THOMAS HOBBES E OS ELEMENTOS CONSTITUTIVOS DE UM ESTADO DE PAZ

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "THOMAS HOBBES E OS ELEMENTOS CONSTITUTIVOS DE UM ESTADO DE PAZ"

Transcrição

1 THOMAS HOBBES E OS ELEMENTOS CONSTITUTIVOS DE UM ESTADO DE PAZ Resumo O objetivo desse estudo é apresentar as contribuições do pensamento de Thomas Hobbes acerca dos elementos constitutivos de um Estado de paz. Para tanto, procura se demonstrar como a ética e a razão, vinculadas, conduzem a conclusão de que o estado civil é a melhor forma para a preservação da vida e consequentemente, gerar e manter a paz. O estado surge como possibilidade mais evidente de fuga da situação natural de instabilidade. Abrimos mão de nossas capacidades de auto conservação, de autodefesa e delegamos ao Estado, constituído através de um contrato, a tarefa de cuidar de nossa segurança e assegurar que possamos viver civilizadamente. Assim a ética compreendida como análise dos movimentos internos da mente, isto é, uma teoria das paixões, será abordada na forma de instrumento político, isto é, enquanto colaboradora da instituição do poder soberano, que se reveste de autoridade para a obtenção de paz e obediência. Nesse sentido, é que se pode derivar do pensamento de Hobbes uma educação volta à paz; uma educação que se alicerça pelo governo do poder político. Universidade Federal de Santa Catarina francieli Palavras chave: Thomas Hobbes, ética, educação, paz, estado X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.1

2 Introdução Faz se necessário, no contexto atual, refletir sobre os valores, as regras sociais e políticas, os direitos, as liberdades e muitos outros conceitos que fundamentam nossa sociedade. Nessa prerrogativa, a reflexão filosófica acerca da política, torna se um importante instrumento de auxílio à nossa educação enquanto cidadãos nos fornecendo uma base para o exercício da cidadania. Do momento histórico em que vivemos emergem importantes questões que exigem atenção à sua complexidade e a abertura para se refletir possíveis soluções. A natureza e a causa dos conflitos, tanto entre seres humanos, quanto entre Estados, é um assunto presente no transcorrer da história da filosofia, que alcança até os dias atuais, escopo de problemáticas, críticas e reflexões. Embora todos os avanços já realizados pela humanidade, principalmente em relação ao progresso científico e tecnológico, há ainda lacunas e incertezas quanto às questões relativas à vida humana em sociedade. Problemas como a paz, justiça, bemestar social são ainda objeto de estudos e reflexões, haja vista que, a ação humana e os conflitos que dela derivam são fundamento da maioria dos problemas sociais e políticos evidenciados, sendo a guerra e a violência seu principal subproduto. Uma coisa é certa; nenhuma teoria conseguirá resolver todos os aspectos dos problemas ético políticoeducacionais, entretanto elas, ainda são o melhor caminho, pois oferecem a base para que se possam encontrar os meios necessários à paz e para uma sociedade mais igualitária. Nessa perspectiva a filosofia prática de Thomas Hobbes, dividida entre ética e política, que tem por finalidade a busca da felicidade e do bem comum tanto na esfera pública quanto privada, é uma grande aliada no enfrentamento de questões essenciais da vida social e humana. Falar de ética, então, implica abordar questões relevantes no que concerne a construção da ordem política e como ela se relaciona com a conduta dos indivíduos que a compõem. Trata se de investigar em que medida à obediência as autoridades e as leis civis, condições para os indivíduos viverem em paz e também num estado de bem estar social, é compatível com a ética, centrada na procura da felicidade. Nesse enfoque, busca se analisar as contribuições de Hobbes, principalmente em seus escritos Leviatã e De Cive para o campo da paz. Trata se de analisar, não de X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.2

3 forma minuciosa e profunda os escritos hobbesiano acerca da paz, mas, sobretudo ressaltar as bases relevantes, para a construção de uma cultura da paz. Ética: ciência das consequências das paixões Considerando que a busca da paz é o fim último do Estado político hobbesiano, e que grande parte das controvérsias entre os indivíduos desde o estado de natureza até no estado civil, provém de opiniões divergentes sobre a terminologia da moral/ética, é preciso, para almejar a paz, que a definição dos conceitos morais seja feita de forma cuidadosa e precisa. Pois enquanto houver disputas, principalmente sobre o que se pode considerar justo ou injusto, não haverá paz. Hobbes classifica a ética 1 a partir da ciência relativa ao conhecimento dos corpos naturais, que se classificam em: naturais e artificiais. A ética está inserida no ramo da ciência natural que investiga as consequências das qualidades dos homens, o qual, por sua vez, é dividido em outros dois: a ciência das consequências das paixões, a ética, e a ciência das consequências da linguagem, a saber, a poesia, a retórica, a lógica e a ciência do justo e do injusto. A política, nessa mesma classificação, encontra se no outro ramo da ciência que investiga as consequências dos corpos artificiais. Assim, nota se ao observador que há uma clara separação em Hobbes, entre ética e política, contrariando uma longa tradição que, desde Platão e Aristóteles vinculava essas duas áreas do saber. Ao colocar a ética e a política em ramos diferentes da ciência, o filósofo elucida que as mesmas se dedicam a objetos de estudos diferentes. Se do ponto de vista do princípio metodológico elas não diferem por ser o conhecimento das consequências (HOBBES, 2003, p.73), isto é ciências, do ponto de vista do objeto elas se afastam radicalmente. Assim a ética, é o conhecimento das consequências dos acidentes dos homens, mais precisamente dos acidentes internos da mente, ou seja, das paixões. Seguindo essa classificação, a ética pode ser concebida como uma ciência descritiva dos movimentos internos da mente. Pois são dois os métodos de conhecimento admitidos por Hobbes; i) aquele que parte da observação e chega aos 1 Cf. Leviatã, IX, p. 74 (quadro das ciências). Em geral, utilizamos a tradução brasileira de João Paulo Monteiro, Martins Fontes, X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.3

4 princípios ou causas (método analítico) e ii) aquele que parte dos primeiros princípios e procede pela via da síntese. Pelo método analítico, chega se ao conhecimento dos movimentos da mente a partir da experiência, isto é, a partir da observação que cada um pode fazer desses movimentos em si mesmo; já o método sintético requer que a investigação tenha início na filosofia primeira, que passe daí para a geometria, da geometria para a física, e chegue finalmente à filosofia moral. Nesse plano, fica evidente a divisão do projeto filosófico de Hobbes, a saber, de construir um sistema de filosofia que parte do estudo dos corpos naturais, passando pelo estudo das disposições e costumes do homem e terminando na consideração sobre os deveres dos súditos. Nesse plano, o tema das paixões desempenha um papel importante no desenvolvimento da ética e da política de Hobbes, pois segundo consta no Leviatã, elas estão relacionadas tanto à guerra quanto à paz. A força das paixões também se faz notar nas declarações do filósofo sobre a insuficiência da razão para controlar a ação humana. Conforme Hobbes, mesmo que a razão aponte para a elaboração de um artificio que possa dar conta de limitar a violência a qual os homens estão submetidos numa condição natural, o contrato será insuficiente para instaurar uma condição pacifica sem a instituição de um soberano dotado de poder absoluto para usar a força contra aqueles que não respeitam os acordos. E este poder soberano, ao usar a espada, também estará agindo sobre as paixões, na medida em que as ameaças de punição despertam nos homens uma paixão fundamental para induzi los a paz, o medo. A análise das paixões, centrada no conceito de conatus 2 revela uma teoria que concebe o homem submetido a uma série causal de eventos sobre a qual não tem controle, e os desejos aparecem sempre provocados pelo movimento do mundo exterior. A teoria das paixões envolve algo mais do que a simples descrição sobre os movimentos internos da mente. Ela produz uma análise do conceito de bem e mal, também essencial à 2 Hobbes usou o termo conatus principalmente em sentido mecânico. Em De Corpore, o conatus é apresentado como um movimento determinado pelo espaço e pelo tempo, e mensurável numericamente. Em De homine, aparece como um movimento voluntário ou paixão que precede a ação corporal e que, embora interno, possui determinações e propriedades mecanicamente exprimíveis (Dicionário de Filosofia, Loyola, 2004, p.518). X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.4

