-bióticos que foram submetidos à fermentação no cólon. Também são produzidas pela fermentação das fibras pelas bactérias anaeróbicas no intestino grosso. A produção de AGCC na luz intestinal desempenha um importante papel na manutenção da barreira intestinal. Ácidos graxos de cadeia curta e, especificamente, n- butirato servem como o combustível para o colonócitos [20]. O butirato tem se mostrado como protetor para o câncer de cólon. Baixa nas bactérias anaeróbias (veja Bactéria predominante ) Tratamentos com antibióticos Insuficiência na ingesta de fibras/dietas pobres Baixo velocidade de trânsito (maior tempo para absorção de AGCC) Considerar suplementação pré e probiótica se a bactéria predominantes se encontrar baixa Psillium, farelo de trigo, oligofrutose e inulina Aumento na ingesta diária de frutas e vegetais Nas colites ulcerativas, doença de Crohn ou aquelas com risco de câncer de cólon, considerar enemas de butirato ou suplementos butirato para revestimento intestinal. Enemas são contraindicados para os casos com sangramentos gastrointestinais. AGCC Inflamação Imunologia Elevação total de AGCC ou N-Butirato A presença de ácidos graxos de cadeia curta e n-butirato são essenciais para a saúde do cólon. Em geral, os níveis de normal-alto destes nas fezes podem significar que há ótima ingestão de fibra e uma população equilibrada bacteriana. No entanto, AGCCs e n-butirato extremamente elevados nas fezes podem indicar anormalidades GI subjacentes precisando ser avaliados em conjunto com os outros marcadores no GI Effects. Os valores iguais ou maiores que 184 mm/g estão acima do intervalo de 95%. de certeza. Tempo de trânsito rápido (menor tempo para absorção de AGCC(.[22] Má absorção.[23] Insuficiência pancreática resultando em má digestão de carboidratos e aumento na fermentação bacteriana. Fermentação bacteriana no sangue.[24] 11

12 Observar todos os desbalanceamentos GI, incluindo o grande crescimento bacteriano, infecção parasitária, intelerância ao glúten, alergia alimentar, vitaminas, minerais, deficiência de ácido graxo essencial (EFA) ou uso crônico de NSAID Normalizar tempo de trânsito Enzimas pancreáticas, Betaína HCL ou ervas digestivas. Inflamação Lactorerrina elevada, leucócitos e presence de muco A lactoferrina é uma ligação ferro-glicoprotêica liberada pelos neutrófilos durante o processo de inflamação. É um marcador da atividade leucocitária e é componente primário a se apresentar na linha de frente, na defesa imunológica contra a infecção. Inflamação de mucosa Crescimento de bactérias e leveduras Infecção parasitária Doença inflamatória intestinal, p.ex.: doença de Crohn, colite ulcerative Devido à infecção: Remoção dos patógenos Probióticos e prébióticos para repor as bactérias benéficas e estabelecer o equilíbrio adequado Aumentar as defesas imunológicas endógenas (IgAs) suplementando com L-glutamina, S. boularddi e ou colostro. Devido à não processos infecciosos, p.ex.: Doença inflamatória intestinal: Equilibrar a flora intestina, se indicado Anti-inflamatórios fitoterápicos e nutrientes,p.ex: cúrcuma, gengibre, EPA/DHA, quercetina, antioxidantes. Suporte para a mucosa: p.ex.: Vitamina A, zinco, ácido fólico, aloe vera, alcaçuz, L- glutamina, butirato, N-acetil glucosamina, slippery elm Excluir alimentos seníveis Testes de interferências: O colostro tem uma alta concentração de lactoferrina, para aqueles que amamentam ou a suplementação com colostro poderia mostrar falsos positivos Falso negativos podem ser observados naqueles com a imunidade severamente comprometida. Imunologia IgAs fecal reduzido Stress crônico Comprometimento imunológico Disbiose Medicação imuno-supressiva 12

13 Suporte para a mucosa intestinal, p.ex: glutamina, probióticos (S.boulardii, bifidobacterias), colostro, imunoglobulinas, ácidos graxos essenciais, zinco e redução do stress Suporte para as funções imunológicas. IgAs fecal elevado Resposta imunológica para a eliminação de organismos patogênicos no trato GI Sensibilidade à alimentos Suporte para a função imunológica Remoção dos patógenos, parasitas, bactérias oportunistas, vírus Administrar a sensibilidade alimentar Dieta de eliminação Anticorpo Anti gliadina elevado Enteropatia por glúten ou cólon sensível Remoção do glúten em caráter experimental Considerar perfil celíaco Considerar nutrientes e ervas para cicatrização da mucosa. Testes adicionais Testes adicionais Digestão ph baixo Crescimento anormal bacteriano Má digestão de carboidratos [aumento na proliferação bacteriana e na produção de SCFAs (ácidos graxos de cadeia curta)] Má absorção de lipídios Tempo rápido de trânsito (menor tempo para a absorção de AGCC) Opões de tratamento: Auxiliar na digestão e absorção Suplementação com fitoterápicos ou enzimas pancreáticas, betaina HCL, dissacaridases (se necessário) Normalizar tempo de trânsito Observar desbalanceamentos no GI effects ph Elevado Diminição na produção bacteriana de ácidos graxos de cadeia curta Flora insuficiente, dieta de fibras, ou água Inadequada produção de organismos ácidos, tais como o Lactobacillus sp. Hipocloridria Elevada dieta de carnes pode estimula a produção de amônia no intestino Tempo de trânsito lento (mais tempo para absorção de SCFA) ph elevado aumentando o risco de câncer de colon. 13

