UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE BIBLIOTECONOMIA ROOSEWELT LINS SILVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE BIBLIOTECONOMIA ROOSEWELT LINS SILVA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE BIBLIOTECONOMIA ROOSEWELT LINS SILVA MODELO DE AUTOMAÇÃO EM BIBLIOTECAS BASEADO NA FILOSOFIA OPEN SOURCE: uma análise social e tecnológica São Luís 2005

2 ROOSEWELT LINS SILVA MODELO DE AUTOMAÇÃO EM BIBLIOTECAS BASEADO NA FILOSOFIA OPEN SOURCE: uma análise social e tecnológica São Luís 2005 ii

3 ROOSEWELT LINS SILVA MODELO DE AUTOMAÇÃO EM BIBLIOTECAS BASEADO NA FILOSOFIA OPEN SOURCE: uma análise social e tecnológica Aprovada em / / BANCA EXAMINADORA Profª Drª Cenidalva Teixeira Miranda Profª Ms. Raimunda Ramos Marinho Prof Dr. Carlos Alberto Brandão Barbosa Leite iii

4 À liberdade, ao ser supremo, meus pais, e meu avô Ribamar Silva (in Memorian). iv

5 AGRADECIMENTOS Aos meus companheiros de universidade do curso de Biblioteconomia: Erivaldo Freire, Ana Helena, Marla, Hélio Craveiro e Arlindo Cordeiro, amigos do Laboratório de Sistemas Inteligentes Programa de Pós-Graduação de Engenharia Elétrica da UFMA: Felipe Guilhon, Pedro Brandão, Gemayel Lira e Rômulo Martins, a Mário Araújo Júnior do Curso de Ciência da Computação da UFMA pela força dada na área de desenvolvimento web. Agradeço aos meus Mestres César Castro, Maria Cléa Nunes, Cenidalva Teixeira, Raimunda Marinho, Maria da Guia, Carlos Brandão, Thiago Moreira e Sofiane Labidi. Aos meus pais e familiares, em especial a minha grande mãe Telma Silva e minha irmã Madhava. Aos meus colegas de outras universidades como Morenos Barros (UFF), Jonathas Pedera e André Cavalcante (UFC) e aos babilônicos Gustavo Henn, Rodrigo Galvão, Fernando Alves, Gustavo Costa, Henrique, Tiago Body, Rodrigo Peruca e outros amigos da UFC, UFPE e UFRN. À minha companheira pesquisadora e extensionista Gerlandy Leão, por está sempre ao meu lado. Enfim, a todos que contribuíram diretamente ou indiretamente para a consolidação deste trabalho. v

6 Realmente, só pelo fato de ser consciente das causas que inspiram minhas ações, estas causas já são objetos transcendentes para minha consciência; elas estão fora. Em vão tentaria apreendê-las. Escapo delas pela minha própria existência. Estou condenado a existir para sempre além da minha essência, além das causas e motivos dos meus atos. Estou condenado a ser livre. Isso quer dizer que nenhum limite para minha liberdade pode ser estabelecido exceto a própria liberdade, ou, se você preferir; que nós não somos livres para deixar de ser livres. Jean-Paul Sartre vi

7 RESUMO O estudo discute a adoção de softwares livres na automação de bibliotecas como estratégia econômica e vantagens tecnológicas. Destaca as iniciativas brasileiras de adoção do software livre como estratégia de democratização do acesso as tecnologias da informação e alternativa para a dependência tecnológica. Discute conceitos referentes à inclusão social e digital e a função da biblioteca como instituição de livre acesso ao conhecimento. Analisa conceitos referentes à filosofia colaborativa nas comunidades open-source, apresentando o histórico, aspectos sociais e tecnológicos do desenvolvimento do software livre e sua aplicação em política de informatização de bibliotecas e criação de terminais de acesso público à internet. Expõe alguns pressupostos referentes à automação de bibliotecas e apresenta-se uma solução baseada no uso da Tecnologia da Informação aplicada na Biblioteconomia destacando Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo, Sistemas para Gerenciamento de Bibliotecas e Ferramentas para Implementação de Bibliotecas Digitais e Repositórios Institucionais. Palavras-chave: Software Livre. Exclusão Digital. Automação. Bibliotecas. Democratização. Exclusão Social. Autonomia. vii

8 ABSTRACT The study discusses free software adoption in automation of libraries as economic strategy and technological advantages. It detaches the Brazilian initiatives of adoption of free software as strategy of democratization of the access the technologies of the information and alternative for the technological dependence. It argues referring concepts to the social and digital inclusion and the function of the library as institution of free access to the knowledge. Open-source analyzes referring concepts to the collaborative philosophy in the communities presenting the social and technological description, aspects of the development of free software and its application in politics of computerization of libraries and creation of terminals of public access to the Internet. It displays some estimated referring to the automation of libraries and presents a solution based on the use of the Technology of the Information applied in the Library Science as Systems of Content Management Systems, Systems for Management of Libraries and Tools for Implementation of Digital Libraries and Institutional Repositories. Keywords: Free Software. Digital Exclusion. Automation. Libraries. Democratization. Social Exclusion. Autonomy. viii

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 5.1 Estrutura do Dspace...50 Figura 5.2 Arquitetura do Servidor Fedora...51 Figura 5.3 Tela Principal do Brushtail no Open BSD...54 Figura 5.4 Inserção de Artigos no Xaraya...55 Figura 5.5 Sistema de Busca no Xaraya...56 Figura 5.6 Tela de Catalogação de um Documento no PMB...60 Figura 5.7 Tela Principal do Open Biblio...61 Figura 5.8 Catalogação de um Livro no Open Biblio...62 Figura 5.9 Área de Administração do Gnuteca Figura 6.0 Tela Principal do Open Biblio instalado em um S.O Open BSD...64 ix

