Se é verdade que se morre pela boca, o leite de vaca é a maior prova.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Se é verdade que se morre pela boca, o leite de vaca é a maior prova."

Transcrição

1 CLÍNICA INFANTIL INDIANÓPOLIS CENTRO DE PREVENÇÃO DA ASMA E DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA * Alergia - Asma - Bronquite - Dermatite Atópica - Eczema - Estrófulo (picada de insetos) - Rinite - Urticária * Infecções de Repetição - Amigdalites - Faringites - Furunculose - Laringites - Otites - Pneumonias - Sinusites * Pediatria Puericultura Vacinações Se é verdade que se morre pela boca, o leite de vaca é a maior prova. Leite de vaca - o maior vilão das alergias Estima-se que cerca de 8% das crianças e aproximadamente 2,5% dos adultos apresentarão alergia alimentar em uma determinada fase da sua vida. 7,5% dos casos são atribuídos ao leite de vaca especula-se que esta alergia atinja 3% das crianças nos primeiros dois anos de vida (lactentes). Muito provavelmente, esta casuística está subestimada, em virtude do número de casos não diagnosticados. Exceto as alergias graves, os sintomas, numa fase inicial, costumam ser discretos sem fornecer suspeita clínica sustentável e mesmo quando há indícios de alergia, sua comprovação laboratorial nem sempre é possível, uma vez que a positividade dos exames nas crianças com mais de dois anos de idade oscila em torno dos 85%, portanto, com 15% de falso-negativos. Dessa maneira, com certa freqüência, as alergias não são diagnosticadas precocemente, o que impossibilita instituir um tratamento numa fase inicial, mais favorável, em que há maior probabilidade de êxito, no sentido de prevenir a progressão da doença, evitando uma sucessão de eventos alérgicos (marcha atópica) ou recorrências da reação alérgica ora manifestada, com perspectivas consideráveis de agravamento. As alergias alimentares não diagnosticadas corretamente são fatores de risco para reações anafiláticas graves, algumas vezes fatais. A primeira reação da alergia costuma ser alimentar e se manifestar na infância. Os alimentos implicados, em 90% dos casos, são: leite de vaca primeiro alimento introduzido na dieta ovo, trigo, soja e peixes. Em idade mais avançada, incrementam a lista os frutos do mar, o amendoim e a família das castanhas: noz, avelã, amêndoa e pistache. O grande vilão é o leite de vaca e nos adultos tem igual importância o amendoim torrado. Parece que as reações mais graves estão relacionadas com os frutos do mar. A literatura assinala que menos de 1% das alergias alimentares são desencadeadas por aditivos: corantes; conservantes; edulcorantes; espessantes etc. Provavelmente, o fato de serem supervalorizados seja devido a erros diagnósticos com doenças virais, reações tóxicas... Nas alergias graves os sintomas são imediatos de segundos até quatro horas (em média duas horas) após a ingestão do alimento. Nos outros casos, geralmente os sintomas surgem nos primeiros dez/quatorze dias do seu consumo e independem da quantidade ingerida. Como os alimentos da dieta materna são absorvidos e eliminados pelo seu leite, a alergia pode se manifestar logo após o nascimento, durante a amamentação (яτв). Freqüentemente, a primeira manifestação da alergia alimentar é a cólica que, apesar de mais intensa em comparação à normalmente apresentada pela maioria dos Recém-Nascidos salvo os casos gritantes dificilmente é reconhecida como uma manifestação alérgica, pois, na maioria dos casos, tem uma evolução favorável, com melhora transcorridos, em média três meses o bebê passa a tolerar e conviver com sua cólica, sem qualquer restrição alimentar, ainda que com o uso esporádico de antiespasmódicos. 1

2 A segunda reação costuma ser cutânea, com o surgimento da dermatite atópica (alérgica), representada pelo eczema. O alimento mais incriminado é o leite de vaca e seus derivados. Quando as lesões são disseminadas (espalhadas pelo corpo), não se limitando às dobras da pele intensas ou resistentes ao tratamento, muitas vezes, com sinais de infecção bacteriana secundária (impingem), não há muitas dúvidas quanto ao componente alérgico. São bebês extremamente inquietos devido ao prurido (coceira). Nestes casos, apesar das evidências clínicas, nem sempre se consegue a comprovação laboratorial da alergia, pela falta de especificidade dos exames (Prick test e RAST), que podem resultar falso-negativos e, nesse contexto, a alternativa é a prova terapêutica. Importante ressaltar que assim como esses exames podem revelar falso-negativos, deve-se também considerar a possibilidade de falso-positivos. Situações em que o resultado é positivo para um determinado alimento e o paciente já o consumiu por várias vezes, sem ter apresentado qualquer sintoma daí então, ser considerado como falso- positivo. Na realidade, isso constitui um forte alerta para eventuais reações futuras, caso o alimento envolvido continue fazendo parte da dieta, independente da quantidade ingerida, inclusive não há como prever a gravidade do quadro, embora as manifestações mais graves, na maioria das vezes, ocorram imediatamente ou até quatro horas após a primeira vez do alimento ter sido consumido. A polêmica está em retirar ou não o alimento suspeito do cardápio em assumir riscos. Somos da opinião que sim, pelo menos temporariamente, uma vez que a alergia alimentar, quando surge na infância- na maioria dos casos- ao contrário de quando se manifesta na idade adulta, é reversível após alguns anos de abstenção absoluta ou os sintomas são leves, a ponto do paciente não ter mais a necessidade de se privar do alimento. Contudo, estes casos não são a regra, pois no quadro clínico das alergias predominam as formas leves. Comumente, a reação da pele aos alimentos se instala após os três meses de idade sucedendo a cólica e seu aspecto, por lembrar as brotoejas, é considerada como mais uma das reações de adaptação, muitas vezes, atribuída ao calor e ao suor. Colabora para dificultar, ainda mais, o diagnóstico da alergia, nessa fase inicial, a melhora dos sintomas com recorrências cada vez mais leves e espaçadas (яτв). Dessa maneira, não deixa de ter um lado intuitivo (feeling) o diagnóstico precoce da alergia. A vantagem é que quanto mais cedo for instituído um tratamento preventivo, com a supressão alimentar, maior a chance de se estancar ou amenizar a progressão do processo alérgico. Por tudo isso, muitas vezes, o diagnóstico só ocorre mais tardiamente e como é característica do processo alérgico a sua continuidade, surgem outras manifestações que se substituem ou que andam juntas com a cólica e com a dermatite atópica (quadros atenuados). Assim, muitas crianças com antecedentes de alergia alimentar apresentam, após os dois anos de idade, alergia aos inalantes poeira/ácaros, Blomia tropicalis, gramíneas (pólens) e pêlos de animais com quadros de rinite e asma. Essa sucessão de eventos alérgicos é chamada marcha atópica, reação em cadeia ou de efeito dominó. Convém enfatizar que, apesar dessa tendência evolutiva, não é obrigatória a passagem por todos estes estágios (carreira de alérgico). O fato da criança não ter apresentado cólica ou dermatite atópica não a isenta de sofrer crises de asma e rinite em qualquer idade, da mesma forma que nem todas a crianças com história de alergia alimentar terão alergia respiratória. Geralmente, a alergia alimentar na infância é reversível, porém, não há como prever sua duração. Nas formas leves com curta duração os sintomas são frustros, mascaram a existência da alergia e, por não causarem maior repercussão, são considerados parte de um processo adaptativo. Nesses casos, até pode ocorrer do bebê abandonar a alergia sem que se tenha firmado seu diagnóstico. O problema maior está nas evoluções mais arrastadas, nas quais, a persistência ou a recorrência dos sintomas, mesmo que leves, podem dar lugar a outras manifestações. A alergia ao leite de vaca, por exemplo, pode também causar diarréias crônicas com déficit pôndero-estatural chegando à desnutrição, simulando um quadro de intolerância à lactose (principal açúcar do leite). Comumente esse tipo de alergia se faz acompanhar de anemia decorrente da má-absorção e do sangramento intestinal, conseqüência da colite alérgica (яτв). 2

