Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados"

Transcrição

1 EMPREGO FORMAL RA Central 2 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo, no 2 o trimestre de 2014, ampliaram-se postos de trabalho, resultado de admissões e desligamentos. No mesmo período, na Região Administrativa Central que detém 2,3% do total dos empregos formais do Estado, também houve acréscimo de postos de trabalho ( admissões e desligamentos). Com essa movimentação, o número de empregos formais celetistas na Região, ao final do 2 o trimestre de 2014, foi de postos de trabalho (Tabela 1), 3,7% superior àquele registrado no 1 o trimestre de Na comparação com o 2 o trimestre de 2013, o estoque de empregos formais pouco variou (acréscimo de 347 empregos formais, ou 0,1%). Representa 2,3% do total de empregos formais no Estado. Foram gerados postos de trabalho. Estoque de empregos formais ficou 3,7% superior ao registrado no 1 o trimestre de Na comparação com o 2 o trimestre de 2013, o nível de emprego pouco variou (0,1%). Araçatuba São José do Rio Preto Barretos Franca Ribeirão Preto Presidente Prudente Marília Bauru RA Central Sorocaba Campinas RM de Campinas RM de São Paulo Grande ABC RM do Vale do Paraíba e Litoral Norte Registro RM da Baixada Santista

2 Tabela 1 Número e variação do emprego formal, segundo setores de atividade econômica RA Central 2 o trim o trim Setores de atividade Empregos (jun. 2014) Variação absoluta Variação relativa (%) N o abs. Distribuição (%) 1 o trim o trim o trim o trim Total , ,7 0,1 Extrativa mineral 639 0, ,2 0,6 Indústria de transformação , ,3-1,2 Indústria metal-mecânica (1) , ,9-2,5 Indústria têxtil do vestuário e artefatos de tecido , ,2 2,3 Indústria de produtos alimentícios, bebidas e álcool etílico , ,9-4,7 Demais subsetores (2) , ,2 3,1 Serviços industriais de utilidade pública , ,1 5,2 Construção civil , ,2 3,5 Comércio total , ,1 1,2 Comércio varejista , ,2 0,7 Comércio atacadista , ,3 3,9 Serviços , ,5 3,1 Instituições de crédito, seguros e capitalização , ,5 18,5 Com. e administração de imóveis, valores mobiliários, serv. técnico , ,8 0,8 Transportes e comunicações , ,8 1,8 Serv. de alojamento, alimentação, reparação, manutenção, redação , ,5 2,0 Serviços médicos, odontológicos e veterinários , ,8 7,3 Ensino , ,6 3,0 Administração pública direta e autárquica , ,5 0,2 Agricultura, silvicultura, criação de animais, extrativismo vegetal , ,7-6,3 (1) Inclui indústrias metalúrgica, mecânica, material elétrico e de comunicações e material de transporte. (2) Incluem indústrias de produtos minerais não metálicos; madeira e de mobiliário; papel, papelão, editora e gráfica; borracha, fumo, couros, peles e similares e indústrias diversas; produtos químicos de farmacêuticos e veterinários e perfumaria; e calçados. 2

3 Regionalmente, a maior contribuição para o crescimento entre o 1 o e o 2 o trimestres de 2014 veio dos municípios da Região de Governo de Araraquara (geração de postos de trabalho, ou 5,4%) (Gráfico 1), seguida pela Região de Governo de São Carlos (1.508, ou 1,3%). Na comparação com o 2 o trimestre de 2013, o nível de emprego formal na RG de São Carlos apresentou pequeno crescimento (criação de 429 postos de trabalho, ou 0,4%), enquanto o da RG de Araraquara permaneceu praticamente estável (eliminação de 82 postos de trabalho). Gráfico 1 Variação do emprego formal RA Central 2 o trim o trim o trim o trim Em % 5,4 3,7 0,1 1,3 0,4 RA Central RG de Araraquara RG de São Carlos 0,0 Segundo setores de atividade, no trimestre em análise, aumentou o nível de empregos formais na agropecuária (geração de postos de trabalho, ou 42,7%), na indústria de transformação (1.278, ou 1,3%) com destaque para o resultado positivo da indústria de produtos alimentícios (2.227, ou 8,9%) e negativo da metal-mecânica (-953, ou -2,9%), nos serviços (1.218, ou 1,5%) em especial nos segmentos de transporte e comunicações (748, ou 5,8%) e alojamento, alimentação reparação e manutenção (400, ou 1,5%) e na construção civil (511, ou 4,2%). Na comparação com o 2 o trimestre de 2013, a relativa estabilidade do número de empregos formais (0,1%, ou 347 novos postos de trabalho) foi resultado do crescimento nos serviços (3,1%, ou geração de postos de trabalho) com destaque para as instituições de crédito, seguros e capitalização (18,5%, ou 617) e os serviços médicos, odontológicos e veterinários (7,3%, ou 667), na construção 3