14 Suplementação com probióticos Aumento na dieta com fibras (solúveis) e água para aumentar a produção de SCFA e normalizar o tempo de trânsito Suporte na alimentação Suplementação com betaina HCL ou ervas para estimular a produção ácida gástrica, incluindo gengibre e hortelã, etc. Observar todos os desbalanceamentos no GI effects Sangue oculto positivo Sangramento no trato gastrointestinal superior, devido à úlcera péptica, doença inflamatória do intestino, infecções parasitárias, câncer de cólon, hemorróidas [25, 26] Descartar falsos resultados positivos de carne vermelha Repetir o exame de sangue oculto por mais duas ocasiões Observar todos desbalanceamentos no GI effects Descartar anemia por deficiência de ferro Considerar sigmoidoscopia ou colonoscopia para identificar a causa, tratar de acordo. Alimentos anti-inflamatórios Dieta anti-inflamatória Alergenos alimentares RBCs (eritrócitos) Positivo Sangramento baixo no sistema GI por hemorróidas, pólipos intestinais ou fissuras em torno do ânus devido à constipação Aqueles com função hepática comprometida são mais propensos a desenvolver hemorróidas Tratar a obstipação se presente Considerar colonoscopia para identificar a causa e tratar de acôrdo Avaliar funções hepáticas Aliviar e reparar a mucosa intestinal RBCs (eritrócitos), sangue oculto Digestão Carência de Elastase 1 Elastase 1 é uma enzima digestiva excretada pelo pâncreas, exclusivamente, e diretamente relacionada com a função hepática. Os resultados da Elastase 1 não são afetados pela terapia de reposição pela enzima pancreática.[27,28] Níveis ideais acima de 500 Supressão da função pancreática Cálculos ou pós colicistectomia Pancreatite crônica Diabetes Hipocloridria Fibrose cística 14

15 Suporte na digestão com betaina HCL com pepsina, fitoterápicos, enzimas pancreáticas ou ervas digestivas Sais biliares, Taurina, colagogos (especificamente se os triglicérides estiverem altos ou constipação) Relaxamente enquanto se alimenta e mastigar bem Regular o diabetes Fibras vegetais elevadas, Triglicerídeos Má digestão Hipocloridria Insuficiência pancreática Insuficiência de sais biliares (se triglicérides elevados) Mastigação inadequada (se fibras vegetais elevadas) Opção de tratamento: Suporte na digestão com betaina HCL com pepsina, fitoterápicos, enzimas pancreáticas, ou ervas digestivas Relaxar enquanto se alimenta e mastigar bem Digestão Absorção Elevada decomposição dos ácidos graxos de cadeia curta Má digestão protéica Hipocloridria Insuficiência pancreática Má absorção, especificamente se ácidos graxos de cadeia longa ou colesterol elevado Crescimento anormal bacteriana no intestino delgado Suporte na digestão com betaina HCL com pepsina, fitoterápicos, enzimas pancreáticas ou ervas digestivas Tratar qualquer pancreatite latente Considerar nutrientes e ervas para auxiliar a mucosa: L-glutamina, Zinco, EFAs, Vitamina A, E e C, ácido pantotênico, N-acetil glucosamine, alcaçuz, aloe vera, slippery elm, etc. Eliminação da infecção, observar intolerância ao glúten, sensibilidades alimentares. Absorção Ácidos Graxos de cadeia longa (LCFA), gordura total, Colesterol elevados Má absorção devida à diarréia, disbiose intestinal, parasitas, colites, intolerância ao glúten, alergia alimentar, deficiência de ácido graxo essencial, insuficiência pancreática e sais biliares e/ou uso crônico de NSAID.[29] Ingestão de dieta elevada em gorduras Medicamentos destinados agregar e eliminar gorduras Se o colesterol estiver elevado, suspeitar de má absorção, ingestão elevada ou crescente volume de células da mucosa resultante da inflamação. [30,31] Grande crescimento bacteriano no intestino delgado (especificamente se SCFAs elevados) enzimas bacterianas também podem prejudicar a formação de micelas, resultando em má absorção de lipídios 15