5 ética hobbesiana. No Leviatã, imediatamente após descrever as paixões, o filósofo apresenta sua concepção sobre o bem e o mal. Mas, seja qual for o objeto do apetite ou desejo de qualquer homem, esse objeto é aquele a que cada um chama bom; ao objeto de seu ódio e aversão chama mau, e ao de seu desprezo chama vil e insignificante. Pois, as palavras bom e "mau" e desprezível são sempre usadas em relação à pessoa que as usa (HOBBES, 2003, p. 48, grifos do autor). Bem e mal então, não são definidos em si mesmos ou em relação aos objetos, mas unicamente em relação às paixões. Bem, é o nome dado aos objetos pelos quais o homem sente apetite, e mal, aqueles pelos quais sentem aversão. Não há, afirma Hobbes nada que seja simples e absolutamente, nem há qualquer regra comum do bem e do mal que possa ser extraída dos próprios objetos (HOBBES, 2003, p.58). Bem e mal não são nada em si mesmos e muito menos podem ser definidos como propriedade dos objetos. São apenas nomes que atribuímos às coisas quando as desejamos ou evitamos. Essa definição de bem e do mal é central, porque, a partir dela, Hobbes pôde, por exemplo, descrever a condição natural da humanidade como aquela em que não há um acordo moral sobre o qual seja possível estabelecer as bases para a convivência pacífica. A falta dessa medida comum do bem e do mal esta também na origem das condições de instabilidade do estado natural. Desse modo, tendo em vista que não há bem e mal objetivos, com base nos quais possamos estabelecer as regras de convivência, é preciso que tais regras, não sendo naturais ou sobrenaturais, sejam estabelecidas de maneira artificial. Da impossibilidade de um acordo no estado de natureza devido à inexistência de uma autoridade comum, é que Hobbes indica que a única forma de se instituir uma convivência pacífica é a submissão das vontades individuais á vontade do soberano; ou seja, se entre duas pessoas é impossível que haja acordo a respeito do bem e do mal, resta que ele possa ser encontrado por intermédio da instituição de um árbitro que possa decidir. O Estado surge então, como uma restrição que o homem impõe sobre si próprio como forma de cessar o estado de guerra de todos contra todos, a fim de promover a humanidade a um estado de maior organização e segurança; haja vista a X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.5

6 incompatibilidade da natureza humana em se instituir em sociedades onde não exista um poder acima do poder individual. E é no próprio homem, nem tanto nas paixões como na razão, que se encontra a saída para a guerra. A concordância mais clara apontada pelo filosofo é acerca da vida e da morte. Há varias passagens em que Hobbes aponta que existe concordância avaliativa em relação a elas. Pois, segundo Hobbes, ainda que bem e mal sejam subjetivos, considerados em virtude das paixões as quais são extremamente volúveis entre os homens, todos concordam, com raríssimas exceções, que a vida é um bem e a morte é um mal. Todos consideram a vida como um bem e a morte como um mal. Raras exceções ocorrem 3. Portanto, a autopreservação, será o grande bem a ser perseguido e a morte o grande mal a ser evitado. Assim, é em relação à vida e a morte que todas as outras coisas são julgadas como boas ou más; e seguindo essas premissas, a conclusão pode muito bem ser que aquilo que o homem avalia como bem é o que preserva a vida, e, portanto conduz a paz. Estado de Natureza Em Hobbes encontramos a ideia de homem submetido desde sempre a lógica de movimentos naturais e instintivos, gerador de paixões e desejos, fundamentados em aversões e atrações naturais que deságuam em posturas, por vezes, denominadas egoístas. Mas esse egoísmo não é senão os movimentos naturais dos corpos, que pode ser fomentado em larga escala a depender da direção que o próprio homem dá à sua história. Hobbes é taxativo no sentido de não aceitar uma natureza humana tranquila em que cada indivíduo é complacente com o desejo do outro, condescendente com suas vontades e avesso ao conflito. O mecanismo físico biológico a que estamos submetidos não é apaziguador e posto que este homem possa criar novos e infinitos objetos de desejos, pode também aumentar em grande escala os conflitos com seus semelhantes. 3 Hobbes admite que, em alguns casos, as pessoas prefeririam a morte a uma vida de sofrimento, por exemplo, no De Cive, ele afirma que um filho preferiria a morte a cumprir uma ordem de matar seus pais (HOBBES, 2002, DCi, VI. 13 p.108 9). X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.6

7 Pois, como consequência da guerra de todos contra todos, Hobbes conclui que nada pode ser injusto. Desse modo, o hipotético e imaginário Estado de Natureza é apresentado pelo inglês como uma dedução de como seria o comportamento humano se fosse suspenso o estado político. Em tal estado, seguindo a dinâmica do mecanicismo, Hobbes estabelece que só a necessidade governa o mundo das coisas e dos seres, só as leis mecânicas devem explicar a instauração da ordem física ou social. Portanto a única realidade natural e tangível é o individuo que deve ser estudado em sua natureza e na dinâmica de suas paixões e desejos. Pois, pelo desejo, o homem procura a felicidade não como finis ultimus porque este não existe, mas como satisfação dos desejos imediatos, uma vez que a vida humana é um constante desejar e a felicidade não é outra coisa senão uma ininterrupta realização dos desejos. Assim no estado natural todos os homens são livres e iguais, conforme reza o direito natural. O que significa que todo homem tem direito a todas as coisas, incluindo os corpos dos outros. É o Estado em que cada homem é inimigo de cada homem, haja vista a sua liberdade individual de se defender como puder contra os demais. Nesses termos, todos os homens vivem atemorizados pelo risco constante de morte violenta, configurando assim numa condição miserável, pois Em tal condição, não há lugar para a indústria, pois seu fruto é incerto: e consequentemente não há o cultivo da terra, nem navegação, nem o uso das mercadorias que podem ser importadas pelo mar; não há construções confortáveis, nem instrumentos para mover e remover as coisas que precisam de grande força; não há reconhecimento da face da Terra, nem cômputo do tempo, nem artes, nem letras; não há sociedade; e o que é pior do que tudo, um constante temor e perigo de morte violenta. E a vida do homem é solitária, miserável, sórdida, brutal e curta (HOBBES, 2003, p. 109). É preciso então, abandonar tal condição e para isso Hobbes aponta dois elementos próprios da natureza humana que sinalizam para a saída do estado de natureza: as paixões e a razão. Aquelas paixões como medo, o desejo e a esperança fazem o homem tender para a paz: o medo da morte ou de ferimentos faz o homem procurara ajuda, associando se entre si; o desejo de uma vida confortável, assim como a esperança de realização por meio do trabalho, predispõe os homens para a obediência ao poder X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.7