4 civil (3,5%, ou 425) e no comércio (1,2%, ou 677) e da redução do nível de ocupação na agropecuária (-6,3%, ou eliminação de postos de trabalho) e na indústria de transformação (-1,2%, ou ). A partir da análise da movimentação de admissões e desligamentos segundo ocupações, podem ser obtidos importantes indicativos sobre as áreas profissionais mais dinâmicas e, eventualmente, com maiores necessidades de qualificação de pessoal. A Tabela 2 apresenta as 20 ocupações com os maiores saldos positivos no período abril a junho de 2014, as quais representaram 45,3% do total de admissões e 25,7% dos desligamentos na RA Central, no período analisado. Tabela 2 Ocupações com maiores saldos positivos RA Central abril-junho 2014 Código CBO Ocupações Admissões Desligamentos Saldo Trabalhador no cultivo de árvores frutíferas Trabalhador da cultura de cana-de-açúcar Motorista de caminhão (rotas regionais e internacionais) Tratorista agrícola Faxineiro Trabalhador volante da agricultura Auxiliar de escritório, em geral Servente de obras Operador de telemarketing ativo e receptivo Operador de máquinas de beneficiamento de produtos agrícolas Embalador, a mão Cozinhador (conservação de alimentos) Professor de nível médio na educação infantil Operador de cristalização na refinação de açúcar Trabalhador de serviços de limpeza e conservação de áreas públicas Carpinteiro Controlador de entrada e saída Técnico de laboratório industrial Pedreiro Operador de colheitadeira

5 As características mais gerais dessas ocupações é que predominam aquelas que apresentam menores exigências de especialização e escolaridade, com exceção das incluídas no grande grupo 3 da Classificação Brasileira de Ocupações CBO, 1 como professor de nível médio na educação infantil, controlador de entrada e saída e técnico de laboratório industrial, que requerem nível de escolaridade médio e cursos técnicos e de especialização. Destacam-se os saldo positivos, na agricultura, para trabalhador do cultivo de árvores frutíferas, da cultura de cana-de-açúcar, tratorista agrícola e trabalhador volante da agricultura; na indústria de transformação, para embalador à mão, cozinhador (conservação de alimentos), operador de cristalização na refinação de açúcar, além da ocupação transversal motorista de caminhão (rotas regionais e internacionais); na construção civil, para servente de obras e pedreiro; e nos serviços, para faxineiro, auxiliar de escritório em geral, operador de telemarketing ativo e receptivo e trabalhador de serviços de limpeza e conservação de áreas públicas, entre outras. As informações da Tabela 2 também evidenciam as elevadas movimentações de admissões e desligamentos, característica dos mercados de trabalho do país, bem como o fato de que nem sempre as ocupações com maiores saldos são as que apresentam as maiores movimentações de admissões e desligamentos. Em contraposição, a Tabela 3 traz as 20 ocupações com os maiores saldos negativos no mesmo período, as quais representaram 10,3% do total de admissões e 17,7% dos desligamentos efetuados na região. Além da ocupação atleta profissional de futebol, do grande grupo 3 da CBO, destacam-se os decréscimos das ocupações vinculadas à indústria de transformação, como soldador, preparador de estruturas metálicas, caldeireiro (chapas de ferro e aço), montador de máquinas, motores e acessórios (montagem em série), montador de equipamentos elétricos (aparelhos eletrodomésticos), operador de máquinas fixas em geral e alimentador de linha de produção. Nos serviços e comércio, reduziram-se os empregos, entre outros, para operador de telemarketing receptivo, repositor de mercadorias, operador de caixa, cozinheiro geral e vigia. 1 Os dez grandes grupos da CBO, representados pelo primeiro algarismo do código das Tabelas 2 e 3, foram agregados por nível de competência e similaridade das atividades executadas e são os seguintes: 0- Forças Armadas, policiais e bombeiros militares; 1- Membros superiores do poder público, dirigentes de organizações de interesse público e de empresas e gerentes; 2- Profissionais das ciências e das artes; 3- Técnicos de nível médio; 4- Trabalhadores de serviços administrativos; 5- Trabalhadores dos serviços, vendedores do comércio em lojas e mercados; 6- Trabalhadores agropecuários, florestais, da caça e pesca; 7- Trabalhadores da produção de bens e serviços industriais (de processos discretos); 8- Trabalhadores da produção de bens e serviços industriais (de processos contínuos); e 9- Trabalhadores de manutenção e reparação. 5

6 Tabela 3 Ocupações com maiores saldos negativos RA Central abril-junho 2014 Código CBO Ocupações Admissões Desligamentos Saldo Soldador Preparador de estruturas metálicas Caldeireiro (chapas de ferro e aço) Montador de máquinas, motores e acessórios (montagem em série) Montador de equipamentos elétricos (aparelhos eletrodomésticos) Operador de telemarketing receptivo Operador de máquinas fixas, em geral Alimentador de linha de produção Montador de estruturas metálicas Repositor de mercadorias Encanador Operador de caixa Cozinheiro geral Vigia Atleta profissional de futebol Porteiro (hotel) Mestre (indústria de madeira e mobiliário) Supervisor administrativo Almoxarife Mecânico de manutenção de máquinas cortadoras de grama, roçadeiras, motosserras e similares