16 Sensibilidade Fitoterápicos Referências Ao tratar com plantas, é recomendado o uso de um produto de largo espectro. O tratamento com plantas também podem exigir um período mais longo do que o tratamento com medicamentos. Fitoterápicos antimicrobianos podem ser revezados e/ou geridos de forma pulsátil para melhorar a eficácia. Listados abaixo estão os ingredientes ativos testados para cada Fitoterápico utilizados em misturas antimicrobianas. Fitoterápico Wormwood Olive leaf Uva Ursi (Bearberry) Garlic Undecylenic acid (from castor bean) Oil of thyme Oil of oregano Goldenseal Cat s Claw Black Walnut Princípio Ativo Artemisia Oleuropein Arbutin Alliin Undecylenic acid Thymol Carvacrol Berberine Quinic acid 5-hydroxy-1,4-naphthoquinone References 1. Guarner, F. and J.R. Malagelada, Gut flora in health and disease. Lancet, (9356): p C., S., A dynamic partnership: Celebrating our gut flora. Anaerobe, (5): p Lorian, V., Colonization resistance. Antimicrob Agents Chemother, (7): p Wang, M., et al., Comparison of bacterial diversity along the human intestinal tract by direct cloning and sequencing of 16S rrna genes. FEMS Microbiol Ecol, (2): p Camilleri, M., Probiotics and irritable bowel syndrome: rationale, putative mechanisms, and evidence of clinical efficacy. J Clin Gastroenterol, (3): p Gibson, G.R., Dietary modulation of the human gut microflora using the prebiotics oligofructose and inulin. J Nutr, (7 Suppl): p. 1438S-41S. 7. Endresen, G.K., Mycoplasma blood infection in chronic fatigue and fibromyalgia syndromes. Rheumatol Int, (5): p Coronado, B.E., S.M. Opal, and D.C. Yoburn, Antibiotic-induced D-lactic acidosis. Ann Intern Med, (11): p Parracho, H.M., et al., Differences between the gut microflora of children with autistic spectrum disorders and that of healthy children. J Med Microbiol, (Pt 10): p Finegold, S.M., Therapy and epidemiology of autism--clostridial spores as key elements. Med Hypotheses, (3): p Tomazinho, L.F. and M.J. Avila-Campos, Detection of Porphyromonas gingivalis, Porphyromonas endodontalis, Prevotella intermedia, and Prevotella nigrescens in chronic endodontic infection. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod, (2): p de Bortoli, N., et al., Helicobacter pylori eradication: a randomized prospective study of triple therapy versus triple therapy plus lactoferrin and probiotics. Am J Gastroenterol, (5): p Jarosz, M., et al., Effects of high dose vitamin C treatment on Helicobacter pylori infection and total vitamin C concentration in gastric juice. Eur J Cancer Prev, (6): p Drugs for Parasite Infections. In: Treatments Guidelines from the Medical Letter, Vol 5 (suppl). 15. Noel, C., et al., Molecular phylogenies of Blastocystis isolates from different hosts: implications for genetic diversity, identification of species, and zoonosis. J Clin Microbiol, (1): p Puthia, M.K., et al., Blastocystis ratti induces contact-independent apoptosis,f-actin rearrangement, and barrier function disruption in IEC-6 cells. Infect Immun, (7): p

17 17. Kaneda, Y., et al., Ribodemes of Blastocystis hominis isolated in Japan. Am J Trop Med Hyg, (4): p Ley, R.E., et al., Microbial ecology: human gut microbes associated with obesity. Nature, (7122): p Membrez, M., et al., Gut microbiota modulation with norfloxacin and ampicillin enhances glucose tolerance in mice. Faseb J, Royall, D., T.M. Wolever, and K.N. Jeejeebhoy, Clinical significance of colonic fermentation. Am J Gastroenterol, (10): p Hoverstad, T., et al., Short-chain fatty acids in the small-bowel bacterial overgrowth syndrome. Scand J Gastroenterol, (4): p Oufir, L.E., et al., Relationships between transit time in man and in vitro fermentation of dietary fiber by fecal bacteria. Eur J Clin Nutr, (8): p Scheppach, W., et al., The effect of starch malabsorption on fecal short-chain fatty acid excretion in man. Scand J Gastroenterol, (6): p Holtug, K., H.S. Rasmussen, and P.B. Mortensen, Short chain fatty acids in inflammatory bowel disease. The effect of bacterial fermentation of blood. Scand J Clin Lab Invest, (7): p Howarth, G.F., et al., High prevalence of undetected ulcerative colitis: data from the Nottingham fecal occult blood screening trial. Am J Gastroenterol, (3):p Kronborg, O., Diverticulitis: a new high-risk group for colorectal cancer? Scand J Gastroenterol, (8): p Löser Chr, Möllgard A, Fölsch UR. Faecal elastase1: a novel, highly sensitive, and specific tubeless pancreatic function test. Gut. 1996; 39: Stein J, Jung M, Sziegoleit A, Zeuzem S, Caspary WF, Lembcke B. Immunoreactive elastase1: clinical evaluation of a new noninvasive test of pancreatic function. Clin Chem. 1996; 42: Brody, T., Nutritional Biochemistry. 2nd. ed. 1999, San Diego: Academic Press. xix, 1006 p. 30. Thomson, A.B.R., First Principles of Gastroenterology: The Basis of Disease and an Approach to Management. 2000: Gastroenterology Resource Centre. 31. Vuoristo, M. and T.A. Miettinen, Increased biliary lipid secretion in celiac disease. Gastroenterology, (1 Pt 1): p

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo XIV Congresso Brasileiro de Nutrologia Simpósio ILSI Brasil Probióticos e Saúde Profa. Dra. Susana Marta Isay Saad Departamento de Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica USP e-mail susaad@usp.br Alimentos

Leia mais

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS AMEBÍASE Agente causador: Entamoeba histolytica. Diagnóstico: E. P. F. exame parasitológico

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

MICROBIOTA INTESTINAL PREBIÓTICOS PROBIÓTICOS SIMBIÓTICOS Apresentado por : Prof. Dr. Yvon Toledo Rodrigues Membro Titular da Academia Nacional de Medicina. Presidente da Academia Latino-Americana de Nutrologia.

Leia mais

Saúde da Mulher. Rede Mundo Verde - Ano 1 Livro 1

Saúde da Mulher. Rede Mundo Verde - Ano 1 Livro 1 Guia Saúde da Mulher Uma queixa constante de mulheres é a prisão de ventre, flatulência, distensão abdominal. Muitas se habituam ao problema como se fosse normal e convivem com essa situação, muitas vezes

Leia mais

Probiótico. Identificação. Descrição / especificação técnica: Pó creme a marrom claro, contendo no mínimo 10 bilhões de UFC/g.