10 LISTA DE ABREVIATURAS ARC Cross Archive Search Service CMS Content Management System GPL General Public License GNU Gnu is Not Unix PHP Hypertext Preprocessor HTML Hypertext Markup Language JSP Java Server Pages OAI Open Archives Initiative OSI Open Source Initiative RSS Rich Site Sumary SQL Structured Query Language XML Extensible Markut Language WSDL Web Service Description Language W3C Word Wide Web Consortium x

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Justificativa e Objetivos Metodologia EXCLUSÃO SOCIAL E A EXCLUSÃO DIGITAL Exclusão Social Exclusão Digital Iniciativas SOFTWARES LIVRES E A FILOSOFIA OPEN SOURCE História do Movimento Software Livre Modelo de Desenvolvimento de Softwares Livres Licenciamento de Softwares Licenças Open-Source AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS IMPLEMENTAÇÃO DE SOFTWARES LIVRES EM BIBLIOTECAS Ferramentas para Bibliotecas Digitais e Repositórios Institucionais Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo Sistemas de Gerenciamento de Acervos Outros Softwares Livres Relevantes CONCLUSÃO...67 REFERÊNCIAS...70 ANEXOS...,...75 xi

12 10 1 INTRODUÇÃO O discurso contemporâneo de sociedade está centrado na valoração da informação e na educação continuada frente às necessidades demandadas do atual contexto econômico. O conhecimento tem valor estratégico nessa nova ordem mundial e cabe a esfera pública, o dever de implementar políticas capazes de socializar as tecnologias de informação e comunicação, assim como o acesso à escola, aos livros e ao lazer. Essas políticas devem oportunizar o desenvolvimento social e a difusão da informação como forma de promover a inclusão de grande parte da população brasileira através da apropriação do conhecimento nas escolas, centros culturais, empresas e a aplicação de tecnologias que atendam as demandas sociais nestas instituições. O alto custo de um projeto de informatização tem sido um dos maiores empecilhos para a implementação de um ambiente de acesso ao mundo do conhecimento através da internet e outras ferramentas multimídias. Esse impasse somado com a dependência tecnológica corrobora para a perpetuação de um hiato tecnológico educacional e comunicacional, que contribui para a segregação social e em contrapartida a exclusão digital. Falar de inclusão digital na contemporaneidade implica em uma análise centrada nas políticas públicas, ações da sociedade civil e do setor terciário. Nesta perspectiva a biblioteca como organismo responsável pela democratização do acesso ao conhecimento e a informação necessita está dentro das instituições responsáveis por programas de inclusão digital, que através de terminais de livre acesso à internet a toda a comunidade usuária, possibilita estreitar as barreiras da

13 11 exclusão da informação digital, assim como também o acesso a recursos informacionais tradicionais. Esta instituição faz uso das novas tecnologias para automatizar seus processos e oferecer novas ferramentas para seus usuários e dentro desta concepção procura-se destacar algumas iniciativas brasileiras de inclusão digital, ações concretas e projetos tomando como base o uso de softwares livres e transpor essa abordagem para o ambiente organizacional das bibliotecas. Como modelo prático de implementação de um ambiente de aplicações voltadas à Biblioteconomia, apresenta-se uma descrição da experiência e aplicabilidade de alguns softwares livres em diferentes Sistemas Operacionais nãoproprietários. 1.1 Justificativa As organizações preocupadas com a gestão de seus bens, serviços e produtos investem maciçamente em uma arquitetura tecnológica para possibilitar automação de seus processos, para isto é necessário racionalizar o uso da tecnologia da informação no ambiente organizacional. A arquitetura tecnológica de informações engloba não só os recursos da tecnologia da informação mas, também, todo o conjunto de informações de uma organização, os modelos de dados e toda a infra-estrutura tecnológica necessária para suportar os fluxos de informações (RODRIGUES; FERRANTE apud CÂNDIDO et. al 2000, p. 41), Neste aspecto, a instituição biblioteca como organização responsável pela disseminação da informação e seu tratamento, entra neste contexto a partir do momento que utiliza tecnologias para criar seus catálogos automatizados, passa a disponibilizar seus serviços na Internet e usa aplicações para gerenciar suas rotinas.

14 12 Para tal é necessário o uso de softwares específicos para gerenciamento de acervos e disponibilização de conteúdos em rede, e os existentes no mercado atendem às necessidades informacionais através de padrões internacionais, entretanto são demasiadamente caros e muitas vezes estão fora de orçamentos de bibliotecas, principalmente àquelas vinculadas à esfera pública ou comunitária. Como forma de contrapor esse impasse, os softwares livres apresentam uma alternativa para quem precisa de estabilidade, qualidade, autonomia e não dispõe de recursos para investir em uma tecnologia proprietária. Assim o enfoque dado aos softwares livres tem sido amplamente debatido nas Universidades, ONG s, Empresas e Poder Público. As principais discussões em torno do uso das tecnologias livres têm sido a respeito da importância social destas em políticas de inclusão digital, pois os altos custos e a dependência tecnológica com softwares proprietários criam barreiras para a socialização e aperfeiçoamento do uso das tecnologias de informação e comunicação, deixando-as como privilégios de poucos. Pinheiro (2003, p.286) aponta para esse fator: O Estado, como ente fomentador do desenvolvimento tecnológico e da democratização do acesso às novas tecnologias para a sociedade, não pode se furtar a sua responsabilidade de priorizar a utilização de programas abertos, os free softwares/open source. E se as pequenas, médias e grandes empresas multinacionais já estão adotando programas abertos, evitando assim o pagamento de centenas de milhões de dólares em licenciamento de programas, por que o Estado, com uma infinidade de causas sociais carentes de recursos, continuar comprando, e caro, os programas de mercado? Nesta perspectiva, pretende-se analisar as principais iniciativas no Brasil para o uso de softwares livres, medidas de combate à exclusão digital e colocar a biblioteca como uma das instituições inclusiva de informação, que através do uso de ferramentas computacionais em sintonia com os meios tradicionais, favorecem a aquisição, produção e disseminação do conhecimento. Verificar-se-á também as principais tecnologias livres utilizadas em bibliotecas: softwares livres para