8 comum. Aliada às paixões, a razão dita às leis de natureza como normas de paz, em torno das quais os homens podem chegar a acordos para uma convivência pacífica e em segurança. Em vista disso, pode se concluir que, todos os homens concordam que a paz é uma boa coisa, e, portanto também são bons os caminhos ou meios para encontrá la. É tarefa da razão, restringir o comportamento auto interessado dos homens com o objetivo de promover de modo mais sólido e duradouro o bem individual. A razão coloca limites aos indivíduos, restringindo o auto interesse em nome do benefício próprio. Uma vez que a conservação duradoura exige a eliminação da guerra que caracteriza o estado de natureza, a razão oferece normas para a construção e manutenção da paz, normas que se configuram como leis morais na medida em que, impondo restrições ao comportamento egoísta, regem como devemos nos comportar em relação aos outros. Para tanto, ela nos diz que, se queremos a paz, devemos nos espelhar nos outros e fazer com eles apenas aquilo que gostaríamos que fizessem conosco, caso contrário disseminamos a hostilidade em vez de construir a sociabilidade. Por meio da razão somos capazes de acordar sobre o que devemos fazer e de que modo devemos tratar os outros se queremos nos preservar. Contudo, somente a razão não é suficiente para garantir a conformação das ações dos homens. As leis de natureza (como a justiça, a equidade, a modéstia, a piedade, ou em resumo, fazer aos outros o que queremos que nos façam) por si mesmas, na ausência do temor de algum poder que as faça ser respeitadas, são contrárias às nossas paixões naturais, as quais nos fazem tender para a parcialidade, o orgulho, a vingança e coisas semelhantes. E os pactos sem a espada não passam de palavras, sem força para dar segurança a ninguém. Portanto, apesar das leis de natureza (que cada um respeita quando tem vontade de as respeitar e quando o podem fazer com segurança), se não for instituído um poder suficientemente grande para a nossa segurança, cada um confiará, e poderá legitimamente confiar, apenas na sua própria força e capacidade, como proteção contra todos os outros (HOBBES, 2003, pp ). Daí a necessidade do Estado, que surgiria a partir de um contrato, fruto da vontade humana e que necessariamente deve refletir os interesses destes. Tal Estado seria soberano, em que seria garantida a liberdade individual, a propriedade, a preservação da paz, a segurança e uma série de outras garantias que só seriam possíveis mediante um poder superior, capaz de fazer com que tais regras não sejam violadas. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.8

9 Para tornar possível uma coexistência pacífica e assegurar a sobrevivência do estado civil, Hobbes, pelo primado da razão, estabelece as leis de natureza. A primeira e mais fundamental lei é, que todo homem deve esforçar se pela paz, na medida em que tenha esperança de consegui la, e caso não a consiga pode procurar e usar todas as ajudas e vantagens da guerra (HOBBES, 2003, p.113). Desta lei geral é extraída a primeira lei especial de natureza: procurar a paz, e segui la ; e o direito natural básico: defenderse a qualquer custo. Uma vez encontrada a possibilidade da paz, faz se necessária uma segunda lei de natureza: Que um homem concorde, quando outros também o façam, e na medida em que tal considere necessário para a paz e para a defesa de si mesmo, em renunciar a seu direito a todas as coisas, contentando se, em relação aos outros homens, com a mesma liberdade que aos outros homens permite em relação a si mesmo. Em terceiro, há a lei de cumprimento dos pactos, que consiste em que os homens cumpram os pactos que celebrarem (HOBBES, 2003, p. 113). Sem esta, os pactos seriam vãos. A Educação e o projeto de uma sociedade de paz. Hobbes partindo de uma concepção antropológica de homem, como sendo produto de suas paixões e afecções, sustenta que a única maneira de manter os homens em respeito, evitando a guerra civil é através da instauração de um poder forte e centralizado. Nesse processo, os homens acordariam que a melhor solução ao instável estado natural, caracterizado pelo direito natural, pelo qual todos os homens são livres para usar seu próprio poder, de maneira que mais convém, para a preservação da sua vida, e consequentemente, de fazer tudo àquilo que convém para este fim, gerando conflitos e inseguranças, é abdicar deste direito, transferindo os a um representante. A durabilidade e sobrevivência deste estado seriam garantidas se se os homens fossem educados para a obediência civil. Desta forma, embora Hobbes não seja um autor que tenha destaque nas páginas dos livros de história da educação, é inegável que sua obra possui elementos de caráter educador, frente às novas descobertas e mudanças do homem seiscentista. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.9

10 Na construção do homem social, Hobbes não vê a educação sendo realizada apenas pela soberania da razão, mas também, em conjunto com o poder político. Isso ocorre, porque muito embora a razão ofereça suporte necessário para calcular o agir humano, os homens ainda são particularmente objeto de seus desejos e paixões, que os torna suscetíveis a disputas e discórdias. Além do vínculo com o Estado político, a busca pela paz em Hobbes está vinculada também ao bom uso da linguagem. Desfazer os equívocos deixados pelos filósofos morais e mostrar o melhor caminho para a paz através do exercício racional, é a tarefa que Hobbes se propõe. A linguagem é para ele, a mais útil de todas as invenções humanas. Porém, alerta que seu uso de modo impróprio gera conflitos, guerras e destruição. Já no sentido oposto, o uso adequado e ordenado da linguagem, como um instrumento que permite o mais exato raciocinar, sugere adequadas normas de paz em torno das quais os indivíduos podem estabelecer um acordo consensual. Tal acordo tem um fim específico, a saber, construir a paz mediante a instituição do estado civil. Segundo Hobbes, a paz originária de um contrato mútuo que funda o estado civil é o único meio capaz de garantir não somente a sobrevivência do homem, mas também seu desenvolvimento. A possibilidade do conhecimento, da ciência, do progresso, do conforto, diz Hobbes, só podem surgir do efeito da sensação de segurança e da certeza de que a própria vida não está sendo ameaçada. Na visão de Hobbes a guerra e os conflitos em geral estão fundados na ignorância, tanto por parte dos cidadãos quanto dos soberanos. Caberia à razão então, ordenar a busca pela paz, pois, mesmo nos períodos de maior miséria do estado de natureza, permanece intacta a lei natural que afirma ser a paz a forma mais vantajosa de conservar a vida. Contudo, vivemos em uma sociedade global e estratificada, marcada por diversas dicotomias. O poder estatal sua formação e as implicações das ações do Estado à vida social nem sempre convergem com as inclinações da população. As inter relações entre indivíduo/poder/ Estado se correlacionam e se distinguem dependendo dos interesses da sociedade. É preciso investigar os ditames dessas questões mediante a finalidade de X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.10