Probiótico. Identificação. Descrição / especificação técnica: Pó creme a marrom claro, contendo no mínimo 10 bilhões de UFC/g. Material Técnico Probióticos Identificação Fórmula Molecular: Não aplicável DCB / DCI: Não aplicável INCI: Não aplicável Peso molecular: Não aplicável CAS: Não aplicável Denominação botânica: Não aplicável

Leia mais

INULINA. Fibra alimentar. Informações Técnicas. CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose

INULINA. Fibra alimentar. Informações Técnicas. CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose Informações Técnicas INULINA Fibra alimentar CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose INTRODUÇÃO A inulina é um nutriente funcional ou nutracêutico, composto por frutose, encontrado

Leia mais

AULA DO PRODUTO. Curso inicial & Integração Novos Representantes

AULA DO PRODUTO. Curso inicial & Integração Novos Representantes AULA DO PRODUTO Curso inicial & Integração Novos Representantes 1 HELICOBACTER PYLORI A bactéria Helicobacter pylori foi descoberta em 1982 pelos australianos Barry J. Marshall e J. Robin Warren. Até então,

Leia mais

LACTOBACILLUS BULGARICUS

LACTOBACILLUS BULGARICUS Informações Técnicas LACTOBACILLUS BULGARICUS 10 bilhões/g DESCRIÇÃO Lactobacillus bulgaricus é uma bactéria que, devido à sua ação benéfica para o sistema digestivo, costuma ser usada para a produção

Leia mais

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA A diarreia é definida por um aumento na frequência das dejecções ou diminuição da consistência das fezes e por uma massa fecal>200g/dia. Pode

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

DIARRÉIA EM TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL Grupo de Suporte em Terapia Nutricional CTI-A Hospital Israelita Albert Einstein Fevereiro/10

DIARRÉIA EM TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL Grupo de Suporte em Terapia Nutricional CTI-A Hospital Israelita Albert Einstein Fevereiro/10 DIARRÉIA EM TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL Grupo de Suporte em Terapia Nutricional CTI-A Hospital Israelita Albert Einstein Fevereiro/10 O surgimento de diarréia durante internação hospitalar é evento comum,

Leia mais

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE Como prevenir? Como diagnosticar? Como tratar? SISTEMA DIGESTIVO O sistema digestivo se estende da boca até o ânus. É responsável pela recepção

Leia mais

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA X COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA ( ) 18.01 Abdome Agudo Diagnóstico (algoritmo) ( ) 18.02 Abdome Agudo Inflamatório Diagnóstico e Tratamento ( ) 18.03 Abdome Agudo na Criança ( ) 18.04 Abdome Agudo

Leia mais

Confira a lista dos 25 melhores alimentos para emagrecer:

Confira a lista dos 25 melhores alimentos para emagrecer: Emagrecer nem sempre é uma das tarefas mais simples. A fórmula parece simples (dieta + exercício + descanso) porém diferentes pessoas precisam de diferentes soluções. Uma coisa é certa: qualquer ajuda

Leia mais

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida.

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. MODELO DE BULA Duphalac lactulose FORMA FARM ACÊUTICA E APRESENTAÇ ÃO DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia Caso complexo Natasha Especialização em Fundamentação teórica DISPEPSIA Vinícius Fontanesi Blum Os sintomas relacionados ao trato digestivo representam uma das queixas mais comuns na prática clínica diária.

Leia mais

Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais

Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais 1- Ascaridíase gênero Ascaris 2- Ancilostomíase gênero Ancylostoma 3- Oxiuríase gênero Enterobius 4- Filaríase gênero Wuchereria Ascaris O gênero Ascaris

Leia mais

Aula 4: Sistema digestório

Aula 4: Sistema digestório Aula 4: Sistema digestório Sistema digestório As proteínas, lípideos e a maioria dos carboidratos contidos nos alimentos são formados por moléculas grandes demais para passar pela membrana plasmática e

Leia mais

Multi Star Adulto 15kg e 5kg

Multi Star Adulto 15kg e 5kg Multi Star Adulto 15kg e 5kg Proteína Bruta Extrato Etéreo (Mín.) 21% (Mín.) 8% Matéria Mineral Matéria Fibrosa (Máx.) 8% (Máx.) 4% Cálcio (Máx.) 1,8% Fósforo (Mín.) 0,8% Carne de Frango e Arroz Extrato

Leia mais

24/8/2009. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea

24/8/2009. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea CICLO BIOLÓGICO Os cães e os gatos, que são os hospedeiros definitivos do parasita, podem infectar-se de formas diversas: Ingestão de ovos infectantes; Ingestão de larvas presentes em tecidos de hospedeiros

Leia mais

Fibrose Cística. Triagem Neonatal

Fibrose Cística. Triagem Neonatal Fibrose Cística Triagem Neonatal Fibrose cística Doença hereditária autossômica e recessiva, mais frequente na população branca; Distúrbio funcional das glândulas exócrinas acometendo principalmente os

Leia mais

ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS

ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS Aderbal Sabra MD. PhD. Cientista Visitante e Staff Senior ICISI Georgetown University USA Professor de Pediatria, Gastroenterologia e Alergia

Leia mais

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Intestino Delgado Abordagem ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Fisiologia Histologia Aspectos Clínicos Anatomia Do estômago ao intestino grosso Maior porção do trato digestivo

Leia mais

Trato Digestivo do Suíno

Trato Digestivo do Suíno Trato Digestivo do Suíno Monogástrico onívoro com limitada fermentação pós-gástrica Estômago simples, incapaz de utilizar dietas ricas em forragem Incapaz de digerir algumas substâncias presentes em grãos,

Leia mais

Como Prescrever Enzimas Digestivas

Como Prescrever Enzimas Digestivas Como Prescrever Enzimas Digestivas Pancreatina Reduz Sintomas de Má- Absorção na Insuficiência Pancreática Lipase Reduz Esteatorreia Associada à Insuficiência Pancreática Lactase Promove Redução Maior