15 13 gerenciamento automatizado de acervo e administração de bibliotecas, algumas ferramentas para implementação de repositórios e bibliotecas digitais, sistemas de gerenciamento de conteúdos na web, dentre outras tecnologias de código-fonte aberto. 1.2 Metodologia A pesquisa aplicada em Biblioteconomia e Ciência da Informação tem caráter puramente interdisciplinar e multidisciplinar, já que a informação é objeto de estudo de inúmeras áreas do conhecimento e perpassa pela comunicação, computação, lingüística e as ciências sociais. Muitos teóricos sustentam essa idéia, a exemplo Saracevic, (1996, p.48) em seu debate sobre as origens da ciência da informação e seu caráter de interligação com diversos campos do conhecimento O autor ratifica que a Biblioteconomia, Inteligência Artificial, Ciência Cognitiva, Comunicação influenciam diretamente. Segundo Gómez (2000, p. 334), a ciência da informação surge no horizonte de transformações das sociedades contemporâneas que passaram a levar em consideração o conhecimento, a comunicação e os usos da linguagem como objeto de pesquisa científica ao mesmo tempo em que domínios de intervenção econômico-tecnológica. Essas investigações sobre os pressupostos teóricos e metodológicos, analisando os aspectos epistemológicos que envolvem a Ciência da Informação enquanto disciplina científica é o cerne para o entendimento dos fenômenos informacionais. O modelo paradigmático da pesquisa é proposto através de uma análise histórica que visa analisar a realidade objetiva levando em consideração os condicionantes filosóficos.

16 14 Analisar a inclusão digital é investigar as nossas práticas, nossa transferência de conhecimento e então o problema é de ordem reflexiva sobre o processo de transferência. Esta é uma premissa sustentada na visão de Simões, (1996, p.82), afirmando que: Nossas reflexões sobre a produção do conhecimento partem de dois pressupostos epistemológicos: (a) o conhecimento é gerado na prática, nas relações sociais concretas e (b) a realidade está constantemente em movimento e, portanto, constituindo-se. A partir desta base conceitual, convém demonstrar os procedimentos metodológicos que serão utilizados na problemática da inclusão digital aplicada às bibliotecas. Será realizada uma pesquisa documental com base em relatos de experiências; artigos técnico-científicos tanto em forma impressa quanto eletrônica; sites oficiais de projetos; assim como livros especializados e recursos audiovisuais (filmes e documentários). Após essa revisão de literatura serão analisadas as principais iniciativas de disseminação do uso e desenvolvimento de tecnologias de código-fonte aberto como estratégia de inclusão digital no Brasil. A compreensão teórica do movimento do software livre será sustentada por artigos internacionais e publicações nacionais. Será realizado também um estudo sobre alguns aplicativos baseados em código aberto para informatização de bibliotecas, destacando tecnologias, recursos, portabilidade, interoperabilidade e outras características recomendáveis em sistemas automatizados para unidades de informação e a decorrente instalação em servidores para melhor análise de desempenho. Com base nestes pressupostos e com algumas experiências práticas poder-se-á investigar a exposta problemática para potencializar a discussão dentro da Biblioteconomia, Ciência da Informação e Informática.

17 15

18 16 2 EXCLUSÃO SOCIAL E A EXCLUSÃO DIGITAL A exclusão social e digital serão abordadas neste capítulo enfatizando conceitos, relações e algumas iniciativas existentes no Brasil para o combate da exclusão digital. Os aspectos sociais e econômicos serão apontados de acordo com a literatura pesquisada bem como questões pertinentes à políticas publicas voltadas ao acesso ao conhecimento. 2.1 Exclusão Social As maiores discussões sobre planos de inclusão social levam em conta fatores como moradia, segurança alimentar, reforma agrária, desemprego, questões étnicas, educação, cultura e políticas voltadas a portadores de necessidades especiais. Na literatura existe uma grande variedade de definições sobre exclusão social, portanto não existe uma abordagem teórica precisa referente ao conceito. Nesse sentido Iizuka (2003, p. 13) em seu estudo exploratório sobre exclusão digital coloca que existem diversas formas para se conceituar a exclusão social, mas de acordo como os autores pesquisados, dois eixos principais norteiam as definições: os efeitos, impactos do sistema capitalista, do mercado de trabalho, as questões sociais, perdas de direitos derivados da transformação do Estado e das suas políticas. Para Sawaia (apud IIZUKA, 2003, p.3), as análises referentes à exclusão social enfocam apenas uma perspectiva em detrimento das demais, como as análises centradas na esfera econômica, que abordam a exclusão como sinônimo de pobreza, e as centradas no social que privilegiam o conceito de discriminação, minimizando um dos aspectos fundamentais da exclusão que é o da injustiça social.