3 O leite de vaca é o único alimento relacionado com sintomas respiratórios, capaz de precipitar o aparecimento do chiado no peito, com quadros clínicos indistinguíveis dos causados pelos vírus (bronquiolite) e do refluxo gastroesofágico. Pode inclusive causar pneumonias de repetição. A alergia respiratória, atribuída ao leite de vaca, é um problema eminentemente protéico, sem qualquer relação com seus açúcares (lactose). O tipo de reação, a gravidade do quadro clínico e a intensidade dos sintomas variam conforme a sensibilidade de cada bebê e das proteínas do leite de vaca envolvidas. Das 25 proteínas lácteas reconhecidas, apenas três alfa-lactoalbumina e beta-lactoglobulina (proteínas do soro) e a caseína (proteína do coalho) estão relacionadas com processos alérgicos, incluindo sintomas digestivos e extradigestivos (respiratórios). Os casos de alergia à alfa-lactoalbumina são os mais freqüentes e os que estão associados com sintomas leves e, conseqüentemente, os que apresentam maiores dificuldades em serem diagnosticados precocemente, ao contrário das alergias atribuídas à beta-lactoglobulina que é apontada como a proteína mais antigênica e, portanto, responsável pelos sintomas mais graves. Os casos de alergia à caseína são os que costumam reverter mais tardiamente. Um número razoável de pacientes apresenta alergia múltipla. Em 60% dos casos de alergia ao leite de vaca formas graves os sintomas surgem com a primeira mamada. A sensibilização ocorre de maneira rápida, com o simples contato na pele ou até por meio da aspiração do vapor do leite fervido. Nesses casos toda cautela é pouco, pois os riscos de reações graves, como a anafilaxia fatal (choque anafilático), serão uma constante. Nem sempre é possível a comprovação laboratorial da alergia (Prick test e RAST). A idade ideal para se obter um maior índice de positividade, ainda está no campo da especulação. Apesar do marco ser a idade acima dos dois anos, os casos indetectáveis (de falso-negativos) são relevantes os números oscilam em torno dos 15% de maneira que, com relativa freqüência, a suspeita diagnóstica é confirmada através da prova terapêutica, que consiste em substituir o leite de vaca e derivados pelo leite de soja (fórmulas com proteína isolada de soja). A resposta clinica deve ocorrer em até 12 semanas (três meses), embora, na maioria dos casos, já se evidencia alguma melhora, transcorridas três semanas, possibilitando antever o resultado final do quadro. Aproximadamente 20% das crianças alérgicas ao leite de vaca, também apresentam reações com o leite de soja, porém, os sintomas costumam ser leves e restritos à pele, portanto, sem contra-indicar seu uso como substituto do leite de vaca, salvo condições excepcionais, nas quais, outras alternativas são as mamadeiras de carne de galinha ou de rã. O leite de cabra, como prova terapêutica, tem seus riscos, pois a similaridade entre as mesmas espécies é de 95%. Existe uma fórmula infantil especial, destinada à uma grande minoria de crianças alérgicas às proteínas do leite de vaca e da soja. É um produto de aminoácidos livres (isolados) e não conjugados, como se fossem proteínas já digeridas, portanto, isento dos efeitos alergênicos e com a vantagem de preservar as propriedades protéicas. É uma receita sem os açúcares lactose e sacarose (componente do açúcar comum), sem glúten e que vem acrescida de um amplo complexo vitamínico e cálcio, entre outros componentes, caracterizando o produto como de excelência máxima, todavia, nos padrões brasileiros, seu altíssimo custo o torna proibitivo.seu nome comercial é NEOCATE, do grupo Danone. Somente 10% das crianças alérgicas ao leite de vaca não toleram sua carne e a de outros mamíferos. Este baixo índice se deve ao fato do cozimento diminuir a alergenicidade das proteínas, daí também a justificativa para certas crianças alérgicas ao leite in natura (cru), comerem macarrão, suflês, pães, salsichas, doces, balas, bolos, sorvetes e chocolates, etc. Teoricamente, isto deveria ocorrer nos casos de alergia seletiva da alfa-lactoalbumina, pois, segundo alguns autores a fervura desnatura as proteínas do soro, principalmente a alfa-lactoalbumina, sem alterar a proteína do coágulo (caseína). Na prática, não se observam diferenças, portanto, supõe-se que a fervura desnatura todas as proteínas. 3