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

Distúrbios Gastrointetinais

Distúrbios Gastrointetinais Distúrbios Gastrointetinais Anatomia Gastrointestinal Doenças do tubo digestivo Patologias do Esôfago Classificação segundo o mecanismo da doença Anomalias do desenvolvimento (exs: Atresias; hérnias;estenoses)

Leia mais

Pesquisa Científica de Parasitologia em Rio dos Cedros-SC

Pesquisa Científica de Parasitologia em Rio dos Cedros-SC Pesquisa Científica de Parasitologia em Rio dos Cedros-SC A pesquisa foi realizada pelo Laboratório Freitag & Weingärtner durante o período de 01/06/2005 a 31/08/2005 na cidade de Rio dos Cedros-SC em

Leia mais

Metronidazol Inpharma

Metronidazol Inpharma FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Composição: Metronidazol Inpharma Comprimidos e Pó para suspensão oral Comprimidos: Cada comprimido contém 250 mg de metronidazol. Excipientes: Amido de

Leia mais

Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias

Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAI VI Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias Bactérias anaeróbias não-esporuladas Participam

Leia mais

Sistema Digestivo - Função

Sistema Digestivo - Função Sistema Digestivo Fome Saciedade Sistema Digestivo - Função O organismo humano recebe os nutrientes através dos alimentos. Estes alimentos têm de ser transformados em substâncias utilizáveis, envolvendo

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 INTRODUÇÃO DDA Síndrome causada por vários agentes etiológicos (bactérias, vírus e parasitos) 03 ou mais episódios com fezes líquidas

Leia mais

Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG

Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG Sintomas Dor na região do estômago Estômago estufado Empanzinamento Azia Arrotos frequentes Cólica na barriga Vômitos e náusea

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos

ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos Rosa Helena Luchese, PhD Departamento de Tecnologia de Alimentos Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro E-mail: rhluche@ufrrj.br CONTAMINANTES DOS

Leia mais

Hepatites Virais 27/07/2011

Hepatites Virais 27/07/2011 SOCIEDADE DIVINA PROVIDÊNCIA Hospital Nossa Senhora da Conceição Educação Semana Continuada de Luta Contra em CCIH as Hepatites Virais 27/07/2011 Enfº Rodrigo Cascaes Theodoro Enfº CCIH Rodrigo Cascaes

Leia mais

BULA PARA O PACIENTE MICOSTATIN (nistatina) SUSPENSÃO ORAL

BULA PARA O PACIENTE MICOSTATIN (nistatina) SUSPENSÃO ORAL BULA PARA O PACIENTE MICOSTATIN (nistatina) SUSPENSÃO ORAL MICOSTATIN nistatina USO ORAL APRESENTAÇÃO MICOSTATIN 100.000 UI/mL é apresentado em cartuchos com frasco de vidro âmbar contendo 60 ml, com conta-gotas

Leia mais

Doenças de Transmissão Alimentar

Doenças de Transmissão Alimentar Doenças de Transmissão Alimentar Norma S. Lázaro nslazaro@ioc.fiocruz.br LABENT/IOC/FIOCRUZ- RJ Perigos microbiológicos aos alimentos fungos, vírus, v bactérias, parasitas Importância dos microrganismos

Leia mais

TEMA: VERMINOSES HUMANAS

TEMA: VERMINOSES HUMANAS TEMA: VERMINOSES HUMANAS COLEGIO ESTADUAL MARIO AUGUSTO TEIXIRA DE FREITAS NOME: DEISIANE FELZEMBOURGH N 10 2 ANO TURMA: F VESPERTINO PROFESSORA: CAROLINA INTRODUÇÃO Verminoses é um grupo de doenças causadas

Leia mais

Ascaris lumbricoides. Fernanda Aparecida Gonçalves da Silva. Nutrição

Ascaris lumbricoides. Fernanda Aparecida Gonçalves da Silva. Nutrição Ascaris lumbricoides Fernanda Aparecida Gonçalves da Silva Nutrição Introdução O A.lumbricoides é encontrado em quase todos os países do globo, estimando-se que 30% da população mundial estejam por ele

Leia mais

UNIDADE I NUTRIÇÃO anatomia/fisiologia do sistema digestório HELENA MUKAI

UNIDADE I NUTRIÇÃO anatomia/fisiologia do sistema digestório HELENA MUKAI UNIDADE I NUTRIÇÃO anatomia/fisiologia do sistema digestório HELENA MUKAI Anatomia do Sistema Digestório O sistema digestório humano é formado por um longo tubo musculoso, ao qual estão associados órgãos

Leia mais

Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda.

Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda. IDENTIFICAÇÃO DO Loxonin loxoprofeno sódico MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES LOXONIN é comercializado em caixas com 8, 15 ou 30 comprimidos de 60 mg. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido de LOXONIN

Leia mais

DIA 16.06.2015 (TERÇA-FEIRA) GRAND AUDITÓRIO 08H50 09H20 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ABERTURA O IMPACTO DE METAGENÔMICA NA SAÚDE E NA DOENÇA

DIA 16.06.2015 (TERÇA-FEIRA) GRAND AUDITÓRIO 08H50 09H20 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ABERTURA O IMPACTO DE METAGENÔMICA NA SAÚDE E NA DOENÇA DIA 16.06.2015 (TERÇA-FEIRA) GRAND AUDITÓRIO 08H30 08H50 ABERTURA 08H50 09H20 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ABERTURA O IMPACTO DE METAGENÔMICA NA SAÚDE E NA DOENÇA 09H20 09H50 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL

Leia mais

Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol

Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol Creme vaginal Uso intravaginal APRESENTAÇÃO TRINIZOL -M CREME VAGINAL: caixa contendo bisnaga com 80 g de creme e 1 aplicador. TRINIZOL -M CREME VAGINAL: caixa

Leia mais

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas Informações Técnicas VEGESOY FIBER Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó INTRODUÇÃO A soja é uma leguminosa cultivada na China há mais de 5 mil anos. Ao longo do tempo passou a ser consumida por

Leia mais

Sistemas do Corpo Humano

Sistemas do Corpo Humano Sistemas do Corpo Humano Sistema Digestório consegue energia e matéria prima. Cada órgão tem uma função específica no processo de transformação dos alimentos O QUE É UM SISTEMA????? Sistema Digestório

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL

IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA

Leia mais

Manejo da Diarréia no Paciente Crítico

Manejo da Diarréia no Paciente Crítico Manejo da Diarréia no Paciente Crítico Bibiana Rubin Especialista em Clínica Terapêutica Nutricional Mestre em Saúde Coletiva Nutricionista Clínica CTI/HCPA Não há conflitos de interesse. Diarréia do Paciente

Leia mais

Primeiros animais/ primitivos; Seres aquáticos: mares, rios, tanques etc...

Primeiros animais/ primitivos; Seres aquáticos: mares, rios, tanques etc... Protozoários Primeiros animais/ primitivos; Seres aquáticos: mares, rios, tanques etc... Estrutura: Realizam as funções vitais: Locomoção e respiração; Obtenção de alimentos; Digestão; Excreção; Reprodução.

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM EXAMES LABORATORIAIS

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM EXAMES LABORATORIAIS GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM EXAMES LABORATORIAIS PARASITOLOGIA HUMANA O que é parasitologia? É a ciência que estuda os parasitas, os seus hospedeiros e relações entre eles. Parasitas são seres vivos que retiram

Leia mais

Dor abdominal: entenda as causas, tipos de dor e tratamentos

Dor abdominal: entenda as causas, tipos de dor e tratamentos Dor abdominal: entenda as causas, tipos de dor e tratamentos Conheça as doenças mais comumente relacionadas ao sintoma e como identificar Quando falamos em dor abdominal, muitos podem pensar que ela se

Leia mais

Aula 13: Distúrbios gastrointestinais

Aula 13: Distúrbios gastrointestinais Aula 13: Distúrbios gastrointestinais Distúrbios gastrointestinais Distúrbios gastrointestinais são aqueles que afetam todo o tubo gastrointestinal e órgãos anexos; Os mais frequentes são: azia, gastrite,

Leia mais

ALIMENTOS FUNCIONAIS E NUTRACÊUTICOS

ALIMENTOS FUNCIONAIS E NUTRACÊUTICOS ALIMENTOS FUNCIONAIS E NUTRACÊUTICOS Crisliane de P. Branco 1 Aristides R. de Oliveira 2 Mariana Pina da Silva 3 RESUMO O presente trabalho, através de uma revisão bibliográfica, fala sobre alimentos funcionais

Leia mais

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões:

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: Recuperação Capítulo 01 - Níveis de organização Células tecidos órgãos sistemas - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: A- Membrana Plasmática - Revestimento da célula;

Leia mais

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias MÓDULO I NUTRIÇÃO CLÍNICA 1-Absorção, digestão, energia, água e álcool 2-Vitaminas e minerais 3-Proteínas, lipídios, carboidratos e fibras 4-Cálculo das necessidades energéticas 5-Doenças do aparelho digestivo

Leia mais

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica.

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica. Hepatites Virais O FÍGADO E SUAS FUNÇÕES. O fígado é o maior órgão do corpo humano, está localizado no lado superior direito do abdômen, protegido pelas costelas (gradio costal). É responsável por aproximadamente

Leia mais

Manual dos Fitoquimicos Primavera da Flora Intestinal

Manual dos Fitoquimicos Primavera da Flora Intestinal Manual dos Fitoquimicos Primavera da Flora Intestinal Prebióticos e Probióticos: Os Adubos da Saúde Intestinal Seus intestinos podem atrapalhar os seus planos de manter a saúde e o corpo em dia, sabia?

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

Foliron. Marjan Indústria e Comércio Ltda. Comprimidos revestidos Ácido fólico (5,0 mg/comp) + bisglicinato quelato ferroso (150,00 mg/comp)

Foliron. Marjan Indústria e Comércio Ltda. Comprimidos revestidos Ácido fólico (5,0 mg/comp) + bisglicinato quelato ferroso (150,00 mg/comp) Foliron Marjan Indústria e Comércio Ltda. Comprimidos revestidos Ácido fólico (5,0 mg/comp) + bisglicinato quelato ferroso (150,00 mg/comp) Foliron Ácido fólico + bisglicinato quelato ferroso APRESENTAÇÃO

Leia mais

PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar

PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar Professoras: Eliete, Maria Cristina e Midian INTRODUÇÃO O homem com o seu próprio corpo podem contaminar diretamente os alimentos

Leia mais

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus.