19 17 A questão do mercado de trabalho é um fator de extrema relevância, já que os altos índices de desemprego no Brasil formam um ciclo de segregação social, gerado pela mecanização e o uso de tecnologias aplicadas nos modos de produção e a não-capacitação do trabalhador para esta realidade, embora isso não seja o fator determinante para construção de um conceito sólido de exclusão social. É provável que o termo exclusão social esteja relacionado com o desemprego e a precarização do mercado de trabalho, entretanto, isso não implica, necessariamente, que ao longo dos anos não se tenha agregado outros fatores além da ausência de emprego. (IIZUKA, 2003, p.15). O modelo de sistema como um todo contribui maciçamente para uma definição de exclusão centrada na perspectiva econômica, pois emite na esfera social um padrão de comportamento consumista baseado na aquisição de bens e serviços para a inserção do indivíduo e grupos na cultura capitalista. O comportamento dos grupos que apropriam do excedente, condicionado que é pela situação de dependência cultural em que se encontram tende a agravar as desigualdades sociais, em função do avança na acumulação. Assim a reprodução das formas sociais, que identificamos com o subdesenvolvimento, está ligada a formas de comportamento condicionadas pela dependência (FURTADO, 1974, p. 82). Para Castel (apud IIZUKA, 2003, p ), a exclusão seria imóvel, ao denotar estados de privação, enquanto que a conceituação de desafiliação procura valorizar os processos que geram aquela situação. A exclusão não é uma ausência de relação social, mas um conjunto de relações sociais particulares da sociedade tomada como um todo. Desta forma o autor demonstra ainda que é preciso analisar os processos e as relações de exclusão e não apenas o fato em si, ou seja, a dinâmica pela qual as pessoas foram levadas a essa situação e além disso, deve-se perceber que a exclusão social é uma forma de relação social inserida numa realidade indivisível. Observa-se que este conceito propõe uma rede de interligação

20 18 com diversos fatores, como questões históricas de uma determinada sociedade e sua relações políticas e culturais. Dentre inúmeros conceitos, Sawaia apud Iizuka, (2003, p. 18), coloca que é necessário compreender as causas primeiras que levam à exclusão e sistematizar a análise de acordo com a realidade objetiva e toda a complexidade de uma estrutura social. O autor firma que: [...] é um processo multifacetado, uma configuração de dimensões materiais, políticas, relacionais e subjetivas é um processo sutil e dialético, pois só existe em relação à inclusão com os outros. Não é uma coisa ou estado, é um processo que envolve o homem por inteiro e suas relações com os outros. não tem uma forma única e não é falha do sistema, devendo ser combatida como algo que perturba a ordem social, ao contrário, ele é produto do funcionamento do sistema. (SAWAIA apud IIZUKA, 2003, p. 18) Dentro desta conceituação o autor assinala que o processo de exclusão não pode ser encarado sob uma ótica reducionista, culpando sempre o sistema capitalista, não podemos direcionar a discussão para um único fator e sim trabalhar a idéia de que existe toda uma construção histórica e diversos fatores objetivos e subjetivos que influenciam no entendimento da exclusão social. A exclusão não é um fato restrito e isolado e sim um processo sistematizado historicamente. Outro problema referente à exclusão social é o mapeamento para compreender a extensão da exclusão existente em um determinado território, muitas vezes os índices não refletem a verdadeira realidade do número de pobres e excluídos. A quantificação dos fatos sociais reduz a realidade de indivíduos em números, sendo que estes vivem em condições precárias, distanciando-os do nível ideal de qualidade de vida e contribuindo para a exclusão e o aumento da pobreza. Utilizou-se no final da década de 60 o indicador macroeconômico do PIB per capita para mensurar a extensão da pobreza nos países. Este indicador aplicado em países com grande concentração de renda poderia ser entendido como um país

21 19 com condições de vida adequada na medida em que o PIB per capita é relativamente elevado. Esta modalidade de análise social foi amplamente criticada por causa da fragmentação da realidade sócio-econômica de um país, estabelecendo apenas generalizações através de médias e não as particularidades. Spoti apud Iizuka (2003, p.20). Como bem coloca lizuka (2003, p.21): A despeito do mérito em quantificar o número de pobres no mundo e do avanço da generalização proposta a partir do PIB per capita, a exclusão social, ou seja, são suprimidos outros fatores como a carência educacional, o não acesso à saúde, a falta de perspectiva de emprego, trabalho e renda etc. A partir desta colocação, o autor apresenta uma crítica às formas de compreender as camadas socialmente excluídas através de números e padronização da realidade. Para que tenha um método mais eficaz de análise, Iizuka (2003, p. 22) propõe que a história, o processo de vida e o contexto em que vive cada indivíduo são algo que o distingue das outras pessoas e, portanto, não há porque tratar de forma homogênea algo que é naturalmente heterogêneo. No Brasil então esta crise de ordem metodológica parece ser ainda mais visível, devido a sua extensão territorial e diversidade cultural. Silveira (2003, p. 31) afirma que as eficácias das várias iniciativas ainda não é visível exatamente pela sua dispersão, pela ausência de indicadores consolidados, pela inexistência de uma coordenação pública unificada da implementação dos projetos de inclusão. Posto isso se verifica que pesquisas de mensuração são de extrema relevância, mas ainda não existe um total compromisso em desenvolver um levantamento mais preciso de todo os pontos fundamentais do processo de exclusão. Faz-se necessário tomar como referência essa abordagem conceitual sobre exclusão social para poder trabalhar a idéia de exclusão digital. O uso das tecnologias de informação e comunicação e do acesso ao conhecimento registrado