4 É polêmico afirmar que a alergia não tem cura, mas controle. O monitoramento de um número considerável de pacientes revela uma evolução autolimitada. Na alergia respiratória, é freqüente o relato de pacientes que afirmam terem sofrido de asma quando criança. Em relação às alergias alimentares, é notório o número de crianças que, transcorrido algum tempo, deixam de apresentar sintomas ou então que exibem um quadro clínico bem mais tímido. Esse fato apesar da positividade dos exames de alergia persistir por tempo indeterminado vem reforçar a teoria da alergia alimentar ser transitória. As crianças abandonam a alergia ou passam a tolerar um determinado alimento em idade mais avançada, ao contrário dos casos que se manifestam na idade adulta. Parece ser consensual que quanto mais tardiamente a alergia se manifestar, maiores os riscos de cronicidade. A alergia ao leite de vaca, independentemente da sua gravidade, é reversível. Quando o quadro clínico não é importante, os sintomas podem desaparecer sem que se tenha diagnosticado o problema a alergia é autolimitada e, portanto, sem restrição ao leite de vaca e derivados. Já nos casos com diagnóstico comprovado, é descrito que 50% das crianças deixam de ser alérgicas após um ano, 70% após dois anos, 90% após três anos e 95% entre cinco e dez anos. Nesse período, não há como prever quantas tentativas de reintrodução do leite de vaca serão necessárias, até que se obtenha êxito. Quando o diagnóstico é precoce logo após o nascimento deve-se aguardar que o bebê complete, pelo menos, um ano de idade. A partir dessa idade, o tempo de abstenção varia, recomenda-se um período mínimo de quatro meses (яτв). Intolerância á lactose A proteína do leite de vaca faz e o açúcar leva a fama A lactose é o principal açúcar do leite de vaca, presente, em menor quantidade, nos seus derivados queijos, coalhadas e iogurtes. Também usado, em alguns remédios, como excipiente ou veículo. A absorção (digestão) dos alimentos que contém lactose depende de uma enzima chamada lactase, produzida pelas células do intestino. A alactasia ausência dessa enzima impede que a lactose seja absorvida e seu acúmulo no intestino caracteriza um quadro de má-absorção ou de intolerância à lactose com cólica e/ou diarréia. Como esses sintomas são comuns entre doenças, de causas diferentes, muitas vezes o diagnóstico de intolerância alimentar, que é um problema ligado aos hidratos de carbono (açúcares) principalmente à lactose é confundido com o diagnóstico de alergia, que é um distúrbio protéico. Maior confusão ainda envolve as crises de tosse, chiado no peito e falta de ar, mais precisamente as crises de Bronquite ou de Asma, relacionadas com infecções e com as proteínas do leite de vaca e não com seus açúcares. A alactasia pode ser congênita (genética) condição extremamente rara ou adquirida, em decorrência de processos inflamatórios intestinais, principalmente os de duração prolongada. O Screening Neonatal, conhecido em nosso meio como teste do pezinho, tem a finalidade de rastrear algumas doenças metabólicas (erros inatos do metabolismo), entre as quais, a atividade desta enzima. Vale ressaltar que esse problema não se restringe ao leite de vaca, mas, praticamente a todos os leites de mamíferos que contém as mesmas proteínas e os mesmos açúcares, exceto os mamíferos aquáticos carnívoros (pinípedes): foca, leão-marinho e baleia, cujo leite é totalmente desprovido de lactose. 4

5 A deficiência ou a ausência (falência) de atividade da enzima lactase pode ser definitiva nos casos congênitos ou transitória nas formas adquiridas, por meio de infecções intestinais. Nas infecções intestinais ocorre lesão da mucosa intestinal e das células produtoras de lactase, provocando uma intolerância transitória à lactose desde poucas horas, nos casos leves, chegando à quatro meses (média de duas semanas) nos casos mais graves, rotulados como diarréia persistente, protraída ou prolongada. Esses quadros guardam algumas particularidades, são diarréias severas de evolução prolongada, na maioria das vezes, com duração superior a 14 dias que acometem crianças de até seis meses de idade (lactentes jovens) com estado nutricional limítrofe ou desnutridas. Fazem parte de uma população carente, que vivem em condições precárias beirando a insalubridade. Esta má-absorção de lactose (intolerância) decorrente dessa deficiência enzimática transitória (da lactase) é responsável pela persistência da diarréia, enquanto não for instituído tratamento dietético com o emprego de leites sem lactose, durante um período variável que raramente ultrapassa quatro meses. Nestes casos, a intolerância pode atingir outros açúcares como a maltose, a sacarose (açúcar comum) a glicose e até mesmo, a frutose (яτв). Problema maior reside nas deficiências congênitas (genéticas) de lactase, na qual, a intolerância à lactose é irreversível. O quadro clínico geralmente se instala precocemente, com cólica intensa desproporcional à observada na maioria dos recém-natos e lactentes nos primeiros três a quatro meses de vida. São crianças que demonstram uma irritabilidade excessiva, com choro praticamente contínuo, que surge em um período de 30 minutos a duas horas após o consumo do leite e somente melhora por pouco tempo nos intervalos das mamadas. Outro sintoma que comumente se faz acompanhar pela cólica é a diarréia, caracterizada por fezes explosivas e desencadeada após a ingestão de produtos lácteos contendo lactose. A diarréia persiste com riscos de desidratação tanto maior quanto mais jovem a criança enquanto não houver substituição do leite de vaca e derivados, por fórmulas lácteas isentas de lactose. Apesar de ser essa a evolução clássica esperada, por motivos ainda não bem esclarecidos ligados ao grau de intolerância à lactose (deficiência ou falência do sistema enzimático) e na dependência da sensibilidade de cada um, existem pacientes com sintomas leves que não se submetem a qualquer restrição dietética, ao passo que outros são obrigados a lançar mão de uma alimentação alternativa pelo resto da vida, inclusive dando atenção a certos remédios que contém açúcares (lactose) em sua composição, principalmente alguns xaropes e elixires. Alguns doentes podem se beneficiar do uso de pílulas de lactase que facilitam a digestão da lactose. Do ponto de vista metabólico, a lactose sob ação da enzima lactase é transformada em glicose e galactose, as quais são absorvidas pelo intestino ganhando a circulação. O teste ou a prova de absorção da lactose consiste na administração oral desse açúcar e determinar a concentração seriada da glicose no sangue (glicemia) após 30, 45 e 60 minutos, adotando-se como parâmetro a taxa da glicemia antes da ingestão da lactose (glicemia basal). Considera-se absorção adequada de lactose quando houver aumento mínimo de 20mg/dl em pelo menos uma destas três dosagens, comparadas com o valor da glicemia basal. Importante salientar que quando há dúvidas, essa prova pode diferenciar os casos de intolerância dos de alergia alimentar, outra observação é que o problema da lactose está relacionado com sintomas gastrintestinais, mais especificamente com cólica e/ou diarréia. A lactose não tem qualquer relação com sintomas respiratórios, ou seja, com quadros de Asma ou Bronquite. 5