11 compreender a realidade atual, fonte inesgotável de indagações e reflexões. Pois o sucesso de um Estado, identifica uma sociedade homogeneamente desenvolvida, em que são respeitados e garantidos os direitos e deveres de seus cidadãos. Portanto, viver nos limites do Estado não é uma mera questão de gosto ou de atualização da natureza humana, mas sim um artificio mecânico do homem que busca conquistar seus objetivos sem medo de represálias. O homem busca aquilo que é útil à sua vida. E a utilidade mais urgente é a criação do estado civil, capaz de instruir e guarnecer o direito à vida, à paz, à propriedade, à educação, ao comércio, enfim de tudo que constitui o homem. Assim, a filosofia de Hobbes, embora não tenha um conteúdo genuíno sobre a educação, nos oferece alguns elementos importantes que podem auxiliar na reflexão dos caminhos para uma sociedade de paz. E toda a argumentação acerca da ética, àquela parte da filosofia de que trata as paixões da mente, nos mostra que essas paixões não são capazes de oferecer um padrão do que seja justo. Tal padrão só pode ser estabelecido artificialmente por meio do estado soberano como condição de estabelecer a paz e a segurança. No plano político, isso implica que o Estado é o único capaz de afastar a guerra e o conflito, condições antagônicas à paz. O estado, enquanto limitador e organizador do conflito passional humano detêm o poder e as prerrogativas para conduzir a uma situação de paz. Pois as paixões, somente podem demonstrar que, por natureza, as ações humanas sempre serão definidas em relação aos desejos individuais não sendo possível derivar delas outra regra comum que não seja o valor da vida. Não há, portanto, certo e errado, justiça e injustiça, por natureza. Tais noções somente podem ser encontradas no interior da vida social. Assim as reflexões éticas, políticas e psicológicas, presentes no constructo do projeto cientificista da filosofia hobbesiana, apontam que o homem precisa ser considerado em toda sua totalidade, visto que é na coletividade que se perpetua. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS HOBBES, Thomas. O Leviatã ou Matéria, Forma e Poder de um Estado Eclesiástico e Civil, São Paulo, Nova Cultura, X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.11

12 . Leviatã. Tradução de J. P. Monteiro e M.B. N. da Silva. São Paulo: Nova Cultural, (Col. Os pensadores).. Do Cidadão. São Paulo: Martins Fontes, Elementos da lei natural e política. Trad. Fernando Dias Andrade. São Paulo: Ícone, Do corpo. Parte I: Cálculo ou Lógica. Tradução Maria Isabel Limongi e Viviane de Castilho Moreira. Campinas: Ed. Unicamp, FRATESCHI, Y. Estado e direito em Thomas Hobbes. In: MACEDO, Roberto. Curso de Filosofia política: do nascimento da filosofia a Kant. São Paulo: Atlas, GUIMARÃES, Marcelo Rezende. Educação para a paz: sentidos e dilemas. Caxias do Sul: UDUCS, MACPHERSON, C. B. A Teoria Política do Individualismo Possessivo, de Hobbes a Locke. Trad. de Nelson Dantas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, (Coleção Pensamento Crítico; v. 22). MONZANI, Luiz R. Desejo e Prazer na Idade Moderna. São Paulo: Editora da UNICAMP, ANGOUVELVENT, Anne Laure. Hobbes e a moral política. Campinas: Papirus, ACKERMAN, T. F. Two Concepts of Moral Goodness in Hobbes's Ethics. Journal of the History of Philosophy, v. 14, n. 4, p , RIBEIRO, R. J. A marca do Leviatã: linguagem e poder em Hobbes. São Paulo: Ática, Ética na Política. São Paulo, Lazuli, LIMONGI, M. I. P. O Homem Excêntrico: Paixões e Virtudes em Thomas Hobbes. São Paulo: Edições Loyola, KAVKA, G. Hobbesian Moral and Political Theory. Princeton: Princeton University Press, WOLLMANN, Sérgio. O Conceito de Liberdade no Leviatã de Hobbes. Porto Alegre, EDIPURCS, X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.12

O Contratualismo - Thomas Hobbes

O Contratualismo - Thomas Hobbes O Contratualismo - Thomas Hobbes 1. Sem leis e sem Estado, você poderia fazer o que quisesse. Os outros também poderiam fazer com você o que quisessem. Esse é o estado de natureza descrito por Thomas Hobbes,

Leia mais

REVISIONAL DE FILOSOFIA Questões de 1 a 10

REVISIONAL DE FILOSOFIA Questões de 1 a 10 REVISIONAL DE FILOSOFIA Questões de 1 a 10 1) Hobbes assim define a essência da república ou cidade: Uma cidade (...) é uma pessoa cuja vontade, pelo pacto de muitos homens, há de ser recebida como sendo

Leia mais

Filosofia Política: Thomas Hobbes ( )

Filosofia Política: Thomas Hobbes ( ) Filosofia Política: Thomas Hobbes (1588-1679) Thomas Hobbes parte da concepção do homem em seu estado de natureza para caracterizar a necessidade da fundação do Estado. Suas obras mais significativas foram

Leia mais

Thomas Hobbes ( ) Colégio Anglo de Sete Lagoas Professor: Ronaldo - (31)

Thomas Hobbes ( ) Colégio Anglo de Sete Lagoas Professor: Ronaldo - (31) Thomas Hobbes (1588 1679) Colégio Anglo de Sete Lagoas Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 O maior dos poderes humanos é aquele que é composto pelos poderes de vários homens, unidos por consentimento numa

Leia mais

Os contratualistas. Thomas Hobbes ( ) John Locke ( ) Jean-Jacques Rousseau ( )

Os contratualistas. Thomas Hobbes ( ) John Locke ( ) Jean-Jacques Rousseau ( ) Os contratualistas Thomas Hobbes (1588-1679) John Locke (1632-1704) Jean-Jacques Rousseau (1712-1778) 1 Contratualismo Vertente filosófica derivada do jusnaturalismo ou direito natural moderno. Direito

Leia mais

Locke e Bacon. Colégio Ser! 2.º Médio Filosofia Marilia Coltri

Locke e Bacon. Colégio Ser! 2.º Médio Filosofia Marilia Coltri Locke e Bacon Colégio Ser! 2.º Médio Filosofia Marilia Coltri John Locke Locke divide o poder do governo em três poderes, cada um dos quais origina um ramo de governo: o poder legislativo (que é o fundamental),

Leia mais

Sigilo. Coleguismo Honra. Justiça. Responsabilidade. Zelo. Honestidade. Igualdade. Respeito. Competência Liberdade. Solidariedade.

Sigilo. Coleguismo Honra. Justiça. Responsabilidade. Zelo. Honestidade. Igualdade. Respeito. Competência Liberdade. Solidariedade. O QUE É ÉTICA? Coleguismo Honra Sigilo Justiça Igualdade Zelo Responsabilidade Honestidade Competência Liberdade Respeito Lealdade Solidariedade Etimologia: Ética= ethos (grego) = costumes, modo de ser,

Leia mais

Considerações finais

Considerações finais Considerações finais Hélio Alexandre da Silva SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros SILVA, HA. As paixões humanas em Thomas Hobbes: entre a ciência e a moral, o medo e a esperança [online]. São

Leia mais

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Tema 7: Ética e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes O Conceito de Ética Ética: do grego ethikos. Significa comportamento. Investiga os sistemas morais. Busca fundamentar a moral. Quer explicitar

Leia mais

Filosofia. Conceitos centrais. O pensamento político de Hobbes, Locke e Rousseau. Reflexões iniciais. Profa. Suze Piza

Filosofia. Conceitos centrais. O pensamento político de Hobbes, Locke e Rousseau. Reflexões iniciais. Profa. Suze Piza Filosofia Profa. Suze Piza O pensamento político de Hobbes, Locke e Rousseau Conceitos centrais Reflexões iniciais I - Absolutismo e liberalismo: posições políticas II - Contexto teórico e histórico em

Leia mais

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES PROFº DANILO BORGES

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES PROFº DANILO BORGES RESOLUÇÕES DE QUESTÕES PROFº DANILO BORGES SARTRE (UFU) Liberdade, para Jean-Paul Sartre (1905-1980), seria assim definida: A) o estar sob o jugo do todo para agir em conformidade consigo mesmo, instaurando