22 20 em dispositivos eletrônicos proporciona ainda mais a sociabilização do indivíduo na modernidade, fator este de significativa importância para uma sociedade dinâmica que tem como eixo central a automação de tarefas e a comunicação sem fronteiras. Acompanhar a evolução tecnológica e usufruir da produção intelectual são insumos primordiais no atual contexto e todo cidadão deve fazer parte dessa nova organização social independente de questões sexuais, étnicas, ideológicas e classe social. 2.2 Exclusão Digital Igualmente à exclusão social, a exclusão digital apresenta inúmeras variações conceituais e terminológicas: analfabetismo tecnológico, divisão digital, apartheid digital, infoexclusão etc. Independente de termos, todas tem como fator determinante o acesso às tecnologias digitais, em especial a rede mundial de computadores: a Internet ou www. A origem dessa discussão é explicitada abaixo: O termo exclusão digital ou divisão digital (digital divide) tem a sua origem em meados da década de 1990 como a publicação de um artigo de Jonathan Webber e Amy Harmon no jornal Los Angeles Times em 1995, de acordo com Larry Irving da Irving.com, Andy Carvin da Benton Foudation diz que no ínicio de 1996 houve uma declaração de então presidente Bill Clinton e do vice-presidente Al Gore em que ambos citam o termo digital divide num discurso realizado em Knoxville, Tenesse. É justamente no país que foi o berço da internet e que conta com o maior número de usuários em todo mundo e como uma diversidade no uso das novas tecnologias que surge o termo digital divide, um quase equivalente de exclusão digital. (IIZUKA, 2003, p. 37). É um paradoxo um país como os Estados Unidos levantarem questões referentes à exposta temática, pois de um lado tem uma política excludente em relação aos demais países dependentes e de outro apresenta um grande número de pessoas usuárias de ferramentas tecnológicas, sem contar que os padrões técnicos da informática são comandados por instituições norte-americanas. A internet é a

23 21 principal ferramenta de acesso ao mundo do conhecimento e da sociedade em rede, e quando tomamos os indicadores brasileiros nos deparamos com uma situação extremamente grave: a desigualdade. A internet possibilita que a democratização de discursos, problemas identificados e caminhos sugeridos sejam instantâneos. Mas, para isso é necessário que o acesso às novas tecnologias e à rede WWW seja universal. Caso contrário, a possibilidade de exercício de democracia através das tecnologias digitais de comunicação e informação é falácia. É conveniente ressaltar que por um lado a internet no Brasil vem retratar o agravamento de desigualdades sociais, econômicas e políticas, uma vez que a concentração de renda e acesso a bens como computadores e linhas telefônicas no país é privilégio de tão poucos, que criam-se duas novas categorias sociais: os que têm acesso à internet e os que não têm, de um lado uma parcela muito pequena da população que transita num universo de mil possibilidades de outro uma quantidade significativa que só ouve contarem sobre a nova realidade (LIMA; SELAIMEN, 2003, p. 66). É extremamente complexo um país em desenvolvimento como o Brasil solucionar a curto prazo essas disparidades sociais. Na democracia, o bem maior é a igualdade perante a lei e a segurança do cidadão, essa igualdade diz respeitos à celebração dos valores éticos, jurídicos e humanos. No Brasil a história demonstra que os recursos destinados às escolas e programas sociais são utilizados para a manutenção da classe dominante e implantação de medidas neo-liberais para legitimação da doutrina capitalista global. Como exemplo prático tem-se a inviabilização do programa de inclusão digital denominada de Fundo de Universialização dos Serviços de Telecomunicações FUST.

24 22 De acordo a lei Nº 9.998, de 17 de agosto de 2000 sobre o Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações, caberá ao Ministério das Comunicações através da Anatel formular as políticas, as diretrizes gerais e as prioridades que orientarão as aplicações do Fust, bem como definir os programas, projetos e atividades financiados com recursos do Fundo. A consulta ora em exame se refere a questões relativas à possível utilização de recursos do Fundo de Universalização de Serviços de Telecomunicações - FUST para a contratação de serviços de implantação, manutenção de utilização de acesso a redes digitais de informação, inclusive internet, a instituições de ensino, bibliotecas e instituições de saúde. O serviço incluiria também a disponibilização dos computadores e programas que possibilitariam o acesso às redes digitais. (BRASIL, MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES, 2004). Neste projeto seriam adquiridos 290 mil computadores, 46 mil impressoras, 16 mil scanners e outros equipamentos. Em três anos, seria investido 1,5 bilhão de reais no combate à exclusão digital no país (MIRANDA, 2003, p.255). O Governo retirou 2,6 bilhões de reais dos recursos destinados ao Fust nos anos de 2001, 2002 e O FUST abriria a possibilidade de um programa apoiado em software livre. Os laboratórios de informática nas escolas seriam como campo de várzea, um seara especial para a formação de nossos futuros craques em tecnologia. A base indispensável para uma grande alavancagem do Brasil no caminho da autonomia tecnológica, formando as atuais e futuras gerações em software livre e em tecnologia da informação (MIRANDA, 2003, p ). Silveira (2003, p. 29) propõe a idéia de transformar a inclusão digital em uma política pública sustentada em quatro pressupostos: Primeiro, o reconhecimento de que a exclusão digital amplia a miséria e dificulta o desenvolvimento humano, local e nacional. A exclusão digital não representa uma mera conseqüência da pobreza crônica. Torna-se fator de congelamento da condição de miséria e de grande distanciamento em relação às sociedades ricas. Segundo, a constatação de que o mercado não irá incluir na era da informação os extratos pobres e desprovidos de dinheiro. A própria alfabetização e a escolarização da população não seriam maciças se não fosse pela transformação da educação em política pública e gratuita. A alfabetização digital e a formação básica para viver na