Sumário. Data: 23/05/2013 NOTA TÉCNICA 75/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura. Solicitante. Processo Número 0024 13 023060-0

Sumário. Data: 23/05/2013 NOTA TÉCNICA 75/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura. Solicitante. Processo Número 0024 13 023060-0 NOTA TÉCNICA 75/2013 Solicitante Juiz de Direito Dr.Alexsander Antenor Penna Silva Comarca de João Monlevade Processo Número 0024 13 023060-0 Data: 23/05/2013 Medicamento/ x dieta Material Procedimento

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição

Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição Intolerâncias Alimentares Alergias alimentares Intolerâncias metabólicas Reações farmacológicas Erros congênitos do metabolismo Alergia alimentar Mediada

Leia mais

TEMA: NEOCATE NA ALERGIA A LEITE DE VACA (APLV)

TEMA: NEOCATE NA ALERGIA A LEITE DE VACA (APLV) NOTA TÉCNICA 24/2014 Solicitante Regina Célia Silva Neves Juizado Fazenda Pública de Itaúna Processo Número 0338.13.012.595-2 Data: 07/02/2014 Medicamento/ dieta x Material Procedimento Cobertura TEMA:

Leia mais

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 SISTEMA IMUNE E ALERGIA Por alergia, entendem-se as repostas imunes indesejadas contra substâncias que venceram as barreiras como, os epitélios, as mucosas e as enzimas.

Leia mais

Intolerância à Lactose

Intolerância à Lactose Intolerância à Lactose A intolerância à lactose é a condição que se refere aos sintomas decorrentes da má digestão da lactose. Esta situação ocorre quando o organismo não produz lactase suficiente, uma

Leia mais

Estado do Espírito Santo CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA "Deus seja Louvado"

Estado do Espírito Santo CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA Deus seja Louvado PROJETO DE LEI Nº /2015 EMENTA: DISPÕE SOBRE CRIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO DIFERENCIADA PARA ALUNOS ALÉRGICOS NA REDE DE ENSINO MUNICIPAL DE VILA VELHA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal

Leia mais

ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA

ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA No dia-a-dia de um consultório de alergia é muito comum o cliente chegar achando que seu problema alérgico está relacionado à alergia alimentar, principalmente quando

Leia mais

Serviço Especial de Genética Ambulatório de Fenilcetonúria - HC Núcleo de Ações e Pesquisa em Apoio Diagnóstico - NUPAD Faculdade de Medicina / UFMG

Serviço Especial de Genética Ambulatório de Fenilcetonúria - HC Núcleo de Ações e Pesquisa em Apoio Diagnóstico - NUPAD Faculdade de Medicina / UFMG Serviço Especial de Genética Ambulatório de Fenilcetonúria - HC Núcleo de Ações e Pesquisa em Apoio Diagnóstico - NUPAD Faculdade de Medicina / UFMG FENILCETONÚRIA HIPERFENILALANINEMIAS Níveis sangüíneos

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

QUE LEITE DAR AO MEU BEBÉ?

QUE LEITE DAR AO MEU BEBÉ? QUE LEITE DAR AO MEU BEBÉ? Para lactentes ou Leites 1 (0-4/6 meses) Bebé Saudável De transição ou Leites 2 (4-12 meses) De crescimento ou Leites 3 (12-36 meses) Anti obstipantes Bebé com Desconforto Digestivo

Leia mais

Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br

Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br Alérgenos de origem alimentar Características gerais glicoproteínas resistência térmica resistente à proteólise

Leia mais

TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS DIETAS ENTERAIS

TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS DIETAS ENTERAIS TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS 82026 82025 82021 MEDICAMENTOS NUTRICAO, NUTRICAO ENTERAL, HIPERCALORICA, OLIGOMERICA, COM PROTEINA DE ORIGEM ANIMAL HIDROLISADA. ISENTA DE SACAROSE, LACTOSE E GLUTEN. PRINCIPIO/CONCENTRACAO1:

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. Avaliação clínico-laboratorial do paciente alérgico RAST Silvia Daher Apoio: Phadia Diagnósticos Ltda HISTÓRIA TESTE CUTÂNEO RAST SD Diagnóstico de

Leia mais

ALERGIA NA INFÂNCIA: OBVIEDADES E ACHISMOS

ALERGIA NA INFÂNCIA: OBVIEDADES E ACHISMOS CLÍNICA INFANTIL INDIANÓPOLIS CENTRO DE PREVENÇÃO DA ASMA E DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA * Alergia - Asma - Bronquite - Dermatite Atópica - Eczema - Estrófulo (picada de insetos) - Rinite - Urticária *

Leia mais

RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE.

RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE. RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE. 1. DOENÇA CELIACA É uma doença que causa inflamações nas camadas da parede do intestino delgado,

Leia mais

Newsletter do Grupo 4Work Nº 63 Dezembro de 2014

Newsletter do Grupo 4Work Nº 63 Dezembro de 2014 EU-OSHA LANÇA GUIA ELETRÓNICO SOBRE GESTÃO DE STRESSE E RISCOS PSICOSSOCIAIS O stresse e os problemas de saúde mental constituem o problema de saúde mais grave no local de trabalho para cerca de um quinto

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

E OS SEUS BENEFÍCIOS

E OS SEUS BENEFÍCIOS E OS SEUS BENEFÍCIOS A principal função do leite é nutrir (alimentar). Além disso, cumpre as funções de proteger o estômago das toxinas e inflamações e contribui para a saúde metabólica, regulando os processos

Leia mais

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Trabalho Pág.: 3 Assunto: Great Place to Work

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Trabalho Pág.: 3 Assunto: Great Place to Work Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Trabalho Pág.: 3 Assunto: Great Place to Work Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Saúde Pág.: 27 Assunto: Amados mas perigosos Veículo:

Leia mais

Alergia as proteínas do leite de vaca

Alergia as proteínas do leite de vaca Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-graduação em Ciência dos Alimentos Centro de Ciências Agrárias Alergia as proteínas do leite de vaca Profa Marilde T. Bordignon Luiz bordign@cca.ufsc.br

Leia mais

APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE

APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE TOPISON furoato de mometasona APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE COMPOSIÇÃO Cada g de Topison

Leia mais

INTOLERÂNCIA À LACTOSE

INTOLERÂNCIA À LACTOSE INTOLERÂNCIA À LACTOSE e produtos lácteos com baixo teor de lactose A lactose (galactose β-1,4 glucose) é um tipo de glicídio que possui ligação glisídica. É o açúcar presente no leite e seus derivados.

Leia mais

ALIMENTAÇÃO Preventiva. Volume I

ALIMENTAÇÃO Preventiva. Volume I ALIMENTAÇÃO Preventiva Volume I By porque evoluir é preciso Que o teu alimento seja seu medicamento Hipócrates Pai da medicina moderna Não coma, nutra-se! Existem muitas informações importantes disponíveis,

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico:

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico: Questionário de avaliação para vacinação de [ Endereço Nome da criança Nome do pai/mãe/responsável M F ポルトガル 語 版 Formulário 2 ] (bebês/crianças em idade escolar) Temperatura corporal antes da entrevista

Leia mais

cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999

cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Xarope Pediátrico 3 mg/ml Xarope Adulto 6 mg/ml Modelo de Bula para Paciente IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG

Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG Sintomas Dor na região do estômago Estômago estufado Empanzinamento Azia Arrotos frequentes Cólica na barriga Vômitos e náusea

Leia mais

FABA ALERGIA ALIMENTAR

FABA ALERGIA ALIMENTAR FABA ALERGIA ALIMENTAR Intolerância Alimentar Aversão Alimentar Reações Imediatas e Tardias ALERGIA ALIMENTAR FABA ALERGIA ALIMENTAR - Reação adversa ao componente protéico do alimento e envolve mecanismo

Leia mais

Escola Profissional Gustave Eiffel Curso Técnico de Apoio à Infância Disciplina de Saúde Infantil - 2.º ano

Escola Profissional Gustave Eiffel Curso Técnico de Apoio à Infância Disciplina de Saúde Infantil - 2.º ano Introdução Apresentação do Módulo Escola Profissional Gustave Eiffel Curso Técnico de Apoio à Infância Disciplina de Saúde Infantil - 2.º ano Introdução Apresentação do Módulo Objectivos de Aprendizagem:

Leia mais

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina)

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) Influenza João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) O que éinfluenza Também conhecida como gripe, a influenza éuma infecção do sistema respiratório

Leia mais

DESVENDANDO 8 MITOS SOBRE A INTOLERÂNCIA À LACTOSE

DESVENDANDO 8 MITOS SOBRE A INTOLERÂNCIA À LACTOSE 1 DESVENDANDO 8 S SOBRE A INTOLERÂNCIA À LACTOSE 2 3 Conhecendo a INTOLERÂNCIA À LACTOSE DESVENDANDO S Contém lactose A lactose, encontrada no leite e seus derivados é um carboidrato, e é conhecida popularmente

Leia mais

- LICITANTES DESABILITADOS -

- LICITANTES DESABILITADOS - - LICITANTES DESABILITADOS - NOME DO PROMOTOR: PREFEITURA MUNICIPAL DE CACOAL EDITAL / PROCESSO: 0039-2012 / 1571/2012 PREGOEIRO RESPONSÁVEL: SILVIA DURAES GOMES OBJETO: REGISTRO DE PREÇOS PARA POSSÍVEL

Leia mais

BULA PARA O PACIENTE MICOSTATIN (nistatina) SUSPENSÃO ORAL

BULA PARA O PACIENTE MICOSTATIN (nistatina) SUSPENSÃO ORAL BULA PARA O PACIENTE MICOSTATIN (nistatina) SUSPENSÃO ORAL MICOSTATIN nistatina USO ORAL APRESENTAÇÃO MICOSTATIN 100.000 UI/mL é apresentado em cartuchos com frasco de vidro âmbar contendo 60 ml, com conta-gotas

Leia mais

BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 HIDRAFIX

BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 HIDRAFIX BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 HIDRAFIX Takeda Pharma Ltda. Solução oral cloreto de sódio 2,34 mg/ml cloreto de potássio 1,49 mg/ml citrato de sódio di-hidratado 1,96 mg/ml glicose 19,83 mg/ml 6 cloreto

Leia mais

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OTITE EM LACTENTES?

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OTITE EM LACTENTES? 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OTITE EM LACTENTES? Francis Farias de Oliveira 1 ; Raquel Colombo Tixiliski Karolkievicz 1 ; Cristiane Faccio Gomes 2 RESUMO:

Leia mais

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Criado em 22/04/15 10h50 e atualizado em 22/04/15 11h27 Por Sociedade Brasileira de Pediatria Para se ter sucesso no tratamento da criança alérgica ou

Leia mais

Rastreio de Diagnóstico Precoce em recém-nascidos para o seu bebé

Rastreio de Diagnóstico Precoce em recém-nascidos para o seu bebé Rastreio de Diagnóstico Precoce em recém-nascidos para o seu bebé Na primeira semana após o nascimento, é-lhe oferecida a possibilidade de efetuar um rastreio de diagnóstico precoce ao seu bebé. Porque

Leia mais

O QUE É IMPORTANTE SABER NA ROTULAGEM DE ALIMENTOS PARA CRIANÇAS? 27/08/2011. Amanda Poldi

O QUE É IMPORTANTE SABER NA ROTULAGEM DE ALIMENTOS PARA CRIANÇAS? 27/08/2011. Amanda Poldi O QUE É IMPORTANTE SABER NA ROTULAGEM DE ALIMENTOS PARA CRIANÇAS? 27/08/2011 Amanda Poldi CRIANÇA-DEFINIÇÃO LEI 11.265/2006 CRIANÇA: indivíduo até 12 (doze) anos de idade incompletos; CRIANÇA DE PRIMEIRA

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

REIDRAMAX. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sais para reidratação oral. REIDRAMAX glicose anidra citrato de sódio cloreto de potássio cloreto de sódio

REIDRAMAX. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sais para reidratação oral. REIDRAMAX glicose anidra citrato de sódio cloreto de potássio cloreto de sódio REIDRAMAX I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sais para reidratação oral REIDRAMAX glicose anidra citrato de sódio cloreto de potássio cloreto de sódio Forma farmacêutica e Apresentação Pó para solução oral

Leia mais

Manual de Orientações: NECESSIDADES ALIMENTARES ESPECIAIS NA ESCOLA

Manual de Orientações: NECESSIDADES ALIMENTARES ESPECIAIS NA ESCOLA Prefeitura de Municipal de Criciúma Secretaria de Educação Centro de Processamento de Merenda Escolar Manual de Orientações: NECESSIDADES ALIMENTARES ESPECIAIS NA ESCOLA (Diabetes, Hipertensão, Doença

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Polivitamínico e Poliminerais. APRESENTAÇÃO Suspensão oral em frasco contendo 250 ml + 1 copo medida.

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Polivitamínico e Poliminerais. APRESENTAÇÃO Suspensão oral em frasco contendo 250 ml + 1 copo medida. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Kalyamon Kids Polivitamínico e Poliminerais Suspensão APRESENTAÇÃO Suspensão oral em frasco contendo 250 ml + 1 copo medida. USO ORAL USO PEDIÁTRICO ATÉ 10 ANOS COMPOSIÇÃO

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ A asma, que afeta 7% das grávidas, é uma doença comum que potencialmente pode complicar, mas, quando é bem controlada, não representa risco significativo para

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO]

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] 2 Complexo Respiratório Viral Felino É um conjunto de sintomas causado pelas doenças Rinotraqueíte Felina e Calicivirose Felina. São doenças virais cujos sinais clínicos

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS

EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS INTRODUÇÃO As informações contidas neste folheto têm a finalidade de orientar as pessoas que passaram ou que podem passar pela experiência não-desejada dos efeitos adversos

Leia mais

TESTE DO PEZINHO. Informações sobre as doenças pesquisadas no teste do pezinho:

TESTE DO PEZINHO. Informações sobre as doenças pesquisadas no teste do pezinho: TESTE DO PEZINHO Informações sobre as doenças pesquisadas no teste do pezinho: 1) FENILCETONÚRIA Doença causada por falta de uma substância (enzima) que transforma a fenilalanina (aminoácido) em tirosina.

Leia mais

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida.

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. MODELO DE BULA Duphalac lactulose FORMA FARM ACÊUTICA E APRESENTAÇ ÃO DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

PLESONAX. (bisacodil)

PLESONAX. (bisacodil) PLESONAX (bisacodil) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido Revestido 5mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: PLESONAX bisacodil APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos Embalagem contendo

Leia mais

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Toplexil

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Toplexil SANOFI-AVENTIS FARMACÊUTICA LTDA Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Toplexil cloridrato de oxomemazina / guaifenesina / paracetamol FORMA

Leia mais

HIDRAFIX 90. Takeda Pharma Ltda. Solução oral cloreto de sódio 4,68 mg/ml. citrato de potássio monoidratado 2,16 mg/ml

HIDRAFIX 90. Takeda Pharma Ltda. Solução oral cloreto de sódio 4,68 mg/ml. citrato de potássio monoidratado 2,16 mg/ml HIDRAFIX 90 Takeda Pharma Ltda. Solução oral cloreto de sódio 4,68 mg/ml citrato de potássio monoidratado 2,16 mg/ml citrato de sódio di-hidratado 0,98 mg/ml glicose 20 mg/ml 16 HIDRAFIX 90 cloreto de

Leia mais

FRUTOSSE Laboratório Farmacêutico Caresse Ltda Xarope adulto 6 mg/ml Xarope pediátrico 3 mg/ml

FRUTOSSE Laboratório Farmacêutico Caresse Ltda Xarope adulto 6 mg/ml Xarope pediátrico 3 mg/ml FRUTOSSE Laboratório Farmacêutico Caresse Ltda Xarope adulto 6 mg/ml Xarope pediátrico 3 mg/ml FRUTOSSE XAROPE BULA PACIENTE FRUTOSSE cloridrato de ambroxol APRESENTAÇÕES Xarope adulto de 6 mg/ml: frasco

Leia mais

Triagem neonatal... um momento especial... um teste especial!

Triagem neonatal... um momento especial... um teste especial! Proteção aos bebês Prevenção de problemas Triagem logo após o nascimento Início do tratamento precoce Triagem neonatal... um momento especial... um teste especial! ATUALIZADO Este folheto descreve os testes

Leia mais

Conheça mais sobre. Diabetes

Conheça mais sobre. Diabetes Conheça mais sobre Diabetes O diabetes é caracterizado pelo alto nível de glicose no sangue (açúcar no sangue). A insulina, hormônio produzido pelo pâncreas, é responsável por fazer a glicose entrar para

Leia mais

INCIDÊNCIA DE ALERGIA ALIMENTAR EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA E PRIVADA DO MUNICÍPIO DE CATAGUASES/MG

INCIDÊNCIA DE ALERGIA ALIMENTAR EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA E PRIVADA DO MUNICÍPIO DE CATAGUASES/MG INCIDÊNCIA DE ALERGIA ALIMENTAR EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA E PRIVADA DO MUNICÍPIO DE CATAGUASES/MG INCIDENCE OF FOOD ALLERGIES IN SCHOOL OF PUBLIC AND PRIVATE NETWORK OF THE MUNICIPALITY OF CATAGUASES/MG

Leia mais

FIBROSE QUÍSTICA (FQ) Guia para Pais e Família

FIBROSE QUÍSTICA (FQ) Guia para Pais e Família FIBROSE QUÍSTICA (FQ) Guia para Pais e Família INTRODUÇÃO O QUE É A FQ? Este folheto foi concebido de modo a proporcionar uma melhor compreensão da FQ, quer aos doentes em si, quer aos familiares mais

Leia mais

Fibrose Cística. Triagem Neonatal

Fibrose Cística. Triagem Neonatal Fibrose Cística Triagem Neonatal Fibrose cística Doença hereditária autossômica e recessiva, mais frequente na população branca; Distúrbio funcional das glândulas exócrinas acometendo principalmente os

Leia mais

A minha criança tem eczema?

A minha criança tem eczema? FONDATION A minha criança tem eczema? Informações para os pais e úteis para os docentes Doutor Jacques ROBERT Pediatra - Alergologista REALIZADO PELA FUNDAÇÃO PARA A DERMATITE ATÓPICA Compreender o eczema

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Pantelmin mebendazol. suspensão. Anti-helmíntico de amplo espectro

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Pantelmin mebendazol. suspensão. Anti-helmíntico de amplo espectro IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Pantelmin mebendazol suspensão Anti-helmíntico de amplo espectro APRESENTAÇÃO Suspensão de 100 mg de mebendazol por 5 ml do copo-medida que acompanha o medicamento (20 mg/ml

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS DESTINADOS A UMA ALIMENTAÇÃO ESPECIAL

COMERCIALIZAÇÃO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS DESTINADOS A UMA ALIMENTAÇÃO ESPECIAL COMERCIALIZAÇÃO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS DESTINADOS A UMA ALIMENTAÇÃO ESPECIAL Direcção-Geral da Saúde Ministério da Saúde 14 de Outubro 2008 OBJECTIVOS 1. Definição 2. Exemplos de grupos de géneros alimentícios

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

Distrito Federal ACELBRA-DF

Distrito Federal ACELBRA-DF CÂMARA SETORIAL DE CADEIA PRODUTIVA DA MANDIOCA E DERIVADOS DOENÇA A CELIACA Apresentação: Paulo Roberto Ferreira da Silva Presidente da Associação dos Celíacos de Brasília ACELBRA-DF Vice-Presidente da

Leia mais

Padrão ABIA para o Atendimento ao Consumidor pelas Indústrias de Alimentos

Padrão ABIA para o Atendimento ao Consumidor pelas Indústrias de Alimentos Padrão ABIA para o Atendimento ao Consumidor pelas Indústrias de Alimentos Recomendação da Comissão de Atendimento ao Consumidor ABIA ANEXO I ATENDIMENTO AOS CONSUMIDORES COM HIPERSENSIBILIDADE E SEUS

Leia mais

Cliente: SBIm Data: 20/03/2015 Dia: Sex Assunto: Vacinação Infantil Veículo: Veja São Paulo (SP) Seção: Saúde Site: vejasp.abril.com.

Cliente: SBIm Data: 20/03/2015 Dia: Sex Assunto: Vacinação Infantil Veículo: Veja São Paulo (SP) Seção: Saúde Site: vejasp.abril.com. http://vejasp.abril.com.br/materia/especial-criancas-2015-saude/ Cuidados com a saúde da criança Médicos esclarecem algumas das principais dúvidas paternas quanto ao desenvolvimento e bemestar clínico

Leia mais

Forma farmacêutica e apresentação: Comprimido revestido. Display contendo 25 blísteres com 6 comprimidos revestidos.

Forma farmacêutica e apresentação: Comprimido revestido. Display contendo 25 blísteres com 6 comprimidos revestidos. LACTO-PURGA bisacodil 5mg Forma farmacêutica e apresentação: Comprimido revestido. Display contendo 25 blísteres com 6 comprimidos revestidos. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (crianças acima de 4 anos) USO ORAL

Leia mais

Excipientes: hietelose, sorbitol, glicerol, ácido benzóico, aroma de framboesa, propilenoglicol, ácido tartárico, água purificada.

Excipientes: hietelose, sorbitol, glicerol, ácido benzóico, aroma de framboesa, propilenoglicol, ácido tartárico, água purificada. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Mucosolvan cloridrato de ambroxol abcd FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Xarope adulto: frascos com 120 ml, acompanhados de copo-medida graduado em 2,5; 5; 7,5 e 10 ml.

Leia mais

D I R E T O R I A D E S A Ú D E

D I R E T O R I A D E S A Ú D E Saúde In Forma Junho/2013 Dia 26 de Junho Dia Nacional do Diabetes Diabetes é uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal da glicose ou açúcar no sangue. A glicose é a principal fonte de

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP Introducao Doenças alérgicas afetam atualmente mais que 20% da população brasileira, e são causa importante de doença crônica no mundo inteiro.

Leia mais

www.aero-om.pt OM PHARMA S.A.

www.aero-om.pt OM PHARMA S.A. Aero-OM 105mg/ml emulsão oral contém sacarose. Assim doentes com problemas hereditários raros de intolerância à frutose, malabsorção de glucose-galactose ou insuficiência de sacarase-isomaltase não devem

Leia mais

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA O estudo do sistema imune (proteção) surgiu no início do século 20, com futuro muito promissor, mas isto não se confirmou de imediato. Os fenômenos imunológicos

Leia mais

Como nosso corpo está organizado

Como nosso corpo está organizado Como nosso corpo está organizado Iodo Faz parte dos hormônios da tireoide, que controlam a produção de energia e o crescimentodocorpo.aleiobrigaaadiçãodeiodoaosaldecozinha. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO

Leia mais

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 José Cechin Superintendente Executivo Francine Leite Carina Burri Martins Esse texto compara as morbidades referidas

Leia mais

Abcd. BUSCOFEM Ibuprofeno. APRESENTAÇÕES Cápsulas de 400 mg: embalagens com 10 e 50 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO ACIMA DE 12 ANOS

Abcd. BUSCOFEM Ibuprofeno. APRESENTAÇÕES Cápsulas de 400 mg: embalagens com 10 e 50 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO ACIMA DE 12 ANOS BUSCOFEM Ibuprofeno APRESENTAÇÕES Cápsulas de 400 mg: embalagens com 10 e 50 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO ACIMA DE 12 ANOS COMPOSIÇÃO Cada cápsula contém 400 mg de ibuprofeno. Excipientes: macrogol, hidróxido

Leia mais

Actualizado em 21-09-2009* Doentes com Diabetes mellitus 1

Actualizado em 21-09-2009* Doentes com Diabetes mellitus 1 Doentes com Diabetes mellitus 1 Estas recomendações complementam outras orientações técnicas para protecção individual e controlo da infecção pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009. Destaques - Os procedimentos

Leia mais

maleato de trimebutina

maleato de trimebutina maleato de trimebutina Althaia S.A. Indústria Farmacêutica Cápsulas Gelatinosas Mole 200 mg maleato de trimebutina Medicamento genérico Lei n o 9.787, de 1999. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÃO:

Leia mais

Quem come bem vive melhor. Hábitos alimentares

Quem come bem vive melhor. Hábitos alimentares Quem come bem vive melhor. Hábitos alimentares HÁBITOS ALIMENTARES Hoje, em virtude da vida agitada, trabalho, estudo, família e outras inúmeras responsabilidades, todos ficam vulneráveis às doenças causadas

Leia mais

CÁPSULAS 400mg Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda.

CÁPSULAS 400mg Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. BUSCOFEM (ibuprofeno) CÁPSULAS 400mg Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Buscofem ibuprofeno APRESENTAÇÕES Cápsulas de 400 mg: embalagens com 10 e 50 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO

Leia mais

OSTEOPENIA NAS DOENÇAS METABÓLICAS HEREDITÁRIAS

OSTEOPENIA NAS DOENÇAS METABÓLICAS HEREDITÁRIAS OSTEOPENIA NAS DOENÇAS METABÓLICAS HEREDITÁRIAS O QUE É A OSTEOPENIA? É a diminuição da massa óssea abaixo dos limites normais. OSTEOPENIA E OSTEOPOROSE SÃO A MESMA COISA? Na osteopenia a massa óssea é

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

RESOLUÇÃO SS nº 73, 29 de julho de 2015

RESOLUÇÃO SS nº 73, 29 de julho de 2015 RESOLUÇÃO SS nº 73, 29 de julho de 2015 Institui o novo Protocolo Clínico, de Diretrizes Terapêuticas e de Diagnóstico Laboratorial da Fibrose Cística (FC) na Fase III do Programa Nacional de Triagem Neonatal

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO

LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Psorex propionato de clobetasol APRESENTAÇÕES Psorex pomada é apresentado em bisnaga de alumínio com 30 gramas.

Leia mais

Módulo 4: NUTRIÇÃO. Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Como monitorar o crescimento dos recém-nascidos?

Módulo 4: NUTRIÇÃO. Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Como monitorar o crescimento dos recém-nascidos? Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 4: NUTRIÇÃO Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Q Quais uais são são as as necessidades

Leia mais

Hidratos de Carbono. Monossacarídeo (Glicose) Polissacarídeo (Glicogénio) Dissacarídeo (Frutose + Glicose = Sacarose)

Hidratos de Carbono. Monossacarídeo (Glicose) Polissacarídeo (Glicogénio) Dissacarídeo (Frutose + Glicose = Sacarose) Hidratos de Carbono Os hidratos de carbono são compostos orgânicos, constituídos por carbono (C), hidrogénio (H) e oxigénio (O). São a principal fonte de energia para o movimento, trabalho e realização

Leia mais

MALEATO DE DEXCLORFENIRAMINA. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Solução 0,4mg/mL

MALEATO DE DEXCLORFENIRAMINA. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Solução 0,4mg/mL MALEATO DE DEXCLORFENIRAMINA Geolab Indústria Farmacêutica S/A Solução 0,4mg/mL MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento.

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

Uso correcto dos medicamentos

Uso correcto dos medicamentos Uso correcto dos medicamentos CAPÍTULO 6 Curar sem medicamentos Para curar a maioria das doenças, não é necessário utilizar medicamentos. O organismo tem as suas defesas próprias, ou maneiras de resistir

Leia mais

Dulcolax bisacodil. LAXANTE DE AÇÃO PREVISÍVEL Estimula o movimento intestinal Alivia a prisão de ventre

Dulcolax bisacodil. LAXANTE DE AÇÃO PREVISÍVEL Estimula o movimento intestinal Alivia a prisão de ventre bisacodil LAXANTE DE AÇÃO PREVISÍVEL Estimula o movimento intestinal Alivia a prisão de ventre Esta bula é atualizada continuamente. Por favor, proceda à sua leitura antes de utilizar o medicamento. Forma

Leia mais

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br Wilson Rocha Filho De acordo com as normas n o 1.595/2000 do Conselho Federal de Medicina

Leia mais

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. AAS ácido acetilsalicílico

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. AAS ácido acetilsalicílico Modelo de Bula Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. AAS ácido acetilsalicílico FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES AAS Infantil comprimidos

Leia mais

ANEXO: Excipientes e Informação para o Folheto Informativo

ANEXO: Excipientes e Informação para o Folheto Informativo ANEXO: Excipientes e Informação para o Folheto Informativo Nome ou DCpt Via de Limite Informação para o Folheto Informativo Comentários Administração Aprotinina Tópica Zero Pode causar hipersensibilidade

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 O QUE É DEFICIÊNCIA MENTAL OU INTELECTUAL http://www.apaesp.org.br/sobreadeficienciaintelectual A Deficiência Intelectual, segundo a Associação Americana sobre Deficiência Intelectual do Desenvolvimento

Leia mais