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. SAÚDE AMBIENTAL DOENÇAS CAUSADAS PELA FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO HEPATITE A Doença causada por vírus. Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. Falta de higiene,

Leia mais

Parasitoses - Ve V rminoses Prof. Tiago

Parasitoses - Ve V rminoses Prof. Tiago Parasitoses - Verminoses Prof. Tiago INTRODUÇÃO PLATELMINTOS E NEMATÓDEOS: RESPONSÁVEIS POR ALGUMAS PARASITOSES CONHECIDAS COMO VERMINOSES. TENÍASE E ESQUISTOSSOMOSE SÃO CAUSADAS POR PLATELMINTOS; ASCARIDÍASE

Leia mais

Função orgânica nossa de cada dia. Profa. Kátia Aquino

Função orgânica nossa de cada dia. Profa. Kátia Aquino Função orgânica nossa de cada dia Profa. Kátia Aquino Vamos analisar! Funções Carboidratros (ou Glicídios) Energética: eles são os maiores fornecedores de energia para os seres vivos, principalmente a

Leia mais

EQUILÍBRIO BIOQUÍMICO DO CORPO

EQUILÍBRIO BIOQUÍMICO DO CORPO EQUILÍBRIO BIOQUÍMICO DO CORPO BODY TALK SYSTEM - ENERGY MEDICINE O Body Talk System (BTS) estimula o corpo a curar-se. No mundo moderno, o estresse nosso de cada dia interfere no corpo e compromete a

Leia mais

BIOTÔNICO FONTOURA N. (sulfato ferroso heptaidratado e ácido fosfórico)

BIOTÔNICO FONTOURA N. (sulfato ferroso heptaidratado e ácido fosfórico) BIOTÔNICO FONTOURA N (sulfato ferroso heptaidratado e ácido fosfórico) Cosmed Indústria de Cosméticos e Medicamentos S.A. Solução oral sulfato ferroso heptaidratado 0,833mg/mL ácido fosfórico 4,666mg/mL

Leia mais

FÁRMACOS Moduladores GástricosG

FÁRMACOS Moduladores GástricosG Curso Noções Básicas B de Farmacologia Clínica nica FÁRMACOS Moduladores GástricosG Thyago Araújo Fernandes Secreção gástrica Produção diária de 2,5L de suco gástrico diariamente; Substâncias produzidas:

Leia mais

Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos

Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos pancreáticos (principal e acessório) Gatos: Ducto biliar

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS TRATAMENTO PREVENÇÃO

EPIDEMIOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS TRATAMENTO PREVENÇÃO DIARREIA AGUDA EPIDEMIOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS TRATAMENTO PREVENÇÃO PROF. DR. ULYSSES FAGUNDES NETO Instituto de Gastroenterologia Pediátrica de São Paulo (I-Gastroped) Diarreia foi responsável, em

Leia mais

COLESTEROL E TRIGLICÉRIDES

COLESTEROL E TRIGLICÉRIDES COLESTEROL E TRIGLICÉRIDES Muitas pessoas já ouviram falar deles. Algumas podem até imagine que colesterol e triglicérides sejam sinônimos de doença. Para desfazer a imagem de vilões que essas duas substâncias

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

OS ALIMENTOS COMO VEÍCULO DE NUTRIENTES

OS ALIMENTOS COMO VEÍCULO DE NUTRIENTES Página1 OS ALIMENTOS COMO VEÍCULO DE NUTRIENTES Importância dos alimentos Todos os animais, incluindo o homem, precisam de se alimentar para sobreviver. Porque são tão importantes os alimentos? Os alimentos

Leia mais

FISIOLOGIA DIGESTIVA

FISIOLOGIA DIGESTIVA EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA DIGESTIVA 01. Na digestão, a redução dos alimentos a partículas através de processos mecânicos tem por finalidade: a) facilitar a eliminação de substâncias inúteis

Leia mais

PLESONAX. (bisacodil)

PLESONAX. (bisacodil) PLESONAX (bisacodil) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido Revestido 5mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: PLESONAX bisacodil APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos Embalagem contendo

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Sandra e Sofia. Fundamentação teórica Dor abdominal crônica na criança e no adolescente

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Sandra e Sofia. Fundamentação teórica Dor abdominal crônica na criança e no adolescente Caso complexo Sandra e Sofia Especialização em Fundamentação teórica DOR ABDOMINAL CRÔNICA NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE Soraia Tahan É comum nos atendimentos pediátricos a associação da queixa de dor abdominal

Leia mais

Para quê precisamos comer?

Para quê precisamos comer? Para quê precisamos comer? Para a reposição de água, substratos energéticos, vitaminas e sais minerais. O TUBO DIGESTIVO E SUAS PRINCIPAIS ESTRUTURAS O Trato Gastrointestinal (TGI) Digestive System (Vander,

Leia mais

maleato de trimebutina

maleato de trimebutina maleato de trimebutina Althaia S.A. Indústria Farmacêutica Cápsulas Gelatinosas Mole 200 mg maleato de trimebutina Medicamento genérico Lei n o 9.787, de 1999. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÃO:

Leia mais

INFECÇÕES BACTERIANAS

INFECÇÕES BACTERIANAS INFECÇÕES BACTERIANAS 1. Salmonelose (enterocolite), febre tifóide, febres entéricas Salmonella: Espécies x doenças: S. typhi (febre tifóide) S. paratyphi A, B, C (febres entéricas) Outras espécies (salmonelose)

Leia mais

ALIMENTAÇÃO Preventiva. Volume I

ALIMENTAÇÃO Preventiva. Volume I ALIMENTAÇÃO Preventiva Volume I By porque evoluir é preciso Que o teu alimento seja seu medicamento Hipócrates Pai da medicina moderna Não coma, nutra-se! Existem muitas informações importantes disponíveis,

Leia mais

NEUTROFER COMPRIMIDOS 150 mg (equivalente a 30mg de ferro elementar por comprimido): caixa contendo 30 comprimidos.