25 23 cibercultura também dependerão da ação do Estado pra serem amplas ou universalistas. Terceiro, a velocidade da inclusão é decisiva para que a sociedade tenha sujeitos e quadros em números suficiente para aproveitar as brechas do desenvolvimento no contexto da mundialização de trocas desiguais e, também para adquirir capacidade de gerar inovações. Quarto, a aceitação de que a liberdade de expressão e o direito de se comunicar seriam uma falácia se fossem destinados apenas à minorias que tem acesso à comunicação em rede. Hoje o direito à comunicação é sinônimo de direito à comunicação mediada por computador. Portanto, trata-se de uma questão de cidadania. Em um país como Brasil percebe-se que milhares de pessoas estão à margem do exercício da cidadania, parece inútil falar sobre acesso à comunicação e a informação mediada por computadores, mas como pode-se ter uma sociedade mais digna se a própria dinâmica social demanda novos processos produtivos e novas competências profissionais? Como dá acesso à internet e capacitar pessoas que não tem o que comer, onde morar e muito menos o que vestir? Seria realmente interessante resolver a questão da exclusão digital e deixar de lado as pessoas que não usufruem dos princípios básicos de sobrevivência? O problema é que também não deve-se ignorar as crianças que freqüentam escolas públicas e não possuem uma formação baseada no uso de recursos multimídias para ampliarem seus conhecimentos, sendo que muitas dessas escolas poderiam ser contempladas com uma política pública de inclusão centrada no uso da tecnologia educacional. Assim como também não pode-se dar as costas aos programas de incentivos à leitura em comunidades desprovidas de bibliotecas e centros de cultura, esses indivíduos se não fizerem parte desse novo modelo de ensino e comportamento poderão contribuir com a violência e comprometer a soberania nacional. É difícil estabelecer uma boa perspectiva para esses estudantes no mercado de trabalho, já que a exigência de conhecimento mínimo de informática em qualquer atividade é um pré-requisito cada vez mais presente no Brasil e no mundo: basta verificar os editais de concursos públicos, quer para a esfera federal como

Curso Introdução ao Linux. Desmistificando o Software Livre. Nícholas André - www.iotecnologia.com.br - nicholas@iotecnologia.com.

Curso Introdução ao Linux. Desmistificando o Software Livre. Nícholas André - www.iotecnologia.com.br - nicholas@iotecnologia.com. Curso Introdução ao Linux Desmistificando o Software Livre Nícholas André - www.iotecnologia.com.br - nicholas@iotecnologia.com.br Índice 1 O que é Software Livre? 2 A história por trás do Software Livre.

Leia mais

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social.

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Palestrante: Paulo Cesar Alves 19/09/2005 Agenda Formulação

Leia mais

Manifesto Software Livre

Manifesto Software Livre Manifesto Software Livre Histórico iniciou com a elaboração de um documento denominado: " Manifesto GNU " por Richard Stallman 1.984; marco histórico do surgimento de uma nova forma de criação de Software;

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Circuito Curitibano de Software Livre

Circuito Curitibano de Software Livre Circuito Curitibano de Software Livre 1ª etapa: UniBrasil Software Livre e a Paulo Henrique de Lima Santana 19 de maio de 2015 Paulo Henrique de Lima Santana Bacharel em Ciência da Computação na UFPR.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Faculdade de Direito - Ciências do Estado e Governança Mundial

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Faculdade de Direito - Ciências do Estado e Governança Mundial UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Faculdade de Direito - Ciências do Estado e Governança Mundial A CONTRIBUIÇÃO DO SOFTWARE LIVRE PARA O FOMENTO À EDUCAÇÃO Brener Fidelis de Seixas Belo Horizonte Junho/2011

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

1 / 6. Cartilha O ABC do Software Livre. O que é PcLivre?

1 / 6. Cartilha O ABC do Software Livre. O que é PcLivre? 1 / 6 Cartilha O ABC do Software Livre O que é PcLivre? O PC Livre é um projeto de iniciativa do PSL-Brasil, coordenado por voluntários e operado por vários parceiros que apoiam a iniciação de novos usuários

Leia mais

CC Montagem e manutenção de hardware Docente: Nataniel Vieira 1 sem Técnico em Informática Roteiro 06: Atividade sobre o Documentário RevolutionOS

CC Montagem e manutenção de hardware Docente: Nataniel Vieira 1 sem Técnico em Informática Roteiro 06: Atividade sobre o Documentário RevolutionOS SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CC Montagem e manutenção de hardware Docente: Nataniel Vieira 1 sem Técnico em Informática Roteiro 06: Atividade sobre o

Leia mais

Introdução 12/06/2012. Software Livre

Introdução 12/06/2012. Software Livre Software Livre Introdução Software Livre, software de código aberto ou software aberto é qualquer programa de computador cujo código-fonte deve ser disponibilizado para permitir o uso, a cópia, o estudo

Leia mais

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Resumo O projeto tem como objetivo principal promover a inclusão digital dos softwares

Leia mais

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. Resumo INCLUSÃO DIGITAL Leandro Durães 1 A inclusão digital que vem sendo praticada no país tem abordado, em sua

Leia mais

Software Livre em Empresas. Cesar Bezerra Teixeira

Software Livre em Empresas. Cesar Bezerra Teixeira Software Livre em Empresas Cesar Bezerra Teixeira 2004 Objetivo Apresentar tópicos diversos, para implantação de uma política de utilização de software livre, em empresas. Cesar Bezerra Teixeira 2 Sumário

Leia mais

CC Montagem e manutenção de hardware Docente: Nataniel Vieira 1 sem Técnico em Informática Roteiro 06: Atividade sobre o Documentário RevolutionOS

CC Montagem e manutenção de hardware Docente: Nataniel Vieira 1 sem Técnico em Informática Roteiro 06: Atividade sobre o Documentário RevolutionOS SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CC Montagem e manutenção de hardware Docente: Nataniel Vieira 1 sem Técnico em Informática Roteiro 06: Atividade sobre o

Leia mais

Aula 2. Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede.