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL RA Central 1 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Ribeirão Preto 4 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Estado de São Paulo 1 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL RA Central 4 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL São José do Rio Preto 4 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Registro 3 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL RM da Baixada Santista 1 o trimestre de 2016 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Previdência Social (MTPS), os empregos formais celetistas

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL São José do Rio Preto 1 o trimestre de 2016 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Previdência Social (MTPS), os empregos formais celetistas

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Estado de São Paulo 2 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado

Leia mais

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: SANTA CATARINA

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: SANTA CATARINA MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: SANTA CATARINA O número de empregos formais no estado alcançou 2,274 milhões em dezembro de 2014, representando

Leia mais

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: CEARÁ

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: CEARÁ MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: CEARÁ O número de empregos formais no estado alcançou 1,552 milhão em dezembro de 2014, representando

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Estado de São Paulo 1 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Sorocaba 3 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL São Paulo 2 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e EMPREGO FORMAL Sorocaba 2 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Registro 2 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Campinas 2 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Franca 4 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Outubro de 2008

Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Outubro de 2008 OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Outubro de 2008 Termo de Contrato Nº. 226/2007 NOVEMBRO de 2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL RM da Baixada Santista 2 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado

Leia mais

BOLETIM MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO O EMPREGO NO SEU TERRITÓRIO: RELATÓRIO DE MOVIMENTAÇÃO

BOLETIM MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO O EMPREGO NO SEU TERRITÓRIO: RELATÓRIO DE MOVIMENTAÇÃO Estado: Apresentação BOLETIM MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO São Paulo Dada a constância e intensidade da movimentação do mercado de trabalho brasileiro nos últimos anos, as políticas públicas de emprego,

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL RM da Baixada Santista 3 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL RM do Vale do Paraíba e Litoral Norte 4 o trimestre de 2013 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL 3 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo, no

Leia mais

VINTE OCUPAÇÕES COM MENORES SALDOS E SALÁRIO MÉDIO DE ADMISSÃO EM PIRACICABA

VINTE OCUPAÇÕES COM MENORES SALDOS E SALÁRIO MÉDIO DE ADMISSÃO EM PIRACICABA VINTE OCUPAÇÕES COM MENORES SALDOS E SALÁRIO MÉDIO DE ADMISSÃO EM PIRACICABA - 2000 1 Trabalhador da Cultura de Cana-de-Açúcar 345 685-340 228,44 2 Trabalhadores de Fabricação, Refinação de Açúcar e Outros

Leia mais

BARRETOS. Comércio 1 Operador de caixa C.L.T. Barretos Ensino Médio 6

BARRETOS. Comércio 1 Operador de caixa C.L.T. Barretos Ensino Médio 6 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho 1 Manicure C.L.T. 1 Cabeleireiro C.L.T. Industriais de Utilidade Pública 1 Mecânico de manutenção de motores diesel (exceto

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL 3 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo, no

Leia mais

BAIXADA SANTISTA Regime de Contratação Serviços 1 Gerente financeiro C.L.T. Cubatão Graduação 6

BAIXADA SANTISTA Regime de Contratação Serviços 1 Gerente financeiro C.L.T. Cubatão Graduação 6 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação BAIXADA SANTISTA Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade 1 Gerente financeiro C.L.T. Cubatão Graduação 6 43 Faxineiro C.L.T. Cubatão Alfabetizado 6 8

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL RM do Vale do Paraíba e Litoral Norte 2 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais

Leia mais

BAIXADA SANTISTA. Regime de Contratação Administração Pública 1 Inspetor de alunos de escola privada C.L.T. Guarujá Ensino Médio 0

BAIXADA SANTISTA. Regime de Contratação Administração Pública 1 Inspetor de alunos de escola privada C.L.T. Guarujá Ensino Médio 0 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Administração Pública 1 Inspetor de alunos de escola privada C.L.T. Guarujá Médio Administração Pública 2 Operador

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Ribeirão Preto 1 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Sorocaba 4 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

BOLETIM MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO O EMPREGO NO SEU TERRITÓRIO: RELATÓRIO DE MOVIMENTAÇÃO

BOLETIM MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO O EMPREGO NO SEU TERRITÓRIO: RELATÓRIO DE MOVIMENTAÇÃO Estado: Apresentação BOLETIM MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Rio Grande do Sul Dada a constância e intensidade da movimentação do mercado de trabalho brasileiro nos últimos anos, as políticas públicas

Leia mais

BAIXADA SANTISTA. Serviços 2 Mecânico de refrigeração C.L.T. Cubatão Ensino Médio 6