Leia mais

Resolução de Questões do Enem

Resolução de Questões do Enem Resolução de Questões do Enem Resolução de Questões do Enem 1. Sempre teceremos panos de seda E nem por isso vestiremos melhor Seremos sempre pobres e nuas E teremos sempre fome e sede Nunca seremos capazes

Leia mais

TEORIAS CONTRATUALISTAS: THOMAS HOBBES THOMAS HOBBES ( ): LEVIATÃ

TEORIAS CONTRATUALISTAS: THOMAS HOBBES THOMAS HOBBES ( ): LEVIATÃ TEORIAS CONTRATUALISTAS: THOMAS HOBBES THOMAS HOBBES (1588-1679): LEVIATÃ A CONCEPÇÃO POLÍTICA HOBBESIANA: A EXALTAÇÃO DAS LEIS O que aconteceria se não estivéssemos de algum modo obrigados a respeitar

Leia mais

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor Ética e Moral Conceito de Moral Normas Morais e normas jurídicas Conceito de Ética Macroética e Ética aplicada Vídeo: Direitos e responsabilidades Teoria Exercícios Conceito de Moral A palavra Moral deriva

Leia mais

EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S

EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S Ética e Moral EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S 2009/2010 Valores No mundo contemporâneo o Homem já não segue valores modelos mas cria os seus próprios valores em função

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE. O que é Ciência?

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE. O que é Ciência? CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE O que é Ciência? O QUE É CIÊNCIA? 1 Conhecimento sistematizado como campo de estudo. 2 Observação e classificação dos fatos inerentes a um determinado grupo de fenômenos

Leia mais

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE.

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. 1. Teorias que consideram que a sociedade é uma instância que se impõe aos indivíduos sendo estes produto dessa

Leia mais

SOMOS LIVRES AO DECIDIR

SOMOS LIVRES AO DECIDIR FILOSOFIA 2º ano Partindo do principio de que liberdade é LIBERDADE DE ESCOLHER Afinal, até onde alcança o poder da nossa liberdade? Nossas escolhas estão ligadas aos princípios morais da nossa sociedade;

Leia mais

Filosofia (aula 20) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 20) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 20) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com Teorias Éticas - Antropocentrismo; - Reflexão Filosófica; - Ascensão da Burguesia; - Surgimento do Capitalismo; - Visa tornar-se senhor da

Leia mais

TEORIAS POLÍTICAS MODERNAS: MAQUIAVEL, HOBBES E LOCKE (2ª SÉRIE).

TEORIAS POLÍTICAS MODERNAS: MAQUIAVEL, HOBBES E LOCKE (2ª SÉRIE). TEORIAS POLÍTICAS MODERNAS: MAQUIAVEL, HOBBES E LOCKE (2ª SÉRIE). NICOLAU MAQUIAVEL (1469-1527) E A FUNDAÇÃO DA POLÍTICA MODERNA. Fundador da Ciência Política Moderna Distancia-se das teorias políticas

Leia mais

Versão A. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta

Versão A. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta Versão A Grupo I (10 x 3 = 30 Assinala a alternativa correta 1.A filosofia não é uma ciência: a) Porque a filosofia consiste na procura do conhecimento factual. b) Porque os problemas e métodos da filosofia

Leia mais

Ficha de filosofia. A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas. Fundamento e critérios da moralidade

Ficha de filosofia. A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas. Fundamento e critérios da moralidade Ficha de filosofia A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas Fundamento e critérios da moralidade Ética deontológica Ética consequencialista Respeito

Leia mais

FILOSOFIA MODERNA (XIV)

FILOSOFIA MODERNA (XIV) FILOSOFIA MODERNA (XIV) CORRENTES EPSTEMOLÓGICAS (I) Racionalismo Inatismo: existem ideias inatas, ou fundadoras, de onde se origina todo o conhecimento. Ideias que não dependem de um objeto. Idealismo:

Leia mais

Cotações. Prova Escrita de Filosofia. 10.º Ano de Escolaridade Março de Duração da prova: 90 minutos. 3 Páginas

Cotações. Prova Escrita de Filosofia. 10.º Ano de Escolaridade Março de Duração da prova: 90 minutos. 3 Páginas Prova Escrita de Filosofia Versão A 10.º Ano de Escolaridade Março de 2016 Duração da prova: 90 minutos 3 Páginas Leia atentamente o enunciado Para cada resposta, identifique o grupo e o item. Apresente

Leia mais

Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Filosofia Teste Intermédio Filosofia Duração do Teste: 90 minutos 22.02.2011 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Utilize apenas caneta ou esferográfica

Leia mais

Escritos de Max Weber

Escritos de Max Weber Escritos de Max Weber i) 1903-1906 - A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1ª parte, em 1904; 2ª parte em 1905; introdução redigida em 1920); - A objetividade do conhecimento nas Ciências Sociais

Leia mais

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia O que caracteriza a consciência mítica é a aceitação do destino: Os costumes dos ancestrais têm raízes no sobrenatural; As ações humanas são determinadas pelos

Leia mais

Sobre Kant. Kant nasceu em Konigsberg, no ano de 1724 e morreu em 1804 sem nunca ter saído da sua cidade natal.

Sobre Kant. Kant nasceu em Konigsberg, no ano de 1724 e morreu em 1804 sem nunca ter saído da sua cidade natal. Sobre Kant Kant nasceu em Konigsberg, no ano de 1724 e morreu em 1804 sem nunca ter saído da sua cidade natal. Foi um dos últimos europeus a dominar toda a ciência do seu tempo, incluindo a física, a geografia,

Leia mais

FILOSOFIA - 3 o ANO MÓDULO 05 O JUSNATURALISMO DE LOCKE

FILOSOFIA - 3 o ANO MÓDULO 05 O JUSNATURALISMO DE LOCKE FILOSOFIA - 3 o ANO MÓDULO 05 O JUSNATURALISMO DE LOCKE Como pode cair no enem (WATTERSON, B. Calvin e Haroldo: O progresso científico deu tilt. São Paulo: Best News, 1991.) De acordo com algumas teorias

Leia mais

Quantos passos posso dar? : Construindo a autonomia na infância

Quantos passos posso dar? : Construindo a autonomia na infância Quantos passos posso dar? : Construindo a autonomia na infância FE RNANDA PALHARE S LIA BEATRIZ DE LUCCA FREITAS LAPEGE Pesquisas na área do desenvolvimento moral e formação ética Parceria com escolas

Leia mais

Filosofia Iluminista. Profª Karina Oliveira Bezerra Unidade 01. Capítulo 04: p Unidade 08. Capítulo 05: pg

Filosofia Iluminista. Profª Karina Oliveira Bezerra Unidade 01. Capítulo 04: p Unidade 08. Capítulo 05: pg Filosofia Iluminista Profª Karina Oliveira Bezerra Unidade 01. Capítulo 04: p.57-58 Unidade 08. Capítulo 05: pg. 442-446 Filosofia da Ilustração ou Iluminismo (meados do século XVIII ao começo do século

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA PPGF/MESTRADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA PPGF/MESTRADO 1. IDENTIFICAÇÃO DISCIPLINA: ÉTICA E FILOSOFIA POLÍTICA PROFESSOR: Dr. Marcelo de Sant Anna Alves Primo CARGA HORÁRIA: 90 Horas 6 Créditos INÍCIO: 26/08/2014 TÉRMINO: 16/12/2014 DIAS DE AULAS: terça-feira

Leia mais

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça?

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça? Hans Kelsen Prof. Nogueira O que é Justiça? Biografia Básica 1881 1973 Austríaco Judeu Biografia Básica 1 ed. Teoria Pura do Direito 1934 O que é Justiça? 1957 2 ed. Teoria Pura do Direito 1960 Histórico

Leia mais

Introdução À Ética e a Moral. A verdadeira Moral zomba da Moral Blaise Pascal( )

Introdução À Ética e a Moral. A verdadeira Moral zomba da Moral Blaise Pascal( ) Introdução À Ética e a Moral A verdadeira Moral zomba da Moral Blaise Pascal(1623-1662) Ética ou Filosofia Moral: Parte da filosofia que se ocupa com a reflexão a respeito das noções e princípios que fundamentam

Leia mais

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média:

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: EXERCÍCIOS ON LINE 3º BIMESTRE DISCIPLINA: Filosofia PROFESSOR(A): Julio Guedes Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: NOME: Nº.: Exercício On Line (1) A filosofia atingiu

Leia mais

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES GRÉCIA, SÉC. V a.c. Reflexões éticas, com um viés político (da pólis) _ > como deve agir o cidadão? Nem todas as pessoas eram consideradas como cidadãos Reflexão metafísica: o que é a virtude? O que é

Leia mais

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodológica científica. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, p

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodológica científica. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, p LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodológica científica. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, 1993. p.238-243. 1. ARTIGOS CIENTÍFICOS Os artigos científicos são pequenos estudos, porém

Leia mais

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas 1 Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas Os seres humanos sempre buscaram formas de compreender os fenômenos que ocorrem em seu dia a dia, de modo a procurar soluções para

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS

QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS Shalom H. Schwartz; Tradução e Adaptação: Menezes & Campos, 989 Recriação: Prioste, Narciso, & Gonçalves (00) Neste questionário deve perguntar-se a si próprio: "Que

Leia mais

Existencialismo. Profª Karina Oliveira Bezerra

Existencialismo. Profª Karina Oliveira Bezerra Existencialismo Profª Karina Oliveira Bezerra O termo existencialismo designa o conjunto de tendências filosóficas que, embora divergentes em vários aspectos, têm na existência humana o ponto de partida

Leia mais

CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA

CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA O GRANDE RACIONALISMO O termo RACIONALISMO, no sentido geral, é empregado para designar a concepção de nada existe sem que haja uma razão para isso. Uma pessoa

Leia mais

AULA AO VIVO. Professora Laira Pinheiro

AULA AO VIVO. Professora Laira Pinheiro AULA AO VIVO Professora Laira Pinheiro Folha de São Paulo, São Paulo, 28 out., 1993, pg.6, cad.4. Você sabe o que é ética? Será que ela tem preço? Qual é o seu valor? A ética está em crise? Vivemos numa

Leia mais

FILOSOFIA. Comentário Geral:

FILOSOFIA. Comentário Geral: 1 FILOSOFIA Comentário Geral: A prova apresentou algumas mudanças em relação à dos anos anteriores. Isso tanto na utilização de textos que levaram os candidatos a ultrapassar a leitura e interpretação

Leia mais

MORAL E ÉTICA. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto.

MORAL E ÉTICA. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto. MORAL E ÉTICA O homem é um ser dotado de senso moral. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto. Senso moral se manifesta em sentimentos, atitudes, juízos de valor Moral vem

Leia mais

Modernidade: o início do pensamento sociológico

Modernidade: o início do pensamento sociológico Modernidade: o início do pensamento sociológico Os dois tipos de solidariedade Solidariedade Mecânica Solidariedade Orgânica Laço de solidariedade Consciência Coletiva Divisão social do trabalho Organização

Leia mais

A teoria do conhecimento

A teoria do conhecimento conhecimento 1 A filosofia se divide em três grandes campos de investigação. A teoria da ciência, a teoria dos valores e a concepção de universo. Esta última é na verdade a metafísica; a teoria dos valores

Leia mais

Metodologia Científica ILUSTRAÇÕES DAS NORMAS DA ABNT. Organização: Paulo Roberto de C. Mendonça Revisão: Vania Hirle

Metodologia Científica ILUSTRAÇÕES DAS NORMAS DA ABNT. Organização: Paulo Roberto de C. Mendonça Revisão: Vania Hirle ILUSTRAÇÕES DAS NORMAS DA ABNT NORMA NBR 6028 - INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO - RESUMO - APRESENTAÇÃO Organização: Paulo Roberto de C. Mendonça Revisão: Vania Hirle Resumo: NBR 6028 Definições. 2.1 palavra-chave:

Leia mais

Metafísica & Política

Metafísica & Política Aristóteles (384-322 a.c.) Metafísica & Política "0 homem que é tomado da perplexidade e admiração julga-se ignorante." (Metafisica, 982 b 13-18). Metafísica No conjunto de obras denominado Metafísica,

Leia mais

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010 NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010 12 Daniel José Crocoli * A obra Sobre ética apresenta as diferentes formas de se pensar a dimensão ética, fazendo

Leia mais

TEORIA GERAL DO ESTADO

TEORIA GERAL DO ESTADO TEORIA GERAL DO ESTADO APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Prof. Thiago Gomes Apresentação da Disciplina 1. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Teoria Geral do Estado 2. PROFESSOR Me. Thiago Gomes 3. CARGA HORÁRIA 2 h/a

Leia mais

FILOSOFIA DO DIREITO

FILOSOFIA DO DIREITO PÓS-GRADUAÇÃO DIREITO ELEITORAL FADIVALE FILOSOFIA DO DIREITO Prof. José Luciano Gabriel lugafap@yahoo.com.br jlgabriel.blogspot.com NORBERTO BOBBIO 18/10/1909 a 09/01/2004. O FUTURO DA DEMOCRACIA Pág.

Leia mais

INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA. O conhecimento científico é uma forma específica de conhecer e perceber o mundo!!! 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: Modelos

INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA. O conhecimento científico é uma forma específica de conhecer e perceber o mundo!!! 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: Modelos INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: 1. INTRODUZINDO A QUESTÃO: O QUE É CIÊNCIA, AFINAL????? Modelos Leis Por que estudar natureza da ciência???? Qual a importância desses conhecimentos

Leia mais

TEORIA DOS VALORES. Quais são os valores que você mais preza? Introdução

TEORIA DOS VALORES. Quais são os valores que você mais preza? Introdução TEORIA DOS VALORES Quais são os valores que você mais preza? Introdução Os filósofos tentaram determinar a boa conduta segundo dois princípios fundamentais: considerando alguns tipos de conduta bons em

Leia mais

Top 5 de Filosofia: Questões Enem

Top 5 de Filosofia: Questões Enem Top 5 de Filosofia: Questões Enem Top 5 de filosofia: Questões Enem 1. (Enem 2012) Anaxímenes de Mileto disse que o ar é o elemento originário de tudo o que existe, existiu e existirá, e que outras coisas

Leia mais

Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3

Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3 Atividade extra Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3 Questão 1 A ideia de que, pela Ciência e pela técnica, o homem se converterá em senhor e possuidor da natureza está presente no pensamento do filósofo

Leia mais

Professora Edna Ferraresi. Aula 2

Professora Edna Ferraresi. Aula 2 Aula 2 Escolas e Teorias Jus filosóficas Modernas: a Escola da Exegese: positivismo jurídico ideológico; redução do Direito à lei; "In Claris NON cessat interpretatio"; aplicação mecânica do Direito. Escolas

Leia mais

Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo.

Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo. FILOSOFIA MODERNA Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo. Período histórico: Idade Moderna (século XV a XVIII). Transformações que podemos destacar: A passagem do feudalismo para o capitalismo

Leia mais

Sobre Metodologia Científica

Sobre Metodologia Científica 2013 Sobre Metodologia Científica Sergio Scheer TC022 Introdução a Engenharia UFPR Motivação Para que serve Metodologia Científica? Ciência e Conhecimento A produção de Conhecimento: Pesquisa O Processo

Leia mais

Locke ( ) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012.

Locke ( ) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012. Locke (1632-1704) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012. Racionalismo x Empirismo O que diz o Racionalismo (Descartes, Spinoza, Leibiniz)?

Leia mais

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana PLANO DE CURSO DISCIPLINA: FILOSOFIA DO DIREITO (CÓD.: ENEX 60110) ETAPA: 2ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e Competências Textos,

Leia mais

Cuidado e desmedicalização na atenção básica

Cuidado e desmedicalização na atenção básica Rio de Janeiro, agosto de 2012 Cuidado e desmedicalização na atenção básica Laura Camargo Macruz Feuerwerker Profa. Associada FSP-USP Medicalização e a disputa pela vida Movimento de compreender todos

Leia mais

O conhecimento é a chave da vida!

O conhecimento é a chave da vida! Porto Alegre, 02 de janeiro de 2017 Sejam Bem Vindos Prezados(as) Educadores(as)! Bom Dia com Alegria! O conhecimento é a chave da vida! Contem sempre conosco e que tenhamos divertidas e abençoadas formações

Leia mais

Planificação Anual Departamento CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

Planificação Anual Departamento CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS Modelo Dep-01 Agrupamento de Escolas do Castêlo da Maia Planificação Anual Departamento CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS Ano 5º Ano letivo 2013 / 2014 Disciplina EMRC Turmas A, B, C, D, E, F, G, H, I, J Professores:

Leia mais

Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo

Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo Fabiana Chinalia Professora de Metodologia para o Ensino de Ciências Naturais e Meio Ambiente Data: 05 e 06/04/2011 Descobertas sociocientíficas

Leia mais

Foucault e a educação. Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nos Currículos da Educação Infantil

Foucault e a educação. Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nos Currículos da Educação Infantil Foucault e a educação Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nos Currículos da Educação Infantil Prefácio A educação abrange os processos de ensinar e de aprender e se desenvolve em todos os espaços possíveis:

Leia mais

Relações pedagógicas. Professor aluno. Ensino aprendizagem. Teoria e prática. Objetivo e avaliação. Conteúdo e método

Relações pedagógicas. Professor aluno. Ensino aprendizagem. Teoria e prática. Objetivo e avaliação. Conteúdo e método Relações pedagógicas Professor aluno Ensino aprendizagem Teoria e prática Objetivo e avaliação Conteúdo e método A linha mestra que norteia qualquer ação na educação está relacionada à relação humana.

Leia mais

IMMANUEL KANT ( )

IMMANUEL KANT ( ) CONTEXTO HISTÓRICO Segunda metade do século XVIII época de transformações econômicas, sociais, políticas e cultural-ideológicas. A Revolução Industrial e a consolidação do Capitalismo. A Revolução Científica,

Leia mais

JOSÉ RENATO GAZIERO CELLA RAZÃO E EXPERIÊNCIA; IDEAL E REAL EM DEWEY

JOSÉ RENATO GAZIERO CELLA RAZÃO E EXPERIÊNCIA; IDEAL E REAL EM DEWEY JOSÉ RENATO GAZIERO CELLA RAZÃO E EXPERIÊNCIA; IDEAL E REAL EM DEWEY Trabalho de Graduação apresentado ao Curso de Filosofia, Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná.

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos da Mãe Terra. Ter, 11 de Maio de :24

Declaração Universal dos Direitos da Mãe Terra. Ter, 11 de Maio de :24 Declaração Universal dos Direitos da Mãe Terra. Ter, 11 de Maio de 2010 19:24 Projeto de Declaração Universal dos Direitos da Mãe Terra Elaborado na Conferência Mundial dos Povos sobre Mudança Climática

Leia mais

Material de divulgação da Editora Moderna

Material de divulgação da Editora Moderna Material de divulgação da Editora Moderna Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação

A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação Fundamentos Filosóficos e Sociológicos da Educação Semana I Prof. Ms. Joel Sossai Coleti O que é? O que é? Filosofia: disciplina que tem como objeto

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9

SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9 3 INTRODUÇÃO Este trabalho enfoca o tema epistemologia crítica e foi elaborado segundo a técnica de resumo do texto com

Leia mais

Manual de Negociação

Manual de Negociação Disciplina: Processo Decisório Prof. Gustavo Nogueira Manual de Negociação Organizador: Gilberto Sarfati 1º Edição 2010 Clarissa Brandão Clarissa Brandão é advogada, mestre em Direito Internacional e Integração

Leia mais

CONHECIMENTO, CETICISMO E CIÊNCIA. Organizadores: Artur Bezzi Günther, Eduardo Antonielo de Avila e Maria Eugênia Zanchet Bordignon.

CONHECIMENTO, CETICISMO E CIÊNCIA. Organizadores: Artur Bezzi Günther, Eduardo Antonielo de Avila e Maria Eugênia Zanchet Bordignon. CONHECIMENTO, CETICISMO E CIÊNCIA Artur Bezzi Gunther Organizadores: Artur Bezzi Günther, Eduardo Antonielo de Avila e Maria Eugênia Zanchet Bordignon. 1. Duração: 02 horas e 15 minutos. 2. Recursos didáticos:

Leia mais

REGRAS DO MÉTODO encontrar por si mesmo uma solução evidente que permita reorganizar nossos juízos e separar neles o falso do verdadeiro;

REGRAS DO MÉTODO encontrar por si mesmo uma solução evidente que permita reorganizar nossos juízos e separar neles o falso do verdadeiro; René Descartes REGRAS DO MÉTODO Primeira parte: encontrar por si mesmo uma solução evidente que permita reorganizar nossos juízos e separar neles o falso do verdadeiro; REGRAS DO MÉTODO Método: Meta por,

Leia mais

Estado: conceito e evolução do Estado moderno. Santana do Livramento

Estado: conceito e evolução do Estado moderno. Santana do Livramento Estado: conceito e evolução do Estado moderno Santana do Livramento Objetivos da Aula Objetivo Geral Estudar o significado do Estado, sua concepção e evolução para os modelos do Estado Moderno, para a

Leia mais

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Conceitos de pesquisa A Pesquisa é: procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis,

Leia mais

Ética e Relações Interpessoais. Professora Nancy Assad

Ética e Relações Interpessoais. Professora Nancy Assad Ética e Relações Interpessoais Professora Nancy Assad O que é ética? Etimologia: Ética: ethos (grego): costumes, modo de ser, caráter. Ética é reflexão sobre a própria conduta para saber como agir; Ética

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FILOSOFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FILOSOFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FILOSOFIA Nome: Nº 9 a. Série Data: / /2016 Professor: ALESSANDRO Nota: (valor: 1,0) 2º semestre A - Introdução Neste semestre, sua média foi inferior a 6,0 e você não assimilou

Leia mais

ANOTAÇÕES SOBRA A CRÍTICA DE MARX À CONCEPÇÃO DO ESTADO DE HEGEL

ANOTAÇÕES SOBRA A CRÍTICA DE MARX À CONCEPÇÃO DO ESTADO DE HEGEL 1 ANOTAÇÕES SOBRA A CRÍTICA DE MARX À CONCEPÇÃO DO ESTADO DE HEGEL Wellington de Lucena Moura Mestrando em Filosofia Universidade Federal da Paraíba O objetivo deste trabalho é o exame das críticas à filosofia

Leia mais

Uma reflexão O PODER DOS PAIS: ECA E PRÁTICAS EDUCATIVAS

Uma reflexão O PODER DOS PAIS: ECA E PRÁTICAS EDUCATIVAS Uma reflexão O PODER DOS PAIS: ECA E PRÁTICAS EDUCATIVAS 1 Que aconteceu com o poder dos pais? Antigamente... A revolução jovem dos anos 60 As questões de hoje: Ninguém quer ser chamado de autoritário,

Leia mais

Redução da maioridade penal: justiça ou vingança? Camila Valle[1]

Redução da maioridade penal: justiça ou vingança? Camila Valle[1] Camila Valle[1] O objetivo da redução da maioridade penal é fazer com que o Direito Penal (e a justiça correspondente) seja aplicado aos que hoje são tutelados pelo Estatuto da Criança e do Adolescente

Leia mais

Professor: Décius Caldeira HISTÓRIA 3ª série Ensino Médio HISTÓRIA E PENSAMENTO POLÍTICO

Professor: Décius Caldeira HISTÓRIA 3ª série Ensino Médio HISTÓRIA E PENSAMENTO POLÍTICO Professor: Décius Caldeira HISTÓRIA 3ª série Ensino Médio HISTÓRIA E PENSAMENTO POLÍTICO I- OS HOMENS DEVEM AMOR AO REI: SÃO SÚDITOS. Jacques Bossuet II- AS VIRTUDES DO HOMEM PÚBLICO SE CONFUNDEM COM AS

Leia mais

Ordem Internacional e a Escola Inglesa das RI

Ordem Internacional e a Escola Inglesa das RI BRI 009 Teorias Clássicas das RI Ordem Internacional e a Escola Inglesa das RI Janina Onuki IRI/USP janonuki@usp.br 23 e 24 de setembro de 2015 ESCOLA INGLESA Abordagem que busca se diferenciar do debate

Leia mais

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho. CP: Cidadania e Profissionalidade. Formadora: Ana Gonçalves

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho. CP: Cidadania e Profissionalidade. Formadora: Ana Gonçalves Descrição: Direitos e deveres adquiridos em cada fase da vida - criança, adulto e na velhice Objectivo: Cidadão/ Estado Critérios de Evidência; Reconhecer as responsabilidades inerentes à liberdade pessoal

Leia mais

MÉTODO CIENTÍFICO. Patrícia Ruiz Spyere

MÉTODO CIENTÍFICO. Patrícia Ruiz Spyere MÉTODO CIENTÍFICO Introdução Método científico Modelos de método científico INTRODUÇÃO Mitos Explicação da realidade e dos fenômenos naturais de forma simbólica, por meio de deuses, semi-deuses e heróis

Leia mais

INTRODUÇÃO À FILOSOFIA MORAL

INTRODUÇÃO À FILOSOFIA MORAL INTRODUÇÃO À FILOSOFIA MORAL 13 & 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (3ª aula) Sumário da Aula Anterior: Definições de Ética. Teorias consequencialistas e teorias deontológicas. Definições de Bioética. A Bioética

Leia mais

Maria Luiza Costa

Maria Luiza Costa 45 ESTÉTICA CLÁSSICA E ESTÉTICA CRÍTICA Maria Luiza Costa m_luiza@pop.com.br Brasília-DF 2008 46 ESTÉTICA CLÁSSICA E ESTÉTICA CRÍTICA Resumo Maria Luiza Costa 1 m_luiza@pop.com.br Este trabalho pretende

Leia mais

Para Mezzaroba e Monteiro: Marlyse F. de C. Magalhães 1 1 PESQUISA

Para Mezzaroba e Monteiro: Marlyse F. de C. Magalhães 1 1 PESQUISA 4 1 PESQUISA Marlyse F. de C. Magalhães 1 Para uma melhor compreensão, iniciar-se-á no conceito da pesquisa e após explanar o conceito de acordo com os autores, explicará a finalidade de uma pesquisa.

Leia mais

Da teoria da ação mediada ao modelo topológico de ensino.

Da teoria da ação mediada ao modelo topológico de ensino. Da teoria da ação mediada ao modelo topológico de ensino. A idéia de ação mediada que trazemos para compreender a sala de aula inspira-se nos estudos de James Wertsch, discutidas em seu livro Mind as Action

Leia mais

Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais.

Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais. Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais. CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman Centro Universitário Estácio da Bahia Conteúdo O contexto histórico

Leia mais

A justiça como virtude e instituição social na organização da sociedade grega.

A justiça como virtude e instituição social na organização da sociedade grega. A justiça como virtude e instituição social na organização da sociedade grega. Colégio Cenecista Dr. José ferreira Professor Uilson Fernandes Fevereiro de 2016 A forma como os filósofos clássicos definem

Leia mais

Gestão de Processos. Tópico 4. Ferramentas de Qualidade: PDCA

Gestão de Processos. Tópico 4. Ferramentas de Qualidade: PDCA Gestão de Processos Tópico 4 Ferramentas de Qualidade: PDCA Sumário 1. O que é o Ciclo PDCA... 3 2. Importância do Ciclo PDCA... 3 3. Etapas do Ciclo PDCA... 3 3.1 Planejar (PLAN)... 3 3.1.1 Qual é o problema/processo

Leia mais

Ética aplicada: ética, moral, valores e virtudes. Professora Renata Lourdes.

Ética aplicada: ética, moral, valores e virtudes. Professora Renata Lourdes. Ética aplicada: ética, moral, valores e virtudes Professora Renata Lourdes. renatalourdesrh@hotmail.com CONCEITO DE ÉTICA Estudo dos juízos de apreciação referentes à conduta humana suscetível de qualificação

Leia mais

Editora Dedo de Prosa Foco

Editora Dedo de Prosa Foco Editora Dedo de Prosa Foco O principal objetivo da editora Dedo de Prosa é oferecer material de suporte para professores, ajudando a canalizar a curiosidade dos alunos através de leitura, a princípio de

Leia mais

PESQUISA CIENTÍFICA -Aula 4-

PESQUISA CIENTÍFICA -Aula 4- PESQUISA CIENTÍFICA -Aula 4- Prof. Alexandre Paiva da Silva Pombal PB SUMÁRIO Pesquisa Conceitos Características Objetivos Finalidades Requisitos Qualidades do pesquisador Tipos de pesquisa científica

Leia mais

CURSO: MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA: METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

CURSO: MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA: METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA CURSO: MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA: METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Prof. Dra. Renata Cristina da Penha França E-mail: renataagropec@yahoo.com.br -Recife- 2015 MÉTODO Método, palavra que vem do

Leia mais

SCC 207 COMPUTADORES E SOCIEDADE I. Estudo de Caso

SCC 207 COMPUTADORES E SOCIEDADE I. Estudo de Caso SCC 207 COMPUTADORES E SOCIEDADE I Estudo de Caso um recurso didático útil para auxiliar a vivenciar situações éticas e analisar as possíveis implicações de cada decisão. útil também para mostrar como

Leia mais