Aula 2. Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede. Aula 2 Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede. Sistema Operacional de Rede Definição: Conjunto de módulos que ampliam as tarefas dos sistemas operacionais locais, complementando-os

Leia mais

TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS

TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS Anissa CAVALCANTE 2 Jessica WERNZ 3 Márcio CARNEIRO 4, São Luís, MA PALAVRAS-CHAVE: CMS, webjornalismo, TV Vila Embratel, comunicação 1 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Software Livre. para concursos. Questões comentadas

Software Livre. para concursos. Questões comentadas Software Livre para concursos Questões comentadas Prefácio Hoje, qualquer instituição, seja ela pública ou privada, necessita utilizar programas de computadores para auxiliar os seus processos, gerando

Leia mais

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Aula 34 Software livre e código aberto Aula 34 2 Gestão em Sistemas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR Dispõe sobre a Política de uso de Softwares Livres no âmbito da UDESC O REITOR da FUNDAÇÃO

Leia mais

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre 16:21:50 Introdução à Informática com Software Livre 1 16:21:50 Hardware & Software 2 16:21:50 Hardware Hardware é a parte física de um computador, é formado pelos componentes eletrônicos, como por exemplo,

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

UNIX & Linux. Histórico, distribuição licença, características. Taisy Weber

UNIX & Linux. Histórico, distribuição licença, características. Taisy Weber UNIX & Linux Histórico, distribuição licença, características Taisy Weber História de UNIX 1969 - Ken Thompson Bell Laboratories, PDP-7 Dennis Ritchie logo juntou-se a Thompson Ritchie havia trabalhado

Leia mais

PLANO DE AULA. Ambiente Operacional Unix Profa. Morganna

PLANO DE AULA. Ambiente Operacional Unix Profa. Morganna PLANO DE AULA 1. Sistema operacional Unix 2. Sistema operacional Linux 3. Utilização dos sistemas operacionais 1 - Sistema Operacional UNIX História 1964 sistema operacional MULTICS (Multiplexed Information

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

software livre: a tecnologia que liberta!

software livre: a tecnologia que liberta! software livre: a tecnologia que liberta! conteúdo original de www.cachorrosurtado.blogspot.com www.escolaep.blogspot.com copyleft 2010 (((SLIDE 01))) RELEMBRANDO O CONCEITO DE SOFTWARE SOFTWARE é o mesmo

Leia mais

Software de sistema Software aplicativo

Software de sistema Software aplicativo SOFTWARE O que é Software? Software, logicial ou programa de computador é uma sequência de instruções a serem seguidas e/ou executadas, na manipulação, redireccionamento ou modificação de um dado/informação

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

Conteúdo SOFTWARE LIVRE. Terminologia. Histórico de Software Livre. Terminologia: Software livre. Terminologia: Software livre

Conteúdo SOFTWARE LIVRE. Terminologia. Histórico de Software Livre. Terminologia: Software livre. Terminologia: Software livre Conteúdo SOFTWARE LIVRE SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Histórico de Software Livre Terminologia Fases do Licença de Software Livre

Leia mais

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo.

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 1 TEMA Assunto: Redes de computadores. Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 2 PROBLEMA Problema: Qual a importância de criar uma rede estruturada em instituições

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

CONHECENDO O SOFTWARE LIVRE

CONHECENDO O SOFTWARE LIVRE CONHECENDO O SOFTWARE LIVRE Reinaldo Candido da Costa 1 * Rosaria Ferreira Otoni dos Santos* Resumo O presente artigo busca instigar a reflexão dos usuários dos meios de comunicação e disseminação da informação

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com)

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software; Sistemas Operacionais: Evolução; Conceitos Básicos; Tipos; Exemplos. DEINFO/UFRPE

Leia mais

Administração de Sistemas Livres. Prof. Lais Farias Alves

Administração de Sistemas Livres. Prof. Lais Farias Alves Administração de Sistemas Livres Prof. Lais Farias Alves Administração de Sistemas Livres Software e Suas Licenças O que é um Software Livre? Software Livre x Software Proprietário Software e Suas Licenças

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

PL 3280/2004 PROJETO DE LEI Nº 3280/2004

PL 3280/2004 PROJETO DE LEI Nº 3280/2004 PL 3280/2004 Dispõe sobre a utilização de programas de computador nos estabelecimentos de ensino público dos Estados brasileiros e do Distrito Federal e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 3280/2004

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica ANÁLISE DA APLICABILIDADE DE SOFTWARE LIVRE NAS INSTITUIÇÕES DO ESTADO DE GOIÁS E A INCLUSÃO DIGITAL Daniel Seabra 1,4 e Ly Freitas Filho 1,4 RESUMO Este estudo tem o intuito de auxiliar os gestores organizacionais

Leia mais

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO ÍNDICE Diagnóstico Princípios Básicos: 1- Redefinição da atuação pública na saúde 2-Saúde como direito de todos 3-Estabilidade e continuidade das políticas de

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

Educação além dos limites da sala de aula

Educação além dos limites da sala de aula Educação além dos limites da sala de aula Como a Brightspace passou a fazer parte da vida de 20.000 alunos da Universidade Tiradentes Visão Geral Com mais de 50 anos de tradição e reconhecido pioneirismo

Leia mais

Uso de Software Livre na Universidade

Uso de Software Livre na Universidade Uso de Software Livre na Universidade Diego Starling Fonseca Guilherme da Silva Nascimento Gustavo Henrique do Nascimento Pereira Luiz Henrique Bueno Byrro Marcelo Luiz Lacerda Esteves Rodrigo Alvaro da

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Carla Morais e João Paiva. Software Educativo 2009/2010

Carla Morais e João Paiva. Software Educativo 2009/2010 Carla Morais e João Paiva Software Educativo 2009/2010 Os conceitos: Software livre e Open Source O conceito de Software livre (Free Software, no original), anterior ao de Open source, foi cunhado por

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI (2013-2015) - UFPel

Planejamento Estratégico de TI (2013-2015) - UFPel Planejamento Estratégico de TI (2013-2015) - UFPel 1 Missão Prover soluções de TI, com qualidade, à comunidade da UFPel. 2 Visão Ser referência em governança de TI para a comunidade da UFPel até 2015.