BAIXADA SANTISTA. Serviços 2 Mecânico de refrigeração C.L.T. Cubatão Ensino Médio 6 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Pessoa física 1 Piloto fluvial C.L.T. Bertioga Outros 4 2 Instrutor de aprendizagem e treinamento industrial Mecânico de manutenção

Leia mais

SÍNTESE DO COMPORTAMENTO DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL EM ALAGOAS ABRIL DE 2015

SÍNTESE DO COMPORTAMENTO DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL EM ALAGOAS ABRIL DE 2015 SÍNTESE DO COMPORTAMENTO DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL EM ALAGOAS ABRIL DE 2015 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC) Diretoria de Estatística e Indicadores Analisando os

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Sorocaba 4 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 Emprego industrial 28 de Janeiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO - no acumulado do ano, foi

Leia mais

Na atividade de têxtil e confecção ocorreu o maior volume de contratações (1.069 postos).

Na atividade de têxtil e confecção ocorreu o maior volume de contratações (1.069 postos). JAN/2016 Sumário Executivo No mês de janeiro de 2016, o saldo de empregos em Santa Catarina aumentou em relação a dezembro (7.211 postos e variação de 0,4%). A indústria de transformação também teve desempenho

Leia mais

Emprego Industrial Setembro de 2014

Emprego Industrial Setembro de 2014 Emprego Industrial Setembro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de setembro de 2014, o saldo do emprego voltou a crescer em Santa Catarina (7.033 postos e variação de 0,3% em relação ao estoque de agosto).

Leia mais

BAIXADA SANTISTA. Regime de Contratação. Serviços 2 Mecânico de refrigeração C.L.T. Cubatão Ensino Médio 6 Indústria de Transformação

BAIXADA SANTISTA. Regime de Contratação. Serviços 2 Mecânico de refrigeração C.L.T. Cubatão Ensino Médio 6 Indústria de Transformação Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Outros 2 Motorista de caminhão (rotas regionais e internacionais) Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Experiência (Em Meses) C.L.T. Cubatão Alfabetizado

Leia mais

CENTRAL. Regime de Contratação Construção Civil 1 Cortador de pedras C.L.T. Américo Brasiliense Alfabetizado 6

CENTRAL. Regime de Contratação Construção Civil 1 Cortador de pedras C.L.T. Américo Brasiliense Alfabetizado 6 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Construção Civil 1 Cortador de pedras C.L.T. Américo Brasiliense Alfabetizado 6 Funileiro de veículos (reparação)

Leia mais

BAIXADA SANTISTA. Regime de Contratação Outros 2 Recepcionista de hotel C.L.T. Bertioga Ensino Médio 0

BAIXADA SANTISTA. Regime de Contratação Outros 2 Recepcionista de hotel C.L.T. Bertioga Ensino Médio 0 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Outros 2 Recepcionista de hotel C.L.T. Bertioga Ensino Médio 0 Outros 2 Camareiro de hotel C.L.T. Bertioga Ensino

Leia mais

BOLETIM MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO O EMPREGO NO SEU TERRITÓRIO: RELATÓRIO DE MOVIMENTAÇÃO

BOLETIM MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO O EMPREGO NO SEU TERRITÓRIO: RELATÓRIO DE MOVIMENTAÇÃO Estado: Apresentação BOLETIM MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Distrito Federal Dada a constância e intensidade da movimentação do mercado de trabalho brasileiro nos últimos anos, as políticas públicas

Leia mais

Emprego Industrial Dezembro de 2014

Emprego Industrial Dezembro de 2014 Emprego Industrial Dezembro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de dezembro de 2014, o saldo de empregos em Santa Catarina recuou em relação ao estoque de novembro (-36.691 postos e variação de -1,8%). A

Leia mais

BOLETIM MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO O EMPREGO NO SEU TERRITÓRIO: RELATÓRIO DE MOVIMENTAÇÃO

BOLETIM MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO O EMPREGO NO SEU TERRITÓRIO: RELATÓRIO DE MOVIMENTAÇÃO Estado: Apresentação BOLETIM MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Paraná Dada a constância e intensidade da movimentação do mercado de trabalho brasileiro nos últimos anos, as políticas públicas de emprego,

Leia mais

O setor de Serviços foi o maior gerador de empregos formais no mês de julho (1.372 postos), seguido da Construção Civil (564 postos).

O setor de Serviços foi o maior gerador de empregos formais no mês de julho (1.372 postos), seguido da Construção Civil (564 postos). EMPREGO INDUSTRIAL JULHO DE 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO CATARINENSE APRESENTOU DIMINUIÇÃO DO EMPREGO EM JULHO. O número de demissões foi maior que o de admissões resultando em um

Leia mais

BAIXADA SANTISTA. Construção Civil 25 Almoxarife C.L.T. Cubatão Ensino Médio 0

BAIXADA SANTISTA. Construção Civil 25 Almoxarife C.L.T. Cubatão Ensino Médio 0 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho 2 Funileiro de veículos (reparação) Bertioga 1 Funileiro de veículos (reparação) Bertioga 2 Funileiro de veículos (reparação)

Leia mais

Emprego Industrial Janeiro de 2015

Emprego Industrial Janeiro de 2015 Emprego Industrial Janeiro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de janeiro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina cresceu em relação a dezembro (14.637 postos e variação de 0,7%). A indústria de transformação

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul A indústria voltou a registrar saldo positivo na geração de empregos. Até o momento, em 2016, o saldo das contratações nas atividades

Leia mais

Emprego Industrial Junho de 2015

Emprego Industrial Junho de 2015 Emprego Industrial Junho de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de junho de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de maio (-7.922 postos e variação de -0,4%). A indústria

Leia mais

BOLETIM MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO O EMPREGO NO SEU TERRITÓRIO: RELATÓRIO DE MOVIMENTAÇÃO

BOLETIM MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO O EMPREGO NO SEU TERRITÓRIO: RELATÓRIO DE MOVIMENTAÇÃO Estado: Apresentação BOLETIM MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Santa Catarina Dada a constância e intensidade da movimentação do mercado de trabalho brasileiro nos últimos anos, as políticas públicas de

Leia mais

Emprego Industrial Outubro de 2015

Emprego Industrial Outubro de 2015 Emprego Industrial Outubro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de ubro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de setembro (-4.475 postos e variação de -0,2%). A indústria

Leia mais

Emprego Industrial Agosto de 2014

Emprego Industrial Agosto de 2014 Emprego Industrial Agosto de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de agosto de 2014, o saldo de emprego em Santa Catarina voltou a crescer (6.599 postos e variação de 0,3% em relação ao estoque de julho). A indústria

Leia mais

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Construção Civil 10 Servente de obras C.L.T. Bady Bassitt Ensino Fundamental 0 Construção Civil 2 Carpinteiro

Leia mais

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Comércio 2 Cozinhador (conservação de alimentos) C.L.T. Catanduva Ensino Fundamental 6 Serviços 2 Técnico de telecomunicações

Leia mais

BOLETIM MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO O EMPREGO NO SEU TERRITÓRIO: RELATÓRIO DE MOVIMENTAÇÃO

BOLETIM MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO O EMPREGO NO SEU TERRITÓRIO: RELATÓRIO DE MOVIMENTAÇÃO Estado: Apresentação BOLETIM MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Rondônia Dada a constância e intensidade da movimentação do mercado de trabalho brasileiro nos últimos anos, as políticas públicas de emprego,

Leia mais

BOLETIM MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO O EMPREGO NO SEU TERRITÓRIO: RELATÓRIO DE MOVIMENTAÇÃO

BOLETIM MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO O EMPREGO NO SEU TERRITÓRIO: RELATÓRIO DE MOVIMENTAÇÃO Estado: Apresentação BOLETIM MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Sergipe Dada a constância e intensidade da movimentação do mercado de trabalho brasileiro nos últimos anos, as políticas públicas de emprego,

Leia mais

BAIXADA SANTISTA. Regime de Contratação Pessoa física 1 Babá C.L.T. Bertioga Ensino Fundamental 0

BAIXADA SANTISTA. Regime de Contratação Pessoa física 1 Babá C.L.T. Bertioga Ensino Fundamental 0 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Pessoa física 1 Babá C.L.T. Bertioga Ensino Fundamental 0 Comércio 1 Operador de turismo C.L.T. Bertioga Ensino

Leia mais

BARRETOS. 6 Motorista de caminhão (rotas regionais e internacionais) Temporário Barretos

BARRETOS. 6 Motorista de caminhão (rotas regionais e internacionais) Temporário Barretos Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Pessoa física 1 Empregado doméstico arrumador Comércio 1 Montador de móveis e artefatos de madeira Pessoa física 1 Empregado doméstico faxineiro 1 Esteticista Regime

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA BAHIA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA BAHIA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA BAHIA Evolução Trimestral do Mercado de Trabalho Formal da Bahia Janeiro, fevereiro e março de 2012 Contrato de Prestação de Serviços Nº. 004/2011 SETRE-BA e DIEESE MAIO DE

Leia mais

BAURU. Regime de Contratação Serviços 30 Atendente de lanchonete C.L.T. Agudos Alfabetizado 0. Comércio 1 Açougueiro C.L.T. Bariri Alfabetizado 6

BAURU. Regime de Contratação Serviços 30 Atendente de lanchonete C.L.T. Agudos Alfabetizado 0. Comércio 1 Açougueiro C.L.T. Bariri Alfabetizado 6 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Serviços Atendente de lanchonete Agudos Alfabetizado Comércio 1 Açougueiro Bariri Alfabetizado Comércio 1 Atendente

Leia mais

BARRETOS. Regime de Contratação Prestador de Serviços 6 Motorista de caminhão (rotas regionais e internacionais) Temporário Barretos

BARRETOS. Regime de Contratação Prestador de Serviços 6 Motorista de caminhão (rotas regionais e internacionais) Temporário Barretos Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação 1 Esteticista Agropecuária, Extrativa Vegetal, Regime de Contratação Local de Trabalho Motorista de caminhão (rotas regionais e internacionais) Temporário Barretos

Leia mais

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Regime de Contratação Local de Trabalho 1 Borracheiro Bady Bassitt 1 Lavador de veículos Bady Bassitt 1 Contínuo Bady Bassitt Escolaridade Comércio

Leia mais

BOLETIM MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO O EMPREGO NO SEU TERRITÓRIO: RELATÓRIO DE MOVIMENTAÇÃO

BOLETIM MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO O EMPREGO NO SEU TERRITÓRIO: RELATÓRIO DE MOVIMENTAÇÃO Estado: Apresentação BOLETIM MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Rio de Janeiro Dada a constância e intensidade da movimentação do mercado de trabalho brasileiro nos últimos anos, as políticas públicas de

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul Dezembro 2016 A indústria estadual regularmente apresenta saldos negativos de contratação no último mês do ano. E esse comportamento se

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul A indústria registrou mais um mês com saldo positivo na geração de empregos. Até o momento, em 2016, o saldo das contratações nas atividades

Leia mais

PAINEL DE VAGAS. Operador de Telemarketing Receptivo Supervisor de Vigilantes Ensino Médio Completo Indiferente

PAINEL DE VAGAS. Operador de Telemarketing Receptivo Supervisor de Vigilantes Ensino Médio Completo Indiferente PAINEL DE VAGAS Posto Gestor-SINE Estadual RIO DE JANEIRO = Sine Rio de Janeiro Sede/Rj Ocupação Escolaridade Sexo Gerente de Loja e Supermercado Gerente de Restaurante Chefe de Cozinha Técnico Mecânico

Leia mais

Licença de Funcionamento de estabelecimentos Esclarecimentos e Vantagens da Lei /

Licença de Funcionamento de estabelecimentos Esclarecimentos e Vantagens da Lei / Licença de Funcionamento de estabelecimentos Esclarecimentos e Vantagens da Lei 15.855/16.09.2013 Esclarecimentos e Vantagens da Lei 15.855/16.09.2013 ITENS abordados nesta PALESTRA : 1 Leis que disciplinam

Leia mais

BAURU. Regime de Contratação 2 Alimentador de linha de produção C.L.T. Bariri

BAURU. Regime de Contratação 2 Alimentador de linha de produção C.L.T. Bariri Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho 2 Alimentador de linha de produção Bariri Comércio 1 Atendente de lanchonete Bariri Escolaridade Comércio 1 Técnico de enfermagem

Leia mais

PESP PESQUISA DE EMPREGO NO COMÉRCIO VAREJISTA DE SÃO PAULO

PESP PESQUISA DE EMPREGO NO COMÉRCIO VAREJISTA DE SÃO PAULO PESP PESQUISA DE EMPREGO NO COMÉRCIO VAREJISTA DE SÃO PAULO JULHO DE 2016 ÍNDICE 1. Desempenho Estadual... 3 2. Desempenho por Atividade... 7 3. Desempenho por Região... 9 3.1. Melhores e Piores Regiões...

Leia mais

VAGAS DISPONÍVEIS NOS SINEs DA PREFEITURA DE BELO HORIZONTE Data: 05/10/2010

VAGAS DISPONÍVEIS NOS SINEs DA PREFEITURA DE BELO HORIZONTE Data: 05/10/2010 Com experiência VAGAS DISPONÍVEIS NOS SINEs DA PREFEITURA DE BELO HORIZONTE Data: 05/10/2010 OCUPAÇÃO ESCOLARIDADE SALÁRIO EXP. EM MESES VAGAS Açougueiro Ens. completo 630,00 6 1 Ajudante de carga e descarga

Leia mais

ÍNDICE. 1. Desempenho Estadual Desempenho por Atividade Desempenho por Região Melhores e Piores Regiões...

ÍNDICE. 1. Desempenho Estadual Desempenho por Atividade Desempenho por Região Melhores e Piores Regiões... SETEMBRO DE 2016 ÍNDICE 1. Desempenho Estadual... 3 2. Desempenho por Atividade... 7 3. Desempenho por Região... 9 3.1. Melhores e Piores Regiões... 10 4. Conclusão... 13 5. Nota Metodológica... 14 1.

Leia mais

Cargos com maior número de vagas na área operacional

Cargos com maior número de vagas na área operacional Zona Oeste Total de Vagas: 997 Cargos com maior número de vagas na área operacional Operador de telemarketing (140) Requisitos: ensino médio completo (não é necessário experiência) Salário: R$ 622 Atendente

Leia mais

IGP-M registra variação de 0,33% em abril

IGP-M registra variação de 0,33% em abril Segundo Decêndio Março de 2014 IGP-M registra variação de 0,33% em abril O Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) variou 0,33%, em abril. Em março, o índice variou 0,51%. Em abril de 2015, a variação foi

Leia mais

AGETRAB Agencia de Trabalho, Educação Profissional e Renda Dezembro -2015

AGETRAB Agencia de Trabalho, Educação Profissional e Renda Dezembro -2015 Análise Emprego Formal Macaé AGETRAB Agencia de Trabalho, Educação Profissional e Renda Dezembro -2015 Movimentação de pessoal - Macaé De acordo com os dados do CAGED em dezembro de 2015, foram admitidos

Leia mais

Interessados devem procurar a Agência do Trabalhador na Rua Prefeito Hugo Cabral, nº 301, ou no Terminal Urbano, ambos na região central

Interessados devem procurar a Agência do Trabalhador na Rua Prefeito Hugo Cabral, nº 301, ou no Terminal Urbano, ambos na região central Interessados devem procurar a Agência do Trabalhador na Rua Prefeito Hugo Cabral, nº 301, ou no Terminal Urbano, ambos na região central A Agência do Trabalhador de Londrina do Sistema Nacional do Emprego

Leia mais

RIBEIRÃO PRETO. Regime de Contratação Serviços 1 Faxineiro C.L.T. Altinópolis Alfabetizado 6. Comércio 1 Açougueiro C.L.T. Cravinhos Alfabetizado 3

RIBEIRÃO PRETO. Regime de Contratação Serviços 1 Faxineiro C.L.T. Altinópolis Alfabetizado 6. Comércio 1 Açougueiro C.L.T. Cravinhos Alfabetizado 3 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Faxineiro C.L.T. Altinópolis Alfabetizado 6 Comércio 1 Açougueiro C.L.T. Cravinhos Alfabetizado 3 Serviços 3 Gerente

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Junho de 2013 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

(67) (segunda a sexta, das 7h às 13h)

(67) (segunda a sexta, das 7h às 13h) CAMPO GRANDE R.3 de maio, 2.773, Centro. (67) 3320-400 (segunda a sexta, das 7h às 3h) Quantidade de Vagas Descrição Alinhador de pneus Analista de suporte de sistema Atendente balconista 3 Atendente de

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Agosto de 2014 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul O emprego formal na Indústria sul-mato-grossense começou 2015 do mesmo modo que terminou 2014, com redução liquida de postos de trabalho.

Leia mais

Mogi das Cdr_mogi_das_cruzes 21 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE MOGI DAS CRUZES. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação

Mogi das Cdr_mogi_das_cruzes 21 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE MOGI DAS CRUZES. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação Mogi das Cdr_mogi_das_cruzes 21 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE MOGI DAS CRUZES Informações Econômicas e da Indústria de Última atualização em 16 de dezembro de 2016 A Diretoria Regional do CIESP de Mogi

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Setembro de 2013 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE Análise do Mercado de Trabalho Formal em Porto Alegre Janeiro de 2013 Termo de Contrato Nº. 48918/2012 - Secretaria Municipal de Trabalho e Emprego (SMTE) Secretaria

Leia mais

DIVULGAÇÃO - VAGAS DE EMPREGO - SINEs PBH. Data: 09/07/2012

DIVULGAÇÃO - VAGAS DE EMPREGO - SINEs PBH. Data: 09/07/2012 DIVULGAÇÃO - VAGAS DE EMPREGO - SINEs PBH Data: 09/07/2012 OCUPAÇÃO Nº VAGAS EXPERIÊNCIA ESCOLARIDADE SALÁRIO AÇOUGUEIRO 1 6 MESES ENSINO FUNDAMENTAL INCOMPLETO R$ 800,00 AJUDANTE DE CARGA E DESCARGA DE

Leia mais

Acompanhamento do Mercado Formal de Trabalho Fluminense 1 Trimestre de 2012

Acompanhamento do Mercado Formal de Trabalho Fluminense 1 Trimestre de 2012 Gerência de Estudos Econômicos nº 05 Maio. 2012 Acompanhamento do Mercado Formal de Trabalho Fluminense 1 Trimestre de 2012 No primeiro trimestre de 2012 foram gerados 381.241 novos postos de trabalho

Leia mais

Empresas da Mesorregião Oeste de Santa Catarina demonstram estar cautelosas no momento de contratar novos funcionários neste final de ano

Empresas da Mesorregião Oeste de Santa Catarina demonstram estar cautelosas no momento de contratar novos funcionários neste final de ano Publicação Mensal do Observa pelo Curso de Ciências Econômicas Unochapecó. V.12, Ano: 03 Empresas da Mesorregião Oeste de Santa Catarina demonstram estar cautelosas no momento de contratar novos funcionários

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPINAS

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPINAS OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPINAS Relatório Mensal: Análise do Mercado de Trabalho Formal da Região Metropolitana de Campinas - Fevereiro de 2010 Termo de Contrato Nº. 65/2009 MARÇO DE 2010 PREFEITURA

Leia mais

Negociações salariais na região Oeste de Santa Catarina faz pressão salarial diminuir

Negociações salariais na região Oeste de Santa Catarina faz pressão salarial diminuir Publicação Mensal do Observa pelo Curso de Ciências Econômicas Unochapecó. V.02, Ano: 04 Negociações salariais na região Oeste de Santa Catarina faz pressão salarial diminuir O Observatório Socioeconômico

Leia mais

CAMPINAS. Regime de Contratação Outros 1 Operador de caldeira C.L.T. Aguaí Ensino Fundamental 6

CAMPINAS. Regime de Contratação Outros 1 Operador de caldeira C.L.T. Aguaí Ensino Fundamental 6 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Outros 1 Operador de caldeira C.L.T. Aguaí Ensino Fundamental 6 Outros 6 Trabalhador volante da agricultura C.L.T.

Leia mais

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Regime de Contratação Comércio 1 Auxiliar de escritório, em geral C.L.T. Aparecida Curso Técnico 6

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Regime de Contratação Comércio 1 Auxiliar de escritório, em geral C.L.T. Aparecida Curso Técnico 6 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Comércio 1 Auxiliar de escritório, em geral C.L.T. Aparecida Curso Técnico 6 Pessoa física

Leia mais

IGP-M registra variação de 0,51% em março

IGP-M registra variação de 0,51% em março Segundo Decêndio Março de 2014 IGP-M registra variação de 0,51% em março O Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) variou 0,51%, em março. Em fevereiro, o índice variou 1,29%. Em março de 2015, a variação

Leia mais

Comércio cria postos de trabalho no estado de SP, RARP e município de RP

Comércio cria postos de trabalho no estado de SP, RARP e município de RP Serviços foi o setor com o pior desempenho em Julho de 2016 Os dados de Julho de 2016 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) continuam indicando baixo desempenho do mercado de trabalho.

Leia mais

ARAÇATUBA. 4 Eletricista de instalações (edifícios) C.L.T. Andradina Ensino Médio 6

ARAÇATUBA. 4 Eletricista de instalações (edifícios) C.L.T. Andradina Ensino Médio 6 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho 1 Cobrador externo Andradina Outros 5 Escolaridade Experiência (Em Meses) 4 Eletricista de instalações (edifícios) Andradina

Leia mais

Queda expressiva no saldo de vagas no mercado de trabalho da Mesorregião Oeste em julho de 2015

Queda expressiva no saldo de vagas no mercado de trabalho da Mesorregião Oeste em julho de 2015 Publicação Mensal do Observa pelo Curso de Ciências Econômicas Unochapecó. V.07, Ano: 03 Queda expressiva no saldo de vagas no mercado de trabalho da Mesorregião Oeste em julho de 2015 Dada a importância

Leia mais

ECONOMIA PARANAENSE Perfil Sócio-Econômico de Ponta Grossa

ECONOMIA PARANAENSE Perfil Sócio-Econômico de Ponta Grossa ECONOMIA PARANAENSE Perfil Sócio-Econômico de Ponta Grossa Emerson Martins Hilgemberg * Cleise Tupich Hilgemberg ** Alysson Stege *** André Toledo **** Thaís Silva ***** 1. Introdução O conhecimento e

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego em Serviços. Abril de 2013

Pesquisa Mensal de Emprego em Serviços. Abril de 2013 Pesquisa Mensal de Emprego em Serviços Abril de 2013 Definições A Pesquisa de Emprego em Serviços é desenvolvida pela CNS/FESESP com base em dados do sistema RAISCAGED do Ministério do Trabalho e Emprego

Leia mais

Brasil e SP fecharam postos de trabalho em todos os setores da economia

Brasil e SP fecharam postos de trabalho em todos os setores da economia Brasil e SP fecharam postos de trabalho em todos os setores da economia Os dados de março de 2016 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) reafirmam a desaceleração do mercado de trabalho.

Leia mais

Painel de vagas - CEAT em 03/03/2011

Painel de vagas - CEAT em 03/03/2011 Painel de vagas - CEAT em 03/03/2011 OCUPAÇÃO VAGAS BAIRRO 1 Açougueiro 8 ZONA NORTE E ZONA OESTE 2 Agente de pesquisa 3 ZONA NORTE 3 Ajudante de carga e descarga de mercadoria 35 ZONA OESTE, ZONA NORTE

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003:

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003: PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003: CONDIÇÕES ADVERSAS DO MERCADO INTERNO LIMITAM A RECUPERAÇÃO INDUSTRIAL Segundo o IBGE, em novembro, a produção industrial cresceu 0,8% na comparação com o mês outubro,

Leia mais