NEUTROFER COMPRIMIDOS 150 mg (equivalente a 30mg de ferro elementar por comprimido): caixa contendo 30 comprimidos. NEUTROFER FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: NEUTROFER COMPRIMIDOS 150 mg (equivalente a 30mg de ferro elementar por comprimido): caixa contendo 30 comprimidos. NEUTROFER COMPRIMIDOS 300 mg (equivalente

Leia mais

Do D enças a d o T rato Gastrointestinal

Do D enças a d o T rato Gastrointestinal Doenças do Trato Gastrointestinal Trato gastrointestinal Colonização do TGI Ocorre ao nascimento e, durante toda a vida do indivíduo. Colonização por novos micro-organismos pode ocorrer diariamente com

Leia mais

CLORIDRATO DE SEVELÂMER CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 800 MG BULA DO PACIENTE

CLORIDRATO DE SEVELÂMER CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 800 MG BULA DO PACIENTE CLORIDRATO DE SEVELÂMER CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 800 MG BULA DO PACIENTE Cloridrato de sevelâmer Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO

Leia mais

ALIMENTO: UM PODEROSO AGENTE DE SAÚDE!

ALIMENTO: UM PODEROSO AGENTE DE SAÚDE! ALIMENTO: UM PODEROSO AGENTE DE SAÚDE! UMA EXCELENTE OPÇÃO PARA PREVENIR DOENÇAS E TORNAR SEU TRATAMENTO MUITO MAIS EFICAZ! SA Ú DE É U M A QU E ST Ã O DE E SCOL H A ELA É DETERMINADA PELO QUE VOCÊ SABE

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS ALEXANDRE DA SILVA SECHINATO Médico veterinário Pesquisador Tortuga Cia Zootecnica Agrária INTRODUÇÃO Ovo é um excelente alimento Alimento completo

Leia mais

QUESTÃO 40 PROVA DE BIOLOGIA II. A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar:

QUESTÃO 40 PROVA DE BIOLOGIA II. A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar: 22 PROVA DE BIOLOGIA II QUESTÃO 40 A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar: a) Se não existisse o processo inflamatório, os microorganismos

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Pantelmin mebendazol. suspensão. Anti-helmíntico de amplo espectro

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Pantelmin mebendazol. suspensão. Anti-helmíntico de amplo espectro IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Pantelmin mebendazol suspensão Anti-helmíntico de amplo espectro APRESENTAÇÃO Suspensão de 100 mg de mebendazol por 5 ml do copo-medida que acompanha o medicamento (20 mg/ml

Leia mais

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Ciências AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Graduada em História e Pedagogia, Doutora em Filosofia e Metodologia de Ensino, Autora da Metodologia ACRESCER. REGINALDO STOIANOV Licenciatura Plena em Biologia,

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

Atividade Física e Alimentação Protéica

Atividade Física e Alimentação Protéica Atividade Física e Alimentação Protéica Para obter um bom desempenho o atleta não necessita somente de um bom treinamento, precisa de uma dieta balanceada que contenha quantidades adequadas de proteína,

Leia mais

IMOSEC (cloridrato de loperamida) comprimidos. 2 mg

IMOSEC (cloridrato de loperamida) comprimidos. 2 mg IMOSEC (cloridrato de loperamida) Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. comprimidos 2 mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Imosec cloridrato de loperamida comprimidos APRESENTAÇÕES Comprimidos de 2 mg em embalagem

Leia mais

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes PROFESSORA NAIANE Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes dos alimentos, chegam às células do

Leia mais

Bactérias e Doenças Associadas

Bactérias e Doenças Associadas Bactérias e Doenças Associadas Disenteria Bacilar Agente Etiológico: Bactérias do gênero Shigella Forma de transmissão: Água e alimentos contaminados com as fezes dos doentes. Sintomas: Infecção intestinal,

Leia mais

15/10/2009. Taxonomia: Grandes bastonetes Gram-positivos em cadeia. Família Baccilaceae; Aeróbios. Gênero Bacillus 235 espécies (incluindo

15/10/2009. Taxonomia: Grandes bastonetes Gram-positivos em cadeia. Família Baccilaceae; Aeróbios. Gênero Bacillus 235 espécies (incluindo UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE BACTERIOLOGIA NUTRIÇÃO Bacillus e Clostridium Bacillus PROF. RENATA F. RABELLO 2 o SEMESTRE/2009 INTRODUÇÃO Taxonomia: Família Baccilaceae; Gênero Bacillus 235 espécies

Leia mais

1º Curso de Antimicrobianos da AECIHERJ INTRODUÇÃO A ANTIBIÓTICOS DRA. DEBORA OTERO

1º Curso de Antimicrobianos da AECIHERJ INTRODUÇÃO A ANTIBIÓTICOS DRA. DEBORA OTERO 1º Curso de Antimicrobianos da AECIHERJ INTRODUÇÃO A ANTIBIÓTICOS DRA. DEBORA OTERO Antimicrobianos antimicrobiano (anti+microbiano) Que extermina micróbios ou impede sua proliferação antibiótico (anti+bio+t+ico)

Leia mais

Nematódeos. - infecção oral. Classificação. Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Ascarididae Ascaris lumbricoides

Nematódeos. - infecção oral. Classificação. Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Ascarididae Ascaris lumbricoides Classificação Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Família: Ascarididae Espécie: Ascaris lumbricoides Características gerais É o maior nematódeos do intestino do homem

Leia mais

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa SISTEMA DIGESTÓRIO SALIVA A saliva é um líquido claro, viscoso, alcalino (ph entre 6 e 7), que contém em sua composição: 95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. Além disso, também

Leia mais

Nematódeos parasitas do ser humano. Prof.: Chico Pires

Nematódeos parasitas do ser humano. Prof.: Chico Pires Nematódeos parasitas do ser humano Prof.: Chico Pires Ascaris lumbricoides Ascaris lumbricoides (lombriga) Doença: Ascaridíase Modo de transmissão: Ingestão de alimentos e de água contaminados por ovos

Leia mais