Leia mais

Conteúdo. Uma visão social. O que é? Dá certo? Custos. Recomendações. Apresentação Ricardo Gazoni Semiotic Systems. Software Livre Junho de 2011

Conteúdo. Uma visão social. O que é? Dá certo? Custos. Recomendações. Apresentação Ricardo Gazoni Semiotic Systems. Software Livre Junho de 2011 Conteúdo Uma visão social O que é? Dá certo? Custos Recomendações Apresentação Ricardo Gazoni Semiotic Systems Página 2 Uma visão social História da computação: o começo de tudo 1936 década de 40 Máquina

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Esp. Lucas Cruz

Tecnologia da Informação. Prof. Esp. Lucas Cruz Tecnologia da Informação Prof. Esp. Lucas Cruz Software A utilização comercial da informática nas empresas iniciou-se por volta dos anos 1960. O software era um item menos dispendioso que o hardware, e

Leia mais

O modelo Bazar de Produção de Softwares. O caso das Comunidades Virtuais de Software livre.

O modelo Bazar de Produção de Softwares. O caso das Comunidades Virtuais de Software livre. O modelo Bazar de Produção de Softwares O caso das Comunidades Virtuais de Software livre. Por Vicente Aguiar Fonte: Lucas Rocha Feced/2005 Sobre esta apresentação 2005 Lucas Rocha > lucasr@gnome.org

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratar consultoria por produto para formular

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E Unidade II TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO EM EDUCAÇÃO Prof. Me. Eduardo Fernando Mendes Fundamentos da tecnologia da informação Os conteúdos abordados neste módulo são: Componentes da Tecnologia

Leia mais

Educação à Distância: Possibilidades e Desafios

Educação à Distância: Possibilidades e Desafios Educação à Distância: Possibilidades e Desafios Resumo André Alves Freitas Andressa Guimarães Melo Maxwell Sarmento de Carvalho Pollyanna de Sousa Silva Regiane Souza de Carvalho Samira Oliveira Os cursos

Leia mais

Principais Sistemas Operacionais. Prof. Fernando Nakayama de Queiroz

Principais Sistemas Operacionais. Prof. Fernando Nakayama de Queiroz Principais Sistemas Operacionais Prof. Fernando Nakayama de Queiroz Principais S.O. Unix Linux Windows Mac OS Microsoft Windows Criado por Bill Gates e Paul Allen em 1985. Sistema proprietário (pago).

Leia mais

Gestão de Documentos: Um estudo da difusão do uso de softwares livres no curso de graduação em Arquivologia da UFMG.

Gestão de Documentos: Um estudo da difusão do uso de softwares livres no curso de graduação em Arquivologia da UFMG. Gestão de Documentos: Um estudo da difusão do uso de softwares livres no curso de graduação em Arquivologia da UFMG. Alex Soares André Ogando Karime Marcenes Márcia Bolina Wallace Carvalho RESUMO No contexto

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MISSÃO DO CURSO A concepção do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas está alinhada a essas novas demandas

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Introdução a Sistemas Abertos

Introdução a Sistemas Abertos Introdução a Sistemas Abertos Apresentação filipe.raulino@ifrn.edu.br Sistemas Abertos Qualquer programa de computador que pode ser usado, copiado, estudado e redistribuído inclusive com seu código fonte

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

LINUX. Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker. - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL

LINUX. Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker. - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL LINUX Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL Para que o computador funcione e possibilite a execução

Leia mais

Dias 12 e 13 de fevereiro de 2014 João Pessoa - Paraíba

Dias 12 e 13 de fevereiro de 2014 João Pessoa - Paraíba Realização: Apoio Técnico e Institucional Secretaria do Estado da Educação Dias 12 e 13 de fevereiro de 2014 João Pessoa - Paraíba Dia 12 de fevereiro de 2014 15h Novas e antigas tecnologias devem se combinar

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

**Graduandas em Turismo - Universidade Federal de Minas Gerais babicddelgado@gmail.com; carinafneves@hotmail.com; nilleeee@hotmail.

**Graduandas em Turismo - Universidade Federal de Minas Gerais babicddelgado@gmail.com; carinafneves@hotmail.com; nilleeee@hotmail. EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: OS SOFTWARES LIVRES COMO MEIOS DE ACESSO À GRADUAÇÃO DE TURISMO* Bárbara Cardoso Delgado Carina Fernandes Neves Janille de Oliveira Morais RESUMO Pretende-se delinear uma análise

Leia mais

Sistema Operacional. História Sistema Operacional 1. QI Escolas e Faculdades Apostila de Linux

Sistema Operacional. História Sistema Operacional 1. QI Escolas e Faculdades Apostila de Linux 4 Capítulo 1 Sistema Operacional É uma coleção de programas que inicializa hardwares, fornece rotinas básicas para controle de dispositivos, mantém a integridade de um sistema. Um sistema operacional de

Leia mais

O que é software livre

O que é software livre O que é software livre Publicado por brain em Sáb, 2006-03-25 17:12. :: Documentação [http://brlinux.org/linux/taxonomy/term/13] por Augusto Campos Este artigo responde a diversas dúvidas comuns de novos

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Fernando César Lima Leite fernandodfc@gmail.com 1. A comunicação científica e sua importância Qualquer

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

O modelo Bazar de Produção de Softwares. O caso das Comunidades Virtuais de Software livre.

O modelo Bazar de Produção de Softwares. O caso das Comunidades Virtuais de Software livre. O modelo Bazar de Produção de Softwares O caso das Comunidades Virtuais de Software livre. Por Vicente Aguiar Fonte: Lucas Rocha Feced/2005 Sobre esta apresentação 2008 Vicente Aguiar

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires do Reis Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas Endereço:

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais